Você está na página 1de 2

Fatores de risco e de prognostico

Fatores genticos e fisiolgico:


Os fatores genticos e fisiolgico tm papel importante na etiologia da ST, influenciam a
expresso sintomtica e a gravida e dos tiques (DSM-V, data). Os estudos com gmeos e
famlias tm fornecido evidncias de que h uma transmisso gentica vertical da
vulnerabilidade ST. A anlise de segregao de famlias indica que a ST herdada de
acordo com o padro autossmico dominante dependendo do sexo (Pauls & Leckman,
1993 cit in Hounie & Petrib, 1999).
Fatores perinatais:
Alguns estudos mostram que estabelecer uma relao entre eventos perinatais adversos e
a ST so conflitantes. Observaram uma relao entre a gravidade dos stressores durante
a gestao, alm de nusea e vmitos no primeiro trimestre e o desenvolvimento de
distrbios de tiques (Leckman, 1993 cit in Hounie & Petrib, 1999). As complicaes
obsttricas, idade paterna avanada, baixo peso nascena e tabagismo da me durante a
gravidez tambm esto associados a maior gravidade dos tiques (DSM-V, 2013)
Fatores Temperamentais:
Os tiques so agravados pela ansiedade, excitao e exausto, e melhoram durante
atividades calmas e focalizadas. Os indivduos podem ter menos tiques quando esto
envolvidos em trabalhos escolares ou tarefas no trabalho do que quando esto em
momentos de lazer (DSM-V, 2013).
Fatores Ambientais:
A observao de um gesto ou som de noutra pessoa pode num individuo com uma
perturbao de tiques ter como resultados a execuo de um gesto ou som semelhante, o
que pode ser incorretamente entendido por outros como propositado. Isto pode ser
particularmente problemtico quando o individuo interage com figuras de autoridade
como, professores, supervisores, policia (DSM-V, 2013)
Fatores psicolgicos:
Estes transtornos so conhecidos pela sua relao com o stresse exacerbao dos sintomas
diante de eventos stressantes ou excitantes (por exemplo, realizar um teste, participar em

atividades excitantes), no necessariamente desagradveis, podem agravar muitas vezes


os tiques (Hounie & Petrib, 1999).

Fatores neurobiolgicos:
O traumatismo crnio-enceflico, a intoxicao por monxido de carbono, o abuso de
cocana, a retirada de opiceos ou o tratamento farmacolgico com neurolpticos podem
tambm se associar gnese da sndrome. H evidncias de que o tratamento longoprazo com neurolpticos, pode elevar o risco de desenvolvimento de tiques em alguns
pacientes. Esses so denominados de touretismo ou tiques secundrios (Mattos &
Mattos, 1999 cit in Teixeira; Junior, Neto, Targino, Palheta & Silva, 2011)

Referencia bibliogrfica:
American Psychiatric Association (2013). DSM-V. Manual de Diagnstico e Estatstica
das Perturbaes Mentais (5. edio). Lisboa: Climepsi Editores
Hounie, A. & Petrib, K. (1999). Sndrome de Tourette - reviso bibliogrfica e relato de
casos.

Rev

Bras

Psiquiatr.

Vol.

21

(1).

Disponvel

em:

http://www.scielo.br/pdf/rbp/v21n1/v21n1a10.pdf
Teixeira, L. L. C.; Jnior, J. M. S. P.; Neto, F. X. P.; Targino, M. N.; Palheta, A. C. P.; &
Silva F. A. (2011). Sndrome de La Tourette: Reviso de literatura. Intl. Arch.
Otorhinolaryngo.

Vol.

15

(4),

p.

http://www.scielo.br/pdf/aio/v15n4/a13v15n4.pdf

492-500.

Disponvel

em:

Você também pode gostar