Você está na página 1de 1

Luis Serguilha o texto-animal tem necessidade de se vivificar, revivescer

fora da utilidade, sim, nutre-se da experimentao que jamais servir o domnio


transcendente____a literatura acontece numa pluralidade de sensaes sem
mestres, nem oficinas, nem prmios. ELA a ritmicidade inobjectivvel,
estimuladora do pensamento, a potncia da vida que selecciona as foras
activas a-sgncas!

Sandro Alves E pobre de mim que no alcanso nada alm dos signos. Eles
vibram na frequncia que forma minha matria que convulciona livre em sua
condio significada pelo smbolo que a palavra biologia. Atingir o a-sgnico,
para mim, como falar de matria e energia escura para Pitolomeu. Ou melhor,
para Newton. Sou carteziano demais, mesmo quando sou meus tremores sem
sentidos.
Me interessa muito o texto-animal. Eu sempre achei que esse animal era muito
mais que uma metfora para indomvel, ou primitivo. Metforas so
signorreias. O texto-animal corroso-fuga da lgica da linguagem com suas
narrativas de horizontes polticos (Jameson) e outras titicas do tipo.