Você está na página 1de 49

INSTITUTO AGRONÔMICO

FITORREMEDIAÇÃO DE
ÁREAS CONTAMINADAS
COM CHUMBO
Cleide Aparecida de Abreu
Palestra apresentada
1 Seminário de chumbo secundário
25 e 26 de Junho, Londrina , PR
Bruno Pereira
PROCESSOS INDUSTRIAIS E MATERIAIS QUE ENVOLVEM O Pb

Uso mundial do chumbo

Bruno Pereira
Processo de reciclagem de baterias

refinamento

Sucata de bateria

Lingotes de chumbo

Forno rotativo
Placas de chumbo
Bruno Pereira
Bruno Pereira
Efeitos no organismo:
• Hipertensão
• Náusea
• Insônia
• Desenvolvimento
• QI
• Atenção
• Deterioração mental

Bruno Pereira
Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

?
CETESB (2010):
2514 áreas
contaminadas
300 com Metais
Pesados
Pb
Bruno Pereira
Valores Orientadores para o Estado de São Paulo

Pb

VRQ VP VI VI VI
agrícola residencial industrial
mg kg-1

17 72 180 300 900

Cetesb
Bruno Pereira
FITORREMEDIAÇÃO

Uso de plantas para remover,


imobilizar ou tornar inofensivo ao
ecossistema contaminantes
orgânicos e inorgânicos
presentes no solo e na água.

Bruno Pereira
FITORREMEDIAÇÃO

- Tecnologia verde

- Aceitação pública

- Baixo custo
escavação US$ 150 – 350 /t
fitorremediação – US$ 20 – 80/t

Bruno Pereira
Vantagens da fitorremediação:
fitorremediação: natureza permanente, baixos custos de
manutenção, proteção do solo contra a erosão, melhoria da estruturação do solo.
solo.

Maior remoção
de água pelas
plantas
Melhoria
na estética Redução da
erosão eólica

Recuperação
do solo Redução dos
impactos nos
recursos hídricos
Menor
percolação de Estabilização dos
água metais no solo Menor deposição
de sedimentos

CORTESIA:
Cortesia Soares, C. Soares,
Soares, C.R.F.S. Bruno Pereira
PROCESSOS DE FITORREMEDIAÇÃO

- Fitovolatização
Fitovolatização:: capacidade das plantas
para volatizar metais dos solo (Se e Hg).

- Fitoestabilização
Fitoestabilização:: uso de plantas para
minimizar a mobilidade de metais em solos
mediante acumulação nas raízes ou
precipitação na rizosfera.
rizosfera.

- Fitoextração
Fitoextração:: remoção de metais do solo
mediante absorção e acumulação de metais
na parte aérea.
Bruno Pereira
FITOEXTRAÇÃO

Recuperação
do
metal

Acumulação
de metais

Biomassa
pode ser
reduzida
Transferên-
Transferên- antes da
cia do metal disposição
raiz / parte
aérea

Aumento
disponibi-
disponibi-
lidade e
absorção

Bruno Pereira
Estratégias da Fitoextração
Fitoextração natural e contínua
Uso de plantas que naturalmente acumulam teores
muito altos de metais pesados
Hiperacumuladoras: teores excepcionalmente elevados na
Hiperacumuladoras:
parte aérea, não encontrado normalmente em plantas.
Zn e Mn (1%)
As, Se, Ni
Ni,, Cu e Pb ( 0,1%)
Em geral, baixa produção de biomassa

Fitoextração induzida:
uso de plantas com alta produção de biomassa induzidas
a absorver metais pela aplicação de agentes quelantes ou
outros produtos.
Bruno Pereira
HIPERACUMULADORAS
Alyssum murale

Pteris vitata

 > 3% Ni parte aérea


 Reciclagem Ni
 fitomineração Ni
US$ 16000/ha
23.000 mg/kg
mg/kg As nas folhas
 patente EUA
Comercial
Cortesisa :Clistenes,
Clistenes, 2009 Bruno Pereira
FITOEXTRAÇÃO INDUZIDA
Aplicada
especialmente
para metais de
baixa mobilidade
em solos e/ou sem
espécies
hiperacumuladoras
efetivas.

Pb2+ Pb2+
Pb2+
CHUMBO
Pb2+ Pb2+
Pb2+ Pb2+ Pb2+
Pb2+ Pb2+
Pb2+ Pb2+
Pb2+
Pb2+
Pb2+ Pb2+
Pb2+ Pb2+
Pb2+ Pb2+
Bruno Pereira
QUELANTES

Quelatos: Quando um cátion metálico se liga a uma


substância que possui doadores elétrons de maneira
que se forma uma ou mais estruturas em anel.

Pb Pb

Bruno Pereira
QUELANTES

4000

Concentração de 3000 Parte aérea milho


Pb nas plantas 2000
(mg kg-1)
1000

1200

Concentração de 900 Solução do solo


Pb na solução do
600
solo (mg L-1)
300

0
controle EDDHA EGTA DTPA HEDTA EDTA

(Huang, 1997) Bruno Pereira


Girassol – grande sensibilidade ao EDTA
S/ EDTA

20 cm

mg/kg Pb 5,7 9,1 20,8 32,6 59,7 88,8


Fe 170,8 165,3 132,4 185,4 118,8 127,6

C/ EDTA

Pb 49,3 202,3 253,5 745,9 1.728,5 1.169,3


mg/kg Fe 702,2 845,8 340,4 520,0 296,5 200,1
Pb 0 100 200 350 1.200 2.400
Bruno Pereira
Feijão de porco – potencial fitoextrator
S/ EDTA

20 cm

mg/kg Pb 9,7 16,2 34,5 60,5 108,7 99,5


Fe 107,3 121,4 83,4 104,6 89,9 67,6

C/ EDTA

Pb 8,7 20,5 44,3 121,0 559,2 787,8


mg/kg Fe 222,2 246,9 205,0 318,0 246,4 151,7
Pb 0 100 200 350 1.200 2.400
Bruno Pereira
Milho – eficiente sem EDTA

S/ EDTA

20 cm

Pb 5,4 35,7 128,9 279,0 628,6 1.587,7


mg/kg
Fe 213,7 191,5 237,3 263,1 248,3 336,4

C/ EDTA

Pb 44,3 24,1 77,4 160,9 679,8 1.690,5


mg/kg Fe 499,9 230,1 477,4 477,9 311,0 379,7
Pb 0 100 200 350 1.200 2.400
Bruno Pereira
SOLUÇÃO DO SOLO

+ - 3- + 2+ 2+ 2- - 2+ 3+ 2+ 2+ 3+ 2+
Doses de Pb pH NH4 NO3 PO4 K Ca Mg SO4 Cl Cu Fe Mn Zn Al Pb
-1
mg.kg-1 mg L
Sem EDTA
0 4,3 398,1 2713,5 0,4 120,8 456,0 247,0 315,0 72,1 0,0 0,1 4,2 0,3 0,6 0,1
100 4,3 415,6 3478,7 0,6 120,8 438,0 240,0 271,5 65,7 0,0 0,1 5,2 0,7 0,6 0,5
200 4,5 374,0 2802,8 0,3 115,5 409,0 219,0 287,9 67,1 0,0 0,0 4,6 1,4 0,5 0,5
350 4,4 285,1 3405,4 0,5 99,8 393,0 215,0 256,7 56,4 0,1 0,1 4,4 0,8 0,6 1,5
1200 4,5 268,5 3794,4 0,6 115,5 513,0 265,0 196,1 54,0 0,0 0,2 8,1 1,5 1,7 15,4
2400 4,0 138,9 4036,7 0,5 131,3 678,0 303,0 142,7 21,3 0,0 0,1 15,9 0,9 2,1 141,2
Com EDTA
0 4,3 324,0 2713,5 0,8 126,0 396,0 233,0 278,4 70,3 1,2 148,0 7,4 2,4 4,5 39,0
100 4,1 442,5 2678,4 1,0 136,5 433,0 258,0 308,4 85,9 1,2 149,7 8,4 2,3 4,5 141,1
200 4,0 364,7 2739,0 0,8 131,3 424,0 250,0 298,1 68,9 0,8 123,9 8,4 1,5 3,2 245,0
350 4,4 351,8 3666,9 1,0 152,3 525,0 313,0 360,2 66,7 0,8 121,6 11,0 1,5 3,8 484,9
1200 4,1 339,7 3092,9 0,8 152,3 607,0 410,0 318,9 66,7 0,3 53,4 11,9 0,6 1,8 903,8
2400 3,8 175,9 3124,8 0,4 152,3 823,0 410,0 184,3 28,4 0,1 27,9 22,3 0,8 3,3 655,8

Bruno Pereira
CONCLUSÃO

1- O girassol foi a que apresentou maior


sensibilidade a aplicação de EDTA.

2- Tanto o feijão-de-porco quanto o milho,


apresentam potencial como fitoextratoras de Pb.

3- Não é necessário a aplicação de EDTA para


aumentar a eficiência do milho em extrair Pb do
solo.
Bruno Pereira
Parcelamento EDTA

Sem EDTA

Solo com
1200 mg .kg-1
mg.kg
0,25 + 0,25 g.kg-1 de
de Pb
EDTA (20 e 40 dias)

0,5 g.kg-1 de
EDTA (20 dias)

Feijão-de
Feijão- de--porco
4 por vaso

Bruno Pereira
Parcelamento EDTA

Gabos,, 2008
Gabos Bruno Pereira
Produção de biomassa

[20 dias] [40 dias]


40 40
A A A
35 35
PARTE AÉREA

30 30
A A A
25 25
20 20
15 15
10 10
Massa Seca (g)

5 5
0 0
5 a a a 5
a a
b
10 10
-1 -1
15 Sem EDTA 0,25+0,25 g.kg-1 0,5 g.kg 15 Sem EDTA 0,25+0,25 g.kg -1
0,5 g.kg
EDTA EDTA EDTA EDTA
20 20
RAIZ

25 25
30 30
35 35
40 40

Gabos,, 2008
Gabos Bruno Pereira
Teor de Pb absorvido pelo feijão de porco

21 [20 dias] 21 B [40 dias]


18 18 B
PARTE AÉREA

15 15
A
12 12
Quantidade de Pb (mg.vaso )
-1

9 9
B
6 6

3 A A 3

0 0
a
3 a a 3
b b
6 6 c
-1 -1 -1
Sem EDTA 0,25+0,25 g.kg 0,5 g.kg Sem EDTA 0,25+0,25 g.kg
-1
0,5 g.kg
9 EDTA EDTA 9 EDTA EDTA
RAIZ

12 12

15 15

18 18

21 21

Bruno Pereira
Eficiência do feijão de porco

Indice de Fator de
TRATAMENTO translocação - tranferência - Eficiência Tempo(1)
IT F
------- % ------- ----- % ----- -- anos --
Sem EDTA 77,5 0,15 0,63 39,6
-1
0,25+0,25g kg EDTA 86,7 0,23 0,86 28,9
-1
0,5g kg EDTA 97,8 0,23 0,89 28,1
(1)
Considerando-se anualmente quatro ciclos de cultivo

Gabos,, 2008
Gabos Bruno Pereira
Parcelamento EDTA 60 mm de
Água chuva em 5
EDTA
horas
única (0,5 g.kg-1) ou 10 cm

parcelada
Solo da camada de 00--20 cm
(0,25 + 0,25 g.kg-1) 20
cm
(1200 mg kg-1 de Pb
Pb))

20 Solo da camada de 20-


20-40 cm
cm
(não contaminado)

Épocas de coleta:
Análise de Pb 4, 11, 18, 32, 46, 60,
74, 86, 100 e 114 dias
no lixiviado
Bruno Pereira
Quantidade de Pb no lixiviado

120

Sem EDTA
100 -1
0,25+0,25 g.kg EDTA
Quantidade de Pb (mg)

-1
0,5 g.kg EDTA
80

60

40

20

0
1a. 2a. 3a. 4a. 5a. 6a. 7a. 8a. 9a. 10a. --
Lixiviação

Gabos 2008, Bruno Pereira


Acumulado de Pb lixiviado

350

300
Pb Acumulado (mg.lixiviado )
-1

250

200

150
Sem EDTA
100 0,25+0,25 g.kg
-1

-1
0,5 g.kg
50

0
1a. 2a. 3a. 4a. 5a. 6a. 7a. 8a. 9a. 10a.
Lixiviação

Gabos,, 2008
Gabos Bruno Pereira
Pb no solo da coluna extraído por DTPA

Pb
TRATAMENTO
0-20 cm 20-40 cm
------------------------------ mg.kg-1 ----------
Sem EDTA 915,0 c 109,3 a
0,25+0,25g.kg-1 EDTA 554,3 b 288,3 b
0,5g.kg-1 EDTA 496,1 a 280,9 b

Gabos,, 2008
Gabos Bruno Pereira
A aplicação de EDTA, independente do parcelamento ou
não, aumenta a disponibilidade de Pb no solo,
solo,
favorecendo sua remoção do sistema, bem como facilita
a translocação e acúmulo do referido metal para a parte
aérea do feijão
feijão--de
de--porco
porco..

O EDTA aumenta a mobilidade de Pb no solo e sua lixiviação


no perfil, devendo-
devendo-se preferir pela aplicação parcelada
deste quelante
quelante,, uma vez que tal efeito é menos
pronunciado.

O parcelamento de EDTA é recomendável, porque não altera


negativamente a extração de Pb do solo, mas reduz os
riscos de lixiviação.
Bruno Pereira
Quelantes
250

%
211,4
250

dededegradação
200

degradação (%)
150

100 85
TaxaTaxa

67,4

50
50,5
Dose 52,5

21,5 19,2

0
0
250 500 750
EDTA 250 EDTA 500
250 500 750 400 mg kg -1
EDTA 750 EDDS 250 EDDS 500 EDDS 750 GLICOSE

Tratamentos
EDTA EDDS glicose

Taxa de degradação ao final da incubação.

Fiori, 2008 Bruno Pereira


Quelantes

2
EDT A ** y=2,6163x - 2,7135 r = 0,9958

z
EDDS ** y=2,1157x - 2,8355 r = 0,8425
10
8
EDTA

Zn lixiviado
6

(mg)
4
EDDS
2
0
0 250 500 750
-2 -1
Doses dos quelantes (mg kg )

Média da massa de Zn em todas as lixiviações ( 9)


para doses crescentes dos agentes quelantes
EDTA e EDDS aplicados no solo.
solo.

Fiori, 2008 Bruno Pereira


Concentração de Pb, mg dm-3

Adailson Pereira Souza, UFPA & Clistenes A. Nascimento Bruno Pereira


3,63

48

Bruno Pereira
Remoção de Pb pela parte aérea do milho após doses crescentes de quelante

Ac. Pb, parte EDTA, Pb, parte NTA, Pb, parte


Citrico, aérea mmol/kg aérea mmol/kg aérea
mmol/kg milho milho milho
mg/vaso mg/vaso mg/vaso

0 13,8 0 57,4 0 17,5


20 65,2 5 100 5 37,7
40 116,9 10 143,1 10 58,1
60 168,0 15 185,9 15 78,5
80 219,4 20 228,7 20 98,9

Freitas et al
al,, 2009 Bruno Pereira
Efeito da adição de quelante
quelante,, mmol
mmol/Kg,
/Kg, na concentração de Pb,
Pb, mg/L,
mg/L, no lixiviado,
lixiviado,
após percolação de 1.800 mL de água

Quelante Concentração de Pb, mg/L

0 10 20

EDTA 4 aC 309 aB 449 aA

NTA 4 aC 186 bB 224 bA

Ác. cítrico 4 aB 9 cAB 13 cA

Ác. oxálico 4 aA 7 cA 8 cA

Freitas et al., 2009 Bruno Pereira


FITOEXTRAÇÃO EM SITU - Fort Dix, New Jersey

Condições do local

• Contaminação Pb:
Pb: balas ,fragmentos de
balas,, Pb forma iônica
balas
• Concentração inicial Pb : 160 to 10.000
mg/kg, média de 516 mg/kg
mg/kg
• Predominantemente arenoso
• Baixa fertilidade e baixa capacidade de reter
água
• Escavação para remover fragmentos de Pb
• 3500 t de solo colocados nos 20 cm de prof
prof..
• Fitoextração:
Fitoextração: remover o Pb
s.

Bruno Pereira
FITOEXTRAÇÃO EM SITU - Fort Dix, New Jersey

A média de Pb diminuiu de
516 mg/kg para ± 35 mg/kg
mg/kg..

Bruno Pereira
Fitoestabilização/fitoextração cana de acúcar
HISTÓRICO DA ÁREA

→ aplicação resíduo de sucata metálica

→ o resíduo foi incorporado 20 a 40 cm, arado de discos


→ 2005 a CETESB – vistoria da área
Interditada devido à contaminação por metais pesados
→ 10 t ha de calcário dolomítico

Nogueirol, 2008
Bruno Pereira
Tipo de solo

Neossolo litólico em associação com cambissolo


Textura média argilosa Bruno Pereira
Variação área Valor Intervenção Intervenção
contaminada Prevenção Agrícola Industrial

-------------------------------------------mg kg-1--------------------------------------------

Arsênio 1,5 - 11 15 35 150


Bário 264 - 875 150 500 750
Boro 62
Cádmio 1,1 - 8,3 1,3 3 20
Chumbo 269 - 1200 72 180 900
Cobre 151 - 1471 60 200 600
Cromo 17 - 230 75 150 400
Ferro 38651
Manganês 578
Mercúrio <1,0 0,5 12 70
Molibdêni
1,1- 6,3 30 50 120
o
Níquel 30 - 120 30 70 130
Selênio <1,0 5 -
Zinco 1300- 3600 300 450 2000
pH 7,1 – 7,6 Bruno Pereira
Fitoestabilização – cana-de-açúcar

Tratamentos

m t v
o e s
i r r f i
solo do local do experimento
t t m o l
Distribuição da vermiculta
arado e gradeado a i
i Dose s i parcela experimental.
c f c
g t u a a
a u l t t
d r i o
o
f t
o
a a
r
e
Variedade: IAC 3396 s
Espaçamento 1,4 X 10 m
Área útil: 6 linhas plantio semi mecanizado
Rossetto et al., 2009 mudas – toletes 3 gemas
Bruno Pereira
Fitoestabilização – cana-de-açúcar

Produtividade da cana-de-açúcar

Tratamento tonelada de cana ha-1


Testemunha 59,14bc
Torta de filtro (30 t ha-1) 75,07a
Dose
Turfa (30 t ha-1) 66,38b
Vermiculiita (30 t ha-1) 79,02a
Fosfato de rocha (150 kg ha-1 de 70,52a
P2O 5)
Silicato (2,5 t ha-1) 55,60c
Produtividade média 70 (BR) a 120 (SP)
Rossetto et al., 2009 Bruno Pereira
Fitoestabilização – cana-de-açúcar

Extração total dos elementos , g ha-1

Tratamento B Cu Zn Mn
Testemunha 501 192b 1700 1575
Torta de filtro (30 t ha-1) 497 301a 1700 812
Dose
Turfa (30 t ha-1) 401 205ab 1880 1462
Vermiculiita (30 t ha-1) 552 230ab 2062 822
Fosfato de rocha (150 kg ha-1 de P2O5) 494 211ab 2057 1544
Silicato (2,5 t ha-1) 481 194ab 1841 1200

Rossetto et al., 2009 Bruno Pereira


As pesquisas que utilizaram diferentes culturas indicam que a fitoextração
é uma técnica promissora de ser adotada em solos brasileiros.

Bruno Pereira
Uso de quelantes mais biodegradáveis

Fitoextração tem limitações: solos com baixa a média concentração de


contaminantes, disponíveis para absorção e localizados
superficialmente

atualmente, a utilização dos quelantes na remediação dos solo

contaminados por metais pesados não é uma prática vista com bons

olhos.. Os metais pesados passam a ter maior mobilidade nos solos


olhos

podendo atingir os lençóis freáticos, principalmente, em áreas cujo

pH do solo é ácido
ácido..

Na Europa o uso de quelantes está proibido


proibido..
Bruno Pereira
Critério de decisão

CONTAMINANTE LOCAL
Biodisponibilidade Potencial de uso terra
Concentração Características do solo
Prof. contaminação Dose Hidrologia
Objetivo limpeza Vegetação existente
Tempo Clima

Bruno Pereira