Você está na página 1de 21

O CULTO DA PERFORMANCE

A sociedade globalizada converteu-se ao culto da performance. Os


movimentos sociais cederam lugar aos ganhadores, o conforto foi substituído por
uma hiperatividade, e as paixões políticas foram suplantadas pelo charme da
concorrência1. A ação individual torna-se um valor de referência, inclusive no
consumo que promete uma relação ativo com os objetos, os serviços e os lazeres. A
concorrência ganha um status de mitologia porque ela leva qualquer um,
independentemente de sua posição na hierarquia social, a construir-se por si
mesmo, trabalhando a partir de sua autonomia e de sua aparência. Líderes,
esportistas, empresários, executivos simbolizam uma versão empreendedora e
atlética da vida em sociedade. O discurso econômico é hoje motor em política e o
empresário é a personagem de vanguarda de uma atitude de massa. A empresa
passou de instrumento de dominação sobre as classes populares a modelo de
conduta para todos os indivíduos. Simultaneamente, a competição esportiva mudou
de natureza: o esporte saiu do esporte e tornou-se um estado de espírito, um modo
de formação do vínculo social, da relação a si e para o outro para o homem
competitivo no qual precisamos tornar-nos numa sociedade de competição
generalizada.
A generalização da competição acontece num quadro de fragmentação
da existência caracterizada pelo duplo movimento interdependente de um neo-
individualismo e de um neo-comunitarismo. O primeiro manifesta-se pela valorização
do indivíduo flexível, autônomo e independente que encontra-se em si mesmo suas
referências existenciais e se realiza pela sua ação pessoal. O segundo manifesta-se
por formas de pertença comunitária novas (renovação carismática por exemplo); as
mais duras (fundamentalismo islâmico, movimentos de extrema direita) são o
resultado de um processo de exclusão social que o Estado não conseguiu dominar.
A concorrência é uma pedagogia de massa que encarna para qualquer
um ao mesmo tempo a possibilidade e a obrigação de tornar-se alguém. Essa
versão atlética da vida em sociedade empurra para o indivíduo responsabilidades
antes assumidas pela esfera política. Esse estilo de vida que passa

1
EHRENBERG, Alain, Le culte de la performance, Paris, Hachette, 1991, introdução
2

necessariamente pela tomada de riscos convida cada um tornar-se responsável por


si mesmo num universo cada vez mais marcado pela incerteza e a complexidade.
A sensibilidade igualitária é um modo geral de pensar e de resolver a
contradição central das sociedades democráticas entre igualdade de princípios e
desigualdades reais. Ela constitui um paradigma que opera a divisão entre a
percepção do justo e do injusto, entre as desigualdades toleráveis e as que não o
são, definindo assim o campo dos enfrentamentos do atores, suas tomadas de
posição e seus ideais. As políticas assistenciais e as políticas revolucionárias
opunham a concorrência à justiça. A individualização do ator que torna visível o pelo
que ele é indivíduo somente é possível num estilo de relações sociais marcado pela
comparação permanente que toca os mais diversos campos da existência.

COMPETIÇÃO ESPORTIVA COMO ANTROPOLOGIA DA IGUALDADE DOS


INDIVÍDUOS

Qual é o significado cultural do esporte, qual sua dimensão


2
antropológica? Ele representa uma experiência imaginária da igualdade dos
indivíduos que não passa pela política.
Os espectadores não vivem uma forma primitiva de vida social. Se o
esporte enlouquece as massas, ele não as aliena ou as faz regredir. Ele é um vetor
de modernização ideológica, é um meio não político de popularizar os valores de
igualdade porque os faz agir enraizando eles no cotidiano mais banal do lazer.
A sociedade moderna é caracterizada pelo individualismo, quer dizer a
primazia do indivíduo sobre o tudo social. Ora, o individualismo ativa mecanismos
impessoais atravessados por uma tensão que tira de um lado na direção do
anonimato, a indiferenciação e do outro em direção da individuação, a diferença.
Essa tensão é a conseqüência do caráter igualitário da cultura moderna, o que
significa também que todos podem entrar em competição contra todos. O esporte é
escola da vida porque a vida é considerada com um combate que opera
constantemente seleções. Contudo, sabemos bem que tudo mundo não é igual
perante a igualdade e que as lutas as vezes são manipuladas. Somos em princípio
iguais, mas, na prática, hierarquizados em função de critérios não igualitários porque
vivemos numa sociedade estratificada. O esporte resolve no espetáculo, quer dizer

2
Ibid, primeira parte
3

na aparência, o dilema central e indefinido da igualdade e da desigualdade porque


todos podem entrar sempre em competição com todos. Assim, o espetáculo
esportivo deve ser considerado horizontalmente na suas relações com outros
fenômenos sociais que privilegiam a imagem, a aparência, o visível. É um aspecto
de uma história geral das aparências.
A aparência é, por definição, algo que mistura o real e o observável. Ela
não tem a ver com a ilusão que pressupõe um critério de distinção nítido do
verdadeiro e do falso, mas com o indiscernível. Numa sociedade de igualdade
individual, a aparência não é um critério seguro de classificação social porque não
corresponde a status atribuídos e conhecidos de antemão. Só pode ser uma
referência instável, uma rota de fuga aberta num universo social trabalhado pela
indeterminação. Platão tinha condenado as aparências porque eram cópias de um
modelo ou de um original transcendente. Numa sociedade que não é mais guiada
por referências transcendentes e fixas, as aparências são menos cópias do que
“ficções realistas”. Elas substituem a transparência das sociedades hierárquicas
onde cada um possui seu lugar na ordem do mundo. Nas sociedades onde nada é
fixo, a aparência é uma referência suficientemente realista para ser crível na medida
em que ela depende da relação de enfrentamento. Esta, quando é tão bem
codificada como no esporte, torna visíveis e sem contestação as qualidades e os
méritos pessoais de uns em relação aos outros. Aqui, o outro é a medida de mim
mesmo porque a classificação é sempre justa desde que a definição das regras do
enfrentamento escapam à influência dos competidores. O antagonismo, a luta, a
concorrência de todos contra todos não remetem ao universo da guerra mas ao da
identidade social. O enfrentamento é um dos modos de relação privilegiado numa
cultura fundada sobre a primazia e a autonomia da pessoa, sobre a existência do
“eu” separado da ordem do mundo. A primazia passa da interioridade para a
exterioridade. Só existe uma identidade social divulgada num espaço público onde
um outro olha. A identidade é, para nos, primeiramente legível no parecer e na ação.
A competição esportiva encena relações entre os homens e significados
que tornam visíveis certas representações coletivas centrais que moldam a
igualdade individualista. A competição possui a função de mostrar resultados
incontestáveis num mundo onde tudo é matéria para contestação porque não tem
mais ponto de vista último: mostra com clareza absoluta sentimentos ou valores que
experimentamos de modo oscilante, confuso, contraditório na nossa experiência
4

cotidiana. Torna os resultados inteligíveis para todos. O valor demonstrativo do


esporte consiste no fato que ele permite perceber na experiência cotidiana de
homens ordinários uma certa formalização da convivência humana. Mostra como
qualquer um pode tornar-se alguém independentemente da filiação, da origem
social, pelo próprio mérito. Ela representa a ilusão realista onde a justiça é produto
da concorrência e a desigualdade o fruto do enfrentamento de iguais, não do acaso
ou da fortuna. A tríade igualdade – individualismo - aparência forma o núcleo duro
do espetáculo esportivo. É porque o esporte é o único espetáculo de massa a operar
essa junção que ele é a imagem mesma da igualdade do mérito. As vedetes do
esporte ocupam um lugar importante porque o mecanismo competitivo é pensável e
praticável somente se os homens são supostamente iguais e, por conseqüência, não
somente comparáveis qualitativamente, mas principalmente, comensuráveis
quantitativamente. A comensurabilidade de todos numa relação de enfrentamento é
o nó da competição. Numa sociedade hierárquica, o princípio da medida não pode
funcionar porque existe uma diferença de natureza entre o cidadão grego e o
escravo. Numa sociedade igualitária, a medida distribui uns e outros no mesmo
contínuo quantitativo: não existe salto qualitativo direto.
Para que o campeão se torne o estereótipo do herói popular, foi preciso
que sua imagem cristalize uma história que cada um pode contar-se e um modo de
ação ao qual cada um pode referir-se: a epopéia ideal do homem comum e anônimo
que, sem ter nenhum privilégio de nascimento, arranca-se do destino coletivo da
massa indiferenciada e de semelhantes, para construir uma história por si mesmo,
uma superioridade acessível por todos. O herói é sempre da ordem do mesmo, do
comparável, sem o qual nenhuma identificação não seria pensável nem possível.
Torna visível um ideal supra-humano que permanece à altura do homem. Na sua
exceção, é a prova da própria humanidade.
O esporte é um mundo de relações definidas pela força na regra. Ele
reconcilia o que toda uma tradição da filosofia política constantemente opôs: a força
e o direito. No esporte, a força não é arbitrária porque ela se dobra diante do direito.
A competição, no objetivar as relações de forças numa regra frente à qual cada um é
igual, é o palco onde o direito do mais forte nunca é a força que vilipendia o direito.
Todo mundo está convencido de que a concorrência pura e perfeita reina absoluta.
Se ganha ou se perde, mas cada um se classifica dentro de uma problemática
5

igualitária. A classificação é o subproduto de um enfrentamento entre iguais, porque


a desigualdade é resultado e não princípio.

A imensa popularidade do esporte vem do fato que ele consiste numa


ilusão realista que neutraliza no imaginário as regras cotidianas da ordem social (seu
conjunto de desigualdades, suas trapaças, suas seleções injustas) dramatizando
uma relação de enfrentamento e valorizando-a como se ela representasse por si só
o conjunto das relações sociais. É uma gramática da relação conflituosa que se
materializa nos estádios onde, apesar do problema de doping, do dinheiro, a
concorrência parece pura o suficiente para fornecer uma imagem transparente de
uma sociedade que tenta desatar, no espetáculo, a contradição inicial a partir da
qual ela se pensa e pensa na relação aos outros. Pelo seu estilo de eliminação da
ambigüidade, a competição esportiva aviva uma paixão pela igualdade que ela
satisfaz muito melhor do que qualquer outra distração; ela preenche as aspirações
igualitárias de uma sociedade hierarquizada e não hierárquica.

No universo fluído das sociedades igualitárias, o espetáculo esportivo


reintroduz referencias certas mas temporárias por classificações e medidas diretas
ou indiretas. É um elemento de fuga na aparência, na imagem, no visível que
acompanham a indeterminação crescente da realidade. Não é a representação de
uma realidade: é a tradução de um imaginário. Ele não esconde nada, torna visível o
invisível. Não é a imagem de uma realidade: ele transforma o imaginário (uma
relação social ideal numa sociedade individualista que privilegia a igualdade em
relação à hierarquia) em imagem. A competição nos religa com nossa própria
cosmologia, com significados que nos fazem sentir (o esporte dirige-se
primeiramente às emoções) o que nos poderíamos ser. É uma história, no
condicional, da condição moderna. É a gramática encarnada da igualdade do
merecimento. Somos atravessados pela inquietante estranheza de ser
simultaneamente iguais e desiguais.
6

DA AVENTURA EMPREENDEDORA ATÉ A DEPRESSÃO NERVOSA3

O EMPREENDEDOR OU O INDIVÍDUO QUALQUER NA IDADE DO HEROISMO


Empresa – paixão é a mensagem principal dos sacerdotes da
performance. A política da cidadania, já submissa à concorrência do consumo na
vida privada, explode na vida pública por causa da pressão da empresa que se torna
também um espaço de realização pessoal. A sociedade globalizada está
ultimamente prestando muito mais atenção a concorrências e enfrentamentos entre
empresas mais do que à concorrências entre projetos políticos. Empreendedores,
craques do esporte, executivos líderes povoam o novo imaginário social. As figuras
de conquistadores se multiplicam e se referem umas às outras até formar um
sistema de representações. Isto significa um deslocamento decisivo na mitologia da
auto-realização. Antes, o homem qualquer (quelconque) contentava-se em admirar
seus heróis ou suas estrelas. Era o ponto de vista do espectador, que continua
sendo solicitado em particular através dos processos de consulta interativa. Hoje,
porém, o indivíduo não pode mais acomodar-se com esses devaneios: ele é cada
vez mais cobrado a aceder realmente à própria individualidade passando para a
ação. A democratização do parecer não está mais limitada aos confortáveis
consumos da vida privada: invade a vida pública sob o ponto de vista de uma
performance que leva cada um a singularizar-se tornando-se si mesmo. Hoje, só
conta a ação do indivíduo que revela somente o indivíduo, a parte puramente
pessoal do indivíduo qualquer, cujo ato de destaque também é qualquer o que
legitima qualquer proeza.
É porém na figura do empreendedor e no desenvolvimento recente e
rápido dos modos de ação empreendedores que o heroísmo encontra sua forma
dominante. O empreendedor é mostrado como modelo de vida heróica porque ele
resume o estilo de vida que coloca no comando a tomada de risco numa sociedade
que faz da concorrência inter-individual uma justa competição. Quando a salvação
coletiva representada pela transformação política da sociedade está em crise, a
logorréia de desafios, performances, dinamismo e atitudes conquistadoras constitui
um conjunto de disciplinas de salvação pessoal. Diante da aventura empreendedora
que virou a vida em sociedade, onde faltam os meios institucionais que ajudem as

3
Ibid, terceira parte
7

pessoas a enfrentar determinadas situações, a obrigação de ganhar é acompanhada


de uma crise de identidade e a depressão nervosa atinge um número cada vez
maior de pessoas. Os movimentos neo-comunitários no espaço político-social e a
depressão nervosa no espaço psíquico estão profundamente interligados. São os
novos estragos do progresso.

O ESPORTE AVENTURA: NOVO MODO DE SE PENSAR


Segundo Max Weber,
“a partir do momento em que não se pode remeter diretamente o “cumprimento
do dever profissional” aos valores espirituais supremos da cultura – ou que, vice-
versa, também não se pode mais experimentá-lo subjetivamente como uma
simples coerção econômica – aí então o indivíduo de hoje quase sempre
renuncia a lhe dar uma interpretação de sentido. Nos Estados Unidos, território
em que se acha mais à solta quando despida de seu sentido metafísico [ou
melhor: ético-religioso], ambição de lucro tende a associar-se a paixões
puramente agonísticas que não raro lhe imprimem até mesmo um caráter
esportivo.”4
A intuição weberiana é estimulante. A paixão agonística invadiu nossa
vida mais intensamente que o próprio Weber podia prever. A abundância de proezas
não nos retém mais. O esporte constitui o vetor principal e a força de atração da
difusão de uma cultura de heroísmo. Fornece sua forma ideal a uma dupla
transformação: a multiplicação dos usos não esportivos do esporte e “esportivização”
da aventura! Esse duplo movimento que se pode chamar esporte fora do esporte e o
esporte-aventura é a razão de sua nova popularidade porque faz trabalhar junta a
dimensão da justa desigualdade, que se encontra na competição esportiva
tradicional, e a da imprevisibilidade e do risco que é essencial à aventura. O
casamento do esporte e da aventura são uma resposta à crise da ação pública
centralizada. Não é mais uma maior participação do cidadão na decisão política que
constitui uma referência possível: é a formação de um civismo puramente privado,
de uma política fora da cidadania onde cada indivíduo deve assumir as
responsabilidades que a ação pública é incapaz de assumir.
O nó dessa mitologia que casa a performance com a autonomia reside
nas transformações da narratividade esportiva: ela rompeu com a moral disciplinar
da submissão a interesses superiores (pátria, homem novo...). Hoje o esporte é uma
aspecto da “galáxia da autonomia): não mais uma obrigação imposta em nome de
8

uma realidade superior, mas sim uma libertação auto-imposta em nome de si


mesmo, do próprio estresse, da própria aparência física. Para um esportista, ser o
próprio dono não significa excluir os vendilhões do templo: significa, pelo contrário,
integrá-los como parceiros. A independência é obtida tornando-se o empreendedor
de si mesmo, onde “si mesmo” é o produto e a imagem do produto, aliás a empresa
e a imagem da empresa.
Numa sociedade onde a desestabilização dos sistemas de referências é
generalizada, o esporte é o princípio fundamental de uma cultura do heroísmo que
nos leva não a sonhar diante das proezas dos outros mas de inventar a nos mesmos
contando somente com nossas próprias forças. Ele atrai os valores da ação aos
quais ele dá uma legitimidade e uma credibilidade incomparável por toda a potência
imaginária de sua tradição que faz da justiça o produto da concorrência. Ele define a
imagem do indivíduo ideal: um indivíduo puro, sem raízes e sem passado, que
refere-se somente a si mesmo. Hoje,o esporte simboliza e promove a imagem do
indivíduo autônomo, gerenciando tanto a própria saúde e a própria aparência física
quanto sua implicação na sua vida profissional como o empreendedor da própria
existência.
O atleta torna-se um dos símbolos da autonomia porque a relação
dominante que a sociedade mantém com a igualdade se deslocou. Não é mais o
estado que é o campeão das lutas contra a desigualdade: é o direito dos indivíduos.
Em relação às políticas sociais, o objetivo não é mais a proteção das populações
contra os riscos sociais que caracteriza a luta contra as desigualdades: é a
implementação de condições que permitam que cada indivíduo possa assumir sua
inserção ou reinserção profissional e social. Entramos, então, numa relação de
igualdade que não é mais concebida numa política exclusiva de proteção de riscos,
mas na busca de mecanismos que permitem que cada um assuma alguns. É
permitindo que cada um entre em concorrência com os outros que se espera
minimizar as desigualdades.
Antigamente, o heroísmo do aventureiro consistia em arrancar-se da
condição humana comum, na experiência mística ou revolucionária. Precisava estar
fora do mundo para poder mudá-lo. Hoje, não se trata mais de subjugar o mundo por
um poder incomparável (divino, mágico ou sobre-humano). Trata-se de expressar o

4
WEBER, Max, A ética protestante e o “espírito” do capitalismo, São Paulo, Companhia das Letras,
9

ponto de vista ideal o mais espalhado ou o mais banal sobre a condição humana
comum alçando-o à altura do extraordinário. Assim, o herói trágico opõe-se
totalmente ao herói popular, a vedete esportiva. Destino, autenticidade, separação
do mundo para atingir uma transcendência e um elitismo caracterizam o primeiro.
Carreira, popularidade, mergulho no mundo e modelo para a massa caracterizam o
segundo. O destino de uma elite é substituída por uma história possível para todos.
A aventura é um meio de reencantamento da vida cotidiana e um instrumento para
melhor se integrar no mundo. A auto-referencia dos aventureiros entre as duas
guerras mundiais faz-se contra o mundo para transformá-lo, enquanto os
estereótipos populares mostram uma auto-referencia que encontra sua fonte sua
ratificação no mundo. A competição esportiva vem de um regime de progresso em
situações estáveis, enquanto a aventura refere se a um regime de mudança numa
situação instável. Se a competição esportiva é um ideal social de justiça
meritocrática, a aventura é um modo de viver a mudança quando o futuro é
dificilmente previsível e quando a crescente complexidade do mundo embaralha as
referencias estabelecidas. Quando a crise constitui o funcionamento normal da
realidade social, o escopo do esporte-aventura consiste em deslocar, em
descentralizar sobre o indivíduo as tensões antes assumidas de modo centralizado
pelas instituições. Assim, as dificuldades de planificação dos mercados assim como
das técnicas e dos produtos nas empresas, a instabilidade do futuro e da percepção
de uma situação onde reina a hiper-complexidade acham uma solução no fato de
exigir do indivíduo uma flexibilidade, uma velocidade de reação e de adaptação que
um sistema totalmente centralizado e burocratizado não pode produzir nem gerir
eficazmente. A autonomia do individuo é ao mesmo tempo a expressão de uma
aspiração geral das populações mais educadas do que antigamente, e uma
exigência funcional que só pode tornar eficaz o governo de uma organização ou de
uma sociedade num ambiente instável.
Portanto, o esporte-aventura é um modo de resolver, apoiando se na
ação individual, simultaneamente a crise dos modos de ação clássicos do político
onde as desigualdades são apreendidas de um modo centralizado e coletivo – ou
seja o tema do individuo que governa a si mesmo – e os problemas colocados pelas
modificações das nossas relações com a mudança onde o otimismo do progresso

2004, p. 165-166
10

linear e estável é questionado pelas crises de representações do futuro. Porque é


simultaneamente uma relação com a vida e uma relação com a igualdade, é o
esporte aventura que tem um impacto mais importante na imaginação
contemporânea. Metáfora do mundo onde vivemos e norma de comportamento, ele
fornece uma resposta heróica para a incerteza, ele é sua superação numa lógica de
desafio onde cada um deve produzir a própria liberdade.

OS VENCEDORES OU O EMPRESÁRIO NA HORA DE SUA REPRODUÇÃO DE


MASSA5
Nas revistas de negócios, aparece um estilo de homem que sincretiza
tradições vindo do ideal competitivo do esporte e de um antigo modelo
empreendedor com um culto recente do sucesso social. Como o que foi o símbolo
da exploração do homem pelo homem pôde tornar-se um herói popular? A
heroicização do empreendedor tem um aspecto institucional, mas seu impacto está
no outro ponto porque o próprio significado da palavra empresa mudou. Não se trata
mais uma acumulação, mesmo se tratando sempre de acumular, mas de um modo
de comportar-se. O fato de empreender algo simboliza uma criação pessoal, uma
aventura possível para todos. Essa repentina promoção da ação de empreender
como valor e principio de ação tanto no domínio da vida privada quanto da vida
profissional faz do sucesso, e principalmente do sucesso na vida empreendedora,
como no esporte aventura, um verdadeiro sistema de normas endereçado para
todos, não importando qual seja o lugar de cada um na hierarquia social. As figuras
e as formas do espetáculo escapam à especialização para tornar-se um modo de ser
na sociedade. A empresa sai da empresa como o esportista saiu do esporte: a vida
cotidiana e ordinária é palco! É a possibilidade da conquista da própria
individualidade que está em jogo nesse show.
O que significa ter êxito? Por que o êxito refere-se ao empreendedor? Ter
êxito, hoje, significa poder inventar o próprio modelo, desenhar a própria unicidade,
mesmo se for idêntica à de todos os outros. Ter êxito é tornar-se si mesmo tornando-
se alguém. Como perceber se somos alguém? Como saber se somos nos mesmos?
A conquista da identidade pessoal confunde-se com o êxito publico, a busca da
autenticidade confunde-se com a busca da visibilidade. A identidade é fruto da

5
EHRENBERG, Alain, Le culte de la performance, Paris, Hachette, 1991, terceira parte cap. 2
11

conquista assim como um recorde ou um mercado. Os modelos de sucesso


apresentados não são inacessíveis: são ao alcance de todos porque são guias da
própria modelização.
Ter êxito é colocar-se como figura do inicio. Construir a si mesmo, ter
como passado o que foi produzido por nos mesmos, que não foi legado da
transmissão de uma herança ou de uma filiação. Entre o sucesso e o esquecimento
das origens, existe um estreito vínculo. Se o sucesso individual foi durante muito
tempo o domínio reservado das classes burguesas, as outras devendo permanecer
no seu lugar, embaixo, é daqui para frente promovido como ideal e norma de
conduta de massa. Não se pede mais a ninguém que permaneça no próprio lugar:
pelo contrário, cada um deve construí-lo. A mitologia da auto-realização de massa
que predomina hoje é assimilável a um sistema de heroicização de si mesmo onde
cada um deve fazer o esforço de ser para si mesmo o próprio modelo de conduta.
Essa identidade de um modelo de conduta personalizado que vai do mesmo para o
mesmo não dá mais lugar a um discurso sobre a sociedade de massa onde cada um
é indiferenciado, anônimo porque parecido, uniforme porque semelhante. Pelo
contrário, vamos sempre do mesmo ao mesmo, pela diferença, pela singularidade. É
um outro modo de viver a similitude. As formas tomadas pela ambição levam até o
fim um dos desenvolvimentos possíveis do imaginário democrático, a aceitação
antropológica da soberania. O homem que somente representa a si mesmo, sem
raízes e sem passado porque age inteiramente sobre si mesmo em nome de si
mesmo, em vez de ser comandado e representado por outros, pensa a si mesmo
como domínio e posse a mais absoluta de si mesmo. A nova imagem do
empreendedor é exemplar dessa inflexão da sensibilidade igualitária porque é o
símbolo e o ponto de atração do êxito social.
O show empreendedor parece ter como conseqüência dois fenômenos
solidários que ilustram o alargamento considerável do acesso à individualidade e
constituem as condições indispensáveis para que sejam um ideal de massa crível.
Primeiramente uma de-hierarquização das atividades sociais e econômicas. O
importante é ter êxito, não importa em qual ramo de atividade. O objeto do êxito é
menos importante do que o fato do êxito. O outro ponto é a generalização dos
públicos do êxito. Existe sempre um caminho suscetível de levar alguém para um
caminho de notoriedade. Isso leva a uma de-legitimação da tradição que se
expressava na herança do status e do nome. A chegada dos “vencedores”
12

corresponde a uma supervalorização da velocidade de ascensão e dos valores


voltados para o futuro. O valor referencial do vencedor reside na abertura ao infinito
de múltiplas possibilidades: o importante é ter estofo e trabalhar para ter sucesso. O
sucesso é uma atitude diante da vida. O vencedor é um prêt à porter, um ready
made que faz funcionar um imaginário da automobilização numa competição
ampliada onde cada um deve encontrar o próprio lugar independentemente dos seus
trunfos e limitações de origem. A identidade não é mais o que se transmite e fecha
numa filiação coletiva. É o que se constrói num projeto inteiramente voltado para o
futuro numa performance individual. A profissionalização da identidade sob o
domínio da imagem embaça a diferenciação entre o espaço íntimo da identidade
(quem sou eu?) e o espaço público do sucesso (o que faço?). Ela assimila a
identidade à aparência onde sou o que pareço.
O radicalismo da subjetividade que nos obriga a ser responsáveis de nos
mesmos quando somos somente os filhos das nossas próprias obras, é produzido
pela perda crescente de referenciais absolutos. A concorrência é uma das formas
sociais tomada pela resposta ao problema onde o outro só funciona como ponto de
comparação e diferenciação, onde o outro é métrica, assim como nos mecanismos
que sustentam a competição esportiva. Mais ainda, porque a concorrência está
sendo pensada como uma competição, ela dá credibilidade a idéia que ela produz
desigualdades justas. Ela se torna a demonstração do possível para todos. O outro é
instrumentalizado como meio de mobilização, de adaptar-se em permanência à
incerteza da existência. Por isso, o fim das crenças transcendentes é aparente: ela
não desemboca numa desagregação atomística do vínculo social, mas no
desenvolvimento geral de um estilo de relações sociais que faz funcionar em
permanência a comparação dos indivíduos. O indivíduo é somente a última
transcendência disponível, sendo porém uma transcendência reversível que não
garante uma hierarquia estável. Todos, podemos ser nossos próprios modelos,
somos todos únicos como as estrelas do show business. Não existe superioridade:
existe uma diferença de visibilidade. Somos cada vez mais donos do nosso devir
subjetivo; aparentemente, não tem mais nada além da nossa subjetividade.

UMA EMPRESA PÓS-DISCIPLINAR?


A narrativa central da literatura da excelência gerencial é sempre o
mesmo: os sistemas clássicos de gestão que impunham ao pessoal uma disciplina
13

exterior acabam sendo considerados obsoletos, colocando mais problemas do que


eles podem resolver. Acaba sendo desenhada a perspectiva de uma empresa pós
disciplinar onde os assalariados não são mais pensados como executores mas sim
como parceiros. O esporte aventura é um meio de consolidar o espírito
empreendedor na empresa, de ancorar essa cultura empreendedora nos
comportamentos de cada um de cada um dos assalariados, independentemente da
sua posição hierárquica. O esporte aventura e o espírito de empresa não expressam
simplesmente normas gerais de conduta em sociedade, não são simplesmente um
problema de imagem e de mídia: são modos de ação concretos para resolver
problemas concretos.
A disciplina foi no século XIX um modo de ancorar as populações
camponesas e camadas urbanas "nomadizadas" na regularidade do tempo
industrial. Prolongava, recompondo-a uma tradição hierárquica numa sociedade que
tinha abolido as ordens. Desse ponto de vista, ela constituiu um meio de exercer o
poder fundado na base antropológica da igualdade dos indivíduos, abolindo a parte
de liberdade embutida nessa igualdade. A disciplina constituía uma técnica
colocando em forma a coexistência dos semelhantes. Ela era uma igualdade na
ausência de liberdade, repousando sobre uma hierarquia onde cada um devia
encontrar seu justo lugar.
O esporte aventura e o espírito de empresa constituem um modo de
exercer o poder fundado sobre a estimulação da autonomia. Eles constituem um
meio de fabricar uma mentalidade de massa que faz a economia da disciplina e das
formas burocráticas que ela gerou.

DA GESTÃO BUROCRÁTICA PARA A GESTÃO EMPREENDEDORA

Num relatório encomendado por Jacques Chirac em 1987 a André


Riboud, CEO de BSN, existe o seguinte texto:
"O principio de unidade desse relatório, é que se consegue a mudança
tecnológica, e, mais amplamente, se consegue êxito econômico quando se tem
êxito com os homens. (...) Entre os grandes equilíbrios que mudam na empresa,
existe o preço relativo do trabalho em relação ao do investimento. O ato
produtivo dos homens é eficaz e rentável quando ele mobiliza todo o potencial
produtivo. Para isso, ele precisa de todo o potencial dos homens: seu rigor, sua
imaginação, sua motivação, sua autonomia, sua responsabilidade. A capacidade
de obediência, de força, de repetição e tudo que vai na direção de uma rotina
bem dominada, caem em obsolescência. Não se pode mais, portanto, praticar o
14

mesmo estilo de comando e de animação, nem ter a mesma divisão do trabalho


ou a mesma definição das qualificações."6
Assim está resumido por um alto executivo francês as razões que obrigam
a gerenciar de um modo diferente. Se essas transformações estão longe de ser
generalizadas, se os problemas que elas colocam concretamente nas empresas
estão longe de ser resolvidas (contração da massa salarial e bloqueio das
promoções que são o outro lado do gerenciamento participativo), seu enunciado
tornou-se hegemônico e tomou o nome de "gerenciamento participativo".
A participação tem vários significados. Ela pode ser vista como uma
adaptação psicológica à organização racional da produção (por exemplo, nas
experiências de Elton Mayo). Um segundo significado pode ser mais político: a
repartição do lucro e dos resultados da empresa entre os vários atores do processo
empresarial. O terceiro significado é mais institucional: diz respeito às instituições
representativas do pessoal. Esses três registros veiculam uma representação da
empresa como universo da obrigação para a maioria, ou o conjunto dos
assalariados. Espaço da exploração ou da alienação da força de trabalho ou pura
imposição econômica natural decorrendo da divisão técnica do trabalho, visão crítica
da empresa ou perspectiva tecnicista somente declinam esse paradigma.
O "participativo" como método de gestão e modo de exercício da
autoridade é o registro no qual se focalizam hoje as preocupações dos managers.
Integra as participações psicológica e econômicas, embora renovando-as. A
implicação do trabalhador torna-se tão essencial quanto era sua exclusão na gestão
burocrática. Ela veicula uma outra representação da empresa como espaço de
realização pessoal, de conquista identitária onde a hierarquia anima trabalhadores
responsáveis em vez de comandar executores indóceis ou retrógrados. O
management participativo acompanha o recuo de uma visão puramente hierárquica
das relações comando/obediência. A disciplina não é mais o fundamento da eficácia
do trabalho e o método principal na direção das condutas. O chamado generalizado
para a revolução gerencial nas empresas remete a um outro sistema de
representação da eficácia que consiste em transformar os trabalhadores em
empreendedores das próprias tarefas.

6
RIBOUD, André, Modernisation, mode d'emploi,UGE, Paris, 1987, p. 21 a 24.
15

DO OPERÁRIO EXECUTOR AO OPERÁRIO EMPREENDEDOR

Henry Ford escrevia na suas memórias "precisei eliminar a arte dos


homens do trabalho". Georges Raveleau, presidente da Associação Francesa para
os círculos de qualidade escreve: "Ninguém é melhor qualificado do que o
trabalhador para saber o que vai bem ou o que não vai bem no próprio trabalho."7
Entre essas duas proposições, é a concepção global do trabalhador que não é mais
a mesma, é o princípio da racionalidade da gestão da mão de obra que muda, é o
imaginário managerial que é diferente.
O taylorismo tinha substituído a disciplina moldada pela arte militar e o
arbitrário patronal fundado sobre o direito de propriedade por uma disciplina
cientifica apoiando-se nas competências do engenheiro e modelada pela máquina.
Ao regime militar na fábricas sucedia a visão tecnocrática das relações industriais. A
gestão taylorista e fordiana era fundada na referencia à ciência numa visão
hierárquica marcada pela mística do chefe ou do engenheiro que tendia a excluir o
operário do ato de produção porque esse era uma figura do atraso ou da
indocilidade. A gestão participativa refere-se ao operário responsável, que busca em
si a boa conduta a ser seguida em vez de seguir o ditado externo do superior. O
ideal do bom comportamento não é mais a execução irrefletida, automática das
ordens e das regras, mas sim a capacidade de trabalhar como se não tivesse
superior hierárquico para indicar a via a ser seguida. A autonomia não deve mais ser
erradicada: é o meio de governo eficaz. O management pós disciplinar é uma
tentativa para forjar uma mentalidade de massa que economiza ao máximo o
recurso às técnicas coercitivas tradicionais.

DO COMPROMISSO INSTITUCIONAL À POLÍTICA DE ADESÃO

A acentuação da imposição de uma concorrência cada vez mais acirrada


teria podido desembocar num reforço dos procedimentos disciplinares. Na realidade,
se a burocracia permitia obter um equilíbrio interno a partir de um cérebro
centralizador único num ambiente de mercados estáveis, a desburocratização torna-
se essencial num quadro de mercados instáveis. A associação do conjunto dos
atores da empresa na busca da performance torna-se a missão do management. Daí
a necessidade de passar de uma gestão do compromisso, onde a dominação

7
Citados em EHRENBERG, Alain, Le culte de la performance, Paris, Hachette, 1991, p. 224 e 225
16

coletiva dos trabalhadores é compensada por uma representação coletiva no


sindicalismo e nas instituições representativas do pessoal, para uma política da
adesão. É pelo processo de implicação que o conjunto do pessoal integrará essa
racionalidade econômica antes atribuída à direção da empresa.
O desenvolvimento da crise econômica, cujo resultado é o aumento da
imposição da concorrência no nível do ator individual, não levou a um reforço dos
sistemas disciplinares nem por um reforço institucional, mas à promoção de modos
de ação que reforçam a autonomia. A gestão dos recursos humanos é, daqui para
frente, uma luta contra a desmotivação dos assalariados e todos os instrumentos
que ela usa buscam mobilizar cada um e toda a equipe. Além dos efeitos de
linguagem, existe uma concepção da eficácia que tenta casar um modelo baseado
numa concorrência acirrada e um modelo de realização pessoal. Essa síntese está
totalmente compatível com as normas que regem o esporte aventura e o consumo.
Ela torna indistinta a nítida separação entre as normas da vida privada e as da vida
profissional. Enquanto a primeira se profissionaliza, a segunda torna-se um lugar
potencial para a realização pessoal. A gestão dos recursos humanos passa de uma
problemática do comando que visa a incrementar de fora uma força passiva para a
da animação que visa não a erradicação da autonomia, mas sua estimulação de
qualquer moda dentro do sujeito para que ele aja autonomamente. Agir sobre si
mesmo não tendo outro representante que si mesmo é o nó da gestão participativa
assim como a obediência imposta de fora era o nó da disciplina.
Para atrair a adesão, esse estilo de gestão implica casar a eficácia, sem a
qual ele só pode o sentido de uma gestão dos patrimônios e dos privilégios, e uma
forma crível de justiça, sem a qual ele é só retórica. Por isso, é suscetível de
encontrar seu modelo no esporte aventura: ele elimina a suspeita de arbitrariedade
ao mesmo tempo que promove um modo de aceitação da imprevisibilidade que
encontra sua fonte no lazer. Ele funciona de um modo análogo à referência do
engenheiro na concepção taylorista: é um outro modo de fabricar algo "indiscutível",
um modo adaptado à conjuntura das mudanças e das incertezas constantes. É o
que dá a ele tanto status e credibilidade. Sua equação subjacente, concorrência,
justiça e imprevisibilidade o projeta para frente, faz dele uma referência e um
princípio de ação socialmente críveis e economicamente eficazes para motivar o
pessoal de uma empresa.
17

O esporte aventura na empresa é um programa que consiste em fabricar


nos assalariados uma verdadeira mentalidade de empreendedor ao mesmo tempo
que os transforme em torcedores da empresa na qual eles trabalham. Ser capaz de
enfrentar um desafio, é ser colocado em condições de assumir as próprias
responsabilidades até o ponto de assumir a própria reinserção profissional e social.
O novo estilo das políticas de busca de emprego e de reinserção profissional,
análogo ao que governa o comportamento de todos os assalariados de uma
empresa é cada vez mais focalizado numa autonomia concebida em termos de
tomada de risco. É dando a cada um a possibilidade de assumir mais riscos que se
luta atualmente contra a exclusão e as desigualdades.
Os procedimentos de reforma gerencial, de transformações do exercício
da autoridade, que nem todos apelam para o esporte aventura, desenvolvem-se no
momento onde os modos de ação empreendedores difundem-se na sociedade em
contraposição aos modos de ação administrativos e assistenciais, onde a forma
empresa torna-se ao mesmo tempo um modo de governo para a sociedade e um
modo de conduta para o indivíduo. A aspiração para a autonomia leva por um
poderoso investimento imaginário na forma empreendedora. À autonomia pensada
como resistência sucede a autonomia pensada como integração.

PARCERIA E OUTPLACEMENT

A parceria é o jeito que toma a responsabilidade social na empresa. Essa


forma de regulação das relações entre os atores participa do recuo de uma visão
disciplinaria e hierárquica na gestão da força de trabalho a favor de uma visão
relacional e empreendedora. Essa integração do social na gestão repousa sobre as
idéias, as redes, o contrato e o consenso. Trata-se de evitar os efeitos negativos da
concorrência e da centralização burocrática privilegiando modos de ação
cooperativos. A parceria é uma respostas às novas formas de concorrência onde a
qualidade e a velocidade de reação ao mercado tornam-se trunfos essenciais. A
contratualidade das relações organizadas em rede permite reagir muito mais
rapidamente às variações de mercado que a forma integração ou a terceirização
tradicional, marcadas por relações de dominação entre as partes.
O outplacement tem por finalidade ajudar, a partir de uma demanda do
empregador, os colaboradores que devem achar uma nova situação, fornecendo
para eles os meios mais eficazes de valorizar seu pessoal e sua experiência durante
18

a duração de sua procura. O principio do outplacement é que se gera a separação


em função de uma avaliação pessoal de cada assalariado eventualmente envolvido
e não mais simplesmente em função do número de postos a ser suprimidos usando
critérios exteriores às qualidades pessoais do assalariados, definidos por exemplo
pela antiguidade. Em troca de uma demissão sob medida, desenvolvem-se
procedimentos personalizados de reinserção onde os assalariados são levados a se
assumirem e implicar-se na própria reinserção. É o prolongamento do espírito de
empresa na ruptura do contrato de trabalho. O outplacement deve ser entendido em
relação ao tipo de demissões onde a competência e o potencial pessoais de
desenvolvimento do assalariado tornam-se fatores de exclusão. Esse tipo de
demissão não consiste em suprimir postos por causa de redução de quadros, mas
em demitir assalariados incapazes, segundo a direção, de se adaptar, por causa de
um nível de educação insuficiente, a inovações tecnológicas. Esse tipo de demissão
questiona o assalariado no nível pessoal, sobre sua incapacidade a evoluir. O
potencial pessoal é ao mesmo tempo o ponto de referencia da inserção e da
exclusão. Para gerir os dois problemas da inadaptação da mão de obra e de
excesso de efetivos, procurando ao mesmo tempo de não desmobilizar quem
permanece, a empresa assume a recolocação profissional ao mesmo tempo que
empurra os assalariados a implicar-se na própria reconversão. O outplacement
permito o funcionamento da solidariedade sem a assistência porque reintroduz a
responsabilidade econômica e social da empresa ao mesmo tempo em que permite
a passagem de uma lógica da proteção coletiva para uma lógica de
responsabilização individual do assalariado.

O INDIVÍDUO SOB PERFUSÃO

A "empreendedorização" dos comportamentos dos assalariados em todos


os níveis da hierarquia das firmas procura fabricar uma mentalidade de massa na
qual cada um é levado a governar a si mesmo. A rarefação dos contrapesos à
aventura empreendedora e o recuo dos meios de proteção assistencial têm uma
contraparte: nesse estilo de existência, cada um carrega cada vez mais o peso das
próprias responsabilidades. Daqui para frente, os erros são cobrados a vista. A
realização pessoal e a individualização de cada um numa sociedade onde não existe
mais nada fora de uma lógica de concorrência se paga por uma depressão nervosa
generalizada.
19

Depressão, insônia, estresse, angustia, nervosismo e outros mal-estares


individuais são objeto de uma atenção por parte da mídia. Contudo, é o uso dos
tranqüilizantes e dos soníferos que suscita a inquietação, ao ponto de ser colocados
num campo da toxicomania. A ação de uma droga sobre o sistema nervoso central
consiste em modificar ou a alterar os estados de consciência do mesmo modo que a
possessão, a transe. As drogas são assim definidas como um conjunto de práticas
de alteração dos estados de consciência, que produzem artificialmente alteração
mental, como nas psicoses experimentais que estiveram na origem da descoberta
dos neurolépticos, com a cocaína ou o álcool, o torpor com a heroína, ou reduzem a
angústia e relaxam o indivíduo com os tranqüilizantes. Quaisquer que sejam os
efeitos psicológicos, o discurso atual sobre os medicamentos psicotrópicos os
vincula com a concorrência. São daqui para frente mais um meio artificial para
enfrentar quando o "natural" falha do que um instrumento terapêutico. São
substâncias dopantes para o indivíduo obrigado numa sociedade de concorrência a
ir até o fim de si mesmo, como esportista obrigado em superar os próprios limites
numa competição. São um meio de ser si mesmo que, segundo o caso, contorna ou
reforça o trabalho já exercido sobre si mesmo.

DO ÓPIO DO POVO À SOCIEDADE DOPADA

A abundância pode parecer "uma euforia psico-química que anestesia as


raízes do mal, mascara por um tempo os caminhos da ansiedade"8. "Tranqüilizantes
e euforizantes, as campanhas de intoxicação da radio-televisão, da imprensa-
propaganda e da publicidade contribuem para alienar o indivíduo."9
Hoje, não são mais os valores materialistas e o consumo, considerado
como um poderoso narcótico social (o ópio adormece as consciências enquanto a
política as acorda) que são as referências do debate, mas sim a sobrevivência do
indivíduo colocados numa concorrência sem lado de fora. Passou-se de uma visão
sedativa para uma visão psico-estimulante. A inflexão do discurso sobre os
medicamentos psicotrópicos substitui o ópio do povo pela sociedade dopada. O
indivíduo sob perfusão é um aspecto da "empreendedorização" da vida. A obsessão
de ganhar, de ser bem sucedido, de ser alguém e o consumo massificado de

8
ELGOZY, Georges, Les damnés de l'opulence, Paris, Calmann-Lévy, 1970, p.11
9
Ibid, p.101
20

medicamentos psicotrópicos são estreitamente ligados porque uma cultura da


conquista é necessariamente uma cultura da ansiedade que é sua sombra.
Já para Baudelaire, o haxixe e o vinho são
"dois meios artificiais pelos quais o homem, exasperando sua personalidade
cria, por assim dizer, nele mesmo um tipo de divindade. (...) Ninguém ficará
surpreso que um pensamento supremo brote no cérebro do sonhador: eu me
tornei Deus!"10
O individuo é, in abstracto, o deus da sociedade democrática. É sua
transcendência, mas uma transcendência móvel com limites determinados: é ao
mesmo tempo todo poderoso e impotente. A subida até os extremos do individuo até
a divindade não é o infinito dos possíveis, mas a liberdade indeterminada do
individuo.
Uma lógica de modificação de estados de consciência pelo psicotrópicos
ao mesmo tempo muito extensa e nova está acontecendo na sociedade. Muito
extensa porque atinge populações muito mais numerosas do que as afetadas pelo
uso de outras drogas alucinógenas; nova porque rompe com o imaginário delituoso
e da insegurança que organiza a percepção social das outras drogas. Se as drogas
tradicionais existem para ajudar a fugir da realidade, os medicamentos estão aí para
ajudar a enfrentar a realidade, para estar de igual para igual com os outros na
concorrência. São drogas de integração social e relacional. Elas servem a aliviar o
peso da responsabilidade quando ele se torna pesado demais. Os medicamentos
expressam a busca incansável de agüentar o tranco quando a relação com o outro,
incluindo as formas de solidariedade, é cada vez mais considerado pelo lado da
concorrência; eles permitem estimular-se ou acalmar-se para ser competitivo e
tornar-se independente das imposições sociais embora permanecendo socializado.
Eles são uma auto-assistência, principalmente quando a aparência do indivíduo
torna-se essencial para seu êxito profissional. A relação com o trabalho e a empresa
acaba funcionando do mesmo modo que a competição para um esportista de alto
nível, cuja carreira é exclusivamente regrada pelas competições.
Para poder ser aceitos, esses modos de gestão das condutas humanas
deveriam ter as responsabilidades como objetivo e não como postulado. A
possibilidade de ser responsável reside menos na injunção e mais nos
procedimentos, nas formações e nos degraus institucionais que a empresa deve
21

fornecer para cada um. Quando são ausentes ou mal organizados, a tarefa do
indivíduo torna-se intolerável porque ele suporta todo peso das responsabilidades
antes assumida pela hierarquia sem os meios de responder por elas. Na medida em
que o êxito individual tornou-se a forma dominante da participação na sociedade, os
processos de individualização do qualquer apareceram nos modos de ação e nas
referencias dos grupos sociais desprovidos dos meios de ser incluídos, por causa de
suas carências culturais e escolares, na concorrência empreendedora.
A aspiração para a toxicomania no registro da socialização é um indicador
cultural da paixão de ser si mesmo e de ser somente isso. Viver somente para ser,
ou tornar-se, si mesmo é a face escura, cheia de sofrimento, a face depressiva e
ansiosa desse tipo de igualdade dos indivíduos. O outro desapareceu, servindo
simplesmente de métrica!

10
BAUDELAIRE, Charles, Les paradis artificiels, Paris, Gallimard, Folio, p. 81 e 141, citado por
EHRENBERG, ibid, p. 258