Você está na página 1de 3

Instituto Politécnico da Guarda

Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto

Epistemologia e Inovação Educacional

Reflexão

Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Consequências nas práticas educativas e

Inovação Educacional

Prof. António Pereira Andrade Pissarra

Aluna: Rosa Maria da Conceição Mendes Pratas n.º 2151

Mestrado em Ensino 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico

Ano lectivo 2009/10


Estamos diante de um novo século, uma nova sociedade, onde as pessoas têm
acesso ao mundo e à informação com a maior das facilidades e onde a busca de
conhecimento é interminável.
As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) têm hoje um papel
primordial na sociedade não constituindo um fenómeno passageiro.
Actualmente as TIC parecem constituir um meio fundamental de acesso à
informação (Internet é o exemplo disso), um instrumento de transformação da
informação e de produção de nova informação, um meio de comunicação à distância e
uma ferramenta para um trabalho que possibilita o desenvolvimento de novas formas de
interacção, tudo isto devido ao acesso facilitado que os cidadãos têm a estas tecnologias.
Nesta sociedade emergente multiplicam-se as possibilidades de acesso a dados e
a factos.
Nesse sentido a escola, sendo o espaço privilegiado para a apropriação e
construção de conhecimento, é também um meio fundamental para a integração das
Tecnologias de Informação e Comunicação nas actividades pedagógicas, até porque
estas oferecem potencialidades inigualáveis à educação e formação, permitindo um
enriquecimento contínuo de formação ao longo da vida e a integração plena de todos os
alunos.
As TIC ampliam as possibilidades de pesquisa de informação e os equipamentos
interactivos e multimédia colocam à disposição dos alunos um manancial inesgotável de
informações, cabendo ao professor despertar a curiosidade, desenvolver a autonomia,
estimular o rigor intelectual e criar as condições necessárias para o sucesso da educação
formal e da educação permanente.
Torna-se pois imprescindível que os docentes orientem a sua prática pedagógica
recorrendo às TIC na sua prática em sala de aula de modo a desenvolver nos alunos
competências que lhes permitam fazer face aos novos desafios desta sociedade em
constante renovação.
Neste âmbito o processo de ensino-aprendizagem, coloca um novo paradigma ao
sistema educativo, um novo papel de professor, um novo perfil de escola.
Perante este novo paradigma, o professor tem de remodelar os métodos d e
ensino e o papel de detentor do poder e do saber para o de facilitador, orientador,
coordenador, promotor e animador de actividades pedagógicas diversificadas, capaz de
ultrapassar concepções unidimensionais do sucesso escolar "fundadas sobre
aprendizagens unicamente verbo-conceptuais e sobre o armazenamento enciclopédico
de informações", (Azevedo, 1990) valorizando a metodologia interactiva, de
colaboração mútua.
O professor deve estar profissionalmente qualificado e orientar os alunos a
tornarem-se "investigadores" activos do mundo que os envolve. Ensiná-los a avaliar e
gerir na prática a informação que lhes chega.
Os novos métodos de transmissão do saber e os novos tipos de relacionamento
na sala de aula não diminuem em nada o papel dos professores, apenas o modificam
profundamente. Este deixa de ser o difusor do saber e a tornar-se o companheiro de um
saber colectivo que lhe compete organizar.
Para assumir este novo papel é indispensável, para além da formação inicial, a
formação contínua que confere mais domínio sobre estes novos instrumentos
pedagógicos, as mudanças nas práticas pedagógicas e dos conteúdos programáticos.
Como descrever Gadotti, o docente “deixará de ser um leccionador para ser um
organizador do conhecimento e da aprendizagem (...) um mediador do conhecimento,
um aprendiz permanente, um construtor de sentidos, um cooperador, e sobretudo, um
organizador de aprendizagem”(Gadotti, 2002).
À Escola é exigido que tenha condições físicas e materiais e objectivos bem
definidos: uma coordenação entre os centros de recursos educativos, centros de
documentação, bibliotecas, mediatecas e clubes, todos devidamente articulados com as
estruturas directivas da escola (sobretudo na sua vertente pedagógica) de modo a que
todas as acções desenvolvidas estejam devidamente integradas num Projecto Educativo.
Só com uma pedagogia de projecto será eficaz a integração das TIC na escola.
Mas é igualmente importante que a exploração das possibilidades de
aprendizagem que as TIC oferecem seja baseada numa análise crítica do seu significado
social e cultural.