Você está na página 1de 7

AULA 11

HIDROSTÁTICA
1- INTRODUÇÃO

Na Hidrostática estudaremos as propriedades associadas aos


fluidos (gases ou líquidos) em equilíbrio.
O estudo da hidrostática está apoiado em três leis que veremos a
seguir:
ÿ Lei de Stevin;
ÿ Lei de Pascal;
ÿ Lei de Arquimedes.

2- Densidade absoluta de um corpo (m)

Densidade absoluta de um corpo é definida como sendo a relação


entre a massa do corpo e o seu volume. Já a densidade ou massa
específica do material que constitui o corpo é dada pela relação entre a
massa do material que constitui o corpo e o volume deste material. Para
entender melhor este conceito, imagine uma esfera oca como a da
figura. A densidade da esfera é dada pela relação a seguir:

esfera oca

m
Densidade do corpo m= , V é o volume da esfera.
V
A densidade do material é dada pela relação a seguir:

mcorpo mesfer
Densidade do material m material = mmaterial =
Vmaterial Vesfera - V

3- UNIDADES E RELAÇÕES IMPORTANTES


kg
unidades no S.I. fi unid(m) =
m3
g
unidade no C.G.S. fi unid(m) =
cm3
Im por tan te :
kg 103 g g 3 kg
1 3 = fi daí : 1 = 10
m 106 cm3 cm3 m3

4- PESO ESPECÍFICO (g)

Peso específico é a relação entre o peso de um corpo e o seu volume.

P
g =
V
Sendo o peso dado pelo produto da massa pela aceleração da
gravidade,e a massa especifica como sendo a relação entre a massa e o
volume, temos:
P mg N
g= = g = m.g unidade no S.I. fi unid( g) =
m3
V V

5- PRESSÃO (p)

A pressão é definida como sendo a relação entre a força exercida em


uma superfície e a área desta superfície.

F
p=
A
Note que para forças iguais e áreas diferentes teremos pressões
diferentes. Nas figuras abaixo temos o mesmo corpo apoiado numa
superfície horizontal com áreas de apoio diferentes. Na figura I, a área
de contato é maior que na figura II e, portanto, a pressão p I < p II .

P P P P
pI = e pII = p I < p II
AI A II
fi
fig.(I) fig.(II)

N
Unidade no S.I. fi unid(p) = = Pa(Pascal)
m2
N
Unidade prática fi unid(p) = 2 = Pa(Pascal)
m

Re lação importante.
1 atm @ 1,01.105 Pa

6- PRESSÃO EXERCIDA POR UMA COLUNA LÍQUIDA (PRESSÃO


HIDROSTÁTICA)

Vamos tomar um recipiente contendo uma certa coluna líquida de


altura h. A força que esta coluna líquida exerce na base do recipiente é
o seu próprio peso. Daí definimos a pressão exercida por esta coluna
líquida como sendo a relação entre o peso do líquido pela
área da base do recipiente.

P mg
ph = =
A A
P m
h como m = , temos m = m.V
V
mVg
ph =
A A
como V = A.h, temos : ph = m.h.g

7- PARADOXO HIDROSTÁTICO

Vamos considerar alguns recipientes com formatos diferentes e com


bases de áreas iguais. Colocaremos nestes recipientes o mesmo líquido
até atingir uma altura h em relação à base.
r r r
F1 h F2 h F3

A1 A2 A3
Como o líquido é o mesmo e as alturas são iguais, as pressões
exercidas nos fundos dos recipientes são iguais. Daí, temos:

se A 1 = A 2 = A 3 e p1 = p 2 = p 3 então F1 = F2 = F3
O paradoxo hidrostático é o fato de a pressão e a força não
dependerem do formato do recipiente e nem do volume do líquido.

8- LEI DE ESTEVIN

A lei de Stevin determina que a diferença de pressão entre dois


pontos dentro de um fluido em equilíbrio depende exclusivamente da
densidade do fluido, da gravidade local e do desnível entre os pontos
considerados.

patm
p1 = patm
1 p2 = patm + m.g.h1
h1
2 p3 = patm + m.g.(h1 + h2 )
h2
3 p3 - p2 = m.g.h2

9- SUPERFÍCIES ISOBÁRICAS

São chamadas superfícies isobáricas, aquelas superfícies que têm a


mesma pressão atuando. Veja um exemplo na figura abaixo.

patm patm
p1 = p2 = p atm
1 2 p3 = p 4 = p atm + m.g.h1
h1 p5 = p6 = p atm + m.g.(h
3 4
5 6 h2

10- EXPERIENCIA DE TORRICELLI

A experiência de Torricelli propõe medir a pressão, equilibrando uma


coluna de mercúrio. Para isto, Torricelli usou uma cuba onde colocou um
certo volume de mercúrio, e um tubo de vidro da ordem de um metro
de comprimento, também preenchido com mercúrio. O tubo é então
emborcado na cuba, e a coluna de mercúrio se acomoda quando a
pressão que ela exerce no ponto 2 se iguala a pressão exercida no
ponto 1, como mostra a figura abaixo.

p atm p2 = p1 = patm
h como p2 = mM.g.h
1 2
\ patm = mM.g.h

Como se pode ver no exemplo acima, a pressão atmosférica é igual a


pressão exercida pela coluna de mercúrio em equilíbrio.

11- MANÔMETRO

Manômetro é todo aparelho usado para medir pressão em fluidos.


Um dos mais simples é o representado na figura abaixo.
patm
note que a pressão nos pontos 1 e 2 são
e po isso, pGás = p1 = p2

Gás Como p2 = mL .g.h \p Gás = mL .g.h


h
1 2
Líquido

12- EQUILÍBRIO DE LÍQUIDOS NÃO MISCÍVEIS

Considere dois líquidos não miscíveis em equilíbrio sob ação da


gravidade. As pressões nos pontos 1 pe1 = 2p
são
2 iguais e com esta
igualdade concluímos que:
patm patm patm + m A .g.h1 = patm + mB.g.h2
m A .g.h1 = mB.g.h2

Líq.B
\m A .h1 = mB.h2
h2
h1 1 2

Líq.A

13- LEI DE PASCAL

A lei de pascal estabelece que um líquido homogêneo, em equilíbrio e


sob ação da gravidade, transmite integralmente qualquer acréscimo de
pressão que ele venha receber. Observe que, no exemplo a seguir,
houve um acréscimo de força sobre o êmbolo da segunda figura,
aumentando com isto a pressão sobre o ponto 1. Este acréscimo de
pressão será transmitido a todos os pontos do líquido.

como p2 - p1 =
m a nova pressão
p'2 - p1' = m L .g.h
1 1 h p'2 = p1' + m L .g.h
Liq. h Liq. p'2 = p1 + Dp +
2 2 p'2 = p2 + Dp
14- PRENSA HIDRÁULICA

Uma aplicação prática da lei de Pascal é a prensa hidráulica. Veja que


na prensa hidráulica a diferença de pressão sofrida pelo líquido
homogêneo logo abaixo do êmbolo 1 é transmitida para a camada
líquida encostada no êmbolo 2. Então podemos afirmar que sendo iguais
as diferenças de pressão ,aplicadas aos êmbolos, as forças serão
diferentes, pois as áreas são diferentes.

F1
Dp1 = Dp2
A1 A2 h2 F1 F
= 2
h1 A1 A 2
F2
F1 A Vantagem
= 1 mecânica
F2 A2

Conservação do trabalho
DV1 = DV2
A1.h1 = A 2.h2
F1.h1 = F2.h2
t1 = t2