Você está na página 1de 2

FERRO, Marc. Cinema e Histria. Traduo de Flvia Nascimento.

So Paulo: Paz e Terra,


2010. 244 p.

Quando se cogitou estudar o cinema como documento na dcada de 1960 o mundo


acadmico se agitou. Braudel aconselhou Ferro a prosseguir em seus estudos sobre o filme
contando que no contasse a ningum.

Ferro (2010) cita alguns cineastas que pretenderam dar sua opinio sobre o sentido da
Histria, tais como Godard, os Visconti, Renoir, Kazan, Clair, Tarkovsky, Ousmane e por
fim Chaplin.

Desde o incio de sua criao o cinema foi utilizado pelas instituies militares, por
exemplo, para identificar as armas do inimigo.
Paralelamente, desde que o cinema se torna uma arte, seus pioneiros passaram a intervir na
Histria com filmes, documentrios ou de fico, que, desde sua origem, sob a aparncia de
representao, doutrinava e glorificavam. Na Inglaterra, mostram essencialmente a rainha,
seus imprio, sua frota; na Frana, preferiram filmar as criaes da burguesia ascendente:
um trem, uma exposio, as instituies republicanas.p.15

No momento em que os dirigentes de uma sociedade compreenderam o poder e a funo


que o cinema poderia desempenhar empenharam-se em apropriar-se dele e colocarem-no a
seus servios. As autoridades tanto do Ocidente quanto do Oriente, independentemente da
ideologia, quando se conscientizaram do poder do cinema tiveram a mesma atitude de
tentar se apropriarem dele.

Embora seja difcil avaliar ou medir a influncia exercida pelo cinema, sabe-se que nos
Estados Unidos os filmes de cunho antinazistas ou de exaltao solidariedade patritica
somente alcanaram sucesso mediante as seguintes condies: no-glorificao da
Resistncia nos pases ocupados nem das instituies legais na Alemanha e tambm o no-

questionamento da livre iniciativa de cada empresa sob o pretexto de melhor coordenar a


produo segundo o apelo de Roosevelt.

De maneira aberta ou disfarada a produo de um filme produz rivalidades, lutas de


influncia e conflitos que causam muitas formas de enfrentamentos entre o produtor e o
distribuidor, o artista e o diretor, o autor e o realizador, os produtores e o Estado, etc. mas
que raramente transparecem.

Uma vez declarada a guerra, Roosevelt deu instrues precisas, no sentido de desenvolver
um cinema que glorificasse o justo direito e os valores americanos.p.121