Você está na página 1de 4

FAZAG = Faculdade Zacarias de Góes

Curso de Pedagogia

RESENHA CRÍTICA
O QUE É PEDAGOGIA

Apuarema - Ba
Abril / 2009
Joseni Santos Caetano

Relatório apresentado à professora


Deusa Dias como pé-requisito avaliativo
da disciplina Estagio I do Curso de
Pedagogia do 4º semestre, da Faculdade
Zacarias de Góes – FAZAG.

Apuarema - Bahia
Abril / 2009
O QUE É PEDAGOGIA?

Para entender o que é pedagogia precisamos delimitar nossa linha de pensamento para
o tema em destaque. Pois devemos comparar este termo “pedagogia” e os seus sinônimos
como: “filosofia da educação”, “didática” e “educação”.
Educação, geralmente usamos para comparar “ato educativo”, prática social que o
individuo desempenham nos diversos seguimentos da sociedade, e essa situações que ocorre
na relação ensino-aprendizagem, formal ou informal que é sempre guiada, por teorias
metódicas, e que nem sempre devem ser aplicada em detalhes pelos que participam de tal
relação – o professor e o estudante, o educador e o educando – pois quando aplicada o
observador, então munido de uma ou mais teorias o educador tenta dinamizar a respeito das
teorias educacionais.
Sendo a educação uma prática social, quando comparada ao ensino-aprendizado o
tempo e o espaço, faz parte do cotidiano do educador e o educando, através de varias técnicas
de dirigir, orientar o aluno para a absorção do aprendizado. Pensando assim a didática
educacional é uma forma para melhor contribuirmos com a relação ensino-aprendizagem.
A didática também é uma expressão pedagógica que cada professor tem seu próprio
instrumento, uma visão diferenciada, mas voltada para o mesmo objetivo no que ensina e no
que aprende. Embora a didática e a pedagogia caminhe juntas, dependendo das áreas dos
saberes, das normas, regras, caminho ou métodos aplicados.
“Que é que devemos fazer, e que instrumentos didáticos devem usar, para a nossa educação?”
A didática do conhecimento, da identidade, do currículo e das origens, aproveitando tudo que
esteja de acordo com a realidade local partindo do pressuposto de que todo aluno já traz
consigo muitos saberes, assim devemos usar instrumentos que torne o aluno um ser pensante
na construção do novo sem perder as suas raízes, tornando-se condutor, responsável pelo
desenvolvimento moral e intelectual do educando e do educador em todos os temas
programáticos e bem como os temas transversais propostos. A pedagogia é a parte normativa
do conjunto de saberes que precisamos adquirir e manter para desenvolver uma boa educação,
possibilitando assim o convívio, a vigência da tolerância e até mesmo a do amor.
A didática é responsável para meios para que a educação aconteça, com uma razão técnica ou
instrumental, uma vez que a pedagogia consegue nortear a educação, guiando pela fixação de
novas regras na existência de outros e vários objetivos; o objetivos educacionais por exemplo
é o responsável pelas metas e valores em educação. É com muita propriedade que didática e
educação estão interligadas.
É através da filosofia da educação que podemos ou não ter um vínculo direto com os saberes
da pedagogia e da didática, ou do saber prático (imediato) que faz a educação acontecer. A
“filosofia da educação” tem o seu dever primordial de apontar para um saber de modo
abrangente, gerando discussão espontânea no campo educacional como um todo, podendo
assim relatar que há dois tipos de filosofia educacional:
• Filosofia da educação que fundamenta: é a pedagogia que instrumentalizando a razão
ou a liberação comutativa, falando em valores verdadeiros, valores moral, enfocando os
objetivos da educação;
• Filosofia da educação que norteia: é ela que dá a justificativa das coisas existentes,
um discurso filosófico que se manifesta, tem fundamento, que justifica a metafísica, a
pedagogia e a educação, são os argumentos que justifica as coisas, por exemplo, no âmbito
religioso quando afirmamos “somos iguais porque todos nós somos filhos de Deus” ou,
“somos iguais porque somos todos seres humanos” e que “somos iguais porque todos
possuímos, diferentemente dos animais, razão”, quando aplicada nas normas pedagógicas
comparamos que a educação “tem como objetivo não destruir nossa igualdade original”.
É bom pensar que cada educador não deve apenas saber a prática da didática, deve ser critico
e que tenha fundamentação e justificativas coesas nas suas decisões, mesmo que seja variável
nos conhecimentos e aptidões didáticas, que seja transmitido muito bem o conhecimento das
normas pedagógicas, que seja prático e ofereça metodologia na aplicação de bons resultados e
em transmissão do aproveitamento para os alunos, que possa desenvolver todos os tipos de
raciocínio possíveis numa linguagem pedagógica clara, que saiba tolerar os alunos em relação
à percepção dos objetivos propostos bem como a formação harmoniosa da aprendizagem
humana.
O fazer acontecer uma educação inovadora, vem sim, da capacidade do educador, pois é ele o
transformador da política educacional pedagógica. Faz parte sim, dos saberes quando se
valoriza as instituições de formações de professores, a cultura, a identidade, a crença, a raça
humana, focado nos quatro pilares da educação tão discutidos nos meios acadêmicos.