Você está na página 1de 3
Produto Orgânico: Bom para você, Bom para o planeta Mauro F C Lins ( mauro@dr-organico.com

Produto Orgânico: Bom para você, Bom para o planeta

Mauro F C Lins (mauro@dr-organico.com)

06/2010

Palavras-chaves: Agricultura Orgânica, Brasil, substâncias tóxicas, saúde, doenças, natureza

---------------------------------

Os orgânicos estão por aí. No início, a cultura do consumo de produtos orgânicos no Brasil era vista como atitude de um grupo muito restrito de “descolados” e de “bichos – grilo”. Parecia mais um modismo restrito a grupos de consumidores muito específicos e provavelmente algo passageiro. Hoje em dia, os orgânicos encontram alicerces robustos dentro da comunidade científica a até mesmo de orgãos como, por exemplo, a Comissão Européia através de sua campanha “Agricultura Orgânica Boa Para a Natureza, Boa Para Você1 .

As vantagens dos orgânicos podem ser agrupadas em três características principais: Orgânicos são mais nutritivos, orgânicos não contém substâncias tóxicas para nossa saúde (mais saudáveis) e orgânicos são melhores para o planeta.

1. Mais nutritivos. Em 2007, cientistas da Universidade da CaliforniaDavis constataram que tomates de cultivos orgânico possuiam quase o dobro de um importantíssimo antioxidante, a quercetina 2 . Cientistas espanhóis em 2008 documentaram que laranjas de cultivo orgânico apresentavam maior riqueza de minerais, de antioxidantes e possuíam melhor qualidade sensorial. Os níveis de carotenóides, substâncias reconhecidamente saudáveis, foram 40% maiores em laranjas orgânicas. O estudo foi publicado no importante Journal of the Science of Food and Agriculture 3 . Pesquisadores do Ministério da Agricultura dos E.U.A (USDA), em estudo publicado em 2009 no Journal of Agricultural and Food Chemistry 4, concluiram que “é tentador especular que, com a agricultura moderna, nós estamos limitando, pelo menos de alguma forma, a produção de compostos promotores de saúde em nossas dietas, que poderiam estar presentes em níveis mais elevados em alimentos de cultivo orgânico ou em alimentos produzidos antes das técnicas de controle de pragas da agricultura moderna”. Durante o Simpósio “Living Soil, Food Quality and the Future of Food” (Solo Vivo, Qualidade Alimentar e o Futuro dos Alimentos), apresentado no encontro anual da American Association for the Advancement of Science AAAS

(Associação Americana para o Avanço da Ciência) em Fevereiro de 2009, pesquisadores da

Washington State University, da University of California-Davis e do The Land Institute, baseados em estudos realizados durante os últimos 10 anos, incluindo também outros centros de pesquisa, concluíram e publicaram que 5 :

- Tomates de cultivo orgânico apresentam níveis significativamente mais elevados de sólidos solúveis e de moléculas naturais chamadas de metabólitos secundários, incluindo os flavonóides, licopeno e vitamina C.

- Estudos de 27 canteiros de espinafre orgânico demonstram níveis significativamente mais elevados de flavonóides e de vitamina C e níveis mais reduzidos de nitratos. Os nitratos nos alimentos são considerados prejudiciais à saúde humana, pois formam

compostos carcinogênicos (nitrosaminas) no trato gastrointestinal e podem converter a hemoglobina a uma forma incapaz de transportar oxigênio no sangue.

Fundada em 1848, a AAAS é a maior sociedade científica do mundo e publica o famoso periódico Science, a revista científica mais lida no mundo, atingindo 10 milhões de leitores.

Recentemente, a “Agence Française de Sécurité Sanitaire des Aliments” (Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Alimentos), publicou um estudo destacando a superioridade nutricional dos orgânicos 6 . O autor do estudo, Prof. Denis Lairon da Universidade de Aix-Marseille, também enfatizou a segurança dos orgânicos, concluindo que 94-100% dos orgânicos não continham resíduos de pesticidas e apresentavam 50% menos nitratos, compostos que vários cientistas consideram capazes de provocar câncer.

2. Menos química (Mais Saúde). Além de conter mais nutrientes, os orgânicos são a alternativa para não entrar em contato com substâncias químicas (os agrotóxicos) cujos efeitos sobre nossa saúde começam a ser questionados, para os ainda em uso, enquanto não há duvidas sobre os malefícios dos vários outros que já se encontram banidos. Estudos associam exposição aos agrotóxicos com vários tipos de condições e doenças, indo desde alguns tipos de câncer, como por exemplo, o de próstata 7 , tumor do cérebro em crianças 8 , hipertensão durante a gestação 9 , problemas mentais em crianças 10 até a ocorência de obesidade 11,12 . Crianças expostas a pesticidas na vida uterina apresentam três vezes mais probabilidade de serem obesas aos 6 anos de vida 13 . Embora muitos dos estudos tenham origem fora do Brasil, devemos lembrar que o Brasil é hoje o maior consumidor mundial de agrotóxicos (Fonte. ANVISA) 14 .

3. Melhores para o planeta. O uso inadequado da terra (desmatamento) e o uso de fertilizantes químicos são também grandes responsáveis pelo aquecimento global. As emissões provenientes das práticas agrícolas convencionais superam as emissões de carbono de todos os carros, caminhões, trens e aviões do mundo. Se os 3,5 bilhões de acres cultiváveis do mundo fossem tranformados em cultivos orgânicos agora, teríamos controle (redução) de 40% das emissões de carbono do mundo. Isso seria conseguido através do sequestro de carbono no solo, redução do desmatamento e redução da emissão de gases associados ao uso de fertilizantes. Esses dados constam no capítulo 3 “Farming and Land Use to Cool the Planet” (Agricultura e Uso da Terra para Resfriar o Planeta) do relatório State of the World (Estado do Mundo), publicado pelo WorldWatch Institute em 2009 15 .

Portanto, o consumo de produtos orgânicos possui hoje argumentos sólidos e científicos que justificam plenamente o investimento nessa modalidade de cultivo e de vida. O Brasil pode e deve ser o grande fornecedor de alimentos para o mundo, um mundo que cada vez mais vai dificultar a entrada de produtos com resíduos de agrotóxicos. A agricultura orgânica é capaz de alimentar o mundo, ao contrário do que sempre foi dito, raciocínio corroborado pelas Nações Unidas ao afirmar que a agricultura orgânica pode alimentar o mundo com impacto ambiental menor 16,17 .

Referências:

2.

Ten-year comparison of the influence of organic and conventional crop management practices on the

content of flavonoids in tomatoes. Mitchel AE et al, J Agric Food Chem. 2007, 55(15):6154-9.

3. Effects of agricultural practices on instrumental colour, mineral content, carotenoid composition, and

sensory quality of mandarin orange juice, cv. Hernandina. Beltran-Gonzales et al, J Sci of Food and Agriculture, 2008, 88(10):1731 1738.

4. Phytoalexin-Enriched Functional Foods, Boue et al, J. Agric. Food Chem., 2009, 57 (7): 26142622.

6. Nutritional quality and safety of organic food. A review. Lairon, Denis. http://www.agronomy-

7. The growing incidence of prostate cancer in the French Caribbean islands, Martinique and Guadeloupe:

A possible causal role of pesticides. Belpomme et al, International Journal of Oncology, 2009 (35): 433.

8. Parental Exposure to Pesticides and Childhood Brain Cancer: U.S. Atlantic Coast Childhood Brain

Cancer Study, Shim, Y. K. et al; Environ Health Perspect 117:10021006 (2009).

9. Pesticide Exposure and Hypertensive Disorders During Pregnancy, Saldana, T.M et al, Environ Health

Perspect, 2009, (117):13931396.

10. Potential developmental neurotoxicity of pesticides used in Europe, Bjørling-Poulsen, M; Andersen, HR

& Grandjean, P. - Environmental Health 2008, (7):50.

11. Transgenerational inheritance of environmental obesogens - Porta, M.; Duk-Hee, L.; Puigdomènech,

E. Occupational and Environmental Medicine 2009, (66):141-142.

12. Maternal levels of dichlorodiphenyl-dichloroethylene (DDE) may increase weight and body mass index

in adult female offspring - Karmaus, W et al, Mudd, J Zhang, Occupational and Environmental Medicine 2009, (66):143-149.

13. Exposure to hexachlorobenzene during pregnancy increases the risk of overweight in children aged 6

years, Smink, A. et al, Acta Pædiatrica, 2008, 97(10):1465 1469.

16. United Nations Food and Agriculture Organization, Organic Agriculture and Food Security, May 2007.

17. UNCTAD, UNEP, Organic Agriculture and Food Security in Africa, Oct. 2008.