Você está na página 1de 5

Marcos Antônio da Silva era o filho mais novo de

Seu Antônio e Dona Graça, eles tinham mais dois filhos:


Márcio e Marcelo; eles viviam muito bem, pois tinham uma
família aparentemente estruturada. Eram naturais de
Itapipoca e vieram para a cidade em busca de uma vida
melhor, mas na cidade não era o que eles imaginavam.
Quando chegaram à cidade tiveram que trabalhar
para dar uma boa alimentação e um futuro promissor para
os filhos, e com tanta dificuldade em arranjar um bom
emprego decidiram trabalhar por conta própria; ela se
tornou costureira e ele vendedor (comprava produtos para
vender de porta em porta). E aos poucos foram
conseguindo o que planejaram. Os filhos estudavam nas
melhores escolas do bairro; eles não mediam esforços para
garantir o futuro dos filhos.
Os filhos eram muito obedientes aos pais e sabia o
quanto eles batalhavam para lhes dar um futuro melhor. Os
dois filhos mais velhos conseguiram ingressar na faculdade,
um cursou engenharia e o outro Químico, enquanto o mais
novo tentava terminar o segundo grau.
Um dia dona Graça passou mal e foi levada ao
hospital e ficou internada para fazer exames e saber o que
havia ocorrido, depois de muitos dias descobriram que ela
tinha câncer e já estava em estado avançado. Ela ficou
desnorteada sem saber o que fazer e preocupada como
ficaria seus filhos caso ela não resistisse, pois sabia que a
sua falta poderia mudar tudo o que ela tinha conquistado.
Graça decidiu contar para os filhos, que estava
doente e pediu a eles que ficassem sempre juntos e que
ajudasse um ao outro. Na verdade ela queria que eles
ficassem preparados com o que poderia acontecer. E com
muito esforço ela conseguiu fazer o tratamento e passou
dois anos se tratando.
E no final desses dois anos Graça veio a falecer, e o
desespero tomou conta de todos da família, os filhos mais
velhos conseguiram superar a perda da mãe, mas Marcos o
filho mais novo não aceitou o fato e ficou bastante triste e
deprimido. O pai não sabia o que fazer como sustentaria os
três filhos e terminar o que havia começado com a esposa.
Depois de algum tempo os filhos mais velhos
conseguiram um emprego, o pai continuou a vender suas
mercadorias enquanto o filho mais novo não queria saber
de mais nada nem mesmo estudar; e aos 16 anos começou
a fumar e ter umas companhias ruins que o convenceram a
usar drogas como solução para os problemas dele e
conseqüentemente conseguiria suprir a falta da mãe.
Marcos até que conseguiu entrar na faculdade de
geografia, mas nem concluiu o primeiro semestre; ele só
queria andar com os novos amigos e quando chegava a sua
casa tinha crises de histeria e furtava pequenos objetos de
sua casa, quando desconfiava que ele pudesse ser o autor
dos sumiços ele sempre negava quando era questionado.
O pai já estava desconfiado que o filho estivesse
acontecendo algo com o filho, pois antes de sua mãe
morrer ele não era assim; e com 18 anos Marcos decidiu
ficar longe de casa e foi para casa dos avôs. Lá encontrou
uma moça por quem se apaixonou, o único problema era
que ela também era usuária de drogas e o que era apenas
um vício se torno dependência, pois não conseguia passar
nenhum dia sem consumir drogas e era capaz de tudo até
mesmo roubar objetos alheios na rua.
E um desses pequenos furtos ele foi preso, depois
que saiu ele resolveu voltar para casa porque ele se sentia
mais seguro perto do pai e dos irmãos, e voltou a ter a
mesma vida que tinha antes; chegou até mesmo a
freqüentar a faculdade novamente.
Até que um dia reencontrou a sua turma de amigos
que havia deixado, quando foi morar com sua avó. E o
tormento recomeçou e foram piores do que antes; chegava
a sua casa xingando e quebrando as coisas; e obrigava o
pai a lhe dar dinheiro para comprar drogas, caso ele não
desse ele o mataria.
E aos poucos eles foram perdendo tudo o que
possuíam, tentando pagar tratamento para o filho, mas
nada adiantava, pois Marcos não queria se tratar, e sempre
arrumava um jeito de fugir. E o pai ficava desesperado por
não saber o que fazer, e nem como agir com o filho quando
ele ficava drogado.
Marcos quando não estava sob o efeito das drogas,
era uma ótima pessoa e tratava as pessoas da sua família
muito bem e as vezes ajudava o pai com as vendas, mas só
bastava encontrar os amigos para tudo recomeçar.
O pai, depois de algum tempo, encontrou uma
jovem e com ela começou a namorar; os filhos não sabiam
disso, Antônio tinha medo da reação dos filhos e
principalmente de Marcos; ele sempre dizia que o pai
jamais iria colocar outra mulher no lugar da mãe.

Portifólio
Drogas

Mª Fátima Mesquita Sousa


Curso: Bacharelado em Enfermagem

Turma: 6192

Professora: Benedita
Um dia o pai teve que contar aos filhos que estava
namorando, pois a moça estava grávida e eles iriam se
casar, por ser uma pessoa responsável não iria deixar filho
crescer longe dele, e que nem as ameaças do filho mais
novo iriam fazer-lo desistir; e assim ele fez.
Marcos só descobriu que o pai iria casar uma
semana antes; e ao saber ele enlouqueceu de raiva e
começou a quebrar tudo que via pela frente; chegou até a
espancar o pai e logo depois fugiu, sem rumo. Dois dias
depois o irmão mais velho o encontrou. Ele estava todo
sujo, embriagado e o pior de tudo estava drogado. Não
quis nem conversar com o irmão e saiu correndo.
Como não bastasse ele apareceu nos noticiários
policiais como ladrão de bolsas nas ruas da cidade, o pai
ficou inconformado, pois pensava que a culpa de tudo o que
havia acontecido seria dele; E que apesar de ter lutado
tanto para conseguir dá um futuro melhor para os filhos;
não tinha sido o suficiente para Marcos, porque os outros
filhos nunca haviam feito nada errado.
Antônio não desistiu de tentar ajudar o filho e,
mesmo com a resistência do filho em não querer
tratamento, ele conseguiu uma vaga em uma clínica para
drogados e internou o filho. Durante o tratamento ele teve
acompanhamento de psicólogos que o ajudaram a superar
a perda da mãe e aceitar o casamento do pai.
Marcos passou um ano e meio na clínica e quando
saiu de lá voltou para a casa do pai, onde foi bem recebido
pela madrasta e pelos irmãos. Ele hoje vive muito bem com
a família e agradece ao pai por nunca ter desistido dele. E
muito feliz com a esposa que está grávida do primeiro filho
e sempre fala para todos, que jamais deixará que o filho
cometa os mesmos erros dele; pois sabia o quanto sofreu
para se livrar do vício e o quanto era ruim para deixar o
vício. A família para ele era à base de tudo.

Interesses relacionados