Você está na página 1de 3

INTEGRAÇÃO DA MÍDIA NA EDUCAÇÃO

Jane Cristina Banczek


Juliana Cavalheiro Penteado
Pedagogia-UNICENTRO

Introdução

A definição da palavra mídia vem do latim, médius, aquilo que se está no meio, assim a
mídia educacional é um meio através do qual se transmite ou constrói conhecimento. Com a
chegada do computador nas escolas ficamos deslumbrados que deixamos de lado a TV e o
vídeo, nos esquecendo do grande valor que eles têm na prática educacional.
A informação e a forma de ver o mundo no Brasil provêm fundamentalmente da televisão,
ela alimenta e atualiza o universo sensorial, afetivo e ético que os alunos levam para a sala de
aula. Por isso esse texto irá abordar a integração das mídias na educação.

Desenvolvimento
As mídias mais utilizadas no processo de ensino-aprendizagem são : material impresso,
televisão/vídeo e informática que agrega diversos tipos de recursos. Além desses meios
contamos ainda com o quadro de giz e o retro projetor. O quadro de giz, é o meio mais
comum, tem como inconveniente o professor ficar de costas para o aluno. O retroprojetor é o
único áudio-visual inventado pensado no ensino, usado pela primeira vez pelo exército
americano para treinamentos de soldados na Segunda Guerra Mundial. Uma de suas
vantagens é que o professor fica de frente para os alunos enquanto faz o seu uso.
Um recurso utilizado em sala de aula é o vídeo, além de sua praticidade e capacidade de
prender a atenção dos alunos encontramos outras características importantes na sua utilização.
O vídeo é sensorial, visual, linguagem falada, linguagem musical e escrita que interagem
interligadas, somadas e não separadas. O vídeo é parte do concreto, do visível, do imediato
que toca todos os sentidos, mexe com o corpo, a pele, toca-nos e tocamos os outros, e está ao
nosso alcance através dos recortes visuais e do som. Por ele sentimos, experimentamos
sensorialmente o outro, o mundo e a nós mesmos.
O vídeo explora basicamente, o ver e o visualiza diante de nós as situações, as pessoas, os
cenários e as cores. A fala aproxima o vídeo do cotidiano de como as pessoas se comunicam
habitualmente. A música, os efeitos sonoros servem como evocação, lembrança, antecipação
de reações e informações. O vídeo também é escrita através dos textos, legendas, citações,
traduções.
A televisão não é somente tecnologia de apoio às aulas, são mídias,meios de comunicação.
A tecnologia impõe-se socialmente em decorrência de tudo o que oferece. É indicada em sala
de aula pela capacidade de transmitir informações audiovisuais ,é também flexível e versátil.
Tem a vantagem de ser usada em sala de aula em aparelhos de televisão, em telões ou
projetores de vídeo.
De qualquer forma, as melhores possibilidades e as piores limitações do vídeo são dois
fatores alheios à tecnologia : a qualidade dos programas e a preparação dos professores para
usá-los de forma criativa e participativa.
Alguns exemplos bem claros, da utilização errada em sala de aula são, de acordo com o
autor Moran(2010):
1.VÍDEO TAPA BURACO: Este método desvaloriza o uso do vídeo, pois, ele entra quando há
um problema inesperado, ou a ausência de um professor, assim os alunos associam o vídeo
como um “não ter aula”.
2.VÍDEO ENROLAÇÃO: Exibir algo fora da matéria, o aluno percebe que ele é usado para
camuflar a aula, passar o tempo. Já o vídeo bem utilizado na sala de aula pode trazer
benefícios, chamar a atenção dos alunos com temas adequados, exemplos disso:
2.1.VÍDEO SIMULAÇÃO: É uma ilustração sofisticada podendo mostrar aceleradamente o
crescimento de uma planta da semente até a maturidade, ou até mesmo uma reação química
perigosa preparada em segundos no laboratório sem danos.
2.2.VÍDEO COMO CONTEÚDO DE ENSINO: Quando mostra um assunto de forma direta,
orientando-o de forma específica, ou indireta mostrando um tema permitindo abordagens
múltiplas e interdisciplinares.
2.3.VÍDEO ILUSTRAÇÃO: Ajuda a demonstrar em sala de aula, o que se aprende na
oratória, compondo cenários e trazendo realidades distantes para sala de aula.
Do ponto de vista Moran , o vídeo como sensibilização é o uso mais importante na escola,
um bom vídeo é interessante para introduzir um novo assunto, e despertar motivação para
novos temas”.
Além de vídeos , contamos com um canal de TV em rede pública, destinado a educação: a
Tv Escola . É destinado, aos professores, educadores , alunos, ou seja, a todos aqueles
interessados em aprender. Um canal de políticas públicas com o objetivo em subsidiar a
escola e não substituí-la, e nem substituir o professor, a TV escola não vai dar aula, ela é uma
ferramenta pedagógica disponível ao professor para completar sua informação ou para ser
utilizado em políticas de ensino.
Também podemos contar como computador em sala de aula, auxiliando na pesquisa de
alunos e professores, . É a forma mais rápida de adquirir conhecimento e transmiti-lo sem sair
do lugar.
Outra grande contribuição para a educação é a TV via satélite, representa uma vitória do
que é denominado televisão sem fronteiras,canais codificados, temáticos e de livre acesso,
sempre que se souber adaptá-lo ao processo de ensino e aprendizagem.

Conclusão
Dentre tantas opções que temos hoje em relação a mídia educacional, cabe ao professor ou
educador escolher o que se encaixa melhor em sua disciplina, no cotidiano e para seus alunos
em sala de aula. E que essa escolha possa trazer a todos aprendizado e conhecimento,
tornando a sala de aula um mundo mais interativo e prático que busca a relação entre o
aprender e o ensinar.
A televisão , o vídeo, o cinema, enfim os meios de comunicação nos ajudam a realizar o
que já fizemos ou que desejamos.
Educar com novas tecnologias é um desafio que até agora não foi enfrentado com
profundidade. Temos feito apenas algumas adaptações, pequenas mudanças, estamos
aprendendo , fazendo experiências possíveis em nossas condições concretas, assim pouco a
pouco iremos avançando e mudando.
Vivemos em uma época de grandes desafios no ensino focado na aprendizagem, e vale a
pena pesquisar novos caminhos de integração do humano e do tecnológico, do sensorial, do
emocional, racional e do ético, do presencial e do virtual, de integração da escola, do trabalho
e da vida.
Referências:
MORAN, José Manuel. O vídeo na sala de aula. Disponível em
<http://www.eca.usp.br/prof/moran> Acessado em 10 abr. 2010.

SANCHO, JUANA M.(org.) Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed, 1998.

VESCE, Gabriela E. Possolli. Mídias educacionais. Disponível em


<http://infoescola.com/comunicacao/midias-educacionais/> Acessado em 10 abr. 2010.