Você está na página 1de 34

F 228 aula 3:

equilíbrio e elasticidade

F 228 aula 3: equilíbrio e elasticidade UNICAMP 2º semestre de 2012

UNICAMP 2º semestre de 2012

Bloco inclinado

Qual é o ângulo máximo para o bloco não se deslocar (deslizar):

a) para

b) Para

µ = 0,57 (aço sobre aço sem lubificação)? µ = 1,73 (silicone sobre plástico) ?

Solução

Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende
Solução Certo ? Depende

Certo ? Depende

Condições para o equilíbrio

Um corpo rígido está em equilíbrio se:

O momento linear P e o momento angular L têm valor constante.

Esta definição não exige que o corpo esteja em repouso, ou seja, P e L não são necessariamente zero.

Se P e L são zero então temos equilíbrio estático .

Equações de movimento para o corpo rígido

A translação do centro de massa (CM)

Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação

A rotação em torno do centro de massa

Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação
Equações de movimento para o corpo rígido A translação do centro de massa (CM) A rotação

Estática para o corpo rígido

As condições de equilíbrio são

para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as
para o corpo rígido As condições de equilíbrio são Cada vetor tem 3 componentes e as

Cada vetor tem 3 componentes e as equações formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas

Forças coplanares Forças no plano xy têm versão simplificada

formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão
formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão
formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão
formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão
formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão
formam um sistema de 6 equações escalares simultâneas Forças coplanares Forças no plano xy têm versão

Centro de Gravidade

Anteriormente consideramos que a força total que atua em um corpo rígido devida à gravidade poderia ser substituída por uma força única (peso) atuando no CM do corpo de massa total M.

única (peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da
única (peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da
única (peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da
única (peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da

então

(peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da força
(peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da força
(peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da força
(peso) atuando no CM do corpo de massa total M . então O torque da força

O torque da força peso em cada elemento de um corpo rígido é

da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado
da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado
da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado
da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado
da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado
da força peso em cada elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado

Como g pode ser fatorado

elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado O torque resultante é igual
elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado O torque resultante é igual
elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado O torque resultante é igual
elemento de um corpo rígido é Como g pode ser fatorado O torque resultante é igual

O torque resultante é igual ao torque de uma única força atuando no CM !

Determinação do centro de gravidade
Determinação do centro de gravidade

Determinação do centro de gravidade

Equilíbrio estável, instável e indiferente

Equilíbrio estável, instável e indiferente Estável: o corpo é deslocado e sofre a ação de uma

Estável:

o corpo é deslocado e sofre a ação de uma força ou torque no senEdo contrário do deslocamento, voltando à posição de equilíbrio. Instável:

o corpo é deslocado e sofre a ação de uma força ou torque no mesmo senEdo do deslocamento, não retornando à posição de equilíbrio. Indiferente:

Equilíbrio independe do deslocamento.

Outro exemplo Equilíbrio estável
Outro exemplo
Equilíbrio estável
Outro exemplo Equilíbrio estável hNp://cnx.org/content/m42172/latest/?collecEon=col11406/latest instabilidade
Outro exemplo Equilíbrio estável hNp://cnx.org/content/m42172/latest/?collecEon=col11406/latest instabilidade

hNp://cnx.org/content/m42172/latest/?collecEon=col11406/latest

instabilidade
instabilidade

Equilíbrio instável independentemente do deslocamento

X x h x´ CG r
X
x
h x´
CG
r
X x h x´ CG r Exemplo 1 h = 55 m, d = 7,0 m
X x h x´ CG r Exemplo 1 h = 55 m, d = 7,0 m

Exemplo 1

h = 55 m, d = 7,0 m x = 4.5 m. Qual seriam os valores de x e θ para a torre ficar prestes a cair?

Para cair:
Para cair:
de x e θ para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve

Inicialmente,

para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25
para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25
para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25
para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25
para a torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25

Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25 = 1,25 m e x deve aumentar 2,5 m.

torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25 = 1,25
torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25 = 1,25
torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25 = 1,25
torre ficar prestes a cair? Para cair: Inicialmente, Logo x´deve aumentar 3,5 – 2,25 = 1,25

Exemplo 2

Barra de tamanho L e massa m = 1.8 kg se apoia em duas balanças. Um bloco de massa M = 2.7 kg se apoia na barra a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças?

Pivot ?

As forças:

a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As

Os torques:

a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As

ou

a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As

dai

a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
a um quarto de distância da balança esquerda. Quais as leituras nas balanças? Pivot ? As
tamanho do braço, a 30 cm, e Pivot ? Torque total com relação ao cotovelo
tamanho do braço,
a
30
cm,
e
Pivot ?
Torque total com relação ao cotovelo

Exemplo 3

um sistema de

o

bíceps ao

cotovelo, x = 4 cm. Se uma massa M é sustentada pela mão qual a força feita pelo bíceps? (despreze o peso do braço!)

O bíceps é responsável por dobrar o braço. É

alavanca como mostra a figura. Os valores típicos para =

a distância

do

mostra a figura. Os valores típicos para = a distância do A força feita pelo bíceps
mostra a figura. Os valores típicos para = a distância do A força feita pelo bíceps
mostra a figura. Os valores típicos para = a distância do A força feita pelo bíceps
mostra a figura. Os valores típicos para = a distância do A força feita pelo bíceps

A força feita pelo bíceps é muito maior que o peso pois 30/4 = 7.5

A escada apoiada

Qual é o ângulo mínimo para o qual a escada não escorrega?

Só há atrito com o chão.

ângulo mínimo para o qual a escada não escorrega? Só há atrito com o chão. faculty.mu.edu.sa/download.php?fid=17353

faculty.mu.edu.sa/download.php?fid=17353

A escada apoiada

A escada apoiada Forças: 1. força normal na base da escada 2. Força de atrito na

Forças:

1. força normal na base da escada

2. Força de atrito na base da escada

3. peso da escada

4. força normal no topo da escada

Pivot:

base da escada

A escada apoiada

Torques:

1. devido ao peso da escada

2. devido à normal no topo

Solução:

Forças na direção x: µ n 1 n 2 = 0

Forças na direção y: n 1 mg = 0

Torque:

Ln 2 sin φ – ( L /2) mg cos φ = 0

– n 2 = 0 Forças na direção y: n 1 – mg = 0 Torque:

A escada apoiada

Das equações de força

n 2 = µ mg .

Portanto,

µsin φ – (1/2)cos φ = 0

E, por fim

tan φ = 1/(2µ)

Das equações de força n 2 = µ mg . Portanto, µ sin φ – (1/2)cos

Desafio:

Desafio:

Alguns experimentos

Alguns experimentos hNp://phet.colorado.edu/pt_BR/simulaEon/balancing-act

hNp://phet.colorado.edu/pt_BR/simulaEon/balancing-act

Alguem pode reproduzir o experimento e descrever as condições de equilíbrio?

o experimento e descrever as condições de equilíbrio? hNp://www.hmc.edu/academicsclinicresearch/

hNp://www.hmc.edu/academicsclinicresearch/

academicdepartments/physics/kiosk1/

demos1/mechanics1/staEcs1/

equilibrium.html?

PHPSESSID=3e55a456706329889101f4ecca828

c26

Outras dúvidas do Fritz

Outras dúvidas do Fritz

Outras dúvidas do Fritz
Outras dúvidas do Fritz
Vestibular UNICAMP 2002

Vestibular UNICAMP 2002

Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002
Vestibular UNICAMP 2002

Tensão(stress) e deformação(strain)

Tensão(stress) e deformação(strain) •   Dois tipos de mudança de forma ( deformação ) de um

Dois tipos de mudança de forma (deformação) de um sólido quando forças atuam sobre ele:

O cilindro é esticado pela tensão de elongação. O cilindro é deformado pela tensão de cisalhamento.

A terceira seria compressão uniforme (pressão hidrostática) onde as forças são aplicadas uniformemente em todas as direções.

Tensão e deformação

A tensão é, no regime elástico, proporcional à deformação e

a constante de proporcionalidade é o módulo de elasticidade.

Tensão = módulo de elasticidade X deformação

elasticidade . Tensão = módulo de elasticidade X deformação hNp://dolbow.cee.duke.edu/TENSILE/tutorial/node6.html
elasticidade . Tensão = módulo de elasticidade X deformação hNp://dolbow.cee.duke.edu/TENSILE/tutorial/node6.html

hNp://dolbow.cee.duke.edu/TENSILE/tutorial/node6.html

Tensão e deformação

Tensão ou compressão simples (ou de elongação) se define como F/A associada a uma deformação ΔL/L como na figura abaixo

Aqui, o módulo de elasticidade se chama módulo de Young E

Aqui, o módulo de elasticidade se chama módulo de Young E Density (kg/m 3 ) 7860

Density (kg/m 3 )

7860

2710

2190

2320

525

1900

Material

Steel a

Aluminum

Glass

Concrete c

Wood d

Bone

Polystyrene 1050

Young's Modulus 10 9 N/m 2

UlEmate Strength S u 10 6 N/m 2

200

400

70

110

65

50 b

30

40 b

13

50 b

9 b

170 b

3

48

Yield Strength

S y

10 6 N/m 2

250

95

65 50 b 30 40 b 13 50 b 9 b 170 b 3 48 Yield
Solução do vestibular (ouro) e o aço real
Solução do vestibular (ouro)
e o aço real
Solução do vestibular (ouro) e o aço real
Solução do vestibular (ouro) e o aço real
Solução do vestibular (ouro) e o aço real
Solução do vestibular (ouro) e o aço real

Tensão de cisalhamento

Tensão de cisalhamento se define como F/A associada a uma deformação ΔL/L como na figura abaixo.

O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G

O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel
O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel
O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel
O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel
O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel
O módulo neste caso se chama módulo de cisalhamento G A tensão de cisalhamento tem papel

A tensão de cisalhamento tem papel importante em fratura de ossos devido a torções!

A tensão-elongamento dos ossos

A tensão-elongamento dos ossos http://depts.washington.edu/bonebio/ASBMRed/mechanics.html
A tensão-elongamento dos ossos http://depts.washington.edu/bonebio/ASBMRed/mechanics.html

http://depts.washington.edu/bonebio/ASBMRed/mechanics.html

http://hansmalab.physics.ucsb.edu/macrobone.html

Aço:
Aço:

Como medir o módulo de cisalhamento

Módulo de Young versus de cisalhamento

de cisalhamento Módulo de Young versus de cisalhamento Em geral é mais fácil torcer do que
de cisalhamento Módulo de Young versus de cisalhamento Em geral é mais fácil torcer do que
de cisalhamento Módulo de Young versus de cisalhamento Em geral é mais fácil torcer do que
de cisalhamento Módulo de Young versus de cisalhamento Em geral é mais fácil torcer do que
de cisalhamento Módulo de Young versus de cisalhamento Em geral é mais fácil torcer do que

Em geral é mais fácil torcer do que esticar

pêndulo de torção para medir G!

(não confundir com o G - constante da gravitação universal –

medida com um

pêndulo

de torção, aula 1)

hNp://www.ejsong.com/mdme/memmods/MEM23061A/Torsion/Torsion.html

Medida do período do pêndulo de torção

Medida do período do pêndulo de torção

Medida do período do pêndulo de torção hNp://rustam.uwp.edu/202/individual/torsion_pend.pdf
Medida do período do pêndulo de torção hNp://rustam.uwp.edu/202/individual/torsion_pend.pdf

hNp://rustam.uwp.edu/202/individual/torsion_pend.pdf

Fio de teia de aranha: produção sintética é um dos desafios da nanotecnologia

Fio de teia de aranha:

produção sintética é um dos desafios da nanotecnologia

Fio de teia de aranha: produção sintética é um dos desafios da nanotecnologia
Fio de teia de aranha: produção sintética é um dos desafios da nanotecnologia
Fio de teia de aranha: produção sintética é um dos desafios da nanotecnologia

Tensão real versus tensão de engenharia

Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia
Tensão real versus tensão de engenharia

Link para a próxima aula

Fluidos não resistem a tensões de cisalhamento e outra tensão é protagonista:

pressão hidrostática

não resistem a tensões de cisalhamento e outra tensão é protagonista: pressão hidrostática Módulo volumétrico:

Módulo volumétrico:

não resistem a tensões de cisalhamento e outra tensão é protagonista: pressão hidrostática Módulo volumétrico:
não resistem a tensões de cisalhamento e outra tensão é protagonista: pressão hidrostática Módulo volumétrico: