Você está na página 1de 3

Estruturas de betão Esforços normais e de flexão

Secção Autónoma de Engenharia Civl Universidade de Aveiro

A p

A

s

A capacidade resistente de cálculo das secções de um elemento de betão armado ou pré-esforçado com armaduras aderentes, baseia-se em hipóteses que simulam o comportamento último das secções.

As forças resistentes da secção devem ser obtidas a partir das tensões e forças no

0

ε

cu

Α

x

betão e no aço na base das seguintes hipóteses:

3H/7

d

Β

Ø a distribuição da extensão longitudinal é linear na secção;

Δε p

ε

do

Ø o betão não resiste à tracção;

ε

s

Ø as variações das deformações nas armaduras e no betão adjacente são iguais;

C [0.01]

0.002

Ø as deformações totais nos cabos de pré-esforço são calculadas tendo em consideração a deformação inicial correspondente ao valor de cálculo da força de pré-esforço das condições em análise, após perdas.

Com base nestas hipóteses, se se utilizar o diagrama parábola-rectângulo, as forças na secção podem ser deduzidas a partir do diagrama da figura, em que se assume que o diagrama de extensões passa através do ponto A ou do ponto B. Um diagrama que passe por A corresponde a flexão simples ou composta enquanto um diagrama que passe por B corresponde a compressão simples ou flexão composta na qual toda a secção se encontra comprimida.

composta na qual toda a secção se encontra comprimida. Nalguns casos, como por exemplo quando existam
composta na qual toda a secção se encontra comprimida. Nalguns casos, como por exemplo quando existam

Nalguns casos, como por exemplo quando existam aços com diferentes resistências ou quando várias barras se encontram distribuídas na altura, é conveniente limitar a extensão máxima do aço a 0.01 o que corresponde ao diagrama de deformações passar no ponto C em vez de passar em A ou B.

Estruturas de betão Esforços normais e de flexão

Secção Autónoma de Engenharia Civl Universidade de Aveiro

Secções submetidas a tracção e compressão simples

Neste ponto não serão considerados os efeitos de segunda ordem provocados pela encurvadura.

Compressão simples

Em estruturas de betão armado não é corrente o aparecimento de peças sujeitas a compressão simples devido a inevitáveis excentricidades dos esforços normais ou à continuidade com outros elementos. Contudo nos casos em que tal se possa admitir a verificação da segurança pode ser feita através da seguinte expressão:

N Rd = f cd A c + f sd A s

Na expressão anterior, o valor de f sd será tomado igual a f yd para aços em que f yd < 400 MPa e f yd = 400 MPa nos restantes casos, atendendo à limitação das extensões a 0.002 em compressão simples.

Esta expressão é muito útil em situações de pré-dimensionamento impondo-se uma percentagem de armadura, ρ, por exemplo por critérios de economia (é usual utilizar-se um valor de ρ = 0.01), obtendo-se então a área de betão em função do esforço actuante:

A c = (f cd + ρ f sd ) / N Sd

Tracção simples

Os tirantes de betão armado não são muito correntes devido aos problemas de fendilhação e ao facto de apenas o aço ser mobilizado na resistência, limitando-se o betão a proteger a armadura e a limitar a deformação. O dimensionamento em estado limite último é imediato obtendo-se para o esforço normal resistente a expressão:

N Rd = f yd A s

Estruturas de betão Esforços normais e de flexão

Secção Autónoma de Engenharia Civl Universidade de Aveiro

Pré-esforço

Pré-esforço por pós-tensão

de Aveiro Pré-esforço Pré-esforço por pós-tensão Colocação dos cabos em tensão Ancoragem activa Ancoragem

Colocação dos cabos em tensão

por pós-tensão Colocação dos cabos em tensão Ancoragem activa Ancoragem passiva Pré-esforço por

Ancoragem activa

Colocação dos cabos em tensão Ancoragem activa Ancoragem passiva Pré-esforço por pré-tensão Mesa de

Ancoragem passiva

Pré-esforço por pré-tensão

activa Ancoragem passiva Pré-esforço por pré-tensão Mesa de pré-esforço (lajes TT ) A m a r

Mesa de pré-esforço (lajes TT)

por pré-tensão Mesa de pré-esforço (lajes TT ) A m a r r a ç ã

Amarração dos cordões

TT ) A m a r r a ç ã o d o s c o

Armazenamento de lajes TT