Você está na página 1de 73
Contas 6rio e 2 Relat 2015 IDENTIFICACAO DA EMPRESA Empresa: Tipo: Sede, escritérios e instalagae fabril: Actividade principal: Capital Social: Data de constituicao: N° Contribuinte e n° de Matricula: Conservatéria do Registo Comercial: Telefone: Fax: E-mail: Web site: o Cipan CCOMPANEIA INDUSTRIAL PRODUTORA DE ANTIBIOTICOS, 6. Sociedade Aberta Sociedade Anonima Rua da Estacao, 42 Vala do Carregado 2600-726 Castanheira do Ribatejo Fabricac&o de produtos farmacéuticos de base CAB Rev. 2: 24410 CAE Rev. 3: 21100 3.667.800 Euros 25 de Janeiro de 1960 500 508 291 Vila Franca de Xira 263 856 800 263 855 020 info@atralcipan. pt www.atraleipan.com ae &e Cipan inpdice Nota Introdutéria 1 Orgaos Sociais a Principais Indicadores 4 Relatério de Gestao 5 Cenario Macro-Econémico 6 Enquadramento da Actividade 8 Analise da Exploracao 9 Sintese Bstratégica 9 Mercado ¢ Vendas 10 Gastos u Investimentos 12 Investigacao e Desenvolvimento 13 Sistema de Gestao 4 Recursos Humanos 15 Analise Bconémica e Financeira 16 Perspectivas de Evolucéio 18 Principais Riscos e Incertezas da Actividade 19 Proposta de Aplicacdo de Resultados 20 Nota Final 20 Posicao Accionista ai Demonstragoes Financeiras, 23 ‘Anexo as Demonstragées Financeiras, 28 Relatorio e Parecer do Fiscal Unico 62 Certificagao Legal das Contas 65 Relatério ¢ Conia 2015 indice Nota Introdutéria oS Cipan PaezADoS ACCIONISTAS Depois de um ano conturbado em que foi necessario tomar medidas correctivas para equilibrio da situacao cconémico-financeira da empresa, a Cipan teve em 2015 a oportunidade de relancar um dos produtos tradicionais, destinado a mercados exigentes, que veio a demonstrar € representar um forte contributo na consolidagao da situagao econémico-financeira da empresa. ‘Apés a tomada de decisao em 2014 de encerrar a producao do principal produto, que contribuia em cerca de 80% para a actividade da empresa, pelas razdes entdo anunciadas, nomeadamente por decisdes comerciais do principal cliente, a CIPAN reforgou o seu enfoque industrial ¢ comercial em produtos € servicos numa logica de nicho de mercado, quer quanto a vertente qualitativa requerida pelos clientes quer quanto a um melhor aproveitamento das competéncias tecnolégicas da empresa por via de projectos de Investigacdo ¢ Desenvolvimento Tecnolégico (I&DT), opedes geradoras de maior valor acrescentado, reaproveitando ou participando no desenvolvimento de tecnologias de ponta nas quais a CIPAN é reconhecida internacionalmente, ‘A adopcao destas medidas tiveram como reflexo uma melhoria na estrutura produtiva da empresa que se traduziu na obtengao de melhores resultados, nao obstante os reflexos. negativos causados pelos clevados custos de indemnizacdo, a que fora sujeita no ano anterior. A CIPAN, com a mobilizagao de todos os seus recursos, teve assim oportunidade de criar um ambiente de equilibrio econémico e financeiro no exercici Decorrente das ico para a Cipan terminou com EBITDA altamente positive 6.124.176 euros. Simultaneamente, os resultados sunstancias acima descritas, 0 ano econ6i liquidos foram também positivos € refletem, em certa medida, as reais possibilidades da empresa no sector em que se insere. As vendas sao ligeiramente inferiores as do ano transacto, mas se nao incluirmos 0 impacto positivo da venda de metais preciosos ocorrida em 2014, 0 acréscimo em 2015 é bastante expressivo em consequéncia da venda de um produto tradicional entretanto recuperado, Sempre que possivel e desejavel tém sido desenvolvidas acgdes de parceria, aproveitando as competéncias técnicas ¢ tecnolégicas existentes. Neste contexto integra-se a parceria com Laboratérios Atral, cujos objectivos foram integralmente cumpridos. jatorio © Contas 201 As preocupacées com a responsabilidade social e 0 cumprimento dos requisitos ambientais mantém-se, tendo-se dado seguimento ao estudo para a instalacdo de 2° fase da EPTARI, quer na vertente técnica quer financeira. Como nota final, a Administracao reitera a sua perseveranca no desenvolvimento da ‘empresa mesmo reconhecendo a dimensao e a complexidade dos desafios que enfrenta, sendo para tal de relevar € reconhecer a importancia dos apoios reccbidos de todas as partes, sejam Colaboradores, Clientes, Fornecedores, Accionistas e demais Entidades, que connosco cooperam € aos quais agracecemos a confianca demonstrada. Relatorio © Contas 2015 Nota Introdutéria ORGAos Sociais Triénio 2014-2016 Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretario C Cipan Teresa Sapiro Anselmo Vaz F. Soares Paula Cristina Rebelo Jorge Conselho de Administracao Presidente Administrador Administrador Administrador Fiscal Unico ROC Pfectivo ROC Supiente Teresa Paulo Tavares da Silva Alves Volker Lehmann-Braun Antonio Luis Martins Sebastiao Manuel Tavares da Silva Alves ESAC ~ Espirito Santo & Associados SROC, Lda, representada por Luis Filipe Pinto Gongalves da Cruz (ROC n°73) Antonio Pedro Valente da Silva Coelho (ROC n° 771) { Orgios Sociais S Cipan PRINCIPAIS INDICADORES (2012 20132014 ‘Volume de Negicios 15.526.618 18.423 761 _14.848-203, Rendimentas Operacionais 17.816.68617.323.838) _17.087.928 an.171) 379.822 eor.a39| 582.714 1.160.852, _-653.927 16 499.707 ‘Resultados Operacionais Gastos de Financiamento Liguidos Resultados Liquidos (TDA “Activo Liquide 1 24.543.418| 25.821.000 19.064.891 (Capitais Proprios (6.508.499, 5.208.582, 4.965.521 ‘Atonomia Financeira [26.5% | 202% | 22.9% ‘Solvabilidade [361% 25.3% 29,7% Investimento Total 465.935, 419.492 IN® total de colabioradores em 31 de Dea 196) 151 Ta] EBITDA ~ Resultado antes de Deprecagies, Gna de Financlamento.e fmposios ‘Volume de Negécios (milhares€) 2015 ET 13.081 2016 14.048 2013 A 15424 2 a 15507 EBITDA (milhares¢) 2015 a 6.124 2014 [J soo 2013 [J 659 zoe EA 74 cipais Indicador S Cipan Relatério de Gestao Relatério de Gestao a 5 Senhores Accionistas, Dando cumprimento as disposigdes legais ¢ estatutarias, submetemos a vossa apreciacdo 0 Relatorio de Gestao, 0 Balango, a Demonstracao de Resultados por Naturezas ¢ por Fungées, a Demonstracao das Alteragdes no Capital Proprio, a Demonstracao dos Fluxos de Caixa e o Anexo, referentes ao exercicio de 2015. (CENARIO MACRO-ECONOMICO Em 2015, segundo as previsdes do FMI a economia mundial deveria crescer 3,5%, ligeiramente acima do crescimento observado em 2014 que foi de 3,3%, mas os valores alcangados apontam apenas para um crescimento de 2,4%, face a situagao menos brilhante da economia em areas e paises como a Zona Euro, Japao e as economias emergentes no seu todo. Mantiveram-se os riscos negativos associados actividade econémica mundial, tendo o final do ano apresentado sinais preocupantes: abrandamento na recuperacdo dos paises emergentes, abrandamento do proceso de consolidagao fiscal ainda que a politica monetéria se mostre acomodativa, na Zona Euro, Japao e Reino Unido. Outro factor marcante foi a continua queda do petréleo, que atingiu 0 seu valor mais baixo dos ultimos 10 anos, 0 que levou a uma pressdo deflacionista a nivel mundial, afectando os consumos das familias © a actividade empresarial e aumentando as divergéncias entre os varios paises. De acordo com os tiltimos dados do FMI, 0 PIB mundial devera apresentar uma taxa de crescimento em 2016 inferior a 3%. A Unido Europeia registou em 2015 um crescimento de 1,1%, nao obstante © aparecimento de mais riscos contra 0 crescimento nos tltimos meses, sobretudo pela entrada de refugiados, efeitos do escandalo das emissoes poluentes da Volkswagen e a nao garantia duma estabilidade econ6: pelos bancos cent. Verificou-se uma melhoria em alguns indicadores _econémicos, nomeadamente nos niveis de crédito, emprego © confianca dos consumidores. No ultimo trimestre do ano, regista-se uma tendéncia de crescimento das quatro maiores economias da Europa, aparecendo a Irlanda Relaterio © Comtas 2015 S S Cipan Continuncio do com a melhor performance, a Alemanha, a Espanha e Italia, sendo notéria a baixa inflacao neste paises. © BCE tem recorrido a medidas para estimular a economia, como os programas de expanséo quantitativa ja anunciados, e que comecam a ser implementados. © euro, que continuou a registar em 2015 uma depreciacao face ao délar americano, tem conduzido a uma maior competitividade dos paises da Zona Euro. Neste sentido, paises como a Espanha tém vindo a aproveitar bastante, apds ter saido de um longo periodo recessive. Desta forma, as ultimas previsdes do FMI apontam para um acréscimo do PIB da Zona Buro na ordem dos 1,1%, depois do ligeiro crescimento de 0,8% em 2014. Os EUA continuam a apresentar um crescimento mais sélido entre as economias avancadas, beneficiando do crescimento do consumo privado & de um mercado de trabalho cada vez mais robusto, bem como indices de producdo consistentes. Os tltimos indicadores econémicos apontam para mais um ano de crescimento do PIB, desta vez em redor dos 3,4%, depois dos cerca de 3,2% registados em 2014 (dados FMI). Japao, que tinha previsio no inicio do ano de crescer cerca de 2,5% em 2015, devera alcancar um crescimento inferior a 2% (conforme dados do FM). ‘As economias emergentes registaram novo abrandamento, apesar dos paises asidticos continuarem com um crescimento acima das outras economias face aos restantes blocos econémicos. A China, devido a desaceleracao mais acentuada no investimento, quebra da bolsa, desvalorizacao da mocda, reducdo da taxa de juro e desemprego, de acordo com os dados do FMI, espera um crescimento no PIB de 6,5% em 2015, contra os 6,8% de 2014. A India também podera registar niveis de crescimento menos acentuados no PIB anual, passando de 5,8% em 2014 para uma evolugdo estimada de 5% em 2015. A economia nacional em 2015 apresenta alguns sinais positivos, como o aumento do consumo interno, a ligeira recuperacao nas finangas publicas, uma melhoria gradual no financiamento ¢ da procura externa, onde as exportagdes se apresentam como o principal motor. Segundo dados do BCE, © indicador do PIB tera registado um crescimento de 1,6% em 2015 contra 0,8% em 2014, Os dados mais recentes do INE (até novembro de 2015) sobre a FBCF, registam um aumento de 2,5%, apés o decréscimo de 2,2% em 2014. Essa Relatério e Contas 20, Relatério de Ges o Cipan Valorie do délar Reese cure Zona Baro Mator ereaeimente smanutengio do Aoréscime no PIB aclonal Recuperngio do Investimento, melhoria ficou a dever-se A atenuacao dos obstéculos no acesso a financiamento e aos maiores niveis nos indices de confianca. A taxa de inflagao em 2015 foi positiva em 0,5% e em 2014 tinha apresentado um valor negativo de 0,3%, segundo dados do INE. Ao nivel do mercado de trabalho, a taxa de desemprego em 2015 (dados do Banco de Portugal) foi de 12.4% (13,9% em 2014), © crescimento da CIPAN encontra-se maioritariamente dependente do comportamento dos mercados regulados: EUA, Uniao Europeia e Japao, pelo que a melhoria do clima destas economias coloca a CIPAN com algumas vantagens comerciais. ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE E expectavel que a procura mundial de principios activos (API's ~ Active Pharmaceutical Ingredients) para o fabrico de medicamentos cresca com um CAGR (2011-2016) de 7,9%. Os EUA, Japao, Alemanha, Franga, China, Reino Unido, Italia e Suica sto responsaveis por 80% do consumo mundial, sendo que, nos iltimos anos, a China tem assumido a lideranca representa jé cerca de metade desse mercado em “bulk” (quantidade). Dados do IMS Health Market Prognosis, indicam que 0 mercado farmacéutico mundial representou 1.027 mil milhées de délares (USD) em 2014 e tem uma estimativa de crescimento composto anual (CAGR) de 4,8% entre 2015- 2019, prevendo-se que em 2019 atinja cerca de 1.300 mil milhdes de USD. Dados do mesmo estudo referem que os EUA, principal destino das vendas da Cipan, pesam 39% das vendas mundiais. A retoma do crescimento econémico nos BUA ¢ a recente reforma do sistema de satide terao um impacto positivo no consumo de medicamentos, ampliando 0 seu peso no mercado mundial até aos 40% em 2018. A Asia/Australia terao um crescimento entre 7% a 10% no periodo 2015- 2019, devido ao crescimento populacional, rendimentos crescentes ¢ melhor acesso A satide. Este bloco, que teve em 2014 um peso de 20% nas vendas mundiais de medicamentos, vera a sua quota aumentar para 30% em 2019. Na Europa, a despesa com medicamentos esta limitada pelo fraco desempenho econémico dos principais paises, menor crescimento Som Descida da inflagi edo desemprege Creseimento Mercadovalvo ds perspectiva de popula nal ¢ continuos esforgos para a redugao da divida publica, incluindo as despesas na area da satide, Desta forma, a Europa passara de um peso nas vendas mundiais de medicamentos de 22,2% em 2014 para 19% em 2019. Dada a conjuntura global pouco favoravel, com fracos crescimentos nos segmentos tradicionais da Cipan, impéem-se com particular acuidade questées ligadas a inovacao, propriedade intelectual, procura de novos ¢ acessiveis tratamentos ¢ ao recurso a matérias-primas em regime de outsourcing e a crescente focalizacao em nichos de mercados. ANALISE DE EXPLORACAO Sintese Estratégica Continua a ser estratégico para a Cipan: @) Apostar em produtos que incorporem contetido inovador; b) Desenvolver novos produtos e optimizar processos internos; 6} Focar a ateneio em factores critics de sucesso ¢ de sustentabilidade; d) Responder as responsabilidades ambientais e de seguranca com meios tecnolégicos adequados; €) Racionalizar custos e aumentar a produtividade; D Quatificar os recursos humanos pela formacao profissional continua; E ainda: 9) Seleccionar a informacdo titil para compreensdo do negécio e definicdo da estratégic 1h) Abranger todos os requisites de informacdo, nomeadamente financeiros e de producao; i) Disponibitizar atempadamente a informacao aos executivos para dirigirem © negécio e aferirem se a empresa estd alinhada com a estratégia definica e acriar valor; J) Reforcar posicdes em mercados estratégicos e em mercados emergentes, diferenciando-se pela qualidade; 1k) Fomentar o relacionamento Universidade/Empresa, apoiando projectos de Retatorio © Contas 2015 investigacdo integrados. ae w tendéncias Cipan Relatério de Gestao 9 Mercado ¢ Vendas As vendas registaram em 2015 uma diminuigdo de 11,9% face a0 ano anterior, atingindo 13.081 mil euros. Este decréscimo ficou a dever-se A venda de metal ocorrida em 2014 uma vez que o valor de vendas dos produtos foram superiores. Evolugio das Vendas (milhares €) 21.000 14.000 1 7.000 | | | ° 2011 2012 2013 2014 2015 Mercado interno Mercado externa Os rendimentos suplementares ascenderam a 3.138 mil euros, contra 1.605 mil euros em 2014, devido & maior facturacdo referente a projectos de “Contract Manufacturing’. © mercado externo continua a representar a quase totalidade das vendas, com um peso superior a 99% do total, tendo reforcado a sua posicao. 0 % € mercado europeu € norte-americano (EUA e Canadé) representam 45, 52%, respectivamente, do valor total das vendas de 2015. Nas vendas por segmentos produtivos, a Fermentagao tem um peso de 98% nas vendas totais (48% em 2014), enquanto que a Sintese Quimica assume agora apenas um peso de 2% (27% em 2014 e 65% em 2013). O segmento “Outros” (produtos que nao sao 0 “core” da Cipan) teve apenas um peso de 0,4% contra 25% em 2014, devido as vendas de uma matéria-prima extremamente valorizada no mercado de metais preciosos. VENDAS por mereados_Mécio ‘Arica 0% Oriente VENDAS por ‘Asin 0%6|/ Nacional segmentos América os fe PS. sree 46% América! doNorte — 52% [Sinise Guimies Relatéri oS Cipan Deeréseime nat vendas globais mas Semento de vendas fom produto ‘de Gestao 10 Gastos Os gastos operacionais registaram em 2015 um decréscimo de 29,7%, devido contribuicéo positiva das rubricas de custo das mercadorias vendidas e gastos com pessoal. Em termos de margem verificou-se uma methoria significativa, passando o custo das vendas de 51,6% para 24,0%. Os fornecimentos ¢ servicos externos apresentaram um ligeiro acréscimo de 11,3%, devido principalmente ao maior dispéndio em trabalhos especializados e conservagao e reparagao. Nos gastos com o pessoal registou-se uma reducao de 41,7% relativamente a 2014, devido ao facto de nao ter havido indemnizagdes por despedimento colectivo como se tinha verificado no ano anterior. Os gastos com depreciacoes © amortizagdes aumentaram 96,8%, relativamente ao ano anterior, devido ao facto de se terem praticado as taxas maximas previstas. Pela anilise da estrutura de gastos, verifica-se que a rubrica de consumos intermédios (custos das matérias consumidas/mercadorias vendidas, fornecimentos e servicos externos e impostos indirectos) representa cerca de 57% do total de gastos da empresa. Estrutura de gastos em 2015 $ Cipan Aumento de 11,3% Redugio de 41,7% san rubrica de pessoal. Néo houve Indomniengé epreciagses Siasnciamento utzon. 22% ‘Amort. 3.8 Eatruturn de gnatos Bia Relatorio © Contax 2015 Relatério de Gestao a INVESTIMENTOS Os investimentos realizados em 2015 destinaram-se maioritariamente ao reforco da capacidade tecnologica das areas produtivas de Sintese Quimica, ‘Transformacdes néo Estéreis e Isolamento. Regista-se uma posicao de destaque na area de Ié&D através do desenvolvimento de dois importantes projectos. Manteve-se também 0 foco nos factores dindmicos de competitividade, qualidade, ambiente, seguranca e racionalizac&o energética, os quais continuam a ser considerados criticos para a competitividade da Cipan, No ambito da Qualidade, Ambiente ¢ Seguranga, prosseguiu-se 0 reforco dos. activos destinados as diversas accdes do SGI - Sistema de Gestao Integrado. Areas de Investimento % Invest. Sintese Quimica 51% 18D e melhoria de processos 19% Unidade de Transformacdes Nao Bstércis 16% Qualidade, Ambiente © Seguranga Th Fermentacdo e Isolamento 6% Outros 1% ‘Total 100% © CAPEX (Capital Expenditure) do exercicio totalizou 1.073.273 euros, sendo inteiramente referente a activo tangivel. Evolugio do Investimento (milhares €) invest mero ttangve stovesumento Fangive Scipan de competitiviade ‘CAPEK de 1.073 sllhares do euros Relatorio © Contax 2015 Relatério de Gestao 12 INVESTIGACAO E DESENVOLVIMENTO As linhas de acco seguidas em 2015 nesta area mantiveram-se em relago ao exercicio anterior. De facto a Cipan continuou em 2015 os seus esforcos no sentido de: 1) Aumentar a margem € a competitividade dos seus principais produtos ¢ avangar com 0 proceso de reforco do “pipeline”; 2) Abrir novas areas de negécio, posicionando-se como um prestador de servicos “one-stop-shop” oferecendo servigos de desenvolvimento, “scale-up” © producéo @ escala industrial, em ambiente CGMP “Contract Research and Manufacturing Services”-, para além do fornecimento normal de API's. Na area da prestacao de servigos um dos projectos que registou uma evolugao favordvel em 2015 foi o da produgao de “Human Milk Oligosaccharides” (HMO) para uma empresa de biotecnologia sediada na Dinamarca patrocinada pela Nestlé. contrato cujo valor total integrado (2013/2014 e 2015) ja ascende a cerca de €3M ira estender-se até Julho de 2016. Ainda na mesma area a Cipan assinou em 2015 um contrato de desenvolvimento com uma empresa sediada nos EUA para a producao dos “regulatory batches” de uma tetraciclina inovadora. Este contrato com um, valor de cerca de € 1,5M ird prolongar-se ao longo de 2016 com aumento previsivel do ambito dos servicos a prestar pela Cipan. Este projecto envolveu um investimento em activos fixos tangiveis da ordem dos 525 mil euros, patrocinados pelo cliente e que revertem a favor da Cipan caso 0 projecto tenha sucesso. Ja em relacao ao projecto CPN 1106 (produto na linha das Tetraciclinas para tratamento de infecgdes multirresistentes), nao foi possivel em 2015 chegar a acordo com um possivel parceiro para a producdo ¢ comercializagao do produto farmacéutico final. Em 2016 sero continuados 0s esforcos no sentido de poder vir a comercializr este produto (injectavel) no mercado mundial, existindo para ja uma boa possibilidade de entrada no mercado brasileiro. © Departamento de Investigacao e Desenvolvimento da CIPAN esteve ainda envolvido num conjunto de actividades relacionadas com a melhoria das tecnologias de producao existentes nas varias linhas de fabrico das quais se destacam: Soom Desenvolvimento nes droas de Maniifacturing ovos produtos em porepectiva no curto Aesonvelvimente de Relatorio © Contax 2015 Relatério de Gestao as a) Desenvolvimento e comercializacao de padroes de impurezas de clevado valor acrescentado, cuja produgao tem um elevado grau de dificuldade e consequentemente um valor unitério muito significativo. b) Projecto QREN em co-promocao com a FCUL para o desenvolvimento de um novo grupo de compostos. No ambito deste projecto a Cipan acolheu no seu grupo de 1éD uma equipa de doutorandos que se dedicarao ao desenvolvimento do processo sintético e respectivo “scale-up” para a produgdo destes produtos. SISTEMA DE GESTAO INTEGRADO: QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANCA A Cipan mantém 0 seu foco na melhoria de eficiéncia da Gestao operacional, garantindo a proteccao do ambiente, das pessoas e dos activos da empresa. ‘A melhoria da eficiéncia energética, o combate ao desperdicio e o controlo de custos nas areas da Qualidade, do Ambiente e Seguranca da fabrica, guiam © desenvolvimento das nossas actividades. Em matéria de seguranca, temos por objectivo primario reduzir a zero os acidentes com baixa, ‘A gestao de risco das nossas actividades tem por base a prevencao do acidente, encontrando-se incorporada em todos os processos fabris, pelo que 0 numero de acidentes tem vinto a diminuir apesar do aumento de actividade. N.° Acidentes (3 dias de baixa) 2 Os custos financeiros implicitos na manutengao da licenca ambiental tém sido significativos e a sua renovacdo ira continuar a incrementar estes custos. Temos um plano de investimentos preparado para responder as exigéncias impostas na renovacao da licenga, © pedido de alteracdo de licenga de exploracao de estabelecimento industrial, para inclusao de novas substancias activas, foi aprovado em 2014 desde entao tém sido assegurados todos os requisitos para a sua manutengao. Plano de Invostimentes para dren amblontal Relatério © Contas 2015 Relatério de Gestao 14 RECURSOS HUMANOS Foi prosseguida a estratégia de valorizacao dos recursos humanos, que tem como principais pilares: a formagao, a gestdo de carreiras, a fidelizacdo e a responsabilizagao. Ao nivel da formacao e qualificagao dos colaboradores, descnvolveram-se accdes de formacao profissional orientadas para as areas de producao (processos produtivos), qualidade e boas praticas de fabrico (GMP's) fi formacao, iene ¢ scguranca. As diversas accdes totalizaram 3.327 horas de Foram também acothidos diversos programas de estagios nas areas de Planeamento © Logistica, Garantia da Qualidade, Engenharia e Servicos e Qualidade Ambiente ¢ Seguranca, totalizando 10 estdgios em 2015, nos respectivos sectores. 0 mimero de colaboradores aumentou de 100 para 114 (com referencia a 31 de dezembro de 2014 ¢ 2015, respectivamente], devido 4 necessidade de assegurar o funcionamento da area de producéo de tetraciclina. © peso relativo dos licenciados, mestrados © doutorados encontra-se actualmente em 26,3% do ntimero total de colaboradores. Evolugdo dos Recursos Humanos (a 31 Dez.) 1st 146 too tie 42 \ 43 an 30 2012 2013 2014 2015 ‘Total decolaborndores licens, mertad,edoutoead. Relator Programas, atagion © BDE ‘Aumento do nimero ae colahorndares © Contas 201 Relatério de Gestao 4s ANALISE ECONOMICA E FINANCEIRA Conta de Exploracéio Em 2015 os indicadores operacionais apresentam uma melhoria significativa, tendo-se alcancado expressivos resultados __positivos, contrariando assim a tendéncia negativa dos tiltimos anos. © EBITDA (Resultados antes de Depreciagdes, Gastos de Financiamento e Impostos) regista um crescimento de 1125,6%, passando de 500 mil euros em 2014, para 6.124 mil euros em 2015. No que respeita ao Resultado Operacional, também melhorou substancialmente, tendo passado de valores negativos para positives, ou seja -379 mil em 2014 € 4.394 mil euros em 2015, Para além da melhoria no desempenho operacional, a fungdo financeira foi também mais favoravel em 2015, colocando 0 Resultado antes de Impostos em 4.120 mil euros positives, contra -912 mil euros em 2014, ou seja uma melhoria superior em 1258%. No periodo em analise, foi apurado para Imposto sobre o Rendimento o valor de 228 mil euros relativo a impostos correntes. Da aplicagio da norma referente a impostos diferidos, resultou um montante de 89,8 mil euros. Para a consolidagao fiscal do Grupo, apurou-se um beneficio de 284,9 mil euros, No final, atingiu-se um Resultado Liquido do Periodo positive de 4.087 mil euros, superior em 697,6% ao registado no ano transacto. Epirpa, Methoria ignifieativa no 6.260 Res. Liguido positive, Margem EBITDA (EBITDA/Rendimentos operacionais) Rentabilidade Bruta das Vendas Remuneracio do Activo (CashFlow / Activo) VAB per capita (€) 65.198 37.248 Relatorio © Conta 2015 Relatério de Gestao 16 Situacao Patrimonial e Financeira A Cipan tem prosseguide os scus objectivos, cumprindo rigorosa ¢ atempadamente todos os compromissos assumidos ¢ tentando, uultaneamente, adaptar a sua estrutura financeira a nova realidade decorrente das tendéncias da envolvente econémico-financeira actual, tendo atingido no exercicio a normalidade dos pagamentos a fornecedores dentro dos prazos contratualizados. Em 2015, 0 Passivo diminuiu mais de 26,8% face a 2014, situando-se nos 10.760 mil curos, contra 14.699 mil euros, tendo este decréscimo ocorrido principalmente no curto prazo, sobretudo na rubrica de Fornecedores € Accionistas. © Passivo Nao Corrente regista uma ligeira subida face ao ano transacto devido ao registo dos compromissos futuros com complementos de reforma, nao contemplados em anos anteriores € criacao de uma provisao, © Activo Total apresentou um decréscimo de 3,8% face a 2014, tendo atingido 0 valor de 18.340 mil euros, devendo-se este decréscimo ao valor dos activos fixos tangiveis por fora das depreciagées e ao valor de Os Capitais Préprios, devido ao efeito dos resultados do exercicio positives, aumentaram mais de 73,6% em 2015, cifrando-se em 7.580 mil euros. Este valor coloca a empresa numa situacdo patrimonial equilibrada_ ¢ respondendo as exigencias do Art? 35 ° do CSC, conforme foi previsto no final do ano transacto. Consequentemente, 0 racio de autonomia financeira passou de 22,9% para 41,3%, que, sendo superior ao nivel do sector, significa um grau de solvabilidade adequado ¢ sinaliza a solidez € equilibrio financeiro da empresa, Grau de Autonomia Financeira Solvabilidade Liquiclez Geral Indice de Autofinanciamento (Autofinane./Cap. Prop. 76.7% 4.5% o Cipan Diminuigio do Pamsive Manutengéo do ‘cqullbie Hnaneeteo Relatorio © Contas 2015 Relatério de Gestio 17 PERSPECTIVAS DE EVOLUCAO As alteragoes da estrutura organizativa e a implementacdo duma estratégia dirigida para a rentabilidade ¢ sustentabilidade, apoiada na simplificagéo das estruturas, racionalizacao dos diversos sectores ¢ uma forte accéio sobre © controlo de custos, visa atingir dois objectivos fundamentais: ©) Actualizagdo permanente da estrutura produtiva para responder as necessidades dos clientes ¢ acompanhar as performances das suas congéneres mundiais; 4) Desenvolvimento de possibilidades de produgéo de novos produtos. © portefélio de produtos (API's) da sociedade esté essencialmente direccionado para a produgéo de medicamentos genéricos, mas de grande impacto no mercado, os quais exigem produtos de elevada qualidade cujos padrdes a Cipan consegue atingir, nao obstante os elevados investimentos cexigidos para tal, ‘A Administracao da sociedade esta fortemente empenhada na procura dos meios financeiros necessarios execucdo dos investimentos que asseguram a sustentabilidade da empresa e de alternativas que tragam maior rentabilidade. Por outro lado, o actual enquadramento econémico de incerteza, no qual merecem realce a crescente volatilidade nos precos das matérias-primas ¢ as oscilacdes no volume de negécios, por eventuais flutuacdes cambiais do délar, continuara a penalizar a actividade da empresa. Prosseguiré o investimento ao nivel da inovagao, investigagao ¢ desenvolvimento ¢ ambiental, de forma a dotar a Cipan de uma capacidade competitiva para responder as necessidades do mercado ay ww Cipan Relatorio © Conta 2015 Relatério de Gestao 1s PRINCIPAIS RISCOS E INCERTEZAS DA ACTIVIDADE Neste ambito ¢ dado que a Cipan exporta praticamente a totalidade da produgao ¢ em especial para 0 mercado norte-americano, salientamos que se encontra sujeita aos condicionalismos cambiais a este inerentes, sendo a evolucao da taxa de cambio do Euro face ao Délar determinante na fixacéo dos precos finais de venda e obtencdo de resultados. Por outro lado, dado que as compras de maté s-primas sao efectuadas maioritariamente na moeda norte-americana, também aqui a taxa de cambio tem uma influéncia significativa nas operacdes. Nos riscos especificos do proceso produtivo, a Cipan criou mecanismos de cobertura financeira (seguros} e de defesa directa (meios e técnicas), que esto perfeitamente identificados em matrizes de aspectos e impactes ambientais ¢ de perigos e riscos. Os riscos de mercado sao controlados estando a empresa muito proxima dos seus clientes. Rel foro © Contas 2015 Relatério de Gestao 19 an ye Cipan PROPOSTA DE APLICACAO DE RESULTADOS: Para o Resultado Liquido do Exercicio de 2015, positivo no valor de 4.087.109,44 euros, propomos a seguinte aplicacao: Reservas Legais: € 204.355,47, Resultados Transitados: € 3.882.753,97 NOTA FINAL Ao ‘terilanr cate ‘Refanelo 0 Gonactho de: Admicitrejlo inmost ost agradecimento a todas as Pessass © Entidades que colaboraram com a astindae durinte ate Exess en Capote e) aos nossos clientes, directos ¢ indirectos, pela preferéncia e Sanubihens ein Ge aust 1) aos nossos agentes ¢ fornecedores, pela colaboracao que sempre nos dispensaram; g) aos Senhores Accionistas, pelo apoio e confianca sempre manifestados ao longo do exercicio; h) ao Fiscal Unico, pela sempre pronta e valiosa colaboracao prestada Pres i) as instituigdes financeiras, pelos servigos que nos prestaram, xpolande-ncaiiasnaeaaa Inclalioante nod pojecsiguoicuati coneretizar J) aos nossos colaboradores que, com o seu esforco ¢ dedicacéo ¢ perfeitamente identificados com a estratégia e cultura da Empresa, contribuiram para 0 crescimento da Cipan. Vala do Carregado, 16 de Fevereiro de 2016 inet de eda UV Lt Voter Si Broun QreoKS Cn 20 S Cipan PosicAo AccionisTa Conforme preceituado no Art.° 447° do n.° 5 do Cédigo das Sociedades Comerciais, indica-se A data de 31 de Dezembro de 2015: Conselho de Administragao N° Accées =). ‘Teresa Paulo Tavares da Silva Alves ° Volker Lehmann-Braun ° Anténio Luis Martins 6.577 Sebastiao Manuel Tavares da Silva Alves 87 Fiscal Unico N° Accées Luis Filipe Pinto Goncalves da Cruz Anténio Pedro Valente da Silva Coelho o Conforme preceituado no Art. 448° do n.° 4 do Cédigo das Sociedades Comerciais, indica-se & data de 31 de Dezembro de 2015: Accionistas titulares de pelo menos 1/10 do Capital Social % Acgées em piiblico 14,63 Accionistas titulares de pelo menos 1/3 do Capital Social % Accionistas titulares de pelo menos 1/2 do Capital Social % ATRAL-CIPAN, SGPS, S.A. 85,37 Nota: De acordo com 0 comunicado e Livro de Registo de Accoes 4 Ao Accionista Relatorio © Conta 2015 a1 Demonstracoes Financeiras SScipan BaLaNnco A 31 DE DEzEMBRO DE 2015 Notas. Dates Rubrieas Marzo | Shiz20T Reexpresso Five ‘Ativo Nao Corrente AAivos Fixos Tangivels 7 | 12407.247,.86| 13.077572,38 ‘Aiios Intanghveis 6 6364.80] 3150.09] Partcipagses Financoiras - Outros Métodos 10 3030.87] 4071.88] Outros Atvos Financeiros 10 2.945,12| 1311102] ‘Alivos por Impostos Diferidos a 521.488.21| _ 66224055 12:947.076,56| 13.740 345,90) ‘tivo Corrente lnventarios 15 | 131413160] 1.642.494,41 Clientes 16 | 1155814,75| 1.970.961.10| Adlantamentos a Fornecedores 16 sze2iad] —43.358185| Estado e Outros Entes Publicos 28 47501845] —657.424,14 Acionistas /Sécios 16 0,09] 0,00 Outras Contas a Receber 16 397.858,89] _292.086,52 Diterimentos 20 34632,14| 428.660,73 ‘Alivos Financairos Detidos para Negociago 13 0.09] 0,00] ‘Aivos Nao Correntos Detidos Para Venda 8 0.09] 9,00] Caixa @ Depésitos Bancanos 4 2.007.149,03] _261.582,35| 5.398.426,20| — 5.316.548,10] Total do Ativo [-18:064:887,00] Capital Préprioe Passive capital Préprio Capital Realizado 30 | 3.667.800,00} 10.259.840.00] Outras Resenas 30 5350.06.81] _205.397,30| Resultados Transitados 30 | -2733.126.67] -7.608.408,15| Excedentes de Revalorizagao 30 | 11923.853,15] 2:035.70221 ‘Outras Variaces no Capital Proprio 30 83.279,08| 146,915.87 3.492510,37| — 5.049.447,23] Resultado Liquide do Periodo 30 |_4087-109,44| _“583.926.55| Total do Capital Proprio [73 78779.81| —4365.520,88) Passive Passivo Nio Corrente Prousoes 18 207.573,36| 0,09] ‘Accionistas 16 | 2050.000,00] —2.500.000,00| Financiamentos Obtidos 11 | 4:722088,78| 11980.215.51 Responsabilidades por Beneficios Pés-Emprego | 25 814 521.00) 0.09] Passivos por Impostos Diferidos 27 58271581] 633.563,31 5376.070,95| _5.113.878,82 Passivo Corrente Fomesesoree ts | sartaetas] 218070020 Passe Pnancets Detdos para Negodasto | 13 Goo] __sassese © contabtista Certiicado © Conselho de Administrasio ade tual Saeed te Teron Pal Tavares da Syl Se ee do th Voter Lehmmannctraun De C22 N aga bi Aatinie Luis Marine w= Luus Mayual Souwada, Sematiao Manuel Tadlicrua Siva Alves SdoaeS Hoe Alu Relatorio © Contas 2015 Demonstracoes Financeiras 23 Scion DEMONSTRACAO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS A 31 DE DEZEMBRO DE 2015 Periodos. Rondimentos e Gastos Notas} 2015 2018 Vendas ¢ Senigos Prestados 21 | 13:080.555,99] 14.848 203,00] Subsisios & Exploragao 2 0.00) 9763.31 Ganhos /Perdas impulados de Subsidirins, Associadas e Emp. Conjuntos 10 0.00 2.09 Variago nos Inventiios de Produgao 15 | -385987,95| -576.207,29] Custo das Mercadorias Vendidas e Matéias Consumides 15 | 277743391] -6.992.787.29| Fomecimento e Servgos Externos 23 | -4.267:188.35] -3.834.541,97] Gastos com 0 Pessoal 24 | 2647 504.13] -4.544.047.15| Imparidade de Inventrio (PerdasiReversoes) 17 | 18783865] 169,940.84 Imparidade de Dhidas a Receber (Perdas/Reversbes) 1 ©.09 87.80 Provisbes (Aumentos Reducdes) 18 | -207573,36} 2.09 Imparidade de Investimenios no DepreciiveisiAmonizivels (Perdas/Reversbes)) 17 104121] -6.241,00] ‘Aumentos / Redugées de Justo Valor 3 5458038] 56:360,36| Outros Rendimentos e Ganhos 26 | 331705473] 1.953.649,39 Outros Gasios e Perdas 25 | 25912508] | -406.214,42| Resultado Antos do Doprociagées, Gastos de Financiamonto. Impostos SAaeATESE] — a55.707-2| Gastos /Reversdes de Deprecia¢ao e de Anorizagao 8 | 473029307] -870.129,41 Imparidade de Investimentos DepreciaveisiAmorizaveis (Perdaseversdes) | 17 09 ,00| Resultado Oporacional (Antos de Gastos de Fnanciamento e Impostes) TIs3.582 AG) —379A72.9 \Juros e Rendimentos Similares Obtidos 12 on] 175,08 -luros e Gastos Similares Supertados 12 | 27380116) -534.488.9) Resultado Antos do Impostos SCC ME SERELIC] Imposto Sobre 0 Rendimento do Periodo 28 92.881,89| 228,209.47] Rosultado Liquido do Periods 5087 10844] B83 576 55] Resultado das Actidades Desconiinuadas (Liquide de Impostos) nclido no Resultado Liquide do Evercicio © Contabilista Certificado Luis Miguel Bairrada Lopes C.C. n* 8867 L ‘© Conselhho de Administragio Teresa Paulo Tavares da Silva Alves wos Majwt Bowivadg bp hier eet Goran is Martins Sebastido Manuel Tavares da Silva Alves Lodowie& KL Mus wees Demonstracées Financeiras 24 DEMONSTRACAO DOS RESULTADOS POR FUNCOES A 31 DE DEZEMBRO DE 2015 Periods Rubricas Notas 2015 2018 Jvendas e Senvcos Prestados 16.218538,35 | 16.453.476.25 |Custo das Vendas o dos Servos Prestados -10.029.973,30 | 15 592.976,70 Resultado Brute 6.198.58505| _ 860.499,55 louuos Rendimentos 15158797 | 284897,05, |Gasios de Distribuigso 237.039,79| -280.952,23 [Gasios Administrativos ~1:054352.44| -865.053.85 lOutros Gastos -709.458.68| 495,173.97 [Resultado Operacional (Antes de Gastos de Financiamento Impostos) 4399.30211| 435.782,65 |Gastos de Financiamento (Liquidos) 21931078] -476.353,47 Resultados Antes de Impostos 41999133 | 91213602 imposto Sobre o Rendimento do Periodo 32,881,890] 228209,47| [Resultado Liquide do Periodo 4087 10944 | 68392655 I [Resultado das Acinidades Descontnuadas (Liquide de impostos) lincluido no Resultado Liquido do Exerccio © Contabilista Certificado Luis Miguel Bairrada Lopes CC. n® 8867 wis Mijnal Bouwede bie © Consetho de Administragio Td Teresa Paulo Tavares da Silva Alves Volker“ tam 1 Lui Martins Martin Sebasttao Mantel Tavares da Silva Alves Antéi S Cipan DEMONSTRACAO DAS ALTERAGOES NOS CAPITAIS PROPRIOS (Demons es Atrgtes no Capi Pig 2014 -Raeeeso TSR a ‘wia| comms aaa Temas] Sama aa [occ cae cane] aor za [nena rere Ses es ers eo a io Tamms Fass vasa eel = a aes es i =| aaa 2 Se ee | oe = | sesiisesennares a sorts yeaa ace aaa] ae vm = = eee a “ae =a *e| © Contabitista Certificade © Consetho de Administraedo Laie Miguel Bairrada Lopes Teresa Paulo Tavares da Silva Alves tele Mie Www Mayal Gonwede ph ff Le. ro dead eld da eee. Alves: ‘Sebas Relatério © Contas 2015, Demonstracées Financeiras 26 ae we Cipan DEMONSTRACAO DOS FLUXOS DE CAIxa A 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS, Notas [ 2016 2014 |Fluxos de Caixa das Actividades Operacionais Recebimentos de Clientos 1680233911] 13:548.092,9| Pagamentos a Fornecedores ~7.492.429,00| 8.532.027 99 Pagamentos a0 Pessoal -2528.280,36| -4.453.559.75 Caixa Gorada Polas Operagses 6.780629,76| _563.30826| Pagamento /Rocebimento do Imposto Sobre Rendimento ooo] -18.42302 Outtos Recebimentas /Pagamentos 11050.243,00| _861.685,29 Fluxos de Caixa das Actividades Operacionais 7.830.872,76| _1.406.557,52 [Fuxo de Caixa das Actividades de Investimento [Pagamentos Respeitantes a: Aetvos Fos Tanghveis ~i2eie2281| — -459272,29 Patios Iniangheis 0.00 0.00 Outros Atos -s.15002421| _+1.997.188,07| B.aT1967,02| -2.456.450,30 Recebimentos Provoniontes de ‘Acivos Fos Tangiveis 0,00 0.00 Subsigios de investimento 180.037.86 0.00 Outos actives 87650045] 3.565.825.96) 7[056.547.31] 5.565.825, 98 Fluxo de Caixa das Actividades do Investimonto (2) 75.355.399,71| 1.108.395,65 |Ruxo de Caixa das Actividades de Fnanctamonto [Recobimentos Provenientes de Financiamentos Obtdos 0.00) 318.8807] Realizagao de Capital e de Outos insttumentos Capital Proprio 0.00 0.00 00] 35753550557 Pagamentos Respeitantes a Financiamentos Obtidos 53069041] -5:757.75933 dures @ Custos Similares 20891261] _-302.187.44 739.612.02| -6.130.846.77 Fluxo das Actividades de Financiamento [3] ~739.612,02| -2.624.396,10 Vatiagdes de Caixa e Scus Equivlentes [4F{1}s12}13} 1735.861.03] -108.462,92 Estos das Diterencas de Cambio ~10.20435] — -11.903.03 ‘Cara e Sous Equivalenies do Inicio do Periodo 281.582.35| 401,948.20 Caixa e Sous Equivalentas no Fim do Periodo 200714903] 281,582.35] © Contabilista Certificado © Consetho fle Administracao “TAA Luis Miguel Bairrada Lopes ‘Teresa Paulo Tavares da Silva Alves ce way eet Peet Us May Bow ads ype voter pap 3m Antqaip Luis Martins Sebastido Manuel Tavares da Silva Alves Car hues Qahoal eS Relatorio © Contas 2015 Demonstracées Financeiras a7 Anexo 4s Demonstracoes Financeiras $ Cipan ANEXO AS DEMONSTRACOES FINANCEIRAS 1. Identificagao da entidade: 41.1. Designagiio da entidade: Cipan - Companhia Industral Produtora de Antibidicos, S.A, 1.2. N.LF: 500 608 201 1.3, Matriculada na Conservatoria do Registo Comercial de Vila Franca de Xira 1.4, Sede: Rua da Estacao, n.° 42, Vala da Camegado, 2600-726 Castanheira do Ribatejo 1.8, Natureza da Actvidade: CAE 21 100 - Fabricagao de produtos farmacéuticos de base 1.6. Data de constituigao: 26-01-1980, 2. Referencial contabil ico de preparago das demonstragdes financeiras: 2.1.As Demonstragdes Financeiras apresentadas tém como referencial contabilisico 0 Sistema de Normalizagao Contabilisico, tendo sido adotadas as Normas de Contabilidade © Relato Financeiro de acordo como o disposto no Decreto-Lei n.” 18/2009 de 13 de Julho com as alleracées introduzidas pela lei 2072010 de 23 de Agosto. ‘Todos os valores constantes das demonstracdes financeiras e das notas do anexo, para as quais néo ‘esleja indicada a unidade monetaria, estdo expressos em euros. 2.2. Indicagao © comentario das contas do batango © da demonstrago de resultados cujos contetdes nao ‘sejam comparaveis com os do exercicio anterior. Para uma apropriada comparagao com o exercicio anterior procedeu-se, nos termos das orientagdes do 'S.NC., @ apresentagao do Capital Proprio do exercicio de 2014, devidamente reexpresso, reflectindo as alteragées ocorridas em 2015, com reflexo em 2014 apenas em termos comparativos: Balango-2014 | Ajustamentos | Balango—2014 i (reexpresso) Capital Proprio +] Capital Realzado ~[-70.269.840,00 0,60, 70265.840,00 Outras Reservas 208.307, 0.00 | 208.397, 30 Resultados Transifados E572.705,04 | 2036, 702,21 | 7.608 408.15 Excedentes de Reveloizagio 0,00 | 2035.702.21 | 2.035 702.21 ‘Ouitas Variagdes no Capital Priprio 746 915.67 00 | 148,915.87 B0as.447,23 0,00 | 5.049.447,23 Resullado Liquide do Period 683,926 55, 0,00 | -683.926.55 Total do Capital Préprio 4.365.520,58 0.0 | 4.365.520.68 usticagdo dos ajustamentos: ~ Resultados Transitados: Conia Valor Reservas Reavalagle, Livre, Antes da impostos 2628 712,53 Reservas Reavaliaeao, Livres, Impostos Difeidos 591,010.32, -2.035.702,27 = Excedentes de Revalorizagao Conta Valor esas Reval, hes, ANGE Te OpOGDS Bese TES Liye Reservas Reavalagao, Les, Inpostos Dieidos “501.010,32 | 035,702.21 Os montantes referente ao acréscimo da reavaliagao livre fella em 1992 e ao respetivo valor de impostos diferidos, que estava classificada na conta 56 ~ resultados transitados, foi no presente exercicio reclassificado para a conia 58 ~ Excedentes de Reavaliaco, para uma melhor divulga¢ao e conferéncia Relatorio © Contas 2015, Anexo as Demonstracées Pinanceiras 29 3 o Cipan Principais politicas contabilistcas: 3.1. Bases de mensuragdo usadas na preparacdo das demonstrages financeiras: ‘As Demonstragées Financeiras foram preparadas de acordo com o previsto em cada NCRF aplicavel 3.1.1. Ativos tangiveis s aativos fixos tangiveis adquiridos alé 1 de Janeiro de 2009 encontram-se registados a0 custo considerado © qual corresponde ao valor liquido contablistico no momento da transicao, que compreende 0 custo de aquisi¢S0, no caso de terrenos euificios reavaliados de acordo com disposigées legais e reavaliagbes livres, deduzido das amorlizagées acumuladas e das eventuais Perdas por imparidade acumuladas. Os aivos fixos tangiveis adquiridos apés aquela data encontram- se registados ao custo de aquisi¢go deduzido das amortizagdes acumuladas e de eventuais perdas por imparidade acumuladas. © método de amortizagao usado ¢ 0 das quotas constantes, Foram aplicadas as taxas maximas permitidas pelo decreto regulamentar 25/2003. Nos anos anteriores tinham sido aplicadas as taxas ‘minimas devido a inactividade de alguns sectores produtivos. Continuou-se @ amortizar os valores de reavaliacao extraordinaria que incidiu sobre os terrenos € imoveis, aplicando-se no corrente exercicio a taxa de 3,60% enquanto no ano anterior foi de 1,00%, Destas alleracdes resulta um acréscimo de gastos do exercicio no montante de 878.420,00 euros. 3.4.2. Ativos intangiveis: Os ativos intangiveis encontram-se registados ao custo de aquisicio, daduzide das amortizagées ‘acumuladas e de eventuais perdas por imparidade acumuladas. ‘© método de amortizagao usado 6 0 das quotas constantes, Estes ativos s6 séo reconhecidos se for provavel que deles advenham beneficios econémicas futuros para a empresa, sejam controldveis pela empresa e se possa medir razoavelmente o seu valor. ‘As amorlizagées sio calculadas, apés 0 inicio de utliza¢o, pelo método das quotas constantes em ‘conformidade com o periodo de vida util estimado. 3.1.3. Ativos nao correntes detidos para venda ¢ unidades operacionais descontinuadas: 0s ativos sio classificados como ativo nao corrente detido para venda se a sua quantia escriturada & recuperada principalmente através de uma transacao de venda em lugar de o ser pelo uso continuado. Estes ativos esto disponiveis para venda imediata na sua condigdo presente, sujeito apenas aos termos que sejam habituais para a venda de tais ativos @ a sua venda é altamente provavel. 'Na classificagao inicial estes ativos sao registados pelo menor valor entre a sua quantia escriturada ¢ © justo valor menos os custos de venda. Estes ativos nao s80 amortizaveis, contudo sao reconhecidas pperdas por imparidade. 3.4.4. Investimentos financeiros: As participagbes em outras empresas sdo registadas pelo método do custo deduzido de eventuais pperdas por imparidade acumuladas. 3.1.8. Inventarios: ‘As mercadorias e as materias-primas enconlram-se valorizadas ao custo de aquisicZo, ulllzando-se ‘© custo médio ponderado como método de custo. (Os produtos acabados, os produtos intermédios e os subprodutos encontram-se valorizados ao custo ppadrao (inclui o custo das matérias-primas incorporadas, méo de obra e gastos gerais de fabrico) ‘A-empresa utliza 0 regime de inventario permanente. 3.1.6. Contas a receber de clientes e outros devedores: ‘As contas a receber de clientes e oulros devedores so reconhecidos pelo seu custo deduzido de ‘eventuais perdas por imparidade acumuladas. ye 3.1.7. Contas a pagar de fornecedores e outros credores: be) ‘AS contas a pagar a fornecedores e outros credores sao registadas pelo seu valor custo. \ tas 20 ‘Anexo as Demonstracées Pinanceiras 30 S Cipan 3.1.8. Acionistas: ‘As contas de acionistas so reconhecidas pelo seu custo deduzido de eventuais perdas por imparidade 2cumuladas, de modo a refletrem 0 seu valor reaizavel iquido, No tocante s partes relacionadas, existem relagdes comerciais e de financiamento com outras empresas do grupo. 3.1.9. Justo valor com as alteragées reconhecidas na demonstragao dos resultados: Todos os ativos e passives financeiros nao classificados na categoria "ao custo" so classificados na categoria “ao justo valor com alteragées reconhecidas na demonstragao dos resultados". Tals alivos e passivos $40 mensurados ao justo valor, sendo as variagdes do justo valor registadas em resultados nas rubricas “perdas por reducao de justo valor’ e "ganhos por aumentos de justo valor’ 3.1.10. Imparidade de ativos: Em cada data de balanco é efetvada uma avaliacao da existéncia objetive de imparidades. Tais ativos financeiros encontram-se em impatidade quando existe uma evidéncia da qual resulte um impacto adverso nos fluxos de caixa eslimados e que possa ser medido de forma favel. 3.4.11. Caixa e equivalentes de caixa © caixa e equivalentes de caixa inciuem caixa e depdsitos bancérios. Os descobertos bancarios $40 apresentados no Balango, no passive corrente, na rubrica “Financiamentos obtidos correntes’ 3.4.42. Financiamentos obtidos: Os empréstimos so classificados como passive corrente, a nao ser que a empresa tenha direito incondicional para deferir a liquidacdo do passivo por mais de 12 meses apés a data de balango, sendo este caso classificados no passivo nao corrente, Os empréstimos sao registados no passivo pelo ‘método do custo, 3.1.13. Provisbes: ‘A Empresa analisa de forma periddica eventuais obrigacdes que resullam de eventos passados ¢ que devem ser objeto de reconhecimento ou divulgacao. A subjelividade inerente determinagdo da Probabilidade e montante de recursos intemos necessérios para © pagamento das obrigagdes poderd ‘conduzir a ajustamentos significativos, quer por variagao dos pressupostos utlizados, quer pelo futuro reconhecimento de provisbes anteriormente divulgadas como passivos contingentes.. 3.1.14. Reconhecimento do rédito: Os réditos so reconhecidos pelo justo valor da contraprestacdo recobida ou a receber pela venda de ‘mercadorias e produtos e outras receitas decorrentes da atividade normal da empresa, ‘A venda de mercadorias comesponde 2 venda de matérias-primas adquiridas sem qualquer transformacéo. A venda de Produtos corresponde ao valor de venda unitario acordado com os clientes e faturado de acordo com as especificagées solicitadas. Diz respelto 2 venda de API’ s (Substancias Ativas) com destino a fabricagao de medicamentos de uso final ‘As vendas de subprodutos correspondem a solventes recuperados da produgo base com ullizagao para outras indiistrias transformadoras. Os Rendimentos Suplementares comespondem a servicos executades para tercsiros no ambito de contratos de manufacturing, cedéncia de servigos gerais e venda de sucala, 3.1.18. Especializagao de exercicios: Os rendimentos e gastos so registados no perfodo a que se referem, independentemente do seu pagamento cu recebimento, de acordo com o principio contabilistico da especializagtio dos exercicios. As diferencas entre os montantes recebidos e pagos e os correspondentes rendimentos ¢ gastos sao reconhecides como alives ou passivos, nas contas de "Acréscimos" ou "Diferimentos" Ub Relatério © Contas 2015 ‘Anexo as Demonstracées Financeiras 31 oS Cipan 3.1.16. Gastos com pessoal Os beneficios de curto prazo aos empregados incluem ordenados, subsidio de férias e de natal e uaisquer outras retribuigdes adicionais. De acordo com a legislacao laboral aplicével,o direito a férias e subsicio de férias relativo ao period, Por este coincdir com 0 ano civil, vence-se a 31 de Dezembro de cada ano, sendo somente pago durante © periodo sequinte, pelo que os gastos correspondentes, encontram-se reconhecidos como beneficios de curto prazo e tratados como anteriormente referido. 3.1.17. Responsabilidades Pés-Emprego: Engloba os valores de complemento de reforma que foram atribuldos pela empresa a antigos colaboradores que se reformaram na empresa, situacdo que prevaleceu até finais de 2008. De futuro no S80 alribuidos complementos de reforma a outros colaboradores, mas a responsabilidade felativamente aos aluais beneficiérios manterse-a durante a sua vida. Para calcular estas Fesponsabilidades ¢ contratualizado, anualmente, com uma empresa extema especializada um estudo ‘actuarial, O titimo valor disponivel foi obtido no inicio de 2016 com base na posigSo de Dezembro 2015, que apurou que as responsabilldades da empresa referentes a estes complementos de reforma atingiam, segundo os dois cenarios (Best Estimate e Worst Case), um valor médio de 814.521,00 euros. 3.4.18, Subsidios: Os subsidios a exploragéo esto contabilizados 20 valor contratado liquido do valor levado a rendimentos do periodo correspondente ao valor atribuido no periodo. Os subsidios de investimento estéo contabilzados, no capital proprio, 20 valor contratado liquido dos valores levados a rendimentos dos periodos na proporeo das amoriizacées, dos ativos subsidiados, cefetuadas em cada periodo. 3.1.19. Imposto sobre o rendimento: ‘A empresa encontra-se sujeita 2 Imposto sobre o rendimento de Pessoas Coletivas a taxa de 21,00% sobre a matéria coletivel prevista do n.°t do artigo 87 do CIRC, acrescida da derrama estadual & taxa de 3,00%, aplicavel 4 diferenca do lucro tributavel acima de 1.500,000,00 euros. Ao valor de coleta de IRC, assim apurado, acresce ainda a derrama municipal, incidente sobre o lucro tributével registado € cuja taxa a aplicar é de 1,50%, bem como a tributagao autonoma sobre encargos e as taxas previstas no artigo 88° do CIRC. [No apuramento da matéria coletavel, @ qual ¢ aplicada a referida taxa de imposto, so adicionados € subtraidos ao resultado contabilistico os montantes no aceites fiscalmente de acordo com as regras fiscais em vigor. © gasto relativo a “Imposto Sobre 0 Rendimento do Periodo’ compreende os impostos correntes, os impostos diferidos e a variagao do RTGS. A empresa procede ao registo de impostos dileridos, correspondentes as diferencas temporarias entre © valor contabilistico dos ativos e passivos e a correspondente base fiscal, conforme disposto na NCRF 25 ~ Impostos Diferidos, sempre que seja provével que sejam geradas lueras fiscais futuros contra os quais as diferencas temporarias possam ser utilizadas. Os impostos diferidos ativos e passivos sao calculados e anualmente revistos ullizando taxas de tributagao em vigor & data das demonstragdes financeiras. De acordo com a legislagao em vigor, as declaragées fiscais esto sujeitas durante um periodo de ‘quatro anos (dez anos para a Seguranga Social, até 2001, inclusive, e cinco anos a partir de 2002), excelo quando tenha havido prejuizos fiscais, ou estejam em curso inspecdes, reclamacSes ou impugnagSes, casos estes em que, dependendo das circunsténcias, os prazos so alargados ou ssuspensos. A Cipan esta incluida no Regime de Tributago dos Grupos de Sociedades (RTGS), em que a empresa dominante é a Beirafina, SGPS. Daqui resulta que 0 IRC a pagar ou a receber sera calculado no ambito do grupo. 3.1.20. Principais pressupostos em relacao ao futuro: ’As demonsiragbes fnancelas fram preparadas de acordo com 0 regime contablistce do acréscimo, numa perspativa de contiuidade i Lop Rolativin © Contes 2018 ‘Anexo ds Demonstragdes Financeiras a2 ae we Cipan 4. Fluxos de caixa: 4.1. Desagregagdo dos valores inscritos na rubrica de caita e em depésitos bancairios: Pubices ‘aldo nid] Rumertos Redugées | Dierengas | —Saldo Final Combis 201s Caixa 088 1439278 [1485608 0 wT Depésos& Oder 2a.621.a7 | 19386.560,23 | —-17850.204,89 | -f0204,35 | 2006 861.36 Depbsies aPrazo 0,00 000 0.00 000 00 Tar | 261.562, | iea00.96201 [—-r76n6.1006 | 10786 35 | —Zoo7a8.08 ata Cea E778 Trstee2 | _—_-17 1362 Boo we Deposos& Orde 407390,52 | 2481044288 | -24.919.90900 | 7190503 | —280821,37 Depbstos a Prazo 00 00 0.0 000 0.00 Tota | 401945.30 | 2igarsee7 | -21eseea262 | a1 90a03 | — 2a sh236 Partes relacionadas: 5.1, Relacionementos com empresas-mae: 5.1.1 Identifcago da empresa-mae imediata NF ‘Denominagao ‘Sede | Paricpardoimedata | —Paritnagio [Data deinico no Capita Social | imediatano Capital | da paricpagto Social -% | so1a7a380 | Ara\Gipen, SGPS. SA. Ustoa 3131.18570 Smo | BAI 5.1.2. Identificagdo da empresa-mée controladora final: NF Denominagao Sede |” Parfcnapao medatano | Partpagio | Datade neo da Capital Social imeditano | partcinagaa Capital Socal = OIRUBTEO_| Baialna SGP, SA tisboa 0.00 Tm 5.1.3. Identifcaco de outras empresas: NF Denominagdo ‘Sede | Paricpagéoimeditano | Paridpaglo | Datadeinicioda Capi Social imedaiano | paticinagaa Capita Social -% “500162085 | Laboratérios Airal, S.A. Usboa 0,00 000 | 2501-1980 5.1.4, empresa Atra-Cipan, SGPS adquinu 12,499,998 acdes em 2015 20s Laboratrios Atral @ a um paticlar, aumentando deste modo ® sua partcipagao ce 94,24880% para 85,90086% que corresponde ao total do 20.874 638 agées. Os Laboratrios Atral deixaram deste modo de particparno capital social da Cian. Lb nw Relatorio e Contas 2015 ‘Anexo as Demonstracées Financeiras, aa an we Cipan 5.2, Transagdes entre partes relacionadas 5.2.1. Quantia de transagées Enprosas Rubicas Devedores Cresores a me | aT ‘ee ipan Fomecimerio Senigns Eras 33500000 Teno 0.00 O00 Jus ¢ Gasios Similars Suportados 000 137.14682 000 00 Tota 3350.00 317.146 92 0.00 000 Ea [ Forecinerto Sevigas Exarios 570085 woar7s O70 0 (Gasios a Reconfecer 453225, 3.45.55, 0.00 0.00 Tol 70398.22 704133.60 00 0.00 Labortos Nal Compras 04a 0,00 0,00 “000 | Fornesieno Senigas Extras 52066, 14 5935.08, 0.00 00 Gasios com 0 Pessoa 0.00) 0,00 0,00) 0.00 | [— Vendas 100 0,00 | —39530.06 | aanaer 7 ‘Rendimenios Supiementares ‘0.00 ‘0.00 | 394751,74 | 362.005 14 ‘Alvos Firs Tangiveis 0.00 | 000 500,00 000 Tota 52.170 58 35405.08 | <38.881,82 | TeEHTOT vida Fomecimenta Senigos Exemos 8.00000 800000, 700 O00 Total 8.00000 483.0000 00 000 Ten Vendas 00 ‘000 | 10.482,78 O00 Readinenios Supemeniares 0.00 000 983,79 716,06 Toa: (0.00 (000 | __ 12.6357 7.1606 5.2.2. Quantia dos saldos pendentes: Enpresas/ Rubicas vo Passio ms [a Ea ETE “Aral pan Fomeceiores 00 00 000 | __ 6512870 Fnarlamentos Obios ~ Corente 00 0.00 000 000 Tota 090 0.00 (0900 | 65:12670 Taboranos Aral Clenes O00 0 000 Fomecedores | __648341,78 000 000 | 631,772.35 ‘Aorist ~N Cortente | 2.050.00000 000 ‘00 | 200.0000 Acionsias-Conrente | _ 2.417.873, 000 oo | 5747.25.58 Fanciarntos Obidos -N/ Corrente 000 0.0 1.00 0.00 Financiamentos Obsd08~ Corrente 000 | 0.00 000 000 Tota: | 5.176015.50 000 (0.00 | 879.040 93 Vide esristas 000 O00 O06 Too Tot 000 000 000 00 Beata cinta O00 00 0 oo Tota 0.00 000 0.00 0.00 Ten Crenies 42679 79 000 oo Reinistas 000 00 0.00 000 Total: 74205 78 5.79 000 000 Relatorio © Contas 2015 ‘Anexo Demonstracées Financeiras 34 6. Ativos intangiveis: 6.1. Vides Uteis e taxas de amortizagao utlizadas: Rucas Vidas Weis Tae Pajelos Desenvolvimento Fines Banos oom Programas de Computador Finitas| ‘anos 3335% Propredade Indust Fintas iWanos: 10.00% SS cipan 6.2. Quantia escriturada bruta e amortizagées acumuladas (agregada com perdas por imparidade acumuladas) 10 inicio e no fim do periado: bias ‘Gisniaiula | — Amorzagbos Trades Valor ido fours Acuruadss HS Picjtos Descent ZVEORIS | 2iTRBIRIE a0 00 ogres de Computer 254,02 3202 ‘ico 0.90 ropiedade dsl 350268445 | 380265445 90 00 inengivas em Curso 55480 ‘a0 1.90 E6400 Telak | 571465542 | S708 5062 on 5640 aia Pros Deseniohimeno ZiTE6RI5 | RADI om a0 Proyanas de Conpulador 32.954,02 3295402 a0 0100 Propiedad nel az0e5 | 380269645 8 0 Inangiveis em Cus “160,00 0.0 00 310,00 Toa | —s7i1a052 | S706 70062 00 315000 6.3. Reconcliagéo da quanta eseriturada no comago e no fim do period: Rabies Vara aes | rot [Rae] | aia | Tas uslanent Projetos Desenvolvimento uso ZiPE6IRI6 ooo | ——o00 10 too | aaa pandas ‘00 ‘oo | 00 ‘00 ‘apo ‘00 Amorizagies TPE 0 ‘00 o0-| 27a .16 Valrico 00 ago | 000 aco 1.00 00 Programas de Conpulado Gusto BoE TC 08 ‘00 | are Amonaes “223562 ‘00 | 00 cco ‘a | —azsst7 Vor Lido 0.00 ‘am [G00 000 aso 000 Propiadeindaial Cus ISOLA ‘am | 190 0) 000 | Se0z65HA ‘Amaagies 350265445 08 | 000 0 00 | 3502 604.45 Valor ui. ‘00 0 0) 0 90 ‘09 tangles em Cus Gus as090 | 37168 | 00 08 ooo | 664 inns 1.00 .00| 990 00 0 90 Valor Lido 6000 | 371460 00 oD ‘00 | e340 E Tak [315000 Ct Oat] O00 | eT | Loe Relatorio © Contas 201 Sc Cipan 7. Ativos fixos tangiveis: 7.1, Vidas teis ou as taxas de amortizagéo utlizadas: Fics Vidas U5 Tea Terns 6 Russ Naas Tarenos [Fas I oy Ot Eas © Oukas Consus Eaiicos Finas Banos TO InselgGs Ebeogs Finias ‘0.0 TO00% Estradas« VedagSes Finis Danos 500% Ascenstres e Monta Casas Fines anos 70.00% Esgotos Fluviais Industrials Finitas 10 anos 10,00% | EPTARI nies anos ,00% Equipamerio BSCS aqunas Hao Especicadas Finas Banos T250% Baangas Fintes Sas | 12.50% Conpressores Fintas Sams 500% Computedores Fas Sams Ba ‘Apatehs Ar Ceniconado Finias| Sans 250% ‘Apateos de Lara Fas anos 74208 eterel Qusina Finis anos 14.28% Meio Fines Sans | 12.50% Instlagbos Nao Espcteadas Finias anos 000% ater ds inctnao Finias anos 250% Feramenias e UtnsTios Finis ance 125% Equpameno de Transpl Vitra ist Finas Tonos Bi Enpihadoes Dampers Finias Banos eam Euipameno Adina Mabirio Faas Taras Tat Anarchs de Aquacimanio Fnias ance 12.50% ‘Aparehos de Venere Finias Banos 12.50% Aparelies do fx Condcionado Fins Saos 12.50% -riges Conloro Decora Frias Ban05 "250% aquinasEscrever,Calcuare Foocopar Samos | ___2000% ‘aquras No Especicadas ‘Banos 72.50% | Compatadoes Sanos BK Outs Equpanenio instlagoes Nao Especteadas Fires [Wares 000% Eevadoese Mona-Cargs Fnlas anes 100% Macuias io Espeoiiadas Fins anc 12.50% 7.2. Quanta eseriturada bruta e amortizagGes acumuladas (agregada com perdas por imparidade acumulades) 19 inicio @ no fim do periode: Paces QuaniaBiuia | — Amoraapbes inpardades aor i ‘eumulaas seundadas 25 Terenas 262,008.56, 000 0,00 262.008,56. Eaicos € Ouran Consus wessasrazi | B00 T0298 000 TES 7185 Equparento Bion 57092718 | _247Iest2z2 000 SHEL IBA Eauiamento Tanspovie 2ST 2A 000 S608 Equipamento Administrativa 301.386, 69 =266.651,22 0,00 | 34.735,47_ Outros Mivos Fixes: 407.289,50 5.29481 0,00 11.994,69_ “Avos Fos Tangivs Curso 1583954.27 200 000 3954.27 L Total: 45.761.773,12, 33.354 525,26 00 12.407.247 86 be Anexo as Demonstragées Financeiras, 36 an we Cipan ae Tenens AIOE 16 Too OEE kos e Oars Cones Tou. | aes 6000 100 | 7568.43 18 xian Basco 279473608 | PASSAT ‘oo | ——3anam0 Equipamento Transporie 249,332,71 227 633,52. 0.00 | 13.699,19 Equipamento Administrativa 322.936,31 TH A434 0,00 ‘51.79297 | Outros Ativos Fixos 4.526 .810,36 -617.089,61 0,00 909.720,75, Ativos Fixos Tangiveis Curso 688.178,89 0,00 0,00 | 688.178,89 Tost | —aissansa5 | 1532570 ‘00 | ——aarrara6 73, Reconciagao da quantiaescriturada no comeco e no fim do periodo: ‘Rubricas ‘Valor Liquido ‘Aquisigoes | ‘Amortiz, ‘Abates 7 Trans ‘Valor Liquido Final nical Ajust. Teas Caso LOOT 160 a a 106 EOE Anes 00 00 90 00 000 000 Valor Liga PE a0 30 00 00 OG cos Ol Contes Casio OME TH 0 100 | _TeROSTA DD | Toe anes 585.9600 0 | 97689 a0 | 1006 76549-| —— 208.7038 Valor Lind TSSBEI8 ‘00 | —w597a9 ‘oa | — eAb0553 | Tasers Tupanento Bisco uso Ta SE | _—_—waTTS Too | Tea | — soem | —merowNTE ‘merinagies | 243535523 (jon | Tove: 07 | 11610016 | —se5205.82 | ——aariesa7 ‘Valor Liquido 3.593,828,8 0,00 -1.046-369,07 0,00 1,374,812,73 3.952.384,96 Euipamenio Trarepre Gusto awa Om To 100 6 wean AES BIBRSE 0.00 | ——-sama8 000 742 | a ‘Valor Liquido ‘| 13.699,19 0,00 | 6.69399 0,00 6.998,08 Equipamento Administrativo Cis TET 10 Tose 1 ES Ane Waa