Você está na página 1de 70
Noções de Contabilidade CONCEITO DE CONTABILIDADE A contabilidade pelo seu conjunto de princípios, normas e

Noções de Contabilidade

CONCEITO DE CONTABILIDADE

A contabilidade pelo seu conjunto de princípios, normas e procedimentos próprios, é uma ciência com o objetivo de

conhecer a situação patrimonial das pessoas e as suas mutações. Diversos são os conceitos apresentados, onde

destacamos:

“É a ciência que estuda e controla o patrimônio das entidades, mediante o registro, a demonstração expositiva e a interpretação dos fatos nele ocorridos, com o fim de oferecer informações sobre sua composição e variações, bem como sobre o resultado econômico decorrente da gestão da riqueza patrimonial."

“É a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, de controle e de registro relat ivo aos atos e fatos da administração econômica".

OBJETIVO DA CONTABILIDADE

A contabilidade tem por objeto o patrimônio administrável e em constante alteração.

FINALIDADES DA CONTABILIDADE

Estudar e controlar o patrimônio, fornecendo informações a quem dela necessitar. Modernamente as finalidades da contabilidade são reunidas em duas: FINALIDADE DE PLANEJAMENTO E FINALIDADE DE CONTROLE.

O PLANEJAMENTO consiste em adotar um modelo de ações dentre diversos outros possíveis. Pode abranger

toda a entidade, com a mudança do comportamento até hoje adotado ou apenas parcialmente, dependendo do objetivo maior da organização. A informação contábil pode ser um forte suporte para o planejamento e, mais ainda, quando estabelecendo padrões, torna claro situações futuras.

O CONTROLE está ligado à análise da obediência das definições adotadas pela organização. A informação

contábil apresenta-se como o indicador da situação patrimonial tornando possível a verificação do desempenho da organização em atingir as metas traçadas. Como conseqüência, e pelo possível retorno no caso de êxito no atingimento das metas e políticas delineadas, a informação contábil além de meio de comunicação é uma forma de promover a motivação de todo o corpo organizacional.

TÉCNICA CONTÁBEIS

Para atingir os seus objetivos a contabilidade se utiliza de técnicas próprias, quais sejam:

·ESCRITURAÇÃO; · DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS; · ANÁLISE DE BALANÇOS; · AUDITORIA.

Entende-se por ESCRITURAÇÃO a técnica pela qual as ocorrências com efeitos no patrimônio são registradas. Algumas regras devem ser seguidas para que as informações possam ser aproveitadas e compreendidas por todos aqueles interessados. A escrituração é um meio utilizado para possibilitar, pela agregação dos diversos fatos ocorridos, a elaboração de demonstrativos capazes de formar a posição da riqueza patrimonial.

As DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS podem ser apresentadas sob diversos ângulos informativos. Algumas são, digamos, uma consolidação dos fatos registrados ou escriturados. O Balanço Patrimonial, por exemplo, mostra a situação do patrimônio, em determinado momento, resultante da escrituração de diversos fatos. A Demonstracão do Resultado do Exercício também é resultante de diversos fatos, positivos e negativos, escriturados durante um ano. Mostra como a empresa se saiu naquele ano. O Inventário é outra demonstração e preocupa-se em mostrar a

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100106/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Patrimônio CONCEITO

Patrimônio

CONCEITO

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Pela maioria dos autores patrimônio é definido como o "conjunto de bens, direitos e obrigacões, susceptíveis de avaliação em dinheiro e vinculados e uma pessoa (física ou jurídico)".

COMPONENTES

· BENS: Os bens são as coisas transformadas pelo homem para a satisfação de suas necessidades e avaliáveis

em dinheiro. Podem ser classificados em corpóreos e incorpóreos, também denominados materiais ou imateriais.

Como corpóreos temos mercadorias, veículos e outros. Como incorpóreos, por exemplo, fundo de comércio, patentes de invenção etc. Os bens são também chamados de direitos reais, pois recaem sobre coisas avaliáveis em dinheiro.

· DIREITO: Os direitos são decorrentes de operações de crédito onde o favorecido é o patrimônio em análise. São também denominados direitos pessoais.

· OBRIGAÇÕES: As obrigações são também decorrentes de operações de crédito tendo como favorecido um terceiro ao patrimônio em análise, contra este.

EXEMPLOS:

BENS:

· Mercadorias;

· Dinheiro;

· Veículos;

· Imóveis;

· Máquinas;

· Equipamentos;

· Patentes.

DIREITO:

· Duplicatas a receber;

· Títulos a receber;

· Outros valores a receber.

OBRIGAÇÕES:

· Títulos a pagar;

· Duplicatas a pagar;

· Impostos a recolher;

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100107/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Capital CONCEITO

Capital

CONCEITO

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100108/

Várias ciências apontam definições próprias de CAPITAL. A economia tem duas correntes: uma leva em conta a qualidade dos elementos componentes do patrimônio e a sua capacidade de gerar riquezas; uma outra situa o capital como uma categoria histórica, não geradora de riquezas. De uma forma geral, considera o capital como o conjunto de bens como máquinas, equipamentos, matéria-primas e outros utilizados para a obtenção de outros bens. O direito considera capital o valor registrado sob este título no contrato social registrado da empresa. Na contabilidade, diversos conceitos de capital são apresentados. Destacamos os seguintes:

CAPITAL NOMINAL OU LEGALIZADO

E igual ao conceito adotado no direito. Corresponde aos recursos aplicados na constituição da empresa, na forma

de bens e/ou direitos e constante no Contrato Social. Novas destinações podem acontecer com injeção de recursos ou aproveitamento das reservas acumuladas na empresa. A sua alteração, mesmo contábil, só acontece pela formalização nos órgãos de registro do comércio. A diminuição de seu valor também pode acontecer, embora mais difícil.

CAPITAL PRÓPRIO OU LÍQUIDO

Corresponde à situação líquida até agora estudada. É um fundo de valores pertencentes a uma pessoa, abrangendo não só os valores inicialmente aplicados na empresa, como também as reservas provenientes de sua operação, ou não. É o patrimônio líquido.

CAPITAL DE TERCEIROS

É o montante de recursos de terceiros ao patrimônio, postos a disposição deste para o desenvolvimento de sua

operação. São as obrigações da empresa.

CAPITAL A DISPOSIÇÃO DA EMPRESA

É o montante de recursos que a empresa dispõe para o atingimento de seus fins. Fundo de valores composto do

capital próprio ou líquido e de terceiros apreciáveis monetariamente. Alguns outros conceitos de capital surgem

decorrentes da legislação comercial dentre os quais destacamos:

CAPITAL AUTORIZADO

Não é de muita utilização embora exista a previsão. É um limite fixado nos estatutos sociais, em valor ou número de ações, até o qual pode haver a deliberação de aumentar o capital da companhia sem uma reforma no estatuto.

CAPITAL SUBSCRITO

É o montante de recursos "prometido" pelos sócios a ser entregue, com contribuições em dinheiro ou bens

suscetíveis de avaliação em dinheiro, à empresa.

CAPITAL A INTEGRALIZAR

Corresponde a diferença entre o capital subscrito e o montante de recursos já entregues pelo subscritor.

CAPITAL REALIZADO

É o capital subscrito menos a parcela a integralizar. Corresponde os valores entregues pelos subscritores do

capital.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Contas CONCEITO DE CONTA

Contas

CONCEITO DE CONTA

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100109/

"Conta é o registro de débitos e créditos da mesma natureza, identificados por um título que qualifica um componente do patrimônio ou uma variação patrimonial".

"Conta é a representação gráfica da relação débito-crédito de um fato administrativo".

"Conta é a representação gráfica das mutações patrimoniais de uma mesma espécie e agrupadas sob um título, referentes a uma pessoa".

TEORIA DAS CONTAS

Muitos foram os estudiosos que se dedicaram ao estudo das contas. Dezenas de teorias, durante anos apresentadas, algumas perfeitamente fundamentadas e outras sem qualquer cunho lógico. Restam, ainda hoje, três teorias ainda usuais seja pela sua facilidade no entendimento da ciência contábil, seja pela estrutura de classificação das contas apresentadas. São: Teoria Personalística ou Personalista das contas, que teve como maiores divulgadores: Marchi, Cerboni, Rossi e outros. Teoria Materialística ou da Materialidade das contas, com Fábio Besta, Morrison e, com variações, Kester, Durmarchey e outros. Teoria Patrimonialista, partícipe da Teoria Moderna da Contabilidade.

TEORIA PERSONALÍSTICA

Classifica as contas em: Contas de agentes consignatários; Contas de correspondentes; e Contas do proprietário.

Os AGENTES CONSIGNATÁRIOS são "pessoas" nomeadas pelo proprietário da empresa para serem os responsáveis pela guarda dos BENS. Cada agente consignatário é o responsável pelo conjunto de bens de mesma natureza. Teríamos, pois, a conta veículos como um responsável pelos veículos da empresa; a conta caixa como um responsável pela guarda do dinheiro, etc.

Os CORRESPONDENTES são "pessoas" que mantém relação de débito e crédito com o proprietário da empresa. São as contas de DIREITOS e OBRIGACÕES.

As CONTAS DO PROPRIETÁRIO são as contas de controle direto do proprietário da empresa, dentre elas as contas Capital, Reservas, Receitas e Despesas que compõem a SITUAÇÃO LÍQUIDA. O princípio desta teoria, que

as contas são pessoas, é importante para o entendimento do "débito" e "crédito".

Tanto os agentes consignatários como os correspondentes são pessoas com ligação direta com o proprietário do patrimônio mantendo, com este, uma relação de natureza obrigacional. Tomemos como exemplo o agente consignatário responsável pelo dinheiro da empresa, o SR. CAIXA. O Sr. Caixa tendo dinheiro do proprietário é um DEVEDOR deste. Na medida em que mais dinheiro é entregue, MAIS DEVEDOR ele se torna, sendo, pois, DEBITADO. Se por outro lado o proprietário necessita de dinheiro para fazer um pagamento qualquer, MENOS DEVEDOR ele se torna, sendo esta uma operação de CRÉDITO do Sr. Caixa perante o proprietário.

O CRÉDITO e o DÉBITO são definidos, em cada operação, pela situação do agente consignatário ou do

correspondente perante o proprietário do patrimônio. Uma conta de obrigação, por exemplo, será creditada quando a "pessoa obrigação" tiver mais direitos (crédito) perante o proprietário, que é o caso de uma compra a prazo feita pelo proprietário do patrimônio. As contas do proprietário devem ser encaradas pela terminologia cotidiana. O CRÉDITO são ocorrências positivas e o DÉBITO, negativas. Quando é obtida uma receita, a conta utilizada é

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100109/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100109/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100109/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Elenco de Contas 1000.00 ATIVO 1100.00 ATIVO

Elenco de Contas

1000.00

ATIVO

1100.00

ATIVO CIRCULANTE

1110.00

DISPONIBILIDADES

1111.00

CAIXA GERAL

1111.01

Caixa-Matriz

1112.00

BANCOS C/MOVIMENTO

1112.XX Banco "A"

1113.00

NUMERÁRIO EM TRÂNSITO

1114.00

APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA

1114.01

Fundo de Aplicação Financeira-FAF

1120.00

CRÉDITOS DE CURTO PRAZO

1121.00

DUPLICATAS A RECEBER

1121.XX Cliente "A"

1122.00 / - / DUPLICATAS DESCONTADAS

1122.XX Banco "A"

1123.00

TÍTULOS A RECEBER

1123.XX Emitente "A"

1124.00 / - / TÍTULOS DESCONTADOS

1124.XX Banco "A"

1125.00 CHEQUES A RECEBER

1125.XX Emitente "A"

1126.00 BANCOS C/VINCULADAS

1126.XX Banco "A"

1127.00 ADIANTAMENTOS DIVERSOS

1127.XX Devedor "A"

1128.00 DEVEDORES DIVERSOS

1128.XX Devedor "A"

1129.00

ESTOQUES

1130.00

MERCADORIAS

1131.00

MATERIAIS DE EMBALAGENS

1132.00

FRETES, SEGUROS E DESPACHOS

1134.00

/ - / DEVOLUÇÁO DE COMPRAS

1135.00

/ - / PROVISÃO P/ AJUSTE DE ESTOQUES

1140.00

OUTROS VALORES REALIZAVEIS

1141.00

IMPOSTOS A RECUPERAR

1141.01

ICMS a recuperar

1141.02

IR a recuperar

1150.00

ANTECIPAÇÃO DE DESPESAS

1151.00

JUROS A AMORTIZAR

1152.00

SEGUROS A AMORTIZAR

1153.00

ASSINATURA DE INFORMATIVOS E PERIÓDICOS

1200.00

ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

1220.00

DEPÓSITO PARA INVESTIMENTOS

1220.00

CONSÓRCIOS

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100110/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Escrituração

Escrituração

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100111/

É uma das técnicas que a contabilidade utiliza para atingir os seus objetivos. Cuida do registro dos fatos contábeis

mediante, é claro, normas e princípios próprios da contabilidade possibilitando o entendimento e a extração das informações sobre a situação patrimonial. A contabilidade, poderíamos dizer, mostra toda a história de uma empresa sendo implacável no registro das ocorrências. A escrituração fornece estes elementos, sendo um "idioma" conhecido dos estudiosos da ciência contábil.

MÉTODOS DE ESCRITURAÇÃO

A título meramente ilustrativo podemos classificar os métodos de escrituração em:

Método das partidas simples Método das partidas dobradas

O método das partidas simples está totalmente em desuso para a aplicação na contabilidade por serem específicos

para alguns elementos patrimoniais, enquanto, a contabilidade deve trabalhar como um todo interrelacionado.

Pelo MÉTODO DAS PARTIDAS SIMPLES são escrituradas apenas as contas de correspondentes para controle dos direitos e obrigações. Não considera em seus registros os bens e os elementos formadores da situação líquida que são apurados da seguinte forma: OS BENS, por inventário; a SITUACÃO LÍQUIDA, por diferença entre ativo e passivo e, o RESULTADO, pela evolução da situação líquida de um ano para outro.

O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS é o método universalmente adotado para a escrituração. Movimenta toda a estrutura patrimonial e de resultados preconizando a igualdade dos elementos positivos e negativos do patrimônio. O método, exposto pelo frade franciscano Lucca Paccioli, em 1494, revolucionou todo o estudo da contabilidade permitindo ser hoje uma ciência.

O método das partidas dobradas tem um princípio fundamental:

"Não há devedor sem credor e vice-versa"

Equivale a dizer: para cada registro ou soma de registros a débito, haverá um registro ou soma de registros a crédito, de igual valor. Decorrentes do princípio fundamental temos alguns corolários:

· a soma dos débitos é sempre igual dos créditos;

· a soma de todos os saldos devedores é sempre igual A soma dos saldos credores;

· A soma do ativo, constituído de contas de natureza devedora e representativas das aplicações de recursos é sempre igual a soma do passivo, constituído de contas de natureza credora e representativas da origem de recursos, próprios e de terceiros.

PROCESSO DE ESCRITURAÇÃO

A escrituração, durante os anos e devido ao desenvolvimento tecnológico, tem passado por diversas formas de

fazer, ainda hoje existentes:

ESCRITURACÃO MANUAL todo o processo de escriturar os fatos contábeis, nos diversos livros existentes, é feito

a mão.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100111/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100111/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100111/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100111/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Livros Contábeis

Livros Contábeis

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100112/

Como já vimos, a escrituração contábil é feita, basicamente, em dois livros: o DIÁRIO e o RAZÃO.

Existem ainda os livros de controle interno e os diários auxiliares, utilizados por muitas empresas como recursos que ajudam a Contabilidade no controle de seus trabalhos.

Os livros de controle interno tanto podem estar conjugados com a Contabilidade, conforme o plano de contas, quanto mantidos nas respectivas seções, sem que estejam ligados aos lançamentos de diário. Quando extra contábeis, servem para conferência diária ou mensal dos saldos das contas apresentadas no Balancete extraído do razão. Exemplos: livro caixa (ou, simplesmente, caixa), livro de contas a pagar, de contas a receber, de contas correntes, de controle de estoques etc.

Cada página do livro utilizada para controle de um cliente ou fornecedor, de um Banco ou de um tipo de mercadoria ou material. O funcionamento se dá em três colunas: débitos, créditos e saldos, ou entradas, saídas e saldos. Os diários auxiliares diferenciam-se dos livros de controle por se revestirem das formalidades intrínsecas e extrínsecas exigidas por lei. Sua adoção fica a critério da entidade; geralmente se dá em função do porte da empresa, pois acarreta uma racionalização de seus serviços.

Vamos citar alguns: diário auxiliar de caixa, diário de recebimentos e pagamentos, diário de Bancos, de contas a receber, de contas a pagar, de compras, de vendas.

Um livro contábil muito utilizado é o diário auxiliar de caixa. Sua função é controlar a entrada e a saída de dinheiro (em moeda ou cheque). Nele, todos os recebimentos são registrados como débito de caixa, e todos os pagamentos como crédito de caixa. Por esse motivo, a entidade que o utiliza dispensa o diário de recebimentos e pagamentos.

Em substituição a esse livro, muitas empresas utilizam o boletim de caixa, o qual contém duas vias: a primeira, destacável, que acompanha os documentos enviados à seção de Contabilidade, e a outra, fixa, que forma o bloco, de arquivo sequencial e cronológico, e fica em poder do departamento que realiza o controle.

LIVROS DE ESCRITURAÇÃO Do ponto de vista contábil, a escrituração é feita, basicamente em dois livros: (o DIÁRIO, e o RAZÃO).

LIVRO OBRIGATÓRIO

o Livro DIÁRIO

LIVROS FACULTATIVOS Livros de controle internos utilizados para auxiliar na contabilidade. O mais importante desses livros é o RAZÃO.

O Livro Diário é um livro OBRIGATÓRIO, cronológico e principal que tem por função abrigar toda a movimentação da empresa, dia-a-dia, representada pelos lançamentos contábeis. É o livro que "conta a vida da empresa". O livro Diário, que deve ter numeração tipográfica seqüencial, pode ser substituído por fichas soltas ou avulsas, também numeradas.

É admitida a escrituração resumida no Diário, por totais que não excedam o período de um mês das contas cujas

operações sejam numerosas ou realizadas fora da sede do estabelecimento, desde que utilizados livros auxiliares

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100112/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100112/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Erros de Escrituração e sua Correção

Erros de Escrituração e sua Correção

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100113/

Decorrente de diversos fatores da própria condição humana, erros podem acontecer na escrituração dos livros. As formalidades intrínsecas são rígidas na manutenção da fidelidade dos livros não permitindo a utilização da famosa "borracha".

Os principais erros notados na escrituração dos livros são:

Erro na identificação da conta debitada ou creditada; Inversão das contas; Lançamento em duplicidade; Omissão de lançamento; Erro no valor (lançado a mais ou a menos); Erro na narração do fato contábil.

Esses erros podem ser identificados imediatamente ou posteriormente, na conciliação das contas.

Os erros de escrituração podem ser corrigidos pelos seguintes métodos:

Estorno do lançamento; Lançamento retificativo; Lançamento complementar; Ressalva por profissional qualificado.

O estorno do lançamento consiste, resumidamente, em anular o efeito do lançamento errado com um outro

lançamento, debitando-se quem anteriormente tinha sido creditado e creditando-se quem tinha sido debitado, mantendo constante o valor. É aplicado em todas as circunstâncias sendo o método estabelecido na legislação comercial.

EXEMPLO: Pagamento do INSS incidente sobre a folha de pagamento de novembro/98, em 10/12/98, no valor de R$ 53.000,00, mediante emissão de cheque do Banco do Brasil S/A.

LANÇAMENTO EFETUADO:

Fortaleza 10/12/99 INSS A RECOLHER a CAIXA Pago INSS do mês de nov/98 conforme guia 53.000,00 ESTORNO DO LANÇAMENTO:

Fortaleza 10/12/99CAIXA a INSS A RECOLHER Estorno do lançamento acima 10/12/99INSS A RECOLHER a BANCOS C/MOVIMENTO Banco do Brasil S/A INSS s/folha de pagamento de nov/98, che-que 015818

53.000,00LANÇAMENTO

CORRETO:Fortaleza

53.000,00

Com o LANÇAMENTO RETIFICATIVO é possível corrigir erros na intitulação de contas e também erros no registro

de valor, feitos a maior.

EXEMPLO: Aquisição de veículo para o uso da empresa no valor de R$ 50.000,00 mediante emissão de Nota Promissória.

LANÇAMENTO EFETUADO: (1) D - MÓVEIS E UTENSÍLIOS C - TÍTULOS A PAGAR

Baby Doll

50.000,00

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100113/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100113/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Princípios Contábeis Geralmente Aceitos

Princípios Contábeis Geralmente Aceitos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100114/

Os PRINCÍPIOS CONTÁBEIS GERALMENTE ACEITOS, PCGA como são tratados pelos profissionais, estão divididos em duas partes distintas. De um lado, os princípios, que são regras básicas, e, de outro, as convenções, que são complementos ou restriçóes aos princípios.

PRINCIPIOS CONTÁBEIS

ENTIDADE -mantém-se a Contabilidade para a empresa, para controlar o seu patrimônio; isto é, não se deve confundir o patrimônio de cada sócio ou mesmo do titular da firma individual com o da entidade.

COMPETÊNCIA -o espaço de tempo entre um Balanço e outro chama-se período contábil. As despesas e as receitas que provocam alterações no patrimônio devem ser consideradas dentro do período de sua ocorrência, ou seja, no período de competência.

REALIZAÇÃO -para se considerar uma receita, não bastam a produção de um bem, à definição de seu valor ou uma proposta de compra ou de venda. É necessária a ocorrência de transmissão de sua propriedade em troca de outro bem (dinheiro) ou título representativo (venda a prazo).

DENOMINADO COMUM MONETÁRIO -a Contabilidade é um sistema de medição da situação patrimonial. Usa a unidade de medida moeda, como um denominador comum, que possibilita juntar todos os componentes do patrimônio num só corpo.

CUSTO COMO BASE DE VALOR -o valor da compra de um bem, pago em sua aquisição, ou o custo de sua fabricação devem ser o valor preferido na avaliação dos elementos do Ativo, pela sua objetividade e definição.

CONTINUIDADE -supõe-se que a empresa continuará a operar indefinidamente, ao se avaliar seus componentes patrimoniais. Se as atividades são paralisadas, ocorre a descontinuidade, fato que pode justificar a atribuição de valores de mercado para os elementos patrimoniais.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Convenções Contábeis

Convenções Contábeis

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100115/

OBJETIVIDADE -diante de alternativas igualmente válidas para a avaliação de uma operação, deve-se escolher a mais objetiva, evitando-se valores subjetivos.

CONSISTÊNCIA -aconselha-se a uniformidade na adoção de critérios de avaliação, para que a comparabilidade dos demonstrativos contábeis não seja prejudicada. Uma vez adotado um critério, deve-se usar o mesmo tratamento para os fatos contábeis posteriores.

MATERIALIDADE -os fatos de importância irrelevante podem ser desconsiderados, mesmo que prejudiquem a exatidão dos resultados. O consumo de materiais de pequena monta (materiais de limpeza, por exemplo) pode ser considerado no ato da compra, pois o controle de estoque seria um desperdício de tempo é dinheiro e não implicaria resultados muito diferentes.

CONSERVADORISMO -aconselha-se adotar uma atitude de precaução na apuração de lucros, ou seja: não considerar receitas por antecipação; considerar despesas ou perdas mesmo que seu montante não possa ser determinado. Resume-se na adoçáo dos maiores valores possíveis para o Passivo e dos menores para o Ativo.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Custos e Despesas

Custos e Despesas

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100116/

Antes de mais nada, retomaremos os conceitos custo e despesas, principalmente para esclarecer uma confusão bastante frequente que se faz entre eles. Embora na linguagem comum esses dois termos possam parecer até sinônimos, na Contabilidade têm conotações distintas.

Custo refere-se ao valor pelo qual se obtém um serviço ou um bem. Numa empresa de serviços, aparece o custo dos serviços prestados; numa empresa comercial, o custo das mercadorias vendidas; numa industrial, o custo de produção e o custo dos produtos vendidos.

CUSTO DOS SERVIÇOS PRESTADOS - montante de insumos e mão-de-obra utilizados para a conclusão dos serviços prestados a clientes. Inclui materiais, mão-de-obra própria ou de terceiros, encargos ligados a essa mão-de-obra, fretes, depreciações dos equipamentos utilizados e sua manutenção etc.

CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV) - valor de aquisição dos bens comprados e já vendidos. Este

montante corresponde ao valor das mercadorias existentes no início do período mais as compras feitas, e menos o

valor

das mercadorias existentes no último dia do período. Resumindo e usando termos técnicos, temos:

CMV

= Estoque inicial + compras - estoque final

CUSTO DE PRODUÇÃO- é a soma dos três componentes do produto (matéria-prima, mão-de-obra e outros

custos), necessários à transformação da matéria-prima ou à montagem de componentes para a fabricação de um

novo produto.

CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (CPV) - tem semelhança com CMV, compondose do valor do estoque no início do exercício, mais o custo dos produtos acabados, menos o valor dos produtos existentes ao final do período. Na gestão dos negócios e na condução da política interna da empresa, ocorrem dispêndios com pessoal da administração e de vendas, com aluguéis, impostos, seguros, propaganda, correio, luz, telefone etc., que constituem o que se chama despesas.

Despesa refere-se aos gastos não ligados diretamente à prestação dos serviços, à compra e venda de mercadorias ou à produção de bens, mas voltados para a administração.

Embora custos e despesas sejam igualmente gastos que a empresa realiza para exercer as suas atividades, são diferenciados dentro da Contabilidade com o propósito de se obter um controle mais detalhado do resultado.

Especialmente nas atividades industriais, a apuração do custo de produção é essencial porque, enquanto não vendidos, os bens devem permanecer no Ativo. Quando o produto for vendido, deve-se apurar o lucro bruto, pela comparação entre a receita de venda e o respectivo custo:

Receita

de

vendas

de

produtos

$

20.000(

-

)

custo

dos

produtos

vendidos

$

(9,000)

lucro

 

bruto.

$ 11.000

Obtido o lucro bruto, são subtraídas as despesas e adicionados outras receitas. Assim se obtém o lucro líquido:

Lucro

bruto

$

11.000

(

-

)

despesas

$

(7.000)+

receitas

diversas

$

1.000

=

lucro

lïquido

$ 5.000

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100116/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Receitas Existem dois tipos de receitas: de

Receitas

Existem dois tipos de receitas: de vendas e diversas.

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100117/

O grupo Receitas de vendas tem dois componentes : a recuperação do custo e o lucro bruto. Quando vendemos uma mercadoria por R$ 20, pretendemos recuperar o valor que fora pago na sua aquisição, digamos R$ 15, e obter uma margem de lucro (R$ 5).

Recuperação de custo (R$ 15)

Receita de venda ($20)

Margem de lucro (R$ 5)

No grupo Receitas diversas, os valores já são líquidos, constituídos pelos juros e aluguéis recebidos, descontos obtidos etc. Elas devem ser adicionadas ao lucro bruto para se obter o lucro bruto para se obter o lucro líquido.

DEDUÇÕES

As deduções da receita bruta parecem despesas mas não são. Na verdade, chamam-se contas redutoras de receitas. São elas: Devoluções de vendas, abatimentos sobre vendas, ISS incidente, ICMS sobre vendas, PIS e IPI sobre vendas.

Todas essas contas se apresentam com saldos devedores, tal como as despesas, porém sua colocação no plano de contas revela que não são despesas, mas contas redutoras de receitas.

Na demonstração de resultados de uma empresa de serviços, temos a seguinte posição:

Receita

de

vendas

de

serviços

R$

100.000(

-

)

abatimentos

e

devoluções

 

R$

2.000( - ) ISS incidente

R$

5.000( - )

PIS

R$750

(R$7.750)

 

receita

líquida

R$ 92,250

Desse valor de vendas líquidas é que será subtraído o valor do custo dos serviços prestados, para se obter o lucro bruto. Logo depois, deduzem-se as despesas e adicionam-se outras receitas, para se chegar ao lucro líquido.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Regimes de Contabilização

Regimes de Contabilização

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100118/

A identificação do que é custo, despesa ou receita e a contabilização em si são bastante simples, tornando-se

tarefas corriqueiras para o setor contábil de uma empresa. O que oferece alguma preocupação diz respeito â obdiência ao regime de contabilização.

REGIMES DE CAIXA

É costume, muito bem aceito pela classe contábil, quando se tratar de entidades de fins não-lucrativos, considerar

somente as receitas recebidas e as despesas efetivamente pagas.

Nessas entidades, adota-se o chamado regime de caixa na contabilïzação de receitas e despesas. Os relatórios financeiros mensais (Balancetes) ou anuais (Balanços) demonstram a situação patrimonial sempre em bases financeiras. Se as receitas superam as despesas, a diferença positiva denominada superávit aumenta o patrimônio social; caso contrário, chama-se déficit, e provoca a sua redução.

Nesse tipo de contabilização não são levadas em conta as despesas ainda não pagas ou as receitas ainda não recebidas.

REGIMES DE COMPETÊNCIA

As entidades que auferem lucros devem pagar Imposto de Renda. Para estas, a legislação do Imposto de Renda não admite o regime de caixa e impõe a adoção do regime de competência, derivado do princípio da competência de exercícios.

Esse princípio orienta que o resultado (lucro ou prejuízo) seja apurado ao final do exercício, considerando-se todas as receitas auferidas, independentemente de terem sido recebidas, e todas as despesas incorridas, pagas ou não.

As despesas pagas e as receitas recebidas são normalmente registradas nas contas respectivas, pela natural necessidade de lançamento dos recebimentos e dos pagamentos. No entanto, podem ocorrer despesas ou receitas cujo pagamento ou recebimento não se efetuem no mês a que se referem. Exemplos: o aluguel devido pelo uso do prédio durante o mês de dezembro só é pago no dia 10 de janeiro do período futuro. Um serviço concluído no dia 22 de março somente será pago pelo cliente em abril futuro, conforme combinado em contrato.

A Contabilidade deve controlar essas situações para poder fornecer a qualquer momento informações adequadas

sobre os resultados da empresa.

DESPESAS NÃO-PAGAS E RECEITAS NÃO RECEBIDAS

Para que a Contabilidade possa obedecer ao regime de competência nas empresas com fins lucrativos, ela adota alguns procedimentos específicos. Trataremos aqui dos casos mais comuns de contabilização de despesas e receitas, cujo pagamento ou recebimento não ocorre no mês de compentência.

APROPRIAÇÕES

Quando uma despesa não é paga dentro do período em procedimento contábil:

que ocorreu, é necessário efetuar o seguinte

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100118/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100118/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100118/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100118/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Balanço Patrimonial CONCEITO

Balanço Patrimonial

CONCEITO

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100119/

Ao final de cada exercício social, as empresas deverão elaborar, com base na escrituração, demonstrativos que apresentarão a situação do patrimônio e as mutações ocorridos no exercício.

O balanço Patrimonial dentre os demonstrativos exigidos é o que apresenta a situação de todo o patrimônio sendo

assim definido.

"É um demonstrativo contábil que evidencia, de forma equacional, sintética e ordenada, os valores específicos dos bens, direitos e obrigações e a situação líquida da entidade."

O Balanço Patrimonial é portanto a posição do patrimônio em determinado instante dentro da vida da empresa

quando há o reconhecimento e agregação do resultado do exercício findo.

IMPORTÂNCIA

O Balanço Patrimonial é a situação patrimonial resultante de uma série de fatos ocorridos na empresa. Permite que

análises sejam feitas mesmo sem o conhecímento de cada fato específico sendo importante, portanto, por fornecer informações a todos aqueles interessados na situação patrimonial e nas variações ocorridas em determinado

período de tempo e sob determinada administração.

Balanço Patrimonial

ATIVO

31.12.xx

31.12.xx

ATIVO

CIRCULANTE

(Contas)

ATIVO

REALIZÁVEL A

LONGO

PRAZO(Contas)

ATIVO

PERMANENTE

Investimentos

(Contas)

Ativo

Imobilizado

(Contas)

Ativo Diferido

(Contas)

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO

PASSIVO CIRCULANTE (Contas)

31.12.xx

PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO (Contas)

PATRIMÔNIO LÍQUIDOCapital Social (Contas)

Reservas de Capital (Contas)

Reservas de Reavaliação (Contas)

Reservas de lucros (Contas)

Lucros ou Prejuízos Acumulados

31.12.xx

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100119/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100119/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100119/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100119/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100120/

Feitos esses procedimentos, inicia-se a elaboração das demonstrações fínanceiras, que são relatórios padronizados que informam à Diretoria, aos sócios ou acionistas, fornecedores, Bancos, fiscalização etc., sobre a situação da empresa, seja no aspecto financeiro, patrimonial ou econômico.

As sociedades anônimas são obrigadas a publicar esses relatórios em jornais de grande circulação. Outros tipos de sociedade não publicam suas demonstrações.

As principais demonstrações são: Balanço patrimonial, Demonstração do resultado do exercício, Demonstração de lucros ou prejuízos acumulados, Demonstração das mutações do patrimônio líquido e Demonstração das origens e aplicações dos recursos.

BALANÇO PATRIMONIAL

Como já vimos, o Balanço patrimonial mostra a situação patrimonial da empresa, em duas partes distintas: Ativo e Passivo.

DEMONSTRATIVOS

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Ela é feita de forma dedutiva, isto é, inicia-se pelo lançamento do maior valor formador do resultado e finaliza-se com o lucro líquido.

A receita bruta é o total do faturamento do período, de cujo valor são retiradas as devoluções, os abatimentos e os

impostos incidentes, de forma proporcional às receitas. Da mesma maneira, são deduzidas as contribuições para o PIS.

Obtida a receita líquida, deduz-se o valor do custo dos serviços prestados, ou custo das mercadorias vendidas, ou custo dos produtos vendidos. Assim, obtém-se o resultado operacional bruto. Dele são deduzidas as despesas operacionais, que são aquelas incorridas dentro da atividade e do giro normal da empresa, desde que não incluídas nos custos. Dentre elas, temos as representas pelas contas: Despesas administrativas, Despesas tributárias, Despesas de vendas, Despesas financeiras.

Efetuadas todas essas deduções, devemos somar as receitas nãooperacionais e subtrair as despesas não-operacionais, para obter o resultado líquido antes do Imposto de Renda, que pode ser lucro ou prejuízo.

Caso haja lucro real (lucro tributável pela legislação do Imposto de Renda), calcula-se e deduz-se a provisão para

o Imposto de Renda. Se for apurado prejuízo, calcula-se a provisão, que é então adicionada ao resultado líquido. A parte restante será o lucro ou prejuízo líquido do exercício.

Esquematicamente, temas o processo global:

RECEITA OPERACIONAL BRUTA:( - ) Impostos, abatimentos, devoluções, contribuições Receita operacional líquida( - ) Custo dos produtos, das mercadorias ou dos serviços Resultado operacional bruto ( - ) Despesas operacionais Lucro operacional líquido( + ) Receitas não-operacionais ( - ) Despesas não-operacionais Lucro antes do IR( - )

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100120/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Instruções para se fazer um Balanço Patrimonial

Instruções para se fazer um Balanço Patrimonial

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO PRELIMINAR

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100121/

Após determinado período de movimentação do patrimônio, temos necessidade de verificar a posição dos seus elementos constitutivos.

Para tanto, a contabilidade apura preliminarmente o saldo de cada uma das contas do LIVRO RAZÃO (balancete

de verificação).

Após apuração dos saldos de todas as contas patrimoniais e de resultados, são estes relacionados em um quadro demonstrativos, separando de acordo com a sua natureza: DEVEDORA ou CREDORA. A esse relatório, damos o nome de BALANCETE DE VERIFICAÇÃO.

O BALANCETE DE VERIFICAÇÃO tem por finalidade demonstrar a exatidão dos lançamentos efetuados nas

fichas ou livro razão. Isso porque, a contabilidade utiliza o método das partidas dobradas, isto é, não há devedor sem credor e vice-versa. Um mesmo valor é lançado a débito de uma conta e a crédito de outra. Assim sendo, dizemos que o balancete está "fechado, batido" quando a soma da coluna de saldos devedores é igual a soma da coluna dos saldos credores.

Se porventura, ocorrer uma diferença entre os débitos e créditos no balancete e, sabendo-se que a SOMA das duas colunas está correta, deduzimos que pode ter ocorrido uma das seguintes situações:

Fato contábil debitado e não creditado, ou vice-versa. Fato contábil debitado por um valor e creditado por outro valor. Fato contábil debitado ou creditado em duplicidade.

BALANÇO PATRIMONIAL

CONCEITO: É a representação sintétìca dos elementos patrimoniais. No sentido amplo, dá-se o nome de "BALANÇO" aos procedimentos gerais de final de exercícios destinados ao levantamento da SITUAÇÃO PATRIMONIAL da empresa.

Tais procedimentos visam, como meta final, a elaboração de duas peças contábeis fundamentais denominadas:

BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO (antiga demonstração de lucros e perdas).

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA SE FAZER UM BALANÇO

Para o levantamento do "balanço" e consequente encerramento do exercício, tornam-se necessários, preliminarmente, alguns procedimentos básicos, abaixo colocados numa ordem prática:

LEVANTAMENTO DO BALANCETE DE VERIFICACÃO PRELIMINAR: Visa a listagem de todas as contas cujo RAZÃO acusa existência de saldos, a fim de se constatar a iguaidade dos débitos e dos créditos efetuados no período.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100121/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100121/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Exercício Social e Demonstrações Financeiras SEÇÃO I

Exercício Social e Demonstrações Financeiras

SEÇÃO I

EXERCÍCIO SOCIAL

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Art. 175. O exercício social terá duração de 1(um) ano e a data do término será fixada no estatuto. Parágrafo Único - Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária o exercicio social poderá ter duração diversa.

SEÇÃO II

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício:

I - balanço patrimonial; II - demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados; III - demonstração do resultado do exercício; e IV - demonstração das origens e aplicações de recursos.

1o - As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior.

2o - Nas demonstrações, as contas semelhantes poderão ser agrupadas; os pequenos saldos poderão ser agregados, desde que indicada a sua natureza e não ultrapassem 0,1 (um décimo) do valor do respectivo grupo de contas; mas é vedada a utilização de designações genéricas, como "diversas contas" ou "contas correntes".

3o - As demonstrações financeiras registrarão a destinação dos lucros segundo a proposta dos órgãos da administração, no pressuposto de sua aprovação pela assembléia geral.

4o - As demonstrações serão complementadas por notas explicativas e outros quadros analíticos ou demonstrações contábeis necessários para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício.

5o - As notas deverão indicar:

os principais critérios de especialmente estoques, dos e exaustão, de constituição e dos ajustes para atender elementos do ativo; os investimentos, em outras 247, parágrafo único);

o aumento de valor de elemento do ativo resultante de novas avaliações (art. 182, § 3o );

os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes;

a

taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo;

o

número, espécies e classes das ações do capital social;

as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício; os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, § 1o); os eventos subseqüêntes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia.

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100122/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos Bibliografia/Links Recomendados

Bibliografia/Links Recomendados

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100123/

ALMEIDA, Marcelo Calvalcanti. Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2000.

IUDÍCIBUS, Sergio de; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de Contabilidade das sociedades por ações aplicadas às demais sociedades. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2007

Bibliografia Complementar

BEZERRA FILHO, Manoel Justino. Nova Lei de Recuperação e Falência Comentada. 3º ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE. Princípios fundamentais de contabilidade e normas brasileiras de contabilidade. São Paulo: Atlas, 1995.

FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral. 23.ed. São Paulo: Atlas, 1997.

GOUVEIA, Nelson. Contabilidade básica. 2.ed. São Paulo: Habra, 2001.

IUDÍCIBUS, Sergio de; MARTINS, Eliseu; Contabilidade introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MARION, José Carlos. Contabilidade básica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

Contabilidade empresarial. 8.ed. São Paulo: Atlas, 1998.

PEREZ JÚNIOR, José Hernandes, BEGALLI, Glaucos Antônio. Elaboração das Demonstrações Contábeis. 3º ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Bibliografia de referência

FABRETTI, Láudio Camargo. Fusões, aquisições, participações e outros instrumentos de gestão de negócios:

tratamento jurídico, tributário e contábil. São Paulo: Atlas, 2005.

HENDRIKSEN, Eldon S.; BRENDA, Michael F. Van. Teoria da contabi lidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

Links:

- http://www.servicoscontabeis.com.br/

- http://www.contabilizando.com/

- http://contadortributario.com.br/

- http://www.jusbrasil.com.br/

- http://www.portaldeauditoria.com.br/

Estudando: Contabilidade Básica - Cursos Online Grátis | Prime Cursos

https://www.primecursos.com.br/openlesson/9921/100123/