Você está na página 1de 1

Histria[editar | editar cdigo-fonte]

Sertanejo musical "Certos locais afastados, longe das cidades, ainda que seja mais
presente sua relao com o nordeste, do interior, que encontrou vegetao e clima hostis,
alm da dominao poltica dos "coronis", obrigando a desenvolver uma cultura de
resistncia, do matuto, legitimamente sertanejo, conhecedor da caatinga. Difere-se da
cultura caipira, especificamente originria na rea que abrange os estados de Gois, So
Paulo, Minas Gerais, Paran, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondnia e Tocantins. Ali
se desenvolveu uma cultura do colono que encontrou abundncia de guas, terra
produtiva e um clima mais ameno, tpico do cerrado. conhecida como "caipira" ou
"sertaneja" a execuo composta e executada das zonas rurais, do campo, a antiga moda
de viola. Os caipiras, duplas ou solo, utilizavam instrumentos tpicos do Brasil, como viola
caipira.

Primeira era[editar | editar cdigo-fonte]

Inezita Barroso.

Foi em 1929 que surgiu a primeira msica sertaneja como se conhece hoje. Ela nasceu a
partir de gravaes feitas pelo jornalista e escritorCornlio Pires de "causos" e fragmentos
de cantos tradicionais rurais do interior paulista, sul e tringulo mineiros,
sudeste goiano e matogrossense.[1] Na poca destas gravaes pioneiras, o gnero era
conhecido como msica caipira, cujas letras evocavam o modo de vida do homem do
interior (muitas vezes em oposio vida do homem da cidade), assim como a beleza
buclica e romntica da paisagem interiorana (atualmente, este tipo de composio
classificada como "msica sertaneja de raiz", com as letras enfatizadas no cotidiano e na
maneira de cantar).[nota 1]
Alm de Cornlio Pires e sua "Turma Caipira", destacaram-se nessa tendncia, mesmo
que gravando em poca posterior, as duplas Alvarenga e Ranchinho, Torres e
Florncio, Tonico e Tinoco, Vieira e Vieirinha, entre outros, e canes populares
como "Sergio Forero", de Cornlio Pires, "O Bonde Camaro" de Cornlio Pires e
Mariano, "Serto do Laranjinha", de Ariovaldo Pires e "Cabocla Tereza", de Ariovaldo Pires
e Joo Pacfico.[1]
Atualmente, a msica sertaneja de raiz ainda sobrevive, sendo divulgada, por exemplo,
por Mazinho Quevedo, Daniel ou Inezita Barroso, com seu programa Viola Minha Viola.