Você está na página 1de 788
NEW HOLLAND TL 65 TL 70 TL 80 TL 90 TL 100 MANUAL DE SERVIÇOS Treinamento

NEW HOLLAND

TL 65 TL 70 TL 80 TL 90 TL 100

MANUAL DE SERVIÇOS

Treinamento SERVIÇOS
Treinamento
SERVIÇOS

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

1

INSTRUÇÕES GERAIS

AVISO IMPORTANTE

Todas as operações de manutenção e reparação descritas neste manual devem ser efetuadas exclusivamente pelo serviço de assistência da New Holland. Seguindo rigorosamente as instruções indicadas e utilizando, se for necessário, os equipamentos específicos previstos. Qualquer pessoa que efetuar as operações descritas sem seguir cuidadosamente as indicações, torna-se-á o próprio responsável pelos danos conseqüentes.

CALÇOS DE AJUSTE

A cada ajuste, selecione os calços de ajuste medindo-os um por um, com um micrômetro e somando

sucessivamente os valores medidos. Não confie uma medição errada do pacote completo ou do valor nominal indicada para cada calço.

RETENTORES PARA EIXOS ROTATIVOS

Para a correta montagem dos retentores para os eixos rotatórios, siga as seguintes instruções:

  • - Antes da montagem, mantenha os retentores em banho de óleo pelo menos meia hora, no mesmo óleo de qual farão a vedação;

  • - Limpe cuidadosamente o eixo e assegure-se que a superfície de apoio do retentor não esteja estragada;

  • - Oriente o lábio de vedação para o fluido. No caso de lábio hidrodinâmico as riscas devem estar orientadas de modo que, considerando o sentido de rotação do eixo, tendam e levar o fluido para dentro da vedação;

  • - Lubrifique o lábio de vedação com uma camada de lubrificante (o óleo é preferível à graxa) e encha com graxa a folga entre o lábio de vedação e aborda do retentor, com lábio duplo;

  • - Introduza o retentor na relativa sede pressionando-o ou utilizando um punção com superfície de contato plana. Evite absolutamente golpeá-la com um martelo ou um martelo de borracha;

  • - Durante a sua colocação, certifique-se de que nos casos necessários estejam em contato com o apoio;

  • - Para evitar que o lábio de vedação do retentor possa ser estragado pelo eixo, interponha uma proteção durante a montagem das duas peças.

O-RINGS

Lubrifique os retentores O-rings antes de introduzi-los nas respectivas sedes. Para evitar que, durante a montagem, rolem sobre si mesmas e adquiram uma posição torcida que prejudicaria a vedação.

VEDADORES (ELIMINA JUNTAS)

Aplique uma das seguintes massas de vedação: LOCTITE 515, LOCTITE ULTRABLACK, THREE BOND 1134

ou THREE BOND 1207G sobre as superfície a emparelhar, indicadas com um X. Antes de proceder à aplicação, prepare a superfície no seguinte modo:

  • - remova as eventuais incrustações com uma escova de aço

  • - desengordure cuidadosamente as superfícies mediante um dos seguintes detergentes: tricloretilena, petróleo ou solução de água e soda.

ROLAMENTOS

É aconselhável aquecer os rolamentos de 80 a 90 o C antes de montá-los nos seus respectivos eixos, esfrie-os antes de inserí-los nas relativas sedes com anéis externos.

PINOS ELÁSTICOS

Na montagem dos pinos elásticos com cabeça fendida assegure-se de que o entalhe dos mesmos seja orientado

no sentido do esforço, que atua sobre o pino. Os pinos elásticos em espiral, pelo contrário, não precisam de nenhuma orientação durante a instalação.

84990376 - 08 - 1997

2

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

NOTAS PARA PEÇAS DE REPOSIÇÃO

Utilize exclusivamente peças originais NEW HOLLAND, as únicas com esta marca.

2 SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 NOTAS PARA PEÇAS DE REPOSIÇÃO Utilize exclusivamente peças

São as únicas que garantem a mesma qualidade, a mesma duração, a mesma segurança das peças originais, porque são as mesmas peças montadas na produção. Só as peças de reposição originais NEW HOLLAND podem oferecer esta garantia. Os pedidos das peças de reposição devem ser complementados das seguintes indicações:

  • - modelo do trator (denominação comercial) e número do chassi;

  • - tipo e número do motor;

  • - número da peça pedida, a qual pode ser encontrada no "Catálogo das Peças de Reposição" com base do qual são emitidos os pedidos.

NOTAS PARA O EQUIPAMENTO

Os equipamentos que a NEW HOLLAND propõe e ilustra neste manual são:

  • - estudados e desenhados expressamente para utilizar em tratores da NEW HOLLAND;

  • - necessários para obter uma reparação confiável;

  • - cuidadosamente realizados e severamente verificados para oferecer meios de trabalho eficientes e duradouros.

Lembramos também ao Pessoal técnico da reparação que equipar-se significa:

  • - trabalhar em condições tecnicamente ideais;

  • - obter o melhor resultado;

  • - economizar tempo;

  • - trabalho com maior segurança.

AVISOS

Os limites de desgaste fornecidos para alguns pormenores devem ser entendidos como valores aconselhados, mas não absolutamente vinculados. As indicações "frontal", "traseira", "direita" e "esquerda" referida as partes diferentes são entendidas com o operador no banco do operador e orientado de acordo como sentido normal de movimento do trator.

COMO MOVIMENTAR O TRATOR SEM A BATERIA

Os cabos de bateria extra devem estar ligados exclusivamente aos respectivos terminais do cabo positivo e negativo do trator usando pinças em boas condições que permitam um contato apropriado e estável. Desligue todos os consumidores (luzes, limpador de pára-brisas, etc.) antes de dar partida. Se for necessário a verificação do funcionamento da instalação elétrica do trator, efetue-a exclusivamente com a bateria ligada. No final da verificação, desligue todos os consumidores e desative a bateria extra antes de

desligar os cabos.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

3

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 3 NORMAS DE SEGURANÇA ATENÇÃO A ESTE SÍMBOLO Este

NORMAS DE SEGURANÇA

ATENÇÃO A ESTE SÍMBOLO

Este símbolo de aviso indica as mensagens importantes que interessam à sua segurança. Leia atentamente as normas de segurança indicadas e siga as precauções aconselhadas para evitar potenciais perigos e proteger a sua saúde e integridade física. Neste manual encontrará este símbolo junto às seguintes palavras-chave:

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 3 NORMAS DE SEGURANÇA ATENÇÃO A ESTE SÍMBOLO Este

AVISO - para avisos com finalidade de evitar operações de reparações inadequadas e com potenciais conseqüênciais que afetem a segurança do pessoal técnico de manutenção. PERIGO - antes de avisos que indiquem especificamente potenciais perigos para a integridade física do condutor ou de outras pessoas diretamente ou indiretamente envolvidas.

PARA EVITAR ACIDENTES

A maioria dos acidentes e acidentes pessoais que se verificam nas oficinas são causados pela falta de obediência de determinada norma simples e fundamental de prudência e de segurança. Por este motivo, NA MAIORIA DOS CASOS ESSES PODEM SER EVITADOS. Basta prever as causas possíveis e agir em conseqüência com a necessária cautela e prudência. Com qualquer tipo de máquina, embora seja bem projetada e construída, não é possível excluir em absoluto qualquer eventualidade de acidente. A observação cuidadosa de uma única e elementar norma de segurança seria já o suficiente para evitar muitos acidentes graves. PERIGO: Nunca execute nenhuma operação de limpeza, lubrificação ou manutenção com o motor ligado.

NORMAS DE SEGURANÇA Generalidades

• Siga atentamente os procedimentos de manutenção e de reparação indicadas. • Não use anéis, relógios de pulso, jóias, roupas desabotoadas ou soltas, tais como: gravatas, roupas

rasgadas, cachecol, casacos desabotoados ou blusas com ziper aberto, que possam agarrar-se nas partes em movimento. Aconselha-se, pelo contrário, que use roupas aprovadas para fins de segurança, por exemplo: sapatos anti-escorregamento, luvas, óculos de proteção, capacetes, etc. • Nunca efetue nenhuma intervenção de assistência na máquina com pessoas no banco do condutor, exceto se eles são condutores autorizados para auxiliar na operação a desenvolver.

• Nunca funcione o trator ou implementos de outra posição que não seja aquela de sentada no banco do operador • Nunca efetue nenhuma operação na máquina quando o motor está em movimento, exceto quando for especificamente indicado. • Pare o motor e certifique-se de que não tenha mais pressão nos circuitos hidráulicos antes de retirar tampões, tampas, válvulas, etc. • Todas as operações de reparação e manutenção devem ser efetuadas com a máxima atenção e cuidado. • As escadas e as plataformas de serviço utilizadas na oficina ou no campo devem ser de fabricação conforme as normas contra acidentes de trabalho em vigor. • Desligue as baterias e rotule todos os comandos para avisar que tem uma manutenção em andamento. Trave a máquina e qualquer equipamento que deve ser levantado. • Nunca verifique ou abasteça os tanques de combustível, as baterias, nem use o líquido de partida, enquanto se fuma ou nas proximidades de chamas, porque os fluidos são inflamáveis. • Os freios são inativos quando são soltos manualmente para operações de manutenção. Nestes casos, é preciso providenciar o controle da máquina mediante calços ou dispositivos similares sob os pneus. • A pistola de enchimento do combustível deve sempre estar em contato com a boca de enchimento do tanque. Mantenha este contato até a interrupção do abastecimento para evitar a possibilidade de fazer surgir faíscas devido ao acúmulo de eletricidade estática.

84990376 - 08 - 1997

4

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

• Nos reboques utilize exclusivamente os pontos de engate indicados. Ligue as peças com atenção. Assegure-se de que os pinos e/ou trincos previstos estão bem fixados antes de aplicar a tração. Não pare perto das barras do reboque, cabos ou correntes que trabalham sob carga.

• Para transportar um trator avariado, utilize um reboque ou uma carreta com um plano de carga rebaixado, se estiver disponível.

• Para carregar ou descarregar o trator do veículo de transporte, escolha uma área plana que ofereça um sólido suporte às rodas do reboque ou caminhão. Fixe bem o trator no plano do caminhão ou do reboque e trave as rodas como requerido.

• Para os aquecedores elétricos, o carregador de baterias e equipamentos similares utilize exclusivamente fontes de alimentação auxiliares de corrente com uma ligação à terra eficaz para evitar o risco de choques elétricos.

• Se tiver que levantar ou transportar peças pesadas utilize sempre equipamento de suspensão ou similares com capacidade apropriada.

• Preste especial atenção à presença de pessoas nas proximidades.

• Nunca despeje gasolina ou óleo diesel em recipientes abertos, amplos e baixos.

• Nunca utilize gasolina, óleo diesel ou outros líquidos inflamáveis como detergentes. Utilize solventes existentes no mercado não inflamável e não tóxico.

• Ao utilizar o ar comprimido para a limpeza de peças, proteja-se com óculos que tenham proteções laterais.

• Limite a pressão a um máximo de 2.1 bar, segundo as normas locais ou nacionais em vigor.

• Não faça o motor funcionar em recintos fechados sem adequada ventilação. • Não fume, não utilize chamas livres, nem cause faísca nas proximidades quando se abastece ou manuseia líquidos facilmente inflamáveis. • Não utilize chamas como fonte de iluminação quando está trabalhando ou procurando vazamento no trator. • Mova-se com cautela quando tiver que efetuar trabalhos debaixo do trator, por cima ou nas suas proximidades. Use os equipamentos de proteção previstos: capacetes, óculos e sapatos especiais. • Durante as verificações nas quais o motor deve estar ligado, peça ajuda à um assistente que deve permanecer sentado no banco do operador manter sob controle visual o mecânico em cada momento. • No caso de operações fora da oficina, leve o trator

84990376 - 08 - 1997

para uma área plana e bloqueie-o. Se o trabalho em declive for inevitável, trave primeiro o trator com cuidado. Mova-o para uma área plana logo que seja possível com uma certa margem de segurança.

• Desconfie das correntes ou cabos deteriorados ou dobrados. Não os utilize em levantamento ou tensão. Para manuseá-los use sempre as luvas de espessura apropriada.

• As correntes devem estar sempre bem fixadas. Certifique-se de que o engate é bastante robusto para suportar a carga prevista. Não deve haver pessoas próximas do ponto de engate das correntes ou dos cabos.

• A área de trabalho deve ser mantida sempre LIMPA e SECA. Limpe imediatamente qualquer derramamento de água ou de óleo.

• Não amontoe os panos embebidos de graxa ou de óleo, pois constituem um grande risco de incêndio. Coloque-os sempre num recipiente metálico fechado.

Antes de colocar em movimento o trator ou as ferramentas, controle, regule e bloqueie o banco do operador. Assegure-se também que não há pessoas no raio de ação do trator ou do implemento.

• Não traga nos bolsos nenhum objeto que possa cair sem ser visto dentro dos vãos internos do trator.

• Se houver a possibilidade de ser atingido pela projeção de peças metálicas ou similares, utilize a máscara de proteção ou óculos com proteções laterais, capacetes, sapatos especiais e luvas reforçadas.

• Se tiver que efetuar operações de solda, é necessário utilizar as proteções contra acidentes de trabalho:

os óculos escuros, capacetes, macacão, luvas e sapatos especiais. Os óculos escuros devem ser usados também pelas pessoas que não efetuam o trabalho mas estão nas proximidades durante a solda. NUNCA OLHE PARA O ARCO DA SOLDA SE OS OLHOS NÃO ESTÃO PROTEGIDOS DE MODO APROPRIADO.

• Cabos de metal com o uso começam a desfazer-se. Ao manuseá-los proteja-se sempre de modo adequado (luvas reforçadas, óculos de proteção, etc.)

• Manuseie todas as peças com muito cuidado. Mantenha as mãos e dedos longe de folgas, mecanismos de rotação e similares. Use sempre equipamento de proteção aprovado tais como:

óculos de proteção, luvas reforçadas e sapatos de proteção.

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

5

PARTIDA

• Nunca faça o motor funcionar em recintos fechados

que não disponham de sistemas adequados de ventilação capaz de eliminar os gases de descarga. • Nunca aproxime a cabeça, corpo, braços, pernas, pés, mãos, dedos das ventoinhas ou correias em rotação.

MOTOR

• Antes de retirar a tampa do radiador desatarraxe-a muito lentamente para descarregar a pressão da instalação. Os enchimentos de líquido refrigerante devem ser efetuados exclusivamente com o motor parado ou no mínimo, com motor frio. • Não abasteça com combustível quando o motor está em funcionamento, principalmente se está quente, para evitar provocar incêndio no caso de borrifos de combustível . • Nunca tente verificar ou regular a tensão das correias da ventoinha com o motor em funcionamento. Nunca regule a bomba injetora de combustível quando o trator está em movimento. • Nunca lubrifique o trator quando o motor está em funcionamento.

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

• Se for necessário usar baterias auxiliares, lembre- se que em ambas as extremidades os cabos devem ser ligados do seguinte modo: (+) com (+) e (-) com (-). Evite curto-circuito nos terminais. O GÁS QUE SE SOLTA DAS BATERIAS É MUITO INFLAMÁVEL. Durante as recargas, deixe descoberto a tampa das baterias para melhorar a ventilação. Nunca verifique o estado da carga das baterias mediante "pontes" feitas apoiando objetos metálicos nos terminais. Evite faíscas ou chamas na área das baterias. Não fume para não provocar riscos de explosão. • Antes de qualquer operação, controle que não tenha fugas de combustível ou de eletricidade. Remova estas fugas antes de prosseguir com o trabalho. • Não recarregue as baterias em recintos fechados. Assegure-se que a ventilação é apropriada para evitar a possibilidade de explosões acidentais devidas à acumulação dos gases emitidos durante as recargas. • Desligue sempre as baterias antes de qualquer operação na instalação elétrica.

INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

• Um fluido que passa por um orifício muito pequeno

pode ser quase invisível e ser o bastante para penetrar na pele. Por esta razão, NUNCA USE AS

SUAS MÃOS PARA CONTROLAR OS VAZAMENTOS, utilize um pedaço de papelão ou um pedaço de madeira. Se o jato de fluido for injetado na pele, dirija-se imediatamente a um médico. De fato, se faltar um tratamento sanitário imediato, podem verificar-se sérias infecções ou uma dermatose. • Se tiver que verificar as pressões da instalação utilize os instrumentos apropriados.

RODAS E PNEUS

• Certifique-se de que os pneus estejam calibrados corretamente na sua pressão indicada pelo fabricante. Verifique periodicamente os eventuais danos dos aros e pneus. • Permaneça afastado, ao lado do pneu para corrigir a pressão do enchimento. • Verifique a pressão somente quando o trator estiver descarregado e os pneus estiverem frios para evitar uma errada medição com pressão excessiva. Não reutilize partes de pneus recauchutados porque soldas, abrasivos ou aquecimentos mal feitos podem tê-los enfraquecidos e causar quebras. • Nunca corte nem solde um aro com o pneu montado e cheio. • Para desmontar os pneus, trave a dianteira e a traseira do trator em todas as rodas. Depois de ter levantado o trator, para evitar que caia, predisponha suportes debaixo do trator de acordo com as normas em vigor. • Esvazie o pneu antes de remover qualquer objeto que tenha ficado preso na banda de rodagem. • Nunca encha os pneus com gases inflamáveis porque poderiam provocar explosões e ferimentos às pessoas nas proximidades.

REMOÇÃO E INSTALAÇÃO

• Levante e manuseie todas as peças pesadas com um equipamento de levantamento de capacidade adequada. Assegure-se que as peças sejam suportadas por correntes e ganchos apropriados. Utilize os olhais de levantamento previstos para esta finalidade. Preste atenção às pessoas próximas às cargas a levantar. • Manuseie todas as peças com muita atenção. Não coloque as mãos e os dedos entre duas peças. Use as roupas de proteção aprovadas tais como: óculos, luvas e sapatos de proteção:

• Evite enroscar as correntes ou cabos metálicos. Use sempre as luvas de proteção para manusear cabos ou correntes.

84990376 - 08 - 1997

6

SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

ABASTECIMENTOS

 

ÓRGÃO A SER

QUANT.

NEW HOLLAND

NEW HOLLAND

ESPECIFICAÇÃO

ABASTECIDO

dm 3

PRODUTO

ESPECIFICAÇÃO

INTERNACIONAL

 

(litros)

ACONSELHADO

Instalação de arrefecimento:

       

-

sem cabina:

mod 65 CV .........................

12

Água 50% +

mod 70, 80, 90 e 100 CV ...

14

50% líquido

NH 900 A

-

-

com cabina:

AMBRA

mod 65 CV .........................

14

AGRIFLU

mod 70, 80, 90 e 100 CV ...

16

Reservatório para lavar

 

Água e líquido

   

pára-brisa ..............................

2

"AREXONS DP1"

-

-

Tanque de combustível, todos os modelos ..................

110

Óleo diesel

   

Com tanque auxiliar ...............

165

decantado e filtrado

-

-

Cárter do motor:

       

-

sem filtro:

mod 65 CV .........................

6.7

AMBRA SUPER

NH 330 G (SAE

API CF -4/SG

mod 70, 80, 90 e 100 CV ...

9.5

GOLD

15W - 40)

CCMC D4

-

com filtro:

15W - 40

mod 65 CV .........................

7.5

 

MIL - L - 2104E

mod 70, 80, 90 e 100 CV ...

11.7

Circuito de freios ...................

0.4

AMBRA

   

BRAKE LHM

NH 610 A

-

Eixo dianteiro:

       

-

caixa do eixo:

mod 65, 70 e 80 CV ...........

4.5

mod 90 e 100 CV ..............

7.0

-

redutores laterais (cada):

mod 65, 70 e 80 CV ...........

0.8

mod 90 e 100 CV ...............

1.25

API GL4

Transmissão traseira (pinhão

AMBRA MULTI G

NH 410 B

ISO 32/46

e corda - redutores laterais e

SAE 10W-30

freio), caixa de engrenagens, levantamento hidráulico, direção hidrostática e TDF:

49

mod 65, 70 e 80 CV ........... mod 90 e 100 CV ..............

55

Com inversor sincronizado, todos os modelos ..................

55

Circuito da direção hidrostática ............................

2

Cubos das rodas dianteiras ..

-

Graxa

   

AMBRA GR 75 MD

NH 720 A

NLGI 2

Engraxadeiras sob pressão ..

-

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

1

SEÇÃO 10 - MOTOR

Capítulo 1 - Motor

CONTEÚDO

Seção

Descrição

Página

10 000

Características Gerais

2

5

............................................................................................................

24

25

28

Dados Principais ..............................................................................................................

Torque de aperto Ferramentas ..................................................................................................................

Cortes transversais

32

Detecção de avarias

......................................................................................................

35

10001

Desmontagem - Instalação - Revisão

39

..........................................................................

80

84990376 - 08 - 1997

2

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

CARACTERÍSTICAS GERAIS

3 cilindros

4 cilindros

Tipo de motor:

   
  • - mod. 65 cv norm. tipo aspirado 8035.05.214/215 (bomba BOSCH) ..........................................................................

Consulte dados na pág. 6-7

-

  • - mod 70 cv norm. tipo aspirado 8045.06R.213/214/215

  • - mod. 80 cv norm. tipo aspirado 8045.05R.214/215

Consulte dados na

(bomba BOSCH) ..........................................................................

  • - pág. 8-9 Consulte dados na

(bomba BOSCH) ..........................................................................

  • - mod. 90 cv com turbo compressor - tipo 8045.25.203/204/205 (bomba BOSCH) ..........................................................................

  • - mod. 100 cv com turbo compressor - tipo 8045.25k.213/215 ................................................................. Ciclo .............................................................................................. Injeção ...........................................................................................

  • - pág. 10-11 Consulte dados na

  • - pág. 12-13 Consulte dados na

  • - pág. 14-15 Diesel, 4 tempos Direta

No. dos cilindros em linha .............................................................

3

4

Camisas dos cilindros ................................................................... Diâmetro do pistão

secas, montadas no bloco

 
  • - mod 65 cv ...................................................................................

104 mm

 

-

  • - mod 70 cv ...................................................................................

-

100

mm

  • - mod 80 cv ...................................................................................

-

104

mm

  • - mod 90 cv ...................................................................................

-

104

mm

  • - mod 100 cv ................................................................................. Curso do pistão .............................................................................

-

115 mm

104

mm

Cilindrada total:

 
  • - mod 65 cv ...................................................................................

2931

cm 3

-

  • - mod 70 cv ...................................................................................

-

3613

cm

3

  • - mod 80 cv ...................................................................................

-

3908

cm

3

  • - mod 90 cv ...................................................................................

-

3908

cm

3

  • - mod 100 cv .................................................................................

-

3908

cm

3

Relação de compressão ................................................................

17:1 para os aspirados

16:5:1 para os turbinados

 

Potência máxima

 
  • - mod 65 cv ...................................................................................

44.5 kW (65 cv)

-

  • - mod 70 cv ...................................................................................

-

  • 48 kW (70 cv)

  • - mod 80 cv ...................................................................................

-

  • 56 kW (80 cv)

  • - mod 90 cv ...................................................................................

-

  • 63 kW (90 cv)

  • - mod 100 cv .................................................................................

Rotação para potência máx ...........................................................

-

70 kW (100 cv) 2500 rpm

Rotação para torque máx.: mod 65 cv ..........................................

1500

rpm

Rotação para torque máx.: mod 70 cv ..........................................

 

1400

  • - rpm

 

Rotação para torque máx.: mod 80 cv ..........................................

1400

  • - rpm

Rotação para torque máx.: mod 90 cv ..........................................

1500

  • - rpm

Rotação para torque máx.: mod 100 cv ........................................

1500

  • - rpm

Número de mancais principais ......................................................

4

5

Cárter .............................................................................................

de ferro fundido

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

3

CARACTERÍSTICAS GERAIS

3 cilindros

4 cilindros

Lubrificação .................................................................................

forçada, com bomba de engrenagens

Comando da bomba .....................................................................

do eixo de distribuição

Relação entre as rotações do motor e a bomba de óleo ..............

 

2:1

Filtragem do óleo ..........................................................................

mediante filtro de tela na aspiração e

cartucho na vazão

Pressão normal do óleo com o motor quente e funcionando

na máxima rotação: ......................................................................

2.9 - 3.9 bar, (3 - 4 kg/cm 2 )

Válvula limitadora de pressão .......................................................

predisposta no corpo da bomba

Pressão inicial da abertura da válvula ..........................................

3.5 bar (36 kg/cm 2 )

Para mais dados técnicos sobre a lubrificação ............................

Consulte pág. 23

Arrefecimento ................................................................................

com circulação de água

Radiador para mod. 65 cv, 70 cv e 80 cv ......................................

com três filas de tubos verticais

com aletas de cobre

Radiador para mod 90 cv, 100 cv ..................................................

com quatro filas de tubos verticais

 

de cobre

Ventoinha, fixada na polia da bomba de água ..............................

aspirante, com 6 lâminas de aço

Bomba de água .............................................................................

centrífuga com pás

Relação entre as rotações do motor e a bomba de água .............

 

1:1.403

Controle da temperatura ...............................................................

com termostato

Termômetro de água .....................................................................

com escala colorida dividida em 3 seções

Temperaturas correspondentes a cada seção:

  • - Faixa branca inicial .....................................................................

30 o : 65 o C

  • - Faixa verde central .....................................................................

65 o : 105 o C

  • - Faixa vermelha final ...................................................................

105 o : 115 o C

Para mais dados técnicos sobre a instalação de arrefecimento ..

Consulte pág. 23

Contagiros ...................................................................................

incorporado na painel de controle

Acionamento .................................................................................

derivado da engrenagem no eixo

da distribuição

Relógio calibrado para a rotação do motor de ..............................

1800 rpm

84990376 - 08 - 1997

4

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

CARACTERÍSTICAS GERAIS

3 cilindros

4 cilindros

Distribuição .................................................................................

com válvulas no cabeçote comandadas por excêntricos, hastes e balancins através do eixo de comando da distribuição localizado na base e comandado pela árvore de manivelas mediante engrenagens helicoidais.

Aspiração:

  • - início: antes do PMS ...................................................................

 

12

o

  • - fim: depois do PMI ...................................................................... Descarga:

31

o

  • - início: antes do PMI ....................................................................

50

o

  • - fim: depois do PMS .....................................................................

16

o

Folga entre os balancins e as válvulas para controle do

 

0.45 mm

diagrama de abertura e fechamento das válvulas

 

Folga de funcionamento entre as válvulas e os balancins com o motor frio:

  • - admissão ....................................................................................

0.30

± 0.05 mm

  • - escape ........................................................................................

0.30

± 0.05 mm

Para mais dados técnicos sobre a distribuição ............................

Consulte pág. 20

Alimentação

 

Filtragem do ar ..............................................................................

mediante filtro de ar a seco com

Bomba de alimentação ................................................................. Filtragem do combustível ..............................................................

cartucho duplo, indicador luminoso de entupimento pré-filtro centrífugo e descarga automática do pó com membrana dupla mediante filtro de tela na bomba de alimentação, um filtro com cartucho substituível na alimentação da bomba de injeção

Capacidade mínima de combustível com eixo de comando rotativo em 1600 rpm .................................................................... Comandado com excêntrico ......................................................... Bomba de injeção BOSCH ........................................................... Regulador de velocidade, em todas as velocidades, incorporado na bomba:

100 litros/hora acionado da distribuição do motor com distribuidor rotativo

BOSCH .........................................................................................

com massas centrífugas

Variador automático de avanço, incorporado na bomba BOSCH ......................................................................................... Para mais dados técnicos sobre a alimentação:

 

hidráulico

Antecipação fixa (ponto da bomba no motor para o início da injeção antes do PMS) - Pressão de calibragem - Ordem de injeção, e outras informações que completam os dados sobre a bomba BOSCH

Conferir com base ao tipo de motor ao prospecto indicado na pág. 2

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

5

DADOS PRINCIPAIS DA ALIMENTAÇÃO

Turbocompressor (mod. 90 cv, 100 cv):

 
  • - tipo GARRET ..............................................................................

TA3118 - 0.82 A/R 57

Bomba de injeção .........................................................................

com distribuidor rotativo com regulador automático de avanço incorporados

Bomba BOSCH:

  • - mod. 65 cv ..................................................................................

VE 3/11F 1250 L 163 - 4794586

  • - mod. 70 cv ..................................................................................

VE 4/11 F 1250 L164 - 2 - 4804869

  • - mod. 80 cv ..................................................................................

VE 4/11 F 1250 L613 - 1 - 99441847

  • - mod. 90 cv ..................................................................................

VE 4/11 F 1250 L 613 - 99436544

  • - MOD 100 cv ................................................................................ Sentido de rotação ........................................................................

VE 4/11 F1250 L 678 - 99449527 sentido contrário ao dos

Ordem de injeção ..........................................................................

ponteiros do relógio 1 - 2 - 3 (65 cv) 1-3-4-2 (70 cv, 80 cv, 90 cv, 100 cv)

 

65 cv

70 cv

80 cv

90 cv

100 cv

Injetores Tipo BOSCH ........................

 
  • 4800029 4792442

 
  • 4800029 4824170

99469340

  • - Porta-injetor tipo ................

  • 4791124 4791124

  • 4791124 4791124

4791124

  • - Injetor tipo ..........................

  • 4800030 4792443

  • 4800030 99469341

4824171

Tipo OMAP

  • - Porta-injetor tipo ................

  • 4796644 4796644

---

  • - Injetor tipo ..........................

  • 4776715 4792447

---

Tipo STANADYNE ...............

  • 4802394 4802391

  • 4802394 -

99431239

  • - Porta-injetor tipo ................

  • 4802392 4802392

  • 4802392 -

4802392

  • - Injetor tipo ..........................

  • 4802395 4802393

  • 4802395 -

99431240

Número de furos ..................

3

4

3

3

5

Diâmetro de furos do injetor

0,35

0,31

0,35

0,35

0,23

Pressão de calibragem (bar).

230-242

230-242

230-242

260-272

260-272

Tubulação de injeção para bomba BOSCH

  • - tipo .....................................

  • 4797506 4797516

99436547

  • 4797516 99449006

  • - dimensão do tubo

mm

6x1,5x475

6x1.5x530

6x1.5x530

6x1.75x530

-

84990376 - 08 - 1997

6

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MOD. 65 CV - DADOS DE CALIBRAGEM DA BOMBA INJETORA BOSCH TIPO VE 3/11 F 1250 L 163

DADOS DA MONTAGEM

Ponto da bomba no motor: início de injeção 6 o ± 1 o antes do PMS no cilindro 1 na fase de compressão. Pré-deslocamento do elemento bombeador para colocar no ponto da bomba no motor: 1 mm do PMI (com a ferramenta 291754 - 291755) Conexão de saída da bomba relativa ao cilindro nº 1:

marcada com a letra A.

COTAS DA MONTAGEM

SÍMBOLO

SUS

KF

MS

ya

yb

(máx.)

mm

4.30

5.1-5.3

1.5-1.7

37.9-39.9

44.5-49.5

CONDIÇÕES DE TESTE PARA A CALIBRAGEM

Bancada de teste conforme a norma ISO 4008/1 /2 ... Injetores conforme a norma ISO 7440-A61 - (1688901020 e pastilha com orifício calibrado Ø 0.6 mm) Calibragem dos injetores: 172 - 175 bar (175 - 178 kg/cm 2 ). Pressão de alimentação: 0.35 ± 0.05 bar (kg/cm 2 ). Tubulações (conforme a norma ISO 4093.2):

6 x 2 x 840 mm

Tempo de esvaziamento das buretas: 30" Fluído de teste: ISO 4113 na temperatura de 45 o ± 1 o C.

1. INÍCIO DE INJEÇÃO

Pré-deslocamento do elemento bombeador do PMI mm 0.2 ± 0.02 (0.04)

Rotação da bomba (lado do comando): anti-horária

Ordem de injeção: 1 - 2 - 3

2. DESLOCAMENTO DO VARIADOR DE AVANÇO

Rpm: 800

Deslocamento de avanço: 2.7 ± 0.2 mm

 

3. PRESSÃO DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO

 

Rpm: 800

Pressão de alimentação interna: 4.1 ± 0.3 bar

 

4. VOLUME A PLENA CARGA

 

Rpm: 750

Volume para 1000 injeções 69 ± 0,5 cm 3

 

Desvio: < 3.5 (3.5) cm 3

 

5. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÍNIMO

 

Rpm: 350

Volume para 1000 injeções 23 ± 2 cm 3

 

Desvio: < 3.5 (3.5) cm 3

 

6. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÁXIMO

 

Rpm: 1400

Volume para 1000 injeções 20 ± 2 cm 3

 

Desvio: - cm 3

 

7. VOLUME NA ROTAÇÃO DE PARTIDA

 

Rpm: 100

Volume para 1000 injeções: 80 a 130 cm 3

 

8. EVOLUÇÃO DA PRESSÃO DE TRANSFERÊNCIA

 

Rpm

 
  • 800 500

 

1200

Pressão de alimentação interna

bar

 

3.8 - 4.4

 

2.5 - 3.1

5.5 - 6.1

 

9. EVOLUÇÃO DO AVANÇO DA INJEÇÃO

 

Rpm

 
  • 800 600

 

1200

Deslocamento de avanço

mm

2.5 -2.9 (2 - 3.4)

0.8 - 1.6 (0.5 - 1.9)

5.6 - 6.4 (5.3 - 6.7)

10. VAZÃO DE RETORNO

Rpm

0

1250

Vazão de retorno

cm 3 /10 seg.

41,7 - 83,4 (26,7 - 98,4)

55,6 - 139 (40,6- 153)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

7

11. EVOLUÇÃO DAS VAZÕES

 

Rpm

Volumes para 1000 injeções cm 3

 

1460

 

1.5 ( ± 1.5)

 

1400

 

18 - 22 (15.5 ± 24.5)

 

1350

 

42

- 58

 

1250

 

68.5 - 71.5 (66.5 - 73.5)

 

750

 

68.5 - 69.5 (66 - 72)

 

500

 

59 - 62 (57 - 64)

 

12. VERIFICAÇÃO DE VAZÃO NA ROTAÇÃO MÍNIMA

 

Rpm

 

350

 

475

Volume para

   

1000 injeções

cm 3

 

21 - 25 (19 - 27)

 

0 - 3.0

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

 

13. VAZÃO ZERO (PARADA) MECÂNICO

 
 

rpm

 

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

1250

 

12

 
  • 0 - 3

 

14. VAZÃO ZERO (PARADA) ELÉTRICO

 
 

rpm

 

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

350

 

-

 
  • 0 - 3

 

15. EVOLUÇÃO AUTOMÁTICA DE VAZÃO DE PARTIDA

 
 

Rpm

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

100

 

80

- 130

 

250

 

25

- 65

 

150

 

90

- 140

 

DADOS DE TESTE NA BANCADA

 

Condições de teste

   

Avanço fixo da injeção do pms do cilindro nº 1 na fase

 

Umidade relativa 70% ± 5

 

de compressão (consulte página anterior). Motor sem ventoinha, filtro de ar e silenciador de descarga Pressão atmosférica: 740 ± 5 mm Hg (altitude de Turim).

Temperatura ambiente 20 ± 3 o C Peso específico do óleo diesel 830 ± 10 g/litro

Posição da

Carga aplicada

no freio

Rotação

Potência correspondente com motor rodado por:

Consumo do

alavanca do

do motor

2 horas

 

50 horas

combustível

acelerador

 

rpm

kW (cv)

kW (cv)

kg/h

Máximo

Para desenvolver a potência máxima

2500

> 40.4 (55)

 

> 41.9 - 44.1 (57 - 60)

9.7 - 10.2

Máximo

Para desenvolver o torque máximo

1500

> 28.3 (38.5)

 

29.4 - 31.25 (40 - 42.5)

6.4 - 6.8

Máximo

Nulo (em vazio)

2750 - 2790

-

-

-

Mínimo

Nulo (em vazio)

625 - 675

-

-

-

84990376 - 08 - 1997

8

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MOD. 70 CV - DADOS DE CALIBRAGEM DA BOMBA INJETORA BOSCH TIPO VE 4/11 F 1250 L 164-2

DADOS DA MONTAGEM

Ponto da bomba no motor: início de injeção 4 o ± 1 o antes do PMS no cilindro 1 na fase de compressão. Pré-deslocamento do elemento bombeador para colocar no ponto da bomba no motor: 1 mm do PMI (com a ferramenta 291754 - 291755) Conexão de saída da bomba relativa ao cilindro nº 1:

CONDIÇÕES DE TESTE PARA A CALIBRAGEM

Bancada de teste conforme a norma ISO 4008/1 /2 ... Injetores conforme a norma ISO 7440-A61 - (1688901020 e pastilha com orifício calibrado Ø 0.6 mm) Calibragem dos injetores: 172 - 175 bar (175 -

marcado com a letra A.

 

178

kg/cm 2 ).

COTAS DA MONTAGEM

Pressão de alimentação: 0.35 ± 0.05 bar (kg/cm 2 ).

SÍMBOLO

SUS

 

KF

MS

 

ya

 

yb

 

Tubulações (conforme a norma ISO 4093.2):

(máx.)

     

6 x 2 x 840 mm

 

mm

4.30

5.0-5.4

1.4-1.8

37.9-39.9

44.2-49.6

Tempo de esvaziamento das buretas: 30"

 

Fluído de teste: ISO 4113 na temperatura de 45 o ± 1 o C.

 

1. INÍCIO DE INJEÇÃO

 

Pré-deslocamento do elemento bombeador do PMI mm 0.2 ± 0.02 (0.04)

 

Rotação da bomba (lado do comando): anti-horária

 

Ordem de injeção: 1 - 3 - 4 - 2

 

2. DESLOCAMENTO DO VARIADOR DE AVANÇO

 

Rpm: 800

Deslocamento de avanço: 3.0 ± 3.4 mm

 

3. PRESSÃO DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO

 

Rpm: 800

Pressão de alimentação interna: 4.1 ± 4.7 bar

 

4. VOLUME A PLENA CARGA

 

Rpm: 750

 

Volume para 1000 injeções 62 ± 63 cm 3

 

Desvio: < 4.0 (4.0) cm 3

 

5. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÍNIMO

 

Rpm: 350

 

Volume para 1000 injeções 21 ± 25 cm 3

 

Desvio: < 3.5 (3.5) cm 3

 

6. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÁXIMO

 

Rpm: 1400

   

Volume para 1000 injeções 43 ± 7 cm 3

 

Desvio: - cm 3

 

7. VOLUME NA ROTAÇÃO DE PARTIDA

 

Rpm: 100

Volume para 1000 injeções: 90 - 140 cm 3

 

8. EVOLUÇÃO DA PRESSÃO DE TRANSFERÊNCIA

 

Rpm

 

600

 

800

1250

Pressão de alimentação interna

 

bar

 

3.2 - 3.8

   
  • 4.1 - 4.7

6.1 - 6.7

9. EVOLUÇÃO DO AVANÇO DA INJEÇÃO

Rpm

600

800

1000

1250

Deslocamento de avanço

mm

1.2 - 2.0 (0.9-2.3)

3.0 - 3.4 (2.5-3.9)

  • 5.4 - 6.2 (5.1-6.5)

5.4 - 6.2 (5.1-6.5)

10. VAZÃO DE RETORNO

Rpm

500

1250

Vazão de retorno

cm 3 /10 seg.

41,7 - 83,4 (26,7 - 98,4)

55,6 - 139 (40,6 - 153)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

9

11. EVOLUÇÃO DAS VAZÕES

Rpm

Volumes para 1000 injeções cm 3

1450

 

1.5 (0 - 3)

1400

 

8 - 18 -(5 - 21)

1350

 

43

- 47 (39 - 51)

1250

 

52

- 55 (50 - 57)

750

 
  • 62 - 63 (59,5 - 65,5)

500

 
  • 57 - 61 (55,5 - 62,5)

12. VERIFICAÇÃO DE VAZÃO NA ROTAÇÃO MÍNIMA

 

Rpm

 

350

450

Volume para

   

1000 injeções

cm 3

 

21 - 25 (19 - 27)

0 - 3.0 (0 - 3)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

 

13. VAZÃO ZERO (PARADA) MECÂNICO

 

rpm

 

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

1250

 

12

 
  • 0 - 3

 

14. VAZÃO ZERO (PARADA) ELÉTRICO

 

rpm

 

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

350

 

12

 
  • 0 - 3

15. EVOLUÇÃO AUTOMÁTICA DE VAZÃO DE PARTIDA

 

Rpm

Volume para 1000 injeções: cm 3

100

 

90 - 140

250

 

30- 50

150

 

100 - 150

 

DADOS DE TESTE NA BANCADA

 

Condições de teste

   

Avanço fixo da injeção do pms do cilindro nº 1 na fase

 

Umidade relativa 70% ± 5

 

de compressão (consulte página anterior). Motor sem ventoinha, filtro de ar e silenciador de descarga Pressão atmosférica: 740 ± 5 mm Hg (altitude de Turim).

Temperatura ambiente 20 ± 3 o C Peso específico do óleo diesel 830 ± 10 g/litros

Posição da

Carga aplicada

no freio

Rotação

Potência correspondente com motor rodado por:

Consumo do

alavanca do

do motor

2 horas

 

50 horas

combustível

acelerador

 

rpm

kW (cv)

kW (cv)

kg/h

Máximo

Para desenvolver a potência máxima

2500

> 46.3 (63)

 

> 47.8 - 49.6 (65 - 67.5)

11 - 11.4

Máximo

Para desenvolver o torque máximo

1500

> 31.6 (43)

 

32.8 - 34.9 (44.6 - 47.6)

7.1 - 7.6

Máximo

Nulo (em vazio)

2750 - 2790

-

-

-

Mínimo

Nulo (em vazio)

625 - 675

-

-

-

84990376 - 08 - 1997

10

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MOD. 80 CV - DADOS DE CALIBRAGEM DA BOMBA INJETORA BOSCH TIPO VE 4/11 F 1250 L 613 - 1

DADOS DA MONTAGEM

Ponto da bomba no motor: início de injeção 4 o ± 1 o antes do PMS no cilindro 1 na fase de compressão. Pré-deslocamento do elemento bombeador para colocar no ponto da bomba no motor: 1 mm do PMI (com a ferramenta 291754 - 291755) Conexão de saída da bomba relativa ao cilindro nº 1:

marcado com a letra A.

COTAS DA MONTAGEM

SÍMBOLO

SUS

KF

MS

ya

yb

(máx.)

mm

4.6

5.3-5.7

1.4-1.8

37.9-39.9

44-44.1

CONDIÇÕES DE TESTE PARA A CALIBRAGEM

Bancada de teste conforme a norma ISO 4008/1 /2 ... Injetores conforme a norma ISO 7440-A61 - (1688901020 e pastilha com orifício calibrado Ø 0.5 mm) Calibragem dos injetores: 247 - 253 bar (252 -

  • 258 kg/cm 2 ).

Pressão de alimentação: 0.35 ± 0.05 bar (kg/cm 2 ). Tubulações (conforme a norma ISO 4093.2):

6 x 2 x 450 mm

Tempo de esvaziamento das buretas: 30" Fluído de teste: ISO 4113 na temperatura de 44 o ± 1 o C.

1. INÍCIO DE INJEÇÃO

Pré-deslocamento do elemento bombeador do PMI mm 0.2 ± 0.02 (0.04)

Rotação da bomba (lado do comando): anti-horária

Ordem de injeção: 1 - 3 - 4 - 2

2. DESLOCAMENTO DO VARIADOR DE AVANÇO

Rpm: 800

Deslocamento de avanço: 3.1 - 3.5 mm

 

3. PRESSÃO DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO

 

Rpm: 800

Pressão de alimentação interna: 4.7 - 5.3 bar

 

4. VOLUME A PLENA CARGA

 

Rpm: 750

Volume para 1000 injeções 52.5 - 53.5 cm 3

 

Desvio: < 3.5 (4.0) cm 3

 

5. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÍNIMO

 

Rpm: 350

Volume para 1000 injeções 6 - 10 cm 3

 

Desvio: < 3.5 (3.5) cm 3

 

6. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÁXIMO

 

Rpm: 1350

Volume para 1000 injeções 37 - 41 cm 3

 

Desvio: - cm 3

 
 

7. VOLUME NA ROTAÇÃO DE PARTIDA

 

Rpm: 100

Volume para 1000 injeções: 65 - 115 cm 3

 

8. EVOLUÇÃO DA PRESSÃO DE TRANSFERÊNCIA

 

Rpm

 
  • 800 550

   

1250

Pressão de alimentação interna

bar

 
  • 4.7 - 5.3

 

3.2 - 3.8

6.9 - 7.5

 

9. EVOLUÇÃO DO AVANÇO DA INJEÇÃO

 

Rpm

 
  • 800 500

   

1250

Deslocamento de avanço

mm

 
  • 3.1 - 3.5

0.2 - 1.0 (0 - 1.3)

6.9 - 7.5 (6.5 - 7.9)

 

10. VAZÃO DE RETORNO

 

Rpm

 

400

 

1250

Vazão de retorno

cm 3

 

41.6 - 86.9 (26.6 - 101)

55 - 138 (40 - 153)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

11

11. EVOLUÇÃO DAS VAZÕES

Rpm

 

Volumes para 1000 injeções cm 3

1450

 

0 - 3

1400

 

5 - 21

1350

 

37

- 41

1250

 

50 - 54 (48,5- 55,5)

750

 

52,5 - 53,5 (50 - 56)

400

 

48,5 - 51,5 (46,5 -53,5)

12. VERIFICAÇÃO DE VAZÃO NA ROTAÇÃO MÍNIMA

 

Rpm

350

450

Volume para

   

1000 injeções

cm 3

6 - 10 (4 - 12)

0 - 3.0

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

 

13. VAZÃO ZERO (PARADA) MECÂNICO

 

rpm

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

1250

 

12

 
  • 0 - 3

 

14. VAZÃO ZERO (PARADA) ELÉTRICO

 

rpm

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

350

 

12

 
  • 0 - 3

15. EVOLUÇÃO AUTOMÁTICA DE VAZÃO DE PARTIDA

 

Rpm

 

Volume para 1000 injeções: cm 3

100

 

65

- 115

250

 

40

- 60

150

 

75

- 125

 

DADOS DE TESTE NA BANCADA

 

Condições de teste

   

Avanço fixo da injeção do pms do cilindro nº 1 na fase

 

Umidade relativa 70% ± 5

 

de compressão (consulte página anterior). Motor sem ventoinha, filtro de ar e silenciador de descarga Pressão atmosférica: 740 ± 5 mm Hg (altitude de Turim).

Temperatura ambiente 25 o C Peso específico do óleo diesel 830 ± 10 g/litros

 

Posição da

Carga aplicada

no freio

Rotação

Potência correspondente com motor rodado por:

Consumo do

alavanca do

do motor

2 horas

 

50 horas

 

combustível

acelerador

 

rpm

kW (cv)

kW (cv)

kg/h

Máximo

Para desenvolver a potência máxima

2500

> 52.6- (71.5) (*)

> 54.5 - 56.5 (74 - 77)

 

12.6

- 13.1

Máximo

Para desenvolver

1500

> 36.4 (49.5) (*)

37.5 - 39.7

 

um torque

(51 - 54)

 

8.15

- 8.65

Máximo

Nulo (em vazio)

2750 - 2790

-

-

 

-

Mínimo

Nulo (em vazio)

625 - 675

-

-

 

-

(*) valores esperados

84990376 - 08 - 1997

12

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MOD. 90 CV - DADOS DE CALIBRAGEM DA BOMBA INJETORA BOSCH TIPO VE 4/11 F 1250 L 613

DADOS DA MONTAGEM

CONDIÇÕES DE TESTE PARA A CALIBRAGEM

Ponto da bomba no motor: início de injeção 7 o ± 0.5 o antes do PMS no cilindro 1 na fase de compressão. Pré-deslocamento do elemento bombeador para colocar no ponto da bomba no motor: 1 mm do PMI (com a ferramenta 291754 - 291755) Conexão de saída da bomba relativa ao cilindro nº 1:

Bancada de teste conforme a norma ISO 4008/1 /2 ... Injetores conforme a norma ISO 7440-A61 - (1688901027 e pastilha com orifício calibrado Ø 0.5 mm) Calibragem dos injetores: 250 - 253 bar (255 -

marcado com a letra A. COTAS DA MONTAGEM 258 kg/cm 2 ). Pressão de alimentação: 0.35
marcado com a letra A.
COTAS DA MONTAGEM
258 kg/cm 2 ).
Pressão de alimentação: 0.35 ± 0.05 bar (kg/cm 2 ).
Tubulações (conforme a norma ISO 4093.2):
SÍMBOLO
K
KF
MS
SUS
ya
yb
(máx.)
6 x 2 x 450 mm
Tempo de esvaziamento das buretas: 30"
mm
3.2 3.4
5.30 0.6-1.0
6.0 37.9-38.5
43.9-49.1
Fluído de teste: ISO 4113 na temperatura de 44 o ± 4 o C.
1. INÍCIO DE INJEÇÃO
Pré-deslocamento do elemento
bombeador do PMI mm 0
Rotação da bomba (lado do
comando): anti-horária
Ordem de injeção: 1 - 3 - 4 - 2
2. DESLOCAMENTO DO VARIADOR DE AVANÇO
Rpm: 800
Pressão LDA: kPa –
Deslocamento de avanço: 2.5 - 2.9 mm
3. PRESSÃO DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO
Rpm: 800
Pressão LDA: kPa –
Pressão de alimentação interna: 5.7 - 6.3 bar
4.
VOLUME A PLENA CARGA, COM PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Rpm: -
Pressão LDA: kPa –
Volume para 1000 injeções: – cm 3
Desvio: - cm 3
5.
VOLUME A PLENA CARGA, SEM PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Rpm: 800
Volume para 1000 injeções 67 - 68 cm 3
Desvio: < 3.5 (5) cm 3
6. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÍNIMO
Rpm: 325
Pressão LDA: kPa –
Volume para 1000 injeções 11 - 15 cm 3
Desvio: < 3.5 (5) cm 3
7. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÁXIMO
Rpm: 1325
Pressão LDA: kPa –
Volume para 1000 injeções: 43 - 47 cm 3
Desvio: - cm 3
Rpm: 100
8. VOLUME NA ROTAÇÃO DE PARTIDA
Volume para 1000 injeções: 65 - 115 cm 3
9. EVOLUÇÃO DA PRESSÃO DE TRANSFERÊNCIA
Pressão LDA
Rpm
Pressão de alimentação interna
kPa
-
400
800
1250
bar
3.7 - 4.3
5.7 - 6.3
7.7 - 8.3
10. EVOLUÇÃO DO AVANÇO DA INJEÇÃO
Pressão LDA
Rpm
Deslocamento de avanço
kPa
-
700
800
1150
mm
1.76 -1.84 (1.1-2.5)
2.5 - 2.9 (2.3 - 3.1)
6.0 - 6.8 (5.7 - 7.1)
11. VAZÃO DE RETORNO
Rpm
Pressão LDA
Vazão de retorno
400 1250
kPa
-
-
cm 3
41.6 - 86.1 (26.6 - 101)
55 - 138 (40 - 153)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

13

12. EVOLUÇÃO DAS VAZÕES

 

Rpm

Pressão LDA kPa

Volume para 1000 injeções cm 3

 

1420

-

 

0 - 3

 

1325

-

 
  • 43 - 47 (39 - 51)

 

1300

-

 
  • 53.5 - 57.5 (50.5 - 60.5)

 

1250

-

 

58 - 61 (55.5 - 63.5)

 

800

-

 
  • 67 - 68 (65 - 70)

 

400

-

 
  • 67.5 - 70.5 (66.5 - 71.5)

 

13. VERIFICAÇÃO DE VAZÃO NA ROTAÇÃO MÍNIMA

 

Rpm

325

 

400

Volume para

   

1000 injeções

cm 3

11 - 15 (8 - 18)

 

0 - 3.0

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

 

14. VAZÃO ZERO (PARADA) MECÂNICO

 
 

rpm

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

1250

12

 
  • 0 - 3

 

15. VAZÃO ZERO (PARADA) ELÉTRICO

 
 

rpm

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

325

 
  • 0 - 3

 

16. EVOLUÇÃO AUTOMÁTICA DE VAZÃO DE PARTIDA

 
 

Rpm

Pressão LDA kPa

Volume para 1000 injeções: cm 3

 

100

-

 

65

- 115

 

250

-

 

45 - 75

 

150

-

 

75

- 125

 

DADOS DE TESTE NA BANCADA

 

Condições de teste

   

Avanço fixo da injeção do pms do cilindro nº 1 na fase

 

Umidade relativa 70% ± 5

 

de compressão (consulte página anterior). Motor sem ventoinha, filtro de ar e silenciador de descarga Pressão atmosférica: 740 ± 5 mm Hg (altitude de Turim).

Temperatura ambiente 25 o C Peso específico do óleo diesel 830 ± 10 g/litros

Posição da

Carga aplicada

no freio

Rotação

Potência correspondente com motor rodado por:

Consumo do

alavanca do

do motor

2 horas

 

50 horas

combustível

acelerador

 

rpm

kW (cv)

kW (cv)

kg/h

Máximo

Para desenvolver a potência máxima

2500

> 60.6 (82.5)

 

> 61.8 - 64 (84 - 87)

13.9 - 14.7

Máximo

Para desenvolver

 

> 43.5 (59.2)

 

44.4 - 48

 

um torque

1500

(60.4 - 65.2)

9.4 - 10

Máximo

Nulo (em vazio)

2750 - 2775

-

-

-

Mínimo

Nulo (em vazio)

625 - 675

-

-

-

84990376 - 08 - 1997

14

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MOD. 100 CV - DADOS DE CALIBRAGEM DA BOMBA INJETORA BOSCH TIPO VE 4/11 F 1250 L 678

DADOS DA MONTAGEM

CONDIÇÕES DE TESTE PARA A CALIBRAGEM

Ponto da bomba no motor: início de injeção 7 o ± 1 o antes do PMS no cilindro 1 na fase de compressão. Pré-deslocamento do elemento bombeador para colocar no ponto da bomba no motor: 1 mm do PMI (com a ferramenta 291754 - 291755) Conexão de saída da bomba relativa ao cilindro nº 1:

Bancada de teste conforme a norma ISO 4008/1 /2 ... Injetores conforme a norma ISO 7440-A61 - (1688901027 e pastilha com orifício calibrado Ø 0.5 mm) Calibragem dos injetores: 250 - 253 bar (255 -

marcado com a letra A. COTAS DA MONTAGEM 258 kg/cm 2 ). Pressão de alimentação: 0.35
marcado com a letra A.
COTAS DA MONTAGEM
258 kg/cm 2 ).
Pressão de alimentação: 0.35 ± 0.05 bar (kg/cm 2 ).
Tubulações (conforme a norma ISO 4093.2):
SÍMBOLO
K
MS
ya
yb
mm
3.2-3.4
0.90-1.3
34.9-36.9
47.3-52.5
6 x 2 x 450 mm
Tempo de esvaziamento das buretas: 30"
Fluído de teste: ISO 4113 na temperatura de 45 o ± 1 o C.
1. INÍCIO DE INJEÇÃO
Pré-deslocamento do elemento
bombeador do PMI mm 0
Rotação da bomba (lado do
comando): anti-horária
Ordem de injeção: 1 - 3 - 4 - 2
2. DESLOCAMENTO DO VARIADOR DE AVANÇO
Rpm: 850
Deslocamento de avanço: 1.7 - 2.1 mm
3. PRESSÃO DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO
Rpm: 850
Pressão de alimentação interna: 6.3 - 6.9 bar
4.
VOLUME A PLENA CARGA, COM PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Rpm: 750
Pressão LDA: kPa 100
Volume para 1000 injeções: 74 - 85 cm 3
Desvio: < 3.5 (4.0) cm 3
5.
Rpm: 500
VOLUME A PLENA CARGA, SEM PRESSÃO DE SOBREALIMENTAÇÃO
Volume para 1000 injeções: 63 - 64 cm 3
6. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÍNIMO
Rpm: 335
Volume para 1000 injeções: 8 - 12 cm 3
Desvio: 3.5 (4) cm 3
7. CURVA DE DESVIO COM O REGULADOR AO MÁXIMO
Rpm: 1360
Pressão LDA: kPa 100
Volume para 1000 injeções: 17.5 - 27.5 cm 3
Rpm: 100
8. VOLUME NA ROTAÇÃO DE PARTIDA
Capacidade para 1000 injeções: 80 - 120 cm 3
9. EVOLUÇÃO DA PRESSÃO DE TRANSFERÊNCIA
Pressão LDA
Rpm
Pressão de alimentação interna
kPa
100
850
1050
1200
bar
6.3 - 6.9
7.4 -8.0
8.2 - 8.8
10. EVOLUÇÃO DE AVANÇO DA INJEÇÃO
Pressão LDA
Rpm
Deslocamento de avanço
kPa
100
850
1050
1200
mm
1.7 - 2.1 (1.2 - 2.6)
3.3 - 4.1
4.4 - 5.2 (4.1 - 5.5)
11. VAZÃO DE RETORNO
Rpm
Pressão LDA
Vazão de retorno
350
1250
kPa
100
100
cm 3
46.9 - 85.5 (39.9 - 70.5)
55 - 138 (40 - 153)

OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

84990376 - 08 - 1997

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

15

12. EVOLUÇÃO DAS VAZÕES

Rpm

 

Pressão LDA kPa

Volume para 1000 injeções cm 3

500

 

25 (*)

63 - 64 (60.5- 66.5)

1410

 

100

 

0 - 3 (0 - 3)

1360

 

100

17

- 27 (16 - 28)

1330

 

100

57

- 63 (52 - 68)

1250

 

100

62

- 65 (60 - 67)

750

 

100

74 - 75 (71.5 - 77.5)

500

 

0

51.5-

53 (49 - 55)

350

 

100

78.5 - 81.5 (76.5 - 83.5)

13. VERIFICAÇÃO DE VAZÃO NA ROTAÇÃO MÍNIMA

 

Rpm

335

 

400

 

250

Volume para 1000 injeções

cm 3

8 - 12 (6 - 14)

 

0 - 3

 

27 - 33 (25 - 35)

(*) Vire a porca de ajuste da pré-carga da mola LDA. Curso LDA 4.2 - 6.2 mm. OBS: Os valores acima indicados entre parênteses devem ser utilizados exclusivamente como valores de verificação.

 

14. VAZÃO ZERO (PARADA) MECÂNICO

 

rpm

 

Tensão (volts)

Volume para 1000 injeções: cm 3

335

 

 

0 - 3

15. EVOLUÇÃO AUTOMÁTICA DE VAZÃO DE PARTIDA

 

Rpm

 

Pressão LDA kPa

Volume para 1000 injeções cm 3

100

 

-

 

80

- 120

250

 

-

 

43 - 73

130

 

-

 

82

- 132

 

DADOS DE TESTE NA BANCADA

 

Condições de teste

   

Avanço fixo da injeção do pms do cilindro nº 1 na fase de compressão (consulte página anterior).

 

Umidade relativa 70% ± 5

 

Motor sem ventoinha, filtro de ar e silenciador de descarga Pressão atmosférica: 740 ± 5 mm Hg (altitude de Turim).

Temperatura ambiente 25 o C Peso específico do óleo diesel 830 ± 10 g/litros

Posição da

Carga aplicada

no freio

Rotação

Potência correspondente com motor rodado por:

Consumo do

alavanca do

do motor

2 horas

 

50 horas

combustível

acelerador

 

rpm

kW (cv)

kW (cv)

kg/h

Máximo

Para desenvolver a potência máxima

2500

> 66.5 (90.5)

 

> 68 - 72 (92.5 - 98.5)

15.5 - 16.5

Máximo

Para desenvolver o torque máximo

1500

-

50.8 - 54 (69.2 - 73.2)

11 - 11.6

Máximo

Nulo (em vazio)

2725 - 2775

-

-

-

Mínimo

Nulo (em vazio)

625 - 675

-

-

-

84990376 - 08 - 1997

16

SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DADOS PRINCIPAIS DA BOMBA DE ALIMENTAÇÃO

 

mm

Excentricidade do eixo de comando ..............................................

 

3

Diâmetro do eixo de comando em correspondência das buchas ...

 

31.975 - 32.000

 

Diâmetro interno das buchas instaladas e acabadas no alojamento ...............................................................................

32.050 - 32.075

Interferência entre as buchas e os alojamentos ...........................

0.063

- 0.140

Folga de montagem entre o eixo e as buchas ..............................

0.050

- 0.100

 

Espessura da arruela interna .........................................................

1.45

- 1.50

Espessura da arruela externa ........................................................

2.93

- 3.00

 

DADOS PRINCIPAIS DO BLOCO

 

mm

(cilindro) 100 mm

(cilindro) 104 mm

Bloco .............................................................................................

monobloco de ferro fundido com camisas dos cilindros montadas a seco e substituíveis, incorpora os alojamentos do eixo de distribuição/montagem dos tuchos

Diâmetro interno das camisas dos cilindros ..................................