Você está na página 1de 2

Notícias em Destaque • Liderança da Minoria/PSDB • nº 014 – 06 de julho/2010

Visão Comentada
05 de julho de 2010 LOBBE NETO (PSDB/SP)
Po: Demétrio Weber
A rede estadual de São Paulo
Média escolar piora em 20% das cidades
melhorou mais que a média do
Oito estados não conseguiram cumprir metas previstas
País no ensino fundamental.
para ensinos médio e fundamental
Dos cem municípios melhor
Principal indicador de qualidade do ensino brasileiro, o Ideb
classificados no Ideb, 80 estão
piorou em 1.146 cidades, 20% do total, no período final do
localizados em São Paulo e
ensino fundamental (do 62 ao 92 ano). Os números do MEC
Minas Gerais. Mas, a educação
são para 2009. Ao todo, 23% das cidades ficaram abaixo da
brasileira ainda tem muitos
média prevista no país. Em termos nacionais, as metas
problemas a serem
foram superadas, mas sem desempenho uniforme. Oito
enfrentados.
estados não alcançaram as metas dos ensinos médio e
Ainda temos uma grande
fundamental.
defasagem entre as escolas
públicas e privadas. Uma saída
para o país é o investimento
maciço em educação com bons
05 de julho de 2010 gestores.
Por: Talita Bedinelli e Antônio Gois
Melhor da cidade de SP investe nos pais Melhorar a formação dos
professores e valorizá-los,
tornar o currículo escolar mais
A melhor colocada entre as escolas públicas de 5º ano na
eficiente, ampliar o número de
capital, com nota 7,6, chama atenção pelo capricho. (...)
escolas técnicas e
Para o diretor, entretanto, o segredo do sucesso está na
profissionalizantes e trabalhar
participação dos pais. São feitas reuniões mensais com eles,
para manter os jovens em sala
com uma média de 85% de frequência. "Dizemos para eles
de aula são algumas ações que
que é importante acompanhar porque isso incentiva o
podem fazer com que o Brasil
aluno", afirma.
alcance índices superiores na
SÂO PAULO
educação, compatíveis com os
A nota dos quintos anos da rede estadual de São Paulo
países da OCDE (Organização
melhorou 0,7 ponto no Ideb entre 2007 e 2009. A evolução
de Cooperação e de
foi maior que a da média do país, que foi de 0,4 -igual a rede
Desenvolvimento Econômico).
municipal da capital paulista na série.

Participe! Envie sua opinião para liderancadaminoria@gmail.com e acompanhe o trabalho da


oposição no Blog www.liderancadaminoria.com.br
Notícias em Destaque • nº14 • 07 de julho 2010 • Liderança da Minoria/PSDB
Deputados: Gustavo Fruet (PR), Vanderlei Macris (SP), Luiz Carlos Hauly (PR), Paulo Abi-Ackel (MG)
06 de julho de 2010
Por: Dimmi Amora
Custo do trem-bala é imprevisível, diz TCU
Para Tribunal de Contas, apenas 4,4% das sondagens para estimar o preço do projeto foram
feitas. Mesmo assim, o órgão decidiu aprovar os estudos de viabilidade elaborados pela
agência nacional de transportes

É impossível saber quanto custará o trem-bala entre São Paulo e Rio, aponta relatório do
Tribunal de Contas da União. Segundo a área técnica do TCU, os estudos geológicos para a
obra foram insuficientes, informa Dimmi Amora.
Foram realizados apenas 4,4% da quantidade mínima de sondagens para estimar o preço da
obra. Apesar das restrições técnicas, os ministros do tribunal aprovaram os estudos de
viabilidade da Agência Nacional de Transportes Terrestres.
A ANTT estimou a obra em R$ 21 bilhões, 63% do total do projeto. O edital de licitação sairá
nesta semana. Em casos similares, o TCU determinou que projetos fossem revistos. Pesou
agora a pressão do governo para que isso não ocorresse.
Se o estudo fosse refeito, não haveria licitação neste ano. Como a obra será fiscalizada, os
ministros preferiram evitar embaraços. Segundo a ANTT, cabe aos construtores definir o
traçado final. Por isso, não houve cálculos precisos.

Visão Comentada
Vanderlei Macris (PSDB/SP)

Depois de quatro anos de análise, o TCU deu o seu aval para a implantação do trem rápido
que ligará as cidades de Campinas (SP), São Paulo e Rio de Janeiro. Na sessão do Tribunal, o
ministro Augusto Nardes relatou que a demora foi motivada pelo governo Federal que foi
moroso na entrega dos documentos. Nardes ainda destacou que as planilhas do projeto só
foram apresentadas no dia 12 de maio deste ano.
A demora em finalizar o projeto é a minha briga com o governo Federal que, por vezes,
anunciou que o Trem de Alta Velocidade era o principal projeto do PAC. Mas já foi alardeado
a segunda versão do programa, com divulgação até de outras duas linhas para o TAV, e, no
final do mandato presidencial, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) entrega
os documentos para a finalização da análise do TCU.
Lembro que, até a aprovação do projeto do TAV pelo TCU, sete países demonstraram
interesse na construção (Japão, China, Coreia do Sul, França, Espanha, Itália e Alemanha) e
praticamente todos já têm seus consórcios formados. E agora com as ressalvas do Tribunal,
será que algum país desistiu do projeto ou mais algum grupo entrou na disputa? Estas
questões ainda não foram respondidas. Será preciso esperar o edital finalmente ser lançado
para, então, vermos o interesse concreto, não só dos consórcios, mas do governo Federal.
Por isso, a oposição deve continuar atenta à fiscalização desse projeto, contando que ele
não sirva como peça de animação publicitária para fins eleitorais e impedindo a nova versão
de uma antiga e desastrosa “saga”, como foi a de Paulo Maluf/Celso Pitta no governo de São
Paulo.

Participe! Envie sua opinião para liderancadaminoria@gmail.com e acompanhe o trabalho da


oposição no Blog www.liderancadaminoria.com.br
Notícias em Destaque • nº14 • 07 de julho 2010 • Liderança da Minoria/PSDB
Deputados: Gustavo Fruet (PR), Vanderlei Macris (SP), Luiz Carlos Hauly (PR), Paulo Abi-Ackel (MG)