Você está na página 1de 20
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Profa. MSc. FRANCISCA L. RODRIGUES
Conhecimentos exigidos  Cálculo Fundamental: Derivadas, Integrais, Equações Diferenciais.  Mecânica:

Conhecimentos exigidos

Cálculo Fundamental: Derivadas, Integrais, Equações Diferenciais. Mecânica: Equilíbrio Estático, Centroides de áreas planas, Momentos de 1a. e 2a. Ordem (momento

estático e momentos de inércia).

Conteúdo

Esforços Solicitantes

Introdução

Classificação

Esforço Normal

Esforço Cortante

Momento Fletor

Momento de Torção

Cálculo dos esforços

Diagramas

Regras para o traçado

Aplicações

Fletor  Momento de Torção  Cálculo dos esforços  Diagramas  Regras para o traçado
Introdução Pretende-se analisar os efeitos que a transmissão de um sistema de cargas externas aos

Introdução

Pretende-se analisar os efeitos que a transmissão de um

sistema de cargas externas aos apoios provoca nas

diversas seções que constituem o corpo em equilíbrio.

Para tanto, supõe-se o corpo em equilíbrio sob efeito de

um carregamento qualquer.

Forças externas

Forças externas

Forças externas
 As forças de superfície que se desenvolvem nos apoios ou pontos de contato entre
 As forças de superfície que se desenvolvem nos apoios ou pontos de contato entre
 As forças de superfície que se desenvolvem nos apoios ou pontos de contato entre
 As forças de superfície que se desenvolvem nos apoios ou pontos de contato entre

As forças de superfície que se desenvolvem nos apoios ou pontos de contato entre corpos são

chamadas reações.

As reações de apoio são calculadas a partir das equações de equilíbrio da estática.

ΣFx=0

ΣFy=0

ΣM=0

Tipos de apoios

Tipos de apoios

Tipos de apoios
Equilíbrio interno
Equilíbrio interno
Equilíbrio interno
Equilíbrio interno
Equilíbrio interno
Esforços internos
Esforços internos
Esforços internos
Esforços internos
Esforços internos
Classificação dos Esforços Solicitantes
Classificação dos Esforços
Solicitantes
Classificação dos Esforços Solicitantes
Esforços Solicitantes
Esforços Solicitantes
Esforços Solicitantes
Esforços Solicitantes
Cálculo das solicitações Será feita a análise em estruturas sujeitas a carregamento plano onde os

Cálculo das solicitações

Será feita a análise em estruturas sujeitas a carregamento

plano onde os esforços desenvolvidos são: o esforço

normal N (ΣFx), o esforço cortante V (ΣFy) e o momento

fletor M (ΣM).

Relação entre carga, cortante e fletor

Carga distribuída uniformemente

cortante e fletor  Carga distribuída uniformemente trecho. Σ A derivada da função força cortante de
trecho.
trecho.

Σ

A derivada da função força cortante

de um trecho reto é a menos de sinal,

a força distribuída que existe neste

A derivada da função momento

fletor de um trecho reto é a

função força cortante que existe

neste trecho

 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação
 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação
 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação
 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação

Derivando a expressão 2 em relação a x

 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação diferencial
 Derivando a expressão 2 em relação a x A expressão (3) mostra a relação diferencial

A expressão (3) mostra a relação diferencial

entre o momento fletor; a força cortante e a carga

aplicada.

Diagramas de Esforços Solicitantes Os esforços solicitantes estão associados à seção transversal, isto é, mudando

Diagramas de Esforços Solicitantes

Os esforços solicitantes estão associados à seção

transversal, isto é, mudando a seção pode ocorrer a

mudança do(s) esforço(s).

Desta forma é possível determinar como cada tipo de

esforço varia, de seção em seção, ao longo dos eixos das

barras de uma estrutura.

Esta variação pode ser mostrada graficamente usando os

eixos das barras como eixos das abscissas e os esforços

representados nos eixos das ordenadas.

Normas para traçado dos diagramas de esforços

a) Os valores dos esforços seccionais serão marcados em

escala, em retas perpendiculares ao eixo da peça, nos pontos

onde estão atuando; b) Valores positivos de esforço normal e esforço cortante

serão marcados para cima nas barras horizontais e para fora

nas verticais (ou inclinadas);

c) Valores positivos de momento fletor serão marcados para

baixo nas barras horizontais ou para dentro nas verticais (ou

inclinadas);

d) Sob a ação de uma carga concentrada, o diagrama de

momento fletor apresenta um ponto anguloso e o diagrama

de esforço cortante uma descontinuidade de intensidade

igual ao da carga atuante;

Normas para traçado dos diagramas de esforços

e) Sob a ação de uma carga-momento, o diagrama de

momento fletor apresenta uma descontinuidade de

intensidade igual ao da carga-momento;

f) Num trecho descarregado, o diagrama de esforço

cortante apresenta uma linha paralela em relação ao eixo

da peça;

g) Sob a ação de uma carga uniformemente distribuída, o

diagrama de esforço cortante apresenta uma linha

inclinada em relação ao eixo da peça. Já o diagrama de

momento fletor apresenta uma curva de grau duas vezes

superior ao da ordenada de carga no trecho.

Exercício  Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada
Exercício  Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada
Exercício  Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada
Exercício  Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada

Exercício

Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada

Exercício  Esboçar os diagramas de solicitações da estrutura mostrada
Bibliografia  BEER , F P. Resistência dos Materiais . 3.ed. São Paulo: Makron Books

Bibliografia

BEER , F P. Resistência dos Materiais . 3.ed. São Paulo:

Makron Books do Brasil, 2004.

HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais. 7.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

GERE,J M., GOODNO, B. J. Mecânica dos Materiais.

7.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

TIMOSHENKO , S. P. Mecânica dos Sólidos : volume I. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1983.