Você está na página 1de 1

PARAÍBA, 08 a 14 de março de 2013 B-9

O mundo pode explodir. Assim como Ela. Mãe cuidadosa, Esposa companheira.” Ainda
O som das sirenes aumenta de volume. consigo sussurrar “mamãe, esse é o Junior...”
Estou chegando. Já consigo ver a entra- E um tiro atinge meu joelho, meus olhos vi-
da do cemitério. O segurança tenta me parar, ram, a dor é grande, e o feto urra ao sentir
mas o medo fala mais alto, e ele abre caminho minha aflição. Atrás de mim, posso ver uma
para o meu corpo maldito sem abrir um piu. ambulância, a enfermeira que fez o parto da
Meu estômago começa a arder bastante, defe- vagabunda da minha esposa, minha amada
co mais um pouco de morte, sinto as lesmas esposa vadia e defunta, aquela que arranquei
seguindo nossa trilha, coloco a mão no feto, o pescoço, mastiguei a boca, e cuspi sua vida
sussurro “Junior, meu amor, falta pouco,” e de dondoca pra fora da janela do hospital.
Bruno Ribeiro vomito alguma substância fina, e a imundice Ouçam, seus vermes, ele é meu.
do cemitério faz com que me sinta em casa. Só meu.
Quatro carros da polícia param na en- Em que lugar ele poderia passar a infân-

FETUS
trada do cemitério, um quinto carro estoura o cia? Anônimo, entregue as pragas? Antes den-
portão de entrada, a sirene vermelha apitan- tro de mim, seja na realidade ou no onírico,
do incessantemente, enquanto o veículo freia ele é meu. Não é dela e dos seus gostos refi-
bruscamente, e dois policiais armados com nados e ódios precários. Traidora desgraçada.
pistolas semi-automáticas descem, cuspindo A vagabunda nunca gostou da sogra, foda-se,
blasfêmias contra mim e minha cria. “Ele me espero que ela veja que Junior preferiu a vovó
escolheu,” começo a gritar, apodrecendo aos à mamãe esquartejada.
poucos, e sentindo meu pulmão vazar, “ele Rastejo pela terra molhada do túmulo de
precisa conhecer mamãe, deem o fora.” Chego mamãe. Um policial com voz de galã pede pra
ao túmulo, ouço um disparo, suas vozes gros- eu ficar parado, insisto em continuar. Segu-
seiras dizem “levanta os braços, porra, levan- ro os dedos miudinhos do Junior enquanto
ta,” e vou chegando perto, e o Junior imóvel, começo a chorar efusivamente, um policial
seu corpinho contorcido dentro de mim. Nin- grita: “em três, dois, um,” meus miolos viajam
Para Augusto dos Anjos transbordando um carnegão fétido através guém entenderia. Ninguém. até o túmulo da dona Maria de Lima, a mãe
do meu cu: o líquido amarelado e grosso

P
Nosso filho decidiu ficar do meu lado. cuidadosa e esposa companheira.
orra, uma enfermeira tenta me agredir insiste em ficar pingando por onde passo, No túmulo, está escrito “Maria de Lima – Junior deve ter parado de chorar.
com uma bolsa perfumada de Leite de fazendo com que as pessoas tampem seus
Rosas, ela está transtornada, ainda narizes, vomitem, gritem, e algumas até des-
dá pra ver a baba descendo até o de- maiem ao sentir o cheiro do chorume que
cote do seu vestido de cetim. Eu começo a fica vazando.
correr daí tropeço na calçada, enfio a cara no Mas nada disso importa.
paralelepípedo, sinto o gosto febril do sangue Nosso filho decidiu ficar do meu lado.
vazando da boca, e no meu estômago, meu Escarro um pouco de sangue, mas a
filho permanece intacto. Seu corpo miúdo, cor não é vermelha, é verde, e ouço um berro
avermelhado, careca e com nervos expostos sepulcral, é o Júnior que grita lá da terra dos
está preso em minhas tripas, como uma es- mortos, simulando o uivo de um lobo sem
pécie de furúnculo externo. A simbiose do matilha, e o moleque grita alto, viu; natimor-
meu filho morto e meu organismo se deu há to e sem pressa, fazendo com que todos ao
poucos minutos, quando engoli minha espo- nosso redor arregalem os olhos de pânico,
sa por conta da traição da mesma. boquiabertos de medo.
Nosso filho decidiu ficar do meu lado Começo a escutar sirenes.
no embate. Tá na hora de acelerar.
Tudo soa hostil agora. Ninguém me Alguns podem me chamar de hediondo,
entende. A população não sabe o que fazer mas isso é amor. Júnior faz parte do papai
quando visualiza meu corpo enfermo. O lan- aqui, e juntos nós vamos fugir dessa socie-
ce é que o pavor da galera é só por causa do dade errônea e cheia de preconceitos. Ele é
Junior. meu, faz parte de mim, mortos ou vivos, não
Meu amado filhinho: 7 meses incom- importa. Eu aliso sua cabeça nefasta, seu la-
pletos. mento é intensificado, causando uma eufo-
Uma graça. ria coletiva na humanidade ao nosso redor,
O cordão umbilical estrangula o pes- e caralho, o moleque agora berra um gutural
coço miúdo do feto acoplado a mim, inter- cheio de eco, até vejo algumas janelas sen-
ligando nossos corpos de maneira precária, do detonadas; carros batendo um no outro,
porém consistente. O resto do cordão está mulheres estourando a cabeça em muros,
amarrado ao meu intestino grosso, firme homens saltando de pontes, o caos ao nosso
como nó de marinheiro. Recentemente, fica redor, repulsões coletivas, a merda toda.

Ana Adelaide Peixoto da do grupo Lupo; e por entre os
flamboyants e as jaboticabeiras,

As Mulheres,
fiquei a exercer o pensamento de
A escritora, ensaísta, e Woolf de fazer Pontes entre as
minhas ideias e as da aluna; no
pensadora inglesa Virgi- meu trabalho de arqueologia of
nia Woolf viu a guerra de my own, e pensando back throu-
gh our mothers, me apropriando

A Guerra, & A
perto. Viveu no início do assim das hipóteses da dou-
século XX e perdeu seu toranda de que, nós mulheres
pensamos sim através das nos-
irmão em uma das guerras sas mães – uma matrilinhagem;
mundiais. Perda essa que, assim também como “In search
o four mother´s garden”, como

Hora Mais Escura
depois serviu de referência tão bem pensou e escreveu sobre
jardins e criatividade, a escritora
para criar seu personagem púrpura Alice Walker.
Septimus, em seu romance Pedindo emprestado à
essa escritora tão querida, e à
Mrs. Dalloway. Mas não só. uma política pacifista bastante vez que esses mesmos homens querendo ir para um lugar antes rios de gênero, mas não só. minha avaliada que deu show
revolucionária. tem-se mostrado implacavelmen- lhe negado, talvez para corroborar Todas essas questões de com seu trabalho, eu possa ter

E
m seu Ensaio “Three Gui- Para Woolf, era instigante se te destrutivos em relação à vida. a frase da personagem Sally Seton Woolf, e mais umas tantas outras, tido um lapso de uma “mente
neas”, Virginia Woolf pro- perguntar porque o homem devota E que, a tarefa monumental que de Mrs. Dalloway quando ironica- foram discutidos por ocasião da incandescente”, para pensar
curou responder como se o seu tempo e energia à guerra. E os movimentos de mulheres e as mente critica os papéis ditos femi- defesa de uma tese de doutorado nas heroínas de Woolf, mas
podia evitar a guerra. E respondia que: pela glória e neces- mulheres tem hoje é a de cons- ninos x masculinos, quando diz: de Maria Aparecida Oliveira: “Vir- não só, nas suas personagens,
ela responde ironicamente que, sidade ou satisfação, uma vez que truir uma nova ordem simbólica “Nós povoamos o mundo, eles (os ginia Woolf: Um Projeto Político x cujas vozes antigas parecem
com três simbólicas moedas a a guerra, era uma profissão, uma não mais centrada sobre o falo (o homens) o civilizaram!”??? Um Projeto Estético”, discussão perdurar no tempo; na solidão
diferentes causas: No primeiro fonte de felicidade e excitação, e poder, o matar ou morrer), mas E last but not least..., a di- essa estabelecida em um diálogo da mulher no período entre
Guinea – ela discute sobre a também uma válvula de escape uma nova ordem que possa per- retora Katheryn Binglow vencedo- intrínseco entre seus textos teó- guerras, solidão essa que hoje
construção de faculdades para para as atividades masculinas. mear desde o inconsciente indivi- ra do Oscar de melhor direção por ricos Um Teto Todo Seu e Three vejo irradiada nas mulheres
mulheres, e pensa sobre a dis- E foi além, quando se per- dual até os sistemas macroeconô- Guerra ao Terror, e agora, com Guineas e seus romances Mrs. executivas e seus terninhos e
crepância de tempo, pois en- guntou: De que modo as mulhe- micos, agora, numa nova ordem seu mais novo filme: A Hora Mais Dalloway e To The Lighthouse. sapatos scarpins; e nas coisas
quanto os homens são educados res poderiam prevenir a guerra? estruturada sobre a vida.” Escura, não só se atreve a contar Nesse trabalho de pesqui- belas e sujas da vida na políti-
há 600 anos, as mulheres só Com mais educação, participação A maioria das minhas a estória sobre a captura do maior sa de fôlego, dentre tantas coi- ca, mas que com humor e re-
há 60 tiveram acesso ao conhe- efetiva nas decisões globais, mas amigas não gostam de filmes de inimigo contemporâneo de guerra: sas interessantes, anotei uma sistência, seguimos adiante.
cimento. No segundo Guinea, aí, ponderava Woolf, uma outra guerra. E eu adoro! Ainda mais Bin Laden, como também a sua citação que fala do personagem Quanto às guerras? Antes
Woolf pensa sobre as profissões armadilha se criava: Se as mu- se tiver história de amor no meio. protagonista é uma mulher linda, de Mrs. Dalloway, ressaltan- ou depois do front real, temos
para mulheres, e finalmente no lheres tivessem a mesma educa- “Platoon”, “A Escolha de Sofia”, magra, elegante, ruiva, silenciosa do o fato de que a personagem tantas outras batalhas cotidia-
terceiro Guinea, ela faz consi- ção destinada à uma sociedade “As Pontes do Rio Kwai”, “A lista e enigmática, capaz de enfrentar constrói a cidade, à medida que nas para enfrentar nos nossos
derações sobre o combate ao patriarcal, não estariam as mu- de Schlinder”, “O Pianista”, “Gri- horas de tortura, de poeira, de si- caminha por ela. Nesse caso o três vinténs de cada dia.
Facismo, e fala que as mulheres lheres destinadas a defenderem tos de Silêncio”, “Além da Linha lêncio e perigo. pedestre-enunciador cria mais Como se já não me bas-
tem pouco a agradecer ao país, a guerra também? Vermelha”, “Apocalipse Now”, Talvez o nosso lado andró- significados pelos pés que cami- tasse minhas guerras diárias da
no caso a Inglaterra, e se an- E pensando nos Guineas e “Bastardos Inglórios”, e tantas gino, para retornar assim outro nham do que pela voz que enun- vida de uma mulher “ordinária”,
tecipa às teorias pós-coloniais na prevenção da guerra do texto outras estórias desse mundo conceito de Woolf, da capitã Maya, cia. Estava decifrado meu enig- não gostaria de ainda ter que pe-
quando brada: “As a woman I de Woolf, como não fazer refe- inexplicável e horrendo da guerra. ou de nós todas, esteja presente ma! do meu gosto por me perder gar numa arma de verdade!
have no country. As a woman rência à uma outra pensadora, a Fico com receio de estar diante de em lugares sombrios intocáveis, e me achar em lugares nunca (Fonte de referências, pa-
my country is the whole world”, brasileira Rose Marie Muraro, e o uma ambiguidade e contradição mas que, depois da conquista do dantes navegados. São os meus ráfrases e inspiração: Tese de
propondo uma revisão histórica seu texto “Por uma Nova ordem frente às ideias de Woolf... voto, e de tantos outros voos im- pés criativos!!! E eu, como uma Doutorado de Maria Aparecida
e cultural, se opondo ao discur- simbólica”, quando ela fala de Mais recentemente vi as no- portantes, tenhamos nos tornado boa pessoa do devaneio, já me Oliveira – defendida e aprovada
so nacionalista e sugerindo uma “como as mulheres estão entran- tícias de que os Estados Unidos a própria imagem do que a teóri- pus a caminhar/pensar. bravamente no último dia 25/02,
visão de mundo que nos liberte do nos sistemas simbólicos mas- já admitem as mulheres na linha ca Jane Marcus, criou de Woolf, E, enquanto caminhava na Unesp-Araraquara. Obrigada
do desejo de posse e dominação culinos; ajudando a desconstruir de Front, e qual minha surpresa, a de um soldado num campo de pelas ruas arborizadas de Arara- Cida, pela oportunidade e mo-
sobre o outro, criando assim a ordem universal de poder, uma a fila está grande. As mulheres batalha, a cruzar difíceis territó- quara, e da Unesp; a casa-fazen- mento de Epifania.)

Interesses relacionados