Você está na página 1de 134

CURSO DE LIBRAS 120 HORAS

DEPARTAMENTO DE LIBRAS ASSEMBLÉIA DE DEUS BACABAL -MA

CURSO DE LIBRAS – 120 HORAS DEPARTAMENTO DE LIBRAS – ASSEMBLÉIA DE DEUS – BACABAL -MA

BACABAL MA

2016

OBJETIVO DO CURSO

Para diminuir as barreiras da comunicação existentes entre o mundo dos ouvintes e dos surdos, pensamos em desenvolver este curso que irá esclarecer e beneficiar as pessoas quanto ao conhecimento da Língua Brasileira de Sinais-LIBRAS para todas as pessoas com o desejo de aprender a língua usada pelas pessoas com surdez. Portanto, justifica-se a necessidade de ministrar o curso Básico de LIBRAS de 120hs no congregação da igreja Assembleia de Deus em Bacabal- MA, bairro:

COHAB I. O curso que tem por objetivo, oferecer ferramentas aos que facilitem a comunicação entre surdos e ouvintes. Todos os valores arrecadados serão para manutenção do departamento de LIBRAS ADB.

PÚBLICO ALVO: Todas as pessoas que desejam aprender sobre LIBRAS

REQUISITOS NECESSÁRIOS

Ter disponibilidade para participar de todas as aulas.

Compromisso com as aulas. O aluno só poderá faltar 25% das aulas presenciais.

Utilização da camisa do curso.

Compromisso com todas as atividades. O aluno terá uma média que será dada conforme cada uma das atividades repassadas, serão ao total 20 atividades que serão contabilizadas com carga horária.

Ser esforçado e não se limitar somente ao conteúdo ministrado em sala de aula, procurando diversas fontes que possibilitem um melhor aprendizado.

CARGA HORÁRIA

120 horas

20 atividades complementares e 20 aulas presenciais.

VAGAS: 20 vagas disponíveis por turma.

MATERIAIS:

Apostila,

vídeos

aulas,

dicionário

nacional

de

libras,

músicas

e

aplicativos.

INSTRUTORES: Coordenação do departamento de libras ADB (Assembleia de Deus de Bacabal MA)

SUMÁRIO

HISTÓRIA DOS SURDOS

6

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS

7

QUEM SÃO OS SURDOS?

8

Deficiência Auditiva

8

Surdo-Mudo

8

O

que é o Surdo-Mudo?

9

O

que é a deficiência auditiva?

9

Desmistificando os estereótipos

Desmistificando os estereótipos

9

A Língua de Sinais não é

9

Surdez

10

ALFABETO

MANUAL

 

10

Dedos da

mão:

10

Sinais

Básicos

18

Sinais

relacionados à escola

19

ICONICIDADE E

ARBITRARIEDADE

20

Sinais

icônicos

21

Sinais

Arbitrários

22

ESTRUTURA GRAMATICAL

23

Os 5 parâmetros

23

Configuração da mão (CM):

23

Ponto de articulação (PA):

26

Movimento (M) :

 

27

Orientação:

27

Expressão facial e/ou corporal

30

NUMERAIS

32

Numerais

ordinais

 

32

Utilização dos numerais para valores monetários

33

Numerais para valores

35

DIAS DA SEMANA

35

DATAS COMEMORATIVAS

35

MESES

35

SINAIS BÁSICOS

40

Sinais relacionados a transações comerciais e bancárias

40

Sinais relacionados a pesos e medidas

41

Sinais para características de roupas

42

Sinais

para

cores e tonalidades

42

Sinais relacionado ao Estado Civil

43

Estações do ano

44

Pontos cardeais

45

Antonimos

46

Alimentos

48

Animas e insetos

49

Família

50

Frutas

52

Meios do comunicação

52

Meios

de

transporte

53

Vestuário

 

54

Pronomes

Interrogativos

55

Pronomes

pessoais

55

Pronomes

demonstrativos e advérbios de lugar

59

Pronomes

possessivos

61

Pronomes

interrogativos

62

Pronomes

e Expressões Interrogativas

63

Pronomes

indefinidos

64

Pronomes

indefinidos

e quantificadores

66

ADVÉRBIOS

67

Advérbios de modo incorporados aos verbos

67

Expressões interrogativas e advérbio de frequência

68

Advérbios de tempo (frequência)

69

Intensificador e Advérbios de modo

71

Sinais com incorporação de intensificador ou advérbio de modo

72

Os advérbios de tempo

73

DIREÇÃO PERSPECTIVA

74

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS RELACIONADAS AO ANO SIDERAL

77

Sinais relacionados ao ano sideral

79

O

VERBO ―IR‖ E SUAS VARIAÇÕES

79

OS TIPOS DE VERBO NA LIBRAS

80

Verbos relacionados meios de comunicação e trabalho

87

Verbos

na forma negativa

 

95

Diversos Verbos

96

Verbos ilustrados

98

Verbo SER e FICAR em libras

101

Contextualizando verbos

101

TIPOS DE FRASES NA LIBRAS

102

COMPONENTES NÃO MANUAIS

106

ESTRUTURA SINTÁTICA

107

FORMAÇÃO DE PALAVRAS

109

POLISSEMIA

112

OS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE SINAIS NA LIBRAS

113

SINAIS

SINAIS

EM CONTEXTOS

115

"MAIS" E SEUS CONTEXTOS

117

QUE HORA E QUANTAS HORAS

120

ADJETIVOS NA LIBRAS

121

COMPARATIVO DE IGUALDADE, SUPERIORIDADE E INFERIORIDADE

123

GRAU COMPARATIVO

124

VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS

124

TIPOS DE CLASSIFICADORES

128

OS CLASSIFICADORES E OS ADJETIVOS DESCRITIVOS NA LIBRAS

130

ROLE-PLAY

132

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

133

HISTÓRIA DOS SURDOS

HISTÓRIA DOS SURDOS Todos nós temos direitos ao acesso à educação e demais recursos que nos

Todos nós temos direitos ao acesso à educação e demais recursos que nos são necessários ao desenvolvimento e convívio social como ser humano, que seja portadores ou não de necessidades especiais, Porém, ao longo da história, os Surdos sofreram a ponto de serem julgados incapazes de desempenharem atividades inerentes a qualquer pessoa julgada como ―normal‖. Os surdos foram então excluídos da sociedade e tiveram seus direitos desrespeitados, principalmente o de acesso à educação. A história da humanidade apresenta a surdez como um distúrbio, segundo ALMEIDA (2012, p. 22 apud Falcão, 2010, p.21) o estigma da surdez é seguido de preconceitos e chavões que denigrem o indivíduo por pouco. PONTES (2010, p. 11 apud, Honora, Frizanco, 2009) relata que até o século XII, os surdos não tinham o direito ao testamento, à escolarização, e nem mesmo de conviverem nos mesmos lugares que os ouvintes, o autor destaca que os surdos também eram privados de construírem a sua própria família, a razão disto, segundo o autor, é que a surdez em diversas vezes, era confundida como baixa inteligência, por ser a fala o resultado do pensamento, com base nisso, se o surdo não falava, logo não pensava, e se o surdo não pensava, então não poderia ser considerado humano, este conceito era sustentado pelos gregos e romanos na época. ALMEIDA (2012, p. 22 apud, MAZZOTA, 1996) descreve que os casamentos sanguíneos naquela época seria uma das razões dos nascimentos de pessoas com deficiência auditiva, pois os nobres casavam-se para não dividir a herança com estranhos. Em virtude da falta de comunicação, os surdos, não se confessavam, e por isso suas almas eram consideradas mortais, contundo, a igreja católica convidou monges com a finalidade de ensinar os surdos a se comunicarem, pois os monges haviam criado uma linguagem gestual para que não ficassem completamente incomunicáveis. Os primeiros educadores de surdos surgiram no século XVI no Ocidente, entre eles, o italiano médico, matemático e astrólogo, Gerolamo Cardano, que tinha um filho surdo, ele pesquisou e descobriu que a escrita representava os sons de fala ou das ideias do pensamento e a partir dessa pesquisa Cardano garantiu que a surdez não impedia os surdos terem instruções. Na mesma época, uma família espanhola teve vários descendentes surdos, pelos costumes já mencionados anteriormente, foi então que dois membros dessa família partiram para o mosteiro de

Ponce de Leon, a busca de uma educação para os surdos de sua família, onde

Ponce de Leon, a busca de uma educação para os surdos de sua família, onde juntos criaram a língua de sinais. Ponce de Leon foi professor de muitos surdos e mostrou que era possível educá-los, como prova disso, seus alunos surdos foram pessoas importantes que dominavam Filosofia, História, Matemática e outras ciências, por isso, o educador ficou conhecido por toda a Europa, contrariando as várias a afirmações sobre a surdez. Ao longo da história existiram diversos educadores que se dedicaram na educação dos surdos como: Van Helmont, Jacob R. Pereira, Jonn C. Amman, que criaram métodos diferentes de ensino, dentre eles, a datilologia, a língua auditivo-oral nativa, e outros códigos visuais. Segundo FERREIRA, ALCÂNTARA (2014) durante o segundo Império no Brasil deu-se início a educação dos surdos com a vinda do educador Hernest Huet, que era ex-aluno do Instituto de Paris, ele trouxe o alfabeto manual francês e a Língua Francesa de Sinais. A partir de então, originou-se a Língua Brasileira de Sinais, com grande influencia da língua francesa. Na época não havia escolas especiais, Huet solicitou ao Imperador Dom Pedro II, um prédio para fundar, em 26 de setembro de 1857, o Instituto dos Surdos do Rio de Janeiro que é atual Instituto Nacional de

Educação dos Surdos INES.

Instituto Nacional de Educação dos Surdos – INES. LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS – LIBRAS FERREIRA,

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS

FERREIRA, ALCÂNTARA (2014 p. 3) comentam que Libras é a sigla usada para se referir a Língua Brasileira de Sinais, que por sua vez é usada nas comunidades surdas do Brasil. Os autores ressaltam que a língua de sinais é diferente das demais línguas em razão de sua modalidade visual-espacial. ALMEIDA (2012) aponta que as línguas de sinais, têm conquistado espaço maior no contexto educacional, contudo ainda há um pouco de preconceito procedentes do estigma que sofreram os surdos e sua língua de sinais. A Libras foi reconhecida como meio legal de comunicação e expressão das comunidades surdas no Brasil pela lei 10.436, de 24 de abril de 2002, sendo regulamentada somente três anos mais tarde pelo decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Em 1993 a Língua Brasileira de Sinais foi denominada Libras a partir do II Congresso Latino Americano de Bilinguismo para Surdos, substituindo à denominação LSCB, que era o termo utilizado em pesquisas linguísticas e termo Libras era utilizado pela comunidade

surda. As línguas de sinais, hoje, já são consideradas pela linguística como línguas naturais ou

surda. As línguas de sinais, hoje, já são consideradas pela linguística como línguas naturais ou como um sistema linguístico legítimo. A libras iniciou-se legalmente no Brasil a partir da década de 90, Minas Gerais foi o primeiro Estado brasileiro, cuja legislação incluiu a Língua de Sinais utilizada pela comunidade surda. No Estado do Paraná a língua de sinais foi reconhecida no ano de 1998. No dia 24 de abril de 2002 foi tomada pelo Congresso Nacional, a lei federal nº 10.436, que declarou nos seus três primeiros artigos:

QUEM SÃO OS SURDOS?

São aquelas pessoas que utilizam a comunicação espaço- visual como principal meio de conhecer o mundo, em substituição à audição e à fala. A maioria das pessoas surdas, no contato com outros surdos, desenvolve a Língua de Sinais. Já outros, por viverem isolados ou em locais onde não exista uma comunidade surda, apenas se comunicam por gestos. Existem surdos que por imposição familiar ou opção pessoal preferem utilizar a língua oral (fala).

Deficiência Auditiva

Termo técnico usado na área da saúde e, algumas vezes, em textos legais. refere-se a uma perda sensorial auditiva. Não designa o grupo cultural dos surdos.

Surdo-Mudo

Provavelmente a mais antiga e incorreta denominação atribuída ao surdo, e infelizmente ainda utilizada em certas áreas e divulgada nos meios de comunicação, principalmente televisão, jornais e rádio. O fato de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda. A mudez é uma outra deficiência, totalmente desagregada da surdez. São minorias os surdos que também são mudos. Fato é a total possibilidade de um surdo falar, através de exercícios fonoaudiológicos, aos quais chamamos de

surdos oralizados. Também é possível um surdo nunca ter falado, sem que seja mudo, mas

surdos oralizados. Também é possível um surdo nunca ter falado, sem que seja mudo, mas apenas por falta de exercício. Por isso, o surdo só será também mudo se, e somente se, for constatada clinicamente deficiência na sua oralização, impedindo-o de emitir sons. Fora isto, é um erro chamá-los de surdo-mudo. Apague esta ideia!

O que é o Surdo-Mudo?

Erro social dado ao fato de que o surdo vive num ‗‘silêncio‖ rotulado pela própria sociedade (por falta de conhecimento do real significado das duas palavras).

Surdez: dificuldade parcial ou total no que se refere à audição

Mudez: problema ligado à voz.

O que é a deficiência auditiva?

É apenas uma perda sensorial, por isto as pessoas com problemas de audição têm potencialidade igual à de qualquer ouvinte. Comunicação com liberdade e segurança. Para os surdos a língua de sinais é fundamental, pois só através dela podem se comunicar.

Desmistificando os estereótipos

Nem todo surdo é mudo;

Nem todos os surdos fazem leitura labial;

Nem todos os surdos sabem Língua de Sinais;

Ao falar com surdo não é necessário tocá-lo fortemente e/ou falar em voz alta.

A Língua de Sinais não é universal.

Surdez

Surdez  Surdez á a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons. De acordo com

Surdez á a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a pessoa que não percebe sons acima 26 dB é portadora de surdez. A surdez pode ser:

Leve: as pessoas podem não se dar conta que ouvem menos: somente um teste de audição (audiometria) vai revelar a deficiência. E a perda acima de 25 a 40 decibéis (D.B.);

Moderada: É a perda de 41 a 55 (D.B.). Os sons podem ficar distorcidos e na conversação as palavras se tornam abafadas e mais difíceis para entender, particularmente quando têm várias pessoas conversando em locais com ruído ambiental ou salas onde existe eco. A pessoa só consegue escutar os sons muito altos como o som ambiente de urna sala de trabalho e tem dificuldade para falar ao telefone.

Severa: a perda de 71 a 90 (D.B.). Para ouvir, a pessoa precisa de um som tão alto quanto o barulho de uma impressora rotativa (até 80 decibéis).

Surdez profunda: É a perda Acima de 91 (D.B.). A pessoa só ouve ruídos como os provocados por uma turbina de avião (120 decibéis) disparo de revolver (150 decibéis) e tiro de canhão (200 decibéis).

ALFABETO MANUAL

Vamos estudar o alfabeto manuel, mas antes é necessário conhecermos o nome de cada dedo das mãos. Vamos lá?

Dedos da mão:

POLEGAR

INDICADOR

MÉDIO

ANULAR ou ANELAR

MÍNIMO

Médio Anular ou Anelar Indicador Mínimo Polegar Alfabeto Manual: é a soletração de letras com
Médio Anular ou Anelar Indicador Mínimo Polegar Alfabeto Manual: é a soletração de letras com

Médio

Anular ou Anelar Indicador Mínimo Polegar
Anular ou Anelar
Indicador
Mínimo
Polegar

Alfabeto Manual: é a soletração de letras com as mãos. É muito aconselhável soletrar devagar, formando as palavras com nitidez. Entre as palavras soletradas, é melhor fazer uma pausa curta ou mover a mão direita para o lado esquerdo, como se estivesse empurrando a palavra já soletrada para o lado. Normalmente o alfabeto manual é utilizado para soletrar os nomes de pessoas, de lugares, de rótulos, etc., e para os vocábulos não existentes na língua de sinais.

DATILOLOGIA e SINAL RITMICO A datilologia (alfabeto manual), que é usada para expressar nome de
DATILOLOGIA e SINAL RITMICO A datilologia (alfabeto manual), que é usada para expressar nome de

DATILOLOGIA e SINAL RITMICO

A datilologia (alfabeto manual), que é usada para expressar nome de pessoas,

de localidades e outras palavras que não possuem um sinal, está representada pela

palavra separada, letra por letra por hífen.

Exemplos: J-O-Ã-O, A-N-E-S-T-E-S-I-A; 15 J-O-S-É M-A-R-Y

O sinal soletrado (SINAL RITMICO), ou seja, uma palavra da língua portuguesa

que, por empréstimo, passou a pertencer a LIBRAS por ser expressa pelo alfabeto

manual com uma incorporação de movimento próprio desta língua, está sendo representado pela datilologia do sinal em itálico.

Exemplos: N-U-N-C-A; ―Nunca‖. M-Ç-O ―Março‖. D-I-A; ―Dia‖

Agora que você já conhece o alfabeto manual, vamos praticar?

Faça seu nome completo em libras, nome de sua cidade, nome do seu bairro,

nome da sua mãe, nome de seu pai etc Praticando você vai memorizar rapidamente os

nome da sua mãe, nome de seu pai etc Praticando você vai memorizar rapidamente os sinais. Obs. Palavras compostas necessitam da utilização de um sinal que indica o espaço entre uma palavra e outra. Ex:

um sinal que indica o espaço entre uma palavra e outra. Ex: Uso do acento nas

Uso do acento nas palavras.

^

~

uma palavra e outra. Ex: Uso do acento nas palavras. ^ ~ ´ Acento circunflexo Acento

´

uma palavra e outra. Ex: Uso do acento nas palavras. ^ ~ ´ Acento circunflexo Acento

Acento circunflexo

Acento Til

SAUDAÇÃO APRESENTAÇÃO

Acento agudo

Geralmente, aqui no Brasil, quando as pessoas são apresentadas umas às outras, elas dizem seus primeiros nomes após os cumprimentos (aperto de mãos - contexto formal, e/ou beijo(s) no rosto, contexto informal) No mundo dos Surdos, a pessoa, além de dizer o nome em datilologia, ela, primeiro, se apresenta pelo seu sinal, que lhe foi dado pela comunidade a qual faz parte. O sinal pessoal é o nome próprio, o "nome de batismo" de uma pessoa que é membro de uma comunidade Surda. Este sinal geralmente pode:

A- Representa iconicamente uma característica da pessoa. Por exemplo: 1 2 3 4 1 -

A- Representa iconicamente uma característica da pessoa. Por exemplo:

1 2 3 4
1
2
3
4

1 - BIGODE-LONGO / 2 - CABELOS-ENCARACOLADOS / 3 - PINTA-NA-TESTA / 4 - OLHO-AMENDOADOS

B- Representar a profissão de uma pessoa e uma característica. Por exemplo:

PROFESSORA MAGRA;

pessoa e uma característica. Por exemplo: PROFESSORA MAGRA; PROFESSOR@ MAGR@ TANYA C- Representar um número, que

PROFESSOR@

MAGR@

TANYA

C- Representar um número, que a pessoa passou a ter na caderneta de sua turma de escola, ou a primeira letra do nome da pessoa. Por exemplo:

escola, ou a primeira letra do nome da pessoa. Por exemplo: 6 (NELSON) (DE SANDRO) O

6 (NELSON)

(DE SANDRO)

O sinal pessoal pode ser, portanto, uma representação visual de uma pessoa ou um atributo.

Saudações

Saudações Em todas as línguas há o ritual da saudação. Dependendo do contexto, esse cumprimento será

Em todas as línguas há o ritual da saudação. Dependendo do contexto, esse cumprimento será mais formal ou informal e geralmente é complementado por gestos. A Libras tem também sinais específicos para cada uma dessas situações. Assim pode-se utilizar os seguintes sinais: BO@ D-I- A, BO@ TARDE, BO@ NOITE , O-I, TCHAU, acompanhados os não de gestos para cumprimento:

CUMPRIMENTOS

os não de gestos para cumprimento: CUMPRIMENTOS APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE
os não de gestos para cumprimento: CUMPRIMENTOS APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE

APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO

BEIJOS

CUMPRIMENTOS APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE ADEUS BO@ NOITE SITUAÇÕES PARA UM

BO@ DIA

CUMPRIMENTOS APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE ADEUS BO@ NOITE SITUAÇÕES PARA UM

BO@ TARDE

APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE ADEUS BO@ NOITE SITUAÇÕES PARA UM PRIMEIRO

ADEUS

APERTO DE MAOS APRESENTAÇÃO BEIJOS BO@ DIA BO@ TARDE ADEUS BO@ NOITE SITUAÇÕES PARA UM PRIMEIRO

BO@ NOITE

SITUAÇÕES PARA UM PRIMEIRO CONTATO COM SURDOS

Todos nos sabemos que libras e português tem gramáticas diferentes, precisamos respeitar suas particularidades, assim, acredito que para você desenvolver melhor sua comunicação em libras é necessário pensarmos em 5 itens:

1º. Acreditar que você consegue.

2º. Não desistir se tiver dificuldades. 3º. Se esforçar nos estudos. Diariamente pare o que

2º. Não desistir se tiver dificuldades. 3º. Se esforçar nos estudos. Diariamente pare o que está fazendo por 15 minutos só estudando libras assim irá perceber como os sinais serão memorizados melhor. 4º. Não tenha medo de errar. Se errar, paciência faça novamente. 5º. Saber que qualquer língua só terá bom desenvolvimento se você usá-la. Procure em sua cidade, lugares que tenham surdos e comece a ter contato, veja sinais que você possa precisar futuramente:

Dicas:

1º. OI 2º. VOCÊ BEM? 3º. EU BEM! 4º. VOCÊ SAÚDE BEM? 5º. SIM/NÃO 6º. NOME SEU? 7º. NOME MEU 8º. IDADE SUA? 9º. IDADE MINHA 10º. BOM DIA! 11º. BOA TARDE! 12º. BOA NOITE! 13º. OBRIGADO 14º. DE NADA 15º. COM LICENÇA 16º. POR FAVOR 17º. VOCÊ QUERER AJUDA? 18º. VOCÊ PODE ME AJUDAR? 19º. VOCÊ PRECISAR AJUDA? 20º. EU PODER CONVERSAR VOCÊ? 21º. EU APRENDER LIBRAS 22º. CALMA, NÃO-ENTENDER SINAL DE-NOVO. 23º. EU FAZER CURSO LIBRAS

EU PODER CONVERSAR VOCÊ? 21º. EU APRENDER LIBRAS 22º. CALMA, NÃO-ENTENDER SINAL DE-NOVO. 23º. EU FAZER
EU PODER CONVERSAR VOCÊ? 21º. EU APRENDER LIBRAS 22º. CALMA, NÃO-ENTENDER SINAL DE-NOVO. 23º. EU FAZER

24º. EU OUVINTE 25º. VOCÊ SURDO? 26º. VOCÊ MORAR ONDE? 27º. VOCÊ TRABALHAR ONDE? 28º. VOCÊ ESTUDAR ONDE? 29º. VOCÊ MORAR JUNTO PESSOA QUEM? 30º. SINAL SEU? 31º. MEU SINAL 32º. DESCULPAR, ESQUECER SINAL 33º. NÃO CONHECER SINAL. POR-FAVOR, SOLETRAR. 34º. VOCÊ SURDO COMO? 35º. FAMÍLIA SUA SURDOS QUANTOS? 36º. VOCÊ TER FACEBOOK? 37º. VOCÊ TER SKYPE? 38º. NÚMERO CELULAR SEU? 39º. VOCÊ PODE ME-ENSINAR LIBRAS? 40º. EU GOSTAR VOCÊ! 41º. VOCÊ LEGAL! 42º. VOCÊ RESPEITO TER! 43º. VOCÊ IR IGREJA QUAL? 44º. VOCÊ GOSTAR FUTEBOL (TIME) QUAL? 45º. VOCÊ TER NAMORADO(A)? 46º. VOCÊ CASADO(A)? 47º. VOCÊ SOLTEIRO(A)? 48º. VOCÊ PRECISAR CALMA! 49º. POR-FAVOR, NERVOSA(A) NÃO! 50º. VOCÊ PROBLEMA? O QUE ACONTECER? Fonte: vídeo Prof. Ms. Alexandre Elias (www.youtube.com.br)

NERVOSA(A) NÃO! 50º. VOCÊ PROBLEMA? O QUE ACONTECER? Fonte: vídeo Prof. Ms. Alexandre Elias ( www.youtube.com.br
NERVOSA(A) NÃO! 50º. VOCÊ PROBLEMA? O QUE ACONTECER? Fonte: vídeo Prof. Ms. Alexandre Elias ( www.youtube.com.br
Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

Sinais Básicos

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

OI

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP
Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

PERDÃO

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

POR FAVOR

OBRIGADO

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP
Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP
Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

NOME

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

IDADE

ENDEREÇO

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

APARTAMENTO

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

ONDE

Sinais Básicos OI PERDÃO POR FAVOR OBRIGADO NOME IDADE ENDEREÇO APARTAMENTO ONDE CIDADE CEP

CIDADE

CEP

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA
ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

ESTADO

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

TELEFONE

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

RG

Sinais relacionados à escola

PAÍS

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

CELULAR

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

E-MAIL

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA
ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA
ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

ESCOLA

DIRETOR

PROFESSOR

ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA
ESTADO TELEFONE RG Sinais relacionados à escola PAÍS CELULAR E-MAIL ESCOLA DIRETOR PROFESSOR FACULDADE PEDAGOGIA

FACULDADE

PEDAGOGIA

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE
LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE
LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE

LINGUA PORTUGUESA

PROVA

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

COPIAR

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

FÉRIAS

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

FERIADO

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

LIVRO

LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A
LINGUA PORTUGUESA PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

LÁPIS

BORRACHA

PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A
PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A
PROVA COPIAR FÉRIAS FERIADO LIVRO LÁPIS BORRACHA CADERNO PAPEL CANETA ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A

CADERNO

PAPEL

CANETA

ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE

A modalidade gestual-visual-espacial pela qual a LIBRAS é produzida e percebida pelos surdos leva, muitas vezes, as pessoas a pensarem que todos os sinais são o ´desenho´ no ar do referente que representam. É claro que, por decorrência de sua natureza linguística, a realização de um sinal pode ser motivada

pelas características do dado da realidade a que se refere, mas isso não é uma

pelas características do dado da realidade a que se refere, mas isso não é uma regra. A grande maioria dos sinais da LIBRAS são arbitrários, não mantendo relação de semelhança alguma com seu referente. Vejamos alguns exemplos entre os sinais icônicos e arbitrários.

Sinais icônicos

Uma foto é icônica porque reproduz a imagem do referente, isto é, a pessoa ou coisa fotografada. Assim também são alguns sinais da LIBRAS, gestos que fazem alusão à imagem do seu significado. Ex.:

TELEFONE

BORBOLETA

à imagem do seu significado. Ex.: TELEFONE BORBOLETA Isso não significa que os sinais icônicos são

Isso não significa que os sinais icônicos são iguais em todas as línguas. Cada sociedade capta facetas diferentes do mesmo referente, representadas através de seus próprios sinais, convencionalmente, (FERREIRA BRITO, 1993) conforme os exemplos abaixo:

ÁRVORE

LIBRAS - representa o tronco usando o antebraço e a mão aberta, as folhas em movimento. LSC (Língua de Sinais Chinesa) - representa apenas o tronco da árvore com as duas mãos (os dedos indicador e polegar ficam abertos e curvos).

LIBRAS

LSC

LIBRAS LSC LIBRAS CASA ASL Sinais Arbitrários São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o
LIBRAS LSC LIBRAS CASA ASL Sinais Arbitrários São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o

LIBRAS

CASA

ASL

LIBRAS LSC LIBRAS CASA ASL Sinais Arbitrários São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o

Sinais Arbitrários

São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade que representam. Uma das propriedades básicas de uma língua é a arbitrariedade existente entre significante e referente. Durante muito tempo afirmou-se que as línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representando, portanto, conceitos abstratos. Isto não é verdade, pois em língua de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua complexidade. Ex.:

CONVERSAR

DEPRESSA

em língua de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua complexidade. Ex.: CONVERSAR

PESSOA

PERDOAR

PESSOA PERDOAR ESTRUTURA GRAMATICAL Os 5 parâmetros A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir
PESSOA PERDOAR ESTRUTURA GRAMATICAL Os 5 parâmetros A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir

ESTRUTURA GRAMATICAL

Os 5 parâmetros

A LIBRAS

têm

sua estrutura

gramatical organizada

a

partir de

alguns

parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis linguísticos. Os parâmetros principais são:

CONFIGURAÇÃO DA MÃO (CM) PONTO DE ARTICULAÇÃO (PA) MOVIMENTO (M) EXPRESSÕES FACIAIS / CORPORAIS (EF/C) ORIENTAÇÃO (O)

VELHO

FACIAIS / CORPORAIS (EF/C) ORIENTAÇÃO (O) VELHO Configuração da mão (CM): É a forma que a

Configuração da mão (CM):

É a forma que a mão assume durante a realização de um sinal. Pelas

pesquisas linguísticas, foi comprovado que na LIBRAS existem 43 configurações das

mãos (Quadro I), sendo que o alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as

mãos (Quadro I), sendo que o alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as letras. Ex. :

TELEFONE

BRANCO

CM [Y]

CM [B

]

destas para representar as letras. Ex. : TELEFONE BRANCO CM [ Y ] CM [ B

VEADO

CM [5]

ONTEM CM [ L]

destas para representar as letras. Ex. : TELEFONE BRANCO CM [ Y ] CM [ B
destas para representar as letras. Ex. : TELEFONE BRANCO CM [ Y ] CM [ B
Ponto de articulação (PA): É o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex.:
Ponto de articulação (PA): É o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex.:
Ponto de articulação (PA): É o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex.:

Ponto de articulação (PA):

É o lugar do corpo onde será realizado o sinal.

Ex.:

LARANJA

APRENDER

Ponto de articulação (PA): É o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex.: LARANJA

Movimento (M) :

Movimento (M) : É o deslocamento da mão no espaço, durante a realização do sinal. Ex.:

É o deslocamento da mão no espaço, durante a realização do sinal.

Ex.:

GALINHA

HOMEM

espaço, durante a realização do sinal. Ex.: GALINHA HOMEM Orientação: Os sinais podem ter a direção

Orientação:

Os sinais podem ter a direção para o qual a Palma da mão aponta na produção do sinal, havendo os seis de orientação principais: para cima, para baixo, para dentro, para frente, para direita, para a esquerda. EX. JULGAR, PASSADO, ACUSAR, DIPLOMA

Direcionalidade do movimento

a) Unidirecional : movimento em uma direção no espaço, durante a realização de um

sinal.

Ex.: PROIBID@, SENTAR, MANDAR

b) Bidirecional : movimento realizado por uma ou ambas as mãos, em duas direções

diferentes.

Ex.: PRONT@, JULGAMENTO, GRANDE, COMPRID@, DISCUTIR, EMPREGAD@, PRIM@, TRABALHAR, BRINCAR.

c) Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço, durante a realização de um sinal.

c) Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço, durante a

realização de um sinal.

Ex. : INCOMODAR

Tipos de Movimento

a) movimento retilíneo:

ENCONTRAR

Tipos de Movimento a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: ALT@ MACARRÃO

ESTUDAR

PORQUE

Movimento a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: ALT@ MACARRÃO AZEITE c) movimento

b) movimento helicoidal:

ALT@

a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: ALT@ MACARRÃO AZEITE c) movimento circular:

MACARRÃO

AZEITE

a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: ALT@ MACARRÃO AZEITE c) movimento circular:

c) movimento circular:

a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: ALT@ MACARRÃO AZEITE c) movimento circular:

BRINCAR

IDIOTA

BICICLETA

BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO
BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO

d) movimento semicircular :

SURD@

BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO

SAP@

CORAGEM

BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO

e) movimento sinuoso:

BRASIL

BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO

RIO

NAVIO

BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular : SURD@ SAP@ CORAGEM e) movimento sinuoso: BRASIL RIO NAVIO

f) movimento angular:

RAIO

f) movimento angular: RAIO ELÉTRICO DIFÍCIL Expressão facial e/ou corporal Na função gramatical, complementa nas

ELÉTRICO

f) movimento angular: RAIO ELÉTRICO DIFÍCIL Expressão facial e/ou corporal Na função gramatical, complementa nas

DIFÍCIL

f) movimento angular: RAIO ELÉTRICO DIFÍCIL Expressão facial e/ou corporal Na função gramatical, complementa nas

Expressão facial e/ou corporal

Na função gramatical, complementa nas sentenças em Libras como os tipos de frases. Como POR QUÊ?, NÃO PODER e na função afetiva acompanha na produção de sinais em sentimentos, como ANIMADO e TRISTE.

produção de sinais em sentimentos, como ANIMADO e TRISTE. Disposição das mãos A realização dos sinais

Disposição das mãos

A realização dos sinais na LIBRAS pode ser feito com a mão dominante ou

por ambas as mãos. Ex.: BURR@, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGAD@ c) Região de contato

por ambas as mãos. Ex.: BURR@, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGAD@

c) Região de contato : a mão entra em contato com o corpo, através do :

toque : MEDO, ÔNIBUS, CONHECER.

duplo toque : FAMÍLIA, SURD@, SAÚDE.

risco : OPERAR, JOSÉ (nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA.

Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:

(nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA. Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:
(nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA. Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:
(nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA. Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:
(nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA. Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:
(nome bíblico), PESSOA. deslizamento : CURSO, EDUCAD@, LIMP@, GALINHA. Identifique os parâmetros dos sinais abaixo:

NUMERAIS

NUMERAIS As línguas podem ter formas diferentes para apresentar os numerais quando utilizados como cardinais, ordinais,
NUMERAIS As línguas podem ter formas diferentes para apresentar os numerais quando utilizados como cardinais, ordinais,
NUMERAIS As línguas podem ter formas diferentes para apresentar os numerais quando utilizados como cardinais, ordinais,

As línguas podem ter formas diferentes para apresentar os numerais quando utilizados como cardinais, ordinais, quantidade, medida, idade, dias da semana ou mês, horas e valores monetários. Isso também acontece na Libras. Nesta unidade e nas seguintes, serão apresentados os numerais em relação às situações mencionadas acima. É erro o uso de uma determinada configuração de mão para o numeral cardinal sendo utilizada em um contexto onde o numeral é ordinal ou quantidade, por exemplo:

o numeral cardinal 1 é diferente da quantidade 1, que é diferente do ordinal PRIMEIR@, que é diferente de PRIMEIRO- ANDAR, que é diferente de PRIMEIRO-GRAU, que é diferente de MÊS-1. Estas diferenças serão trabalhadas nas unidades deste livro.

diferenças serão trabalhadas nas unidades deste livro. NÚMEROS CARDINAIS Numerais ordinais QUANTIDADE Os numerais

NÚMEROS CARDINAIS

Numerais ordinais

unidades deste livro. NÚMEROS CARDINAIS Numerais ordinais QUANTIDADE Os numerais ordinais do PRIMEIRO até o NONO

QUANTIDADE

Os numerais ordinais do PRIMEIRO até o NONO têm a mesma forma dos cardinais, mas aqueles possuem movimentos enquanto estes não possuem. Os ordinais do PRIMEIRO até o QUARTO têm movimentos para cima e para baixo e os ordinais do QUINTO até o NONO têm movimentos para os lados. A partir do numeral

DEZ, não há mais diferença entre os cardinais e ordinais. Observe os exemplos no DVD

DEZ, não há mais diferença entre os cardinais e ordinais. Observe os exemplos no DVD e fique sempre atento quando for utilizá-los.

no DVD e fique sempre atento quando for utilizá-los. PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@
no DVD e fique sempre atento quando for utilizá-los. PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@

PRIMEIR@(ORDINAL)

sempre atento quando for utilizá-los. PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@ UMA VEZ

PRIMEIRAMENTE

quando for utilizá-los. PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@ UMA VEZ Utilização dos numerais

PRIMEIRA VEZ

utilizá-los. PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@ UMA VEZ Utilização dos numerais para valores

ULTIM@

PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@ UMA VEZ Utilização dos numerais para valores

ULTIM@

PRIMEIR@(ORDINAL) PRIMEIRAMENTE PRIMEIRA VEZ ULTIM@ ULTIM@ UMA VEZ Utilização dos numerais para valores monetários

UMA VEZ

Utilização dos numerais para valores monetários

Em Libras para se representar os valores monetários de um até nove reais, usa-se o sinal do numeral correspondente ao valor, incorporando a este o sinal VÍRGULA. Por isso o numeral para valor monetário terá pequenos movimentos rotativos. Pode ser usado também para estes valores acima os sinais dos numerais correspondentes

seguido dos sinais soletrados R-L "real" ou R " real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM

seguido dos sinais soletrados R-L "real" ou R " real/reais".

soletrados R-L "real" ou R " real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL

DINHEIRO

R-L "real" ou R " real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS

REAL

R-L "real" ou R " real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS CINQUENTA

DEZ REAL/REAIS

ou R " real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS CINQUENTA REAL/REAIS

CEM REAL/REAIS

real/reais". DINHEIRO REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS CINQUENTA REAL/REAIS QUINHENTOS

UM-REAL

CINCO-REAIS

REAL DEZ REAL/REAIS CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS CINQUENTA REAL/REAIS QUINHENTOS REAL/REAIS Para valores de

CINQUENTA REAL/REAIS

CEM REAL/REAIS UM-REAL CINCO-REAIS CINQUENTA REAL/REAIS QUINHENTOS REAL/REAIS Para valores de um mil até nove mil

QUINHENTOS REAL/REAIS

Para valores de um mil até nove mil também há a incorporação do sinal VÍRGULA, mas aqui o movimento desta incorporação é mais alongando do que os valores anteriores (de 1 até nove reais). Podem ser usados também, para esses valores acima, os sinais dos numerais correspondentes seguidos de PONTO. Para valores de um milhão para cima, usa-se também a incorporação do sinal VÍRGULA com o numeral correspondente, mas aqui o movimento rotativo é mais alongado do que em mil. Pode-se notar uma gradação tanto na expressão facial como neste movimento da vírgula incorporada que ficam maiores e mais acentuados: de 1 a 9 < de 1.000 a 9.000 < de 1.000.000 a 9.000.000. Quando o valor é centavo, o sinal VÍRGULA vem depois do sinal ZERO, mas na maioria das vezes não precisa usar o sinal ZERO para centavo porque o contexto pode esclarecer e os valores para centavos ficam iguais aos numerais cardinais.

Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda

Numerais para valores

Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça
Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça

NOTA

MOEDA/CENTAVO

Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça

MIL

Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça

CINCO-MIL

Numerais para valores NOTA MOEDA/CENTAVO MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça

DEZ MIL

UM-MILHÃO

DIAS DA SEMANA

MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS

Domingo

MIL CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS

Segunda

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

Terça

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

Quarta

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

Quinta

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

Sexta

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

Sábado

DATAS COMEMORATIVAS

CINCO-MIL DEZ MIL UM-MILHÃO DIAS DA SEMANA Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado DATAS COMEMORATIVAS

MESES

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril

JANEIRO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

MAIO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

SETEMBRO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

FEVEREIRO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

JUNHO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

OUTUBRO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

MARÇO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

JULHO

JANEIRO MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril -

NOVEMBRO

MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril - Dia
MAIO SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril - Dia

ABRIL

SETEMBRO FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril - Dia Nacional

AGOSTO

FEVEREIRO JUNHO OUTUBRO MARÇO JULHO NOVEMBRO ABRIL AGOSTO DEZEMBRO 23 de Abril - Dia Nacional da

DEZEMBRO

23 de Abril - Dia Nacional da Educação de Surdos

Essa data foi escolhida por que no dia 24 de abril foi a data da publicação da lei 10.436/02 que trata da língua de sinais. Antes os surdos tinham muita barreira para a educação, e muitas escolas, não aceitavam os alunos surdos, pela dificuldade que tinham para se comunicar e realmente levar a eles a educação. Com isso depois do surgimento da LIBRAS como língua e a obrigação de ter interpretes, a educação dos surdos começou a "teoricamente" ser menos complicada.

24 de Abril - Dia da Libras

24 de Abril - Dia da Libras Como dito no anterior, essa foi a data que

Como dito no anterior, essa foi a data que foi publicada a lei 10.436/02 que reconhece a língua brasileira de sinais, como a língua oficial dos surdos brasileiros e assegura que ele tem todo o direito de utilizar a LIBRAS em qualquer lugar dentro do território nacional, não podendo ser barrado ou coagido a utiliza a língua oral. Essa com certeza é uma das datas mais importantes!

26 de Julho - Dia do Intérprete de Libras

É uma homenagem a todos os profissionais pelas conquistas que a

comunidade surda tem alcançado nos últimos anos, como o direito a terem intérpretes

nas escolas públicas, privadas e em outros espaços garantidas pelo Decreto 5.526/2005(lei acessibilidade) e a Lei 12.319/2010(lei do interprete). Foi escolhido essa data por eventos de associações em todo o país.

10 de Setembro - Dia Internacional de Valorização das Línguas de Sinais

É uma manifestação para valorizar e mostrar respeito além de promover o

reconhecimento das línguas de sinais em todos os países. Isso, por que como todos sabem existe uma grande "marca de sangue" mundial deixada pela proibição das línguas de sinais impostas no Congresso de Milão de 1880.

21 de Setembro - Dia Nacional da Pessoa com Deficiência

A comunidade surda não comemora. Por que surdo "de verdade" (por

identidade) não se sente deficiente. Apenas diferente.

26 de Setembro - Dia do Surdo

O Brasil comemora, em 26 de setembro, o Dia Nacional dos Surdos. A data foi

criada pela Lei nº 11.796/2008. Esse dia foi criado por lei, para ajudar na inclusão dos surdos nos espaços em que a lei de 2005 garantiu.

Isso, por que mesmo o decreto de 2005 sido feito, ainda havia dificuldades de relacionar

Isso, por que mesmo o decreto de 2005 sido feito, ainda havia dificuldades de relacionar e lidar com os surdos dentro dos espaços de inclusão. A lei do dia dos surdos, é um lembrete que os direitos dos surdos são garantidos por lei!

30 de Setembro - Dia Mundial do Surdo

O Dia Mundial do Surdo é comemorado por membros da comunidade surda de todo o mundo (surdos e ouvintes) no último domingo do mês de Setembro de cada ano, com objetivo de relembrar as lutas da comunidade ao longo das eras, como por exemplo, a luta em prol do reconhecimento da língua gestual nos diversos países do globo.

10 de Novembro - Dia Nacional da Surdez

Não é um dia proposto pela comunidade surda e nem comemorado por ela. No dia 10 de novembro é comemorado, no Brasil, o Dia de Prevenção e Combate à Surdez, e por esse motivo, e tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre a importância do cuidado com a saúde auditiva. Para ouvintes que estão perdendo a audição. Por que para surdos, não tem como combater à surdez, e nem interesse de nossa parte!

03 de Dezembro - Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

Esse dia foi instituído pela Organização das Nações Unidas em outubro de 1992,para comemorar no término da década 1983-1992. Onde as pessoas com deficiência começaram a ser vistas com olhares de mais respeito e menos preconceito. Assim esse dia é estimulado uma reflexão sobre os direitos da pessoa com deficiência. Também não é muito lembrando pela comunidade surda, já que no paradigma atual nosso, ser surdo não é ser deficiente, apenas diferente. Assim como quem escreve com a mão esquerda(canhotos) não são deficientes, apenas diferentes.

09 de Dezembro - Dia do Fonoaudiólogo

09 de Dezembro - Dia do Fonoaudiólogo Foi escolhido esse dia por que foi feito o

Foi escolhido esse dia por que foi feito o decreto de Lei nº 6.965, no dia 9 de Dezembro de 1981, regulamenta a profissão dentro da área da Fonoaudiologia no Brasil. Essa data homenageia a profissão e a conquista. Geralmente surdos não gostam muito de fonoaudiólogo, por que uma grande parte(principalmente antigamente) os fonoaudiólogos não entendiam a cultura surda, querendo obrigar eles a utilizar a língua oral, e quase nenhum sabe se comunicar em LIBRAS ou em qualquer língua de sinais. Atualmente isto vem mudando de pouco em pouco. Está parecendo mais Fonos que sabem LIBRAS e são membros da comunidade surda.

10 de Dezembro - Dia da Inclusão Social

O dia 10 de Dezembro, comemoramos o dia da inclusão social. Antigamente, a sociedade não aceitava bem os portadores de deficiência. Algumas famílias tinham vergonha de ter um parente assim. Pessoas assim não estudavam nem trabalhavam; isso porque a sociedade tinha um padrão em relação às pessoas e todos os que fossem diferentes sofriam preconceitos. Esse dia caba se tornando importante ao mundo da LIBRAS, por que a primeira iniciativa desse pensamento no brasil, foi quando se criou o projeto da Lei 839, de 1857, dom Pedro II fundou o "Imperial Instituto dos Surdos-mudos". Em 1957, passou a denominar-se Instituto Nacional de Educação de Surdos. Hoje conhecido como INES. E assim sendo necessária a inclusão de portadores de deficiência em escolas regulares. Essa são todas as datas que você sendo um interprete ou um estudante de LIBRAS deve saber, e ficar atento a elas, pois mudas das associações em algumas destas datas fazem eventos abertos onde você pode ir e ter mais contato com surdos e até mesmo quem sabe conseguir um trabalho de Interprete. (tertuliasdelibras.blogspot)

SINAIS BÁSICOS

SINAIS BÁSICOS Sinais relacionados a transações comerciais e bancárias DINHEIRO-CARO ‖ M U I T O

Sinais relacionados a transações comerciais e bancárias

Sinais relacionados a transações comerciais e bancárias DINHEIRO-CARO ‖ M U I T O C A
Sinais relacionados a transações comerciais e bancárias DINHEIRO-CARO ‖ M U I T O C A

DINHEIRO-CARO MUITO CARO!

DINHEIRO-CARO ‖ M U I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO

BANCO

‖ M U I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO SAQUE

DEPOSITAR

‖ M U I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO SAQUE

CARTÃO

M U I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO SAQUE DINHEIRO-BARATO

SAQUE

I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO SAQUE DINHEIRO-BARATO ― M
I T O C A R O ! ‖ BANCO DEPOSITAR CARTÃO SAQUE DINHEIRO-BARATO ― M

DINHEIRO-BARATO MUITO CARO!

DINHEIRO-BARATO ― M U I T O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO
DINHEIRO-BARATO ― M U I T O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO

CHEQUE

― M U I T O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO

PAGAMENTO

― M U I T O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO

EMPRÉSTIMO

AUMENTO

O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM
O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM
O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM
O C A R O ! ‖ CHEQUE PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM

QUANTO CUSTA?

PAGAR-A-VISTA

PAGAMENTO EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM JUROS PAGAR-A-PRAZO PRESTAÇÃO

DESCONTO

EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM JUROS PAGAR-A-PRAZO PRESTAÇÃO DESCONTO

PORCENTAGEM

EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM JUROS PAGAR-A-PRAZO PRESTAÇÃO DESCONTO PROMOÇÃO

JUROS

PAGAR-A-PRAZO

EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM JUROS PAGAR-A-PRAZO PRESTAÇÃO DESCONTO PROMOÇÃO

PRESTAÇÃO

DESCONTO

EMPRÉSTIMO AUMENTO QUANTO CUSTA? PAGAR-A-VISTA DESCONTO PORCENTAGEM JUROS PAGAR-A-PRAZO PRESTAÇÃO DESCONTO PROMOÇÃO

PROMOÇÃO

Sinais relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA-

Sinais relacionados a pesos e medidas

Sinais relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA-
Sinais relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA-

BALANÇA

Sinais relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA-
Sinais relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA-

METRO-DE-MADEIRA

relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA
relacionados a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA

ANIMAL

a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA

BALANÇA

a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO
a pesos e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO

LEVE

e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA

PESAD@

e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA

METRO-ARTICULADO

FITA-MÉTRICA

RÉGUA

e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA

ESPAÇO

e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA
e medidas BALANÇA METRO-DE-MADEIRA ANIMAL BALANÇA LEVE PESAD@ METRO-ARTICULADO FITA- MÉTRICA RÉGUA ESPAÇO PESSOA

PESSOA

Sinais para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ /

Sinais para características de roupas

Sinais para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ /

ONDULAD@/ CURVAD@

Sinais para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ /

ESTAMPAD@

para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA
para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA
para características de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA

QUADRICULAD@

de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA

XADREZ

de roupas ONDULAD@/ CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@

COM - BOLINH@

CURVAD@ ESTAMPAD@ QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais

QUADRAD@ / QUADRICULADA

QUADRICULAD@ XADREZ COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais para cores e tonalidades

LISTRAD@-VERTICAL

LIS@

LIS@

Sinais para cores e tonalidades

COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais para cores e tonalidades ESCUR@ CLAR@

ESCUR@

COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais para cores e tonalidades ESCUR@ CLAR@

CLAR@

COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais para cores e tonalidades ESCUR@ CLAR@

PRET@

COM - BOLINH@ QUADRAD@ / QUADRICULADA LISTRAD@-VERTICAL LIS@ LIS@ Sinais para cores e tonalidades ESCUR@ CLAR@

PRET@

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado
BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado

BRANC@

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

VERMELH@

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

VERDE

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

MARRON

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

AZUL

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

LARANJA

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

VINHO

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

ROSA

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

VIOLETA

BRANC@ VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao

CINZA

VERMELH@ VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado

AMAREL@

VERDE MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado Civil

BEGE

MARRON AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado Civil CASAD@

ROX@

Sinais relacionado ao Estado Civil

AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado Civil CASAD@ SOLTEIR@

CASAD@

AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado Civil CASAD@ SOLTEIR@

SOLTEIR@

AZUL LARANJA VINHO ROSA VIOLETA CINZA AMAREL@ BEGE ROX@ Sinais relacionado ao Estado Civil CASAD@ SOLTEIR@

DIVORCIAD@

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO
SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

SEPARAD@

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

AMANTE

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

AMIGAD@

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO
SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

COMPANHEIR@

VIUV@

Estações do ano

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO
SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO
SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

PRIMAVERA

VERÃO

SEPARAD@ AMANTE AMIGAD@ COMPANHEIR@ VIUV@ Estações do ano PRIMAVERA VERÃO OUTONO INVERNO

OUTONO

INVERNO

Pontos cardeais

Pontos cardeais OESTE NORTE SUL LESTE

OESTE

Pontos cardeais OESTE NORTE SUL LESTE

NORTE

Pontos cardeais OESTE NORTE SUL LESTE
Pontos cardeais OESTE NORTE SUL LESTE
Pontos cardeais OESTE NORTE SUL LESTE

SUL

LESTE

Antonimos

Antonimos São todas as palavras ou expressões que tem o sentido contrário ao de outra.

São todas as palavras ou expressões que tem o sentido contrário ao de outra.

Antonimos São todas as palavras ou expressões que tem o sentido contrário ao de outra.
Antonimos São todas as palavras ou expressões que tem o sentido contrário ao de outra.
Antonimos São todas as palavras ou expressões que tem o sentido contrário ao de outra.
Alimentos
Alimentos
Alimentos

Alimentos

Alimentos
Alimentos
Animas e insetos
Animas e insetos

Animas e insetos

Animas e insetos
Animas e insetos
Família
Família

Família

Família
Família
Família
Família
Família

Frutas

Frutas Meios do comunicação
Frutas Meios do comunicação
Frutas Meios do comunicação
Frutas Meios do comunicação

Meios do comunicação

Frutas Meios do comunicação
Frutas Meios do comunicação
Frutas Meios do comunicação
Meios de transporte
Meios de transporte
Meios de transporte

Meios de transporte

Meios de transporte
Meios de transporte
Vestuário
Vestuário

Vestuário

Vestuário
Vestuário
PRONOMES Pronomes Interrogativos Os pronomes interrogativos QUE e QUEM geralmente são usados no início da
PRONOMES Pronomes Interrogativos Os pronomes interrogativos QUE e QUEM geralmente são usados no início da

PRONOMES

Pronomes Interrogativos

Os pronomes interrogativos QUE e QUEM geralmente são usados no início da frase, mas o pronome interrogativo ONDE e o pronome QUEM, quando está sendo usado com o sentido de "quem é" ou "de quem é" são mais usados no final. Todos os três sinais têm uma expressão facial interrogativa feita simultaneamente com eles. Na variante do Rio de Janeiro, o pronome interrogativo QUEM, dependendo do contexto, pode ter duas formas diferentes, os sinais QUEM e o sinal soletrado QUM. Se quer perguntar "quem está tocando a campainha", usa-se o sinal QUEM; se quer perguntar "quem faltou hoje" ou "quem está falando" ou ainda "quem fez isso", usa-se o sinal soletrado QUM, como nos exemplos abaixo:

interrog.

1-QUEM

QUEM NASCER RIO? QUEM FAZER ISSO? PESSOA, QUEM-É? CANETA, DE-QUEM-É

Pronomes pessoais

"Quem é esta pessoa? "De quem é está caneta

A Libras possui um sistema pronominal para representar as pessoas do

discurso: primeira pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): EU; NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS- GRUPO,

discurso:

primeira pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): EU; NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS- GRUPO, NÓS/NÓS-TOD@S;

Primeira Pessoa do Singular: EU Apontar para o peito do enunciador ( a pessoa que fala )

EU Apontar para o peito do enunciador ( a pessoa que fala ) EU  Primeira

EU

Primeira Pessoa do Plural: NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@

Pessoa do Plural: NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@ NOS-2 NOS-3 NÓS-4 NÓS/NÓS-TOD@S segunda pessoa (singular,
Pessoa do Plural: NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@ NOS-2 NOS-3 NÓS-4 NÓS/NÓS-TOD@S segunda pessoa (singular,

NOS-2

do Plural: NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@ NOS-2 NOS-3 NÓS-4 NÓS/NÓS-TOD@S segunda pessoa (singular, dual,

NOS-3

Plural: NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@ NOS-2 NOS-3 NÓS-4 NÓS/NÓS-TOD@S segunda pessoa (singular, dual,

NÓS-4

NÓS-2, NÓS-3, NÓS-4, NÓS/NÓS-TOD@ NOS-2 NOS-3 NÓS-4 NÓS/NÓS-TOD@S segunda pessoa (singular, dual, trial,

NÓS/NÓS-TOD@S

segunda pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): VOCÊ, VOCÊ-2,

VOCÊ-3

VOCÊ-4, VOCÊ-GRUPO, VOCÊS/VOCÊS-TOD@S;

Segunda Pessoa do Singular: VOCÊ Apontar para o interlocutor ( a pessoa

com quem se fala )

com quem se fala ) VOCÊ  Segunda Pessoa do Plural: VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@ 

VOCÊ

com quem se fala ) VOCÊ  Segunda Pessoa do Plural: VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@ 

Segunda Pessoa do Plural: VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@

do Plural: VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@  VOCÊS-2 VOCÊS-4 VOCÊS-3 VOCES/VOCES-TOD@S VOCÊS-GRUPO

VOCÊS-2

VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@  VOCÊS-2 VOCÊS-4 VOCÊS-3 VOCES/VOCES-TOD@S VOCÊS-GRUPO terceira

VOCÊS-4

VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@  VOCÊS-2 VOCÊS-4 VOCÊS-3 VOCES/VOCES-TOD@S VOCÊS-GRUPO terceira pessoa

VOCÊS-3

VOCÊ-4, VOCÊ-TOD@  VOCÊS-2 VOCÊS-4 VOCÊS-3 VOCES/VOCES-TOD@S VOCÊS-GRUPO terceira pessoa (singular,

VOCES/VOCES-TOD@S

 VOCÊS-2 VOCÊS-4 VOCÊS-3 VOCES/VOCES-TOD@S VOCÊS-GRUPO terceira pessoa (singular, dual, trial,

VOCÊS-GRUPO

terceira pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): EL@, EL@-2, EL@-3,

EL@-4,

EL@S-GRUPO, EL@S/EL@S-TOD@S

Terceira pessoa do singular: EL@

Apontar para

uma pessoa

que não

convencionado para uma pessoa.

está na

conversa

ou

que não convencionado para uma pessoa. está na conversa ou EL@ para um lugar  Terceira

EL@

não convencionado para uma pessoa. está na conversa ou EL@ para um lugar  Terceira pessoa

para

um

lugar

Terceira pessoa do plural:EL@-2, EL@-3, EL@-4, EL@S/EL@S-TOD@, EL@S-GRUPO.

do plural:EL@-2, EL@-3, EL@-4, EL@S/EL@S-TOD@, EL@S-GRUPO. EL@-2 EL@-3 EL@S/EL@S-TOD@S EL@-4 EL@S-GRUPO No singular, o

EL@-2

EL@-3, EL@-4, EL@S/EL@S-TOD@, EL@S-GRUPO. EL@-2 EL@-3 EL@S/EL@S-TOD@S EL@-4 EL@S-GRUPO No singular, o sinal

EL@-3

EL@-3, EL@-4, EL@S/EL@S-TOD@, EL@S-GRUPO. EL@-2 EL@-3 EL@S/EL@S-TOD@S EL@-4 EL@S-GRUPO No singular, o sinal para

EL@S/EL@S-TOD@S

EL@S/EL@S-TOD@, EL@S-GRUPO. EL@-2 EL@-3 EL@S/EL@S-TOD@S EL@-4 EL@S-GRUPO No singular, o sinal para todas as pessoas

EL@-4

EL@S-GRUPO. EL@-2 EL@-3 EL@S/EL@S-TOD@S EL@-4 EL@S-GRUPO No singular, o sinal para todas as pessoas é o

EL@S-GRUPO

No singular, o sinal para todas as pessoas é o mesmo, o que difere uma das outras é a orientação da mão: o sinal para "eu" é um apontar para o peito do emissor (a pessoa que está falando), o sinal para "você" é um apontar para o receptor (a pessoa com quem se fala) e o sinal para "ele/ela" é um apontar para uma pessoa que não está na conversa ou para um lugar convencionado para uma terceira pessoa que está sendo mencionada. No dual, a mão ficará com o formato do numeral dois (quantidade), no trial o formato será do numeral três (quantidade), no quatrial, o formato será do numeral quatro (quantidade). Para o plural há dois sinais: um sinal composto, formado pelo

sinal para a respectiva pessoa do discurso (1a, 2a. 3a), mais o sinal GRUPO; e

sinal para a respectiva pessoa do discurso (1a, 2a. 3a), mais o sinal GRUPO; e outro sinal para plural que é feito pela mão predominante com a configuração em "d", fazendo um semicírculo à frente do sinalizador, apontando para as 2 as pessoas ou 3 as pessoas do discurso. Como na língua portuguesa, na Libras, quando uma pessoa surda está conversando, ela pode omitir a primeira pessoa porque, pelo contexto, as pessoas que estão interagindo sabem a qual das duas o contexto está relacionado, por isso, quando esta pessoa está sendo utilizada pode ser para dar ênfase à frase. Quando se quer falar sobre uma terceira pessoa que está presente, mas deseja-se uma certa reserva, por educação, não se aponta para esta pessoa diretamente. Nesta situação, o enunciador faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça para a direção da pessoa que está sendo mencionada, ou aponta para a palma da mão encostando o dedo indicador da mão esquerda na mão direita um pouco à frente do peito do emissor, estando o dorso desta mão direita voltada para a direção aonde se encontra a pessoa referida. Diferentemente do Português, os pronomes pessoais na terceira pessoa não possuem marca para gênero (masculino e feminino).

Pronomes demonstrativos e advérbios de lugar

Na Libras, como em Português, os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar estão relacionados às pessoas do discurso e representam, na perspectiva do emissor, o que está bem próximo, perto ou distante. Eles têm a mesma configuração de mãos dos pronomes pessoais, mas os pontos de articulação e as orientações do olhar são diferentes. Os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar relacionados à 1 a . pessoa, EST@ / AQUI, são representados por um apontar para o lugar perto e em frente do emissor, acompanhado de um olhar para este ponto. EST@ também pode ser sinalizado ao lado do emissor apontando para a pessoa/coisa mencionada. ESS@ / AÍ é um apontar para o lugar perto e em frente do receptor, acrescido de um olhar direcionado não para o receptor , mas para o ponto sinalizado com relação à coisa/pessoa que está perto da segunda pessoa do discurso. AQUEL@ / LÁ é um apontar para um lugar mais distante, o lugar da terceira

pessoa, mas diferentemente do pronome pessoal, ao apontar para este ponto há um olhar direcionado

pessoa, mas diferentemente do pronome pessoal, ao apontar para este ponto há um olhar direcionado para a coisa/pessoa ou lugar:

Como os pronomes pessoais, os pronomes demonstrativos também não possuem marca para gênero: masculino e feminino.

 

PRONOMES DEMONSTRATIVOS OU ADVÉRBIOS DE LUGAR EST@ / AQUI (olhando para a coisa/lugar apontado, perto da ia pessoa) ESS@ / Al (olhando para a coisa/lugar apontado, perto da 2a pessoa) AQUEL@ / LÁ (olhando para a coisa/ lugar distante apontado)

PRONOMES PESSOAIS

EU (olhando para o receptor: 2 a pessoa VOCE (olhando para o receptor: 2a pessoa EL@ (olhando para o receptor: 2a pessoa

1- LIVRO ONDE?

R: AQUEL@ MULHER SENTAD@ MESA EM-CIMA É. 2- AH! CANETA ONDE? R: VER HOMEM EM-PÉ CANETA PENDURAR-BOLSO É! 3- AQUEL@ AH! AQUI FRI@muito 4- BANHEIRO ONDE? R- ESQUERD@ ENTRAR SÓ.

5- AH! CERTO! S-A-L-A REUNIÃO ONDE? R- EM-CIMA SEGUND@-ANDAR. 6- EM-CIMA? AH! R- ALI FRI@ A-R.

PRONOMES DEMONSTRATIVOS em Libras

Pronomes Demonstrativo Pessoa do Discurso

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e

EST@

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,

AQUI

Pronomes possessivos

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,

ESS@

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,

AI

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,
EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,

AQUEL@

EST@ AQUI Pronomes possessivos ESS@ AI AQUEL@ LA Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos,

LA

Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos, também não possuem marca para gênero e estão relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acontece em português:

e não à coisa possuída, como acontece em português: ME@ TE@ SE@ PRÓPRI@ Para a primeira

ME@

e não à coisa possuída, como acontece em português: ME@ TE@ SE@ PRÓPRI@ Para a primeira

TE@

SE@

PRÓPRI@

Para a primeira pessoa: ME@, pode haver duas configurações de mão: uma é

a mão aberta com os dedos juntos, que bate levemente no peito do emissor; a outra é

a configuração da mão em P com o dedo médio batendo no peito - MEU-PRÓPRIO. Para as segunda e terceira pessoas, a mão tem esta segunda configuração em P, mas o movimento é em direção à pessoa com que se fala (segunda pessoa) ou está

sendo mencionada (terceira pessoa). Não há sinal específico para os pronomes possessivo no dual, trial,

sendo mencionada (terceira pessoa). Não há sinal específico para os pronomes possessivo no dual, trial, quadrial e plural (grupo), nestas situações são usados os pronomes pessoais correspondentes. Exemplo: NÓS FILH@ "nosso(a) filho(a)"

Pronomes interrogativos

Na LIBRAS, há uma tendência para a utilização, no final da frase, dos pronomes interrogativos QUAL, COMO e PARA-QUÊ, e para a utilização, no início da frase, do pronome interrogativo POR-QUE, mas os primeiros podem ser usados também no início e POR-QUE pode ser utilizado também no final. O pronome interrogativo COMO também tem outra forma em datilologia: C-O-M-O, utilizada, geralmente, em contexto enfático. Não há diferença entre o "por que" interrogativo e o "porque" explicativo, o contexto mostra, pelas expressões faciais, quando ele está sendo usado em frase interrogativa ou em frase explicativa/causal. Exemplos:

interrogativa ou em frase explicativa/causal. Exemplos: QUAL? QUAL? QUAL? COMO? PARA QUÊ? (Comparativo)

QUAL?

QUAL?

QUAL?

ou em frase explicativa/causal. Exemplos: QUAL? QUAL? QUAL? COMO? PARA QUÊ? (Comparativo) (Comparativo) PRONOMES

COMO?

PARA QUÊ?

(Comparativo)

(Comparativo)

PRONOMES INTERROGATIVOS QUAL, COMO, PARA-QUÊ EX. 1) VOCÊ GOSTAR MAIS ESTAMPAD@ O-U LIS@ QUAL?

2)

VOCÊ GOSTAR CACHORR@ O-U GAT@?

3)

VOCÊ LER LIVRO? NOME QUAL?

4)

VOCÊ GOSTAR ESTUDAR O-U TRABALHAR?

5)

VOCÊ IR PRAIA AMANHÃ ONIBUS, CARRO, A-PÉ? COMO?

6) EL@ COMPRAR CARRO? C-O-M-O DINHEIRO? 7) SE@ ESPOSA GRÁVIDA? 8) FALAR M-A-L. PRA-QUÊ? 9)

6)

EL@ COMPRAR CARRO? C-O-M-O DINHEIRO?

7)

SE@ ESPOSA GRÁVIDA?

8)

FALAR M-A-L. PRA-QUÊ?

9)

PAPEL RASGAR PARA-QUÊ?

10) VOCÊ CHEGAR ATRASAD@ EU SABER VOCÊ BEBER? 11) POR-QUE FALTAR ONTEM TRABALHO?

Pronomes e Expressões Interrogativas

QUANDO e D-I-A

Sempre, simultaneamente aos pronomes ou expressões interrogativas, há uma expressão facial indicando que a frase está na forma interrogativa. A pergunta com QUANDO está relacionada a um advérbio de tempo na resposta ou a um dia específico. Por isso há três sinais diferentes para "quando". Um que especifica passado: QUANDO- PASSADO (palma da mão virada para o emissor e o braço à altura do ombro com um movimento para o corpo do emissor); outro que especifica futuro: QUANDO-FUTURO (palma da mão direita virada para o emissor e o braço dobrado à frente do emissor com um movimento semi-circular para fora do corpo do emissor); e outro sinal soletrado que especifica o dia: D-I-A. Exemplos:

outro sinal soletrado que especifica o dia: D-I-A. Exemplos: QUANDO passado interrogativo  QUANDO-PASSADO

QUANDO passado

interrogativo

QUANDO-PASSADO

interrogativo

que especifica o dia: D-I-A. Exemplos: QUANDO passado interrogativo  QUANDO-PASSADO interrogativo QUANDO futuro D-I-A

QUANDO futuro

que especifica o dia: D-I-A. Exemplos: QUANDO passado interrogativo  QUANDO-PASSADO interrogativo QUANDO futuro D-I-A

D-I-A

 EL@ VIAJAR RECIFE QUANDO-PASSADO? Respostas: ONTEM, MÊS PASSADO, ANO-PASSADO. interrogativo interrogativo 

EL@ VIAJAR RECIFE QUANDO-PASSADO?

Respostas: ONTEM, MÊS PASSADO, ANO-PASSADO.

interrogativo

interrogativo

QUANDO-FUTURO

ou

D-I-A

interrogativo

@

VIAJAR

SÃO-PAULO

QUANDO-FUTURO? Respostas: AMANHÃ, PRÓXIM@ MÊS, DOMINGO.

interrogativo

D-I-A

interrogativo

EU CONVIDAR VOCÊ VIR ME@ CASA. VOCÊ PODER D-I-A? Resposta: SÁBADO QUE-VEM, EU PODER.

PRONOMES / EXPRESSÕES INTERROGATIVAS:

D-I-A/QUANDO: PERGUNTAS

1) EL@ VIAJAR SÃO-PAULO D-I-A?

2)

VOCÊ VIR CASA VOCÊ PODER D-I-A?

3)

EL@ VIAJAR RECIFE D-I-A PASSAD@?

4)

VOCÊ JÁ IR PRAIA?

5)

D-I-A PASSAD@?

Pronomes indefinidos

Os pronomes indefinidos NINGUÉM (Pessoa) e NINGUÉM (acabar) são usados somente para pessoa; NINGUÉM/NADA/NENHUM (mãos abertas esfregando uma sobre a outra) é usado para pessoa, animal e coisa; NENHUM/NADA (dedo polegar e

indicador com o formato oval e os outros dedos estendidos, mão com movimento balançando) é

indicador com o formato oval e os outros dedos estendidos, mão com movimento balançando) é usado para pessoa, animal e coisa e pode, em alguns contextos, ter o sentido de "não ter"; finalmente o pronome indefinido NENHUM- POUQUINHO (palma da mão virada para cima fazendo, com os dedos polegar e indicador em contato) é um reforço para a frase negativa e pode vir após o sinal NADA. O sinal soletrado "DE-N-A- D-A" é usado como resposta para um agradecimento:

D-A" é usado como resposta para um agradecimento: PESSOA NENHUM acabar ) NENHUM/NADA/NINGUEM EXEMPLOS:

PESSOA NENHUM acabar )

como resposta para um agradecimento: PESSOA NENHUM acabar ) NENHUM/NADA/NINGUEM EXEMPLOS: NINGUÉM (acabar) TER-NÃO

NENHUM/NADA/NINGUEM

EXEMPLOS:

NINGUÉM (acabar) TER-NÃO NINGUÉM CASA.

EXEMPLOS: NINGUÉM (acabar) TER-NÃO NINGUÉM CASA. NINGUEM/NADA/NENHUM NENHUM-POUQUINH@ não NENHUM VOCÊ TER

NINGUEM/NADA/NENHUM

(acabar) TER-NÃO NINGUÉM CASA. NINGUEM/NADA/NENHUM NENHUM-POUQUINH@ não NENHUM VOCÊ TER CARRO? EU, NENHUM

NENHUM-POUQUINH@

não NENHUM VOCÊ TER CARRO? EU, NENHUM CARRO VOCÊ TER GAT@? EU, ME@ CASA NENHUM .

não NENHUM VOCÊ TER CARRO? EU, NENHUM CARRO VOCÊ TER GAT@? EU, ME@ CASA NENHUM .

NINGUÉM (

não NENHUM VOCÊ TER CARRO? EU, NENHUM CARRO VOCÊ TER GAT@? EU, ME@ CASA NENHUM .

DE-N-A-D-A

NENHUM-POUQUINHO EL@ COMER TUD@ TER-NÃO NENHUM-POUQUINHO Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS

NENHUM-POUQUINHO EL@ COMER TUD@ TER-NÃO NENHUM-POUQUINHO

Pronomes indefinidos e quantificadores

NENHUM-POUQUINHO Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@
NENHUM-POUQUINHO Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@
NENHUM-POUQUINHO Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@

SOZINH@

Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@

ALGUNS

Pronomes indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@ MUIT@

ALGUNS

CADA

indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@ MUIT@ MUIT@ MAIORIA

VÁRI@S

CADA UM

indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@ MUIT@ MUIT@ MAIORIA

POUC@

indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@ MUIT@ MUIT@ MAIORIA

POUC@

POUQUINH@

MUIT@

MUIT@

indefinidos e quantificadores SOZINH@ ALGUNS ALGUNS CADA VÁRI@S CADA UM POUC@ POUC@ POUQUINH@ MUIT@ MUIT@ MAIORIA

MAIORIA

MINORIA

ADVÉRBIOS

Advérbios de modo incorporados aos verbos

ADVÉRBIOS Advérbios de modo incorporados aos verbos DEVAGAR LENTAMENTE Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente

DEVAGAR

ADVÉRBIOS Advérbios de modo incorporados aos verbos DEVAGAR LENTAMENTE Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente

LENTAMENTE

Exemplos:

de modo incorporados aos verbos DEVAGAR LENTAMENTE Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido

ANDAR devagar

aos verbos DEVAGAR LENTAMENTE Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR

ANDAR lentamente

LENTAMENTE Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR rapidamente Alguns

RAPIDAMENTE

Exemplos: ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR rapidamente Alguns verbos na

ANDAR rápido

ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR rapidamente Alguns verbos na Libras podem
ANDAR devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR rapidamente Alguns verbos na Libras podem

RÁPIDO

devagar ANDAR lentamente RAPIDAMENTE ANDAR rápido RÁPIDO ANDAR rapidamente Alguns verbos na Libras podem incorporar,

ANDAR rapidamente

Alguns verbos na Libras podem incorporar, através de uma mudança no seu movimento, um advérbio de modo e/ou um aspecto verbal que acrescenta essa informação à ação verbal.

Exemplos:

contínuo

a) EL@ PÃO COMER DEVAGAR

contínuo

b) HOMEM LIVRO LER RAPIDAMENTE

contínuo

c) MULHER ESCOVAR-DENTE LENTAMENTE

contínuo

contínuo

e) MENIN@ PAPÉIS RASGAR RAPIDAMENTE

e) MENIN@ PAPÉIS RASGAR R A P I D A M E N T E Expressões

Expressões interrogativas e advérbio de frequência

Estas expressões geralmente são utilizadas nesse contexto de ano sideral e, por isso, é bom conhecê-las:

QUANT@-VEZ?

1-VEZ / 2-VEZ / 3-VEZ / 4-VEZ

MUIT@S-VEZ.

1-VEZ

Diferente de : PRIMEIR@ - VEZ PRIMEIR@

PRIMEIRAMENTE

1-VEZ Diferente de : PRIMEIR@ - VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@

PRIMEIR@

de : PRIMEIR@ - VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@
de : PRIMEIR@ - VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@

PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO

UMA-VEZ

VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@ NUNCA SEMPRE FREQUENTEMENTE
VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@ NUNCA SEMPRE FREQUENTEMENTE
VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@ NUNCA SEMPRE FREQUENTEMENTE

PRIMEIRA-VEZ

ULTIM@

ULTIM@

VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@ NUNCA SEMPRE FREQUENTEMENTE
VEZ PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE PRIMEIR@ PRIMEIRAMENTE/PRIMEIRO UMA-VEZ PRIMEIRA-VEZ ULTIM@ ULTIM@ NUNCA SEMPRE FREQUENTEMENTE

NUNCA

SEMPRE

FREQUENTEMENTE

FAZ – TEMPO AS-VEZES  A forma condicional - "si" ( "se" ) SI (SE)

FAZ TEMPO

FAZ – TEMPO AS-VEZES  A forma condicional - "si" ( "se" ) SI (SE) RARAMENTE

AS-VEZES

A forma condicional - "si" ( "se" )

 A forma condicional - "si" ( "se" ) SI (SE) RARAMENTE Na Libras, a frase

SI (SE)

A forma condicional - "si" ( "se" ) SI (SE) RARAMENTE Na Libras, a frase na
A forma condicional - "si" ( "se" ) SI (SE) RARAMENTE Na Libras, a frase na

RARAMENTE

Na Libras, a frase na forma condicional é iniciada por um sinal soletrado S-I que estabelece essa relação de condição:

a) VOCÊ IR PRAIA HOJE?

b) SI CHOVER NÃO, EU IR.

a) VOCÊ QUER COMPRAR CARRO ME@?

c) SI DINHEIRO CONSEGUIR, 1s AVISAR 2s .

Advérbios de tempo (frequência)

Na Libras há expressões especificas para representar frequência de uma ação e algumas são expressões idiomática:

NUNCA, N-U-N-C-A, NUNCA-M-A-I-S, NUNCA-VI, NUNCA-V-I;

FREQÜENTE e FREQÜENTEMENTE possuem a mesma configuração de mão, mas para a segunda ideia que tem o aspecto contínuo, o sinal é feito repetidamente;

 SEMPRE (CONTINUAR) e MESM@ possuem a mesma configuração de mão, mas para o primeiro

SEMPRE (CONTINUAR) e MESM@ possuem a mesma configuração de mão, mas para o primeiro há um movimento para frente do enunciador, enquanto o segundo fica no mesmo ponto de articulação inicial;

MESM@ A IGUAL é um sinal composto formado pelo sinal MESM@ mais o sinal IGUAL, com o sentido de "sempre", "mesma coisa".

Exemplos:

(1)

VOCÊ ESTUDAR AINDA INES?

afirmativamente

EU CONTINUAR.

(2)

(3)

EL@ SEMPRE FALAR MESM@ A IGUAL.

negação

TDD DIFERENTE EU NUNCA-VI. EU CONHECER- NÃO! EXPRESSÕES e

TDD DIFERENTE EU NUNCA-VI. EU CONHECER- NÃO! EXPRESSÕES e NUNCA NUNCA-MAIS NUNCA-MAIS N-U-N-CA^VI N-U-N-C-A-V-I

NUNCA

TDD DIFERENTE EU NUNCA-VI. EU CONHECER- NÃO! EXPRESSÕES e NUNCA NUNCA-MAIS NUNCA-MAIS N-U-N-CA^VI N-U-N-C-A-V-I

NUNCA-MAIS

TDD DIFERENTE EU NUNCA-VI. EU CONHECER- NÃO! EXPRESSÕES e NUNCA NUNCA-MAIS NUNCA-MAIS N-U-N-CA^VI N-U-N-C-A-V-I

NUNCA-MAIS

TDD DIFERENTE EU NUNCA-VI. EU CONHECER- NÃO! EXPRESSÕES e NUNCA NUNCA-MAIS NUNCA-MAIS N-U-N-CA^VI N-U-N-C-A-V-I

N-U-N-CA^VI

N-U-N-C-A-V-I

MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como
MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como

MESM@ A IGUAL

MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como
MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como
MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como

MESM@-LUGAR

MESM@ A IGUAL MESM@-LUGAR AINDA (FALTA MAIS) COM-FREQUENCIA FREQUENTEMENTE Intensificador e Advérbios de modo Como

AINDA (FALTA MAIS)

COM-FREQUENCIA

FREQUENTEMENTE

Intensificador e Advérbios de modo

Como já foi mencionado , na Libras, há substantivo e verbo que são representados pelo mesmo sinal. Isso também acontece com alguns adjetivos. Sintaticamente, a diferença entre eles está também na possibilidade dos adjetivos e verbos poderem incorporar um intensificador (muito) e dos verbos poderem incorporar advérbios de modo, que são expressos através da modificação do movimento. O intensificador "muito" e alguns advérbios de modo podem ser expressos também através das expressões facial e corporal. Há uma diferença entre "muito" (intensificador) e "rápido" (advérbio de modo). Para intensificar uma ação, há uma repetição do sinal correspondente a esta ação e uma incorporação de um movimento lento. Já para estabelecer um modo RÁPIDO de se realizar a ação, há uma repetição do sinal da ação e a incorporação de um movimento acelerado.

Há, ainda, a incorporação do intensificador "muito" ou de advérbios de modo, que alteram, também,

Há, ainda, a incorporação do intensificador "muito" ou de advérbios de modo, que alteram, também, o movimento, através de um alongamento do movimento, como, por exemplo, em: BONIT@muito , CANSAD@muito ; ou de uma mudança no movimento, como por exemplo: ANDARcambaleando, ANDARsaltitando, ANDARapressadamente; ANDARlentamente. Nos exemplos, abaixo, pode-se perceber essas diferenças desses sinais que se diferenciam a partir do contexto sintático:

sinais que se diferenciam a partir do contexto sintático: DEMORAR ALEGRE DEMORAR m u i t

DEMORAR

que se diferenciam a partir do contexto sintático: DEMORAR ALEGRE DEMORAR m u i t o

ALEGRE

diferenciam a partir do contexto sintático: DEMORAR ALEGRE DEMORAR m u i t o ALEGRE m

DEMORAR muito

contexto sintático: DEMORAR ALEGRE DEMORAR m u i t o ALEGRE m u i t o

ALEGRE muito

DEMORAR ALEGRE DEMORAR m u i t o ALEGRE m u i t o RAPID@ TRISTE

RAPID@

ALEGRE DEMORAR m u i t o ALEGRE m u i t o RAPID@ TRISTE RÁPID@

TRISTE

DEMORAR m u i t o ALEGRE m u i t o RAPID@ TRISTE RÁPID@ m

RÁPID@ muito

o ALEGRE m u i t o RAPID@ TRISTE RÁPID@ m u i t o TRISTE

TRISTE muito

Sinais com incorporação de intensificador ou advérbio de modo

com incorporação de intensificador ou advérbio de modo CHUVA / CHOVER CHOVER m u i t

CHUVA / CHOVER

com incorporação de intensificador ou advérbio de modo CHUVA / CHOVER CHOVER m u i t

CHOVER muito

com incorporação de intensificador ou advérbio de modo CHUVA / CHOVER CHOVER m u i t

CHOVER forte

VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t
VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t
VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t

VENTO / VENTAR

VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e

FRAC@ VENTO

VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e
VENTO / VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e

VENTAR fortemente

/ VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e FRI@
/ VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e FRI@
/ VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e FRI@
/ VENTAR FRAC@ VENTO VENTAR f o r t e m e n t e FRI@

FRI@

FRI@ muito

LEVE

LEVE muito

e n t e FRI@ FRI@ m u i t o LEVE LEVE m u i
e n t e FRI@ FRI@ m u i t o LEVE LEVE m u i
e n t e FRI@ FRI@ m u i t o LEVE LEVE m u i

PESAD@

PESAD@ muito

Os advérbios de tempo

Na Libras não há marca de tempo nas formas verbais, é como se, nas frases, muitos verbos ficassem no infinitivo. O tempo é marcado sintaticamente através de advérbios de tempo que indicam se a ação está ocorrendo no presente: HOJE, AGORA; ocorreu no passado: ONTEM, ANTEONTEM; ou irá ocorrer no futuro:

AMANHÃ. Por isso os advérbios geralmente vêm no começo da frase, mas podem ser usados também no final. Quando não há, na frase, um advérbio de tempo específico, geralmente a frase, no presente, não é marcada, ou seja, não há nenhuma especificação temporal; já para a frase no passado, pode-se utilizar o sinal PASSADO ou o sinal JÁ, e para a frase no futuro, pode-se utilizar o sinal FUTURO:

nenhuma marca - traz a idéia de tempo presente;

 PASSADO - traz a idéia de ação/evento que foi realizado;  FUTURO - traz

PASSADO - traz a idéia de ação/evento que foi realizado;

FUTURO - traz a idéia de ação/evento que será realizado.

FUTURO - traz a idéia de ação/evento que será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM

HOJE

- traz a idéia de ação/evento que será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM PASSADO

AGORA

AMANHÃ

FUTURO

ação/evento que será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM PASSADO JÁ DIREÇÃO – PERSPECTIVA As

ONTEM

que será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM PASSADO JÁ DIREÇÃO – PERSPECTIVA As

ANTEONTEM

será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM PASSADO JÁ DIREÇÃO – PERSPECTIVA As línguas de
será realizado. HOJE AGORA AMANHÃ FUTURO ONTEM ANTEONTEM PASSADO JÁ DIREÇÃO – PERSPECTIVA As línguas de

PASSADO

DIREÇÃO PERSPECTIVA

As línguas de sinais, por serem de modalidade gestual-visual utilizam, como elemento gramatical, a tridimensionalidade do espaço para a comunicação. Assim, uma pessoa que está aprendendo uma dessas línguas, precisa ficar atenta para a visualização das informações no espaço, porque elas sempre estão sob a perspectiva do emissor da mensagem e precisa-se apreendê-las ao inverso, como uma imagem no espelho. Na Libras, os advérbios "perto" e "longe" são representados por sinais distintos com relação a essa perspectiva, medida e ponto específico, podendo-se incorporar, ao advérbio LONGE, um movimento e expressões facial e corporal que acrescentam ideia de perspectiva e de intensificação da distância. Há, portanto, três sinais LONGE (perspectiva), LONGEmuito (perspectiva), LONGE (medida) e LONGE (lugar específico). Da mesma forma, os sinais para "perto"também vão variar a partir dessas perspectivas. Exemplos:

a- LONGE / PERTO

a- LONGE / PERTO LONGE(perspectiva) LONGE b- LONGE m u i t o - l o

LONGE(perspectiva)

a- LONGE / PERTO LONGE(perspectiva) LONGE b- LONGE m u i t o - l o

LONGE

b- LONGE muito-longe / PERTO

LONGE b- LONGE m u i t o - l o n g e / PERTO

LONGE muito (Perspectiva)

o n g e / PERTO LONGE m u i t o (Perspectiva) LONGE m u

LONGE muito

n g e / PERTO LONGE m u i t o (Perspectiva) LONGE m u i
n g e / PERTO LONGE m u i t o (Perspectiva) LONGE m u i

PERTO (próximo)

n g e / PERTO LONGE m u i t o (Perspectiva) LONGE m u i

PERTO

n g e / PERTO LONGE m u i t o (Perspectiva) LONGE m u i

PERTO (dedo na boca)

c- LONGE (DISTÂNCIA - MEDIDA) / PERTO LONGE (distância medida) PERTO (Os dedos polegares se

c- LONGE (DISTÂNCIA - MEDIDA) / PERTO

c- LONGE (DISTÂNCIA - MEDIDA) / PERTO LONGE (distância medida) PERTO (Os dedos polegares se tocam

LONGE (distância medida)

(DISTÂNCIA - MEDIDA) / PERTO LONGE (distância medida) PERTO (Os dedos polegares se tocam duas vezes)

PERTO (Os dedos polegares se tocam duas vezes)

medida) PERTO (Os dedos polegares se tocam duas vezes) PERTO d- LONGE / PERTO LONGE (lugar

PERTO

d- LONGE / PERTO

dedos polegares se tocam duas vezes) PERTO d- LONGE / PERTO LONGE (lugar específico) PERTO VOCÊ

LONGE (lugar específico)

duas vezes) PERTO d- LONGE / PERTO LONGE (lugar específico) PERTO VOCÊ MORAR LONGE, PERTO FENEIS?

PERTO

VOCÊ MORAR LONGE, PERTO FENEIS? muito LONGE!.

1-

ONDE BALÃO? perspectiva LONGE.

2-

CASA SE@ PERTO ME@? NÃO, LONGE.

3-

afirmativamente PERTO (PRÓXIMO).

5- MARACANÃ PERTO CASA SURD@?

afirmativamente

PERTO.

5- MARACANÃ PERTO CASA SURD@? afirmativamente PERTO. EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS RELACIONADAS AO ANO SIDERAL Como

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS RELACIONADAS AO ANO SIDERAL

Como nesta unidade será trabalhada a temática "Ano Sideral" que engloba as hora, os dias, os meses e os anos", além de um vocábulo relacionado a esse calendário sideral, serão ensinadas também várias expressões que são peculiares à Libras.

Nesta língua, há dois sinais diferentes para a idéia "dia": um sinal relacionado a dia do mês, que é o sinal soletrado D-I-A, e o sinal DIA-INTEIRO que traz a idéia de duração (configuração de mão "b", com movimento semi-circular em frente ao dorso do enunciador) Exemplos:

semi-circular em frente ao dorso do enunciador) Exemplos: TODO-DIA TODOS OS DIAS DA SEMANA DIA-INTEIRO Os

TODO-DIA

em frente ao dorso do enunciador) Exemplos: TODO-DIA TODOS OS DIAS DA SEMANA DIA-INTEIRO Os numerais

TODOS OS DIAS DA SEMANA

do enunciador) Exemplos: TODO-DIA TODOS OS DIAS DA SEMANA DIA-INTEIRO Os numerais de 1 a 4

DIA-INTEIRO

Os numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMANA, MÊS e VEZ, Exemplos:

numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMANA, MÊS e VEZ,

DIA-1

numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMANA, MÊS e VEZ,

DIA-2

numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMANA, MÊS e VEZ,

DIA-3

numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMANA, MÊS e VEZ,

DIA-4

MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente

MÊS -1

MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente para

MÊS-2

MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente para

MÊS-3

MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente para
MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente para

MES-4

MÊS -1 MÊS-2 MÊS-3 MES-4 VEZ-1 VEZ-2 VEZ-3 VEZ-4 Esta construção pode ser usada somente para

VEZ-1

VEZ-2

VEZ-3

VEZ-4

Esta construção pode ser usada somente para os numerais inferiores a 5. A partir do numeral 5, não há mais incorporação e a construção utilizada é formada pelo numeral seguido do sinal ou do sinal seguido do numeral.

numeral seguido do sinal ou do sinal seguido do numeral. DIA 5 "5 dias DIA 10

DIA 5 "5 dias

DIA 10 "10 dias"

MÊS 5 "5 meses"

MÊS 10 "10 meses

Aos sinais DIA (duração) e SEMANA podem ser incorporadas também a frequência e a duração através de um movimento prolongado.

Exemplos:

ser incorporadas também a frequência e a duração através de um movimento prolongado. Exemplos: SEMANA 1

SEMANA 1

SEMANA 3

DOIS DIAS DA SEMANA Sinais relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS
DOIS DIAS DA SEMANA Sinais relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS

DOIS DIAS DA SEMANA

Sinais relacionados ao ano sideral

DOIS DIAS DA SEMANA Sinais relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA

QUATRO DIAS DA SEMANA

Sinais relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa)

FERIADO

relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR
relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR
relacionados ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR

FERIAS

ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR (estar

FOLGA

ao ano sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR (estar

LICENÇA

sideral QUATRO DIAS DA SEMANA FERIADO FERIAS FOLGA LICENÇA FALTAR (pessoa, coisa) FALTAR (estar ausente)

FALTAR (pessoa, coisa)

FALTAR (estar ausente)

FALTAR-AO-ENCONTRO

O VERBO “IR” E SUAS VARIAÇÕES

Na Libras, o verbo "IR" possui uma forma neutra, como a maioria dos verbos da Libras, mas possui também formas que marcam flexões pessoais que podem ser empréstimos da forma verbal em português, representadas através de sinais soletrados ou do uso do parâmetro - direcionalidade para: V-A-I e V- O-U; 1s IR 2s e

2s IR 1s :

IR Exemplos: a) VOCÊ IR TRABALHAR? V-A-I? b ) E U I R aceno de
IR Exemplos: a) VOCÊ IR TRABALHAR? V-A-I? b ) E U I R aceno de

IR

Exemplos:

a) VOCÊ IR TRABALHAR? V-A-I?

b) EU IR aceno de cabeça afirmativamente

ou

EU V - O - U aceno de cabeça afirmativamente

U V - O - U aceno de cabeça afirmativamente V-A-I V-O-U Exemplos: 1 s IR

V-A-I

V-O-U

- O - U aceno de cabeça afirmativamente V-A-I V-O-U Exemplos: 1 s IR 2 s

Exemplos:

1s IR 2s (vou)

2s IR 1s (vamos)

a) 1s lR 2s COMER!

"Vou comer!"

a) 2s IR 1s COMER!

"Vamos comer!'

b) 1s IR 2s BEBER!

"Vou beber!"

b) 2s IR 1s BEBER!

"Vamos beber!"

c) 1s IR 2s DANÇAR!

"Vou dançar"

c) 2sIR1s DANÇAR!

"Vamos dançar!

OS TIPOS DE VERBO NA LIBRAS

Basicamente na Libras, há dois tipos de verbo:

a- verbos que não possuem marca de concordância; b- verbos que possuem marca de concordância. Quando se faz uma frase com verbos do primeiro grupo, é como se eles ficassem no infinitivo já que não se alteram mesmo mudando-se as pessoas do discurso, mas eles admitem modificadores como um intensificador ou advérbio de modo.

Por exemplo:

Por exemplo: (1) EU TRABALHAR FENEIS "eu trabalho na FENEIS"; (2) EL@ TRABALHAR FENEIS "ele/a

(1)

EU TRABALHAR FENEIS "eu trabalho na FENEIS";

(2)

EL@ TRABALHAR FENEIS "ele/a trabalha na FENEIS";

(3)

EL@ TRABALHAR FENEIS "eles/as trabalham na FENEIS;

(4)

FENEIS, EL@ TRABALHAR muito LÁ;

(5)

EU CANSAD@, DIA-INTEIR@ TRABALHAR contínuo .

Pode-se subdividir esses verbos em outros sub-grupos como, por exemplo, os verbos de locomoção. Alguns desses verbos podem ser derivados dos sinais para meios de transporte, por isso somente no contexto é que se pode perceber se eles estão sendo utilizados como substantivo ou verbo. O transporte se torna o instrumento da ação.

Exemplos de Verbos de locomoção e sinais para meios de transporte:

de Verbos de locomoção e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR •

IR

Verbos de locomoção e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção:

CHEGAR

de locomoção e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA

VOLTAR/VIR

e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA

PASSEAR

e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA

VIAJAR

• Locomoção:

e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA
e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA

BICICLETA

e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA
e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA

MOTOCICLETA

e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA
e sinais para meios de transporte: IR CHEGAR VOLTAR/VIR PASSEAR VIAJAR • Locomoção: BICICLETA MOTOCICLETA CARROÇA

CARROÇA

GUIAR-BICICLETA

GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO
GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

VAN

GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO
GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

METRÔ

GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO
GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

NAVIO

GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

GUIA-MOTO

GUIAR-CARROÇA

GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO
GUIAR-BICICLETA VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

TÁXI

VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO
VAN METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

CARRO/DIRIGIR-CARRO

METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR
METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR

TREM

METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR
METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR

CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO

METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR
METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR
METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR
METRÔ NAVIO GUIA-MOTO GUIAR-CARROÇA TÁXI CARRO/DIRIGIR-CARRO TREM CAMINHÃO/DIRIGIR-CAMINHÃO BARCO/NAVEGAR CANOA/REMAR

BARCO/NAVEGAR

CANOA/REMAR

BARCO-À-VELA HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER

BARCO-À-VELA

BARCO-À-VELA HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER
BARCO-À-VELA HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER

HELICÓPTERO

/HELICÓPTERO-MOVER

BARCO-À-VELA HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER

BARCO-A-REMO/REMAR

HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR
HELICÓPTERO /HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR

FOGUETE/FOGUE-LANÇAR

/HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR Os verbos do segundo
/HELICÓPTERO-MOVER BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR Os verbos do segundo

AVIÃO/AVIÃO-MOVER

BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR Os verbos do segundo grupo podem também
BARCO-A-REMO/REMAR FOGUETE/FOGUE-LANÇAR AVIÃO/AVIÃO-MOVER BALÃO/BALÃO-VOAR Os verbos do segundo grupo podem também

BALÃO/BALÃO-VOAR

Os verbos do segundo grupo podem também ser subdivididos em:

1. Verbos que possuem concordância numero-pessoal: a orientação marca as pessoas do discurso. O ponto inicial concorda com o sujeito e o final com o objeto. Com já se pode conhecer as pessoas do discurso a partir da orientação, geralmente não se utiliza os pronomes pessoais com esse tipo de verbo.

Exemplos

1 S PERGUNTAR 2 S Eu pergunto a você 2 S PERGUNTAR 1 S Você

1S PERGUNTAR 2S

Eu pergunto a você

1 S PERGUNTAR 2 S Eu pergunto a você 2 S PERGUNTAR 1 S Você me

2S PERGUNTAR 1S

Você me pergunta

pergunto a você 2 S PERGUNTAR 1 S Você me pergunta 3 s PERGUNTAR 3 s
pergunto a você 2 S PERGUNTAR 1 S Você me pergunta 3 s PERGUNTAR 3 s

3s PERGUNTAR 3s

Ele pergunta a ele

3s PERGUNTAR 3p

Ele pergunta a eles

Verbos classificadores: a configuração de mão é uma marca de concordância de gênero: PESSOA, ANIMAL, COISA, VEÍCULO. Verbos que possuem concordância de gênero são chamados de verbo classificador porque concorda com o sujeito ou objeto da frase. Como, por exemplo, o verbo CAIR que, dependendo do sujeito da frase, terá uma configuração para concordar com a pessoa, a coisa, o animal ou o veículo:

concordar com a pessoa, a coisa, o animal ou o veículo: pessoaCAIR pessoaCAIR coisa-plana CAIR veículoCAIR

pessoaCAIR

com a pessoa, a coisa, o animal ou o veículo: pessoaCAIR pessoaCAIR coisa-plana CAIR veículoCAIR c

pessoaCAIR

a coisa, o animal ou o veículo: pessoaCAIR pessoaCAIR coisa-plana CAIR veículoCAIR c o i s

coisa-plana CAIR

ou o veículo: pessoaCAIR pessoaCAIR coisa-plana CAIR veículoCAIR c o i s a - r e

veículoCAIR

pessoaCAIR pessoaCAIR coisa-plana CAIR veículoCAIR c o i s a - r e d o n

coisa-redonda CAIR veículo

s a - r e d o n d a CAIR v e í c u

coisa-fina-e-longa CAIR

n d a CAIR v e í c u l o coisa-fina-e-longa CAIR p e s

pessoa ANDAR

pessoa ANDAR/MOVER

Pessoas encontrar p e s s o a MOVER (md) p e s s o
Pessoas encontrar p e s s o a MOVER (md) p e s s o
Pessoas encontrar p e s s o a MOVER (md) p e s s o

Pessoas encontrar

pessoa MOVER (md) pessoa MOVER (me)

animal ANDAR/MOVER

e s s o a MOVER (me) a n i m a l ANDAR/MOVER Pessoa em
e s s o a MOVER (me) a n i m a l ANDAR/MOVER Pessoa em

Pessoa em fila

pessoas em pé,em círculo

l ANDAR/MOVER Pessoa em fila pessoas em pé,em círculo P e s s o a s
l ANDAR/MOVER Pessoa em fila pessoas em pé,em círculo P e s s o a s

Pessoas EM-FILA

pessoas EM-PÉ-EM-CÍRCULO

o a s EM-FILA p e s s o a s EM-PÉ-EM-CÍRCULO Pessoas sentadas em circulo

Pessoas sentadas em circulo

s o a s EM-PÉ-EM-CÍRCULO Pessoas sentadas em circulo p e s s o a s

pessoas-sentadas EM-CÍRCULO

e s s o a s - s e n t a d a s EM-CÍRCULO

veículo ANDAR/MOVER (veículo de quatro rodas)

veículo ACOMPANHAR

veículo ANDAR/M OVER (veículo de duas rodas)

Verbos que possuem concordância com a localização. São verbos que

começam ou terminam em um determinado lugar que se refere ao lugar de uma pessoa,

começam ou terminam em um determinado lugar que se refere ao lugar de uma pessoa, coisa, animal ou veículo, que está sendo colocado, carregado, etc. Portanto, o ponto de articulação marca a localização. Alguns desses verbos podem ter também outra marca de concordância, como o verbo COLOCAR que é também um verbo classificador.

Exemplos:

COLOCAR que é também um verbo classificador. Exemplos: REVOLVER ESOURA ATIRAR-CABEÇA 1 "Eu atiro na minha

REVOLVER

que é também um verbo classificador. Exemplos: REVOLVER ESOURA ATIRAR-CABEÇA 1 "Eu atiro na minha cabeça

ESOURA

é também um verbo classificador. Exemplos: REVOLVER ESOURA ATIRAR-CABEÇA 1 "Eu atiro na minha cabeça

ATIRAR-CABEÇA

1

"Eu atiro na minha cabeça

ESOURA ATIRAR-CABEÇA 1 "Eu atiro na minha cabeça CORTAR-CABELO "Eu corto o cabelo" ATIRAR-PEITO

CORTAR-CABELO

"Eu corto o cabelo"

na minha cabeça CORTAR-CABELO "Eu corto o cabelo" ATIRAR-PEITO "Eu atiro no meu coração"

ATIRAR-PEITO

"Eu atiro no meu coração"

cabelo" ATIRAR-PEITO "Eu atiro no meu coração" CORTAR-TECIDO "Eu corto o tecido" ATIRAR-BOCA

CORTAR-TECIDO

"Eu corto o tecido"

meu coração" CORTAR-TECIDO "Eu corto o tecido" ATIRAR-BOCA "Eu atiro na minha boca" CORTAR-UNHA

ATIRAR-BOCA

"Eu atiro na minha boca"

o tecido" ATIRAR-BOCA "Eu atiro na minha boca" CORTAR-UNHA "Eu corto as unhas " CORTAR-COM-FACA

CORTAR-UNHA

"Eu corto as unhas"

na minha boca" CORTAR-UNHA "Eu corto as unhas " CORTAR-COM-FACA "faca" OPERAR-CORAÇAO
na minha boca" CORTAR-UNHA "Eu corto as unhas " CORTAR-COM-FACA "faca" OPERAR-CORAÇAO
na minha boca" CORTAR-UNHA "Eu corto as unhas " CORTAR-COM-FACA "faca" OPERAR-CORAÇAO
na minha boca" CORTAR-UNHA "Eu corto as unhas " CORTAR-COM-FACA "faca" OPERAR-CORAÇAO

CORTAR-COM-FACA

"faca"

OPERAR-CORAÇAO

FAZER-CESARIANA

"Ele opera cesariana"

OPERAR-ÚTERO

"Ele opera no útero"

"Ele opera o coração"

OPERAR-ÚTERO "Ele opera no útero" "Ele opera o coração" MESA k COPO objeto- arredondado COLOCAR k
OPERAR-ÚTERO "Ele opera no útero" "Ele opera o coração" MESA k COPO objeto- arredondado COLOCAR k
OPERAR-ÚTERO "Ele opera no útero" "Ele opera o coração" MESA k COPO objeto- arredondado COLOCAR k

MESA k

COPO

objeto- arredondado COLOCAR k

Concluindo, pode-se esquematizar o sistema de concordância verbal, na Libras, da seguinte maneira: 1 concordância

Concluindo, pode-se esquematizar o sistema de concordância verbal, na Libras, da seguinte maneira:

1 concordância número-pessoal

2 concordância de gênero e número

3 concordância

-parâmetro orientação -parâmetro configuração de mão -parâmetro ponto de articulação

de lugar

Verbos relacionados meios de comunicação e trabalho

■ VERBOS RELACIONADOS A MEIOS DE COMUNICAÇÃO E TRABALHO

1 - ENVIAR:

RELACIONADOS A MEIOS DE COMUNICAÇÃO E TRABALHO 1 - ENVIAR: ENVIAR-MENSAGEM Exemplos: ENVIAR-CARTA ENVIAR / TRAZER

ENVIAR-MENSAGEM

Exemplos:

E TRABALHO 1 - ENVIAR: ENVIAR-MENSAGEM Exemplos: ENVIAR-CARTA ENVIAR / TRAZER  Vou enviar e-mail. 

ENVIAR-CARTA

TRABALHO 1 - ENVIAR: ENVIAR-MENSAGEM Exemplos: ENVIAR-CARTA ENVIAR / TRAZER  Vou enviar e-mail.  Ela

ENVIAR / TRAZER

Vou enviar e-mail.

Ela enviou uma carta aos amigos.

Ela está enviando novo estagiário a FIOCRUZ.

2- PROCURAR:

e-mail.  Ela enviou uma carta aos amigos.  Ela está enviando novo estagiário a FIOCRUZ.

PROCURAR

PESSOA PROCURAR EMPREGO PESSOA PROCURAR OBJETO PESSOA PROCURAR PESSOA   a) Estou procurando emprego
PESSOA PROCURAR EMPREGO PESSOA PROCURAR OBJETO PESSOA PROCURAR PESSOA   a) Estou procurando emprego
PESSOA PROCURAR EMPREGO PESSOA PROCURAR OBJETO PESSOA PROCURAR PESSOA   a) Estou procurando emprego
PESSOA PROCURAR EMPREGO PESSOA PROCURAR OBJETO PESSOA PROCURAR PESSOA   a) Estou procurando emprego

PESSOA PROCURAR EMPREGO

PESSOA PROCURAR OBJETO

PESSOA PROCURAR PESSOA

 

a) Estou procurando emprego

 

a) Estou procurando lápis

a) Estava procurando você!

a) Estou procurando lápis a) Estava procurando você! ESTAGIO CARTEIRA-DE-TRABALHO 3- PASSAR: PASSAR-COM-FERRO O

ESTAGIO

procurando lápis a) Estava procurando você! ESTAGIO CARTEIRA-DE-TRABALHO 3- PASSAR: PASSAR-COM-FERRO O b j e

CARTEIRA-DE-TRABALHO

3- PASSAR:

procurando você! ESTAGIO CARTEIRA-DE-TRABALHO 3- PASSAR: PASSAR-COM-FERRO O b j e t o - l o
procurando você! ESTAGIO CARTEIRA-DE-TRABALHO 3- PASSAR: PASSAR-COM-FERRO O b j e t o - l o

PASSAR-COM-FERRO

Objeto-longo PASSAR

Exemplos:

O b j e t o - l o n g o PASSAR Exemplos: Pessoa P

Pessoa PASSAR

l o n g o PASSAR Exemplos: Pessoa P A S S A R SALÁRIO PASSAR-FAX

SALÁRIO

g o PASSAR Exemplos: Pessoa P A S S A R SALÁRIO PASSAR-FAX  Vou passar

PASSAR-FAX

Vou passar sua roupa.

Ônibus número 583 passa na sua casa.

Ela passou na minha frente.

Ontem você já passou o fax para seu amigo? Ele estava te aguardando.

4 - AVISAR: 1 s AVISAR 2 s Exemplos: 3 S AVISAR 1 S AVISO-PRÉVIO
4 - AVISAR: 1 s AVISAR 2 s Exemplos: 3 S AVISAR 1 S AVISO-PRÉVIO

4 - AVISAR:

4 - AVISAR: 1 s AVISAR 2 s Exemplos: 3 S AVISAR 1 S AVISO-PRÉVIO 

1s AVISAR 2s

Exemplos:

4 - AVISAR: 1 s AVISAR 2 s Exemplos: 3 S AVISAR 1 S AVISO-PRÉVIO 

3S AVISAR 1S

AVISAR: 1 s AVISAR 2 s Exemplos: 3 S AVISAR 1 S AVISO-PRÉVIO  Eu já

AVISO-PRÉVIO

Eu já avisei, que precisava sair!

O meu chefe me avisou que terá aumento de salário.

O meu amigo que trabalha comigo já recebeu o Aviso Prévio.

salário.  O meu amigo que trabalha comigo já recebeu o Aviso Prévio. 5 - INFORMAR:

5 - INFORMAR:

salário.  O meu amigo que trabalha comigo já recebeu o Aviso Prévio. 5 - INFORMAR:

INFORMAÇÕES

salário.  O meu amigo que trabalha comigo já recebeu o Aviso Prévio. 5 - INFORMAR:
salário.  O meu amigo que trabalha comigo já recebeu o Aviso Prévio. 5 - INFORMAR:

INFORMAR/DIVULGAR

Exemplos:

Exemplos:  Vou procurar informações sobre o curso de LIBRAS na FENEIS.  A Diretoria da

Vou procurar informações sobre o curso de LIBRAS na FENEIS.

A Diretoria da FENEIS informou aos funcionários o novo horário.

6 - RECEBER

Exemplos:

aos funcionários o novo horário. 6 - RECEBER Exemplos: RECEBER SALÁRIO/ RECEBER-SALÁRIO  Você recebeu e

RECEBER

funcionários o novo horário. 6 - RECEBER Exemplos: RECEBER SALÁRIO/ RECEBER-SALÁRIO  Você recebeu e leu

SALÁRIO/ RECEBER-SALÁRIO

Você recebeu e leu a mensagem do celular.

Ele recebeu o pagamento salário

a mensagem do celular.  Ele recebeu o pagamento salário 7 - APOSENTAR RECECEBER-APOSENTADORIA/APOSENTAR

7 - APOSENTAR

celular.  Ele recebeu o pagamento salário 7 - APOSENTAR RECECEBER-APOSENTADORIA/APOSENTAR APOSENTADORIA/APOSENTAD@
celular.  Ele recebeu o pagamento salário 7 - APOSENTAR RECECEBER-APOSENTADORIA/APOSENTAR APOSENTADORIA/APOSENTAD@
celular.  Ele recebeu o pagamento salário 7 - APOSENTAR RECECEBER-APOSENTADORIA/APOSENTAR APOSENTADORIA/APOSENTAD@

RECECEBER-APOSENTADORIA/APOSENTAR

APOSENTADORIA/APOSENTAD@

Ele aposentou há pouco tempo.

 Eu recebo o meu dinheiro da aposentadoria 8 – ESPERAR Exemplos: ESPERAR  Esperou

Eu recebo o meu dinheiro da aposentadoria

8 ESPERAR

Eu recebo o meu dinheiro da aposentadoria 8 – ESPERAR Exemplos: ESPERAR  Esperou o amigo

Exemplos:

ESPERAR

Esperou o amigo uma hora.

Espere só um pouquinho!

 Esperou o amigo uma hora.  Espere só um pouquinho! ESPERAR / AGUARDAR UM-POUCO 9

ESPERAR / AGUARDAR UM-POUCO

9 ACABAR

só um pouquinho! ESPERAR / AGUARDAR UM-POUCO 9 – ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR (pronto)
só um pouquinho! ESPERAR / AGUARDAR UM-POUCO 9 – ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR (pronto)
só um pouquinho! ESPERAR / AGUARDAR UM-POUCO 9 – ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR ACABAR (pronto)

ACABAR

ACABAR

ACABAR

ACABAR

(pronto)

(namoro)

(Terminar)

(Comida/água)

Exemplos:

O trabalho já acabou?

O namoro deles acabou.

Não quero saber! Acabou!

A comida acabou! A água acabou!

10- ADMITIR   ADMITIR (APROVADO) ADMITIR (ENTRAR) Exemplos:  Fui admitido para aquele emprego. (Ser

10- ADMITIR

 
 
 

ADMITIR (APROVADO)

ADMITIR (ENTRAR)

Exemplos:

Fui admitido para aquele emprego. (Ser aprovado)

A empresa admitiu novos funcionários. (Entrar)

11 FICAR

empresa admitiu novos funcionários. (Entrar) 11 – FICAR Exemplos: FICAR AQUI FICAR QUIETA  Fiquei muito

Exemplos:

FICAR AQUI

FICAR QUIETA

Fiquei muito tempo aqui.

Ela ficou quieta.

Passou mal e resolveu ficar em casa.

12 SAIR

 Ela ficou quieta.  Passou mal e resolveu ficar em casa. 12 – SAIR SAIR-EMPREGO/DEMITIR

SAIR-EMPREGO/DEMITIR

 Ela ficou quieta.  Passou mal e resolveu ficar em casa. 12 – SAIR SAIR-EMPREGO/DEMITIR

SAIR

FICAR LÁ

 Ela ficou quieta.  Passou mal e resolveu ficar em casa. 12 – SAIR SAIR-EMPREGO/DEMITIR

SAIR

Exemplos:

Ela saiu do emprego.

Paulo saiu com a amiga dele.