Você está na página 1de 331

Rev.

Richard
Green

JohnWesley ,
o
Evangelista
Copyright © 1993-2005. The Wesley Center for Applied Theology.

Tradução: Izilda Bella

1
PARTE I – A PREPARAÇÃO

CAPÍTULO I

Ancestrais em Epworth – Nascimento – Lar.

O nome Wesley está inseparavelmente unido, por todo o


futuro, com aquele daquela pequena cidade de Epworth, na ilha de
Axholme, North Lincolnshire. [Axholme, ou Axelholme; em Saxão,
Eaxelholme]. Agora, no entanto, é necessário passar da região
nordeste da Inglaterra, para a sudeste. As pesquisas na história
familiar, feitas, por ordem do primeiro Conde de Mornington, revelam
o fato de que a família Wesley (Westley, Wellesley) teve sua origem
situada em Wilswe, ou Welswe, perto de Wells (Poços), Somerset. A
genealogia foi traçada muito atrás, em Guy, que era um Lorde feudal,
por Athelstan, ano de 938. O tataraneto de Guy foi Walrond de
Welswey, e o neto deste último, Roger de Wellesley. [Tem-se
sugerido que essas variações obedecem estritamente às probabilidades
etimológicas do caso. Wilswe, ou Welswe, significa o caminho da
nascente (poço) -- Wils ou Wels, o genitivo contraído – e nós (we)
(para weg) o nome assim modificado. Pode-se, então, inferir que a
casa era sobre o caminho para a bem-conhecida fonte – talvez, uma
das fontes das quais Wells tira seu nome. Na sexta geração, o nome
muda para o familiar Wellesley (well = welle, e leye = land (terra) —
nossa terra, quando quer dizer meadow (campina). Assim, nós não
temos mais o caminho da fonte/poço (way of well), mas o lugar da
fonte (land of the well), e nós podemos inferir, tanto da transferência
para o estado em que a famosa fonte estava situada, quanto daquela do
domínio familiar, agora incluindo a verdadeira localidade do poço. O
ramo irlandês da família, depois de alternar os dois nomes familiares
(mais estritamente sobrenomes, agora), eventualmente adotou
"Wellesley", enquanto o outro, o ramo mais antigo, do qual a família

2
Epworth descendia, adotou Wesley — de maneira variada, soletrada,
Westley, Wesly, e Wesley. A linha familiar mais antiga de
descendentes tornou-se Wellesley-Wesley. — [Veja Proceedings of
the Wesley Historical Society, vol. I, p. 67.]

Um dos ramos da família é traçado do Sir Richard de


Wellesley, do qual o Marquês de Wellesley, Governador Geral da
Índia, e seu irmão, Arthur, Duque de Wellingyon, descenderam. O
irmão mais velho do Sir Richard, Walrond de Wellesley, segundo
Barão Norragh, tornou-se a origem de outros ramos. Ele substituiu a
família na propriedade, Wellesley Manor, co. Somerset. Seu filho
Gerald, o terceiro Barão, por ter ofendido o rei Henrique IV, foi
destituído de seu título. O filho e herdeiro de Gerald, Arthur, levou o
nome de Westley; mas seu filho Hugh, que era cavaleiro, retomou o
nome Wellesley. O neto do Sir Hugh, Walter, usou novamente o nome
Wesley ou Westley. O filho de Walter, Sir Herbert Wesley, ou
Westley, de Westleigh, co. Devon casou-se com Elizabeth, filha de
Robert de Wellesley, de Dangan Castle, Irlanda, de maneira que em
seu filho, Bartholomew, nascido em 1596, esses dois ramos de família
foram unidos; seu pai representando a descendência original, e sua
mãe, o ramo Wellesley daquela descendência. Conseqüentemente,
deriva-se o ramo Epworth da família. Bartholomew casou-se com a
filha de Sir Henry Colley, de Carbery Castle; e o filho deles, John
Westley, [Muitos detalhes interessantes a respeito de Bartholomew, e
seu filho, John Westley, estão coletados em The Fathers of the Wesley
Family, de William Beal. 2nd ed. Londres, 1862; Memoirs of the
Wesley Family, de Adam Clarke. 2nd ed. Dois volumes, Londres.
Tegg; e as pesquisas subseqüentes de G. J. Stevenson, no Memorials
of the Wesley Family. Londres, Partridge, 1876.], que se casou com a
filha do célebre Puritano, John White, conhecido como o Patriarca de
Dorchester, foi o pai de Samuel de Epworth, que foi o pai de Wesley.

A mãe de Wesley era Susanna, filha do Rev. Samuel Annesley,


segundo filho de Francis Annesley, Visconde de Valentia, cujo filho
mais velho, Arthur, era Conde de Anglesea. A mãe de Susanna era
filha do outro John White, um distinto Puritano, advogado, em

3
Londres. Da vida anterior de Bartholomew Westley, muito pouco é
conhecido. Nenhum registro familiar foi preservado, para nos
informar onde ele nasceu, ou como seus primeiros dias foram
passados. Mas fomos informados que ele foi enviado, ainda jovem
para uma das Universidades; que ele era diligente nos estudos, que
incluíam, Física e Teologia; e que como clérigo, ele se distinguia pela
simplicidade de discurso, de maneira que não era um pregador popular
para aqueles que buscavam mais por palavras adornadas do que por
verdades importantes. [Calamy]. Ele viveu por algum tempo em
Bridport, e, certamente pregou em Allington, um subúrbio daquela
cidade [o púlpito que ele usou está ainda preservado na escola
Wesleyana em Bridgport]; depois do que ele, conseguiu os benefícios
de Charmouth e Catherston, vilarejos no sudoeste de Dorset, do qual
foi expulso, até mesmo antes da passagem do Ato de Uniformidade,
em 1662. Acredita-se que ele, então, tornou-se um pregador itinerante,
em Bridport, Lyme, Charmouth, Netherbury, Beaminster, etc. Ele
também praticava medicina, porque foi preparado, através de seu
treinamento universitário. Ele residiu, por algum tempo, em
Charmouth, até que o Ato Five Mile (1665] o expulsou. Seus últimos
anos foram em reclusão, provavelmente em Lyme, onde ele transferiu
suas terras para seu filho, então, vigário de Winterbourne-Whitchurch.
Ele morreu por volta de oitenta e cinco anos, mas o exato momento e
local de seu funeral eram, até recentemente, desconhecidos. Fomos
informados que sua morte (que foi provavelmente apressada pela
morte prematura de seu filho, John Westley) aconteceu em Lyme
Regis, no ano de 1670; e que ele foi enterrado lá em 15 de Fevereiro
daquele ano, "em um bonito cemitério da igreja, cercado pelo mar –
quase dentro da vista de 'Whitechapel Rocks', e da moradia isolada,
onde ele e seus paroquianos perseguidos se encontravam, durante os
tempos turbulentos que se seguiram a Restauração". [Broadley, John
Wesley and his Dorset Forbears].

 O ato Five Mile, 1665, foi uma das leis penais inglesas que
buscava obrigar à conformidade com a Igreja Estabelecida da
Inglaterra. Ela proibia o clérigo de viver cinco milhas (8 Km) de uma
paróquia, que eles haviam excomungado, exceto se eles jurassem

4
nunca resistir ao rei, ou tentasse reformar o governo da Igreja ou do
Estado.

John, o filho de Bartholomew Westley, nasceu, talvez, em


Bridport, por volta do ano de 1636. Sua primeira educação,
provavelmente foi obtida na Escola de Gramática de Dorchester, mais
tarde, ele entrou na New Hall, Oxford, onde ele teve um considerável
progresso em Línguas Orientais. Ele conseguiu seu grau de Mestre, e,
por conta de sua seriedade, habilidade e progresso, ganhou a atenção
especial do Vice-Chanceler, Dr. John Owen, capelão de Cromwell. Ao
deixar Oxford, ele se reuniu em uma igreja "associada", e foi
designado como evangelista ou missionário, e pregou em Melcombe,
Radipole, e outros lugares em Dorset. Ele nunca foi ordenado pelo
bispo. Em 1658, tornou-se Vigário de Winterbourne-Whitchurch,
sendo aprovado pelo "examinador" de Cromwell, e apontado para o
benefício, pelos curadores. Logo depois, casou-se com a sobrinha de
Thomas Fuller, filha de John White, que foi uma figura notável na
Assembléia dos Clérigos, em Westminster. Westley deixou de lado a
Liturgia, e introduziu a forma de adoração Presbiteriana, ou
Independente. Uma conversa prolongada que teve com o Bispo de
Bristol está registrada no Memorial Não-conformista, e lança muito
esclarecimento, com respeito à posição, caráter e pontos de vista de
Westley. Sua pregação foi o meio de converter os pecadores, onde
exercesse seu ministério.

Esses foram tempos amargos para o clero não-conformista; as


questões foram maturando para o negro dia de Bartolomeu em 1662.
Espiões e informantes estavam espalhados, e John Westley (ou
Wesley, como ele algumas vezes assinava seu nome) foi uma vítima.
Artigos levianos foram esboçados contra ele, e ele foi encarcerado por
mais de cinco meses. Logo no início de 1662, ele também foi preso,
quando saía da igreja, e depois de um tempo, solto novamente.
Aconteceu em um mês, desde 24 de Agosto, quando ele e dois mil
mais foram expulsos de suas igrejas e casas. Logo depois, seu filho
Samuel nasceu. No início do ano, ele foi removido para Melcombe;
mas logo saiu da cidade e uma multa de 20 libras foi imposta sobre

5
sua senhoria, e cinco xelins, por semana, sobre si mesmo. Como um
fugitivo, sem lar, ele visitou Ilminster, Bridgewater, e Taunton, onde
pregou quase todos os dias, tratado com grande delicadeza pelos
Presbiterianos, Independentes, e Batistas. Por algumas semanas, ele
foi o cooperador entusiasta de Joseph Alleine. Pela generosidade de
um desconhecido amigo, uma casa foi providenciada para ele e sua
família em Preston, para a qual ele se mudou em 1663. Aqui, diversos
de seus filhos nasceram. Ele ministrava, quando tinha oportunidade,
em at Weymouth, e lugares na vizinhança, entretanto, logo depois de
1664, ele foi impedido de pregar na vigência do Conventicle Act. Mas
ele não foi totalmente silenciado; e começou a pregar em privativo,
em Preston e alhures. Mais tarde, tornou-se pastor de um pequeno
grupo, em Poole, com os quais continuou até sua morte, embora fosse
diversas vezes capturado, e quatro vezes encarcerado. Em uma
ocasião, ele foi obrigado a deixar sua esposa e família, e rebanho, e
por um período considerável permaneceu escondido. Por fim, seus
sofrimentos e privações, o declínio da religião espiritual, a perda de
amigos, junto com a virulência crescente dos inimigos da religião, o
subjugaram, e ele morreu com trinta e três ou trinta e quatro anos, por
volta do ano de 1670.

 Ato Conventicle de 1664, Charles II, foi um Estatuto Inglês


que proibia as assembléias religiosas de mais de cinco pessoas, sem o
patrocínio da Igreja da Inglaterra. O objetivo desta lei, parte do projeto
de Edward Hyde, primeiro Conde de Clarendon, era desencorajar o
Não-conformismo, e fortalecer a posição da Igreja Estabelecida.

Samuel Wesley nasceu em Winterbourne-Whirchurch, em


Dezembro de 1662. [a seguinte entrada é tomada do velho registro
paroquial – "1661 – Samuel Wesly, o filho de John Wesly, foi batizado
em 17 de Dezembro]". Ele recebeu sua educação na Dorchester Free
School, onde permaneceu até os seus quinze anos de idade. Com sua
mãe viúva, naquela época muito pobre, ele foi enviado, através da
delicadeza de amigos Dissidentes, para uma academia em Stepney, na
esperança de que entrasse para o Ministério Dissidente. Aqui ele
permaneceu dois anos, quando ele diz, que foi um diletante na poesia

6
e partidarismo; e, encorajado por alguns dos ministros Dissidentes,
escreveu "Tolas sátiras dobram a Igreja e Estado". Ele progrediu no
aprendizado clássico, e teve a vantagem de atender ao ministério de
Charnock, e outros ministérios populares do dia; ele uma vez ouviu "o
amigo Bunyan".

Comprometido a responder a algumas criticas severas, escritas


contra os Dissidentes, ele matriculou-se em um curso de redação, que
o levou a mudar seus pontos de vista, e, em conseqüência, a sua
vinculação à Igreja Estabelecida. Encorajado pela oferta de uma bolsa
de estudos de 10 libras, ele decidiu ir para Oxford. Assim sendo, ele
partiu cedo uma manhã, "a pé" todo o caminho. Ele se inscreveu como
um criado do Exeter College, sustentando-se por cinco anos, obteve
seu grau, e mudou-se para Londres, onde foi ordenado diácono, em 7
de Agosto de 1688. Ele obteve um curato, com uma renda de 18
libras, e, mais tarde, uma capelaria a bordo de um navio-de-guerra,
onde começou seu poema sobre A Vida de Cristo.

Ele, então, obteve outro curato, e logo depois, casou-se, como


foi falado acima, com Susanna, filha do Dr. Annesley, uma seguidora
do clérigo Não-conformista, em cuja casa, ele com outros sinceros
estudantes encontraram freqüentemente boas-vindas. Em 1691, ele foi
designado para a paróquia de South Ormesby, com uma renda de 50
libras e uma casa – "uma choupana simples composta de junco e
barro". Aqui ele passou perto de seis dos melhores anos de sua vida, e
escreveu algumas das mais qualificadas obras, e aqui cinco de seus
filhos nasceram. Por volta do ano de 1696 ou 1697, ele se mudou com
sua esposa e família para Epworth, onde o interesse especial da
história familiar começa.

Samuel Wesley era cuidadoso na observação de suas


obrigações como sacerdote paroquiano; versado, sábio, devotado a seu
livro e sua pena, um estudante apaixonado pela Escrituras, em suas
Línguas originais, um escritor de grandes volumes, em prosa e verso;
um homem ativo, atarefado, borbulhante; com sagacidade, e
habilidade; um trabalhador vivaz e incansável, sabendo pouco do

7
descanso, e nada da auto-indulgência – qualidades que foram, mais
tarde, altamente desenvolvidas em seu filho. Seus talentos e erudição
logo lhe trouxeram notoriedade, e ele se ocupou com os assuntos da
Igreja, e pela compulsão, deu atenção aos assuntos de trabalho, para os
quais ele não era especialmente adequado; isto conduzindo, algumas
vezes, a uma não pequena interrupção do conforto familiar. Ele
usualmente atendeu às reuniões de Convocação, mantendo tal
atendimento como parte de sua obrigação. Isto ele executou com gasto
de dinheiro que ele mal pode gastar para as necessidades de uma
família tão grande, e a um preço do tempo, que era injurioso para sua
paróquia. Mas foi um homem de integridade irrepreensível, de
sensibilidade moral elevada, e muito firme em seu ater-se a princípio.
Seus esforços com a pobreza, e suas dificuldades, em meio aos seus
rudes paroquianos, junto com muitos fatos interessantes na história
familiar, é contada com alguma minúcia em Life and Times of Samuel
Wesley, de Tyerman.

Dos ancestrais de Susana Wesley, seu biógrafo diz [A mãe dos


Wesleys. Pelo Rev. Rev. John Kirk. 5th ed., Londres, Jarrold, 1868]
que alguns deles, como vimos, poderiam vangloriar-se do sangue
aristocrata, e ocasionalmente desfrutar de importantes posições em
Commonwealth; enquanto outros podiam se regozijar de uma mais
importante nobreza espiritual. Seu pai foi "Samuel, o filho de John
Anslye", provavelmente da paróquia de Haseley, em Warwickshire,
em cuja paróquia, o jovem Annesley foi batizado em Março de 1620.
Ele foi sério, desde seus primeiros anos de vida; diligente leitor das
Escrituras Sagradas, e, durante seu curso colegial em Oxford, notável
por seu temperamento e esforço. Em seu primeiro serviço eclesiástico,
na paróquia de Cliffe, em Kent, seus paroquianos, mais aficionados da
desordem e bebedeira do que da sobriedade e religião, o saudavam
com "cuspe, facas, e pedras", e, muitas vezes, ameaçavam sua vida.
"Usem-me como vocês desejarem", disse o corajoso jovem pároco:
"Eu estou decidido a continuar com vocês, até que Deus tenha
adequado vocês, através do meu ministério, para receberem melhor.
Então, quando vocês estiverem assim preparados, eu os deixarei".
Quando ele os deixou, foi em meio a lágrimas e gritos deles, e

8
milhares de outros sinais de amor fraternal. Ele, mais tarde, tornou-se
Vigário de Cripplegate, onde permaneceu, até que dividiu a sorte com
seu camarada Não-conformista em 1662. Nos dez anos seguintes, ele
parece viver na obscuridade, "seu Não-conformismo cria muitos
problemas exteriores para ele, mas nenhuma inquietação interior".
Beneficiado pela Declaração de Indulgência, em 1672, ele licenciou
uma casa de pregação na Igreja Little St. Helen, Bishopsgate Street,
onde reuniu uma igreja grande e notável, para a qual amorosamente
ministrou por vinte e cinco anos. Ele foi abençoado com uma
constituição forte."Os dias de 'neve rigorosa', e vento congelante, o
encontravam em seu estúdio no alto da casa, com as janelas abertas e
a grelha vazia". Ele era equilibrado, em todas as coisas; usava de
nenhum estimulante, e podia suportar qualquer montante de ativo
exercício e trabalho árduo, pregando duas, ou três vezes, todos os dias
da semana, sem qualquer sensação de fraqueza.

Ele morreu em 16 de Dezembro de 1696, e foi enterrado na


Igreja de St. Leonard, Shoreditch. No seu sermão fúnebre, foi dito que
"nele a Igreja perdeu um pilar, a nação, um lutador com Deus, o
pobre, um benfeitor, seu povo, um fiel pastor, seus filhos, um terno
pai, e o ministério, um exemplar colaborador".

Durante sua residência em Cliffe, ele se casou com a filha de


John White, "uma distinta advogada", uma Puritana desde sua
juventude, muito decidida e ativa em seus princípios religiosos e nas
controvérsias eclesiásticas daquele tempo. Ele foi membro da
Assembléia dos Clérigos de Westminster. A Sra. Annesley, conforme
se sabe, tinha um entendimento superior, uma sincera e consistente
devoção. Ela não poupava esforços no se empenhar para promover o
bem-estar religioso de numerosas crianças. Susanna foi a filha mais
jovem, dentre as "duas dúzias", nascidas deste honrado casal. O Sr.
Kirk julga que aquelas grandes qualidades de caráter, tão admiradas
em Susana Wesley, foram herdadas de sua mãe, e que a ordenação da
santa família na residência paroquial em Epworth foi uma imitação
daquela que preponderava na casa do ministro Não-conformista, sob o
cuidado da própria mãe de Susanna Wesley.

9
Se existe alguma virtude em uma linhagem que combine saber,
respeitabilidade, e santidade, de ambos os lados, John Wesley pode
certamente pretender uma nobreza verdadeira de descendência. Ele
vem de um povo que tinha uma história mental e espiritual. É
impossível marcar esses pormenores no registro familiar, sem ficar
impressionado com a providência singular que trouxe junto, através de
sucessivas gerações, os muitos elementos de caráter que eram
necessários para alguém que fosse um agente preparado pela graça
Divina, em tão grande obra, como aquela para o qual Wesley foi
chamado. Seus ancestrais não eram ancestrais comuns; porque ele não
era um homem comum. Ele herdou a tenacidade familiar e o
temperamento devocional do Puritano. Um treinamento difícil que
desenvolveu nele grandes poderes de persistência, a disciplina
espiritual que o conduziu a tão profunda reverência pelas coisas
sagradas, o ensino da pobreza que deu a ele uma consciência da
independência da riqueza, e da superioridade de suas reivindicações,
não eram desconhecidas por muitos de seus ancestrais. Além disto, a
perseguição e sofrimento, por causa dos grandes princípios, que
muitos deles suportaram, e incrustaram tão firmemente em suas
mentes, ele compartilhou. Na cultura mental que deu tanta rapidez, no
adquirir conhecimento, e no poder de retê-lo; no desenvolvimento das
faculdades poéticas e musicais, que nesta família obtiveram tão alto
grau de perfeição; e na facilidade de falar em público, que sucessivos
indivíduos manifestaram, e que culminou nos extraordinários poderes
de seu exemplo final – em todos esses, nós assinalamos características
distintas que formaram as especiais qualificações de Wesley em sua
notável carreira.

O que se pode dizer de Susanna Wesley, ela que se encontra no


mesmo nível das mais célebres mães que a história evoca? Nós
aprendemos que ela, muito cedo, se devotou à leitura – primeiro, "dos
bons livros", que ela reconheceu, como em meio às misericórdias de
sua infância, e, então, uma aventura destemida, junto às águas
turbulentas das controvérsias teológicas do dia, quando ela quase
naufragou de sua fé, na rocha do Socianismo, do qual foi resgatada

10
pelo "religioso ortodoxo", que, mais tarde, tornou-se seu marido. Por
quais meios ela, educada entre os Dissidentes, foi conduzida a ligar-se
à Igreja da Inglaterra, nós saberíamos, não tivesse o fogo que destruiu
a casa pastoral de Epworth, também ocasionado um manuscrito
contendo "um relato de toda transação, em que", diz ela, "eu inclui o
principal da controvérsia entre os Dissidentes e a Igreja Estabelecida,
até onde isto chegou ao meu conhecimento". Sua atitude no escrever é
mostrada em suas excelentes cartas para seus filhos, e nos papéis
preparados por ela, para uso na instrução deles. [Veja Stevenson's
Memorials of the Wesley Family; The Proceedings of the Wesley
Historical Society, vol. I.; e Clarke's Wesley Family, vol. Ii., no qual
aparece seu próprio relato de seu método de treinar seus filhos e
governar sua casa, contida em uma carta para seu filho, John, datada
de 24 de Julho de 1732]. Essas são dissertações sobre o Credo, os Dez
Mandamentos, obediência à Lei de Deus, a Existência e as perfeições
de Deus, e uma exposição dos princípios Revelados da Religião.

Ela foi uma mulher admirável, de grande aperfeiçoamento de


mente, e um forte e viril entendimento; uma esposa obediente, uma
mãe exemplar, uma cristã fervorosa [Southey]. Sua perfeita
administração de sua numerosa família, sua paciência constante em
incomodar a miséria, sua coragem inflexível, em meio à preocupação
e perigo, sua profunda preocupação com o bem-estar espiritual de seus
paroquianos, sua devoção capaz, mas de certa forma, errático marido,
"sua regularidade, firmeza de propósito, autoridade calma, e terna
afeição" [Rigg], encontra ampla ilustração nas numerosas referências
a ela que são encontradas nas várias memórias de Wesley, mais
especificamente na Life do Rev. John Kirk. Mas é sua maravilhosa
habilidade no treinamento de seus filhos, especialmente no seu
relacionar-se com o futuro de seu ilustre filho, que pretende atenção
aqui.

Os filhos naquela casa paroquial estavam sujeitos a uma suave,


terna e amorosa, se inflexível, regra. A Sra. Wesley teve infatigáveis
dores com sua numerosa prole.

11
Devemos banir todas as noções de aspereza, precipitação, ou
irritabilidade de temperamento, nesta graciosa mulher. Calma, gentil,
firme, e amorosamente, ela moldou o espírito plástico de cada filho.
No observar as primeiras germinações da atividade inteligente, ela
previamente usava de sua orientação gentil, sem esperar que o habito
se formasse, e, então, com severidade o corrigia. A regra, se inflexível,
não era imposta asperamente. Seu biógrafo diz: "Todos os seus
comandos foram agradáveis como maçãs de ouro em cestas de prata".
A guia e mestra daqueles pequeninos, e jovens em desenvolvimento,
era sua melhor, mais amorosa, e amada amiga – uma sábia, doce, e
piedosa mulher. Eles não foram deixados ao cuidado de servos
ignorantes ou rabugentos, ou professores desinteressados. Ela, com a
ajuda de seu marido, era a professora deles, até que, sob seus olhos, o
mais velho fosse capaz de dar instrução ao mais jovem. Sua família
era governada pela lei, e ela era a legisladora, mas a lei em sua boca
era a lei da delicadeza. A instrução e treinamento de seus filhos foram
conseqüência de seu próprio treinamento: sua disciplina seguiu sua
própria autodisciplina. À luz dos costumes modernos, o tempo para
recreação pode parecer ter sido curto, quando lembramos a regra pela
qual ela regulou suas próprias horas de lazer, na tenra vida, para nunca
gastar mais tempo em qualquer recreação em um dia, do que ela passa
em obrigações religiosas, em particular. Não se trata de um
regulamento tão mal, como pode parecer a primeira vista, porque ela
separou, pelo menos, uma hora da manhã e uma à tarde, para tais
obrigações. "O quarto das crianças, o pátio e terreno adjacente, no
entanto, ocasionalmente se tornaram cenários de grande alegria e
brincadeira". [Kirk].

Foi nesta família, no dia 17 de um mês ensolarado de Junho, de


1703, que a décima-primeira criança, e quarto filho, de dezenove
crianças de Samuel e Susanna Wesley, nasceu na residência paroquial
de Epworth; e algumas horas depois de seu nascimento, de tão fraco,
foi batizado por seu pai. O bebê foi chamado John Benjamim, depois
da morte de duas crianças, que respectivamente levavam esses nomes.
["Eu ouvi dele (Wesley), que ele foi batizado pelo nome de John
Benjamim; que sua mãe enterrou dois filhos, um chamado John e

12
outro Benjamim, e que ela uniu seus nomes nele. Mas ele nunca usou
o segundo nome"]. Crowther's Methodist Memorial, 1810, p. 5. Isto
está de acordo com a tradição familiar. O ultimo nome nunca foi
usado, quer por Wesley, ou pela família. O pequeno "Jacky" teve o
treinamento comum a todos os filhos daquela casa. Seu sono na
infância era medido – Três horas de manhã, e três à tarde,
gradualmente diminuído, até que ele não precisasse dormir durante o
dia. No encerramento do seu primeiro ano, ele havia sido ensinado a
"temer a vara", quer da punição ou da autoridade; e, se ele chorasse,
faria isto "suavemente". Suas refeições eram estritamente reguladas,
quanto ao tempo e quantidade, e ele foi ensinado, mais além, a comer
tais coisas, que eram colocadas diante dele, nas três refeições diárias, e
a não pedir nada entre as refeições. Tão logo pôde falar, foi-lhe
ensinado a Oração do Senhor, que ele, então, repetia diariamente,
manhã e noite. Ele foi instruído a falar e agir com propriedade, e
nunca ser rude na palavra ou no comportamento, até mesmo, com os
criados. Quando fosse chamar um irmão ou irmã, pelo nome, ele
aprendeu a colocar o nome "irmão" ou "irmã", antes do nome próprio.
Em seu quinto aniversário, ele como todos os outros, exceto Kezzie,
aprendeu o alfabeto, e, imediatamente começou a ler as lições, no
primeiro Capítulo em Gênesis. A comemoração deste aniversário era
um evento notável na vida de cada criança, para o qual as devidas
preparações eram feitas. "Tão logo o aniversário com suas simples
festividades regularmente terminavam, o aprendizado começava de
fato. No dia anterior, o novo aluno tomava seu lugar formal na sala-
de-aula, 'a casa era colocada em ordem, cada tarefa designada, e um
aviso era dado de que ninguém deveria entrar na sala, das nove ao
meio-dia, ou das duas às cinco da tarde. A tarefa distribuída daquelas
horas era para que o novo aluno adquirisse uma mestria perfeita do
alfabeto; e em todos os casos, salvo dois, o horário da tarde viu os
filhos da Sra. Wesley em completa posse dos elementos de todo o
aprendizado futuro". [Kirk's The Mother of the Wesleys, p. 145.]

De manhã e à tarde, ele se reunia para cantar Salmos com o


qual a escola começava e se encerrava; e, de acordo com a regra da
casa, uma de suas irmãs mais velhas, provavelmente Kezzie, que era

13
apaixonadamente afeiçoada ao garoto, lia para ele o Salmo para o dia,
e um capítulo na Bíblia. Muitos têm se maravilhado em como a Sra.
Wesley pôde ter sucesso em inculcar todas essas lições. Ela os
ensinou. Não era dito às crianças o que fazer, e, então, a lição era
inculcada a força. Ela mais do que qualquer uma tinha amor a cada
filho, e gentil e amavelmente conduzia cada um no caminho do dever.
As crianças aprenderam a refletir com ela a importância e a razão do
dever. Em tempo algum, nós ouvimos de algum deles uma palavra de
queixa, fosse contra a restrição demasiada, ou da rebeldia contra o
jugo carregado na juventude. Nas mais humildes confissões de
Wesley, ele nunca menciona alguma semelhança à desobediência em
sua infância; não, ele observou seus primeiros anos, como sendo os
melhores. Alguns padrões desta disciplina reaparecem, quando
Wesley estabelece sua escola em Kingswood.

Por alguns anos, os assuntos transcorreram muito bem. "Nunca


as crianças estiveram em melhores condições", escreveu a feliz mãe,
regozijando-se do sucesso de seus esforços; "nunca as crianças
estiveram mais bem dispostas à piedade, ou em mais sujeição aos seus
pais". Mas a pacífica correnteza desta história familiar foi destinada a
ser mais rudemente estremecida. A fidelidade do Reitor em censurar
os pecados de seu povo, e sua atividade em promover a eleição de um
candidato impopular para o Parlamento, talvez, acrescentados à inveja
ignóbil da família deles, tão grandemente exaltada acima deles
mesmos, excitou a ira de seus rudes paroquianos, e eles atiraram fogo
na casa paroquial. John, pela misericordiosa providência, escapou:
"Um tição arrancado do fogo", como ele mais tarde escreveu.

A Sra. Wesley, em uma carta escrita logo depois do evento,


diz: "... Quando entramos no corredor, e fomos cercados pelas
chamas, o Sr. Wesley [pai] se certificou que tinha deixado as chaves
das portas encima da escada. Ele correu e as recuperou um minuto
antes que a escada pegasse fogo. Quando abrimos a porta da rua, o
forte vento nordeste dirigiu as chamas com tal violência, que ninguém
pôde permanecer contra elas. Mas algumas das nossas crianças
atravessam as janelas, e o restante, pela pequena porta no jardim. Eu

14
não estava em condição de subir até as janelas, nem poderia alcançar
a porta do jardim. Eu tentei três vezes forçar minha passagem,
através da porta da rua, mas fui freqüentemente jogada para trás,
pela fúria das chamas. Nesta aflição, eu implorei ao nosso abençoado
Salvador por ajuda, e, então, prossegui com dificuldade em meio ao
fogo, desguarnecida como eu estava, o que não me causou mais dano,
do que uma pequena queimadura em minhas mãos e face. Quando o
Sr. Wesley viu as outras crianças a salvo, ele ouviu uma criança no
quarto chorar. Ele tentou subir as escadas, mas elas estavam em
chamas, e não suportariam seu peso. Certificando-se que era
impossível dar alguma ajuda, ele caiu de joelhos no granizo rústico, e
recomendou a alma do filho a Deus".

Wesley, em um período mais tarde suplementa este relato. Ele


diz: "Eu acredito que foi no exato momento que eu acordei; porque eu
não chorei como eles imaginaram, exceto mais tarde. Eu me lembro
de todas as circunstâncias, tão distintamente, como se tivessem
acontecido ontem. Ao ver que a sala tinha muita luz, eu chamei a
criada para me pegar. Mas, como ninguém respondeu, eu coloquei
minha cabeça para fora das cortinas, e vi as labaredas de fogo no
alto da sala. Eu corri em direção à porta, mas não pude chegar mais
longe, todo o chão do outro lado estava em chamas. Eu, então, pulei
em uma caixa que estava perto da janela. Alguém no pátio me viu, e
se propôs a buscar uma escada. Um outro [Sr. Rhodes --{Seu neto,
um capitão aposentado em Wellington, New Zealand, preservou a
tradição do nome}] respondeu: 'Não existe tempo, mas eu pensei em
um outro expediente. Aqui, eu me fixarei contra a parede; levantarei
um homem leve, e o colocarei em meus ombros'".

"Eles assim fizeram, e ele me pegou na janela. Exatamente


quando todo o telhado caiu; mas no interior da casa, ou teríamos
todos sido esmagados imediatamente. Quando eles me trouxeram
para dentro da casa onde meu pai estava, ele gritou: 'Venham, meus
vizinhos, vamos nos ajoelhar, e dar glórias a Deus, Ele ter me dado
meus oito filhos; que a casa desabe, eu já sou rico o suficiente'. No
dia seguinte, quando ele estava caminhando no jardim e

15
inspecionando as ruínas da casa, ele pegou parte de uma folha de sua
Bíblia poliglota, em que justamente estavam escritas essas palavras
legíveis: Vade; yende omnia quae habes, et attolle crucem, et sequere
Me. 'Vá, vende tudo que tens; toma a tua cruz, e siga-Me'". [Works,
xiii. 475-6].

Mais recentemente, uma outra relíquia do fogo foi descoberta.


No ano de 1832, o então Reitor, ao tentar alterar a aparência do
jardim, deixou um montículo de terra para que fosse removida.
Debaixo do solo foi encontrada uma quantidade de entulho, e, nele, no
que pareceu ser os pés de uma velha escadaria, um pequeno quarto de
Bíblica foi descoberto, encadernada em fortes papéis cartolina, e
coberta com um couro denso. Ela estava muito descolorada pela água
e chamuscada pelo fogo. Foi permitido ao homem que removeu o solo
levar o livro embora. Mais tarde, ele foi vendido pelo seu filho a um
cavalheiro, que presenteou o Didsbury College, com ele, onde está
cuidadosamente preservado com os documentos comprobatórios.

Ao fazer um relato do fogo para o Rev. Mr. Hoole, o Sr.


Wesley assim escreve: "Embora o Sr. Wesley [pai] e eu e sete
crianças pequenas estivéssemos todos desguarnecidos e expostos à
inclemência do ar, em uma noite que estava tão severamente fria,
como talvez, qualquer um pode se lembrar, e embora tenhamos diante
dos olhos o melancólico panorama de nossa casa e bens consumidos
pelas chamas, nem soubéssemos para onde ir, nem o que fazer com os
pequeninos que agora choravam, tanto com o frio, e porque a neve
cortava seus pés nus, como eles tinham feito antes, quanto pelo medo
do fogo, ainda assim, nossas mentes estavam afetadas, tão
profundamente, com a bondade de Deus, em nos preservar e a vida
de nossas crianças, que, por um tempo, não refletimos sobre a
condição a que ficamos reduzidos, nem o fato de não termos casa,
dinheiro, alimento, ou vestimenta, nos afetou muito".

Quarenta anos depois deste evento, Wesley escreve: "Nós


tivemos uma confortável noite de vigília na capela. Por volta das onze
horas, veio à minha mente que este era o mesmo dia e hora em que, a

16
quarenta anos atrás, eu fui arrancado das chamas. Eu parei e deu um
breve relato daquela maravilhosa providência. A voz do louvor e ação
de graças, se ergueram ao alto, e grande foi nosso regozijo diante do
Senhor". [Diário, 9 de Fevereiro, 1750].

A dispersão dos filhos durante a construção da nova reitoria,


infelizmente os deixou em plena liberdade para conversar com os
criados, do qual antes eles tinham sido restringidos; e correr pelas
redondezas e brincar com qualquer criança boa ou má. O efeito foi que
"aquele comportamento civilizado que os fez admirados, quando em
casa, por todos que os viram, foi, em grande medida, perdido, e um
sotaque grosseiro e muitas maneiras rudes foram aprendidas, o que
não foi reformado, sem alguma dificuldade". Assim escreveu a
cuidadosa mãe, mas ela se colocou resoluta na tarefa de corrigir o
prejuízo.

John estava com seis anos, e, portanto, estaria menos capaz de


suportar o mesmo que alguns de seus irmãos mais velhos. Ele foi
recebido na casa de um clérigo vizinho, com quem ele permaneceu
doze meses, durante a construção da casa paroquial, e, por esta
família, ele nutriu uma afeição muito forte. O cuidado de sua mãe foi,
mas tarde, especialmente em direção a ele. Em uma solene meditação,
ela escreveu: "Eu gostaria de oferecer a Ti, eu mesma e tudo que tu
tens me dado; e decidi – Ó, dê-me graça para fazer isto – que para o
resto de minha vida, eu me devotarei a Teu serviço. E eu pretendo ser
mais especificamente cuidadosa com a alma desta criança que Tu tão
misericordiosamente me proporcionou, do que eu tenho sido, até
então; de maneira que eu me esforçarei para instilar em sua mente os
princípios de Tua verdadeira religião e virtude. Senhor, dá-me graça
para fazer isto sincera e prudentemente, e abençoa minhas tentativas
com bom sucesso!". [Moore, i. 116]. "Ninguém pode, sem renunciar
ao mundo, no sentido mais literal, observar meu método", ela
escreveu, "e existem poucos, se algum, que inteiramente devotaria
vinte anos do vigor da vida, na esperança de salvar as almas dos
filhos, já que eles acreditam que elas podem sem salvos, sem muito
alvoroço – porque esta foi minha principal intenção, mesmo que

17
manejada de maneira inábil". [Carta da Sra. Wesley — Veja --
Overton, John Wesley, p. 5.]

Em adição aos ensinos da Sala de Aula, cada criança, em


turnos, uma vez por semana, conversava privativamente, quando os
princípios religiosos eram mais minuciosamente instilados, e as
obrigações religiosas, mas intimamente pressionada, em casa. O dia de
Jacky era quinta-feira, e anos mais tarde, ele escreve para sua mãe: "Se
você puder me reservar apenas pequena parte da quinta-feira, à
tarde, que eu anteriormente me concedi de uma outra maneira, eu não
duvido que seria tão útil agora para corrigir meu coração, quanto foi,
então, para formar meu juízo".

As condições da vida naquela reitoria de Lincolnshire eram


altamente favoráveis para o crescimento da bondade de caráter.
Autodomínio, autodisciplina e abnegação eram diariamente
praticados. Cuidado reverencial pelas coisas sagradas, com firme fé na
palavra Divina, e obediência resoluta a ela, foram habitualmente
exibidos. Nós ouvimos pouco da alta cultura na vizinhança, mas
dentro daqueles muros do jardim, virtudes simples floresceram, e
erudição e alegria e amor, abundaram. "Haveria poucos vizinhos com
os quais os Wesleys teriam associação em condições de igualdade;
eles, portanto, seriam deixados muito mais aos seus próprios
recursos. Mas, como toda família – pai, mãe, e todos os irmãos e
irmãs – estavam acima da média, com respeito às habilidades e
talentos, não seria detrimento para a cultura intelectual de John
Wesley, enquanto ao mesmo tempo, o alicerce daquela simplicidade,
inocência, e altruísmo, fosse colocado, o que foi uma de suas
características mais fortemente marcadas, durante toda a sua vida.
Seus primeiros treinamentos em casa também combinaram a
vantagem dupla de dar a ele a cultura e refinamento de um perfeito
cavalheiro, e a firmeza e poder para suportar a privação. Porque, das
circunstâncias em que não é necessário entrar, os Wesleys estavam
sempre pobres, algumas vezes mesmo, no limite da destituição".
[Overton]

18
Em meio a essas circunstâncias favoráveis, o jovem Wesley
cresceu. Quem, então, eram seus companheiros diários? Seu irmão
Samuel deixou a casa, quando John tinha apenas um ano de idade;
Martha tinha três anos, e Charles, dois, quando por ocasião do
incêndio. Ele usufruía, portanto, da companhia de suas irmãs mais
velhas. Mas que irmãs! Emília, com dezessete anos – intelectual,
estudiosa, sábia; bonita na aparência, virtuosa, graciosa, tendo um
gosto especial para poesia e música, e afeiçoada apaixonadamente a
John. Susanna, afável, brincalhona, e um pouco romântica, com uma
mente naturalmente forte e vivaz, e bem refinada por uma boa
educação. Mary, de certa forma, feia de corpo, mas com um rosto que
era excessivamente bonito, um justo e legível indicador para uma
mente e disposição quase angélica – bem informada e naturalmente
refinada, humilde, prestativa, e amável, ela foi a favorita e deleite de
toda a família. [Clarke.] Hetty, tinha seis anos mais que John; Anne
(Nancy) era sete anos mais velha. A última herdou todas as
excelências, social, moral e espiritual, que caracterizaram a família;
era seu deleite sentar-se na sala de sua mãe, depois das aulas, para
ouvi-la falar, ou suas observações sobre coisas ou livros. Ela também
era apaixonadamente ligada a John. Este era o estado da família
naquele tempo do incêndio, e John tinha cinco anos mais para passar
naquela casa, antes que fosse removido para a escola.

"Alguém retrata John em Epworth, como uma criança distinta


e serena, sempre querendo saber a razão de tudo, alguém de um
grupo de crianças notáveis, cada uma delas, com uma forte
individualidade, e um espírito altíssimo, mas todas mantidas bem á
mão por sua admirável mãe; todas meticulosas, e, preferivelmente,
formais, segundo a moda do tempo, em suas linguagens e hábitos".
[Overton]. Existem dois incidentes de sua vida no lar, registrados.
John pensou profundamente a respeito de todo assunto, e se sentiu
respondível, de acordo com sua razão e consciência, em todas as
coisas que ele fez; em nenhuma delas, a paixão ou apetite natural
pareceu ter qualquer influência peculiar. "O sr. Wesley disse-me", diz
Dr. Adam Clarke [Memoirs of the Wesley Family], "que quando ele
era criança, e lhe era pedido, a qualquer tempo, fora do horário

19
comum das refeições, para pegar, por exemplo, um pedaço de pão e
manteiga, fruta, etc. ele respondia, com uma fria tranqüilidade:
'Obrigado, eu pensarei nisto'". Ele nem tocaria, nem faria alguma
coisa, até que tivesse refletido sobre sua conveniência e adequação.
Esta sujeição de sua mente para a reflexão profunda, que, para aqueles
que não estavam familiarizados com ele, teria parecido hesitação,
algumas vezes, deixavam a família perplexa. Em uma ocasião, seu pai
disse, mal humorado, à Sra. Wesley: "Eu admito, querida, eu penso
que nosso Jack não atenderia as necessidades mais prementes da
natureza, exceto se ele visse uma razão para isto". "Filho", disse seu
pai a ele, quando ele era jovem, "você pensa em levar alguma coisa,
por meio de argumento; mas você se certificará quão pouco é feito,
alguma vez, no mudo, através da razão cuidadosa". Ao recordar isto,
Wesley acrescenta: "Muito pouco, de fato". Atacado por varíola,
quando entre oito e nove anos de idade, ele leva a aflição com
paciência e coragem. Em uma carta a seu marido, a Sra. Wesley diz:
"Jack tem suportado sua enfermidade, bravamente, como um homem,
e, na verdade, como um cristão, sem queixa". Com esses poucos fatos
em vista, dificilmente irá surpreender que sua conduta fosse tal que
seu pai o admitiu na mesa do Senhor, quando ele tinha apenas oito
anos de idade. [Diário, 27 de Maio, 1728].

Com respeito a si mesmo, nesta época, ele, alguns anos mais


tarde, escreveu: "Eu acredito que até por volta de dez anos, eu não
tivesse pecado, com a lavagem do Espírito Santo que me foi dado em
batismo" – tais eram seus pontos de vista, naquele tempo,
"estritamente educado, e cuidadosamente ensinado que apenas eu
poderia ser salvo, pela obediência universal, mantendo todos os
mandamentos de Deus; em cujo propósito eu fui diligentemente
instruído. Todas essas instruções, até onde elas dizem respeito às
obrigações exteriores e pecados, eu alegremente recebi, e
freqüentemente considerei".

CAPÍTULO II

20
Londres e Oxford: Escola e Vida Colegial

O jovem Wesley passaria agora por circunstâncias


completamente diferentes de tudo, que tinha sido familiar, até aqui.
Aos seus onze anos, ele entrou na Charterhouse, Londres, com bolsa
básica (juntamente com cerca de quarenta, a sessenta "garotos
urbanos"), sobre a indicação do Duque de Buckingham, que
freqüentemente favorecia a família Wesley. Do isolamento de sua
casa rural para o centro de uma grande cidade, e da companhia de
irmãs para a companhia de centenas de jovens de várias idades,
disposições, caráter, e educação, foi uma mudança muito grande, e
deve ter provocado um choque para este espírito delicadamente
sensível e suscetível, por mais que isto fosse abrandado com o modo
de vida preparatório na Reitoria. Com respeito ao caráter, ele foi
preparado para ficar na presença de qualquer um deles, e,
provavelmente poucos, se algum, suportaram disciplina tão severa
quanto ele – uma disciplina que não era uma restrição da qual, na
inquietação da juventude, ele desejasse ser livre, mas um hábito de
vida que tinha a aprovação de sua jovem consciência e juízo. Tudo
que podemos saber dele, durante sua estada em Charterhouse, aponta
para o comportamento diligente e bom. Sua prévia disciplina mental,
seus hábitos enraizados de ordem, regularidade, e obediência, o
preparariam bem para a rotina e restrições da vida escolar. Ela agora
teria suas primeiras lições metódicas, uma vez reveladas pela rigidez
com que ele seguiu o conselho de seu pai, ao correr em volta do
jardim de Charterhouse, três vezes, toda manhã – numa distância de
cerca de uma milha – para o benefício de sua saúde. Southey diz que
devido sua quietude, regularidade, e aplicação, ele se tornou um
favorito com o mestre, Dr. Walker; e acrescenta que Wesley parece
nunca ter olhado para trás, para os dias que se foram, com melancolia;
tristezas mundanas deste tipo não encontrariam lugar em alguém que
estava continuamente seguindo adiante em seu objetivo.

Por mais que Wesley estivesse acostumado à privação, ele não


poderia deixar de suportar dolorosamente: do fato dos garotos mais
velhos tirarem dos mais jovens suas porções de alimento, de maneira

21
que durante grande parte de sua residência ele passou principalmente
com pão seco. Em dias vindouros, ele imputou sua vigorosa saúde,
parcialmente a este fato. "Dos dez aos quatorze anos", ele diz, "eu tive
pouco, a não ser pão para comer, e não grande quantidade deste. Eu
acredito que isto, muito longe de me prejudicar, estabeleceu os
alicerces da saúde eterna".

A história seguinte, antecipatória do poder sobre multidões que


Wesley, no futuro, exercitou, foi relatada por seu irmão, Charles a sua
filha, Srta. Sarah Wesley, que a inseriu em uma carta ao Dr. Adam
Clarke. "Quando John Wesley era um garotinho na Charterhouse
School, o mestre, sentindo falta de todos os garotinhos do playground,
supôs que eles, pela quietude, estivessem em alguma travessura. Ao
procurá-los, ele os encontrou reunidos na sala de aula, em volta de
meu tio, que os divertia com contos instrutivos, aos quais eles ouviam
atentamente, preferivelmente a seguirem seus esportes costumeiros. O
mestre expressou muita aprovação, e pediu que ele repetisse este
passatempo, tão freqüentemente quanto pudesse obter ouvintes e a
assim empregar bem seu tempo".

Quanto ao seu progresso em aprender, o testemunho de seu


irmão Samuel, então um professor assistente na Westminster School,
que manteve cuidadosa observação sobre seu irmão mais novo, é
conclusiva. Ele diz em uma carta a seu pai: "Meu irmão Jack, eu
posso assegurar-lhe fielmente, não lhe dá motivo de
desencorajamento, em fazer de seu terceiro filho (Charles), um
estudioso"; e novamente, "Jack está comigo, e um bravo garoto,
aprende Hebreu tão rápido quanto ele pode".

Alguma referência deve ser feita aqui a alguns fenômenos


muito curiosos e inexplicáveis, que ocorreram na casa em Epworth,
durante os meses de Dezembro de 1716, e Janeiro de 1717. Várias
vozes estranhas foram ouvidas, e sinais testemunhados, em diferentes
partes da casa, para os quais nenhuma explicação razoável se
apresentou – a crença geral da família sendo de que se tratou de algo
de origem sobrenatural. Mas John estava fora, e nosso interesse neles

22
está confinado somente à influência da família sobre sua mente. Não é
improvável que ao inquirir sobre estes estranhos eventos, fez crescer
nele uma persuasão da realidade do fenômeno sobrenatural, crença na
qual, ele declarou tão freqüentemente, mais tarde. "O próprio fato de
que ele não testemunhou o fenômeno pode ter aprofundado o efeito
deles sobre ele – O tipo de efeito sobre sua mente é ilustrado pelo que
ele causou sobre sua irmã Emily, que se diz, com a ingênua resolução
dos dezoito, 'inclinada à infidelidade', que no momento daquelas
vozes, e devido a elas, reivindicou uma crença no mundo espiritual ---
Uma série de inexplicáveis fenômenos, interessantes e inexpressíveis
como fossem, forneceram à sua mente um suprimento de lembranças
firmemente enraizadas no sobrenatural, que justificou ele acrescentar
livremente inúmeras instâncias análogas de atividade sobre-humana,
sem investigação".

Os mais completos relatos foram, mais tarde, reunidos pelo Sr.


Samuel Wesley, e subseqüentemente publicados pelo Dr. Priestley que
acredita que o mais provável, é que tenha sido uma travessura dos
criados, ajudados por alguns de seus vizinhos. Em resposta a isto,
Southey diz: "Pode-se seguramente afirmar que muitas das
circunstâncias não podem ser explicadas por alguma tal suposição,
nem por algum truque, nem por ventriloquismo, nem por algum efeito
de acústica. Na presente instância, não se supõe nenhuma
manifestação do poder Divino mais do que na aparição de um espírito
desencarnado. Tais coisas podem ser sobrenaturais, e, ainda assim,
não serem miraculosas; elas podem não estar no curso comum da
natureza, e, ainda assim, não implicar alteração de suas leis". Quatro
anos mais tarde, ao ir para Epworth, Wesley inquiriu cuidadosamente
sobre alguns pormenores, falando com cada uma das pessoas que
estavam, então, na casa, e anotando o que cada um pudesse testificar
de seu conhecimento. Este relato, ele publicou, mais tarde, sem
comentário.

Depois de uma cuidadosa análise e comparação, ambos dos


registros contemporâneos e subseqüentes daquele fenômeno notável, o
autor de Espiritualismo Moderno, diz: 'O caso de Wesley indica muito

23
claramente que a principal razão para o aparentemente inexplicável
elemento nestas narrativas é a falta de evidência. Quando temos
apenas relatos escritos, de segunda-mão, meses ou anos depois dos
eventos, ou relatos de pessoas rudes ou irresponsáveis, nós
encontramos abundância de incidentes incríveis; quando, como aqui,
temos quase relatos contemporâneos, à primeira mão, de testemunhas
equilibradas, a afirmação do maravilhoso é reduzida ao mínimo. Mas
o padrão peculiarmente instrutivo do caso de Wesley é que nós
podemos ver como o testemunho, enquanto nas primeiras cartas eles
narram de suas próprias experiências pessoais, apenas
comparativamente episódios simples e desinteressantes, eles permitem
que suas imaginações adornem as experiências de outros membros de
sua família; e que esses mesmos ornamentos sejam incorporados, nos
relatos a primeira mão, acontecidos nove anos atrás, como itens
genuínos da experiência pessoal". E ao buscar uma explicação dos
registros, ele parece se prender a uma súplica mórbida pela
notoriedade e excitamento da parte de Hetty Wesley, e nota que "as
explicações adotadas pelos espectadores solidários repetem
exatamente as crenças individuais e temperamento deles, ou as
tradições correntes da região naquele tempo"; e acrescenta: "Na
família de Wesley, como na maioria dos modernas insurreições, as
perturbações supostamente indicavam um espírito de caráter
duvidoso".

Quanto ao estado moral de Wesley, naquele tempo, ele, mais


adiante, escreveu: "Nos próximos seis ou sete anos, nós passamos na
escola; onde com os impedimentos exteriores sendo removidos, eu
estive muito mais negligente do que antes, até mesmo, com respeito às
obrigações exteriores, e quase continuamente culpado de pecados
exteriores, que eu sei serem tais, embora não fossem escandalosos aos
olhos do mundo. No entanto, eu ainda lia as Escrituras, e orava, de
manhã e a noite.. E que eu agora esperava ser poupado, de maneira
a: (1) não ser tão mal como as outras pessoas; (2) ter ainda uma
delicadeza pela religião; e (3) ler a Bíblia, ir à Igreja, e dizer minhas
orações".

24
Tyerman é ligeiro o suficiente para concluir disto, que Wesley
"entrou em Chaterhouse um santo, e a deixou um pecador". Ele é
justamente repreendido pelas palavras mais prudentes de um estudante
muito cuidadoso e vitalício do inteiro ciclo da história Wesleyana e
Metodista, e quem está provavelmente mais familiarizado com os
detalhes do quer algum homem vivente no presente momento -- Dr.
James H. Rigg — que diz, referindo-se às palavras de Wesley
justamente citadas:

"Tal é a sentença que Wesley, o mais inflexível dos juízos, em


tal caso, declarou sobre seu próprio estado moral e religioso, quando
estava em Charterhouse — uma sentença proferida, devemos lembrar,
quando todos os julgamentos para casos como este, eram muito mais
severos do que se tornaram, quando revisados, depois de muitos anos
de experiência em sua vida".

"Foi em 1738, que ele então escreveu de si mesmo. É claro que


Wesley nunca perdeu, mesmo em Charterhouse, o respeito terno pela
religião, o temor a Deus, e as formas da retidão cristã. Que ele não
era, naquele tempo, convertido, não pode existir dúvida; mas, quando
o Sr. Tyerman, com tal ênfase terrível, nos diz que ele chegou em
Charterhouse uma criança 'santa', aos dez anos; e a deixou, 'um
pecador', aos dezessete, ele usa a linguagem que pode dificilmente
falhar em transmitir uma impressão completamente exagerada,
quanto ao caráter das faltas e quedas morais e espirituais do
garoto....".

Isaac Taylor diz, com referência às privações e opressões que


Wesley suportou na escola, que "ele aprendeu como um garoto a
sofrer injustamente com pronta paciência, e a conformar-se com o
cruel despotismo, sem adquirir o temperamento escravo, ou o
déspota.... De minha parte, eu não posso ajudar ao pensar que não
pouca graça estaria ainda operando na alma do bravo e paciente
garoto, para capacitá-lo a conduzir-se, como ele fez. Wesley
carregava um coração, não apenas vivo e esperançoso, mas
perdoador; não apenas flexível e vigoroso, mas paciente e generoso,

25
ou ele não teria olhado para os dias passados, em Charterhouse, não
apenas sem amargura, mas com prazer, e para usar a frase de
Soythey, reteve tão grande predileção pelo lugar, que costumava
caminhar anualmente, através dos cenários de seus anos escolares...
De qualquer forma, não se trata de uma fraca evidência da poderosa
influência restringente da religião, o fato de Wesley passar por tal
provação, em sua residência de seis ou sete anos em Chartehouse,
sem contrair alguma mancha de mau hábito".

Com uma bolsa escolar de 40 libras por ano, obtida na


Charterhouse, Wesley prosseguiu para Oxford, entrando na Christ
Church, sem receber subvenção, em 23 de Julho de 1720. Ele foi
precedido por seu irmão Samuel, seu pai, avô, bisavô e o pai de sua
mãe.

Ele agora se encontra em circunstâncias inteiramente novas.


Até aqui, ele havia tido pouca experiência do mundo. Em casa, ele não
estaria completamente ignorante do caráter rude, inculto, grosseiro de
muitos paroquianos de Epworth. Mas esses criariam apenas
sentimentos de desgosto e repugnância nele, assim como as
lembranças de maldade da juventude, a qual ele foi introduzido em
Charterhouse, por centena de jovens reunidos de tais lares que a época
produzia; lares em que o cultivo da virtude certamente não seria, em
geral, de alto nível. Este não foi um terreno favorável para o
desenvolvimento do caráter moral elevado, em alguém disposto a
concordar com suas influências; mas, quando a consciência e juízo do
jovem Wesley tinham sido totalmente instruídos e disciplinados, ele
provavelmente apenas se sentiu chocado e revoltado. Ele que não
executaria os ofícios comuns da vida, sem a razão, do mesmo modo,
não concordaria cegamente com os logros do mau procedimento. E
quanto mais ele resistia ao mal, mais ele se fortalecia para resisti-lo
mais adiante.

Neste estágio de seu treinamento moral, e em uma idade muito


suscetível, ele ingressou na Universidade -- "um jovem alegre, vivaz e
virtuoso, cheio de bons conhecimentos clássicos, assim como algum

26
de Hebraico". Triste, de fato, é o quadro da vida universitária, no
século dezoito, como apresentado por nossos fidedignos historiadores.
Se não fosse totalmente mau, e os piores relatos não garantissem tal
suposição, embora a centelha de luz no quadro escuro fosse pouca,
ainda assim, a Universidade refletia o espírito de uma época que,
através de sua crueldade, indiferença e frivolidade – um uma palavra,
sua completa mundanidade – era tão amplamente distinta da presente,
tão orgulhosa de sua verdade, sua seriedade, sua energia, e seus altos e
nobres objetivos. Inatividade, leviandade, embriaguez, lascívia,
jogatina, eram comuns. Palavras trocadas com sua mãe,
freqüentemente citadas, escritas um pouco mais tarde, no século,
mostra o que esperava o calouro confiante. "Oxford", ele diz, "é um
perfeito inferno na terra. Que chance existe lá para um pobre jovem,
vindo da escola, com ninguém para vigiar e cuidar dele – nenhum
guia? Eu freqüentemente vi meu tutor, sendo levado, perfeitamente
intoxicado". Felizmente, Wesley não estava sem um guia. A verdade,
é que não era visto, mas, não menos real. Seu coração estava muito
firmemente seguro na mão de sua mãe, para que ele fosse facilmente
arrastado para baixo. Tyerman não hesitou em fazer um panorama
pessimista do estado religioso de Wesley, durante seus primeiros anos
em Oxford. Mas Tyerman foi melhor no coletar fatos, do que em
traçar inferências deles.

Não existe absolutamente um sussurro de alguma delinqüência


moral em Wesley. Ele não era preguiçoso, como seu progresso
mostrou, ainda menos era um devasso, ou alguma coisa próxima a
isto. Ele provavelmente caminhou no mais alto nível da vida em
Oxford, muito acima do abismo da imoralidade que caracterizou
muitos daqueles ao redor dele. Quanto à extravagância, ele não tinha
meios de perder-se nisto, se ele estivesse disposto assim a fazê-lo,
mesmo embora as 40 libras de sua bolsa fossem multiplicadas por
quatro, como Overton sugere.

A duração da residência de Wesley em Oxford pode ser


separada em dois períodos distintos, da qual a linha divisória é sua
eleição para Membro do Lincoln College, e sua mudança para lá. "Da

27
primeira porção do último período, nossa informação é muito
escassa, e somos levados a conjeturar a respeito. Assim, podemos
estimar as influências, em meio às quais, ele seguiu seu caminho,
podemos ter em mente a luz interior que nunca falhou nele, e marcar
o progresso que ele fez, e a posição que alcançou. Mas pouco da
correspondência do período tem sido preservada. Ele ainda não tinha
adotado sua prática de cuidadosamente preservar todas as cartas que
ele recebia. Foi em 1740, que ele 'passa dois dias em Oxford, olhando
as cartas que recebera há dezesseis ou dezoito anos'".

Um contemporâneo escreve assim dele, em 1724, quando


estava com cerca de vinte e um anos de idade: "Ele parece um
colegial muito sensível e sério, desconcertando a todos, com as
sutilezas da lógica, e rindo deles por serem tão facilmente
confundidos; um jovem do mais fino gosto clássico, dos sentimentos
mais generosos e valorosos". Um dos primeiros biógrafos, o amigo de
seus últimos dias, Rev. Henry Moore, diz: "Seu perfeito conhecimento
dos clássicos deu um polimento agradável à sua inteligência, e um ar
de superior elegância a todas as suas composições. Ele já começara a
se entreter ocasionalmente escrevendo versos, embora a maioria de
suas peças poéticas deste período fosse tanto cópias, quanto
traduções do Latim. Algumas vezes neste ano, no entanto, ele
escreveu uma cópia do octogésimo quinto salmos, que ele enviou ao
seu pai, que disse: 'Eu gosto de seus versos, sobre o octogésimo
quinto salmo, e gostaria que você não enterrasse seu talento'". Uma
carta para seu irmão Samuel, neste período, freqüentemente citada,
mostra uma vivacidade de estilo, na prosa e verso, enquanto uma frase
revela o traço de tristeza: "As duas coisas que eu desejava mais do que
tudo no mundo era ver minha mãe e Westminster novamente; e vê-las,
juntas, estava tão além de minhas expectativas, que eu quase
considerei isto próximo à impossibilidade. Eu tenho tão
freqüentemente me desapontado, quando estou ávido por algum
prazer, que eu nunca mais dependo de algo, antes que ele venha".

No presente, ele está aparentemente sem qualquer propósito


distinto na vida, e, embora exista toda razão para acreditar que ele seja

28
estritamente moral, e livre de qualquer depravação de temperamento
ou desejo, ainda assim, até ai, não existe indicação alguma
proeminente, de uma séria determinação a alguma grande procura;
nem existem evidências de alguma espiritualidade profunda de caráter.

"Se a árvore deve ser julgada pelos seus frutos", diz Canon
Overton, "os dias de Wesley em Charterhouse e Christ Church não
teriam sido gastos em vão, porque ele carregou consigo, um montante
de cultura mental, que se compararia favoravelmente com aquela de
alguns dos melhores espécimes desses dias de incessantes provas. A
cultura mental, no entanto, é uma coisa, o crescimento espiritual é
outra. Existe abundância de traços, da primeira, mas nenhum, da
última, entre o deixar Epworth e seu último ano em Christ Church".

Embora suas remunerações sejam feitas tão claras quanto


possíveis, ele parece ter estado em freqüentes dificuldades financeiras,
para as quais ele recebia ajuda pela delicadeza de amigos, e pelos
suprimentos intermitentes do suprimento escasso de casa. Ele não
parece ter tido uma saúde vigorosa naqueles primeiros anos de sua
carreira colegial. Tal saúde, quando teve, ele preservou, através da
temperança; ele nos diz: "Quando eu cresci, em conseqüência de ler
Dr. Cheyne, eu escolhi comer escassamente e beber água. Isto foi um
outro grande meio de dar continuidade à minha saúde, até que eu
tivesse cerca de vinte e sete anos". Ele cita este livro, em uma carta a
sua mãe datada de 1º. de Novembro de 1724.

Tal era Wesley, no alto de seus vinte e um anos. Ele assim fala
de si mesmo: "Agora na Universidade, por cinco anos, eu ainda digo
minhas orações, em público e privado, e leio, junto com as Escrituras,
diversos livros de religião, especialmente os comentários sobre o
Novo Testamento. Ainda assim, eu não tive tudo isto, enquanto não
tive uma noção da santidade interior; mais ainda, prossegui
habitualmente, e, na maior parte, muito contente, com um ou outro
pecado conhecido – na verdade, com algumas interrupções e
pequenos esforços, especialmente antes e depois da Comunhão Santa,
que eu fui obrigado a receber três vezes por ano. Eu não posso dizer

29
que eu esperava ser salvo por agora, quando eu continuamente
pecava contra aquela pequena luz que eu tinha; exceto por aqueles
ajustes transitórios, que muitos clérigos me ensinaram a chamar de
arrependimento".

Mas, melhores tempos estão se aproximando, e embora muitos


anos expirem antes que Wesley consiga descanso e paz na alegria
cristã, ainda assim, deste tempo em diante, e com acelerado ardor, ele
busca a salvação que ele tinha em vista. Uma mudança muito graciosa
em sua vida e caráter começa agora. Em direção ao encerramento de
1724, com seus vinte e dois anos, pensa entrar para a ordem de
diácono, um passo sobre o qual ele pondera muito cuidadosamente.
Algumas dúvidas que surgem em sua mente, quanto aos motivos que o
influenciariam a tomar as Ordens Santas, ele francamente apresenta a
seu pai, que em resposta, datada de 26 de Janeiro de 1725, depois de
conselhos diversos, acrescenta: "Mas a principal causa e motivo,
para que tudo que está em primeiro possa ser apenas secundário,
deve certamente ser a glória de Deus, e o serviço de Sua Igreja, na
edificação de nosso próximo. E ai daquele, com alguma visão
sedutora mais desprezível, que se aventure a tão sagrada obra".
Então, menciona as qualificações necessárias, e acrescenta: "Você me
pergunta, qual é o melhor comentário sobre a Bíblia. Eu respondo, a
própria Bíblia. Porque as diversas paráfrases e traduções dela, em
uma poliglota, comprada com a original, e com uma outra, são, na
minha opinião, para um homem honesto, devoto, diligente, e humilde,
infinitamente preferível a algum comentário que eu tenha visto. Mas
Grotius é o melhor, na maior parte, especialmente, sobre o Velho
Testamento". Mas sugere que achou muito cedo, ele aceitar as
Ordenações.

Sua mãe, no entanto, teve uma visão diferente. Escrevendo no


decorrer do próximo mês, ela diz: "Quanto mais cedo, você se tornar
um diácono, melhor, porque isto pode ser persuasão para uma
aplicação maior no estudo da teologia prática, que, de todos os
outros estudos, eu humildemente acredito ser o melhor para os
candidatos às Ordenações". E prossegue: "A mudança de seu

30
temperamento tem me ocasionado muita especulação. Eu, que sou
apta a ser confiante, espero que isto possa proceder das operações do
Espírito Santo de Deus, que, ao tirar seu deleite pelos prazeres
mundanos, pode preparar e dispor sua mente para uma aplicação,
mais séria e íntima, das coisas de uma natureza mais sublime e
espiritual. Se for assim, feliz de você, se você nutrir essas disposições!
E agora, com sinceridade, resolve fazer da religião o trabalho de sua
vida, afinal, que é a única coisa, estritamente falando, necessária.
Todas as coisas além são incomparavelmente pequenas para os
propósitos da vida. Eu espero que você agora faça um auto-exame
cuidadoso, para que possa saber, se você tem uma esperança razoável
de salvação, através de Jesus Cristo. Se você tiver, a satisfação de
saber disto irá recompensar abundantemente suas dores; se não tiver,
você encontrará uma ocasião mais razoável para lágrimas do que
poderia encontrar em uma tragédia".

"Este assunto merece atenção de todos, mas, especialmente


daqueles designados para o Ministério, que devem, acima de todas as
coisas, fazer de seu próprio chamado e eleição certa, a fim de que,
depois de ter pregado para outros, eles mesmos não possam ser
lançados fora".

Nada poderia movê-lo mais igualmente para a seriedade de


propósito do que tais palavras da pena de sua afetuosamente amada, e
sempre estimada mãe. Ele começa agora a aplicar-se com diligência
ao estuda da teologia. Seu pai logo foi notificado de que ele tinha
mudado de idéia, e estava inclinado a ser Ordenado naquele
verão."Que Deus o prepare para sua grande obra! Jejue, vigie, ore;
creia, ame, suporte, e seja feliz; para o que, você nunca lhe faltará as
orações mais fervorosas de seu afetuoso pai".

Wesley, mais tarde, escreveu: "Quando eu tinha cerca de vinte


e dois anos, meu pai estimulou-me a entrar para as Ordenações
Santas. Ao mesmo tempo, a providência de Deus dirigindo-me para o
Padrão Cristão de Kempis, eu comecei a ver que a religião
verdadeira estava situada no coração, e que a lei de Deus se estendia

31
a todos os nossos pensamentos, assim como, palavras e ações. Eu
fiquei, no entanto, muito aborrecido com Kempis por ser tão rigoroso,
embora eu o lesse na tradução do Deão Stanhope. Ainda assim, eu
tive frequentemente muito conforto em lê-lo, tal como se eu fosse um
completo estranho, até então".

As objeções de Wesley a Kempis referiram-se a dois pontos


em específico, que ele assim expressa: "Eu não posso pensar que,
quando Deus nos enviou ao mundo, ele tinha irreversivelmente
decretado que nós seriamos perpetuamente miseráveis nele. Se nosso
tomar nossa cruz implica em dar adeus a toda alegria e satisfação,
como isto é reconciliável com o que Salomão afirma da religião, de
que seus caminhos são prazerosos, e todas as suas veredas são paz?
Outro de seus princípios pe, que toda alegria e prazer é inútil, se não,
pecaminoso, e que nada é uma aflição para o bom homem, -- e que ele
deve dar graças a Deus, até mesmo, por enviar a ele, miséria. Isto, em
minha opinião, é contrário ao desígnio de Deus, em nos afligir;
porque embora Ele castigue aqueles a quem Ele ama, ainda assim, é
com o objetivo de humilhá-los". Com reserva característica, ele
novamente recorre a seu pai e mãe, por ajuda em suas dificuldades. O
primeiro responde: "Quanto a Thomaz Kempis, todo o mundo está
apto a forçar tanto de um lado, quanto de outro; mas, por tudo isto, a
mortificação é ainda um dever cristão indispensável. O mundo é uma
mulher sedutora e bonita (syren), e nós devemos ter cuidado com ela;
e, se o jovem se regozijar em sua juventude, ainda assim, que ele
cuide de que suas alegrias sejam inocentes; e, para isto, se lembre,
que por todas essas coisas, Deus o levará a juízo. Eu tenho apenas
isto para acrescentar de meu amigo e velho companheiro, que,
fazendo algumas poucas ressalvas, pode ser lido, com grande
vantagem; mais ainda, que é quase impossível lê-lo seriamente, sem
admirá-lo, e penso, em alguma medida, imitar sua heróica disposição
de humildade, piedade e devoção. Mas eu suponho que você, antes
desta, recebeu a carta de sua mãe, que tem tempo livre para
transformar o assunto em farelo". Sim, sua mãe tinha debulhado o
assunto para ele, fechando seus conselhos com: "Se você for julgar a
legitimidade ou a ilegitimidade do prazer, a inocência ou malignidade

32
das ações – utilize esta regra: O que quer que enfraqueça sua razão,
prejudique a ternura de sua consciência. Obscureça sua consciência
de Deus, ou tire o prazer das coisas espirituais: em resumo, o que
quer que aumente a força e autoridade de seu corpo, sobre sua mente;
esta coisa é pecado para você, por mais inocente que ela possa ser em
si mesma".

Um outro assunto no qual ele deferiu de Kempis, e no qual ele


desejou os pontos de vista de sua mãe, foi a doutrina da Predestinação,
um assunto que, mais tarde, ocupou muito de seu pensamento e
tempo. Ele assim exprime sua compreensão: "Se fosse inevitavelmente
decretado da eternidade que tal parte determinada da humanidade
fosse salva, e ninguém além dela, uma vasta maioria do mundo teria
apenas nascido para a morte, sem tanto quanto a possibilidade de
evitá-la. Como é isto consistente com a Justiça ou a Misericórdia
Divina? É misericordioso ordenar uma criatura para a miséria
eterna? É justo punir o homem por crimes que ele não poderia deixar
de cometer? Que Deus possa ser o autor do pecado e injustiça, que
deve, eu penso, ser a conseqüência de manter esta opinião, é uma
contradição para as idéias mais claras que temos da natureza e
perfeições Divinas". A Sra. Wesley responde: "Eu tenho Kempis
comigo, mas não o tenho lido ultimamente. Eu não posso reunir as
páginas que você menciona; mas acreditando que você lhe faça
justiça, eu positivamente afirmo que ele está extremamente no erro
nesta impiedosa, eu quase diria, blasfema sugestão de que Deus, por
um decreto irreversível, determinou que algum homem fosse
miserável, até mesmo neste mundo. Suas intenções, como Ele mesmo,
são santas, justas e boas; e todos os incidentes miseráveis para os
homens aqui, ou daqui em diante, procedem deles mesmos".

Uma outra dificuldade, na qual ele buscou conselho, referiu-se


às sentenças ameaçadores do Credo Atanasiano. Ele era muito
minucioso e consciencioso para permitir que alguma grande questão
escapasse, sem completa investigação.

33
Outras dificuldades foram sugeridas a ele, pela leitura das
obras de Jeremy Taylor, e, como de costume, ele abriu sua mente
sobre elas todos com seu melhor amigo. Taylor afirmou que: "Se Deus
nos perdoou ou não, nós não sabemos, portanto, ainda estamos
pesarosos, para sempre, por termos pecado". Wesley observa: "Eu
firmemente acredito, que nunca poderemos estar tão certos do perdão
de nossos pecados, de maneira a assegurarmos que eles nunca se
erguerão contra nós. Nós sabemos que eles infalivelmente farão isto,
se nós cometermos apostasia; e eu não estou convencido qual
evidência pode existir de nossa perseverança final, até que tenhamos
terminado nosso curso. Mas eu estou persuadido de que podemos
saber, se nós agora estamos em um estado de salvação, uma vez que
está expressamente prometido nas Escrituras para nossos sinceros
esforços, e podemos certamente ser capazes de julgarmos de nossa
própria sinceridade". Nós podemos dizer com seu biógrafo, Moore,
que "ele viu a bênção até mesmo agora, mas não a maneira de obtê-
la".

Deste período, ele escreve, em uma data subseqüente: "No ano


de 1725, com vinte e três anos de idade, eu me deparei com as Regras
e Exercícios do Viver e Morrer Santo, do Bispo Taylor. Ao ler
diversas partes deste livro, eu fiquei grandemente afetado; com
aquela parte, em especial, que se refere à pureza de intenção.
Imediatamente, resolvi dedicar a Deus, todos os meus pensamentos, e
palavras, e ações; estando totalmente convencido de que não existe
meio-termo, mas que toda parte de minha vida (não apenas algumas)
deve ser um sacrifício ou a Deus, ou a mim mesmo, ou seja, em efeito,
ao diabo. Pode alguma pessoa séria duvidar disto, ou encontrar um
meio-termo entre servir a Deus e servir ao diabo?". Ele acrescenta:
"No ano de 1726, eu me encontrei com o Padrão Cristão de Kempis.
A natureza e extensão da religião interior, a religião do coração,
agora me pareceu, sob uma luz mais forte do que anteriormente. Eu
percebi que entregar sempre toda minha vida a Deus (supondo que
seja possível fazer isto, e não seguir adiante) não me traria proveito
algum, exceto se eu desse meu coração, sim, todo meu coração, a Ele.
Eu vi aquela 'simplicidade de intenção e pureza de afeição', um

34
objetivo em tudo que falamos, ou fazemos, e um desejo governando
todos os nossos temperamentos, são, de fato, -- as asas da alma, 'sem
o que, ela nunca acenderá ao monte de Deus'".

Um outro livro para o qual sua atenção foi conduzida, e que se


tornou um grande favorito de Wesley em seus dias de Oxford, foi A
Vida de Deus na Alma do Homem, de Scougall. Este foi o livro que
Charles Wesley colocou nas mãos de Whitefield, logo depôs da
primeira reunião deles, e do qual Whitefield diz: "Enquanto eu lia
nele que a religião verdadeira era a união da alma com Deus, ou
Cristo formado dentro de nós, um raio de luz divino instantaneamente
foi arremessado na minha alma, e daquele momento, e não, até então,
eu soube que eu deveria ser uma nova criatura... Embora eu tenha
jejuado, vigiado, e orado, e recebi o Sacramento, por tanto tempo,
ainda assim, eu nunca soube do que se tratava a religião verdadeira,
até que Deus me enviou aquele excelente tratado pelas mãos do meu
nunca esquecido amigo".

Um incidente ocorreu por volta deste tempo, que tem um


interesse especial, como sendo a primeira instância daquele apelo
direto aos indivíduos, na questão da religião pessoal, que ele, mais
tarde, praticou em toda a oportunidade útil, e com tais resultados
marcantes. Ele é assim relatado por ele: "Por volta de um ano e meio
atrás, eu deixei o grupo, às oito da noite, com um jovem cavalheiro a
que eu estava familiarizado. Quando viramos em uma galeria da
Igreja de St. Mary, na expectativa do funeral de uma jovem, da qual
éramos ambos conhecidos, perguntei a ele, se ele realmente se
acreditava meu amigo, e se assim fosse, por que ele não fazia a mim
todo o bem que ele podia?".

"Ele protestou; no que eu o interrompi, pedindo-lhe que me


permitisse, na oportunidade, o que ele não negaria estar em seu
próprio poder, ter o prazer de fazer dele um cristão completo, para o
qual, eu sabia, ele estava, pelo menos, em parte, persuadido; e que ele
não poderia fazer-me uma delicadeza maior, uma vez que nós dois
estávamos completamente convencidos, quando viemos seguir aquela

35
jovem. Ele ficou muito sério, e manteve alguma coisa daquela
disposição, desde então. Ontem fez uma quinzena que ele morreu de
tuberculose. Eu o vi três dias antes de morrer; e, no domingo
seguinte, prestei-lhe o último bom ofício que eu poderia prestar aqui,
pregando em seu sermão fúnebre, o que fora seu desejo enquanto
vivo".

Até aqui, ele parece ter mantido um combate sozinho; e ter


lutado corajosamente só, confortado e consolado, apenas pelas
palavras providenciais de seu lar distante. Mas, nesta ocasião, ele
recebeu o inestimável benefício de um amigo cristão, que, ele diz,
nunca teve, até então. Quem foi este amigo, nunca foi revelado; mas
Wesley estava tão encorajado que ele diz: "Eu comecei a alterar toda
a forma de minha vida, e propus começar seriamente uma nova. Eu
separei uma hora ou duas no dia para o isolamento religioso. Eu
comunguei toda semana. Eu vigiei contra todo o pecado, em palavra
ou ação. Eu comecei a planejar e orar pela santidade interior".
Acrescentado a isto, como conseqüência de um conselho dado pelo
Bispo Taylor, um relato mais exato do que ele tinha feito antes, e da
maneira como ele empregava seu tempo, e ocupava cada hora. Sua
prática foi guardar na memória um pequeno livro memorando, onde
uma simples página era assinada a cada dia, e uma simples linha a
cada hora. Através de sinais e palavras encurtadas, ele foi capaz de
registrar como cada hora foi gasta, das quatro da manhã, quando se
levantava, até as nove da noite, quando se retirava. Diversos desses
diários estão ainda preservados.

Isto, ele continuou a fazer, onde quer que estivesse, por muitos
anos. Quando ele deixou a Inglaterra, dez anos mais tarde, a variedade
de cenários, através dos quais ele passou, o induziu também a
transcrever, de tempos em tempos, as partes mais materiais do seu
Diário, acrescentando aqui e ali, tais reflexões, como ocorreram em
sua mente. Essas séries de memorando foram pretendidas apenas para
sua própria vista; mas em 1739, depois de seu retorno da Geórgia,
com o objetivo de justificar-se de algumas difamações sobre seu
caráter, feitas por um certo Sr. Williams, ele publicou "extratos" do

36
Diário, e, em intervalos de dois ou três anos, continuou a prática até o
fim de seus dias. Vinte e um desses "extratos" foram publicados, e
formam o que é agora conhecido como o Diário de John Wesley.

Até ai, o progresso de Wesley no conhecimento e caráter


cristão está definido e decidido. Canon Overton comenta: "Enquanto
acreditando totalmente na realidade e importância de uma mudança
posterior, pode alguém negar que, desde este tempo, em direção ao
fim de sua vida, John Wesley levou a vida mais santa e devotada,
objetivando apenas a glória de Deus, o bem-estar de sua própria
alma, e o benefício de seus companheiros? E se isto não é ser um bom
cristão, o que é?". A questão, se ele era um cristão ou não, até o
incidente da Rua Aldersgate, é um assunto a se definir. No momento
em que ele se afirmou não ser um, ele sabia, tanto quanto Overton, e
melhor, o que ele queria dizer, com ser um cristão.

O tempo aproximou-se, quando se esperou que a eleição de um


Membro do Lincoln College aconteceria, e seus amigos se
empenharam para assegurar isto em seu interesse. Quando Dr. Morley,
o Reitor da Lincoln, falou sobre o assunto, ele disse: "eu vou inquirir,
quanto ao caráter do Sr. Wesley". Ele o fez, e deu a ele permissão
para se colocar como candidato, e, mais tarde, tornou-se seu amigo, na
questão, e usou de toda a influência que ele tinha em favor dele. Não
foi possível, por causa de sua seriedade incomum, escapar de seus
oponentes, que derramaram sobre ele seus gracejos e ridículo. Seu pai
o lembrou que era "uma bisonha virtude", não suportar que riam de si
mesmo; acrescentando: "Eu penso que nosso Capitão e Mestre
suportou alguma coisa mais por nós, antes que Ele entrasse na glória;
e, exceto que sigamos Seus passos, em vão esperaremos dividir aquela
glória com Ele". E sua mãe escreveu: "Se for uma virtude fraca, não
poder suportar que riem a seu respeito, eu estou certo que é uma
virtude forte e bem confirmada suportar o teste de uma forte
bufonaria".

Não obstante a oposição que se ergueu contra ele, seu alto


caráter para erudição e diligência foi recompensado pelo sucesso, e ele

37
foi eleito para membro na quinta-feira, em 17 de Março de 1726. Seu
pai muito enfaticamente expressou sua gratificação na carta de 1º. De
Abril "Eu recebi ambas as suas, desde a sua eleição; em ambas, você
se expressa como lhe convém". E, então, depois de se referir à
dificuldade, que ele teve no prover para as despesas da eleição, ele
prossegue: "Qual será meu próprio destino, antes que o verão
termine, Deus sabe; sed passi graviora – onde quer que eu esteja, meu
Jack é Membro do Lincoln". E sua mãe lhe diz, em sua disposição
usual de devoção: "Eu me sinto obrigada a retornar grandes graças
ao Altíssimo Deus, por lhe dar sucesso no Lincoln. Quem quer que
Ele se agrade que seja o instrumento, a Ele, e somente a Ele, a glória
pertence".

Isto marca uma época importante na carreira de Wesley. Ele já


começa a buscar seriamente a salvação de sua alma, sujeitando-se à
severa disciplina, e colocando toda sua conduta, sob o mais rigoroso
controle; assim estabelecendo os alicerces daqueles hábitos de vida
que foram, mais tarde, tão visivelmente ilustrados nele. Neste resoluto
propósito de promover seu crescimento na santidade, ele aproveitou
sua mudança da Christ Church para livrar-se de algumas associações
que ele sentiu serem prejudiciais. Ao rever este período de sua vida,
alguns anos mais tarde, ele diz: "Mudei-me logo depois [que ele
entrou nas Ordenações Santas] para um outro colégio, e decidi aquilo
do qual eu estava antes convencido fosse da mais extrema
importância -- livrar-me de uma vez de todos os meus conhecimentos
levianos. Eu comecei a perceber, mais e mais, o valor do tempo. Eu
me apliquei mais intimamente ao estudo. Eu observei mais
cuidadosamente contra os pecados presentes. Eu aconselhei outros a
serem religiosos, de acordo com aquele esquema de religião, pelo
qual eu modelei minha própria vida. Mas deparando-me agora com a
Perfeição Cristã e Chamado Sério, do Sr. Law, embora eu estivesse
muito ofendido, em muitas partes de ambos, ainda assim, eles me
convenceram mais do que alguma vez a excessiva altura e largura e
profundidade da Lei de Deus. A luz fluiu, tão poderosamente em
minha alma, que tudo pareceu sob um novo panorama. Eu clamei a
Deus por ajuda, e decidi não mais prolongar o tempo de obedecer a

38
Ele, como eu nunca tinha feito antes. E por meu continuado esforço
de manter toda Sua Lei, interior e exterior, no máximo de meu poder,
eu estou persuadido de que eu poderia ser aceito por ele, e estaria,
mesmo então, em um estado de salvação".

Esta passagem muito significativa mostra o profundo propósito


de Wesley de reformar toda sua vida e trazê-la, até onde fosse capaz,
em inteira concordância com a vontade Divina. O fervor de seu apelo
pela ajuda Divina nisto, e o cuidado com que ele se esforça para
equilibrar sua conduta exterior, são também evidentes. Nem o fato de
entrar em contato, pela primeira vez, com os escritos de William Law
deve ser examinado, considerando a influência deles sobre suas visões
futuras, e suas subseqüentes relações com seu autor. Num período
anterior, ele publicou cuidadosamente resumos preparados da
Perfeição Cristã, e do Sério Chamado.

Wesley recebeu cartas proveitosas e estimulantes de seu pai.


Em uma delas, ele o exorta a tornar-se mestre em Crisóstomo, e nos
Artigos, e na Forma de Ordenação; manter-se firme, com bravura,
contra o mundo, etc., manter um bom, honesto, e devoto coração, e
orar e vigiar duramente. Em outras, seu pai anuncia que lhe foi
designada uma edição da Bíblia, em Hebraico, Língua Caldaica,
Septuaginta, e Vulgata, e, pede sua assistência, diz: "Eu quero que
você, primeiro, se entregue imediatamente ao trabalho, e leia
diligentemente o texto Hebraico, na poliglota, e o confronte
exatamente com a Vulgata, escrevendo tudo, até mesmo, as menores
variações entre elas. A essas, eu gostaria que você acrescentasse o
texto Samaritano. Você pode aprender o alfabeto Samaritano, em um
dia. No período de doze meses, colocando-se mais próximo a ele nas
manhãs, você completará duas vezes Pentateuco; porque eu fiz isto
quatro vezes o ano passado, e estou indo para a quinta. Você não
deve perder sua recompensa, quer neste ou no outro mundo".

Em Lincoln, ele encontra uma sociedade muito mais


apropriada, do que foi capaz de assegurar em Christ Church.
Escrevendo ao seu irmão Samuel, ele diz: "Até onde eu tenho sempre

39
observado, eu nunca conheci um colégio, comparado ao nosso, em
que os membros estejam tão perfeitamente, satisfeitos uns com os
outros, e sejam tão inofensivos à outra parte da Universidade. Tudo
que eu já vi dos Membros é que eles são de boa índole, bem
educados; homens maravilhosamente dispostos, tanto a preservar a
paz e boa vizinhança em meio a eles, quanto a promover isto, onde
quer que tenham alguma familiaridade".

Wesley aceitou que seu cabelo, castanho claro, crescesse no


comprimento suficiente para alcançar seus ombros. Sua mãe, por
razões de saúde, o aconselhou a cortar os cabelos. Em uma carta a seu
irmão Samuel, ele diz: "As razões de minha mãe para eu corte os
cabelos, é porque: ela imagina que isto prejudique minha saúde.
Quanto a minha aparência, sem dúvida seria melhor cortá-los,
permitindo-me um pouco mais de cor, e, talvez, contribua para criar
uma aparência mais agradável. Mas esses, até que uma saúde má seja
acrescida a eles, eu não posso persuadir a mim mesmo, sejam motivos
bastante, para perder duas ou três libras por ano. Eu sou capaz o
suficiente para poupá-los". Cinco anos mais tarde, ele escreveu:
"Quanto ao meu cabelo, eu estou muito mais certo, de que o
comprimento dele está mais de acordo com as Escrituras, do que
contrário a elas". Seu irmão Samuel ficou no meio do caminho, e o
aconselhou a cortá-lo mais curto, e este conselho ele seguiu. Na carta
anterior, ele afirma que toda sua vida eterna confirmou, "O ócio e eu
nos despedimos um do outro; eu proponho estar ocupado, por quanto
tempo eu viva, se minha saúde me favorecer". Charles Wesley veio
para Oxford da Westminster School, e entrou na Christ Chruch, logo
depois que John a deixou. Durante alguns meses depois de sua
chegada em Oxford, dizem que Charles foi virtuoso, em sua conduta,
e muito de acordo com seu espírito e maneiras; mas a estrita
autoridade sobre ele, que seu irmão Samuel exerceu, como seu tutor e
guardião, estando agora afastada, ele estava longe da severidade e
sinceridade em seus estudos. Depois de um tempo, tornou-se
estudioso, embora seu espírito não fosse devotado. Seu irmão John
escreveu: "Ele buscou seus estudos diligentemente, e levou uma vida
regular, inofensiva; mas se eu falava com ele a respeito de religião,

40
ele respondia irritado:'O que? Você pretende que eu seja um santo de
imediato?'. E não mais me ouvia".

Wesley passou, do dia 26 de Abril a 21 de Setembro deste ano,


em Epworth e Wroot, seu pai tinha ambos os benefícios sob sua
responsabilidade, residindo ocasionalmente em uma pequena reitoria,
em Wroot. Foi um tempo feliz, durante o qual ele leu orações e pregou
duas vezes todo domingo; e, por outro lado, ajudava seu pai, quando
era capaz. Ele dedicou-se aos seus estudos, neste meio tempo, e
desfrutou das oportunidades freqüentes de conversar com seus
honrados pais, mantendo um diário do que se passava, anotando os
assuntos da conversa, e as observações práticas feitas por seus
superiores, e algumas vezes, acrescentando as suas próprias.

A aquisição de Wroot acrescentou pouco aos confortos


domésticos da família Epworth, já que os benefícios meramente
cobriram as despesas de atender a ele; enquanto a região em volta era
pouco melhor do que um pântano.

Os extratos seguintes de uma das cartas de Samuel Wesley


podem servir para dar uma idéia clara do estado das coisas no lar
Epworth. "Eu me deparei com uma série de infortúnios. Meu celeiro
paroquial desapareceu, antes que eu tivesse recuperado meu
benefício; minha casa, grande parte dela, queimada, há cerca de dois
anos; meu linho, grande parte de minha renda, agora em minhas
próprias mãos (o principal cultivo na vizinhança era o cânhamo), eu
duvido propositadamente incendiado e queimado durante a noite,
enquanto eu estive, da vez passada em Londres; minha renda ficou
pela metade, devido ao preço do grão; e meu crédito perdido, por ter
tirado meu controle. Eu fui levado ao Lincoln Castle, em 23 de Junho,
próximo passado. Aproximadamente três semanas atrás, minha gente,
muito indelicada, pensando que ele ainda não tinham feito tudo,
durante a noite, esfaquearam minhas três vacas, que eram a maior
parte da subsistência de minha pobre família numerosa. Pelo que
peço, Deus os perdoe".

41
Wesley, ocasionalmente, escreveu alguns versos de
caráter variado, e, enquanto em Epworth, começou uma paráfrase
sobre Salmos 104:1-18 "Bendize, ó minha alma, ao Senhor! Senhor,
Deus meu, tu és magnificentíssimo! (...)"; que ele, mais tarde,
terminou. Isto mostra sua aptidão na composição poética, assim como
faz com as maravilhosas traduções do Alemão, Espanhol e língua
Francesa, com as quais, num período anterior enriqueceu o Saltério da
Igreja. Os conselhos de sua mãe podem ter reprimido seus exercícios
nesta direção. "Eu não gostaria que você desistisse de fazer versos;
antes que fizesse da poesia sua diversão, embora nunca seu trabalho".
O poeta do Metodismo ainda não tinha sido revelado.

Wesley retornou para Oxford, em 21 de Setembro de 1726, e


retomou seus Estudos. Seu caráter literário estava agora estabelecido
na Universidade. Ele era reconhecido por todas as facções, como um
homem de talentos e uma critica excelente nas línguas eruditas; sua
habilidade na lógica era universalmente conhecida e reconhecida, e
suas composições eram distinguidas por uma elegante simplicidade de
estilo e justeza de pensamento que fortemente marcaram a excelência
de seu gosto clássico. A opinião elevada que foi mantida por ele, foi
publicamente manifestada pela sua escolha como Professor e
Moderador das Classes de Grego (em 6 de Novembro), embora ele
fosse eleito Membro do Conselho, apenas por oito meses, ele estava
com pouco mais do que vinte e três anos de idade, e não tinha ainda
obtido o grau de Mestre das Artes. Suas obrigações iniciaram em
Outubro, no período deste ano.

Canon Overton oferece a seguinte explanação das obrigações


vinculadas a esses ofícios: -- "Ser professor de Grego não significa
geralmente, lecionar Grego; este é um termo técnico, e cuja
explicação ilustra a tradição da religiosidade, assim como a
aprendizagem que pertencia ao Lincoln College. O objetivo era
garantir alguns tipos de instrução religiosa a todos os universitários;
e para este propósito, um oficial especial era designado, com o
salário modesto de 20 libras por ano, para quem se incumbisse de ser
um professor, toda semana, no Saguão do Colégio, a que todos os

42
estudantes deveriam atender, do Testamento Grego. Quando se
tornava um grupo instruído, a preleção era colocada na Língua
original; mas o verdadeiro objetivo era ensinar teologia, não Grego.
A obrigação de um 'Moderador de Classes" era sentar-se no Saguão
do Colégio, e presidir as "Disputas", que acontecessem no Lincoln
College, todos os dias na semana, exceto aos domingos".

Durante muitos anos, ele manteve este ofício, no qual ele diz,
não poderia evitar adquirir alguns graus de perícia no argumentar, e,
especialmente, no detectar falácias plausíveis, o que lhe trouxe
vantagens em suas muitas controvérsias; e ele louvava a Deus por lhe
dar "esta destreza honesta".

Wesley obteve seu grau de mestre, em 14 de Fevereiro de


1727. Ele entregou três preleções na ocasião – uma sobre a Filosofia
Natural, de Anima Brutorum; outra sobre Filosofia Moral, de De Julio
Caesare; e uma terceira sobre Religião, de De Amore Dei. Dizem que
ele ganhou considerável reputação neste debate. Seu grau deu a ele
uma vantagem, que ele agradavelmente saudou: ele o colocou em
maior liberdade para escolher seu próprio empreendimento, e uma vez
que, como ele disse, ele conheceu suas próprias deficiências, melhor, e
quais delas necessitavam mais de serem supridas, ele esperou
grandemente tirar proveito, através de sua liberdade.
Antecipadamente, ele estabeleceu o seguinte plano de estudos, do qual
ele não se permitia desviar: -- as segundas e terças-feiras eram
devotadas aos historiadores e poetas clássicos Gregos e Latinos; as
quartas-feiras, para lógica e ética; as quintas-feiras para Hebraico e
Árabe; as sextas-feiras, para metafísica e Filosofia Natural; os
sábados, para oratória e poesia, principalmente composição; os
domingos, teologia. Nas horas intermediárias entre esses, dos estudos
mais fixos, ele lia Francês, e uma grande variedade de autores
modernos em quase todas as áreas de ciência. Ele seguiu o método de
primeiro ler um autor regularmente; e, então, em uma segunda leitura,
transcrever importantes passagens, quer devido à informação que elas
transmitiam, ou às suas bonitas expressões.

43
Em um dos seus sermões ele anota as seguintes observações
sobre sua conduta naquele tempo: --

"Quando agradou a Deus me dar uma resolução firme para


ser, não um cristão nominal, mas um cristão real (estando, então, com
vinte e dois anos de idade), meu conhecimento era tão ignorante de
Deus, quanto de mim mesmo. Mas existia esta diferença: Eu sabia da
minha própria ignorância; eles não sabiam da deles. Eu fracamente
esforçava-me para ajudá-los, mas em vão. Entretanto, eu me
certifiquei, através de uma triste experiência, que, até mesmo suas
conversas inofensivas, assim chamadas, refreavam todas as minhas
boas resoluções. Mas como me livrar em boa hora deles, era a
questão que eu tentava, repetidas vezes, revolver em minha mente. Eu
não vi maneira possível, exceto se agradasse a Deus me remover para
outro colégio. E ele assim o fez, de uma forma totalmente contrária a
toda a probabilidade humana. Eu fui eleito Membro do Conselho de
um colégio, onde eu não conhecia pessoa alguma. Antes, eu pressupus
que abundância de pessoas viria me ver, tanto por amizade,
civilidade, ou curiosidade, e que poderia ter novos e velhos
conhecidos. Mas agora estabeleci meu plano. Entrando, por assim
dizer, em um novo mundo, eu resolvi não travar conhecimento, pela
chance, mas por escolha, e escolher tais, apenas que eu tivesse razão
para acreditar que me ajudaria em meu caminho para o céu. Em
conseqüência disto, eu observei estritamente o temperamento e
comportamento de todos que me visitaram. Eu não vi motivo para
pensar que a maior partes desses verdadeiramente amavam ou
temiam a Deus. Tal familiaridade, portanto, eu não escolhi; eu não
poderia esperar que eles me fizessem algum bem. No entanto, quando
algum deles vinha me ver, eu me comportava tão cortesmente quanto
pudesse. Mas a pergunta, 'Quando você virá me ver', retornava sem
resposta. Quando eles vinham algumas poucas vezes, eu ainda me
declinava de retribuir a visita, até que não os vi mais. Abençoado seja
Deus, isto tem sido minha regra invariável, por quase sessenta anos.
Eu sabia que muitas censuras se seguiriam. Mas eu não me movi, uma
vez que eu sabia perfeitamente bem, que era meu chamado seguir,
'através do mau e do bom relato'".

44
Essas últimas palavras estão apropriadamente colocadas nas
bordas dos três quadros esculpidos da Virtude de Wesley, depois da
pintura de Williams.

Ele parece, nesta época, ter apreciado o espírito de um recluso,


porque ele diz em uma de suas cartas a sua mãe (19 de Março de
1727): "A conversa de uma ou duas pessoas, dos quais você me ouviu
falar a respeito (e espero nunca sem gratidão), primeiro tirou meu
gosto pela maioria dos outros prazeres; tanto que eu os desprezo, em
comparação a este. Desde então, dei um passo adiante, para
desprezá-los, completamente. No momento, estou tão pouco desejoso,
até mesmo de companhia – o mais elegante entretenimento próximo
aos livros – que, exceto se as pessoas tiverem uma mudança de
pensamento religioso, eu fico muito mais satisfeito, sem elas".

"Eu penso que é um firme temperamento de minha alma, que


eu prefira, pelo menos, por algum tempo, tal retraimento, de maneira
a isolar-me do mundo, para a condição em que agora me encontro.
Não que este seja, de modo algum, desagradável a mim, mas eu
imagino seria mais proveitoso estar em um lugar, onde eu
confirmasse ou implantasse em minha mente, quais hábitos eu prefiro,
sem interrupção, antes que a flexibilidade da juventude acabe".

Uma escola em Yorkshire foi proposta a ele. Ela se situa em


um pequeno vale, "assim confinado entre duas colinas, dificilmente
acessível de qualquer lado; de maneira que você pode esperar poucas
pessoas de fora, e dentro, não existe alguma, afinal". Isto pareceu
oferecer o que ele desejava, mas, por alguma razão inexplicável, a
proposta não foi renovada. Mais tarde, será visto quão
freqüentemente, quando na agitação de sua obra pública, ele almeja
tais condições de paz e retraimento, do qual ele, repetidas vezes, se
desviava por conta da trombeta do chamado do dever. Como, em uma
ocasião, depois de pregar, em um lugar atrativo, ele exclamou:
"Quanto dias eu passaria aqui, eu fosse fazer minha própria vontade?
Mas não deve ser assim; eu devo fazer a vontade Dele que me enviou,

45
e terminar sua obra. Assim sendo, este é o primeiro dia que eu passo
aqui, e, talvez, seja o último". E novamente: "Quão prazerosamente,
eu passaria algumas semanas nesta solidão deliciosa. Mas eu não
devo descansar ainda. Por quanto tempo, Deus me dê força para o
trabalho, eu devo usá-la".

O hábito de levantar-se cedo, deve ter acontecido em algum


lugar, por volta desta época, e ele continuou isto, através de sua vida.
No sermão sobre "Redimir o Tempo", ele faz a seguinte afirmação:
"Se alguém deseja saber exatamente que quantidade de sono sua
própria constituição requer, ele pode muito facilmente fazer o
experimento que eu fiz, a cerca de sessenta anos atrás. Eu, então,
acordei todas as noites, por volta da meia-noite à uma, e me mantive
acordado por algum tempo. Eu rapidamente conclui que isto surgiu
do fato de eu ficar deitado por mais tempo do que a natureza
requereu. Para ficar satisfeito, eu procurei um despertador, que me
acordou na manhã seguinte, às sete horas da manhã (perto de uma
hora mais cedo do que eu me levantei no dia anterior); ainda assim,
eu fiquei acordo até a noite. Na segunda manhã, eu me levantei ás
seis; mas, não obstante isto eu me mantive acordado a segunda noite.
Na terceira manhã, eu me levantei às cinco horas. Todavia, fiquei
acordado a terceira noite. Na quarta manhã, eu me levantei ás quatro
horas (o que, pela graça de Deus, eu tenho feito, desde então); e não
fiquei acordado mais. E eu agora não fico acordado (durante o ano),
um quarto de hora consecutivo em um mês. Pelo mesmo experimento,
levantando, mais e mais cedo, cada manhã, qualquer um pode saber
quanto sono ele realmente necessita".

O Reitor de Epworth e Wroot [pai de Wesley] estava agora


idoso e enfermo. Ele teve uma vida muito ativa; passou por muitos
problemas, e não conheceu poucas privações. Sua saúde estava
debilitada, e a paróquia de Wroot não estava em melhores condições
de saúde. Ela era uma vila distante de Epworth, por volta de cinco
milhas, e cercada por pântanos, de maneira que freqüentemente,
quando o nível das águas estava baixo, a jornada de um local para
outro podia ser feito apenas por barco, e no inverno era sempre

46
perigoso. Ele ganhou o nome de Wroot-fora-da-Inglaterra, devido sua
inacessível localidade. Pareceu agradável que John viesse para
Epworth e ajudasse seu pai em sua obra. Assim sendo, depois de fazer
uma visita a seu irmão Samuel em Westminster, ele seguiu para
Lincolnshire, no início de Agosto de 1727. Uma vez que Wroot foi
designada a ele, como sua esfera de trabalho, seu pai e ele
ocasionalmente alternavam. Não fazia muito tempo que residia lá,
quando ele foi atacado com febre intermitente, uma doença comum na
vizinhança, considerada endêmica pelas condições da terra. Com esta
enfermidade sobre ele, ele viajou a cavalo para Oxford, para favorecer
Dr. Morley, retornando da mesma maneira para Wroot, depois de uma
permanência de alguns dias, embora, diversas vezes, muito doente na
estrada. Freqüentemente no futuro, ele viajaria e trabalharia, quando
nas dores da enfermidade!

A seguinte carta, escrita para Wesley, no encerramento deste


ano, por um Membro de seu próprio colégio, confirma a afirmação por
um dos seus primeiros biógrafos, de que "o conhecimento geral, e
agradável conversa do Sr. Wesley, o fez estimado por todos os seus
conhecidos em Oxford. Ele foi o companheiro mais engajado e
instrutivo; aberto e comunicativo com seus amigos, e civilizado e
prestativo a todos": --

Lincoln College, 28 de Dezembro de 1727

Senhor,

'Ontem eu tive a satisfação de receber sua delicada e


prestativa carta, por meio da qual, você me deu um exemplo singular
daquela bondade e civilidade que é essencial ao seu caráter, e
fortemente me confirmou os elogios que são feitos a você neste
aspecto, por todos que têm a felicidade de conhecê-lo. Isto me faz
infinitamente desejoso de sua familiaridade. E, quando eu considero
aquelas qualidades iluminadas que eu ouço diariamente mencionadas
a seu louvor, eu não posso deixar de lamentar o grande infortúnio que
todos temos, na ausência de tão agradável pessoa do colégio, mas eu

47
me satisfaço com os pensamentos de ver você aqui na reunião de
cônegos, e da felicidade que teremos em sua companhia no verão.
Neste meio tempo, eu retorno a você, os mais sinceros
agradecimentos por este favor, e lhe garanto que, se estiver em meu
poder, alguma vez, servi-lo, ninguém estará mais pronto para fazer
isto, do que --

Senhor,
Seu mais prestativo e humilde servo
Lew Fenton

Eu não achei improvável que, no curso ordinário das coisas,


Wesley permanecesse no retiro da vida paroquial, ajudando seu pai,
até o fim dos dias dele, e, possivelmente, o sucedendo em Epworth.
Mas, em direção ao encerramento de 1729, ele foi convocado, pelo Dr.
Morley, Reitor do Lincoln College, para retornar a Oxford. Dr.
Morley diz: "No encontro da sociedade, logo depois que eu deixei o
colégio, para considerar o método próprio de preservar a disciplina e
o bom governo; em meio às diversas coisas concordantes, na opinião
de todos que estavam presentes, julgou-se necessário que os Membros
juniores, que seriam escolhidos Moderadores, deveriam, em pessoa,
atender às obrigações de seu ofício, se eles não convencerem alguns
de seus Membros a exercerem a função por eles... Nós esperamos que
possa ser vantagem para você residir no colégio, tanto quanto onde
você se encontra, se você tiver alunos, ou pode conseguir um curato
na vizinhança de Oxon. Seu pai certamente tem outro curato, embora
não tanto de sua satisfação; ainda assim, estamos persuadidos que
isto não fará com que ele impeça seu retorno para o colégio, desde
que o interesse do colégio e obrigação do estatuto requeira isto".

Tal carta não poderia deixar de receber uma resposta. O


próprio Wesley sentiu as atrações da vida Universitária, e seu pai,
igualmente rígido em submeter-se e impingir obediência à autoridade,
tinha tamanha consideração pelo Dr. Morley, e lembrava-se grato de
suas obrigações para com ele, que acostumava a dizer: "Eu não posso
recusar coisa alguma ao Dr. Morley". Wesley pensou pouco, ao

48
despedir-se de seu rebanho em Wroot, e da querida casa em Epworth,
quais grandes questões dependiam de sua entrada novamente nas
sombras do Lincoln College.

Wesley retornou para Oxford em 22 de Novembro de 1729.


Oxford apresentava agora, além disso, uma nova atração para ele.
Como foi dito acima, seu irmão passou por uma mudança acentuada
no caráter e hábitos, aparentemente, sem o uso de alguns meios
específicos. Em seu segundo ano, ele começou a ser mais sério em seu
comportamento geral, e a manifestar uma preocupação profunda com
a salvação de sua alma. Para que ele mantivesse uma vigilância estrita
sobre si mesmo, ele pediu conselho a seu irmão, para manter um
diário, e anotar o estado de sua mente e os feitos do dia. Ele
acrescentou: "Deus acha adequado (isto possa aumentar minha
prudência), negar sua companhia e assistência, no momento. Será
através Dele me fortalecer, que eu confio, manterei meu alicerce até
que nos encontremos. E eu espero que, nem antes, nem depois deste
tempo, eu possa reincidir, para meu estado anterior de inconsciência.
Através dos meios que você utiliza, eu acredito firmemente que Deus
irá estabelecer o que ele começou em mim; e não existe pessoa
alguma que tão prontamente seja instrumento de Deus em minha vida,
como você. É devido em grande medida á oração de algumas pessoas
(da minha mãe, mais adequadamente), que eu cheguei a pensar como
faço agora; porque eu não posso dizer a mim mesmo, como ou
quando, eu despertei de minha letargia, apenas, que não foi muito
tempo depois que você foi embora".

Com o passar do tempo, ele se tornou, mais e mais, sincero no


buscar a religião, ao se empenhar em fazer o bem de vários tipos, e em
tentar despertar a atenção para a religião nas mentes de alguns de seus
colegas estudantes. Em Maio deste ano, ele escreveu para seu irmão:
"A Providência tem, no momento, colocado em meu poder, fazer
algum bem. Eu tenho algumas vidas jovens, despretensiosas, bem
dispostas, próximas a mim; e estou grato a Deus que, de certa forma,
tenho sido instrumento em mantê-los assim. Eles estiveram em mãos
desprezíveis e estão agora libertos. Eles não se atreviam a receber o

49
Sacramento, a não ser nos momentos de costume, por medo que
rissem deles. Ao convencê-los do dever de comunicar freqüentemente,
eu prevaleci sobre nós em receber uma vez por semana. Eu
sinceramente anseio, e desejo, que o abençoado Deus esteja pronto
para me entregar a você. Eu estou consciente que este é meu dia de
graça; e que, empregar o tempo, antes de nosso encontro e próxima
partida dependerá, em grande medida, de minha condição ara a
eternidade".

John passou alguns poucos dias do mês seguinte, em Oxford.


Se Charles se referiu àquele tempo, ou teve alguma esperança de um
intercurso mais prolongado com seu irmão, isto não aparece. Naquela
breve visita, no entanto, John viria, pela primeira vez, o início daquela
que foi tão grande obra na terra, e ouvir, concernente a alguns poucos
inquisidores esforçados um apelido desdenhoso, que se tornaria o
símbolo do Cristianismo fervoroso em todos os cantos do globo. Mas
à Charles, como instrumento, pertence a honra de iniciar esta obra;
que ele, portanto, em suas próprias palavras a descreva. Ao escrever
ao Dr. Chandler, ele diz: "Meu primeiro ano no colégio, eu perdi em
diversões; o próximo eu me dediquei ao estudo. A diligência me
conduziu a pensar seriamente; eu fui para o Sacramento semanal, e
persuadi dois ou três jovens estudantes a me acompanharem, e
observarem o método de estudo prescrito pelos estatutos da
Universidade. Isto me deu o nome inofensivo de Metodista. No
segundo semestre, meu irmão deixou seu curato em Epworth e veio
para nossa assistência. Nós, então, prosseguimos regularmente em
nossos estudos, e em fazer o bem que pudéssemos aos corpos e almas
dos homens".

Este é um indicativo da baixa condição de disciplina na


Universidade naquele tempo, para que uma atenção estrita aos seus
estatutos pudesse trazer surpresa. O que foi escrito em Oxford, trinta
anos depois, também reflete a condição das coisas naquele tempo,
como Os Estudos em Oxford, de J.R. Green, e outras obras históricas
claramente testificam.

50
Quão grandes controvérsias tiveram sua origem em incidentes
levianos. A vida de um jovem estudante volúvel passava por uma
mudança; de maneira que este jovem se tornou um dos mais doces
salmistas que a Igreja Cristã conheceu. Seus números são cantados
sobre a face dos continentes; neles, o Evangelho é cantado em muitas
terras, e em muitos Línguas; e alimentam a vida espiritual de milhões.
Cabeças coroadas, e filhos exaustos do campo igualmente cantam.
Mas qual é o significado deste nome de reprovação que é fixado sobre
esses três jovens? O grupo, através de objetivos comuns, se em
menosprezo apenas ou por escolha, os une. Ele dá a eles, novos
interesses comuns. Ele os distingue dos seus companheiros. Ele dá
limitação às profissões formadas pela metade. Neste caso, esta era
uma profissão de rompimento das companhias alegres e negligentes;
uma profissão de disciplina, de devoção, de dever; uma profissão de
um desejo, pelo menos, viver uma vida religiosa. Ele se tornou um
emblema ao redor do qual, outros se ajuntariam. Hoje ele distingue
mais de vinte e cinco milhões de pessoas!

CAPÍTULO III

Oxford: Vida Universitária

51
Deste tempo, Wesley escreve: "No ano de 1729, eu começo,
não apenas a ler, mas a estudar a Bíblia, como o único padrão da
verdade, e o único modelo da religião pura. De onde eu vejo, em uma
luz cada vez mais clara, a indispensável necessidade de ter a mente
que havia em Cristo, e de caminhar como Cristo também caminhou;
não apenas tendo parte, mas toda a mente que havia Nele; e de
caminhar como Ele caminhou, não apenas em muitas ou na maioria,
mas em todas as coisas. E esta foi a luz, em que, naquele momento, eu
geralmente considerei a religião, como um seguir uniforme de Cristo,
uma conformidade interior e exterior com nosso Mestre. Nem eu
estava temeroso de alguma coisa mais, do que submeter-me a esta
regra para a minha própria experiência, ou de outros homens; em me
permitir, de maneira alguma, a menor desconformidade com nosso
grande Exemplar".

Em obediência aos chamados que ele recebera do Dr. Morley,


Reitor do Lincoln College, retornou para Oxford, para encarregar-se
dos alunos, onze dos quais, imediatamente, ficaram sob seu cuidado.
Aqui ele encontrou uma sociedade Metodista iniciante, embora que
ainda sem um nome definido; consistindo de Charles e dois
companheiros, aos quais se juntou imediatamente, e através dos quais,
ele rapidamente foi reconhecido como um líder espiritual. Sob sua
direção, a pequena comunidade logo se transformou em um
instrumento de propaganda espiritual, e gradualmente aumentou em
número e influência – uma pequena semente que, mais tarde, tornou-
se uma grande árvore.

Em seu, Breve História do Metodismo, publicado alguns anos


mais tarde, Wesley dá o seguinte relato: - "Em Novembro de 1729,
quatro jovens cavalheiros de Oxford — Sr. John Wesley, membro do
Lincoln College; Sr. Charles Wesley, estudante da Igreja de Cristo;
Sr. Morgan, homem do povo, da Igreja de Cristo; e o Sr, Kirkham, do
College Merton —, começaram a passar algumas tardes da semana,
lendo, principalmente, o Testamento Grego. No ano seguinte, dois ou
três dos alunos do Sr. John Wesley desejaram a liberdade de se
encontrarem com eles; e, logo depois, um dos alunos de Charles

52
Wesley. Foi em 1732, que o Sr. Ingham, do Queen’s College, e Sr.
Broughton, de Exeter, foram somados ao número deles. A esses, em
Abril, juntaram-se o Sr. Clayton, de Brazen-nose, com dois ou três de
seus alunos. Por volta da mesma época, o Sr. James Hervey foi
permitido encontrar-se com eles; e em 1735, o Sr. Whitfield". Ele diz:
"Eles eram todos membros zelosos da Igreja da Inglaterra; não
apenas tenazes, em todas as doutrinas delas; até onde eles as
conheciam, mas de todas as suas disciplinas, nas menores
circunstâncias. Eles eram, igualmente, observadores zelosos de todos
os Estatutos da Universidade, e isto, por causa da consciência. Mas
eles observaram que nem esses, nem qualquer coisa além do que eles
conceberam estavam em ligação estreita com o único livro deles, a
Bíblia; sendo o único desejo e desígnio deles serem cristãos bíblicos
sinceros; tomando a Bíblia, como é interpretada pela igreja primitiva
e nossa própria, como a regra total e única deles".

Este foi o "Clube Santo" do qual Wesley foi, devido sua


sabedoria, chamado de Curador. Esses foram os "Fanáticos Bíblicos";
"Traças Bíblicas", quem seus escarnecedores diziam, fartarem-se de
Bíblia, como as traças das roupas; e contra os quais eram dirigidos as
zombarias e escárnio dos negligentes. Mas a oposição dos espíritos
mundanos, pelos quais eles estavam cercados não os impediu em seu
sublime propósito, enquanto sua coragem e simplicidade de objetivo
tornaram-se mais óbvias. Eles não confinaram a atenção deles, cada
homem, em sua própria alma, ou geralmente no bem-estar da pequena
comunidade ou grupo, mas buscaram resgatar outros jovens
estudantes de seus caminhos pecaminosos, e conduzi-los à vida
religiosa; eles visitaram a prisão e a fortaleza, onde eles leram as
orações, nas quartas-feiras e sextas-feiras, e administraram o
Sacramento uma vez por mês; eles levantaram dinheiro, e procuraram
livros, ajuda médica, e outras necessidades para os pobres
prisioneiros; visitaram e ajudaram as famílias pobres, e ensinaram em
escolas e em casas de correção. Em todas essas Wesley assumiu o
comando. Ele mesmo fundou uma das escolas, pagou as professoras, e
vestiu algumas, se não todas as crianças.

53
Ao pregar em Dress, muitos anos depois, ele diz que, enquanto
estava em Oxford, "em um dia frio de inverno, uma jovem criada
(uma daquelas que cuidavam da escola), visitou-se. Eu disse: 'Você
parece subnutrida. E você tem alguma coisa para vestir, a não ser
este linho fino?'. Ela respondeu: 'Senhor, isto é tudo que tenho'. Eu
coloquei minha mão em meu bolso, mas certifiquei-me que eu não
tinha dinheiro restante, depois de ter gastado tudo que eu tinha. Isto
imediatamente me veio à mente, será que teu Mestre diria, 'Bem feito,
bom e fiel mordomo? Tu adornaste os muros com o dinheiro que teria
abrigado esta pobre criatura do frio! Ó, justiça! Ó, misericórdia!
Esses quadros não são feitos com o sangue dessa pobre criada?'".
Assim, ele insistiu com seus ouvintes, a "não ajuntarem coisa
alguma; sim, pior do que isto, com o que poderia vestir um pobre, nu,
e trêmulo de frio, cidadão". E em outra ocasião, quando prega sobre O
Caminho Mais Excelente, ele exorta: "Em Primeiro Lugar, se você
não tem família, depois de ter providenciado para si mesmo, dê tudo
que restar". "Esta", ele diz, "foi a prática de todos os jovens de
Oxford, que eram chamados de Metodistas. Por exemplo: Um deles
[ele mesmo] tinha trinta libras por ano. Ele viveu com vinte e oito, e
abriu mão de quarenta xelins. No ano seguinte, recebeu sessenta
libras, ele ainda viveu com vinte e oito, e deu trinta e duas. No
terceiro ano, ele recebeu noventa libras, e deu sessenta e duas. No
quarto, ele recebeu cento e vinte libras. Ela inda viveu, como antes,
com vinte e oito libras; e deu ao pobre, noventa e duas. Este não foi o
caminho mais excelente?

Assim, nas obras de benevolência e serviço cristão, em meio à


maldade abundante, esses jovens viveram na pureza da vida,
fortalecendo uns aos outros, na fé e prática santa, vivendo como luz no
mundo, manifestando a palavra de vida, em meio a uma geração
verdadeiramente desonesta e perversa. Mas este zelo exterior não foi
mantido sem a maioria dos diligentes exercícios religiosos. A rigorosa
vigília que Wesley manteve sobre si mesmo naquele tempo, e os
esforços ardorosos que ele fez para promover seu progresso espiritual,
são notavelmente exibidos em O Esquema de Auto-Exame, que ele
nos diz, foi usado pelos primeiros Metodistas em Oxford, e que foi

54
indubitavelmente sua compilação. O documento é extremamente
interessante, não apenas como amostra da vida interior da pequena
comunidade Metodista, mas, aqui especificamente, como lançando
uma luz sobre o sistema severo de autodisciplina que Wesley
costumava impor, com a mais rigorosa precisão, sobre si mesmo, e o
que ele estimulava junto aos outros.

Um Esquema de Auto-exame Usado pelos Primeiros


Metodistas em Oxford

 Domingo --- Amor a Deus e Simplicidade: Cujos meios


são:

Oração e Meditação

1. Eu tenho sido simples e coerente em tudo que eu digo ou


falo? (1) Simples em todas as coisas, ou seja, olhado para Deus; meu
Deus, meu Exemplo, meu único Desejo, meu Árbitro, Origem do bem;
agido totalmente para Ele; adequando meu entendimento com a ação
presente ou hora? (2) Coerente? Ou seja, este simples propósito é
distinto e ininterrupto? Com a finalidade de mantê-lo assim, eu tenho
usado as marcas, como combinado com meus amigos, onde quer que
eu esteja? Eu tenho feito qualquer coisa, sem uma prévia percepção de
que aquilo se trata da vontade de Deus? Ou sem a percepção de que
seja um exercício ou meios de virtude, para aquele dia? Eu tenho dito
alguma coisa, sem isto?

2. Eu tenho orado com fervor? Ao ir para a Igreja, e quando


saio dela? Dentro da igreja? De manhã, e tarde, em privativo?
Segunda, quarta e sexta-feira, com meus amigos, ao amanhecer?
Depois de me deitar? No sábado ao meio-dia? Todo o tempo que eu
esteja engajado em uma obra exterior pessoal? Antes de me dirigir a
um local público ou oração privada, para obter ajuda? Onde quer que
eu esteja, eu vou à igreja de manhã e a noite, exceto se para a
misericórdia necessária? Eu gasto uma a três horas em privativo? Na
oração pessoal, eu freqüentemente faço uma interrupção breve e

55
observo se há fervor? Eu a tenho repetido diversas vezes, até que eu
atento para cada palavra? Quando no começo de cada oração ou
parágrafo, eu tenho reconhecido que eu não posso orar? Eu
interrompo, antes de concluir em Seu nome, e me referir ao meu
Salvador agora intercedendo por mim, à mão direita de Deus, e
ofereço essas orações?

3. Eu uso devidamente as exclamações? Ou seja, a toda hora,


eu oro por humildade, fé, esperança, amor, e em especial, virtude para
o dia? Considero com quem eu estive a última hora, o que fiz, e
como? Com respeito à lembrança, amor ao homem, humildade,
abnegação, resignação, gratidão? Considero a próxima hora, nos
mesmos aspectos, e ofereço tudo que faço ao meu Redentor, peço sua
assistência em cada pormenor, e recomendo minha alma ao seu
cuidado? Tenho feito isto deliberadamente, sem pressa, seriamente,
sem fazer nada mais, naquele momento, e tão ardorosamente quanto
eu posso?

4. Eu oro devidamente por virtude para o dia? Ou seja, oro por


ela, quando saio e quando entro? Deliberada, séria, e fervorosamente?

5. Eu uso da Coleta [oração que na missa precede a epístola],


às nove horas, doze, e quinze horas? E dou graças antes e depois de
comer? Em voz alta, em minha própria sala? Deliberada, séria, e
fervorosamente?

6. Eu medito devidamente? Todo dia, exceto se pela


misericórdia necessária? (1) Desde as seis horas, etc, para as orações?
(2) Das quatro às cinco horas da manhã? No que for específico para a
providência daquele dia? Como a virtude do dia deve ser mostrada
junto a ela? Como isto é frustrado? (Aqui as faltas) (3) No domingo,
das seis a sete horas com Kempis? Das três às quatro, sobre a
redenção, ou os atributos de Deus? Quarta e sexta-feira, do meio-dia à
uma hora, sobre a Paixão? Antes de terminar um livro, no que eu
assinalei nele?

56
 Segunda-feira – Amor ao Homem

1. Eu tenho sido zeloso e ativo no fazer o bem? Ou seja: (1) Eu


tenho aproveitado toda oportunidade possível, para fazer o bem,
prevenir, remover ou diminuir o mal? (2) Eu tenho exercido isto com
toda minha força? (3) Eu considero alguma coisa muito importante,
para partilhar ou para servir ao meu próximo? (4) Eu gasto uma hora,
pelo menos, todos os dias, para falar com um ou com outro? (5) Eu
desisto de alguém, até que ele expressamente renuncie a mim? (6)
Antes de falar com alguém, eu procuro conhecer, até onde eu posso,
seu temperamento, modo de pensar, vida passada, e obstáculos
peculiares, internos e externos? Eu fixo o ponto a ser alcançado?
Então, os meios para isto? (7) Ao falar com ele, eu proponho os
motivos, então, as dificuldades, e pondero sobre eles, e, então, o
exorto a considerar a ambos, calma e profundamente. E orar
sinceramente por ajuda? (8) Ao falar com estranhos, eu explico o que
a religião não é? (nem negativa, nem externa) e o que ela é? (o
recuperar a imagem de Deus), procurando saber em que passo ele
parou, e o que o fez parar ali? Eu o exorto e dirijo? (9) Eu procuro
persuadir a todos que atendam às orações públicas, sermões e
sacramento; e, em geral, a obedecerem as leis da Igreja Universal, a
Igreja da Inglaterra, o Estado, a Universidade, e seus respectivos
colegas? (10) Quando reprovado por algum ato de desobediência, eu o
confesso, e revido o ataque com delicadeza e ardor. (11) Eu contesto
algum ponto prático, exceto se ele tiver que ser praticado naquele
momento? (11) Na discussão: (1) Eu desejo que ele defina os termos
da questão; limitá-la; o que ele admite e o que ele nega? (2) Demoro
em dar a opinião? Deixo que ele explique e prove a sua? Então,
insinuo ou faço objeções? (13) Depois de cada visita, eu pergunto
àquele que veio comigo: "Eu disse alguma coisa errada?". (14)
Quando alguém me pede conselho, eu o direciono e exorto com todo
meu poder?

2. Eu me regozijo com meu próximo e por causa dele, na


virtude ou prazer? Eu me aflijo com sua dor, ou porque ele está em
pecado?

57
3. Eu recebo suas enfermidades com piedade, e não ira?

4. Eu penso ou falo indelicadamente dele ou com ele? Eu


revelo algum mal de alguém, exceto se necessário para algum bem
específico que eu tenha em vista? Eu, então, faço isto com toda
ternura, e de maneira consistente com esta finalidade? De alguma
maneira pareço aprovar aqueles que fizeram o contrário?

5. A boa vontade é e parece ser a fonte de todas as minhas


ações em direção a outros?

6. Eu uso de intercessão devidamente? (1) Antes? (2) Depois


de falar com alguém? (3) Com meus amigos no domingo? (4) Com
meus alunos na segunda-feira? (5) Com aqueles a quem eu
pessoalmente desejo, na quarta e sexta-feira? (6) Com a família com a
qual estou todos os dias?

Uma carta de um dos colegas íntimos de Wesley, Robert


Kirkham, um dos primeiros da Band dos Metodistas de Oxford, lança
uma nova luz quanto aos sentimentos de Wesley naquele tempo.
Wesley tinha visitado Kirkham, em sua casa, em Stanton,
Gloucestershire, e fora recebido com boas-vindas. Aqui ele
familiarizou-se com a irmã de Kirkham, Betty, e parece ter ficado
impressionado com seu charme; nem ela pareceu indiferente aos
atrativos pessoais de Wesley. Isto não escapou da observação de seu
irmão. Escrevendo a Wesley, Kirkham diz :—

2 de Fevereiro de 1727

Seu caráter meritório, e fantástico; sua educação pessoal


notável; seus nobres dons de mente; sua pessoa simples e bonita, e
sua conversa prestativa e amável têm sido o agradável objeto de
nossa conversa por algumas horas prazerosas. Você freqüentemente
está nos pensamentos de Srta. B. [Srta. Betty], que eu curiosamente
observei, quando sozinho com ela, através de sorrisos, sinais, e

58
expressões com respeito a você. Isto é suficiente? Esta manhã, eu a
peguei de joelhos, em uma postura humilde e devota... Há muito, eu
espero que você supra a ausência de meu pai. Mantenha o conselho e
queime esta, quando ler atentamente. Você terá as minhas razões em
minha próxima carta. Eu devo concluir, e subscrever-me, seu afetuoso
amigo, e irmão, eu desejo que possa me escrever,

Robert Kirkham.

A irmã de Wesley, Marta, parece ter despertado os ternos


sentimentos dele, porque em uma carta próxima a esta data, ela diz:
"Quando eu soube que você havia retornado de Worcestershire, onde
eu suponho viu sua Varanese [um nome fictício e fantasioso para Srta.
Krkiham, usada de acordo com o costume do tempo], eu, então, cesse
de me surpreender com seu silêncio, porque a visão de tal mulher,
'tão notável, tão amada', bem poderia fazê-lo esquecer-me. Eu
realmente tenho um grande respeito por ela, assim como
necessariamente tenho por alguém que seja tão querido a você".

Uma correspondência, com a Sra. Pendarves, mostra que


Wesley, então, reteve sua paixão por Varanese, e que não foi sua falta
que isto não conduzisse a uma união duradoura. Porque, por mais de
três anos, Wesley manteve uma correspondência com a Srta. Betty
Kirkham, e falou dela, carinhosamente; mas em 1731, sua amizade foi
interrompida, se pela interferência de seu pai, ou pela preferência dela
por outro, não ficou determinado. Parece provável que ela se casou
com o Sr. Wilson, e morreu no ano de 1732.

A intimidade de Wesley com a Srta. Betty Kirkham o conduziu


à familiaridade com uma amiga de sua irmã, Sra. Pendarves, a filha
mais velha de Bernard Granville, e sobrinha de lorde Lansdowne. Ela
se casou cedo, aos dezessete anos, e, com vinte e três, estava viúva.
Ela era uma brilhante senhora da Corte, opulenta, talentosa, educada, e
bonita; familiarizada com tudo que aquele nível social e costume
podiam dispor; ainda assim, dizem que era doce e modesta,
inteligente, e inquiridora; tão feliz na vida do campo, como se nunca

59
tivesse conhecido uma Corte, ou brilhado nas assembléias de Londres;
como se a assembléia e a ópera fossem completamente estranhas a ela;
e, acima de tudo, ela era interessada, e preocupada com respeito aos
assuntos da devoção religiosa e dever. Não é de se surpreender que o
jovem colegial, com a mente aberta para todo charme do refinamento
e bondade, assim como para toda graça de pessoa, estivesse
completamente deslumbrado e envolvido.

Wesley e a Sra. Pendarves corresponderam-se livremente; ele


sob o pseudônimo de Cyrus, e ela de Aspásia. Diversas cartas estão na
Vida e Correspondência da Sra. Delany, de Lady Llanover. Dr. Rigg,
que teve a oportunidade de examinar toda a correspondência diz:

"Em todas as outras correspondências anteriores, assim como


posteriores, deste período de sua vida, Wesley é sempre claro, limpo,
e parcimonioso nas palavras; simples, inocente e impassível. Nesta
correspondência, ao contrário, ele é formal, sentimental, e quase se
poderia dizer afetado; certamente, artificial, e, algumas vezes,
excessivo, quando fala da própria lady, ou tenta fazer-lhe um elogio.
Alguém poderia quase se surpreender, como a lady, que nunca se
comporta de maneira inadequada, e cujo estilo é sempre natural e
apropriado, fosse capaz de suportar o estilo no qual ele se endereçava
a ela".

"É apenas, quando uma questão de casuística religiosa, ou de


teologia, ou de dever, ou de devoção, era tratado, que Wesley volta a
ser ele mesmo; então, seu estilo está singularmente em contraste com
o que ele é, com respeito aos pontos de personalidade ou de
sentimento. Suas expressões de respeito e admiração são tão
extravagantes, como se ele pertencesse a um romance espanhol; suas
discussões são simples e frugais. É difícil entender como o mesmo
homem pode ser o escritor de todas essas cartas".

Esta correspondência parece ter continuado até Agosto de


1731, quando a Sra. Pendarves foi residir na Irlanda; e, embora seja
provável que Wesley escreveu para ela, mais de uma vez, depois disto,

60
ainda assim, ela não escreveu para ele, num intervalo de três anos, até
que retornou para a Inglaterra. Então, ficou muito tarde. Durante
aqueles anos, Wesley avançou grandemente, no caráter e na devoção
séria, para os propósitos sublimes de seu chamado, e ganhou uma
influência maior e mais ampla como líder e guia espiritual. Dr. Rigg,
apropriadamente observa que, "em adição ao interesse curioso desta
correspondência, ela revela um segundo plano do caráter natural que
nos capacita a ver em uma luz muito mais clara o maduro, e em boa
parte, transformado, Wesley dos últimos anos. Ele nos revela a
extrema suscetibilidade natural de Wesley para o que quer que fosse
gracioso e agradável em uma mulher, especialmente, se unido ao
vigor mental e excelência moral ... Ele foi naturalmente um
admirador da natureza feminina, pelo menos, um admirador de tais
mulheres. Uma cortesia quase reverente; uma afeição calorosa, mas
pura; um deleite, mas estrita familiaridade, marcou, através da vida,
suas relações com as agradáveis e talentosas mulheres -- foi com
esses talentosas mulheres, na maioria das vezes, que ele manteve
amizade e correspondência"

Mas, com a vida futura de Wesley em vista, este episódio


propicia alicerce para reflexão sobre o maravilhoso controle da
providência, que, então, e não até então, impediu a vida destinada para
a heróica abnegação, e para o quase trabalho sem paralelo, no serviço
da Igreja e da raça humana, de contender-se com as limitações da
comum, mesmo que neste caso a distinguida carreira de um pároco, ou
de um membro do colégio.

Retornando a nossa história, nós nos certificamos que, no


início do ano de 1730, Wesley aceitou, por alguns meses, um curato,
oito milhas de Oxford, provavelmente em Stanton Harcourt, do qual
seu amigo Gambold ficou incumbido, mais tarde. Ele não ficava muito
longe de South Leigh, onde Wesley pregou seu primeiro sermão. De
lá ele cavalgava nos domingos, mas que outro serviço ele fazia, não se
sabe. Ele recebeu pagamento, a razão de 30 libras por ano. Este curato
propiciou a ele um novo campo de benefício, e o capacitou a manter
seu cavalo, sem privar suas caridades.

61
Na primavera do ano seguinte, ele começou a observar os
jejuns das quartas e sextas-feiras, depois da prática da Igreja matinal,
não provando alimento até as três horas da tarde. Ele nos diz que ele
se esforçou diligentemente contra todo o pecado; omitiu nenhuma
sorte de abnegação que ele pensou útil; cuidadosamente usou, tanto
em público, como em privado, de todos os meios da graça em todas as
oportunidades. Ele não omitiu ocasião de fazer o bem, e por esta razão
ele diz que ele suportou o mal. Mas sabendo que tudo isto significava
nada, exceto se fosse direcionado em direção à santidade interior, ele
objetivou continuamente a alcançar a imagem de Deus, fazendo a
vontade de Deus e não a sua própria.

Nesta época, ele e seu irmão começaram a prática de


conversarem em Latim, quando estavam sozinhos; uma prática que
eles continuaram durante a vida. Na primavera deste ano, ele fez uma
visita a Epworth, permanecendo lá, por três semanas. Eles
caminharam, de um lado a outro, descobrindo que vinte e quatro ou
vinte e cinco milhas eram um dia de jornada, tão fácil e seguro, em
tempo quente, quando em tempo frio; e que era fácil lerem enquanto
caminhavam, por uma distância de dez ou doze milhas, sem se
sentirem fracos ou cansados; e, em seu retorno, Wesley conta a sua
mãe que o movimento e o sol, juntos, em suas últimas cento e
cinqüenta milhas de caminhada, tão completamente eliminaram seus
"humores supérfluos", que eles continuaram em perfeita saúde,
embora a época em Oxford fosse de muita enfermidade; e, como
muitos pensavam que seu irmão e ele eram muito cuidadosos, e
colocavam fardos em si mesmos, que eles não eram capazes de
suportar, ele pede que, se ela os julga, supersticiosos ou fanáticos, de
um lado, ou muito remissos de outro, que ela os informe tão
rapidamente quanto possível. E, escrevendo ao seu pai, nesta mesma
época, ele diz: "Desde nosso retorno, nossa pequena companhia,
acostumada a se encontrar no domingo de manhã, reduziu-se a quase
nenhuma pessoa, afinal. O Sr. Morgam está doente em Holt; Sr.
Boyce está com seu pai em Barton; Sr. Kirkham deve brevemente
deixar Oxford; e um jovem cavalheiro que usou ser o quarto homem,

62
temeroso e envergonhado, ou mesmo ambos, retornou para os
caminhos do mundo, e cuidadosamente afastou-se de nossa
concordância". Mas, embora ele narre o fato, ele não usa palavra
alguma significando desencorajamento de sua parte. Na verdade, tal
sentimento, tão inteiramente desconhecido na vida anterior, quando
havia tanta oportunidade para isto, não parece ter encontrado lugar, até
mesmo neste período inicial. "No entanto", ele acrescenta, "o pobre na
fortaleza tinha o evangelho pregado para ele, e algumas de suas
necessidades supridas, e os filhos estavam sendo ainda cuidados".

Em meio às cartas interessantes, escritas por ele, para sua


sempre sábia conselheira, sua mãe, existe uma datada de 28 de
Fevereiro de 1732. Ela diz: "Eu reconheço que eu nunca entendi, que
a presença real, mais do que da natureza Divina de Cristo, esteja
eminentemente presente para conceder, através da operação de Seu
Espírito, o benefício de Sua morte para os recebedores meritórios".
Ao que ele responde: "Alguma consideração é suficiente para me
fazer concordar com seu julgamento, concernente ao Santo
Sacramento, que é, o de que não podemos admitir que a natureza
humana de Cristo esteja presente nele, sem admitir tanto a
consubstanciação ou transubstanciação. Mas que Sua divindade está
tão unida a nós, então, como nunca esteve, a não ser para os
recebedores meritórios, eu firmemente acredito, embora a maneira
desta união seja completamente um mistério para mim". Falando de
seus muitos privilégios espirituais, ele pergunta: "O que devo fazer
para tornar todas essas bênçãos efetivas; para conseguir, através
delas, aquela mente que estava também em Cristo Jesus? A todos que
dão mostras, de não serem estranhos a isto, eu proponho esta
questão, e por que não a você, antes do que qualquer outro? Eu devo
interromper minha busca de todo aprendizado, a não ser pelo que
imediatamente se incline à prática? Uma vez, eu desejei fazer uma
mostra justa nas Línguas e Filosofia; mas isto é passado. Existe um
caminho mais excelente, e, se eu não posso obter algum progresso
nele, sem renunciar a todos os pensamentos do outro, porque,
concordo, ainda que, em pouco tempo, devamos ser todos iguais no
conhecimento, se formos iguais na virtude".

63
"Você diz que 'renunciou ao mundo'. E o que eu tenho feito
todo este tempo? O que tenho feito desde que nasci? Por que eu tenho
mergulhado nisto mais e mais. É suficiente: 'Acorda, tu que dormes'.
Não existe 'um Senhor, um Espírito, uma esperança de nosso
chamado?'. Uma maneira de obter aquela esperança? Então, eu
renuncio ao mundo assim como você. Esta é a mesma coisa que eu
quero fazer – tirar minhas afeições deste mundo, e colocá-las em um
caminho melhor. Mas como? Qual o caminho mais certo, e o mais
curto? Não é ser humilde? Certamente este é um passo largo neste
caminho. Mas a questão retorna: Como eu farei isto? Reconhecer a
necessidade disto não é ser humilde. Em muitas coisas você
intercedeu por mim e prevaleceu. Que sabe, nesta também você possa
ter sucesso!".

Essas palavras mostram com que avidez ele se esforçava na


busca da santidade; elas revelam seu espírito dócil e educável; e eles
indicam o tipo de autodisciplina a que ele se submeteu – uma
disciplina exercida dentro do tranqüilo recinto fechado da vida
Universitária, que tão bem o ajudou a prepará-lo para as lutas
exteriores que ainda viriam.

Em Londres, no mês de Julho deste ano, Wesley familiarizou-


se com William Law, que estava, então, vivendo com Gibbons, em
Putney, e começou a ler os escritores místicos. Isto, como poderemos
ver, ultimamente acrescentou um outro elemento à sua complexa
experiência, envolvendo novas perplexidades a serem resolvidas, e
novos conflitos a serem suportados. Em 23 de Novembro de 1736, ele
escreveu a Samuel Wesley: "Eu penso que a rocha na qual eu quase
naufraguei na fé foram os escritos dos místicos; sob cujo termo eu
compreendo todos aqueles que desprezam os meios da graça, e não
apenas esses". Ele também se tornou conhecido de muitos membros
da Sociedade para a Propagação do Conhecimento Cristão, com
cujas reivindicações, ele mais inteiramente simpatizou. Ele foi
admitido na Sociedade em 3 de Agosto deste ano.

64
Em 26 de Agosto, o Sr. Morgan morreu. Ele foi um dos três
primeiros a serem alcunhados de homens e Metodistas de
Supererrogação. Como falsos relatos se espalharam de que sua morte
fora ocasionada por excessivo jejum e outras austeridades que os
Wesleys o induziram a praticar, Wesley escreveu uma longa carta ao
pai de Morgan, dando algum relato do caráter cristão e as obras de
caridade de seu filho, e dos procedimentos gerais da pequena
companhia deles.

Isto tanto satisfez o Sr. Morgan, que ele subseqüentemente


colocou seu filho mais jovem como um aluno sob o cuidado de
Charles Wesley. No prefácio de seus Diários publicados, Wesley
inseriu esta carta, como "um claro relato do surgimento daquela
pequena sociedade que tinha sido, de maneira tão variada,
representada".

Durante o curso deste verão, Wesley fez duas viagens a


Epworth. Na primeira, enquanto de pé no muro do jardim da casa de
um amigo, este se espatifou debaixo dele, mas Wesley escapou ileso.
Sua segunda jornada foi mais aflitiva. Como seu pai, ficando velho e
enfermo, e seu irmão Samuel, preste a residir em Tiverton, não foi
provável que toda a família se reunisse novamente dentro dos muros
daquela velha residência paroquial em Epworth – a casa da dotada e
honrada família, cujo nome se tornaria familiar para as raças de língua
inglesa, em todos os cantos do globo habitado; a casa para o qual os
pensamentos de tantos em gerações futuras se voltaram, e para o qual
os passos de tantos peregrinos desta terra e de além mares se
lançariam.

No primeiro dia do ano de 1733, Wesley pregou na Igreja de


St. Mary, Oxford, diante da Universidade, sobre "A Circuncisão do
Coração", de Romanos 2:29. Escrevendo a um amigo, trinta anos
depois, ele diz: "O sermão contém tudo que eu agora ensino,
concernente à salvação de todos os pecados, e amor a Deus com um
coração não dividido". Mas sobre um tópico, ele não ensinou tudo
que ele mais tarde ensinou. Sobre a questão da fé, faltou o ensino que

65
o próprio Wesley naquele tempo não tinha. Ele define a fé como "uma
concordância inabalável de tudo que Deus revelou nas Escrituras, e,
em especial, àquelas importantes verdades, que Jesus Cristo veio ao
mundo para salvar pecadores; que Ele carregou nossos pecados
sobre seu corpo no madeiro; que Ele espiou nossos pecados, e não
apenas os nossos, mas todos os pecados de todo o mundo". Mas,
quando ele, mais tarde, publicou o sermão, em 1748, no segundo de
seus primeiros quatro volumes de sermões, ele acrescentou a seguinte
passagem notável: ("não apenas uma concordância inabalável", etc),
"mas igualmente a revelação de Cristo em nossos corações; uma
evidência ou convicção divina de Seu amor, Seu livre, imerecido amor
a mim um pecador; uma confiança certa em Sua misericórdia
perdoadora; forjada em nós pelo Espírito Santo; uma confiança, por
meio do qual o crente verdadeiro é capaz de testemunhar: Eu sei que
meu redentor vive; que eu tenho um advogado com o Pai, e que Jesus
Cristo, o justo, é meu Senhor a expiação por meus pecados. Eu sei
que Ele amou. Que Ele me reconciliou, mesmo a mim, a Deus; e eu
tenho redenção, através de Seu sangue, até mesmo o perdão dos
pecados". Presentemente será visto, quão exatamente similar essas
palavras são daquelas usadas por ele, já que ele registrou sua fé,
depois do memorável encontro na Rua Aldersgate, no qual ele
primeiro alcançou a verdade de seu interesse pessoal e individual na
expiação de Cristo; aquele evento sendo a linha divisória entre: "Ele é
a expiação dos pecados de todo o mundo", e "Ele é a expiação para
meus pecados".

Este ano foi marcado, pelo fato de ele imprimir ("a primeira
vez que me aventuro a imprimir alguma coisa") Uma Coleção de
Formas de Oração, designada para o uso de seus alunos. Assim
começou aquele prolífico trabalho literário que continuou até o fim de
seus dias, e que nenhum de seus trabalhos árduos diminuiu. O número
e variedade de suas publicações espantaram todo estudante de sua
vida.

Seu pai, em um péssimo estado de saúde e aparentemente


declinando rapidamente, Wesley retirou-se para Epworth. Passando

66
por sobre a ponte em Daventry, seu cavalo caiu sobre ele; mas Wesley
escapou ileso, e, tão freqüentemente mais tarde, encontrou
oportunidade de dar graças a Deus, pela preservação em iminente
perigo. Seus pais estavam muito ansiosos que ele se estabelecesse em
Epworth, no caso da morte de seu pai; Depois de seu retorno a
Oxford, ele escreveu para sua mãe: “Eu observei quando estive com
você, que eu estava muito indiferente, quanto a ter ou não o benefício
de Epworth. Eu, na verdade, fui inteiramente incapaz de determinar
um caminho ou outro; e por esta razão: eu sei, que se eu pudesse
estabelecer meu alicerce aqui, e me aprovar como um fiel ministro, de
nosso abençoado Jesus, pela honra e desonra, através do bom e mau
relato; então, não haverá lugar sob o céu como este para o
aperfeiçoamento em todo o bem”. E novamente: “Eu tenho tantos
alunos e tantos amigos quanto preciso; quando mais for melhor para
mim, eu terei mais. Se eu não tiver mais alunos depois que estes
tiverem ido, eu, então, ficarei feliz do curato perto de você; se eu
tiver, eu tomarei isto como um sinal de que eu devo permanecer
aqui”.

Em Maio, ele parte novamente para Epworth, para visitar, em


Manchester, seu amigo Clayton, que havia agora deixado a
Universidade. Em seu retorno para Oxford, ele viu os maus efeitos de
sua ausência sobre seus alunos e membros de sua pequena sociedade.
Ele agora se viu cercado pelos inimigos, triunfando sobre ele,
enquanto amigos desertavam dele; e viu os frutos de seu trabalho em
perigo de ser destruído, antes que tivesse alcançado a maturidade. Mas
ele permaneceu firme, como uma rocha, e consciente de sua própria
integridade, e que ele tinha nada em vista, a não ser servir a Deus e o
benefício de seu próximo, ele viu sua situação com calma, e na
simplicidade de seu coração, escreveu assim para seu pai: --

13 de Junho, 1733.

“Os efeitos de minha última viagem, eu acredito, me fará mais


cauteloso de estar algum tempo longe de Oxford, para o futuro; pelo
menos, até que eu não tenha alunos para cuidar, o que provavelmente

67
acontecerá dentro de um ano ou dois. Um dos meus jovens
cavalheiros disse-me, quando de meu retorno, que ele estava, ‘mais e
mais, temeroso da singularidade; um outro, que ele leu uma excelente
peça do Sr. Locke, que o tinha convencido do dano de respeitar a
autoridade. Ambos concordaram que o observarem a quarta-feira,
como um jejum, foi uma singularidade desnecessária; a Igreja
Universal (ou seja, a maioria dela), tendo há muito repelido, por
costume contrário, a injunção que ela anteriormente deu concernente
a isto. Uma terceira, que não pode ceder a este argumento, foi
convencido por uma perturbação de espírito, e Dr. Frewin. Nossos
vinte e sete comunicantes na Igreja de St. Mary, que estiveram na
quarta-feira, diminuíram em cinco; e um dia antes, o último dos
alunos do Sr. Clayton que continuou conosco, me informou que ele
não pretendia nos encontrar mais. ‘Meu prejudicial sucesso’, como
eles chamam a isto, parece ser o que amedrontou a cada um, da
queda da casa”.

“Ele agora redobrou sua diligência com seus alunos, para que
eles recuperassem o alicerce que haviam perdido. Eles haviam sido
culpados por seus amigos e inimigos pela regularidade dele, e por
algumas práticas especiais que ele observava; Escrevendo a sua mãe
sobre esses assuntos, ele revela seus pensamentos e métodos. Ele diz,
em 17 de Agosto de 1733: “O que causa ofensa aqui é o ser singular
com respeito ao tempo, gasto e companhia. Isto é evidente, além de
exceção, do caso do Sr. Smith, um de nossos Camaradas, que tão logo
começou a economizar seu tempo; a cortar gastos desnecessários, e
evitar seus conhecidos irreligiosos, ele foi atacado, não apenas por
todos aqueles conhecidos, mas muitos outros também, como se ele
tivesse entrado em uma conspiração para cortar a garganta de todos
eles; embora até este dia, ele não tenha aconselhado uma só pessoa,
exceto em uma ou duas palavras por acaso, a agir como ele fez em
algumas dessas instâncias”. E ele acrescenta:

“De fato, é verdade que ‘o demônio odeia mais a guerra


ofensiva’; e que quem quer que tente livrar mais do que a própria
alma de suas mãos, terá mais inimigos, e encontrará maior oposição,

68
do que se ele estiver contente em ‘ter a sua própria vida como uma
presa’. Que eu tente fazer isto é igualmente certo; mas eu não posso
dizer, se eu ‘imporei rigorosamente algumas observâncias sobre
outros’, até que eu sabia o que aquela frase signifique. O que eu faço
é isto: Quando eu estou encarregado de uma pessoa, que deve
primeiro entender e praticar, e, depois ensinar a lei de Cristo, eu me
esforço, pela leitura e conversação adicionadas, a mostrar a ele o que
aquela lei significa; ou seja, a renunciar a todo amor desordenado do
mundo, e a amar e obedecer a Deus, com toda sua força. Quando ele
parece seriamente sensível a isto, eu proponho a ele os meios que
Deus tem ordenado a ele usa, com o objetivo desta finalidade; e uma
semana, um mês, ou um ano depois, quando o estado de sua alma
parece requerer isto, os diversos meios providenciais recomendados
pelos homens sábios e bons. Quanto aos momentos, ordem, medida, e
maneira em que esses devem ser propostos, eu dependo do Espírito
Santo me dirigir, em minha, e através da minha própria experiência e
reflexão, juntamente com os conselhos de meus amigos religiosos,
aqui e em outros lugares. Apenas duas regras é meu princípio
observar em todos os casos: Primeiro, começar, continuar e terminar
todos os meus conselhos, em espírito de humildade; como sabendo
que ‘a ira’ ou a severidade ‘do homem não opera a retidão de Deus’;
e, em segundo lugar, acrescentar à humildade, longanimidade: no
prosseguimento de uma regra que eu fixei há muito tempo – nunca
desistir de alguém, até que eu o tenho testado, pelo menos dez anos –
Por quanto tempo Deus teve piedade de mim?”.

Wesley se prepara verdadeiramente para ser um grande líder


de homens.

Tyerman observa que “O Metodismo em Oxford foi


organizado em 1729. Dois anos mais tarde, enquanto ‘Wesley e seu
irmão estavam em Epworth’, ele foi reduzido para quase nada; e dois
anos mais tarde ainda, quando tinha aumentado para vinte e sete
comunicantes, durante uma outra visita breve para Epworth, foi
quase completamente destruído, porque vinte e sete foram reduzidos a
cinco. Tudo isto mostra que Wesley foi a alma deste movimento, e

69
que, sem ele, teria se dissolvido e se tornado extinto... Os cinco
pobres Metodistas remanescentes, não considerando o próprio
Wesley, eram sem dúvida, Charles Wesley, Benjamin Ingham, James
Hervey, John Gambold, e, provavelmente, Charles Kinchin. Todos
honrem tais nomes! Eles mantiveram o fogo ardendo, quando ele
estava em perigo de extinguir-se. Wesley foi seu espírito-mestre; mas
eles foram fiéis e dispostos colaboradores”.

Não existe um quadro mais exato de Wesley e seus métodos, e


do pequeno grupo de Metodistas, naquele tempo, do que aquele
fornecido na carta de um deles, Gambold. Ele é tão preciso e exato em
seus detalhes para ser omitido, não obstante, seu comprimento.
Gambold escreve:

“Sr. Wesley, professor do Lincoln College, tem sido o


instrumento de tanto bem para mim, que eu nunca o esquecerei.
Pudesse eu me lembrar dele, como deveria, teria quase o mesmo
efeito como se ele ainda estivesse presente; para uma conversa, tão
sem reservas, como era a dele, tão zelosa em envolver seus amigos em
cada instância da devoção cristã, que nada restaria a ser dito, a não
ser o que nos ocorre, quando dispostos a nos lembrar dele
imparcialmente”.

“Por volta da segunda quinzena de Março de 1730, eu conheci


pessoalmente o Sr. Charles Wesley da Christ Church. Eu havia, então,
recém chegado do interior, e estava decidido a encontrar algumas
pessoas piedosas da religião para me manter em companhia delas, ou
instilar alguma coisa naqueles que eu já conhecia. Eu havia estado,
durante os dois anos anteriores, em profunda melancolia, de maneira
que Deus agradou-se de me ordenar isto, desapontar e quebrantar um
espírito orgulhoso, e tornar o mundo angustiante para mim; já que eu
estava inclinado a apreciar suas vaidades”.

“Durante este tempo, eu não tive amigo com quem eu pudesse


me abrir, para algum propósito. Nenhum homem cuidava de sua
alma; ou nenhum, pelo menos, entendia os caminhos dela. Eles que

70
estavam na comodidade não imaginavam a tristeza em que eu me
encontrava. O erudito esforçou-se para me dar noções corretas, e o
amistoso para divertir-me. Mas eu tinha um peso sobre meu coração,
que apenas a oração poderia em algum grau remover”.

“Eu me preparei para provar o valor e a ajuda da sociedade,


ficando um pouco restabelecido. Um dia, um velho conhecido me
entreteve com algumas reflexões sobre o excêntrico Sr. Charles
Wesley, sua precisão e extravagâncias piedosas. Embora eu tivesse
convivido com ele durante quatro anos no mesmo colégio, ainda
assim, eu fui incapaz de tomar algum conhecimento do que se
passava, de maneira que eu nada sabia de seu caráter, a não ser, ao
ouvir isto, que eu suspeitava ser de um bom cristão. No entanto, fui
até sua sala, e, sem qualquer cerimônia, pedi o benefício de sua
conversa. Eu tive tão larga porção dela, dali em diante, que
dificilmente passei um dia, enquanto estive no colégio, a não ser que
estivéssemos juntos uma vez, se não, o mais freqüentemente possível”.

“Depois de algum tempo, ele me apresentou a seu irmão,


John, do Lincoln College. ‘Porque’, ele disse, ‘ele é de certa forma
mais velho do que eu, e pode resolver suas dúvidas, melhor’. Isto,
como eu me certifiquei mais tarde, foi a coisa com a qual este estava
profundamente consciente; porque eu nunca observara alguma
pessoa ter uma referência mais verdadeira por outra, do que ele
constantemente tinha pelo seu irmão. Na verdade, ele o seguia
inteiramente. Pudesse eu descrever um deles, eu descreveria a ambos.
Portanto, nada mais há que se dizer de Charles, a não ser que ele era
um homem feito para a amizade; que, através de seu bom humor e
vivacidade, revigorava o coração de seu amigo; com atenta
consideração, de maneira a entrar dentro dele, e acalmar todas as
suas preocupações; e até onde ele fosse capaz, faria alguma coisa por
ele, grande ou pequena; e através da abertura e liberdade, habituais,
não daria espaço para mal-entendidos”.

“Os Wesleys já falavam de algumas práticas religiosas, que


foram, primeiro, ocasionadas pelo Sr. Morgan, da Christ Church.

71
Dessa associação de amigos começa uma pequena sociedade; já que
diversas outras, de tempos em tempos, terminaram; a maioria delas
apenas aperfeiçoada, através dos discursos sérios e úteis; e algumas
poucas aderindo a todas as suas resoluções, e todo seu modo de
vida”.

“O Sr. John Wesley foi sempre o principal dirigente, porque


ele era muito preparado; ele não apenas tinha mais aprendizado e
experiência do que os demais, mas fora abençoado com tal atividade,
de maneira a estar sempre ganhando terreno, e tal firmeza, que ele
nunca perdeu um. Quais propostas ele fizesse a alguém, era certo que
os envolviam, porque ele era muito sincero; nem eles poderiam, mais
tarde, menosprezá-las, porque ele era sempre o mesmo. O que ajudou
neste vigor uniforme foi o cuidado que ele tomava ao considerar bem
cada assunto, antes de envolver-se nele, tomando todas as suas
decisões, com base no temor a Deus, sem paixão, capricho, ou
autoconfiança; porque, embora ele tivesse naturalmente uma
compreensão clara, ainda assim, sua exata prudência dependia mais
da humanidade e singeleza de coração”.

“A isto eu posso acrescentar que ele tinha, eu acredito,


alguma coisa de autoridade em seu semblante; embora, como não lhe
faltasse discurso, ele poderia suavizar sua maneira, e designá-la
como a ocasião requeresse. Ainda assim, ele nunca assumiu alguma
coisa para si mesmo, acima de seus companheiros. Alguns deles
falariam de suas mentes, e suas palavras eram tão estritamente
consideradas por ele, como as suas eram por eles”.

“Era costume deles se encontrarem, a maioria das tardes,


quer em seu aposento, ou no aposento de algum outro, onde, depois
de algumas orações (o principal assunto era a caridade), eles
tomavam sua refeição, e liam algum livro. Mas a ocupação principal
era rever o que cada um havia feito naquele dia, na busca do objetivo
comum deles, e consultar quais os passos que deveriam ser tomados
em seguida”.

72
“O empreendimento deles incluía esses diversos pormenores:
‘Conversar com os jovens estudantes; visitar as prisões; instruir
algumas famílias pobres; e cuidar de uma escola e uma paróquia da
casa de correção”.

“Eles se esforçavam com os mais jovens membros da


Universidade, para resgatá-los das más companhias, e encorajá-los a
uma vida zelosa e sóbria. Se eles tinham algum interesse em alguns
deles, eles os convidavam para o desjejum, e, sobre uma travessa de
chá, empenhavam-se para fixar alguma boa sugestão junto a eles.
Eles os ajudavam naquelas partes do aprendizado que estivessem
presos; e juntamente com os melhores sentimentos, os direcionavam
para as convicções deles, dando a eles regras de devoção, e quando
as recebessem, os vigiavam com grande ternura”.

“Um ou outro deles iria à fortaleza todos os dias; e outros


mais comumente ao Bocardo [originalmente o nome de uma velha
fortaleza ao norte de Oxford, que era usado como uma prisão]. Quem
quer que fosse para a fortaleza deveria ler na capela para os quantos
prisioneiros atendessem, e falar com o homem ou homens com os
quais fosse particularmente responsável. Antes de ler, perguntaria se
eles tinham lido as orações ontem. (Porque alguns homens sérios, em
meios aos prisioneiros liam orações familiares com os demais). Se
eles leram novamente o que leram por último, e o que eles se
lembravam disto. Então, examinava os assuntos; e, mais tarde,
prosseguia no mesmo livro, por um quarto de hora”.

“Os livros que ele usava eram o Monitor Cristão, o Conselho


do Pároco da Região aos seus Paroquianos, e similares. Quando
terminava, resumia os diversos pormenores que tinham sido
discutidos, reforçava os conselhos dados, e reduzia tudo, pelo menos,
a duas ou três sentenças, que eles facilmente se lembrariam. Então,
chamava seu homem de lado, e perguntava se ele foi a capela ontem;
e outras questões, concernentes ao cuidado de servir a Deus, e
aprender sua obrigação”.

73
“Quando um novo prisioneiro viesse, a conversa com ele, por
quatro ou cinco vezes, era especialmente pessoal e inquiridora. Se ele
não carregava malignidade em direção àqueles que o processaram,
ou alguns outros. O primeiro momento, depois das profissões de boa-
vontade, eles apenas inquiriam de suas circunstâncias no mundo. Tais
questões importavam amizade, e comprometiam o homem a abrir seu
coração. Mais tarde, eles entravam em tais inquirições, na maioria,
concernente a um prisioneiro. Se ele se submeteria à disposição da
Providência: Se ele se arrependeu de sua vida passada. Por último,
eles perguntavam, se ele usava constantemente de oração pessoal, e
se, alguma vez, havia comungado”.

“Assim, a maioria, ou todos os prisioneiros falava em seu


turno. Mas, se algum deles estivesse sob a sentença de morte, ou
parecesse ter algumas pretensões de uma nova vida, eles viriam todos
os dias em sua assistência; e compartilhariam do conflito e suspense
daqueles que agora seriam considerados capazes, e não capazes de
firmarem-se na salvação. Com o objetivo de aliviar aqueles que
estavam confinados por pequenos débitos, e eram sobrepujados por
suas aflições; e igualmente comprar livros, medicamentos, e outras
coisas necessárias, eles levantavam um pequeno fundo, para o qual
muitos de seus familiares contribuíam trimestralmente. Liam as
orações na fortaleza, na maioria das vezes, nas quartas e sextas
feiras; um sermão nos domingos, e o Sacramento uma vez por mês”.

“Quando se incumbiam de alguma família pobre, eles os viam,


pelo menos, uma vez por semana; algumas vezes, davam dinheiro,
advertiam em seus maus hábitos; liam para eles, e examinavam seus
filhos. A escola era, eu penso, do próprio Sr. Wesley. Em todo o caso,
ele pagava as professoras, vestia algumas, se não, todas as crianças.
Quando eles iam até lá, eles inquiriram como cada criança se
comportava; viam seus trabalhos (porque algumas podiam tricotar e
fiar); os ouvia lerem; ouviam suas orações e catecismo, e explicavam
parte dele. Da mesma maneira, eles ensinavam as crianças na casa de
correção; e liam para as pessoas idosas, como faziam com os
prisioneiros”.

74
“Embora algumas práticas do Sr. Wesley e seus amigos
fossem muitas – eles jejuam na quarta e sexta-feira – segundo o
costume da Igreja primitiva; a vinda deles naqueles domingos,
quando não havia sacramento em seus próprios colégios, para
recebê-lo na Christ Church – ainda assim, nada era tão desagradável
quanto esses empreendimentos caritativos. Eles raramente tomavam
conhecimento das acusações trazidas contra eles; mas se eles davam
alguma resposta, era comumente tal ‘resposta clara e simples, como
se não houvesse mais nada no caso, a não ser que eles tinham ouvido
tais doutrinas de seu Salvador, e acreditado e feito
concordantemente’”.

“Nós poderíamos ser mais felizes em outra vida, mais


virtuosos do que somos nesta? Nós somos mais virtuosos, quanto mais
intensamente amamos a Deus e ao homem? É o amor, assim como
todos os hábitos, o mais aplicado, e o mais exercitado nisto? O
ajudar, ou tentar ajudar o homem, por causa de Deus, não é um
exercício de amor a Deus e ao homem? O alimentar o faminto, dar de
beber ao sedento, vestir o nu, e visitar os doentes e prisioneiros, não é
especialmente um exercício de amor ao homem? O se empenhar em
instruir o ignorante, admoestar os pecadores, encorajar o bom,
confortar o aflito, confirmar o indeciso, e reconciliar os inimigos, não
é o exercício do amor a Deus ou ao homem? Nós podemos ser mais
felizes em outra vida, se nós não fizermos as primeiras dessas coisas,
e tentarmos ser conduzidos pela última? Ou se nós não fizermos uma,
nem tentarmos fazer a outra?’”.

Esta é uma minuciosa delineação dos procedimentos do Clube


Santo, escrita na grande simplicidade de um deles. Pode-se ver quão
proeminente parte Wesley toma nisto tudo. Ela é um indicativo de sua
atenção aos menores detalhes, e mostra a influência de sua mente
metódica, lógica e sincera. No restante da narrativa de Gambold,
porque tal ela é, Wesley é mais diretamente falado, e somos melhores
capacitados a imaginá-lo na busca de sua obra.

75
Gambold prossegue:

“O que eu observaria principalmente, é a maneira na qual o


Sr. Wesley dirigia seus amigos. Porque ele requereu tal regularidade
em nossos estudos, de maneira a devotá-los todos a Deus, pelo que foi
criticado como alguém que desencorajava o aprendizado. Muito
longe disto; a primeira coisa que ele atacava no jovem, era aquele
indolência que não se submeteria a um pensamento reservado. Nem
ele era contra ler muito, especialmente, a princípio, porque, então, a
mente deveria preencher-se com elementos e experimentar tudo que
parecesse inteligente e perfeito.

“Ele recomendava a eles seriamente um método e ordem em


todas as suas ações. Depois das devoções matinais (que eram em uma
hora fixa, das cinco às seis da manhã; assim como à tarde), ele os
aconselhava a determinarem o que eles deveriam fazer em todas as
partes do dia. Através de tal previdência, eles deveriam, no final de
cada hora, não ter dúvida, em como se prepararem, e se submeterem
à necessidade de tal plano, para que pudessem corrigir a impotência
de uma mente que tinha sido usada para viver, pelo humor e
possibilidade, e prepará-la, gradualmente, para suportar as outras
restrições de uma vida santa”.

“A próxima coisa, era fazer com que eles mantivessem os


jejuns, a visita aos pobres, e a vinda semanalmente ao Sacramento;
não apenas para subjugarem o corpo, aumentarem a caridade, e
obterem a graça Divina, mas (como ele expressou) acabarem com o
refúgio do mundo. Ele julgou que, se eles fizessem essas coisas, os
homens baniriam seus nomes como demônios, e, pela impossibilidade
de continuarem corteses com o mundo, os obrigariam a encontrar
todo o refúgio deles no Cristianismo. Mas aqueles cujas resoluções,
ele acreditou, não suportariam este teste, ele deixaria juntar forças,
através de seus exercícios reservados”.

“Foi seu cuidado intenso, introduzi-los nos tesouros da


sabedoria e esperança das Santas Escrituras; ensiná-los, não apenas

76
a preservar aquele livro, mas a formarem-se, através dele, e a fugirem
para ele, como grande antídoto contra as trevas deste mundo.
Durante alguns anos antes, ele e seus amigos leram o Novo
Testamento, juntos, à tarde. Depois de cada porção dele, e depois de
ouvir as conjeturas que os demais ofereciam, ele fazia suas
observações sobre a frase, objetivo, e passagens difíceis. Um ou dois
escreveram: ‘Ele colocava muita ênfase no auto-exame. Ele os
ensinava (além do que ocorre em sua Coleção de Orações) a fazer um
relato de suas ações, de uma maneira exata, através de um diário
constante. Neste, eles anotavam em cifras, uma vez, se não mais
freqüentemente no dia, o que principalmente os empreendimentos
deles tinham sido, nas diversas partes dele, e como eles haviam
executado cada um. O Sr. Wesley fazia esses registros de sua vida, há
muitos anos. E alguns eu conheci, que selaram suas convicções e
arrependeram-se mais solenemente, e escreveram tais reflexões junto
a si mesmos, conforme as angústias de suas almas sugeriram, naquele
momento, acrescentando alguma máxima espiritual que algumas
experiências próprias tinham confirmado a eles’”.

“’Então, para manter em suas mentes um terrível sentido da


presença de Deus, com uma constante dependência da ajuda Dele, ele
os aconselhava as Orações exclamatórias. Eles tinham um livro de
exclamações, relativas às principais virtudes, e, guardando para uso
futuro, como faziam com seus estudos, eles, em intervalos, tiravam
uma pequena súplica dele. Mas, por fim, em vez daquela variedade,
eles se contentavam com as seguintes aspirações (contendo atos de fé,
esperança, amor e auto-resignação, no final de cada hora) –
‘Considere e me ouça’, etc.”.

Embora os assim chamados “Metodistas”, fossem, pelas suas


práticas, distinguidos do restante da Universidade, não parece que eles
tivessem se constituído em uma Sociedade Religiosa definida! Que
Wesley contemplou seu feito, desta forma, parece provável de uma
carta endereçada a ele pelo seu amigo Clayton, que residia agora em
Manchester. Clayton diz: “Eu estava na casa do Sr. Deacon, quando
sua carta me chegou em mão, e nós tivemos uma conversa a respeito

77
de seu projeto de se admitirem como uma sociedade, e fixar nela uma
série de regras. O doutor pareceu pensar que o melhor para você é
deixar como está; porque para que finalidade isto serviria? Isto não
seria vínculo adicional junto a vocês mesmos; e, talvez, fosse uma
armadilha para as consciências daqueles irmãos que por acaso
viessem até vocês. Observando que as estações [o jejum nas quarta e
sextas-feiras], e a comunhão semanal, são obrigações que se situam
em um patamar muito acima de uma regra de uma sociedade;aqueles
que podem reservar o mandamento de Deus e a autoridade da Igreja,
eu duvido, dificilmente se vincularão pelas regras de uma sociedade
privada”.

Em 11 de Junho de 1734, Wesley novamente pregou diante da


Universidade, e por causa de seu sermão – “seu sermão Jacobita” –
foi “muito mais criticado e ameaçado”. Mas ele foi sábio o suficiente
para fazer com que o Vice-Chanceler o lesse e o aprovasse, antes que
ele o pregasse, portanto, impediria Wadham, Merton, Exeter, e a
Christ Church de fazer seu pior. Isto é tudo que se sabe deste sermão.
Mas existe um sermão, pregado, por volta desse tempo, por Wesley,
para o uso de seus alunos, e publicado por ele, cinqüenta anos mais
tarde, cujos sentimentos ele diz que não teve em todo aquele tempo
oportunidade de alterar. O sermão é sobre O Dever da Constante
Comunhão. Ele ilustra igualmente seu entendimento sobre o assunto, e
o extremo cuidado com que ele buscava guiar seus alunos.

As constantes viagens de Wesley, freqüentemente a pé, assim


como a cavalo, e o grande e contínuo trabalho de pregação, leitura,
visitação, etc., onde quer que estivesse, com estudo fatigante, e uma
dieta muito abstêmia, tinham agora afetado grandemente sua saúde.
Sua força estava muito reduzida, e ele freqüentemente cuspia sangue.
Na noite de 16 de Julho, teve uma recaída disto, em tal quantidade, a
mantê-lo acordado. A maneira repentina e inesperada de sua vinda,
com a solenidade da ocasião noturna, fez com que a eternidade
parecesse perto. Ele clamou a Deus: “Ó, prepara-me para Tua vinda,
e venha quando Tu quiseres!”. Seus amigos ficaram alarmados pela
sua segurança, e sua mãe escreveu duas ou três cartas, culpando-o pela

78
negligência geral com sua saúde. Ele procurou e aceitou o conselho de
um médico; e, através de cuidado apropriado, e uma conduta prudente
de seu exercício diário, gradualmente recuperou sua força.

No outono deste ano (21 de Setembro, Moore diz), ele


começou a “prática de ler, a cavalo, o que ele continuou por quase
quarenta anos. ‘Perto de trinta anos atrás’, ele escreveu, em Março
de 1770, ‘eu estive pensando: como é que nenhum cavalo alguma vez
tropeçou, enquanto eu estava lendo História, poesia, e Filosofia, o
que eu comumente lia a cavalo (tendo outras ocupações em outros
momentos). Nenhum relato pode possivelmente ser dado a não ser
este: Depois de cavalgar centena de milhares de milhas, com a rédea
solta, em seu pescoço; eu observei e posso afirmar, que eu
dificilmente me lembrei de algum cavalo (exceto dois, que caíram com
a cabeça sobre os joelhos, de qualquer modo) cair; ou tropeçar
consideravelmente.. Fantasiar, portanto, que uma rédea firme impede
o obstáculo, é uma asneira capital. Eu tenho repetido o experimento,
mais freqüentemente, do que a maioria dos homens do reino pode
fazer. Se alguma coisa pode impedir o obstáculo, esta é uma rédea
solta. Mas, em alguns cavalos, nada pode’.

A saúde do veterano Reitor de Epworth estava agora


rapidamente decaindo. Compreendendo a aproximação de seu fim, ele
pediu que o benefício de Epworth permanecesse na família, e escreveu
para seu filho, solicitando a ele para buscar a próxima apresentação, e,
por meio disto, assegurar o velho lar para sua mãe e irmãs. Seu irmão
Samuel argumentou o mesmo.Wesley escreveu uma carta
consideravelmente grande para seu pai, dando suas razões, sob vinte e
seis tópicos, em favor de sua permanência em Oxford, e contra sua
remoção para Epworth.

79
CAPÍTULO IV

Geórgia: Experiência Missionária

Na terça-feira, 14 de Outubro de 1735, então, com trinta e três


anos de idade, ele pega um barco para Gravesend, com o objetivo de
embarcar para a Georgia, sob a sanção da Sociedade para a
Propagação do Evangelho em Partes Estrangeiras, em companhia de
seu irmão Charles, Sr. Benjamin Ingham, do Queen's College, Oxford,

80
e Sr. Charles Delamotte, filho de um mercador em Londres. Ele diz
que a finalidade que ele tinha em vista não era escapar da penúria
(Deus tem dado a eles grande quantidade de bênçãos temporais), nem
ganhar riquezas ou honra, mas simplesmente isto: salvar suas próprias
almas, viver totalmente para a glória de Deus. É estranho, mas
significativo do estado de mente de Wesley naquele tempo, que ele
não dê proeminência aqui – nem mesmo faça menção -- ao propósito
de ser útil para as colônias no novo assentamento da Geórgia, ou aos
Índios por outro lado.

Eles tiveram, a bordo, como companheiros de viagem, vinte e


seis Morávios, que estavam também indo para a Geórgia. Wesley,
imediatamente começou a aprender a Língua Alemã, para conversar
com eles; e ao mesmo tempo David Nitschman, Bispo dos Morávios,
com outros dois, começaram a aprender Inglês. Esses foram os
estágios iniciais da associação de Wesley com uma comunidade que
estava destinada a exercer tão grande influência em toda a sua carreira
futura. No primeiro domingo, o tempo a favor e calmo, o serviço
aconteceu no convés, quando Wesley pregou espontaneamente, e,
então, administrou o Sacramento da Ceia do Senhor para seis
comunicantes.

Acreditando que negar a si mesmo, até mesmo, nas menores


instâncias seria, pela bênção de Deus, útil a eles, Wesley e seus três
companheiros deixaram de fazer uso de carne e vinho, e se limitaram a
alimentos vegetarianos, principalmente arroz e pãezinhos. O quadro
da ocupação diária da pequena companhia é instrutivo. Ele é assim
descrito por Wesley: “Nós agora começamos a ser um pouco
regulares. Nossa maneira comum de viver era esta: das quatro da
manhã até as cinco, cada um de nós usava das orações pessoais. Das
cinco às sete horas, líamos a Bíblia, juntos, cuidadosamente
comparando-a (para que não fôssemos conduzidos por nosso próprio
entendimento), com os escritos das primeiras épocas. Às sete horas
tínhamos o desjejum. Às oito horas, líamos as orações públicas. Das
nove ao meio dia, eu usualmente aprendia Alemão, e o Sr. Delamotte,
Grego. Meu irmão escrevia sermões, e o Sr. Ingham instruía as

81
crianças. Ao meio-dia, nos encontrávamos para prestar contas um ao
outro do que tínhamos feito, até então, desde nosso último encontro, e
o que pretendíamos fazer antes do próximo. Por volta da uma hora,
jantávamos. O tempo do jantar até as quatro horas da tarde,
passamos lendo para aqueles aos quais cada um de nós estava
responsável, ou em falar com eles pessoalmente, quando a
necessidade requeria. Às quatro horas, eram as orações da tarde,
quando tanto a lição era explicada (como acontecia na manhã),
quanto as crianças eram catequizadas e instruídas antes da
congregação. Das cinco às seis horas, novamente usávamos da
oração privativa. Das seis às sete horas, eu lia em nossa cabine, para
dois ou três dos passageiros (dos quais havia por volta de oito
ingleses a bordo), e cada um dos meus irmãos para alguns poucos
mais em suas cabines. Às sete horas, eu me reunia com os alemães em
seu serviço público; enquanto o Sr. Ingham lia entre os convés para
quantos desejassem ouvi-lo. Às oito horas, nós nos encontrávamos
novamente, para exortar e instruir um ao outro. Entre nove e dez
horas, íamos para a cama, onde nem o roncar do mar, nem o
movimento da embarcação podia nos tirar do sono restaurador que
Deus nos deu”.

A embarcação ficou detida em Cowes por algum tempo.


Enquanto eles caminhavam no na margem, as seguintes resoluções
eram traçadas e assinadas:

“Em nome de Deus, Amém! Nós, cujos nomes estão subscritos,


completamente convencidos de que é impossível, tanto promover a
obra de Deus em meio aos ateus, sem uma inteira união entre nós,
quanto que tal união deva subsistir, exceto se cada um desistir de seu
juízo simples para aquele da maioria, concordamos, com a ajuda de
Deus: -- (1) que nenhum de nós empreenderá alguma coisa de
importância, sem primeiro propô-la para os outros três; (2) que,
quando quer que nosso julgamento difira, cada um deverá desistir de
seu julgamento simples ou inclinação a outros; -- (3) que, em caso de
uma igualdade, depois de pedir a direção de Deus, o assunto possa

82
ser decidido pela sorte”. Assinam: -- J.Wesley; Charles Wesley;
Benjamin Ingham; Charles Delamotte.

Quando eles estavam na Baía de Biscay, uma tempestade


surgiu, o mar, quebrando sobre o navio de popa a popa. Wesley diz:
“Por volta das onze horas, eu me deitei na grande cabine, em pouco
tempo, adormeci, embora muito incerto se eu deveria ficar acordado,
e muito envergonhado de minha relutância em morrer”. Muito
impressionado com a seriedade dos passageiros alemães; sua
humildade em executar serviços servis para outros, sua mansidão, que
nenhuma injúria parecia capaz de mover, e sua paciência, sob
provocação, uma oportunidade ele teria agora, de testar, se eles
estavam libertos do medo. Ele diz: “Em meio aos Salmos, em que
nosso serviço começou, o mar quebrou sobre a embarcação, partiu a
vela mestra, em pedaços, cobriu o navio, e afluiu entre os conveses,
como se uma grande depressão já nos tivesse tragado. Um grito
terrível se ouviu em meio aos ingleses. Os alemães, calmamente
cantavam. Eu perguntei a um deles mais tarde: ‘Eu dou glória a
Deus, não tenho medo’. Eu perguntei: ‘Mas não existem mulheres e
crianças com medo?’. Ele respondeu serenamente: ‘Não; nossas
mulheres e crianças não têm medo de morrer!’”. Este incidente o
impressionou profundamente, e teve um importante testemunho em
sua mente nos dias seguintes.

Em 5 de Fevereiro de 1736, o Rio Savannah foi alcançado, e


no dia seguinte, os primeiros imigrantes colocaram os pés em solo
americano, em uma pequena ilha desabitada, defronte o Tybee. Eles se
ajoelharam, e deram graças pela chegada sãos e salvos. No dia
seguinte, Wesley buscou conselho, com respeito a sua conduta, com o
Sr. Spangenberg, um dos pastores (Morávio) alemães, e um dos que
primeiro o cumprimentou no cais da Geórgia, que prontamente
inquiriu: “Você tem testemunho em si mesmo? O Espírito de Deus
testemunha com seu espírito, que você é um filho de Deus?”.
Surpreso, ele não sabia o que responder. Wesley estava fora de seu
meio aqui. Novamente ele foi pressionado: “Você conhece Jesus
Cristo?”. Ele pausou e disse: “Eu sei que Ele é o Salvador do

83
mundo?”. “Verdade, mas você sabe que Ele salvou a você?”. “Eu
espero que Ele tenha morrido para me salvar”. Então, Wesley diz que
ele apenas acrescentou: ‘Você conhece a si mesmo?’. “Eu disse,
‘conheço’”. Mas ele temeu que foram “palavras em vãs”. Seu
interesse nestas pessoas se aprofundava, e ele aproveitou uma
oportunidade antecipada de fazer muitas questões a Spangenberg, com
respeito à Igreja Moravia.

Dividindo seus aposentos com os alemães, ele estava


capacitado diariamente para observar todo o comportamento deles.
Vagarosa, silenciosa, e inconscientemente, aquelas humildes pessoas
estavam ajudando a preparar o doce discípulo para sua grande obra
futura. A simplicidade e solenidade de uma eleição e ordenação de um
bispo da Igreja Alemã o fizeram esquecer, ele diz, os mil e setecentos
anos neste intervalo, e imaginar-se em “uma daquelas assembléias,
onde a formalidade e o estado não existiam; mas Paulo, o fabricador
de tendas, ou Pedro, o pescador, presidia; ainda assim, com a
demonstração do Espírito e do poder”.

Domingo, 7 de Março, Wesley inicia seu ministério em


Savannah, seu irmão e o companheiro deles, Ingham, removeram-se
para Frederica, enquanto Delamotte permaneceu em Savannah. Eles,
imediatamente, começaram a experimentar se a vida seria sustentada
por um só tipo de alimento, ou por uma variedade dele. Eles fizeram o
experimento com pão, e disseram que nunca se sentiram mais
vigorosos e com saúde, do que enquanto provaram nada mais.

Sem encontrarem alguma porta aberta, até agora, para


prosseguirem no intento principal deles de pregar para os índios, mas
mantendo isto sempre em vista, eles consideraram como poderiam ser
mais úteis ao pequeno rebanho em Savannah, já que o ministro da
cidade, Sr. Mr. Quincy removera-se para Carolina.

Ao receber cartas de Frederica, pedindo que fosse até lá, ele e


Delamotte embarcaram em uma 'pettiawga,' uma espécie de barco de
fundo chato. A caminho, eles ancoraram perto da ilha de Skidoway.

84
Wesley deitou-se para dormir, envolto, da cabeça aos pés, em um
largo capote. Entre uma e duas horas, ele acordou, debaixo d’água,
depois de rolar fora do barco, mas dormindo tão profundamente, que
não percebeu onde estava, até que sua boca estivesse cheia de água.
Mas ao despertar, ele deve ter se afogado. No entanto, nadou até o
barco, e escapou, sem nada mais sério, do que suas roupas molhadas.

Ele encontrou seu irmão excessivamente fraco e doente.


Depois de ajustar os assuntos em Frederica, o melhor que pôde, ele
retornou para Savannah. Imediatamente, comunicou seu desejo de
administrar a Comunhão Santa, todos os domingos, “de acordo com
as regras de nossa Igreja”. Fiel à rubrica, ele batizava por imersão,
salvo onde os pais afirmavam que a criança estava fraca. Ao ser
solicitado para batizar uma criança de um dos magistrados de
Savannah, e com a recusa dos pais, em declarar se mesma estava fraca
ou se poderia ser submetida ao mergulho, ele se retirou, deixando que
a criança fosse batizada por um outro.

Ele dividiu as orações públicas de “acordo com o desígnio


original da Igreja”. O serviço matinal começava às cinco horas; o da
comunhão, com um sermão, às onze horas; o serviço da tarde, por
volta das três horas. “Os paroquianos eram visitados em ordem, de
casa em casa, do meio-dia às três da tarde, quando estavam mais
livres, e, então, incapazes de trabalhar, devido ao calor do dia. Os
membros mais sérios da congregação eram aconselhados a se
formarem em uma espécie de pequena sociedade, e a se encontrarem
uma ou duas vezes por semana, com o objetivo de melhorarem,
instruírem e exortarem uns aos outros; a selecionarem desses, um
número menor para uma união mais próxima um com o outro, o que
poderia ser estimulado, parcialmente, pela sua conversa individual
com cada um; parcialmente, por reuni-los em sua própria casa. Esses
métodos eram evidentemente emprestados de seus vizinhos Moráveis,
e antecipam a classe e as reuniões das Bands do Metodismo, em
período subseqüente”.

85
Bolzius, o pastor de Salzburger, diz: "No momento, as orações
acontecem diariamente em Savannah, manhã e noite, na igreja; e toda
a quarta-feira, o Sr. Wesley prega um sermão ou catequiza as
crianças. Dizem que ele leva seu ofício mais seriamente ao coração,
mas também tem sua parcela de aflições a respeito dele... O Sr.
Wesley está nenhum pouco preocupado e desencorajado pela
obstinação de seus ouvintes, embora ele se esforce muito para
conduzir o modo de vida deles, através da exposição da palavra de
Deus, que é certamente perfeita e edificante". Este era o bom pastor
Bolzius, a quem Wesley recusou admitir na Ceia do Senhor, porque
ele não tinha sido ordenado pelo bispo.

Pastor Gronau escreve: "O Sr. Wesley está em harmonia com o


bem que ele tem aprendido de nossa comunidade, e desejaria realizar
mais do que vê feito em Savannah. Quando ele nos ouviu dizer
recentemente da visitação casa a casa que tínhamos estabelecido, e
da bênção divina e despertar que atenderam isto, tanto para os
pastores, e o povo, ele ficou satisfeito, mas lamentou a falta de
sucesso até aqui, em meio aos seus próprios ouvintes. Ele apresentou
diversas razões, porque o povo de Savannah não se tornou mais
obediente ao Evangelho de Cristo. Dessas, uma foi o ridículo e a
perseguição que teriam sofrido aqueles que mostraram uma mudança
de coração, mas eu tive de dizer-lhe, da experiência, que Deus tem
conduzido as almas em nosso lugar, pelo mesmo velho caminho,
'todos que viverem santamente em Cristo, sofrerão perseguição',
mesmo que não seja tão manifesta... Ele freqüentemente canta hinos
alemães, e elogia o proveito que nossa Igreja tem sobre as outras, na
posse de tal rica hinologia".

Wesley não tinha ainda aprendido a exercer o verdadeiro poder


do Evangelho, como poderá claramente ser visto, se o seguinte puder
ser considerado uma descrição acurada do seu ensino naquele tempo:

"Temos diante de nós, um número de sermões não publicados,


escritos por Wesley de Oxford, durante os dez anos que se seguiram a
sua ordenação... Em nenhum deles, existe uma visão, qualquer que

86
seja; algum vislumbre, propiciado por Cristo em algum de seus
ofícios. Seu nome ocorre na bênção. Que está sobre todos. Como
fonte de despertar espiritual, insiste-se na comunhão freqüente; a
regeneração pelo batismo é admitida como a verdadeira doutrina da
Igreja; mas Cristo não está em lugar algum, quer Sua vida, Sua
morte, ou Sua intercessão. O formalismo religioso e a moralidade
estrita, cerimônias e ética, são tudo em tudo".

Charles Wesley passou nove semanas em Frederica; todo o


tempo, sendo marcado pelo heróico trabalho árduo e persistência;
através de muito sofrimento mental, tratamento indelicado, e as muitas
dores corpóreas. Diariamente, de manhã à tarde, ele trabalhava para
promover o bem-estar de seu pequeno rebanho, ambos pela
reprovação pessoal, e pelos quatro serviços públicos que ele mantinha
diariamente, freqüentemente em campo aberto, dando uma exposição
espontânea das lições diárias, nas orações da manhã e da tarde. Cada
hora que pudesse ser poupada de suas obrigações secretariais era
assim utilizada. Esses deveres não se colocavam levemente sobre ele.
No término da primeira semana, ele escreve: "Eu gastei todo o tempo
em escrever cartas para o Sr. Oglethorpe. Eu não passaria mais seis
dias, da mesma maneira, por toda a Geórgia". Mas seu trabalho
trouxe pouco sucesso. Ele era rigoroso em sua adesão à ordem
eclesiástica; ele batizava as crianças pela trina imersão, e pregava com
coragem e singeleza de intenção. Ele expunha os maus hábitos das
pessoas com uma mão muito inclemente; mas não lhes trazia
livramento desses males. Ele ainda não tinha aprendido, para si
mesmo, o Evangelho da salvação, para os pecadores, e, portanto, "não
poderia pregá-lo". Existem diversos desses seus sermões de
Frederica. As doutrinas são aquelas de William Law. Os prazeres
deste mundo são todos inúteis e pecaminosos, e, portanto, devem ser
renunciados; os males de nossa natureza nos tornam inadequados para
o serviço de Deus, e devem ser mortificados pelo jejum, oração, e um
constante curso de universal abnegação; nós somos criaturas de Deus,
e, portanto, devemos nos devotar a Ele, em corpo, alma e espírito,
com o mais extremo fervor, simplicidade e pureza de intenção. Mas
procuramos em vão pelas visões corretas da expiação e intercessão de

87
Cristo, e pelos ofícios do Espírito Santo. Nenhuma resposta
satisfatória é dada para a questão: O que eu devo fazer, para ser
salvo? Aos homens é requerido correr a corrida da santidade cristã,
com o peso da culpa sobre suas consciências, e com a corrupção de
sua natureza, não subjugada pela graça renovadora. Ele não tem a
justa concepção da justificação dos pecadores diante de Deus. Ele
nunca representa isto como consistente com o completo e imerecido
perdão de todos os pecados passados, obtidos, não através das obras
de retidão, mas através do simples exercício da fé, no estado penitente
do coração; e, imediatamente seguido pelo dom do Espírito Santo,
produzindo paz de consciência, espírito filial, poder sobre o pecado, e
esperança jubilosa da vida eterna. Ele se satisfaz com a reprovação
dos maus hábitos e pecados das pessoas com severidade inclemente, e
em mostrar o padrão da santidade prática, proclamando a vingança
divina contra todos aqueles que falham nela; mas dirigindo-os pelo
único meio, pelo qual eles poderiam obter o perdão e um novo
coração.

Mas outras circunstâncias o impediram: As pessoas estavam


inseguras, em constante alarme quanto aos espanhóis. Suas
reprovações fiéis incitaram antagonismo, o que rapidamente
desenvolveram-se em vingança em meio àqueles de moralidade
frouxa. Conspirações eram tramadas contra ele, e até mesmo disparos
eram feitos contra ele, das florestas. Mentiras ociosas eram feitas para
o todo também susceptível Governador, que infelizmente dava crédito
a elas, conduzindo-o a um curso de maus tratos severos e muitas
indignidades: "O Sr. O. tirou minha armação da cama, e me recusou a
me reservar uma dos carpinteiros, para ser consertada". Faltando-lhe,
algumas vezes, o necessário para a vida, sofrendo de febre e
disenteria, lhe eram negados, até mesmo, todos os meios de conforto e
alívio, salvo que ele mudou sua cama usual, o chão, para o topo de
uma caixa. Em conseqüência de sua crescente fraqueza, o pobre
sofredor chegou à beira da morte, o que pareceu quase desejar. "Meu
irmão", ele diz, "trouxe-me uma resolução, que a honra e a
indignação tinham formado, de morrer de fome, em vez de pedir pelo
necessário... À noite, quando minha febre estava de certa forma

88
diminuída, eu fui conduzido a enterrar o barqueiro, e o enviei para
sua quieta sepultura". Da disposição delicada, ele passou através da
agonia do sofrimento mental e físico.
Ele passou um pouco mais do que duas semanas em Frederica,
quando seu coração entrou em colapso. Ao escrever para seu irmão,
ele diz: "Fique até que você esteja em desgraça, em perseguição,
pelos irmãos, pelos seus próprios conterrâneos; até que você seja
considerado o refugo de todas coisas (como você deve infalivelmente
ser, se Deus for verdadeiro), e, então, veja quem irá admitir você".

Ele estava no noviciado; ele estava sendo treinado para um


trabalho mais sublime. O desapontamento que revelou o erro de seus
métodos atuais foi em parte uma preparação para uma firme
obediência, junto á fé, quando ela fosse revelada a ele. Ele não foi
favorecido, como seu irmão, com a camaradagem diária dos
agradáveis e felizes Morávios, que, para o momento, eram os
instrumentos escolhidos, para abrir os olhos desses nobres jovens, e
para conduzi-los a uma luz e liberdade do Evangelho. Ele não
"progrediu igualmente no mesmo conhecimento espiritual, de seu
irmão, nem foi pressionado em busca dele, com a mesma" 'avidez
constante. Ele não teve igual autocontrole; nem, com sua
suscetibilidade peculiar à depressão, agravada pela sua condição física
fraca, teve igual conforto em sua obra.

Por fim, as obrigações de seu secretariado o trouxeram para


Savannah. Ao deixar Frederica, ele diz: "Eu fiquei cheio de alegria de
meu livramento desta fornalha, e nem um pouco envergonhado de
mim mesmo por me sentir assim". Ele permaneceu em "Savannah,
nove semanas", como encarregado, enquanto seu irmão estava em
Frederica.

Tendo que retornar para a Inglaterra como transportador dos


despachos do Governador para os fiduciários das colônias, ele
embarcou em 11 de Agosto, pretendendo não mais retornar como um
secretário, cujo ofício ele se submeteu, mas como um missionário.
Este propósito, no entanto, foi frustrado.

89
Ambos, Wesley e Ingham desejavam ser missionários para os
índios, e não capelães das colônias inglesas; e Ingham arranjou três
dias em cada semana para gastar no aprendizado da Língua indígena,
com uma mestiça; e, nos outros três, para ensinar o que ele aprendera
para Wesley e Nitsehman, o bispo Morávio. Ele também procurou
suprir nos turnos em lugar de Charles em Frederica.

Wesley tinha agora esperanças de que a porta fosse aberta


para seguir imediatamente para os Choctawas, 'a menos polida, ou
seja, a menos corrompida de toda as nações indígenas'. Mas ao
informar o General de seu objetivo, mas foi objetado, não apenas,
pelo perigo de ser interceptado ou morto pelos franceses lá, mas
muito mais pela inconveniência de deixar Savannah destituída de um
ministro. Essas objeções, ele relatou a seus amigos, à noite, com seu
desejo característico de ser conduzido, preferivelmente a conduzir; e
eles eram todos da opinião 'de que não deveriam ir ainda'".

Quanto a afetar suas visões eclesiásticas, pode ser mencionado


aqui que, lendo Sr. Delamotte, Bispo do Pandectae Canonum
Conciliorum de Beveridge, ele fora efetivamente convencido que
tanto os Concílios Especiais quanto Gerais podem errar, e têm errado;
e da infinita distância que existe entre as decisões dos homens mais
sábios e aquelas que o Espírito Santo registra na Palavra.

Já no encerramento de Novembro, Oglethorpe partiu para a


Inglaterra, deixando Wesley, Delamotte e Ingham na Savannah,
"mas", diz Wesley, "com menos perspectiva de pregar para os índios
do que tivemos no primeiro dia que colocamos os pés na América".
Quando quer que ele mencionasse o assunto, a resposta era: "Você não
pode deixar Savannah sem um ministro". A isto, ele respondia: "Eu
não sei, se estou sob alguma obrigação ao contrário. Eu nunca
prometi ficar aqui um mês. Eu abertamente declarei ambos antes; e
desde a minha vinda para cá, que eu não faria, nem poderia ficar
responsável pelo Inglês, mais tempo, do que até que eu pudesse estar
em meio aos índios". Se fosse dito: "Mas os fiduciários da Savannah

90
não haviam apontado você para ser ministro em Savannah?", ele
respondia: "Eles o fizeram; mas não foi feito, através de minha
solicitação; isto foi feito sem meu desejo ou conhecimento; portanto,
eu não posso conceber que a designação me coloque sob alguma
obrigação de continuar lá, mais do que até que a porta seja aberta
para os pagãos; e isto eu expressamente declarei, quando consenti em
aceitar essa nomeação". No entanto, a pedido insistente da maioria
dos sérios paroquianos, ele consentiu em permanecer, até que alguém
viesse suprir seu lugar.

Gronau, um dos pastores de Saltzburger, escreve para um


amigo e diz: "Aqui, com nossos índios, o panorama da conversão dos
pagãos, é ainda muito pobre, e alguém poderia quase se desesperar
com isto, se nós não tivéssemos as claras e simples promessas disto
nas Escrituras Sagradas... É evidente que os obstáculos colocados no
caminho da conversão dos pagãos, pelos cristãos devem primeiro ser
removidos".

Logo no início do ano, ele e Dellamotte foram novamente para


Frederica, apenas para encontrar as coisas, como eles esperavam: frias
e sem entusiasmo; não havia um que retivesse seu primeiro amor.
Assim, depois de dar socos no ar, neste lugar infeliz, por vinte dias,
Wesley partiu finalmente de lá, em 26 de Janeiro; não, ele declarou, de
alguma apreensão do perigo para si mesmo, embora sua vida fosse
ameaçada muitas vezes, mas do completo desespero de fazer algum
bem lá.Ele descrevera a condição do lugar, como "uma cidade,
dividida contra si mesma. Onde não existe amor fraternal, humildade,
paciência, ou perdão de uns para com os outros; mas inveja, malícia,
vingança, suspeita, ira, queixa, amargura, maledicência, sem fim!".

Uma disputa surgiu naquele tempo, entre os cavalheiros da


Carolina e aqueles da Geórgia, com respeito ao direito de comércio
com os índios; e Wesley que tinha até aqui confinado sua atenção aos
assuntos imediatamente relativos ao seu ministério, estava convencido
de que o caso surgiria, naquela parte de seu tempo que deveria ser
empregado em outros assuntos. Isto foi o que ele pensou. No entanto,

91
fez uma consideração a respeito dele, concluindo que a questão
deveria vir para esta breve discussão, por fim: "(1) Os Creeks,
Cherokees, e Chicashaws estão dentro dos limites da Geórgia, ou
não? (2) Existe um Ato do Rei no Concílio, em conseqüência de um
Ato do Parlamento, de alguma força dentre desses limites ou não? O
primeiro desses, o Alvará Georgiano determina; o último, não foi
questionado por alguém, mas pelas partes interessadas na Carolina".
Ele, portanto, concluiu que "nada justificaria o envio de comerciantes
não licenciados para esses índios, mas provar que o Ato não tem
força, ou que aqueles índios não estão na Geórgia".

Em 4 de Março, Wesley escreveu aos fiduciários, dando um


relato das despesas anuais, de 1º. De Março de 1736, a 1º. De Março
de 1737, que, deduzindo as despesas extraordinárias, tais como reparar
a casa paroquial, e as viagens para Frederica, somaram para o Sr.
Delamotte e ele mesmo, £44 4s 4d – uma prova da abnegação
praticada por esses bons homens. Ele tomou a resolução de não aceitar
£50, por ano, enviadas pela Sociedade, para sua manutenção, dizendo
que a camaradagem deles era suficiente. Seu irmão Samuel o
censurou, mostrando a ele que ao recusar isto, ele insultaria aqueles
que viessem depois dele; e que, se ele não quisesse para si mesmo, ele
poderia dar, de tal maneira que ele achou apropriado. Ele, por fim,
autorizou neste assunto as solicitações da Sociedade e os conselhos de
seus amigos.

As idéias de Wesley da religião, neste período, podem ser


reunidas dos seguintes excertos de uma carta, datada de Savannah, 28
de Março, 1737, e endereçada ao Ilustríssimo Sr. William Wogan, em
Spring Gardens, Londres.

"Eu, certamente, concordo com você, que a religião é amor,


paz, e alegria no Espírito Santo; que, como se trata da coisa mais
feliz; então é a coisa mais alegre no mundo; que é completamente
inconsistente com a melancolia, mau humor, severidade, e, na
verdade, com o que não está de acordo com a brandura, delicadeza e
gentileza de Jesus Cristo. Eu acredito que ela é igualmente contrária

92
a toda meticulosidade, inflexibilidade, presunção, e desnecessária
singularidade. Eu admito, também, que a prudência, assim como o
zelo, é da mais extrema importância para um cristão sorver".

"Mas eu ainda não vejo um caso possível em que a


conversação possa ser um exemplo dela. Nas seguintes escrituras, eu
considero que todas estas são completamente proibidas: (Mateus
12:36) 'Digo-vos, pois, que de toda palavra fútil que os homens
disserem, hão de dar conta no dia do juízo'; (Efésios 5:4) 'Nem
torpezas, nem parvoíces, nem chocarrices, que não convêm; mas
antes, ações de graças'. (Efésios 4:29) 'Não saia da vossa boca
nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a
edificação, para que dê graça aos que a ouvem'; (Colossenses 4:6) 'A
vossa palavra seja sempre com graça, temperada com sal, para
saberdes como deveis responder a cada um'".

"Mas devem rir de mim, por isto, eu sei. Assim foi com meu
Mestre. Eu não gosto da maneira dura, austera de conversar. Não!
Que toda a alegria da fé esteja lá; que todo o júbilo da esperança;
toda a amável doçura – a atraente tranqüilidade do amor. Se nós
devemos ter princípios, 'Hic mihi erunt artes': tão logo Deus deva
adornar minha alma com eles, e sem quais outros do que esses, com o
poder do Espírito Santo preveniente, acompanhando, e me seguindo,
eu sei que eu (ou seja, a graça de Deus que está em mim) deverei
salvar a mim mesmo e aqueles que me ouvem".

Sentimentos similares são expressos em outra carta, escrita,


por volta do mesmo tempo: --

"Você parece compreender que eu acredito que a religião seja


inconsistente com a alegria, e com o temperamento social fraterno.
Muito longe disto, eu estou convencido de que a religião verdadeira
não pode existir sem a alegria; que a alegria assim constante não
pode existir sem a verdadeira religião. Eu estou igualmente
convencido de que a religião tem nada de amargo, austero,
insociável, descortês, nela; mas, ao contrário, implica a mais atraente

93
doçura, a mais amável delicadeza e gentileza. Você tem tanta alegria,
quanto você pode? Eu também. Você se esforça para manter vivo seu
gosto por todas os prazeres verdadeiramente inocentes da vida?
Também eu. Você recusa nenhum prazer, a não ser o que seja
obstáculo a algum bem maior, ou que tenha inclinação a algum mal?
Esta é minha própria regra. Em especial, eu sigo esta regra no comer,
o que eu raramente faço, sem muito prazer. Eu sei que esta é a
vontade de Deus: que eu possa desfrutar de cada prazer que me
conduza a ter prazer Nele; e, em tal medida, que a maioria me conduz
a isto. Não devemos fazer nada, mas o que, direta ou indiretamente,
conduz à nossa santidade; e fazer tudo com este objetivo, e em tal
medida, que possamos promovê-la mais".

Em Abril deste ano, Wesley começa a aprender Espanhol, com


o objetivo de conversar com um número de judeus que estavam em
meio aos seus paroquianos. Isto evidenciou o serviço subseqüente a
ele; houve revolta, sem benefício para outros, porque antes que ele
deixasse a Geórgia, ele traduziu um hino muito bonito: "Ó, meu Deus,
meu Tudo, tu és", que ele inseriu em seu primeiro hinário, impresso
em Charlestown, no ano seguinte. O hino foi freqüentemente
reimpresso, em suas várias coleções de hinos.

Tanto Wesley quanto Delamotte fizeram seus deveres como


professor. O seguinte incidente refere-se a eles nesta conexão: "Alguns
dos meninos na escola de Delamotte usavam meias e sapatos e outros
não. Os primeiros ridicularizaram os últimos. Delamotte tentou
colocar um fim nesta brincadeira descortês, mas disse a Wesley que
ele falhara. Wesley replicou: 'Eu penso que eu posso curar isto. Se
você tomar conta de minha escola, na semana que vem, eu tomarei
conta da sua, e tentarei'. A troca foi feita, e no domingo de manhã,
Wesley foi para a escola sem sapatos. As crianças pareceram
surpresas, mas sem alguma referência a zombaria passada. Wesley os
manteve em seus trabalhos. Antes que a semana terminasse, os
descalços criaram coragem; e alguns dos outros, vendo que seu
ministro e mestre vinha sem sapatos e meias, começaram a copiar seu
exemplo, e assim, o mal foi efetivamente curado".

94
A Revista dos Cavalheiros é responsável pela seguinte história:
"Uma mulher pecaminosa, a qual ele havia ofendido, o atraiu para
dentro da casa dela, o jogou no chão, e, com sua tesoura, cortou, de
um lado de sua cabeça, todas aquelas longas mechas de cabelos
avermelhados, que ele estava acostumado a manter na mais perfeita
ordem. Depois disto, ele pregou na Savannah, com seus longos
cabelos, cortados de um lado, a que aqueles que se sentaram do lado
que tinha sido cortaram, observaram: 'Que cabelo aparado o jovem
pároco tem"'. Não existe o menor sinal de verdade nisto.

Logo depois de sua chegada na colônia, Wesley tornou-se


familiarizado com a Srta. Sophia Christina Hopkey, sobrinha do Sr.
Causton, principal magistrado em Savannah, uma jovem, bonita na
aparência, de maneiras atrativas, e além disto, inteligente e refinada.
Ele logo começou a nutrir um interesse nela, que se desenvolvia, na
mesma medida da afeição, que parece ter sido recíproca, embora da
parte dela, talvez, não muito ardentemente. Ela apareceu diante de
Wesley, como uma inquiridora religiosa, buscando a direção dele; ela
também se tornou sua aluna, pedindo que ele a assistisse em seus
estudos de Francês. Ela consultou Oglethorpe, que tipo de vestuário
mais igualmente agradaria Wesley, e colocando de lado seus
ornamentos, aparecia sempre em um traje esmerado e de um branco
simples. Acredita-se que Oglethorpe desejou, se possível, levá-la ao
casamento com vistas a manter Wesley na colônia.

Depois de Charles partir de Frederica, no final de Julho,


Wesley freqüentemente visitou aquele lugar, onde ele encontrou a
mais violenta oposição e abuso. Ele a visitou, de tempos em tempos,
até 16 de Outubro, quando recebeu um melancólico relato do estado
das coisas, por lá. O serviço público tinha sido descontinuado, e desde
então, tudo havia se tornado pior. Ele escreveu: "Até mesmo a pobre
Sophy, que, por algum tempo, vivera lá, escassamente era a sombra
do que era, quando eu a deixei. Eu me esforcei para convencê-la
disto, mas em vão; e para colocar isto efetivamente fora do meu
poder, ela resolveu retornar para a Inglaterra imediatamente".

95
Depois de diversas tentativas ineficazes, ele, por fim, prevaleceu.
"Nem foi muito tempo depois", ele diz, "antes que ela recuperasse o
chão que havia perdido". Menosprezado em uma ocasião por
Oglethorpe, ele mencionou a circunstância para ela, e ela disse:
"Senhor, você me encoraja em meus maiores julgamentos; não
desencoraje a si mesmo. Nada tema; se o Sr.Oglethorpe não o ajudar,
Deus o fará". Ele, então, pegou um barco para Savannh, com a Srta.
Sophy, e chegou depois de uma passagem demorada e perigosa, "mas
não tediosa" -- de seis dias, por centenas de milhas. Ele escreve: "No
início de Dezembro, eu aconselhei a Srta. Sophy a cear mais cedo, e
não imediatamente antes de ir para a cama. Ela assim o fez, e desta
pequena circunstância, que série de conseqüências inconcebíveis
dependiam! Não apenas 'todo o colorido de sua vida restante', mas,
talvez, toda minha felicidade também". O significado disto não está
óbvio, a menos que, neste tête-à-tête, ele fizesse uma declaração da
afeição. Ela também cuidou dele, em uma enfermidade, de alguns dias
de duração. Moore diz: "Aqueles que conhecem o Sr. Wesley evitarão
nosso julgamento aqui. Eles bem sabem que impressão tudo isto
igualmente fará. Ele, de fato, -- tinha uma natureza constante,
amorosa, nobre; que acredita que os homens são honestos, se eles
assim parecem. Como, então, esta aparência de forte afeição, de uma
mulher de sabedoria e elegância, mais do que isto, e como pareceria,
da piedade também, deveria afetá-lo! Especialmente considerando
(este é seu próprio relato), que ele nunca antes conversou
familiarmente com alguma mulher, exceto com suas parentes
próximas!". Muitas passagens nos diários mostram o profundo
interesse que Wesley teve no bem-estar desta jovem.

Existe uma diferença de opinião aqui da parte dos dois


primeiros biógrafos de Wesley: Whitehead e Moore, ambos
conhecidos pessoais de Wesley. Whitehead, que teve acesso aos
diários pessoais de Wesley, diz que, de uma leitura atenta daquele
documento, a ele parece que Wesley pretendia se casar, e que ele não
ficou pouco aflito, quando o intercurso foi rompido. Moore, por outro
lado, comenta nestas palavras: "Ele sei que ela, no final das contas,
rompeu com ele, mas eu sei também que ele, em tempo algum,

96
determinara se casar. Eu tenho um relato completo dele, e não sei se
ele alguma vez disse isto a alguma outra pessoa".

Que Wesley estava impressionado, talvez, fascinado, por esta


jovem, dificilmente pode admitir discussão. Mas que ele, alguma vez,
propôs diretamente casamento a ela, é altamente improvável; com as
palavras de Moore em vista, seguramente pode-se afirmar que ele não
o fez. Entretanto, que ele contemplou o casamento, como uma última
possibilidade, pode tão pouco ser negado, sem lançar um insulto em
sua honra. Ele pode ter prudentemente esperado, como qualquer
homem sensato faria. Nós sabemos de um manuscrito recentemente
publicado, que ele a manteve no coração, talvez, com uma declaração
de amor, e que ele questionara a Deus, se deveria continuar, postergar,
ou descontinuar suas atenções.

Em 4 de Março, ele escreve: "Das direções que recebi de


Deus, até hoje, no tocante a um assunto da maior importância, eu não
pude deixar de observar, como tenho feito, muitas milhares de vezes,
o completo equivoco daqueles que afirmam, que 'Deus não responde
nossas orações, exceto se o coração estiver totalmente resignado à
vontade Dele'. Meu coração não está totalmente resignado a Sua
vontade. Entretanto, sem me atrever a depender de meu próprio juízo,
eu clamei o mais sinceramente a Ele para suprir o que estava faltando
em mim. E eu sei, e estou seguro de que Ele ouviu minha voz, e me
enviou Sua luz e Sua verdade". Isto provavelmente se refere a lançar
a sorte. Whitehead pensa que neste dia o namoro fora finalmente
rompido. Ou que ele pode ter se referido ao seguinte, relatado de
Moore: "O Sr. Delamotte não aprendeu (para usar uma expressão
comum do Sr. Wesley) a 'resistir abertamente à dúvida'. Ele pensou
que ele viu – a aparência do mérito, não da essência. Ele, portanto,
aproveitou a oportunidade de examinar com o Sr. Wesley; e
perguntou a ele, se ele pretendia casar-se com a Srta. Sophy. Ao
mesmo tempo, demonstrou, em uma luz mais clara, a inteligência dela
e a simplicidade dele. Embora sarisfeito com as atenções de seu fiel
amigo, o Sr. Wesley não se permitiu admitir o casamento. A pergunta
do Sr. Delamotte, portanto, nem um pouco o deixou perplexo. Ele

97
desistiu de uma resposta naquele tempo; e, percebendo o preconceito
do Sr. Delamotte, contra a senhorita, ele chamou o Bispo Nitschman.
'Casamento', ele disse, 'você sabe que não é ilícito. Quer seja agora
expediente para você, e quer esta senhorita seja uma esposa
apropriada para você, deve ser considerado com maturidade'. Vendo
que a perplexidade dele aumentava, ele decidiu propor suas dúvidas
aos presbíteros da Igreja Morávia. Quando ele entrou na casa, onde
eles se reuniam, ele encontrou o Sr. Delamotte com eles. Ao propor
seu assunto, o Bispo respondeu: 'Nós consideramos sua franqueza.
Você aceitará nossa decisão?'. Ele respondeu, depois de alguma
hesitação: 'Aceitarei'. 'Então", disse o Bispo, 'nos aconselhamos a
você a não prosseguir mais além neste assunto'. Ele respondeu: 'Que
seja feita a vontade de Deus'. Desde aquele tempo, ele se comportou
com a maior precaução em direção a ela, e evitou tudo que tendesse a
continuar a intimidade, embora ele facilmente percebesse que dores
esta mudança em sua conduta causou a ele, como também causou a
ele próprio".

O acima ilustra a extrema falta de confiança em si mesmo, e


sua boa vontade, para ser conduzido pelas opiniões de outros, exibidas
tão freqüentemente em sua vida subseqüente. Também mostra a
poderosa influência que os Morávios tinham começado a exercer
sobre ele. Dificilmente precisa ser acrescentado que não existe a mais
leve sombra de dúvida de sua conduta perfeitamente honrada e
honesta em todo o assunto. Três dias depois, do incidente recém
relatado, ele escreve em seu diário pessoal:

"7 de Março – Quando eu caminhei com o Sr. Causton, para


sua região, eu senti plenamente que Deus me dera tal isolamento, com
a companhia que eu desejava, que eu teria esquecido a obra pelo qual
eu havia nascido, para estabelecer meu descanso neste mundo". No
entanto, o assunto foi rapidamente terminado, porque ele escreve no
dia seguinte: "A Srta. Sophy comprometeu-se com o Sr. Williamson, e
no sábado, dia 12, eles se casaram em Purrysburgh; fazendo hoje um
ano que primeiro conversei com ela. O que Tu, Ó Deus, fazes eu não
sei dizer agora, mas saberei daqui por diante".

98
Escrevendo para um dos seus paroquianos, Sr. S. Bardsley, em
1786, cinqüenta anos depois do ocorrido, ele diz: "Eu me lembro,
quando li essas palavras na Igreja em Savannah: 'Filho do homem,
veja, eu tiro de ti o desejo de teus olhos com um golpe'. Eu fui
perfurado, como que por uma espada, e não pude proferir uma
palavra mais. Mas nosso conforto é que Ele faz com que o coração
possa curar o coração".

Quer a paciência da senhorita se esgotara, devido ao


procedimento vagaroso de Wesley nesta questão – uma vez que não
parece que ele estivesse com pressa de terminá-la – ou se ela declinou
do convite para casar-se com ele, devido a sua vida abstêmia e a
maneira rígida de viver; é incerto; mas qualquer que fosse a causa, fica
evidente, de suas próprias palavras, que ele ficou desapontado, quando
ela se casou com o Sr. Williamson. Parece que ele expressou isto mais
completamente em uma carta a seu irmão Samuel, que diz a ele, em
sua resposta: "Eu sinto muito que você esteja desapontado, com um
casamento, porque é muito improvável que você encontre outro".

Isto não foi muito tempo, no entanto, antes que ele visse que
ele tinha suficiente motivo para ser grato que não lhe fosse permitir
escolher por ele mesmo. Ele freqüentemente teve oportunidade de
descobrir que a Sra. Williamson era de um outro caráter que aquele
religioso que ele havia suposto. Três meses depois do casamento dela,
ele escreve: "Deus me mostrou, ainda mais da grandeza de meu
livramento, abrindo-me para uma nova e inesperada cena da
dissimulação da Srta. Sophy. Oh, que eu nunca ceda aos desejos de
meu próprio coração, nem siga minha própria imaginação".

Wesley fora assim, felizmente resgatado do que poderia não ter


sido um casamento feliz, e ele foi também resgatado das limitações de
uma vida paroquial em uma colônia pequena. Ele estava predestinado
para uma obra maior, cujo casamento naquela distante terra teria
impedido. Ele encontrou sua esfera lá. Tivesse ele encontrado seu

99
campo de trabalho lá, o grande avivamento Metodista não teria
existido!

Como se pode supor, em tal país, ele não escapou dos perigos e
sofrimentos exteriores. Em uma de suas jornadas a pé, com o Sr.
Delamotte e um guia, depois de caminhar, durante três ou quatro
horas, o guia lhes disse que não sabia onde eles estavam. Em uma
hora ou duas mais, chegaram em um pântano cipreste, que atravessava
diretamente o caminho deles. Estava muito longe para voltarem;
portanto, caminharam, através dele, com a água na altura do peito.
Uma milha adiante, completamente fora do caminho, e com o sol se
pondo, eles pararam, pretendendo fazer um fogo, e permanecerem ali
até o amanhecer; mas se certificaram que os fósforos estavam
molhados. Wesley aconselhou a seguirem adiante, mas seus
companheiros estavam muito fracos e cansados, de maneira que se
deitaram, por volta das seis da tarde. O chão estava tão molhado
quanto as roupas deles, que com a geada constante, logo se
congelaram. "No entanto", diz Wesley, "eu dormi até de manhã. Caiu
um orvalho pesado à noite que nos deixou brancos como neve". Uma
hora depois do amanhecer, eles vieram para uma plantação, e à tarde,
sem qualquer ferimento, chegaram em Savannah. Alguns dias mais
tarde, eles atravessaram um rio em uma pequena canoa, seus cavalos
nadavam ao lado dela. Fizeram fogo na margem, e, não obstante a
chuva, dormiram tranqüilamente, até de manhã.

Mas provas de outra natureza esperavam por ele, Wesley era


um "Alto Clérigo", que conduziu seus princípios, com rigorosa
exatidão. Além de alguns particulares já mencionados, ele requereu
que os pretensos comunicantes o notificassem do mesmo, de açodo
com a rubrica; recusou o Sacramento a todos que não haviam sido
confirmados pelo bispo; rebatizou os filhos de Dissidentes, e recusou-
se a enterrar alguém que não tivesse recebido o batismo episcopal.
Nem sem razão, ele tem sido descrito como intolerante, ritualista. Isto,
ele mesmo reconheceu alguns anos mais tarde, quando inserindo em
seu Diário, uma carta que ele recebeu do Rev. John Martin Bolzius (já
referido), um ministro em Ebenezer, na Georgia, ele acrescenta: "Que

100
a piedade e simplicidade verdadeiramente cristãs respirem nestas
linhas. E ainda assim, este mesmo homem, quando eu estava em
Savannah, eu recusei admitir na mesa do Senhor, porque ele não era
batizado; ou seja, não era batizado por um ministro que tivesse sido
ordenado pelo bispo. Pode alguém levar o zelo do Alto Clero, mais
alto do que isto? E como eu tenho sido, desde então, açoitado pela
minha própria vara".

Ele continuou suas atenções pastorais com a Sra. Williamson,


como uma de suas paroquianas. Isto afligiu o marido dela que, logo
depois do casamento, a proibiu de atender aos serviços de Wesley, ou
de falar com ele novamente. Ela apareceu, no entanto, quatro meses
depois, para o serviço Sacramental; depois do qual, Wesley teve a
oportunidade de admoestá-la pela conduta que ele julgou repreensível.
Um mês depois, ela aparece novamente, quando Wesley negou o
Sacramento a ela, já que ela nem expressou seu arrependimento pelas
suas faltas, nem prometeu emendar-se. Este foi um ato de disciplina,
que ele executou em outros casos. No dia seguinte, uma ordem foi
expedida para sua apreensão, para responder à queixa de William
Williamson, por difamar sua esposa e recusar a ela o Sacramento da
Ceia do Senhor, sem uma razão, e colocando um prejuízo de £1000.

Wesley foi preso, e levado diante do Bailio [magistrado


principal em certas cidades] e o Juiz municipal. Sua resposta a
acusação foi que, o dar ou recusar a Ceia do Senhor, sendo um assunto
puramente eclesiástico, ele não reconhecia o poder deles de interrogá-
lo quanto a isto. Ele foi dirigido a comparecer na próxima corte,
mantida em Savannah. Ao ser solicitada uma fiança, a resposta foi: "A
palavra do Sr. Wesley é suficiente".

Dois dias depois, o Sr. Causton, que tinha mostrado, até então,
um respeito amigável por Wesley, o visitou e exigiu que ele enviasse,
por escrito, suas razões à Sra. Williamson, para repeli-la do
Sacramento, diante de toda a congregação. Isto, Wesley fez, nos
seguintes termos:-

101
"Sra. Sophia Williamson"

"A pedido do Sr. Causton, escrevo uma vez mais. As regras


por meio das quais eu procedi são essas: 'Todos que pretendem
compartilhar da Comunhão Santa, devem apresentar seus nomes ao
pároco auxiliar, pelo menos, um dia antes'. Isto, você não fez. 'E se
algum desses causou algum mal ao seu próximo, pela palavra ou
ação, de maneira que a congregação ficou ofendida, por meio disto, o
pároco deve adverti-lo, que, de maneira alguma, ele pretenda vir para
a Mesa do Senhor, até que ele tenha se declarado abertamente,
verdadeiramente arrependido'. 'Se você se oferecer à Mesa do Senhor,
no domingo, eu advertirei você (como fiz mais de uma vez), naquilo
que você fez de errado. E quando você declarar abertamente ter-se
arrependido, eu administrarei a você os mistérios de Deus".

"J. Wesley".
"11 de Agosto de 1737"

O Sr. Causton, depois disto exerceu sua influência contra


Wesley, buscando de toda maneira possível, envenenar a mente das
pessoas contra ele; enquanto o restante da família espalhou o relato
tolo de que Wesley agiu desta maneira para com a Sra. Williamson,
puramente por vingança, porque ela não aceitou casar-se com ele.

Pode-se pensar que Wesley fora imprudente, ou que foi severo


na administração da disciplina; que, em vez de prosseguir para os
extremos, ele poderia ter tentado persuadir a lady a se colocar de
maneira correta para receber o Sacramento. Ele era sempre severo,
onde havia o dever, e nunca temia as conseqüências de algum ato que
o dever desfrutasse. Mas deve-se lembrar que o marido dela a havia
proibido de falar com ele, e que, em adição à reprovação dela, Wesley
havia escrito, informando-lhe os pormenores da conduta que ele
objetara. Wesley escreveu naquela oportunidade:-

"Eu me sentei quieto em casa, e agradeci a Deus tranqüilo,


tendo oferecido minha causa a Ele; e lembrando de Sua palavra:

102
'Abençoado é o homem que resiste a tentação; porque quando ele é
tentado, ele recebe a coroa da vida; que o Senhor prometeu àqueles
que O amam'. Eu, primeiro, fiquei temeroso que aqueles que fossem
fracos na fé saíssem do caminho, pelo menos, até a ponto de
negligenciarem a adoração pública, por atenderem o que eles
igualmente estão sujeitos em suas preocupações temporais. Mas eu
temi, onde não existia medo. Deus cuidou disto igualmente; de tal
maneira, que no domingo, dia 14, mais estiveram presentes nas
orações matinais, do que havia acontecido nestes meses anteriores".

Um grande júri foi chamado, e quarenta e quatro jurados


prestaram juramento. Desses, um não entendia Inglês, um era um
Papista, outro um infiel professo, três eram Batistas, dezesseis ou
dezessete outros, Dissidentes, e diversos outros tinham problemas
pessoais com ele tinha abertamente declarado vingança.

Uma lista de queixas foi apresentada, mas alterada pelo grande


juro, para dez sessões. Alguns dias foram gastos no exame dessas; e,
em Setembro, a maioria do júri concordou com as seguintes acusações
formais: -

1. "Que, depois de 12 de Março último, o dito Sr. John Wesley


diversas vezes forçou uma conversa privativa com Sophia Christina
Williamson, contrário ao desejo expresso e recomendação de seu
marido; e igualmente escreveu e privativamente enviou papéis a ela,
por meio dos quais, ocasionando muita intranqüilidade entre ela e seu
marido".

2. "Que, em 7 de Agosto último, ele recusou o Sacramento da


Ceia do Senhor a Sophia Christina Williamson, sem qualquer razão
aparente, para a muita inquietação da mente dela, e para a grande
desgraça e prejuízo de seu caráter".

3. "Que ele, desde sua chegada em Savannh, nunca emitiu


qualquer declaração pública da sua aderências a princípios e
regulamentos da Igreja da Inglaterra".

103
4. "Que, por muitos meses anteriores, ele dividiu no dia da
Ceia do Senhor, a ordem da oração matinal, e a litania dàs cinco ou
seis horas,omitindo totalmente a mesma, entre as nove e onze horas, o
tempo costumeiro da oração publica matinal".

5. "Que, por volta do mês de Abril de 1736, ele recusou


batizou, de outra maneira do que por imersão, o filho de Henry
Parker, exceto, se o dito Henry Parker e sua esposa certificassem que
a criança estava fraca e incapaz de suportar a imersão; e acrescentou
a sua recusa, que, a menos que os ditos pais consentissem tê-la
imersa, ela morreria pagã'.

6. "Que, não obstante, ele administrasse o Sacramento da Ceia


do Senhor para William Gough, por volta do mês de Março, 1736, ele,
um mês depois, recusou o Sacramento para o dito William Gough,
dizendo que ele ouvira que William Gough era um Dissidente".

7. "Que, em Junho de 1736, ele se recusou a ler o Ofício do


Morto, sobre o corpo de Nathaniel Polhill, apenas porque Nathaniel
Polhill não era da mesma opinião que ela; e, devido a esta recusa, o
dito Nathaniel Polhil foi enterrado sem o apontado Ofíco para o
Enterro do Morto".

8. "Que em Agosto, ou por volta de 10 de Agosto de 1737, ele,


na presença de Thomaz Causton, presunçosamente chamou a si
mesmo de 'Superior Eclesiástico de Savannah', assumindo por meio
disto uma autoridade que não pertencia a ele".

9. "Que na semana de Pentecostes passada, ele recusou


William Aglionby de ser padrinho do filho de Henry Marley, dando
nenhuma outra razão do que o fato de William Aglionby não ter
estado na mesa de Comunhão com ele".

104
10. "Que, por volta do mês de Julho passado, ele batizou o
filho de Thomas Jones, tendo apenas um padrinho e madrinha, não
obstante Jacob Matthews se oferecesse como padrinho".

Tais foram os veredictos da maioria do grande júri. A maioria


dos doze, incluindo três condestáveis, e seis Juizes de Paz, esboçou e
assinou um documento, e o transmitiu "para os honoráveis
Fiduciários pela Geórgia", prefaciando o todo com o seguinte:

"Nós, cujos nomes estão subscritos, membros do dito grande


júri, humildemente pedimos permissão para demonstrar nosso
descontentamento com as ditas denúncias. Estamos, por muitas e
diversas circunstâncias, totalmente persuadidos de que toda a
acusação formal contra o Sr. Wesley é um artifício do Sr. Causton,
com o objetivo, antes de enegrecer o caráter do Sr. Wesley, do que
libertar a colônia da tirania religiosa, como ele ficou satisfeito em
denominar sua acusação. Mas como essas circunstâncias serão muito
tediosas para perturbar Sua Reverência com elas, nós pedimos
apenas para deixar as razões de nossa discordância das queixas
pessoais":

1. "Que eles foram totalmente persuadidos de que as


acusações contra o Sr. Wesley foram um artifício do Sr. Causton, com
a intenção de enegrecer o caráter do Sr. Wesley, mais do que livrar a
colônia de uma tirania religiosa, como ele alegou".

2. "Que não parece que o Sr. Wesley, quer falou em privativo


ou escreveu para a Sra. Williamson, desde o dia do casamento dela,
exceto uma carta, que ele escreveu em 6 de Julho, a pedido de seu tio,
como pastor, para exortar e reprová-la".

3. "Que, embora ele recusasse o Sacramento da Sra.


Williamson, em 7 de Agosto, ele não se admitiu em alguma autoridade
contrária à lei, já que toda pessoa que pretendesse comungar, era
obrigada a apresentar seu nome para o pároco auxiliar, pelo menos,
um dia antes; o que a Sra. Williamson não fez; embora o Sr. Wesley

105
freqüentemente, diante da congregação lotada, declarasse que ele
insistia em uma submissão àquela rubrica, e antes repelira diversas
pessoas pela não submissão a ela".

4. "Que, embora ele não tivesse emitido alguma declaração


pública, em Savannah, de sua aderência aos princípios e
regulamentos da Igreja da Inglaterra, ele freqüentemente discordava,
de uma maneira mais incisiva do que pela declaração formal,
explicando e defendendo três Credos dos Trinta e nove Artigos, todo o
livro da Oração Comum, e as homilias; além de uma declaração
formal não ser 0equerida, a não ser daqueles que receberam a
instituição e indução".

5. "Que, embora ele dividiu no Dia do Senhor, a ordem da


oração matinal, isto não estava contrário a alguma lei existente".

6. "Que sua recusa em batizar o filho de Henry Parker, de


outra forma do que por imersão, estava justificada pela rubrica".

7. "Que, embora ele recusasse o Sacramento a William Cough,


o dito William Cough (um dos jurados que assinaram o documento
enviado aos fiduciários) publicamente declarou que a recusa não foi
injustiça com relação a ele, porque o Sr. Wesley lhe deu razões que o
satisfizeram".

8. "Que, com referência à alegada recusa em ler o Serviço de


Funeral de Nathaniel Polhill, eles tinham boas razões para acreditar
que o Sr. Wesley estava em Frederica, ou em seu retorno de lá,
quando Polhill foi enterrado; além do que, Polhill era um Anabatista,
e desejou, durante sua vida, que não fosse enterrado com o ofício da
Igreja da Inglaterra".

9. "Que eles estavam em dúvida quanto a acusação, com


respeito a Wesley, chamando a si mesmo de 'Superior Eclesiástico de
Savannah', sem conhecer bem o significado da palavra".

106
10. "Que, embora o Sr. Wesley recusasse admitir William
Aglionby para ser padrinho do filho de Henry Marley, e Jacon
Matthews para padrinho do filho de Thomas Jones, ele estava
suficientemente justificado pelos cânones da Igreja, porque nem
Aglionby, nem Matthews tinham certificado Wesley que eles tinham
alguma vez recebido a Santa Comunhão".

No dia seguinte, Wesley fez um pedido para uma audiência


imediata da primeira acusação, sendo a única de natureza civil. A
corte esquivou-se do pedido. Por seis vezes ele apresentou
requerimento, sem proveito.

No meio desta tempestade, mantida pelas artimanhas de seus


inimigos declarados, sem um xelim em seu bolso, e três mil milhas de
casa, Wesley tinha sua alma em paz, e dedicou-se a sua obra;
acrescentando uma visita semanalmente a um número de famílias
francesas, residentes em uma vila, cinco milhas distante, aos quais,
todo o sábado de tarde, ele lia as orações; e o mesmo para alguns
alemães, em outra vila; então, a pedido dos franceses, em Savannah,
nos domingos à tarde. De maneira que, durante as semanas restantes
de sua estada em Savannah, ele tinha completa ocupação para o dia
santo. As primeiras orações inglesas duravam das cinco horas até as
cinco e meia. As italianas, para o beneficio de alguns Vaudois,
começavam às nove horas. O segundo Serviço para o inglês, incluindo
sermão e Comunhão, era das dez e meia até as onze e meia. O Serviço
francês começava a uma hora. Às duas horas, ele catequizava as
crianças. Por volta das três horas, começava o Serviço inglês
vespertino; depois do que, ele tinha a felicidade, ele dizia, de juntar-se
com tantos quanto sua sala mais ampla suportasse, em leitura, oração
e louvor. E por volta das seis horas, o serviço dos Morávios
começava, ao qual ele ficava feliz de estar presente, não como
professor, mas como discípulo. Porque, com todos os seus Altos
sentimentos Religiosos, ele não ficava envergonhado de se sentar aos
pés daqueles que, ele estava consciente, tinham um conhecimento
experimental da religião que estava além de suas próprias realizações.
Ele, então, se reuniu a eles, no início de Agosto, para uma festa do

107
amor deles --- provavelmente a primeira vez que ele compareceu a tal
serviço. Assim, ele fala dela: "Ele começou e terminou com ação de
graças e oração, e celebrado de uma maneira tão decente e solene,
como um cristão da era apostólica teria permitido ser merecedor de
Cristo". Nos anos subseqüentes, a festa do amor tornou-se um serviço
favorito e proveitoso em meio aos Metodistas, e as festas de amor
ainda acontecem, embora não tão freqüentemente como antes.

Em Novembro, ele recebeu um alívio temporário em suas


necessidades prementes. Ele escreve: "Coronel Stephens chegou,
através de quem eu recebi um benefício de dez libras esterlinas;
depois de diversos meses, sem um xelim em casa, mas não sem paz,
saúde e contentamento".

No início de Outubro, ele consultou seus amigos, se Deus não


o chamara para retornar para a Inglaterra; vendo que a razão pela qual
ele a deixara, não tinha agora força, não havendo possibilidade, até o
momento, de instruir os índios, nem ele se certificara ou ouvira, de
alguns índios no continente americano que tivessem o menor desejo
de serem instruídos. E quanto à Savannah, como ele nunca se
comprometera, quer verbalmente ou por carta, a permanecer um dia
mais do que julgasse conveniente, nem, alguma vez, encarregou-se
das pessoas, de alguma outra maneira, do que quando em sua
passagem para o ateu, ele se viu completamente desembaraçado de
alguma obrigação de permanecer mais tempo. Além do que, parecia
uma probabilidade de fazer um serviço para a colônia na Inglaterra,
mais do que na Geórgia, visto que ele poderia representar, sem medo
ou favor, aos fiduciários, o verdadeiro estado em que se encontrava a
colônia. Depois de considerar profundamente essas coisas, seus
amigos foram unânimes de que ele deveria ir, mas não ainda. Assim,
ele colocou o pensamento de lado por hora, persuadido de que quando
o momento chegasse, o caminho se tornaria claro diante dele.

Dois meses depois, tornou-se evidente que não havia a mais


remota perspectiva de obter justiça nas cortes, e que aqueles no poder,
combinaram oprimi-lo, e poderiam procurar evidência (como já havia

108
acontecido) de palavras que ele nunca falara, e feitos que ele nunca
realizara. Estando, além do mais, desapontado de pregar o evangelho
ao pagão, ele novamente consultou seus amigos, que agora decidiram
que ele deveria partir imediatamente. Assim sendo, ele colocou o
seguinte anúncio em uma grande praça:

"Considerando que John Wesley pretende partir brevemente


para a Inglaterra, pede-se que aquele que emprestaram alguns livros
dele, que os retornem tão logo seja conveniente fazê-lo". J.Wesley;

Imediatamente, ele pediu dinheiro ao magistrado principal para


pagar suas despesas para a Inglaterra, objetivando partir
imediatamente. O magistrado lhe disse que ele não poderia sair da
província, até que fosse intimado a comparecer na corte, e responder
pelas alegações colocadas contra ele. Ele respondeu que ele havia
comparecido a seis cortes sucessivamente, e abertamente pediu um
julgamento, mas que lhe foi recusado. Eles pediram que ele desse
alguma garantia de que compareceria novamente. Ele perguntou que
garantia. E eles responderam uma fiança para comparecer em
Savannah, quando quer que fosse requerido, sob a penalidade de £50,
além do que, uma fiança em resposta à ação do Sr. Williamson de
£1000 de prejuízo. "Eu, então", diz Wesley, "vi a intenção deles de
prolongar o tempo e fazer nada, e disse claramente ao oficial: Senhor
eu não assinarei nem uma fiança, e nem a outra".

Depois das orações vespertinas, a maré de acordo, "ele partiu


de Savannah, com três outras pessoas, ninguém tentando impedi-lo,
não obstante uma ordem requerendo a todos os oficiais que
impedissem sua saída da província, proibindo qualquer pessoa de
ajudá-lo nisto". Parece provável, que os magistrados estavam
realmente felizes por se livrarem dele.

Sua própria história gráfica pode ser lida em seu Diário, do


qual o seguinte é extraído: -

109
Em 2 de Dezembro, tão logo as orações vespertinas
terminaram, por volta das oito da noite, a maré, então, a favor, ele diz,
"Eu tirei o pó dos meus pés e deixei a Geórgia, depois de ter pregado
o evangelho lá, não como eu deveria, mas como fui capaz, um ano e
nove meses depois". Cedo, na manhã seguinte, o pequeno grupo de
quatro, alcançou Purrysburg, e tentando encontrar um guia, partiu uma
hora antes do nascer do sol. Depois de caminhar duas ou três horas,
eles se encontraram com um velho homem que os conduziu em uma
trilha perto da qual havia uma fileira de árvores "marcadas" (árvores
marcadas, com parte da casca arrancada), e seguindo por essas, ele os
assegurou que eles chegariam em Porto Royal, em cinco ou seis horas.
Por volta das onze horas, eles chegaram em um largo pântano, no qual
eles vagaram por três horas; até encontrarem uma outra "marca", e
seguiram-na até que ela se dividiu em duas. Seguindo uma dessas,
através do mato trançado, intransitável, uma milha além do que fora
pretendido, eles atravessaram de novo, através do mato trançado, e
seguiram uma outra marca, até que esta também terminou. O pôr-do-
sol estava agora a caminho; assim, fracos e cansados, eles se deitaram,
sem qualquer alimento para aquele dia, exceto a terceira parte de um
bolo de gengibre, que Wesley havia carregado em seu bolso. Eles
dividiram em outras três partes, reservando o restante até a manhã,
mas não havia água o dia todo. Um do grupo, empurrando uma vara
no chão, certificou-se que o fundo dele estava úmido, no que dois
deles, começaram a cavar com suas mãos, e por volta de três pés de
profundidade, encontraram água. Eles deram glórias a Deus, beberam,
e estavam renovados; e, depois da adoração, deitaram um perto do
outro, e adormeceram.

Na manhã seguinte, retomaram seu caminho, mas como a


floresta ficava mais e mais densa, eles retrocederam seus passos do dia
anterior. No dia anterior, na parte mais densa da floresta, Wesley, não
sabendo porquê, tinha quebrado muitas árvores jovens, enquanto o
pequeno grupo caminhava ao longo delas. Essas agora seriam úteis no
guiá-los, através da parte mais densa da floresta, e entre uma e duas,
eles vieram para a casa do velho homem que eles deixaram um dia
antes. À tarde, Wesley leu as orações para uma numerosa família

110
francesa, um dos quais empreendeu ser o guia deles, no dia seguinte.
Eles caminharam de manhã, até o pôr-do-sol, quando o guia deles
confessou que não sabia onde estavam. No entanto, eles continuaram
em frente, até as sete horas, quando vieram para uma plantação; e, no
dia seguinte, depois de muitas dificuldades e demoras, eles
embarcaram na Ilha Port Royal.

Em 7 de Dezembro, Wesley caminhou para Beaufort, e, no dia


seguinte, se juntou ao Sr. Delamotte, com quem pegou um barco para
Charlestown, que ele alcançou no dia 13, depois de uma passagem
vagarosa, em razão dos ventos contrários, e do mesmo conflito com
fome e frio, e com as provisões diminuindo. No dia seguinte, leu as
orações, a pedido, foi uma vez mais renovado, e igualmente visitou
um moribundo; e, no dia 16, partiu com o Sr. Charles Delamotte, com
quem havia estado, apenas alguns dias separados, desde 14 de
Outubro de 1735. No dia 18, ele foi atacado por um violento
corrimento, mas teve força para pregar, uma vez mais, para as pessoas
desatentas, e "poucos acreditaram em nosso relato". No dia 22, ele
deixou a América, "embora, se agradasse a Deus, não para sempre".

Embora sofrendo muito a bordo, ele se dedicou à sua obra,


começando por instruir um criado negro, nos princípios do
Cristianismo. Ele decidiu deixar de "viver delicadamente", e retornou
à sua velha simplicidade de dieta, com o feliz efeito, de que nem o
estômago, nem a cabeça se queixaram do movimento do navio.

Vitima do muito medo do perigo, embora não soubesse de


qual, ele fez as seguintes reflexões: (1) "Que nenhuma dessas horas
deveriam ficar fora da minha lembrança, até que eu tenha um outro
tipo de espírito – um espírito igualmente desejoso de glorificar a
Deus, através da vida ou da morte". (2) "Que, quem quer esteja
apreensivo, por alguma razão (com exceção da dor física), leva em si
mesmo sua própria convicção de que ele é, até então, um descrente.
Ele está apreensivo com relação à morte? Então, ele não crê que
morrer é ganho. De algum dos eventos da vida? Então, ele não tem a
firme crença de que todas as coisas operam para seu bem. E se ele

111
trouxer a questão para mais perto, ele se certificará que, além da
falta geral de fé, todo desconforto pessoal é devido evidentemente à
falta de algum temperamento cristão".

Alguns poucos dias mais tarde, sentindo-se triste e muito


oprimido (embora ele não desse alguma razão especial para isto), e
também extremamente sem vontade de falar intimamente com alguém
a bordo, ele temeu que esta fosse a causa de sua incontável aflição,
então, começou a instruir um camaroteiro. Diversas vezes, durante os
dias seguintes, ele seguiu com um desejo de falar com os marinheiros,
mas não pode, e quis saber se esta era uma proibição do bom Espírito
ou uma tentação do diabo.

Durante a viagem, ele terminou seu resumo da Vida do


Monsieur de Retry, sobre o qual, ele trabalhou durante algum tempo.
Este foi o primeiro, de um grande número de resumos feitos e
publicados por ele, e a que ele fará referência mais tarde. Nesta
oportunidade, ele reduziu um volume de 358 páginas, em um panfleto.

CAPITULO V

Inglaterra: O Conflito Espiritual (1738)

Depois de mais arremessos e ameaças de transtorno, no


domingo, 29 de Janeiro, ele chegou, são e salvo, em Downs. Logo
cedo, na manhã da quarta-fera, 1º. de Janeiro, Wesley embarcou para
Deal. Lá ele ficou sabendo que, um dia antes, seu amigo Whitefield
embarcara para Savannah, sem saber nada do outro. Sim; Whitefield

112
tinha começado seu poderoso e extraordinário ministério, seu coração
quase incendiando pela alegria evangélica, o que seu amigo estava
lutando para encontrar, e em seu exuberante contentamento,
despejando sua vida no serviço, tão feliz quanto maravilhoso. Ele
descreve assim, seu ultimo Sabbath, antes de embarcar:

"Domingo, 29 de Janeiro – Subi a bordo, logo cedo na manhã,


li as orações, preguei para o soldados, e visitei o doente; então,
retornei para a margem, e me apressei com um grupo de amigos
piedosos [que se reuniram de longe, para dar-lhe boa viagem], para a
Igreja Shroulden [Sholden], por volta de uma milha e meia de Deal,
onde eu preguei para uma congregação lotada e lacrimosa. À tarde,
eu preguei na Igreja de Upper Deal, que estava completamente
lotada, e muitos foram embora porque faltava espaço; alguns
permaneceram nos corredores da Igreja, do lado de fora, e olharam
para dentro do topo das janelas, e todos pareceram ansiosos para
ouvir a Palavra. Que o Senhor possa fazê-los executores dela. À
tarde, eu fui obrigado a dividir meus ouvintes, em quatro grupos, e fui
capaz de expor para eles, das seis às dez horas. Que Deus me livre de
ficar cansado, ou, do sucesso". Um modelo de vida de trabalhos
desgastantes deste homem extraordinário.

Assim eram os homens, que, mais tarde, tornaram-se tão


notáveis na história da Igreja de Deus na Inglaterra, vinculada ao
benevolente experimento colonizador e esforço missionário nos
distantes ancoradouros da América. Wesley desembarcou em Deal, às
quatro horas, na manhã de 1º. de Fevereiro de 1738, depois de uma
ausência da Inglaterra, de mais de dois anos. Ele tinha feito grande
progresso, embora inconsciente, no conhecimento espiritual durante
aquele tempo. Seu zelo, tão longe de sofrer abatimento pelas coisas
que passara, havia se inflamado em uma intensidade ainda maior. Na
manhã de sua chegada, ele leu as orações e explicou uma porção das
Escrituras para uma larga companhia na estalagem. Alcançando
Faversham, ele leu as orações e expôs a segunda lição para alguns
poucos, "chamados cristãos, mas mais selvagem em seu

113
comportamento", ele foi obrigado a observar, "do que os mais
selvagens índios", com os quais ele se encontrara.

Em Blendon, ele visitou a casa de seu amigo Delamotte,


recebendo calorosas boas-vindas. No dia 3, ele alcançou Londres. Em
adição aos muitos assuntos que ele tão cuidadosamente considerou
durante sua viagem, ele, como era de se esperar, atenciosamente reviu
os resultados de sua residência e obra na América. Ele tinha mais do
que uma vez, deplorado seu fracasso, em executar seu propósito de se
tornar um missionário para os índios; e ele dificilmente olharia para
suas ocupações, em meio aos ingleses, com perfeita satisfação. Mas
nem tudo era fracasso; e ele estava em condições de expressar sua
gratidão, por ele ter sido levado para aquela terra estranha, contrário a
todas as suas resoluções precedentes; e que, embora o principal
desígnio de sua ida não se realizasse – a pregação do Evangelho para
as tribos nativas na América do Norte – ainda assim, ele tinha obtido
muito proveito pessoal; ele tinha sido humilhado e provado; ele tinha
aprendido a tomar cuidado com os homens; a saber seguramente, que
se em todos os nossos caminhos, nós reconhecermos Deus, Ele irá,
onde a razão falhar, dirigir nossos passos "pela sorte, ou por outros
meios". Ele estava também livre do medo do mar, que ele temia, desde
sua juventude. Foi-lhe dado conhecer muitos servos de Deus,
especialmente aqueles da Igreja de Hermut. Através de seus estudos
de Alemão, Espanhol e Italiano, seu caminho tinha se aberto para os
escritos dessas Línguas. Além disto, todos na Geórgia ouviram a
Palavra de Deus, que alguns entregaram, e começaram a seguir bem; e
alguns poucos passos foram tomados, em direção à pregação do
Evangelho para o pagão africano e americano. Muitas crianças
aprenderam como deviam servir a Deus, e serem úteis ao seu próximo.
Além do que, aqueles, aos quais isto mais diz respeito, tiveram agora
uma oportunidade, através de seus relatos, de conhecer o verdadeiro
estado da colônia ainda não desenvolvida, e assim, o firme alicerce de
paz e felicidade poderia ser colocado para muitas gerações seguintes.
Esses não foram frutos insignificantes de sua expedição.

114
Mas resultados muitos reais foram determináveis por outros;
Whitefield alcançou Savannah em 7 de Maio. Em 2 de Junho, seu
amigo Delamotte partiu pela Inglaterra. "O bom povo", Whitefield diz,
"lamentou a perda dele, e foi à margem do rio, dar seu último adeus;,
e boa razão eles tiveram para fazer isto; porque ele tinha sido
incansável no alimentar os cordeiros de Cristo, com o leite sincero da
Palavra, e muitos deles (abençoado seja Deus) se desenvolveram por
meio disto. Certamente eu devo trabalhar mais vigorosamente, uma
vez que eu vim depois de tais predecessores meritórios. O bem que Sr.
John Wesley fez na América, sob a vontade de Deus, é inexprimível.
Seu nome é muito precioso em meio às pessoas; e ele colocou tal
alicerce, que eu espero nem homens, nem demônios, alguma vez,
serão capazes de estremecer. Oh! Que eu possa segui-lo, como ele faz
com Cristo".

Muitos dos incidentes na vida de Wesley, durante sua carreira


missionária são de interesse emocionante, mas para o biógrafo, a luta
espiritual, pela qual ele passou, com as suas forças sutis ocultas, deve
ser considerada de primeira importância. Foi um processo formativo,
silencioso, pelo qual este grande servo de Deus foi preparado para sua
suprema obra; aquela de uma evangelização ativa, através da Ilhas
Britânicas. Este processo deve ser cuidadosamente traçado, se
gostaríamos de entender Wesley e seu lugar na história da Igreja. Ele
tem registrado isto com alguma exatidão, como temos visto. É apenas
necessário acrescentar aqui que suas altas visões religiosas receberam
um impacto muito severo, e que ele passou, para um largo grau, do
domínio dela, para aquele dos ensinamentos Morávios. O cavalheiro
de Oxford, que, manteve as tradições de sua infância, e que faria nada
"sem uma razão", aprendeu em grandes exigências de sua vida a
decidir seu curso pela sorte!

"As viagens de Wesley, para lá e para cá, e os meses de sua


estada na colônia, foram conseqüentemente importantes no trazê-lo
dentro do círculo da influência Moravia. Foi dentro daquele círculo,
que ele se encontrou com a nova e estranha idéia de um Cristianismo
mais elevado e excelente do que o próprio. Um ou dois dos ministros

115
Morávios eram – e ele sentiu isso – muito avançados no conhecimento
e experiência, além de seu próprio padrão de capacidade. Em Oxford,
ele se encontrou caminhando, sempre na frente daqueles ao redor
dele".

"Mas, a bordo, do navio no qual ele cruzou o Atlântico, e,


mais tarde, na colônia, ele se encontrou com homens, que, sem
assumirem um tom de arrogância em direção a ele, falaram-lhe como
que para um aprendiz, os quais, no poder da verdade, trouxeram sua
consciência para uma defesa de questões; que, enquanto admitiu a
pertinência delas, não pode responder com alguma satisfação para si
mesmo. Assim foi que ele retornou para a Inglaterra, em um estado de
desconforto espiritual e desamparo. Ele havia se despojado daquela
religiosidade arrogante junto a qual, como seus princípios, seu
egotismo asceta tinha até agora descansado. Ele tornou a reunir seus
amigos em uma disposição para pedir e receber orientação,
preferivelmente do que fornecê-la".

Wesley imediatamente começa a pregar nas igrejas de


Londres. Mas sua experiência no primeiro Sabbath foi indicativa do
que o esperava. Foi pedido que pregada na igreja de John the
Evangelist. Ele assim o fez, nestas palavras: "Se algum homem estiver
em Cristo, ele é uma nova criatura", e mais tarde, foi informado de
que muitos das melhores paróquias ficaram tão ofendidos, que ele não
deveria mais pregar lá. Ele agora visitava muitos de seus velhos
amigos e parentes para sua grande alegria e conforto.

Wesley assinala o dia 7 de Fevereiro, terça-feira, como "um


dia para ser muito lembrado", porque neste dia, ele se encontrou com
Peter Böhler, na casa do Sr. Weynanz (ou Weinantz), um mercador
alemão, e Wesley entregou a ele uma carta endereçada a Zinzendorf,
que ele havia trazido de John Tolsching, um Ministro Morávio, cujo
conhecimento se formara na Geórgia. Böhler foi um agente escolhido
de Deus, para levá-lo até a luz que eles estava, então, buscando. Com
outros dois representantes da Igreja Moravia, Böhler havia recém
chegado na Inglaterra, e Wesley procurou alojamento para eles, perto

116
da casa do Sr. Hutton, onde ele mesmo havia estado; e não perdeu
oportunidade, ele nos diz, de conversar com eles, enquanto
permaneceram em Londres. Ele esperou pelos Fiduciários georgianos
com seu relato da colônia, que ele teve razão para acreditar, não foi
aceitável para muito deles, já que este diferia grandemente dos relatos
que eles geralmente recebiam. Ele, então, em companhia de Böhler,
partiu para Oxford, onde foram recebidos pelo único "remanescente
de lá", ele diz, "dos muitos que, em seu embarque para a América,
foram usados para tomar doces conselhos juntos, e regozijarem-se em
testemunharem" a reprovação de Cristo, enquanto em Oxford, eles
eram freqüentemente os objetos de ridículo e motivo de riso. Um dia,
percebendo que Wesley estava preocupado, com a opinião dos outros,
Böhler disse, com um sorriso: "Meu irmão, isto nem mesmo
traspassou as suas roupas". Eles juntos visitaram seu amigo
Gambold, e o encontraram "recuperado de sua ilusão mística, e
convencido que Paulo era um escritor melhor do que até mesmo
Tauler ou Behmen". Todo este tempo, ele conversou muito com
Böhler, a quem ele confessa que ele não entendia, especialmente
quando ele dizia: "Mi frater, mi frater, excoquenda est ista tua
philosophia". "Meu irmão, meu irmão, esta sua filosofia precisa ser
eliminada". Latim era o meio de intercurso, porque Böhler não
entendia o Inglês. Böhler, escrevendo a Zinzendorf, diz: "Eu viajei
com dois irmãos, John e Charles Wesley, de Londres a Oxford. O
mais velho, John, é um homem benévolo. Ele sabia que ele não
propriamente acreditava no Salvador, e estava desejoso de ser
ensinado". Ele agora retornou para Londres; e, depois de encontrar
sua mãe, uma vez mais, partiu novamente para Oxford, chamado até
lá, por conta de um recado de que seu irmão estava morrendo. Em seu
caminho, ele falou claramente a diversos bem intencionados, quanto à
religião, e à tarde para os servos e estranho na estalagem. Ele, então,
resolve, com respeito à sua própria conduta:

1. Usar de absoluta franqueza e desembaraço, com todos que


eu possa conversar;
2. Trabalhar em busca da seriedade contínua; não disposto a
ser indulgente comigo mesmo, em alguma da menor

117
leviandade de comportamento, ou no rir; não, nem por um
momento;
3. A falar nenhuma palavra que não conduza à glória de
Deus; em especial, não falar de coisas mundanas. Outros
pode, mais do que isto, devem, mas o que é aquilo para ti?;
4. Não ter prazer, que não conduza à glória de Deus;
agradecendo a Deus todo o momento, por tudo que eu
recebo, e, portanto, rejeitando todo tipo e grau disto que eu
sinta que não possa assim agradecer a Ele, nisto ou por
causa disto.

Ele encontrou seu irmão com Peter Böhler, "através de quem,


durante um caminhar, na tarde do dia seguinte, ele foi 'convencido da
descrença, da falta daquela fé, por meio da qual apenas, somos
salvos'". Böhler diz: "Eu caminhei com o mais velho dos Wesleys, e
perguntei a ele com respeito ao seu estado espiritual. Ele me disse
que, algumas vezes, sentiu certeza de sua salvação; mas, algumas
vezes, teve muitas dúvidas; e que ele poderia apenas dizer isto: 'Se o
que existe na Bíblia for verdadeiro, então, eu estou salvo'. Nisto, eu
falei com ele, muito abertamente, e sinceramente pedi para que fosse
até a fonte generosa, e não frustrasse a eficácia da graça livre,
através de sua descrença'. Imediatamente, ele diz, que passou por sua
mente deixar de pregar, porque, como ele poderia pregar a outros, se
não tem a fé em si mesmo!". Apelando a Böhler, ele recebeu por
resposta: "De modo algum, faça isto: pregue a fé até que a tenha, e,
então, porque você a tem, você pregará sobre ela". "Assim sendo, em
6 de Março, segunda-feira, eu comecei a pregar esta nova doutrina,
embora minha alma retroceda na obra. A primeira pessoa a quem eu
ofereci Salvação pela Fé apenas foi a um prisioneiro, sob sentença de
morte. Seu nome era Clifford. Peter Böhler desejou, muitas vezes,
falar com ele antes. Mas eu não poderia prevalecer sobre mim mesmo
assim fazer; sendo ainda, como eu tenho sido há muitos anos, zeloso
defensor da impossibilidade de um arrependimento nos últimos
momentos". Esta é uma das horas críticas na vida de Wesley. Que
revelação suas palavras contêm; ele nunca antes pregara salvação
somente pela fé! Ele nunca antes acreditou que a salvação fosse assim

118
obtida. Que luz existe aqui lançada junto aos seus esforços passados.
Ele poderia agora dizer verdadeiramente: "A fé que eu necessito é
esta".

Böhler retornou para Londres, e Wesley partiu para visitar seu


amigo Clayton, em Manchester, com o Sr. Kinchim, Membro do
Corpus Christi, e o Sr. Fox, recém prisioneiro na prisão da cidade.
Eles determinaram, decididamente, a não perder oportunidade de
despertarem, instruírem, ou exortarem qualquer um que eles
encontrassem em sua jornada; mas, negligenciando o dever deles em
Birmingham, eles foram "reprovados por uma severa chuva de
granizo". Durante a tarde, nas estalagens, onde permaneceram, eles
mantiveram a oração familiar, com a leitura e exposição das
Escrituras, com todos que estivessem desejosos de se juntarem a eles.
Ao retornar para Oxford, ele se encontrou novamente com Peter
Böhler, que agora se surpreendia, mais e mais, com os relatos que ele
dava da santidade e felicidade, atendendo a fé viva. Ele, então,
começou novamente a verificação do Testamento Grego, resolvido a
continuar, através da lei e do testemunho, e confiante de que, por meio
disto, ele seria ensinado, se esta doutrina era mesmo de Deus.

Ele pregou em Whitham sobre "a nova criatura", e foi, à tarde,


para a sociedade em Oxford, onde, como de costume em todas as
sociedades, depois de usar uma coleta [oração que precede a Epístola]
ou duas, e a Oração do Senhor, ele expôs um capítulo no Novo
Testamento, concluindo com três ou quatro coletas mais, e um saldo.
Em Castle, depois de ler as orações e pregar, ele e seu companheiro
Kinchin oraram com um criminoso condenado; "primeiro nas diversas
formas de oração, e, então, em tais palavras, como nos eram dadas
naquela hora". "O prisioneiro ajoelhou-se com grande opressão e
confusão, tendo nenhum descanso em seus ossos, em razão de seus
pecados". Depois de um tempo, ele se levantou, e decididamente
disse: "Eu estou agora, pronto para morrer. Eu sei que Cristo tirou
fora os meus pecados, e não existe mais condenação em mim". A
mesma alegria serena, ele mostrou, quando foi levado para a
execução; e em seus últimos momentos, ele era o mesmo, desfrutando

119
da perfeita paz, na confiança de que fora "aceito no amado". Isto
prendeu a atenção de Wesley. Este foi um caso, com respeito a ele; um
caso de súbita convicção do pecado, seguido pela convicção do
perdão, e acompanhado, até mesmo, naquela hora solene, com a mais
segura paz e alegria. Mas Wesley não poderia dizer, com o pobre
criminoso por quem ele tinha orado: "Eu sei que Jesus Cristo tirou
fora todos os meus pecados". Ele estava, no entanto, aproximando-se
da hora feliz! Em outra sociedade, ele diz que seu coração estava tão
cheio que ele não poderia confinar a si mesmo às formas de oração
geralmente em uso; e resolveu no futuro orar, indiferentemente, com a
forma ou sem, como parecesse adequado.

Seis dias depois, na Páscoa, de 5 de Abril, ele pregou na capela


do colégio, e novamente, à tarde, em Castle, e em Carfax; e escreveu:
"Eu vejo a promessa, mas muito distante; e, julgando que fosse
melhor para mim, esperar por seu cumprimento em silêncio e
isolamento"; ele se retirou, a pedido de seu amigo Kinchin, para
Dummer, em Hampshire. Mas, em poucos dias, ele foi convocado
para Londres, onde encontrou Böhler novamente; e confessou que ele
tinha agora nenhuma objeção para o que ele disse quanto à natureza da
fé; que, nas palavras da Homilia, era "a segurança e confiança certa
que um homem tem em Deus, de que, através dos méritos de Cristo,
seus pecados são perdoados, e ele reconciliado para o favor de
Deus". Mas, ele não poderia compreender o que fora dito, com
respeito a obra instantânea. Pesquisando as Escrituras, no entanto, ele
dificilmente encontrou, para seu completo espanto, algumas instâncias
lá de outras do que as conversões instantâneas. Seu único refúgio
agora era: "Assim foi nas primeiras épocas do Cristianismo, mas qual
é a evidência de que Deus opera da mesma maneira agora?". Mas no
dia seguinte, ele foi vencido pela evidência coincidente de diversas
testemunhas vivas, que testificaram que Deus tinham assim forjado
nelas, dando-lhes, no mesmo momento, tal fé no sangue de seu Filho,
de maneira a transportá-las da escuridão para a luz; do pecado e temor,
para a santidade e felicidade.

120
O interessante relato seguinte desta ocorrência é dado por
Böhler: --

"Eu levei quatro dos meus irmãos ingleses para John Wesley...
para que eles pudessem relatar suas experiências a ele; como o
Salvador, tão prontamente e tão poderosamente tem compaixão e
aceita o pecador. Eles disseram, um após o outro, o que fora forjado
neles; Wolff especialmente, em quem a mudança era completamente
recente, falou muito calorosamente, poderosamente e na confiança de
sua fé. John Wesley e aqueles que estavam com ele ficaram como que
atingidos por um raio com essas narrações. Eu perguntei a John
Wesley no que ele, então, acreditava. Ele disse que quatro exemplos
não foram suficientes para provar a coisa. Para satisfazer suas
objeções, eu respondi, que eu traria oito mais aqui em Londres.
Depois de pouco tempo, ele se levantou, e disse: 'Nós cantaremos
aquele hino: Hier egt mein Sinn sich vor dir nieder" [By C. F.
Richter]:

Minha alma se encontra prostrada diante de Ti;


A Ti, a fonte dela, meu espírito voa;
Minhas vontades eu pranteio, minhas algemas eu vejo:
Ó, permita que Tua presença me liberte!

"Durante o louvor da versão Moravia", Böhler continua: "Ele


freqüentemente enxugava os olhos. Imediatamente depois, ele me
levou sozinho para sua própria sala, e declarou, 'que ele estava agora
satisfeito com o que eu disse sobre a fé, e que ele não faria mais
perguntas a respeito dela; que ele agora estava claramente
convencido da necessidade dela; mas como ele ajudaria a si mesmo, e
como poderia obter tal fé? Ele era um homem que não havia pecado
tão grosseiramente como as outras pessoas'. Eu respondi que já era
pecado suficiente que ele não cresse no Salvador: ele não poderia
desviar-se da porta do Salvador, até que Ele o ajudasse. Eu me senti
muito pressionado a orar por ele; portanto, eu recorri ao nome do
Salvador, para que tivesse compaixão deste pecador.... Mais tarde,

121
ele me contou quais contradições ele havia encontrado, com respeito
ao clero piedoso ao qual ele tinha pedido conselho, porque ele não
teve, na ocasião apropriada, de dizer-lhes o que ele sabia, e o que ele
ainda necessitava; mas ele não estava preocupado com isto. E ele me
perguntou, ainda, o que ele poderia fazer naquele momento, quer ele
dissesse a todas as pessoas seu presente estado ou não? Eu respondi
que nisto eu não daria regra alguma; e que ele deveria fazer o que o
Salvador havia ensinado a ele; e não deveria colocar a fé, como ela
se encontra em Jesus, tão longe dele, mas crer que ela estaria cada
vez mais perto; que o coração de Jesus ainda permanece aberto, e
que Sua misericórdia em direção a ele é grande. Ele enxugou
emocionado e asperamente as lágrimas, enquanto eu lhe falava sobre
este assunto, e [insistia] que eu deveria orar por ele. O que eu posso
dizer dele, é que ele é verdadeiramente um pobre pecador, e tem um
coração contrito, e sedento em busca de uma melhor retidão do que
aquela que ele já possuía".

"À tarde, ele pregou de (I Cor. 1:23) 'Nós pregamos a Cristo


crucificado', etc. Ele teve acima de quatro mil ouvintes, e falou sobre
este assunto, até que a congregação ficasse atônita, porque ninguém
tinha ouvido tais coisas dele. Suas primeiras palavras foram: 'Eu me
considero, do meu próprio coração, não merecedor de pregar Jesus
crucificado'".

"Aqui", Wesley diz, "terminou minha contenda. Eu posso


agora apenas clamar: Senhor, ajuda-me em minha descrença". Este
foi para ele, um tempo de grande conflito espiritual. Ele estava
passando através de um portão estreito. Desde seu intercurso com os
Morávios, ele havia sido gradualmente conduzido a ver que ele tinha
colocado muita confiança em sua atenção estrita aos desempenhos da
religião. Em atribuir a esses seu lugar e proporção, apropriados, não
há necessidade de diminuir a importância deles. O perigo de Wesley
estava nos exageros deles. Um aspecto surpreendente de sua instrução
até aqui, tinha sido a redução de sua inteira conduta à regra; de
maneira que as horas individuais do dia, e mesmo as porções
separadas da mesma hora, tinham sua tarefa distribuída. Em seu diário

122
de bolso, mantido com a maior precisão por muitos anos, a ocupação,
até mesmo dos minutos, é registrada. Toda a sua conduta, suas
palavras, seus próprios pensamentos, estavam sob controle, e eram
regulados pelas leis, que ele observava estritamente, e todo
afastamento que lhe trouxesse dor.

Nunca um homem foi mais resoluto neste processo de


autocontrole e autodisciplina. Ele se acostumara, há muito tempo, às
freqüentes interrogações quanto à sua fidelidade. Questões precisas
eram esboçadas e fielmente propostas em tempos determinados, cujos
exemplos têm sido dados. Ele foi o mais rígido "Metodista", mesmo
antes deste nome, como um estigma, ter sido ligado a ele. Ele não
esteve sem luz e conforto, mas foi gradualmente sendo conduzido a
ver, que ele estava muito longe da luz perfeita e do descanso do
evangelho. Esta luz, no entanto, estava rompendo sobre ele. Quer
possa ser dito que ele era ou não um cristão verdadeiro, é, em grande
parte, uma questão de definição. Quanto está incluído em ser um
cristão? Ele tinha fé, mas ela não era a fé perfeita. Ele não tinha a fé
que trazia segurança. Ele era um bom homem. Ele era, em muitos
aspectos, um verdadeiro santo, um padrão para os crentes; mas, por
outro lado, ele não tinha ainda alcançado. Ele estava na luz, mas não
era o dia perfeito. Ele tinha descanso, mas ele era duvidoso, inseguro.
Havia, mais além, um estágio mais feliz. "Eu quero aquela fé que
ninguém pode ter, sem saber que a tem. Porque, quem quer que a
tenha está liberto do medo, tendo paz com Deus, através de Cristo, e
regozijando-se na esperança da glória de Deus. E ele está livre da
dúvida, tendo o amor de Deus, espalhado em seu coração".

Como poderia ser explicado que Wesley, depois de tantos anos


de busca sincera, falhasse em encontrar a salvação evangélica? Ele
estava no ministério, há mais de doze anos. Ele era diligente no
cumprimento de cada dever; ele se apressou e orou e deu donativos;
ele atendeu com cuidado escrupuloso todos os meios da graça,
incluindo o atendimento freqüente à mesa do Senhor; ele trabalhou
assiduamente, mesmo no extremo de suas forças, para o bem-estar de
outros. Ainda assim, ele não havia encontrado a paz do evangelho?

123
Como pode ser isto? Sua própria resposta não seria, "Israel que seguiu
em busca da lei da retidão, não atingiu esta lei. Por que? Porque não
a buscavam pela fé, mas como que pelas obras da lei". (Romanos
9:31-32).

Ele agora estava persuadido de que esta fé é dom de Deus, e


que Deus certamente concede a toda alma que sinceramente e de
maneira perseverante a busca; e ele decidiu, pela graça de Deus,
buscá-la até o fim. (1) "Pela absoluta renuncia de toda dependência,
no todo, ou em parte de minhas próprias obras ou retidão, no qual eu
tenho realmente alicerçado minha esperança de salvação, embora eu
não soubesse disto, desde minha juventude". (Quão verdadeiro! Esta
confissão é extremamente emocionante). (2) "Ao adicionar para o
contínuo uso de todos os outros meios da graça, uma oração contínua
por esta mesma coisa, a graça justificadora, e salvadora; uma
completa confiança no sangue de Cristo, espalhado por mim; uma
confiança Nele, como meu Cristo, como minha única justificação,
santificação, e redenção".

É necessário dar atenção cuidadosa a esses detalhes na luta


espiritual de Wesley, porque sem prestar atenção a eles, nem ele, nem
sua obra futura, pode ser entendida. Depois de um tempo, ele olhou
para trás, como seus seguidores fazem agora, para uma hora suprema e
crítica de sua vida; uma hora para a qual, anos de treinamento o
prepararam; uma hora, investida com uma significância em sua
história religiosa, que seria tolice ignorar, e quase tanta tolice,
depreciar. O período agora sob consideração é uma parte integral e
importante da preparação para esta hora. Falsidade havia sido
ensinada, e pela eficiência, se modestos professores. Em muitos
assuntos, ele não precisava de tutor, ele mesmo poderia ensinar. Mas,
aqui, ele era um aprendiz. Quão freqüentemente, um filho do reino
leva o buscador adulto para seus portões!

Ele novamente hesitou ensinar, mas foi instruído a não


esconder na terra, o talento que Deus dera a ele. Conseqüentemente,
ele falou clara e completamente em Blendon, para a família do Sr.

124
Delamotte, sobre a natureza e fruto da fé. O Sr. Broughton, e seu
irmão estavam lá. O primeiro objetou: "Ele, que não fez e nem sofreu
tais coisas, nunca poderia pensar que eu não tenho fé". Em anos
seguintes, Wesley acrescentou: "Ele tinha razão. Eu certamente tinha
a fé de um servo, embora não a fé de um filho". Seu irmão estava
muito irado, e disse a ele que ele não sabia que dano ele havia causado
por falar assim, e Wesley acrescenta: "E, de fato, agradou a Deus,
então, acender um fogo que eu confio, nunca será extinto!".

Ele foi novamente estimulado por Böhler a não interromper a


graça de Deus. Em Gerrard's Cross, ele declarou plenamente a fé
como ela está em Jesus; como fez no dia seguinte para um jovem que
ele alcançou na estrada, e à tarde, para seus amigos em Oxford. Em
um ou dois dias, mais tarde, ele foi muito confirmado na verdade,
pelas experiências de dois de seus colegas, que testemunharam que
Deus pode, se Ele não faz sempre, fornecer aquela fé, por meio da
qual, vem a salvação imediata, como um raio que cai do céu.

Apressando-se para Londres, por conta do relato da saúde de


seu irmão, ele o encontrou melhor do que ele esperava; mas
fortemente avesso ao que ele chamou de "A Nova Fé".

Wesley escreve em "1º. de Maio [1738], nossa pequena


sociedade teve início, o que mais tarde se encontrou em Fetter Lane".
Usualmente se supôs que eles se encontraram em Neville's Court, em
uma capela sombria, provavelmente erguida nos dias de Charles II.
Esta foi a primeira casa Metodista em Londres, e em redor dela,
muitos incidentes ligados com os primeiros agrupamentos do
Metodismo. Foi neste lugar que o Lorde e Lady Huntingdon
atenderam, pela primeira vez, os encontros da sociedade; e Sir John
Phillips e Sir John Thorold foram despertados aqui, e se tornaram
membros da Sociedade de Fetter Lane. A pequena sociedade nomeada
por Wesley, erroneamente foi chamada de Sociedade Moravia. É
verdade que suas regras foram esboçadas em harmonia com o
conselho de Peter Böhler. Mas Wesley já tinha tido experiência na
formação de sociedades. Foi a Sociedade da Igreja da Inglaterra; uma

125
acrescentada a muitas sociedades religiosas, então, existentes em
Londres e espalhadas em todos os lugares. Isto continuou assim, até
que um professor Morávio, Molther, espalhou suas peculiares idéias,
em meio aos membros, assim conduzindo Wesley a uma separação
dele, para a qual futura referência será feita. Whitefield, um ano
depois da data acima, registra em seu Diário:

1. "Domingo – 20 de Maio: Eu fui com nosso irmão da


Sociedade Fetter Lane para a Igreja de St. Paul, e recebemos as faltas
santas, um do outro, e oramos um pelo outro, para que pudéssemos
ser curados".

2. "Que todas as pessoas, assim reunidas, sejam divididas em


diversos grupos, ou pequenas companhias; nenhuma delas
consistindo de menos do que cinco, ou mais de dez pessoas".

3. "Que cada um fale tão francamente, claramente e


concisamente, quanto ele puder, do real estado de seu coração, com
suas diversas tentações e livramentos, desde o último encontro".

4. "Que todas as bands tenham uma conferência, todas as


quartas-feiras, às oito horas, começando e terminando com louvor e
oração".

5. "Que todos que desejam ser admitidos nesta sociedade


sejam questionados quanto às suas razões para desejarem isto. Você
será inteiramente franco, usando de nenhum tipo de reserva? Você
tem alguma objeção quanto a alguma de nossas ordenanças?". (O que
pode, então, ser lido).

6. "Que, quando algum novo membro é proposto, cada um


presente, fale claramente e livremente, qualquer objeção que tenha
contra ele".

126
7. "Que aqueles contra os quais nenhuma objeção razoável
aparece façam parte, por um período de experiência, de uma ou mais
bands distintas, e algumas pessoas concordem em assistir a eles".

8. "Que depois de dois meses de experimentação, se nenhuma


objeção, então, surgir, eles podem ser admitidos na sociedade".

9. "Que a cada quatro sábados, seja observado, como um dia


de intercessão geral".

10. "Que no sábado, sete noites seguintes, seja a festa do amor


geral, das sete às dez da noite".

11. "Que nenhum membro em específico seja admitido para


agir em alguma coisa contrário a alguma ordem da sociedade; e que,
se algumas pessoas, depois de serem admoestadas, três vezes, não se
adequarem a ela, eles não mais serão considerados como membros. O
Sacramento, como um testemunho fiel à Igreja da Inglaterra".

Três semanas depois, Charles Wesley escreveu: "Irmão Hall


propôs expulsar Shaw e Wolf. Nós consentimos que seus nomes sejam
apagados de nosso livro da Sociedade, porque eles não se admitiram
membros da Igreja da Inglaterra".

Este é um fato interessante que Wesley assinala da formação


desta sociedade, como o começo do atual Metodismo. Em sua Breve
História do Povo Chamado Metodista, ele diz: "Em 1º. de Março de
1738, segunda-feira, nossa pequena sociedade começou em Londres.
Mas pode-se observar que o primeiro surgimento do Metodismo,
assim chamado, foi em Novembro de 1729, quando quatro de nós se
encontrou em Oxford; o segundo foi em Savannah, em Abril, de 1736,
quando vinte e três pessoas se encontraram em minha casa; o último
foi em Londres, neste dia, quando quarenta ou cinqüenta de nós
concordou em se encontrar toda quarta-feira à tarde, com o objetivo
de uma conversa livre, que começou e terminou com louvor e oração.
Em todos os nossos passos, nós fomos grandemente assistidos pelo

127
conselho e exortações de Peter Böhler, um excelente jovem,
pertencente à sociedade comumente chamada de Moravia".
Referência futura será feita a esta sociedade.

Em 3 de Maio, Peter Böhler teve uma longa conversa com


Charles Wesley, quando John diz: "Agradou a Deus abrir seus olhos,
de modo que ele também viu claramente qual era a natureza daquela
fé verdadeira, viva, por meio da qual somente, através da graça,
somos salvos". No dia seguinte, Böhler deixou Londres para Carolina,
e Wesley escreve: "Ó, que obra Deus começou, desde que vim para a
Inglaterra! Tal como nunca chegará ao fim, até que o céu e terra
passem".

Pregando "salvação livre, pela fé no sangue de Cristo", em


diversas igrejas em Londres, Wesley é informado, por quase todas elas
que ele não pode mais pregar lá. Ele registra que o Rev. G.
Stonehouse, Vigário de Islington, foi convencido da verdade como ela
está em Jesus. Por alguns dias, ele esteve triste e muito oprimido,
incapaz de ler ou meditar, cantar ou orar, ou fazer alguma coisa; mas
foi de certa forma restaurado, por uma carta terna e afetuosa de seu
amigo Böhler, pedindo que não demore a crer em "seu Jesus Cristo;
declarando quão grande, quão inexprimível; quão inesgotável é Seu
amor. Certamente, Ele está agora pronto a ajudar; e nada pode
ofender a Ele, a não ser nossa descrença".

Na segunda-feira, 19 de Maio, Wesley faz a seguinte entrada


em seu Diário: "Meu irmão teve um segundo ataque de sua pleurisia.
Alguns de nós passamos o sábado a noite em oração. No dia seguinte,
Domingo de Pentecostes, depois de ouvir Dr. Heylin pregar um
sermão verdadeiramente cristão (sobre: Eles todos foram preenchidos
com o Espírito Santo; 'e assim', diz ele, 'todos vocês podem ser, se não
for por sua própria falta'), e assistindo a ele na Comunhão Santa
(porque seu pároco auxiliar estava doente na igreja, eu recebi as
surpreendentes notícias de que meu irmão tinha encontrado descanso
para sua alma. Suas forças corpóreas também retornaram daquele
momento. Quem é tão grande Deus, como nosso Deus?".

128
Sua opressão e tristeza de coração retornaram, e ele irrompe
nas seguintes palavras emocionadas em uma carta para um amigo: --

"Eu sinto o que você diz (embora não o suficiente); porque eu


estou sob a mesma condenação. Eu vejo que toda a lei de Deus é
santa, justa, e boa. Eu sei que todo pensamento, todo temperamento
de minha alma deve carregar a imagem e endereço de Deus. Mas
como eu estou caído da glória de Deus! Eu sinto que eu estou
vendido, sob o pecado. Eu sei que eu também mereço coisa alguma,
mas a ira, sendo cheio de todas as abominações; e tendo nenhuma
coisa boa em mim, para expiar por elas, ou remover a ira de Deus.
Todas as minhas obras, toda a minha retidão, precisa de uma
expiação para si mesmas. Assim é que minha boca está fechada. Eu
tenho nada a reivindicar. Deus é santo. Eu sou impuro. Deus é um
fogo ardente; eu sou um complete pecado, adequado para ser
destruído".

"Ainda assim, eu ouvi uma voz (e não é a voz de Deus?)


dizendo, Crê e tu serás salvo. Aquele que crê passa da morte para a
vida. Deus assim amou o mundo, que deu Seu Unigênito para que
aquele que Nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna".

"Ó, que ninguém nos decepcione com palavras vãs, como se


nós já tivéssemos obtido esta fé. Pelos frutos saberemos. Nós já
sentimos paz com Deus, e alegria no Espírito Santo? O Espírito Dele
testemunha com nosso espírito que somos filhos de Deus? Ai de mim!
Com o meu, Ele não testemunha!".

Essas estavam em meio às suas últimas palavras, antes que a


memorável mudança tomasse lugar. Elas mostram mais claramente,
que havia um passo definitivo que ele ainda não tomara, embora
desejasse; um estado que ele não entrara, apesar de seu extremo desejo
de entrar. Mas o portão está aberto para admiti-lo naquele reino de paz
e alegria; e seu pé estava levantado para dar o passo final e entrar. É
certo que ele, em suas próprias palavras declararia o que aconteceu

129
naquela momentosa quarta-feira, 24 de Maio de 1738. Depois de rever
sua vida, desde os seus dez anos, ele escreve: -

"Eu penso que era por volta das cinco da manhã, quando eu
abri meu Testamento nessas palavras(II Pedro 1 4) 'Pelas quais ele
nos tem dado grandessíssimas e preciosas promessas, para que, por
elas, fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da
corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo'. Assim que fechei
o livro, eu o abri novamente nessas palavras: (Marcos 12:34) 'E,
Jesus, vendo que havia respondido sabiamente, disse-lhe· Não estás
longe do Reio de Deus. E já ninguém ousava perguntar-lhe mais
nada"'.

"À tarde, pediram-me que fosse para a igreja de St. Paul. O


hino era'Fora do abismo, eu tenho chamado por Ti, Ó, Senhor.
Senhor, ouça minha voz. Oh! Deixe teus ouvidos considerarem boa a
voz da minha queixa. Se, Tu, Senhor, fores rigoroso para marcar o
que é feito de errado, Ó, Senhor, quem poderá agüentar isso? Porque
há misericórdia em Tipor esta razão, Tu deves ser temido. Ó, Israel,
confie no Senhor, porque com o Senhor há misericórdia, e, com Ele
redenção plena. E Ele também deverá redimir Israel de todos os seus
pecados'”.

"À noite, eu fui, muito de má vontade, até uma Sociedade, na rua


de Aldersgate, onde alguém estava lendo Lutero - prefácio à
Epístola aos Romanos. Por volta de quinze para as nove horas,
enquanto ele estava descrevendo as mudanças que Deus opera no
coração, pela fé em Cristo, eu senti meu coração estranhamente
aquecido. Eu senti que eu confiei em Cristo — Cristo apenas, para
a salvação; e uma garantia me foi dada de que Ele tinha tomado
meus pecados, até mesmo os meus, e tinha me salvo da lei de
pecado e morte".

"Eu comecei a orar com todas as minhas forças, por aqueles que
tiveram, de uma maneira mais especial, rancorosamente, me usado

130
e perseguido. Então, testemunhei, abertamente, a todos, isso que eu
agora, pela primeira vez, sentia em meu coração. Mas não muito
tempo antes do inimigo ter sugerido'Isto não pode ser fé; pois,
onde está a tua alegria?'. Então, eu fui ensinado que aquela paz e
vitória, sobre o pecado, eram essenciais para a fé, no Capitão de
nossa salvaçãomas, como transporte da alegria, que usualmente
assiste o começo dela, especialmente, naqueles que têm lamentado
profundamente, Deus, algumas vezes, as retém, de acordo com as
deliberações de Sua própria vontade".

"Depois de retornar para casa, fui esbofeteado por muitas tentações,


mas eu clamei, e elas fugiram. Elas retornaram novamente e
novamente. Eu, como, freqüentemente, erguia meus olhos, e Ele
'me enviava ajuda do seu santo lugar'. E, nisto, eu descobri no que
consistia, principalmente, a diferença entre essa e a minha condição
anterior. Eu estava me esforçando. Sim, lutando com todas as
minhas forças, debaixo da lei, tanto quanto debaixo da graça.
Entretanto, se eu era algumas vezes, se não freqüentemente,
conquistado, agora, eu sou sempre um conquistador".

Na quinta-feira, 25 de Maio, ele escreve: "No momento em que


despertei, 'Jesus, Mestre', estava em meu coração, e em minha
boca; e, eu encontrei minhas forças, mantendo meus olhos fixados
Nele, e minha alma atendendo continuamente a Ele. Estando,
novamente, em St. Paul, pela tarde, eu pude provar a palavra boa de
Deus, no hino que começou'Minha canção será sempre sobre a
amorosa-generosidade do Senhor: com minha boca, eu estarei
mostrando, sempre adiante, Tua verdade, de uma geração a outra'.
Contudo, o inimigo injetou-me um medo: 'Se tu acreditas, por que
não há uma mudança mais significativa?'. Eu respondi (contudo,
não eu): 'Que eu não sei! Mas, que tudo que sei, é que eu agora
tenho paz com Deus. E não mais peco hoje, e Jesus, meu Mestre,
me proibiu de me preocupar com o amanhã'”.

131
"Minha alma continua em paz, mas ainda pesada, por causa
das múltiplas tentações. Eu perguntei ao Sr. Toeltschig, um Morávio,
o que fazer. Ele me disse que eu deveria não lutar contra elas, como
eu tinha feito antes, mas, para escapar delas, no momento, em que
aparecem, e encontrar refúgio nas machucaduras de Jesus. O mesmo
eu aprendi também da antífona vespertina que foi: 'Minha alva
verdadeiramente espera ainda junto a Deus; porque Dele vem minha
salvação; Ele é minha defesa; de maneira que eu não cairei.Ó,
coloquem sua confiança Nele sempre; derramem seus corações diante
Dele; porque Deus é nossa esperança'".

Por alguns dias, ele caminhou como uma criancinha, com


tremor, e com dúvidas e medos, e tentações súbitas o atacando; nem
ele estava livre da oposição externa. Ele encontrou um refúgio na
oração sincera; na diligente leitura das Escrituras, e na ativa obra
cristã. Durante este tempo, ele observou estritamente os estados
variados da mente, através do que ele estava passando. Ele escreve em
27 de Maio: "Acredito que uma razão para minha falta de alegria seja
a falta de tempo para orar, eu resolvi não realizar tarefa alguma, até
que eu fosse para a Igreja, de manhã, mas continuar derramando meu
coração diante de Deus. E este dia, meu espírito foi ampliado. De
maneira que, embora eu fosse agora assaltado por muitas tentações,
eu era mais do que vencedor, ganhando mais poder, por meio disto,
para confiar e regozijar-me em Deus, meu Salvador".

28 de Maio: "Eu caminhei em paz, mas não em alegria. No


mesmo plano, estado silencioso, eu estava ainda à tarde, quando fui
atacado asperamente por uma larga companhia [na casa do Sr.
Hutton], como um Fanático, um Sedutor, e um Anunciador de novas
Doutrinas. Através da bênção de Deus, eu não fiquei irado, mas,
depois de uma resposta tranqüila e breve fui embora; mesmo que não
com tão terna preocupação, como seria devida àqueles que estivessem
buscando a morte no erro da vida deles".

Os escritores críticos da vida de Wesley têm quase que


totalmente omitido o significado do evento, que ele havia justamente

132
revisto; mas não escapou do sutil discernimento de Lecky, que
escreve: "Dificilmente é um exagero dizer que a cena que toma lugar
naquele humilde encontro na Rua Aldersgate forma uma época na
História Inglesa. A convicção que, então, surge junto a um dos mais
poderosos e mais ativos intelectos na Inglaterra é a fonte verdadeira
do Metodismo Inglês".

Charles Wesley, como seu irmão, há muito vinha buscando


sinceramente por "redenção". Ele estava nesta época, seriamente
doente, e estava residindo temporariamente com o Sr. Bray, a quem
ele descreve como "um pobre mecânico ignorante, que sabe nada, a
não ser Cristo". Bray era um feliz crente, um Morávio, com quem
Charles Wesley tornou-se intimamente unido. A respeito dele,
escreveu: "O Sr. Bray deve suprir o lugar de Böhler. Nós pregamos
juntos em prol da fé. Eu quase fui subjugado e derreti em lágrimas".

Parece que um espírito de inquisição sobre o assunto da


religião foi, nesta época, extensivamente estimulado em Londres,
parcialmente pela recente pregação de Whitefield, parcialmente pelos
trabalhos pessoais de Peter Böhler, que ultimamente deixara Londres,
e, parcialmente pela pregação de John Wesley, que foi admitido em
diversos púlpitos de Londres, e seguido por imensa multidão.

Em 17 de Maio, Charles escreve:

"Hoje, eu vi, pela primeira vez, Lutero sobre os Gálatas. Nós


começamos, e o achamos esplendidamente cheio de fé. Eu me
maravilhei que estivéssemos tão logo, e tão inteiramente afastados
dele que nos chamou para a graça de Cristo, junto a outro Evangelho.
Quem acreditaria que nossa igreja tinha sido fundada sobre este
importante artigo da justificação pela fé somente? ... Eu passei
algumas horas esta tarde, em privativo com Martinho Lutero, que foi
grandemente abençoado, especialmente em sua conclusão do segundo
capítulo. Eu trabalhei, esperei, e orei para sentir, 'quem me amou e
deu a si mesmo por mim'".

133
"Quando a natureza, quase exausta, forçou-me a ir para a
cama, eu abri o livro em: 'Porque Ele terminará sua obra sobre a
terra, e a abreviará na retidão'. Depois desta confortável segurança
de que ele viria e não tardaria, eu dormi em paz... Por volta da meia-
noite, eu estava acordado, pelo retorno da minha pleurisia. Eu senti
grande dor, e dificuldade em meu coração; mas encontrei imediato
alívio em sangrar. Eu conversei com o Sr. Bray: embora eu mesmo
desejasse morrer no momento seguinte, se eu pudesse acreditar nisto:
mas eu estava certo de que eu não morreria, até que eu cresse. Eu
sinceramente desejei isto... às cindo horas da manhã, a dor e
dificuldade em respirar retornaram. O cirurgião foi chamado; mas
adormeci, antes que ele pudesse me sangrar pela segunda vez".

"Eu recebi o Sacramento, mas não Cristo. A Sra. Turner veio


me ver, e me disse que eu não me levantaria da cama, até que eu
cresse. Eu acreditei no que ela disse, e perguntei: 'Deus, então,
concedeu fé a você?'. 'Sim, Ele me concedeu'. 'Você tem paz com
Deus?'. 'Sim, perfeita paz'. 'E você ama a Cristo, acima de todas as
coisas?'. 'Eu amo, acima de todas as coisas, incomparavelmente'.
'Então, você está desejosa de morrer?'. 'Eu estou, e ficaria feliz de
morrer, neste momento; porque eu sei que meus pecados estão
apagados; a escrita que havia contra mim foi tirada fora do caminho,
e pregada na cruz. Ele me salvou com a Sua morte; Ele me lavou com
Seu sangue; Ele me ocultou com Suas feridas. Eu tenho paz Nele, e
me regozijo com alegria inexplicável e cheia de glória'. A resposta
dela era tão completa a essas e a maioria das perguntas, que eu
poderia fazer, que eu não tive dúvida que ela recebeu a redenção: e a
esperei para mim esmo com uma esperança mais segura. Sentindo
uma antecipação da alegria, por conta do relato dela, e agradecendo
a Cristo como eu pude, eu busquei por Ele a noite toda, com orações
e sinais, e desejos incessantes".

O freqüente retorno de sua pleurisia, e seu estado muito


debilitado, pareceu ter alarmado seus amigos, que começaram a ficar
apreensivos de que seu fim estava próximo. Seu irmão, portanto, e
alguns outros, se encontraram no sábado à tarde, e passaram a noite

134
em oração. No dia seguinte era Domingo de Pentecostes. Ele diz: "Eu
acordei, na esperança e expectativa da vinda Dele. Às nove horas,
meu irmão e alguns amigos vieram, e cantaram um hino para o
Espírito Santo. Meu conforto e esperança foram, deste modo,
aumentados. Por volta de meia hora, eles saíram. Eu me dirigi em
oração: a essência, como segue: O, Jesus, Tu dizes: Eu irei até você.
Tu dizes: Eu enviarei o Confortador até você. Tu dizes: Meu Pai e eu
viremos até você, e faremos nossa morada em você. Tu és Deus, que
não podes mentir. Eu confio totalmente em tua promessa verdadeira.
Execute isto a Teu tempo e modo". Depois de dizer isto, ele se
apaziguou e adormeceu, em quietude e paz, quando ouviu alguém que
tinha entrado na sala, dizer: "Em nome de Jesus de Nazaré, levanta e
crê, e tu serás curado de todas as tuas enfermidades". As palavras o
golpearam no coração. Ele suspirou e disse dentro de si mesmo: "Ó,
só Cristo falaria assim". Num instante, ao perguntar quem falara as
palavras que tanto o afetaram, ele diz: "Eu senti, naquele momento,
uma estranha palpitação no coração, e disse, ainda que temeroso de
dizer: 'Eu creio, eu creio!'".

Bray leu para ele as palavras: 'Abençoado é o homem cuja


transgressão é perdoada, cujo pecado é oculto. Abençoado é o homem
junto a quem o Senhor não imputou iniqüidade, e em cujo espírito não
existe culpa'. "Eu ainda senti", ele diz, "uma violenta oposição e
relutância em crer; ainda assim, o Espírito de Deus lutou com o meu,
e o espírito diabólico, até que, aos poucos, ele afugentou as trevas da
minha descrença. Eu me encontrei convencido; eu não sei como, nem
quando; e imediatamente cai em oração". Ele, mais tarde, acrescenta:
"Eu agora me encontrava em paz com Deus, e regozijado na
esperança do Cristo amoroso. Meu temperamento, para o restante do
dia, foi desconfiar da minha própria grandeza, mas diante da
fraqueza desconhecida, eu vi que, através da fé, eu resisti; e o
contínuo suporte da fé, me protegeu de cair, embora de mim mesmo,
eu esteja sempre sucumbindo no pecado. Eu fui para a cama, ainda
consciente de minha própria fraqueza (eu humildemente espero ser
mais e mais assim), ainda assim, confiante da proteção de Cristo".
Este foi o 'Dia de Pentecostes' de Charles.

135
Na quarta-feira seguinte, confinado em seu quarto, ele passou
o dia de uma maneira devota e piedosa. "Às oito horas", diz ele, "eu
orei por amor, com algum sentimento, e segurança de sentir mais. Já
perto das dez horas, meu irmão foi trazido em triunfo, por um grupo
de nossos amigos, e declarou: 'Eu creio!'. Nós cantamos o hino com
grande alegria, e partimos com oração. À meia-noite, eu me entreguei
a Cristo, certo de que eu estava a salvo, dormindo ou acordado!".

O hino que eles cantaram naquele tempo foi, com toda


probabilidade, o que ele havia composto dois dias antes, quando ele
pôde, pela primeira vez, clamar: "Eu creio! Eu creio!". Ele aparece
no Livro de Hinos Metodista (no original havia oito versos):-

Por onde minha alma maravilhada deveria começar?


Como deverei todo o céu ansiar?
Um escravo remido da morte e pecado
Um tição arrancado do fogo eterno,
Como poderei levantar triunfos iguais,
Ou cantar o louvor do meu grande Libertador?
Ó, como eu deverei dizer ao meu Senhor,
Pai, o que Tu tens me mostrado?
Que eu sou um filho da ira e inferno,
Eu deveria ser chamado de filho de Deus,
Deveria saber, deveria sentir meus pecados perdoados,
Abençoado com esta antecipação do céu!
Eu poderia desprezar o amor do meu Pai?
Ou, de maneira aviltante, temer possuir os dons Dele?
Desatento da prova de Seus favores?
Eu deveria evitar a cruz sagrada?
Recusar Sua retidão, conceder,
Ocultando-a, dentro de meu coração?
Homens réprobos, a você eu chamo,
Prostitutas, e publicanos, e ladrões,
Ele estende seus braços para abraçá-los todos;
Pecadores somente a graça Dele recebe:

136
Nenhuma necessidade Dele, o justo tem;
Ele veio para buscar e salvar o perdido.
Venha, ó, meu irmão culpado, venha,
Gemendo debaixo do fardo de seu pecado!
O coração sangrando Dele lhe hospedará,
Seu lado aberto o levará para dentro;
Ele chama você agora, convida-o para sua casa?
Venha, ó, meu irmão, venha!

O seguinte é tomado de um número de versos evidentemente


endereçado a John, intitulado:

Congratulação a um Amigo por Crer em Cristo

Abençoado seja o nome que te libertou.


O nome, que salvação certa, traz!
O Sol da Retidão sobre ti
Surgiu com cura em Suas asas.
E para longe, levou a aflição e o suspiro;
Jesus morreu por ti – por ti!
Ele agora vai desistir do que é Dele?
Ou perder a compra de Seu sangue?
Não; porque Ele olha com pena para baixo.
Ele zela por ti, para o bem:
Olha gracioso para ti, do alto,
E guarda e alimenta a ti com Seu amor.
Visto que foste precioso aos olhos Dele,
Quão sublime favor tu tens tido!
Erguido pela fé, para a altura da glória,
Teus olhos têm visto o Deus Salvador;
Teu coração tem sentido teus pecados perdoados,
E testado o céu antecipado.
Ainda, possa o amor Dele ser tua fortaleza,
E ainda fazer de você, Sua diligência cuidadosa,
Colocar, Confirmar, e te Estabelecer,

137
Nas asas da águia teu espírito carregar;
Preencher-te com céu, e sempre derramar
Suas bênçãos especiais em tua cabeça.
Assim, possa Ele confortar a ti, aqui embaixo;
Assim, possa Ele toda a sua graça dar:
A Ele, em parte, tu podes aqui conhecer;
Ainda assim, aqui, através da fé, submeter-se a viver;
Ajuda-me a defender minha passagem,
Nem se apodere do céu, até que eu também possa.
Ou, se o decreto do sábio soberano
O numerar primeiro em meio aos abençoados
(O único bem que eu cobiço de ti);
Transportado para um descanso antecipado,
Próximo, em tuas últimas horas, que eu possa
Instruir, e aprender de ti, a morrer.

Agora, esses três homens, John Wesley, Charles Wesley, e


George Whitefield são trazidos juntos para um plano de experiência
religiosa. Cada um deles havia se submetido a severa disciplina
espiritual. Eles tinham, cada um, como tem sido mostrado,
compartilhado da bem-aventurança daquele que crê; tinham alcançado
a justificação pela fé, e provado que eles não poderiam ser justificados
por nenhum outro meio. Eles eram únicos nos limites de uma afeição
familiar, constrangidos como irmãos e colaboradores, e ajudadores, na
grande obra deles, e já que eles criam, designada por Deus. Eles têm
um evangelho – os evangelhos para os pobres, miseráveis e pecadores
homens e mulheres; em cujo evangelho, eles tinham fé, aquela fé
maior que está baseada na experiência pessoal deles de seu poder. Eles
eram únicos no reconhecimento do pecado humano, e da redenção
humana, através de Jesus Cristo; no reconhecimento da obra suprema
do Espírito Santo, da absoluta autoridade das Santas Escrituras, e da
pregação, como o instrumento divinamente ordenado da conversão
humana. Eles eram únicos em sua submissão a uma paixão dominante
de amor pelas almas dos homens, e da prontidão para usar e ser usado
por eles. Eles permaneceram juntos, como os três grandes líderes, no
glorioso avivamento da religião espiritual que tomou lugar no século

138
dezoito. A divergência, mais tarde, levantou-se da sepultura, mas
questões subordinadas de eleição e predestinação. Mas isto conduziu a
adaptação deles para falar a duas classes de pessoas, em uma Igreja
Protestante dividida, de maneira que poderia ser dito: "Ele que forjou
junto a Pedro o apostolado da circuncisão forja-me também junto aos
gentios". Isto Wesley logo discerniu. Ele escreveu para seu amigo:-

"9 de Agosto de 1740"

"Eu agradeço a você, pela sua carta de 24 de Maio. O caso


está completamente claro. Existem fanáticos, ambos pela
predestinação, e contra ela. Deus envia uma mensagem para aqueles
de ambos os lados. Mas ninguém a receberá, exceto de alguém de sua
própria opinião. Portanto, por um tempo, você é forçado a ser de uma
opinião, e eu de outra. Mas quando o tempo Dele chegar, Deus fará o
que o homem não pode – ou seja, nos fazer ambos de uma mesma
opinião. Então, a perseguição falhará, e será visto se nós
consideramos nossas vidas queridas junto a nós mesmos, de maneira
que possamos terminar nosso curso com alegria".

"Eu sou, meu mais querido irmão, sempre seu",

J.Wesley

Wesley se encontrava ainda em um estado inseguro de mente,


alternadamente, exaltado e depressivo. Suas suscetibilidade a cada
mudança de vento da influência exterior era quase uma fraqueza.
Dificilmente é de se admirar, considerando sua fragilidade corpórea, o
resultado de suas muitas austeridades, e a severa e quase contínua
tensão mental que ele suportou por algum tempo.

Em 4 de Junho, ele escreveu: "Foi de fato um dia de festa.


Porque, desde o tempo de meu levantar, até uma da tarde, eu estive
orando, lendo as Escrituras, cantando, ou chamando os pecados ao
arrependimento. Todos esses dias, eu dificilmente me lembro de ter
aberto o Testamento, a não são em algumas grandes e preciosas

139
promessas. E eu vi mais do que nunca que o Evangelho é, na
verdade, uma grande promessa do começo ao fim".

Em 6 de Junho, ele diz: "Eu tive ainda mais conforto e paz e


alegria: na qual eu temi que eu começasse a conjecturar. Porque, à
tarde, eu recebi uma carta de Oxford, que me atirou em muita
perplexidade. Estava afirmado nela 'que nenhuma dúvida consistiria
com o menos grau de fé verdadeira; que, quem quer que, em qualquer
tempo, sinta alguma dúvida ou temor, não estava fraco na fé, mas não
tinha fé, afinal: e que ninguém teria alguma fé, até que o Espírito da
vida o tornasse totalmente livro da lei do pecado e da morte".

"Pedindo a Deus que me dirigisse, eu abri meu Testamento em


I Cor. 3:1 etc., onde Paulo fala daqueles a quem ele denomina bebês
em Cristo, que não eram capazes de suportar um alimento mais forte,
em um sentido carnal; a quem, não obstante, ele diz: vocês são a
construção de Deus; vocês são o templo de Deus. Certamente, então,
esses homens tinham algum grau de fé; embora esteja claro que a fé
deles era fraca".

"Depois de passar algumas horas nas Escrituras e oração, eu


me senti muito confortado. Ainda assim, eu senti uma espécie de
sensibilidade em meu coração, de maneira que eu me encontrei
preocupado porque não estava completamente curado. Ó, Deus,
salva-me, e tudo que está fraco na fé, das disputas duvidosas".

Ele agora determinou cumprir um propósito que ele tinha


nutrido na Geórgia, de retirar-se para Hernhut, por um tempo. O
momento pareceu propicio: – sua "mente fraca não suportaria ser
dividida em partes". E ele esperava conversar com aqueles que eram
as testemunhas vivas do completo poder da fé, e ainda que capazes de
testemunhar com o fraco, seriam um meio, pela bênção divina, de
estabelecê-lo na fé e força espiritual. Despedindo-se de sua mãe, em
Salisbury, ele passou por Oxford, onde pregou um sermão sobre a
"Salvação pela Fé", falando com notável clareza e precisão, sobre a
fé, através da qual somos salvos, e sobre a Salvação, que é através da

140
fé; e aproveitando a oportunidade para responder às objeções da
doutrina, especialmente, aquela de que pregar Salvação ou
Justificação pela Fé apenas, é pregar contra a santidade e boas obras.
O sermão foi, mais tarde, impresso, e passou por muitas edições. Ele
se situa, onde tal sermão deveria, no começo de sua própria coleção de
obras publicadas. Ele foi a primeira publicação feita por ele, depois de
sua "conversão".

Em 13 de Junho, em companhia de seu amigo Ingham, ele


partiu, permanecendo três meses na Alemanha, e retornando para a
Inglaterra na noite do sábado, 16 de Setembro.

Ele fez minuciosas observações da aparência da cidade e dos


hábitos e costumes do povo, anotando com cuidado o estado religioso
daqueles com os quais ele conversou, o que o levou a registrar: "E eu
encontrei continuamente aqui com o que eu busquei, a saber, viver as
provas do poder da fé. Pessoas que foram salvas do pecado interior,
assim como exterior, através do amor de Deus espalhado em seus
corações; e de todas as dúvidas e temores, pelo testemunho interior
do Espírito Santo dado a elas".

Ele visitou o Conde Zinzendorf, em Marienborn, e conversou


largamente com ele, e, mais tarde, com os principais oficiais da Igreja
em Herrnhut, cujo lugar ele alcançou em 1º. de Agosto. Ele fornece
com alguma minúcia, os relatórios feitos, pela quase metade do
número de oficiais e membros da igreja, com respeito à história da
vida deles; também um relato da organização da igreja, e dos seus
serviços e práticas religiosas, seu objetivo evidentemente era tornar-se
totalmente familiar com o que distinguisse um povo a quem ele se
sentiu tão profundamente em dívida.

Ele estava muito impressionado com o que ele viu, e declara


que ele alegremente teria passado sua vida em Herrnhut, não tivesse
seu Mestre o chamado para o trabalho em outra parte de Seu vinhedo.
Ele acrescenta: "Eu fui excessivamente confortado e fortalecido pela
conversa com este povo amável; e retornei para a Inglaterra mais

141
completamente determinado a passar minha vida no testemunho do
evangelho da graça de Deus".

Ele também observa que "eles têm uma estima peculiar por
decidir pela sorte, e assim a usam, em público ou privado, para
decidir pontos de importância, 'quando as razões trazidas de cada
lado parecem ser de igual peso. E eles acreditam que este seja, então,
o único caminho de totalmente colocar de lado a vontade própria
deles, de se absolverem de toda a culpa, e claramente saber qual é a
vontade de Deus".

Durante a ausência de Wesley da Inglaterra, seu irmão Charles


foi excessivamente útil, especialmente em conduzir indivíduos ao
Salvador, em visitar prisioneiros e outros, e em pregar.

Para seu irmão Samuel, Wesley escreveu: "Deus tem me dado,


por fim, o desejo em meu coração. Eu sou com a Igreja, cujo modo de
vida está no céu; em quem está a mente que estava em Cristo, e quem
assim caminha, como Ele caminhou. Como eles todos têm um Senhor
e uma fé, então, eles são todos parceiros de um Espírito, o espírito da
mansidão e amor, que uniforme e continuamente anima todo nosso
modo de vida". Ao escrever para Charles, no mesmo dia (7 de Julho),
ele diz: "O Espírito dos irmãos está acima de nossa mais alta
expectativa. Jovem e velho, eles respiram nada, além da fé e amor,
todos os momentos, e em todos os lugares". E ele se regozija de que
ele tenha visto com seus próprios olhos, mais de centenas de
testemunhas da verdade eterna: "que todo aquele que crê tem paz com
Deus, e está livre do pecado, e é, em Cristo, uma nova criatura".

Logo depois, de seu retorno da Alemanha, Wesley parece ter


adotado uma regra de conduta que ele, mais tarde, recomendou
insistentemente aos seus pregadores, nas Doze Regras de um
Ajudador: "Diga a cada um, o que você acha de errado nele, amável e
claramente, e tão logo quanto possível, para que isto não envenene
seu próprio coração". Assim ele previamente escreveu para William
Law, em 14 de Março de 1738, e novamente no dia 30 de Maio; a seu

142
irmão Samuel, em 7 de Julho de 1738; aos Morávios, em Marienborn
e Herrnhut, e para Samuel novamente em 30 de Outubro de 1738.

"Ao Rev.William Law"


14 de Maio de 1738

Reverendo Senhor,

"Em obediência ao que eu penso ser o chamado de Deus, eu,


que tenho a sentença de morte, em minha própria alma, decidi
escrever a você, de quem eu freqüentemente desejei aprender os
primeiros elementos do Evangelho de Cristo".

"Se você é nascido de Deus, você aprovará o objetivo, embora


possa ser, fracamente executado. Se não, eu me angustiarei por você,
não por mim mesmo. Porque, como eu não busco o louvor de homens,
nem me preocupo com o desprezo quer seu ou algum outro".

"Por dois anos (mais especialmente), eu tenho pregado,


segundo o modelo de seus dois tratados práticos; e todos que ouviram
têm admitido que a lei é grande, maravilhosa, e santa. Mas eles não
tentam cumpri-la, o quanto antes; eles a consideram muito acima
para um homem; e que, ao realizarem 'as boas obras da lei, nenhuma
carne poderá ser justificada".

"Para remediar isto, eu os exortei, e me encorajei a orar


sinceramente para a graça de Deus, e usar todos os outros meios de
obter aquela graça, que o sábio Deus designou. Mas, ainda, tanto eles
quanto eu, estamos mais e mais convencidos de que esta é a lei pela
qual um homem não pode viver; a lei em nossos membros,
continuamente guerreando contra ela, e nos trazendo em uma
escravidão mais profunda à lei do pecado".

"Sob este jugo pesado, eu teria gemido até a morte, não tivesse
um homem santo, a quem Deus ultimamente me direcionou, devido ao
meu lamento, respondido imediatamente: 'Creia, e tu serás salvo.

143
Creia no Senhor Jesus Cristo, com todo teu coração, e nada será
impossível a ti. Esta fé, na verdade, assim como a salvação que ela
traz, é dom livre de Deus. Mas busca e tu encontrarás. Desnuda de
tuas obras, e de tua própria retidão, e fuja para ele. Porque quem
quer que venha até Ele, de modo algum, será lançado fora'".

"Agora, senhor, permita-me perguntar, como você responderá


ao nosso Senhor, em comum, que você nunca me deu este conselho?
Você nunca leu os Atos dos Apóstolos, ou a resposta de Paulo àquele
que disse: 'o que devo fazer para ser salvo?'. Ou você é mais sábio do
que ele? Por que eu dificilmente ouvi você dizer o nome de Cristo?
Nunca, de maneira a fundamentar alguma coisa, junto 'a fé em Seu
sangue?'. Quem é este que está colocando um outro alicerce? Se você
diz que você aconselhou outras coisas, como preparatórias para isto;
o que é isto, a não ser colocar um alicerce embaixo do alicerce?
Cristo, então, não é o primeiro, assim como o último? Se você diz que
os aconselhou porque você sabia que eu já tinha fé, verdadeiramente,
você sabia nada de mim; você não discerniu meu espírito, afinal".

"Eu sei que eu não tenho fé, exceto a fé de um diabo, a fé de


Judas, aquela especulativa, imaginária, sombra etérea, que vive na
cabeça, não no coração. Mas o que é isto para a fé viva, justificadora
no sangue de Jesus? A fé que nos limpa de todo o pecado; que nos
permite livre acesso ao Pai; para 'nos regozijarmos na esperança da
glória de Deus'; ter 'o amor de Deus espalhado em nossos corações
pelo Espírito Santo', que habita em nós, e 'o próprio Espírito
testemunhando com nosso espírito, que somos filhos de Deus?".

"Eu imploro a você, senhor, pelas misericórdias de Deus, para


considerar profunda e imparcialmente, se a verdadeira razão de você
nunca pressionar isto em mim, não foi o fato de você nunca tê-la tido
em si mesmo? Quer aquele homem de Deus não estivesse certo, quem
deu este relato da última entrevista que ele teve com você? –'Eu
comecei falando a ele da fé em Cristo: ele ficou em silêncio. Então,
começou a falar de assuntos místicos. Eu falei a ele da fé em Cristo
novamente: ele ficou em silêncio. Então, ele começou a falar de

144
assuntos místicos novamente. Eu vi seu estado imediatamente'. E um
muito perigoso, em seus julgamentos, quem eu sei ter o Espírito de
Deus".

"Uma vez mais, senhor, permita-me pedir que você considere,


se sua extrema aspereza, e melancolia, e comportamento amargo,
pelo menos, em muitas ocasiões, pode possivelmente ser o fruto de
uma fé viva em Cristo: Se não, possa o Deus da paz e amor,
preencher o que ainda está faltando em você!".

[Wesley havia estudado zelosamente A Lei da Perfeição


Cristã, e o Sério Chamado. Ele diz: "Eu fiz objeções em quase todas
as páginas; mas elas me convenceram mais do que nunca a excessiva
altura, largura, e profundidade da lei de Deus". Por doze anos, Law
tinha sido um dos seus principais mentores].

É impossível confirmar os termos desta carta a alguém de


quem ele tinha recebido grandes benefícios; nem pode ser encontrada
suficiente desculpa, no fato de que ela foi escrita duas semanas antes
que ele obtivesse a paz do Evangelho, e, quando seu espírito estava
em um estado muito agitado; mais do que isto, embora, como ele
afirme, "então, o pecado teve domínio sobre mim", não obstante ele
lutasse com ele continuamente. Ele parece naquele momento ter
esquecido o que era devido a um cavalheiro, a uma pessoa mais velha,
e a um benfeitor. Isto foi requerido, através da autoridade com que
Law falou sobre essas questões?

Law respondeu, na mesma extensão, e com moderação, mas


não sem uma veemente, embora delicada severidade. A isto, Wesley
fomentou uma resposta no dia seguinte, encerrando com essas
palavras: "Mas como você está atribuindo a mim, não ter esta fé? Se
você insinua, que você discerniu meu espírito, então você está
atribuindo assim: 1. Você não me disse claramente que eu a tinha ou
não. 2. Você nunca me aconselhou a buscar ou orar por ela. 3. Seu
conselho para mim foi apenas apropriado para tal que já tivesse fé;
conselhos que me conduziam para mais longe dela, quanto mais eu

145
aderia a eles. 4. Você me recomendou livros, que não tinham
inclinação a esta fé, mas condutiva a destruir as boas obras".

"No entanto, 'que a falta seja dividida', você diz, 'entre mim e
Kempis'. Não; se eu entendi Kempis erroneamente, era seu dever,
quem discerniu meu espírito, e viu meu erro, ter explicado a ele, ter
me corrigido".

"Eu peço perdão, senhor, se eu disse alguma coisa


inconsistente, com as obrigações que eu devo a você, e o respeito que
eu devo a seu caráter".

Não é necessário seguir a correspondência mais além. Law a


termina com as palavras: "Se foi minha tarefa colocar esta questão a
você, e se você tem o direito de me culpar por negligenciá-la, não
seria mais razoável que você acusasse aqueles que têm
autoritariamente responsabilizado você? A igreja, na qual você é
educado colocou esta questão para você? O bispo que o ordenou, o
diácono, ou sacerdote fizeram isto por você? O bispo que o enviou
como missionário na Geórgia, requereu isto de você? Peço-lhe,
senhor, esteja em paz comigo".

Mas, como Canon Overton muito habilmente observa: "não é


uma tarefa agradável, nem proveitosa contrapor as disputas entre
dois bons cristãos. É muito mais prazeroso registrar que a conduta
posterior de Wesley foi totalmente característica da nobre e generosa
natureza do homem. Embora a divergência entre ele e seu último
mentor aumentasse em vez de diminuir com os anos, ainda assim, ele
constantemente se referiu a Law em seus sermões, e sempre em
termos da mais calorosa admiração e respeito".

Ao seu irmão Samuel, ele escreveu, de Marienborn, em uma


das cartas encaminhadas:-

"Eu fiquei muito preocupado, quando meu irmão Charles,


incidentemente mencionou uma passagem que ocorreu em Tiverton:

146
'Quando me ofereci para ler', disse ele, 'um capítulo do Sério
Chamado, minha irmã disse: 'Para quem você está lendo isto? Não
para essas jovens senhoritas, eu presumo; e seu irmão e eu não
precisamos disto''. Sim, minha irmã, eu devo dizer-lhe, no espírito do
amor, e diante de Deus, que sonda o coração, você precisa disto; você
precisa muito disto. Eu não conheço uma alma que necessite ler, e
considerar profundamente, tanto o capítulo do Amor Universal, e
aquela da Intercessão. O caráter de Sussurrus, lá, é o seu. Eu seria
falso para com Deus e você, se eu não lhe falasse assim. Ó, que isto
não demore muito; mas posso você amar seu próximo, como você
mesma, na palavra e língua, e na ação e verdade!".

E, novamente, de Londres, em 30 de Outubro de 1738:

"Que você sempre receberá delicadamente o que é assim


pretendido, eu não duvido. Entretanto, eu novamente recomendo o
caráter de Sussurrus, a você e minha irmã, como (quer real ou
fictício), golpeando na raiz de uma falta, da qual, ela e você foram, eu
penso, mais culpadas, do que outras duas pessoas que eu tenho
conhecido em minha vida. Ó, possa Deus livrar você e eu de toda
amargura e maledicência, assim como, de toda falsa doutrina,
heresia, e cisma!...".

"Ó, irmão, possa Deus permitir que você desista da disputa


concernente às coisas que você não conhece (se, de fato, você não as
conhece), e peça a Deus para completar o que ainda está faltando em
você. Por que você também não buscaria 'aquela paz de Deus que
ultrapassa todo entendimento', até que você receba? Quem o
impediria, não obstante as múltiplas tentações, de regozijar-se, 'com
alegria inexprimível, em razão da glória?'. Amém! Senhor Jesus!
Possa você e todos que estão perto de você (se você ainda não tem),
sentir esse amor, espalhado em seu coração, pelo Espírito daquele
que habita em você; e ser selado com o Espírito Santo da promessa,
que é a garantia de sua herança. Eu sou...".

"Seu irmão mais afetuoso"

147
Essas foram palavras severas para aplicar ao seu irmão mais
velho, um honrado clérigo da Igreja da Inglaterra. Que Wesley julgou
ser seu dever escrever assim, deve ser admitido; e no que diz respeito
a ele, dever era lei absoluta. Não parece que ele escreveu, pela mera
mania de censurar. Ele escreveu, na delicada e sensível fidelidade de
seu espírito. Ele estava disposto a escrever na mesma tendência da
Igreja em Hernhut, como aprendemos do fragmento seguinte de uma
carta que não foi enviada.

Ele diz: "Pode-se observar que eu vi anteriormente algumas


coisas dos Morávios, que eu não poderia aprovar. Nesta viagem, eu vi
um pouco mais, no meio de muitas coisas excelentes; em
conseqüência do que, em Setembro de 1738, logo depois de meu
retorno para a Inglaterra, eu comecei a seguinte carta para a Igreja
Moravia. Mas temeroso de confiar em meu próprio julgamento, eu
determinei esperar um pouco mais, e então a deixei inacabada":

"Meus queridos irmãos"

"Eu não posso deixar de me regozijar com sua fé


imperturbável, por seu amor a nosso abençoado Redentor, o fato de
estarem mortos para o mundo, sua mansidão, temperança, decência, e
amor um ao outro. Eu grandemente aprovo, de suas Conferências e
Bands, seus métodos de instruir as crianças; e, em geral, seu grande
cuidado com as almas entregues à responsabilidade de vocês".

"Mas, quanto a algumas outras coisas, eu permaneço em


dúvida, o que eu mencionarei no amor e humildade. E espero que,
com o objetivo de remover essas dúvidas, você possa, em cada um
desses tópicos, primeiro, responder claramente, se o fato é como eu
suponho; e se for assim, em segundo lugar, considerar se ele está
correto".

"O Conde é tudo em tudo, entre vocês? Vocês não glorificam


em demasia a sua própria Igreja? Vocês não usam de fraude e

148
dissimulação, em muitos casos? Vocês não têm um temperamento e
comportamento, fechado, obscuro, reservado?".

A severidade do tom adotado nestas cartas prende a atenção.


Deve ser atribuído ao fervor de seu zelo, o que o levou, além dos
limites da prudência? Ou ele escreveu na esperança de que ele
pudesse, por meio disto, mais efetivamente chamar a atenção para um
assunto importuno?

Mas ele é mais profundamente espantoso na questão de sua


experiência religiosa pessoal. Ele declarou que ele não era um cristão,
até o incidente da Rua Aldersgate. Seu irmão Samuel, escrevendo ao
Sr. Hutton, diz: "O que Jack quis dizer, com ele não ser um cristão,
até o mês passado, eu não entendo. Ele nunca esteve em aliança com
Deus? Então, como o Sr. Hutton observou, o batismo dele significou
nada. Ele não teria cometido apostasia com isto? Eu me atrevo a
dizer que não:e ainda assim, ele deveria tanto não ser batizado,
quanto ser um apóstata para tornar suas palavras verdadeiras.
Talvez, ele se sentisse em um estado de pecado mortal, sem
arrependimento, e há muito vivera em tal conduta. Isto eu não creio;
no entanto, ele deve responder a si mesmo... Além disto, uma conduta
pecadora não é uma anulação da aliança; por esta mesma razão,
porque é uma brecha dela. Se não fosse, não seria quebrada".

Mas, se Wesley está aquém de seu próprio ideal, ele está muito
acima do de seu irmão Samuel. A concepção de um cristão tal como
ele deseja ser – tal como ele é – está muito adiante do que a carta
descreve como "estando na aliança do batismo". Esses dois irmãos
não eram representantes de dois ideais da vida cristã, amplamente
distintos? Eles não se situaram em lados diferentes de uma linha que
hoje divide a Igreja cristã?

John responde a Samuel nos seguintes termos:

"Com respeito ao meu próprio caráter, e minha própria


doutrina igualmente, eu respondo a você muito claramente. Por

149
cristão, eu quero dizer alguém que assim acredita em Cristo, de
maneira que o pecado não tenha mais domínio sobre ele: neste
sentido óbvio da palavra, eu não fui um cristão, até 24 de Maio
próximo passado. Porque, até então, o pecado tinha domínio sobre
mim, embora eu lutasse com ele, continuamente; mas certamente,
então, desde aquele tempo até agora, não; -- tal é a graça livre de
Deus em Cristo. Quais eram os pecados que, até então, reinaram
sobre mim, e do qual, pela graça de Deus, eu estou agora livre, eu
estou pronto a declarar publicamente, se for para a glória de Deus".

"Se você perguntar, por quais meios eu me tornei livre


(embora não perfeito, nem infalivelmente certo de minha
perseverança), eu respondo: Pela fé em Cristo; por tal tipo ou grau
de fé que eu não tive até aquele dia. Meu desejo desta fé eu conhecia
muito antes, embora não tão claramente até domingo, dia 8 de
Janeiro último".

"Alguma medida desta fé que traz a salvação, ou vitória sobre


o pecado, e que implica paz e confiança em Deus, através de Cristo,
eu agora desfruto pela sua livre misericórdia; embora em muito do
que faço, ela está em mim, como um grão de semente de mostarda:
porque a completa persuasão da fé – o selo do Espírito, o amor a
Deus espalhado em meu coração, e produzindo alegria no Espírito
Santo; 'alegria que o homem não tira, alegria inexprimível e cheia de
glória'; este testemunho do Espírito eu não tenho, mas pacientemente
espero por ele. Eu conheço muitos que já o receberam; mais do que
um ou dois, na mesma hora em que estavam orando por ele. E tendo
visto e falado com uma nuvem de testemunha no exterior, assim como
em meu próprio país, e não posso duvidar, que os crentes que
esperam e oram por ele encontrarão essas escrituras cumpridas em si
mesmos. Minha esperança é que elas sejam cumpridas em mim":

"Eu confio em Cristo; em suas misericórdias descritas em Sua


palavra, e em Suas promessas, todas que eu sei são sim, e amém.
Esses que não receberam ainda a alegria no Espírito Santo, o amor
de Deus, e a completa persuasão da fé (alguém ou todos eles é um

150
cristão perfeito?) Certamente um cristão verdadeiro pode dizer: 'Não
que eu já tenha obtido, ou que eu já tenha me tornado perfeito?".

Mas este não é o limite da dificuldade. Em 4 de Janeiro, do ano


seguinte (1739), ele escreveu: obviamente, referindo a si mesmo:
"alguém que tinha a forma da santidade muitos anos, escreveu as
seguintes reflexões":

"Meus amigos afirmam que eu estou louco, porque eu disse


que eu não era um cristão há um ano. Eu afirmo que eu não sou um
cristão agora. Na verdade, o que eu deveria ter sido eu não sei,
tivesse eu sido fiel à graça, então, dada, quando, esperando nada
menos, recebi tal senso do perdão de meus pecados, como, até então,
eu nunca soube. Mas que eu não sou um cristão, até hoje, eu estou tão
seguro de saber, quanto Jesus é o Cristo".

"Porque um cristão é alguém que tem os frutos do Espírito de


Cristo, que (para mencionar não mais) são o amor, paz e alegria.
Mas esses eu não tenho. Eu não tenho amor algum a Deus. Eu não
amo o Pai, ou o Filho. Você pergunta, como eu sei, se eu amo a Deus,
ou não, eu respondo, através de uma outra questão: 'Como você sabe
se você me ama?'. Ora, da mesma forma que você sabe, quando você
está quente ou frio! Você sente neste momento, se você me ama ou
não. E eu sinto neste momento, que eu não amo a Deus; e que,
portanto, eu sei, porque eu sinto isto".

"E sei isto também, através da regra clara de João: 'Se algum
homem ama o mundo, o amor do Pai não está nele'. Porque eu amo o
mundo. Eu desejo as coisas do mundo; e tenho feito isto toda minha
vida. Eu sempre coloquei alguma parte de minha felicidade, em uma
ou outra das coisas que são vistas; especialmente, na carne e bebida
[!], e na companhia daqueles os quais eu amei. Por muitos anos, eu
busquei a felicidade e ainda busco, no amar e ser amado, por um ou
outro. E nisto, eu tenho, de tempos em tempos, tido mais prazer do
que tenho em Deus".

151
"Novamente: alegria no Espírito Santo eu não tenho. Eu tenho,
de vez em quando, alguns ímpetos de alegria em Deus. Mas não é
aquela alegria. Porque ela não está no meu interior. Nem ela é maior
do que eu tenho em algumas ocasiões mundanas. De forma que eu
posso, de maneira alguma, dizer que me 'regozijarei sempre mais';
muito menos, 'regozijar-me com alegria inexprimível e cheia de
glória".

"Ainda novamente: eu não tenho 'a paz de Deus'; aquela paz,


peculiarmente assim chamada. A paz que eu tenho pode ser
considerada sobre princípios naturais. Eu tenho saúde, força, amigos,
uma fortuna suficiente e um temperamento calmo e agradável. Quem
não teria uma espécie de paz nestas circunstâncias: Mas eu tenho
nada que possa, com alguma propriedade, ser chamada de 'a paz que
ultrapassa todo entendimento".

"Assim sendo, eu concluo, embora eu tenha dado, e dou, todos


os meus bens para alimentar o pobre, eu não sou um cristão. Embora
eu tenha suportado privação; embora eu tenha em todas as coisas
negado a mim mesmo, e tomado minha cruz, eu não sou um cristão.
Minhas obras são nada; meus sofrimentos são nada; eu não tenho os
frutos do Espírito de Cristo. Embora eu tenha constantemente usado
de todos os meios da graça por vinte anos, eu não sou um cristão".

Tyerman está satisfeito em dizer que "isto é extremamente


intrincado", e deixa seu leitor "formar sua própria opinião", como fez
Southey e os primeiros biógrafos, a não ser que eles omitem
completamente alguma referência ao assunto. Mas tudo isto deve ser
lido, sob a luz da carta endereçada a seu irmão Samuel, no qual ele
afirma que ele não era um cristão, até 24 de Maio, porque o pecado
tinha domínio sobre ele; mas que, através de "tal grau débil de fé",
como ele teve naquele dia, o domínio do pecado foi quebrado, e ele,
então, tornou-se um cristão – um cristão, é verdade, em "um sentido
imperfeito". Mas nesta carta de Janeiro de 1739, ele tinha em vista
outra condição, o obter o que ele julga ser necessário com o objetivo
de ser um cristão. Esta é "a completa persuasão da fé"; uma condição

152
que ele define como a mais extrema maturidade cristã. Esta ele não
tinha obtido. Ainda assim, ele não poderia duvidar de que ele tinha
"alguma medida da fé". Ao dizer que ele "não tinha amor algum a
Deus", ele não estaria se desviando, por olhar para os fortes
sentimentos emocionais, que são tão variáveis, sob condições
diversas? Uma voz competente declara que "aquele que mantém sua
palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus tem sido
aperfeiçoado".

Wesley não deve ser culpado por se submeter ao teste mais


severo possível. Mas seria um erro grave ensinar que alguém não é
cristo, até que ele estivesse completamente desenvolvido".

Para um outro, ele escreve: "Depois de um longo sono, parece


haver agora um grande despertar neste lugar também. O Espírito do
Senhor já tem estremecido os ossos secos, e alguns deles estão de pé e
vivos. Mas eu ainda estou morto e gelado; tendo paz, de fato, mas
nenhum amor ou alegria no Espírito Santo".

Para outro: "Verdadeiramente o Espírito do Senhor tem


levantado seu estandarte contra a iniqüidade, que se espalhou em
nossa terra. Ó, orem vocês por nós, para que Ele envie mais
trabalhadores para Sua colheita! E que ele capacite a nós que ele já
enviou, para nos aprovar fiéis ministros da Nova Aliança, pela honra
e desonra, pelo mal e bom relato. Em especial, que todos os irmãos e
irmãs que estão com você, orem para que Deus aqueça, com Seu
amor, o coração frio, querido senhor"

"Seu muito afetuoso irmão em Cristo".

Uma vez mais: "Não pense, meu querido irmão, que eu me


esqueci de você. Eu não posso me esquecer, porque eu amo você:
embora eu não possa amar alguém ainda, como eu deveria, porque eu
não amo nosso abençoado Senhor, como eu deveria. Meu coração
está frio e insensível. Ele é, na verdade, um coração de pedra. Ore
por mim, e permita que toda sua casa ore por mim, sim, e todos os

153
irmãos também, de maneira que nosso Deus possa me dar um coração
ferido, um coração amoroso, um coração em que Seu Espírito possa
sentir prazer em habitar... Acima de tudo, eu quero que você ore, em
consideração por seu pobre e fraco irmão".

Verdadeiramente, ele caminhou no vale da humildade!

Quanto mais cuidadosa, clara, e justificadamente, Wesley,


mais tarde, escreveu e falou sobre esses assuntos, seus sermões
impressos mostram abundantemente. Dr. Rigg, um cuidadoso
estudante de Wesley e de suas obras diz: "As flutuações nas próprias
visões e experiência de Wesley, durante os primeiros meses de sua
conversão, mostram que suas idéias com respeito à natureza do
testemunho do Espírito, e o caráter e extensão da regeneração,
estavam, como era de se esperar, não totalmente definidas, ou
totalmente estabelecidas, até algum tempo depois". E acrescenta: "Ao
fazerem a maioria da preparação de coração antecedente de Wesley,
convertidos, que, até agora, estão necessariamente em falta na
experiência das dificuldades, perplexidades, e tentações espirituais, e
cujas expectativas naturais, mas injustificadas da alegria e
tranqüilidade estabelecidas, têm sido arduamente desapontadas, é
possível diminuir as proporções e obscurecer as relações da grande
mudança primordial no caráter espiritual de Wesley".

Wesley tem sido muito atacado, por seus críticos, por sua
credulidade nos assuntos relativos às feitiçarias, e aparições de ação de
bons e maus espíritos, e outros assuntos relativos. Issac Taylor diz: "A
mais proeminente enfermidade de Wesley foi sua credulidade
espantosa; desde o começo, até o fim de seu curso, esta fraqueza o
governou. Poucas foram as instâncias em que ele exercitou a devida
discriminação, no ouvir os contos envolvendo o que era miraculoso,
ou fora da ordem da natureza. É mortificante, de fato, contemplar
uma instância como esta, da mente poderosa se dobrando como uma
vara ao vento, diante de toda brisa do sobrenatural". A acusação não
é negada. O próprio Wesley é explicito no assunto. Ele escreveu:
"Com meus últimos respiros, eu testemunharei contra apresentar aos

154
infiéis uma grande prova do mundo invisível; eu quero dizer, daquela
feitiçaria e aparições, confirmadas pelo testemunho dos tempos".

Mas existe um comportamento deste assunto nas


características mentais de Wesley que tem escapado de observação.
Credulidade e incredulidade são correntes que não raramente correm
lado a lado, uma prontidão para crer, acompanhada de uma
dificuldade em crer. O homem de fé fraca nas coisas invisíveis – das
quais apenas a fé toma conhecimento – freqüentemente agarra-se a
algum fato exterior ou visível, para sustentá-lo em sua oscilação. Em
quão grande proporção é o caso hoje, tanto dentro da Igreja, quanto
além de suas fronteiras! Como muitas pessoas não podem
tranqüilamente confiar nos verdadeiros alicerces da fé.
Conseqüentemente, eles são incrédulos. Eles não estão relutantes, mas
incapazes de crer. Eles, portanto, desejam confirmação do que é
visível ou tangível; de onde brota a credulidade. Agora, não obstante
a forte fé de Wesley, ele não estava pouco preocupado, com os
questionamentos do descrente. Esses dois estados de mente,
aparentemente conflitantes, se não, contraditórios, são óbvios nele.
Porque, enquanto o encontramos, lutando pela crença no invisível e
espiritual, e habitualmente vivendo, sob a influência do que ele
mesmo crê; ainda assim, evidências não são necessárias de que ele
tinha grande dificuldade em mantê-la. Em um notável sermão, sobre O
Caso da Razão Considerada, enquanto mostra a inabilidade da razão
de produzir a fé, ele diz: "Muitos anos atrás, eu me certifiquei da
verdade disto, através de uma triste experiência. Depois de
cuidadosamente empilhar os mais fortes argumentos que eu pude
encontrar, tanto nos autores modernos, quando antigos, com respeito
à própria existência de um Deus (o que está proximamente ligado a
isto), e a existência de um mundo invisível, eu tenho perambulado,
para cima e para baixo, meditando comigo mesmo: 'O que, se todas
essas coisas que eu vejo ao meu redor, esta terra e céu, esta estrutura
universal, têm existido desde a eternidade? O que, se a geração de
homens está exatamente paralela com a geração das folhas? Se a
terra deixa cair seus sucessivos habitantes, assim como as árvores
deixam cair suas folhas? O que, se aquelas palavras de um grande

155
homem forem realmente verdade: 'Morte é nada; e nada existe depois
da morte?'".

"Como posso estar certo de que este não é o caso; e que eu


não tenho seguido astuciosamente fábulas inventadas? E eu adotei o
pensamento, até que não houvesse espírito em mim, e eu estava
pronto a escolher estrangulação, preferivelmente à vida".

Essas palavras, enquanto fornece um insight mais além dentro


dos hábitos mentais de Wesley, mostra também com que trabalho ele
se empenhou, para criar, ou manter, a apreensão viva das coisas
invisíveis. Ele foi, pela natureza, um racional; e a faculdade tinha sido
alimentada pelo treino. Mas ele não poderia demonstrar a existência
de Deus, ou um mundo espiritual, ou uma imortalidade. Das coisas
vistas ou demonstráveis, a fé não é evidência. Portanto, sua prontidão
para buscar por tais provas visíveis e tangíveis como ele julgou,
seriam encontradas nos eventos sobrenaturais. Sob a luz desta
confissão, estamos mais bem capacitados a entender as palavras em
uma carta notável de 27 de Julho de 1766, a seu irmão Charles: "Eu
não tenho evidência direta (eu não digo que eu seja um filho de Deus,
mas) de alguma coisa invisível ou eterna".

É observável que, desde este tempo (1738), toda referência ao


seu estado religioso desapareceu de seu Diário. Mas Cânon Overton
não está completamente certo no dizer que "doravante, durante toda a
sua longe vida, dificilmente uma sombra de dúvida cruzou seu
caminho; nuvens e trevas eram constantemente varridas para fora de
sua vida, mas havia um perpétuo e desanuavido brilho interior do
sol".

Wesley endereçou a seguinte carta interessante à Igreja


Morávia:

"A Igreja de Deus que se localiza em Herrnhut, John Wesley,


um imerecido Presbítero da Igreja de Deus na Inglaterra, deseja toda
graça e paz em nosso Senhor Jesus Cristo".

156
"14 de Outubro de 1738".

"Glória seja dada a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo,


por Seu inexplicável dom! Por me fazer testemunha ocular de sua fé, e
amor, e conversão santa em Jesus Cristo! Eu tenho testemunhado
disto, com toda clareza de discurso, em muitas partes da Alemanha, e
graças seja dada a Deus, pelo muito em seu favor".

"Estamos nos empenhando aqui também, pela graça que nos é


dada, para sermos seus seguidores, como você é de Cristo. Quatorze
foram acrescidos a nós, desde nosso retorno, de maneira que temos
agora oito grupos (Bands) de homens, consistindo de cinqüenta e seis
pessoas; todos que buscam por salvação apenas no sangue de Cristo.
Como ainda temos apenas dois pequenos grupos de mulheres; um
com três, e outro com cinco pessoas. Mas aqui existem muitos outros
que apenas esperam até que tenhamos tempo livre para instruí-los,
como eles podem mais efetivamente edificaram um ao outro, na fé e
amor Dele, que deu a Si mesmo por eles".

"Embora meu irmão e eu não sejamos permitidos pregar, na


maioria das Igrejas em Londres, ainda assim (graças seja dada a
Deus), existem outras restantes, em que temos liberdade de falar a
verdade como ela está em Jesus. Igualmente, toda as noites, em noites
estabelecidas durante a semana, em dois lugares diferentes,
publicamos a palavra da reconciliação para vinte ou trinta; algumas
vezes, trezentas ou quatrocentas pessoas, reunidas para ouvi-la.
Começamos e terminamos todos os nossos encontros, com louvor e
oração; e sabemos que nosso Senhor ouve nossa oração; porque por
mais de uma ou duas vezes (e isto não foi feito em uma situação
difícil), recebemos resposta na mesma hora".

"Nem Ele deixou a Si mesmo, sem outro testemunho de Sua


graça e verdade. Dez ministros, eu sei agora em Londres, colocaram
o alicerce correto: 'O sangue de Cristo que nos limpa de todos os
pecados'. Além disto, eu encontrei um Anabatista, e um, se não dois,

157
dos professores em meio aos Presbiterianos aqui, os quais, eu espero,
amam o Senhor Jesus Cristo, na sinceridade, e ensinam o caminho de
Deus na verdade".

"Ó, não pare, você que é altamente favorecido, de implorar a


nosso Senhor, que Ele possa estar conosco para a mesma finalidade;
remover o que é desagradável em Seus olhos; apoiar aquele que é
fraco em nosso meio; nos fornecer toda a mente que havia Nele, e nos
ensinar a caminhar, até mesmo, como Ele caminhou! E possa o
próprio Deus da paz preencher o está faltando em sua fé, e edificá-lo,
mais e mais, em toda humildade de mente, e em toda clareza de
discurso, e em todo zelo e vigilância; para que Ele possa apresentar
você, a Si mesmo, como uma igreja gloriosa, sem mácula, ou ruga, ou
alguma dessas coisas, mas que você possa estar santo e sem culpa no
dia da vinda Dele".

Ele agora escreveu palavras alegres para vários amigos, com


respeito à obra que estava sendo feita, mas algumas depreciativas,
concernentes a si mesmo. Ao Sr. Ingham, em Herrnhut: "Ó, meu
querido irmão, Deus tem sido maravilhosamente gracioso comigo,
desde nosso retorno a Inglaterra. Existem muitos adversários, mas
uma grande e efetiva porta está aberta; e continuamos, através do
mau e bom relato, a pregar o Evangelho de Cristo, a todas as
pessoas, e, sinceramente, contender pela fé, uma vez entregue aos
santos. Na verdade, Ele nos tem fornecido muitos de nossos
opositores mais ferozes,que agora recebem com humildade a palavra
imprimida...".

"Sr. Stonehouse, por fim, determinou conhecer nada mais a


não ser Jesus, e Ele crucificado; e pregar a todos, a remissão dos
pecados, através da fé em Seu sangue. O Sr. Sparkes também é um
professor da sã doutrina. O Sr. Hutchins é forte na fé e convence
poderosamente contraditores, de maneira que nenhum homem, até
agora, foi capaz de contestá-lo. Sr. Kinchin, Gainbold, e Wells não
receberam ainda conforto, mas estão pacientemente esperando por
ele. O Sr. Robson, que é agora também um ministro de Cristo, está

158
cheio de fé e paz e amor. Assim está o Sr. Combes, um pequeno filho
que foi chamado para ministro em coisas santas, duas ou três
semanas atrás. De fato, eu confio que o Senhor nos deixará ver, e isto
brevemente, uma multidão de sacerdotes que crêem".

Ao Conde Zinzendorf, ele escreve: "A Palavra do Senhor


novamente corre e é glorificada; e Sua obra segue em frente e
prospera. Grandes multidões estão em todo canto despertas e
clamam: 'O que devemos fazer para sermos salvos?'. Muitos deles
vêem que existe apenas um único nome, debaixo do céu, por meio do
qual, eles podem ser salvos; e mais e mais daqueles que a buscam,
encontram salvação em Seu nome, e são de um só coração e uma só
alma".

"A viagem de Wesley, de volta para casa em 1735", diz um dos


mais hábeis críticos da vida e obra de Wesley, "marca a conclusão de
seu período de Igreja Anglicana. Ele em nada diminuiu, de sua
dedicação às ordenanças da Igreja, quer naquela época, ou nos
últimos dias de sua vida, e ele não alcançou logo de início aquele
grau de independência da hierarquia dela, e algumas de suas regras
que marcam seus pontos de divergência mais distantes; mas seu
Diário, durante esta viagem registra aquele profundo
descontentamento, que é sentido, sempre que uma natureza sincera
desperta para a imperfeição de uma religião tradicional; e sua vida
posterior, comparada com seus dois anos na Geórgia, torna evidente
que ele passou por uma nova região espiritual. Seus [primeiros]
Diários são marcados por uma depressão, com a qual nunca nos
encontramos novamente".

"Em 1739, Whitefield, escrevendo para as sociedades, a qual


Woodward tinha ansiosamente defendido, da responsabilidade de
alguma tendência de separar-se da Igreja, solicitou a eles, que nem
fossem confinados pela Liturgia dela, nem submissos às suas regras.
Esta não foi a linguagem de Wesley; foi a linguagem que ele teria
condenado. Mas a lealdade à Igreja não era mais a primeira
condição de membresia em alguma sociedade, com a qual ele

159
estivesse em concordância. O aniversário de um cristão já era
deslocado de seu batismo para sua conversão, e nesta mudança a
linha dividida de dois grandes sistemas é transposta". Essas últimas
são palavras importantes, e mostram o claro discernimento do escritor.

Wesley, como vimos, retornou para Londres da Alemanha, na


tarde do sábado, 16 de Setembro, e no dia seguinte, ele diz: "Eu
comecei a declarar, em meu próprio país, as boas novas da salvação,
pregando três vezes, e, mais tarde, expondo as Escrituras Santas para
uma larga companhia em Minories". "No domingo", ele diz, "eu me
regozijei de me encontrar com nossa pequena sociedade que, agora,
consistia de trinta e duas pessoas" (a sociedade que foi formada em
1º. de Maio, e que se encontrava em Fetter Lane). "No dia seguinte, eu
fui até os réus condenados, em Newgate, e ofereci a eles a livre
salvação. À tarde, eu fui para a sociedade em Bear Yard, e preguei o
arrependimento e remissão dos pecados. Na tarde seguinte, eu falei a
verdade no amor, na sociedade na rua Aldersgate. Alguns
contradisseram, a princípio; mas não por muito tempo, de maneira
que nada, a não ser o amor apareceu em nossa despedida".

"Na quinta-feira, dia 21, eu fui para a sociedade em Gutter


Lane; mas eu não pude declarar as obras poderosas de Deus lá, como
eu fiz mais tarde, em Savoy, com toda simplicidade. E a Palavra não
retornou vazia. Encontrei abundância de pessoas grandemente
exasperada pela grosseira distorção das palavras que eu falei, e eu
fui até muitas delas em privativo, a medida que meu tempo permitia.
Deus me deu muito amor em direção a todas. Algumas foram
convencidas de que estavam enganadas. E quem sabe, a não ser Deus,
logo o restante retornará e deixará uma bênção atrás dele? No
sábado, eu fui capaz de falar fortes palavras em Newgate, e na
sociedade do Sr. E.; e no dia seguinte na Igreja de St. Anne, e duas
vezes na de St. John, em Clerkenwell; de maneira que eu temo eles
não me suportarão mais tempo". Ele teve muitas experiências
similares, como quando no domingo, 8 de Outubro, ele pregou na
Capela de Savoy, sobre a parábola: "ou história, antes, do fariseu e
publicano, eu suponho pela última vez".

160
Nesta forma, ele continuou a trabalhar, pregando "o novo
caminho", com muito fervor e freqüência, em tais igrejas que
estivessem abertas a ele, nas visitas, e no expor nas várias sociedades,
onde ele era bem-vindo. Em Novembro, ele fez uma visita a Oxford,
onde ele começou mais estritamente a inquirir qual é a doutrina da
Igreja da Inglaterra, concernente a muitos pontos de controvérsia
sobre a Justificação pela Fé. A somatória do que ele encontrou, ele
publicou no início do ano seguinte, para o uso de outros. Isto ele
seguiu um pouco mais tarde, através de um segundo volume sobre o
mesmo assunto. Ele reviveu a leitura das orações em Bocardo – o
tribunal sobre o portão norte, usado como uma prisão; também em
duas das casas de correção da cidade, onde ele pregou duas vezes na
semana; e em ambos os dias em Castle; e expôs na Sociedade do Sr.
Fox. Ouvindo que o Sr. Whitefield havia regressado da Geórgia, ele se
apressou para Londres para encontrá-lo, onde "Deus nos permitiu uma
vez mais tomar doces conselhos juntos". Ele pregou em Antholin, em
Islington, e em St. Swithin, "pela última vez". No domingo, 5 de
Novembro, ele pregou em St. Botolph, em Bishopsgate; à tarde, em
Islington, e à noite, ele diz: "para tal congregação, como eu nunca vi
antes, na Igreja de St. Clement, em the Strand. Como foi a minha
primeira pregação aqui, eu suponho deva ser a última". De tais
congregações lotadas, onde quer que pregasse, os atendentes comuns
nas igrejas queixavam-se. Isto foi uma causa do fechamento das portas
contra ele. Uma outra se deve à estranheza da mensagem que ele
trazia.

Em 24 de Dezembro, ele pregou na Igreja de Great St.


Bartholomew, de manhã, e em Islington, à tarde, onde ele diz: "Nós
tivemos um abençoado Sacramento, todos os dias desta semana, e
formos confortados de todos os lados". No domingo seguinte, 31 de
Dezembro, ele pregou para muitos milhares na Igreja de St. George,
em Spitalfields, e para uma congregação ainda mais lotada em
Whitechapel, à tarde. Assim terminou este ano memorável.

161
CAPÍTULO VI

Os Alicerces do Metodismo (1738-1740)

O novo ano foi prenunciado por um serviço extraordinário


acontecido na noite de Primeiro de Ano, de 1739. Os senhores, Hall,
Kinchin, Ingham, Whitefield, Hutchins, e os dois irmãos Wesleys
estavam presentes na festa do amor, em Fetter Lane, com cerca de
sessenta outros, o número da Sociedade Fetter, naquele tempo. 'Por
volta de três da manhã', Wesley disse: "Enquanto estávamos em
oração contínua, o poder de Deus veio poderosamente sobre nós, de

162
tal maneira, que muitos gritaram por excessiva alegria, e muitos
caíram ao chão. Tão logo nos recuperamos um pouco daquele temor e
espanto à presença de Sua Majestade, nós irrompemos a uma só voz:
'Nós louvamos a Ti, ó Deus, nós reconhecemos que Tu és o Senhor'".

Whitefield, escrevendo neste dia, diz que ele recebeu o


Sacramento Santo, pregou duas vezes, e expôs duas vezes, e
considerou este o mais feliz Primeiro de Ano que ele havia visto; e
mais tarde, acrescentou que ele passou toda a noite em oração íntima,
salmos, e ação de graças, com a Sociedade Fetter Lane. Nem este foi o
único dia de varar a noite de serviço que eles tiveram, porque, em 5 de
janeiro, ele escreve novamente: "Aconteceu uma Conferência em
Islington, 'concernente a muitas coisas de importância, com sete
ministros de Jesus Cristo, Metodistas desprezados, aos quais Deus,
em sua providência reuniu. Nós continuamos em jejum e oração, até
as três horas, e, então, partimos com a completa convicção de que
Deus estava preste a fazer grandes coisas em nosso meio'; e
novamente, em no dia 7, domingo, pregou duas vezes, expôs para três
Sociedades, e, mais tarde, passou a noite toda em oração e ação de
graças em Fetter Lane"

Assim, começa um ano de suprema importância na historia do


grande avivamento espiritual naquelas ilhas, como os incidentes a
serem registrados mostrarão. Wesley continuou a mesma rotina de
trabalho sincero que ele tinha buscado, desde seu retorno para a
Inglaterra. Ele visitou Oxford, Dummer, e Reading, e em Londres,
encontrou trabalho integral em meio a muitas sociedades, onde ele foi
continuamente solicitado a expor. De todas as igrejas, não obstante,
ele estava excluído, com exceção a de Basingshaw, Islington, St.
Giles, and St. Katherine; de maneira que nos primeiros meses do ano,
antes de sua ida a Bristol, ele não pregou mais do que meia dúzia de
sermões nas igrejas.

O caráter da obra de Wesley, naquele tempo, pode ser reunido


do seguinte extrato de uma carta escrita por ele a Whitefiedl:--

163
26 de Fevereiro de 1739.

Meu querido irmão:

"A mão de nosso Senhor não tem sido de pouco alcance em


nosso meio. Ontem eu preguei na Igreja de St. Katherine, e em
Islington, onde a igreja estava quase tão quente quanto algumas das
salas da sociedade costumam ser. Os campos, depois do serviço,
estavam brancos com pessoas louvando a Deus. Por volta de
trezentas estiveram presentes na casa do sr. S--; de onde eu fui para a
casa do sr. Bray, então, para Fetter Lane, e, às nove horas, para a
casa do sr. B--; onde também nós apenas faltou espaço. Hoje, eu
expus em Minories, às quatro horas; na casa da sra. W--, às seis
horas, e para uma grande companhia de pecadores pobres, em Gravel
Lane (no portão do Bispo), às oito horas. A sociedade na casa do sr.
Cronch não se encontraria até as oito horas, de maneira que eu
expus, antes de ir até ele, perto da Quadra de St. James; onde uma
jovem havia sido recentemente preenchida com o Espírito Santo, e
transbordara com alegria e amor".

"Na quarta-feira, às seis horas, tivemos um nobre grupo de


senhoras, não adornadas com ouro e vestuário caro, mas com um
espírito humilde e tranqüilo, e boas obras. Em Savoy, na quinta-feira
à noite, tivemos usualmente duzentas ou trezentas pessoas, a maioria
delas, pelo menos, completamente acordada. A moradia do sr. A —
estava mais do que preenchida, na sexta-feira, assim como a sala do
sr. P--, duas vezes mais; onde eu penso, eu tenho tido comumente
mais poder dado a mim, do que em qualquer outro lugar. Uma
semana ou duas atrás, uma noticia me foi dada lá, até onde posso me
lembrar, nestas palavras: 'Suas orações são desejadas por uma
criança enferma que é lunática, e está cheia de feridas, dia e noite,
para que nosso Senhor o curasse, como Ele fez com aqueles, nos dias
de Sua carne; e que, com isto, ele daria aos seus pais, fé e
perseverança, até o tempo de sua vinda'.

164
'No sábado, à noite, uma senhora de meia-idade, bem vestida,
em Beech-Lane (onde eu exponho usualmente para quinhentas ou
seiscentas pessoas, antes de eu ir para a sociedade da casa do sr. E--,
foi acometida, como pareceu a diversos ao redor dela, com pouco
menos do que as agonias da morte. Orações foram feitas, e, depois de
cinco dias de procura diligente, ela foi preenchida com amor e
alegria, o que declarou abertamente, na manhã seguinte; de maneira
que ação de graças foram feitas a Deus, por muitos, por iniciativa
dela. Deve-se observar, que seus amigos a consideravam louca, por
esses três anos; e, assim sendo, a expulsaram, atacaram com palavras
rudes, e sabe-se lá o que mais. Venham e louvemos ao Senhor, e
glorifiquemos Seu nome, juntos'.

Durante as primeiras poucas semanas do ano, Whitefield havia


pregado por volta de trinta sermões em diferentes igrejas, dentro e nos
arredores de Londres. No início de Fevereiro, ele foi para Bath e
Bristol; mas em sua volta, encontrou todas as igrejas fechadas contra
ele. Em poucos dias, no entanto, ele foi beneficiado com o uso da
Igreja de St. Werburgh e de St. Mary Redcliff. Mas o Chanceler de
Bristol interferiu, e ameaçou que se ele continuasse a pregar ou expor
na diocese, sem licença, ele primeiro o suspenderia, e, então, o
expulsaria. Esta foi a gota d'água. Whtefield não era submisso à ordem
da Igreja, como seu companheiro Wesley, que, em tais circunstâncias,
teria hesitado desobedecer tão direta proibição. Suprimir totalmente
Whitefield, com tais medidas, era impossível; e, conseqüentemente,
sendo expulso das Igrejas de Bristol, ele foi e pregou em campo aberto
para duzentos mineiros de carvão, em Kingswood. Este foi o mais
corajoso passo, já tomado por algum dos Metodistas; e, talvez,
ninguém mais, a não ser o impulsivo, enorme, e sincero Whitefield
teria sonhado, com tal chocante separação da regra e uso da Igreja. O
passo decisivo foi dado. Um clérigo havia se atrevido a ser tão
irregular, de maneira a pregar nos campos, e Deus havia sancionado a
irregularidade, fazendo disto uma oportunidade de muita bênção. Este
foi um incidente tão interessante, conduzindo a tão grandes
conseqüências na missão do heróico pequeno grupo de evangelistas

165
cristãos, que a minuta seguinte, relatada do Diário de Whitefield, não
seria inserida inadequadamente. Ele diz:

Domingo, 21 de Janeiro – Eu preguei duas vezes, com grande


liberdade em meu coração e clareza em minha voz, para duas
congregações apertadas, especialmente à tarde, quando, como eu fui
informado, perto de mil pessoas permaneceram no pátio da Igreja, e
duzentas mais retornaram para casa, porque não puderam entrar.
Isto me levou primeiro a pensar numa pregação sem portas. Eu
mencionei isto para alguns amigos, que viram isto como uma idéia
maluca. No entanto, nós nos ajoelhamos e oramos para que nada
pudesse ser feito estouvadamente.

Sexta-feira, 16 de Fevereiro – Tendo há muito sentido uma


sincera aspiração, com respeito aos pobres mineiros de carvão, que
eram muito numerosos, e, ainda assim, como ovelhas sem pastor, eu
fui a um monte e falei para tantos quantos vieram me ouvir; acima de
duzentos. [Aqui ele irrompe em um júbilo santo], "Abençoado seja
Deus, que o gelo está quebrado, e eu tenho agora tomado o campo.
Alguns podem me censurar. Mas é flautear, não porque os Púlpitos
são negados, mas porque os pobres mineiros de carvão estão prestes
a perecer por falta de conhecimento".

Quarta-feira, 21 de Fevereiro – [Todas as portas de Igreja


estão agora fechadas contra ele, e se abertas, não são capazes de
conter metade dos que vêm para ouvir; às três da tarde, ele foi para
Kingswood, em meio aos mineiros de carvão. Foi um dia maravilhoso,
e perto de duas mil pessoas estavam reunidas. Ele diz]: "Eu preguei e
expliquei João 3:3, por aproximadamente uma hora, e espero, para o
conforto e edificação daqueles que me ouviram". [Ele prossegue]:

Sexta-feira, 23 de Fevereiro – Depois do jantar, eu me senti


muito doente, então, fui obrigado a ficar na cama; mas às três horas,
eu fui, conforme o compromisso, e preguei para perto de quatro a
cinco mil pessoas, de um monte em Kingswood, com grande
liberdade. O sol brilhou muito, e as pessoas de pé, de tal maneira

166
tremenda, ao redor do monte, no mais profundo silêncio,
preencheram-me com uma santa admiração.

Domingo, 25 de Fevereiro – Quando eu me levantei de


manhã, eu pensei que seria capaz de 'fazer coisa nenhuma, mas a
divina força foi grandemente glorificada em minha fraqueza. Por
volta das seis da manhã, eu preguei, cantei, e exortei meus visitantes
matinais, como eu fiz no último dia do Senhor. Às oito horas, eu li as
orações, e preguei para a mesma congregação aglomerada, em
Newgate; de onde cavalguei para Bustleton Brislington; um vilarejo,
mais ou menos duas milhas de Bristol, onde havia tal numerosa
congregação, que, depois que eu li as orações na Igreja, eu achei
melhor sair e pregar no pátio. As pessoas estavam excessivamente
atentas, e, mais tarde, com a permissão do ministro, que me visitou lá,
nós tivemos um Sacramento; e, eu espero, foi uma comunhão de
santos, de fato. Às quatro horas, eu me apressei para Kingswood.
Num cálculo razoável, havia acima de dez mil pessoas. As ruas e
esquinas estavam cheias; tudo era silêncio, quando eu comecei; o sol
brilhava forte, e Deus capacitou-me para pregar por uma hora, com
grande poder, e tão alto, que todos (me disseram) puderam ouvir-me.
Abençoado seja Deus, o sr. Brain falou corretamente. O fogo está
aceso na cidade. Possam os portões do inferno nunca ser capazes de
prevalecerem contra ele!

Em uma data anterior, ele calculou sua congregação, não


menos do que vinte mil, e anota: "Observar tais multidões de pé ao
nosso redor em tal silêncio tremendo, e ouvir o eco de sua canção, é
muito solene e surpreendente. Meu discurso continuou, por perto de
uma hora e meia".

Na Revista Gentleman's, de 1739, ele é descrito: "O sr.


Whitefield tem sido maravilhosamente laborioso e bem sucedido,
especialmente em meio aos pobres prisioneiros de Newgate, Bristol, e
em meio aos rudes mineiros de carvão de Kingswood. No sábado, dia
18, ele pregou no Monte Hannam [Hanham], para cinco ou seis mil
pessoas, e à noite, removeu-se para Common, meia milha distante,

167
onde três montes e planícies ao redor estavam lotados com tão grande
quantidade de carruagens, homens a pé e a cavalo, que eles cobriram
três acres, e foram calculadas vinte mil pessoas".

Durante o mês de Fevereiro, Wesley teve três entrevistas


separadas com bispos da Igreja Estabelecida. No dia 6, ele foi com
Whitefield até o Bispo de Gloucester, para solicitar uma subscrição
para a Geórgia. No dia 21, ele e seu irmão Charles visitaram Potter, o
Arcebispo de Canterbury, que lhes mostrou grande afeição; falou
brandamente de Whitefield, advertiu-os para que não causassem mais
ofensa do que necessária; para que omitissem frases contestáveis; e
mantivessem as doutrinas da Igreja. Eles lhe disseram que esperavam
perseguição; mas seriam fiéis à Igreja, até que seus artigos e homilias
fossem revogados. De Potter, eles prosseguiram direto para Gibson,
Bispo de Londres, que negou que os tivesse condenado, ou mesmo,
ouvido muito a respeito deles. O Diário de Whitefield, ele disse, foi
manchado com fanatismo, embora o próprio Whitefield fosse m jovem
devoto, e bem-intencionado. Ele os advertiu contra o
Antinomianismo, e despediu-se deles com cordialidade.

Por volta deste tempo (Março de 1739), um certo capitão


Williams fez uma declaração diante do Prefeito de Bristol,
escandalosamente afetando a conduta de Wesley, quando na Geórgia,
especialmente, em referência ao seu tratamento à sra. Williamson
(Srta. Hopkey), e as circunstâncias ligadas com sua partida da colônia.
Isto foi publicado, para o subseqüente e grande detrimento da recém
formada sociedade.

Este grosseiro panfleto não mereceria atenção, não fosse pelo


fato de que foi a ocasião de Wesley dar ao mundo uma das mais
interessantes e instrutivas autobiografias, alguma vez, publicada. No
prefácio ao seu Diário, ele diz: "Eu não tenho o objetivo ou desejo de
perturbar o mundo com algum dos meus pequenos romances; como
não pode deixar de ser aparente a toda mente imparcial, por eu ter
sido por tanto tempo, 'como alguém que não ouve'; não obstante os
altos e freqüentes chamados que eu tenho tido que responder por mim

168
mesmo. Nem eu teria feito isto agora, não tivesse o panfleto do
capitão William, sido publicado, tão logo ele deixou a Inglaterra, me
colocando na obrigação de fazer o que me cabe, em obediência ao
mandamento de Deus: 'Que não se fale mal, do bem que existe em
você'. Com esta visão, eu, por fim, 'darei uma resposta a cada homem
que me perguntar a razão da esperança que está em mim', de que, em
todas as coisas, 'eu tenho uma consciência nula de ofensa, em direção
a Deus, e em direção aos homens!"'. Este primeiro extrato de seu
Diário particular compreende o período de seu embarque para a
Geórgia, e seu retorno para Londres, e foi publicado em 1739.

'O caráter real dos homens que tinham começado este


processo judicial, logo apareceu. Causton foi processado por desvio
de dinheiro público, e Williamson fugiu clandestinamente da colônia,
para evitar as conseqüências de ofensas mais graves'.

Dois anos mais tarde, para checar os efeitos danosos do


panfleto, Wesley reimprimiu tanto de seu Diário, quando relacionado
a este romance. Felizmente, Wesley foi levado a continuar a
publicação dos extratos de seu Diário até o fim de sua vida.
--------

[O caso Sophia Hopkey]

John Wesley prosseguiu, em suas próprias dificuldades, com a


amizade de Sophia Hopkey. Eles haviam se encontrado durante os
longos quatro meses de ida para a Geórgia. Enquanto viajando no
navio, Wesley foi empregado pela mãe de Sophia, para ensinar
Francês a ela. Uma afeição surgiu, fora do relacionamento, dominando
Wesley. Depois de aportar em Savannah, o afeto de um para com o
outro continuou. Sophia estava confiante de que as intenções de
Wesley eram honradas e a conduziriam ao casamento. Wesley buscou
o conselho de seu amigo de confiança, Bispo Spangenberg, dos
Morávios, e foi aconselhado a evitar contado com admiradores do
sexo feminino. Wesley acatou o aviso, e sem qualquer explicação a

169
Sophia, ele parou abruptamente de buscar por ela. Para piorar ainda
mais a situação, Sophia era sobrinha de Causton.

Em 12 de março de 1737, Sophia Hopkey casou-se com


William Williamson, um balconista na loja de seu tio. Os dois foram
embora para a Carolina do Sul, e se casaram em Sprysburg, que ficava
vinte milhas acima do rio, fora das admoestações de Wesley. A
colônia de Savannah era pequena em tamanho e de mente estreita. Os
mexeriqueiros locais despedaçaram a reputação de John Wesley.
Acreditou-se que John Wesley havia assegurado uma promessa de
Sophia, de nunca se casar com outro, mas que ele não a tinha pedido
em casamento. John Wesley deve ter se sentido completamente
desapontado ao perder admiradora tão ardente. Depois do casamento,
ele pareceu inconsolável, já que ele sempre admitiu seu mais extremo
amor por ela. As preocupações de Wesley aumentaram, em 07 de
Agosto de 1737, quando ele se recusou a dar a Sophia Williamson o
Sacramento da Comunhão Santa na igreja.

No dia seguinte, um mandado de prisão foi emitido contra


Wesley por Williamson e sua esposa, Sophia. A queixa era por
difamar Sophia, recusando-se a administrar a ela o Sacramento na
Ceia do Senhor, em uma congregação pública, sem um motivo devido.
Williamson moveu ação judicial por mil libras esterlinas, pelos danos
por difamação do caráter de sua esposa. Wesley foi trazido diante do
magistrado principal e o juiz municipal, mas ele não tinha
conhecimento do poder de uma corte civil sobre ele, porque esse era
um assunto de caráter eclesiástico. Ele foi requerido retornar para a
corte seguinte que aconteceu em Savannah. Causton respondeu às
circunstâncias confusas com uma reação de mexerico. Ele começou a
declarar que a razão de Wesley ter repelido sua sobrinha foi vingança,
porque ela havia declinado de seu pedido de casamento. A Sra. Sophia
Williamson assinou um depoimento juramentado que Wesley havia
proposto, inúmeras vezes, e que ela sempre o recusara. Causton
tornou-se impaciente e requereu um ultimato com a espada. Wesley
recusou-se a lutar com Causton, em vez disso, escreveu uma carta para
a Sra. Williamson explicando seus motivos.

170
A carta que Wesley escreveu, como explicação, forneceu
detalhe das razões, porque ele sentiu necessário recusar a comunhão
dela; situando que os participantes da Comunhão Santa deveriam
indicar seus nomes para o pároco auxiliar, pelo menos, um dia antes, e
que a Sra. Williamson não tinha feito isto. Wesley também a
aconselhou que, para oferecer-se à mesa do Senhor, aquele que tivesse
feito alguma coisa errada, deveria abertamente declarar estar
verdadeiramente arrependido. Foi nesse tempo, que Wesley pôde, com
uma consciência clara, administrar a Comunhão Santa para a Sra.
Williamson. Um outro ponto a ser tomado em consideração, foi que,
desde seu casamento, em Março, ela não tinha atendido a igreja, e esse
incidente aconteceu em Agosto. Em 22 de Agosto, o julgamento de
John Wesley começou diante de um júri formado e assegurado por
Causton. Esta não foi a primeira vez que Causton assegurou um júri,
outros cidadãos queixavam-se de que ele poderia, até mesmo, ordenar
um júri para requerer um certo tipo de veredicto. O júri consistiu de
um francês, que não entendia Inglês; de um Papista; um Infiel; três
Batistas e dezessete Dissidentes. O julgamento terminou com um
julgamento incorreto. Doze dos jurados recusaram-se a assinar a conta
de acusação; e suas razões eram que as contas eram falsas ou
conflitantes com a lei. Wesley apareceu na corte diversos dias, em
Setembro, mas sem qualquer proveito, já que o Sr. Williamson estava
sempre convenientemente fora da cidade.

No encerramento do incidente, Wesley nunca foi capaz de


recuperar suas boas relações com as pessoas boas de Savannah. Elas
começaram a olhar para Wesley como um Católico Romano, por
causa de sua resistência para com os Dissidentes, e sua recusa em
administrar-lhes a Comunhão. Estando associado com o Catolicismo
Romano era contra a permissão dos Fiduciários. Muito pouco dos
colonos atendeu a igreja, regularmente, nesse tempo. Em 03 de
Novembro de 1737, Wesley apareceu na corte novamente. Agora o Sr.
Causton provou ser um oponente formidável, e pareceu sábio para
Wesley fazer preparações para deixar a colônia. Estava claro para ele

171
que havia, realmente, uma balbúrdia da oposição construída contra ele
nessa colônia.

Os Fiduciários enviaram William Stephens, como


representante, para desanuviar as afirmações, que cercaram esse caso
sórdido. O Sr. Stephens conferiu com ambas as partes, e concluiu que
a cidade estava dividida na controvérsia. Wesley continuou a pregar
sobre tais assuntos, em como regular as paixões de uns, e o perdão
mútuo. O Sr. Stephens ficou impressionado com o ardor e sinceridade
da pregação de Wesley. Em 24 de Novembro, Wesley notificou
publicamente suas intenções de retornar para a Inglaterra. Isto foi dois
dias antes que o Sr. Williamson publicasse um aviso que ele tinha uma
causa de mil libras contra Wesley. O aviso estabelecia que qualquer
um que tentasse ajudar Wesley na partida seria processado da mesma
forma.

Em 26 de Janeiro, Wesley parte de Frederica: "Depois de ter


dados socos no ar, nesse lugar infeliz, por vinte dias, em 26 de
Janeiro, eu pedi minha licença final de Frederica. Não foi por alguma
apreensão do meu próprio perigo, embora minha vida tenha sido
ameaçada, muitas vezes, mas por um desespero absoluto de querer
fazer o bem, que me fez lamentar a possibilidade de não vê-la mais".
-------------------

No tocante a publicação deste Diário, o seguinte extrato de


uma recente parte dele pode apropriadamente encontrar lugar aqui. Ela
é datada de 3 de Dezembro de 1738. O Diário foi publicado tanto no
encerramento deste ano, ou (provavelmente) no início do ano
seguinte. Wesley diz: "Eu recebi uma carta, sinceramente desejando
que eu publique meu relato da Geórgia; e uma outra igualmente
sincera, dissuadindo-me disto, 'porque traria muita perturbação sobre
mim'. Eu consultei a Deus, em Sua Palavra, e recebi duas respostas; a
primeira em (Ezequiel 33:26) [De acordo com o dever, a obrigação
de uma atalaia é advertir as pessoas, o profeta é advertido de sua
obrigação]. 'Vós vos estribais sobre a vossa espada; cometeis
abominações, e cada um contamina a mulher do seu próximo! E

172
haveis de possuir a terra?". A outra: II Timóteo 2:3 "Tu, portanto,
sofre comigo como bom soldado de Cristo Jesus".

Tyerman cede a seguinte carta interessante de Wesley a seu


amigo Whitefield. Ela é datada de 16 de Março de 1739, e fornece
uma compreensão da ocupação de Wesley naquele tempo:

16 de Março de 1739

Meu querido irmão,

Na terça-feira, dia 8 do corrente, nós tomamos o desjejum na


casa do sr. Score, Oxford, que está pacientemente esperando pela
salvação da parte de Deus. De lá, fomos até o sra. Campton, que tem
um coração de pedra, e reconhece que ela não deve estar
envergonhada. Depois de passarmos algum tempo em oração, o sr.
Washington veio com o sr. Gibb, e leu diversas passagens do livro do
Bispo Patrick, Parábola do Peregrino, para provar que nós
estávamos todos, sob ilusão, e que seriamos justificados pela fé e
obras. Charles Metcalf opôs-se a ele diretamente, e declarou a
simples verdade do evangelho. Quando eles se foram, nós novamente
imploramos que nosso Senhor mantivesse Sua própria causa.
Encontrando-nos com o sr. Gibbs, logo depois, e ele estava quase
persuadido a buscar salvação apenas no sangue de Jesus. Entretanto,
o sr. Washington e Watson, estavam indo a todas as partes e
confirmando a descrença.

Às quatro horas, nós os encontramos (sem pretendermos), e


nos opusemos a eles novamente Das cinco às seis horas, nos
estávamos confirmando os irmãos. Às seis horas, eu expus na casa da
sra. Ford; como eu pretendia fazer na casa da sra Compton, às sete.
Mas o sr. Washington foi até lá, antes de mim, e havia começado a ler
o Bispo Ball, contra o Testemunho do Espírito. Ele me disse que foi
autorizado pelo ministro da paróquia a assim proceder. Eu aconselhei
a todos que valorizavam suas almas a irem embora; e, percebendo
que este seria o mal menor dos dois; e, para que aqueles que

173
permanecessem não fossem pervertidos, eu entrei diretamente em
controvérsia, tocando tanto na causa, quanto nos frutos da
justificação.

No meio da disputa, a esposa de James Mear começou a sentir


dores. Eu orei com ela um pouco, quando o sr. Washington foi
embora; e, então, (tendo confortado o restante, como eu estava
capacitado), descemos até Sister Thomas. No caminho, as dores da
sra. Mears aumentaram, de tal forma, que ela não pode evitar gritar
na rua. Com muita dificuldade, a levamos para a casa da sra. Shrieve
(onde também o sr. Washington tinha estado antes de nós). Nós
fizemos nosso pedido conhecido a Deus, e Ele nos ouviu e enviou um
livramento para ela na mesma hora. Houve grande poder, em nosso
meio, e seu marido também foi colocado em liberdade. Logo depois,
eu senti tal desânimo golpear minha alma (e assim, a sra. Compton, e
diversos outros), que eu não me lembro de ter alguma vez me
encontrado assim antes.Eu acreditei que o inimigo estava perto de
nós. Nós imediatamente clamamos por nosso Senhor para incitar Seu
poder e vir e nos ajudar. Naquele momento, a sr. Shrieve caiu em uma
estranha agonia; e todo seu corpo tremia excessivamente. Nós
oramos, e dentro de uma hora a tempestade cessou. Ela agora
desfruta de uma doce calma, tendo remissão dos pecados, e sabendo
que seu Redentor vive.

Em meu retorno à casa do sra, Fox, eu encontrei nosso


querido irmão Kin-chin justamente vindo de Dummer. Nós nos
regozijamos, e demos graças, e oramos, e tomamos doces conselhos
juntos; e o resultado disto foi que, em vez de partir de Londres (como
eu designara) na sexta-feira de manhã, eu partiria para Dummer, não
havendo pessoa alguma para suprir aquela igreja no domingo. Na
sexta-feira, portanto, eu parti, e vim, à noite para Reading, onde eu
encontrei um jovem, Cennick, de nome, forte na fé de nosso Senhor
Jesus. Ele começou uma Sociedade lá a semana anterior, mas o
ministro da paróquia tinha agora quase a aniquilou. Diversos
membros dela passaram a tarde conosco, e agradou a Deus fortalecê-
los e confortá-los.

174
Na manhã nosso irmão Cennick cavalgou comigo, quem eu me
certifiquei disposto a sofrer; sim, a morrer, por seu Senhor. Nós
viemos para Dummer, à tarde. A srta. Molly [a irmã de Charles
Kinchin's, que era inválida] estava muito fraca na cama, mas forte no
Senhor e no poder de Sua força. Certamente, a luz dela não seria
assim oculta, sob o alqueire. Ele tinha o perdão, mas não o
testemunho do Espírito (talvez, pela convicção de nosso querido
irmão Hutchings, que pareceu acreditar que eles são inseparáveis).

No domingo de manhã, nós tivemos uma larga e atenta


congregação. À noite, a sala em Basingstoke estava cheia e minha
boca estava aberta. Nós esperávamos muita oposição, mas
encontramos nenhuma afinal.

Na segunda-feira, a sra. Cleminger, com dor e medo, nós


oramos e nosso Senhor trouxe-paz. Por volta do meio-dia, passamos
uma hora ou duas em conferência e oração com a srta. Molly; e,
então, partimos em uma gloriosa tempestade, mas, até mesmo eu, tive
calma nela. Nós tínhamos designado a pequena Sociedade em
Reading para nos encontrar à tarde; mas o inimigo estava muito
vigilante. Quase tão logo saímos da cidade, o ministro mandou aviso,
ou foi a cada um dos membros, e, tendo discutido e ameaçado,
confundiram-nos extremamente, de modo que eles todos se
dispersaram amplamente. A própria irmã do sr. Cennick não se
atreveu a nos ver, mas saiu de propósito para nos evitar. Eu confio,
no entanto, que nosso Deus irá reuni-los novamente, e que os portões
do inferno não prevalecerão contra eles.

Por volta da uma da tarde, na terça-feira, eu vim para Oxford


novamente, e da casa do sr. Fox (onde tudo estava em paz), eu fui
para a casa da sra. Compton. Eu me certifiquei que o ministro da
paróquia tinha estado antes de mim, a quem ela declarou francamente
a coisa como ela era – 'que ela nunca teve uma fé verdadeira em
Cristo, até as duas horas da tarde da terça-feira precedente'. Depois
de alguns outros avisos e expressões severas, 'ele disse a ela que ele
deveria repeli-la da Comunhão Santa'. Certificando-se de que ela não

175
estava convencida de seu erro, até mesmo por aquele argumento, ele
a deixou calmamente regozijando-se em Deus, seu Salvador.

Às seis da tarde, fomos para a Sociedade do sr. Fox; por volta


das sete horas, para a casa da sra. Compton: o poder de nosso
Senhor estava presente em ambas, e todos os nossos corações
estavam unidos em amor.

No dia seguinte, tivemos a oportunidade de confirmar a


maioria, se não todas, das almas que tinham sido estremecidas. À
tarde, eu preguei no Castelo. E, mais tarde, me reuni em oração,
tendo agora Charles Graves acrescentado a nós, enraizado e
alicerçado na fé. Nós, então, fomos para a sala do sr. Gibb, onde
estava o sr. Washington e Watson. Aqui uma hora se passou em
conferência e oração, mas sem qualquer disputa. Às quatro da
manhã, eu deixei Oxford. Deus, de fato, plantou e regou. Ó, possa Ele
fornecer o crescimento. –

Eu sou,

J.Wesley

----------

[John Cennick]

Quando nos tempos de Wesley foi necessária a supervisão do


crescente número de novas Sociedades, ele começou a apontar pessoas
para dividir a responsabilidade pelo trabalho em várias locações. Um
desses primeiros foi John Cennick que tinha sido convertido em 1737,
sob a influência de um Metodista (John Kinchin), em Oxford. Cennick
tinha mostrado habilidades de liderança, na Sociedade, em Reading.
No verão de 1739, John pediu a ele que fosse para Bristol preencher
sua ausência. A intenção de Wesley era que Cennick comandasse as
pessoas nas orações, nos estudos bíblicos e exortações ocasionais (mas

176
não que pregasse, como era reservado aos clérigos). Quando foi
questionado a ir para Bristol, e liderar as Sociedades lá, o jovem ficou
muito excitado. Cennick tinha aspirações de se tornar um professor, e
ele tinha ouvido de George Whitefield que havia planos de construir
uma escola em Kingswood.

A maior preocupação que John e Charles Wesley tinham a


respeito de Cennick era se ele poderia se refrear de ensinar a doutrina
Calvinista que se opunha aos ensinos de Wesley da redenção
universal. "Por algum tempo ele se conteve", até Dezembro de 1740.
Por aproximadamente um mês, Wesley foi chamado a estar em
Londres. Retornando a Bristol, em meados de Fevereiro, ele começou
a investigar as divisões e ofensas, as quais foram causando rachaduras,
nas Sociedades de lá. John Cennick e Thomas Bissicks tinham
afirmado, na ausência de Wesley, que ele estava pregando uma falsa
doutrina e dando assistência ao papa. Cennick, em uma carta para
Whitefield, disse que o efeito das pregações de Wesley colocava-o, ao
lado de Satã, fazendo guerra contra os santos.

Wesley podou a Sociedade e publicou acusação formal contra


o grupo opositor. "Diversos membros do grupo da Sociedade, em
Kingswood, tinham feito disso uma prática comum para ridicularizar
as pregações do Sr. John e Charles Wesley. Eles falaram mal deles,
pelas costas, da mesma maneira que professavam amor e estima, na
presença dos mesmos". Wesley, então, elucidou que eles não estavam
sendo escolhidos por suas opiniões, mas por ridicularizarem a Palavra
e os ministros de Deus, dizendo falsidades, calúnias, mentiras,
difamando e dissimulando. Com Cennick, no palanque, ao seu lado,
Wesley leu essas palavras à Sociedade: "Eu John Wesley, pelo
consenso do grupo da Sociedade, em Kingswood, declaro que essas
pessoas mencionadas não mais são membros, daqui por diante".

Depois de ter sido expulso da Sociedade de Kingswood, John


Cennick escreveu em seu Diário "Eu fiquei um pouco surpreso,
embora eu tenha mostrado pouco disso, para as almas, apenas eles me
viram chorar, quando eu fui embora". Wesley exigiu lealdade, mas sua

177
afeição por Cennick, rapidamente, o impediu. "Ele implorou a
Cennick para lutar em orações, esperando que ele pudesse reconhecer
suas falhas e ser readmitido. Cennick estava certo de que as ofensas
dele, aos olhos de Wesley, eram por ele acreditar na predestinação.
Wesley opôs-se dizendo que ele não tinha sido expulso por causa de
suas opiniões". Em 8 de Março, Cennick e cinqüenta e um outros
membros retiraram-se da Sociedade de Kingswood, e noventa deles
permaneceram com Wesley. Embora os dois homens mantivessem a
amizade, duas Sociedades rivais ergueram-se em Kingswood.

Em 22 de Março de 1739, Whitefield escreveu para Wesley,


implorando a ele, da maneira mais incisiva, a vir para Bristol, sem
demora. Disto, "Wesley" recuou, principalmente, sob a influência das
Escrituras, que, de acordo com seu método de consultá-las nas
emergências, mostrou-se a ele. A viagem foi proposta para a
Sociedade em Fetter Lane. Charles opôs-se, até que, apelando
igualmente para a Palavra, ele recebeu a mensagem: "Como falado
para si mesmo, 'Filho do homem, eis que dum golpe tirarei de ti o
desejo dos teus olhos; todavia não te lamentarás, nem chorarás, nem
te correrão as lágrimas'" (Ezequiel 24:16). A questão foi entregue à
Sociedade, mas eles, incapazes de chegarem a um acordo,
concordaram decidi-la pela sorte; pelo que, foi determinado que ele
deveria ir. Mais tarde, diversos, pedindo que pudessem "abrir a
Bíblia", concernente ao resultado desta, eles o fizeram nas seguintes
passagens, "que", diz Wesley, "eu deverei registrar, sem qualquer
reflexão sobre elas". (II Samuel 3:1) "Ora, houve uma longa guerra
entre a casa de Saul e a casa de Davi; porém Davi se fortalecia cada
vez mais, enquanto a casa de Saul cada vez mais se enfraquecia". (II
Samuel 4:11) "Quanto mais quando homens cruéis mataram um
homem justo em sua casa, sobre a sua cama, não requererei eu o seu
sangue de vossas mãos, e não vos exterminarei da terra?" (II
Crônicas 28:27) "E Acaz dormiu com seus pais, e o sepultaram na
cidade, até mesmo, em Jerusalém".

178
Não é fácil ver que instrução poderia ganhar deste apelo
aleatório à Sagrada Palavra; ou que impressão tais passagens como as
acima fariam na mente dos inquiridores, outra do que uma triste e
sombria. Sua relevância não está em alguma maneira indicada na
história subseqüente.

Wesley deixou Londres. Na quinta-feira, 29 de Março, expôs


para uma pequena companhia, à noite, em Basingstoke, e alcançou
Bristol, no sábado de tarde. Whitefield escreve:

Sábado, 31 de Março – "Eu fiquei muito reanimado ao ver


meu honrado amigo, sr. John Wesley, a quem eu desejei estar mais
perto, e a que eu agora tive o prazer de apresentar aos meus amigos;
ele nunca antes esteve em Bristol". No domingo, Whitefield pregou
em campo aberto, e Wesley observou: "Dificilmente poderia
reconciliar-me, a principio, com esta estranha idéia de eu pregar nos
campos, tendo minha vida, até muito recentemente, tão obstinada em
cada ponto, relativo à decência e ordem, que eu teria pensado que a
salvação das almas seria quase um pecado, não fosse feita em uma
igreja".

À tarde, no entanto, ele expôs o Sermão da Montanha, de


nosso Senhor, para uma pequena sociedade que encontrou uma ou
duas vezes na semana, em Nicholas Street. Ele considerou esta
questão "de pregação no campo", um "precedente muito notável". E
no dia seguinte, segunda-feira, dia 2 de Abril, às quatro horas da tarde,
ele "se submeteu a ser mais vil, e proclamou nas estradas, as boas
novas da salvação, para aproximadamente três mil pessoas". Seu
texto nesta mais interessante ocasião foi: "O Espírito do Senhor está
sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos
pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e
restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos,
no aceitável ano do Senhor" (Lucas 4:18).

Isto deve ser lembrado, como um passo, supremamente


significativo, em sua carreira de evangelista, e no progresso daquele

179
avivamento espiritual que foi destinado a mudar a inteira moral e
aspecto religioso daquelas ilhas, alterar a condição da vida da Igreja, e
inaugurar a era do entusiasmo religioso, da benevolência, e da
atividade cristã, que encontrou sua mais sublime exemplificação na
vitalidade re-despertada das Igrejas desta terra, no estabelecimento e
expansão das Igrejas, no recente mundo transatlântico em formação, e
naquele afloramento do zelo pelas missões estrangeiras que
distinguiram o último século.

Esta abertura de um novo caminho foi seguida por uma


atividade imediata e muito difundida, na pregação do evangelho, e por
alguns muitos extraordinários fenômenos na conduta de muitos
daqueles que ouviram.

À tarde, depois da pregação no campo, Wesley expôs os Atos


dos Apóstolos para uma sociedade reunida em Baldwin Street; e, no
dia seguinte, o Evangelho de João na Capela de Newgate, onde ele
também leu o serviço matinal da Igreja. No dia seguinte, em Baptist
Mills, ele "ofereceu a graça de Deus, para aproximadamente cento e
quinze pessoas". À tarde daquele dia, três mulheres concordaram em
se encontrar, para confessarem suas faltas, umas às outras, e orarem
umas pelas outras, para que fossem curadas; e quatro jovens também,
para o mesmo propósito. Esses encontros eram uma imitação dos
encontros na Sociedade Fetter Lane de Peter Bohler [Morávio].

É interessante notar quão intimamente esta sociedade


completamente independente foi modelada, de acordo com as regras
de Bohler, desde o começo e encontrando-se às quartas-feiras. Este foi
o início de uma instituição que, mais tarde, tornou-se de um de grande
valor no relacionamento e expansão da vida espiritual em meio dos
Metodistas. Ele pergunta: "Como algum homem se atreve a negar que
esta seja, quanto à sua essência, um meio da graça, ordenada por
Deus? Exceto se ele afirmar com Lutero, na fúria de seu
solifidianismo [mantém que a fé somente, sem as obras, é suficiente
pás a justificação], que A Epístola de Tiago é uma epístola sem
valor?".

180
Nos três dias seguintes, ele expôs as Escrituras em três outras
sociedades. No domingo seguinte, pregou às sete horas, para
aproximadamente mil pessoas, em Bristol, mais tarde, para cento e
cinqüenta, no topo do Monte Hanham, em Kingswood, e por volta de
cinco mil mais à tarde, em Rose Green. Na terça-feira, pretendeu ir
para Bath, onde pregou para aproximadamente mil almas, e, na manhã
seguinte, para duas vezes mais o número, e para uma multidão
igualmente grande em Baptist Mills, à tarde. No sábado seguinte, dia
14, ele pregou em um albergue, trezentas ou quatrocentas pessoas
havia dentro, e duas vezes mais do lado de fora. No domingo de
manhã, às sete horas, ele proclamou a verdade para quinhentas ou
seiscentas pessoas; mais tarde, para três mil no Monte Hanham, para
uma congregação lotada em Newgate, depois do jantar; entre cinco e
seis horas, para cerca de cinco mil em Rose Green; e concluiu o dia
com um discurso para uma das sociedades. Na terça-feira seguinte,
numa pequena sociedade, o peso das pessoas fez com que o solo
desabasse; mas logo todos já estavam tranqüilamente atendendo às
coisas que eram faladas; mais tarde, ele expôs em outra sociedade.

Foi nesta época, que o estranho fenômeno começou a aparecer,


e que, por um tempo, caracterizou os serviços. Wesley deu o seguinte
relato: "Nós, então, clamamos a Deus para confirmar sua palavra.
Imediatamente alguém de pé ao lado, para nossa não pequena
surpresa, gritou com a mais extrema veemência, como se nas agonies
da morte. Mas nós continuamos em oração, até que uma nova canção
foi colocada em sua boca, uma ação de graças a nosso Deus. Logo
depois, duas outras pessoas foram acometidas com forte dor, que as
constrangeram a gemer pela inquietude de seus corações. Mas não
muito tempo antes que elas irrompessem em louvor a Deus, seu
Salvador. Um outro clamou por Deus, do ventre do inferno; e, num
curto espaço de tempo, ele já estava dominado com alegria e amor,
sabendo que Deus havia curado suas apostasias. Deus nos tem dado
tantas testemunhas vivas; Sua mão ainda se estende para curar, e
estes sinais e maravilhas são, até mesmo agora, forjadas pelo Santo
Filho Jesus".

181
Exemplos adicionais ocorreram nos dias seguintes. Em um
caso, "um jovem foi subitamente acometido de um violento tremor por
todo o corpo, e, em poucos minutos, com as tristezas de seu coração,
ampliadas, ele caiu ao chão. Mas ele não cessou de chamar por Deus,
até que Ele o levantou cheio de paz e alegria no Espírito Santo". Na
Páscoa, choveu, e ele pode apenas pregar em Newgate, às oito da
manhã e duas da tarde; na casa perto do Monte Hanharn, às onze, e em
um próximo a Rose Green, às cinco horas; concluindo o dia na
sociedade, na tarde; quando "muitos tiveram o coração contrito, e
muitos, confortados". No dia seguinte, ele foi, depois de repetidos
convites, para Pensford, por volta de cinco milhas de Bristol, e pediu
permissão ao ministro, para pregar na Igreja; mas, depois de esperar
por algum tempo, e sem resposta, ele pregou "em campo aberto"; e, à
tarde, em um lugar conveniente, perto de Bristol, para mais de três
mil. Novamente, na quarta-feira, em Bath, para aproximadamente mil
pessoas; às quatro da tarde, para os pobres mineiros de carvão, em
Two Mile Hill, em Kingswood; e, à tarde, em Baldwin Street, quando
"um jovem, depois de dolorosa agonia, embora breve, tanto de corpo
quanto de mente, encontrou sua alma preenchida com paz, sabendo o
Deus, em quem acreditava".

No começo da semana, enquanto pregando em Newgate, ele


"foi inconscientemente conduzido", ele nos disse, "sem qualquer
objetivo prévio, a declarar forte e explicitamente que Deus fará com
que todos os homens sejam assim salvos; e a orar, para que, se esta
não fosse a verdade de Deus, que Ele não permitisse que o cego saísse
do caminho; mas se fosse, que Ele testemunhasse Sua palavra.
Imediatamente, um, após outro, caiu ao chão, de todos os lados, como
que aturdidos. Uma jovem gritava. Nós imploramos a Deus em seu
benefício, e Ele transformou a opressão dela em alegria. Uma
segunda, na mesma agonia, nós clamamos a Deus por ela também; e
Ele lhe falou paz à sua alma". "Na manhã", ele disse, "Eu fui
novamente pressionado no espírito, a declarar que Cristo deu a si
mesmo, como resgate por todos. E pouco antes que clamássemos por
Ele, para colocar Seu selo, Ele respondeu. Uma jovem foi tão ferida

182
pela espada do Espírito, que você teria imaginado que ela não viveria
mais. Mas imediatamente sua abundante bondade foi mostrada, e ela
cantou em voz alta, Sua retidão. No sábado, toda Newgate ressoava
com os gritos daqueles a quem a Palavra de Deus cortava o coração;
dois dos quais, foram imediatamente preenchidos com alegria".

No domingo seguinte, ele primeiro declarou a livre graça de


Deus, para cerca de quatro mil pessoas em Bristol; então, em Clifton,
a pedido do ministro (Rev. John Hodges), que estava enfermo; de lá,
ele retornou para uma pequena planície perto do Monte Hanham,
onde, por volta de três mil pessoas estavam presente. Em Clifton, à
tarde, a igreja estava completamente cheia quando das orações e
sermão; e o pátio da igreja no sepultamento que se seguiu. Em Rose
Green, mais tarde, foi calculado perto de sete mil reunidos; de onde
ele se dirigiu para a Sociedade Gloucester Lane , depois, para a
primeira festa do amor em Baldwin Street. Ele bem exclamaria: "Ó,
como Deus renovou minhas forças. Há dez anos eu me sentia fraco e
cansado com a pregação duas vezes ao dia".

Se esses extraordinários trabalhos zelosos tivessem


rapidamente diminuído, não teriam despertado surpresas; mas, embora
o número de serviços verdadeiramente conduzidos por ele, não fosse,
em geral, sempre tão numeroso (porque ele freqüentemente atendia
ao Serviço matinal e noturno comum da Igreja, onde quer que ele
fosse, pregando em campo aberto e para as sociedades fora dos
horários da Igreja), ainda assim, em outros aspectos, esses são
apenas exemplos de seus esforços continuados com a devoção
incansável, até o limite extremo de sua força física, mesmo no fim de
seus dias.

Não é de se admirar, que muitas pessoas ficassem ofendidas


com o estranho fenômeno físico que elas testemunhavam. Em meio a
elas, havia um médico, que estava muito temeroso que houvesse
fraude ou impostura no caso. "Hoje", Wesley diz, "alguém a quem ele
[o médico] conhecia há muitos anos foi a primeira, enquanto eu
estava pregando em Newgate, a irromper em estranhos gritos e

183
lágrimas. Ele quase não acreditou em seu próprios olhos e ouvidos.
Ele foi até ela, e observou todos os sintomas, até que grandes gotas de
suor correram por sua face, e todo os seus ossos estremeceram. Ele,
então, não soube o que pensar, estando claramente convencido de que
não se tratava de fraude, nem ainda de alguma desordem natural.
Mas quando ambos sua alma e corpo foram curados, no mesmo
instante, ele reconheceu o dedo de Deus!". Este foi provavelmente Dr.
Middleton, um amigo muito antigo dos Wesleys, em Bristol, cuja
morte, Charles Wesley lamentou em uma elegia de vinte e um versos;
leitura que sensibilizou a alma amorosa de Fletcher às lágrimas.
Provavelmente foi por causa dele que o "Hino ao Médico" foi escrito.

Na terça-feira, 1º. de Maio, ele escreve: "Muitos ficaram


ofendidos novamente, e, de fato, muito mais do que antes. Porque, em
Baldwin Street, minha voz mal podia ser ouvida, em meio aos gemidos
de alguns, e gritos de outros, chamando por Ele que é poderoso para
salvar. Eu desejei que todos que fossem sinceros de coração
suplicassem comigo ao Príncipe louvado por nós, para que Ele
proclamasse livramento aos cativos. E Ele logo mostrou que ouviu
nossa voz. Muitos daqueles que estiveram na escuridão viram o
alvorecer de uma grande luz, e dez pessoas, eu me certifiquei, mais
tarde, disseram na fé: 'Meu Senhor e meu Deus'. Um Quacre, que
estava ao lado, não ficou pouco descontente 'com a dissimulação
daquelas criaturas", e mordia os lábios e cerrava as sobrancelhas,
quando ele caiu ao chão como que atingido por um raio. A agonia em
que ele se encontrou foi até mesmo difícil de observar. Nós
imploramos a Deus para que ele não enlouquecesse. E ele logo
levantou sua cabeça, e gritou: 'Agora, eu sei que tu és um profeta do
Senhor'.

Em Newgate, enquanto eles estavam em oração, um outro


murmurador foi confortado, e outro que havia sido atirado na
perplexidade por um opositor, também. Quando eles se levantaram
para dar graças por este um, outro "cambaleou quatro ou cinco
passos, e, então, tombou". Eles oraram por ele, e o deixaram
"fortemente convencido do pecado, e sinceramente pedindo por

184
livramento". Um outro, que era zeloso pela Igreja, e se opôs muito a
todo Dissidente, sendo informado de que pessoas "eram acometidas
de estranhos ataques nas sociedades", ele veio ver pessoalmente, e se
esforçou para convencer seus conhecidos que "aquilo era uma ilusão
do diabo". Mas, enquanto lia o sermão sobre a Salvação pela Fé, "ele
mudou de cor, tombou de sua cadeira, e começou a gritar
terrivelmente, e a debater-se no chão", seu peito levantando-se, ao
mesmo tempo, como nas agonias da morte, e grandes gotas de suor,
gotejando em sua face. Wesley diz: "Todos nós nos entregamos à
oração. Suas agonies cessaram, e tanto seu corpo quanto sua alma
estavam livres".

Que Wesley dê sua própria impressão sobre essas ocorrências


singulares. Ele escreve:

Durante todo este tempo, eu quase continuamente me


perguntei: Como essas coisas podem ser? Para alguém que tem me
escrito muito sobre este assunto, a somatória de minha resposta foi
como se segue: A questão entre nós torna-se uma questão realmente.
Você nega que Deus agora opere esses efeitos; pelo menos, que Ele os
opera desta maneira. Eu afirmo ambos, porque eu tenho ouvido essas
coisas, e visto essas coisas. Eu vi, até onde coisas desse tipo podem
ser vistas, muitas pessoas mudadas, de repente, do espírito de temor,
horror, desespero, para o espírito do amor, alegria, e paz; e do desejo
pecaminoso, até, então, reinando sobre elas, para o desejo puro de
fazer a vontade de Deus. Essas são questões de fato, das quais tenho
sido, quase diariamente, testemunha ocular e auditiva. O que eu tenho
a dizer no tocante às visões ou sonhos é isto: Eu conheço diversas
pessoas em quem esta grande mudança foi forjada em um sonho, ou
durante uma forte representação em sua mente, de Cristo, quer na
cruz, ou na glória. Este é o fato; que alguém o julgue, como lhe
agradar. E que tal mudança foi, então, forjada, aparece, não do seu
derramar-se em lágrimas apenas, ou em seus ataques, ou gritos: esses
não são os frutos, como você parece supor, por meio do qual eu julgo;
mas de todo o teor da vida deles, até, então, muitos caminhos
pecaminosos que, desde aquele momento, se tornaram santos, justo, e

185
bons. Eu mostrarei a você, alguém que era um leão, até então, e
agora é um cordeiro; aquele que era um bêbado, e agora está
exemplarmente sóbrio; o devasso que agora abomina a mesma
vestimenta maculada pela carne. Esses são meus argumentos vivos,
para os quais eu afirmo, ou seja, que Deus agora, como
anteriormente, dá remissão dos pecados, e o dom do Espírito Santo,
até mesmo a nós, e nossos filhos; sim, e que sempre, de repente, até
onde eu sei, e freqüentemente em sonhos ou em visões de Deus. Se
não for assim, eu serei uma falsa testemunha perante Deus. Porque
essas coisas eu testifico, e pela Sua graça, testificarei.

Dessas estranhas condições físicas ele diz: --

Talvez, devido à dureza de nossos corações, não preparados


para receber alguma coisa, exceto aquilo que vemos com nossos
próprios olhos, e ouvimos com nossos ouvidos, Deus, em
complacência com nossa fraqueza, permitiu tantos sinais exteriores,
ao mesmo tempo em que ele forjou esta mudança interior,
continuamente vista e ouvida em nosso meio. Mas, embora eles vissem
sinais e maravilhas (porque é desta forma que devemos denominá-
los), ainda assim, muitos não acreditaram. Eles não negariam os
fatos, na verdade, mas não poderiam dar satisfações. Alguns
disseram: 'Esses foram efeitos puramente naturais; as pessoas
sugeriram isto, apenas devido ao calor e falta de ventilação das
salas'. E esses estavam certos de que 'tudo fora um logro; que eles
impediriam se pudessem. Ou, por que essas coisas eram restritas às
sociedades privadas? Por que elas não aconteciam à luz do sol?'.
Hoje, 21 de Maio de 1739, nosso Senhor respondeu por Ele mesmo;
porque enquanto eu estava reforçando essas palavras: "Aquietai-vos,
e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado
na terra". [Salmos 46:10], Ele relevou seu braço, não apenas em uma
sala fechada, nem em privativo, mas em campo aberto, e diante de
mais de duas mil testemunhas. Uma e outra, e outra se prostraram ao
chão; excessivamente tremendo à presença do poder de Deus. Outras
soltaram um grito alto e doloroso: 'O que devo fazer para ser salvo?'.
E, em menos de uma hora, sete pessoas, completamente

186
desconhecidas por mim, até aquele momento, estavam se regozijando
e cantando, com toda sua força, dando graças ao Deus de sua
salvação.

À noite, ele foi interrompido, em Nicholas Street, quase tão


logo começou a falar, pelos "gritos de alguém que teve seu coração
afligido, e implorou fortemente pelo perdão e paz. Ele prosseguiu, e
declarou o que Deus já havia feito, como prova daquela importante
verdade, a de que Ele 'não deseja que alguém pereça, mas que todos
se arrependam'. Uma outra pessoa caiu perto de alguém que fora um
forte defensor da doutrina contrária. Enquanto ele permaneceu
atônico, com o que via, um garoto perto dele foi acometido da mesma
maneira. Um jovem, logo atrás, fixou seus olhos nele, e sucumbiu,
como que morto; mas logo começou a gemer e a debater-se ao chão,
de maneira que seis homens mal conseguiram segurá-lo". Este foi
Thomaz Maxfield, de quem nós ouviríamos falar logo mais. Wesley
acrescenta: "Eu nunca vi alguém tão dilacerado pelo diabo.
Entretanto, muitos outros começaram a clamar para o Salvador de
todos, para que Ele viesse e os ajudasse, de tal maneira, que todos da
casa, e, na verdade, todos da rua, por algum período de tempo,
estavam em grande alvoroço. Mas nós continuamos em oração; e
antes das dez, a maior parte encontrou o descanso para suas almas'".
Ele foi chamado para ministrar a Ceia a alguém "em violenta agonia",
e, por volta do meio-dia, para outro. "Eu penso", ele acrescenta,"vinte
e nove no total tiveram sua opressão transformada em alegria, neste
dia".

Que as pessoas foram convencidas do pecado, pelo Espírito


Divino, através da mediação da Palavra pregada, não há do que se
duvidar. Mas, quaisquer explicações que sejam dadas desses estranhos
fenômenos físicos, não os considerariam como afetando, de alguma
forma, a devoção daqueles que estiveram sujeitos a eles; nem, no
entender de Wesley, houve neles alguma evidência de mudança de
caráter, ainda que o caráter pudesse ser mudado, durante a
continuidade deles. Talvez, suas próprias palavras, escritas, em um

187
período mais tarde, possam servir, no momento, como uma explicação
satisfatória, assim como qualquer uma que possa ser dada. Ele diz:

Eu asseguro que circunstâncias extraordinárias têm atendido


esta convicção em algumas instâncias. Eu tenho freqüentemente dado
um relato pessoal. Enquanto a Palavra de Deus era pregada, algumas
pessoas tombaram como mortas; algumas, por assim dizer, em fortes
convulsões; algumas gemendo alto, embora que não com voz
articulada; e outras falaram da angústia de suas almas. Isto é
facilmente considerado tanto pelos princípios da razão quanto pelos
das Escrituras:

Primeiro, quanto aos princípios da razão. Porque quão fácil é


supor que uma forte, viva, e súbita apreensão do pecado abominável,
da ira de Deus, e das dores amargas da morte eterna, possam afetar o
corpo, assim como a alma, durante as leis presentes da união vital; --
possam interromper ou perturbar as circulações comuns, e colocar a
natureza fora de seu curso! Sim, nós podemos questionar se, enquanto
esta união subsiste, é possível para a mente ser afetada, em um grau
tão violento, sem um ou outro dos sintomas que se seguem.

É igualmente fácil considerar, quanto aos princípios das


Escrituras. Porque, quando temos uma visão de dentro desta luz, nós
devemos acrescentar à consideração das causas naturais, a atividade
daqueles espíritos que ainda sobressaem pela força, e, até onde têm a
permissão de Deus, não falharão em atormentar aqueles que eles não
podem destruir; em despedaçar aqueles que estão vindo para Cristo.
É também notável que existe uma Escritura clara; precedente a todo
sintoma, que ultimamente tem surgido, de maneira que não podemos
admitir que se trate de loucura a convicção atendida por esses, sem
desistir tanto da razão, quanto das Escrituras.

Ele garante, mais adiante, que "os toques de extravagância,


beirando a loucura", podem, algumas vezes, atender convicções
severas, e que isto pode ser facilmente considerado pelas leis
presentes de nossa estrutura física. Portanto, ele conclui: "não é

188
estranho que alguns, enquanto sob fortes impressões de aflição ou
temor, da consciência da ira de Deus, possam, por um período,
esquecer quase todas as outras coisas, e dificilmente serem capazes
de responder a uma questão comum; que alguns possam imaginar que
eles vêm estranhas visões, ou que outros possam ser atirados dentro
de grandes temores. Mas todos esses efeitos desaparecem, de repente,
quando quer que a pessoa convencida prove do amor perdoador de
Deus".

Várias opiniões foram, então, e têm sido assim levadas em


consideração, não quanto à boa credibilidade de Wesley, em seus
relatos desses fenômenos singulares; isto nunca foi questionado – não
quanto à realidade da ocorrência deles; nem quanto às mudanças
forjadas no caráter e vidas de muitas "vítimas" dessas estranhas
experiências. Mas as opiniões têm diferido quanto à exata natureza e
causa principal. Southey [Robert – poeta -1774-1843] os ataca com
muita severidade. Ele é questionado por Watson, e pelo editor de uma
edição de sua própria obra. Charles Wesley foi importunado por elas,
embora tenham, ocorrido, algumas vezes, sob sua própria pregação; e
ele, até mesmo, esforçou-se para impedi-las, dando instruções, a um
serviçal que, se alguns fossem assim afetados, que eles fossem
carregados para fora, e ele relata que, naquela ocasião, os carregadores
não foram perturbados!

Não é completamente surpresa que esses efeitos se seguiriam,


até mesmo, se nós colocarmos de lado qualquer referência à atuação
sobre-humana. Como foi mostrado acima, o próprio Wesley
reconheceu completamente as obras comuns das leis da natureza
humana, físicas e mentais. É razoável perguntar, se não existiram
causas naturais suficientes para esclarecê-las mais amplamente.
Vamos lembrar que havia uma apatia religiosa geral, e, até mesmo,
uma profunda e abundante pecaminosidade, em quase todas as partes
da terra, e que a pregação de Wesley foi de um caráter peculiarmente
efetivo. Se ele necessitava do dramático caráter pitoresco de
Whitefield, seu estilo era singularmente claro, vívido, e incisivo.
Ninguém poderia interpretá-lo mal. Ele denunciou o pecado em

189
termos inteiramente livres de ambigüidade. Ele apelava, com
penetrante intimidade, às consciências de seus ouvintes, na larga
proporção da sua inevitável responsabilidade de auto-condenação; de
maneira que, sob sua pregação, homens e mulheres, eram
profundamente convencidos da pecaminosidade pessoal. Nem ele
escondia as terríveis conseqüências de um mau procedimento, que
para ele, era uma certeza terrível. Se ele não descrevia um inferno de
tormentos, ele proclamava um. Não havia o que ocultar deste terrível
assunto, na perplexidade de uma linguagem indefinida, mas uma
afirmação, sem hesitação dela, em termos bíblicos calmos, simples,
uniformes. Porque nos auto-condenados não havia esperança de
isenção. As punições do pecado permaneciam diante deles claramente
reveladas. Eles não buscariam coisa alguma, a não ser julgamento, e
uma ardente indignação que devoraria os adversários. Em uma
consciência culpada, auto-condenada, o medo da vingança inevitável
produziria medo e terror esmagador.

Mas uma outra categoria de emoções foi levada à cena. Com


igual clareza, com igual confiança indubitável, e com um apelo terno,
ele pregou para o aterrorizado, o amor Divino pela humanidade, e a
suficiência de uma redenção divinamente providenciada para todos.
Os homens poderiam não ouvir Wesley pregar, e, ainda assim,
duvidariam, se Deus os amava e desejava a salvação deles; ou se ele
havia aberto um caminho acessível para Si mesmo para todos. Em
tons compassivos ele exclamava:

"Venham todos do mundo, vem tu, pecador. Todas as coisas estão


prontas agora em Cristo".

A mesma mensagem era lida, pelo mais vil e pelo pior de


todos, aqueles que estavam nos espasmos da angústia mais terrível.
Em meio a tais revulsões de sentimento, até mesmo o forte auto-
controle dificilmente preservaria um equilíbrio mental. A alegre
esperança sucedendo o medo esmagador; as primeiras pulsações da fé
que abria com algum grau de segurança para a possibilidade de uma
salvação certa – tudo isto era suficiente para perturbar o equilíbrio das

190
pessoas, por outro lado, calmas e auto-controladas. Não se pode
questionar que algumas instâncias desses fenômenos compartilhavam
com a natureza da histeria, hipocondria, condições de prostração física
e exaltação mental, com falta de controle mental e físico, produzidos
por uma severa, e freqüentemente prolongada tensão nervosa, ou por
um forte excitamento emocional. A esta causa pode ser atribuída a
risada incontrolável, que Wesley, mais tarde, registra, e do qual tanto
ele quanto seu irmão Charles, em uma ocasião anterior, pelo menos,
tornaram-se vítimas sem querer. Essas condições são de um caráter
mais contagioso; o próprio ato de uma pessoa sendo sugestão para
outra. Que eles eram produzidos diretamente por intervenção
sobrenatural não está completamente claro. Wesley acreditou que
poderiam surgir tanto de causas divinas quanto diabólicas; como
sinais de uma fonte, ou os obstáculos, designados a lançar descrédito
sobre toda a obra, de outra. Seu irmão Samuel se referiu a elas como
totalmente do diabo. Mas certamente se pode dizer que se tais
perturbações mentais e físicas não são totalmente suficientes para
responder por esses fenômenos, elas certamente fornece condições
aceitáveis para sua ocorrência.

Com vistas à acomodação das sociedades em Bristol, foi


decidido construir uma grande sala, suficiente para o uso delas, e para
aqueles que estivessem dispostos a atenderem quando as Escrituras
fossem expostas. A primeira pedra da construção foi colocada no
sábado, 12 de Maio de 1739, "com a voz de louvor e ação de graças".

A sala da Nova Sala, como Wesley a chamou até o fim de seus


dias – foi, de certa forma, construída muito rapidamente e, talvez, a
preço muito baixo; como resultado, por volta de 1748, ela se tornou
tão precária, a quase necessitar de uma inteira reconstrução. A
oportunidade de ampliá-la, e de assegurar a bem conhecida entrada
para a Broadmead, foi aproveitada grandemente. A original
extremidade da Feira de cavalos, com o "pátio" e uma das "aléias",
subseqüentemente mencionados, ainda permanecem, muito pouco
mudados, se, afinal, embora em uma condição tristemente dilapidada.
Como será visto, os arranjos monetários para atender o custo da

191
reconstrução tiveram as mais frutíferas emissões no sistema financeiro
da Igreja Metodista. Este foi o primeiro exemplo da construção de
algum edifício para o uso das Sociedades Metodistas; e, como era de
se esperar, originou vários comentários em meio aos amigos de
Wesley.

A princípio, Wesley não tinha expectativa ou objetivo algum


de estar pessoalmente envolvido, quer na despesa, ou na direção desta
obra, tendo apontado onze feudatários em quem, ele supôs, esses
encargos cairiam. Mas rapidamente descobriu seu equívoco. Ele se
certificou de que era obrigado a tomar para si o pagamento dos
operários, de maneira que, antes que ele estivesse bem consciente
disto, contraiu um débito de 150 libras. Whitefield e outros de seus
amigos em Londres declinaram restituir alguma ajuda que fosse,
exceto se os feudatários fossem desobrigados, uma vez que, de acordo
com a Escritura existente, eles teriam todo o poder de controle do uso
da construção e até mesmo negar seu uso ao próprio Wesley. Com o
consentimento deles, portanto, a Escritura foi cancelada, e Wesley
tomou todo o encargo da questão sobre seus próprios ombros.

Wesley combinou pregar, dentro e nos arredores de Bristol,


para multidões atentas e despertas. Em Bath – "Em uma campina, de
um lado de uma colina, perto da cidade", mostrada nos mapas
modernos como "Barton Fields", agora cobertas com os edifícios da
Gay Street, e o Circus – ele pregou para cerca de mil pessoas,
"diversas criaturas finas e alegres, em meio deles"; em Rose Green ---
"o primeiro púlpito em campo aberto" de Whitefield, havia pilhas de
refugos das minas de carvão, que dava a ele elevação para a mais larga
congregação que ele tinha tido lá: mais de dez mil almas; na King's.
Weston-Hill, quatro ou cinco milhas da Bristol daqueles dias, onde
dois cavalheiros, em atitude de escárnio zombou de muitas pessoas
das vilas vizinhas, Wesley proclamou a grande verdade do Dia da
Ascensão.

Na manhã do domingo seguinte, ele pregou para seis mil


pessoas; então, em Hanham, e novamente à tarde, em Rose Green para

192
oito ou nove mil; e à noite, ele se encontrou na parte externa da sala da
nova Sociedade. No dia seguinte, ele foi sinceramente advertido para
não pregar nos arredores, à tarde, já que havia um acordo de diversas
pessoas que ameaçavam com coisas terríveis. O rumor, no entanto,
apenas trouxe muitos "dos melhores tipos de pessoas (chamados do
Sul)", e acrescentou mais do que uma congregação comum, "mas
ninguém zombou, ou interrompeu, ou abriu sua boca". Um rumor
similar o alcançou em uma audiência mais larga em Bath, "em meio
aos quais estavam muitos dos ricos e importantes". Ele diz:

"Eu lhes disse claramente que as Escrituras os compreendia


todos, debaixo do pecado; o mais importante e o menos importante; o
rico e o pobre, um com o outro. Muitos deles não pareceram pouco
surpresos, e foram mergulhando, em passos largos, na seriedade,
quando o campeão deles apareceu – o famoso Beau Nash, o líder e
juiz da vida e costume de Bath – que se aproximando de mim,
perguntou: 'Com que autoridade eu fazia essas coisas?' – Eu
repliquei: 'Pela autoridade de Jesus Cristo, transmitida a mim pelo
(agora) Arcebispo de Canterbury, quando ele impôs as mãos sobre
mim e disse: 'Tu tens autoridade para pregar o Evangelho'. Ele disse:
'Isto é contrário ao Ato do Parlamento. Isto é uma Coventículo'
[reunião secreta]".

"Eu respondi: 'Senhor, os Conventículos mencionados naquele


Ato (como o preâmbulo mostra) são encontros sediciosos. Mas este
não é assiml. Aqui não existe sombra de sedição. Portanto, não é
contrário àquele Ato. Ele replicou: 'Eu digo que é. E, além disto, sua
pregação aterroriza as pessoas'. 'Senhor, você alguma vez já me
ouviu pregar'. 'Não'. 'Como você pode julgar o que nunca ouviu?'.
'Senhor, eu o faço pelo relato comum'. 'Um relato comum não é
suficiente. Permita-me, senhor, perguntar: seu nome não é Nash?'.
'Meu nome é Nash'. 'Senhor, eu não me atrevo a julgá-lo pelo relato
comum. Eu penso que não seria suficiente julgar desta forma'. Aqui
ele pausou por um momento, e tendo revelado a si mesmo, perguntou:
'Eu gostaria de saber o que essas pessoas vêm fazer aqui'. Alguém
respondeu: 'Senhor, deixo-o comigo. Deixe que uma senhora

193
responda a ele. Você, Sr. Nash, cuida de seu corpo. Nós cuidamos de
nossas almas, e é pelo alimento de nossas almas que estamos aqui'.
Ele nada disse, e foi embora".

Naquela ocasião, Wesley foi levado a pensar muito sobre o


caráter incomum de seu ministério, e a considerar as objeções que
eram levantadas contra ele. Depois de muita oração, ele determinou
aderir aos seguintes princípios. Quanto ao passado, ele declara que
agiu do desejo de ser um cristão (porque ele não admitia ter sido um
no sentido mais completo), e da convicção de que, o que quer que ele
julgue condutivo para isto, ele era compelido a fazer; e quando quer
que ele julgue fosse a melhor resposta a esta finalidade, para lá era sua
obrigação de ir. "Sob esses princípios", ele diz, "eu parti para a
América; eu visitei a Igreja Moravia, e sob este mesmo princípio, eu
estou pronto agora (Deus sendo meu Ajudador) para ir para
Abissínia, ou China, ou até onde agrade a Deus, através desta
convicção, me chamar". Quanto a se estabelecer no colégio, ele objeta
que ele não tinha trabalho lá, tendo agora nenhum ofício e nenhum
aluno; e quanto a aceitar a cura de almas, haveria tempo suficiente
para considerar isto, quando tal situação se oferecesse a ele. Mas se
perguntado como, sob princípios Católicos, ele justificaria a
assembléia dos cristãos, que não eram de sua responsabilidade, cantar
salmos, e orar, e ouvir as Escrituras expostas, ele replica:

"Se por 'Princípios Católicos [Universais]', você quer dizer


algum outro do que Bíblico, eles valem nada para mim. Eu não
permito outra regra, quer de fé ou de prática, do que as Sagradas
Escrituras. Mas quanto aos princípios bíblicos, eu não acho difícil
justificar o que quer que eu faça. Deus, nas Escrituras, me ordena, de
acordo com meu poder, instruir o ignorante, reformar o mau,
confirmar o virtuoso. Os homens me proíbem de fazer isto em outras
paróquias; ou seja, em efeito, de fazer isto, afinal, vendo que eu agora
não tenho minha própria paróquia, nem provavelmente terei. A quem,
então, eu devo ouvir? A Deus ou ao homem?".

194
"Se for justo obedecer ao homem, preferivelmente que a Deus,
julgue você. A dispensação do Evangelho é confiada a mim, e ai de
mim, se eu não pregá-lo. Mas onde eu deveria pregá-lo, sobre os
princípios que você menciona? Por que não, na Europa, Ásia, África,
ou América: não em alguma das partes cristãs da terra habitada?
Porque todas essas estão, de certa forma, divididas em Paróquias. Se
me for dito: 'Volte, então, para os pagãos [referindo-se aos índios na
América] de onde você veio'. Não. Eu não poderia agora, pregar, sob
esses princípios, a eles. Porque todos os pagãos na Geórgia
pertencem á paróquia tanta de Savana quanto de Frederica".

Ao escrever ao seu irmão Charles sobre os assuntos em Junho


deste ano, ele diz:

"O homem me manda não fazer isto na paróquia de outro; ou


seja, em efeito, não fazer isto, afinal. Se for justo obedecer ao homem,
preferivelmente do que a Deus, julgue você. 'Mas' (dizem eles), 'é
justo que você se submeta a toda ordenança do homem por amor a
Deus'. Verdade; a toda ordenança do homem, que não seja contrária
ao mandamento de Deus. Mas, se algum homem (bispo ou qualquer
outro) ordenar que eu não faça o que Deus me ordenou fazer,
submeter-me a esta ordenança seria obedecer ao homem,
preferivelmente do que a Deus. E para fazer isto, eu tenho tanto um
chamado comum, quanto um extraordinário. Meu chamado comum é
minha ordenação pelo Bispo: 'Tens autoridade para pregar a Palavra
de Deus'. Meu chamado extraordinário é testemunhado pelas obras
que Deus realiza, através de meu ministério; o que prova que Ele
está comigo, como a verdade neste exercício de meu ofício. Talvez,
isto fosse melhor expressado de outra maneira: Deus testemunha, de
uma maneira extraordinária, que o fato de eu exercitar assim o meu
chamado comum, é bem agradável aos Seus olhos". E ele encerra com
as resolutas Palavras: "Deus sendo meu Ajudador, eu o obedecerei, e
ainda que eu sofra por isto, Sua vontade será feita".

"Permita-me agora lhe dizer meus princípios neste assunto. Eu


vejo o mundo todo como minha paróquia; até aqui, eu quero dizer,

195
que em qualquer parte dele que eu esteja, eu julgo adequado, correto,
e meu dever sagrado, declarar a todos que estejam dispostos a ouvir
as boas novas da salvação. Esta é a obra que eu sei Deus me chamou
a fazer. E certo estou de que suas bênçãos a atendem. Grande
encorajamento eu tenho, portanto, para ser fiel, no cumprimento da
obra que Ele me incumbiu. Seu servo, eu sou, e como tal, empregado,
de acordo com a clara direção de Sua Palavra, a quando tiver
oportunidade, para fazer o bem a todos os homens. E Sua providência
claramente concorda com sua palavra; o que me desobriga de todas
as coisas mais, de maneira que eu poderia simplesmente atender esta
mesma coisa, e trabalhar fazendo o bem".

As próprias palavras de Wesley são a melhor exposição da


frase notável que ele aqui explica, que compreende seu compromisso
de pregar o evangelho, e pregá-lo a todos; e isto, em qualquer parte do
mundo, em que ele estivesse. Ele não se apoderou da prerrogativa do
homem, através disto. Ele sempre reconheceu as reivindicações do
clero paroquial, e onde quer que ele fosse, ele preferia pregar na igreja
a pregar em qualquer outro lugar. Pregar ele devia; ele sentia que fora
chamado por Deus para isto; e ele sentia que seu chamado era
encontrar uma necessidade que não fosse satisfeita pelo clero
paroquial ou o sistema paroquial. Essas palavras adotadas logo
encontrou seu eco em outra forma de expressão significante, que
afirma uma convicção que parece ainda brotar nele, de que o propósito
para o qual os Metodistas foram levantados, dos quais ele era o
representante, era para "reformar a nação, especialmente a Igreja, e
espalhar a santidade bíblica por toda a terra".

Por ocasião da inauguração do memorial na Abadia de


Westminster, o falecido deão Stanley chamou a atenção para a
escultura que mostra Wesley pregando no pátio em Epworth, e ele
disse: "Ele se posicionou na tumba de seu pai – sobre as tradições
veneráveis e ancestrais do país e da Igreja. Este foi o lugar, de onde
ele discursou para o mundo". A frase escolhida está esculpida sob o
cenário.

196
Ao receber uma carta urgente para se apressar para Londres,
uma vez que os irmãos em Fetter Lane estavam em grande confusão,
pela falta de sua presença e conselho, ele recomendou seu rebanho em
Bristol à graça de Deus, em quem eles criam, fazendo uma reflexão
esperançosa: "Certamente, Deus tem uma obra a realizar neste lugar.
Eu não encontrei tal amor, nem na Inglaterra. Nem tal inocência,
inexperiência, um temperamento receptivo ao ensino como Ele deu a
este povo".

Chegando em Londres, na quarta-feira, dia 13 de Junho, ele


recebeu a Comunhão em Islington, à tarde, visitou sua mãe, e às seis
horas, exortou as mulheres em Fetter Lane, sabendo como elas haviam
sido ultimamente estremecidas, não para crer em todo espírito, mas
para provar os espíritos, se eles eram de Deus. Às oito horas, ele
encontrou os irmãos, quando muitos dos desentendimentos e ofensas
que tinham se arrastado em meio a eles, foram removidos, e a
camaradagem fora novamente, em uma boa medida, renovada.

No dia seguinte, ele foi com seu amigo Whitefield para


Blackheath, onde doze ou quatorze mil pessoas estavam reunidas.
Whitefield surpreendeu-o pedindo a ele para pregar, o que ele fez,
"embora com a natureza recuada", sobre seu assunto favorito, "Jesus
Cristo, a quem Deus fez junto a nós sabedoria, retidão, santificação e
redenção". Em outra ocasião, ele pregou às sete da manhã, em Upper
Moorfields, para seis ou sete mil pessoas, e, às cinco horas para cerca
de quinze mil.

Uma semana foi gasta para ajustar os incidentes das


sociedades, de um lado a outro de Londres. Isto lhe trouxe
preocupação e grande tristeza. Na tarde de 15 de Junho, ele foi para a
sociedade em Wapping, "cansado no corpo e abatido no espírito". A
Sociedade de Fetter Lane, mais tarde, se encontrou para se
humilharem diante de Deus. "Naquela hora", ele diz, "nos
certificamos que Deus está conosco, como no princípio. Alguns
caíram prostrados ao chão. Outros irromperam, como em um
consenso, em louvores e ação de graças. E muitos abertamente

197
testificaram que não houve tal dia como este, desde o primeiro de
Janeiro precedente". No dia seguinte, ele pregou às sete horas, em
Moorfields, para seis ou sete mil pessoas, e às cinco horas em
Kennington Common para cerca de quinze mil, além de atender aos
serviços públicos e encontros da Sociedade.

Cenários similares a esses, testemunhados em Bristol, foram


repetidos em Londres. Wesley diz: "Enquanto eu estava sinceramente
convidando todos os pecadores a entrarem no mais santo, através do
novo e vívido caminho, muitos dos que ouviram começaram a clamar
por Deus com fortes gritos e lágrimas. Alguns caíram ao chão, e lá
permaneceram, sem forças; outros tremeram e estremeceram
excessivamente; alguns foram acometidos com uma espécie de
movimento convulsivo, em todas as partes de seus corpos, e tão
violentamente, que freqüentemente quatro ou cinco pessoas não
podiam segurá-los. Eu tenho visto muitos ataques histéricos e
epiléticos; mas nenhum deles era como esses, em muitos aspectos. Eu
imediatamente orei a Deus, para que não permitisse que esses que
estavam fracos fossem ofendidos. Mas uma mulher foi ofendida
grandemente, certa de que 'eles ajudariam, se quisessem', e ninguém
pôde persuadi-la do contrário; quando alcançou três ou quatro
jardas, ela também tombou, em agonia tão violenta quanto os
demais". Vinte e seis daqueles que tinham sido afetados desta forma
(a maioria durante as orações que foram feitas para eles, foi, no
mesmo instante, preenchida com a paz e alegria), prometeram visitá-lo
no dia seguinte. Mas apenas dezoito deles vieram; ao conversar mais
reservadamente com eles, ele teve razões para acreditar que alguns
foram para suas casas, justificados. O restante pareceu pacientemente
esperar por isto.

Na segunda-feira, dia 18 de Junho, ele deixou Londres, cedo, e


pregou em Bristol, na noite seguinte, para uma numerosa
congregação. Howel Harris visitou-o mais tarde, e lhe disse que ele
havia sido muito despersuadido de ouvi-lo e vê-lo, por muitos que
disseram toda sorte de mal sobre ele; mas acrescentou: "tão logo eu o
ouvi pregar, eu rapidamente me certifiquei de que espírito você era. E

198
antes que tivesse terminado, eu estava tão dominado pela alegria e
amor, que eu tive dificuldades de ir para casa".

Ele conclui que, no breve oito dias de sua ausência, as disputas


haviam se arrastado dentro da pequena sociedade. No dia seguinte, ele
lhes mostrou, no entanto, que tipo de pessoas eles eram, pregando
duas vezes, "Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos
cirandar como trigo" (Lucas 22:31). E ele fora capacitado a registrar:
"Quando nos encontramos à noite, em vez de avivarmos a disputa,
todos nós nos dirigimos em oração. Nosso Senhor esteve conosco.
Nossas divisões foram curadas. Desentendimentos eliminados, e todos
os nossos corações estavam docemente contraídos, e unidos como no
princípio". Ao visitar alguém que, até então, prosseguira bem, até ser
impedido por alguns dos chamados profetas franceses, ele respondeu:
"Não; este lugar é tomado pelos alemães".

Na sexta-feira, dia 18 de Julho, Wesley diz: "Poucos de nós


reunimo-nos com minha mãe no grande sacrifício de ação de graças,
e, então, consultamos como proceder com respeito ao nosso pobre
irmão em Fetter Lane. Lady Huntingdom também estava presente.
Todos constatamos que a coisa seguia para uma crise, e, portanto,
concordou-se unanimemente com o que fazer". Assim sendo, no
domingo seguinte, ele foi, à noite na festa do amor em Fetter Lane; em
seu término, ele leu um documento, com o seguinte propósito:

"Por volta de nove meses atrás, alguns de vocês começaram a


falar de maneira contrária à doutrina que nós temos, até então,
recebido; a somatória de que vocês afirmaram é esta":

(1) Que não existe tal coisa como fé fraca; que não existe
justificação pela fé, onde existe alguma dúvida ou temor,
ou onde não existe, em um sentido completo, um novo e
limpo coração.
(2) Que um homem não deve usar daquelas ordenanças de
Deus, que nossa Igreja denomina meios da graça, antes

199
que tal fé exclua toda dúvida e medo, e implique em um
coração novo e limpo.

"Vocês freqüentemente afirmaram que o buscar as Escrituras,


orar, ou comungar, antes que tivessem tal fé, é buscar salvação pelas
obras, e que até que essas obras sejam colocadas de lado, nenhum
homem pode receber a fé".

"Eu acredito que essas afirmações sejam diretamente


contrárias à Palavra de Deus. Eu os adverti disto, diversas vezes, e
imploro que voltem para a Lei e o Testemunho. Eu tenho
testemunhado com vocês, há muito tempo, esperando que vocês se
transformassem. Mas como eu encontrei vocês, mais e mais,
confirmados no erro de seus caminhos, nada agora resta, a não seu
eu entregá-los a Deus. Vocês que são do mesmo juízo, 'sigam-me'".

Ele acrescenta: "Eu, então, sem dizer coisa alguma mais, sai,
como fizeram dezoito ou dezenove da Sociedade". Lady Huntingdon e
o amigo de Charles Wesley, sr. Seward, estavam na companhia.

No dia seguinte, 23 de Julho, a pequena companhia de


dissidentes se encontrou na Fundição, em vez de Fetter Lane. A eles
se juntaram cerca de vinte e cinco membros da própria pequena
Sociedade Metodista de Wesley, "todos que pensavam e falavam a
mesma linguagema", juntamente com quarenta e sete ou oito das
cinqüenta mulheres que havia nas sociedades [Band].

Assim a associação de Wesley com os Morávios se encerrou;


as pessoas pelas quais ele tinha nutrido a mais viva afeição; às quais
ele sempre reconheceu sua profunda dívida, e com os quais, se a
simplicidade da vida cristã, espírito e doutrina de seus primeiros
associados tivessem permanecido intocáveis, pelos falsos
ensinamentos místicos, ele alegremente teria continuado em
camaradagem até o fim de seus dias.

200
É certo dizer que Wesley desculpou inteiramente a Igreja
Morávia da responsabilidade de abraçar as doutrinas "ainda”. Ele diz:
"Esta doutrina, desde o começo até hoje, tem sido ensinada, como
sendo a doutrina da Igreja Morávia. Eu penso, portanto, que seja meu
dever sagrado esclarecer os Morávios desta difamação, porque eu,
talvez, seja a única pessoa agora na Inglaterra que tanto pode e fará
isto". Ele atribuiu o ensino a "certos homens que se infiltraram no
meio deles, por descuido, por volta de Setembro de 1739, quando ele
e seu irmão estavam ausentes". Não foi a Igreja Morávia que
defendeu esses pareceres, mas certos membros líderes e oficiais dela --
Molther, Spangenberg, Bray, e outros.

Tyerman, como temos visto, erra plenamente, ao nomear esta


como a data da fundação da Sociedade Metodista. Ela simplesmente
marca o momento da separação de Wesley de Fetter Lane, que, então,
tornou-se totalmente Morávia, e tem continuado assim até hoje. Fetter
Lane é agora o centro da província Britânica da honorífica Igreja
Morávia, ou a Igreja dos Irmãos Unidos, cuja divulgação das
atividades cristãs, pureza de doutrina, fervor ao zelo missionário, e
nobre e heróico sacrifício são a admiração de todas as igrejas
evangélicas.

A separação de Wesley dos Morávios marca uma época em sua


carreira. Até aqui, desde sua primeira associação com eles, em sua
viagem exterior à Geórgia, ele fora conduzido por eles, submetendo-
se, com uma simplicidade pueril, ao controle do que ele julgou ser a
sabedoria mais perfeita deles nos assuntos espirituais. A quarta seção
de seu Diário de Novembro de 1739 a Setembro de 1741, que inclui o
relato da separação, ele não publica até 1744. No prefácio, que é
dedicado à "Igreja Morávia, mais especialmente aquela parte dela
agora ou ultimamente residindo na Inglaterra", ele registra que ele
demorou na sua publicação, porque ele os amava, e porque ele estava
temeroso de criar um outro obstáculo àquela união que (se ele
conhecia alguma coisa de seu próprio coração) ele desejava acima de
todas as coisas debaixo do céu. Ele se sentiu, no entanto, por fim,
compelido a falar de seus sentimentos concernentes a eles.

201
Enquanto ele sentia que ele devia, em relatos graves, manter
sua independência dos Morávios, ele, não obstante, cultivava um
longo desejo de renovar sua camaradagem com eles. Depois de
encontrar Peter Böhler novamente algum tempo depois, subseqüente à
separação, Wesley escreveu "Eu me admiro de como eu me contenho
de me reunir com eles. Eu dificilmente vejo algum deles, sem que meu
coração queime dentro de mim. Eu gostaria de estar com eles; ainda
assim, eu me mantenho longe". Southey, a quem o próprio Alexander
Knox — pessoalmente apresentou a Wesley – mais tarde, convencido
de seu equivoco, erra em atribuir a ambição, da parte de Wesley, como
a principal razão pelo qual ele não pode mais trabalhar
harmoniosamente com os Morávios. Wesley escreveu muito tempo
depois: "Não pode haver um erro maior do que este, o de que
eu, alguma vez, cedi, ou de que eu o faça assim agora. Não houve um
dia, durante esses sete anos passados, em que minha alma não
almejou a união"; e ele declara que "embora o corpo da Igreja
Morávia esteja equivocado, alguns deles são, em sua maior parte, de
todos que eu tenho visto, os melhores cristãos no mundo".

Wesley, agora, separado dos Morávios, dali por diante,


permaneceria sozinho, atirado às suas próprias iniciativas, em todos os
seus futuros movimentos. Quaisquer vantagens que ele pudesse ter
ganhado dessa associação com eles foi sacrificada; mas ele se
desprendeu dos limites que o teriam restringido, na grande obra para a
qual ele foi destinado, e estava livre das controvérsias turbulentas que,
por algum tempo oprimira tão pesadamente seu espírito, e o impedira
em suas tarefas.

A nova era inaugurava-se com um registro alegre: "Na Igreja


de St. Luke [Old Street, City Road], nossa paróquia", ele diz, "teve tal
sinal, que eu acredito nunca tinha sido visto antes; centenas de
comungantes, alguém poderia julgar, pelos seus próprios rostos, que,
de fato, teriam visto a Ele crucificado". Os frutos de seu trabalho, e
daquele de seu irmão não estavam todos reunidos dentro da própria
sociedade deles, nem eram encontrados em meio aos Morávios. Eles

202
eram também visto nas várias sociedades religiosas, onde os irmãos
ainda freqüentemente expunham, e em diferentes paróquias de
Londres.

Os ataques que foram feitos, com respeito aos pecados das


pessoas não foram desacompanhados de dificuldade. Oposição de
várias formas estava agora começando a se manifestar. Em Long
Lane, muitos causaram turbulência, e propuseram que uma vil mulher
desse início a ela. No momento em que ela irrompeu, Wesley disse:
"Eu me virei para ela, e declarei o amor de nosso Senhor para sua
alma. Nós, então, oramos para que Ele confirmasse a palavra de Sua
graça. Ela teve seu coração quebrantado, e envergonhou-se. Dela, eu
me virei para o restante, que se dissolveu como água, e era como
homens sem força".

Ele sinceramente advertiu a todos que haviam testado da graça


de Deus, "a não pensarem que eles estavam justificados, antes que
tivessem uma clara segurança de que Deus havia perdoado seus
pecados, trazendo com isto, a paz, e o amor a Deus, e domínio sobre o
pecado. E, então, a não pensarem coisa alguma sobre si mesmos, mas
seguirem adiante, até serem totalmente renovados na retidão e
santidade verdadeira". Esses eram dois temas centrais em todos os
seus ensinamentos.

Quarenta ou cinqüenta daqueles que buscavam salvação


pediram permissão para passarem a noite, juntos, na sala da Sociedade
na Fundição, em oração e dando graças. Antes das dez horas, ele os
deixou e deitou-se, mas não adormeceu. Entre duas ou três da manhã,
ele estava acordado e suplicava ao descer para a parte inferior, onde
gritos altos e amargos eram ouvidos, e que aumentavam, à medida que
ele entrava na sala e começava a orar. Mas, em pouco tempo, "Deus
ouviu, de Seu santo lugar". A tristeza e o lamento desapareceram, e
foram substituídos por canções de louvor. Seu trabalho naquele tempo
era muito grande, com suas numerosas visitas aos doentes, ou ao
pesaroso; sua assídua atenção às sociedades; e seus freqüentes

203
serviços públicos. Mas, felizmente, as disputas estavam no fim, pelo
menos, por um tempo, e a obra era apenas uma alegria.

Domingo, no Outubro seguinte, em seu retorno de casa, de seu


serviço vespertino, em Kennington, uma turba estava reunida em volta
da porta da Fundição, e ele nem havia descido da carruagem, quando
eles o cercaram completamente. Ele imediatamente começou a falar
com aqueles que estavam mais perto dele, da retidão e julgamento
vindouro. A princípio não muitos ouviram, com o barulho
aumentando; mas gradualmente o silêncio se espalhou, mais e mais
além, até que ele teve uma quieta e atenta congregação; e, quando ele
os deixou, eles todos mostraram a ele muito amor, e se despediram
dele com uma bênção. Dois dias depois, muitos mais, vindo em meio
às pessoas, "como leões, em pouco tempo, tornaram-se como
cordeiros; as lágrimas escorrendo por suas faces, que a princípio
contradiziam e blasfemavam em alta voz". Dois dias mais tarde, uma
cena similar ocorreu. Enquanto ele estava lendo um capítulo de Atos,
um grande número de homens atravessou no meio da sala, e começou
a falar "muitas palavras inflamadas", de maneira que sua voz
dificilmente podia ser ouvida. "Mas", ele diz, "imediatamente depois,
o martelo da Palavra quebrou a rocha em pedaços: todos ouviram
quietamente as boas novas da salvação, e, alguns, eu confio, não o
fizeram em vão".

Como era quase impossível para ele assegurar um isolamento,


em Londres, ele foi para a casa de seu amigo Piers, em Bexley, onde
de manhã e à tarde, ele expôs o Sermão do Monte, e teve tempo livre
durante o resto do dia para ocupações de outro tipo. Ele, mais tarde,
incorporou seu ensino sobre o Sermão do Monte, em treze discursos,
que estão incluídos em seus recentes volumes de sermões. Eles são,
talvez, os mais belos exemplos do ensino ético, que ele, alguma vez,
redigiu, e são as melhores respostas à acusação de que o Metodismo
não tem mensagem ética.

Ao voltar para sua casa, à tarde, no enceramento de um


cansativo trabalho de Sabbath, ele novamente se encontrou com "uma

204
inumerável turba", em volta da porta, que abriu sua garganta, no
momento que o viu. Pedindo aos amigos que vieram com ele que
entrassem em casa, ele caminhou em direção ao povo, proclamando o
nome do Senhor, gracioso e misericordioso, e que eles se
arrependessem do mal. Eles se entreolharam. Ele continuou a falar, e,
então, os exortou a se juntarem em oração. A isto, eles concordaram, e
ele mais tarde, seguiu sem ser perturbado para a companhia que o
esperava dentro da sala.

Dois dias mais tarde, enquanto ele estava pregando, um jovem


entrou correndo com outros, praguejando e amaldiçoando
veementemente, e assim perturbou todos perto dele, que o colocaram
para fora. Wesley, observando isto, os chamou, para que deixassem o
jovem entrar. No encerramento do sermão, o intruso declarou, diante
de todos, que ele era um contrabandista, então, indo para seu trabalho
pecaminoso. Mas que ele agora resolveu aceitar o Senhor como seu
Deus, e não mais seguir aquelas práticas execráveis.

No outro domingo, enquanto Wesley estava explicando a


diferença entre ser chamado de cristão, e ser um, de fato, a loucura das
pessoas foi dominada, de maneira que, em pouco tempo, elas estavam
quietos e atentas, e permaneceram assim, até o fim. Uma outra vez,
enquanto estava pregando, muitos se reuniram com o propósito de
suplantaram sua voz; ele, então, "se dirigiu a eles, e lhes ofereceu
livramento de seu terrível mestre". A Palavra que ele entregou,
mergulhou profundo em seus corações e eles ficaram silenciosos.

Um dos lugares de diversão pública, e de má fama, foi o


Short's Gardens, em Drury Lane; para onde ele foi, e aos publicanos e
pecadores reunidos, declarou que o Evangelho de Cristo é o poder de
Deus, até mesmo para a salvação de tais ouvintes.

No domingo seguinte, ele diz: "Enquanto eu reforçava aquela


grande questão, com um olho para a ressurreição espiritual: 'Por que
é que se julga entre vós incrível que Deus ressuscite os mortos?' [Atos
26:8], muitos obstinados começaram a rugir novamente. Eu

205
proclamei novamente a libertação dos cativos, e a profunda atenção
deles mostrou que a Palavra enviada a eles não retornou vazia".

Assim ele começou a duelar com a violência do rude, turbas


desenfreadas, e conheceu seu poder para encontrá-los e silenciá-los.
Este poder era notável, porque ele tinha uma estatura baixa, e esta era,
como vimos, repetidas vezes, heroicamente exposta em dias
subseqüentes, sob circunstâncias do mais grandioso perigo.

O inverno de 1740-41, sendo usualmente severo, ele pediu


roupas para aqueles que podiam se privar delas, distribuindo-as em
meio aos numerosos pobres da Sociedade.

Apressando-se para Bristol, sempre uma jornada de dois dias,


para suprir o lugar de seu irmão, que tinha ido para Gales, em uma
viagem de pregação, ele passou nove ou dez dias falando
pessoalmente com tantos quanto pode, também visitando inúmeras
pessoas doentes, muitas delas sofrendo de "febre com manchas"
(provavelmente tifo, ou febre gaol [da cadeia], ou febre tifóide), que
tinha sido extremamente fatal em meio às pessoas de Bristol.

Em seu retorno a Londres, depois de uma ausência de quinze


dias, ele encontrou muitas pessoas sem trabalho. Para ir ao encontro
das necessidades delas, ele contratou um professor, e levando doze das
mais necessitadas para dentro da Sociedade, ele as empregou por
quatro meses, para cardar e fiar algodão; assim ocupou-as em trabalho
útil, e as manteve, durante os frios meses de inverno, a um custo baixo
sobre o produto de seus trabalhos.

Muitos da Sociedade ficaram ofendidos uns com os outros. Ele


trouxe os acusados e os acusadores, face a face, e no decurso da
semana, a maioria das ofensas desapareceu.

Os Diários mostram que Wesley tinha freqüente oportunidade


de ajustar diferenças e exercer disciplina em meio aos membros de
suas sociedades. Mas isto não será considerado surpreendente, nem

206
será motivo para depreciar a realidade da obra do Reavivamento,
quando se é lembrado em que condições degradantes de vida e moral a
maioria deles tinha sido resgatada, e, em que curto período de tempo,
eles estavam sujeitos a qualquer restrição e instrução religiosa; e,
quando, além disto, é trazido em mente que seus ambientes diários
eram os mais desfavoráveis para o cultivo da bondade.

Muitos relatos desagradáveis, concernentes à Sociedade, em


Kingswood, o alcançaram. Ele, portanto, deixou Londres; e, com
considerável dificuldade, e algum perigo, por causa do muito gelo e
das estradas mal feitas e mal preservadas, ele veio novamente para
Bristol, onde seu irmão confirmou os dolorosos relatos. Ele foi,
imediatamente, para Kingswood, na esperança de reparar as brechas
que tinham sido feitas na Sociedade. Começou expondo o Sermão do
Monte de nosso Senhor, nos serviços matutinos e vespertinos,
trabalhando o dia todo para curar as desconfianças e mal entendidos
que se levantaram. A raiz do mal se revelou, quando, indo ao encontro
de seu amigo Cennick, que estava retornando de uma curta viagem, e
desejando recebê-lo como de costume, com os braços abertos, ele se
certificou, para sua grande surpresa, que Cennick estava
"completamente frio, de maneira que um estranho julgaria que ele
nunca tinha me visto antes". No dia seguinte, Cennick disse-lhe que
não concordaria mais com ele, porque Wesley não pregou a verdade;
em especial, com respeito à eleição. Wesley diz significantemente:
"Nós, então, entramos em uma pequena controvérsia, mas sem efeito".
Ele encontrou algum conforto, no entanto, na tarde do domingo
seguinte, na festa do amor em Bristol, onde setenta ou oitenta da
Sociedade de Kingswood estavam presentes. Eles todos retornaram
para casa juntos, com a neve até os joelhos, na mais violenta
tempestade de neve e granizo, que ele pôde se lembrar; mas seus
corações estavam aquecidos, e eles se regozijavam e louvavam a Deus
pela consolação.

Em cinco dias, no entanto, ele foi pregar no serviço matinal em


Kingswood, quando ele registrou: "Minha congregação foi embora,
para ouvir o sr. Cennick, de maneira que, com exceção de poucos de

207
Bristol, eu tive não mais do que dois ou três homens, e o mesmo tanto
de mulheres; o mesmo número que eu tive uma ou duas vezes antes".

Aqui nós vemos o primeiro vestígio da telha, do que se tornaria


uma nuvem negra que o ofuscaria por muitos anos – a primeira
indicação do que provaria ser um dos mais opressivos julgamentos;
embora, na assembléia, ele conseguisse um dos seus maiores triunfos.

As últimas horas do ano encontraram os membros da


Sociedade com seu amor grandemente confirmado em direção uns dos
outros. E, com a casa, preenchida de uma extremidade a outra, eles
"concluíram o ano, lutando com Deus, em oração, e louvando a Ele,
pela maravilhosa obra que Ele já havia forjado sobre a terra".

Nós agora chegamos a um ponto na carreira de Wesley,


quando seria proveitoso fazer um intervalo. Nós traçamos sua
interessante história pessoal, desde seu nascimento, até seus trinta e
oito anos, e, intencionalmente, com alguma clareza. Nós seguimos o
curso de sua prolongada luta espiritual, sua emancipação final da
sombria incerteza, e sua entrada no completo desfrute da salvação
evangélica. Nós assinalamos os primeiros esforços para promover a
regeneração moral e espiritual de seus conterrâneos, e vimos os
primeiros exemplos da violenta oposição à sua obra, por parte das
turbas selvagens e brutais. Testemunhamos o começo da pregação no
campo; a fundação da Sociedade; e o trabalho parcial dos pregadores
leigos – os traços especialmente peculiares de seu método. Todos
esses devem ser considerados como estágios preparatórios em seu
progresso em direção da única obra suprema de sua vida – o mais
grandioso, o mais evidente, o mais frutífero de todos os serviços
apresentados por ele, para o levante espiritual do século dezoito, ou
seja, seus cinqüenta anos de ininterrupta pregação itinerante,
moldando um apelo contínuo à consciência da nação inglesa. O que
mais Wesley pudesse ter feito, sua obra se levanta acima de tudo. Ele
pode ser distinguido como um organizador, como um escritor de
muitos volumes, como o fundador de várias instituições benevolentes;

208
mas sua principal, sua inalcançável obra foi seu prolongado apelo ao
povo inglês.

Para a realização de tal obra, nenhum estratagema poderia


igualar à pregação do campo; de fato, a não ser por esta, não há
probabilidade de que a finalidade contemplada teria sido alcançada.
Nenhum outro meio se aproximaria disto, na aptidão para alcançar as
massas descrentes, indiferentes. A pregação no campo o trouxe, face a
face, com milhares e milhares de pessoas que nunca entraram nas
igrejas. Através deste recurso, ele travou conhecimento com o brutal e
o negligente, assim como, com os famintos e sedentos. Sem empenho,
sem vontade, freqüentemente em oposição à vontade deles, os homens
ouviram a voz que os prendia, ouviram palavras inflamáveis,
penetrantes, de condenação e advertência. Como que num poder
mágico, o telhado dos compartimentos escuros de seus corações foi
examinado, e seus pensamentos interiores revelados para eles; retrato
no qual eles se viram, diante de seus próprios olhos. Eles estavam
presos, fascinados, pela graça da voz e maneira, mas muito mais pelas
palavras convincentes, com as quais, como que com uma espada
saindo de sua boca, o Evangelista dividiu seus corações e seus
pensamentos dentro deles, em pedaços. Mas aquele que feriu curou.
Eles ouviram do amor e misericórdia, Divinos. Foi uma mensagem
nova para eles, e foi falada em novos tons de ternura, fervor e
convicção, que os comoveu e humilhou e ganhou.

Nenhuma voz falaria ao coração da nação, como a voz de um


pregador no campo. Centenas de clérigos paroquianos devotados,
confinados, em seus limites paroquiais, não teriam se certificado das
necessidades do momento. As pessoas de mente sóbria, decente,
respeitável, teriam atendido às suas paróquias, mas o impuro, e o
corrupto, o devasso, e o indolente não poderiam – não obscureceriam
as portas da igreja. Essas eram as classes que mais necessitavam
serem alcançadas. O enfermo precisa do médico; o perdido deve ser
salvo. Toda a honra para Wesley, porque essas eram as pessoas que
ele buscava; que em meio a essas, seus maiores troféus foram ganhos.
Mas eles poderiam ser apenas ganhos pela pregação no campo. E,

209
enquanto sua sagacidade prática em planejar métodos para o cuidado
dos convertidos estimula nossa admiração, o primeiro lugar deve ser
dado para seus apelos reiterados nos campos, ou estradas, ou pátios
das pousadas; da pedra tumular, ou muros, ou encostas, ou travessas
do mercado; em meio ao barulho da plebe, ou em um vale quieto,
onde quer que uma companhia pudesse se reunir; e esses apelos não
foram interrompidos por cinqüenta longos anos, salvo quando ele se
afastava por doença ou acidente. Não existe o que se iguale a isto na
história do Cristianismo Britânico.

Mas, no momento, ele está sob restrição, Londres e Bristol


propiciam amplo alcance para todas as atividades dos dois irmãos.
Aqui também, Wesley teve suas únicas construções. As Sociedades
nelas estavam sob seu cuidado absoluto; e nelas ele estava
desenvolvendo um Metodismo modelo, mesmo quando trabalhando
em Kingswood, uma espécie de apanágio para Bristol, para
estabelecer um modelo de escola cristã. Isto pode responder pela sua
detenção, naquele presente momento, a esses dois centros; e eles
fizeram incríveis exigências, com respeito ao seu tempo, sua atenção,
sua força. Porque ele não diminuiu seus serviços matutinos, sua
explanação para suas próprias sociedades e para a de outros, ou seus
sermões para multidões que se reuniam em Moorfields, e em qualquer
outro lugar em Londres, ou em espaços abertos em Bristol.

É verdade que ele fez breves excursões para Oxford, e para


algumas poucas cidades na vizinhança de Bristol, como vimos.
Também visitou algumas cidades no caminho de suas jornadas entre
Londres e Bristol. E fez uma curta viagem evangelista em South
Wales. Mas além desses limites ele foi incapaz de passar.

Nós podemos vê-lo verdadeiramente estendendo sua esfera ao


norte de Newcastle, e para Inverness; para o sul de Land's End; acima
dos Condados do Leste, Oeste, e do Interior; através de Gales e da
Irlanda. E ano após ano, por cinco décadas, ele dirigiu seus passos
através de estradas desiguais, no calor do verão, no frio do inverno,
em época de plantio, e colheita, com uma mensagem – a mensagem da

210
misericórdia para um povo culpado; chamando-os, como que com
uma voz de trombeta; denunciando seus pecados, como um profeta do
passado; demandando o arrependimento deles; proclamando o perdão
e paz, e tudo com fidelidade imperecível e trabalho incansável. É para
registrar essas décadas que os capítulos seguintes serão devotados.

Mas este estranho método de pregação nos campos não falhou


em excitar a mais vigorosa oposição, principalmente por parte
daqueles cuja posição e profissão os teriam justificado em aclamá-lo
como um subsidiário valioso para a própria obra deles. Assim Wesley
responde a esses oponentes em um de seus Apelos aos Homens de
Razão e Religião:

"Mas que necessidade existe", diz alguém de um espírito mais


moderado, "deste pregar nos campos e ruas? Não existem igrejas
suficientes para se pregar?". Não, meu amigo, não existe; não para
que preguemos. Você se esquece que não nos é permitido pregar lá, a
menos que prefiramos a elas a quaisquer outros lugares. [Isto deve ser
levado em consideração]. "Bem, existem ministros suficientes, sem
vocês". Ministros suficientes, e igrejas suficientes! Para o que? Para
reformar todos os pecadores dentro dos quatro mares? Se houvesse,
eles todos estariam reformados: portanto, é evidente que não existem
igrejas suficientes. E uma razão clara, porque eles não estão nem perto
de estarem reformados, não obstante todas essas igrejas, é esta: -- eles
nunca entraram em uma igreja; talvez, nem uma só vez, em doze
meses; talvez, nem por muitos anos consecutivos. E você irá dizer
(como eu soube de alguns cristãos de bom coração): "Então, é culpa
deles; que eles morram, e sejam condenados?". Eu admito que seja
culpa deles mesmos; e assim, é minha culpa e de vocês, quando nós
desviamos do caminho, como ovelhas que estão perdidas. Ainda
assim, o Pastor de almas foi atrás de nós, foi ao nosso encalço no
deserto. E "tu não deverias ter compaixão de teus subordinados,
como ele teve pena de ti?". Nós não deveríamos também "buscar", até
onde nos cabe, "salvar aquele que está perdido?".

211
"Observem o espantoso amor de Deus para com os banidos
dos homens. Sua terna condescendência à tolice deles! Eles não
dariam atenção à coisa alguma feita da maneira usual. Tudo isto
estava perdido para eles. A pregação comum da Palavra de Deus,
eles nem mesmo se permitiam ouvir. Assim, o diabo certificou-se
desses descuidados; porque quem os arrancaria da mão dele? Então,
Deus afligiu-se, e saiu do caminho usual para salvar as almas que Ele
criou. Desta forma, além do que era comumente falado em Seu nome,
em todas as casas de Deus na terra, Ele ordenou uma voz para
clamar no deserto: 'Preparem o caminho do Senhor. O tempo está
cumprido. O reino dos céus está à mão. Arrependam-se, e creiam no
Evangelho".

"Considerem calmamente, se não foi altamente expediente que


alguma coisa deste tipo existisse ... Tivesse o ministro da paróquia
pregado como um anjo, de nada valeria para eles; porque eles não
ouviriam. Mas quando alguém veio e disse: 'Lá está um homem
pregando no topo da montanha', eles correram, como numa boiada,
para ouvir o que ele dizia; e Deus falou aos seus corações. É difícil
conceber alguma coisa mais que os teria alcançado. Não tivesse sido
pela pregação no campo, a notabilidade da qual era a própria
circunstância que recomendava, eles teriam corrido para o erro de
seus caminhos, e perecido em seu sangue".

II PARTE – A Grande Obra

CAPÍTULO VII

A Década do Trabalho Árduo Evangelista (1741-1750)


A Condição Moral da Inglaterra

Antes de entrar mais completamente no registro da carreira


evangelista de Wesley, é necessário considerar brevemente o estado,
moral e religioso do país, que clamava tão ruidosamente pela obra a

212
que ele foi levantado a realizar. Já se falou tão freqüentemente da
degeneração da nação, que quase tende ao desgaste repeti-la. Mas tem
sido bem observado que a justiça a um reformador pode nunca ser
feita, até que as tendências contra aquilo a que seus efeitos são
dirigidos sejam bem entendidas. Não é difícil fixar sobre condições
precisas da vida nacional da época, que fez da reforma uma
necessidade absoluta, se a nação não sofreria daquelas conseqüências
que tomam a forma de julgamento, e que tão freqüentemente seguem
para degenerações grosseiras da sociedade humana. Existe um
consenso comum do testemunho que, nas primeiras décadas do século
dezoito, a Inglaterra apresentava a aparência de uma degradação
deplorável, nas maneiras nacionais, afetando, não apenas uma, mas
todas as seções da sociedade; e mostrando-se, não meramente em
poucos detalhes da vida nacional, mas em muitos, os resultados de um
processo de declínio, que tinha secretamente avançado.

Com uma voz quase uniforme, nossos melhores historiadores


do último século representam o precedente como tendo alcançado as
mais baixas condições da corrupção civilizada, e o testemunho deles é
apoiado por inumeráveis registros contemporâneos. O próprio Wesley
foi testemunha digna de crédito, e seu relato, escrito naquele tempo,
na primeira parte de seu Apelo aos Homens de Razão e Religião, é
corroborado completamente pelos muitos escritores contemporâneos e
subseqüentes. Muitos incidentes em sua história, como já vimos, e
como veremos mais adiante no decurso desta narrativa, lançou dentro
de um forte contraste, a ignorância e a grosseira pecaminosidade das
pessoas.

Não é possível, sob as limitações imperativas destas páginas,


entrar minuciosamente nos detalhes da degeneração nacional; mas isto
é o menos necessário, já que relatos completos serão encontrados em
todas as histórias daquele tempo. Poucos exemplos devem ser
suficientes.

Os professores autorizados da religião eram muitos deles


deploravelmente deficientes, tanto com respeito aos bons princípios,

213
quanto à superioridade e pureza de caráter. Dentro da igreja, a heresia
era predominante, e a convicção moral, deficiente; onde não era
deficiente, era medíocre; e, até mesmo em meio aos melhores de seus
filhos, os princípios da Reforma eram amplamente deixados de lado.
Ai de mim, as fontes da influência moral não fossem puras. Um dos
bispos daquele tempo diz: "Eu não posso observar isto, sem a mais
profunda inquietação, quando vejo a ruína iminente, pendendo sobre
a Igreja; e, em conseqüência, sobre toda a Reforma. O estado exterior
das coisas está negro o suficiente, Deus sabe; mas o que alimenta
meus temores surge principalmente do estado interior, no qual
infelizmente caímos". Ele lamenta a condição semelhante do clero e
dos candidatos às Ordens Santas. "O caso não é muito melhor", ele
diz, "em muitos que, tendo entrado nas Ordens, vêm para a
instituição, e não podem deixar transparecer que leram as Escrituras,
ou algum outro bom livro, desde que foram ordenados".

O menos surpreso ficará impressionado, com a declaração


acima, quando for lembrado, como afirma Justin McCarthy que,
naqueles dias, "Os homens eram ordenados com nenhum pensamento,
quanto à santidade de seu chamado; quanto ao solene serviço, a que
isto obrigava; às suas terríveis obrigações e demandas inexoráveis.
Eles desejavam simplesmente manter a escassez longe da porta, e ter
alimento e fogo e abrigo, e eles eram ordenados, como que sob outras
condições do que as que haviam tomado quando do recrutamento,
com não mais sentimentos de reverência pela sotaina preta, do que
pelo casaco escarlate". Com este, o testemunho do falecido bispo,
claramente coincide: -- "Por toda a Inglaterra, as cidades vivas eram
freqüentemente preenchidas com a caça, tiro, jogo, bebida, cartas de
baralho, praguejamento, clérigo ignorante, que não cuidava, nem da
lei, nem do evangelho, e negligenciava extremamente suas paróquias.
Quando eles pregavam, eles tanto pregavam para bancos vazios,
quanto para ovelhas famintas que procuravam alimento, mas não
eram alimentadas".

Um observador perspicaz, do lado da ortodoxia, notaria que


havia, naquele tempo, pouco descrente, especulando na Inglaterra,

214
porque havia pequeno interesse em alguma questão teológica; e um
grande cético descreveria a nação como acomodada na maior
indiferença apática, com respeito aos assuntos religiosos, que seriam
encontrados em alguma nação do mundo. Latitudinarismo [onde seus
representantes acreditavam que a revelação concordava plenamente
com a razão e com os princípios religiosos discerníveis através dela,
dando origem à teologia inglesa] se espalhara amplamente, mas quase
silenciosamente, embora todo o corpo religioso, e ensino dogmático
tivessem quase excluídos do púlpito. A despeito de ocasionais
explosões do fanatismo popular, o abatimento religioso caiu sobre a
Inglaterra, como se tivesse caído sobre o Continente.

William Law descreve a região como "um reino cristão de


imoralidade pagã, junto com uma crença só de boca de uma Igreja
Universal Santa, e Comunhão dos Santos". Canon Overton diz: "Esta
descrição muito exatamente retrata o estado da Inglaterra. Ela foi um
reino cristão, visto que não rejeitara o Cristianismo, como uma fé
histórica; por outro lado, eu imagino que, em alguns poucos períodos,
tem acreditado, em um sentido, sido mais geral, do que foi neste
tempo, exatamente depois do completo colapso do Deismo". Mas ela
estava cheia da imoralidade pagã. Law dificilmente esboçou um
quadro tão negro, quando disse: "Não existe corrupção ou depravação
da natureza humana; nenhum tipo de orgulho, ira, inveja, malícia, e
amor-próprio; nenhuma sorte de hipocrisia e fraude; nenhuma
libertinagem da luxúria, em todo tipo de devassidão; que seja tão
comum por toda a Cristandade, quanto é nas cidades e vilas". "Como
prova disto", ele acrescenta, em uma nota, "Veja Rapin, Smollett,
Horace Walpole, as exortações de Secker, os Diários de Wesley, etc.,
aqui e ali. De fato, da quase unânime voz de todos os escritores
contemporâneos ecoa o lamento melancólico".

Lecky, que deu minuciosa consideração à história nacional do


século dezoito, tem retratado com doloroso pormenor, a condição das
maneiras da época, e seus detalhes sombrios são confirmados por
muitas testemunhas concorrentes.

215
Que os primeiros anos do século testemunharam a maior
inatividade e degradação das duas Universidades, é óbvio para muitos
escritores, e, como já se referiu ao assunto, não é mais necessário
considerá-lo. Mas é alguma surpresa que a condição moral e os
conhecimentos intelectuais da massa do clero fossem tão baixos,
quando o estado da vida colegial era tão deplorável?

Além disto, nos seminários Presbiterianos, o Arianismo estava


vagarosamente aprofundando-se no Socianismo, e as sociedades
religiosas, que, no século anterior, tinham prometido exercer uma
influência mais amplamente proveitosa, tinham, infelizmente,
sucumbido em insignificância comparativa.

 Socianismo [doutrina introduzida por Fausto Socino, um


adepto do movimento teológico dos séculos 16 e 17, professando
crença em Deus e adesão às Santas Escrituras, mas negando a
divindade de Cristo].

 Arianismo [doutrina herética de Ário contra o dogma da


Santíssima Trindade, pois atribuía ao Filho de Deus uma espécie de
divindade secundária].

Um latente ceticismo e uma indiferença difundida


prevaleceram em todos os lugares, em meio às classes educadas. A
velha religião pareceu perder a sua forte influência sobre as mentes
dos homens, e freqüentemente teve nenhuma preponderância, até
mesmo, sobre seus defensores. Butler, no prefácio de sua Analogia,
declarou que "chegou a se ter como certo que o Cristianismo não é
tanto mais um objeto de questionamento, mas que ele agora,
finalmente, se revelou fictício". Ele fala, por todo lado, de uma
"decadência geral da religião nesta nação, que é agora observado
por cada um, e tem sido, por algum tempo, queixa de todas as pessoas
sérias".

A Corte, que geralmente é sempre tão influente, quanto ao bem


ou o mal, na conduta e maneiras das pessoas, encontrava-se, naquele

216
tempo, em uma condição gravemente imoral; sua grosseira corrupção,
durante o reinado dos dois Georges, é assunto de notoriedade comum.
E descendo, através de diversos graus, nos quais a sociedade humana
necessariamente dividiu os males fatais: o da vida imoral era
predominante.

Em meio às classes reinantes, havia um modelo degradante de


honra política; a corrupção política, na verdade, foi, talvez, a
imoralidade mais evidente da sociedade inglesa. Dizem que apenas
uma meia dúzia de membros do Parlamento atendia à adoração
pública. As maneiras e gostos da pequena nobreza eram
freqüentemente vulgares e ignorantes, no nível mais baixo; a massa
dos cavalheiros vivia pobre e miseravelmente em seus estados,
excluída da comunhão com o mundo, sem uma ocupação, a não ser
aquela da caça; ou uma ambição, a não ser aquela de ser o mais sagaz
beberrão dos membros.

Se tal era a condição da pequena nobreza, não é de se admirar


que as classes mais inferiores, estimuladas pelo exemplo dos seus
"superiores", e desimpedidas, quer pelos princípios religiosos, ou
instrução moral, pudessem descer tão baixo, de maneira a justificarem
o período, descrito como uma das barbáries sociais.

O drama tem sempre exercido uma poderosa influência em


moldar o gosto e maneiras das pessoas. A devassidão do teatro,
durante a geração que se seguiu à Restauração, pode dificilmente ser
piorada. Os teatros eram fontes de grande corrupção; o teatro inglês
sendo muito inferior ao francês em decoro, modéstia, e moralidade.

A grosseria prevalecente da vida e sentimento modernos era


pouco mitigada pela Imprensa. Os escritos de Swift, Defoe, Fielding,
Coventry, e Smollett, eram suficientes para ilustrar a grande diferença
que, neste aspecto, separou a primeira metade do século dezoito de
nosso próprio tempo.

217
Um de nossos recentes historiadores observa: "A Igreja estava
absolutamente fora da relação com a grande massa de pessoas. O
pobre e o ignorante eram deixados tranqüilamente aos seus próprios
recursos. O clérigo não era, de fato, de modo algum, um corpo de
homens deficiente na moralidade pessoal, ou mesmo no sentimento
religioso; mas eles tinham pouca, ou nenhuma atividade religiosa,
porque eles tinham pouco ou nenhum zelo religioso. Eles executavam
negligentemente suas obrigações mecânicas, e isto, como uma regra,
era tudo que eles faziam... Atterbury, Burner, Swift, toda sorte de
escritores que eram, eles próprios, ministros da Igreja da Inglaterra,
unem-se para testemunhar a apática condição em que a Igreja havia
caído... As coisas eram ainda piores na Igreja da Irlanda. Dificilmente
um pastor daquela Igreja poderia soletrar três palavras da Língua do
povo irlandês".

Retomando para onde iremos, em nossa pesquisa da nação,


deparamo-nos com um estado de coisas mais deplorável, e ao mesmo
tempo, o mais prodigioso. Das mais altas classes na terra -- a Corte, o
Parlamento, a Igreja, as escolas, e os ricos proprietários de terra –
descendo para os comerciantes e o grande populacho, todos
apresentam aspectos que clamam altamente pelo advento do
reformador religioso. É doloroso, até mesmo, imaginar qual teria sido
o resultado não tivesse um impedimento sido colocado neste processo
de decadência moral.

Exceções honrosas foram encontradas, em meio ao clero e à


laicidade na Instituição, e em meio aos Dissidentes – os mais fiéis que
lamentaram o aviltamento nacional, mas não tinham poder para atacá-
lo. Eles brilharam como estrelas, em uma noite escura; mas o que a
nação precisava era do brilho da luz de uma manhã ensolarada. Mas,
quando a escuridão era a mais profunda, aquela luz surgiu. Quando a
condição moral do país parecia estar perto de sua mais baixa
decadência, e as pessoas mais próximas do limite extremo da
degradação, foi, então, que agradou à Divina Providência levantar
agentes preparados, adequados para impedirem a tendência declinante,
e inaugurar uma nova era. Ao lado do mais notável processo de

218
preparação, como as páginas prévias mostrariam, estavam os servos
do Divino, prontos para seu alto chamado. Dotação individual, grande
cultura, ou dons especiais, uma regeneração pessoal, uma disciplina
religiosa severa, hábitos de abnegação, introduzindo austeridade, uma
intrepidez destemida, zelo invencível, e entusiasmo fervente, juntos
com o mais completo altruísmo, e uma fé mais profundamente
enraizada em sua missão, na verdade deles, e na co-operação Divina –
Deus operando com eles – foram, em meio às mais altas qualidades, o
que adequou esses homens devotos a ser instrumentos preparados para
o cumprimento de uma grande e espiritual reforma.

Atenção é conseguida, através da maravilhosa obra de


regeneração que Wesley e seus colaboradores começaram, e para tão
surpreendente extensão, executaram; mas de cuja obra, ele deve
sempre ser considerado o principal líder e o principal autor. E isto, não
meramente porque sua carreira foi mais longa que a deles, nem porque
ele era dotado de um grau mais elevado do que eles, com as
qualificações necessárias para liderar uma grande obra; mas,
principalmente, por causa de seu gigantesco e variado trabalho, sua
atividade irrepreensível, e sua persistência inabalável, no uso das mais
efetivas medidas. Ele não apenas foi o principal líder do movimento;
ele foi a alma dele. Ao prestarmos honra a Wesley, portanto, não é
necessário ocultar isto da vista de seus coadjutores, ou atirar o
trabalho deles na sombra. Um instrumento frágil, na mão Divina;
adequado, chamado, e usado, pelo poder Divino, sua obra foi muito
grande.

Mas outros também foram chamados e qualificados; e muito


alegremente ele lhes deu as boas-vindas; a cada um, quem retribuísse
com o menor apoio. Nunca um líder esteve, em tão grande
empreendimento, livre do ciúme de qualquer honra que seus co-
operadores ganhassem. Whitefield, com seu dramático poder
espiritualizado, seu trabalho autodesgastante, e seu sucesso brilhante;
Charles Wesley, não apenas o autor de hinos, escolhido por todos, mas
um pregador mais vigoroso do que geralmente se supõe, ele tenha sido
– talvez, em suas primeiras trajetórias, nem um pouco atrás, de

219
qualquer um dos dois; Fletcher, mais tarde, com seu espírito seráfico,
sua caneta poderosa, e seu trabalho inflamado; a gradual ampliação do
círculo de clérigo simpatizante, e outros que o auxiliaram na obra; e
não menos, os itinerantes "ajudadores leigos", um nobre grupo de
homens, labutando em um serviço heróico, e freqüentemente
penetrando onde o quase onipresente chefe não poderia ir, sempre
pronto para cumprir sua ordem, uma vez que ele, com uma habilidade
geral, os preparou para o amplo campo de conflito; os pregadores
leigos que não foram colocados aparte da obra, mas que, quando
capazes, seguiram seus comércios e pregaram seus sermões, em sua
própria vizinhança, e, por este motivo, chamados de "pregadores
locais"; líderes necessários das "classes" de crentes, em meio aos
quais estavam muitas mulheres devotas, úteis e honradas; os
administradores que cuidaram de todos os assuntos financeiros; e
muitos outros, cada um contribuindo de acordo com sua habilidade
para a condução da grande campanha – todos eram bem-vindos, todos
eram devidamente reconhecidos e reverenciados, e, igualmente
amados, por causa de suas obras.

Mas Wesley foi o líder. Ele foi reconhecido como tal, até
mesmo, em Oxford, imediatamente, do reunir-se no "clube santo", e
sua posição nunca foi contestada; e ele foi o principal trabalhador.
Ninguém fez tanto quanto ele. Ele trabalhou mais, ele pregou mais, ele
escreveu mais do que qualquer um deles. É sua obra que essas páginas
pretendem ilustrar. Ele se coloca diante de nós como o grande
campeão desta campanha santa, com seus trabalhos incomparáveis,
sua grande capacidade de tolerância, sua fidelidade resoluta, e com
uma convicção, aprofundando e instalando-se em sua alma de que ele
foi o mensageiro de Deus para um povo ignorante. À sua obra, ele
devotou sua inteira força e tempo, sem se apressar, e igualmente, sem
descanso. Como muitos de seus colaboradores, ele suportou privação,
fadiga, calúnia, e tratamento brutal, pelas mãos das turbas violentas.
Como um bravo capitão, ele esteve na mais abundante das lutas,
nunca hesitando em tomar o lugar do maior perigo ou da maior labuta.
Ele pregava, bem cedo de manhã, até que a sombra da noite caísse; ele
continuou em frente em sua pregação, em qualquer condição de

220
tempo, e em todas as horas, tendo seus planos em seu bolso, seus
livros e papéis em seu alforje, ou sobre as prateleiras, preparadas em
sua carruagem – sua "máquina" de viagem. Sua caneta estava tão
pronta, quanto sua língua, surpreendendo todos que conheciam a
extensão de seus escritos; suas cartas foram inumeráveis. Os originais
e cópias de mais de duas mil dessas folhas efêmeras têm sido
preservadas até hoje.

Em meio às muitas qualidades que o distinguiram, no mínimo


estava sua indomável firmeza de propósito. Os leitores das páginas
antecedentes puderam observar quantos e quão grandes obstáculos se
apresentaram em seu caminho; mas eles foram ineficazes para desviá-
lo dele. É mais observável, ainda, quantas causas para o
desencorajamento pareceram continuamente surgir a sua volta. Mas, é
igualmente surpreendente que elas tiveram tão pouco efeito sobre ele.
Ele não diminuiu suas tarefas em um grau mais leve por consideração
a elas. A reincidência dos convertidos, nas mesmas circunstâncias
desfavoráveis, na qual eles estiveram situados, pareceu estimulá-lo a
renovar esforços para reformar aqueles acrescentados para defender a
fidelidade, nem a apostasia dos amigos, não mais do que o declarado
antagonismo de seus inimigos, o desviou de seu curso – não, nem por
uma hora. Ele estava contente da autonomia, sustentado pela profunda
e inalterável convicção de que, como ele foi chamado para sua obra,
pela autoridade Divina, "então, ele seria sustentado pelo apoio
Divino".

Não está em nosso poder, traçar seus passos através dos longos
anos, e manter o ritmo com ele, em sua rápida passagem de cidade a
cidade, de vila a vila, ao longo de 250.000 milhas que o cuidadoso
estima seja a extensão de sua viagem por todas essas ilhotas, em um
grande chamado junto ao povo adormecido, para que acorde, e se
levante, a fim de que Cristo lhes traga a luz. Assim, um relato
minucioso é impossível, embora os materiais estejam, em grande
proporção, à mão. De certa forma, isto tem sido feito até aqui, com o
objetivo de dar uma idéia da multiplicidade e variedade de suas
ocupações, e de sua incessante devoção à grande obra que ele tinha a

221
realizar. Afirmações subseqüentes devem ser mais genéricas,
mencionando apenas os incidentes mais notáveis e o que quer que
possa especialmente apontar para o desenvolvimento do que Wesley
usava chamar de "a Obra de Deus"; porque, por mais interessantes
que os incidentes individuais possam ser, nos fatigaria examinar o
relato deles. O que foi, então, pacientemente executá-los!

Este ano, com exceção de aproximadamente um mês em


Oxford, três meses em Gales, e uma semana em Midlands, Wesley
dividiu seu tempo em proporções quase iguais, entre Londres e
Bristol. Charles Wesley alternou com ele, embora ele pregasse mais
em Bristol, do que em Londres.

No encerramento de 1740, nós vimos os primeiros vestígios da


nuvem, na apostasia parcial do valioso ajudador leigo de Wesley, em
Kingswood – John Cennick. O ano seguinte iniciou em meio a
alternâncias de exultação jubilosa pelo poder de Deus manifesto, e
tristes indicações da fraqueza do homem. Reunindo todas as Bands de
Bristol e Kingswood, Wesley relatou o que Deus havia feito por eles,
através dele, e qual retorno eles deram nos diversos meses passados,
com as disputas contínuas, divisões, e ofensas, fazendo com que ele
seguisse oprimido no decorrer do dia. Mas outros panoramas o
alegrou. Muitos receberiam benefícios de seus trabalhos em pregar e
expor, de forma que ele escreve, na alegria de seu coração: "À tarde,
nossas almas foram preenchidas com o espírito da oração e ação de
graças, de maneira que dificilmente eu conseguiria explicar como, até
que eu encontrei onde isto estava escrito: 'Minha canção seja sempre
da bondade amorosa do Senhor; com minha boca eu sempre
mostrarei Tua verdade, de uma geração a outra'".

Retornando a Londres, ele se encontrou com a Sociedade na


Fundação. "Aqui", ele diz, em 22 de Janeiro, "eu comecei expondo
onde meu irmão desistiu, ou seja, (I João 4). Ele não pregou na
manhã anterior [por exemplo, no serviço das cinco da manhã], nem
pretendeu fazer isto mais".

222
Isto aponta para a apostasia da parte de Charles Wesley, que
demanda uma breve consideração. O próprio Charles evidentemente
alude para seu risco de desviar-se, e, como isto pareceria, em sua
evasão, há algum tempo, no 22 de Junho do ano anterior, quando ele
escreve: "Eu conclui o dia na festa de amor com os homens [em
Bristol]. Paz, unidade, a amor havia aqui. Nós não nos esquecemos de
nossos pobres irmãos desatentos que havia, até que os Morávios
vieram. Como devo eu me regozijar do meu livramento das mãos e
espírito deles! Minha alma escapou da armadilha do passarinheiro. E
eu não amasse os cordeiros de Cristo [um termo Morávio], na
verdade, os lobos terríveis, eu não veria a face deles mais. Eu não sou
mais um devedor do Evangelho a vocês. Vocês me desobrigaram
completamente; mas se vocês rejeitam meu testemunho, outros o
recebem alegremente!". Três dias antes disto, ele descreveu para a
Sociedade em Oxford, "A tranqüilidade dos primeiros cristãos, (Atos
2:42), que perseveraram na doutrina dos apóstolos; e na comunhão,
no partir do pão e nas orações'". E, em Abril daquele ano ele
escreveu o hino intitulado, Os Meios da Graça, que, ele diz, ele
"imprimiu como um antídoto para a tranqüilidade".

Nos primeiros três meses deste ano, havia um completo espaço


vazio no Diário de Charles Wesley; mas é evidente que muito deste
tempo foi gasto por ele em Londres, e é provável que, enquanto por lá,
ele esteve novamente sob a influência dos Morávios, e, especialmente,
de seus amigos, Sr. Hutchings, Sr. Stonehouse, Vigário de Islington,
Sr. Chapman, e seu cunhado, Sr. Westley Hall, que se manteve
afastado da Fundição, associado aos Morávios, influenciado por eles,
e pareceu inclinado a se juntar a eles.

No entanto, em 12 de Fevereiro, Wesley escreve: "Meu irmão


retornou de Oxford, e pregou sobre a maneira correta de esperar por
Deus: assim, dispersando, imediatamente, os temores de alguns, e as
vãs esperanças de outros, que confidentemente afirmaram que o Sr.
Charles Wesley já era quietista, e não viria mais para Londres". Mas
nisto, Wesley parece ter sido muito sanguíneo, porque em 21 de Abril,
logo depois que Charles retornou de Bristol, Wesley escreveu uma

223
carta para ele de Londres, em que, depois de dirigir-se, de diversas
maneiras, ele fornece razões completas e abundantes, porquê ele "não
poderia, de maneira alguma, juntar-se aos Morávios", e acrescenta o
que pode explicar mais adiante seu sincero repúdio a eles:

"Como eu ainda não me atrevo, de maneira alguma, a me


juntar aos Morávios: (1) Porque o projeto geral deles é místico, não
bíblico, -- infinitamente além das claras doutrinas do evangelho. (2)
Porque existem trevas e estagnação em todo o comportamento deles,
e fraude em quase todas as suas palavras. (3) Porque eles não apenas
não praticam, mas menosprezam e depreciam extremamente, a
abnegação e a cruz diária. (4) Porque eles, por princípio,
conformam-se com o mundo no uso de ouro, e vestuário vistoso e
caro. (5) Porque eles estendem a liberdade cristã, neste e em muitos
outros aspectos, além do que é autorizado pelo menos, com respeito
ao seu próprio povo. E, (por fim), porque eles fazem com que a
religião interior reprima a exterior em geral. Por essas razões,
principalmente, Deus sendo meu ajudador, eu antes prefiro ficar
completamente só, do que me juntar a eles – Eu quero dizer, até que
eu tenha segurança completa de que eles não irão espalhar mais esses
erros em meio ao pequeno rebanho entregue aos meus cuidados".

"Ó, meu irmão, minha alma está aflita por você: o veneno está
em você: palavras bonitas roubaram seu coração. Eu temo que você
não possa encontrar alguém em Bristol, em tão grande liberdade
como Marschall! 'Nenhum homem ou mulher inglesa é como os
Morávios'". [Charles Wesley estava agora em Bristol. Ele endossou a
cópia desta carta na Coleção Colman: 'Quando eu me curvei aos
Alemães'. Ele evidentemente usou as palavras: 'Nenhum homem ou
mulher inglesa é como os Morávios'. Seu irmão se referiu ao perigo
em seu Diário. A preocupação não estava terminada. Lady
Huntingdon, em uma carta a John Wesley, em 24 de Outubro, fala de
Charles, como tendo declarado guerra à Quietude Morávia, e se refere
a si mesma como "o instrumento nas mãos de Deus, que o livrou
deles".] "Assim, o assunto vem para uma questão justa. Cinco de nós
ainda permaneceram juntos, poucos meses, desde então; mas dois se

224
foram para o lado direito (pobre Hutchings e Cennick); e dois mais,
para o lado esquerdo, (Sr. Hall e você). Senhor, se for Teu evangelho
o que eu prego, levanta e mantém tua própria causa [Adieu!]".

 O que foi o Quietismo: Uma corrente mística surgida no


final do séc XVII, promovida principalmente por Miguel Molinos, que
propicia a passividade absoluta no trabalho da própria perfeição --
Wesley rompeu com os Morávios, cujas visões Quietistas tinham um
efeito similar de fechar a igreja a todos aqueles que sinceramente
buscavam a fé. Quando Peter Bohler, e, então, Philip Molther
pressionaram a espiritualidade Quietista sobre a Sociedade de Fetter
Lane, eles foram vigorosamente detidos por Wesley. Para o Quietista
a aproximação com Deus era uma espera passiva Nele, por um
movimento interior do Espírito. Não deveria haver coisa alguma desta
natureza tumultuosa Metodista, de cantar e pregar, nem algum recurso
para os Meios da Graça, incluindo a total abstinência da Comunhão
Santa.

Se Charles Wesley estava liberto de uma vez da armadilha não


está aparente; mas no domingo, 20 de Julho, ele escreve: "Nossa
esperança foi muito confirmada por aquelas palavras, que eu reforcei
em Kingswood: 'Não temais; estai quietos, e vede o livramento do
Senhor' (Êxodo 14:13); ou, como foi mais tarde afirmado: 'Por que
clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem' (verso 15). Eu
discursei à tarde, sobre o mesmo assunto, de (Isaías 64:5) ' Tu sais ao
encontro daquele que, com alegria, pratica a justiça, daqueles que se
lembram de ti nos teus caminhos. Eis que te iraste, porque pecamos;
há muito tempo temos estado em pecados; acaso seremos salvos?'.
Daqui, eu exaltei a lei das ordenanças cristãs, exortando aqueles que
esperam pela salvação, a serem como vasos nas mãos do oleiro,
encorajando-se a segurar firme no Senhor. Deus deu-me muita
liberdade para explanar; aquela mais ativa, vigorosa, agitada idéia, a
quietude verdadeira".

O episódio completo pode ser encerrado pelo seguinte extrato


de uma carta endereçada pela Condessa de Huntingdon a John

225
Wesley, que mostra similar ao perigo em que Charles havia caído, e a
dívida dele para com sua senhoria por seu livramento:

 Quem foi Lady Huntingdon -- O caráter pessoal de Lady


Huntingdon mereceu e ganhou o mais profundo respeito. Um escritor
anglicano ressalta a coragem moral que a capacitou, quando exposta a
todas as tradições de uma aristocracia, nas condições em que a
aristocracia estava, nos reinados de George II e George III, ao deixar
de lado todos os preconceitos da corte, e enfrentar todo o desprezo e
ridículo por parte deles, para participar da mesma sorte, e sem reserva,
com os Metodistas desprezados, é admirável. Se ela parecia, algumas
vezes, adotar algum ar imperioso, em direção aos seus protegidos, nós
devemos lembrar que uma condessa era uma condessa naqueles dias, e
que ela foi, certamente encorajada, pela reverência extravagante
prestada a ela por Whitefield e outros. John Wesley, de fato, nunca se
deslumbrou pela sua grandeza, ao contrário, isso o levou a, mais de
uma vez, censurar a imperiosidade "daquela mulher valorosa".

É evidente que, mesmo na corte corrupta de George II, sentiu-


se que Lady Huntingdon tinha escolhido a melhor parte. Um dia na
corte, o Príncipe de Gales inquiriu onde Lady Huntingdon estava, já
que ela raramente visitava o círculo de amizades, naquele tempo. Lady
Charlotte Edwin respondeu com escárnio: "Eu suponho que pregando
com seus mendigos". O príncipe balançou a cabeça e disse: "Lady
Charlotte, quando eu estiver morrendo, eu penso que ficarei feliz, em
agarrar a beirada do manto de Lady Huntingdon, e me erguer com
ela, até o céu".

----

21 de Outubro de 1741.

"A sabedoria é justificada pelos seus frutos. Sua resposta à


primeira parte da minha carta quase me silenciou completamente
quanto a este assunto. Mas eu acredito que o Diário de seu irmão
esclarecerá mais completamente a você o que eu quis dizer. Porque

226
eu me esforcei muito, para que existissem tão poucas armadilhas no
caminho dele, quanto possível. Desde que você nos deixou, os mais
simples não ficaram sem os ataques deles. Eu temo muito mais por ele
do que por mim, já que o conquistador de um poderia ser nada para o
outro. Eles, através de seus representantes, me injuriaram muito, mas
eu não tomei conhecimento, como se eu nunca tivesse ouvido alguma
coisa a respeito".

"Eu me conforto muito que você aprove uma medida, que seu
irmão e eu tomamos com respeito a eles. Não menos do que ele
declarar abertamente guerra contra eles. Ele pareceu ter alguma
dificuldade quanto a isto, no início, mas eu dei a ele toda liberdade
para usar meu nome, como instrumento nas mãos de Deus, para que
ele se libertasse deles. Eu me regozijo muito com isto, esperando que
este seja um meio de operar meu livramento deles também. Eu pedi a
ele que incluísse seu sermão sobre a Perfeição Cristã, no
endereçamento a eles. A doutrina que ele contém, eu espero viver e
morrer por ela; é a coisa mais absolutamente completa que eu
conheço. Deus ajudou em suas fraquezas; Seu Espírito esteve com
você na sua fidelidade. Você não pode calcular o quanto eu me
regozijo, no Espírito, por isto".

"Seu irmão também dará suas razões para a completa


separação; e eu terei uma cópia da carta que ele enviará a eles, para
manter comigo. Eu tenho grande fé de que Deus não o fará cair; Ele
certamente terá misericórdia dele, e não dele apenas, porque muitos
caem com ele. Eu sinto que ele me faria vacilar com sua queda; mas
eu fugirei deles, como que de um pólo a outro; porque eu serei
correta em minha obediência. Suas habilidades naturais, seu
julgamento e o progresso que ele alcançou, estão tão acima do que de
melhor eles tenham feito, que eu imaginaria que nada, a não ser o
delírio poderia tê-lo aprisionado; mas, quando refleti sobre ele, com
tantos defensores da carne, em volta dele, tendo a forma de anjos de
luz, que estremeci de medo por ele, eu não encontraria conforto, se eu
não soubesse seguramente que Ele que é por ele é maior do que
aquele que é contra ele".

227
"Quando você receber o Diário dele, você se regozijará muito,
quando vier na quinta-feira, 15 de Outubro...".

Tivesse Charles se afastado de sua firmeza para com a


verdade, e de sua fiel aliança com seu irmão, as conseqüências teriam
sido irreparáveis. Felizmente, aquela calamidade foi evitada, e seu
serviço no grande empreendimento evangelista foi superado apenas
por aquele do próprio Wesley; enquanto que, através de seus hinos
evangélicos inigualáveis, ele supre um ministério interminável para
com a Igreja de Cristo sobre a terra.

Erupções renovadas da violência popular agora apareceram,


como, por exemplo, em Deptford, "onde muitos pobres miseráveis se
reuniram, vazios extremamente de bom-senso e decência comum. Eles
gritavam, como que saindo de suas tumbas. Mas a palavra tinha
poder, e muitos deles ficaram completamente confusos". Antes que ele
pudesse pregar em Shrove, na terça-feira, "muitos homens do tipo
mais aviltante, tendo se misturado com as mulheres, comportaram-se
tão indecentemente, que ocasionaram muita confusão. Um
condestável ordenou a eles para manterem a paz. Pelo que eles o
derrubaram". Poucos dias depois, enquanto pregando em Long Lane,
Southwark, "o exército de forasteiros se reuniu, e uma enorme pedra
caiu exatamente sobre seus ombros".

Com todas as coisas, estabelecidas de acordo com sua vontade,


ele deixou Londres em 17 de Fevereiro. Ele se deparou com a
dolorosa condição dos assuntos em Kingswood, e vizinhança,
principalmente causado pela atitude assumida por Cennick, que, com
quinze ou vinte outros, veio até ele, e lhe disse que ele "pregou a
fidelidade do homem, mas não a fidelidade de Deus". Havia problema
também em Bristol, onde ele inquiriu, tão completamente quanto
pode, concernente às divisões e ofensas que, não obstante, as
preocupações sinceras que ele teve, começaram novamente a
expandir-se.

228
Ele passou um mês infeliz empenhando-se para reconciliar a
agora instável Sociedade em Kingswood, mas sem efeito. Cennick
declarou: "Nós estamos dispostos a nos juntarmos a você. Mas nós
também queremos nos encontrar, aparte de você. Por isto, nós nos
encontramos para confirmamos um ao outro, naquelas verdades, da
qual você fala contra". A inevitável divisão tomou lugar; cinqüenta e
dois simpatizantes de Cennick afastaram-se, enquanto mais de
noventa foram expulsos. Wesley ocupou muito do seu tempo em
visitar muitas pessoas doentes, e em ajustar a Sociedade de Bristol,
que tinha sido muito prejudicada por essas tristes disputas.

Ele, então, tendo organizado os assuntos, melhor do que


esperava fazer, retornou, a pedido de seu irmão, para Londres, onde se
afastou das atividades, durante quatro horas, todos os dias, exceto no
sábado, para falar com alguém que pediu por isto, e uma hora, todos
os dias, para examinar as "Bands", para que nenhuma pessoa
desordenada, ou descuidada, ou contenciosa permanecesse em meio a
eles. A doença, estando muito predominante, ele fixou um método
regular de vistas, oito ou dez pessoas se oferecendo para a obra, "os
quais", diz ele, escrevendo para seu irmão, "deve ter igualmente
dedicação completa; porque mais e mais adoecem todos os dias". Esta
obra estendeu-se grandemente mais tarde.

Em 1º. de Maio, Wesley escreve: "À noite, eu fui para uma


pequena festa do amor, que Peter Boher realizou para aqueles dez
que se juntavam, há três anos, naquele dia, 'para confessar nossas
faltas uns aos outros'. Sete de nós estivemos presente; um estando
doente, e dois relutantes em virem. Certamente virá o tempo, quando
haverá novamente 'união de mente, como se em nós todos houvesse
apenas uma alma'

Ele foi compelido a se separar deles, não obstante ele quisesse


a união.

229
No dia seguinte, ele teve uma conversa, de diversas horas, com
Peter Böhler e Spangenberg. O assunto da conversa foi, "uma nova
criatura", o relato de Spangenberg sobre o que foi assim falado: "No
momento em que objetivamos ser justificados, uma nova criatura é
colocada dentro de nós. Isto, de outra forma, é denominado, o novo
homem. Mas, não obstante, a velha criatura, ou o velho homem,
permanece em nós, até o dia de nossa morte. E com o velho homem,
permanece o velho coração, corrupto e abominável. Porque a
corrupção interior permanece na alma, por quanto tempo a alma
permanece no corpo. Mas o coração que está no novo homem é limpo.
E o novo homem é mais forte do que o velho; de maneira que, embora
a corrupção continuamente nos despoje, ainda assim, enquanto
olhamos para Cristo, ela não prevalece ".

Mas Wesley não acredita na necessária permanência desta


corrupção até a morte. Ele ensinou seu povo a sinceramente buscar
pela sua inteira destruição. Isto seus amigos, as pessoas de Fetter
Lane, chamou de sua doutrina da "perfeição sem pecado" – um termo
que ele repudiou inteiramente. Ele pregou uma "Perfeição Cristã",
justificando o uso do termo, não apenas das Escrituras, mas também
da Coleta [oração que precede a epístola] no Serviço de Comunhão;
"Limpa os pensamentos de nossos corações, pela inspiração do Teu
Espírito Santo, para que possamos perfeitamente amar a Ti; e
merecidamente glorificarmos Teu Santo Nome". Esta elevação do
ideal da vida cristão foi um dos grandes serviços prestados por Wesley
à Igreja.

Na semana seguinte, ele registra: "Nós concordamos em nos


encontrarmos para orarmos e humilharmos nossas almas diante de
Deus, para que Ele nos mostrasse Sua vontade, concernente a nossa
re-união com outros irmãos em Fetter Lane. E com este objetivo,
todos os homens e mulheres das Bands se encontraram a uma da
tarde. Nem nosso Senhor desprezou nossas orações, nem deixou a Si
mesmo sem testemunho diante de nós. Mas ficou claro para todos, até
mesmo para aqueles que eram antes os mais ardorosos com relação a
isto, que o tempo não virá".

230
Um dos eventos proeminentes do ano de 1739 foi a pregação e
publicação do sermão da Graça, para o qual foi anexado um hino de
trinta e seis estrofes, ou a Redenção Universal, por Charles Wesley.
Trata-se de um discurso notável; -- um dos mais hábeis de Wesley; --
um tratamento cuidadoso e vigoroso do assunto, claro na declaração e
conclusivo no argumento. Nenhuma resposta efetiva a ele foi escrita.
Wesley parece ter sentido necessário fazer um pronunciamento
antecipado e forte sobre a questão. Ele estava consciente do fato de
que doutrina falsa circulara em meio às Sociedades, causando divisão,
e seduzindo alguns dos membros da firmeza deles.

Tyerman descreve o sermão como, em alguns aspectos, o mais


importante que Wesley, alguma vez, publicou. Ele diz: "Eu me refiro
à divisão que Whitefield [não mais do que Wesley] pleiteou, e também
à organização da Conexão de Lady Huntingdon, e a fundação dos
Metodistas Calvinistas em Wales; e, finalmente, culminada na feroz
controvérsia de 1770, e a publicação do inigualável, 'Restrições ao
Antinomianismo', que tão efetivamente silenciou a heresia Calvinista,
de maneira que sua voz dificilmente foi ouvida naquele tempo a este".
Talvez, isto atribua muito para a influência deste simples sermão. Foi
o reconhecimento da doutrina, preferivelmente a alguma discussão
específica dele, que conduziu para os resultados citados. Mas o
sermão marca o começo da controvérsia, o decurso da qual Tyerman
apontou:

Durante a primeira viagem de Whitefield para a América, não


havia sinal de ensino Calvinista; nem mesmo durante o tempo que ele
passou na Inglaterra, depois de seu retorno, até imediatamente depois
de seu segundo embarque, quando em um sermão, pregado em Stoke
Newington, quinze dias antes que ele embarcasse, e, depois publicado
em um volume de sermões, ele faz três referência aos "eleitos",
afirmando em um deles que: "A verdade é esta: Deus, como
recompensa pelos sofrimentos de Cristo, prometeu dar aos eleitos a fé
e o arrependimento, com o objetivo de trazê-los para a vida eterna; e
essas, e as todas as coisas mais, necessárias para a felicidade eterna

231
deles, estão infalivelmente asseguradas para eles nesta promessa,
como o Sr. Boston, um excelente clérigo escocês, docemente e
claramente nos mostra, em um livro intitulado, 'A Aliança da Graça'",
assim revelando uma fonte de suas idéias.

Tyerman pensa que Whitefield absolveu esses sentimentos dos


sermões dos irmãos Erskine, com os quais ele se declarou muito
satisfeito e edificado, recomendando-os, e ao Cristo Místico, do Bispo
Hall, e o sermão de Boehme, para todos. Tyerman está, portanto,
correto em dizer que o Calvinismo de Whitefield "nasceu na
Inglaterra, por volta do mês de Junho de 1739, mas foi cuidado e
fortemente fortalecido na América em 1740".

Embora, tanto Wesley quanto Whitefield fossem ferventes e


resolutos em pregarem cada um seu próprio entendimento da verdade,
ainda assim, eles eram sinceramente desejosos de que a diferença em
suas opiniões não conduzisse a alguma diminuição do respeito e
afeição fraternos, um pelo outro. A correspondência deles, durante a
segunda estada de Whitefield na América, amplamente testifica isto.
Algumas das cartas de Whitefield, enquanto afirma sua crença
crescente nas doutrinas do amor eleito, era mais ternamente patética
em suas afirmações, com relação aos seus velhos amigos. Wesley, da
sua parte, evitou cuidadosamente alguma coisa que fosse igualmente
perturbar sua feliz camaradagem. Whitefield, no entanto, auxiliado,
dizem, por alguns dos ministros na América, preparou uma réplica ao
sermão da Graça Livre, de Wesley, e a publicou em Charlestown e
Boston. Durante sua viagem para casa, ele escreveu uma carta a seu
amigo Charles Wesley, datada de 1º. De Fevereiro de 1741, na qual
ele diz: "Meu querido irmão, por que você ofereceu o osso da
contenda? Por que você imprimiu aquele sermão contra a
predestinação? Por que você, em especial, meu querido irmão
Charles, anexou seu hino, e reuniu e lançou seu recente hinário?
Como você pode dizer que não contenderá comigo a respeito da
eleição, e ainda assim imprime tais hinos, e seu irmão envia seus
sermões, contra a eleição, para o Sr. Garden e outros, na América?
Você não pensa, meu querido irmão, que eu devo estar tão

232
preocupado com a verdade, ou que eu penso a respeito da verdade,
como você? Deus é meu Juiz, eu sempre estive, e espero que eu
sempre esteja, desejoso de que você possa ter preferência diante de
mim. Mas eu devo pregar o Evangelho de Cristo, e isto eu não posso
agora fazer, sem falar da eleição". Referindo-se à resposta dele, ele
acrescenta: "Se isto ocasionar uma estranheza em nós, não será minha
falta. Não existe nada em minha resposta estimulando a isto, que eu
saiba. Ó, meu querido irmão, meu coração quase sangra dentro de
mim. Eu penso que eu estaria disposto a permanecer aqui no mar
para sempre, preferivelmente a vir para a Inglaterra me opor a você".

Chegando em Londres, no mês de Março, Whitefield submeteu


sua resposta a Charles Wesley, que a retornou endossada com as
palavras "Ponha novamente tua espada dentro de seu lugar"; e isto
conduziu à postergação de sua publicação por um tempo.

Já para o encerramento do mês, Wesley escreve: "Após ouvir


muito a respeito do comportamento indelicado do sr. Whitefield,
desde seu retorno da Geórgia, fui até ele, ouvi-lo falar por si mesmo,
para que eu soubesse como julgar. Eu aprovei grandemente sua
franqueza de discurso. Ele me disse que eu preguei dois Evangelhos
diferentes; e, portanto, ele não apenas não se juntaria a mim e meu
irmão, ou me daria a mão direita de camaradagem, mas estava
resolvido a publicamente pregar contra nós, onde quer que pregasse,
afinal. Sr. Hall, que foi comigo, o lembrou da promessa que fizera
alguns poucos dias antes, de que, qualquer que fosse sua opinião
pessoal, ele nunca pregaria publicamente contra nós. Ele disse que a
promessa foi apenas um efeito da fraqueza humana, e que agora ele
pensava de uma outra forma". Assim sendo, ele pregou contra os
Wesleys, quer em Moorfields ou em qualquer outro lugar. E, até
mesmo quando convidado a ocupar o púlpito da Fundição, diante de
alguns milhares de pessoas, e com Charles Wesley sentando-se ao seu
lado, "ele pregava aos graus absolutos da maneira mais peremptória
e ofensiva".

233
Whitefield foi assim mostrado em um curso de ação que lhe
trouxe, até mesmo, mais dor do que aos outros. Ele foi a vítima, por
ocasião das muitas circunstâncias desfavoráveis e conflitantes. Suas
relações hostis com os Wesleys tornaram-se uma obscura, se não
admitida, fonte de tristeza para ele. Seu profundo amor e respeito por
eles não se harmonizavam com suas ações em direção a eles, de
maneira que seu coração estava dividido. Suas responsabilidades
monetárias na conexão com o Orfanato na Geórgia eram muito
grandes. Ele fora também severamente manipulado por vários críticos
de suas cartas imprudentes sobre, "Todo o Dever do Homem, do
arcebispo Tillotson. Por um tempo, sua popularidade diminuiu. Dizem
que dos vinte mil que se reuniam em suas pregações, o número tinha
decrescido para duzentos ou trezentos. Ele mesmo diz que, em vez de
haver milhares atendendo a ele, dificilmente um de seus filhos
espirituais vinha vê-lo de manhã à noite; e que, em uma ocasião,
quando pregava em Kennington Common, nem mesmo umas cem
pessoas estiveram presentes para ouvi-lo. As destruidoras exibições da
eleição e reprovação de Wesley não igualmente acrescentariam a
atratividade do professor deles. Mas, acima de tudo, simpatizantes
imprudentes de suas idéias estimularam-no à ações que provavelmente
nunca cometeria, tivesse sido deixado aos impulsos de sua generosa
natureza. Não houve necessidade de pessoas insensatas que buscaram
fomentar uma disputa, como quando, no início de Fevereiro deste ano,
uma carta pessoal de Whitefield a Wesley, ilicitamente impressa, foi
distribuída em grande quantidade na porta e na própria Fundição.
Afortunadamente, Wesley conseguiu uma, e, depois de pregar, relatou
o fato claro para a congregação, dizendo-lhes: "Eu farei exatamente o
mesmo que acredito o Sr. Whitefield faria, estivesse ele aqui
pessoalmente", e rasgou a carta em pedaços, diante de todos; cada um
que a havia recebido, fazendo o mesmo; de maneira que, em dois
minutos, não havia uma cópia completa em meio deles. Wesley algum
tempo depois escreveu: "Em Março de 1741, o sr. Whitefield, tendo
retornado para a Inglaterra, aqui estava a primeira brecha, que
homens entusiasmados persuadiram o sr. Whitefield a criar,
meramente por uma diferença de opinião. Aqueles que acreditaram
na redenção universal não desejaram se separar; mas aqueles que

234
abraçaram a redenção restrita não quiseram ouvir de algum
entendimento, determinados a não ter camaradagem com os homens
'em tais erros perigosos'. De modo que agora existem duas sortes de
Metodistas: aqueles para redenção restrita, e aquelas para a redenção
geral.

Esta separação deve ser vista como uma ocorrência


especialmente dolorosa e lamentável nos primeiros alvoreceres da
grande Avivamento. O que parece ser a abertura de um dia brilhante
foi obscurecido com nuvens. Mas, depois de um curto período de
tempo, ela havia passado, a velha amizade havia sido restaurada, e
permitiu não mais interrupção até a morte de Whitefield.

Whitefield rapidamente recuperou sua popularidade. Ele


pregou muito na Inglaterra, e já no encerramento do ano, tinha uma
recepção mais calorosa na Escócia; e no ano seguinte, o notável
avivamento em Cambuslang tomou lugar. Ele partiu novamente para a
América, em Agosto de 1744. No início de 1776, Wesley escreveu:
"O Sr.Whitefield visitou-me. Ele respira coisa alguma, a não ser paz e
amor. O fanatismo não se posiciona mais diante dele, mas oculta sua
cabeça onde quer que ele vá"; e, em confirmação da perfeita
restauração e afeição e amizade, refere-se ao fato de que Whitefield,
em seu último testamento, escreveu com sua própria mão,
aproximadamente seis meses antes de sua morte: "Eu deixo um
'mouning-ring' [um anel usado, como um memorial na morte de uma
pessoa] para meus honrados e queridos amigos, e desinteressados
colaboradores, o Rev. Srs. John e Charles Wesley, como sinal de
minha indissolúvel união com eles, em coração e afeição cristã, não
obstante nossa diferença em julgamento a respeito de alguns pontos
específicos da doutrina". E Whitefield menciona mais adiante do
desejo sempre repetido de que Wesley pregasse seu sermão fúnebre.
Este serviço melancólico, Wesley executou no ano de 1770, tanto na
capela de Tottenham Court Road, quanto no Tabernáculo, Moorfields,
e deu o mais amplo testemunho das mais excelentes qualidades, o zelo
profundo, os trabalhos quase sem paralelo, da eloqüência esmagadora,
o sucesso maravilhoso de seu querido amigo.

235
Embora neste tempo Wesley sofresse muito de dor e fraqueza,
ele não diminuiu seu trabalho. Para seu espírito, uma vez, caridoso e
metódico, saída renovada para a energia agora apareceu.

Muitos da Sociedade, necessitando de alimento e vestuário, e


sem emprego; enquanto outros, doentes e prontos para perecerem, e
ele incapaz de sozinho atender às necessidades deles, ele visitou a
Sociedade Unida para trazer as roupas que eles podiam dispor, e dar
contribuições semanalmente de um pence ou mais, que pudessem
proporcionar, para aliviar o pobre. Ele, então, empregou as mulheres
paupérrimas em trabalhos de tricô, pagando valor comum para o
trabalho delas, e acrescentando a ele o que elas necessitavam. Além
disso, ele designou doze inspetores, cujo dever abraçaria a visitação e
alívio, todos os dias, a todo o doente, em seus diversos distritos, e a
provisão daquilo que era necessário a eles. Eles se encontravam uma
vez por semana, davam um relato do trabalho deles, e consultavam
sobre o que mais poderia ser feito.

A pedido premente de seu irmão, ele partiu em 18 de Maio


para Bristol. Quando ele entrou na sala, no encerramento do sermão
de seu irmão, alguns choravam alto, alguns batiam as mãos, alguns
gritavam, e os demais louvavam, com todos verdadeiramente unidos.

Aqui ele passou uma semana, durante a qual ele encontrou


abundante ocupação, examinando os novos membros da Sociedade,
visitando o doente – nenhum dos quais, ele encontrou, quer temendo
ou lamentando da pregação, e ajustando os assuntos pecuniários da
Sociedade, e da escola em Kingswood. Ele, então partiu cedo de
retorno para Londres. No dia seguinte, ele se regozijou com a pequena
sociedade em Windsor, e à noite, pregou na Fundição. Ao encontrar o
sr. Piers, de Bexley, "muito estremecido pelo irmão 'quietista'", ele
falou claramente com ele; a armadilha foi quebrada, e ele o deixou
regozijando-se na esperança e louvor a Deus. Não era de se
surpreender que muitos dos simplórios e ignorantes abraçassem a
ilusão "quietista", quando, até mesmo o clérigo foi vitima dela. Ele

236
exortou uma congregação lotada a não receber a graça de Deus em
vão, e reforçou o mesmo na Sociedade, que agora somava por volta de
novecentas pessoas.

A extensão gradual de sua obra agora começa, com ele tirando


uma semana para o turismo dentro do país, na sincera persuasão de
Lady Huntingdon. Durante os dois dias de sua jornada exterior, em
Leicestershire, ele fez um experimento, para o qual ele fora
freqüentemente e sinceramente pressionado a fazer; ou seja, "falar
com ninguém, com respeito às coisas de Deus, exceto se seu coração
estivesse livre para isto", como resultado ele não falou com ninguém,
afinal, por oitenta milhas consecutivas; de maneira que ele não teve
cruz para carregar ou tomar, e comumente, em uma hora ou duas, caia
rápido no sono; também obteve muito respeito mostrado a ele, como
um cavalheiro civilizado, e afável; ele acrescenta: "Ó, quão agradável
é tudo isto para a carne e sangue! Você precisa circundar mar e
terra, para fazer prosélitos para isto?". Ele atravessou de
Northampton para Markfield, onde havia um grande despertamento,
mas um pregador "quietista" tinha estado lá, e três quartos
adormeceram tão depressa como sempre. Também para Ogbrook,
onde o professor "quietista" estava instruindo as pessoas, se elas
cressem, a serem quietistas; não pretenderem a prática das boas obras
(o que não poderia ser feito até que cressem); a deixarem de lado o
que elas chamavam de os meios da graça, tal como oração, e ir à
Igreja e ao Sacramento.

Seu amigo, Sr. Caspar Greaves ofereceu-lhe o uso da igreja, e


Wesley explicou a verdadeiro evangelho quietista, e na manhã
seguinte, pregou para uma larga congregação. Ele, então, cavalgou
para Nottingham, onde uma sociedade tinha sido formada, mas ele a
encontrou sem vida: a sala, que antes ficava lotada do lado de dentro e
de fora, agora estava cheia pela metade; ninguém usava de alguma
oração, nem se ajoelhava quando a oração era oferecida; e o hinário
[um daqueles publicados pelos Wesleys, e que tinha sido enviado para
uso na congregação] e a Bíblia desapareceram, "substituídos pelos
hinos Morávios, e os sermões do Conde!" [Conde Nicholas Ludwig

237
Vin Zinzendorf – líder Morávio]. Ele expôs, mas "com um coração
oprimido", e, novamente, na manhã seguinte; e à noite em Markfield,
onde a igreja estava completamente lotada. Depois do serviço matinal,
ele partiu para Melbourne, onde a casa, demasiadamente pequena para
a companhia, ele permaneceu, sob uma grande árvore e pregou; e
novamente em Hemington, onde o povo teve que ficar na porta e
janelas. Tyerman acredita que foi provavelmente nesta viagem, que
ele se familiarizou com a Condessa de Huntingdon, que vivia na
vizinhança, no Castelo Donington. Neste particular, ele estava errado,
sua senhoria já era conhecida dos Wesleys, há algum tempo, e era
membro da Sociedade Metodista de Fetter Lane. No dia seguinte,
domingo, ele cavalgou em Nottingham, e, às oito horas, pregou no
mercado para "uma imensa multidão", retornando para Markfield, à
tarde, onde a igreja lotada estava tão quente que ele teve dificuldade
de ler o serviço. Já que a abundante multidão não poderia entrar, ele
foi até eles e pregou; e novamente à noite, na igreja.

Em seu caminho para Londres, no dia seguinte, ele "leu o


célebre livro de Martinho Lutero, Comentário sobre a Epístola aos
Gálatas", quando se declarou inteiramente envergonhado do fato de
ele ter tido tamanha consideração por este livro, meramente porque ele
tinha sido recomendado por outros, ou tinha lido apenas alguns
excelentes extratos dele. Agora ele declara que o autor "revela coisa
alguma, não esclarece uma dificuldade considerável, é superficial em
muitas passagens, confuso em quase todas; de maneira que ele está
profundamente impregnado com o completo misticismo, e, por isto,
com freqüência, perigosamente errado". Ele entende que a verdadeira
origem do grande erro dos Morávios, como, então, ensinado, foi
seguir Lutero para o melhor e para o pior. Vindo para Londres, à
noite do dia seguinte, ele pregou sobre (Gálatas 5:15) "Se vós, porém,
vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais uns
aos outros"; e, citando o comentário de Lutero, abertamente advertiu a
congregação contra o tratado, e publicamente retirou qualquer
recomendação que ele ignorantemente tivesse dado dele. Algumas
partes do comentário de Lutero tido sido, no entanto, muito útil nos

238
primeiros períodos, especialmente para Charles Wesley, com respeito
aos assuntos da fé e justificação.

No dia seguinte, ele cavalgou para Oxford, e se certificou que


lá restavam, em meio aos pobres, apenas dois dos vinte e cinco ou
trinta comungantes semanais. Nenhum deles atendeu às orações
diárias da Igreja, e, aquela companhia que fora, uma vez, unida estava
separada e dispersa. Aqui, ele permaneceu uma semana, em que ele
consultou o sr. Gambold, com respeito ao assunto de seu Sermão
Acadêmico. Sr. Gambold lhe disse que não era o momento, "porque
todos estão tão preconceituosos, que eles não se importam com nada
do que você diz". Naquele momento, ele inquiriu "concernente aos
exercícios prévios para o grau de Bacharel em Teologia". Alguns
dias depois, ele encontrou novamente o sr. Gambold, que
honestamente lhe disse que ele estava envergonhado da companhia
dele; e, portanto, se recusaria a ir com ele para a Sociedade.

Retornando a Londres, ele pregou em Short's Gardens, e, no


domingo seguinte, em Charles' Square, quando uma turba trouxe um
boi, que eles se esforçaram, mas em vão, para dirigir em meio às
pessoas; porque o animal andava em volta, de um lado para outro, e,
por fim, atravessou no meio de todos e desapareceu. Em Bristol, ele
foi para Abingdon, a pedido sincero de alguns que havia por lá; mas
registra: "povo tão estúpido, insensível, tanto no sentido espiritual
quanto natural, eu dificilmente tinha visto antes. Ainda assim, Deus é
capaz de levantar filhos para Abrão, dessas pedras".

Em 25 de Julho, ele pregou diante da Universidade para uma


numerosa congregação, sobre O Quase Cristão, e partiu à tarde, para
pregar no dia seguinte na Fundição. Ele se emprenha, a todo hora, em
pregar, visitar o doente, ou os membros da Sociedade, e expor. O
último não parece ter sido um exercício apressado, porque, em um
caso, quando chegou a vez do Nono Capítulo de Romanos, ele
continuou "uma hora mais do que o usual, e foi persuadido pela
maioria, se não todos, que estavam presentes, a ver se este capítulo
não tinha mais a ver com a predestinarão irrestrita, do que o nono de

239
Gênesis". Ele também começou a dar conferência sobre o Livro
Comum de Oração.

Em 3 de Setembro, ele teve uma conversa prolongada com


Zinzendorf, em Latim, o que ele registra em seu Diário, anexando uma
carta para a Igreja Morávia, escrita pouco antes. Nesta, ele declara, diz
ele, da maneira mais clara que pôde, a verdadeira controvérsia, entre
os Morávios e ele, uma tarefa desagradável, que ele protelou por
quanto tempo pôde com a consciência limpa.

A desejo do sr. Deleznot, um clérigo francês, para quem ele já


havia pregado, "depois de ter sido muito importunado", Wesley
oficiou na Capela de Hermitage-street, Wapping, onde ele administrou
o Sacramento da Ceia do Senhor, para aproximadamente duzentos
membros, tantos quanto o lugar poderia acomodar. O mesmo número
atendeu no domingo seguinte, e assim, no dia do Senhor, até que toda
a Sociedade, por volta de mil, atendeu; aqueles que tinham o
Sacramento em suas próprias paróquias foram avisados de atenderem
lá.

A caminho de Bristol, ele encontrou seu irmão, com o Sr.


Jones, do Castelo Fonmon, que agora estava convencido da verdade,
como ela está em Jesus. Em Kingswood, a casa foi preenchida, de
uma extremidade a outra, e eles continuaram ministrando a Palavra de
Deus, e na oração e louvor, até de manhã. Ele fez duas breves visitas a
Wales, pregando onde quer que fosse. Em seu encontro com Howel
Harris, Humphreys, e Seward — todos agora distintamente da seita
Calvinista – eles "falaram sobre o assunto favorito deles". Wesley
pediu por oração, em vez de controvérsia, e Harris desistiu de alguns
pontos, e esforçou-se sinceramente para assegurar a paz.

Chegando em Bristol, ele encontrou a doença reinante, e logo


se comprometeu a visitar os sofredores. Quando cavalgava para
Kingswood, seu cavalo caiu, tentou levantar e caiu novamente sobre
seu cavaleiro. Wesley foi socorrido em uma casa, onde, sempre
mantendo sua única ocupação diante dele, ele encontrou três pessoas

240
que "seguiam bem, até que satanás os impediu". Antes que ele
partisse, eles resolveram se pôr a caminho novamente. Ele alcançou
Kingswood, à tarde, e pregou, retornando a Bristol, pregou
novamente; então, falou em um encontro da Sociedade, e, mais tarde,
atendeu uma festa do amor. Ele escreve: "Eu não me lembro de coisa
alguma parecida a isto, em muitos meses; um grito foi ouvido de uma
extremidade da congregação a outra; não de aflição, mas de alegria e
amor transbordante".

No início de Novembro, Wesley regozijou-se muito no


conforto que ele encontrou tanto em público, quanto em privativo. Isto
foi, no entanto, logo seguido por um severo ataque de enfermidade,
que continuou por um mês.

Não sendo possível ir a igreja, no momento, comungou em


casa. Ele foi avisado a permanecer dentro de casa, por algum tempo
mais, mas, não entendendo que fosse necessário, ele foi para a Nova
Sala, em Kingswood, e em Bristol, e, mais tarde, passou uma hora
com a Sociedade, e, por volta de duas horas, na festa do amor. Seu
corpo, não entanto, não pôde se manter no mesmo passo que sua
mente, e, no dia seguinte, ele teve um outro ataque de febre; mas ela
não durou muito tempo, e ele gradualmente se recuperou e retornou
para suas tarefas completamente.

Ele agora se sentiu obrigado a exercer disciplina, em mais de


trinta da pequena companhia em Bristol, aos quais ele se certificou
não estarem mais adornando o evangelho. Ele retornou a Londres, em
tempo de pregar nas Vésperas do Natal, e encontrar a Sociedade, mais
tarde, "quando", ele diz, "nós mal conseguimos partir, com nossos
corações tão envolvidos em direção um ao outro".

No último dia do ano, ele foi novamente acometido de febre,


mas atendeu a um funeral, como prometera fazer, e "não pode refrear
de exortar a quase inumerável multidão", que se reuniu em torno da
sepultura. Ele, mais tarde, pregou, e se encontrou com a Sociedade,

241
quando "muitos clamaram com um grito alto e amargo". Por volta das
dez horas, ele os deixou e retirou-se para descansar.

Muitos trabalhos pessoais de Wesley já haviam sido entregues,


mas é impossível registrar todos. Cada hora, literalmente, cada
momento, desde as quatro da manhã, foi usada para a devoção da sua
obra. Se um intervalo ocorria entre os serviços públicos, seus
encontros com as Sociedades, suas visitações ao enfermo, ele o
ocupava em escrever ou concluir uma leitura. Porque até mesmo seu
tempo gasto encima do cavalo era utilizado para leitura, como temos
visto.

Na manhã do novo ano, Wesley acordou com uma forte febre,


mas consentiu em se manter na cama, com a condição de que cada um
que desejasse teria liberdade para falar com ele. Cinqüenta ou sessenta
pessoas fizeram isto. Naquela noite, ele dormiu bem, para o espanto
de todos, o médico, em especial, que disse que ele nunca tinha visto
tal febre em sua vida.

Dois dias depois, ele encontrou os líderes das Bands, de manhã


e a tarde, e se juntou com a pequena companhia em "grande sacrifício
de ação de graças". À tarde, na festa do amor, dos homens, ele pediu
que eles se aproximassem; e aqueles que a sala não pode conter
ficaram do lado de fora, enquanto em uma só voz, eles louvavam a
Deus.

No dia 4, "acordou em perfeita saúde", e pregou manhã e


noite, todos os dias, durante a semana. No sábado, enquanto pregava,
"uma turba rude ergueu sua voz ao alto". Ele "foi ao encontro dela,
sem demora. Alguns tiraram seus chapéus e não mais abriram suas
bicas; o restante saiu devagarzinho, um após o outro".

Ele escreveu:

242
"Enquanto eu explanava em Longe Lane, 'Aquele que comete
pecado é do diabo'; seus servos ficaram, sem medida, enfurecidos.
Eles não apenas fizeram todo o barulho possível (embora, como eu
pedira antes, nenhum homem se levantasse de seu lugar, ou
respondesse a eles uma palavra), mas violentamente empurram
muitas pessoas, de um lado para outro, golpearam outras, e
derrubaram partes da casa. Por fim, começaram a atirar grandes
pedras sobre ela, que, quando forçavam o caminho deles, para aonde
quer viessem, caiu, junto com as telhas, em meio às pessoas, de
maneira que elas corriam risco de morte. Eu, então, lhes disse: 'Vocês
não devem prosseguir assim; eu tenho ordens do magistrado, que é,
neste aspecto, para nós, o ministro de Deus, para informá-lo a
respeito daqueles que não cumprem as leis de Deus e do rei; e eu
devo fazer isto, se vocês persistirem nisto; do contrário, eu serei
cúmplice do pecado de vocês'".

"Quando eu parei de falar, eles estavam mais injuriosos do


que antes. Ao que eu lhes disse: 'Que três ou quatro homens calmos
venham para frente, e tragam o conflitante com eles, para que a lei
possa tomar seu curso'. Eles assim fizerem, e o trouxeram para dentro
da casa, praguejando e blasfemando, de uma maneira terrível. Eu
pedi que cinco ou seis viessem comigo até o Juiz Copeland, para o
qual eles narraram o fato claramente. O Juiz o encaminhou para as
seções seguintes em Guildford".

"Eu observei que, quando o homem foi trazido para dentro da


casa, muitos de seus companheiros gritavam: 'Richard Smith, Richard
Smith', que, como pareceu mais tarde, era um dos mais robustos
campeões. Mas Richard Smith não respondeu; ele caiu no poder do
Maior que eles; assim como uma mulher que falava palavras não
adequadas para serem repetidas, e atirar o que lhe chegasse à mão, a
quem Deus dominou no mesmo ato. Ela entrou na casa com Richard
Smith, caiu de joelhos diante de todos, e fortemente exortou a Ele que
nunca volta atrás; nunca esquece da misericórdia que tem mostrado a
sua alma". Um bom exemplo do que Wesley chamava de "o leão que
se transforma em cordeiro". Eles não tiveram mais perturbações em

243
Long Lane; afastaram a perseguição e o ofensor prometeu um
comportamento melhor.
No dia seguinte, ele pregou, em Chelsea, sobre a fé que é
operada pelo amor. Ele estava muito fraco, e nos diz que, quando
entrou na sala, "quanto mais 'as bestas humanas' cresciam na loucura
e raiva, mais eu me fortalecia, quer no corpo ou na alma; de maneira
que eu acredito, poucos na casa, que estava excessivamente cheia,
perderam uma sentença do que foi falado. Na verdade, eles não
podiam me ver, nem alguém, a algumas poucas jardas de distância,
devido à fumaça densa, que foi ocasionada pelo fogo grego e coisas
deste tipo, continuamente atiradas na sala. Mas aqueles que puderam
louvar a Deus, no meio do fogo, não ficariam temerosos por um
pouco de fumaça".

Depois da exclusão de alguns que não caminhavam de acordo


com o Evangelho, ele se certificou que a Sociedade de Londres estava
comprimida em cento e onze membros.

Um assunto interessante, neste momento, clamava por nossa


atenção.

Desde o momento em que Wesley começou a pregar para seus


compatriotas, depois de seu retorno da Geórgia, gradualmente surgiu
diante dele uma grande idéia de espalhar a santidade bíblica, através
da terra, o que ele verdadeiramente discerniu como o propósito da
Providência Divina, no surgimento do Metodismo. Esta idéia deu
forma a todos os seus planos e organizações. Se isto não fosse obtido,
a reivindicação do Metodismo não estaria cumprida; todas as
atividades eram bem-vindas, apenas quando prometiam auxiliar neste
único propósito. O que não contribuísse para isto estaria fora da
marca. O primeiro passo em direção a esta finalidade foi, é claro, o
pregar o evangelho, e isto, a todos. Mas, antes que ele pudesse fazer o
experimento de pregar a Palavra, e entregá-la, e estes a aceitarem, para
as contingências da fidelidade individual, ele foi treinado na escola
Morávia a guardar e cultivar a vida espiritual de um crente. Esta foi a
lição inspecionada por Whitefield; e, embora seja impossível

244
adequadamente estimar os grandes benefícios de seu extraordinário
trabalho, ainda assim, deve-se reconhecer que ele falhou na
continuidade e permanência visível que caracterizou a obra de
Wesley, desde o início.

Wesley tinha o convertido da Sociedade, e todo convertido à


verdade era encorajado a entrar na proteção de seus companheiros, e
era, depois de devido exame, engajado como um membro. Mas, por
que entrar na Sociedade? Esta era a soma de todas as coisas?
Certamente que não. Ela era um meio para a uma finalidade. Nós
temos visto que dentro da Sociedade havia poucas companhias
chamadas "Bands", sendo cada encontro da "Band", sob o cuidado de
um sênior, algumas vezes, chamado de "líder", para propósitos de
mútuo encorajamento e ajuda. Os encontros especiais, embora
freqüentes, da Sociedade, fora das congregações, aconteciam onde as
Escrituras eram expostas, as obrigações cristãs reforçadas, e a
infidelidade checada. Mas, além disto, cada membro da Sociedade era
visitado pessoalmente, e sua vida pessoal observada e cuidada pelo
próprio Wesley. Ele levava em sua algibeira, escrito por ele mesmo, e
renovado de tempos em tempos, o nome e endereço de cada um, até
mesmo, quando a Sociedade somava diversas centenas. Quase através
de esforços sobre-humanos, ele os visitou em suas casas, tão
freqüentemente quanto sua força e atividade espantosa o capacitava,
até mesmo quando suas residências estendiam-se "de Westminster a
Wapping" — de uma extremidade a outra de Londres.

Esta foi a primeira condição das coisas: nós agora


testemunhamos o desenvolvimento da Sociedade, de sua organização
imperfeita à completa organização, e do estabelecimento das classes
de encontro Metodista.

Partindo para Londres, pelo caminho de Chippenham (que ele


alcançou com dificuldade; o tempo, tão inclemente e tempestuoso, que
ele mal conseguia manter-se em seu cavalo), ele veio para Kingswood,
Bath, e Bristol. Aqui ele passou alguns dias com todos aqueles que
desejaram permanecer na Sociedade Unida, e, em 15 de Fevereiro, deu

245
um passo da mais extrema importância para toda a estrutura e a
história futura do Metodismo. O incidente, em si mesmo, foi
comparativamente insignificante. Wesley assim o relata: "Eu
conversava com diversos da Sociedade de Bristol, com respeito aos
meios de pagar os débitos restantes da Horsefair Room, quando um
tal capitão Foi, levantou-se e disse: 'Que cada membro da Sociedade
dê um pêni, por semana, até que tudo esteja pago'. Um outro
respondeu: 'Mas muitos deles são pobres, e não podem dispor disto'.
'Então', ele respondeu, 'deixe onze dos mais pobres comigo; e se eles
não podem dar alguma coisa, eu os visitarei semanalmente, e darei
por eles, assim como por mim mesmo'. Isto foi feito. Em pouco tempo,
alguns desses informaram-me que eles encontraram tais e tais que
não viviam como eles deveriam. Isto me golpeou imediatamente. 'Esta
é a questão, a própria questão que temos esperado há tanto tempo"'.
Nela, ele viu de imediato um meio de aliviar o que estava se tornando
uma tarefa muito grande, até mesmo para ele -- sua visitação pessoal à
Sociedade, em suas próprias casas. "Eu chamei todos os líderes das
classes (assim costumávamos denominá-los, e a seus companheiros),
e pedi que cada um fizesse uma averiguação pessoal, quanto ao
comportamento daqueles aos quais viam semanalmente. Eles o
fizeram. Muitos caminhantes desordenados foram detectados. Alguns
voltaram de seus caminhos maus. Alguns foram afastados de nós.
Muitos viram isto com medo, e regozijaram-se em Deus, com
reverência. Tão logo quanto possível, o mesmo método foi usado em
Londres e em outros lugares".

Ele prossegue para dizer que "era da competência de um líder:


-- (1) Visitar cada pessoa de sua classe, uma vez por semana, pelo
menos, com o objetivo de inquirir como suas almas prosperam,
aconselhar, reprovar, confortar, ou exortar, conforme a ocasião
requeresse; receber o que eles estavam desejosos de dar para aliviar
o pobre. (2) Encontrar o ministro e administradores da Sociedade,
para informar o ministro de alguém que esteja doente; ou de alguém
que esteja confuso e não será reprovado; pagar aos administradores,
o que eles receberam de suas diversas classes na semana precedente".

246
"A princípio, eles visitaram casa pessoa, em sua própria casa;
mas isto não se considerou mais expediente. E, de acordo com os
muitos relatos: --

(1) Isto tomava mais tempo do que a maioria dos líderes tinha
para gastar.

(2) Muitas pessoas viviam com patrões, patroas, ou parentes,


que não permitiam que elas fossem assim visitadas.

(3) Nas casas daqueles que não eram assim tão avessos, eles
freqüentemente não tinham oportunidade de falar-lhes, a não ser em
companhia de alguém, etc. Assim sendo, levando em conta todas essas
considerações, concordou-se que aqueles de cada classe se
encontrariam todos juntos". Assim, todos os objetivos pretendidos
seriam assegurados. "Depois de uma ou duas horas juntos neste
trabalho de amor, eles concluiriam com oração e ação de graças". A
reunião de classe, assim, tornou-se uma característica distinta da
Sociedade Metodista, e tem continuado assim, até o presente dia.

Através do encontro dos membros para orar, louvar e


intercurso espiritual, a classe elevou-se de uma mera organização
conveniente para a supervisão de membros individuais, em um meio
de camaradagem cristã e mútua ministração espiritual, na qual a idéia
da comunhão bíblica é realizada da maneira mais prática e
aproveitável; o objetivo sendo ajudar cada membro a salvar sua
própria alma, e auxiliá-lo a salvar as almas de seus irmãos. Esta tem
sido, desde então, a natureza das classes Metodistas; e para sua
influência deve ser traçada a organização compacta e efetiva da Igreja
Metodista.

Subseqüentemente, com uma visão à consideração mais


adiante da Sociedade, "eu determinei", ele diz, "pelo menos, uma vez,
a cada três meses, conversar com cada membro, e inquirir, assim
como de seus lideres e amigos, se eles cresceram na graça e no
conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo – Para cada um desses

247
cuja seriedade e boa conduta eu não encontrei motivo para duvidar,
eu dei um testemunho, escrevendo seus nomes em um ingresso
preparado para aquele propósito; todo ingresso implicando, uma
recomendação tão firme da pessoa a quem ele havia sido dado, como
se eu escrevesse por fim: 'eu acredito que o portador desta seja um
dos que temem a Deus e operam retidão'".

Esses ingressos eram renovados trimestralmente; e assim,


supriam um método tranqüilo e inofensivo de remover algum membro
indigno, simplesmente retendo o ingresso. Quando as reuniões da
Sociedade, à parte da congregação, aconteciam, os ingressos eram
requeridos que fossem mostrados. Wesley encontrou seu precedente
para o uso desses ingressos nas cartas de recomendação, mencionadas
em II Cor. 3:1 "Começamos outra vez a recomendar-nos a nós
mesmos? Ou, porventura, necessitamos, como alguns, de cartas de
recomendação para vós, ou de vós?".

No ano seguinte, Wesley publicou a Natureza, Objetivo e


Regras Gerais das Sociedades Unidas, em Londres, Bristol,
Kingswood, e Newcastle-upon-Tyne, datada de 22 de Fevereiro 1742-
43, e assinada apenas por ele; todas as edições subseqüentes levaram
as assinaturas de ambos os irmãos.

Depois de se referir aos pormenores acima, ele acrescentou:

(4) Existe apenas uma condição previamente requerida


àqueles que desejam admissão nestas Sociedades: o desejo de fugir da
ira vindoura; serem salvos de seus pecados. Porém, quando quer que
isto seja realmente fixado na alma, será mostrado pelo seu fruto. É,
portanto, de se esperar de todos que continuam nelas, que eles
possam continuar a evidenciar seu desejo de salvação:

1º. Não causando dano, evitando o mal de todo o tipo,


especialmente aquele que é mais comumente praticado tal como:
tomar o nome de Deus em vão; profanar o dia do Senhor, seja com
trabalho comum, ou comércio de compra e venda; tomar, vender, ou

248
comprar bebida alcoólica, exceto nos casos de extrema necessidade;
lutar, discutir, brigar; irmão ir à justiça contra irmão, retribuir o mal
com o mal, zombaria com zombaria; usar de muitas palavras, na
compra ou venda; comprar ou vender bens, sem taxas aduaneiras;
dar ou trazer coisas da agiotagem, por exemplo, interesse ilícito;
manter conversa severa ou sem proveito; particularmente falando mal
de magistrados ou de ministros; fazermos aos outros, o que não
gostaria que fosse feito a nós; fazermos o que sabemos não é para a
glória de Deus, como: -- usar ouro ou vestimentas caras; participar
de tais diversões que não podem ser usadas em nome do Senhor
Jesus; cantar aquelas canções, ou ler aqueles livros que não tendem
ao conhecimento ou amor a Deus; fraqueza, e desnecessária auto-
indulgência; juntar tesouros na terra; pedir emprestado, sem a
probabilidade de devolver; ou adquirir bens, sem a probabilidade de
pagar por eles.

(5) Espera-se de todos que continuam nestas Sociedades, que


eles continuem a evidenciar seu desejo de salvação.

2º. Sendo misericordiosos sempre que estiver em seu poder, ou


tiverem oportunidade, fazerem todo tipo de bem possível, até onde
seja possível, a todos os homens: Aos seus corpos, com a habilidade
que Deus lhes deu -- alimentando o faminto, vestindo o nu; visitando
ou ajudando os que estão enfermos ou na prisão: Às suas almas –
ministrando, reprovando, ou exortando todos com os quais tem algum
intercurso; pisoteando as doutrinas fanáticas do diabo, que diz que
"não devemos fazer o bem, exceto se nosso coração estiver livre para
isto"; fazendo o bem, especialmente, àqueles que são nossa família na
fé, ou buscando ser; dando-lhes emprego, preferivelmente do que a
outros; comprando um do outro; ajudando uns aos outros, nos
negócios, e tanto mais, porque o mundo amará o que é seu, e a eles
somente; através de toda diligência e sobriedade possível, para que o
Evangelho não seja envergonhado; correndo, com perseverança, a
corrida que se colocada à frente deles, negando a si mesmos, e
tomando sua cruz diariamente; submetendo-se a suportarem a
reprovação de Cristo; serem como sujeira e o refugo do mundo; por

249
amor ao Senhor, olhar com respeito homens dizem toda sorte de mal
deles, falsamente.

(6) È de se esperar de todos que desejam continuar nestas


Sociedades, que eles possam continuar a evidenciar seu desejo de
salvação:

3º. Atendendo a todas as ordenanças de Deus; tais como:


adoração pública; ministração da palavra, quer lida ou exposta; a
Ceia do Senhor; oração familiar ou pessoal; buscar as Escrituras; e
jejuar ou abster-se.

(7) Essas são as Regras Gerais de nossas Sociedades: todas


que aprendemos de Deus, observar, até mesmo, em Sua Palavra
Escrita; a única regra, e suficiente regra, ambas de nossa fé e prática.
E todas essas, nós sabemos, Seu Espírito escreve em cada coração
verdadeiramente desperto. Se existe algum, em nosso meio, que não
as observa, que habitualmente quebra alguma delas, que isto seja
conhecido daquele que vigia aquela alma, como quem deve prestar
contas disto. Nós advertiremos a ele, quanto aos erros de seus
caminhos: nós os suportaremos por um tempo. Mas, então, se ele não
se arrepender, ele não mais terá lugar em nosso meio. Nós livraremos
nossas próprias almas. -- J. Wesley / Charles Wesley — 1º. Maio de
1743.

No final do mês, ele partiu para Wales. Em Cardiff, ele


encontrou o sr. Jones de Fonmon; em Wenvo, a igreja estava
totalmente preenchida. À noite, embora em fraqueza e dor, ele pregou
em Fonmon; na manhã seguinte, às oito horas, em Bonvilstone, quatro
milhas distante. Em Lantrissent [Llantrisant], ele sentiu-se muito
revigorado ao encontrar lá "a pequena e sincera Sociedade".

Depois de seu retorno de Wales, já no serviço de "noite de


vigília", em Kingswood, sua voz foi perdida, em meio aos gritos das
pessoas. Centenas delas caminharam para casa juntas, regozijando-se
e louvando a Deus. Uma semana depois, ele cavalgou para Pensford, a

250
pedido sincero de diversos moradores. Mas, assim que começou a
pregar, uma grande turba, escondida, como se certificou mais tarde,
para aquele propósito, veio furiosamente sobre eles, trazendo um
touro, que eles haviam atraído, e agora, esforçavam-se para atravessar
em meio às pessoas. Mas a besta foi mais sábia que seus condutores,
e, continuamente corria, de um lado a outro, enquanto a congregação,
tranqüilamente cantou louvores a Deus, e orou por volta de uma hora.
"Os pobres miseráveis", diz Wesley, "desapontados, por fim,
prenderam o touro, agora fraco e cansando, depois de ter sido
golpeado, por cães e homens; com toda a força, parcialmente
arrastado, e, parcialmente empurrado, em meio às pessoas. Quando
eles forçaram seu caminho, até a mesa onde eu estava, eles tentaram
diversas vezes, derrubá-la, empurrando o impotente animal contra
ela, que não se mexeu mais do que uma tora de madeira. Uma ou
duas vezes, coloquei sua cabeça de lado, com minha mão, para que o
sangue não pingasse em minhas roupas, pretendendo seguir em
frente, tão logo o alvoroço diminuísse. Mas a mesa caiu, alguns de
nossos amigos me pegaram em seus braços, e me carregaram em seus
ombros, enquanto a turba deu largas à sua vingança, na mesa, que
eles despedaçaram aos poucos. Nós ficamos um pouco afastados,
onde eu terminei meu discurso, sem qualquer barulho ou
interrupção".

Retornando para Londres, ele pregou na Capela francesa em


Wapping. No dia seguinte, encontrou-se, com hora marcada, com
diversos "homens sinceros e sensíveis", aos quais ele mostrou
dificuldade, que ele encontrou, para conhecer as pessoas que
desejavam estar sob seus cuidados. Depois de muita consideração,
eles concordaram que não existe caminho melhor do que enfrentar a
dificuldade, e vir para o certo, e completo conhecimento de cada
pessoa, do que copiar o plano de Bristol, e dividir o todo em classes,
sob a inspeção de pessoas capazes, em quem ele confiasse. "Esta", ele
diz, "foi a origem de nossas classes, pelo qual eu nunca serei
suficientemente grato a Deus; a inexplicável utilidade da instituição,
cada vez, mais e mais, manifesta".

251
Na sexta-feira, 9 de Abril, ele teve a primeira noite de vigília
em Londres (encontros similares tinham acontecido previamente em
Kingswood); sobre a qual, ele diz: "Nós comumente escolhemos, para
este serviço solene, a sexta-feira mais próxima da lua cheia, tanto
antes, quanto depois, para que aqueles da congregação, que moram
distantes, possam ter claridade até suas casas. O serviço começa oito
e meia, e continua até depois da meia-noite. Nós freqüentemente
encontramos uma bênção especial nestas ocasiões. Existe geralmente
um profundo respeito, junto a congregação, talvez, em alguma
medida, devido ao silêncio da noite; especialmente, no cantar o hino
com o qual comumente concluímos:

Escutem a voz solene!


O terrível grito da meia-noite!
Esperando que as almas se regozijem, se regozijem,
E percebam o noivo se aproximando!

Por um longo tempo, no passado, as noites de vigília foram


confinadas a um serviço anual, que acontecia nas últimas horas do ano
velho, e nos primeiros momentos do novo; uma prática agora geral, na
maioria das igrejas. Para esses serviços, Charles Wesley compôs um
número de hinos, que foram publicados em um panfleto intitulado,
Hinos para a Noite de Vigília. Mas o hino popular começa assim:

Vamos, mais uma vez,


Seguir nossa jornada,
Até que o ano aconteça,
Sem nunca parar, até que o Mestre apareça!

Hino que por um século e meio foi cantado por dez mil, na
abertura de cada novo ano, não foi, então escrito. Ele foi publicado
alguns anos mais tarde, em um panfleto de Hinos para o Ano Novo.
Não existe um simples passo incomum tomado por Wesley, para o
qual, objeção não foi feita. Mas ele raramente agiu sem consideração
prévia. Quando as noites de vigília foram, primeiro, observadas em
Kingswood, alguns o advertiram para colocar um fim nelas. Ele diz:

252
"Ao considerar a coisa totalmente, e comparando-a com a prática dos
antigos cristãos, eu não vejo motivo para proibi-la. Antes, eu acredito
que ela seria de uso mais geral"; e ele juntou-se a eles no encontro
seguinte. Em resposta a um clérigo, ele escreveu, posteriormente:
"Você me culpa por manter 'reuniões à meia-noite'. Senhor, você
alguma vez viu a palavra vigília, em seu Livro Comum de Oração?
Você sabe o que ela significa? Se não, permita-me dizer-lhe, que ela
foi costumeira com os antigos cristãos, que passavam todas as noites
em oração, e que estas noites eram denominadas vigiliae, ou vigília.
Portanto, por passar uma parte de algumas noites desta maneira, em
oração pública e solene, nós não temos apenas a autoridade de nossa
própria Igreja, mas da Igreja universal, nas zelosas épocas".

Ele encontrou seu velho amigo Whitefield novamente, e foi


persuadido de sua sinceridade em declarar seu sincero desejo de
juntarem as mãos, com todos que amam o Senhor Jesus Cristo.

Ele estava a ponto de partir de Bristol, quando, recebeu um


sincero pedido da Condessa de Huntingdon para se apressar até
Leicestershire, para ver uma lady, a Srta. Cowper, que estava em
Donnington Park, em seu leito de morte, e se dirigiu para lá. A
caminho, ele foi alcançado por um sério homem que, ele diz, "estava
completamente inquieto para saber, 'se eu abraçava a doutrina dos
decretos como ele'. Mas eu lhe disse, repetidas vezes, 'que deveríamos
nos manter nas coisas práticas, a fim de que não ficássemos zangados
um com o outro'. E assim fizemos por duas milhas, até que ele me
pegou desprevenido, e me arrastou para uma disputa, antes que eu
soubesse onde eu estava. Ele, então, ficou cada vez mais esquentado,
e me disse que 'eu era podre no coração, e supostamente um dos
seguidores de John Wesley'. Ao que eu respondi a ele: 'Não; eu sou o
próprio John Wesley'. Ao que, 'Improvisum aspris veluti qui sentibus
anguem Pressit; ele alegremente teria fugido imediatamente. Mas,
sendo o melhor montado dos dois, eu me mantive ao seu lado, e
esforcei-me para mostrar a ele seu coração, até que ele entrou em
uma rua de Northampton".

253
Ele passou de Donnington para Birstal, onde recebeu do
notório John Nelson o relato da estranha maneira, em que ele tinha
sido conduzido.

Nelson, um pedreiro de Yorkshire, enquanto trabalhando em


Londres, ouviu Whtefield pregar em Moorfields, e ficou
profundamente impressionado. A pregação foi agradável para ele,
Nelson diz, e ele amou o homem; de maneira que, se alguém se
oferecesse para perturbá-lo, ele estaria pronto a lutar por ele, mas,
acrescenta: "eu não o entendia, embora eu o ouvisse vinte vezes, que
eu saiba... Eu era como um pássaro errante, fora de seu ninho, até
que o sr. John Wesley veio pregar seu primeiro sermão em
Moorfileds. Oh! Aquela foi uma manhã abençoada para minha alma!
Tão logo ele tomou o púlpito, jogou os cabelos para trás, e virou seu
rosto em direção aonde eu estava, e eu pensei, seus olhos estão fixos
em mim; seu semblante causou-me tal pavor, antes que eu o ouvisse
falar, que meu coração bateu como um pêndulo de um relógio".
Depois dessa conversa, Nelson retornou para sua casa em Birstal.
Aqui muitos o pressionaram com algumas questões, concernentes à
"nova fé". Ele reconheceu-se um crente, e que estava "tão certo de que
seus pecados foram perdoados, como se ele pudesse ser um dos raios
do sol". Isto causou um alarido nas redondezas, e mais e mais vieram
inquirir. De improviso, ele começou a citar, explicar, e reforçar partes
das Escrituras. Isto ele fez, a princípio, em sua casa, mas, a
companhia, aumentando grandemente, ele foi compelido, ao retornar
de seu trabalho diário, a ficar na sua porta e falar para o povo. Muitos
aceitaram sua palavra, e uma sociedade foi estabelecida em Birstal.
Aqui Wesley pregou "para diversas centenas das pessoas simples, e
passou a tarde, falando separadamente com aqueles que tinham
testado da Palavra de Deus". De Birstal, ele foi para Newcastle,
lendo, pelo caminho, Memorablia, de Xenofon, e, como era sua
vontade, registrando seu julgamento sobre ele.

Wesley entrava agora na extensão de sua obra, para além das


esferas às quais esteve confinado até aqui. Ao ir para Birstal e
Newcastle, que eram cenários de trabalhos inteiramente novos para

254
ele, ele acreditou que seguia a direção da Providência Divina, cujas
indicações, ele vislumbrou, e pacientemente esperou, e esteve sempre
pronto a responder, quando fossem conhecidas. Esses dois lugares
distinguiram-se proeminentemente em todas as futuras operações de
Wesley, e em todas as narrações cronológicas subseqüentes do
reavivamento. Para os estudantes da história do Metodismo, elas têm
uma espécie de interesse clássico.

Ele alcançou Newcastle, na tarde da sexta-feira, 28 de Março.


Depois de um breve descanso, ele caminhou na cidade, da qual ele
escreve:

"Eu fiquei surpreso: tanta bebedeira, praguejamento, e


blasfêmia (até mesmo das bocas das crianças), que eu não me lembro
de ter visto ou ouvido antes, em tão pequeno período de tempo.
Certamente este lugar é propício para aquele que 'vem, não para
chamar o correto, nós, mas os pecadores ao arrependimento'. Às sete
horas, do domingo, eu caminhei para Sandgate, a mais pobre e
corrupta parte da cidade; e, permanecendo no final da rua, com John
Taylor, comecei a especular centenas de salmos. Três ou quatro
vieram para ver do que se tratava, o que logo aumentou para
quatrocentos ou quinhentos. Eu suponho que havia mil e duzentos ou
mil e quinhentos, antes que eu terminasse a pregação, para os quais
eu apliquei aquelas solenes palavras: 'Ele foi ferido por nossas
transgressões; Ele foi esmagado por nossas iniqüidades: o castigo de
nossa paz está sobre Ele; e por Suas machucaduras fomos curados".
[Isaías 53:5].

"Observando as pessoas, quando eu terminei, de boca aberta e


olhando fixamente em mim, com 'o mais profundo espanto, eu lhes
disse: 'Se vocês desejam saber quem eu sou, meu nome é John Wesley.
Às cinco horas da tarde, com a ajuda de Deus, eu pretendo pregar
aqui novamente".

"Às cinco horas, a notícia de que 'eu pretendia pregar,


espalhou-se do topo ao chão. Eu nunca vi tão grande número de

255
pessoas juntas, fosse em Moorfileds, ou em Kennington Common. Eu
sabia que não seria possível para a metade me ouvir, embora minha
voz estivesse forte e clara; e fiquei de maneira a tê-los todos em vista.
Uma vez que eles estavam se agrupando nos lados da colina. A
palavra de Deus, que eu coloquei diante deles foi: 'Eu sararei a sua
apostasia, eu os amarei livremente'. [Oséas 14:4]".

"Depois da pregação, as pobres pessoas estavam prontas a me


pisotear, pelo excesso de puro amor e delicadeza. Foi algum tempo
antes que eu pudesse escapar da multidão. Eu, então, voltei por um
outro caminho, do que aquele que eu vim; mas diversos chegaram em
nossa estalagem, antes de nós; pelos quais fui severamente
importunado a ficar com eles, pelo menos, alguns dias, ou, quem
sabe, um dia mais. Mas eu não poderia concordar, tendo dado minha
palavra de estar em Birstal, com a permissão de Deus, na terça-feira
á noite".

De Newcastle, ele cavalgou para Boroughbridge; e de lá para


Birstal, onde uma multidão se reuniu. Ele começou a falar com eles,
por volta das sete horas, e não pode concluir até nove e meia.

Ele também pregou perto de Halifax, e próximo a Dewsbury


Moor, duas vezes; em Mirfield; em Adwalton, em uma parte ampla da
rodovia; novamente em Birstal, onde "todos os ouvintes estavam
profundamente atentos", em Beeston, onde ele leu Mysterium
Magnum, de Behmen, e declarou se tratar do "mais sublime bobagem,
linguagem bombástica inimitável; e empolada, sem paralelo".
Cavalgando para Epworth, ele concluiu Madame Guyon, Método
Resumido de Oração & Espirituais Torrentes, no qual ele se certificou
que os irmãos quietistas "apenas recontaram esta pobre quietista".

Retornando para Epworth, depois de um intervalo de alguns


anos, ele logo foi descoberto por duas ou três pobres mulheres; uma
delas era uma velha serva de seu pai. Ele perguntou, se elas
conheciam alguém em Epworth que sinceramente quisesse ser salvo.
"Eu sou uma, pela graça de Deus", disse uma delas, "e eu sei que sou

256
salva pela fé; e muitos aqui podem dizer o mesmo". No dia seguinte,
domingo, seu companheiro, John Taylor, depois do serviço,
permaneceu no pátio da igreja, e avisou: "Sr. Wesley, não lhe sendo
permitido pregar na igreja, pretende pregar aqui, às seis horas da
tarde". Na hora marcada, Wesley permaneceu na tumba de seu pai, e
pregou para tal congregação, que ele acreditou Epworth não tinha
visto antes. Pressionado sinceramente por muitos, não apenas de
Epworth, mas de diversas vilas adjacentes, e ao certificar-se que os
irmãos quietistas tinham estado aqui também, ele permaneceu por
alguns dias, pregando e falando individualmente com aqueles, em
todos os lugares, que encontraram ou esperavam pela salvação; cada
manhã tomar seu lugar na tumba de seu pai. Nós soubemos que todo
um vagão desses novos heréticos foi trazido por seus raivosos
vizinhos, diante do juiz de paz, Sr. George Stovin, de Crowle, uma
cidade próxima, que inquiriu o que eles tinham feito; ao que houve um
profundo silêncio. Por fim, alguém disse: "Porque, eles pretendem ser
melhores do que as outras pessoas; e, além disto, eles oram de manhã
à noite". "Mas eles têm feito nada além?". "Sim, senhor", disse um
homem idoso, "Vossa Excelência, me permite, eles converteram
minha esposa. Até que estivesse entre eles, ela tinha tal língua! E
agora ela está tão quieta como um cordeiro". "Levem-nos de volta;
levem-nos de volta", respondeu o juiz, "e que eles convertam todos as
ranzinzas da cidade".

Em Epworth, "os efeitos impressionantes acompanharam a


pregação. Uma tarde, de todos os lados, como que num único acorde,
as pessoas levantaram suas vozes, e choraram; na tarde seguinte,
diversos caíram ao chão como mortos", e em meio aos demais houve
tal grito, a quase suplantar a voz do pregador. Mas o murmurar deles
transformou-se em alegria, e seus choros em canções de louvor.

Um cavalheiro esteve presente, em um serviço que pretendia


não ser de alguma religião, afinal, e não atendeu a adoração de
qualquer tipo, por trinta anos. Wesley, ao observar que ele permanecia
imóvel, como uma estátua, perguntou: "Senhor, você é um pecador?".
Ele respondeu, com uma voz profunda e humilhada: "Pecador o

257
suficiente"; e continuou com os olhos fixos ao alto, até que sua esposa
e um servo, que estavam todos em lágrimas, o colocaram em sua
carruagem e o levaram para casa. Visitando-o alguns anos depois,
Wesley foi agradavelmente surpreendido ao encontrá-lo forte na fé,
embora fraco no corpo, e capaz de testemunhar que, há muito tempo,
ele se regozijava em Deus, sem tanto duvidar, quanto temer, e agora
esperava pela hora bem-vinda, quando ele partiria e estaria com
Cristo.

No domingo, Wesley pregou, às sete horas, em Haxey; de


manhã e à tarde, em Wroot, onde a igreja oferecida a ele não podia
conter as pessoas; às seis horas, ele pregou no pátio da Igreja de
Epworth, "para uma vasta multidão", quando, ele diz, "eu continuei
com eles, por aproximadamente três horas; e, ainda assim, nós
dificilmente soubemos como partir" – e este foi o quarto serviço no
dia! Ele fez a seguinte reflexão: "Ó, que ninguém pense que seu
trabalho de amor está perdido, porque o fruto não apareceu
imediatamente. Por quase quarenta anos, meu pai trabalhou aqui; ele
viu poucos frutos de todo seu trabalho. Eu sofri em meio a este povo
também; e minhas forças pareceram ser gastas em vão. Mas agora o
fruto apareceu. Quase não existe alguém na cidade, pelo qual, tanto
meu pai, quanto eu sofremos anteriormente, mas a semente, semeada
há tanto tempo, parece agora brotar, produzindo o fruto do
arrependimento e remissão dos pecados".

Na manhã seguinte, ele partiu para Sheffield, ver um tal de


David Taylor, "a quem Deus fizera um instrumento de Deus para
muitas almas". Não o encontrou, e pensou em seguir adiante, mas as
pessoas o constrangeram a ficar e pregar de manhã e à tarde. Com o
regresso de Taylor, Wesley soube dele; e registrou para sua orientação
futura, que ele (Taylor) tinha ocasionalmente exortado multidões, em
várias partes; mas, depois disto, ele não se preocupou mais, de
maneira que a maior parte adormeceu novamente. Um testemunho que
confirmava a prudência daquele cuidado defensivo que Wesley
tentava exercer sobre seus convertidos.

258
Prosseguindo de Sheffield, ele pregou em Barley Hall,
subseqüentemente, o cenário de muitos serviços consagrados, onde
muitos se derreteram e foram preenchidos com amor ao seu Salvador.
Na manhã seguinte, ele pregou por volta das cinco horas, mas foi
compelido a interromper no meio de seu discurso; porque, ele diz,
"seus corações estavam tão preenchidos com um sentimento de amor
a Deus, e nossas bocas com louvor e adoração"; depois de um tempo,
ele concluiu seu sermão.

Deixando Sheffield, ele continuou para Ripley, Donnington


Park, Ogbrook, Melbourne, Markfield, Coventry, e Evesham;
pregando onde quer que fosse, e reunindo a pequena Sociedade, em
todo o lugar que tivesse uma; o que, no mínimo, significava quase
toda a cidade, através das quais ele previamente passara. Em cada
Sociedade, ele corrigia tais erros ou males quando havia problemas.
Ele prosseguiu para Stroud, pregando no mercado, ao meio-dia, onde
"teria havido mais confusão; um bêbado já embriagado muito cedo
estava tão insensatamente impertinente que, até mesmo seus
camaradas estavam completamente envergonhados dele". À tarde,
pregou em Minchin-Hampton Common, onde havia muitos da
"Sociedade do Sr. Whitefield".

No dia seguinte, domingo, 27 de Junho, ele pregou, às sete


horas, em Painswick; às dez, atendeu a Igreja; à tarde, em Runwick,
no encerramento do serviço, ele discursou para "uma vasta multidão",
e concluiu o dia, através de um outro serviço em Minchin-Hampton
Common. No dia seguinte, ele cavalgou para Bristol, onde se
certificou que a disputa tinha causado muitos danos. Quando saía de
Newgate, alguém despejou tal inundação de blasfêmia e amargura,
que ele "dificilmente pensou que poderia ser encontrada fora do
inferno". Assim, o espírito do mal, cujo território foi atacado
verbalmente, encontrou expressão, através de seus agentes. Ele esteve
ocupado por quatro dias inteiros, em reconciliar as pequenas
diferenças que tinham se erguido em meio ao seu povo de Bristol.

259
Cavalgou para Cardiff, onde encontrou muita paz e amor, na
pequena Sociedade de lá. No dia seguinte, 7 de Julho, ele retornou,
pregando para uma congregação pequena e atenta, perto de Henbury,
e, antes das oito horas, alcançou Bristol, onde ele teve "um encontro
confortável com muitos que sabiam em quem eles criam". "Agora,
por fim", ele diz, "eu passei uma semana em paz; todas as disputas
colocadas de lado". Ele retornou para Londres em 20 de Julho.

Assim, terminou o primeiro traço da viagem evangelista, no


qual se observa que ele sempre espera as indicações das
circunstâncias, talvez, seja mais correto dizer, as indicações da
Providência, -- antes pregar e estabelecer as sociedades em lugares
novos. Também se observa que as pequenas sociedades esporádicas
brotam em diferentes partes da região, devido a várias causas, sem sua
intervenção direta. Pode-se notar mais ainda que ele começa a viajar
acompanhado, se possível; e logo se tornou uma prática para um ou
outro de seus colaboradores, se reunirem a ele em suas excursões.

Várias circunstâncias prepararam o caminho para as visitas de


Wesley. Em Wales, por exemplo, Howel Harris, um pregador de
grande poder, de quem foi dito, "Ele rasga a todos diante dele, como
um rastelo largo", trabalhou desde 1735, e organizou trinta
sociedades, chamadas "Sociedades de Experiência Pessoal", antes que
Whitefield ou Wesley visitasse o Principado.

Em seu retorno de Londres, Wesley encontrou sua mãe nas


bordas da eternidade; mas ela não tinha dúvida ou temor, nem algum
desejo, a não ser (tão logo Deus a chamasse) partir e estar com Cristo.
Três dias depois, ela faleceu. Ele assim descreve a cena, e o funeral:
"Sexta-feira, 23 de Julho – Por volta das três horas da tarde, eu fui
até minha mãe, e me certifiquei que sua mudança estava perto. Eu me
sentei ao lado da cama. Ela estava em seu último conflito, incapaz de
falar, mas eu acredito, completamente consciente. Sua aparência
estava calma e serena, e seus olhos fixados no alto, enquanto
recomendávamos sua alma a Deus. Das três às quatro horas, o
cordão de prata desprendeu-se, e o cântaro despedaçou-se junto à

260
fonte; e, então, sem qualquer esforço, ou sinal, ou gemido, a alma
libertou-se. Nós permanecemos ao redor da cama, e cumprimos seu
último pedido, dizendo um pouco antes de perder o seu discurso:
'Filhos, tão logo eu esteja livre, cantem um salmo de louvor a Deus'".
No domingo seguinte, ele diz: "Uma companhia quase inumerável
reuniu-se, e, por volta das cinco da tarde, eu entreguei para a terra o
corpo de minha mãe, para dormir com seus pais. Foi uma das mais
solenes reuniões que eu tinha visto, ou esperava ver, deste lado da
eternidade". Assim, encerrou-se a diversificada vida terrena desta
mulher devota, que obtivera para si mesmo, uma posição quase
inigualável, em meio às esposas e mães da Inglaterra.

"Em 8 de Agosto, eu gritei alto em Radcliff Square: Por que você


morrerá, ó casa de Israel? Apenas um pobre homem estava
excessivamente barulhento e perturbado. Mas, de imediato, Deus
tocou seu coração. Ele abaixou sua cabeça; as lágrimas cobriram seu
rosto; sua voz não mais foi ouvida. Naquela tarde, eu me senti
constrangido a separar dos crentes, alguns que não mostraram sua fé,
através de suas obras. Um desses ficou profundamente insatisfeito;
falou muitas palavras amargas, e saiu abruptamente. Em um dia ou
dois, enviou uma nota, exigindo o pagamento de cem libras, que ele
tinha emprestado, cerca de um ano antes, para pagar os operários da
Fundição. Dois dias depois, Ele voltou e disse que queria seu
dinheiro, e não poderia esperar mais. Eu disse que eu me esforçaria
para devolvê-lo; e pedi que ele voltasse á tarde. Mas ele disse que não
poderia esperar tanto tempo, deveria tê-lo ao meio-dia. Onde
consegui-lo, eu não sabia", diz Wesley, e acrescenta, "Entre nove e
dez horas, alguém veio e me ofereceu o uso de cem libras, por ano,
mas outros dois estiveram comigo antes, e fizeram a mesma oferta. Eu
aceitei a cédula, que um deles trouxe; e vi que Deus está sobre tudo".

A caminho de Bristol, ele leu "aquele surpreendente livro, A


vida de Inácio de Loyola, certamente um dos maiores homens que,
alguma vez, se engajou no apoio de uma causa tão ruim! Eu gostaria
de saber se algum homem poderia julgá-lo um fanático. Não, mas ele
conhecia as pessoas com as quais lidava. E para demonstrar (como o

261
Conde Z---), com uma completa persuasão, que ele usaria de fraude
para promover a glória de Deus ou (o que ele pensou fosse a mesma
coisa) os interesses da Igreja Dele, ele agiu, em todas as coisas,
consistentemente com seus princípios".

Em Oxford, ele encontrou seu irmão e o Sr. Charles Caspar


Graves. Sr. Graves, anteriormente um estudante da Magdalen College,
Oxford, foi convertido, sob a ministração de Charles Wesley, e se
tornou um dos Metodistas de Oxford, depois que Wesley partiu. Seus
amigos, acreditando que ele estivesse "completamente louco", o
removeram do seu colégio. Quase coagido por eles, consentiu em
endereçar um documento aos seus colegas do colégio, renunciando
aos princípios e práticas dos Metodistas, declarando sua tristeza, por
ter ofendido e escandalizado, ao atender aos encontros deles, e
prometendo não ofender mais. Dois anos mais tarde, sob uma
profunda depressão, por conta de seu erro, ele escreveu novamente,
confessando que ele agiu sob a influência de um temor pecaminoso do
homem, e em respeito ao julgamento daqueles a quem ele considerava
mais sábios do que si mesmo; e agora abertamente se retratava da
afirmação anterior, e declarava que ele não conhecia princípios
Metodistas (assim chamados), que fossem contrários à Palavra de
Deus, nem quaisquer práticas, mas o que estava de acordo, com as
Escrituras e as leis da Igreja. Ele se tornou um clérigo muito útil, e um
amigo e colaborador dos Wesleys.

Depois de ter ajustado a Sociedade aqui, e em Kingswood, ele


retornou para Londres, lendo no caminho, "aquele excelente tratado
do Sr. Middleton, Ensaio Sobre o Governo da Igreja", e, "uma vez
mais a vida daquele bom e sábio homem (embora equivocado),
Gregório Lopez".

Pressionado a visitar um pobre assassino em Newgate, ele


objetou que os carcereiros, assim como o guarda, odiassem os
Metodistas, e recusaram a admiti-lo, até mesmo, a alguém que
sinceramente pediu por isto, na manhã que ia morrer. De qualquer
forma, ele foi, e para sua surpresa, encontrou todas as portas abertas

262
para ele. Enquanto exortava, o doente malfeitor clamou a Deus, o
restante dos réus ao redor, para os quais ele falou "fortes palavras,
concernentes ao Amigo dos Pecadores, que eles receberam, com tão
grande sinal de assombro, como se tivessem ouvido a voz do céu".
Quando veio para o corredor comum, um dos prisioneiros, fez-lhe
uma pergunta, que lhe deu a oportunidade de falar em meio a eles,
mais e mais, ainda juntos, enquanto ele declarava que Deus não
desejava que algum deles perecesse, mas que todos viessem para o
arrependimento.

No domingo, 12 de Setembro, desejou pregar em um lugar


aberto, comumente chamado de Great Gardens, estendendo-se entre
Whitechapel e Coverlet-Fields, onde encontrou uma vasta multidão
reunida, e apelou para que eles se arrependessem e cressem no
Evangelho. "Muitas das bestas humanas", ele escreve, "esforçaram-se
para perturbar aqueles de uma mente melhor. Eles tentaram dirigir
um rebanho de vacas, em meio deles; mas os animais eram mais
sábios que seus mestres. Eles, então, atiraram chuvas de pedras, e
uma atingiu-me, bem entre os olhos. Mas eu não senti dor, afinal, e,
quando enxuguei o sangue, prossegui testificando com voz bem alta,
que Deus deu àqueles que crêem, não um espírito de temor, mas do
poder e amor, e de uma mente sadia. E, através do espírito que agora
surgiu, por toda a congregação, eu vi claramente qual a bênção que
existe, quando nos é dado, até mesmo, no menor grau, sofrer por
causa de seu nome". Ele carregou a cicatriz na testa, até o fim da sua
vida.

No dia seguinte ao incidente relatado, ele partiu depois do


serviço da manhã; às nove horas, pregou em Windsor, e na tarde
seguinte, veio para Bristol, onde passou uma quinzena, examinando a
Sociedade, e falando individualmente com cada membro. Nos
próximos dois meses, ele passou alternadamente em Londres e Bristol,
onde ele diariamente exerceu seu trabalho evangelista e observou suas
sociedades.

263
Na segunda-feira, 8 de Novembro, às quatro horas, ele partiu
de Londres, para Newcastle, e, pregando em várias cidades no
caminho, ele chegou no sábado, e de imediato encontrou uma
Sociedade, selvagem, olhando fixamente, e amorosa. Seu irmão
trabalhara aqui por algumas semanas, mas acabara de retornar para
Londres.

No domingo, ele pregou às cinco horas da manhã (uma coisa


nunca ouvida antes nestas partes), quando "a vitoriosa suavidade da
graça de Deus estava presente com Sua palavra". Às dez horas, ele
foi para All Saints, onde havia tal número de comunicantes, como ele
dificilmente vira, a não ser em Londres ou Bristol. Às quatro horas,
ele pregou na quadra do Hospital Keelmens, e encontrou a Sociedade
às seis horas. Na segunda-feira, às cinco horas, começa expondo Atos
dos Apóstolos.

Cada tarde, ele falou separadamente com os membros da


Sociedade. Nas terças-feiras, à tarde, ele expôs a Epístola aos
Romanos, e, depois, o sermão adequado à Sociedade.

Afetado pelas diferentes maneiras, com as quais Deus se


agradou de operar em diferentes lugares, ele diz: "A graça de Deus
flui aqui com uma correnteza mais larga, do que, a princípio, em
Bristol e Kingswood; mas não mergulha tão fundo. Poucos estão
totalmente convencidos do pecado, e, dificilmente alguém pode
testemunhar que o Cordeiro de Deus levou seus pecados". Ele
acrescenta: "Eu nunca vi uma obra de Deus, em qualquer outro lugar,
tão uniforme e gradualmente conduzida. Ela continuamente se ergue,
passo a passo. Nem tanto parece ter sido feito, em qualquer outro
tempo, como tem sido freqüentemente feito em Bristol e Londres, mas,
alguma coisa a cada momento. Acontece o mesmo com as almas. Eu
não vi pessoa alguma naquele triunfo da fé, como tem sido tão comum
em outros lugares. Mas os crentes seguem em frente, calmos e firmes.
Que Deus faça o que parece bom a Ele". Ele começa a visitar os
lugares circunvizinhos. No domingo, dia 28, depois de pregar em uma
sala, às cinco horas, e no hospital, às oito horas, ele caminhou por

264
volta de sete milhas para Tanfield Leigh, onde uma grande
congregação estaca reunida, de todas as partes da região, mas "uma
congregação tão morta, inconsciente, e impassível", como ele
dificilmente vira. Sua experiência aqui, como em muitos outros
lugares, o levou a não dar um golpe, em algum lugar, onde ele não
pudesse seguir o vento.

Em Newcastle, ele garantiu um terreno, no qual construiu uma


sala para a Sociedade, e removeu-se para uma moradia adjacente. O
frio extremo impediu a construção de começar, a não ser na segunda-
feira, de Dezembro, quando a primeira pedra da nova casa foi
colocada. Esta foi mais tarde conhecida como o Orfanato, usado para
outros propósitos como uma escola para órfãos. A construção foi
calculada em 700 libras, e Wesley tinha vinte e seus xelins na mão.
Muitos afirmaram que ela nunca seria terminada, ou que ele não
viveria para vê-la coberta. Mas ele era de uma outra opinião, nada
duvidando de que, como ela foi começada por causa de Deus, Ele
providenciaria o que fosse necessário para concluí-la.

Tyermam diz: "Ela foi consagrada pelas associações muito


sagradas para ser facilmente esquecida. Aqui uma das primeiras
Escolas Dominicais no reino foi estabelecida, e não teve menos do
que mil crianças em atendimento. Aqui uma Sociedade Bíblica existiu,
antes da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira. Aqui havia o
melhor coral da Inglaterra; e aqui, em meios aos cantores, estavam
os filhos do Sr. Scott, mais tarde, os célebres lordes Eldon e Stowell.
Aqui ficava o lugar de descanso dos primeiros itinerantes de John
Wesley; e aqui os mineiros e os barqueiros, de todas as partes das
regiões circunvizinhas, se reuniriam, e depois do serviço vespertino,
jogar-se-iam nos bancos, e dormiam algumas poucas horas restantes,
até que Wesley pregasse às cinco horas da manhã seguinte. Ela se
tornou a casa do norte de Wesley e seus colaboradores, e o centro do
Metodismo do norte por muitos anos".

Enquanto pregava, à tarde, ele freqüentemente teve de parar,


enquanto as pessoas oravam e davam graças a Deus.

265
Em Horseley, a casa era muito pequena, de maneira que ele
pregou em céu aberto, embora uma furiosa tempestade começasse. "O
vento", ele diz, "nos dirigiu como uma torrente, vindo em turnos, do
leste, oeste, norte e sul. A palha e o sapé voavam em redor de nossas
cabeças, de maneira que alguém teria imaginado que não demoraria
e a casa viria abaixo; mas escassamente alguém se agitou, e muito
menos saiu do caminho, até que eu me despedi deles com a paz de
Deus". No dia seguinte, ele pregou em Swalwell, quando novamente o
vento estava alto e extremamente cortante, mas ninguém foi embora.
Depois de pregar como de costume na Square, ele pegou o cavalo para
Tanfield, no que foi, mais de uma vez, quase derrubado de seu animal.
Às três horas, ele pregou para uma multidão, e, mais tarde, encontrou
a Sociedade, em uma sala larga, que sacudia, de um lado para outro,
com a violência da tempestade.

Quando se despediu, diante da mais larga companhia que ele


tinha visto em Newcastle, eles se dependuraram nele, de maneira que
ele teve dificuldade de se desembaraçar; nestas circunstâncias, "uma
mulher enorme", agarrou-se, e correu ao lado do cavalo para
Sandgate. Ele e seu companheiro, Jonathan Reeves, alcançou
Darlington aquela noite, e Boroughbridge, no ultimo dia do ano, e
passou o dia primeiro em Epworth.

"Neste ano", Wesley escreve, "muitas sociedades foram


formadas em Somersetshire, Wiltshire, Gloucestershire,
Leicestershire, Warwickshire, e Nottinghamshire, assim como nas
partes sudestes de Yorkshire. E aquelas de Londres, Bristol, e
Kingswood cresceram muito". E cada sociedade tornou-se um centro
do conhecimento religioso e atividade e influência cristã, e preparou o
caminho para a extensão das visitas evangelistas.

Wesley começou o ano em Epworth, onde pregou às cinco


horas; e, no túmulo de seu pai, às oito; mas o curador negou-lhe o
Sacramento. "Peço-lhes que diga ao sr. Wesley", ele disse, "que eu
não darei a ele o Sacramento, porque ele não é digno". Em Birstal,

266
ele constatou que muitos se desviaram, por conta dos alemães. Ele
chegou em Sheffield, molhado e fraco, e, então, seguiu para os
mineiros de carvão, em Wednesbury, onde seu irmão precedera a ele.
Ele pregou na Town Hall, de manhã e à tarde, e em campo aberto.
Muitos ficaram profundamente afetados, e, cerca de uma centena
desejou reunir-se novamente. Em dois ou três meses, eles aumentaram
em torno de trezentos e quatrocentos. Passando por Evesham, ele veio
para Stratford-on-Avon, onde "a maioria dos ouvintes ficou como que
postes; mas alguns zombaram, outros blasfemaram, e poucos
creram". O restante do mês foi gasto dentro e perto de Bristol. Em
retorno para Londres, seu irmão e ele visitaram o todo da Sociedade, o
que os ocupou por alguns dias, das seis da manhã às seis da tarde.

Em meados de Fevereiro, ele parte para Newcastle, onde se


certifica que as boas impressões feitas nas mentes das pessoas não
foram profundas, de maneira que foi necessário colocar mais de
sessenta deles fora, devido às várias ofensas grosseiras. Ele foi
conduzido a concluir, das instâncias infelizes, com as quais deparou
em todas as partes da Inglaterra, que era um grande mal para as
pessoas, estarem meio-despertas, e, então, entregues à própria sorte,
para adormecerem novamente; e ele resolveu não tentar aprofundar
uma impressão que não tivesse evidência de ser permanente.

Ele pregou em uma estrutura da nova casa de pregação, ainda


em construção, quando uma grande multidão se reuniu, a maioria
vigiou até tarde da noite.

Então, visitou Placey, uma pequena vila de mineiros de carvão,


dez milhas ao norte de Newcastle, onde seus habitantes sempre foram
os primeiros a liderar pela selvagem ignorância e maldade de todo o
tipo. Ele nos conta que ele sentiu grande compaixão por essas pobres
criaturas, do primeiro momento em que ouviu sobre elas, e muito mais
porque todos os homens pareciam os mais desesperados deles. Ele
partiu com um guia; um vento norte incomum jogava granizo em suas
faces, que congelavam com a queda, de maneira que eles mal podiam
ficar de pé quando chegaram. Ele se levantou e declarou Aquele que

267
estava "ferido por nossas transgressões, e machucado por nossas
iniqüidades". "Os pobres pecadores", ele diz, "rapidamente se
reuniram, e deram atenção sincera às coisas que eram faladas; como
fizeram novamente à tarde, a despeito do vento e neve". Ele os visitou
várias vezes, e teve oportunidade grandemente de se regozijar sobre
seus trabalhos.

No retorno de Newcastle através de Knaresborough, Leeds,


Birstal, e Sheffield, ele veio para Wednesbury, onde encontrou
comparativa quietude. No domingo à tarde, ele atendeu o serviço na
igreja, e "nunca ouviu um sermão tão ruim, e entregue com tal
amargura de voz e maneira". Sabendo quais efeitos danosos seriam
produzidos por ele, Wesley se esforçou para fortalecer a mente das
pessoas. Enquanto pregava, um clérigo vizinho, completamente
bêbado, subiu no cavalo e, depois de muitas "palavras indecorosas e
amargas, se esforçou muito para passar por cima das pessoas". Tudo
isto produziu seu fruto em curto tempo, como podemos ver.

Depois de uma semana de descanso e paz em Bristol,


revigorado na mente e corpo, ele fez um turismo, pelos lugares de
Wales; e tudo correu bem, exceto em Cowbridge, onde uma turba,
"liderada por um ou dos miseráveis, chamados de cavalheiros,
continuaram gritando, praguejando, blasfemando, e atirando chuvas
de pedras, quase em interrupção". Assim, depois de algum tempo
gasto em oração por eles, ele se despediu da congregação. Retorna a
Bristol, e, depois de um trabalho de duas semanas lá, retira-se para
Londres.

No Domingo da Trindade, ele começou os serviços em uma


capela em West Street, Seven Dials, construída, uns sessenta anos
antes, pelos protestantes franceses. Esta foi, durante anos depois, o
cenário de muitos serviços notáveis Metodista. Era costume dos
Wesleys, quando em Londres, administrar a Ceia do Senhor, todo
domingo. O primeiro serviço, em West Street, foi um serviço
sacramental, que durou, não menos do que cinco horas, tão grande era
a afluência dos comunicantes. Wesley estava temeroso que suas forças

268
não agüentassem sua outra tarefa; mas diz: "Deus está vendo isto;
assim eu devo pensar, e eles que quiserem chamar isto de fanatismo,
que o façam". À tarde, ele pregou em Great Gardens, para uma
"congregação imensa"; então, encontrou os líderes de classes, e
depois deles, as Bands. "Às dez da noite", ele diz, "eu estava menos
cansado do que às seis da manhã". No domingo seguinte, o serviço
durou seis horas, assim ele dividiu os comunicantes em três grupos,
para que não houvesse mais do que seiscentos de uma só vez. Ele
ficou satisfeito em se certificar que poucos dos mil novecentos e
cinqüenta membros, para o qual a Sociedade crescera, tivessem
descuidado de sua firmeza.

Charles havia partido, em direção ao norte, e seus trabalhos e


sucessos mantiveram a paz com seus irmãos. Em Wednesbury, uma
sociedade de mais de trezentos membros havia sido formada. Aqui um
pedaço de chão fora dado, onde se construiu uma casa de pregação,
que ele "consagrou com um hino", e, então, caminhou, cantando com
muitos dos irmãos, para Walsall. Ele foi recebido com ruidosas
saudações, por parte do povo rude. Na escadaria do mercado, ele abriu
sua Bíblia para pregar. Ele diz: "Um exército de homens estava
posicionado contra nós. A rua estava cheia da força das bestas de
Ephesian (o principal homem em meio a eles), que bramiu e gritou, e
atirou pedras incessantemente. Muitos me atingiram, sem me ferir. Eu
supliquei a eles, no calmo amor, para se reconciliarem com Deus em
Cristo. Enquanto eu partira, uma torrente de rufiões se esforçava
para me tirar dos degraus. Eu me levantei, e deu a bênção, e fui
derrubado novamente. Assim, a terceira vez, quando demos graças a
Deus por nossa salvação. Eu, então, das escadarias declarei que eles
partissem em paz, e caminhei tranqüilamente de volta, através dos
mais grosseiros revoltosos. Eles nos ultrajaram, mas não tiveram
autorização para tocar em um fio de nossas cabeças". Depois de
esforçar-se para confirmar a fé dos convertidos, ele partiu para o norte,
para encontrar, ainda mais, tratamento violento.

Wesley não ficou surpreso com as noticias de Staffordshire;


"nem eu me surpreenderia", diz ele, "se, depois dos conselhos que

269
eles tão freqüentemente ouviram do púlpito, assim como da cadeira
episcopal, o zeloso, e generoso clérigo tenha se levantado e feito os
Metodistas em pedaços". Consultada a autoridade legal, ele certificou-
se de que haveria um remédio fácil, se ele resolutamente processasse
"aqueles rebeldes contra Deus e o rei".

Ele, então, partiu para o norte. Em Newcastle, constatou que,


embora alguns tivessem saído, por volta de seiscentos continuaram
fiéis, juntos pela esperança do Evangelho. Abalado, desde a sua
primeira visita a Newcastle, com as multidões que todos os domingos
saracoteavam de um lado a outro de Sandhills, ele resolveu encontrar
uma melhor ocupação para eles, e caminhou direto para a igreja, e
recitou um verso de um salmo. "Em poucos minutos", ele diz, "eu
tinha uma companhia suficiente; milhares e milhares se
aglomeraram". Ele teve uma prova de que a mesma turba de
Newcastle, no alto de sua rudeza, tinha algum humanidade restante,
porque, embora eles fizessem tão grande barulho, que sua voz mal
conseguia ser ouvida, ainda assim, eles não atiraram coisa alguma,
nem ele recebeu algum dano pessoal. Ele teve uma congregação
similar em High Street, em Sunderland. Em Lower Spen, um dos seus,
John Brown, através de suas rudes e fortes, embora simples palavras,
deixou profundas convicções nos corações de seus vizinhos, de
maneira que eles estavam preparados para a mensagem:"Aquele que
crê terá a vida eterna".

Na sua congregação favorita em Placey, ele "se reuniu com a


pequena companhia, que desejava arrependimento e remissão dos
pecados". Nestas simples palavras, seu método usual de proceder com
aqueles que ficavam profundamente impressionados com sua
pregação, está explicada a razão, porque a região tornou-se
gradualmente coberta com a rede de sociedades, e nelas, o ignorante e
o fraco eram reunidos como cordeiros em um curral, e eram vigiados,
e provados, e treinados na verdade e santidade.

Ao retornar com John Downes, de Horsley, que, durante trinta


anos, mais tarde, prestou serviço como pregador, e deixou seu nome

270
indelevelmente marcado nas páginas do recente Metodismo, ele
voltou para Darlington.

Ele passou alguns poucos dias na vizinhança de Birstal,


pregando nas quantas pequenas cidades que ele pôde, e retornou
vagarosamente para Londres, assim, terminando uma jornada de dois
meses, cheio de interesse e aventura.

Uma capela em Snowsfields, no lado Surrey do rio, construída


por uma senhora Sociniana, foi oferecida a ele, e ele anunciou seu
desejo de pregar lá, quando uma zelosa mulher, entusiasticamente
replicou: "O sr. Wesley pregará em Snowfields? Certamente, ele não
fará isto. Porque, não existe tal lugar, em toda a cidade. As pessoas
lá, não são homens, mas demônios". Mas Snowfields tornou-se um
valoroso centro Metodista.

* Socianismo [Um movimento religioso anti-trinitariano do


séc. XVI, chamado assim pelos nomes de seus fundadores. Faustus
Socinus, em sua obra "De Auctoritate Scripturae Sacrae", rejeitava
toda religião puramente natural. Para ele a Bíblia era tudo, mas tinha
que ser interpretada pela luz da razão. Deus, diziam eles, é
absolutamente simples; mas a distinção de pessoas destrói esta
simplicidade; daí, eles concluíram que a doutrina da Trindade é
errada].

Três semanas depois, ele partiu para Bristol. Ele "cavalgou


suavemente", para Snow Hill, quando a sela escorregou, e ele caiu
sobre a cabeça do cavalo. Alguns garotos o ajudaram, mas
blasfemaram e praguejaram todo o tempo. Ele falou claramente com
eles, e eles prometeram se emendar. Dois ou três homens que o
ajudaram a montar disseram palavrões em quase todas as palavras. Ele
diz: "eu me virei para um e para o outro, e falei em amor. Eles todos
aceitaram isto bem, e agradeceram-me muito". O cavalo perdeu a
ferradura, o que deu a ele chance de falar mais reservadamente com o
ferreiro e seu servo. Ele diz que ele menciona essas pequenas
circunstâncias para mostrar quão fácil é redimir cada fragmento de

271
tempo, quando sentimos algum amor para com essas almas, por quem
Cristo morreu. Foi neste caminho, que o evangelista foi ao encalço de
sua obra, sempre pronto a aproveitar a oportunidade, para tentar
redimir os homens de seu mal, quer sozinhos ou em multidões.

Ele agora pretendia estender a área de seus trabalhos para


Cornwall, que seu irmão e um ou dois dos pregadores leigos já haviam
visitado, e onde, no futuro, ele teria uma colheita mais abundante.
Partindo para Bristol, ele fez uma parada considerável, até que
alcançasse St.Ives, que se tornou, por um tempo, o centro do
Metodismo de Cornwall, e onde havia uma Sociedade, com cerca de
cento e vinte pessoas, que se reuniram no plano do Dr. Woodward,
com os quais os Metodistas tiveram um intercurso, através do Capitão
Turner de Bristol, que, algum tempo antes, tinha colocado sua
embarcação lá. Wesley passou três meses aqui, e nas outras cidades,
pregando em toda a oportunidade disponível. Ele também fez uma
visita à St. Mary, uma das Ilhas Scilly. Suas congregações variaram de
um punhado de pessoas, a dez mil, que se reuniram em Gwennap, em
sua segunda visita. A disposição das pessoas foi peculiar, algumas
pareciam "satisfeitas e despreocupadas", em outras, um pouco de
impressão foi causada; o restante mostrou "enorme aprovação e
absoluta despreocupação"; em um local ele observou "uma sincera
atenção simplória ", enquanto em outro, ele encontrou "muita boa-
vontade, mas nenhuma vida"; em outro, as pessoas estavam
"maravilhadas, mas ele não encontrou um que tivesse uma profunda
ou duradoura convicção". Mas, depois de algum tempo, ele é capaz
de registrar que em St. Ives, "o pavor de Deus caiu sobre nós,
enquanto eu falava, de maneira que eu dificilmente pude proferir uma
palavra".

Por fim, uma mudança de cenário acontece, enquanto ele


pregava em St. Ives, uma turba da cidade, irrompeu dentro da sala, e
criou muita confusão, rugindo e golpeando aqueles que permaneceram
no caminho, "como se a própria Legião os possuíssem". Ao se
certificar do aumento do alvoroço, ele foi para o meio e trouxe o
cabeça para a mesa, recebendo um soco de um lado da cabeça,

272
enquanto fazia isto. "Depois do que", ele diz, "nós debatemos a
questão, até que ele ficou mais e mais compassivo, e, por fim,
incumbiu-se de aquietar seus companheiros". Em um domingo, ele
pregou em quatro lugares diferentes, e não sentiu fraqueza, afinal, e
conclui o dia com a Sociedade em St. Ives, regozijando e orando a
Deus.

Depois de seu retorno para Bristol, ele fez uma breve viagem a
Wales, pregando, orando, e falando, de hora em hora. Então, temendo
que suas forças não fossem suficientes para pregar mais do que quatro
vezes no dia, ele abreviou seu serviço matinal, com a Sociedade em
Cardiff, para meia hora, depois aceitando dois serviços em Castle, um
na Igreja Wenvo, e um em Porthkerry. Ele empregou diversos dias no
exame e limpeza da Sociedade de Bristol, que, depois de diversos
terem sido colocados para fora, ainda consistia de mais de setecentas
pessoas. Ele se dedicou na semana seguinte a Kingswood, e encontrou
poucas coisas para reprovar.

Os líderes trouxeram agora o que tinham arrecadado nas suas


diversas classes, para o débito da construção da Nova Sala, que foi
imediatamente paga. Esta foi a finalidade em vista, quando a
Sociedade foi dividida primeiro em classes. As contribuições foram,
mais tarde, dadas ao pobre, e, subseqüentemente à obra de Deus, por
via de regra.

A caminho de Midlands, ele pregou em Painswick, Gutherston,


e Evesham, e no dia seguinte, visitou o Rev. Samuel Taylor, de
Quinton, Gloucestershire, um pregador poderoso e comovente; um
bem sucedido evangelista itinerante; um dos diversos clérigos – como
os Revs. John Hodges, de Wenvo; Henry Piers de Bexley; Charles
Manning de Hayes; Vincent Perronet de Shoreham; John Meriton da
Ilha de Man; Richard Thomas Bateman de St. Bartholomew's the
Great, Londres, e outros – que, sendo muito beneficiados pelo
ministro dos Metodistas, e totalmente simpatizantes com seus
objetivos salutares, identificaram-se com eles, os recebiam em seus
púlpitos, e atendiam em suas Conferências. Passando por

273
Birmingham, ele veio para Wednesbury, onde encontrou tal
tratamento, que parece quase inacreditável, e onde ele apareceu
igualmente no fim de seus dias. Seu irmão o seguiu em dois ou três
dias, e deu o seguinte relato descritivo:

"Eu fui muito encorajado, pela fé e paciência de nossos irmãos


de Wednesbury, que me forneceram alguns pormenores da última
perseguição. Meu irmão, eles me disseram, tinha sido detido, por
aproximadamente três horas, pela turba de três cidades. Aqueles de
Wednesbury e Dadaston foram desarmados por algumas poucas
palavras que ele falou, e, desde aquele momento, trabalharam para
protegê-lo de seus velhos aliados de Waltsal; até que eles foram
dominados e a maioria deles caiu ao chão. Três dos irmãos e uma
jovem perto dele, todo o tempo, tentaram interceptar os golpes.
Algumas vezes, ele era quase carregado nos ombros deles, através da
violência da multidão, que o golpeava continuamente, para que ele
caísse. E, se ele tivesse caído, uma só vez, ele não teria mais se
levantado. Muitas vezes, ele escapou, devido à sua baixa estatura; e
seus inimigos foram derrubados por eles. Seus pés nenhuma vez
escorregou; porque nas mãos deles, os anjos o dirigiram. Os rufiões
andaram, de um lado para outro, perguntando: 'Qual é o ministro?'.
E o perdiam, e o encontravam, e o perdiam novamente. A mão que
cegou os homens de Sodoma, e os sírios os deteve ou desviou. Alguns
gritaram: 'Derrubem-no, eu vou atirá-lo no abismo'. Outros gritavam:
'Dependurem-no na próxima árvore'. E outros: 'Acabe com ele! Acabe
com ele!'. E alguns lhe deram a infinita honra ao clamarem, em
termos expressos: 'Crucifiquem-no!'. E a uma só voz: 'Matem-no!'.
Mas eles não chegaram a um acordo quanto a que tipo de morte
colocá-lo. Em Watsal, diversos disseram: 'Tirem-no da cidade: não o
matem aqui; não traga seu sangue sobre nós!'.

"A alguns que clamavam: 'Desnudem-no, rasguem suas


roupas', ele suavemente respondeu, 'vocês não precisam fazer isto: eu
darei minhas roupas a vocês, se necessitam delas'. Nos intervalos do
tumulto, ele falava, 'os irmãos punham-me fora de perigo, com tanta
compostura e correção', como ele costumava fazer nas Sociedades

274
deles. O Espírito da glória descansou junto a ele. Tanto quantos ele
falou, ou ele impôs suas mãos, ele transformou em amigos. Ele não se
surpreendeu (como ele mesmo me disse), que os mártires não
sentissem dor nas paixões; porque nenhum dos golpes o feriu, embora
um tenha sido tão violento, de maneira a fazer com que seu nariz e
boca esguichassem sangue".

CAPÍTULO VIII

A Segunda Década do Trabalho Árduo Evangelista (1751/1760)

Esta década foi marcada pela aflição e tristeza. De fato,


Wesley não estava subjugado à violência da turba, na mesma
extensão, que nos anos anteriores; mas preocupações sugiram de
outras causas; algumas delas pessoais, e outras relacionadas à obra
que ele tinha nas mãos. Nos anos de 1753 e 1754, ele sofreu de
severas enfermidades. Nestas épocas sua prostração física era tão
grande, que pareceu igualmente que ele não poderia continuar mais
seu trabalho; ainda assim, repetidas vezes, ele reuniu suficiente força
para pregar, embora a febre e a dor, e a hemorragia incomodassem.

275
Durante um dos seus ataques, ele enfraqueceu-se muito, quando, como
ele escreve, "não sabendo como agradaria a Deus dispor de mim, e
impedir vil panegírico", ele escreveu o seguinte epitáfio, ordenando
que esta inscrição, se alguma, fosse colocada em sua tumba: Aqui jaz
o corpo de John Wesley. Um tição tirado do fogo. Que morreu de uma
consumpção, aos cinqüenta e um anos de idade, não deixando atrás
de si, depois de seus débitos pagos, dez libras: Orando que Deus seja
misericordioso comigo, um servo inútil!

Logo no ano seguinte, ele se retira para Bristol para aproveitar


os benefícios dos Hot Wells. Aqui ele começa a escrever As Notas do
Novo Testamento; "uma obra", ele diz, "que eu dificilmente tentaria,
alguma vez, escrever, não estivesse tão doente, e incapaz de viajar ou
pregar, e, ainda assim, bem capaz de ler e escrever. Eu agora
prossegui em um método regular; levantando-me, no meu horário
[quarto horas da manhã], escrevendo das cinco às nove da noite.
Exceto quando lendo, meia hora em cada refeição, e entre cinco e seis
da tarde". A pregação foi completamente interrompida por quarto
meses. Mas recupera um pouco de força, e retorna para Londres, onde
passa algumas semanas em Paddington, escrevendo, indo à cidade
apenas nos sábado de tarde, e partindo novamente no domingo de
manhã. Logo cedo em Junho, ele pregou na Fundição, o que não tinha
feito, às tardes, por um longo tempo, embora sua voz e força ainda
estivessem prejudicadas. Em Julho, ele sentiu-se capaz de reassumir
sua obra em campo aberto, depois de um intervalo de nove meses, mas
não em condições de renovar totalmente suas jornadas, até Abril do
ano seguinte. Depois desta, nenhuma interrupção prolongada ocorreu,
e ele logo estendeu suas visitas a muito mais número de lugares do
que em algum tempo anterior; e isto continuou até o fim de sua vida.

Em seus assuntos pessoais, o incidente mais considerável foi


seu casamento com a Sra.Vazeille, que aconteceu em 19 de Fevereiro
de 1751. Nove ou dez dias antes, ele estava atravessando a Ponte de
Londres, quando seu pé escorregou; seu tornozelo, batendo em uma
pedra, ficou seriamente ferido e uma de suas pernas, severamente
deslocada; ainda assim, ele pregou, e tentou fazê-lo novamente à

276
tarde, mas a dor estava muito grande. Ele passou uma semana na casa
de sua futura esposa; "parcialmente, em oração, leitura, e conversa; e,
parcialmente, no escrever a Gramática Hebraica, e terminar as
Lições para as Crianças". No domingo seguinte, ele pregou na
Fundição, de joelhos, e nos dias seguintes, estava casado. Ele pregou
novamente, uma ou três vezes, de joelhos. Em duas semanas, estava
capaz de cavalgar, embora não de caminhar, ele partiu sozinho para
Bristol, onde teve uma Conferência com seus pregadores, depois do
que, retornou a Londres. Seis dias mais tarde, iniciou sua jornada em
direção ao norte. Escreve: "eu não posso entender, como um pregador
Metodista pode responder a Deus, pregar um sermão, ou viajar um
dia menos, casado, do que quando solteiro. Neste aspecto,
certamente, 'resta que aqueles que têm esposas ajam como se não
tivessem'". Dificilmente um dos seus amigos, naquele tempo, e
nenhum de seus biógrafos mais recentemente, diriam uma palavra em
favor do casamento. Edward Perronet permanece sozinho, ao dar sua
aprovação. Charles Wesley e outros, que estavam muito interessados
em seu bem-estar deploraram profundamente. Até onde podemos
aprender, ele conseguiu pouca ou nenhuma ajuda da Sra. Wesley,
enquanto fazia de tudo para prejudicar seu conforto, submetendo-o a
muitas indignidades, e finalmente o deixou. Wesley ficou
grandemente desapontado com seu casamento; e o que quer que possa
ser dito, para desculpar a conduta da Sra. Wesley, neste terreno de
circunstâncias muito peculiares, em que ela se situava, fica claro que,
em vez de ser uma fonte de ajuda e felicidade para ele, ela foi a
oportunidade de muita tristeza e aflição pessoal. Tyerman fornece
inúmeros detalhes do assunto, e o julgou em seu estilo impulsivo
usual.

Uma grande preocupação surgiu do conflito de diversas de


suas sociedades, pela difusão de visões errôneas, ou tolas e divisoras,
como através dos Predestinacionistas, em Wednesbury. E os Místicos
e Antinominianos, em Birmingham, a expansão das doutrinas
Antinominiana e Calvinista, na Irlanda, e outras dificuldades
similares. Essas ele buscou contra-atacar com ensino cuidadoso
pessoal, onde se encontrasse com elas; escreveu panfletos para

277
distribuição em sua ausência. A saída de John Bennet da série de seus
ajudadores, e, especialmente a influência prejudicial de James
Wheatley, um outro colaborador, na Irlanda, e sua subseqüente
deserção em Wiltshire e Norwich, com efeitos desastrosos na
sociedade, causou em Wesley a mais aguda dor, e o envolveu em
muito trabalho sem proveito; enquanto causava destruição em meio a
um largo número de pessoas, às quais Wheatley havia arrastado em
torno dele. Tudo isto, Wesley combateu com a mais extrema
honestidade e coragem, e, finalmente, com considerável sucesso. Mas
isto tudo despejou nuvens ameaçadoras, durante anos, sobre a obra; e
de dor e tristeza sobre wesley e seus companheiros evangelistas.
Wheatley foi o primeiro colaborador em quem Wesley exerceu a
extrema disciplina de expulsão.

Mas uma preocupação mais profunda surgiu de uma corrente


de um sentimento anti-igreja, que, naquele tempo, aconteceu com
considerável força. Alguns dos colaboradores de Wesley, e muitos do
seu povo nunca mantiveram alguma conexão vital com a Igreja da
Inglaterra. Wesley esforçou-se para uni-los, e para persuadir –
algumas vezes, quase compeli-los a atenderem os serviços e os
sacramentos em suas paróquias, sempre estabelecendo o exemplo do
comparecimento, e recusando-se a conduzir os serviços, nos "horários
da igreja". Mas o tratamento dado a eles, por alguns do clero não
estava encorajando; em não poucas situações, ele foi positivamente
repelente. Não foi, portanto, surpresa, que eles desejassem que os
sacramentos fossem administrados a eles, por homens, através dos
quais eles receberam os benefícios espirituais. A moderação de
Wesley, no lidar com eles, contrastava com o espírito de seus irmãos,
mais conciso e inflexível. A controvérsia, algumas vezes, diminuía o
afeto, e se prolongava por muitos anos. Isto foi debatido, diversas
vezes, nas Conferências, quando Wesley foi geralmente capaz de
assegurar a unanimidade, em resolver não se separar da Igreja. Charles
Wesley foi primeiro um clérigo, então, um Metodista. Wesley, embora
firme até o fim, em sua ligação com a Igreja, colocou "a obra de
Deus", em primeiro lugar, perante ele. Charles disse que não seria leal
separar-se: John disse que não era expediente; mas ele disse também

278
"com Igreja, ou sem Igreja, eu devo salvar almas!". Esta diversidade
de pontos de vista, junto com outras circunstâncias perturbadoras,
causou uma medida de separação entre os irmãos, durante esta década.
Mas não durou muito tempo. O velho amor fraternal inflamou
novamente, a despeito de tudo. Mas a obra itinerante e o cuidado das
sociedades, através da região, geralmente, caiu quase exclusivamente
sobre os ombros de Wesley, porque Charles, parcialmente dirigido por
um espírito que ele não poderia compartilhar; parcialmente, pelos
atrativos da feliz vida familiar, gradualmente retirou-se da itinerância,
e seus trabalhos, depois de um tempo, foram principalmente restritos a
Londres e Bristol.

Wesley foi também perturbado pelos controversistas, alguns


dos quais ele não pôde ignorar, como ele fez com a maioria dos seus
críticos. Ele respondeu ao Bispo Lavington, em três publicações
separadas, embora a produção do senhor lorde pouco merecesse uma
resposta. Ele também escreveu sua "Predestinação Calmamente
Considerada", para corrigir o crescimento do erro na Irlanda, assim
como diversas outras partes controversas. Este foi para ele "um
trabalho pesado", tal como ele "nunca escolheria, mas que deveria
ser feito". A vilania de um Imprensa obscena, que atacou o
Metodismo com o veneno mais amargo, encontrou seu clímax nos
escritos corruptos de Foote, cuja produção de maior alarido, The
Minor: Uma comédia foi exibida para perverter e criar simpatia com
as audiência, em Haymarket, por diversos meses.

As obras mais importantes de Wesley estão em um volume


intitulado, A Doutrina do Pecado Original, em resposta ao Dr. Taylor,
de Norwich, o mais completo tratado teológico que ele publicou; Um
Preventivo Contra as Noções Duvidosas na Religião, para o uso
especial de seus jovens pregadores; quarenta e nove volumes da
Livraria Cristã, As Notas Explanatórias do Novo Testamento, com a
tradução revisada do texto; Razões Contra a Separação da Igreja da
Inglaterra; e um Tratado sobre a Eletricidade. Essas, com muitas
outras publicações menores, incluindo um hinário, para o uso de seu
povo – Hinos e Canções Espirituais - e vários panfletos de hinos,

279
mostram com quanta diligência e cuidado, seu tempo, que não foi
gasto dirigir a obra evangelista, foi sagradamente aproveitado.

Mas, embora a década fosse caracterizada, por muitas


circunstâncias problemáticas, não foi totalmente obscura. A obra
progrediu; a esfera de atividade de Wesley foi ampliada: ele fez quatro
visitas a Escócia, a primeira em 1751; ele também pregou em muitos
lugares na Inglaterra, não visitados anteriormente. Seus colaboradores
aumentaram em número; sessenta e cinco itinerantes adicionais foram
matriculados, de maneira que no encerramento da década, noventa
estavam engajados, e muitos colaboradores "locais". Mais de
cinqüenta capelas, ou casas de pregação, foram ocupadas. Sinais
adicionais do avivamento espiritual apresentaram-se; Wesley
escreveu: "No início do ano de 1760, existia um grande avivamento
da obra de Deus em Yorkshire". Este foi o presságio de uma obra
muito grande, através do reino. Os assuntos seculares das sociedades,
especialmente aqueles ligados aos seus empreendimentos de
publicação, eram confiados aos administradores, deixando Wesley
mais livre para o trabalho espiritual. Diversos mais do clero -
Berridge, Milner, e outros – simpatizavam com a obra Metodista; e a
imitavam. Seu velho amigo Whitefield estava "todo amor e ternura".
Mas uma fonte mais rica de ajuda, de bênção, e de alegria estava à
mão. Wesley escreve: "No domingo, 13 de Março de 1757, encontrei-
me fraco em Snowfields. Eu orei (se Ele considerasse bom), para que
Deus me enviasse ajuda na capela [em West Street]; e eu a tive. Um
clérigo, a quem eu nunca tinha visto antes, veio e ofereceu-me sua
assistência; e tão logo eu terminei de pregar, chegou o Sr. Fletcher,
recém ordenado sacerdote, e apressou-se para a capela com o
propósito de assistir, já que ele supôs que eu estaria sozinho".

A vinda de Fletcher (William de la Fléchère, de Nyon, na


Suíça) para a ajuda de Wesley é um evento muito interessante e
importante nesta história para se passar rapidamente por ele. Como
vimos, Charles Wesley relaxou em seu trabalho itinerante, e antes do
final da década, eles se limitaram à Londres e Bristol. Felizmente, por
todos os lados, os ajudadores estavam surgindo, ou a obra não teria

280
avançado, nem Wesley teria liberdade para desempenhar suas viagens
evangelistas, através da região. Fletcher não entrou na corporação de
itinerantes, mas tornou-se um conselheiro e amigo inestimável; e,
através de suas visitas ocasionais a algumas das sociedades, levou até
eles a influência de seu caráter puro e ministério espiritual. Sua caneta,
hábil e pronta, era livremente usada, e com singular poder, no rebater
os oponentes de Wesley, e em defender seus ensinamentos e sua obra,
enquanto seu espírito, gracioso, imponente, e seráfico, era uma
sagrada inspiração e conforto.

Os trabalhos itinerantes de Wesley, através da década estão


ilustrados no itinerário do último ano do período, que é dado nas
páginas seguintes, embora até mesmo este não supra os nomes de
todos os lugares, nos quais, em sua jornada, ele parou para pregar. As
barreiras de preconceito estavam, em algumas instâncias, começando
a ceder, embora, ainda assim, apenas poucas igrejas estivessem
abertas a ele. Perto do encerramento da década ele estava, no entanto,
grandemente alegre, por reunir-se com seu amigo Berridge, em alguns
serviços muito notáveis na Everton Church.

As Conferências gradualmente ampliando-se eram ocasiões de


muitas bênçãos, e foram marcadas pela unanimidade, amor, e o
controle de uma supremacia resolve continuar a obra, a despeito de
todas as privações – e elas eram muitas - e não se separar da Igreja.

Nos itinerários seguintes, tomados, principalmente de seus


Diários, os nomes das cidades, embora ele tenha passado e não apenas
parado para pregar estão em itálicos. Diversos nomes são omitidos,
por falta de espaço.

281
CAPÍTULO IX

A Terceira Década do Trabalho Árduo Evangelista (1761-1770)

A terceira década apresenta traços de um caráter misturado,


diversos deles sendo de grande interesse. Sinais do avivamento e
extensão apareceram em muitas partes do país. "No início do ano de
1760", Wesley escreveu, "havia um grande aviamento da obra de
Deus Yorkshire – Aqui começou aquela gloriosa obra de santificação,
que ficou parada por quase vinte anos. Mas, de tempos em tempos,
espalhou-se; primeiro, através de várias partes de Yorkshire; depois,
em Londres; então, através da maioria das partes da Inglaterra; em
seguida, Dublin, Limerick. E todas as sudestes e oestes da Irlanda. E,
onde o trabalho da santificação crescesse, a obra de Deus crescia em
todas as suas ramificações. Muitos foram convencidos do pecado;
muitos justificados; muitos apóstatas curados. Assim foi na Sociedade
de Londres, em específico. Em Fevereiro de 1761, ela continha mais
de dois mil e trezentos membros. Em 1765, acima de mil e oitocentos".
Esta expansão da obra foi observável, não apenas em redor de
Londres, mas na maioria dos lugares da Inglaterra e Irlanda, e um
similar testemunho foi feito em 1764.

Wesley escreveu muito sobre "esta obra de santificação", que


ele define mais acuradamente como "inteira santificação", em
harmonia com (I Tessalonicenses 5:23) "E o próprio Deus de paz vos
santifique completamente". Este é o "amor perfeito", ou "a perfeição
cristã", que ele ardorosamente estimulou todas as suas sociedades a
buscarem. "Por perfeição, eu quero dizer, o amor humilde, gentil,
paciente, a Deus e ao homem, governando todos os temperamentos,
palavras, e ações; todo o coração, e toda a vida". Esta não foi uma
realização maior do que aquela que ele aprendeu, há muito tempo, das

282
leis dos oráculos iniciais – dos quais ele tanto emprestou a frase,
quanto aprendeu quão grande foi o privilégio espiritual possível ao
homem, sob o Evangelho de Jesus Cristo. Mas uma peculiaridade do
ensino de Wesley foi que "a perfeição é sempre forjada na alma, pela
fé, pelo simples ato da fé; conseqüentemente, de imediato". Mas ele
diz: "Eu acredito na obra gradual, tanto precedente quanto seguinte
àquele instante. Quanto ao tempo", ele acrescenta, "eu acredito que
este instante geralmente é o instante da morte, o momento antes que
as almas deixem o corpo. Mas eu acredito também que possa ser dez,
vinte, quarenta anos, antes da morte. Eu acredito que ela seja
usualmente muitos anos depois da justificação; mas que ela pode ser
dentro de cinco anos, ou cinco meses depois dela". Esta estava
associada com uma inteira devoção do coração e vida a Deus, de
maneira, a "regozijar-se sempre mais, orar, sem cessar, e em todas as
coisas, dar graças". "O amar a Deus de todo o nosso coração, alma e
força, e o amar a todos os homens, como Cristo nos amou, sempre
será a somatória do que eu entrego como sendo a religião pura e
imaculada". Enquanto isto, a inteira dedicação a Deus, e a feliz
experiência do amor a Deus, espalhados pelo coração, estimulou
muitos dos primeiros Metodistas para a santidade de caráter; muitos
dos menos cuidadosos foram carregados por uma perversão do ensino,
para um fanatismo selvagem que, por muitos anos, dificultou Wesley,
em seus trabalhos, e, em diversos lugares, impediu o progresso da
obra. De maneira que, olhando para trás, no encerramento do ano de
1762, ele não pode deixar de agradecer pelo ano de bênçãos incomuns,
e ainda assim, ele teve "mais cuidado e preocupação em seis meses,
do que nos diversos anos precedentes!".

Fletcher escreveu para Charles Wesley, neste tempo: "Muitos


de nossos irmãos estão passando dos limites o Cristianismo moderado
em Londres. Oh! Que eu possa permanecer na brecha! Oh! Que eu
possa, pelo sacrifício próprio, fechar este imenso abismo de fanatismo
que abre sua boca em nosso meio! A corrupção das melhores coisas é
sempre a pior das corrupções".

283
Os nomes de George Bell e Thomas Maxfield permanecem
infelizmente associados a esta apostasia; e, ainda assim, foi para as
mãos do último que a Sociedade de Londres esteve, em grande
extensão, comprometida. Ele deixou Wesley, em 1763, arrastando
consigo um número que simpatizou com suas extravagâncias.

Charles Wesley e Whitefield (que estava agora na Inglaterra)


estavam ambos enfermos, e o fardo sobre Wesley era imenso.
Felizmente sua saúde estava totalmente restabelecida, e ele foi capaz
de empreender trabalhos extraordinários. Em certo momento, ele
escreveu: "Três dias na semana, eu posso pregar, três vezes ao dia,
sem causar dano a mim mesmo; mas eu agora excedi em muito isto,
além de encontrar as classes e exortar as sociedades". Em um
período subseqüente, ele escreveu: "Neste e nos três dias seguintes, eu
preguei em tantos lugares quanto eu pude, embora, eu estivesse, a
princípio, em dúvida se eu poderia pregar oito dias, principalmente
em lugares abertos, três ou quatro vezes por dia. Mas minhas forças
estavam como minha obra. Eu dificilmente senti qualquer fraqueza no
começo ou no fim".

No inverno extremamente severo de 1763, Wesley distribuiu


"caldo grosso de ervilha e cevada", na Fundição, e fez uma coleta de
trezentas libras para enfrentar as necessidades do pobre faminto e
destituído. No ano seguinte, a Fundição foi reformada e ampliada.

No ano de 1764, Wesley endereçou uma carta para cinqüenta


clérigos evangélicos, com vistas a promover uma união amigável em
meio a eles. "O grande ponto em que eu agora trabalho", ele escreve,
"é o bom entendimento com todos os irmãos do clero, que estão
amorosamente engajados em propagar a religião vital. Três apenas
dos cinqüenta responderam. Mas na Conferência daquele ano, John
Pawson, que estava presente, diz: 'Doze daqueles cavalheiros
atenderam nossa Conferência em Bristol, com o objetivo de persuadir
o Sr. Wesley a remover os pregadores de cada paróquia onde existisse
um ministro avivado; e o Sr., Charles Wesley honestamente nos disse
que se ele fosse um ministro estabelecido em algum lugar específico,

284
nós não pregaríamos lá. A quem o sr. Hampson [um dos assistentes]
replicou:' Eu pregaria lá, e nunca pediria sua permissão, e teria tanto
direito a fazer isto quanto você'".

Uma infeliz controvérsia impressa também surgiu nesta


ocasião, da publicação de onze cartas escritas por Hervey, e
publicadas depois de sua morte, em resposta a algumas críticas feitas
por Wesley quanto às visões Calvinistas, expressadas em Theron e
Aspásia de Harvey. A parte de Wesley na contenda foi publicar, Um
Tratado Sobre a Justificação, extraído da obra do Sr. John Goodwin;
com um prefácio em que todo o material das cartas recém publicadas,
sob o nome do Rev. Sr. Hervey, é respondido. A controvérsia ficou
mais amarga por conta de alguns que tomaram parte nele; e Tyerman
acredita que a obra de Wesley na Escócia foi obstruída por causa
disto, por vinte anos, e que foi a raiz de muito mais controvérsia
importante, que datou do fim desta década.

Na Conferência de 1766, quando muitos assuntos importantes


foram considerados, a questão foi feita: "Nós somos Dissidentes?", e
em resposta a isto foi dito: "Somos desiguais – (1) por chamar os
pecados ao arrependimento em todos os lugares; (2) por usar de
oração espontânea. Ainda assim, não somos Dissidentes, no único
sentido que a lei reconhece: ou seja, as pessoas que acreditam que
seja pecaminoso atender à Igreja. Porque nós a atendemos em todas
as oportunidades. Nós não iremos; não nos atreveremos a nos
separar da Igreja, pelas razões dadas diversos anos atrás... E como
nós não somos Dissidentes agora, então não faremos nada
prontamente que tenda à separação dela. Portanto, que todo
assistente imediatamente ordene seu circuito que nenhum pregador
pode ser impedido de atender à igreja mais do que dois domingos no
mês". Foi afirmado também que os serviços eram adorações públicas,
em um sentido; mas não tais que substituíssem o serviço da Igreja.
Isto pressupunha oração pública. Se, se pretendesse que os serviços
fossem usados, no lugar do serviço da Igreja, eles seriam
essencialmente imperfeitos.

285
Wesley faz uma completa explanação de sua posição em
resposta à questão: "Que poder é este que você exercita sobre todos os
Metodistas na Grã-Bretanha e Irlanda?". Ele também insistiu na
condição das sociedades, e deu muitos conselhos francos e valiosos
aos pregadores.

De uma carta endereçada por Charles Wesley à sua esposa, e


datada de 21 de Agosto de 1766, o seguinte resumo interessante pode
ser feito: "A noite passada, meu irmão veio. Esta manhã, nós
passados duas horas abençoadas com G. Whitefield. Nós confiamos
que o cordão de três dobras nunca mais será quebrado. Na terça-feira
seguinte, meu irmão deveria pregar na capela de Lady Huntingdon
em Bath. Que esta e todas as suas capelas (para não dizer, como eu
diria, dela mesma também) estão agora colocadas nas mãos de nós
três". Isto indica uma reunião agradável, e que os irmãos eram bem-
vindos, onde quer que fossem pregar na capela de sua senhoria. Tudo
isto era muito gratificante; mas subseqüentes controvérsias Calvinistas
conduziram ao fechamento das portas contra os Wesleys, por ocasião
da morte de Whitefield.

Em 1769, ele fez sua última visita à América. Ele morreu de


joelhos no ano seguinte (30 de Setembro de 1770), um mártir do
trabalho excessivo, no serviço mais santo e abençoado.

Dois passos importantes foram tomados na Conferência de


1769. Um é explicado na seguinte entrada: "Nós tivemos um chamado
urgente de nossos irmãos de Nova York (que construíram uma casa de
pregação), para que fôssemos ajudá-los. Quem está disposto a ir?".
"Responderam Richard Boardman e Joseph Pilmoor". Mais adiante,
como um sinal de amor fraternal para com a pequena sociedade que
tinha se formado em Nova York, os membros da Conferência fizeram
uma coleta, entre eles, de setenta libras, para pagar as passagens dos
irmãos, e auxiliar a sociedade do outro lado do oceano. Assim
começou uma obra de remessa do que é visto hoje nas maiores Igrejas
transatlânticas.

286
Um outro passo importante foi a preparação de um esquema
para a perpetuação do Metodismo, no caso da morte de Wesley.

A Conferência do último ano da década mostrou que o número


de circuitos Metodistas tinha aumentado para cinqüenta, incluindo a
América; os pregadores itinerantes para cento e cinqüenta; e os
membros das sociedades para vinte e nove mil. Em resposta à questão:
"O que deve ser feito para reavivar a obra de Deus onde ela está
diminuída?". Depois de diversas sugestões, observou-se em seguida:
"Nós dissemos em 1744, que 'nós nos curvamos em demasiado em
direção ao Calvinismo'", ao que foi perguntado: "No que?". A
resposta para a questão deu margem a uma amarga e prolongada
controvérsia, como aparecerá subseqüentemente.

Durante esses anos, a imprensa, e seus numerosos ataques ao


Metodismo, estava muito virulenta, e não raramente grosseira. Alguns
poucos eram mais sérios, para os quais Wesley respondia. Ele fez um
uso considerável da imprensa, para seus próprios propósitos, e
algumas de suas publicações foram produtos de muito trabalho. Entre
elas, as principais eram: Um Comentário Explanatório sobre o Velho
Testamento, 3 volumes; A Visão da Sabedoria de Deus na Criação, ou
Um Compêndio da Filosofia Natural, primeiro editado em dois
volumes, então, expandido para três, e, mais tarde, para cinco
volumes; Um Relato Claro da Perfeição Cristã,uma obra de muito
valor, ao mostrar a maturidade de Wesley e pontos de vista
cuidadosamente afirmados sobre este assunto; um volume dos
Conselho sobre Saúde, extraído do Dr. Tissot; também diversas partes
de seu Diário, muitos hinários, e um considerável número de panfletos
de vários tipos, e alguns sermões. No decorrer de toda a década,
Wesley trabalhou com a mais extrema assiduidade, não relaxando em
seu trabalho, um único dia, ou gastando uma simples hora de tempo.
Através das dificuldades e desencorajamentos que ele teve em seu
caminho; até mesmo, as nuvens que se juntaram ao redor dele,
algumas vezes, não obstruíram sua visão das indicações claras da

287
bênção Divina sobre seus trabalhos; e, a despeito de tudo, a grande
obra progrediu.

CAPÍTULO X

A Quarta Década do Trabalho Árduo Evangelista


(1771-1780)

Ao entrarmos em outra década dos trabalhos evangelistas de


John Wesley, novamente podemos dizer que é impossível registrar os
inumeráveis incidentes interessantes que ocorreram, na contínua, mas
graciosa monotonia dos sagrados trabalhos árduos que preencheram
esses anos. Apenas um pouco dos mais proeminentes deles, que
interrompem seu inalterável fluxo, quando agitam a superfície de uma
correnteza, podem ser dados, tão brevemente quanto possível.

288
As últimas horas da década anterior foram gastas em trabalho,
oração, e ação de graças. No Natal, Wesley começa seu trabalho com
um sermão na Fundição, às quatro horas da manhã; manteve o serviço,
e pregou em West Street, às nove horas; encontra as crianças, às três
da tarde; pregou novamente às cinco horas; e, então, teve um
"momento confortável com a Sociedade"; – verdadeiramente, "um dia
cheio de trabalho". De acordo com o costume estabelecido, cada ano
foi encerrado com uma celebração do solene festival, conforme o
desejo da instituição deles, um dia de jejum e solene noite de vigília; e
o novo ano foi consagrado por um serviço divino. A cada inicio do
ano, ele se vê assim renovado com adoração santa, e pronto para
entrar em outra série de trabalho árduo.

No Diário, Fevereiro de 1771, ocorre a seguinte entrada:


"Porquê, eu não sei até hoje, -- [Sra. Wesley] partiu para Newcastle,
propondo 'nunca retornar'. 'Non eam reliqui: Non dimisi: Non
revocabo.'E u não a deixei: nem a mandei embora: e não irei chamá-
la novamente'". É necessário entrar aqui nos detalhes da conduta da
Sra. Wesley. Todo seu comportamento pode apenas ser explicado, se
alicerçado em ciúme opressivo. Ela parecer ter sido incapaz de
discernir a grandeza de sua oportunidade, ou responder ao seu alto
chamado, como colaboradora de alguém engajado em uma obra
supremamente elevada. Wesley ficou desapontado, na expectativa de
que seu proveito seria aumentado pelo casamento; mas, embora a
superfície de seu conforto fosse perturbada, ele não permitiu que seus
trabalhos fossem interrompidos.

No decurso deste ano, uma zelosa e devotada senhora – Srta.


Bosanquet, de Leytonstone, mais tarde, Sra. Fletcher, de Madeley –
escreveu para Wesley, com respeito ao seu engajamento nos serviços
de pregação. Ele respondeu na seguinte carta, que ilustra seus pontos
de vista do Metodismo daquele tempo.

Londonderry, 13 de Junho, 1771

Minha Querida Irmã,

289
"Eu penso que a força da causa repousa ai, -- em você ter um
chamado extraordinário. De maneira que eu estou persuadido, tem
cada um de nossos pregadores leigos; do contrário, eu não aprovaria
sua pregação, afinal. Fica claro para mim, que toda a obra de Deus,
denominada Metodismo, é uma dispensação extraordinária de Sua
providência. Portanto, eu não me surpreendo, que diversas coisas
ocorram nela, o que não caiam nas regras ordinárias de disciplina. A
regra comum de Paulo era: 'eu não permito que uma mulher fale na
congregação'. Ainda assim, em casos extraordinários, ele fez algumas
poucas exceções; em Corinto, em especial".

"Eu sou, minha querida irmão, seu afetuoso irmão",


J.Wesley.

----

"Na Conferência de 1770, foi pedida atenção para certas


medidas, consideradas necessárias para o avivamento da obra de
Deus. Diversos conselhos foram dados, um deles sendo: 'Cuide de sua
doutrina. Nós dissemos em 1744 que 'nós nos inclinamos em
demasiado em direção ao Calvinismo. Em que?". As respostas a esta
questão deram ocasião para uma amarga e prolongada controvérsia,
que se estendeu através de toda a década. Fletcher encarregou-se da
defesa de seu amigo, e um dos resultados mais importantes do conflito
foi a publicação de seu afiado e inestimável Repressões ao
Antinomianismo. Através desses, e de muitos panfletos escritos em
seu favor, Wesley foi poupado da necessidade de falar mais do que
uma pequena fração na disputa, e estava apto, portanto, a entregar-se,
sem reserva, à sua obra evangelista. Isto ele fez, em tal extensão, que,
não obstante o avançado dos anos, ele visitou mais cidades, e pregou
em mais lugares, durante esta década, do que nas décadas anteriores,
como aparece do itinerário, no final do capítulo. Em um ano apenas,
ele pregou, em não menos do que duzentos e vinte lugares diferentes,
além de muitos outros que não são citados, onde esteve, em suas
visitas para as sociedades da região. Ele atravessou o país em todas as

290
condições de tempo, através de sucessivos anos, salvo durante o
período que usualmente passava em Londres, onde, embora ele
viajasse menos, ele estava habitualmente interessado em outras
tarefas; e tão escrupuloso no uso de seu tempo, quanto em qualquer
dos anos anteriores de sua vida.

Ele não esteve indiferente aos apelos de descanso e


comodidade; ainda assim, ele nunca perdeu de vista os interesses
espirituais e eternos, que estavam envolvidos em sua grande obra. Em
uma de suas visitas a Newcastle, ele escreveu: "Eu descansei aqui.
Um lugar adorável, e uma companhia adorável, mas eu acredito que
exista outro mundo, portanto, eu devo 'me levantar e seguir em
frente'". Ele não se permitia diminuição de trabalho, se com respeito à
viagem, pregação, leitura, correspondência, escrito para a Imprensa,
vigiar o crescimento das sociedades, ou promover obras de filantropia.
E sua força não parecia ter-se abatido; embora em 1773, ele fizesse a
curiosa observação, quando atravessa de Dublin: "Esta foi a primeira
noite, em minha vida, que eu permaneci acordado, embora estivesse
tranqüilo de corpo e mente. Eu acredito que poucos possam dizer isto:
em setenta anos, eu nunca perdi uma noite de sono". Neste ano, ele
pregou em Moorfields para, se supõem, a maior congregação que se
reuniu por lá; mas sua voz estava suficientemente forte, para
possibilitar que aqueles que estavam mais distantes ouvissem
perfeitamente bem. Em Gwennap foi averiguado, por medição, que
acima de trinta e duas mil pessoas estiveram presentes; ainda assim,
em uma averiguação, certificou-se que ele pôde ser ouvido, "até
mesmo nos limites da congregação". "Talvez", ele diz, "a primeira vez
que um homem de setenta anos foi ouvido por trinta mil de uma só
vez". Considerando seu constante recurso para a pregação em campo,
prontamente se suporia que seria uma obra fácil e bem-vinda para ele;
mas parece que tal não foi o caso, porque ele escreve: "Até hoje, a
pregação no campo é uma cruz para mim. Mas eu sei minha
incumbência, e vejo nenhuma outra maneira de pregar o evangelho
para toda a criatura".

291
Neste ano, um daqueles graciosos avivamentos espirituais
ocorreu, o que ocasionalmente fez brilhar a história da Escola
Kingswood, e abundantemente o recompensou por seus trabalhos
árduos e sacrifícios, e desapontamentos dolorosos, no interesse dela.

Geralmente, durante as Conferências, como ele falava de


manhã à noite, ele pedia para um dos pregadores pregar, logo cedo, no
serviço matutino; mas, em duas das Conferências, pelo menos, com
muitas coisas para dizer, ele pregou durante as manhãs e tardes, e diz
que não viu diferença, afinal; ele não estava mais cansado do que em
seu "trabalho usual, ou seja, não mais do que se eu estivesse sentado
quieto em meu estúdio, de manhã à noite". Durante sua residência em
Londres, ele freqüentemente visitou todos os membros da Sociedade
em suas casas, mesmo embora o número variasse entre dois mil e
quatrocentos e dois mil e quinhentos.

Poucos homens, se algum, alguma vez pregou em tantas


circunstâncias peculiares. O caso seguinte, que ocorreu, por volta
deste tempo, acrescentado a muitos já relatados, pode ilustrar este
fato. Ele havia prometido pregar, às seis horas da manhã, para os
prisioneiros em Whiteley. "Embora o chão estivesse coberto de neve,
tantas pessoas se reuniram", ele diz, "que eu fui constrangido a
pregar no pátio da prisão. A neve continuou a cair, e o vento norte a
soprar ao nosso redor; mas eu confio que Deus aqueceu muitos
corações". Seus dias foram tão cheios de trabalho quanto de
aventuras, de livramentos de perigo, e de exemplos de sua grande
resistência. Muitas proezas da viagem são também registradas, como
em 9 de Maio de 1777, quando ele diz "fui para Malton; e no dia 10,
depois de viajar, noventa ou cem milhas, eu voltei para Malton, e,
depois de descansar por uma hora, fui para Scarborough, e preguei à
tarde. Mas o fluxo que eu tivera por poucos dias aumentou de
maneira que eu, a princípio, encontrei dificuldade para falar. Ainda
assim, quanto mais eu falei, mais forte fiquei. Deus não é uma ajuda
presente?". Ele continuou pregando, até a tarde do dia 14, quando
chegou em York. Ele bem poderia dizer: "Eu de bom-grado
descansaria o dia seguinte, sentindo meu peito muito desconfortável.

292
Mas chegou aviso de que eu pregaria em Tadcaster, e eu parti, às
nove da manhã. Por volta das dez, a carruagem quebrou. Eu
emprestei um cavalo, mas ele não era um dos mais fáceis. Depois de
cavalgar três milhas, eu estava tão completamente eletrificado, que a
dor em meu peito estava completamente curada. Eu preguei á tarde
em York; na sexta-feira tomei a diligência, e, no sábado à tarde, vim
para Londres".

Em Congieton, ele foi subitamente chamado a Bristol, para um


negócio importante. Ele partiu, permaneceu em Bristol duas horas, e
retornou para cumprir seus compromissos de pregação; perfazendo
uma distância de duzentas e oitenta milhas, em cerca de quarenta e
oito horas, ainda assim, não mais cansado no final, do que no início.
Isto foi extraordinário, considerando sua idade, e as condições das
estradas naquele tempo. Esses incidentes mostram o espírito resoluto
do homem, e algumas de suas dificuldades. Ele ainda continuou a
estender a área de suas viagens evangelistas. E, 1777, ele fez a
primeira visita a Ilha de Man; e, como usual em suas primeiras visitas,
ele cuidadosamente registrou suas observações minuciosas da
aparência da região.

A nação estava agora em um estado incerto, e viajar era


perigoso. Por volta desta época, os condutores da carruagem, em uma
das ruas públicas uniram-se para entregar seus passageiros, uns nas
mãos dos outros, de maneira que muitos foram roubados e
maltratados. Wesley, sempre pronto a reconhecer a boa providência de
Deus sobre ele, registra: "Eu viajei todas as rodovias, de dia e de
noite, por esses quarenta anos, e nunca fui interrompido".

Por dois ou três anos, ele sofreu os efeitos de ser atirado sobre
a maçaneta de sua sela, devido ao tropeço do cavalo. Isto se tornando
sério, ele se submeteu a uma cirurgia, e, em poucos dias, estava
efetivamente curado. Mas ele sofreu uma interrupção mais séria em
sua obra, um ano depois, durante uma das suas visitas à Irlanda. Ele se
encontrava em Castle Caulfield, onde, ele diz, "durante a noite, a
chuva veio abundantemente, através do sapé, para dentro de meu

293
quarto. Mas eu não vi inconveniência presente, e não me preocupei
com o amanhã". Uma semana mais tarde, no entanto, ele escreveu:
"Eu não me senti muito bem esta manhã, mas supus que isto passaria
logo. À tarde, com o tempo extremamente quente, eu me deitei na
grama, no pomar do Sr. Lark, em Cock Hill. Isto eu estava
acostumado a fazer por quarenta anos, e não me lembro disto ter me
causado algum dano; apenas eu nunca deitei sobre a minha face, em
cuja postura, adormeci. Eu acordei um pouco, apenas um pouco,
incomodado, e preguei com facilidade para uma multidão. Mais
tarde, eu estava um bocado pior". No entanto, no dia seguinte, ele
prosseguiu algumas milhas, e pregou ao lado de uma mesa, e com um
vento forte e afiado soprando em sua face. Ele ficou extremamente
doente, e os sintomas eram tão sérios que o medo mais ameaçador
cogitado era de que ele não se recuperaria. Seu companheiro de
viagem disse que sua língua estava muito inchada, e tão negra como
carvão; que ele se agitava todo; e que, por algum tempo, seu coração
não batia perceptível, nem havia pulso discernível. Como as notícias
disto se espalharam, a ansiedade de seus amigos, e a tristeza de seu
povo, tornaram-se extremamente grandes, como muito rapidamente
podemos supor, e orações foram feitas a ele, de todas as partes.
Tyerman, que menciona algumas circunstâncias relativas a esta
enfermidade, cita diversas cartas escritas naquele tempo, das quais a
seguinte, endereçada pelo seu irmão a Joseph Bradford, companheiro
de Wesley, é tomada:

Bristol, 29 de Junho, 1775

Querido Joseph

"Ânimo! O Senhor vive, e todos vivem para Ele. Sua última


carta acaba de chegar, e elimina toda a esperança da recuperação de
meu irmão. Se ele pudesse resistir até agora, ou seja, dez dias mais,
ele poderia se recuperar, mas eu não me atrevo a me permitir esperar
por isto, até que eu ouça de você novamente. As pessoas aqui, e em
Londres, e em todas as partes, estão mergulhadas na tristeza. Mas a
tristeza e morte logo serão tragadas na vida eterna. Você cuidará dos

294
papéis de meu irmão, etc, até que você veja os testamenteiros dele;
Deus recompense sua fidelidade e amor. Eu pareço dificilmente
separado dele, a quem eu devo, em breve, alcançar. Nós fomos unidos
em nossas vidas, e em nossa morte, não estaremos separados. Irmãos,
orem um pouco mais por seu amoroso servo".

Charles Wesley

----

Quinta-feira, à tarde.

"Sua carta do dia 20, eu recebi neste momento. Ela apenas


confirma meus temores. Meu irmão, logo depois que você escreveu,
com toda probabilidade, entrou na alegria do Senhor. Ainda assim.
Escreva novamente e me envie os pormenores. Eu não tenho, e nunca
mais terei, forces para tal jornada. O Senhor nos prepare para um
rápida remoção para nossa região celestial!".

Charles Wesley

---

Mas os temores e tristezas dos seus amigos foram logo


dissipados. Com rapidez, sua doença começou a diminuir, e, em
menos de uma semana, ele partiu para Dublin, onde, em outra semana,
ele pregou uma vez, e, em seis dias mais, deu início ao seu curso
regular de pregação, manhã e tarde. Depois de pregar em Finstock, no
outono, ele escreveu, como fez em diversos outros lugares atrativos
em suas viagens: "Quantos dias eu poderia passar aqui, se eu fosse
fazer minha própria vontade? Mas não pode ser assim: Eu devo 'fazer
a vontade Dele que me enviou', e terminar Sua obra. Portanto, este é
o primeiro dia que eu passo aqui; e, talvez, possa ser o último".
Wesley, agora, completamente consciente de sua idade avançada, não
estava sem razoável medo de que sua partida seria atendida por sérias
conseqüências por suas sociedades, porque diversos dos pregadores

295
estavam muito descontentes por não lhes ser permitido administrarem
o Sacramento da Ceia do Senhor, e muitas congregações estavam
igualmente insatisfeitas, porque não lhes era permitido recebê-la dos
pregadores aos quais eles deviam tanto, e aos quais estavam muito
ligados, enquanto o clero, cujas ministrações, Wesley requereu que
seu povo atendesse, freqüentemente os tratava com rudeza e
desmerecida reprovação. Ele, portanto, sugeriu que, no evento de sua
morte, Fletcher tornasse seu sucesso, e ativamente recomendou que
ele consentisse. Isto Fletcher resolutamente declinou, mas, como ele
estava adoentado, ele consentiu em viajar com Wesley por alguns
poucos meses. Eles partiram na primavera, e retornaram, no final do
ano, muito melhor de saúde. Ele foi, no entanto, persuadido a
permanecer em Londres, e seus velhos sintomas retornaram.

Wesley já havia endereçado a ele a seguinte carta notável:

Janeiro de 1773

Prezado senhor,

"Que espantosa obra, Deus tem forjado nestes reinos, em


menos de quarenta anos". E ele não apenas continua, mas aumenta,
através da Inglaterra, Escócia, e Irlanda; mais do que isto,
ultimamente se espalhou para Nova York, Pensilvânia, Virginia,
Maryland, e Carolina. Mas os homens sábios do mundo dizem:
'Quando o Sr. Wesley morrer, então, tudo isto vai acabar!'. E, assim,
certamente será, a menos que, antes que Deus me chame daqui,
alguém seja encontrado para ficar em meu lugar. (...) O corpo de
pregadores não está unido: nem uma parte dele se submete às
demais; de maneira que deve existir um que governe sobre todos, ou a
obra, de fato, chegará ao fim".

"Mas quem é suficiente para essas coisas? Qualificado para


governar, tanto sobre os pregadores, quanto o povo? Ele deve ser um
homem de fé e amor, e um que tenha um olho puro para o avanço do
reino de Deus. Ele deve ter um entendimento claro; um conhecimento

296
de homens e coisas, especificamente da doutrina e disciplina
Metodista; uma elocução pronta; diligência e atividade, com uma
tolerável cota de saúde. Deve ser acrescentado a esses, generosidade
para com as pessoas, e com os Metodistas em geral. Porque, exceto se
Deus virar os olhos e corações deles em sua direção, ele será
completamente incapaz de realizar a obra. Ele deve ter igualmente
algum grau de cultura, porque existem muitos adversários, cultos,
assim como iletrados, cujas bocas devem ser fechadas. Mas isto não
pode ser feito, a menos que ele seja capaz de enfrentá-los em seu
próprio terreno".

"Mas Deus providenciou um tão qualificado? Quem é ele? Tu


és o homem! Deus lhe deu uma medida de fé amorosa; e um olho puro
para a glória Dele. Ele lhe deu algum conhecimento de homens e
coisas; especialmente do antigo plano do Metodismo. Você é
abençoado com alguma saúde, atividade, e diligência; junto com um
grau de cultura. E para tudo isto, ele acrescentou ultimamente, de
uma forma que ninguém poderia prever, favor ambos com respeito
aos pregadores, quanto com todo o povo. Venha, em nome de Deus!
Venha ajudar o Senhor contra o poderoso! Venha, enquanto estou
vivo, e capaz de trabalhar!".

"Venha, enquanto sou capaz, Deus me assistindo, de edificá-lo


na fé, aprimorar seus dons, e introduzi-lo ao povo. Que possível
ocupação você tem que seja de tão grande importância?".

"Mas você naturalmente dirá: 'Eu não estou à altura da


tarefa; eu nem tenho graça, nem dons, para tal empreendimento'.
Você diz a verdade; é certo que você não tenha. E quem tem? Mas
você não conhece Aquele que é capaz de dá-los? Talvez, não de uma
só vez, mas, antes, dia-a-dia; como cada um é, de maneira que você
se fortaleça? 'Mas isto implica', você pode dizer, 'em milhares de
cruzes, tais que eu sinto que não sou capaz de suportar'. Você não é
capaz de suportá-las agora; e elas ainda não vieram. Quando quer
que elas venham, Ele não as enviará, na devida medida, peso e

297
capacidade? E elas não serão todas para seu proveito, para que você
possa ser um parceiro em sua santidade?".

"Sem deliberar, portanto, com a carne e sangue, venha e


fortaleça as mãos, conforte o coração, e compartilhe do trabalho de"

Seu afetuoso amigo e irmão,


J.Wesley

----
Durante esta década, a obra de Wesley parecer ter alcançado
seu auge. Sua saúde, não obstante as breves interrupções descritas,
estava vigorosa; e seu trabalho, extraordinário, do qual as páginas de
seu Diário abundam em detalhes interessantes. Ele sobreviveu à
violenta oposição da turba, e sua influência no reino tornou-se muito
grande, de maneira que suas visitas periódicas eram ocasiões de
grande interesse, e criava não pequeno alvoroço em muitas partes da
região. As igrejas, também, foram gradualmente reconhecendo a
grandeza de seu serviço no interesse da religião, por toda a terra. Não
apenas o antagonismo decresceu significativamente, mas, até mesmo,
honras lhe foram conferidas. Ele foi feito Cidadão de Perth; e a
Liberdade de Arbroath foi outorgada a ele. Mas o que ele mais
apreciou foi a abertura das igrejas para ele, que não foi meramente um
toque de respeito, mas um sinal de uma grande mudança no espírito
do clero, e a primeira indicação do gracioso avivamento da religião
dentro da Igreja, como um todo, que o século passado permitiu
testemunhar.

[A Declaração de Arbroath (1320) foi e tem sido inigualável


em seu eloqüente apelo para a liberdade do homem. Da escuridão das
mentes medievais, ela acendeu uma tocha sobre futuras disputas que
seus signatários teriam previsto ou compreendido]

Ao rever uma seção de seu Diário, então, recém publicado, o


Lloyd's Evening' Post de 20 de Janeiro de 1772, faz a seguinte alusão
à sua obra.

298
"Neste intervalo, entre 27 de Maio de 1765, e 5 de Maio de
1768 [período compreendido em seu Diário], este zeloso, e
verdadeiramente laborioso missionário dos Metodistas, que parece
considerar os três reinos como sua paróquia, percorre duas vezes a
maior parte da Irlanda e Escócia, de Londonderry a Cork; de
Aberdeen a Dumfries, visitando e confirmando as Igrejas, além de
fazer um progresso, principalmente, montado a cavalo (em muitos
lugares, mais do que uma vez), através de grande parte de Wales, e
quase todas as regiões na Inglaterra, de Newcastle a Soutthampton;
de Dover a Penzance".

"Esses que esperam encontrar, neste Diário, apenas as


doutrinas peculiares do Metodismo ficará favoravelmente
desapontado, já que elas estão misturadas com tais reflexões
ocasionais sobre homens e maneiras; sobre literatura refinada, e, até
mesmo, sobre lugares refinados, como prova de que o escritor é
dotado com um gosto bem cultivado, tanto pela leitura, quanto pela
observação; e, sobretudo, com tal benevolência e delicadeza de
temperamento, de tal maneira de pensar, ampliada, liberal, e
verdadeiramente Protestante, em direção àqueles que diferem dele,
como a mostrar claramente que seu coração, pelo menos, é correto, e
exatamente o habilita a esta candura e indulgência, que, para a honra
de nossa religião comum, estamos satisfeitos de saber, que ele agora
usualmente recebe".

Mas, embora sua obra fosse mais e mais apreciada, pela


melhor classe de pessoas; ainda assim, ele nunca antes se sujeitou a
um tratamento mais grosseiro, por parte da imprensa vulgar, cujo
clímax foi a publicação, em 1778, de sete panfletos ilustrados de
caráter mais torpe, no qual a sátira alcança seu limite extremo de
aspereza, indecência, infâmia, e falsidade. É evidente, que ele ignorou
toda essa classe de literatura, conforme ele ia se sujando ao longo da
estrada.

299
Para lançar uma luz lateral sobre parte de sua obra, o seguinte
pode ser citado: refletindo sobre o que ele ouviu um bom homem
dizer, "Uma vez, a cada sete anos, eu queimo todos os meus sermões;
porque é uma vergonha que eu não possa escrever um sermão melhor
agora do que pude sete anos atrás", ele afirma:

"O que quer que outros possam fazer, eu realmente não posso.
Eu não posso escrever um melhor sermão sobre O Bom Mordomo, do
que eu fiz há sete anos; eu não posso escrever um melhor, sobre o
Grande Julgamento, do que fiz há vinte; não posso escrever um
melhor sobre o Uso do Dinheiro, do que fiz perto de trinta anos atrás;
não, eu não sei se eu poderia escrever um melhor sobre a Circuncisão
do Coração do que fiz há quarenta e cinco anos. Talvez, na verdade,
eu possa ter lido quinhentos ou seiscentos livros mais do que li, então,
e possa saber um pouco mais de História, ou Filosofia Natural, do
que antes; mas eu não estou consciente de que isto tenha trazido
alguma adição essencial ao meu conhecimento da Divindade. Por
quarenta anos, eu sei e preguei cada doutrina cristã, que eu prego
agora".

Em 1º. de Novembro de 1778, ele inaugurou a nova Capela em


City Road, dentro e em redor da qual, tantas memórias agradáveis se
juntaram desde aquele dia até este. Ele descreve isto como
perfeitamente asseada, mas não delicada, e diz que ela conteve bem
mais pessoas do que a Fundição.

A construção da Capela de City Road foi outro passo, na


consolidação do Metodismo, e uma precaução direta, através de
Wesley para sua permanência futura. Não se pode negar que ele
desejou que suas Sociedades estivessem ligadas à Igreja; ou que ele
tentou, com todo seu poder, trazê-las em aliança com ela. Mas, em
quão grande extensão ele fracassou em seu esforço! Ele foi conduzido
para a alternativa de "diversificar" da ordem religiosa, ou confiar seu
rebanho resgatado à custódia de pastores legalmente designados. É
possível se dizer que o cuidado deles para com o rebanho permitiu que
ele fizesse o último? O clero estava, além de um pequeno número,

300
desejoso ou capaz da supervisão espiritual deles? A história do século
é a resposta. Todas as sociedades de Wesley seriam "Sociedades de
Sacristia", não tivesse o clero tão desejoso disto. Ele viu a necessidade
de fazer provisão para a segurança de seu povo. Sua preservação foi
de uma consideração maior para ele do que a manutenção da ordem
religiosa. Portanto, ele ergueu suas construções, e as deixou em
fiança, o que assegurou, até onde a previsão do homem pudesse
assegurá-la, não apenas suas doutrinas, que ele acreditou eram as
verdadeiras doutrinas bíblicas, fossem ensinadas a eles.

No Natal deste ano, ele pregou às quatro horas da manhã, na


nova capela; no usual serviço matinal, em West Street, ele leu as
orações, pregou, e administrou o Sacramento "para centenas de
pessoas". À tarde, pregou novamente na nova capela, "cheia em cada
canto", e, à tarde na igreja de St. Sepulchre, uma das mais largas
paróquias de Londres, mas sentia-se mais forte, ele diz, depois de seu
quarto sermão, do que antes de seu primeiro; ainda assim, ele estava
nos seus setenta e seis anos de idade. Um registro similar é dado no
ano seguinte.

Em 1778, Wesley publicou o primeiro número de uma revista,


o que, ele diz, desejava fazer há mais de quarenta anos. Ela foi
intitulada A Revista Arminiana: Consistindo de Extratos e Tratados
Originais sobre a Rendenção Universal. O título suficientemente
declara seu caráter e propósito. Sua publicação foi ocasionada pelos
ataques, principalmente da Revista Evangélica. Ela proporcionou a
Wesley uma oportunidade de defender as doutrinas e obra do
Metodismo. "Uma vez começada, eu me inclino a pensar que não terá
fim, a não ser com minha vida", diz Wesley. Ela continua até o
presente dia, mas em 1985 e 1904, "muda significativamente na forma
e caráter".

Em Agosto de 1776, ele foi apresentado ao cura de South


Petherton, que, algum tempo antes, esteve sob profunda convicção
religiosa, o que se mostrou em uma marcada mudança em suas
ministrações no púlpito. Thomas Maxfield, um antigo pregador leigo,

301
a quem é feito freqüente referência, e quem estava agora nas
ordenações, quando em visita a South Petherson, conheceu-o, e foi útil
no conduzi-lo para a feliz aquisição da salvação evangélica. Com sua
atenção voltada para os Sermões e Diários de Wesley, e nas
Restrições de Fletcher, o cura copiou os métodos de Wesley, pregando
em vilarejos circunvizinhos, desta forma causando ofensa a alguns de
seus paroquianos, que buscaram a sua demissão de seu curato. Ele
decidiu juntar-se a Wesley, que assim descreve o encontro deles: "Eu
preguei em Tauton, e, mais tarde, fui para Kingston. Aqui eu
encontrei um clérigo, Dr. Coke [que recentemente tinha sido eleito
Doutor de Lei Civil], recente Cavalheiro da Câmara dos Comuns do
Jesus College, em Oxford, que viajou vinte milhas para este
propósito. Eu conversei muito com ele, e uma união, então, começou,
o que eu confio não terá fim". A vinda do Dr. Coke, naquele tempo,
foi a mais providencial, porque a saúde de Fletcher começou a mostrar
sinais de um sério definhamento, e Wesley logo estaria na necessidade
da ajuda de um homem vigoroso. Esta ajuda, Dr. Coke prestou. E ele
se tornou, se não o fundador, certamente o organizador das Missões
Estrangeiras Metodistas, para as quais ele devotou sua força e fortuna,
e, finalmente, sua vida. Ele morreu no mar, em uma viagem
missionária, quando em seu caminho para a Índia.

Em Maio de 1776, uma ordem foi expedida na Casa dos


Lordes: "Que os comissários de Imposto de Sua Majestade
escreveram cartas circulares para todas as pessoas que eles teriam
razão para suspeitar tivessem prataria, assim como aquelas que não
pagaram regularmente a obrigação sobre a mesma", etc. Uma cópia
da ordem foi enviada a Wesley, no mês de Setembro seguinte, junto
com uma carta declarando que "os comissários não duvidam que você
tenha prataria, pela qual você tem até aqui negligenciado dar
entrada", etc., e pede uma "resposta imediata". A que ele respondeu
de imediato:

"Senhor",

302
"Eu tenho duas colheres de prata em Londres, e duas em
Bristol. Esta é toda a prataria que eu tenho no momento, e não devo
comprar mais, enquanto tantos a minha volta necessitam de pão".

"Eu sou, senhor, seu mais humilde servo",


J.Wesley

--

Já no fim desta década, ele teve um livramento muito notável


da morte, que ele descreve assim:

"Segunda-feira, 20 de Junho [1774] – Por volta das nove


horas, eu parti, de Sunderland para Horsley, com o Sr. Hopper e o Sr.
Smith. Eu levei a Sra. Smith e suas duas garotinhas comigo na
carruagem. Perto de duas milhas da cidade, justamente no topo da
colina, os cavalos dispararam, sem qualquer motivo aparente, e
voaram colina abaixo, como uma seta que escapou do arco. Em um
minuto, John caiu fora da boléia. Os cavalos, então, seguiram
velozes; algumas vezes, para a extremidade, à direita do abismo;
outras, à esquerda. Uma carroça veio contra eles; que a evitaram,
exatamente como se um homem os estivesse comandando da cocheira.
Havia uma ponte, aos pés da colina, e eles foram diretamente sobre o
meio dela; correndo, colina acima, com a mesma velocidade. Muitas
pessoas nos encontraram, mas saíram fora do caminho. Já perto do
topo, havia um portão que conduzia ao quintal de um fazendeiro, e
que ficava aberto. Os cavalos viraram um pouco, e transpassaram por
ela, sem tocarem no portão, de um lado, ou a coluna do outro".

"Eu pensei, 'entretanto, o portão, do outro lado do pátio, fica


fechado, e isso irá pará-los': mas eles dispararam através dele, como
se fosse teia de aranha, e galoparam em frente, pelo trigal. As duas
garotinhas gritaram: 'Vovô, nos salve!'. Eu disse a elas: 'Nada irá
machucar vocês; não fiquem com medo!'; sentindo não mais medo ou
preocupação (abençoado seja Deus!) do que se eu estivesse sentado
em minha sala de estudos. Os cavalos correram, até que eles vieram

303
para a beirada do precipício íngreme. Justamente no momento em
que o Sr. Smith, que não pode nos alcançar antes, galopou entre eles,
que pararam, num instante. Se os cavalos tivessem ido, em frente,
apenas um pouquinho, tanto o Sr. Smith quanto nós teríamos ido para
baixo juntos! Eu estou persuadido de que tanto os maus quanto os
bons anjos tiveram uma partilha grande nessa transação: quão
grande foi ela, nós não sabemos agora, mas saberemos daqui para
frente".

O seguinte relato vem da pena de Joseph Benson, por algum


tempo, diretor da Escola de Kingswood, mais tarde, do Colégio
Trevecca, do qual, ele foi demitido por defender os pontos de vista
Arminianos, personificados nas minutas da Conferência de 1770, e
quem era agora o sênior "Ajudador", em Edinburg – um dos mais
ilustres filhos do Metodismo. Escrevendo da Escócia, ele diz:

"Eu estive constantemente com ele [Wesley], durante uma


semana. E tive a oportunidade de examinar mais de perto seu espírito
e conduta; e, eu asseguro a você, estou mais do que nunca
persuadido, que ele é tal, como ninguém. Eu não conheço sua
condição; primeiro, para suas habilidades, naturais e adquiridas; e,
segundo, para suas 'incomparáveis diligências na aplicação dessas
habilidades para os melhores empreendimentos. Sua imaginação viva,
memória firme, claro entendimento, elocução rápida, coragem
varonil, diligência infatigável, realmente me causaram espanto".

"Eu admiro, mas desejo, em vão, imitar, sua diligente melhora


a cada momento da vida; sua maravilhosa exatidão, até mesmo, nas
pequenas coisas; a ordem e a regularidade, por meio das quais ele
executa e lida com tudo que tem nas mãos; aliadas à sua rápida
presteza de negócios, e calma, e agradável serenidade de alma. Eu
não devo omitir de mencionar o que é muito manifesto a todos que o
conhecem, sua resolução, que nenhum impacto da oposição pode
abalar; sua paciência, que a duração das provas não pode exaurir;
seu zelo pela glória de Deus, e o bem do homem, que nenhuma água
de perseguição ou tribulação já foi capaz de extinguir. Feliz homem,

304
eu desejo que tu carregues o fardo e a fúria do dia, em meios aos
insultos dos adversários. E a simples infidelidade dos amigos
aparentes; mas tu poderás descansar de tuas labutas, e tuas obras,
seguirão a ti!".

Escrevendo sobre seu aniversário, em 1776, ele diz: "Eu tenho


setenta e três anos, e sou muito mais capaz de pregar do que fui aos
vinte e três anos"; e ele indaga, dentro dos meios naturais que Deus
usou para produzir tão maravilhoso efeito. Ele os encontrou no
contínuo exercício e mudança de ar; em seu viajar mais de quatro mil
milhas no ano; em seu constante levantar-se às quatro horas da manhã;
em sua habilidade para dormir imediatamente, quando quer que ele
necessite; em nunca perder uma noite de sono na vida; e no que parece
ter sido um forte medicamento – duas violentas febres e duas
profundas consumações. Ele julgou que estas foram de considerável
serviço, uma fez que fizeram sua carne voltar novamente, como a
carne de uma criancinha. E acrescenta: "Por fim, a uniformidade de
temperamento. Eu sinto, e me aflijo, mas, pela graça de Deus, eu me
desgasto com nada. Mas, ainda assim, 'a ajuda que é dada na terra,
Ele mesmo a dá'. E isto ele faz em respostas às muitas orações".

Algum tempo depois, seu amigo e fiel "Ajudador", Sr. Thomas


Olivers, autor do notável hino "Louvor ao Deus de Abraão" –
escreveu como segue: -- "Sr. Wesley é agora um homem idoso, e,
ainda assim, tem tal variedade e multiplicidade de ocupação, como
poucos homens administrariam, até mesmo, no vigor da vida. Não
existem duas semanas em que ele não viaja duzentas ou trezentas
milhas; prega e exorta em público, entre vinte ou trinta vezes, e,
freqüentemente mais; responde trinta ou quarenta cartas; fala com
tantas pessoas em particular, com respeito às coisas de profunda
importância; e, prepara, tanto no todo, quanto na parte, alguma coisa
para a impressa. Acrescento a tudo isto, que, freqüentemente, naquele
breve espaço de tempo, uma variedade de tratados sobre diferentes
assuntos passa através de suas mãos, especialmente quando ele
viaja".

305
Nesta época, a região estava em um estado de desassossego. A
nação estava imersa em crime e miséria. A guerra estava intensa, de
quase todos os lados. O comércio estava paralisado, e as taxas
intoleráveis. Grande alvoroço foi causado pelo Documento das
Inabilidades Católicas. O espírito patriótico e Protestante de Wesley o
moveu a escrever, Uma Carta para o Tipógrafo de 'Public Advertiser',
ocasionado pelo último ato passado em favor do Papismo. Ele diz:
"Ao receber mais e mais relatos, quanto ao crescimento do Papismo,
eu acredito que seja minha obrigação escrever sobre isto, o que mais
tarde, foi inserido nos documentos públicos. [Ele foi mais tarde
publicado como um folheto amplo]. Muitos ficaram gravemente
ofendidos; mas eu não posso ajudar nisto. Eu devo seguir minha
própria consciência". Por outros, ele foi muito aplaudido. Até mesmo
seu amargo antagonista, o Gospel Magazine, disse que ele tinha "sido
quase unanimemente aprovado, e foi uma produção de real mérito".

Esta década foi sinalizada mais adiante, com a publicação, em


1780, do notório, e "enorme", hinário de Wesley, intitulado Uma
Coleção de Hinos para o Uso do Povo Chamado Metodista. Este livro
foi usado, com algumas leves variações, até o presente ano [1904]. Ele
foi um hinário de Wesley; todos os hinos, a não ser dez, saíram das
penas da família Wesley. Muito cuidado e trabalho foram gastos na
coleção e revisão de seu conteúdo.

Esta, a quarta, e mais ativa década do trabalho árduo


evangelista de Wesley, agora chega perto do seu fim. A obra avançou
com passos firmes, de maneira que, enquanto no começo dela havia
vinte e oito mil, novecentos e sessenta e três membros nas Sociedades;
cento e vinte e um pregadores na Grã-Bretanha; no encerramento,
havia cento e setenta pregadores, e quarenta e três mil e oitocentos e
trinta membros. Em 1769, os primeiros pregadores Boardman e
Pilmoor, foram para a América, onde o Metodismo já havia sido
introduzido, por alguns poucos e zelosos imigrantes. Em 1780, havia
42 pregadores, e o número de membros matriculados era de oito mil,
quinhentos e quatro. O total de membros nesta região e América

306
alcançou, portanto, cinqüenta e dois mil, trezentos e trinta e quatro, e
dos pregadores, duzentos e doze.

Este é um registro da devoção espantosa e trabalho árduo da


parte do grande Evangelista da Inglaterra, um registro de uma
fidelidade resoluta e de esforço concentrado para cumprir o que ele,
durante muitos anos, considerou ser seu grande e supremo chamado.
Ele diligentemente semeou a semente da qual as Igrejas, desde então,
têm feito as mais frutíferas colheitas. Ele lutou fielmente para servir a
seu Deus, enquanto servia sua gente; e tudo inconscientemente teceu
para ele mesmo uma coroa de imperecível honra.

CAPÍTULO XI

A Quinta Década de Trabalho Árduo Evangelista


(1781-179)

Nós agora entramos na quinta, a última, década da notável


carreira evangelista de Wesley. Ela compreende o período dos seus
setenta e sete aos oitenta e sete anos de sua vida. Surpreendente como
isto possa parecer, não existe diminuição provável, quer em suas
viagens ou nas suas pregações, até os últimos dois anos do período.

307
Muitos eventos importantes ocorreram durante esta década,
que teve relação preferivelmente à consolidação do Metodismo, do
que com a história pessoal de Wesley; e esses devem ser
resumidamente reportados.

A Conferência de 1781 foi distinguida por um serviço muito


notável, que aconteceu na paróquia de Leeds. Wesley pregou. Havia
dezoito clérigos presentes; e, por ocasião do Sacramento, certa de mil
cento e dez comunicantes. Setenta pregadores atenderam a
Conferência. Wesley pediu que Fletcher, Dr. Coke, e quarto outros o
encontrassem toda a tarde, para que consultassem juntos sobre alguma
dificuldade que ocorresse. Isto foi considerado necessário, devido ao
conflito renovado de opinião sobre a questão bíblica, que continuou a
ser afiada até o fim dos dias de Wesley, e, de fato, durante alguns anos
depois. Uma das Sociedades, que representava muitas outras, escreveu
para Wesley, dizendo que eles tinham, de acordo com seu conselho,
atendido aos serviços da Igreja, mas o clérigo pregou que eles
acreditavam em doutrinas erradas. A decisão da Conferência foi que,
aqueles que tinham sido "instruídos na Igreja", atendessem aos
serviços lá, tão freqüentemente quanto possível; mas que, se o
ministro começasse a pregar os decretos absolutos, ou dizer insultos,
ou ridicularizar a perfeição cristã, eles deveriam sair quietamente da
Igreja, ainda que a atendessem numa próxima oportunidade.

No ano seguinte, Wesley, com a assistência de Coke, instituiu


a "Sociedade para a Distribuição de Tratados Religiosos entre os
Pobres".

Uma preocupação muito séria surgiu em Birstal em 1782, com


respeito a autoridade pela qual a indicação de pregadores para a capela
seria determinada; a questão era se a decisão deveria depender da
Conferência ou dos Curadores. O mesmo problema surgiu também em
outros lugares – notavelmente em Dewsbury – onde as capelas não
foram organizadas nos termos do Documento Padrão de 1763. Isto
ocasionou muita discussão, e ocupou o tempo e atenção de Wesley,
que teriam sido mais bem empregados; e, assim, de certa forma,

308
impediu a boa obra que ele tinha na mão. A dificuldade não foi
superada por diversos anos.

A depressão no estado da Escola Kingswood ocorreu em 1783,


mas medidas enérgicas efetuaram a mudança, e ele foi
subseqüentemente capaz de escrever:

"Sexta-feira - 1º. de Setembro de 1789 – Eu fui para


Kingswood. Doce recesso! Onde tudo agora está exatamente como eu
quero. Mas… 'O homem não nasceu para repousar nas sombras.
Vamos trabalhar agora, para que possamos descansar logo mais'".

"Sábado – 12 – Eu passei algum tempo com as crianças, todas


se comportaram bem; diversas estão muito despertas, e poucas se
regozijam no favor de Deus".

Um outro assunto da mais grave importância foi a preparação


em 1784, do que foi chamado de Um Documento de Declaração. Em
1763, ele foi redigido na forma do Documento agora referido, para o
estabelecimento das capelas, que, em meio a outros itens,
proporcionou "que os curadores pudessem admitir tais pessoas, que
deveriam ser indicadas na Conferência anual.. e nenhuma outra, para
terem e desfrutarem da ditas premissas", etc. Mas a Conferência
constituiu-se de Wesley e tais outras pessoas que ele escolheu
convidar para deliberar sobre a sugestão. Ficou acertado que, na
possibilidade de sua morte, era necessário, mais estritamente, definir a
palavra "Conferência", determinando seus constituintes individuais, e
provendo para sua continuidade. Isto foi executado pela "Documento
de Declaração e Estabelecimento da Conferência do Povo Chamado
Metodista". Este Documento foi registrado na Corte de Justiça, em 9
de Março de 1784, e deu à Conferência uma definição legal que, até
aqui, estava em falta.

Wesley teve alguma dificuldade em determinar o número de


pregadores que constituiriam a Conferência. Ele finalmente decidiu
sobre cem. Alguns desses que não foram escolhidos, ofendidos com

309
sua exclusão, criaram grande desconforto na Conferência seguinte. A
disputa foi tão afiada, que o Sr. Fletcher pediu às partes conflitantes,
literalmente de joelhos, para suspenderam o conflito e se
reconciliarem. Havia temores por parte de muitos pregadores, de que
os "Cem", sem cujo voto nenhuma transação da Conferência seria
legal, tirariam vantagem da posição deles, em detrimento do restante.
Wesley, em antecipação disto, escreveu uma carta, na qual ele exortou
os "Cem", a não tirar vantagem da posição deles, ao assumir alguma
superioridade sobre seus irmãos. Esta carta ele consignou ao cuidado
de Joseph Bradford, para ser lida na assembléia da primeira
Conferência depois da morte de Wesley. A carta foi assim lida, e a
Conferência unanimemente decidiu "que todos os pregadores, que
estão em plena conexão com eles, desfrutem cada privilégio que os
membros da Conferência desfrutam, de acordo com a carta acima
escrita". Nesta hora, aquela promessa foi honrosamente observada.
Todos os pregadores, devidamente qualificados, votavam em cada
assunto, e os "cem legalizados", sempre afirmando o voto deles.

Um outro assunto de interesse mais sério, que envolveu


Wesley em muita controvérsia, referia-se às Sociedades Americanas.
O Metodismo tinha crescido rapidamente no que era agora os Estados
Unidos da América. Stevens, o eloqüente historiador Americano do
Metodismo, diz que "A revolução tinha dissolvido, não apenas as
relações civis, mas também as eclesiásticas das colônias da
Inglaterra. Muitos do clero inglês, de quem as Sociedades Metodistas
dependiam para os Sacramentos, tinham fugido para 'a terra, ou
entrado para a vida política ou militar, e a Igreja Episcopal estava
geralmente incapacitada. Na Virgínia, o centro de sua força colonial,
ela rapidamente declinou, moralmente assim como numericamente.
Na conclusão da disputa, muitas de suas igrejas estavam em ruínas,
quase a quarta parte de suas paróquias, extintas ou abandonadas; e
trinta e quatro das setenta e duas restantes estavam: sem suprimentos
pastoral; vinte e oito apenas de seus noventa e um clérigos
permaneceram, e, esses, com a adição, logo depois da guerra, de oito
outras partes da região, ministravam em trinta e seis paróquias. Sob
essas circunstâncias, os Metodistas requereram de seus pregadores a

310
administração dos Sacramentos. Muitos, das sociedades, estavam há
meses, alguns há anos, sem eles. A exigência não foi apenas urgente,
mas logicamente correta... O que poderia Wesley fazer sob essas
circunstâncias? O que, senão o exercício do direito da Ordenação,
que ele tinha por anos teoricamente reivindicado, mas praticamente e
prudentemente declinado? Se houve alguma imprudência da parte de
Wesley nesta emergência, ela foi certamente em sua longa e
continuada paciência. Quando ele autorizou, isto foi apenas depois do
reconhecimento da independência das colônias americanas, e não, até
que estimulado por seus mais respeitáveis conselheiros. Fletcher de
Medeley era um deles".

Wesley explica sua própria atitude na questão. Ele escreve:

"O relato do Senhor Rei, sobre a Igreja primitiva convenceu-


me, há muitos anos, que os Bispos e Presbíteros são da mesma ordem,
e, conseqüentemente têm o mesmo conhecimento para conferir o
Sacramento. Por muitos anos, eu tenho sido importunado, de tempos
em tempos, a exercitar este combate, ordenando parte de nossos
pregadores viajantes. Mas eu, até então, recusei; não apenas por
causa da paz, mas porque eu estava determinado, o menos possível,
violar a ordem estabelecida da Igreja nacional a qual eu pertencia".

"Mas o caso é amplamente diferente entre a Inglaterra e a


América do Norte. Aqui existem Bispos, que têm a jurisdição legal; na
América existia ninguém, nem algum ministro paroquial, de maneira
que por algumas centenas de milhas consecutivas, não existe alguém
para batizar, ou para administrar a Ceia do Senhor. Aqui, portanto,
meus escrúpulos terminam, e eu me julgo em completa liberdade, já
que não violei ordem alguma, nem invadi os direitos dos homens,
para apontar e enviar trabalhadores para a colheita".

"Assim sendo, designei Dr. Coke e Sr. Francis Asbury para


serem Superintendes comuns sobre nossos irmãos na América; assim
também Richard Whatcoat e Thomas Vasey, para atuarem como
presbíteros, batizando e administrando a Ceia do Senhor. Eu preparei

311
a liturgia, ligeiramente diferente daquela da Igreja da Inglaterra (que
eu penso, seja a melhor Igreja Nacional constituída no mundo), onde
recomendo a todos os 'pregadores viajantes a usarem no Dia do
Senhor, em todas as congregações, lendo a litania apenas nas quartas
e sextas-feiras, e orando espontaneamente em todos os outros dias. Eu
também aconselho os presbíteros a administrarem a Ceia do Senhor,
a cada domingo do Senhor.

"Se alguém indicar uma maneira mais racional e bíblica de


alimentar e guiar essas pobres ovelhas no deserto, eu ficarei satisfeito
em adotar. No momento, eu não posso ver algum método melhor do
que eu usei".

Talvez seja desnecessário dizer que este procedimento não teve


a aprovação de Charles Wesley.

Neste ano (1784), a "Sociedade para o Estabelecimento de


Missões em meio aos Pagãos" foi fundada pelo Dr. Coke.

A questão da separação da Igreja foi debatida, repetidas vezes,


na Conferência, mas Wesley, até o fim de seus dias, manteve-se e a
seus pregadores, em uma tão íntima conexão com ela, quanto pôde.
Até 4 de Abril de 1790, ele escreveu: "Eu aconselho a todos os nossos
irmãos que foram educados na Igreja, a continuarem lá, e lá eu deixo
a questão. Os Metodistas devem espalhar vida em meio a todos as
denominações; o que eles irão fazer, até que eles formem uma seita
separada".

O registro da história pessoal de Wesley, de suas viagens e


serviços públicos (continuaram em seu Diário e em suas cartas), é tão
pleno e tão interessante quanto em qualquer período de sua vida, e
revela sua surpreendente energia, e sua devoção não diminuída, para a
grande obra de sua vida. Mas a morte, cuja mão implacável rompe
todas as relações terrenas, estava ocupada em meio aos seus amigos.
A seguinte entrada ocorre: "Sexta-feira, 11 de Outubro de 1781 – Eu
vim para Londres e fui informado de que minha esposa morreu na

312
segunda-feira. Esta tarde, ela foi enterrada, embora eu não fosse
informado, até um dia ou dois depois".

O Rev. Vicent Perronet, Vigário de Shoreham, morreu em 9 de


Março de 1785. Ele foi o amigo afeiçoado aos Wesleys, por mais de
quarenta anos. Ele se simpatizou muito amavelmente com todos os
objetivos, os ajudou com seus conselhos, e escreveu na defesa deles.
Charles Wesley o chamava de Arcebispo do Metodismo. Ele
continuou em sua obra paroquial, mas fez de sua casa, o lar de todos
os pregadores Metodistas que visitavam Shoreham, e dois de seus
filhos juntaram-se à série deles. Ele foi um pacífico, feliz, e devotado
ministro cristão, vivendo em íntima comunhão com Deus. Wesley
estava fora na Irlanda, quando ele ouviu e registrou a morte de seu
amigo, acrescentando: "Eu o segui duramente de perto nos anos,
agora em meu octogésimo segundo ano de vida. Ó, que eu possa
segui-lo também na santidade; e que meu último momento possa ser
como o dele!".

Mas um golpe mais severo atingiu o coração do evangelista


quando, dentro de pouco mais de três meses depois da morte do Sr.
Perronet, seu amigo do peito, Fletcher, também faleceu. Fletcher se
situa no topo de todos os lideres do avivamento Metodista, por sua
serena santidade de caráter. Mas não isto apenas o distinguiu.
Santidade era o espírito que permeava todos seus poderes e todas suas
obras. Sua aptidão para o grande serviço no despertar religioso, então,
em progresso, é assim resumido por Wesley, de quem ninguém era
mais bem qualificado para formar um correto julgamento dele: "Eu
posso nunca acreditar que foi a vontade de Deus que tal luz ardente e
brilhante pudesse estar escondida sob o alqueire. Não; em vez de
estar confinado a um vila, ele deveria ter brilhado em cada canto da
nossa terra. Ele era pleno para tocar um alarme, através de toda a
nação, como o próprio Sr. Whitefield. Mais do que isto,
abundantemente mais, vendo que ele era mais bem qualificado para
aquela importante obra. Ele era uma pessoa mais surpreendente; de
igual boas maneiras, um discurso igualmente atraente; junto com uma
mais rica fluência de idéias, um forte entendimento, uma maior

313
riqueza de erudição. Ambos nas linguagens, Filosofia, Filologia, e
Teologia; e, acima de tudo (o que eu posso falar com a mais completa
segurança, porque 'eu tive um conhecimento perfeito de ambos'), uma
profunda e constante comunhão com o Pai e com o Filho, Jesus
Cristo".

Ele também testemunha o caráter de seu amigo: "Eu estive


intimamente familiarizado com ele, por trinta anos. Eu conversei com
ele, de manhã, ao meio-dia, à noite, sem a menor reserva, durante
uma jornada de muitas centenas de milhas. E em todo aquele tempo,
eu nunca ouvi dele uma palavra imprópria, ou o vi em alguma atitude
imprópria. Para concluir. Nestes oitenta anos, eu conheci muitos
homens excelentes, santos no coração e vida. Mas um igual a ele eu
nunca conheci, um tão uniformemente e profundamente devotado a
Deus. Tão irrepreensível em todos os aspectos, eu nunca encontrei,
fosse na Europa ou América. Nem espero encontrar outro tal neste
lado da eternidade".

No entanto, um golpe ainda mais doloroso esperava por ele.


Por alguns anos, seu irmão declinou em sua saúde. Depois que cessou
de viajar, e como seu irmão pensou, provavelmente como resultado
disto, ele sofreu gradualmente mais e mais de fraqueza e gota (uma
queixa familiar), induzindo sensibilidade nervosa. Por fim, sua força
declinou completamente. "Por alguns meses", sua filha escreveu, "ele
pareceu totalmente desligado da terra. Ele falou muito pouco, nem
desejou ouvir coisa alguma lida, a não ser as Escrituras". Alguns dias
antes de sua morte, ele chamou sua esposa ao lado de sua cama, e
implorou a ela que escrevesse, enquanto ele ditava, as seguintes
linhas:

Com idade e fraqueza extrema.


Quem pode redimir um verme desamparado?
Jesus, Tu és minha única esperança.
Força da minha enfraquecida carne e coração.
Ó, eu poderia conseguir um sorriso de Ti,
E mergulhar na eternidade!

314
Em 29 de Março de 1788, quando ele estava com seus oitenta
anos, o fim chegou, e "foi, como ele especialmente esperou que fosse,
em paz". Wesley estava fora, pregando em Shrospshire, e na época da
morte de seu irmão, estava com sua congregação, cantando as
emocionantes palavras do próprio Charles.

Venham, vamos nos juntar aos irmãos no céu,


Os que alcançaram o prêmio,
E nas asas de amor da águia,
Que os júbilos celestiais se levantem,
Que todos os santos terrestres cantem.
Com aqueles que para a glória foram;
Porque todos os servos de nosso Rei,
Na terra e no céu, são um só.
Uma só família, habitamos Nele,
Uma só Igreja, acima e abaixo,
Embora agora, dividida pela correnteza,
A estreita correnteza da morte:
Um exército do Deus vivo,
Ao Seu comando nós nos curvamos,
Parte de seu exército atravessou a correnteza,
E parte agora está atravessando

Através do mau endereçamento de uma carta, Wesley não


tomou conhecimento das tristes notícias, até um dia antes do funeral,
quando ele estava em Macclesfield, e, portanto, completamente
incapaz de estar presente.

O enterro foi, de acordo com a própria orientação de Charles,


no pátio de St. Marylebone, a paróquia em que ele residiu; e na tumba
estão as palavras apropriadas de sua própria pena, escrita quando da
morte de um de seus amigos:

Com a pobreza do abençoado espírito,


Descansa, o feliz santo, em Jesus descansa;

315
Um pecador salvo, pela graça redentora,
Remido na terra, para reinar no céu!
Os trabalhos do amor incansável,
Por ti, esquecidos, estão coroados acima;
Coroados pela misericórdia de Teu Senhor,
Com uma livre, completa e imensa recompensa!

Na história do grande avivamento, os nomes de John e Charles


Wesley devem sempre estar ligados. Eles foram um só, no objetivo
comum, e em sua consagração; e foram, até o fim, um só, na forte
devoção fraternal. A diferença em seus pontos de vista, sobre questões
eclesiásticas, que, por um tempo, interferiram no mesmo propósito de
ação, não enfraqueceu a afeição mútua.

A ajuda atribuída a Charles para o grande avivamento é


incalculável. E assim como a influência espiritual do avivamento se
estendia para além dos limites do Metodismo, também os doces sons
dos incomparáveis hinos de Charles Wesley, nos quais todas as
grandes verdades do avivamento estão conservadas, como num
relicário, têm até hoje, flutuado sobre cada brisa dos vastos campos do
Cristianismo, encorajando, exaltando, e estimulando a vida cristã,
onde quer que suas cadências vibrem. E ainda assim, Wesley
considera os poderes de seu irmão, colocados em sua poesia como
"seu menor dom".

Ele era um espírito amoroso e impulsivo, de grande ternura,


capaz de elevada exaltação, mas não sem uma tendência a igual
depressão. A um coração aquecido, que lhe trouxe muitos amigos, ele
acrescentou um pouco do temperamento sensível, que lhe trouxe
muitos inimigos; porque ele não tinha o auto-controle de seu irmão, ou
o conhecimento de homens, ou seu poder para lidar com eles.

Nenhum festival da Igreja foi era valorizado para Wesley


quanto o de Todos os Santos. Seu habitual deleite era contemplar a
verdadeira comunhão dos santos na terra e no céu. Ele também estava
muito acostumado a se regozijar sobre a morte, nas palavras dos

316
jubilosos hinos fúnebres de seu irmão, em que a morte de um ou de
outro parecia deixar apenas pequena, se alguma, sombra em seu
espírito.

No entanto, que as duas mortes, justamente referidas, foram


uma prova severa para Wesley, agora tão verdadeiramente sozinho,
não se pode duvidar. Ele pregou um sermão fúnebre em memória de
seu amigo [Fletcher], e, mais tarde, publicou um breve, mas terno, A
Vida. Ele também se dedicou à coleção do material para a memória de
seu irmão. Mas, antes deste ser completado, sua própria mão
esquecera sua destreza.

Os incidentes na história pessoal de Wesley, durante esta


década são muitos deles, de um caráter muito impressionante. Ele
escreveu em 1783: "Eu preguei na Igreja de St. Thomaz, à tarde, e em
St. Swithin, à noite. A maré agora virou; de maneira que eu tive mais
convites para pregar nas igrejas do que eu posso aceitar". Podemos
notar quão tenazmente ele se apega aos seus métodos adotados. Eles
parecem ser investidos, na sua opinião, de um caráter quase sagrado.
A pregação logo cedo de manhã, que começou quando ele estava na
Geórgia, onde era mais adequado ao clima, levantar-se cedo, ele
introduziu na Inglaterra em 1738, quando começou sua obra. Para ele,
o serviço matinal era um prazer; mas, embora a principio seus
pregadores, em seu zelo inicial, mantivessem a prática, ainda assim,
isto se tornou cansativo, para eles e para as pessoas. Ao se certificar
que esses serviços tinham fracassado, ele diz: "Se este for o caso,
enquanto estou vivo, como será quando eu tiver ido? Desista disto, e o
Metodismo também degenerará em uma mera seita, apenas
distinguida por algumas opiniões e modos de adoração". Observações
similares ocorrem em toda parte de seus últimos Diários. Não existe
aqui uma falta de discernimento entre o que é essencial, e o que é
meramente acidental? Está não é a única particularidade em que a
mesma coisa aparece.

Nada nesta década é mais surpreendente do que o empenho


que ele continuamente emprega, na ocupação de sua grande obra. Ele

317
pregou quase tão freqüentemente quanto em qualquer período de sua
vida. Sua devoção persistente é vista em seu andar nas ruas de
Londres, durante cinco dias, em 1785, freqüentemente com o
tornozelo afundado, em neve lodosa e derretida, para pedir 200 libras
para comprar roupas para o pobre! Em Março deste ano, ele partiu
para a Irlanda, pregando todo o caminho para Liverpool,
freqüentemente em campo aberto, não obstante a geada e neve. Passa
uma semana em Dublin, e parte para as províncias. Dois meses foram
ocupados nesta tarefa. Seus esforços foram quase inacreditáveis. Ele
pregava duas ou três vezes ao dia, não apenas nas casas Metodistas,
mas em igrejas, em capelas Presbiterianas, em fábricas, em gramado
[para jogo de críquete], em salas de reuniões, nos palácios de justiça,
em celeiros, em "pradarias inclinadas", nos pátios das igrejas, e ruas
– onde tivesse uma chance.

Logo no início do próximo ano, nós o encontramos


diversificando seus discursos públicos, através de um sermão, para
quinhentas crianças, nenhuma de suas palavras tendo mais do que
duas sílabas de comprimento. Ele ocupou um mês em uma visita à
Holanda, com dois de seus pregadores, no entanto, não como uma
mera viagem de prazer. Quanto no barco para Hagne, ele se certificou
que poderia escrever tão bem em um barco, quanto em seu estúdio; e
continuou a escrever, quando quer que estivesse a bordo. Um dia,
passou "muito calmamente escrevendo e visitando alguns amigos", e,
durante a tarde, falou para um pequeno grupo em seu alojamento. Em
outro, encontrou abundante ocupação, parcialmente em conversar, em
Latim, com o clero; parcialmente, em pregar seus sermões, traduzidos
por ele; mas, principalmente, em escrever – provavelmente, sobre a
Vida de Fletcher, o prefácio do qual é datado em Amsterdã. Em seu
retorno, ele se dedicou a este tributo de estima e afeição, mesmo em
meio às suas jornadas; e, quando em Londres, dedicou a ele todo o
tempo que pode gastar, até Novembro, "das cinco da manhã, até as
oito da noite. Essas são minhas horas de estudo", diz ele, "eu não
posso escrever mais tempo, durante o dia, sem prejudicar meus
olhos".

318
Nesta época, ele afirma que sua saúde estava melhor, nestes
últimos dez anos, do que esteve por dez anos consecutivos, desde que
ele nasceu. Algumas de suas ocupações eram espantosas para um
homem de sua idade. O ano de 1787 começa com o serviço
costumeiro, às quatro horas da manhã, com uma congregação
notavelmente larga; ele pregou novamente duas vezes mais depois.
Um dia, novamente, depois de pregar em West Sreet, e na nova capela
em City Road, ele pegou a carruagem e viajou para Exeter, às dez da
noite seguinte. Em outra jornada, depois de pregar duas vezes em
Manchester, e assistir na administração da Ceia para aproximadamente
mil e trezentas pessoas, ele começou à meia-noite, e, depois de
dezenove horas viajando, alcançou Birmingham, às sete horas; foi
diretamente para a capela, e pregou, agradecido que ele "não estivesse
mais cansado, do se ele tivesse descansado o dia todo". Ele partiu na
manhã seguinte, antes das cinco horas, viajou perto de onze horas, e
pregou em Gloucester; na manhã seguinte, partiu novamente às duas
horas, viajou até quatro e meia da tarde, e pregou à noite em
Salisbury. Na manhã seguinte, ele estava em seu caminho para
Southampton, onde ele pregou duas vezes, e, então, embarcou para as
Ilhas Channel.

Em seu aniversário, em 1788, ele escreveu: "Nesse dia em


entrei em meu octogésimo quinto ano, e eu louvo a Deus, pelas mil
bênçãos espirituais, e pelas bênçãos corporais, também. Quão pouco,
eu tenho sofrido ainda pelo 'avanço de numerosos anos!' É verdade:
eu não estou tão ágil, como eu estava em tempos passados. Eu não
corro ou caminho, tão rápido, como eu fazia; meus olhos estão um
pouco decaídos; meu olho esquerdo está mais opaco e, dificilmente,
me servem para ler". Ele sofria de uma leve dor no olho direito e
têmpora, ocasionada por um soco alguns meses antes. Tinha algum
declínio da memória, mas nenhum na audição, olfato, gosto, ou
paladar; nem se sentia cansado, quer para viajar ou pregar; nem estava
consciente de algum declínio em escrever sermões. Tudo isto, ele
atribuiu ao poder de Deus, adequando-o para a obra a que ele foi
chamado; em segundo lugar, às orações de seus 'filhos', e aos meios
naturais já falados a respeito. Ele, então, alegremente canta:

319
Meus dias restantes, eu passarei para louvar a Ele;
Que morreu, para redimir o mundo todo;
Sejam eles muitos ou poucos;
Meus dias são devidos a Ele;
E serão todos devotados a Ele.

Mas esses trabalhos estavam caminhando em direção a um


encerramento. Em 1789, no entanto, ele visitou a Irlanda, uma vez
mais. Aqui ele sofreu uma crise de diabetes. Ainda assim, foi
incessante em seus trabalhos, que foram ainda muito grandes, não
obstante, a diminuição de suas forças.

Na Páscoa, ele escreve: "Tivemos uma solene reunião, de fato;


muitas centenas de comunicantes, de manhã; e à tarde muito mais
ouvintes do que a sala poderia conter; embora ela seja agora
consideravelmente mais larga. Mais tarde, eu encontrei a Sociedade,
e expliquei a eles, mais amplamente, o objetivo original do
Metodismo; a saber, não ser uma seita distinta, mas encorajar a
todos, cristãos ou ateus, a adorarem a Deus, em espírito e verdade;
mas da Igreja da Inglaterra, em especial, ao qual eles pertenceram
desde o início. Tendo isto em vista, eu segui invariavelmente por
cinqüenta anos, nunca diversificando da doutrina da Igreja, afinal;
nem da sua disciplina, não por escolha, mas por necessidade. Assim,
no curso dos anos, a necessidade conduziu-me (como eu já provei):
(1) a pregar em campo aberto; (2) a orar espontaneamente; (3) a
formar sociedades; (4) a aceitar a assistência de pregadores leigos;
e, em poucas instâncias, a usar de tais meios, como ocorreu, para
impedir, ou remover os males, que tanto sentimos ou tememos".

Sua saúde agora o compelia, em certos momentos, a ser um


ouvinte, quando ele de bom grado pregaria; mas ainda assim, pregava
freqüentemente, e, algumas vezes, sob circunstâncias penosas. Um dia
ele partiu às cinco horas, alcançou Castlebar, entre três e quatro horas,
e à noite pregou em Killchrist, para uma larga congregação, de

320
maneira que ele foi obrigado a fazer isto do lado de fora, embora
chovesse todo o tempo.

Em Dublin, ele visitou todas as classes, embora houvesse


acima de mil membros. No seu aniversário ele escreve: "Eu agora me
encontro na idade avançada: (1) Minhas vistas estão decaídas, de
modo que não posso ler um pequeno impresso, a menos que sob luz
forte; (2) Minhas forças estão diminuídas; e eu caminho mais devagar
do que eu fazia alguns anos antes; (3) Minha memória para nomes, de
pessoas ou lugares, está prejudicada, até que eu parei um pouco de
lembrá-los". Ele encontrou os pregadores irlandeses uma vez mais na
conferência, encantado de encontrar tal grupo de homens, "de tão
profunda experiência, tão grande piedade, e tão forte entendimento",
e manteve um dia de jejum e oração, principalmente em favor do
crescimento da obra de Deus, e seguiu com uma noite de vigília. Sua
despedida do povo irlandês foi muito emocionante. Antes que ele
subisse a bordo, ele leu um hino, e a multidão, até onde a emoção
pode permitir-lhes, reuniu-se ao devoto patriarca em louvor. Caindo
de joelhos, ele pediu a Deus para abençoá-los, suas famílias, a Igreja,
e a Irlanda. Eles apertaram a mão trêmula; muitos choraram
profusamente, e caíram em seu pescoço e o beijaram. Ele parou no
convés, levantou suas mãos em oração, e se afastou da vista de um
povo a quem ele amou afetuosamente. O mar estava calmo, e ele
fechou-se em sua carruagem, que estava a bordo, e leu. À tarde, um
hino foi cantado no convés, e ele pregou. Repetidas vezes, seus
esforços durante os meses restantes do ano foram maiores do que se
pode bem se imaginar.

O ano de 1790 inicia-se com a confissão: "Eu sou agora, um


homem velho, decaído da cabeça aos pés. Meus olhos estão
ofuscados; minha não direita treme muito. Minha boca está quente e
seca toda manhã – No entanto, abençoado seja Deus, eu não
descuidei do meu trabalho: eu posso pregar e escrever ainda". E
assim ele fez, até o fim do ano, como o itinerário para o ano mostrará.
Mas sua obra foi a obra de alguém cuja estrutura corpórea estava em
grande debilidade, embora seu espírito se elevasse às alturas no santo

321
propósito; e repetidas vezes, a despeito de seu declínio físico, seus
feitos eram realmente espantosos. Mas a falta de espaço proíbe relatos
detalhados, embora eles sejam do completo interesse. Um incidente
deve ser relatado. Em meio aos seus ainda contínuos esforços
evangelistas, ele escreveu: "Eu percorri aquele pobre esqueleto da
antiga Winchelsea. Ela está belamente situada no topo de uma colina
íngreme. E foi regularmente construída na parte mais larga das ruas,
atravessando uma e outra, e circundando uma quadra bem ampla; em
meio da qual havia uma grande igreja agora em ruínas. Eu fiquei
debaixo de uma grande árvore, de um lado dela, e clamei para a
maioria dos habitantes da cidade: 'O reino de Deus está próximo;
arrependam-se e creiam no Evangelho'. Pareceu como se todos que
ouviram, estivessem, naquele momento, quase persuadidos a serem
cristãos".

O primeiro objetivo dessas páginas, um objetivo prontamente


mantido em vista, do começo ao fim, tem sido dar a máxima
proeminência possível aos trabalhos de Wesley como evangelizador,
naquilo que constitui a suprema obra de sua vida; e ênfase especial
tem sido colocada sobres seus serviços de campo, como o meio pelo
qual ele entrou diretamente em contato com a massa da população
inglesa, a quem ele não poderia possivelmente ter alcançado de outra
maneira; as igrejas eles não podiam e não deviam entrar. Wesley
pregou seu primeiro sermão ao ar livre em Bristol, numa segunda-
feira, 2 de Abril de 1739. O único em Winchelsea, referido acima, foi
o último. Um período de mais de cinqüenta anos ocorreu, e foi dentro
deste período que ele não cessou de fazer com que sua voz fosse
ouvida, em apelos claros, francos, ternos, e efetivos, à consciência e
convicção da nação. Esses dois eventos marcam o começo e o fim
daquela grande obra. Uma testemunha ocular do último incidente diz:
"A palavra foi atendida com poder, e as lágrimas das pessoas
correram em torrentes". A cena foi muito comovente. Este venerável
homem, oitenta e sete anos de idade, cansado, mas não fraco, seus
flocos de neve caindo sobre seus ombros, sua mão trêmula, segurando
pela última vez sua pequena Bíblia-de-bolso – sua companheira
constante – seus olhos quase fechados, sua face, virada para o alto, seu

322
semblante plácido, pacífico, revelando uma mente tranqüila, e serena.
Bem fariam as pessoas chorarem. Porque cinqüenta anos, sem
permissão ou obstáculo, este fiel apóstolo da retidão levantou sua voz
"ao mundo", clara em sua verdade, assim como no seu tom, pregando
fielmente, quase incessantemente, o glorioso Evangelho do abençoado
Deus, em todas as partes do reino, provavelmente a mais pessoas do
que qualquer professor daquele Evangelho, alguma vez discursou
antes. Naquele dia de Outubro, debaixo daquele carvalho enorme, sob
a sombra da velha Igreja de Winchelsea, a obra de Wesley, feliz,
santa, útil, de pregação no campo, cessou. Ele, então, seguiu seu
caminho e sua obra juntos, ambos terminando em Londres. Mas um
final abrupto de seus Diários encerra as revelações daquele
interessante documento. A décima década está completa.

Pouco tem sido dito a respeito da obra de Wesley pela


imprensa, durante as duas últimas décadas. Embora a quantidade fosse
menor do que ele havia previamente escrito, ela foi considerável,
especialmente em vista de sua outra obra. Em adição ao que já foi
mencionado, ele emitiu mais do que cento e cinqüenta publicações
separadas, incluindo diversos volumes de uma edição de suas Obras
Coletadas; um Compêndio de Filosofia Natural, em cinco volumes;
uma História Eclesiástica, em quatro volumes; a História da
Inglaterra, em quatro volumes também; e uma revisão de sua própria
tradução do texto em suas Notas sobre o Novo Testamento. Em cada
volume da Revista Arminiana, também, estavam muitos artigos de sua
pena.

323
CAPÍTULO XII

As Cenas Finais

A obra de Wesley estava próxima do fim, quando a primeira


luz do ano de 1791 brilhou sobre ele. Nós não temos registro do
serviço da noite de vigília, no qual, como era de costume, as
misericórdias do ano eram reconhecidas, com louvor e ação de graças;
as falhas e pecados confessados, e o novo ano antecipado com oração
fervorosa, ou de aliança e serviços Sacramentais; com os quais, o seu
líder no comando, a Sociedade buscava preparar-se para os trabalhos
árduos e as responsabilidades do futuro.

324
Fomos informados, por várias fontes, que Wesley estava muito
fraco, embora ele escrevesse, em Janeiro, que sua saúde, por quatro
dias, esteve melhor do que, por diversos meses; ainda assim, ele foi
compelido a reconhecer que "o tempo está me chacoalhando pela
mão, e a morte não está muito atrás". Foi por querer se manter de
acordo com toda sua vida anterior, que ele diz: "Eu espero que eu não
viva para ser inútil". Assim, no último Fevereiro, ele declara seu
propósito, se Deus permitisse, de visitar, no mês de Março,
Gloucester, Worcester, e Stourport, e, verdadeiramente faz arranjos
para sua visita usual a Bristol, e, então, para o Norte, com sua
carruagem partindo, para Bristol, antes dele, para este propósito. Uma
de suas últimas cartas foi escrita em 19 de Fevereiro para a Sra.
Knapp, uma beata devota de Worcester, na qual ele diz:

Londres, 19 de Fevereiro de 1791

Minha querida Suky

Como o estado de minha saúde está excessivamente oscilante,


e cada vez piorando, eu não posso ainda estabelecer planos para
minhas futuras jornadas. De fato, eu proponho, se Deus me permitir,
partir para Bristol, em 28 do corrente; mas, quanto mais, vezes eu
serei capaz de ir, eu não posso determinar. Se eu estiver muito bem,
eu espero estar em Worcester, por volta de 22 de Março. Encontrar
você e os seus, com saúde, de corpo e de mente, será um grande
prazer,

Minha querida Suky,


Seu, afetuosamente,
J. Wesley

Mas todas essas intenções foram frustradas. Na quinta-feira,


ele pregou em Lambeth; e na sexta, leu e escreveu durante o dia,
pregando em Chelsea, à tarde. No domingo seguinte, ele estava
incapacitado para pregar, e muito do dia foi gasto em dormir. Na
segunda-feira, suas forças se refizeram, e, embora incentivado a não

325
fazer isto, ele cumpriu um compromisso para jantar em Twickenham.
Ele foi acompanhado de sua sobrinha, Srta. Sarah Wesley, e Srta.
Ritchie, que preservou um registro preciso desses últimos dias. A
caminho, ele visitou Lady Mary Fitzgerald, e "conversou e orou muito
docemente". Na terça-feira, ele pregou em City Road – seu último
sermão lá. Assim, encerrou seu ministério público em meio a seu
povo. Todos esses serviços foram conduzidos com grande fraqueza.
Sua venerável aparência, no outono do ano seguinte é pitorescamente
descrita por Henry Crabbe Robinson, nas seguintes palavras: -- "Foi,
eu acredito, em Outubro de 1790, que ouvi John Wesley na grande
abóbada da casa de reunião de Colchester. Ele ficou em um amplo
púlpito, e de cada lado dele, ficava um ministro, e dois o levantaram,
com as mãos sob suas axilas. Sua voz fraca era meramente audível;
mas seu semblante reverente, especialmente suas longas mechas
brancas, formavam um quadro para nunca ser esquecido. Havia uma
vasta multidão daqueles que o amavam e de admiradores. Foi na
maior parte uma pantomima; mas a pantomima saiu do coração,
como eu não vi coisa alguma comparável a ela na vida eterna".

Na quarta-feira, dia 23, ele visitou um cavalheiro em


Leatherhead, e pregou na sala de jantar dele, sobre: "Busque o Senhor,
enquanto Ele pode ser encontrado, clame a Ele, enquanto ele está por
perto". Esta foi a última das longas séries, e ele não pregou
mais."Naquele dia, a trombeta da verdade, que tinha soado o
evangelho eterno, muitas vezes, e mais efetivamente, do que a de
qualquer outro homem por mil e seiscentos anos, soprou agonizante --
Admite-se que Whitefield pregou mais eloqüentemente, com poucas
exceções para grandes assembléias, e viajou mais extensivamente
(embora não mais milhas) que Wesley, dentro dos mesmos limites de
tempo; mas Wesley sobreviveu a ele, mais de vinte anos, e seu poder
tem sido mais produtivo e permanente. Whitefield pregou dezoito mil
sermões, mais de dez por semana, durante seus trinta e dois anos de
vida ministerial. Wesley pregou quarenta e dois mil sermões, depois
de seu retorno da Geórgia; mais do que quinze por semana. Sua vida
pública distinguiu-se na história do mundo, inquestionavelmente,
proeminente nos trabalhos religiosos, acima de qualquer outro

326
homem, desde a era apostólica. O dia seguinte, ele passou com seu
amigo e testamenteiro, Sr. Wolff, em Balham, onde ele escreveu sua
carta final. Ela foi endereçada a um grande advogado anti-
escravagista, William Wilberforce; e é datada:

Londres, 24 de Fevereiro de 1791

Meu Querido Senhor,

A menos que o poder Divino levantasse você para ser como


Atanásio contra o mundo, eu não vejo como você pode seguir, através
de seu glorioso empreendimento, em oposição a essa execrável
vilania que é o escândalo da religião da Inglaterra, e da natureza
humana. Exceto se Deus o levantasse para esta mesma coisa, você
estaria extenuado pela oposição de homens e demônios; mas, se Deus
é por você, quem será contra você? Todos eles juntos são mais fortes
do que Deus? Ó, 'não seja fraco no fazer o bem'. Siga em frente. Em
nome de Deus, e no poder de Sua 'força, até que ' a escravidão'
americana, 'a mais vil daquelas que alguma vez viram o sol,
desapareça diante dele'.

"Lendo esta manhã um panfleto, escrito por um pobre


africano, eu fiquei pessoalmente chocado por esta circunstância, --
que um homem que tenha a pele negra, sendo injustiçado ou
ultrajado, por um homem branco, não possa ter reparação; havendo
uma lei, em nossas colônias, de que a praga de um negro, contra o
branco, não serve para nada. Que vilania é esta!".

"Que Aquele que tem guiado você, desde sua juventude, possa
continuar a fortalecê-lo, nesta e em todas as coisas, é a oração,
querido senhor",

De seu afetuoso servo,


J. Wesley

327
No dia seguinte, ele foi trazido de casa para City Road. Ele
subiu as escadas, e pediu que, por uma meia hora, fosse deixado
sozinho; depois do que, seu amigo fiel, Joseph Bradford, o encontrou
tão indisposto que o enviou para seu médico, Dr. Whitehead. Ele
continuou fraco, por uma semana, e freqüentemente cantando ou
repetindo fragmentos dos hinos de seu irmão, ou do Dr. Watt; ou
passagens das Escrituras Santas, que ele tinha, há tanto tempo, e tão
livremente proclamado, e repetidas vezes, exclamava na alegria de sua
fé: "O melhor de tudo isto, é que Deus está conosco". Então, por volta
das nove horas, na manhã de 2 de Março de 1791, na presença de
alguns poucos dos seus mais queridos amigos, representativos de seu
amado povo, e, enquanto eles o estavam encomendando a Deus, em
oração silenciosa – Joserph Bradford, um de seus colaboradores
itinerantes, dizendo: "Levantem suas cabeças, Ó, vocês, portões, e
continuem levantados, para que o herdeiro da glória possa entrar" –
John Wesley, com um simples "Adeus!", em seus lábios, aos oitenta e
oito anos de idade, passou da cena do seu grande trabalho árduo, como
evangelista, para a alegria de sua recompensa eterna.

O pequeno grupo levantou-se, em lágrimas, cantou um hino,


ajoelhou-se novamente em oração, e, então, consternados, deixaram a
solene e dolorosa cena. O trabalho empreendido estava concluído –
mesmo que não reconhecido perfeitamente. A abundância de material
disponível, enquanto o torna uma tarefa comparativamente fácil, para
compilar uma "Vida", apresenta uma dificuldade correspondente, na
necessária exclusão de tão interessante assunto.

Dois objetos se mantiveram firmes à vista, através do


progresso das páginas precedentes. O primeiro foi o dar proeminência
à preparação – divina e humana – de um agente distinto de Deus;
obviamente levantado para trazer, de uma "maneira muito notável, o
despertar espiritual deste reino; possivelmente, e como muitos
acreditam, salvá-lo de mergulhar em uma escuridão mais profunda,
se não, para uma catástrofe terrível".

328
Um segundo objeto em vista foi realçar a coragem, a
fidelidade, mas, mais especificamente, a continuidade de esforço
ininterrupto, que caracterizou os trabalhos evangelistas de Wesley.
Muitas são as minúcias, e, talvez, algumas justas – difamações feitas
pela crítica capciosa e mal instruída, da dignidade e grandeza da vida e
obra de Wesley. Mas uma pequena luz apenas é necessária para
capacitar um observador imparcial a ver nele um agente preparado
para o grande propósito, e uma nobre ilustração da devoção não
desatenta a um alto chamado.

Não se sugeriu que a obra começou, através de Wesley e seus


assistentes – porque eles não devem ser separados – foi completada
por eles. A própria natureza da obra demanda que atividades
sucessivas devessem conduzi-la mais adiante nos anos seguintes, até
mesmo, ao final dos tempos. Pode-se dizer que a obra, começada no
tempo de Wesley, não foi uma obra nova. Sua obra foi a do
avivamento. Ele não criou coisa alguma. Ele não tinha verdade
alguma nova para proclamar, mas uma velha. Neste aspecto, ele
diferiu de Lutero, como um reformador espiritual, não obstante Lutero
condenasse a fé existente da Igreja e buscasse sua correção. Wesley,
por outro lado, aderiu ao ensino de sua Igreja, quanto ele era
apresentado em seus escritos oficiais, seus rituais, e suas tradições; e
ele se esforçou para não desviar a atenção dela. Existia uma unidade e
simplicidade marcante nos feitos de Wesley. Ele visualizava todos os
homens, sob a luz de sua própria experiência. Ele sentiu a necessidade
do evangelho; ele o buscou e encontrou. Ele tentou fazer de si mesmo,
justo, pelas regras e desempenho, e fracassou. Pelo mesmo método,
tentou mudar o outro, com resultados similares. Ele batizou crianças,
pela trina imersão; ele administrou a Ceia do Senhor semanalmente, e
"muitas coisas deste tipo", ele fez; mas elas não mudaram o coração;
elas não concederam uma nova vida. Nunca o homem diria com mais
veracidade: "Mas eu, dos meios, fiz meu motivo de orgulho". Ainda
assim, com todas as medidas corretivas, com todos os rigores de uma
autodisciplina, que ele trouxe para testemunhar sua própria vida, ele
ainda sentia uma grande falta, um desejo insatisfeito. A necessidade
foi suprida em seu pequeno santuário em Aldersgate. Ele foi, desde

329
então, não mais um teorista. Ele provou experimentalmente a eficácia
destes meios de renovação. Ele o testou, através dos testes mais
severos possíveis a ele, seu poder, para satisfazer as mais profundas
demandas de sua própria vida. Ele sentiu o poder de uma nova vida,
concedida a ele em resposta da fé.

Ele agora trabalhava, sob condições inteiramente novas.


Quando ele provou a salvação evangélica, ele desistiu de fazer os
homens melhores, através das regras, e tentou o evangelho, e o
considerou tão efetivo neles, como em si mesmo. Ele disse: "O
bêbado tornou-se sóbrio, o imoral, virtuoso". As casas, assim como as
vidas, eram mudadas, quando a nova vida evangélica entrava nelas.
As formas exteriores agora tinham um novo propósito a servir – ou
seja, cultivar, e nutrir a vida que eles não puderam conceder. Dessas
posições, ele nunca se separou. Esta é a grande lição da vida de
Wesley.

O problema da regeneração do mundo foi primeiro forjado,


dentro da esfera de sua própria experiência. Depois de sua própria
mudança, quando ele foi capaz de apreciar a sua cegueira e
pecaminosidade anterior; e sua necessidade, ele foi capaz também de
calcular as necessidades, a cegueira e a pecaminosidade dos outros.
Abrir os olhos dos homens cegos, como ele mesmo; conduzi-los às
fontes, onde ele mesmo se lavou, foi a Obra para a qual sua vida
doravante foi consagrada, como essas páginas pretendem mostrar. Ele
teve uma idéia distinta e clara do que cada homem necessitava. Não
foi uma mudança de opinião, mas uma mudança de vida – uma nova
vida. No seu ponto de vista, todos estavam espiritualmente mortos, até
que eles receberam a salvação evangélica. A salvação, ele acreditava,
era providenciada para todos; e oferecida a todos: cada um era capaz
de recebê-la; e era obrigação de cada um, aceitá-la. Essas eram suas
verdades fundamentais. Sobre essas, ele empregou força até o fim; e o
mundo viu e se regozijou no seu fruto. Dessas mesmas verdades, o
mundo precisa hoje, e precisará sempre, a cada sucessiva geração de
homens sobre a face da terra.

330
331