Você está na página 1de 5

Há 125 anos, o mar escreveu uma das páginas mais negras da pesca em Portugal

Naufrágiosquemataramnumsódia105homensdaPóvoadeVarzimedaAfuradamudaramaformacomoopaís

olhavaparaospescadoreselevaramàcriaçãodoInstitutodeSocorrosaNáufragos.

ABEL COENTRÃO 4 de Março de 2017, 8:00

CreativeVersion:1.0.0
CreativeVersion:1.0.0

A tragédia, retratada numa ilustração da época DR/MUSEU MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM

Nadécadade50,poucomaisdemeioséculodepoisdagrandetragédiamarítimaconhecidalocalmenteapenascomo

o"27deFevereiro",aigrejadaLapa,naPóvoadeVarzim,assinalavaodiacomoseeletivesseacontecidouma

semanaantes,estendendoumpassadeirapretaaoscoraçõesemprantosqueenchiamotemploemfrenteàenseada. Recorda­oJoséAzevedo,memorialista,ex­jornalista,que,rapazainda,iaàprimeiramissapelamãodaavó,

testemunhadaquelesdiasdechumbodoInvernode1892emqueonegropassaraacobriroscorposdesamparados

dasviúvas,órfãos,familiaresevizinhosdos105homensqueomartragou.Semamesmacargafúnebre,écerto,

passados125anos,aPóvoacontinuaanãoesquecerestadataterrívelquemudouaformacomoPortugalolhavapara

osseuspescadoreselevouarainhaD.ªAméliaafundar,emAbrildesseano,oInstitutodeSocorrosaNáufragos.

Afome,dessaquecresceemdiasediasdeinverniasempescar,atirara­osaomarnumaquinta­feira.Eraquase

carnavalmas,naquelefinaldeFevereirode1892,ospescadoresdaPóvoadeVarzimsópensavamnapescadaqueos

atraiaaomardaCartola,láparaolargodeAveiro.Nodiaseguinte,jácomoventoavirarparasudeste,muitosainda voltaramàfainaparaalarasredes,masodestinopreparava­lhesumaarmadilha.Atiçadasporumtemporalgrosso,

asvagasergueram­secontraaquelagente.De46embarcações(seisdelasdaAfurada,Gaia),dezsoçobraram,ao

falharem,confundidaspelaborrascaqueasdeixousemmastroselemesepelonevoeiroquelhesfechouohorizonte,

aentradanoRioave,emViladoConde,naestreitaenseadadasCaxinas,alianorte,enopróprioportodaPóvoa.

Otemporalterásidotremendo,sendoatéerradamentedescrito,numjornaldaépoca,comoumtufão.Oinvestigador RuiMoura,professordeGeociênciasdaUniversidadedoPortoprocurou,apedidodoPÚBLICO,osdados meteorológicosdoObservatóriodaSerradoPilar,inauguradounsanosantes.Eaverdadeéquenaquelefinalde semanademarésavivadaspelaluanova,outrosfactores,comoumbaixaacentuadadapressãoatmosféricaeovento forte,querodoudelesteparasudoestedequintaparasexta­feiracriaramocaldoparaumatempestadequefoi

demasiadoforteparaaquelasembarcaçõesfrágeis.Dosmaisdemilhomensapanhadosnomar,morreram105,de

umaassentada:setentapoveiros,e35dafreguesiaribeirinhadeGaia.Outrostrêspereceramnosdiasseguintes,em

terra.

A desgraça dos humildes

NasuaEpopeiadosHumildes,AntónioSantosGraçafixouadata,60anosdepois,comestamemória.“Duaslanchas,

adotioPragaeadotioJéque,caminhavamapar,apenascomuma[vela]latina,acaminhodonorte.Tinhamque

seguircomoDeusfosseservido,porquenãohaviaforçahumanaqueaspudessedesviardoseucursotempestuoso.

Semumminutodedescanso,oshomensdascompanhasesforçavam­separadeitarforaaágua,queasvagasalterosas

teimavamematirarparadentrodasembarcações.Osmestreseramcompadreseamigos.Ascompanhasafoitavam­se

mutuamenteparanãoesmorecerem.Masuma–adomestreJéque–pelasalturasdeEsposende,encheu­sedeágua

esoçobra;aoutratenta,masnãopodeacudir­lhe.Éomestredaquenaufragaquegrita:

–‘Nãotentesosocorro,compadre,quemorreistodos.Deusteguieeleveasalvamento!Levaoúltimoadeusparaas

nossasmulheresenossosfilhos!Atéàeternidade,compadre!’

OvelhomestreJoãoPragalevantouamãonumgestodedespedidamasnãorespondeu.Duaslágrimasrolaram­lhe

pelaface–masninguémmaislheouviuumapalavra.Lemebemfirme,todoodiaetodaanoiteatéaoalvorecerdo

diaseguinte,emqueentrouemVilaGarcia,naEspanha.Salvouacompanha.DoisdiasdepoischegavaàPóvoa,de

comboio.Apósatragédianuncamaiscomeu,nuncamaisfalou.Oitodiasdepoisdasuachegada–morria!Agrande

dordenãopodersalvar–matou­o!

dordenãopodersalvar–matou­o! ” DR/MUSEU MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM

DR/MUSEU MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM

JosédeAzevedo,autordeváriasobrassobreahistórialocalquenapróximaquarta­feira,dia8deMarço,pelas18h,

profere,nabibliotecamunicipalumapalestrasobreotema,fixa­se,numacurtaconversacomoPÚBLICO,nosefeitos datragédianaquelesquelhesobreviveram:fossemelespescadores,comoaquelehomemqueseabandonouàmorte,

fossemmulheresecrianças,obrigadas,numrepetentearefazerassuasvidas.“Os70mortosdaPóvoadeixaram50

viúvase121orfãos,69rapazese52raparigas”,contabilizouoantigoescrivãodacapitaniaquefoi,durantemeio

século,correspondentelocaldoJornaldeNotícias.

“Édifícil,hoje,imaginarafomequeaquelaspessoaspassavameoesforçoqueaquelasmulherestiveramdefazer

parasustentarasfamíliasdestroçadas”,acrescentaoautordeNoReinodaPóvoaque,aproveitandoofactodea

iniciativanabibliotecacalhar,porquestõesdeagenda,noDiaInternacionaldaMulhervaitentarfazeralgumaluz

sobreaformacomoestasenfrentaramaquelesdiassombrios.Sabe­se,portestemunhosdaépoca,lembra,quea

misériafoitalquemuitastinhamdeenviarascrianças“comroupadepedir”,embuscadeesmolanascomunidades

vizinhas.

Aliás,numpaísdesorganizado,eapassar,tambémele,umaborrasca,comoUltimatoInglêsde1890eacrise

financeiraquehaveriadelevar,noVerãode1892,aqueoGovernodoReinodecretasseumabancarrotaparcial,este

desastrenomarpôsanuatotalinexistênciadeumsuporteestatalparaumacalamidadedestadimensão.ACasaReal

semanasdepois,jáhavia42contosparaajudarosdesafortunadosdaPóvoaedaAfurada.

s semanasdepois,jáhavia42contosparaajudarosdesafortunadosdaPóvoaedaAfurada.
HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

AoPortugalatrasadodaquelefimdeséculofaltavaquasetudo,eaospescadores,deixadosàsuasorte,maisainda.Na

Póvoacujaenseadaeraumcemitério,talosseusperigos,tinhajásidoconstruídoumnovofarol,emRegufe,maseste

nãoestavaafuncionarporfaltadefundos.Àvelha,eaindaactual,maneiraportuguesa,odesastreaceleroua

melhoriadosistemadesinalizaçãoeprovocou,logoemAbrildaqueleano,ainstituição,porordemdaRainhaD.ª

Amélia,doInstitutodeSocorrosaNáufragos,organismoquepermitiuespalharpelosprincipaispontosdacosta

equipasderesgateesalvamento.

Tambémnesseano,a1deDezembro,recordaJoséAzevedo,passouaserobrigatóriaainscriçãodospescadoresna

respectivadelegaçãomarítimaoucapitania,porque,comoforaevidenteemFevereiro,ninguém,anãoseros

respectivosmestres,sabiaquemiaabordodasembarcaçõesquesaiamparaomar.Acontabilidadedosmortos

daqueledesastrefoi,porisso,umatarefadifícil,edemorada.Nemtodososcorposforamdevolvidospelomare,sem

registos,sóasrespectivasfamíliaspuderamatestaraperdadosseushomens.Sendoque,nalgunscasos,comoosdas

embarcaçõesqueforamarrastadasparaacostagalega,foiprecisoesperardias,decoraçãonasmãos,paraseperceber

oquerealmenteaconteceraaalgumascompanhas.

Desdeentão,acabaram,durantemuitotempo,asfestasnosadrosdasigrejas.OSãoPedro,padroeirodospescadores,

sóvoltariaasercelebrado,festivamente,nadécadade60doséculoXX.Nãoporqualquerazedumecomoapóstolo,

incapaz,comotodosossantos,detravaradesgraça,masporrespeitoaosmortos.Pelosquais,acrescentaJosé Azevedo,seguardavam,numacaixa,todososinstrumentosmusicais,queninguémousavatocarnaquelediadoano. “Adatardeentão,deixaramdeusarostradicionaistrajosgarridos,domingueiros,singularmentecaracterísticosda suagrei:calçaevestiabrancas,percintadamesmacor,listradadeazul,ecompridocatalãovermelho.Emseulugar,

passaramausarfatosescuros,dacordolutodo´27deFevereiro’”,escreviaoescritorpoveiroVasquesCalafate,em

Fevereirode1944,nojornalOComérciodoPorto.

FerreiradeCastro,RamalhoOrtigão,RaúlBrandão.Foramváriososescritoresque,aolongodemaisdeumséculo, alimentaramcompalavrasumamemóriaqueotemposuaviza,masnãoapaga.Jánãoháesquifescomorostodos mortos,nemprantosdemulheresehomensdenegronasmissasdaLapa,masnosúltimosdias,desafiandoo Carnaval,osmetrosiderosquepontuamamarginaldaPóvoa–aliemfrenteàigrejaeàmesmapraiaondemulheres,

velhosecriançasassistiramhá125anos,impotentes,àmaiordesgraçadahistóriadoconcelho–ostentavamnosseus

ramosfolhasA4,comtextoseimagensalusivasàdataqueninguémousaesquecer.

AiniciativafoidoVarazimTeatro,companhiaqueganhouoconcursodeideiasdaUniãodeFreguesiasdaPóvoade Varzim,BeirizeArgivaiparaassinalaradata.Impedida,pelomautempo,deprosseguirahomenagemàbeira­marno

dia27,ogrupolevaacaboestatarde,pelas15h30,àsportasdoCine­TeatroGarret,umaperformance

evocativa.Logoaseguir,às17h(comrepetiçãoàs22h),ocompositorFernandoMotalevaaoprincipalpalcoda

cidadeoespectáculoQuandoohomemLavravaomar,homenagemaospescadoresportuguesesescritajáem2014e

quecontará,nestasduassessõescomumcoroeumensembledecordasdaEscoladeMúsicadaPóvoa.Maisdoque

osmortos,oartistasonoroprocura,nestacriação,celebraroesforçodosvivosque,comolembravaEduardoFaria,

nosespantam,aosterrenhos,pelaformacomovoltamaomar,mesmoapósumadesgraçaquelhesameaçaavidae

lhesroubaosseus.

Interesses relacionados