Você está na página 1de 33
ACUPUNTURA NA CARREIRA MÉDICA
ACUPUNTURA NA CARREIRA MÉDICA
ACUPUNTURA NA CARREIRA MÉDICA Ana Rita Vieira de Novaes Coordenação Estadual das Práticas Integrativas e
ACUPUNTURA NA CARREIRA MÉDICA Ana Rita Vieira de Novaes Coordenação Estadual das Práticas Integrativas e

Ana Rita Vieira de Novaes

Coordenação Estadual das Práticas Integrativas e Complementares Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo Doutoranda em Saúde Coletiva/UFES

Integrativas e Complementares Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo Doutoranda em Saúde Coletiva/UFES

Marcos Históricos

Décadas de 80-90

conferências de saúde.

- Manifestações populares em várias

2002 - OMS lança documento “Estratégia da OMS sobre Medicina Tradicional 2002-2005”

da OMS sobre Medicina Tradicional 2002- 2005” Política Nacional de Práticas Integrativas e
da OMS sobre Medicina Tradicional 2002- 2005” Política Nacional de Práticas Integrativas e

Política Nacional de Práticas Integrativas

e Complementares no SUS (MS,971/2006)

Política das PIC no ES

Política das PIC no ES SESA - Portaria 23-R Regulamentação em 23/08/2013.

SESA - Portaria 23-R

Regulamentação em

23/08/2013.

Práticas Integrativas e Complementares da PPICES 2013 inclui no SUS/ES

Homeopatia

Plantas medicinais e fitoterapia

Integrativas e Complementares da PPICES – 2013 – inclui no SUS/ES Homeopatia Plantas medicinais e fitoterapia
Integrativas e Complementares da PPICES – 2013 – inclui no SUS/ES Homeopatia Plantas medicinais e fitoterapia

Medicina tradicional chinesa Acupuntura / Do in

Práticas corporais

Tai chi chuan

Lian Gong Yoga

Massagem Shantala (Indiana) Shiatsu

chinesa Acupuntura / Do in Práticas corporais Tai chi chuan Lian Gong Yoga Massagem Shantala (Indiana)
chinesa Acupuntura / Do in Práticas corporais Tai chi chuan Lian Gong Yoga Massagem Shantala (Indiana)

Medicina Tradicional Chinesa (MTC)

Denominação usualmente dada ao conjunto de práticas de medicina tradicional em uso na CHINA E DEMAIS PAISES DO ORIENTE, desenvolvidas ao longo dos milhares de anos

de sua história.

Inserida

na literatura

internacional como Medicina Alternativa e

Complementar (MAC).

classificação

na

É considerada uma das mais antigas formas de medicina oriental, termo que engloba também as outras medicinas da Ásia, como os sistemas médicos tradicionais do Japão, da Coréia, do Tibete e da Mongólia.

medicinas da Ásia , como os sistemas médicos tradicionais do Japão , da Coréia , do

Princípios da MTC

Princípios da MTC Relação de Yin/Yang  T eoria dos cinco elementos   Sistema de

Sistema de circulação do QI pelos Meridianos do corpo humano.

Yin/Yang  T eoria dos cinco elementos   Sistema de circulação do QI pelos Meridianos
Qi  O universo se baseia na oposição entre duas forças antagônicas e complementares, que

Qi

O universo se baseia na oposição entre duas forças antagônicas e complementares, que devem estar com igual intensidade de força para que haja o equilíbrio.

O ser vivo( humano, animal ou vegetal) possui uma “energia

primordial” , o QI

Relação entre o Yin e Yang

São

duas forças complementares que

compõem todo o universo e do equilíbrio

dinâmico entre elas surge todo movimento e

que compõem todo o universo e do equilíbrio dinâmico entre elas surge todo movimento e mutação
que compõem todo o universo e do equilíbrio dinâmico entre elas surge todo movimento e mutação

YIN

YIN

YIN YIN  Frio  Escuro  Noite  Água  Partes baixas  Inverno YANG

Frio Escuro Noite Água Partes baixas Inverno

Escuro  Noite  Água  Partes baixas  Inverno YANG  Calor  Claridade 

YANG

Calor

Claridade

Dia

Fogo

Partes altas

Verão

 Água  Partes baixas  Inverno YANG  Calor  Claridade  Dia  Fogo
 Água  Partes baixas  Inverno YANG  Calor  Claridade  Dia  Fogo
TEORIA DOS CINCO ELEMENTOS
TEORIA DOS CINCO ELEMENTOS
TEORIA DOS CINCO ELEMENTOS Conceito filosófico que interpreta a relação entre fisiologia e patologia do corpo

Conceito filosófico que interpreta a relação entre fisiologia e patologia do corpo humano e o meio ambiente.

Surgiram da observação dos processos dinâmicas percebidos no mundo natural.

Os cinco elementos são os elementos que

constituem a natureza: a madeira, o fogo,

a terra, o metal e a água.

Existe entre eles uma interdependência e uma interrelação que determinam seus

estados de constante movimento e

mutação.

São canais por onde

atravessa o

QI.

São bilaterais, formam pares, um yin e o outro yang.

MERIDIANOS
MERIDIANOS
bilaterais, formam pares, um yin e o outro yang. MERIDIANOS Principais 1. PULMAO 2. PERICÁRDIO 3.
Principais
Principais

1.

PULMAO

2.

PERICÁRDIO

3.

INTESTINO DELAGADO

4.

TRIPLO AQUECEDOR

5.

INTESTINO GROSSO

6.

ESTOMAGO

7.

FIGADO

8.

RIM

9.

BEXIGA

10.

REN

11.

DU

12.

VESICULA BILIAR

Saúde

Equilíbrio dinâmico, entre o YIN e o YANG

Regulação do “nível energético” (homeostase) , um controla o outro.

Quando um se sobressai em relação ao outro ocorre o desequilíbrio, ou seja, ocorre a doença.

 Quando um se sobressai em relação ao outro ocorre o desequilíbrio, ou seja, ocorre a
 Quando um se sobressai em relação ao outro ocorre o desequilíbrio, ou seja, ocorre a
Caminho do meio
Caminho do meio

CAUSAS DE ADOECIMENTO SEGUNDO A MTC

CAUSAS DE ADOECIMENTO SEGUNDO A MTC FATORES EXÓGENOS: excesso de frio ou calor, alimentação inadequada, acidentes,
CAUSAS DE ADOECIMENTO SEGUNDO A MTC FATORES EXÓGENOS: excesso de frio ou calor, alimentação inadequada, acidentes,
CAUSAS DE ADOECIMENTO SEGUNDO A MTC FATORES EXÓGENOS: excesso de frio ou calor, alimentação inadequada, acidentes,
CAUSAS DE ADOECIMENTO SEGUNDO A MTC FATORES EXÓGENOS: excesso de frio ou calor, alimentação inadequada, acidentes,

FATORES EXÓGENOS: excesso de frio ou calor, alimentação

inadequada, acidentes, poluição ,etc.

 
  FATORES ENDÓGENOS - Sentimentos e emoções Raiva, preocupação, pensamento excessivo, pesar, medo, tristeza ,
  FATORES ENDÓGENOS - Sentimentos e emoções Raiva, preocupação, pensamento excessivo, pesar, medo, tristeza ,

FATORES ENDÓGENOS - Sentimentos e emoções

Raiva, preocupação, pensamento excessivo, pesar, medo,

tristeza , alegria,etc.

Existe uma inter-relação entre os sentimentos e os

órgãos do nosso corpo. Determinada emoção influencia um órgão, e este também mantém uma influência sobre a emoção relacionada a ele.

Determinada emoção influencia um órgão, e este também mantém uma influência sobre a emoção relacionada a
Alegria Raiva / mágoa
Alegria Raiva / mágoa
Alegria Raiva / mágoa
Alegria Raiva / mágoa
Alegria Raiva / mágoa

Alegria

Raiva / mágoa

T r i s t e z a Preocupação M e d o

Tristeza

T r i s t e z a Preocupação M e d o

Preocupação

T r i s t e z a Preocupação M e d o

Medo

Acupuntura

Acupuntura Derivada dos radicais latinos acus e pungere , que significa puncionar com agulha. É um

Derivada dos radicais latinos acus e pungere , que significa puncionar com agulha.

É um método terapêutico que se

caracteriza pela

inserção de agulhas na superfície corporal, para tratar doenças e

promover a saúde.

que se caracteriza pela inserção de agulhas na superfície corporal, para tratar doenças e promover a
que se caracteriza pela inserção de agulhas na superfície corporal, para tratar doenças e promover a

Histórico

1981 - Implantada no ambulatório do Hospital Municipal Paulino Werneck, no Rio de Janeiro.

1995 - Resolução 1455/95 de 11/8 do Conselho Federal de Medicina que

reconhece a Acupuntura como especialidade médica.

1996: A Associação Médica Brasileira (AMB) referendou a resolução do

CFM, reconhecendo a Especialidade Médica e estabelecendo as bases

para a criação do respectivo Departamento Científico de Acupuntura.

1999: Os atendimentos em Acupuntura passaram a ser registrados de acordo com a Tabela do Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA/SUS) do Ministério da Saúde, código 0701234.

1999: inclusão da Acupuntura na Lista de Procedimentos Médicos da Associação Médica Brasileira (LMP-AMB), a referência para a maior parte

dos convênios de serviços médicos do país.

2002: O Convênio firmado entre a Comissão Nacional de Residência Médica (ME), o CFM e AMB - redefiniu as 50 especialidades médicas e quais as suas respectivas áreas de atuação;

Reconhecimento e regulamentação da Residência Médica em Acupuntura. (Resolução CFM/CNRM/AMB 1634/2002).

1º Concurso para admissão de médicos acupunturiatras no DF.

2006: Publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde.

2010 a 2012 - crescimento de 272% no número de sessões de acupuntura no SUS.

no Sistema Único de Saúde.  2010 a 2012 - crescimento de 272% no número de
no Sistema Único de Saúde.  2010 a 2012 - crescimento de 272% no número de

2008 a 2015 - Sistema do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde registrou um aumento de 526% o número de estabelecimentos

públicos com PIC de, alcançando 5.139.

Estão distribuídos em 17% dos municípios do Brasil, contemplando 100% das capitais.

Na rede de serviços, 78% estão na Atenção Básica, 18% na Atenção Especializada e 4% na Atenção Hospitalar.

O Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, avaliou 29.798 equipes de Atenção Básica. Dentre as equipes estudadas, 1583 realizam a acupuntura em 372 municípios .

29.798 equipes de Atenção Básica. Dentre as equipes estudadas, 1583 realizam a acupuntura em 372 municípios

MTC/Acupuntura

Requer a elaboração do diagnóstico clínico e

prognóstico do paciente.

Tendência ao estreitamento do vínculo na relação médico paciente.

Visão de totalidade, superando a fragmentação e o foco na doença.

Pode ser usada como terapêutica principal ou complementar.

Formação em acupuntura no Brasil

Formação em acupuntura no Brasil  Cursos de Especialização  http://www.cmba.org.br/materias.asp?id=21&ma

Cursos de Especialização

C3%A3o+em+Acupuntura+Reconhecido+pelo+CM BA+em+Atividade  Residência Médica

Residência Médica

RESIDENCIAS MÉDICAS EM

Categoria

Coordenador

E-mail

ACUPUNTURA

1.FACULDAD E DE MEDICINA DA USP

Estadual

Dr. Wu Tu Hsin

coreme@osgrad.f

m.usp.br

2.FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO

Estadual

Dr. Rassen Saidad

coreme@farmerp .br

RIO PRETO

3.HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUA FRANCISCO MORATO OLIVEIRA

Estadual

Dr. Rui Tanigawa

coreme@iamspes

aude.com.br

4.HOSPITAL REGIONAL

Estadual

Dr. Li Shih Min

cesjs@brturbo.co

HOMERO DE MIRANDA

m.br

GOMES SÃO JOSÉ - SC

5.HOSPITAL UNIVERSITA RIO PROFº POLIDORO ERNANI DE SÃO THIAGO

Estadual

Dr. Li Shih Min

cermesc@huufsc. br

6.UNIVERSID ADE FEDERAL

Federal

Dr.Ysao Yamamura

coreme@proex.e

DE SÃO PAULO (UNIFESP)

pm.br

7.HOSPIAL DAS CLINICAS DA UFPE

Federal

Dr. Dirceu de Lavor Sales

(81) 21263521 (81) 21263520 (Fax)

8.HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL

Estadual

Dr. Fernando Genschow

coremehbdf@gm

ail.com

Inserção SUS

ESF/Territórios / Unidades de Saúde - médico trabalha como

generalista e associa acupuntura nos cuidados de saúde conforme diretrizes da PNPIC.

Academias da Saúde

Centros de Especialidades

NASF - apoio matricial para equipes da ESF.

Hospitais /alta complexidade - A EBSERH abriu concurso para acupunturista em alguns hospitais universitários no Brasil.

Rede privada

Consultas particulares (consultórios, clínicas e

domiciliares)

Convênios médicos

Prevê o pagamento de consultas, sessões e materiais.

Pespectivas futuras Pontos fortes

Uso concomitante com outros tratamentos por

outros especialistas no SUS e na rede privada.

Ex: médicos de família, ortopedistas.

Atualmente registra-se aumento progressivo no número de consultas/procedimentos em

acupuntura. (MS, 2016 e Estudos no Câncer).

Envelhecimento da população brasileira, com múltiplas doenças crônicas e uso de inúmeras medicações.

Desafios
Desafios
 Desconhecimento dos gestores, profissionais de saúde e usuários.  Superação da visão focada na
 Desconhecimento dos gestores, profissionais
de saúde e usuários.
 Superação da visão focada na doença e de
que é uma especialidade secundária.
 Poucos profissionais habilitados,
especialmente para o SUS.
na doença e de que é uma especialidade secundária.  Poucos profissionais habilitados, especialmente para o

Referencias

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. 2006. Brasília Disponível
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.
2006. Brasília Disponível em http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnpic.php. Acesso em

25.05.2016.

BRASIL, Ministério de Saúde. PNPIC: 10 anos. Disponivel em :http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnpic.php. Acesso em
BRASIL, Ministério de Saúde. PNPIC: 10 anos. Disponivel em
:http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnpic.php. Acesso em 28.05.2016.
Acesso em 28.05.2016. ESPIRITO SANTO. Secretaria de Estado da Saúde. Política

ESPIRITO SANTO. Secretaria de Estado da Saúde. Política Estadual l de Práticas Integrativas e Complementares Vitória.ES. Disponivel em : http://saude.es.gov.br Acesso em 25.05.2016.

em : http://saude.es.gov.br Acesso em 25.05.2016. ESPIRITO SANTO. Secretaria de Estado da Saúde. Manual de

ESPIRITO SANTO. Secretaria de Estado da Saúde. Manual de Praticas Integrativas e

Complementares /SESA. Disponivel em : http://saude.es.gov.br Acesso em 25.05.2016.

Hong Jin Pai. A Acupuntura - uma escolha do futuro? Rev Med (São Paulo). 2012;91(ed.
Hong Jin Pai. A Acupuntura - uma escolha do futuro? Rev Med (São Paulo). 2012;91(ed.
esp.):1-4.

Rocha, D.K. Genschow, F.C.Z. Sampaio, F.C. Acupuntura Médica no Brasil - Um Breve Histórico. Disponível em http://www.cmba.org.br/ Acesso em 25.05.2016.

F.C. Acupuntura Médica no Brasil - Um Breve Histórico. Disponível em http://www.cmba.org.br/ Acesso em 25.05.2016.
Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos pequenos começos. (Lao-Tsé) Contato:
Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos pequenos começos. (Lao-Tsé) Contato:

Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos

pequenos começos. (Lao-Tsé)