Você está na página 1de 21
MÚSICA ALEATÓRIA E SERIALISMO INTEGRAL

MÚSICA ALEATÓRIA E SERIALISMO INTEGRAL

MÚSICA ALEATÓRIA E SERIALISMO INTEGRAL
MÚSICA ALEATÓRIA E SERIALISMO INTEGRAL
• O termo foi inventado pelo compositor francês Pierre Boulez.
• O termo foi inventado pelo compositor francês Pierre Boulez.

O termo foi inventado pelo compositor francês Pierre Boulez.

É um estilo de música que se desenvolveu no Século XX na qual

procura- se maior liberdade, jogando com certo grau de imprevisibilidade e de sorte, tanto no processo da composição quanto durante a execução da obra, ou em ambos os momentos.

Que notas usar e como usa-las, essa é uma decisão que o compositor pode tomar jogando dados. Ao executante se apresentam diversas alternativas, cabendo-lhe escolher que notas ou que parte da música ira tocar, e também em que ordem o fará.

A altura das notas pode ser indicada, mas não sua duração, ou vice-versa. Também se pode pedir que ele contribua com

algumas notas de sua escolha, tocadas de improviso.

peças, nem mesmo as notas são fornecidas :

apenas uma série de símbolos, um diagrama, um desenho, ou

nada mais que uma ideia, tudo para ser livremente interpretado.

Em algumas

• Foi um dos primeiros a escrever sobre o que ele chamava de música de

Foi um dos primeiros a escrever sobre o que ele chamava de música de acaso, o que outros decidiram rotular

de música aleatória.

primeiros a escrever sobre o que ele chamava de música de acaso, o que outros decidiram

John Milton Cage Jr. foi um compositor, teórico musical, escritor, admirador anarquista e artista dos Estados Unidos. Cage foi um pioneiro da música aleatória, da música eletroacústica, do

uso de instrumentos não convencionais, bem como do uso não

convencional de instrumentos convencionais, sendo considerado

uma das figuras chave nas vanguardas artísticas do pós- guerra.

• É uma peça para o solo de piano por John Cage. Composta em 1951

É uma peça para o solo de piano por John Cage. Composta em 1951 para o pianista e amigo David Tudor, é uma peça inovadora de música indeterminado. O processo de composição

envolvia a aplicação de decisões tomadas usando o I Ching, um

texto clássico chinês que é comumente usada como uma adivinhação sistema. O I Ching foi aplicada a grandes gráficos de sons, durações, dinâmica, ritmo e densidades.

I CHING

I CHING

• Uma de suas obras mais instigantes é uma peça denominada 4 ’ 33, composta
• Uma de suas obras mais instigantes é uma peça denominada 4 ’ 33, composta
• Uma de suas obras mais instigantes é uma peça denominada 4 ’ 33, composta
• Uma de suas obras mais instigantes é uma peça denominada 4 ’ 33, composta

Uma de suas obras mais instigantes é uma peça denominada 433, composta para qualquer instrumento ou conjunto de instrumentos, dividida em três movimentos : o primeiro com

cerca de 30 segundos; depois 2 minutos e 23 segundos; e por

fim, 1 minuto e 40 segundos.

Nela

o

intérprete

é

instruído

a

realizar

todo

o

ritual

performático que envolve um concerto, sem, contudo, satisfazer a principal expectativa da plateia: tocar.

O conteúdo da composição não é quatro minutos e trinta e três segundos de silêncio, como se poderia supor, mas sim de sons do ambiente ouvidos pelo público durante a audição.

John Cage defendia o indeterminismo quanto à composição e

quanto à interpretação. Com essa obra ele explorou o silêncio,

elevando o ruído ao estatuto de música integrando sons

considerados como tal.

• É aquela que utiliza como elementos da composição sons produzidos ou modificados por aparelhos

É aquela que utiliza como elementos da composição sons produzidos ou modificados por aparelhos eletrônicos.

Uma melodia não se transforma em música eletrônica apenas pelo uso de instrumentos desse tipo. Para isso, é preciso que os recursos próprios a essa linguagem (tais como determinados

timbres e outros efeitos não reproduzíveis acusticamente) sejam

incorporados à obra.

Som eletrônico: As ondas radio-eletrônicas, cuja sonoridade difere muito da dos instrumentos acústicos comuns, não se produzem por choque ou atrito, mas por meio de correntes

elétricas. As técnicas associadas a esse tipo de música utilizam aparelhos próprios a um laboratório computadorizado de física acústica, como microfones, para captação de sons

"naturais" a serem posteriormente modificados; gravadores,

para registro da matéria-prima sonora e muitas vezes do produto final a ser apresentado; sintetizadores, que geram sons

através de filtros de frequência; samplers, capazes de

armazenar sons acústicos eletronicamente, ou seja, sem o auxílio de fita magnética; sequenciadores, que registram sequências

de sons a partir de informações lógicas e matemáticas;

simuladores de ambiente etc.

A partir de meados do século XX, a música eletrônica utilizou como

fonte sonora tanto instrumentos acústicos tradicionais, cujos sons são

eletronicamente registrados para posterior manipulação, como

instrumentos amplificados por corrente, como guitarras e pianos

elétricos, além dos instrumentos eletrônicos propriamente ditos.

Em Colônia, Karlheinz Stockhausen utilizou sons gerados pelos

próprios aparelhos, criando a música eletrônica propriamente dita. O

avanço da radiodifusão a partir da segunda guerra mundial

propiciou o desenvolvimento dessa nova produção.

Karlheinz Stockhausen - Kontakte

• É um método de composição musical no qual se utiliza uma ou várias séries

É um método de composição musical no qual se utiliza uma ou várias séries como forma de organizar o material musical.

Serialismo ou dodecafonismo e Serialismo integral

Se usa simplesmente os ternos Dodecafonismo e Serialismo, o que presta a confusões por não se levar em conta que o

dodecafonismo é também um serialismo.

• Serialismo integral baseia-se numa série para ordenar todos peça. Então duração, timbre, altura e

Serialismo integral baseia-se numa série para ordenar todos

peça.

Então duração, timbre, altura e intensidade são, todos definidos

parâmetros

do

os

som

em

uma

a

partir

de

uma

série,

que

pode

ser

representada

por

sequências

 

numéricas.

A

ideia

do

serialismo

integral

foi

aplicada

em

seguida

na

música eletrônica.

 

Dodecafonismo, uma série para as doze notas da escala cromática é estabelecida preliminarmente à composição da peça às vezes ela pode ser construída a partir de uma melodia

criada pelo compositor, mas isso além de ser menos comum, de

certo modo oferece menos garantias em relação às possibilidades composicionais que ela pode oferecer.

• Em 1940, o francês Olivier Messiaen e o italiano Luigi Dallapiccola adotam a

Em

1940,

o

francês

Olivier

Messiaen

e

o

italiano

Luigi

Dallapiccola

adotam

a

idéia,

através

da

matemática,

da permutação, que faz parte da série dodecafônica, para

determinar a seqüência ordenada de intensidade, duração e

timbre

Essas séries servem de matriz para as composições. Assim nasce o serialismo integral, criado na “Escola Internacional de Verão” para a Música Nova de Darmstadt (Alemanha).

dos

sons.

• Sobressaem entre alemão “ Zeitmasse ” . Karlheinz os compositores Stockhausen , autor •

Sobressaem

entre

alemão

Zeitmasse.

Karlheinz

os

compositores

Stockhausen,

autor

de

da

escola

o Kreuzspiele

E o francês Pierre Boulez, criador de “O Martelo sem Mestre”

e “Improvisação sobre Mallarmé”.

• A série é considerada um material “ pré- composicional” e é ela quem vai

A série é considerada um material pré-composicional” e é ela quem vai servir para estruturar e dar coerência à peça, além de ser ela a garantia de que não se criará uma polarização em torno de alguma das notas.

Este aspecto da técnica, em geral menos difundido, foi explicado por Anton Webern e é o que permite compreender a afirmação de Arnold Schönberg de que ele havia descoberto o método dodecafônico em lugar de tê-lo inventado.

De maneira bastante resumida, a questão consiste no seguinte:

segundo Webern, os compositores que trabalhavam com o chamado atonalismo livre, a partir de certo momento, começaram a perceber que a repetição de uma nota criava uma espécie de polarização em torno dela, o que poderia ser então evitado tocando todas as outras notas do total cromático antes de voltar àquela nota. Assim, conseguia-se compor com tonalidade suspensa.