Você está na página 1de 32
O modo de organização do discurso argumentativo Texto dissertativo e texto argumentativo Dissertativo – discurso

O modo de organização do discurso argumentativo

Texto dissertativo e texto argumentativo

Dissertativo – discurso explicativo. O objetivo é explicar.

Argumentativo – visa persuadir ou convencer um auditório da validade de uma tese ou proposição. Pretende construir uma comunicação persuasiva.

ou convencer um auditório da validade de uma tese ou proposição. Pretende construir uma comunicação persuasiva.
ou convencer um auditório da validade de uma tese ou proposição. Pretende construir uma comunicação persuasiva.
ESTRUTURA DA ARGUMENTAÇÃO Para que haja argumentação é preciso ( CHARAUDEAU ): a) Uma afirmação

ESTRUTURA DA ARGUMENTAÇÃO

Para que haja argumentação é preciso

(CHARAUDEAU):

a) Uma afirmação (proposição, tese) importante e cuja legitimidade possa ser sujeita a controvérsia;

b) Um quadro de problematização

(proposição, tese) importante e cuja legitimidade possa ser sujeita a controvérsia; b) Um quadro de problematização
c) Um sujeito engajado, com convicção, capaz de desenvolver um raciocínio problematizador e estabelecer uma

c) Um sujeito engajado, com convicção, capaz de desenvolver um raciocínio problematizador e estabelecer uma verdade (própria ou universal) sobre sua afirmação. d) Um outro sujeito interessado e alvo da argumentação a fim de ser convencido ou persuadido. Uma pessoa que aceite ou recuse a “verdade” em debate.

e alvo da argumentação a fim de ser convencido ou persuadido. Uma pessoa que aceite ou
e alvo da argumentação a fim de ser convencido ou persuadido. Uma pessoa que aceite ou
REPRESENTAÇÃO AFIRMAÇÃO (sobre o mundo) Sujeito que argumenta Sujeito- alvo

REPRESENTAÇÃO

AFIRMAÇÃO (sobre o mundo)

REPRESENTAÇÃO AFIRMAÇÃO (sobre o mundo) Sujeito que argumenta Sujeito- alvo
REPRESENTAÇÃO AFIRMAÇÃO (sobre o mundo) Sujeito que argumenta Sujeito- alvo

Sujeito que argumenta

Sujeito- alvo

REPRESENTAÇÃO AFIRMAÇÃO (sobre o mundo) Sujeito que argumenta Sujeito- alvo
O discurso argumentativo, pressupõe atitudes antitéticas (posições contra ou a favor) explícitas ou implícitas, a

O discurso argumentativo, pressupõe

atitudes antitéticas (posições contra

ou a favor) explícitas ou implícitas, a partir das quais pode-se estruturar o discurso argumentativo da seguinte forma:

a) Afirmação seguida de uma análise que se contrapõe a uma outra posição sobre o fenômeno.

da seguinte forma: a) Afirmação seguida de uma análise que se contrapõe a uma outra posição
b) Posicionamento : posição que pode demonstrar uma concordância, parcial ou total, com uma tese

b) Posicionamento: posição que pode

demonstrar uma concordância, parcial ou total, com uma tese já existente, ou uma discordância, parcial ou total com a mesma. Posicionamento com base numa avaliação a partir de cinco domínios:

Verdade(verdadeiro ou falso) Ética(bem ou mal) Pragmática( útil ou inútil) Estética(belo ou feio) Hedônico (prazer – agradável/desagradável)

Ética(bem ou mal) Pragmática( útil ou inútil) Estética(belo ou feio) Hedônico (prazer – agradável/desagradável)
c) Quadro de problematização : estratégia de perspectivação que depende do auditório ao qual a

c) Quadro de problematização: estratégia de

perspectivação que depende do auditório ao qual a argumentação(econômica, social,

política, ideológica, religiosa, científica,

moral

)

é dirigida.

d) Formulação de argumentos: relativo aos

tipos de provas, à lógica nos raciocínios e princípios de explicação e justificação que fundamentam a tese ou afirmação. e) Conclusão: dedução ou inferência

de explicação e justificação que fundamentam a tese ou afirmação. e) Conclusão : dedução ou inferência
Argumentação demonstrativa e argumentação retórica • Um sujeito que argumenta pode querer manter-se em princípios

Argumentação demonstrativa e argumentação retórica

• Um sujeito que argumenta pode querer manter-se em princípios éticos rígidos para manter o compromisso com o mais

verdadeiro.

• Ou pode estar mais interessado em fazer valer suas intenções de influência(ideal de persuasão) que em discursar em favor da verdade.

suas intenções de influência(ideal d e p e r s u a s ã o )
Argumentação demonstrativa • Corrente racional de argumentação – segue lógicas de raciocínios explícitas com o

Argumentação demonstrativa

• Corrente racional de argumentação – segue lógicas de raciocínios explícitas com o objetivo de convencer o outro sobre a verdade da explicação.

– segue lógicas de raciocínios explícitas com o objetivo de convencer o outro sobre a verdade

• Parte de premissas lógicas e verdadeiras para uma conclusão que delas derivem.

• O conceito de verdade é importante, pois é ele que vai dar validade à conclusão.

uma conclusão que delas derivem. • O conceito de verdade é importante, pois é ele que
uma conclusão que delas derivem. • O conceito de verdade é importante, pois é ele que

EXEMPLO

Todos os A são B. Todos os B são C. Conclusão: todos os A são C.

EXEMPLO Todos os A são B. Todos os B são C. Conclusão: todos os A são
EXEMPLO Todos os A são B. Todos os B são C. Conclusão: todos os A são
• A argumentação demonstrativa se apóia em fatos e verdades já aceitas e que funcionam

• A argumentação demonstrativa se apóia em fatos e verdades já aceitas e que funcionam como provas para a validade de outras teses e de outras verdades.

apóia em fatos e verdades já aceitas e que funcionam como provas para a validade de
Dois tipos de operações são fundamentais em sua construção: a) A Indução – a partir

Dois tipos de operações são fundamentais em sua construção:

a) A Indução – a partir de fatos particulares procura demonstrar uma conclusão geral, ampliada, universal.

b) A dedução – parte de uma verdade geral para concluir para o particular.

uma conclusão geral, ampliada, universal. b) A dedução – parte de uma verdade geral para concluir
A argumentação retórica • O objetivo é persuadir o outro, sem seguir lógicas de raciocínios

A argumentação retórica

• O objetivo é persuadir o outro, sem

seguir lógicas de raciocínios

explícitas, mas, através de estratégias de sedução e de persuasão que podem ser construídas através do apelo aos valores e às crenças das pessoas.

de sedução e de persuasão que podem ser construídas através do apelo aos valores e às
• O objetivo d argumentação retórica não é, como na demonstração, provar a verdade da

• O objetivo d argumentação retórica não é, como na demonstração, provar a verdade da conclusão, a partir da verdade das premissas, mas de transferir sobre as conclusões, a adesão acordada às premissas.

• O conceito de verdade não é tão importante para a retórica

sobre as conclusões, a adesão acordada às premissas. • O conceito de verdade não é tão
• A retórica é a arte de persuadir. É o lugar do encontro entre o

• A retórica é a arte de persuadir. É o lugar do encontro entre o homem e o discurso;

• As opiniões interessam mais à retórica do que a própria verdade.

o lugar do encontro entre o homem e o discurso; • As opiniões interessam mais à
Distinções entre as formas de argumentação ARGUMENTAÇÃO RETÓRICA Argumentos retóricos Raciocínios retóricos

Distinções entre as formas de argumentação

ARGUMENTAÇÃO

Distinções entre as formas de argumentação ARGUMENTAÇÃO RETÓRICA Argumentos retóricos Raciocínios retóricos
Distinções entre as formas de argumentação ARGUMENTAÇÃO RETÓRICA Argumentos retóricos Raciocínios retóricos

RETÓRICA

Argumentos retóricos Raciocínios retóricos Regras de identificação VALORES E CRENÇAS

DEMONSTRATIVA

Argumentos lógicos Tipos de raciocínios lógicos Regras explicativas FATOS E VERDADES

VALORES E CRENÇAS DEMONSTRATIVA Argumentos lógicos Tipos de raciocínios lógicos Regras explicativas FATOS E VERDADES

Argumentação demonstrativa:

• Textos acadêmicos;

• Textos científicos;

• Textos jornalísticos Informativos objetivos;

• Textos técnicos.

Argumentação Retórica:

• Textos publicitários e de marketing;

• Textos político-eleitorais;

• Textos religiosos e de intenção moral;

• Textos de opinião.

e de marketing; • Textos político-eleitorais; • Textos religiosos e de intenção moral; • Textos de
e de marketing; • Textos político-eleitorais; • Textos religiosos e de intenção moral; • Textos de
TIPOS DE ARGUMENTOS Muitos argumentos que são apresentados como lógicos e convincentes em debates, textos

TIPOS DE ARGUMENTOS

Muitos argumentos que são apresentados como lógicos e convincentes em debates, textos e discussões, podem ser apenas estratégias retóricas de persuasão do ouvinte ou do leitor.

em debates, textos e discussões, podem ser apenas estratégias retóricas de persuasão do ouvinte ou do

É sempre bom conhecer alguns argumentos típicos que estão presentes nas argumentações cotidianas. Vejamos alguns deles:

sempre bom conhecer alguns argumentos típicos que estão presentes nas argumentações cotidianas. Vejamos alguns deles:
sempre bom conhecer alguns argumentos típicos que estão presentes nas argumentações cotidianas. Vejamos alguns deles:
1. Argumentos empíricos ou fatuais fundados nas experiências vividas dos fatos e das suas implicações.

1.

Argumentos empíricos ou fatuais fundados nas experiências vividas dos fatos e das suas implicações. Ex. a) as analogias. b) Alguém viaja a um país e relata positivamente ou negativamente a respeito dele, a partir da sua experiência pessoal, como se fosse verdade absoluta.

positivamente ou negativamente a respeito dele, a partir da sua experiência pessoal, como se fosse verdade
2. A Causalidade. As causas de um fato podem ser: imediata, profunda ou final. Conforme

2. A Causalidade. As causas de um fato podem ser: imediata, profunda ou final. Conforme é construído o argumento a interpretação varia. Ex: as guerras americanas Iraque e Afeganistão.

ou final. Conforme é construído o argumento a interpretação varia. Ex: as guerras americanas Iraque e
3. Argumentação pragmática Interessa-se preferencialmente pelas conseqüências e não pelas causas. Ex. Stálin foi

3. Argumentação pragmática Interessa-se preferencialmente pelas conseqüências e não pelas causas. Ex. Stálin foi responsável pela morte de milhões de soviéticos, mas elevou a Rússia ao nível de uma superpotência.

Ex. Stálin foi responsável pela morte de milhões de soviéticos, mas elevou a Rússia ao nível
4. Argumentar sobre fatos atestados. Podem ser bem convincentes, mas não necessariamente incontestáveis. Ex. pesquisas

4. Argumentar sobre fatos atestados. Podem ser bem convincentes, mas não necessariamente incontestáveis. Ex. pesquisas de opinião. Um fato ocorrido.

Podem ser bem convincentes, mas não necessariamente incontestáveis. Ex. pesquisas de opinião. Um fato ocorrido.
5. Os Argumentos fundados em uma confrontação. EX. atestar a superioridade de alguém em algum

5. Os Argumentos fundados em uma confrontação. EX. atestar a superioridade de alguém em algum assunto por ter mais diplomas.

Argumentos fundados em uma confrontação. EX. atestar a superioridade de alguém em algum assunto por ter
6.A O argumento ad personam É a contradição constatada entre o que uma pessoa diz

6.A O argumento ad personam

É a contradição constatada entre o que uma pessoa diz e o que ela faz. Isso não necessariamente retira a verdade daquilo que a pessoa prega.

entre o que uma pessoa diz e o que ela faz. Isso não necessariamente retira a
7. O argumento da autoridade Recorrer a alguém muito conhecedor do assunto para dar verdade

7. O argumento da autoridade Recorrer a alguém muito conhecedor do assunto para dar verdade ao que se afirma. Ex. Propagandas com pessoas famosas.

Recorrer a alguém muito conhecedor do assunto para dar verdade ao que se afirma. Ex. Propagandas
8. O dilema: o menor mal é o mal melhor? Força-se a admitir a conclusão

8. O dilema: o menor mal é o mal melhor? Força-se a admitir a conclusão de um raciocínio, por falta de opção. Ex. O voto útil.

o menor mal é o mal melhor? Força-se a admitir a conclusão de um raciocínio, por
9. O argumento que parte do geral para caracterizar o particular. As qualidades do conjunto

9. O argumento que parte do geral para caracterizar o particular.

As qualidades do conjunto são transferidas para as qualidades das partes. Ex. todas as árvores têm folhas verdes. Todos os policiais usam de força bruta.

para as qualidades das partes. Ex. todas as árvores têm folhas verdes. Todos os policiais usam
10. A Transmissividade Se a=b e b=c, então, a=c Ex. Se o Vasco ganhou do

10. A Transmissividade Se a=b e b=c, então, a=c

Ex. Se o Vasco ganhou do São Paulo e se o Atlético ganhou do Vasco, então, o Atlético ganhará do São Paulo.

a=c Ex. Se o Vasco ganhou do São Paulo e se o Atlético ganhou do Vasco,

11. O argumento da regra da justiça.

11. O argumento da regra da justiça.
11. O argumento da regra da justiça.
Atividade AV2-3 • Selecionar dois textos argumentativos de revistas/jornais; • Colar os textos(recortados ou

Atividade AV2-3

• Selecionar dois textos argumentativos de revistas/jornais;

• Colar os textos(recortados ou copiados);

• Apresentar em forma de enunciado a tese (afirmação/idéia, proposta ali defendida);

• Identificar no texto a argumentação (argumentos, razões) que sustentam a tese;

• Explicar, em seguida, os argumentos (as razões) apresentadas pelo autor.

(argumentos, razões) que sustentam a tese; • Explicar, em seguida, os argumentos (as razões) apresentadas pelo