Você está na página 1de 11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

DISCIPLINA: Teoria social, reconhecimento e alteridade CRÉDITOS: 4 Cr HORÁRIO:

PROFESSOR: Dr. Ricardo Mayer

I. EMENTA

e-mail: r.mayer@laposte.net

Análise e discussão das noções de hierarquia, alteridade e diferença a partir de seus desdobramentos na teoria social contemporânea; abordagem das formas elementares do reconhecimento; avaliar o reconhecimento denegado como vetor de novos conflitos sociais; tratar da indexação do reconhecimento a partir das categorias de gênero, etnia e classe social; discussão dos padrões culturais institucionalizados que contribuem para configurar o reconhecimento denegado; análise das aporias do reconhecimento e sua repercussão na formulação das políticas públicas.

II. OBJETIVOS

É possível constatar no último quartel do século XX uma paulatina reconfiguração na agenda das lutas sociais: se nos últimos dois séculos o conflito social, foi em grande parte polarizado pela desigualdade econômica, nos deparamos hoje com uma proliferação de demandas sociais, cujo denominador comum está assentado na questão do reconhecimento. Para além dos direitos civis, políticos e sociais, a reivindicação pelo reconhecimento de direitos culturais ganha a esfera pública e dá corpo e voz a novos atores sociais, bem como de uma nova conflitualidade social articulada em torno de políticas identitárias. Aqui, o reconhecimento indexado a partir das categorias de classe social, raça/etnia e gênero tornará possível uma crítica aos padrões culturais institucionalizados que contribuem para configurar inúmeras situações de invisibilidade, estigmatização e discriminação social. Não obstante, o tema do reconhecimento quando tratado em termos de demandas e reivindicações também pode desembocar numa substancialização do próprio conceito a partir da própria reificação da identidade. Nesse sentido, preferimos pensá-lo de forma relacional procurando dar conta das assimetrias tradicionais e modernas que caracterizam as sociabilidades contemporâneas no Brasil. Assim, a hierarquização das relações sociais ganhará importância em nossa análise e tentativa de operacionalização empírica deste conceito. Tentando desbordar a política do reconhecimento tentaremos esquadrinhar as lógicas sociais do reconhecimento com o intuito de proporcionar ao conceito um sentido e significado capaz de iluminar micro-sociabilidades caracterizadas pela hierarquia e assimetria e que podem escapar à lógica dos conflitos culturais contemporâneos. Desta forma, os conteúdos programáticos da disciplina foram distribuídos em cinco blocos ou unidades, nas quais iremos tratar os seguintes temas: uma epistemologia, uma antropologia, uma sociologia, e uma política do reconhecimento, bem como, as contradições e aporias deste conceito.

2

III. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

1. A epistemologia do reconhecimento:

1.1. Visibilidade e invisibilidade: considerações sobre conceito do reconhecimento;

1.2. A interpretação hegeliana do conceito de reconhecimento: a dialética senhor x servo;

1.3. A reinterpretação nietzschiana do conceito: reconhecimento e ressentimento;

2. A antropologia do reconhecimento:

2.1.

A teoria da dádiva e a questão do reconhecimento;

2.2.

As formas arcaicas e tradicionais do reconhecimento;

2.2.

As lógicas do respeito: honra, prestígio e distinção social;

3. A sociologia do reconhecimento:

3.1. Regimes de interação: entre hierarquia e igualdade em espaços micro e macro-sociais;

3.2. As lógicas da diferenciação social;

3.3. Reconhecimento e conflito social: a reatualização do tema hegeliano por Axel Honneth;

4. A política do reconhecimento:

4.1. As políticas públicas entre redistribuição e reconhecimento;

4.2. Justiça, instituições e reconhecimento;

4.3. As políticas da identidade;

5. Críticas à problemática do reconhecimento:

5.1. Reconhecimento e processos de singularização;

5.2. Reconhecimento como ideologia;

5.3. As aporias do reconhecimento.

3

IV. METODOLOGIA

Será obedecida a seguinte dinâmica de trabalho:

aulas expositivas e dialogadas no

primeiro período de aula seguidas de seminários no segundo período de aula.

V. AVALIAÇÃO

O desempenho dos alunos será avaliado através da sua participação em aula – verificada pela sua contribuição ao debate e discussão desenvolvida em sala de aula -, pelo mérito na apresentação dos seminários e pela elaboração de um trabalho monográfico.

Critérios: Serão considerados na avaliação das monografias: a definição e delimitação do tema abordado ponderando sua clareza e originalidade; a organização e coerência lógica de sua exposição; a objetividade e a consistência teórica da argumentação desenvolvida; bem como a correta identificação das fontes de consulta e de referência. Por fim, a avaliação subdividir-se-á em dois momentos no decorrer do semestre, cujo peso será distribuído da seguinte forma:

a) Apresentação de dois seminários equivalendo a 30%;

b) Um trabalho monográfico equivalendo a 70% da nota final a partir dos temas presentes nos conteúdos programáticos da disciplina.

VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

APPIAH, Kwame Anthony. Identidade, autenticidade, sobrevivências: sociedades multiculturais e reprodução social. In: GUTMAN, Amy (Ed.). Multiculturalismo. Examinando a política do reconhecimento. Lisboa: Instituto Piaget, 1998, p.165-179.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Anti-racismo e seus paradoxos: reflexões sobre cota racial, raça e racismo. São Paulo: Annablume, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1998.

Comunidade. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2003. Caps.5, 6 e 7, p.56-99.

BECKER, Howard S. A Escola de Chicago. Mana: Estudos de Antropologia Social. Vol. 2, nº2, p. 177-88, 1996. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mana/v2n2/v2n2a08.pdf

BENHABIB, Seyla. O outro generalizado e o outro concreto: a controvérsia Kohlberg-Gilligan e a teoria feminista. In: BENHABIB, Seyla & CORNELL, Drucilla (Coord.). Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Ventos, s/d. p.87-106.

BESSY, Christian & CHATEAURAYNAUD, Francis. Experts et Faussaires: pour une Sociologie de la Perception. Éditions Petra, 2014.

4

BLANCHARD, Martin. Habermas chez les autochtones: droits collectifs et reconnaissance. In:

CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

BODY-GENDROT, Sophie. Culture et politique. Nouveaux défis. In: WIEVIORKA, Michel et OHANA, Jocelyne (Dir.). La différence culturelle. Paris: Éditions Balland, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Le sens pratique. Paris: De Minuit, 1980. Chap. 7: Le capital symbolique,

p.191-207.

Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. Cap. 6: A economia dos bens simbólicos, p.157-194.

A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BUSCH,

Hans-Christoph

Schmidt

am

&

ZURN,

Christopher

(Eds.).

The

Philosophy

of

Recognition. Historical and Contemporary Perspectives. New York: Rowman & Littlefield

Publishers, 2010.

BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder. Teorías sobre la sujeción. Madrid: Ediciones Cátedra. 2001.

Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2003.

CAILLÉ, Alain. Antropologia do dom. O terceiro paradigma. Petrópolis: Vozes, 2002.

(Dir.). De la reconnaissance: Don, identité et estime de soi. Paris: La Découverte,

2004.

(Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

Reconhecimento e sociologia. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo:

Disponível em:

ANPOCS,

http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v23n66/10.pdf

Vol.

23,

nº66,

p.

151-163,

2008.

Théorie anti-utilitariste de l’action. Fragments d’une sociologie générale. Paris: La Découverte, 2009.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto. Honra, dignidade e reciprocidade. In: MARTINS, Paulo Henrique & NUNES, Brasilmar Ferreira. (Orgs.). A nova ordem social: perspectivas da solidariedade contemporânea. Brasília: Paralelo 15, 2004, p.122-135.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Os (Des)Caminhos da Identidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo: ANPOCS, Vol. 15, nº. 42, p. 07-21, 2000. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v15n42/1733.pdf

Caminhos da identidade. Ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. Unesp, 2006.

Editora da

CAILLÉ, Alain (Dir.). De la reconnaissance: Don, identité et estime de soi. Paris: La Découverte,

2004.

(Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

CEFAÏ, Daniel. Pourquoi se mobilise-t-on? Les théories de l’action collective. Paris: La Découverte, 2007.

CEFAÏ, Daniel & TROM, Danny. Les formes de l’action collective. Mobilisations dans des arènes publics. Paris: Éditions de L’ÉHÉSS, 2001.

5

CEFAÏ, Daniel & TERZI, Cédric. L’experiénce des problèmes publics. Paris: Éditions de L’ÉHÉSS, 2012.

CHATEAURAYNAUD, Francis. Argumenter dans un champ de forces. Essai de balistique sociologique. Paris: Édition Petra, 2011.

CASTRA, Denis. L’insertion professionnelle des publics précaires. Paris: PUF, 2003

CHANIAL, Philippe. La reconnaissance fait-elle société? Pour un contre-Hobbes sociologique. In:

CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

CLARKE, Simon & GARNER, Steve. White Identities. A critical sociological approach. New York:

Pluto Press, 2010.

COSTA, Sérgio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte:

Editora UFMG, 2006.

CUSSON, Maurice. Desvio. In: BOUDON, Raymond (Dir.). Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar, 1995, p.413-448.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

A casa e a rua. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Porto: Rés Editora, 1987. Capítulo 4: do ressentimento à má consciência, p.167-220.

Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DEMAZIÈRE, Didier. Le chômage. Comment peut-on être chômeur? Paris: Éditions Belin, 2003.

DESCOMBES, Vincent. Lo mismo y lo otro. Madrid: Ediciones Catedra, 1998.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo:

Martins Fontes, 2005.

DUBET, François. Injustices. L’expérience des inégalités au travail. Paris: Seuil, 2006.

Injustices et reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance:

nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

DUBET, François; COUSIN, Olivier MACÉ, Éric, et RUI, Sandrine. Pourquoi moi? L’expérience des discriminations. Paris: Seuil, 2013.

DUFOIX,

reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

DWORKIN, Ronald. A virtude soberana: A teoria e a prática da igualdade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

EUFRÁSIO, Mário A. Estrutura urbana e ecologia humana: a escola sociológica de Chicago (1915-1940). São Paulo: Editora 34, 1999.

FENTON, Steve. Etnicidade. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

FERES JR., João. Contribuição a uma tipologia das formas de desrespeito: para além do modelo hegeliano-republicano. Dados – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Vol. 45, nº4, p.555-576, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v45n4/a01v45n4.pdf

de

Stéphane.

Connaître

et

reconnaître

le

passé:

huit

dimensions

des

politiques

6

FERRARÈSE, Estelle. Performativité, pouvoir, vulnérabilité. A propos de quelques immanquables corrélats de l_idée de reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

FISCHBACH, Franck. Fichte et Hegel: La Reconnaissance. Paris: PUF, 1999.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no Collége de France (1974-1975). São Paulo: Martins fontes, 2003.

FRASER, Nancy. O que é crítico na teoria crítica? O argumento de Habermas e gênero. In:

BENHABIB, Seyla & CORNELL, Drucilla (Coord.). Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Ventos, s/d. p.38-65.

Da redistribuição do conhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista In:

SOUZA, Jessé (Org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora da UnB, 2001, p.245-282.

Social justice in the age of identity politics: redistribution, recognition, and participation. In: FRASER, Nancy & HONNETH, Axel. Redistribution or recognition? A political-philosophical exchange. London: Verso, 2003

Qu’est-ce que la justice sociale? Reconnaissance et redistribution. Paris: La Découverte, 2005.

FRASER, Nancy & HONNETH, Axel. Redistribution or recognition? A political-philosophical exchange. London: Verso, 2003.

FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

GODBOUT, Jacques. O espírito da dádiva. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

GUTMAN, Amy (Ed.). Multiculturalismo. Examinando a política do reconhecimento. Lisboa:

Instituto Piaget, 1998.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. Volume 2, capítulo VII – Política deliberativa – Um conceito procedimental de democracia, p.9-56.

A constelação pós-nacional: ensaios políticos. São Paulo: Littera Mundi, 2001.

A inclusão do outro. Estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002. Cap.8,

p.229-267.

HABERMAS, Jürgen & RAWLS, John. Débat sur la justice politique. Paris: Les Éditions du CERF, 1997.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

HEGEL, Georg, W. F. Fenomenologia do Espírito. Volume II. Petrópolis: Vozes, 1992. Capítulo 4, seção A, p.142-151.

HEINICH, Nathalie. De la théorie de la reconnaissance à la sociologie des valeurs. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

Ce que l'art fait à la problématique de la reconnaissance: du respect à l'estime. In:

CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

HONNETH, Axel. Luta

sociais. São

por reconhecimento: a

gramática

moral dos

conflitos

Paulo: Ed. 34, 2003.

La société du mépris: vers une nouvelle Théorie critique. Paris: La Découverte,

2006.

7

La réification: petit traité de Théorie pratique. Paris: Gallimard, 2007.

Crítica del agravio moral. Patologías de la sociedad contemporánea. Buenos Aires:

FCE, 2009.

IKÄHEIMO, Heikki & LAITINEN, Arto (Eds.). Recognition and Social Ontology. Leiden, NL:

Koninklijke Brill NV, 2011.

GOFFMAN, Erving. Les rites d’interaction. Paris: Éditions de Minuit, 1974.

Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 1988.

El orden de interacción. In: WINKIN, Yves (Org.). Los momentos y sus hombres. Barcelona: Páidos, 1991, p.169-205.

Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2003.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Ed. 34, 1999.

Classes, raças e democracia. São Paulo: Ed. 34, 2002.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio e HUNTLEY, Lynn. Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra; SEF, 2000.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

HOBSON, Barbara (Eds.). Recognition Struggles and Social Movements. Contested Identities, Agency and Power. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2003.

KARPIC, Lucien. L’économie des singularités. Paris: Gallimard, 2007.

KOJÈVE, Alexandre. Introdução à leitura de Hegel. Rio de Janeiro: Contraponto: EDUERJ, 2002. À guisa de introdução, p.11-31; O reconhecimento (anerkennen) ou o desdobramento da consciência-de-si, p.49-54.

KYMLICKA, Will. Ciudadanía multicultural. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 1996.

LALLEMENT, Michel. Qualités du travail et critique de la reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte,

2007.

LAVALLE, Adrián Gurza. Cidadania, diferença e igualdade. Lua Nova. São Paulo: CEDEC, nº59, p.75-93, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ln/n59/a04n59.pdf

LAVILLE, Jean-Louis. Sociologie économique et théorie de la reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

LAZZERI, Christian. Reconnaissance et redistribution? Repenser le modèle dualiste de Nancy Fraser. In: CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

LOURO, GUACIRA LOPES. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas. Vol. 9, nº.2, p.541-553, 2001. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8639.pdf

Um

corpo

estranho: ensaios

sobre

Horizonte: Autêntica, 2004.

a

sexualidade

e

teoria

queer.

Belo

LE BLANC, Guillaume. Vies ordinaires, vies précaires. Paris: Seuil, 2007.

L’invisibilité

sociale. Paris: PUF, 2009.

LEBRUN, Gerard. O avesso da dialética: Hegel a luz de Nietzsche. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

8

LOVELL, Terry (Ed.). (Mis)recognition, Social Inequality and Social Justice. Nancy Fraser and Pierre Bourdieu. New York: Routledge, 2007.

MARTUCCELLI, Danilo. Grammaires de l’Individu. Paris: Gallimard, 2002.

La sociètè singulariste. Paris : Armand colin, 2010.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas.

In:

Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, p.183-314.

McNAY, Lois. Against Recognition. Cambridge, UK: Polity Press, 2008.

MESURE, Sylvie & RENAUT, Alain. La guerre des dieux. Essai sur la querelle des valeurs. Paris:

Éditions Grasset & Fasquelle, 1996.

Alter ego. Os paradoxos da identidade democrática. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

MIGUEL, Luis Felipe. Teoria política feminista e liberalismo: o caso das cotas de representação.

Disponível em:

Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol.15, nº44, p.91-102, 2000.

http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v15n44/4149.pdf

MIYARES, Alicia. Democracia feminista. Madrid: Ediciones Cátedra, 2003.

MOUFFE, Chantal. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1996.

La paradoja democratica. Barcelona: Editorial Gedisa, 2003.

NEVES, Paulo Sérgio da C. Luta anti-racista: entre reconhecimento e redistribuição. Revista Brasileira de ciências Sociais. Vol. 20, nº59, p.81-168, 2005. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v20n59/a06v2059.pdf

NOGUEIRA,

Oracy.

Preconceitos

Paulo: EDUSP, 1998.

de

marca: as

relações

raciais

em

Itapetininga.

São

NIETZSCHE, Friedrich W. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OWEN, David. Reconnaissance, expressivisme et agonisme. Sur la place de la “lutte” dans la théorie de la reconnaissance. In: FERRARÈSE, Estelle (Dir.). Qu’est-ce que lutter pour la reconnaissance? Lormont: Éditions Le Bord de L’Eau, 2013, pp.:84-109.

PAUGAM, Serge. A desqualificação social. Ensaio sobre a nova pobreza. Porto: Porto Editora,

2003.

PAYET, Jean-Paul & BATTEGAY, Alain. La reconnaissance à l’épreuve: exporations sócio- antropologiques. Villeneuve d’Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, 2008.

PAYET, Jean-Paul & LAFORGUE, Denis. Qu’est-ce qu’un acteur faible? Contributions à une sociologie morale et pragmatique de la reconnaissance. In: PAYET, Jean-Paul; GIULIANI, Frédérique & LAFORGUE, Denis (Eds.) De l’indignité à la reconnaissance. Enquête sur la voix des acteurs faibles. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2008.

PERISTIANY, John G. El concepto del honor en la sociedad mediterránea. Barcelona: Editorial Labor, 1968.

PHARO, Patrick. La logique du respect. Paris: Les Éditions du Cerf, 2001.

Les ambiguïtés de la reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

PHILLIPS, Anne. De uma política de idéias a uma política de presença? Revista Estudos

Feministas.

http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n1/8615.pdf

Vol.

9,

nº1,

pp.268-290,

2001.

Disponível

em:

PIKETTY, Thomas. Le Capital au XXIème Siècle. Paris: Éditions du Seuil, 2013.

9

POUTIGNAT, Philippe & STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: Ed. da

UNESP, 1998.

39:316 P879t

PULCINI, Elena. Pathologies de la reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

REISIGL, Martin & WODAK, Ruth. Discourse and Discrimination. Rhetorics of racism and antisemitism. New York: Routledge, 2001.

RENAUT, Alain (Dir.). As filosofias políticas contemporâneas. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

RENAULT, Emmanuel. Mépris social. Ethique et politique de la reconnaissance. Bègles: Éditions du Passant, 2000.

L'expérience de l'injustice: reconnaissance et clinique de l'injustice. Paris: La Découverte, 2004.

Souffrances sociales. Philosophie, psychologie et politique. Paris: La Découverte,

2008.

Assumer l'héritage de la théorie critique: sauver Marx par la reconnaissance? In:

CAILLÉ, Alain et LAZZERI, Christian (Dir). La reconnaissance aujourd'hui. Paris: CNRS Éditions, 2009.

RICŒUR, Paul. Parcours de la reconnaissance - Trois Etudes. Paris: Gallimard, 2005.

ROILLEAU-BERGER, Laurence. Grammaire de la reconnaissance, individuation et ordres sociétaux. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte, 2007.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra do Brasil. Salvador: EDUFBA, 2004.

SANTOS,

do

Boaventura

de

Sousa

(Org.).

Reconhecer

para

libertar:

os

caminhos

cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade.São Paulo: Edusp,1998.

SCHNAPPER, Dominique. La relation à l’autre. Au cœur de la pensée sociologique. Paris:

Gallimard, 1998.

SENNETT, Richard. Respeito. A formação do caráter em um mundo desigual. Rio de Janeiro:

Record, 2004.

SIMMEL, Georg. O estrangeiro. In: MORAES FILHO, Evaristo de (Org.). Simmel: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

SHILS, Edward. Centro e periferia. Lisboa: Difel, 1992. Cap. XVI: Deferência, p.419-457.

SOUZA,

da

Jessé.

A

Construção

social

da

subcidadania:

para

uma

sociologia

política

modernidade periférica. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

(Org.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

TABBONI, Simonetta. Il n’y a pas de différence sans inégalité. In: WIEVIORKA, Michel et OHANA, Jocelyne (Dir.). La différence culturelle. Paris: Éditions Balland, 2001.

TAYLOR,

do

Charles.

Argumentos

filosóficos.

São

Paulo:

Loyola,

2000.

A

política

reconhecimento, p.241-274.

As fontes do self. A Construção da Identidade Moderna. São Paulo: Loyola, 1997.

Le malaise de la modernité. Paris: Les Éditions du Cerf, 2002.

10

Hegel e a sociedade moderna. São Paulo: Loyola, 2005.

THÉVENOT, L. L'action au pluriel: sociologie des régimes d'engagement. Paris: La Découverte,

2006.

THOMPSON, Simon. The Political Theory of Recognition. A critical introduction. Cambridge, UK:

Polity Press, 2006.

TODOROV, Tzvetan. Nous et les autres. Paris: Seuil, 1992. (Edição brasileira: Nós e os outros:

a reflexão francesa sobre a diversidade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.)

A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

TOURAINE, Alain. Pourrons-nous vivre ensemble? Égaux et différents. Paris: Fayard, 1997a. Edição brasileira: Poderemos viver juntos?: Iguais e diferentes. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

Faux et vrais problèmes. In: WIEVIORKA, Michel (Dir.). Une société fragmentée? Le multiculturalisme en débat. Paris: La Découverte, 1997b.

Égalité et différence. In: WIEVIORKA, Michel et OHANA, Jocelyne (Dir.). La différence culturelle. Paris: Éditions Balland, 2001.

Un nouveau paradigme. Pour comprendre le monde d’aujourd’hui. Paris: Fayard, 2005. (Ed. brasileira: Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis:

Vozes, 2006. Parte II, Caps. I, II e III).

Le monde des femmes. Paris: Fayard, 2006. (Ed. brasileira: O mundo das mulheres. Petrópolis: Vozes, 2007).

TOURAINE, Alain et KHOSROKHAVAR, Farhad. La recherche de soi. Paris: Fayard, 2000. (Edição brasileira: A busca de si: diálogo sobre o sujeito. Rio de Janeiro: DIFEL, 2004)

TRIGANO, Shmuel. Qui reconnaît-on? L’identité dans la reconnaissance. In: CAILLÉ, Alain (Dir.). La quête de reconnaissance: nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte,

2007.

WACQUANT. Loïc. Os condenados da cidade. Estudos sobre marginalidade avançada. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

Que é gueto: construindo um conceito sociológico. Revista de Sociologia e Política,

nº23, p.155-164, 2004. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n23/24629.pdf

“Uma cidade negra entre os brancos”. Revisitando o gueto negro na América. Política

Disponível em:

&

http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/viewFile/1993/1742

Sociedade,

nº5,

p.263-278,

2004.

As duas faces do gueto. São Paulo: Boitempo, 2008.

WALZER, Michael. Esferas da justiça: uma defesa do pluralismo e da igualdade. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

WARE, Vron (Org.). Branquidade – Identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro:

Garamond, 2004.

WIEVIORKA, Michel et OHANA, Jocelyne (Dir.). La différence culturelle. Paris: Éditions Balland,

2001.

WIEVIORKA, Michel. Culture, société et démocratie. In: WIEVIORKA, Michel (Dir.). Une société fragmentée? Le multiculturalisme en débat. Paris: La Découverte, 1997.

La différence. Paris: Éditions Balland, 2001.

Em que mundo viveremos? São Paulo: Perspectiva, 2006.

WOOD, Ellen M. Democracia contra capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2003. Classe como processo e como relação, p.73-98; Sociedade civil e as políticas de identidade, p.205-226;

11

Capitalismo e emancipação humana: raça, gênero e democracia, p.227-242; Conclusão,

p.243-250.

VAN PARIJS, Philippe. O que é uma sociedade justa? São Paulo: Ática, 1997.

VIDAL, Dominique. A linguagem do respeito. A experiência brasileira e o sentido da cidadania nas democracias modernas. Dados – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Vol. 46, nº2, p.265-287, 2003. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/dados/v46n2/a03v46n2.pdf

VITA, Álvaro de. Justiça distributiva: a crítica de Sen a Rawls. Dados, 1999, vol.42, nº3, p.471-496.

A Justiça igualitária e seus críticos. São Paulo: EDUNESP, 2000.

XIBERRAS, Martine. As teorias da exclusão. Para uma construção do imaginário do desvio. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

YOUNG, Ìris Marion. A imparcialidade e o público cívico: algumas implicações das críticas feministas da teoria moral e política. In: BENHABIB, Seyla & CORNELL, Drucilla (Coord.). Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Ventos, s/d.

p.66-86.

Justicia y politica de la diferencia. Madrid: Ediciones Cátedra, 2000.