Você está na página 1de 3

Curso

C. V. Secundrio Tcnico de Ao Educativa


Mini-ficha de Disciplina/Mdulo: Ano letivo
avaliao sumativa Portugus 9 Poesia pico-lrica 2016/2017

nome professor

nmero turma/ano: CV_Sec data / / classificao

2 Parte | Mar Portugus

Horizonte

mar anterior a ns, teus medos


Tinham coral e praias e arvoredos.
Desvendadas a noite e a cerrao,
As tormentas passadas e o mistrio,
Abria em flor o Longe, e o Sul sidrio
'Splendia sobre as naus da iniciao.

Linha severa da longnqua costa -


Quando a nau se aproxima ergue-se a encosta
Em rvores onde o Longe nada tinha;
Mais perto, abre-se a terra em sons e cores:
E, no desembarcar, h aves, flores,
Onde era s, de longe a abstracta linha.

O sonho ver as formas invisveis


Da distncia imprecisa, e, com sensveis
Movimentos da esprana e da vontade,
Buscar na linha fria do horizonte
A rvore, a praia, a flor, a ave, a fonte -
Os beijos merecidos da Verdade.

Mensagem, Fernando Pessoa

1
Cofinanciado por:
Aps a leitura atenta do poema Horizonte, pertencente 2 parte do livro Mensagem de
Fernando Pessoa, responde, de forma clara e completa, s questes que te so formuladas.

1. Considerando o sentido, divide o poema em partes e d um nome a cada parte.

2. mar anterior a ns
Comenta a expresso, justificando a importncia dada ao pronome pessoal
sublinhado.

3. Desvendadas a noite e a cerrao Abria em flor o Longe


Interpreta as expresses, referindo os recursos estilsticos nelas utilizados.

4. Mostra como o encontro com o Longe gradativo.

2
Cofinanciado por:
5. Comenta o paradoxo utilizado para definir o sonho.

5.1. Explicita aquilo que, segundo o poema, necessrio para a concretizao desse
sonho.

5.2. Interpreta o verso final, expresso da recompensa aos que ousam sonhar.

3
Cofinanciado por: