Você está na página 1de 9
GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO ESTATUTO SOCIAL DO GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO. CAPÍTULO I.

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO ESTATUTO SOCIAL DO GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO. CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO,

ESTATUTO SOCIAL DO GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO.

CAPÍTULO I.

DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE.

Art. 1º - O GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO, adiante denominado G.E.S.T., com sede na cidade de Maceió, no Estado de Alagoas, na Rua Nova Esperança, 25, Conjunto Jardim Planalto II, Quadra “B” – Tabuleiro do Martins, 57.075-452, é uma organização religiosa, de caráter civil, no âmbito do direito privado, sob a tutela da Lei Federal nº 10.406/02 e alterações imanentes do art. 44, inc. IV, parágrafo 1º e parágrafo único do art. 2.031, dispostas na Lei Federal nº 10.825/2003, de cunho filantrópico, sem fins lucrativos e de duração ilimitada. Uma linha de estudos plenamente espiritualistas, trabalhando com o uso do Vegetal “Ayahuasca” através da ritualística e ensinos dentro da linha recriada pelo Mestre no destacamento Gabriel, unificada aos estudos Cristãos, Hinduístas, Budistas, Gnósticos, Logosóficos, Espiritas, Místicos, Esotéricos e Filosóficos.

Art. 2º - Fica, também, criado, dentro do âmbito do G.E.S.T., uma Linha de estudos maçônicos, o RITO HOASQUEIRO CIÊNCIA DE SALOMÃO, doravante denominado R.´.H.´.C.´.S.´., que vem unificar o uso do Vegetal “Ayahuasca” através da ritualística recriada pelo Mestre no destacamento Gabriel aos estudos Místico-Filosóficos da Maçonaria. Sendo essa, uma linha de estudos restrita e exclusiva, apenas, para os associados ativos e participantes, desde que, maiores de 18 anos, que pelo querer expresse a vontade de seguir, manifestando por escrito o pedido de afiliação, que sejam aprovados e aceitem participar dos ritos de iniciação em seus respectivos graus.

Art. 3º - O G.E.S.T. e o R.´.H.´.C.´.S.´. reger-se-á por este Estatuto, disposições legais e normas regimentais que, lhe forem aplicáveis.

Art. 4º - São finalidades do G.E.S.T.:

a) Dedicar-se ao estudo e à prática Espiritualista, no seu tríplice aspecto: filosófico, científico e religioso, consoante os princípios fundamentados nos alicerces da prática fiel, do autoconhecimento e da auto consciência e do auxílio mútuo, pelos estudos doutrinários trazidos pelo Mestre no destacamento Gabriel, recriador da União do vegetal, estudos de cunho místico-esotéricos, estudos da palavra (a Bíblia), bem como assuntos trazidos pelos associados, através de pesquisas que tragam, ainda que com temática diferente, a mesma essência, levando a mesma compreensão;

b) Utilizar, dentro de um contexto religioso o uso da AYAHUASCA, bebida sagrada feita através do cozimento do cipó chamado Mariri (Banisteriopsis Caapi) e das folhas da Chacrona (Psicotria Viridis), devido a um processo bioquímico natural que ocorre no cérebro. Normalmente os neurônios as células nervosas do cérebro liberam neurotransmissores para que os impulsos nervosos passem de um para outro carregando informações. Um desses neurotransmissores é a Serotonina. Mas, quando há muita Serotonina, entra em ação uma enzima monoaminoxidase, que destrói as moléculas para garantir o equilíbrio neurológico. Os alcalóides presentes no cipó Mariri impedem a formação dessa enzima, assim, sobra serotonina, o que intensifica as visões e provoca o estado ampliado de consciência. A folha da Chacrona é também muito rica em uma substância chamada Dimetiltriptamina (DMT). Sua molécula é semelhante à da Serotonina

Página 1 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO e se encaixa nas regiões destinadas ao neurotransmissor, aumentando seu

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO e se encaixa nas regiões destinadas ao neurotransmissor, aumentando seu efeito.

e se encaixa nas regiões destinadas ao neurotransmissor, aumentando seu efeito. Utilizado em forma de beberagem “Chá” dentro de um âmbito totalmente religioso, para fins de um autoexame da consciência, adentrando na sua natureza transcendental e transpessoal, alargando a experiência e a visão da realidade, diminuindo o império do ego sobre a personalidade, facilitando assim a mudança de valores e com isso chamando atenção para os valores éticos e morais fundamentais para uma mudança comportamental positiva;

c) Evoluir espiritualmente, buscando sempre auxiliar e trazer alento aos que necessitarem

de atendimento espiritual, seja de cunho físico ou psicológico, seja sob a forma de

atendimento pessoal ou impessoal;

d) Exercer atividades de natureza assistencial de Luz, através da Paz e do Amor, na forma

de auxiliar os menos favorecidos ou os marginalizados pela sociedade.

CAPÍTULO II.

DOS ASSOCIADOS, SEUS DIREITOS E DEVERES.

Art. 5º - O G.E.S.T. compor-se-á de número ilimitado de associados.

Art. 6º - Os Graus Hierárquicos serão para os associados, que fizerem parte da linha de estudos espiritualistas, dentro do âmbito do G.E.S.T. são:

a) INICIADOS - todos aqueles que forem maiores de 18 anos, que após participarem de

uma sessão iniciática, expressem a vontade de seguir firme, solicitando sua afiliação.

b) DISCÍPULOS - os iniciados que quiserem e que estiverem aptos a receberem os

ensinos instrutivos, buscando a evolução de seus dons naturais, se manterem dentro do compromisso de estarem sempre aptos a auxiliarem os que necessitarem, com o uso de seus dons dentro do compromisso da fraternidade.

c) CONSELHEIROS - os discípulos que forem convocados, desde que acreditem

encontrarem-se aptos a exercerem a função de conselheiro, seguindo firme dentro dos

estudos, a fim de melhor compreender os ensinos do Mestre no destacamento Gabriel, tornando-se, dia à dia, realmente um conselheiro a todos os que necessitarem.

c.1) MESTRE DIRIGENTE, MESTRE DE PREPARO e MESTRE ASSISTENTE - apenas no âmbito da sessão, preparos de vegetal ou trabalhos desenvolvidos pelo grupo, esse grau só poderá ser ocupado por membros do corpo do conselho, em representação ao Mestre no destacamento Gabriel, na direção da sessão como MESTRE DIRIGENTE, em trabalhos de preparo como MESTRE DE PREPARO ou no auxílio ao Mestre Dirigente, na direção dos trabalhos, quando lhe for solicitado ou dentro do exame, sentir que há necessidade de sua interseção, assistencial no decorrer da sessão como MESTRE ASSISTENTE, na falta de um conselheiro pode ser convocado um discípulo, para a assistência. O cargo, bem como a função só será exercida, quando dentro do âmbito da sessão, no decorrer dos trabalhos e na representação G.E.S.T.

Art. 6º.1 - Os Graus iniciáticos, para os discípulos, que fizerem parte da linha de estudos do R.´.H.´.C.´.S.´., estarão descritos em regimento interno.

Página 2 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 7º - Para participar de uma sessão iniciática do

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 7º - Para participar de uma sessão iniciática do G.E.S.T.

Art. 7º - Para participar de uma sessão iniciática do G.E.S.T. o visitante deverá submeter- se a um exame de anamnese, bem como uma entrevista previamente feita pelo Mestre Dirigente ou outro designado por ele para tal missão, desde que esse possua conhecimento ou formação dentro do âmbito da psicologia.

Art. 8º - São deveres dos associados:

a) Estudar os ensinos doutrinados nas sessões, envidando esforços para pôr em prática

seus ensinamentos, em todas as circunstâncias da vida;

b) Desempenhar com amor e probidade as funções ou tarefas que lhes forem confiados;

c) Tudo fazer ao seu alcance, visando o progresso espiritual, material e social próprio e do G.E.S.T., como um todo;

d) Manter, em dia, as mensalidades estipuladas;

e) Comparecer às sessões para comunhão de vegetal, estudos e experimentos, bem como

auxiliar nos trabalhos e iniciativas que o G.E.S.T. venha a planejar e executar;

f) Colaborar nos movimentos e nas obras assistenciais e de promoção humana de caráter coletivo, de que o G.E.S.T. participe.

Art. 9º - São direitos dos associados:

a) Participar das sessões de escala, instrutiva e comemorativa;

b) Convidar alguém que queira conhecer o trabalho do G.E.S.T.;

c) Receber auxílio no que houver condição, dentro da necessidade, seja de cunho material,

espiritual ou psicológico;

d) Receber dentro do âmbito dos trabalhos, ensinos e explanações de cunho Místico-

Esotérico-Filosófico, bem como dentro da linha do Mestre no destacamento Gabriel;

e) Sendo este conselheiro, votar e ser votado para cargos eletivos da Diretoria Executiva e

Conselheiro Fiscal;

f) Recorrer a Diretoria Executiva, nos assuntos que se refiram a qualquer violação

estatutária, por qualquer membro, que confronte com os objetivos elencados neste estatuto.

Art. 10 - O associado cuja conduta moral, associativa, se comprove não ser conveniente aos objetivos do G.E.S.T. poderá ser afastado de seu quadro social, por tempo indeterminado, após aprovação por maioria absoluta dos membros do Conselho Administrativo e do Conselho Oriental.

Página 3 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO CAPÍTULO III DO CONSELHO ESPIRITUAL. Art. 11 - O Conselho

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO CAPÍTULO III DO CONSELHO ESPIRITUAL. Art. 11 - O Conselho Espiritual,

CAPÍTULO III

DO CONSELHO ESPIRITUAL.

Art. 11 - O Conselho Espiritual, é formado pela trindade, que dentro do G.E.S.T. estão representados por DEUS/JESUS “sendo ambos a mesma energia, SALOMÃO e GABRIEL. Que vem nos auxiliando, ensinando, clareando e doutrinando, através da luz de Hoaska, aconselhando e nos fazendo escolher o melhor caminho em resolução a todo e qualquer assunto, seja de cunho físico, moral ou espiritual.

Art. 12 - Ao Conselho Espiritual compete:

a) Manter durante os trabalhos e as sessões, sempre que necessário a ordem dentro da

linha espiritual, energizando o ambiente para que esse esteja sempre limpo e iluminado no âmbito espiritual;

c) Doutrinar os membros, dentro de uma cosmologia espiritualista, através das mensagens,

músicas, intuições, contemplações, na força da Burracheira, pela Limpeza, pela Peia e pela Miração;

d) Auxiliar os irmãos nos trabalhos espiritualistas, seja sob a forma de intuições, canalizações e ou contemplações.

e) Manter a ética moral, doutrinária e espiritual proposta, mesmo que no decorrer de várias

gerações, para que a finalidade do G.E.S.T. não se perca no tempo ou seja sobrepujada

pela vontade dos egos;

f) Manter os membros sempre alinhados, dentro símbolo do G.E.S.T. que é LUZ, PAZ e AMOR.

CAPÍTULO IV

DO CONSELHO ORIENTAL

Art. 13 - O Conselho Oriental é formado por três (3) membros do G.E.S.T. sendo estes, dois (2) membros fundadores e um (1) conselheiro convocado, com atribuições de cunho doutrinário, é o segundo poder mais alto do G.E.S.T., aceito e acatado pela Assembleia Geral dos Associados e pela Diretoria Executiva.

Art. 14 - Ao Conselho Oriental compete:

a) Receber e examinar, os ensinos trazidos pelo Mestre no destacamento Gabriel, os

ensinos Místico-Filosófico de Salomão, bem como do Conselho Espiritual, seja pela intuição, canalização ou contemplação, afim de absorver, reorganizar e repassar da melhor forma aos associados;

b) Deliberar, sobre os assuntos de ordem doutrinária e comportamental do G.E.S.T. e de

seus associados;

Página 4 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO c) Auxiliar durante os trabalhos e as sessões, sempre que

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO c) Auxiliar durante os trabalhos e as sessões, sempre que possível

c) Auxiliar durante os trabalhos e as sessões, sempre que possível mantendo a ordem dos

associados, deliberar os assuntos de cunho doutrinário, buscando auxiliar os associados a chegarem a uma compreensão mais clara dos ensinos, das chamadas, das músicas ou das explanações apresentadas;

d) Doutrinar dentro dos fundamentos trazidos pelo Mestre no destacamento Gabriel, a

todos inclusive a si mesmo, buscando sempre aprender ao mesmo tempo que ensinar;

e) Auxiliar os associados, nos atendimentos espiritualistas, bem como em qualquer

trabalho que seja direta ou indiretamente dentro do âmbito do G.E.S.T.;

f) Manter a ética moral, doutrinária e espiritual proposta, mesmo que no decorrer de várias

gerações, para que a finalidade do G.E.S.T. não se perca no tempo ou seja sobrepujada

pela vontade dos egos,

g) Manter os membros sempre alinhados, dentro símbolo do G.E.S.T. que é LUZ, PAZ e

AMOR.

CAPÍTULO V

DA DIRETORIA EXECUTIVA.

Art. 15 - A Diretoria Executiva eleita em Assembleia Geral, tem por fim prover a administração do G.E.S.T., com poderes amplos para dar cumprimento às disposições estatutárias e regimentais.

CAPÍTULO VI

Art. 16 - A Diretoria Executiva compõe-se de:

- Presidente:

- Vice-Presidente;

- Secretário;

- Tesoureiro;

Art. 17 - Ao Presidente compete:

a) Representar a entidade judicial ou extrajudicialmente, ativa ou passivamente, podendo

delegar poderes ou constituir procuradores, quando necessário;

b) Cumprir e fazer cumprir as disposições estatutárias e regimentais;

c) Presidir as reuniões da Diretoria Executiva;

d) Prover, diretamente, ou por seus auxiliares, os serviços administrativos;

e) Firmar contratos e compromissos, receber e dar quitação, firmar outros atos de caráter

econômico ou financeiro, ordenar o pagamento das despesas ordinárias;

Página 5 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO f) Apresentar em Assembleia Geral, relatório escrito circunstanciado e exposição

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO f) Apresentar em Assembleia Geral, relatório escrito circunstanciado e exposição

f) Apresentar em Assembleia Geral, relatório escrito circunstanciado e exposição dos fatos principais ocorridos durante o exercício financeiro;

g) Inventariar os bens do G.E.S.T.;

i) Propor em Assembleia Geral a criação de Departamentos e serviços.

Art. 18 - Ao Vice-Presidente, compete substituir o Presidente nos seus impedimentos e coadjuvá-lo na administração do G.E.S.T.

Art. 19 - Ao Secretário compete:

a) Organizar e dirigir os trabalhos relativos à Secretaria;

b) Ter sob sua guarda e responsabilidade o arquivo, livros e todo o material pertencente à

Secretaria;

c) Receber e expedir a correspondência, dando-lhe o competente destino;

d) Fazer e assinar, por delegação do Presidente, os editais, avisos de convocação e outros;

e) Secretariar as sessões da Assembléia Geral e da Diretoria Executiva, lavrando as respectivas atas;

f) Substituir o Presidente nos impedimentos do Vice-Presidente e a este nos seus impedimentos.

Art. 20 - Ao Tesoureiro, compete:

a) Manter em ordem os livros, documentos e material da Tesouraria;

b) Assinar, com o Presidente, todos os documentos que representem valor, especialmente

depósitos e retiradas em estabelecimentos bancários ou congêneres;

c) Efetuar, mediante comprovante, os pagamentos autorizados;

d) Organizar o balanço geral do ano social, a fim de ser apresentado anexo ao relatório da

Diretoria Executiva ao Conselheiro Fiscal e na Assembleia Geral;

Art. 21 - Aos Diretores de Departamento, compete:

a) Elaborar as programações do seu respectivo Departamento, submetendo-as à aprovação da Diretoria Executiva;

b) Supervisionar a execução das programações;

c) Assessorar o Presidente nos assuntos da área do seu Departamento;

d) Substituir, quando designado pelo Presidente, o Secretário, ou a Diretoria de qualquer

outro departamento.

Página 6 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO DO CONSELHEIRO FISCAL. Art. 22 - O Conselheiro Fiscal será

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO DO CONSELHEIRO FISCAL. Art. 22 - O Conselheiro Fiscal será eleito

DO CONSELHEIRO FISCAL.

Art. 22 - O Conselheiro Fiscal será eleito pelos Associados, na mesma sessão de eleição da Diretoria Executiva do G.E.S.T.

§ 1.º O mandato do Conselheiro Fiscal se inicia junto com o Mandato da Diretoria Executiva.

Art. 23 - Ao Conselheiro Fiscal compete:

I - Examinar, quando julgar conveniente, as contas, livros, registros e documentos contábeis do G.E.S.T.

II - Examinar e dar parecer sobre balancetes e balanço patrimonial anual;

III - Comunicar, por escrito, a Diretoria Executiva, as eventuais irregularidades contábeis de

que tenha conhecimento;

IV - Propor à Diretoria Executiva a inclusão de assuntos na pauta das reuniões ordinárias;

V - Solicitar à Diretoria Executiva as informações que julgar convenientes para o desempenho de suas funções.

Art. 24 - O Conselheiro Fiscal examinará os livros caixa, ordinariamente, na primeira quinzena do mês de dezembro, e extraordinariamente, sempre que for convocado pela Diretoria Executiva.

CAPÍTULO VII

DAS ELEIÇÕES, DA ASSEMBLÉIA GERAL, DO MANDATO E DAS REUNIÕES.

Art. 25 - Na Assembleia Geral de Associados, convocada para a eleição da Diretoria Executiva e do Conselheiro Fiscal, somente terão direito a voto os associados Discípulos, maiores de idade nos termos da legislação civil, que estejam quites com seus deveres sociais.

Art. 26 - Para ser votado na Assembléia Geral, para membro da Diretoria Executiva, é necessário que o sócio administrativo tenha, no mínimo, um anos de efetiva participação nas atividades do Grupo que esteja no grau de Conselheiro e esteja com situação regular perante a Tesouraria.

Art. 27 - Os membros do Conselho Oriental permanecerão os mesmos, até que seja passado o cargo, por óbito, desistência, saída ou afastamento do grupo, mediante Assembleia Geral.

Art. 28 - Os membros da Diretoria Executiva e o Conselheiro Fiscal serão eleitos pela Assembleia Geral, convocada para este fim.

Parágrafo único - Não existem regras para a reeleição consecutiva para o mesmo cargo.

Página 7 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 29 - A convocação da Assembléia Geral deverá ser

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 29 - A convocação da Assembléia Geral deverá ser feita,

Art. 29 - A convocação da Assembléia Geral deverá ser feita, no mínimo, com quinze dias de antecedência, de forma documentada, fazendo constar nesta a ordem do dia.

Art. 30 - A Diretoria Executiva reunir-se-á trimestralmente com o Conselheiro Fiscal e o Conselho Oriental, ordinariamente e extraordinariamente, sempre que, convocada pelo Presidente, pelo Conselheiro Fiscal ou pelo Conselho Oriental.

CAPÍTULO VIII

DO PATRIMÔNIO.

Art. 31 - O Patrimônio do G.E.S.T. se constitui de bens e valores legalmente arrecadados ou adquiridos.

Parágrafo único - O patrimônio de que trata este artigo, exclui bens de propriedade dos associados cedidos, a qualquer título, para uso do G.E.S.T.

Art. 32 - O patrimônio pertencente ao G.E.S.T. poderá ser onerado ou alienado, somente em caso de comprovada necessidade para atender os fins do G.E.S.T. e desde que aprovado, no mínimo, por dois terços dos membros da Diretoria Executiva e do Conselho Oriental.

Parágrafo único: A cessão de dependências do G.E.S.T. para uso de moradia com finalidade de guarda do patrimônio, somente será permitida através de contrato de comodato e com prévia autorização da Diretoria Executiva e do Conselho Espiritual.

Art. 33 - Em caso de dissolução ou extinção do G.E.S.T., o seu eventual patrimônio será incorporado a outra entidade espiritualista da mesma cidade ou região e que esteja registrada no Conselho Nacional de Assistência Social C.N.A.S.

CAPÍTULO IX

DO LOCAL DAS SESSÕES.

Art. 34 - O G.E.S.T., realizará suas Sessões em sua sede ou em caráter extraordinário em outro local, desde que autorizado pelo Conselho Espiritual, devidamente comunicado pelo Conselho Oriental a Diretoria Executiva e essa, antecipadamente, aos demais membros.

CAPÍTULO X

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

Art. 35 - O presente Estatuto poderá ser reformado em parte ou no todo por, no mínimo, dois terços dos membros da Diretoria Executiva, com aceitação plena do Conselho Oriental, sendo inalterável a natureza espiritualista da entidade, suas finalidades e sua destinação patrimonial (art. 4º e art. 33), sob pena de nulidade absoluta.

Página 8 de 10

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 36 - O G.E.S.T.: na manutenção e desenvolvimento dos

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO

GRUPO ESPIRITUALISTA SEARA DE TEMPO Art. 36 - O G.E.S.T.: na manutenção e desenvolvimento dos objetivos

Art. 36 - O G.E.S.T.:

na

manutenção e desenvolvimento dos objetivos institucionais no território nacional e/ou internacional;

a) Aplica integralmente suas rendas, recursos e eventual

resultado operacional

b) Não remunera, nem concede vantagens ou benefícios por qualquer forma ou título, a seus diretores, conselheiros, associados, instituidores, benfeitores ou equivalentes;

c) Não distribui resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcela do seu

patrimônio, sob nenhuma forma ou pretexto.

Art. 37 - Os associados do G.E.S.T. não respondem nem mesmo subsidiariamente pelas obrigações sociais da mesma.

Art. 38 - É vedado o exercício, no recinto do G.E.S.T., de quaisquer práticas que contrariem a orientação doutrinária, principalmente ingestão de álcool, drogas ou qualquer tipo de promiscuidade, seja em caráter moral ou físico, nos âmbitos pessoal ou espiritual, bem como porte de armas de quaisquer espécies.

Art. 39 - O presente estatuto entrará em vigor a partir da data de sua aprovação.

Maceió, Alagoas 01 de novembro de 2016.

João Cláudio Rocha Lima Melo Presidente

Marcelo Rogério Medeiros Soares Advogado OAB/AL 12.297

Página 9 de 10