Você está na página 1de 1

EAGLETON, T. As iluses do ps-modernismo. Trad. Elisabeth Barbosa.

Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

A palavra ps-modernismo refere-se em geral a uma forma de cultura contempornea,


enquanto o termo ps-modernidade alude a um perodo histrico especfico. Ps-
modernidade uma linha de pensamento que questiona as noes clssicas de verdade,
razo, identidade e objetividade, a ideia de progresso ou emancipao universal, os
sistemas nicos, as grandes narrativas ou os fundamentos definitivos de explicao.
Contrariando essas normas do iluminismo, v o mundo como contingente, gratuito,
diverso, instvel, imprevisvel, um conjunto de culturas ou interpretaes desunificadas
gerando um certo grau de ceticismo em relao objetividade da verdade, da histria e
das normas, em relao s idiossincrasias e a coerncia de identidades. Essa maneira de
ver, como sustentam alguns, baseia-se em circunstncias concretas: ela emerge da
mudana histrica ocorrida no Ocidente para uma nova forma de capitalismo para o
mundo efmero e descentralizado da tecnologia, do consumismo e da indstria cultural,
no qual as indstrias de servios, finanas e informao triunfam sobre a produo
tradicional, e a poltica clssica de classes cede terreno a uma srie difusa de polticas
de identidade. Ps-modernismo um estilo de cultura que reflete um pouco essa
mudana memorvel por meio de uma arte superficial, descentrada, infundada,
autorreflexiva, divertida, caudatria, ecltica e pluralista, que obscurece as fronteiras
entre a cultura elitista e a cultura popular, bem como entre a arte e a experincia
cotidiana. O quo dominante ou disseminada se mostra essa cultura se tem
acolhimento geral ou constitui apenas um campo restrito da vida contempornea
objeto de controvrsia. (EAGLETON, T. As iluses do ps-modernismo. Trad.
Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998, p. 7)

Ento, um pouco tarde demais, esbarramos com um sujeito ps-moderno, cuja


liberdade consiste num tipo de arremedo do fato de que j no existem mais alicerces
alguns, que portanto est livre para transitar, seja com preocupao ou xtase, por um
universo por si s arbitrrio, contingente, aleatrio. O mundo, por assim dizer,
fundamenta esse sujeito na sua prpria ausncia de fundamento, permite sua liberdade
de ao pela sua prpria natureza gratuita. A liberdade desse sujeito no decorre de sua
indeterminao, mas precisamente porque ele se define por um processo de
indeterminao. Fica assim resolvido o dilema de liberdade e fundamento custa,
porm, do risco de eliminar o prprio sujeito livre. (EAGLETON, T. As iluses do ps-
modernismo. Trad. Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998, p. 49)

Você também pode gostar