Você está na página 1de 1174

Doc01. Álgebra Linear, Cálculo Vetorial e Matricial.pdf Doc02. Cálculo Diferencial e Integral.pdf Doc03. Circuitos Elétricos.pdf Doc04. Bombas, Compressores e Turbinas.pdf Doc05. Máquinas Elétricas e Acionamentos.pdf Doc06. Sistemas de Controle.pdf Doc07. Sistemas de Potência l.pdf Doc08. Sistemas de Potência II.pdf Doc09. Teoria Eletromagnética.pdf Doc10. Eletrônica Analógica.pdf Doc11. Eletrônica Digital.pdf Doc12. Mecânica dos Fluidos.pdf Doc13. Termodinâmica.pdf Doc14. Probabilidade e Estatística.pdf

PETROBRAS

ENGENHEIRO(A) DE PETRÓLEO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - ELÉTRICA

ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: ELÉTRICA PROMINP - NÍVEL SUPERIOR - MATEMÁTICA V

Álgebra Linear,

Cálculo Vetorial e Matricial

Questões Resolvidas

QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DAS BANCAS CESGRANRIO E CESPE

Questões Resolvidas Q UESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DAS BANCAS CESGRANRIO E CESPE Produzido por Exatas Concursos

Produzido por Exatas Concursos

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

398.126.848-24

Introdução

Recomendamos que o candidato primeiro estude a teoria referente a este assunto, e só depois

utilize esta apostila. Recomendamos também que o candidato primeiro tente resolver cada questão,

sem olhar a resolução, e só depois observe como nós a resolvemos. Deste modo acreditamos que este

material será de muito bom proveito.

Não será dado nenhum tipo de assistência pós-venda para compradores deste material, ou

seja, qualquer dúvida referente às resoluções deve ser sanada por iniciativa própria do comprador, seja

consultando docentes da área ou a bibliografia. Apenas serão considerados casos em que o leitor

encontrar algum erro (conceitual ou de digitação) e desejar informar ao autor tal erro a fim de ser

corrigido.

As resoluções aqui apresentadas foram elaboradas pela Exatas Concursos, única responsável

pelo conteúdo deste material. Todos nossos autores foram aprovados, dentre os primeiros lugares, em

concursos públicos relativos ao material elaborado. A organização, edição e revisão desta apostila é

responsabilidade de nossa equipe. A Exatas Concursos e todos seus autores não possuem nenhum

tipo de vínculo com a empresa CESGRANRIO, CESPE ou qualquer outra banca examinadora.

398.126.848-24

Este material é de uso exclusivo do(a) comprador(a). Sendo vedada, por quaisquer meios e a

qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsa-

bilização civil e criminal.

Faça um bom uso do material, e que ele possa ser muito útil na conquista da sua vaga.

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

398.126.848-24

Índice de Questões

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2014/2

Q21 (pág. 1), Q22 (pág. 3), Q23 (pág. 5), Q42 (pág. 6).

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2012/1

Q21 (pág. 7), Q22 (pág. 9), Q23 (pág. 10), Q27 (pág. 11), Q54 (pág. 12).

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2011/1

Q37 (pág. 13), Q38 (pág. 14), Q39 (pág. 15), Q40 (pág. 16), Q49 (pág. 17).

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2010/2

Q21 (pág. 18), Q22 (pág. 19), Q23 (pág. 22), Q26 (pág. 20), Q46 (pág. 23).

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2010/1

Q2 (pág. 21), Q3 (pág. 24), Q4 (pág. 25), Q32 (pág. 27), Q33 (pág. 28),

Q52 (pág. 30), Q61 (pág. 31), Q62 (pág. 32), Q63 (pág. 33).

398.126.848-24

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cesgranrio - Petrobras 2008

Q32 (pág. 34), Q39 (pág. 35), Q41 (pág. 36), Q42 (pág. 37).

Prova: Engenheiro(a) de Petróleo Júnior - Cespe - Petrobras 2008

Q58 (pág. 38), Q61 (pág. 39), Q62 (pág. 40), Q66 (pág. 41), Q68 (pág. 42),

Q73 (pág. 44).

Prova: Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior - Elétrica - Petrobras 2014/2

Q59 (pág. 45), Q60 (pág. 46).

Prova: Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior - Elétrica - Petrobras 2012/1

Q69 (pág. 47), Q70 (pág. 49).

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

Prova: Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior - Elétrica - Petrobras 2011

Q44 (pág. 50), Q48 (pág. 51).

Prova: Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior - Elétrica - Petrobras 2010/2

Q64 (pág. 19), Q65 (pág. 22). *(Questões comuns às provas de Petróleo e Elétrica)

398.126.848-24

Prova: Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior - Elétrica - Petrobras 2010/1

Q8 (pág. 52), Q9 (pág. 54), Q10 (pág. 53).

Prova: Engenheiro(a) Júnior - Área: Elétrica - Transpetro 2011

Q56 (pág. 55), Q57 (pág. 57), Q58 (pág. 59), Q59 (pág. 60), Q61 (pág. 62),

Q69 (pág. 63), Q70 (pág. 64).

Prova: Engenheiro(a) Júnior - Área: Elétrica - Transpetro 2008

Q14 (pág. 65), Q18 (pág. 66).

Prova: Engenheiro(a) de Manutenção Pleno - Elétrica - PetroquímicaSuape 2011/1

Q20 (pág. 61), Q22 (pág. 68).

Prova: Engenheiro(a) Júnior - Área: Elétrica - Transpetro 2012

Q46 (pág. 69).

Prova: Grupo G - Matemática V - PROMINP 2012

Q13 (pág. 70), Q16 (pág. 71).

Prova: Grupo F - Matemática V - PROMINP 2010

Q11 (pág. 72), Q13 (pág. 73), Q16 (pág. 74), Q17 (pág. 75).

Prova: Grupo F - Matemática V - PROMINP 2009

Q13 (pág. 76), Q15 (pág. 79), Q17 (pág. 77), Q20 (pág. 78).

398.126.848-24

Número total de questões resolvidas nesta apostila: 69

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

398.126.848-24

Álgebra Linear, Cálculo Vetorial e Matricial

Questão 1
Questão 1

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2014/2)

Sejam e duas bases do R

de base, de para , é dada por

2 tais que a matriz mudança

 

5

6

3

4

 

.

A matriz mudança de base, de para , é dada por

(A)

(B)

(C)

 

 

 

5

3

4

6

5

3

6

4

 

3

5

6

4

 

 

(D)

(E)

 

 


 

3

3

2

5

2

2

2

3

3

2

5

2

398.126.848-24

Resolução:

Sendo M igual a matriz mudança de base, vale a seguinte equação:

= β

A matriz mudança no sentido contrário pode ser obtida através de:

M

1

=

M

1 β

α

= M

1 β

Para encontrar a inversa de uma matriz, o candidato pode optar pela ma-

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

2

398.126.848-24

neira complicada, através da seguinte propriedade: AA −1 = I 4 a d = 5
neira complicada, através da seguinte propriedade:
AA −1 = I
4 a
d =
5
3
b
1
0
6
c
0
1
 6a + 4c
5a + 3c
= 1
= 0
 6b + 4d
5b + 3d
= 0
= 1
3
5
Resolvendo estes sistemas, descobrirá que a = 2, b = -
, c = -3, d =
2
2
Desejando ganhar tempo na prova, lembre-se dessa regra prática para en-
contrar a inversa de uma matriz de ordem 2 (trocar de posição os elementos da
diagonal principal e trocar o sinal dos elementos da diagonal secundária, dividir
todos os elementos pelo determinante):
11
12
A =
a a
a a
21
22
1
a
22 −a
12
A −1
=
det(A)
−a
21 a
11
Sendo assim:
5 3
det(A) =
6 4
det(A) = 5 × 4 − (3 × 6)
det(A) = 2
1
4
−3
A −1
=
det(A)
−6
5
2
− 3
2
A −1 =
5
−3
2
✝ Alternativa (E)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

3

Questão 2
Questão 2

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2014/2)

Considere a transformação linear T : R 3 R 3 definida pela

398.126.848-24

matriz

A

4

216

18

2

16

da transformação T.

 

. O número real 2 é um autovalor

Uma base do autoespaço associado a tal autovalor é

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

{(1,0,0);(0,1,0);(0,0,1)}

{(2,1,0);(3,1,0)}

{(1,2,0);(3,0,1)}

1

2

,1,0

{(3,0,1)]

Resolução: Para um autovetor V = (x, y, z) e um autovalor λ de uma
Resolução:
Para um autovetor V = (x, y, z) e um autovalor λ de uma transformação linear
qualquer, vale a seguinte equação:
AV = λV
Com os dados da questão, portanto:
−1
 
 
4
6
x
x
 
1
 
 
 
y
2
6
y
= 2
−1
 
 
2
8
z
z
  4x − y + 6z
= 2x
2x + y + 6z
= 2y
2x − y + 8z
= 2z
Olhando bem pro sistema que se apresenta, o candidato percebe que este
pode ser resumido em uma única equação:
2x − y + 6z = 0
Expressando da maneira a seguir, vemos que restam apenas duas variáveis
livres na solução. Isso implica que dois vetores formam a base do subespaço, um

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

4

398.126.848-24

terceiro já seria LD.

x = y 6z

2

O vetor V pode ser expresso como:

2

Para encontrar os vetores LI da base, os valores 0 e 1 serão aplicados as

variáveis y e z alternadamente:

V 1

V 2

= (

1

1

2

0

6 × 0

2

, 1, 0)

6 × 1

2

= (3, 0, 1)

Multiplicar por 2 o vetor V

1 é uma outra maneira de expressar a mesma base

do subespaço e leva a encontrar a alternativa correta.

Alternativa (C)

V

= ( y 6z

, y, z)

V 1

= (

, 1, 0)

V 2

= (

, 0, 1)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

5

398.126.848-24

Questão 3
Questão 3

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2014/2)

Considere V um espaço vetorial e v  ,v ,v ,

elemen-

tos de V. Considere U o subespaço de V gerado por tais

n elementos. Dizer que o conjunto

pendente é o mesmo que dizer que a dimensão do es-

paço

,v

é linearmente de-

,v

n

123

,v

n

 

v ,v

123

,

(A)

U é igual a n.

(B)

U é menor do que n.

(C)

U é menor do que a dimensão do espaço V.

(D)

V é menor do que a dimensão do espaço U.

(E)

V é a dimensão do espaço U adicionada a n.

Resolução:

O conjunto do espaço vetorial V que foi apresentado possui n elementos e é

LD. A base de um subespaço é composta por vetores LI. Sendo assim, nem todos

os vetores do conjunto compõem a base do subespaço gerado U. A dimensão de

U fica limitada a ser menor que n.

A dimensão do espaço V é desconhecida porque o conjunto de vetores apre-

sentado não necessariamente contém uma base do espaço V e, portanto, não se

pode comparar a dimensão do espaço U com a dimensão do espaço V.

Alternativa (B)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

6

398.126.848-24

Questão 4
Questão 4

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2014/2)

Considere os vetores u (1, 2,3) e v (1,1,3) . Um vetor

e

w do R 3 é simultaneamente normal aos vetores u e v

possui componente z igual a 1.

 é A soma das duas outras componentes do vetor w

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

9

3

0

3

9

Resolução:

A característica de ser simultaneamente normal aos vetores u e v é indício

de que o vetor w é fruto do produto vetorial dos dois vetores anteriores. O produto

vetorial pode ser calculado através da maneira apresentada a seguir:

u × v =

u × v =

 

i

j

k

u

1 u

2

u v

3

3

v

1 v

2

k

3

i

1

j

2

1

1

3

u ×

u × v = (6 3) i + (3 3) j + (1 + 2) k

u × v = 9 i + 0 j + 3 k

v = 6 i + 3 j + k (3 i + 3 j 2 k)

Como a questão afirma que a componente z é igual a 1, é necessário multi-

plicar o produto vetorial por um escalar (α =

1

3

)

 

1

3

α( u × v) =

(9 i + 0 j + 3 k)

α( u × v) = 3 i + 1 k

Ao multiplicar um vetor qualquer por um escalar, a direção do novo vetor é a

mesma. Neste caso, ele continua sendo simultaneamente normal aos vetores u e

v. Como uma das outras componentes é nula, a resposta da questão é o valor da

componente x, ou seja: 3.

Alternativa (B)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

7

398.126.848-24

Questão 5
Questão 5

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1)

Os vetores o vetor nulo. , e são tais que é Se denota o produto
Os vetores
o vetor nulo.
,
e
são tais que
é
Se
denota
o
produto
escalar
entre
os
veto-
res
x
e
y,
e
=
=
1
e
=
,
o
valor de
+
+
é igual a
(A)
− 4
(B)
− 2
(C)
0
(D)
2
(E)
4

Resolução:

Primeiramente lembremos algumas propriedades:

u, v = v, u

u, u = | u|| u|cos(0) = | u|

u + v = w,

w,

u + w,

v

2

Agora, partindo da equação dada:

u + v + w = 0

(1)

Se fizermos o produto escalar da equação 1 com u temos:

u, u + u, v + u, w = 0

2 + u, v + u, w = 0

| u|

u, v + u, w = −| u|

u, v + u, w = 1

2

(2)

Similarmente, se fizermos o produto escalar da equação 1 com v temos:

v, u + v, v + v, w = 0

v, u + | v| 2 + v, w = 0

v, u + v, w = −| v| 2

v, u + v, w = 1

(3)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

8

398.126.848-24

E novamente, se fizermos o produto escalar da equação 1 com w temos:

u + w,

w,

v + w,

w = 0

w, u + w, v + |w | 2 = 0

u + w,

w,

v = −|w | 2

u + w,

w,

v = 2

(4)

Como v, u = u, v , w,

u = u, w e w,

v = v, w , com as equações 8, 9

e 10 podemos montar o seguinte sistema de equações:

   u, v + u, w = 1

u, v + v, w = 1

   u, w + v, w = 2

(5)

Cuja solução nos fornece: u, v = 0, u, w = 1 e v, w = 1. Portanto:

u, v + u, w + v, w = 0 1 1 = 2

Alternativa (B)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

9

398.126.848-24

Questão 6398.126 398.126.848-24 ÁLGEBRA LINEAR 9 398.126.848-24 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1) Se

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1)

Se os vetores v 1 e v 2 formam uma base para um espaço

vetorial, qualquer vetor v, desse espaço, pode ser escri- to como uma combinação linear dos vetores da base, ou seja, pode-se escrever , onde os números

da base, ou seja, pode-se escrever , onde os números reais α e β são chamados
reais α e β são chamados de coordenadas de na base formada por v 1
reais α e β são chamados de coordenadas de
na base
formada por v 1 e v 2 .
1
Na figura a seguir, o vetor
v está representado na base
2
formada pelos vetores
v 1 v
e
.
2

Qual a soma das coordenadas, na base considerada, do

vetor ? (A) − 10 (D)
vetor ?
(A) − 10
(D)

(B)

(E)

5

1

(C)

do vetor ? (A) − 10 (D) (B) (E) − 5 1 (C) Resolução: 2 1

Resolução:

2 1 v encontra a seta do vetor 2 v 1 ,

ou seja, a operação mostrada na figura então é uma subtração de vetores, dada

por:

Como podemos perceber, a seta do vetor

1

2

Agora, multiplicando ambos os lados por 2 temos:

4 v

1

6 v

2

= v

Ou seja, as coordenadas referentes a

v

1

e

v

2

que determinam v são iguais a

α = 4 e β = 6. Logo a soma dessas coordenadas será:

α + β = 4 6 = 10

Alternativa (A)

2 v

1

3 v

2

=

v

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

10

398.126.848-24

Questão 7
Questão 7

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1)

Na figura a seguir,

é um vetor normal ao plano α.

e
e

são vetores de um plano α, e

normal ao plano α . e são vetores de um plano α , e Qual operação,
Qual operação, entre os vetores , o vetor pode
Qual operação, entre os vetores
, o vetor
pode

representar?

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

O produto interno entre

O produto interno entre

O produto misto entre

O produto vetorial entre

O produto vetorial entre

. e ( ) e . ( )
.
e
(
)
e
.
(
)
e e ( x ) e ( x )
e
e
(
x
)
e
(
x
)

Resolução:

Sabemos que um vetor w , perpendicular a u e v, pode ser obtido através

do produto vetorial destes dois últimos. O sentido do vetor w é obtido pela regra

da mão direita, onde você posiciona a palma da mão no primeiro vetor e então

flexiona os dedos (exceto polegar) no sentido que faria o primeiro vetor se alinhar

ao segundo. Ao fazer isso, o polegar indicará o sentido do vetor resultante (onde a

ponta do polegar corresponde à ponta vetor resultante).

Ao utilizarmos tal regra prática, vemos que a figura representa v × u = w .

Alternativa (E)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

11

398.126.848-24

Questão 8
Questão 8

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1)

O vetor = (1,2,3) é perpendicular a um plano α que contém o ponto P(3,2,1). Os pontos do plano são da forma (x, y, z) R 3 , onde os números x, y e z satisfazem a relação

(A) (B) (C) x + 2y − 3z = 0
(A)
(B)
(C)
x + 2y − 3z = 0

(D)

(E)

3(x 1) + 2(y 2) (z + 3) = 0

(x 3) + 2(y 2) 3(z + 1) = 0

Resolução:

A equação do plano surge a partir do produto escalar entre um vetor perten-

cente ao plano e um vetor normal ao plano.

Conhecendo um ponto P do plano e tomando um ponto qualquer P 0 =

(x, y, z), surge um vetor V contido no plano. O produto escalar deste vetor com

o vetor normal deve ser nulo, pois os vetores são ortogonais entre si.

Montando

P 0

P , o vetor V é, portanto, igual a (x 3, y 2, z + 1).

Realizando o produto escalar:

= 0

(1, 2, 3)(x 3, y 2, z + 1) = 0

(x 3) + 2(y 2) 3(z + 1) = 0

n · V

A equação acima responde a questão, porém pode ser rearranjada para a

representação mais comum da equação geral do plano:

(x 3) + 2(y 2) 3(z + 1) = 0

= 0

x 3 + 2y 4 3z 3

x + 2y 3z = 10

Qualquer ponto (x, y, z) que zerar esta equação está dentro do plano α.

Alternativa (E)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

12

Questão 9
Questão 9

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2012/1)

Considerando os vetores u e v unitários, tais que o produ- to interno u . v = 1, a soma u + v será um vetor

398.126.848-24

(A)

unitário

(B)

de módulo 2

(C)

nulo

(D)

paralelo a u

(E)

igual à diferença u v

Resolução:

O produto interno entre dois vetores u e v é definido como:

u · v = |u||v|cos(θ)

onde θ é o ângulo entre estes dois vetores.

Do enunciado sabemos que |u| = |v| = 1 (vetores unitários), e também que u · v = 1, logo:

u · v = 1

|u||v|cos(θ) = 1

= 1

1 × 1 × cos(θ)

θ = n × 180

Ou seja, como θ é um múltiplo inteiro de 180 sabemos que os dois vetores têm a mesma direção e sentidos opostos. Como estes dois vetores apresentam o mesmo módulo e são colineares, a soma resultará em zero.

Alternativa (C)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

13

Questão 10
Questão 10

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1)

Se u = (1, 2), v = (– 2, 5) e w = (x, y) são vetores de IR 2 , então, para que w = 3u v, x + y deve ser igual a

 

(A)

2

398.126.848-24

(B)

6

(C)

0

(D)

12

(E)

18

Resolução:

Para encontrarmos o valor de w, basta substituirmos os vetores u e v na expressão dada:

w

=

3u v

(x, y) = 3(1, 2) (2, 5)

=

(x, y) = (5, 1)

(x, y)

(3 + 2, 6 5)

Portanto x + y = 5 + 1 = 6.

Alternativa (B)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

14

398.126.848-24

Questão 11
Questão 11

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1)

Se um conjunto de vetores é base de um espaço vetorial, então qualquer vetor desse espaço pode ser obtido atra- vés de combinações lineares dos vetores do conjunto. Qual dos conjuntos a seguir é uma base para o espaço vetorial IR 2 ?

(A)

{(1,2)}

(B)

{(1,1),(3,3)}

(C)

{(0,0), (3,4)}

(D)

{(3,1), (8,3)}

(E)

{(1,2), (3,5), (1,0)}

Resolução:

Para um conjunto de vetores ser base de um espaço vetorial V , este con- junto deve conter apenas vetores Linearmente Independentes, e ser capaz de ge- rar V . Ou seja, para um conjunto de vetores ser base de 2 , este conjunto deve conter dois, e apenas dois, vetores LI. Agora julguemos as alternativas:

A) Apenas um vetor não pode gerar 2 , logo esta alternativa é falsa.

B) Estes dois vetores são LD ((3, 3) = 3(1, 1)), logo não podem ser uma base de

2 . Alternativa

falsa.

C) Uma base não pode conter o vetor (0, 0), pois este vetor é sempre LD. Alterna- tiva falsa.

D) Como este conjunto contém dois vetores LI, logo é uma base de 2 . Alternativa verdadeira.

E) Uma base para 2 deve conter apenas dois vetores, pois o terceiro necessari- amente será LD. Alternativa falsa.

Alternativa (D)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

15

398.126.848-24

Questão 12
Questão 12

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1)

12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3
12 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) Figura 1 Figura 2 Figura 3

Figura 1

Figura 2

Figura 3

Todos os vetores da ilustração acima têm o mesmo módu- lo. Se E 1 , E 2 e E 3 são os produtos escalares dos vetores das Figuras 1, 2 e 3, respectivamente, então

(A)

E 1 = E 2 = E 3

(B)

E 1 < E 3 e E 2 = 0

(C)

E 1 < E 2 e E 3 = 0

(D)

E 1 < E 2 < E 3

(E)

E 3 < E 2 < E 1

Resolução:

Sabemos que o produto escalar entre dois vetores u e v é dado por:

u · u = |u||v|cos(θ)

onde θ é o menor ângulo entre os dois vetores.

Como nas três figuras os vetores u e v têm o mesmo módulo, os produ- tos escalares se diferirão apenas pelo termo cos(θ). Portanto, analisemos os três casos:

Figura 1 -

Nesta figura vemos que θ é um ângulo agudo, logo cos(θ) > 0 e conse- quentemente E 1 > 0.

Figura 2 - Nesta figura vemos que θ é um ângulo reto, logo cos(θ) = 0 e conse- quentemente E 2 = 0.

Figura 3 - Nesta figura vemos que θ é igual a 180 , logo cos(θ) = 1 e conse- quentemente E 3 < 0.

Com isso concluímos então que E 3 < E 2 < E 1 .

Alternativa (E)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

16

398.126.848-24

Questão 13
Questão 13

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1)

13 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) A área do quadrilátero da figura
13 (Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1) A área do quadrilátero da figura

A área do quadrilátero da figura acima (região sombrea- da) pode ser obtida através do módulo da expressão

(A) (B)
(A)
(B)

(C)

ser obtida através do módulo da expressão (A) (B) (C) (D) (E) Resolução: Sabemos que a

(D)

(E)

através do módulo da expressão (A) (B) (C) (D) (E) Resolução: Sabemos que a área A
através do módulo da expressão (A) (B) (C) (D) (E) Resolução: Sabemos que a área A

Resolução:

Sabemos que a área A do paralelogramo determinado por dois vetores u

e v é numericamente igual ao módulo do produto vetorial destes dois vetores, ou

seja:

A = |u × v|

Da figura apresentada podemos identificar dois vetores u = (a, b) e v =

(c, d), portanto a área em questão pode ser calculada como segue:

A = |u × v|

A = |(a, b) × (c, d)|

A =

det a

c

d b

Alternativa (A)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

17

398.126.848-24

Questão 14
Questão 14

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2011/1)

Sabendo que (A) −2 (B) 1 (C) 2 (D) 3 (E) 5
Sabendo
que
(A) −2
(B)
1
(C)
2
(D)
3
(E)
5
Sabendo que (A) −2 (B) 1 (C) 2 (D) 3 (E) 5 , e que ,
, e que
,
e
que

, qual é o valor de x?

Resolução:

Lembrando uma propriedade dos determinantes: Se a matriz B é igual a A,

salvo uma troca de posição entre duas linhas, então temos det(B) = det(A).

Para calcularmos o determinante da matriz de ordem 4 apresentada utiliza-

remos o método dos cofatores, e o elemento x como “pivô”. Logo:

det(A 4×4 ) = a˜ 11 + a˜ 21 + a˜ 31 + a˜ 41

det(A 4×4 )

=

7

=

7

=

1 × (1) 1+1 × det( A 11 ) + 0 + x × (1) 3+1 × det( A 31 ) + 0

˜

˜

c

f

i

1 × 1 ×

a d g

1 × (3) + x × (2)

h

e

b

+ 0 + x × 1 ×

m a

g

n

h

b

p c

i

+ 0

2x = 10

x = 5

Observe que as duas matrizes de ordem 3 que apareceram no nosso cálculo

são iguais às duas matrizes apresentadas no enunciado, salvo uma troca de linhas.

Por isso os determinantes utilizados no nosso cálculo tiveram o sinal invertido.

Alternativa (E)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

18

398.126.848-24

Questão 15
Questão 15

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2010/2)

Considere a equação matricial AX = B. Se A =

2010/2) Considere a equação matricial AX = B. Se A = e B = , então

e B =

2010/2) Considere a equação matricial AX = B. Se A = e B = , então

, então a matriz X é

(A)

(A) (B)

(B)

(A) (B)

(C)

(C) (D)

(D)

(C) (D)

(E)

(E)
Resolução: Podemos desenvolver a equação dada como segue: AX = B −1 (A −1 )AX
Resolução:
Podemos desenvolver a equação dada como segue:
AX = B
−1
(A −1
)AX = (A
)B
−1
X = A
B
−1
Como A é de ordem 2, fica fácil encontrarmos sua inversa A
. Primeira-
mente encontramos o determinante de A:
det(A) = 1 × (−1) − (−1 × 2) = 1
Agora trocamos os elementos da diagonal principal de A, invertemos o sinal
da diagonal secundária, e dividimos cada elemento pelo valor do determinante,
resultando em:
−1
−2
A −1
=
1
1
Agora então podemos encontrar X:
−1
X = A
B
3
= −1
−2
−2
X
1
1
1
4
−6
X = −5
4
2
✝ Alternativa (B)

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

19

Questão 16
Questão 16

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2010/2)

Com relação ao sistema de variáveis reais x e y,

2010/2) Com relação ao sistema de variáveis reais x e y, , no qual m e

, no qual m e n são números reais, tem-se que

398.126.848-24

(A)

se m = –1 e n = –3, qualquer par ordenado (x,y), x e y reais, é solução.

(B)

não tem solução se m = –1 e n

(B) não tem solução se m = –1 e n –3.

–3.

(C)

tem sempre solução quaisquer que sejam m e n reais.

(D)

tem duas soluções se m

(D) tem duas soluções se m –1.

–1.

(E)

(1,1) é solução se m = n.

Resolução:

Analisemos as alternativas:

A) Se m = 1 e n = 3 as duas equações do sistema se tornam Linermente De-

pendentes, logo podemos eliminar uma das equações e chegar ao resultado:

y = x + 3. Logo os pares ordenados que satisfazem tal sistema são da forma

(x, x + 3), e não qualquer par ordenado (x, y) como afirma a alternativa.

B) Quando m = 1, nosso sistema fica:

x + y = 3

x y = n

Ao somarmos as duas equações chegamos a 0 + 0 = 3 + n, resultando em

n = 3.

alternativa.

= 3 o sistema não tem solução, como afirma a

Ou seja, se n

C) A alternativa (B) mostra um caso no qual não é qualquer n que faz o sistema

ter solução, logo esta alternativa é falsa.

3 + n

m + 1

n, logo esta alternativa é falsa.

3 + n

m + 1

E) Substituindo (1, 1) no resultado da alternativa anterior vemos que as igualda-

des não se verificam, mesmo com m = n, logo esta alternativa é falsa.

Alternativa (B)

D) Se m

= 1 o sistema apresenta solução única, dada por x =

e y =

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

20

398.126.848-24

Questão 17
Questão 17

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2010/2)

Considere a transformação linear T: de T, e reais e , tem-se que (A) (C)
Considere a transformação linear T:
de T,
e
reais e
, tem-se que
(A)
(C)
(E)

tal que T(1, 0) = (–1, 1) e T(0, 1) = (3, 2). Sendo

(B)

(D)

que T(1, 0) = (–1, 1) e T(0, 1) = (3, 2). Sendo (B) (D) e
e
e

os autovalores

Resolução:

No enunciado percebemos que é informado T (1, 0) e T (0, 1), ou seja, a

transformação da base canônica de . Logo podemos montar diretamente nossa

matriz T , onde a primeira linha é igual a T (1, 0) e a segunda linha é igual a T (0, 1),

como segue:

2

T =

 

1

3

1

2

Para encontrarmos os autovalores de T resolvemos det(T λI) = 0, como

segue:

det

det

det(T λI) = 0

1

1

1 0

3

2

0 1

λ

=

0

(1 λ)

1

=

0

3 (2 λ)

 

(1 λ)(2 λ) 3 × 1 = 0

2 λ 5 = 0

λ

Da equação de segundo grau acima tiramos diretamente que λ

1 + λ 2

e λ λ

1

2 = 5, porém não há nenhuma alternativa com estes resultados.

aplicamos Báskara:

λ = 1 ± 1 4 × 1 × (5) 2 × 1

=

2 1 ± 21

2

Como λ 1 > λ 2 , temos:

λ 1 =

= 1

Logo

2 1 + 21

2

e

λ 2 = 1

2

21

2

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

21

398.126.848-24

De onde tiramos:

λ 1 λ 2 =

2 1 + 21

2

1 21

= 21

2

2

Alternativa (C)

Questão 18
Questão 18

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2010/1)

Considere os vetores

bre esses vetores tem-se que

u =(

1

2

,

1

2

)

(A)

são ortogonais.

(B)

são ambos unitários.

(C)

têm mesma direção.

(D)

formam ângulo obtuso.

(E)

apenas o vetor u é unitário.

e

v =(

3

5

,

4

5

)

. So-

Resolução: Para podermos resolver esta questão vamos calcular primeiramente o mó- dulo de cada vetor,
Resolução:
Para podermos resolver esta questão vamos calcular primeiramente o mó-
dulo de cada vetor, e então analisaremos o ângulo entre os mesmos. Abaixo o
cálculo dos módulos:
2
|u| =
Agora podemos analisar o ângulo entre u e v, utilizando o produto escalar:
u · v = |u||v|cos(θ)
× 1 × cos(θ)
1 = √ 2
cos(θ)
10
2
2
cos(θ) = −
10
√ 2
cos(θ) = − √ 2
10

u · u =


1
2

√ u · u = 1 2 2 + 1 2 2 √ 2 =
√ u · u = 1 2 2 + 1 2 2 √ 2 =

2
+

1

2

2

2

=

√ u · u = 1 2 2 + 1 2 2 √ 2 =

|v| =

v · v =

3

5

| v | = √ v · v = 3 5 2 + − 4 5
| v | = √ v · v = 3 5 2 + − 4 5
| v | = √ v · v = 3 5 2 + − 4 5

2
+

4

5

2

= 1

1 3

1 4

2

2 ×

5 + 2 ×

5

=

2

398.126.848-24

Material de uso exclusivo de Fábio Henrique Pimenta Costa portador do CPF 398.126.848-24.

É vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia, divulgação e distribuição. Sujeitando-se o infrator à responsabilização civil e criminal.

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126.848-24

398.126

398.126.848-24

ÁLGEBRA LINEAR

22

398.126.848-24

Agora podemos analisar as alternativas:

A) Falso. Seriam ortogonais se cos(θ) fosse igual a 0.

B) Falso. Como vimos, apenas v é unitário (possui módulo igual a 1).

C) Falso. Se tivessem a mesma direção teríamos cos(θ) igual a 1 ou -1.

D) Verdadeiro. Como vimos, cos(θ) < 0, logo o ângulo θ entre estes dois vetores é obtuso.

E) Falso. Apenas v é unitário.

Alternativa (D)

Questão 19
Questão 19

(Eng. de Petróleo Jr - Cesgranrio - Petrobras 2010/2)

Seja T uma transformação linear de

a e b reais não nulos, tem-se que T(au + bv) é igual a

a e b reais não nulos, tem-se que T(a u + b v ) é igual

em

b reais não nulos, tem-se que T(a u + b v ) é igual a em

tal que T(u) = (–1, 2) e T(v) = (0,3), onde u e v são vetores de

(A)

(–a , 2a+3b)

(B)

(–a+2b , 3b)

(C)

(–b , 2b+3a)

(D)

(–b+2a , 3a)

(E)

(–a , 5b)

, 2b+3a) (D) (–b+2a , 3a) (E) (–a , 5b) . Sendo Resolução: Por T ser

. Sendo

Resolução:

Por T ser uma transformação linear, sabemos que vale a propriedade:

T (au + bv) = aT (u) + bT (v)

Como conhecemos T (u) e T (v), basta substituirmos na expressão acima:

T (au + bv) = aT (u) + bT (v)

T (au + bv) = a(1, 2) + b(0, 3)

T (au + bv) = (a, 2a + 3b)

Alternativa (A)