Você está na página 1de 24

ÂNGULOS DEFINIDOS EM FUNÇÃO DE MONTAGEM

ÂNGULOS DEFINIDOS EM FUNÇÃO DE MONTAGEM
ÂNGULOS DEFINIDOS EM FUNÇÃO DE
MONTAGEM

Cut-in close-up

Este plano nos oferece uma visão ampliada de uma parte importante da cena. Ou seja, as cenas montadas incluem vários planos de um mesmo objeto fílmico, seja ele uma pessoa ou algum

outro objeto.

ÂNGULOS DEFINIDOS EM FUNÇÃO DE MONTAGEM
ÂNGULOS DEFINIDOS EM FUNÇÃO DE
MONTAGEM

Cut-away close-up

É uma ação secundária que está se desenvolvendo simultaneamente em outro lugar, mas que tenha uma relação direta com a cena principal.

UTILIZAÇÃO DE CUT-IN CLOSE-UP
UTILIZAÇÃO DE CUT-IN CLOSE-UP

Aproximar o espectador do centro da ação, permitindo-lhe maior envolvimento com a cena que está sendo apresentada.

Valorizar uma ação significante dentro do filme, fazendo o público “esquecer” por um

momento os elementos menos importantes

da cena.

UTILIZAÇÃO DE CUT-IN CLOSE-UP
UTILIZAÇÃO DE CUT-IN CLOSE-UP

Proporcionar redução de tempo e espaço de determinada cena, sem prejuízo da sequência lógica do filme.

Resolver problemas de continuidade na hora da montagem final, unindo duas tomadas,

feitas de planos diferentes, que não se

combinam perfeitamente.

UTILIZAÇÃO DE CUT-AWAY CLOSE-UP
UTILIZAÇÃO DE CUT-AWAY CLOSE-UP

Mostrar o clima de descontração ou tensão no diálogo de dois protagonistas, através da expressão facial (medo, curiosidade, alegria etc.) de uma terceira personagem, que não participa da conversa, mas está apenas

ouvindo.

Fazer um comentário artístico ou fatal sobre determinada cena.

UTILIZAÇÃO DE CUT-AWAY CLOSE-UP
UTILIZAÇÃO DE CUT-AWAY CLOSE-UP

Motivar uma sequência mais dinâmica dentro de uma cena.

Substituir cenas caras e difíceis de serem filmadas.

PONTES
PONTES

Tanto o cut-in quanto o cut-away podem ser utilizados como pontes para resolver problema de montagens de um filme. Você pode inserir, por exemplo, um close-up entre um plano geral e um médio, que não

poderiam ser interligados diretamente por

causa de uma diferença de posicionamento,

movimento e expressão dos atores.

PONTES
PONTES

As pontes podem ser utilizadas também para estabelecer “viagens” no tempo e no espaço. Muitas vezes, o som facilita e valoriza o uso de um Close-up como ponte de montagem.

PLANO E CONTRAPLANO
PLANO E CONTRAPLANO

É uma montagem ping- pong, indo e voltando de uma imagem a outra. É recomendável manter o mesmo ângulo correspondente. Por exemplo, se num plano o personagem é visto de cima para baixo (plongée), o outro

personagem que conversa com ele tem de ser

visto de baixo para cima (contra-plongée)

PLANO E CONTRAPLANO
PLANO E CONTRAPLANO
PLANO E CONTRAPLANO
Plongée e contraplongée
Plongée e contraplongée
Plongée e contraplongée
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO OBJETO
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO
OBJETO

ÂNGULO ALTO Objeto filmado de cima para baixo (plongée)

É utilizado para diminuir a força e enfatizar a inferioridade da personagem, tornando o mais frágil e vulnerável

Serve também para revelar, à grande

distância, a topografia de um lugar

Mostra uma ação que se desenvolve num plano inferior em relação à plateia.

Ângulo alto
Ângulo alto
Ângulo alto
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO OBJETO
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO
OBJETO

Diminui a velocidade dos objetos em movimento. Por exemplo, um carro acelerado visto por um ângulo alto, o carro se torna mais lento.

dos objetos em movimento. Por exemplo, um carro acelerado visto por um ângulo alto, o carro
dos objetos em movimento. Por exemplo, um carro acelerado visto por um ângulo alto, o carro
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO OBJETO
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO
OBJETO

ÂNGULO BAIXO

Objeto filmado de baixo para cima (contra- plongée).

Aumenta a estatura física das pessoas e coloca a personagem em posição de superioridade e dominância.

Valoriza o objeto e o produto que está sendo filmado.

ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO OBJETO
ALTURA DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO
OBJETO

Elimina do quadro outros objetos, pessoas, detalhes do cenário ou mesmo uma ação secundária que não se pretende enquadrar.

Dá a impressão de acelerar o movimento de um carro.

Câmera subjetiva x Câmera objetiva
Câmera subjetiva x Câmera objetiva

Quando a câmera é colocada na posição que permite filmar do ponto de vista de um personagem, esse enquadramento é chamado de Câmera subjetiva.

Quando a posição da câmera é utilizada para

explicar a cena do ponto de vista de um público

imaginário esse enquadramento é chamado de Câmera objetiva.

MOVIMENTOS DE CÂMERA
MOVIMENTOS DE CÂMERA

PANORÂMICA

Movimento da câmara feito sobre seu próprio eixo, com movimento giratório. Este movimento descreve uma cena horizontalmente, sendo da esquerda para

direita ou da direita para esquerda, mas esta é

menos usual.

MOVIMENTOS DE CÂMERA
MOVIMENTOS DE CÂMERA

TILT OU PAN VERTICAL

Descreve um movimento no sentido vertical. Ele pode ser usado de cima para baixo, ou de baixo para cima, dependendo da intenção da descrição da cena.

MOVIMENTOS DE CÂMERA
MOVIMENTOS DE CÂMERA

TRAVELLING A câmera pode movimentar-se, aproximando ou afastando, da esquerda para direita (ou vice- versa) ou de cima para baixo (ou vice-versa).

movimentar-se, aproximando ou afastando, da esquerda para direita (ou vice- versa) ou de cima para baixo