Você está na página 1de 1
DISCIPLINA : PSICOLOGIA FICHA N.º : --- TEMA : O HOMEM ENQUANTO SER SOCIAL ANO
DISCIPLINA : PSICOLOGIA FICHA N.º : --- TEMA : O HOMEM ENQUANTO SER SOCIAL ANO
DISCIPLINA : PSICOLOGIA FICHA N.º : --- TEMA : O HOMEM ENQUANTO SER SOCIAL ANO

DISCIPLINA: PSICOLOGIA

FICHA N.º: ---

TEMA: O HOMEM ENQUANTO SER SOCIAL ANO: 12.º

O Homem Como Ser Social

O Homem é um ser social: é na sociedade que ele vive, que procura satisfazer as suas necessidades e

realizar-se enquanto pessoa. Sem esta convivência social o homem tornar-se-ia algo diferente como é o caso das crianças selvagens desprovido de características culturais que o moldam quer a nível cognitivo quer a nível comportamental.

A socialização é, pois, o processo de orientação de cada indivíduo para comportamentos, regras,

valores, formas de estar e de se relacionar considerados apropriados por uma determinada sociedade e cultura. Este processo corresponde, portanto, a uma aprendizagem cuja finalidade é a integração ou a adaptação do

indivíduo ao meio social.

Desenvolvendo-se num processo contínuo, decorrendo ao longo de toda a vida, é no entanto importante distinguir:

socialização primária que decorre nos primeiros anos de vida, na infância e na adolescência, corresponde à aquisição de competências sociais de base, como sejam os hábitos de higiene, normas de conduta, diversas situações da vida quotidiana. Sob forte influência das pessoas mais próximas e da escola, a criança interioriza as normas de conduta vigentes, normalmente sem resistências, principalmente se o processo é fundado numa relação afectiva positiva com os agentes de socialização.

socialização secundária consiste numa adaptação a situações específicas que se vão alterando ao longo da vida, como a entrada no mundo do trabalho, a mudança de emprego, a mudança de estado civil ou de estilo de vida. Nesta etapa, é já mais frequente depararmos com resistências por parte dos indivíduos.

Por agentes de socialização, entendemos as pessoas, instituições ou os mecanismos sociais que exercem um papel socializador. Ex.: família, grupo de pares (amigos ou colegas), escola, igreja, meios de comunicação, etc.

O comportamento humano é muito mais influenciado pela aprendizagem do que o comportamento

dos outros animais que é menos flexível e mais determinado biologicamente. O comportamento humano possui também bases inatas, contudo, estas ocorrem em padrões culturais que o tornam bastante complexo e diversificado. Em conjunto com o processo de socialização está o processo de cultura, isto é, o conjunto de conhecimentos, de práticas, de crenças, costumes, linguagem, e todo um conjunto vasto de disposições que uma sociedade mantém e transmite às gerações mais novas.

Pela diversidade de culturas se explicam muitas das diferenças no modo como o homem se comporta e não apenas no que diz respeito aos seus hábitos de alimentação, vestuário, cuidados maternos ou práticas religiosas mas também nos conceitos de comportamentos socialmente aprováveis ou reprováveis, nas concepções do bem e do mal, de belo ou feio, isto é, dos valores que norteiam o comportamento. Daí falar-se de relatividade cultural como o fenómeno responsável por grande diversidade comportamental entre os Homens provenientes de diferentes culturas. Ao considerarmos o comportamento de um indivíduo ou grupo haverá que ter em consideração a situação cultural em que foi modelado.

© EXPLIKAMUS Todos os Direitos Reservados março / 2017

Página 1 de 1

ÚLTIMA ACTUALIZAÇÃO: 24-03-2017

A PSICOLOGIA SOCIAL - O Homem como Ser Social