Você está na página 1de 26
CADERNOS 8 VIEIRA, Alberto ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO Cadernos de divulgação do CEHA.
CADERNOS 8 VIEIRA, Alberto ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO Cadernos de divulgação do CEHA.

CADERNOS

8

VIEIRA, Alberto

CADERNOS 8 VIEIRA, Alberto ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO Cadernos de divulgação do CEHA. N.º

ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO

CADERNOS 8 VIEIRA, Alberto ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO Cadernos de divulgação do CEHA. N.º

Cadernos de divulgação do CEHA. N.º 8

VIEIRA, Alberto, Alfenim da Madeira para o mundo Funchal. Dezembro de 2015.

Alfenim da Madeira para o mundo

ALFENIM DA MADEIRA PARA O MUNDO

ALBERTO VIEIRA* CEHA-SRETC-MADEIRA

* Títulos Académicos e Situação Profissional: 2013. Diretor de Serviços do CEHA; 2008- Presidente do CEHA, 1999 - Investigador Coordenador do CEHA; 1991-Doutor em História (área de História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa), na Universidade dos Açores; 1980. Licenciatura em História pela Universidade de Lisboa.

ATIVIDADE CIENTIFICA. Pertence a várias academias da especialidade e

intervém com consultor científico em publicações periódicas especializadas.

É Investigador-convidado do CLEPUL-Lisboa.

PUBLICAÇÕES. Tem publicado diversos estudos, em livros e artigos de revistas

e atas de colóquios, sobre a História da Madeira e dos espaços insulares atlânticos. Destes apenas se referenciam alguns dos mais importantes

e que foram publicados em livro: 2014.O Deve e o Haver das Finanças da

Madeira. Finanças públicas e fiscalidade na Madeira nos séculos XV a XXI. Funchal, CEHA. ISBN:978-9728263-75-1, vols:2 [em Formato digital com folheto]; (Coordenação): Debates Parlamentares. 1821-2010. Funchal, CEHA. ISBN:978-972-8263-81-2, vols:1 [Formato digital com folheto]; Livro Das Citações do Deve & Haver das Finanças da Madeira. Funchal, CEHA. ISBN: 978- 972-8263-82-9, vols:1 [Formato digital com folheto]; Dicionário de Impostos. Contribuições, Direitos, impostos, rendas e Tributos. Funchal, CEHA. ISBN: 978- 972-8263-83-6, vols:1 [Formato digital com folheto]; Dicionário de Finanças Públicas. Conceitos, Instituições, Funcionários. Funchal, CEHA. ISBN: 978-972- 8263-84-3, vols: 1, [Formato digital com folheto]; Cronologia. A História das Instituições, Finanças e Impostos. Funchal, CEHA. ISBN: 978-972-8263-85-0, vols:1 [Formato digital com folheto]. (organização); 2005- A freguesia de S. Martinho, 213pp; 2005-A Vinha e o Vinho na História da Madeira. Séculos XV-XX, Funchal,CEHA, 585pp, 2001: História da Madeira [coordenação de manual de apoio ao ensino], 399pp. 2001: Autonomia da Madeira. História e Documentos [cdrom]; 1999: Do Éden à Arca de Noé – o Madeirense e o quadro natural, Funchal, 330pp; 1998: Las Islas Portuguesas, compilação de livros e introdução, Madrid, Fundación Historica Tavera, 1998: O Vinho da Madeira (com Constantino Palma), Lisboa, 143pp, 1998: O Açúcar, Expo 98. Pavilhão da Madeira, 64pp, 1998: O Vinho, Expo 98. Pavilhão da Madeira, 64pp, 1998: Público e o Privado na História da Madeira. II. As cartas particulares de João de Saldanha, Funchal. CEHA, 224pp, 1997: S. Vicente Um Século de Vida Municipal (1868-1974), Funchal. 167Pp; 1996: A Rota do Açúcar na Madeira, de Colaboração com Francisco Clode, Funchal, 220pp, 1995: Guia para a História e Investigação das ilhas Atlânticas, Funchal, 414pp, 1993: História do Vinho de Madeira. Textos e documentos, Funchal, 431pp, 1992: Portugal y Las Islas del Atlântico, Madrid, 316 pp, 1991: Os Escravos no Arquipélago da Madeira. Séculos XV-XVII, Funchal, 544pp, 1989-1990: Breviário da Vinha e do Vinho na Madeira, Ponta Delgada, 79pp +115pp, 1987: O Arquipélago da Madeira no século XV, Funchal (de colaboração com o Prof. Dr. Luís de Albuquerque). 73Pp, 1987: O Comércio Inter-Insular (Madeira, Açores e Canárias). Séculos XV- XVII, Funchal, 228 pp.

CADERNOS CEHA

2
2

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo , a doçaria é uma arte típica e variável de

, a doçaria é uma arte típica e variável de região para região, cujas

diferenças são impostas pela história e pela geografia. É a invasão estrangeira, e é o convívio social, levando ao cruzamento de culturas; mas é também a diversidade de produtos naturais, permitindo diferentes experiências e combinações, que conduzem à descoberta de novas receitas.

VILHENA (2000)

CADERNOS CEHA

3
3

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo O doce faz parte da nossa vida e quotidiano. Está

O doce faz parte da nossa vida e quotidiano. Está presente à mesa, de forma especial em momentos festivos. Herdamos dos árabes as palavras que o

definem, como as tradicionais técnicas de fabrico

e alguns hábitos inerentes ao seu uso. Por isso, o

madeirense sempre tem um doce para oferecer a quem recebe em sua casa. Oferecer o doce é gesto e sinal de empatia que se perpetuou no tempo.

São várias as formas de fabrico e de apresentação

do doce. Em Portugal, sempre tivemos uma verdadeira arte da doçaria, que se divulgou no mundo. De todos,

o mais afamado e reconhecido historicamente é o

ALFENIM, uma massa de açúcar branco apresentado em figurinhas, que, no passado, era oferecido em bandejas de prata e substituía muitos dos chamados doces e rebuçados que continuam a fazer, hoje como

ontem, o apetite e a gulodice de novos e graúdos.

O alfenim foi conhecido em Portugal desde a medievalidade e ganhou importância no quotidiano

da sociedade portuguesa, a partir da divulgação do açúcar desde meados do século XV, com as elevadas produções da Madeira. A ilha como espaço de produção de açúcar especializou-se na arte da doçaria, transpondo o seu perímetro e chegando aos Açores, Canárias e Brasil. No Atlântico, o primeiro alfenim foi produzido na Madeira e depois chegou a todo o lado, afirmando-se como o doce mais nobre, servido na casa das famílias importantes, e usado como dádiva nas festas do divino.

Na Madeira, a sua presença fica praticamente pelo registo da documentação, mas em algumas ilhas dos Açores e em alguns Estados do Brasil continua vivo, alimentado pela persistência das festas em honra do Divino Espírito Santo. São duas marcas emblemáticas da tradição e cultura portuguesa que têm na Madeira e, depois nos Açores, um momento emblemático que não pode ser ignorado.

AV. novembro de 2015

CADERNOS CEHA

4
4

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo O AÇÚCAR, O MUNDO ATLÂNTICO E A MADEIRA. A Europa

O AÇÚCAR, O MUNDO ATLÂNTICO E A MADEIRA. A Europa sempre se prontificou a apelidar as ilhas, de acordo com a oferta de produtos ao seu mercado. Deste modo, sucedem-se as designações de ilhas do pastel, do açúcar e do vinho. O açúcar ficou como epíteto da Madeira e de algumas ilhas das Canárias, onde a cultura foi a varinha de condão que transformou a economia e a vivência das populações. Também do outro lado do oceano, elas se identificam com o açúcar, uma vez que serviram de ponte à passagem do Mediterrâneo para o Atlântico.

É daqui que resulta a relevância que assume

o estudo do caso particular destas ilhas, quando se

pretende fazer a reconstituição da rota do açúcar.

A Madeira é o ponto de partida, por dois tipos de

razões. Primeiro, porque foi pioneira na exploração

da cultura e, depois, porque desempenhou um papel fundamental na expansão ao espaço exterior próximo ou longínquo, incluídas as Canárias.

A rota do açúcar, na transmigração do Mediterrâneo para o Atlântico, tem, na Madeira, a principal escala. Foi na ilha que a planta se adaptou ao novo ecossistema e deu mostras da sua elevada qualidade e rentabilidade. Deste modo, quem se abalança a uma descoberta dos canaviais e do açúcar, na mais vetusta origem no século XV, tem obrigatoriamente que passar pela ilha. Foi aqui que se definiram os primeiros contornos desta realidade, que teve plena afirmação nas Antilhas e Brasil.

A cana-de-açúcar iniciou a diáspora atlântica na Madeira. Aqui surgiram os primeiros contornos sociais (a escravatura), técnicos (engenho de

contornos sociais (a escravatura), técnicos (engenho de água) e político-económicos (trilogia rural) que

água) e político-económicos (trilogia rural) que materializaram a civilização do açúcar. Por esta razão, torna-se imprescindível uma análise da situação madeirense, caso estejamos interessados em definir, exaustivamente, a civilização do açúcar no mundo atlântico.

A história do açúcar na Madeira confunde-se com a conjuntura de expansão europeia e dos seus momentos de fulgor do arquipélago. A sua presença é multissecular e deixou rastros evidentes na sociedade madeirense. Dos séculos XV e XVI ficaram imponentes monumentos, a pintura e a ourivesaria que os embelezou e que hoje permanecem quase toda no Museu de Arte Sacra.

Do século XIX e do primeiro quartel da nossa

centúria, perduram ainda a maioria dos engenhos da nova vaga de cultura dos canaviais. Aqui, a cana diversificou-se no uso industrial, sendo geradora do álcool, aguardente e, raras vezes, de açúcar.

Por outro lado, o açúcar é, de todos os produtos que acompanharam a diáspora europeia, aquele que moldou, com maior relevo, a mundividência quotidiana das novas sociedades e economias que, em muitos casos, se afirmaram como resultado dele.

A cana sacarina, pelas especificidades do

cultivo, especialização e morosidade do processo de transformação em açúcar, implicou uma vivência particular, assente num específico complexo sociocultural da vida e convivência humana. Em 1971, Gilberto Freyre 1 foi o primeiro a chamar a atenção

1 “Contribuição Brasileira para uma Sociologia do Açúcar”, in Sociologia do Açúcar, Recife, 1971, pp. 9-12.

CADERNOS CEHA

5
5

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo dos estudiosos para esta realidade, quando definiu as bases daquilo

dos estudiosos para esta realidade, quando definiu as bases daquilo que designou como Sociologia do Açúcar. A publicação de “Casa-Grande & Senzala”, em 1933, foi o prelúdio de nova preocupação e domínio temático para a Sociologia e a História.

De todas as plantas domesticadas pelo Homem, a cana-de açúcar é a que mais implicações teve na História da Humanidade. Até hoje, são evidentes as transformações operadas na agricultura, técnica, química e siderurgia, por força da cultura da cana sacarina, beterraba e da produção de açúcar, mel, aguardente, álcool e rum 2 . O percurso multissecular, desde a descoberta remota na Papua (Nova Guiné) há 12.000 anos, evidencia esta realidade. A sua chegada ao Atlântico, no século XV, provocou o maior fenómeno migratório, que foi a escravatura de milhões de africanos, e teve repercussões evidentes na cultura literária, musical e lúdica.

Foi também no Atlântico que a cultura atingiu a

2 Existe um conjunto variado de textos que valoriza o papel da cana como motor do progresso em vários sectores: Luiz del Castilho, A Fabricação do Assucar de Canna. Notas e formulas…, Rio de Janeiro, 1893, p. 5; P. Horsin-Déon, Le Sucre et L’Industrie sucrière, Paris, 1894, p.5 ; D. Sidersky, Manuel du Chimiste de Sucrerie, Paris, 1909 ; IDEM, Aide-Mémoire de Sucrerie , Paris, 1936, pp.3 ; F. A. Lopez Ferrer, Fabricación de Azúcar de Caña Mieles y Siropes Invertidos com su Control Técnico-Quimico, Habana, 1948, p.V; IDEM, Maquinaria y aparatos en los Ingenios de Azucar de Caña, La Habana, 1949 ; A. C. Barnes, Agriculture of the Sugar-Cane, Londres, 1954, p. IX ; Andrew Van Hook, Sugar its Production, Technology and uses, N. York, 1969, p.III.

plena afirmação económica, assumindo uma posição dominante no sistema de trocas. Fernand Braudel

define, de modo claro, a forma de intervenção do açúcar no capitalismo: “Devastadora do antigo equilíbrio, a cana é tanto mais perigosa quanto

é apoiada por um capitalismo poderoso, que, no

século XVI, Provem tanto de Itália, como de Lisboa ou de Antuérpia, e ao qual ninguém consegue resistir”. 3 A isto Vitorino Magalhães Godinho acrescenta que “a génese do mundo atlântico está pois, em grande

parte, ligada àquilo a que Fernand Braudel chama muito apropriadamente dinâmica do açúcar.” 4

A implantação de canaviais não deriva apenas da disponibilidade de uma reserva florestal e de água abundante para o regadio e laboração dos engenhos, pois deverão juntar-se-lhe as condições oferecidas pelo clima e orografia. As ilhas da América Central e do Golfo da Guiné ofereciam melhores condições que

a Madeira ou as Canárias. Deste modo, em ambos

os arquipélagos, a orografia estabeleceu um travão

à afirmação da cultura extensiva dos canaviais. De

acordo com estas condições, a produção madeirense dos séculos XV e XVI nunca ultrapassou as 1584,7

toneladas, atingidas em 1510. Apenas no século XX, com a expansão dos canaviais, de novo a toda

3 O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico, Lisboa, 1983 [1ª edição em 1966], p. 178.

4 Mito e Mercadoria Utopia e Prática de Navegar. Séculos XIII-XVIII, Lisboa, 1990, p. 478.

CADERNOS CEHA

6
6

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo a ilha, se conseguiu suplantar este valor, tendo- se atingido,

a ilha, se conseguiu suplantar este valor, tendo- se atingido, em 1916, as 4943,6 toneladas. Este incremento da produção açucareira foi travado nos anos imediatos, pelos decretos de 1934-1935 e 1937 regulamentadores da área de produção.

A Madeira afirmou-se no processo da expansão

europeia pela singularidade do seu protagonismo. Vários são os fatores que o propiciaram e que fizeram com que ela fosse, no século XV, uma das peças- chave para a afirmação da hegemonia portuguesa no Novo Mundo. Além disso, é considerada a primeira pedra do projeto, lançando Portugal para os anais da História do oceano que abraça o seu litoral abrupto.

O Funchal foi uma encruzilhada de opções e meios

que iam ao encontro da Europa em expansão.

À função de porta-estandarte do Atlântico, a

Madeira associou outras, como “farol” Atlântico, o guia orientador e de apoio para as longas incursões

oceânicas. Por isso, nos séculos que nos antecederam, ela foi um espaço privilegiado de comunicações, tendo a seu favor as vias traçadas no oceano que

a circunda e as condições económicas internas,

propiciadas pelas culturas da cana sacarina e vinha. Uma e outra contribuíram para que o isolamento definido pelo oceano fosse quebrado e se mantivesse um permanente contacto com o velho continente europeu e o Novo Mundo, tendo a Madeira firmado uma posição de relevo nas navegações e descobrimentos no Atlântico.

O mais significativo da situação do novo mercado

produtor de açúcar é que o madeirense lhe está indissociavelmente ligado. Na verdade, a Madeira foi

está indissociavelmente ligado. Na verdade, a Madeira foi o ponto de partida do açúcar para o

o

ponto de partida do açúcar para o Novo Mundo.

O

solo madeirense confirmou as possibilidades de

rentabilização da cultura, através de uma exploração

intensiva e de abertura de novo mercado para o açúcar. É a partir da Madeira que se produz açúcar em larga escala, vindo a condicionar os preços de venda, de forma evidente nos finais do século XV.

O íncola foi capaz de agarrar esta opção, tornando-

se no obreiro da difusão no mundo Atlântico. A tradição anota que foi a partir da Madeira que o açúcar chegou aos mais diversos recantos do espaço atlântico e que os técnicos madeirenses foram responsáveis pela implantação. O primeiro exemplo está documentado com Rui Gonçalves da Câmara, quando, em 1472, comprou a capitania da ilha de S. Miguel. Na expedição de tomada posse da capitania, fez-se acompanhar de socas de cana da Lombada, que, entretanto, vendera a João Esmeraldo, e dos operários para a tornar produtiva. Seguiram-se depois outros que corporizaram diversas tentativas frustradas para fazer vingar a cana-de-açúcar nas ilhas de S. Miguel, Santa Maria e Terceira 5 .

Em sentido contrário avançou o açúcar em 1483, quando o Governador D. Pedro de Vera quis tornar produtiva a terra conquistada nas Canárias. De novo, a Madeira surge a disponibilizar as socas de cana para que aí surgissem os canaviais. Todavia, o mais significativo estará na forte presença portuguesa no processo de conquista e adequação do novo espaço à

5 Gaspar FRUTUOSO, Livro Quarto das Saudades da Terra, Vol. II, pp. 59, 209-212; F. Carreiro da COSTA, “A cultura da cana-de-açúcar nos Açores. Algumas notas para a sua História” in Boletim da Comissão Reguladora do Comércio de cereais dos Açores, nº 10, 1949, 15-31.

CADERNOS CEHA

7
7

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo economia de mercado. Os portugueses, em especial os Madeirenses, surgem

economia de mercado. Os portugueses, em especial os Madeirenses, surgem com frequência nas ilhas ligando-se ao processo de arroteamento das terras, como colonos que recebem datas de terras, na condição de trabalhadores especializados a soldada, ou de operários especializados que constroem os engenhos e os colocam em movimento. No caso de La Palma, refere-se um Leonel Rodrigues, mestre de engenho, que ganhou o estatuto em 12 anos de trabalho na Madeira 6 . É de referir também idêntico papel para as ilhas Canárias na projeção da cultura às colónias castelhanas do novo mundo. Assim, em 1519, Carlos V recomendou ao Governador Lope de Sousa que facilitasse a ida de mestres e oficiais de engenho para as Índias 7 .

O avanço do açúcar para sul, ao encontro do habitat que veio gerar o boom da produção, deu-se nos anos imediatos ao descobrimento das ilhas de Cabo Verde e S. Tomé. Todavia, só na última, pela disponibilidade de água e madeiras, os canaviais encontraram condições para a sua expansão. Deste modo, em 1485, a coroa recomendava a João de

6 Cf. Conquista de la Isla de Gran Canaria, La Laguna, 1933, p. 40;José PÉREZ VIDAL, Los Portugueses en Canarias. Portuguesismos, Las Palmas, 1991; Pedro MARTINEZ GALINDO, Protocolos de Rodrigo Fernandez (1520-1526). Pimera parte, La Laguna, 1982, pp. 67, 84- 90; Guilhermo CAMACHO Y PÉREZ GALDOS, “El cultivo de la cana de azúcar y la industria azucarera en Gran Canaria (1510-1535) in Anuario de Estudios Atlanticos, nº 7, 1961, 35-38; Maria LUISA FABRELLAS, “La producción de azúcar en Tenerife” in Revista de História, nº 100, 1952, 454/475; Gloria DIAZ PADILLA, e José Miguel

,

RODRIGUEZ YANES, El Señorio en Las Canarias Occidentales Santa Cruz de Tenerife, 1990, p. 316.

7 CF. José PEREZ VIDAL, “Canárias, el azúcar, los dulces y las conservas”, in II Jornadas de Estudios Canarios-America, Santa Cruz de Tenerife, 1981, p. 176-179.

Canarios-America , Santa Cruz de Tenerife, 1981, p. 176-179. Paiva que procedesse à plantação de cana

Paiva que procedesse à plantação de cana do açúcar.

Para o fabrico do açúcar, refere-se a presença de “muitos mestres da ilha da Madeira” 8 . É, alias, aqui que se pode definir o prelúdio da estrutura açucareira que terá expressão do outro lado do Atlântico.

AÇÚCAR, DOÇARIA E QUOTIDIANO. Na Cristandade Ocidental, o açúcar demorou a tornar- se o manjar de todos. Durante muito tempo, foi uma raridade usada quase sempre como um medicamento.

O açúcar tornou-se num elemento inquestionável na

farmacopeia ocidental, como o provam textos desde

Galeno a Hipócrates.

Os textos de Garcia da Horta e Tomé Pires assim

o denunciam. A aplicação farmacológica do açúcar no século XVI está documentada nas receitas e

despesas dos hospitais das misericórdias e esmolas da coroa em açúcar aos hospitais - Todos os Santos em Lisboa (1506), Misericórdias do Funchal (1512)

e Ponta Delgada (1515) – e conventos – Guadalupe

(1485), Évora (1497), Beja (1500), Aveiro (1502), Coimbra (1510), Vila do Conde (1519). A tradição árabe da dádiva do açúcar e doces conquistou a coroa portuguesa, que não se fez rogada em dádivas, usando, para isso, parte significativa do açúcar arrecadado na ilha 9 . Só no século XIX começou a

8 ARM, CMF, Vereações 1527, fl. 23vº, 26 de Março. cf. ainda Isabel Castro Henriques, O Ciclo do açúcar em S. Tomé nos séculos XV e XVI, in Albuquerque, Luís de (dir.), Portugal no Mundo, Lisboa, sd, vol. I, pp.264-2847.

9 PEREIRA, Fernando Jasmins. O açúcar Madeirense de 1500 a 1537.

CADERNOS CEHA

8
8

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo generalizar-se o seu consumo. Mesmo assim continua a estar associado

generalizar-se o seu consumo. Mesmo assim continua a estar associado às farmácias e boticas.

Proudhon refere que “o açúcar é toda a farmácia do pobre”. Na verdade, o açúcar era um suplemento capaz de suprir a insuficiência calórica. E se tivermos em conta que o principal problema de sociedade do antigo regime era a desnutrição das populações, resultante da pobreza calórica de dieta alimentar, teremos a explicação para os efeitos benéficos do seu consumo. A alimentação era pouco variada e quase só assente no consumo de pão. A ingestão diária de calorias era inferior a 2000, quando hoje os padrões médios oscilam entre as 3000 a 4000. A isto liga-se a frequência das crises de subsistência que contribuíram para agravar a situação.

A falta de pão não é só sinónimo de fome, mas também de doença e instabilidade social. A maior parte dos moribundos acolhidos pelos hospitais apresenta os mesmos sintomas, daí que o açúcar, pelo elevado valor calórico, era uma mezinha indispensável. Um dos muitos indícios da fé que os nossos antepassados depositavam no poder fortificante destes produtos está na ração obrigatória estabelecida para a dieta de bordo das caravelas. Ambas supriam as deficiências calóricas e reforçavam a fraca capacidade imunológica.

Sem dúvida que o maior consumo do açúcar não se situou nos fármacos, mas sim nos manjares nobres, sob a forma de doce - alfenim, alféola-, conservas e casca de fruta. Em qualquer dos casos

Produção e preços. Lisboa: Instituto Superior de Ciências sociais e Politica Ultramarina, [1970?]. Sep. de Estudos políticos e Sociais, Vol. VII, nº’ 1, 2 e 3, 1969. BRAGA, Paulo Drumond, “O açúcar da ilha da Madeira e o mosteiro de Guadalupe”, in Islenha, 9, 1991, 43- 49. SALGADO, Anastacia M. e Abílio José, O Açúcar da Madeira e algumas instituições de assistência na Península e Norte de Africa, durante a 1ª metade do século XV, Lisboa, 1986.

Africa, durante a 1ª metade do século XV , Lisboa, 1986. a Madeira ficou célebre. A

a Madeira ficou célebre. A doçaria conventual fez as

delícias dos manjares reais, dos ingleses, franceses e

flamengos. A tradição do fabrico do alfenim, que hoje se perdeu, fez dos madeirenses exímios escultores do doce.

O princípio fundamental que regeu o movimento de circulação do açúcar foi a necessidade de suprir as carências dos mercados europeus, em substituição do oriental, cada vez mais de difícil

acesso. Foi a conjuntura que impôs a cultura no novo espaço atlântico e ditou as regras. A premência do consumo interno de açúcar é uma exigência tardia, gerada por novos hábitos alimentares ou das contingências do mercado do produto. No último caso, assume importância o dispêndio de açúcar na indústria de conservas e casca como resultado da solicitação dos veleiros que demandavam o Funchal. Acresce ainda que a vulgarização do açúcar no quotidiano madeirense derivou da conjuntura do mercado do açúcar, em finais do século XV. O aparecimento de novos mercados produtores, como a Madeira, fez baixar o preço, generalizando

o consumo. A importância do açúcar na economia

madeirense mede-se pelo facto de ter assumido a função de medida e moeda de troca e pagamento dos mais diversos serviços. Para isso contribuiu, não só a afirmação no quotidiano, mas também, a falta crónica de moeda, na ilha.

As indústrias da casquinha, conservas de fruta e confeitos mantiveram-se durante muito tempo como uma atividade da economia familiar, não acompanhando a queda da produção de açúcar

CADERNOS CEHA

9
9

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo madeirense, pois à falta dele alimentou-se do importado do Brasil.

madeirense, pois à falta dele alimentou-se do importado do Brasil.

No decurso do século XVII, a casquinha concorreu com o vinho nas exportações, situando- se, em 1698, em segundo lugar. Entretanto, a elevada valorização do vinho conduziu-a para segundo plano e à sua quase extinção. Em 1779, o Governador refere que a manufatura da casquinha, a principal de todas, estava quase extinta. A crise, que começara na década de setenta, motivou a atenção das autoridades que procuravam reavivar as exportações. Neste contexto, surgiu, em 1782, uma proposta de Francisco Xavier Veríssimo e José Rodrigues Pereira, comerciantes do Funchal, pedindo o exclusivo do fabrico da casquinha 10 .

O doce, nas suas múltiplas formas, está relacionado com uma atitude de gratidão ou mesmo de empatia. É uma tradição muçulmana que os portugueses bem assimilaram. Vasco da Gama ofereceu ao Samarim de Calecute, alfenim madeirense. As freiras do convento de Santa Clara presenteavam os visitantes com alfenim e outros doces. A diário, o madeirense recebe qualquer pessoa em casa, com a oferta de doces e do bolo de mel, que se guarda o ano inteiro para estes momentos.

10 AHU, Madeira e Porto Santo, nº.518.

estes momentos. 10 AHU, M adeira e Porto Santo , nº.518. O ALFENIM. do árabe fanid

O ALFENIM. do árabe fanid, mas com origem no persa panid e quer dizer branco. No latim,

aparece como alphanicum, alfenid, alpenid, alfanix, no italiano penito, no espanhol alfeñique (sendo no México alfenique), em francês penides, épénide, penidon, penoin e, popularmente como “peningue”.

A primeira vez que temos fixado o termo na Madeira

é em 1469 11 , com a grafia alfinij. No século XVI,

aparece referido no continente português em Gil

Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos.

Naidea Nunes (2003) refere que, na Madeira, o alfenim aparece na documentação com as seguintes designações: alfinij (1469), alffiny (1488), alfenjm (1490, 1517), alfenj (1498), alfeny (1517), alfynjm (1523), alfenij (1579) e remata que é “um termo muito antigo, do árabe fânid, que em catalão teria

a forma affenic, adquirindo, em castelhano, a forma

alfenique, que surge nas Canárias com a grafia alfinique (1540).”(NUNES, 2003:159). Este tem forte expressão no México com as caveiras do “día de los muertos”. Segundo Naideia Nunes (2010: 56) , “No Brasil, o termo alfenim apenas existe no Nordeste, onde foi conservado, provavelmente por se tratar da primeira região açucareira brasileira. Nos restantes estados do Brasil, como podemos ver, apenas encontrámos as denominações rapadura mole, puxa

e puxa-puxa ou rapadura puxa-puxa, para denominar

11

no dito documento, e também mulheres de boas pessoas e muitos pobres lavam açúcares baixos em tantas maneiras de conservas e alfenim e confeitos de que hão grandes proveitos que dão remédio a suas vidas e dão grande nome há terra nas partes onde vão e dizem bento seja o que a povoou, em que tais coisas se dão e fazem, (25 de Agosto de 1469, ARM, Registo da Câmara do Funchal, Tomo I, Pág. 2, vº)

lavradores vendem muito bem suas novidades e frutos, lemos

os

CADERNOS CEHA

10
10

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo o mesmo conceito”. Mas o que é o alfenim? Vejamos

o mesmo conceito”.

Mas o que é o alfenim? Vejamos os que nos dizem alguns dicionários e obras clássicas.

Massa de açúcar seca, muito alva, vendida em forma de flores, animais, sapatos, cachimbos, peixes, etc. Do árabe al-fenie valendo alvo, branco. (…) Sinônimo de delicado, melindroso, grã-fino, afeminado. (CASCUDO, 1998.)

Um dos produtos derivados da cana-de-açúcar, feito com o mel bem grosso, o qual é puxado

até ficar branco.(

)

(COSTA, 2011.)

O alfenim está documentado em Portugal nos séculos XV e XVI e sabemos da sua presença em festas e romarias populares. Está presente na mesa da coroa e das casas nobres, e era, no século XVI, servido à nobreza, em salvas de prata nas festas do divino, tradição que teve continuidade na Madeira, nos Açores e chegou ao Brasil, sendo, ainda hoje, feito em algumas localidades daquele país.

O Nordeste, primeiro, e um das mais importantes regiões açucareiras, foi por muito tempo terra de alfenim, tendo perdido a importância do

passado. Esta arte do alfenim espalhou-se por todo o Brasil, mas hoje persiste em nos estados da Paraíba, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Ceará, Pernambuco, Goiás, Natal e Rio Grande do Norte. Ainda podemos encontrar esta tradição em Pirenópolis, associada às festas do divino e na cidade de Montas/RN, nas festas dos Reis e noutras localidades, como a cidade de Goiás, onde as doceiras continuam a realizar esculturas em forma de flores, pássaros, peixes e chapéus.

Gilberto Freyre 12 documenta a presença do alfenim no Nordeste do Brasil, como uma marca identitária da doçaria portuguesa de origem árabe. Mas, infelizmente, na sua época, era uma tradição em vias de desaparecer, sendo hoje rara 13 . Na atualidade, não temos qualquer referência do fabrico de alfenim, na Madeira. Mas, ainda há quem se lembre das pombas do divino nas festas do Espírito Santo. O mesmo que acontece em algumas ilhas dos Açores.

Na Sicília, também se conserva a tradição dos doces de alfenim e maçapão, principalmente no dia de Todos os Santos, em que as crianças recebem, como presente dos antepassados, várias figuras de açúcar. Esta tradição encontra-se no México, com o

12 Gilberto Freyre (1997), Açúcar. Uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do Nordeste do Brasil, S. Paulo, Companhia das Letras, pp. 77 e 80.

13 FREYRE, 1997:514

CADERNOS CEHA

11
11

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo culto dos mortos, com a elaboração de caveiras para o

culto dos mortos, com a elaboração de caveiras para

o dia 1 de novembro. Nesta tradição, misturam-se

conhecimentos indígenas com tradições europeias. Os nahuatlacos faziam figuras, normalmente caveiras, para oferenda aos seus mortos. Com a chegada dos espanhóis, surgiram as figuras de caveiras em alfenique. As freiras juntam a esta figuração de caveiras as cenas relacionadas com a época natalícia. Temos, assim, o alfenim/alfeñique modelado em caveiras, anjos e miniaturas de animais ou de fruta, além de outras figuras pequenas como cruzes, ataúdes, calaveras, pratos com comida, canastras com flores. Esta tradição persiste no México, em cidade do México e no distrito federal, Puebla, Oaxaca. O alfeñinque está também documentado na Argentina, Bolívia, Colômbia, Peru e Equador. Na cidade de Toluca no México, celebra-se incluso a 2 de novembro o festival do alfeñique.

ALGUNS DADOS PARA A HISTÓRIA DO ALFENIM.

Há uma longa tradição histórica desta arte da doçaria que acompanha o processo de expansão da cana- de-açúcar do Mediterrâneo para o Atlântico, tendo

a ilha da Madeira como um espaço chave da sua

divulgação, para as Ilhas atlânticas e América Central e do Sul.

São vários os testamentos denunciadores da

mestria das madeirenses no fabrico destes doces.

Já em 1455, Cadamosto 14 refere a feitura de “muitos

doces brancos perfeitíssimos”, certamente se

referindo ao alfenim.

14 António Aragão, A Madeira Vista por Estrangeiros, Funchal, 1981, p.

37.

A primeira referência documental que temos

a esta arte da doçaria data de 1469 15 , quando se

refere que esta atividade era indústria importante

para a sobrevivência de muitas famílias, uma vez que ocupava “molheres de boas pesoas e muytos pobres que lavraram os açuquares bayxos em tamtas

maneyras de conservas e alfeni e confeitos de que am grandes proveytos que dam remedio a suas vidas

e dam grande nome a terra nas partes onde vam

Esta atividade estava, ainda, vedada aos estrangeiros e mestres de açúcar, uma vez que apenas os “vizinhos

e

naturaes da ilha” podiam fazer conservas, alfenim

e

confeitos 16 .

Em 1494 e 1495, a Casa Real portuguesa recebeu 71 arrobas de confeitos, sendo 29 arráteis de alfenim (GODINHO, 1985: 80). A crónica de Damião de Góis apresenta D. Manuel como grande apreciador da doçaria madeirense: “Nas vesporas do Natal consoava publicamente em sala, com todo o Estado de porteiros de maçareis darmas trombetas, atabales, charamellas, e em quanto consoava davam

de consoar a todolos senhores, fidalgos e cavalleiros, e escudeiros que estavam na salla, na qual se ajuntavam naquelle dia todos os que andavam na Corte por saberem o gosto que el-Rei levava em fazer este banquete, que todo era de frutas verdes

e dasucar, e de conservas, que lhe traziam da ilha da madeira, depois desta consoada (…)” 17 .

Esta era fundamentalmente uma indústria feminina e de fabrico caseiro: “molheres de boas pesoas e muytos pobres que lavraram os açuquares

15 AHM, vol. XV (1972), nº 18, pp. 47-49.

16 AHM, vol. XVI, 1973, pp.198-199, 241.

17 Chronica d’El-Rei D. Manuel, Vol. X, Lisboa, Escriptorio, 1911, p. 92.

CADERNOS CEHA

12
12

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo bayxos em tamtas maneyras de conservas e alfeni e confeitos

bayxos em tamtas maneyras de conservas e alfeni e confeitos de que am grandes proveytos que dam remedio a suyas vidas e dam grande nome a terra nas partes onde vam.” 18 Mas os homens também exercem o ofício de doceiro ou confeiteiro, pois a sua atividade estava regulamentada nos Regimentos dos oficiais mecânicos da cidade de Lisboa.

Durante os séculos XV e XVI, esta foi uma atividade que ocupou muitos madeirenses e uma importante fonte de receita das famílias. De acordo com documento de 9 de março de 1490, “ em toda essa ylha nom posa fazer nemguem conservas, alfenim, comfeytos nem outra nenhuüa fruyta daçucaar soomente os vizinhos e naturais da dyta ylha” 19 .

Desde o século XVI, com a chegada dos Jesuítas, que aparecem referências ao fabrico de alfenim (aruheitou em japonês) e outras doçarias, como confeitos (Komfeiton). A primeira referência ao alfenim é de 1569 e, no decurso das centúrias seguintes, temos notícias do seu consumo, situação que ainda hoje persiste. Era e continua a ser um dos doces “nanbam”, de oferta em momentos especiais.

Tenha-se em conta que ficou célebre o alfenim madeirense que Vasco da Gama levou para oferecer ao Samorim de Moçambique. Pela mesma via da

18 AHM, Vol. XV, doc. nº 18, p. 48.

19 AHM, vol. XVI, p. 241.

rota da Índia deverá ter chegado ao Japão a arte da confeitaria madeirense, onde ainda hoje persiste. Os estudos de M. Arao (1995, 2001) reforçam a ideia desta influência portuguesa, estabelecendo uma ponte com a Madeira. E não nos espanta que o mesmo tenha sido levado através da ilha da Madeira.

A fama alcançada pela arte da doçaria madeirense está testemunhada na embaixada enviada por Simão Gonçalves da Câmara ao Papa.

O facto mais memorável é referido pelos cronistas.

Jerónimo Dias Leite refere que “(

mimos e brincos da ilha, de conseruas, e ho sacro palacio todo feito de asucar e hos Cardeaes hião

todos feitos de alfenij (

em caixas embrulhados com algodão, que forão mui

seguros e sem quebrar(

Escreve Gaspar Frutuoso: 21 “E tão generoso foi, que, tendo seu filho Manuel de Noronha, Bispo que foi de Lamego, em Roma, que servia de secretário do Papa Leão, despachou da ilha um criado seu, por nome João de Leiria, homem muito honrado, prudente, e gentil-homem, o qual mandou a Roma visitar o Papa com um grande serviço, que, além de um cavalo pérsio, que lhe mandou de muito preço, que levava de cabresto um mourisco muito gentil,

) ho que foi tudo metido

) leuou muitos

).” 20

20 J. Dias Leite (19 47), Descobrimento da ilha da Madeira e discurso do vida e feitos das capitães da dita ilha (Tratado composto em 1579), Coimbra, Universidade de Coimbra, p. 57.

21 Livro Segundo das Saudades da Terra, Ponta Delgada, ICPD, 1979, pp.

248-250.

CADERNOS CEHA

13
13

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo homem e alto de corpo, vestido em uma marlota de

homem e alto de corpo, vestido em uma marlota de girões de seda; levou mais muitos mimos e brincos da ilha de conservas, e o sacro palácio, todo feito de açúcar, e os cardeais iam todos feitos de alfenim, dourados a partes, que lhe davam muita graça, e feitos de estatura de um homem, o que foi tudo metido em caixas emborulhados (sic) com algodão, com que foram mui seguros e sem quebrar até, dentro, a Roma, coisa que, por ser a primeira desta sorte que se viu em Roma, estimou-a muito o Papa,

e cada uma peça por si por si, foi vista pelos cardeais

e senhores de Roma, sendo presente o Papa, que louvava muito o artifício, por ser feito de açúcar, e muito mais louvava o Capitão que lhe tal mandava, largando muitas palavras perante todos em louvor deste ilustre Capitão.

E recebeu com muita benignidade o embaixador João de Leiria, que foi muito acompanhado com muitos criados, vestidos de veludo preto, à portuguesa, em companhia do qual ia um cónego da Sé do Funchal, chamado Vicente Martins, natural do Algarve, que ia por acessor o secretário da embaixada, para fazer a fala ao Papa em latim. Era este cónego a

para fazer a fala ao Papa em latim. Era este cónego a melhor voz de contrabaixo

melhor voz de contrabaixo que até seu tempo houve em Portugal, e mui destro no canto, além de ser bom latino; e diante do Papa mostrou sua habilidade na capela, com que foi muito louvado e estimado de todos, e lhe faziam em Roma bom partido por sua fala; contudo, o Papa, por ser do Capitão, lhe fez muitas mercês e lhe deu uma conezia, além da que tinha na cidade de Coimbra, e dois benefícios, outros símplices, que comia em portátiles (sic). E a João de Leiria fez muita honra e mercê, louvando muito as grandezas do Capitão e prometendo-lhe satisfazer as lembranças desta embaixada, que parecia mais de rei que de· vassalo seu.

E o papa escreveu uma carta, por João de Leiria, ao Capitão, a substância da qual era: Que se devia de ter por bem-aventurado, pois lhe deu Deus dera um filho tão virtuoso e de tantas partes, quais tinha Manuel de Noronha de Câmara, ao qual, se Deus lhe desse vida, ele faria grande na Igreja de Deus, por ser disso merecedor. E, sem falta, assim fora, se Deus não ordenara outra coisa com levar o Papa para o regno dos Céus em tempo que Manuel de Noronha veio a Portugal, onde o pudera fazer grande na Igreja, como

CADERNOS CEHA

14
14

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo tinha escrito. Com esta carta veio “mui satisfeito João de

tinha escrito.

Com esta carta veio “mui satisfeito João de Leiria,

e muito majs com as honras e mercês que o Papa

lhe fez, e, fazendo volta por Génova, daí se passou a Espanha, donde veio ter à ilha; e foi bem recebido do Capitão Simão Gonçalves, que sabia mui bem pagar

semelhantes trabalhos e disso se prezava, e ficava tão contente de dar quanto tinha, como se possuira quanto hã no mundo, que isto têm os liberais, viverem sempre na vontade ricos e contentes, porque ainda que dêem quanto têm, fica-lhe o que mais vale, que é

o contentamento de o ter dado“.

Mas desta embaixada, porém, segundo Luciana Stegagno Picchio (1990), não consta qualquer documento na Cúria Romana, ao contrário de outras que se realizaram. Terá sido uma invenção dos cronistas para exaltar a figura do capitão do Funchal? Atente-se, ainda, na situação, a ter acontecido. Seriam 72 cardeais feitos em alfenim e tamanho natural, o que poderia significar mais de 5000 quilos de açúcar. Por outro lado, teremos ainda de ter em conta o processo de fabrico das figuras e o transporte intacto até Roma. Será que podemos afirmar que

transporte intacto até Roma. Será que podemos afirmar que a dita embaixada madeirense nunca existiu e

a dita embaixada madeirense nunca existiu e os testemunhos de Jerónimo Dias Leite e Gaspar Frutuoso pura invenção?

Em 1550, D. Isabel Mendonça, mulher do capitão-donatário, tinha a seu cargo o abastecimento da casa real, tendo enviado no ano imediato 105 arrobas de conserva, 24 arrobas de fruta seca e 8 arrobas de alfenim 22 .

Em 1567, Pompeo Arditi 23 dá conta da “conserva de açúcar” que se fazia no Funchal “de óptima qualidade e muita abundância”. Em finais do século XVI, Gaspar Frutuoso 24 afirmava “( ricos e esquisitos manjares de toda sorte, como os sabem muito bem fazer as delicadas mulheres da ilha da Madeira, que (além de serem comumente bem assombradas, muito formosas, discretas e virtuosas) são estremadas na perfeição deles e em todolos invenções de ricas coisas, que fazem, não tão somente em pano com polidos lavores, mas também em açúcar com delicadas frutas”.

)

Esta tradição perpetuou-se na ilha para além do fulgor da produção açucareira local, pois segundo Hans Sloane, 25 em 1687, o madeirense produzia “açúcar indispensável aos gastos caseiros e ao fabrico de doces, indo ainda comprá-lo ao Brasil”.

Outro testemunho a atestar a abundância deste doce na Madeira é o facto de, a 29 de julho de 1593,

o fogo do céu, que queimou parte da cidade do

22 ANTT, Corpo Cronológico, p. 1, 85-12 e 85-43.

23 ARAGÃO, 1981: 130.

24 Gaspar Frutuoso (1979), Livro segundo das Saudades da Terra, cap. XXXVI, Ponta Delgada, p. 264.

25 ARAGÃO, 1981: 158.

CADERNOS CEHA

15
15

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo Funchal, dando origem às atuais ruas da Queimada de Cima

Funchal, dando origem às atuais ruas da Queimada de Cima e de Baixo, ter queimado 5000 pães de açúcar de alfenim.

No fabrico das conservas e doces variados, merecem atenção as freiras do Convento de Santa Clara, da Encarnação e Mercês 26 . Aliás, em 1687, Hans Sloane 27 referia-se, de forma elogiosa, aos doces e compotas que havia comido no Convento de Santa Clara, referindo que “nunca vi coisas tão boas”. Segundo Emanuel Ribeiro, os conventos femininos foram os “sacrários da doçaria” 28 .

Na memória de todos, persistem as receitas conventuais, pois que as demais se perderam. Nos conventos de Santa Clara, Mercês e da Encarnação, a doçaria é uma arte que ocupa de forma dedicada as freiras 29 . Os doces faziam-se em momentos festivos para consumo interno ou para retribuir

26 RIBEIRO, 1928:17, 34, 59.

27 ARAGÃO, 1981: 158

28 O RIBEIRO, 1928: 34, 59.

29 Cabral do Nascimento, As Freiras e os Doces do Convento da Incarnação, in Arquivo Historico da Madeira, vol. V, Funchal, 1937; Eduarda Maria de Sousa Gomes, O Convento da Encarnação do Funchal, Funchal, 1995, pp.138-142; Cousas & Lousas das Cozinhas Madeirenses, Funchal, 1988.

& Lousas das Cozinhas Madeirenses , Funchal, 1988. os benfeitores. Das suas mãos saíram bolos de

os benfeitores. Das suas mãos saíram bolos de mel, talhadas, batatada, coscorões, arroz-doce e queijadas. Cada doce tinha a sua época: a batatada pelo Natal, os coscorões no Entrudo, as talhadas na Páscoa e no dia de Nossa Senhora da Encarnação.

No século XIX, a doçaria teve divulgação através das pastelarias. Um das mais famosas foi a Pastelaria Felisberta criada em 1837, na Rua da Carreira. Também ficou célebre a doçaria da panificação Blandy, na rua do Hospital Velho. Uns anos mais tarde, Isabella de França 30 continuava deslumbrada com as sobremesas doces da cozinha: “Contudo a especialidade da Madeira está na secção dos doces. É imensa a sua variedade; fazem-nos de formas imaginosas e dão-lhes nomes extraordinários. Chama-se ovos moles um género opulento de leite- creme. Ovos reais, quando eles ficam, com a aletria, em fios, e servem para decorar outros doces. Vi um leão britânico feito de pão-de-ló, tão grande como um gato, coroado de prata e com muitas estrelas pelo corpo; a juba e a extremidade da cauda eram de ovos reais. No outro lado da mesa estava a águia americana confeiçoada com os mesmos ingredientes. A uns bolinhos precioso dão o nome de beijos de frade. Certa massa em forma de sincelos denomina- se lágrimas. Mas de todos os nomes o mais estranho é o toucinho-do-céu aplicado em geral a umas fatias, que também podem tomar o aspecto de perna de porco ou até cordeiro. ” Nos anos vinte, a cidade estava servida de onze confeitarias. Hoje, o único testemunho que resta dessa importante indústria do

30 Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal (1853-1854), Funchal, 1970, p.174

CADERNOS CEHA

16
16

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo doce madeirense é o bolo de mel. Nas ilhas dos

doce madeirense é o bolo de mel.

Nas ilhas dos Açores, o alfenim manteve-se na tradição dos ex-votos das festas do Espírito Santo na ilha Terceira, Graciosa e S. Jorge, onde ainda hoje persiste a tradição de fazer este doce. Nos Açores, a indicação mais antiga que temos ao alfenim surge em 1532, no inventário do testamento de Antão Martins na Terceira 31 . Aí refere-se uma pedra de fazer alfenim. Depois, no século XIX é referido na Horta, onde, até 1870, “ as freiras do convento da Glória mandavam no dia de S. Marcos, aos membros da collegiada da igreja matriz, antes da hora das ladainhas maiores que se celebram em tal dia, uma bandeja com uma coroa formada por pequenos cornos de alfenim, tendo no centro flores artificiaes e um com o maior destinado ao Vigario.” 32 Depois, temos em 1832, de novo as freiras da Horta a oferecerem a D. Pedro Duque de Bragança lavores doces de alfenim: “Devemos aqui mencionar que na vespera do regresso de S. M. as freiras do Mosteiro da Gloria, fizeram- lhe um avultado presente de doces para a viagem, incluindo no mesmo outros tantos corações de alfenim, como o numero de religiosas, de tamanho natural e tendo cada um em letras doiradas as iniciaes do nome da diferente.” 33

Pérez Vidal 34 destaca a importância da indústria

31 GIL, Maria Olimpia da, O Arquipélago dos Açores no século XVII. Aspectos Sócio-Economicos (1575-1675), Castelo Branco, ed. Autor, 1979, 60.

32 CHAVES, F. A., AS FESTAS DE S. MARCOS NALGUMAS ILHAS DOS AÇORES E A SUA O RIGEM PROVAVEL, in Arquivo dos Açores, XIII, 1983, p.195.

33 O SENHOR D. PE DRO ·IV (1832), in Arquivo dos Açores, VIII, 1982,

p.36.

34 J. Pérez Vidal (1967), «Las conservas almibradas de las Azares y las

Vidal (1967), «Las conservas almibradas de las Azares y las confeiteira dos Açores, dando conta de

confeiteira dos Açores, dando conta de intercâmbio de doces e conservas terceirenses com as Canárias. Mais destaca o intercâmbio de mestres açucareiros nos três arquipélagos atlânticos. Nas Canárias, o termo alcorças (1540), surge a designar uma massa branca de açúcar com que se fazem figuras, o que poderá estabelecer uma ligação com o alfenim.

Não sabemos quando se iniciou a feitura do alfenim na ilha Terceira e a sua ligação às festas do Divino. Mas as notícias e referências surgem soltas a atestar este doce como uma das formas de bem receber dos terceirenses e uma presença constante no quotidiano.

No século XVII, o Convento da Glória da ilha do Faial notabilizou-se na confeção de doces artísticos. Ernesto Rebelo registou a memória da ostentação alimentar conventual desencadeada, em 1803, pela visita à ilha do Faial do Bispo da diocese açoriana, D. José Pegado d’Azevedo, referindo: “Pois trabalhos de alfenim! …nisso então eram grandes, houveram do mesmo arvores brancas como neve, carregadas de bolas doces e vermelhas imitando damascos, bonecas doiradas, n’um chão de fio d’ovos, pombinhas de azas abertas e olhos vermelhos, muitos corações de tamanho quasi natural, com iniciaes em oiro, das offerentes, e centos de cestinhos arrendados, com difficeis trabalhos de papel picado e contendo

Canarias», Separata do vol. XIV do Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, Angra do Heroísmo, Tipografia Andrade, pp. 2-3.

CADERNOS CEHA

17
17

Alfenim da Madeira para o mundo

Alfenim da Madeira para o mundo delicados confeitos”. 3 5 D. Pedro recebeu das freiras do

delicados confeitos”. 35 D. Pedro recebeu das freiras do Mosteiro da Glória um presente doces: “….corações de alfenim, como o número de religiosas, de tamanho natural e tendo cada um em letras doiradas as iniciais do nome da Offerente”. 36

No século XX, sabemos que era muito popular a atestar por duas referências. José Pereira da Costa 37 , no seu testemunho de vida, refere a importância do alfenim na sua infância, passada no Pico e Terceira. No seu casamento a 6 de setembro de 1847, com Maria Clara Pereira da Costa, refere “ o lindo bolo, com três colunas que sustentavam um segundo bolo encimado com um cesto, de alfenim, imitando os vimes, cheio de pequenas rosas, tão perfeitas que

pareciam naturais(

uma maravilha de verdadeira

arte da doçaria da Terceira”. Explica, depois, que “o

bolo

foi preparado por amigas da mãe da Clara que

tinham muito jeito e experiência na arte de doçaria. Quando regressámos a Coimbra, levámos o bolo que estava sobre as colunas e o cesto com as rosas que foi muito admirado e partilhado com os nossos amigos, com champanhe e não faltaram elogios e admiração pela obra de verdadeira arte de doçaria.”

Em 1960, Carreiro da Costa 38 afirmava numa crónica sobre a cidade de Angra do Heroísmo que “… ao longo das ruas de Angra, é a antiga doçaria, revelada através de algumas curiosas espécies

)

35 Rebelo (1982): 464-465.

36 Arquivo dos Açores, 8 (1982): 36. Lima (1943): 342.

37 José Pereira da Costa(Entrevistado por Francisco Manuel Gomes), José Pereira da Costa. Um Homem das ilhas, Funchal, DRAC, 2008, pp.46 e 201

38 Etnologia dos Açores, vol. 2, Lagoa, Câmara Municipal de Lagoa, 1991, 762-763.

, vol. 2, Lagoa, Câmara Municipal de Lagoa, 1991, 762-763. que vemos expostas, especialmente as famosas

que vemos expostas, especialmente as famosas pombinhas e os preciosos cestos com flores, tudo feito de alfenim”.

Em 1962, aquando da visita presidencial do Almirante Américo Thomaz os seus netos foram presenteados com alfenim. Diz o Conde de Funchal 39 que, após o almoço na Praia da Vitória, o edil local ofereceu “aos netos do Senhor Almirante Américo Thomaz, um gracioso cesto de flores do típico «Alfenim», doce de açúcar, esculpido artisticamente, ”

Uma visita à Terceira, no período de 17 a 22 de novembro, levou-nos à Pastelaria Athanásio, na rua da Sé, em Angra do Heroísmo e em busca da doceira que ainda prepara o alfenim que aí se vende. A 21 de novembro fomos ao encontro de Maria Manuela Cardoso, uma das poucas mulheres que nos Açores conhece a arte de fazer alfenim. É herdeira de uma tradição familiar de fabrico do alfenim e pretende perpetuá-la, acedendo à sua divulgação e a diversas ações de formação. E é hoje o rosto mais visível da continuidade desta tradição, à qual se pretende dar continuidade através de formação específica e divulgação promovida pelo CRAA (Centro Regional de Apoio ao Artesanato). Há outras mulheres na Ribeirinha, como em S. Jorge e Graciosa, que fazem o alfenim para uso caseiro e ofertas, mas Maria M. Cardoso é a única que na atualidade faz alfenim para venda ao público nas pastelarias Athanásio e Central, em Angra do Heroísmo. Recorde-se que, no passado, foi uma fonte importante de rendimento para muitas famílias destas ilhas. Daí o segredo inerente a esta arte, que hoje se perdeu.

Maria Manuela Cardoso fala da sua arte com

39 Cruzeiro Atlântico, Lisboa, 1962, p. 104.

CADERNOS CEHA

18
18

Alfenim da Madeira para o mundo

prazer e explica-nos todos os aspetos inerentes ao processo de fabrico. A sua experiência permite-lhe dar conselhos na escolha do melhor açúcar para este trabalho. Nos Açores, temos o açúcar local de beterraba e o importado do continente, mas a sua preferência vai para o local, quando há, em que se gasta menos vinagre. No outro açúcar, o gasto é superior no dobro.

O processo de fabrico do alfenim, que dura cerca de 25 minutos, inicia-se com a mistura da água e do açúcar com o vinagre em proporções adequadas. Quando a massa de açúcar atinge uma cor pérola inicia-se o processo de trabalhar a mesma, processo que no Brasil se chama de “puxa-puxa”, até ficar branco. Nesta altura, inicia-se o processo de modelagem das peças. Primeiro, as pombas do divino e, depois, uma variedade de peças, de acordo com a solicitação dos clientes ou maior procura na pastelaria.

O fabrico das peças não acontece apenas no momento das festas do Espírito Santo, isto é, no sétimo e no oitavo domingos a seguir à Páscoa,

quando se assinalam os bodos. Este é, sem dúvida,

o momento mais importante. Aliás, todo o ano, a

pastelaria Athanásio ostenta as peças de alfenim na sua montra, o que significa procura 40 . À tradicional pomba do divino, junta-se a cabaça a rosquilha, também associadas ao ritual, como a coroa do divino. Mas poderá ainda fazer-se cisnes, ursinhos e outro tipo de figurinhas. Maria M. Cardoso recorda que, pelo Santo Amaro, a 15 de janeiro, há a tradição de agradecer a cura com figuras evocativas da parte do corpo que terá sido alvo da intercessão do santo na cura, como pernas, braços, gargantas, pulmões

e mesmo figuras humanas. A moldagem do alfenim

segue a imaginação da artesã ou de quem a demanda.

Fazem-se presépios, pequenas peças para brinde, em momentos especiais, como casamentos.

Maria M. Cardoso recorda-nos uma demanda de 500 peças de brinde para um casamento nos Estados Unidos da América. Na sua página do Facebook, podemos ver outras peças como: a tourada à corda, o sol das Sanjoaninas de 2009, cesta de flores de jarro, bolo -”Viva S. João”, “casalinho de braço dado”, órgão

40 Também tem divulgação e venda na Internet. Desde 2009 tem uma página o Facebook onde divulga a sua arte: ttps://www.facebook. com/Alfenim-Pomba-Branca-Doce-191284587365/. Visualização a 22.11.2015). Possui ainda uma site de divulgação em: http://alfenim. no.comunidades.net/ . Visualização em 22.11.2015.

de tubos, máscaras e adornos do entrudo, “cabeça oriental”. Muitas destas peças são pintadas à mão, com corante alimentar.

Saliente-se que, por testemunhos de algumas pessoas na ilha da Madeira, refere-se que, também na ilha, se fazia as pombinhas do divino, aquando das festas do Espírito Santo. Aqui está uma oportunidade para reavivarmos esta tradição pela maestria desta doceira terceirense.

Esta ligação às festas do Espirito Santo não acontecia apenas nos Açores, pois segundo Brandão (2001. p.13): Como em algumas festas mais tradicionais do Divino, preserva-se o costume herdado da Idade Média portuguesa de uma distribuição farta e generosa de comida a todos os presentes, completa-se o ciclo dos gestos e de sorte que uma festa popular é a mistura, ao mesmo tempo

espontânea e ordenada, de momentos de rezar, cantar, dançar, desfilar, ver, torcer, cantar. Enfim, de “festar”. Outro autor, Borges (2007), reforça a ideia ao afirmar que: O culto do Espírito Santo tem um grande incremento a partir do século XII-XIII a quando do “Milagre das Rosas” da Rainha Santa Isabel e a Coroação dos Pobres na Vila de Alenquer iniciando- se a Devoção ao Divino do Espírito Santo - Terceira Pessoa da Santíssima Trindade simbolizado pela Pomba Branca. Mais tarde, o “alfenim” ou “al-fenid” devido á sua brancura, que é subentendida como pureza e purificação, foi assimilado e introduzido no culto religioso cristão. Desde então, o doce “alfenim” foi transformado em peças de arte gastronômicas tais como a Pomba Branca representando o Espírito Santo, e todos os outros símbolos utilizados no ritual de celebração da Festa do Espírito Santo ou dos Santos Padroeiros como a coroa, a rosquilha de pão, os animais e outros motivos decorativos que eram doados à Irmandade do Espírito Santo ou outras e, mais tarde, leiloados revertendo a venda para

a organização da festa. No caso de graça obtida,

a pessoa encomenda à doceira que confeccione

uma peça com a simbologia ou outras formas, em

“alfenim”, indicando o peso da peça que pretende,

a parte do corpo que beneficiou de uma graça do

Divino Espírito Santo: um braço, uma perna, um pé,

“alfenim” surge assim, associado às Festas do

Espírito Santo e dos Santos Padroeiros, ofertado em retribuição das graças obtidas.

Das mesas do reino, o alfenim passou às das ilhas

etc

O

CADERNOS CEHA

19
19

Alfenim da Madeira para o mundo

e daqui ao Brasil. Foi companheiro da cana-de-açúcar. Há uma tradição portuguesa da doçaria conventual e caseira que se expandiu e que certamente tem um toque madeirense, no sentido de que a divulgação da cultura, do processo de fabrico do açúcar e da doçaria parte para as outras ilhas e, depois ao Brasil a partir da Madeira. Desta forma, será difícil credibilizar algumas ideias-feitas de que a ligação deste doce com as festas do divino pertence aos Açores. A divulgação do açúcar e da arte da doçaria teve uma ação muito forte de madeirenses, que os levaram aos Açores e também ao Brasil. A continuidade nos Açores e no Brasil deve-se à vivência atual de tradições populares.

BIBLIOGRAFIA FUNDAMENTAL:

1931, «Posturas que fizerão os offiçiaes do anno de oiteta e sete (1587) – titulo das posturas dos engenhos», Arquivo Histórico da Madeira, vol. I: 73-75.

1988, Cousas & Lousas das Cozinhas Madeirenses, Funchal, SRTC.

ABRAHÃO,

E.

M.

As

senhoras

campineiras

e

seus

cadernos

de

receitas.

1930, Cadernos de receitas manuscritos: a perpetuação dos saberes culinários. Campinas (1860-1930). Cadernos de receitas manuscritos:

a perpetuação dos saberes culinários, 1860. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.

pdf.

ABREU, M. Y., & de Andrade Aguilera, V., 2010, A influência da língua árabe no português brasileiro: a contribuição dos escravos africanos e da imigração libanesa. Entretextos,

10(2).

ALGRANTI, Leila Mezan, 2004. Os livros de receitas e a transmissão da arte luso-brasileira de fazer doces (séculos XVII-XIX). In: Actas do III Seminário Internacional sobre a História do Açúcar, Funchal, 25-29 de outubro de 2004.

Secretaria Regional do Turismo e Cultura; Centro de Estudos de História do Atlântico.

AMON, Denise; MENASCHE, 2008, Renata. Comida como narrativa da memória social. In:

Sociedade e cultura, v.11, n.1, jan/jun., p. 13-

21.

ANGELO, E. R. B. As festas do Divino Espírito Santo nas ilhas Terceira e São Miguel nos Açores. Revista Eletrônica de Turismo Cultural, 3(1), 37-56. Disponível em: http://www.eca.usp.br/

ARAGÃO, António, A Madeira Vista por Estrangeiros, Funchal, DRAC, 1981.

ARAO, Miyo, 1995, Nanban sweet Hiryousu, Culture of the History Kasutera, Tokyo, Japan, Heibon- sya; 2010, ‘NANBAN’? sweets introduced by Portugal to Japan in the 16th-17th century, Anuário do Centro de Estudos de História do Atlântico • 815-819;

2001, “Portuguese sweets”, The Encyclopedia of Spain and Portugal, Tokyo, Japan, New Edition, Heibon-sya;

2009, A History of Sugar in Japan – Focusing on the White Sugar Production from the 18th Century/Uma Historia do Açúcar no Japão – A Produção de Açúcar Branco no Século XVIII, in O Açúcar Antes e Depois de Colombo.Seminário Internacional de História do Açúcar, Funchal, CEHA, 166-172.

ARBOLEDAS, P. A. P.,1984, El comercio fronterizo entre Andalucía y el Reino de Granada a través de sus gravámenes fiscales. Baética: Estudios de arte, geografía e historia, (7), 245-254.

ARNAUT, Salvador Dias, 1986, A arte de comer em Portugal na Idade Média, (Introdução ao “Livro de Cozinha” da Infanta D.Maria de Portugal), Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

ASFORA, Eliane, 2005. Doutor Gilberto Freyre e o reconhecimento da culinária como fenômeno social. In: Anais gastronomia em Gilberto Freyre. Fundação Gilberto Freyre.

ATAÍDE, Luís Bernardo, 1974, “Doçaria Conventual”, Etnografia, Arte e Vida Antiga dos Açores, Vol. I, Coimbra, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, pp. 386-396.

CADERNOS CEHA

20
20

Alfenim da Madeira para o mundo

AZEVEDO E SILVA, José Manuel, 1995, A Madeiro e a construção do mundo atlântico (séculos XV- XVII), vol. 11, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico.

BARTHES, Roland. 2006, Por una psico-sociología de la alimentación contemporánea. In: EMPIRIA:

Revista de metodología de Ciencias Sociales, n° 11, enero-junio, p. 205-221.

BORGES, J. H. Pires, 2007. Alfenim, o sabor árabe no ritul cristão. Associação de Guias e Intérpretes dos Açores. Sábado, 16 de Junho de 2007. Disponível em:< http://guiasinterpretesacores.

blogspot.com/2007/06/alfenim-o-sabor-rabe-

no-ritual-cristo.html>acesso em 15 de Dez.

2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues, 2001. A cultura na rua. 2ª. ed. Campinas: Papirus.

BRANDES, Stanley H. , 2003, “Calaveras: Literary Humor in Mexico’s Day of the Dead”. Of Corpse Death and Humor in Folklore and Popular Culture. Peter Narváez. Utah: Utah State University Press. , 2006, Skulls to the Living, Bread to the Dead: [the Day of the Dead in Mexico and Beyond]. Malden, MA: Blackwell Pub

CAILLÉ, Alain, 2002, Antropologia do Don. O terceiro paradigma. Petrópolis, Editora Vozes.

CAMACHO, Guillermo e GALDOS, Perez,1961, «EI cultivo de la cana de azúcar y la industria azucarero en Gran Canaria, 1510-1535», Anuario de Estudíos Atlanticos, 7: 11-60.

CARMICHAEL, Elizabeth, and Chloe Sayer, 1995. The Skeleton at the Feast: the Day of the Dead in Mexico. Austin: University of Texas.

CARNEIRO, Henrique. 2005, Comida e Sociedade:

significados sociais na história da alimentação. História: questões & debates, Curitiba, n. 42, EdUFPR, p. 71-80.

CASAL,

Adolfo

Yáñez,

2005,

Entre

a

dádiva

e

a

mercadoria.

Ensaio

de

antropologia

económica. Lisboa, Edição do Autor.

CASCUDO,

Câmara,

1998,

Brasileiro, Ediouro.

Dicionário

do

Folclore

CASCUDO, L. C., 1983, História da Alimentação no

Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo:

Ed. da Universidade de São Paulo (Reconquista do Brasil: Nova Série, V1 79- 80).

CASTRO RESENDIZ, Jaime, Los dulces regionales, tradición, costumbre e identidad mexiquense. Disponível em: http://www.uaemex.mx/

identidad/docs/cronicas/TOMO%20IX/

Jaime%20y%20Norma%202011%20Durango.

pdf.

CAVALCANTI, Maria Letícia Monteiro, 2007. Açúcar no tacho. In: QUINTAS, Fátima (org.). A

CHAVES, Luís, 1948, “O significado social da doçaria”, in Hermínia Basto (org.), Miscelânea de estudos à memória de Cláudio Basto. Porto, 309—320.

COSTA, J. Pereira da e PEREIRA, F. Jasmins, 1985, Livros de contas da ilha da Madeira 1504- 1537. I – Almoxarifados e alfândegas, Coimbra, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra;

1989, Livros de contas da ilha da Madeira 1504-1537. II – Registo da produção de açúcar, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico.

COSTA, Marcos Nunes. 2011. Dicionário de matutês, Recife: Fundação Antônio dos Santos Abranches, Disponível on-line em: http://

matutes-2/. Consulta a 23.11.2015.

David

Ferreira

de,

1992,

«Açúcar

confeitado

na

Madeira»,

Revista

lslenha,

11

Jul.-Dez,

Funchal: 35-52.

DEMETERCO, Solange Menezes da Silva, 2003. Sabor e saber: livros de cozinha, arte culinária e hábitos alimentares. Curitiba 1902-1950. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de História, Universidade Federal do Paraná, Paraná.

DURÁN CASTRO, N., Gil Zapata, N., García Bernal, H. R., Gordillo Ariza, G., García Bernal, H. R.,

& Amaluisa, M. A., 1992, Manual

de elaboración de panela y otros derivados de la caña (No. E21 D948m). Convenio de Investigación y Divulgación para el Mejoramiento de la Industria Panelera, Bogotá (Colombia).

DUTRA, Rogéria Campos de Almeida. 2005, Cozinha

Aguilar, C.,

CADERNOS CEHA

21
21

Alfenim da Madeira para o mundo

e Identidade Nacional: notas sobre a culinária

na formação da cultura brasileira segundo Gilberto Freyre e Luís da Câmara Cascudo. In:

Anais do Seminário Gastronomia em Gilberto

Freyre. Recife: Fundação Gilberto Freyre, p. 31-

36.

FERREIRA, Maria L. M.; CERQUEIRA, Fábio V.; RIETH, Flávia M. da S. 2008, O doce pelotense como patrimônio imaterial: diálogos entre

o tradicional e a inovação. MÉTIS: História &

Cultura, Caxias do Sul, v. 7, n. 13, p. 91-113, jan./jun

FRANÇA, Isabella de, 1969, Jornal de Uma Visita à Madeira e a Portugal (1853-54), Funchal, JGDAF.

FREYRE, Gilberto, 1997, Açúcar. Uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do Nordeste do Brasil, São Paulo, Editora Schwarcz lto. Companhia das Letras.

FRUTUOSO, Gaspar, 1968, Livro Segundo das Saudades da Terra, Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada.

GARCÍA BERGUA, Ana, 2001. “Novia de azúcar.” Día de muertos. Comp. Jorge Volpi. Barcelona:

Plaza & Janés.

GARCÍA CUBAS, A., 1990, La verbena del día de muertos. Fragmentos de El libro de mis recuerdos. En Leyendas y costumbres mexicanas. México: Editorial del Valle de México.

GERMÁN, C. A., & Amaluisa, M. A.,1991, La tecnología del alfeñique. Informe final y resultados. Curso Tecnologías de la Panela y el Alfañique (No. E21 G373a). Universidad Técnica de Ambato, Quito (Ecuador)>.< Red de Desarrollo Agroindustrial Rural, Ambato (Ecuador)>.< CIID, Quito (Ecuador).

Gobierno del Estado de México. (Ed.), 1994, La artesanía del Alfeñique y el Dulce Vaciado. Tradición popular para la ofrenda de “Todos Santos”. México.

GODBOUT,

dádiva.

Jacques,

1997,

O

espírito

da

Lisboa, Instituto Piaget.

GODELIER, Maurice, 2000, O enigma da dádiva. Lisboa, Edições 70.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos, 2004. A fome e o paladar: a antropologia nativa de Luis da Câmara Cascudo. In: Estudos Históricos, n. 33, Rio de Janeiro.

GONZÁLEZ TORRES, Y., 1975, El culto a los muertos entre los mexicas. México: Boletín INAH.

GOUVEIA, David Ferreira de, 1992, “O Açúcar Confeitado na Madeira”, Islenha, n.º 11, pp.

35-52.

GREENLEIGH, John, 1991. The Days of the Dead:

Mexico’s Festival of Communion with the Departed. San Francisco: Collins San Francisco.

GUTIERREZ, E., & Gutiérrez, T., 1971, La muerte en el arte popular mexicano. Artes de México, (145),

75-86.

HADJAB,

P.

D.

E.

M.,

2015,

Alimentação,

memória

Disponível

e

identidades

árabes

Brasil.

M., 2015, Alimentação,

memória e identidades árabes no Brasil. Disponível em: http://repositorio.unb.br/

HADJAB,

P.

D.

E.

JULSETH,D.,¡Buenprovecho!CulturalRepresentations of Food for the Day of the Dead. Disponível em: http://www.hispanetjournal.com/ BuenProvecho.pdf .

LAURIOUX, Bruno, 1989. A Idade Média à Mesa. Portugal: Publicações Europa-América. (Série Forum da História).

LESNAU, M. C. D. S., 2009, Influência portuguesa na doçaria brasileira. Disponível em: http://

LIMA, Marcelino de,1943, Anais do Município da Horta (História da ilha do Faial). Vila Nova de Famalicão, Oficinas Gráficas “Minerva”.

LÔBO, A. S., & Miranda, R. M. M. M. (2014). A arte festiva em Pirenópolis: os símbolos e sons presentes na festa do divino Espírito Santo. Building the way-Revista do Curso de Letras da UEG/Itapuranga (ISSN 2237-2075), 3(1).

LÔBO, A. S., & Miranda, R. M. M. M., 2014,A arte festiva

CADERNOS CEHA

22
22

Alfenim da Madeira para o mundo

em pirenópolis: os símbolos e sons presentes na festa do divino Espírito Santo. Building the way-Revista do Curso de Letras da UEG/ Itapuranga (ISSN 2237-2075), 3(1). Disponível em: http://www.revista.ueg.br/index.php/

MANSERVIGI,

A.

M.,

Macias,

M.

E.

F.

N.,

&

Mariotti,

J.

Productos

alimenticios

elaborados

a

partir

de

miel

de

caña.

Disponível

em:

MANTECÓN, M. D. C. V., 2015, Estudios de Historia ModernayContemporáneadeMéxico.Estudios de Historia Moderna y Contemporánea de México, 49, 1-18. Disponível em: http://www. historicas.unam.mx/publicaciones/revistas/

moderna/vols/ehmc49/542.pdf

Maria da Graça Pericão e Maria Isabel Faria, Lisboa, Imprensa Nacional.

MARTINS, R. D. S., 2009, As artes conventuais nos Açores e o processo de criação do arcano místico da Ribeira Grande, ARQUIPÉLAGO • HISTÓRIA, 2ª série, XIII (2009) 49-85. Disponível em: https://repositorio.uac.pt/

MATA, Juan de la (1747), Arte de reposteria, Madrid (edição fac-similada).

MAUSS, Marcel, 2001, Ensaio sobre a dádiva. Introdução de Claude Lévi--Strauss. Lisboa, Edições 70.

MELO, L. F. Cardoso de Sousa, 1972-1990, «Tombo Primeiro do Registo Geral da Câmara Municipal do Funchal», Arquivo Histórico da Madeira, vols. xv, xvi, xvii, xviii e xix, Funchal, Direcção Regional dos Assuntos Culturais.

MEXIQUENSE, C. E. I. Los dulces regionales, tradición.

Disponível

em:

pdf,

MINTZ, S. W., 1996, Dulzura y poder: el lugar del azúcar en la historia moderna. Madrid, Siglo XXI;1985, Sweetness and power. Nova York, Viking-Pen; , 2003, O poder amargo do açúcar:

produtores escravizados, consumidores proletarizados : coletânea de artigos de Sidney W. Mintz , Editora Universitária UFPE.

MIRANDA, R. M., & Lôbo, A. S., 2014, Cultura através da arte: conhecendo a festa do divino nos ateliês Pirenopolinos. Anais do Simpósio Nacional de História da UEG e Fórum de Ensino de História, 3(1), 552-569.

MOLINA, J. R., 1997, Relaciones pacíficas en la frontera con el reino de Granada. In Actas del Congreso la Frontera Oriental Nazarí como Sujeto Histórico (S. XIII-XVI): Lorca-Vera, 22 a 24 de noviembre de 1994 (pp. 253-288). Instituto de Estudios Almerienses.

MONTANARI, Massimo, 2013. Comida como cultura. São Paulo: Senac.

NASCIMENTO, Cabral do, 1937, As Freiras e os Doces do Convento da Incarnação, in Arquivo Historico da Madeira, vol. V, Funchal.

NASCIMENTO, João C., 1937, “As Freiras e os Doces

do Convento da Encarnação”, Arquivo Histórico

da Madeira, vol. 5, pp. 68-75.

NUNES, N., 2003, Palavras Doces. Terminologia e tecnologia históricas e actuais da cultura açucareira: do Mediterrâneo ao Atlântico. Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico, Secretaria Regional do Turismo

e Cultura; 2008, Mudança e variação na

terminologia açucareira actual do Brasil, in Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto - Vol. 3, 177-195.

NUTINI, Hugo G.1988, “Pre-Hispanic Component of the Syncretic Cult of the Dead in Mesoamerica.” Ethnology 27.1: 57-78.

OLIVEIRA, K. S. D. A., Gracindo, Â. P. A. C., Bezerra, N. X., & Macedo, C. S., 2013, Sabores, saberes e fazeres da Chapada do Apodi. Disponível em: http://memoria.ifrn.edu.br/

OLIVEIRA, K. S. D. A., Gracindo, Â. P. A. C., Bezerra, N. X., & Macedo, C. S., 2013, Sabores, saberes e fazeres da Chapada do Apodi. Disponível em:

CADERNOS CEHA

23
23

Alfenim da Madeira para o mundo

ORTEGA HURTADO, J. L., & ORTEGA HURTADO, J. L., 2012, Propuesta para el rescate de las técnicas ancestrales de la producción de derivados de la caña de azúcar en la parroquia de Malacatos Cantón Loja. Disponível em: http://dspace.unl.

PERAZA DE AYALA, J. 1976, Las Ordenanzas de Tenerife (y otros estudios para la historio municipal de Canarios), Tenerife, Aula de Cultura de Tenerife.

PEREIRA, F. Jasmins, 1991, Estudos sobre História da Madeira, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico.

PÉREZ VIDAL, J., 1991, Los portugueses en Canárias. Portuguesismos, Gran Canaria, Cabildo Insular de Gran Canario;

1947, «Conservas y dulces de Canárias», Revisto de Diolectoiogio y Tradiciones Populares, tomo III, Madrid, Consejo Superior de lnvestigaciones Científicas, pp. 236-255;

1957, «Las conservas almibaradas de las Azares y las Canárias», Separata do vol. XIV do Boletim do Instituto Histórico da ilha Terceira, Angra do Heroismo, Tipografia Andrade.

PICCHIO, Luciana Stagagno, “O Sacro Colégio de Alfenim. Considerações sobre a civilização do Açúcar na ilha da Madeira e noutras ilhas”, in Actas do II Colóquio Internacional de História da Madeira, Funchal, 1990, pp.181-190.

PILLA, Maria Cecília Barreto Amorim, 2004. A arte de receber. Distinção e poder à boa mesa. (1900-1970). Tese (Doutorado em História) – Faculdade de História, Universidade Federal do Paraná, Paraná.

POEL, Frei Francisco van der. Arte e artista popular. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, p. 207-217, nov. 2012. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/ojs/

REBELO, Ernesto, 1982, “Notas açorianas”, Archivo dos Açores, 7, Ponta Delgada, 60-260, 1ª ed.

1885.

REYES RETANA, Sergio y otros, 990, La Historia de la

azúcar en México. Tomo 2. México: F.C.E.

RIBEIRO, Emanuel, 1928, O Doce nunca amargou… doçaria Portuguesa. História. Decoração. Receituário, Coimbra.

RODRIGUES, Domingues, 1987. Arte de cozinha. Leitura, Leitura, apresentação, notas e glossário por Maria da Graça Pericão e Maria Isabel Faria, Lisboa, Imprensa Nacional, (1680).

RUZ LHUILLIER, A., 1963, El pensamiento náhuatl respecto a la muerte. Estudios de Cultura Náhuatl, 4, 251-261.

SALGADO, Anastásia M. e SALGADO, Abílio José, 1986, O açúcar da Madeira e algumas instituições de assistência na Península e norte de África, durante a 1º metade do século XVI, Lisboa.

SAN JOSÉ, C. T., 2014, Los aranceles de la ciudad de Granada al final de la Edad Media. Arqueología y Territorio Medieval, 3.

SARAMAGO, Alfredo, 1993, Doçaria conventual do Alentejo. As receitas e o seu enquadramento histórico. Colares Editora

SARMENTO, A A., 1941, As pequenas indústrias da Madeira, Funchal.

SILVA, C. C. B. (2010, October). Alfenins o doce na festa. In V CONNEPI-2010. Disponível em: http:// connepi.ifal.edu.br/ocs/index.php/connepi/

doce na festa.

SILVA, C.

In V CONNEPI-2010. Disponível em: http:// connepi.ifal.edu.br/ocs/index.php/connepi/

CONNEPI2010/paper/viewFile/807/525.

SILVA, Mônica Martins da, 2001. A festa do Divino:

romanização, patrimônio & tradição em Pirenópolis (1890-1988). Goiânia: AGEPEL.

SONATI, J. G.; VILARTA, Roberto; SILVA, Cleiliane de Cassia, 2009, Influências Culinárias e Diversidade Cultural da Identidade Brasileira:

Imigração, Regionalização e suas Comidas. In:

MENDES, Roberto Teixeira; VILARTA, Roberto; GUTIERREZ, Gustavo Luis (Orgs.). Qualidade de Vida e Cultura Alimentar, vol. 1, p.137-147.

SOUSA, Álvaro Manso de, 1950,“O Bolo de Mel Ti Caetano”, Das Artes e da História da Madeira, vol. 1, pp. 31-32; id.,1949, “Um Ovo por Um

C.

B.,

2010, Alfenins

o

CADERNOS CEHA

24
24

Alfenim da Madeira para o mundo

Real”, Das Artes e da História da Madeira, pp.

68-69.

SOUZA, N. B. D., 2009, Doçura do Estado de Goiás:

um vetor de identidade e seu potencial turístico. Disponível em: http://bdm.unb.br/

TAVARES, Paulino Mota e Mafalda Pereira, 2000, Descoberta e invenção do Brasil. O amargo e o doce. Sintra, Colares Editora.

TINKER,

&

Larocque,

Calaveras. Austin: University of Texas.

Edward

1961.

Corridos

TONI, F. C. (2007). A pesquisa e o alfenim. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (45), 274- 276. Disponível em: http://200.144.255.123/

pdf .

TRASSElLI, C., 1982, Storia dello zucchero siciliano, Caltanissetta-Roma; 1983, «Dolcissima Palermo nel’ 400», L’Oro, 5 de Fevereiro: 14.

VÁZQUEZMANTECÓN,M.D.C.,2015,1y2denoviembre

en la ciudad de México, 1750-1900. Estudios

contemporánea de

Disponível em: http://

de

historia

moderna

1-18.

y

México,

(49),

VEIGA, F. B., 2008, Os gostos do Divino: análise do código alimentar da festa do Espírito Santo em Pirenópolis, Goiás. Candelária: Revista do Instituto de Humanidades, 5, 135-150.

VIEIRA, Alberto,1987, O comércio inter-insular nos séculos XV e XVI. Madeira, Açores e Canárias, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico.

VILHENA, M. D. C., 2000, Reminiscências árabes na doçaria portuguesa: as alcomonias. ARQUIPÉLAGO • HISTÓRIA, 2ª série, IV - N.º 2 (2000) 625-634. Disponível em: http:// repositorio.uac.pt/handle/10400.3/32.6 .

VILHENA, Maria da Conceição, 2000, Reminiscências árabes na doçaria portuguesa as alcomonias. Disponível em: <http://repositorio.uac.pt/ handle/10400. 3/269>acesso em 15 de Dez. de 2009.

VITERBO, Sousa, 1910, Artes e indústrias portuguesas. A indústria sacarina, 2º série, Coimbra (1 º série, 1909).

ZENIL LÓPEZ, L. P., 2015, La Feria y Festival Cultural del Alfeñique: Un producto turístico consolidado. Integración, desarrollo y resultados. Disponível em: http://observatoriocultural. udgvirtual.udg.mx/repositorio/bitstream/

ZOLLA, Carlos,1995, Elogio Del Dulce, Ensayo Sobre La Dulcería Mexicana (2ª Ed.). México: Fondo De Cultura Económica.

Obs.: as imagens

da capa e pp. 3 a 7, 8(1º), 9(2ª), 15, 16, 18(1ª) são de trabalhos de Manuela Alexandra

Cardoso (Ribeirinha, Angra do Heroismo-Terceira-Açores)

CADERNOS CEHA

25
25

O alfenim foi conhecido em Portugal desde a medievalidade e ganhou importância no quotidiano da sociedade portuguesa, a partir da divulgação do açúcar desde meados do século XV, com as elevadas produções da Madeira. A ilha, como espaço de produção de açúcar, especializou-se na

arte da doçaria, transpondo o seu perímetro e chegando aos Açores, Canárias e Brasil. No Atlântico, o primeiro alfenim foi produzido na Madeira e depois chegou a todo o lado, afirmando-se como o doce mais nobre, servido na casa das famílias importantes, e usado como dádiva nas festas do divino.

Na Madeira, a sua presença fica praticamente pelo registo da documentação, mas em algumas ilhas dos Açores e em alguns Estados do Brasil continua vivo, alimentado pela persistência das festas em honra do Divino Espírito Santo. São duas marcas emblemáticas da tradição e cultura portuguesa que têm na Madeira e, depois nos Açores, um momento emblemático que não pode ser ignorado.

Açores, um momento emblemático que não pode ser ignorado. CADERNOS CEHA Centro Estudos de História do
Açores, um momento emblemático que não pode ser ignorado. CADERNOS CEHA Centro Estudos de História do

CADERNOS CEHA

Centro Estudos de História do Atlântico (CEHA)

Rua das Mercês, nº 8, Funchal Tel: 291 214 970 • Fax: 291 223 002 email: geral.ceha@gov-madeira.pt página web: http://ceha.gov-madeira.pt/ blogue: http://memoriadasgentes.blogspot.com