Você está na página 1de 27
Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

TRABALHO 3.2: CONDIÇÕES DE CONFORTO EM INTERIORES (AMBIENTES MODERADOS – NORMA ISO 7730)

EM INTERIORES (AMBIENTES MODERADO S – NORMA ISO 7730) O presente documento deve ser visto como

O presente documento deve ser visto como auxiliar à execução do trabalho 3.2. No entanto, não dispensa a consulta da Regulamentação técnica sobre conforto térmico:

ISO 7730, ISO 7243, ISO 8996, ISO 9920, ISO 15265, ISO 7933, ISO 9886, ISO 10551

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Nomenclatura

A eff – Área efectiva do corpo para a transferência de calor por radiação [m 2 ]; A eff < A DU ;

A DU – Área corporal, i.e., área da superfície exterior de uma pessoa nua [m 2 ];

a – Altura [m];

DR – Draught Risk, Percentagem de pessoas insatisfeitas devido a correntes de ar; f vest – Factor de vestuário, adimensional;

h – Coeficiente de convecção entre a superfície exterior do vestuário e o ar exterior [W/m 2 .K]; I vest – Resistência térmica de vestuário [m 2 .K/W] ou [clo];

M

– Metabolismo [W/m 2 ];

m

– Massa [kg];

P vap –Pressão parcial do valor de água do ar ambiente [Pa];

Q

Cond – Calor transferido por condução [W/m 2 ];

Q

Conv – Calor transferido por convecção [W/m 2 ];

Q

Rad – Calor transferido por radiação [W/m 2 ];

Q

Evap – Calor transferido por evaporação [W/m 2 ];

S

–termo de acumulação de energia no corpo [W/m 2 ];

v ar – Velocidade média do ar [m/s]; t a – Temperatura seca do ar ambiente [ºC]; t pele – Temperatura da pele do corpo humano [ºC];

t rm – Temperatura média radiante dos elementos opacos do espaço [ºC]; Tu – Índice de Turbulência [%]; t vest – Temperatura exterior do vestuário [ºC];

W – Trabalho realizado para o exterior [W/m 2 ];

Símbolos Gregos φ – Humidade relativa do ar atmosférico [%];

ε − Emissividade da superfície exterior do corpo vestido; ε ≈ 0,97, valor médio entre a pele e roupas comuns;

σ − Constante de Stefan-Boltzmann (5,67.10 -8 W/m 2 .K 4 ).

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Fundamentos

O conforto térmico está directamente relacionado com o balanço térmico ao corpo

humano. Portanto, os parâmetros mais importantes do conforto térmico subdividem-se

em duas classes: parâmetros individuais: actividade física desenvolvida, vestuário usado

e parâmetros ambientais: temperatura, velocidade, humidade relativa do ar e temperatura média radiante.

Considerando o equilíbrio térmico, como o balanço entre o calor gerado internamente (função do metabolismo e do tipo de actividade física desenvolvida) e o calor transmitido por condução, convecção e radiação, vem que:

MQ=

Cond

+ Q

Conv

++Q

Rad

Q

Evap

(1)

A condução não assume geralmente grande relevância. A convecção depende da

temperatura e velocidade do ar exterior. A radiação depende da temperatura média radiante e a evaporação depende da humidade do ar e da sua velocidade.

Nota: Normalmente, o calor transferido por condução é desprezável, pelo que Q Cond 0.

O calor transferido por convecção, Q Conv , é dado por:

Q

=

Conv

15

⋅ v ar
v
ar

(

⋅−t

vest

t

a

)

(2)

Nota: O Calor transferido por convecção representa cerca de 26 % do total de trocas térmicas do corpo humano.

As trocas por radiação dão-se entre a superfície do vestuário e as paredes envolventes. Dependem da diferença de temperatura do vestuário e da temperatura média radiante das paredes envolventes (média ponderada das temperaturas das paredes envolventes). Podem ser determinadas por:

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

(3)

Por outro lado, pode-se determinar a perda de calor por radiação pela lei de Stefan-

Boltzmann:

Q

Rad

=⋅ tt

vest

mr

7

(

)

R

=

ε σ

.

.

A

eff

A DU

.f

vest

.

(

t

vest

+

273

4

)(

t

r

+

273

)

4

A eff

A DU

0,71 , é um valor médio para várias posturas.

K

1

=

ε σ

.

.

A

eff

A

DU

3,96.10

8

[W/m 2 .K 4 ]

Nota: O calor transmitido por radiação representa cerca de 42 % do total de trocas

térmicas do corpo humano.

O calor transmitido por evaporação resulta da respiração e sudação do organismo. O seu

cálculo é feito pelo balanço térmico resultante da equação 1, desde que já tenha sido

estimado o valor do metabolismo:

Q

Evap

(

=−MQ

Conv

+ Q

Rad

)

(4)

Nota: O calor transmitido por evaporação representa cerca de 32 % do total das trocas

térmicas do corpo humano.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Tr ocas Tér micas no Cor po Humano

Qcond

0% Qconv 26% Qevap 32% Qrad 42%
0%
Qconv
26%
Qevap
32%
Qrad
42%

Existem diversas formas de determinar o conforto térmico. Neste guia de trabalho vamos considerar a preconizada na norma ISO 7730.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

NORMA ISO 7730

A

metodologia de cálculo consiste nos seguintes pontos:

Parâmetros: quantificam-se os parâmetros individuais e ambientais das pessoas e

do ambiente.

Equação de Conforto: substituem-se estes valores na equação de conforto

térmico para determinação do termo associado à acumulação energética no

corpo, S.

PMV: com base no valor da acumulação energética no corpo e no metabolismo

determina-se o valor de PMV (Predicted Mean Vote) através de uma correlação.

O PMV não é mais do que uma escala quantitativa da sensação de calor e de

frio.

PPD: a percentagem de pessoas insatisfeitas termicamente, PPD, é determinada

com base no valor de PMV através de uma correlação.

Parâmetros Individuais

O

metabolismo corresponde à taxa de utilização de energia pelo corpo. O metabolismo

subdivide se no metabolismo basal e de actividade. O metabolismo basal corresponde à

taxa verificada durante o repouso absoluto, mas em vigília. O metabolismo de

actividade está relacionado com o esforço físico, podendo ser 20 vezes superior ao

metabolismo basal em atletas bem treinados.

Para a mesma actividade, verificou-se que o metabolismo varia principalmente com a

área corporal, pelo que é geralmente definido nas unidades W/m 2 , tomando-se o valor

de 1,75 m 2 como área corporal de um adulto.

Embora não referido no texto da norma, convém ter em conta que, de acordo com

DuBois (1916), a área corporal (área da superfície exterior de uma pessoa nua, em m 2 )

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

está correlacionada com a altura (em m) e com o peso (em kg) pela equação 6, com representação gráfica na figura 1.

A

DU

=

0, 203.

m

0,425

.

a

0,725

(5)

gráfica na figura 1. A DU = 0, 203. m 0,425 . a 0,725 (5) Figura

Figura 1: Área corporal em função da altura e do peso

A relação entre a actividade e o metabolismo (valor total, i.e., soma da parcela basal com a de actividade) é apresentada na tabela 1.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Tabela 1: Nível de metabolismo em função da actividade desenvolvida (vd. anexo da norma ISO 7730).

 

Nível de metabolismo

Actividade

W

(met) 1

W/m 2

Repouso

80-100

0,8-1,0

45,7 – 57,1

Actividade sedentária

100-120

1,0-1,2

57,1 – 68,6

Trabalho leve

140-180

1,4-1,8

80,0 – 102,8

Trabalho oficinal médio

200-300

2,0-3,0

114,3 – 171,4

Ginástica

300-400

3,0-4,0

171,4 – 228,6

Desporto de competição

400-600

4,0-6,0

228,6 – 342,9

Trabalho Tipicamente a avaliação de conforto verifica-se em casos em que o trabalho realizado é

nulo ou corresponde apenas a dissipações por atrito, tais como, pessoas sentadas ou em

andamento contínuo.

A quantificação do trabalho realizado para o exterior, corresponde à variação da energia

cinética e potencial (por exemplo, na subida de escadas).

Vestuário O vestuário é caracterizado através da sua resistência térmica, I vest , nas unidades

m 2 .K/W. À semelhança do metabolismo, o vestuário apresenta uma unidade própria, o

clo, que corresponde à resistência térmica de 0,155 m 2 .K/W. A tabela 2 apresenta

valores típicos de resistência térmica, I vest , de diferentes tipos de vestuário.

1 Uma forma de contabilizarmos (medirmos) o nível de actividade é através do met, que caracteriza a produção de calor devido ao desempenho humano. 1met =58 W/m 2 ; área média do corpo humano A = 1,75 m 2 . Um homem produz aproximadamente 100 W de calor.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Tabela 2: Resistência térmica do vestuário.

Vestuário

Resistência térmica, I vest [clo]

Resistência térmica, I vest

[m 2 .K/W]

Nu

0

0

Calções

0,1

0,016

Vestuário Tropical

0,3

0,047

Vestuário leve de Verão

0,5

0,078

Vestuário de trabalho

0,7

0,124

Vestuário de Inverno para ambiente interior

1,0

0,155

Fato completo

1,5

0,233

Humidade do ar As equações de balanço energético são deduzidas com base na pressão parcial do vapor

de água no ar. Definido o estado higrocópico do ar é em termos da temperatura seca, t a

em ºC, e a humidade relativa, φ entre 0 e 1, a pressão parcial do vapor de água, p vap em

Pa, é obtida pela equação 7.

P

vap

=

φ

com,

P

Sat

(T)

P

Sat

(T)

=

1000 e

⎜ ⎝

16,6536

4030,183

T

+

235

⎟ ⎠

(6)

Equação de conforto térmico A equação de conforto térmico permite calcular o termo de acumulação de energia no

corpo, S, correspondente à diferença entre o metabolismo desenvolvido no corpo e a

transferência de calor para o ambiente, sendo apresentada na equação 8.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

M

3,9 6 10

f

+ S

3,05 10

W

0,42

1,7 10

3

(5733

6,99 (M

W)

⋅−

⋅−−⎡

(

M

W

)

58,15

5

⋅⋅ M (5867

P

Vap

+

)

0,0014 ⋅⋅ M (34

vest

⋅⋅ h

8

⋅⋅ f

vest

(t

vest

t

ar

)

t

(

a

t

=

)

vest

273

4

)(

t

rad

P

Vap

)

+

273

(7)

)

4

Temperatura exterior do vestuário

(Metabolismo e Trabalho)

(Difusão de vapor)

(Transpiração)

(Respiração latente)

(Respiração sensivel)

(Radiação)

(Convecção)

(Acumulação de calor)

A temperatura da superfície do vestuário é obtida por balanço energético, igualando a

transferência por condução da pele para o vestuário à transferência de calor por

convecção e radiação, resultando na equação não linear que se apresenta nas equações 9

e 10. Nesta equação I vest corresponde à resistência térmica do vestuário, em m 2 .K/W, e

t pele à temperatura da pele, em ºC.

t vest

=

t

pele

I

vest

{

3,96 10

Factor de vestuário

8

t pele

= 35,7 0,0275⋅−(M

W)

f

vest

⎣ ⎢

(

t

vest

+

273

(9)

)

4

()

t

rad

+

273

4

⎦ ⎥

+

f

vest

h

⋅⋅

c

(

t

vest

t

ar

(8)

)

}

O factor de vestuário define-se pela razão entre a área exterior do vestuário e a área

corporal, sendo, consequentemente, um valor adimensional e superior à unidade. O

factor de vestuário correlaciona-se com a resistência térmica do vestuário através das

equações 11 e 12.

f vest

f vest

=+1,00

=+1,05

1, 290 I

0,645 I

vest

vest

para

para

I

I

vest

vest

< 0,078

> 0,078

m

m

2

2

⋅ K W ⋅ K W
⋅ K W
⋅ K W

(10)

(11)

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica
Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica Figura 2: Factor de vestuário em função da resistência

Figura 2: Factor de vestuário em função da resistência térmica do vestuário.

Coeficiente de convecção A norma ISO 7730 define o cálculo do coeficiente de convecção natural e forçada pelas

equações 13 e 14:

h

=⋅− 2,38 (t t vest ar h = 12,1 ⋅ v
=⋅−
2,38 (t
t
vest
ar
h
=
12,1
v

)

0,25

para

para

2,38

2,38

(

t

vest

(

t

vest

t

ar

)

) 0,25 t >⋅ 12,1 ar < 12,1⋅ v
) 0,25
t
>⋅
12,1
ar
< 12,1⋅
v

0,25

v
v

(12)

(13)

Estas correlações são representadas graficamente nas figuras 3 e 4.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica
Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica Figura 3: Coeficiente de convecção natural. Figura 4:

Figura 3: Coeficiente de convecção natural.

Mecânica Figura 3: Coeficiente de convecção natural. Figura 4: Coeficient e de convecção forçada. Nota:

Figura 4: Coeficiente de convecção forçada.

Nota: Consultar lista de símbolos (nomenclatura), com significado das variáveis. As equações de t vest e h c podem ser resolvidas iterativamente.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Evaporação As perdas por evaporação de água na pele são devidas ao mecanismo permanente de

difusão de vapor e às situações de transpiração, resultante da necessidade do corpo em

manter uma temperatura constante.

A difusão de vapor depende da diferença de pressão de vapor entre a pele (p pele ) e a

atmosfera (p vap ) sendo correlacionada por 3,05.10 3 .(P pele – P vap ), em W/m 2 .

Como a pressão de vapor é função da temperatura da pele, a expressão anterior poderá

tomar a seguinte forma 3,05.10 3 .(256.T pele – 3373 – P vap ), conduzindo à expressão final

do termo de evaporação substituindo t pele pela correlação anteriormente apresentada,

função do metabolismo e do trabalho.

Respiração Trata-se de uma perda de calor de pouco significado. Compõe-se de uma carga sensível

resultante do aquecimento do caudal de ar de respiração e de uma carga latente por

humidificação do ar. Tipicamente a temperatura do ar expirado é de 34 ºC, tendo-se

identificado uma relação linear entre o caudal e o metabolismo, pelo que este termo é

dado por 0,0014.M.(34 – t ar ). Para condições normais (tar = 23 ºC e metabolismo de

90 W/m 2 ) esta carga é de 1,3 W/m 2 , ou seja, insignificante.

A carga latente está relacionada com a pressão de vapor do ambiente sendo calculada

por: 1,7.10 5 .M.(5867 – P vap ). Para condições normais (p vap = 1,4 kPa e o metabolismo

de 90 W/m 2 ) esta carga é de 7 W/m 2 , pelo que muitas vezes não é considerada.

Radiação

A constante 3,96.10 8 resulta do produto da constante de Boltzmann pelo factor de

forma entre o vestuário e o exterior (toma-se 0,71) e pelo termo relacionado com as

emissividades (considera-se uma emissividade da pele e do vestuário de 1 e 0,95,

respectivamente).

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Índice PMV

O PMV é um índice que prevê o valor médio do voto de um grupo extenso de pessoas

(amostragem significativa) segundo a seguinte escala de sensação térmica:

−−3

2

muito frio

frio

1

ligeiramente frio

0

neutro

1

ligeiramente quente

2

quente

3

muito quente

O índice PMV baseia-se no balanço de energia ao corpo humano. Um indivíduo encontra-se em equilíbrio térmico quando a produção interna de energia do corpo (função do metabolismo) igualar as perdas de calor com o ambiente envolvente.

Em ambientes moderados, os sistemas internos de regulação térmica do corpo humano tentam, automaticamente, alterar a temperatura da pele e o nível de sudação, de forma a manter o equilíbrio térmico. No índice PMV, a resposta fisiológica dos sistemas internos de temperatura foi relacionada com a escala de votos de sensação térmica recolhidos de um grupo de mais de 1300 indivíduos.

O índice PMV pode ser calculado por:

=

− ⋅⎡

PMV

(

3

0,303

⋅⎡ ⎣

e

)

0,036 M

+

0,028

M

⋅−

(

)

{(

W

)

5733

⋅−

W

M

3,05 10

0, 42

(

M

1,7 10

5

⋅⋅ M

(

0,0014 ⋅⋅ M

3,96 10

f

(

34

⋅⋅ f

vest

vest

t

a

8

− ⋅

+

(

⋅⋅ ht

c

vest

P

v

)

vest

+

)

6,99

58,15 ⎤ ⎦

)

−−⎤

P

v

−−

W

5867

t

a

(

t

)}

273

4

)(

t

mr

+

273

)

4

+

(14)

Segundo a norma ISO 7730, o uso do índice PMV é recomendado para valores entre – 2 e + 2, e quando os valores dos seguintes parâmetros se encontrarem dentro da gama

indicada:

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Índice PPD

0

46

W m

2

M

232 W m

2

m

2

(

0,8 met

M

4 met

)

K W

⋅≤≤

K W

(

0 clo

I

vest

2 clo

)

 

10

ºC

t

ar

30 ºC

10

ºC

t

mr

40 ºC

0

m s

v

1 m s

 

0 kPa

P

2,7 kPa

 

v

O índice PPD, estabelece a quantidade estimada de pessoas insatisfeitas termicamente

com o ambiente. Baseia-se na percentagem de um grande grupo de pessoas que

gostariam que o ambiente estivesse mais quente ou mais frio, +3, +2 ou 3 e 2, na

escala sétima de sensações.

O PPD pode ser determinado analiticamente, conforme equação 16 em função do PMV,

ou extraído da figura 5.

PPD

=

100

95

−⋅

e

(

4

0,03353 PMV

⋅−

0,2179 PMV

2

)

(15)

Uma conclusão interessante deste gráfico, figura 5, é que qualquer que sejam as

condições ambientais, não se consegue menos do que 5% descontentes. Baseado nesta

caracterização de conforto térmico, a ISO 7730 admite serem aceitáveis ambientes

térmicos em que 0,5 < PMV < 0,5, ou seja, em que não mais de 10 % dos ocupantes

se mostrem descontentes.

A ISO 7730 impõe outras regras necessárias para conforto térmico, relacionadas com os

parâmetros de conforto:

A assimetria da temperatura radiante de janelas ou outra superfície vertical fria deve

ser inferior a 10 ºC (em relação a um plano vertical 0,6 m acima do chão);

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

A velocidade do ar tem de ser no Inverno inferior a 0,15 m/s, com temperaturas entre 20 e 24 ºC. No Verão inferior a 0,25 m/s, com temperaturas entre 23 e 26 ºC.

A diferença de temperatura do ar a 1,1 m e a 0,1 m acima do chão não deve exceder 3 ºC.

A temperatura do chão deve situar-se entre 19 e 26 ºC excepto em pavimentos radiantes podendo atingir neste caso os 29 ºC.

pavimentos radiantes podendo atingi r neste caso os 29 ºC. Figura 5: PMV vs. PPD. Desconforto

Figura 5: PMV vs. PPD.

Desconforto térmico localizado, DR – Draught Risk

Taxa de corrente de ar, pode ser definida como arrefecimento local não desejado do corpo, causado pelo movimento de ar. Ela pode ser expressa como uma percentagem de pessoas que estão desconfortáveis pelas correntes de ar. Pode ser determinada através da seguinte equação empírica:

DR = (34 t ) (v 0,05)

a

0,62

(0,37 ⋅⋅v Tu + 3,14)

(16)

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

O modelo de estudo para o cálculo do índice DR baseou-se num estudo que englobou 150 indivíduos sujeitos a ambientes entre 20 e 26 ºC, velocidades médias do ar entre 0,05 e 0,4 m/s e índices de turbulência entre 0 e 70 %. A actividade dos indivíduos variou entre a sedentária e o trabalho leve, sendo que a sensação manifestada pela maior parte dos indivíduos aproximava-se da neutralidade térmica. O risco de desconforto é menor em indivíduos com actividades de maior nível físico do que em actividades sedentárias. O mesmo sucede para indivíduos que manifestem sensação de calor relativamente a indivíduos com sensação neutral.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

OBJECTIVOS

Com este trabalho experimental pretende-se analisar as condições de conforto em locais definidos para os diferentes grupos de trabalho. Pretende-se fomentar o contacto com o equipamento em causa, com sondas de medida, assim como sensibilizar os alunos para fenómenos associados ao conforto térmico. Como corolário do ensaio será exigido a realização dum relatório em que se descreva, analise e comente o trabalho efectuado.

RELATÓRIO

O relatório será realizado em casa e deverá, no mínimo, constar o seguinte material:

Breve descrição do ensaio. Formulação teórica (inclui resumo das equações utilizadas). Tabela de dados (caso se justifique será incluido como anexo). Resposta às questões solicitadas aos intervenientes e complementares às listadas neste guia. Conclusões.

MATERIAL A UTILIZAR

TESTO 400 – datalogger de aquisição. Conjunto de sondas de análise do ambiente interior – temperatura de globo, bolbo húmido, e bolbo seco; Sonda de 3 funções – temperatura do ar, velocidade e humidade relativa; Sonda do índice de turbulência – temperatura e velocidade do ar; Sonda de infravermelhos – temperatura das superfícies envolventes e temperatura do vestuário dos indivíduos. Acessórios do equipamento: tripés de apoio, mala de transporte das sondas e cabos de ligação.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Mala de transporte dos transdutores, dos cabos de ligação e acessórios de montagem. Pistola de infravermelhos com sonda de contacto. Software comsoft3.

CUIDADOS A TER DURANTE O ENSAIO EXPERIMENTAL

Durante o ensaio experimental devem ter-se os seguintes cuidados:

Não tocar nos sensores. Não os colocar em locais onde se possam danificar. Não operar o equipamento com as mãos molhadas. Não efectue ligações sem ter a certeza de estarem correctas. Não colocar o suporte em locais instáveis. Fixar correctamente os transdutores no suporte. Ligar o analisador depois de todos os transdutores estarem ligados. Não se colocar nas proximidades dos transdutores durante as medições. Não se posicionar entre o transdutor e a superfície que se está a medir a temperatura radiante. Não induzir deslocações de ar na zona dos transdutores. Não forçar o termómetro de contacto durante a medição da temperatura do corpo.

PROCEDIMENTO DURANTE O ENSAIO EXPERIMENTAL

1)

Ligar o analisador de ambientes interiores.

2)

Deixar estabilizar as leituras do equipamento.

3)

Efectuar as seguintes leituras:

a) Temperatura seca do ar.

b) Velocidade do ar.

c) Humidade relativa do ar.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

d) Temperatura da superfície do chão e da superfície do corpo.

e) Temperatura radiante em três orientações (norte-sul; oeste-este; tecto-

chão).

RESUMO DAS EXPRESSÕES

= φ ⋅P(T) P vap Sat =⋅ 15 v ⋅ ( t −t ) Q
= φ ⋅P(T)
P vap
Sat
=⋅
15
v
(
t
−t
)
Q Conv
ar
vest
a
=⋅ tt−
7
(
)
Q Rad
vest
mr
Q
=−MQ
(
+Q
)
Evap
Conv
Rad
PMV
=
(
0,036 M
0,303
e
+
0,028
)
⋅−
{(
M
W
)
− 3
3,05 10
⋅⎡ ⎣
5733
6,99
⋅−−−⎤
(
M
W
)
P
v
− 0, 42
⋅⎡ ⎣
(
M
−−
W
)
58,15
⎤ ⎦
− 5
1,7 ⋅ 10
⋅⋅ M
(
5867
P
v )
0,0014 M
⋅⋅
(
34
t
a )
4
4
− 8
3,96 10
⋅⋅
f
(
t
+
273
)(
t
+
273
)
vest
vest
mr
+
f
⋅⋅
ht
(
t
)}
vest
c
vest
a
(
4
2
0,03353 PMV
⋅−
0,2179 PMV
)
PPD
=
100
−⋅
95
e
t
+⋅
t
10
v
mr
a
ar
=
t rs
1 +
10
v
ar
Para uma pessoa em pé:

+

t mr

=

0,08

⋅⎡

t

pr

(

tecto

)() pr

+

t

chão

⎤ +⋅⎡

0, 23

t

pr

(

oeste

)

+

t

pr

(

este

)

⎤ +⋅⎡

0,35

t

pr

()

norte

+

t

pr

(

sul

)

2

(

0,08

0, 23

++

0,35

)

Para uma pessoa sentada:

0,18

⋅⎡

t

pr

(

tecto

)() pr

+

t

chão

⎤ +⋅⎡

0, 22

t

pr

(

oeste

)

+

t

pr

(

este

)

⎤ +⋅⎡

0,30

t

pr

(

norte

)( pr

+

t

sul

)

2

(

0,18

++

0, 22

0,30

)

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

ANEXOS

Norma ISO 7730 (disponível para consulta);

Analisador de ambientes térmicos moderados;

Quadros resumo;

Condições de projecto interior e exterior (Wang, Shan K., Handbook of air conditioning and refrigeration, chapter four, 2 nd edition, McGraw-Hill, 2001, ISBN: 0-07-068167-8;

Relatório.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

ANALISADOR DE AMBIENTES TÉRMICOS MODERADOS

O equipamento é constituído por um datalogger de aquisição, um conjunto de sondas de análise do ambiente interior, respectivos acessórios de transporte, apoio e cabos de ligação. Datalogger de aquisição TESTO 400

e cabos de ligação. Datalogger de aquisição TESTO 400 Este aparelho de aquisição serve para registar

Este aparelho de aquisição serve para registar os valores obtidos pelas sondas. Para algumas situações faz também o cálculo directo de unidades derivadas e o seu registo juntamente com as unidades lidas directamente.

Sonda de três funções

com as unidades lidas directamente. Sonda de três funções relativa. Esta sonda mede simultaneamente a temperatura

relativa.

Esta sonda mede simultaneamente a temperatura do ar, a velocidade e a humidade

Sonda do índice de turbulência

a velo cidade e a humidade Sonda do índice de turbulência Esta sonda mede a temperatura

Esta sonda mede a temperatura e a velocidade do ar.

Sondas de temperatura de globo, temperatura de bolbo húmido e temperatura bolbo seco

A sonda de temperatura de globo a mede a temperatura média radiante.

temperatura de gl obo a mede a temperatura média radiante. Através de um suporte, são montadas

Através de um suporte, são montadas as três sondas, que a funcionar em conjunto permitem ao datalogger indicar o valor do WBGT. Na figura seguinte encontra-se a montagem.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica
de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica Sonda de temperatura de infravermelhos 23

Sonda de temperatura de infravermelhos

de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica Sonda de temperatura de infravermelhos 23
Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

QUADROS RESUMO

Quadro 1 Características da população estudada:

Mulheres – Idade, altura, peso. Homens – Idade, altura, peso.

Quadro 2 Do questionário fazem parte os seguintes pontos:

Escala de sensação térmica segundo Fanger. Estimativa da temperatura da sala. Opinião sobre o movimento do ar, em termos de preferência e aceitabilidade (Escala de aceitabilidade: muito inaceitável, moderadamente inaceitável, pouco inaceitável, até muito aceitável; Escala de preferência: menos movimento do ar, sem alteração, mais movimento do ar). Lista de roupa utilizada pelos intervenientes, numa escala de quatro pontos (com separação de homens e mulheres). Actividade física e refeições tomadas nos últimos 30 minutos.

Quadro de caracterização do ar ambiente:

Humidade relativa [%]

Pressão parcial do vapor [kPa]

Temperatura de orvalho [ºC]

Velocidade média do ar [m/s]

Temperatura de bolbo seco [ºC]

Quadro relativo ao vestuário utilizado, ou seja, resistência térmica do vestuário:

Vestuário

Vestuário Icl [m 2 .K/W]

Icl [m 2 .K/W]

Vestuário Icl [m 2 .K/W]
Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Inquérito sobre a sensação de conforto (segundo a norma 7730)

Sensação de conforto

Indivíduo 1

Indivíduo 2

Indivíduo 3

Indivíduo 4

Indivíduo 5

Voto médio

Quadro 3 Condições climatéricas interiores do espaço em estudo:

Data, Tempo, temperatura seca do ar, temperatura de bolbo húmido, temperatura operativa, velocidade do ar (10 s) desvio padrão da velocidade do ar (10 s), temperatura de orvalho, velocidade do ar (3 min) desvio padrão da velocidade do ar (3 min), Clo, Met, Draught risk (DR), humidade relativa, pressão parcial do vapor, PMV, PPD, Temperatura equivalente, índice de turbulência.

Quadro 4 Localização, caracterização e disposição do espaço em estudo. Indicação de formas auxiliares de climatização e se em funcionamento.

Quadro 5 Valores referentes à radiação

T Δ
T
Δ

Δ

Q

Orientação / diferenças

Temperatura do plano radiante [ºC]

Norte

Sul

T Δ
T
Δ

Δ

Q

Oeste

Este

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica
T Δ
T
Δ

Δ

Q

Tecto

Chão

T Δ
T
Δ

Δ

Q

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Engenharia Mecânica

RELATÓRIO

Do relatório escrito não podem falta os seguintes pontos:

1) Tabela referente ao vestuário e determinação da resistência térmica da roupa (considere o vestuário mais comum entre os elementos que participaram no inquérito). 2) Recorrendo à folha de cálculo fornecida determinar os índices PMV e PPD. Comparar com as sensações térmicas sentidas por cada elemento participante. 3) Verificar e caracterizar as condições de conforto através dos parâmetros de temperatura equivalente e temperatura operativa (norma ISO 7726). 4) Calcular as trocas de calor por convecção, radiação e evaporação (norma ISO 9920, 7933), para uma pessoa em pé e para uma pessoa sentada (recorra ao formulário fornecido). Determine a importância relativa de cada um dos mecanismos de troca de calor.

5)

6) Calcular a temperatura média radiante (norma ISO 7726) e avaliar o stress

Calcular o calor libertado pelo metabolismo, de acordo com a norma ISO 8996.

térmico do ambiente em estudo (índice WBGT).