Você está na página 1de 6
ESTUDANTE: Nº: TURMA: DATA: / / TRIMESTRE: COMP. CURRIC.: GEOGRAFIA PROFESSOR(A): BRUNO MACIEL PERES NÚCLEO
ESTUDANTE: Nº: TURMA: DATA: / / TRIMESTRE: COMP. CURRIC.: GEOGRAFIA PROFESSOR(A): BRUNO MACIEL PERES NÚCLEO

ESTUDANTE:

Nº:

TURMA:

DATA:

/

/

TRIMESTRE:

COMP. CURRIC.: GEOGRAFIA

PROFESSOR(A): BRUNO MACIEL PERES

NÚCLEO II

SEGMENTO: ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS

PERES NÚCLEO II SEGMENTO: ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS Avaliação REVISÃO DE GEOGRAFIA CONTINENTE EUROPEU

Avaliação

REVISÃO DE GEOGRAFIA

CONTINENTE EUROPEU

ASPECTOS FÍSICOS DA EUROPA No conjunto chamado de Velho Mundo Eurásia e África, a Europa, do ponto de vista físico, é apenas uma península da Ásia. Do ponto de vista histórico-social, no entanto, a Europa é um continente, pois ao longo dos séculos desenvolveu uma cultura que diferencia da Ásia e da África. A cultura europeia é ocidental, baseada no alfabeto latino, nas religiões judaico-cristãs e na ideia de progresso e desenvolvimento material. Com pouco mais de 10 500 000km² de extensão, conta com aproximadamente 743 milhões de habitantes. Nesse pequeno continente existem 42 países. Em relação a sua localização é limitada ao norte pelo Oceano Glacial Ártico e ao sul pelo mar Mediterrâneo. A oeste pelo Oceano Atlântico, que forma vários mares, golfos e canais, como o mar Báltico, o mar da Noruega, mar do Norte, o canal da Mancha, etc. A leste a Europa se une à Ásia, e os limites entre elas são os montes Urais, o mar Cáspio e o rio Ural.

entre elas são os montes Urais, o mar Cáspio e o rio Ural. Mapa Europa: Político

Mapa Europa: Político

Urais, o mar Cáspio e o rio Ural. Mapa Europa: Político Mapa Europa: Físico A Europa

Mapa Europa: Físico

A Europa se localiza quase que inteiramente na zona temperada, já que está ao norte do trópico de Câncer e é atravessada pelo círculo polar Ártico. Por esse motivo, no continente, predomina o clima temperado. A norte os climas são mais frios, no centro e também nas áreas mais elevadas. Já na parte sul ou meridional do continente os climas são mais quentes. Ainda sobre os climas, são mais úmidos na parte litorânea oeste - mais secos na parte continental leste.

UNIÃO EUROPEIA Processo de estruturação

O princípio da EU está vinculado a resistência da expansão do Plano Marshall, que foi criado

pelos Estados Unidos para auxiliar a reestruturação da Europa após a Segunda Guerra Mundial. É neste momento que surgem também a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), destinado a garantir a presença do capitalismo no leste europeu, a atuação

da OTAN não ficou restrita apenas ao campo militar, embora fosse seu preceito inicial, a organização tomou dimensões de interferência nas relações econômicas e comerciais dos países envolvidos. Para garantir a soberania territorial europeia é criado o CECA, mas não é somente o oeste europeu que buscou uma forma de barrar a expansão norte-americana. O leste sob o domínio da URSS, criam o Pacto de Varsóvia para garantir militar e politicamente o ideário socialista.

1 Comunidade Europeia do Carvão e do Aço CECA:

Entrou em vigor em 1952 e se prolongou até 2002. Os objetivos da comunidade eram criar um mercado comum para o carvão, o ferro e o aço por meio de acordos relativos aos preços

e ás taxas de transporte e, isso, evitar uma nova guerra entre os países-membros. Foi a

primeira experiência de integração econômica das nações europeia. (Alemanha Ocidental, Bélgica, Países Baixo, Luxemburgo, Itália e França)

2 Mercado Comum Europeu:

Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo, Alemanha Ocidental, França e Itália assinaram o Tratado de Roma, que fundou a Comunidade Econômica Europeia (CEE), que passou a vigorar em 1958. Mais conhecido como Mercado Comum Europeu, esse organismo foi criado como objetivo de garantir a livre circulação de mercadorias, serviços e pessoas entre seus membros. Ou seja, sua finalidade era eliminar todos os obstáculos, alfandegários ou não, que impediam o livre-comércio.

3 União Econômica do Benelux:

A União Econômica do Benelux, com o objetivo de facilitar e aumentar suas importações e

exportações. Esse organismo, com sede em Luxemburgo, tem atingido suas metas mediante a cobrança de tarifas alfandegárias mais baixas. (Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo)

4 MCE:

Entram para o MCE Reino Unido, Irlanda e Dinamarca. Em 1981, Grécia, seguido de Portugal, Espanha, Áustria e Finlândia em 1995. Em 1990, evolui para se tornar uma união monetária, o que confirmou seu forte caráter político. Por isso, em 1994, ele passou a ser denominado União Europeia (EU), com um objetivo mais amplo: construir uma unidade

política, econômica, monetária e militar na Europa.

5 Tratado de Maastricht:

Esse tratado prepara a união monetária europeia a moeda única e introduz elementos para uma união político. Elevando o peso do parlamento europeu, estabelecendo ainda novas forma de cooperação entre seus membros.

6 Euro, Países-Membros e Candidatos

2002 O Euro entra em circulação. Quando foi lançado a moeda, seu valor era igual ao do dólar norte-americano, mas com o tempo ela valorizou: no final de 2014 um euro equivalia a 1,32 dólar. Essa valorização do euro é positiva porque uma moeda forte, valorizada e bem aceita internacionalmente pode

concorrer com o dólar como divisa, isto é, a que os países reservam para pagar suas importações, suas dívidas, etc., além de ser considerada um refúgio seguro nas crises.

Países-membros

Alemanha (1958)

Áustria (1995)

Bélgica (1958)

Bulgária (2007)

Chipre (2004)

Croácia (2013)

Dinamarca (1973)

Eslováquia (2004)

Eslovénia (2004)

Espanha (1986)

Estónia (2004)

Finlândia (1995)

França (1958)

Grécia (1981)

Hungria (2004)

Irlanda (1973)

Itália (1958)

Letónia (2004)

Lituânia (2004)

Luxemburgo (1958) Malta (2004)

Países Baixos (1958)

Polónia (2004)

Portugal (1986)

Reino Unido (1973)

República Checa (2004)

Roménia (2007)

Suécia (1995)

Candidatos

A adesão à UE é um processo complexo e demorado. Além de ter de cumprir as condições de adesão, o país candidato tem de aplicar a legislação e a regulamentação da UE em todas as áreas.

Albânia, Montenegro, Sérvia e Turquia

CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO BAIXO NEGATIVOS Existe um elevado padrão de vida nos países da Europa ocidental. Esse elevado padrão de vida está relacionado à industrialização e à modernização das sociedades e também a uma distribuição de renda em geral sem grandes desigualdades. Os países da Europa, em especial os da parte ocidental, são reconhecidos pela eficiente rede de assistência médica e hospitalar, pelos ótimos sistemas escolares acessíveis a todos, por um seguro desemprego que oferece dinheiro para que se tenha uma boa qualidade de vida. O elevado padrão de vida pode ser avaliado pelas baixíssimas taxas de mortalidade infantil e pela elevada expectativa de vida, que são alguns indicativos mais significativos do desenvolvimento humano ou social de uma nação.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO Muitos países europeus têm um crescimento vegetativo negativo, ou seja, morrem mais pessoas do que nascem a cada ano. Somente a vinda de imigrantes é que, em alguns casos, produz algum crescimento populacional. E como as taxas de natalidade são baixíssimas e a expectativa de vida é bastante elevada, existe um progressivo envelhecimento da população. Em vários países europeus o número de idosos já é maior do que o número de crianças e jovens de até 15 anos. Esse fato tende a se generalizar rapidamente em toda a Europa e, com o decorrer do tempo, no restante do mundo.

15 anos. Esse fato tende a se generalizar rapidamente em toda a Europa e, com o

EM

RELAÇÃO

MIGRAÇÃO pessoa que realiza deslocamento sobre a superfície terrestre; MIGRANTE Pessoa que realiza migração; EMIGRANTE referente a pessoa que sai do local do observados; IMIGRANTE referente a pessoa que chega ao local do observador.

O PRECONCEITO

EMIGRANTES/IMIGRANTES

AO

O amplo desenvolvimento econômico de vários

países da Europa ocidental, entre os últimos anos da década de 1950 e o início da década de 1970, ocasionou o aumento de necessidade de mão de

obra para exercer tarefas pesadas e de menor

prestigio e remuneração, às quais a população local não se sujeitava mais a fazer. Assim, milhões de pessoas procedentes de países menos industrializados da própria Europa ocidental, migram para esses países altamente industrializados.

As migrações se intensificam a partir de 1989, com a abertura das fronteiras dos países da

Europa oriental, provocando o deslocamento em massa de alemães orientais, poloneses, albaneses, húngaros, romenos e outros para Europa ocidental.

Terceira Revolução Industrial

Substitui maciçamente trabalhadores pouco qualificados por máquinas e robôs.

Muitas fábricas passaram a ser instaladas em outros países com menores custos de produção.

Aumento do desemprego, com isso parte dos imigrantes e seus descendentes são atingidos.

Desde então o desemprego vem sendo o grande problema social em todos os países desenvolvidos, particularmente na Europa por causa dos elevados salários e benefícios sociais para os trabalhadores.

salários e benefícios sociais para os trabalhadores. Acompanhando os fluxos migratórios, surgem os grupos
salários e benefícios sociais para os trabalhadores. Acompanhando os fluxos migratórios, surgem os grupos

Acompanhando os fluxos migratórios, surgem os grupos xenófobos. - XENOFOBIA = desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio daquele que as ajuíza, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país; xenofobismo.

AS DUAS EUROPAS (regionalização político-

econômica) A porção da Europa formada

pelos países capitalistas desenvolvidos ou de

economia de mercado mais consolidada é conhecida como Europa Ocidental. Compostas pelos países que deflagraram a revolução marítima-comercial, nos séc. XV e XVI e onde ocorreu a Revolução Industrial. A porção leste é conhecida como Europa oriental/ Leste europeu, tendo como base os antigos países socialistas, que até 1990 era uma espécie de periferia da antiga União Soviética.

socialistas, que até 1990 era uma espécie de periferia da antiga União Soviética. Mapa: Guerra Fria

Mapa: Guerra Fria (Duas Europas)

EUROPA OCIDENTAL Dentro da Europa ocidental, os países apresentam grandes diversidades, geralmente originadas pela Revolução Industrial. Os primeiros a se industrializarem, ainda hoje permanecem como Estados altamente industrializados (Reino Unido, França, Alemanha e Itália). No entanto, o desenvolvimento industrial não significa poderio econômico, nem mesmo elevado padrão de vida. Por exemplo, o padrão de vida de Luxemburgo, é superior ao da Alemanha, altamente industrializada. Estes países assumem essa posição em virtude da população escassa, de regimes políticos que á décadas procuram distribuir melhor a renda nacional, da exportação de petróleo, alguns países menos industrializados possuem rendas per capita maiores que os países industrializados (Ex.: Islândia, Noruega, Finlândia, Irlanda, Dinamarca, entre outros). Devemos considerar ainda os países que tem suas economias vinculadas ao setor primário. Países onde a industrialização é recente e limita-se à produção de bens de consumo duráveis e não-duráveis (Portugal e Grécia). A agropecuária, embora empregue um percentual cada vez menor de pessoas, não deixa de ser uma atividade econômica importante, pelo fator político (pelo poder de voto dos camponeses) e da tradição (queijos, vinhos e azeites), ou pelo fator comercial entre os países da Europa e do mundo.

pelo fator comercial entre os países da Europa e do mundo. EUROPA ORIENTAL – É a

EUROPA ORIENTAL É a parte menos desenvolvida da Europa (Leste europeu). Está região tem como característica marcante o recente desenho territorial de alguns de seus países. Essas transformações iniciam com fim da Primeira Guerra Mundial fim do Império Austro-húngaro (países como a Áustria foi anexada ao ocidente, já Polônia, Eslováquia, República Tcheca e Hungria foram anexadas a parte oriental). O Império Russo, cede espaço a Estônia, Letônia e Lituânia. A Europa oriental se consolidou com a Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, o mundo ficou dividido em dois blocos principais:

capitalistas, liderado pelos Estados Unidos, e o socialista, liderado pela ex-União Soviética. Durante quase meio século, a Europa oriental manteve fortes laços militares e econômicos com a antiga superpotência socialista. É importante ressaltar que muitos países do leste europeu só aderiram o regime socialista por causa do poderio militar da União Soviética, prova disso foi o rápido fim do socialismo nessa região após a independência dos Estados e a ampliação do comunismo. As maiores economias da Europa oriental são a Polônia, Hungria, República Tcheca e a Romênia, apesar de nenhuma se compara à países do oeste europeu. No lado oposto, existe a Albânia, país predominantemente agroindustrial, ao lado de Kosovo e da Bósnia-Herzegovina, cujas economias foram arrasadas por guerras recentes.

agroindustrial, ao lado de Kosovo e da Bósnia-Herzegovina, cujas economias foram arrasadas por guerras recentes.

REFERÊNCIAS:

ALMEIDA, R. D. de; PASSINI, E. Y. O espaço geográfico ensino e representação. São Paulo: Contexto, 2005. MEC Ciências Humanas e suas Tecnologias. Orientações Curriculares para o Ensino

Médio. SEB: Brasília, 2006. OLIC, N.B.; SILVA, A. C.; LOZANO, R. Vereda Digital. São Paulo: Moderna, 2012. TERRA, L.; ARAUJO, R.; GUIMARÃES. Conexões: estudos de Geografia geral e do Brasil. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2010. VESENTINI, J.W.; VLACH, VÂNIA. Projeto Teláris: Geografia: Ensino Fundamental 2. 2 ed. São Paulo: Ática, 2015. VESENTINI, José W. (org.) O ensino de Geografia no século XXI. Campinas, SP: Papirus,

2004.