Você está na página 1de 22

Tensões e Correntes Desequilibradas Componentes Simétricos

Componentes Simétricos

O Método dos Componentes Simétricos

estabelece que um sistema de “N” fasores

desequilibrados pode ser decomposto em

“N” sistemas de fasores equilibrados.

No caso do sistema trifásico, os 3 fasores

(I A , I B e I C ou V A , V B e V C ) desequilibrados podem ser decompostos em 3 sistemas

equilibrados e esta decomposição é única.

Componentes Simétricos

Em sistemas trifásicos, temos:

V A = V A0 + V A1 + V A2

V B = V B0 + V B1 + V B2

V C = V C0 + V C1 + V C2

Seqüência de fase: A, B e C

Componentes Simétricos

Cada seqüência “k” é composta de “N” fasores equilibrados de mesmo módulo e igualmente defasados.

Defasagem q k entre dois fasores consecutivos do sistema de seqüência “k”:

q

k

360

N

k

.

k = 0, 1, 2,

N = número de fases

, (N-1)

Sistema Trifásico (N = 3)

k

q k

 

Seqüência

0

0

o

Zero

1

120

o

Positiva

2

240

o

Negativa

Componentes Simétricos

V A0

Componentes Simétricos V A0 V B0 V C0 Componentes de seqüência zero Como k = 0,
Componentes Simétricos V A0 V B0 V C0 Componentes de seqüência zero Como k = 0,

V B0

V C0

Componentes de seqüência zero Como k = 0, a defasagem é de 0 o

Componentes Simétricos

V C1

V B1

Componentes Simétricos V C1 V B1 V A1 Componentes de seqüência positiva Como k = 1,

V A1

Componentes de seqüência positiva Como k = 1, a defasagem é de 120 o

Componentes Simétricos

V B2

V C2

Componentes Simétricos V B2 V C2 V A2 Componentes de seqüência negativa Como k = 2,

V A2

Componentes Simétricos V B2 V C2 V A2 Componentes de seqüência negativa Como k = 2,

Componentes de seqüência negativa Como k = 2, a defasagem é de 240 o

Componentes Simétricos

V

A

V

B

V

C

V

A

V

B

V

C

0

0

0

V

A

V

B

V

C

1

1

1

V

A

V

B

V

C

2

2

2

1 3 a  1120    j  2 2
1
3
a  1120    j
2
2

V

A

V

B

V

C

1

1

1

V

1

a

2

.

V

1

a V

.

1

V

A

V

B

2

2

V

C 2

V

2

a V

.

2

2

a

. V

2

V V

A

0

B

0

V

C

0

V

0

Componentes Simétricos

V

A

V

B

V

C

V

 

0

V

 

0

V

 

0

V

1

2

a

V

2

.

V

1

a V

.

2

a V

.

1

2

a

.

V

2

V

A

V

B

V

C

1

1

1

1

2

a

a

1

a

2

a

 

.

 

V

0

V

1

V

2

V

0

V

1

V

2

1

3

.

1

1

1

1

a

2

a

1

2

a

a

 

 

V

A

. V

B

V

C

Fasores Desequilibrados

V C

Fasores Desequilibrados V C V B V A Prof. Júlio Xavier 10

V B

V A

Fasores Desequilibrados

V A V C V B
V A
V
C
V B

Sistema Trifásico Desequilibrado

Sistema Trifásico Desequilibrado Linha de transmissão com carga desequilibrada Prof. Júlio Xavier 13

Linha de transmissão com carga desequilibrada

Desequilíbrio de Tensão e

Corrente: Definições

Desequilíbrio de Tensão

 

a)

Seqüência Negativa

a) Seqüência Negativa

 

u U

V 2 V 1
V
2
V
1

.100%

 

u I

I 2 I 1
I
2
I
1

.100%

b) Seqüência Zero

 

b) Seqüência Zero

 
 

u

U

0

V 0 V 1
V
0
V
1

.100%

 

u

I

0

I 0 I 1
I
0
I
1

.100%

Desequilíbrio de Corrente

Sistema MRT: Coelba

Sistema MRT: Coelba Prof. Júlio Xavier 15

Sistema MRT

Sistema MRT Prof. Júlio Xavier 16

Desequilíbrio de Corrente

3.6.2 Balanceamento de Cargas

O desequilíbrio de correntes nas diferentes fases de um circuito secundário pode ocasionar níveis inadequados de tensão. A fase mais carregada sofrerá maior queda de tensão. Poderá ocasionar, também, aparecimento de níveis indesejáveis de corrente no condutor neutro bem como maior carregamento nos condutores e transformadores. Consegue-se corrigir boa

parte de problemas de tensão baixa nos circuitos, fazendo-se o devido equilíbrio das cargas.

Esse equilíbrio deve ser alcançado ao longo de todo o comprimento do circuito,

principalmente no horário de carga máxima.

São apresentadas, abaixo, as duas fórmulas mais utilizadas pelas concessionárias para o cálculo do índice de desequilíbrio:

Onde:

Deseq

If

If

máx

méd

1 x100

Deseq = desequilíbrio de fases em % If máx = corrente na fase mais carregada If méd = valor médio da corrente nas

fases

Desequilíbrio de Corrente

Deseq   

1

Onde:

If

mais afast

_

If

méd

x

100

Deseq = desequilíbrio de fases em %

Ifmais_afast = corrente da fase mais afastada da média

Ifméd = valor médio da corrente nas fases

Fonte: Controle de Tensão de Sistemas de Distribuição

Volume 5 Coleção Distribuição de Energia Elétrica Editora Campus/Eletrobrás

Capítulo 3 Análise das Medições de Tensão e Medidas Corretivas

3.6 Medidas Corretivas para Adequar os Níveis de Tensão na Rede Secundária

Oscilografia

SE MUTUÍPE 24/6/2004

Medições

de

Corrente

I

I

I

I

A

B

C

G

V

A

V

B

V

C

326,000

235,400

336,50

217,70

292,900

106,90

28,200

15,30

A

A

A

A

7,400

7,600

7,900

360,00

243,20

118,70

k V

k V

k V

e

Tensão

Componente s

Simétri cos

I

I

0

1

9,4243

12,89

A

283,8003



19,61

A

I

2

43,1480



58,68

A 283,8003  19,61  A I  2 43,1480  58,68 [%]  15,20% e

[%]

15,20%

e

 A I 0 [%] I 1
A
I
0
[%]
I
1

3,32%

V

0

V

1

0,0771

39,08

7,6291

0,6134

k V

k V

V

2

0,3166



[%] 7,6291  0,6134  k V k V V 2  0,3166   4,15%

4,15%

 155,70 V 0 e V 1
155,70
V
0
e
V
1

k V

[%]

1,01%

S

N

I

N

6.250

261,48

kVA

A

I

I

I

A

B

C

S

C

I

"

P

S

[%]

[%]

[%]

124,67%

90,03%

112,02%

6.479

320

A

kVA

P

"

7.649

kVA

(103,66%)

(122,38%)

Prof. Júlio Xavier 21

Prof. Júlio Xavier

23