Você está na página 1de 24

2

2 Universo UPF Abril e Maio / 2016 espaço do lei tor “A leitura é fundamental

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

espaço do leitor

2 Universo UPF Abril e Maio / 2016 espaço do lei tor “A leitura é fundamental

“A leitura é fundamental para que cada sujeito possa levar a sério a tarefa de compreender o mundo, de

dialogar com a cultura e com a tradição. Entretanto, compreender é muito mais do que adquirir informação,

é muito mais do que conhecer. A necessidade de compreender é uma constante na vida dos homens, ou

melhor, uma necessidade que ‘começa com o nascimento e termina com a morte’. Por essa razão, acredito que

a revista Universo UPF tem desempenhado um importante papel frente à comunidade acadêmica, oferecendo

não apenas informações, mas condições para que seus leitores possam articular conhecimentos científicos, saberes da experiência, orientações éticas e políticas, enfim, múltiplas alternativas ou tipos de conhecimento.

Afinal, estar e viver no mundo não significa necessariamente compreendê-lo. Assim, me parece fundamental

a contribuição dessa revista na ampliação de nossos horizontes e na discussão de diferentes estratégias para

formar e qualificar leitores, capazes de compreender o mundo, dialogando com a cultura e projetando o futuro”.

Prof. Dr. Edison Alencar Casagranda Diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - IFCH

O espaço do leitor recebe comentários, sugestões e impressões sobre a revista Universo UPF. Para participar, escreva um e-mail para imprensa@upf.br. Nossos telefones de contato são (54) 3316-8142 e 3316-8138. Boa leitura a todos!

Equipe de produção da revista Universo UPF

UPF em

NÚMEROS

9 campi instalados em Passo Fundo e região

Mais de 150 municípios abrangidos em sua área de atuação

19.823 alunos matriculados na graduação,

pós-graduação, extensão, UPF Idiomas e Integrado UPF 16. 413 alunos matriculados na graduação 611 alunos regulares matriculados nos

programas stricto sensu

808 alunos matriculados em cursos lato

sensu

549 alunos matriculados na UPF Idiomas

- FUPF

644

alunos matriculados no CEMI - FUPF

798

matriculados na extensão (Creati)

907

professores de Ensino Superior

(49,72% Me., 29,99% Dr.)

1.237 funcionários

61

cursos de graduação em andamento

45

cursos de especialização em

andamento

15 cursos de mestrado institucional

6 cursos de doutorado institucional

10 estágios pós-doutorais

71.549 profissionais formados

10 bibliotecas, contendo 313.727

exemplares de livros disponíveis em

118.567 títulos

23 anfiteatros e auditórios

176 salas para ensino prático-experimental 300 laboratórios

150 clínicas

57 convênios com instituições estrangeiras

para intercâmbio acadêmico em 19 países

nesta

edição

Pg 12

n Tecnologia para

proteger a lavoura

edição Pg 12 n Tecnologia para proteger a lavoura Pg 16 n Direito da UPF é

Pg 16

n Direito da UPF é

recomendado pela OAB

a lavoura Pg 16 n Direito da UPF é recomendado pela OAB Pg 21 n Agroecologia:

Pg 21

n Agroecologia: as gerações

futuras agradecem essa escolha

Agroecologia: as gerações futuras agradecem essa escolha Pg 22 n Foco e dedicação marcam trajetória de

Pg 22

n Foco e dedicação marcam

trajetória de egresso da UPF

n Foco e dedicação marcam trajetória de egresso da UPF Revista Universo UPF - nº 13
n Foco e dedicação marcam trajetória de egresso da UPF Revista Universo UPF - nº 13

Revista Universo UPF - nº 13 Abril e Maio / 2016

A revista Universo UPF é uma publicação da Univer- sidade de Passo Fundo e tem distribuição gratuita

Reitor

n José Carlos Carles de Souza

Vice-reitora de Graduação

n Rosani Sgari

Vice-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação

n Leonardo José Gil Barcellos

Vice-reitora de Extensão e Assuntos Comunitários

n Bernadete Maria Dalmolin

Vice-reitor Administrativo

n Agenor Dias de Meira Junior

Coordenador de Comunicação e Marketing FUPF

n Cristiano Mielczarski Silva

Produção de textos: Alessandra Pasinato (MTb/ RS17292); Carla Patrícia Vailatti (MTb/RS14403); Caroline Simor da Silva (MTb/RS15861); Filippe de Oliveira (MTb/16570); Leonardo Rodrigues Andreoli (MTb/14508); Natália Fávero (MTb/ RS14761), Silvia Brugnera (DRT/13147) e Zulmara Colussi (MTb/11.204). Edição e supervisão: Silvia Brugnera (DRT/13147) Revisão de textos: Cinara Sabadin Dagneze Projeto gráfico: Fábio Luis Rockenbach e Luis A. Hofmann Jr. Diagramação: Marcus Vinícius Freitas / Núcleo Experimental de Jornalismo FAC UPF Foto de capa: Gelsoli Casagrande

Acompanhe a Universidade nas redes sociais:

Casagrande Acompanhe a Universidade nas redes sociais: universidadeupf UPFOFICIAL UniversidadeUPF UPFOficial

universidadeupf Casagrande Acompanhe a Universidade nas redes sociais: UPFOFICIAL UniversidadeUPF UPFOficial Universidade de

UPFOFICIAL UniversidadeUPF UPFOficial Universidade de Passo Fundo Universidade de Passo Fundo
UPFOFICIAL
UniversidadeUPF
UPFOficial
Universidade
de Passo Fundo
Universidade
de Passo Fundo

A Revista Universo UPF também está disponível na versão digital. Ela pode ser lida no site www.upf.br e também em issuu.com/universidadeupf

Universidade de Passo Fundo - BR 285, Bairro São José - Passo Fundo/RS - CEP: 99052-900 Telefone: (54) 3316 8100 www.upf.br

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 3 institucional Convênios fortalecem integração entre UPF e serviço

3

institucional

Convênios fortalecem integração

entre UPF e serviço público de saúde

Fotos: Gelsoli Casagrande

Autoridades se reuniram na Reitoria para a assinatura dos convênios

se reuniram na Reitoria para a assinatura dos convênios Parcerias firmadas expandem e consolidam serviços gratuitos

Parcerias firmadas expandem e consolidam serviços gratuitos oferecidos conjuntamente pela Universidade, pelo Hospital São Vicente de Paulo e pelo Município de Passo Fundo

P asso Fundo é reconhecida por ser referência na área da saú- de. A atuação da UPF – seja na formação de profissionais,

no desenvolvimento de pesquisas ou no atendimento à comunidade – foi funda- mental para que se chegasse a esse ní- vel. Por meio de parcerias com o poder público e instituições hospitalares, a Universidade fortalece seu compromis- so com a localidade onde está inserida. No final de 2015, a Fundação Universi- dade de Passo Fundo (FUPF), o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) e o Muni- cípio assinaram dois convênios que ampliam e qualificam os atendimentos disponibilizados aos passo-fundenses na área da saúde.

Consultas feitas no Cais Escola são realizadas por estudantes supervisionados por professores

Consultas especializadas Um dos convênios foi firmado entre FUPF, HSVP e Município de Passo Fun- do e refere-se ao atendimento secundá- rio de pacientes provenientes de Unida- des Básicas de Saúde no Ambulatório do

de Unida- des Básicas de Saúde no Ambulatório do A assinatura ocorreu na Reitoria, em 30

A assinatura ocorreu na Reitoria, em 30 de outubro de 2015. Os convênios foram assi- nados pelo reitor da UPF José Carlos Carles de Souza; pela presidente da FUPF Maristela Capacchi; pelo prefeito Luciano Azevedo e pelo presidente do HSVP Décio Ramos de Lima. Também prestigiaram a solenidade o diretor da Faculdade de Medicina Gilberto Bortolini e a diretora do Instituto de Ciências Biológicas Jurema Schons, além de secretários munici- pais, professores de cursos da área da saúde e outras autoridades.

HSVP, agora chamado de Cais Escola. Os atendimentos, realizados por estu- dantes supervisionados por professores, iniciaram em fevereiro de 2016 e espera- -se que, mensalmente, sejam realizadas cerca de 1.200 consultas, em mais de vinte especialidades, incluindo os exa- mes necessários. A Universidade disponibiliza o pes- soal necessário. O HSVP fornece ma- teriais e a infraestrutura física. Ao Município, cabe custear consultas, pro- cedimentos médicos e exames labora- toriais e por imagem. O Cais Escola está estruturado no HSVP, ao lado do setor de Emergência. As consultas são mar- cadas pelo teleagendamento da Secre- taria Municipal de Saúde.

Atendimento curricular Outro convênio formaliza atividades de ensino, pesquisa e extensão nas uni- dades de saúde do Município. Assinado por representantes da FUPF e do Muni- cípio, o documento refere-se aos atendi- mentos curriculares prestados por alu- nos de graduação e de pós-graduação nas unidades da rede municipal. Para o reitor José Carlos Carles de Sou- za, iniciativas como essas consolidam a natureza comunitária da UPF. “Temos obtido resultados excepcionais, tanto

em benefício da comunidade quanto na preparação dos futuros profissionais da área da saúde. Além disso, reforçam nossos laços com instituições que são referência em saúde”, afirma. A ampliação do número de consultas foi destacada pelo secretário de Saúde

Luiz Artur Rosa Filho. “No Cais Escola,

a Prefeitura entra como parceira em um

serviço que já vinha sendo oferecido pela UPF e pelo HSVP, por meio do qual será possível ampliar em 35% o número de consultas especializadas”, explica.

Para a vice-reitora de Extensão e Assun- tos Comunitários, professora Bernadete Maria Dalmolin, trabalhar de forma in- tegrada intensifica um novo olhar sobre

a formação na área da saúde. “Hoje, se

busca uma formação voltada à atenção primária, e participar das atividades realizadas nas Unidades Básicas é es- sencial nesse contexto”, complementa Bernadete. O administrador do HSVP, Ilário De David, recorda que, desde a década de 1970, a Universidade realiza atendi- mentos gratuitos no espaço de aproxi- madamente 1.200 m², onde hoje funcio- na o Cais Escola. “O local passou por melhorias a fim de receber, de forma adequada, pacientes, estudantes e pro- fessores”, menciona.

4 Palavra do Reitor José Carlos Carles de Souza* A CAPACIDADE DE REAÇÃO DA COMUNIDADE
4 Palavra do Reitor José Carlos Carles de Souza* A CAPACIDADE DE REAÇÃO DA COMUNIDADE

4

Palavra do

Reitor

José Carlos Carles de Souza*

A CAPACIDADE DE REAÇÃO DA COMUNIDADE UPF!

Ainda sob o impacto diário das notícias que continuam des- velando o comportamento dos principais atores da cena política brasileira e das suas consequências na área econômica, com os inevitáveis reflexos na educação, iniciamos as nossas atividades acadêmicas no ano de 2016. Em que pese esse cenário, continuamos convictos de que o nos- so projeto de universidade continua factível e em consonância com o anseio do corpo acadêmico, sempre alinhado à missão da Universidade de Passo Fundo. Entretanto, o momento atual revela-se propício às adequa- ções acadêmico-financeiras, bem como sinaliza no sentido da realização de ajustes imediatos e pertinentes nas nossas ações cotidianas, sem prejuízos no andamento do belo projeto que está em curso. Nesse sentido, é importante lembrar que a proposta em exe- cução está amparada em três pilares básicos: i) do conjunto de ações visando à excelência acadêmica; ii) dos ajustes necessá- rios para viabilizar a sustentabilidade acadêmico-financeira; e iii) das atividades que afirmam o nosso compromisso com a responsabilidade social. Para viabilizar a manutenção do ritmo das atividades em an- damento, serão adotadas medidas pontuais e específicas para validar as ações reconhecidas como estruturantes em cada tó- pico supramencionado, sempre acompanhadas por professo- res especializados na área. Assim, diante da complexidade das questões contidas nesse amplo projeto, serão criadas comissões específicas para tratar de pontos considerados estratégicos den- tro do conglomerado UPF e que desafiam a tomada de decisão, mormente diante dos indicativos que serão, em breve, aprovados nos novos Planos Pedagógico Institucional (PPI) e de Desenvolvi- mento Institucional (PDI). Para a concretização dessas propostas, além da participação e do comprometimento de cada professor e funcionário da UPF, são necessárias ações efetivas focadas no potencial de cada curso e de cada Unidade Acadêmica da nossa Universidade. É exatamente na destacada infraestrutura física instalada e, so- bretudo, na reconhecida qualificação dos nossos recursos huma- nos, combinadas na interação da diversidade técnico-científica própria de cada agente, que reside a nossa capacidade de supera- ção das adversidades momentâneas que se apresentam. Quando as ações programadas se estruturam de forma colegiada, com a finalidade de alavancar as atividades de interesse institucional, revelam o enorme potencial existente e que pode ser melhor aproveitado na Universidade de Passo Fundo. Portanto, para alcançarmos esse desiderato, não basta apon- tarmos para a boa qualidade da nossa infraestrutura no desen- volvimento das ações de ensino, de pesquisa, de extensão e de inovação tecnológica, de modo articulado e transversal, mas, fun- damentalmente, precisamos contar com a elevada capacidade de nossos professores e funcionários para envolvermos os nossos alunos e, juntos, avançarmos no firme propósito de conquistar- mos a excelência acadêmica. Professores, funcionários e acadêmicos! Conclamo a todos que integram a Universidade de Passo Fundo, a maior instituição de ensino superior do norte do Rio Grande do Sul, para a realização conjunta do trabalho de construção da UPF dos novos tempos, pois somos todos protagonistas dessa mudança.

Cordial abraço.

(*) Reitor da UPF

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

Sabor de saúde

Laboratório de Desenvolvimento e Avaliação de Alimentos Funcionais e Nutracêuticos (Nutri-Ali) da UPF desenvolve biscoitos funcionais

I nstalado no Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Passo

Fundo (UPF Parque), dentro da Central de Equipamentos Multiusuá-

rios (Cemulti), o Laboratório de Desenvolvimento e Avaliação de Ali-

mentos Funcionais e Nutracêuticos (Nutri-Ali) já produz os primeiros

resultados. Com os equipamentos em fase final de instalação, a equipe realiza

testes nas máquinas adquiridas. A produção mais recente envolveu a criação de biscoitos funcionais. O Laboratório é fruto de um projeto que foi aprovado pelo Programa Gaú- cho de Parques Científicos e Tecnológicos (PGTEC) e, desde 2015, vem se con- solidando. Segundo a coordenadora do Nutri-Ali, professora Dra. Luciane Colla, as metas estão sendo alcançadas e boas ideias têm surgido. Ela lem- bra que um dos alimentos já desenvolvidos foi um sorvete com antioxidante de mirtilo microencapsulado em spray dryer, como resultado do trabalho de conclusão de curso da aluna Kimberly Bonfante, do curso de Engenharia de Alimentos, orientada pela professora Dra. Vera Rodrigues. A equipe executora do projeto conta com os professores do Pro- grama de Pós-Graduação em Ci- ência e Tecnologia de Alimentos (PPGCTA) e também com professo- res dos cursos de Farmácia e Nu- trição da UPF. Segundo Luciane, no âmbito farmacêutico, também estão sendo propostos estudos de

avaliação do potencial antioxi- dante de mirtilo e guavirova, que poderão, posteriormente, ser en- capsulados e utilizados em formulações específicas. “Uma das metas é o de- senvolvimento de um produto alimentício com funcionalidade. E alimentos funcionais são aqueles que possuem ingredientes funcionais, os quais têm funções específicas no organismo, além da nutrição, como os antioxidantes, ácidos graxos poli-insaturados, prebióticos ou probióticos”, explica.

poli-insaturados, prebióticos ou probióticos”, explica. Mudança de cultura e espaço para produção Responsável
poli-insaturados, prebióticos ou probióticos”, explica. Mudança de cultura e espaço para produção Responsável

Mudança de cultura e espaço para produção Responsável pela produção dos biscoitos, o professor Dr. Luiz Carlos Gutkoski ressalta que o espaço está sendo testado para que a comunidade

possa usufruir de seus benefícios. Segundo ele, o objetivo do Laboratório de Panificação, que integra o Nutri-Ali, é produzir uma mudança de cultura na comunidade acadêmica, desmistificando a ideia de que o pão se resume ao conhecido “cacetinho”. “A máquina foi adquirida para fazer produtos de panificação, como pães, massas, biscoitos e bolos, com apelo funcional. É também uma forma de mudar a mentalidade e a cultura da comunidade, que comumente associa a concepção de pão apenas ao ‘cace-

tinho’, fazendo-a perceber que esse alimento pode conter linhaça, aveia, quinoa e outros ingredientes”, pontua. Para Gutkoski, mais do que um espaço acadêmico e de produção do conhecimento, o Laboratório abre as portas para a comunidade de Passo Fundo e região. A ideia, se- gundo ele, é identificar investidores que tenham um pro- jeto nesse foco e oferecer o Nutri-Ali como suporte, com estrutura e equipamentos. Para que todo trabalho seja realizado, uma grande equi- pe atua nas ações. “Esse laboratório tem por trás uma equi- pe de apoio composta por alunos dos cursos de graduação e do Programa de Pós-Graduação e por funcionários. Esse treinamento foi eficiente pelo envolvimento de todos e pela seriedade do trabalho. Tenho a convicção de que esse espa- ço vai atender ao seu objetivo, que é desenvolver produtos alimentícios com funcionalidade”, finaliza.

Serviço

Serviço O Nutri-Ali está localizado no prédio 2 do UPF Parque, Campus I. Informações sobre o

O Nutri-Ali está localizado no prédio 2 do UPF Parque, Campus I. Informações sobre o seu funcionamento e utilização podem ser consultadas pelo telefone (54) 3316-8158 ou pelo e-mail cemulti@upf.br.

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

universidade

Abril e Maio / 2016 Universo UPF universidade 5 Foto: Gelsoli Casagrande Faculdade de Direito 60

5

Foto: Gelsoli Casagrande

Faculdade de Direito

60 anos de tradição e qualidade

Unidade acadêmica, que já formou mais de 7,3 mil profissionais, é uma das principais instituições de ensino jurídico do Brasil

A s seis décadas de histó- ria da Faculdade de Di- reito da Universidade de Passo Fundo (FD/UPF)

são marcadas pelo pioneirismo no ensino jurídico no interior do Rio Grande do Sul, o que faz desta uma das principais instituições na área do Brasil. Isso é reconhecido tam- bém pela Ordem dos Advogados do

Brasil (OAB), que concedeu, neste ano, para o curso de Direito, o selo OAB Recomenda, colocando a UPF na destacada posição de estar entre as oito instituições a receber a dis- tinção no estado, única da região Norte. A qualidade do ensino e do corpo docente, aliada à dedicação de alu- nos e funcionários, torna a Faculda-

de referência, tanto na graduação quanto nos demais níveis de ensino

– pós-graduação lato e stricto sensu

– e nos cursos de extensão. A Faculdade de Direito iniciou as suas atividades na educação jurídi- ca no ano de 1956. São 60 anos de tradição e qualidade, aliando o en- sino com a pesquisa e a extensão, sendo reconhecida nacionalmente.

Faculdade de Direito iniciou suas atividades na educação jurídica no ano de 1956

6

6 Reconhecimento nacional Universo UPF Uma das importantes ações que traduzem o reconhecimento nacional ligado à

Reconhecimento nacional

Universo UPF

Uma das importantes ações que traduzem o reconhecimento nacional ligado à Faculdade de Direito é a recente publicação do documentário “Movimento consumerista brasileiro: 25 anos do Código de Defesa do Consumidor”, iniciativa inédita no país, lançado em março deste ano em Brasília e em Porto Alegre. Esse é o primeiro de uma série de três documentários a serem lançados sobre a temática. O trabalho é coordenado pelo professor da FD Dr. Liton Lanes Pilau Sobrinho. O filme apresenta o processo evolutivo dos direitos do consumidor no Brasil a partir de depoimentos de pessoas que atuaram na defesa do consumidor e na harmonização das relações de consumo no Brasil. A produção foi financiada pelo Fundo de Defesa de Direitos Difusos do Ministério da Justiça e desenvolvida pelo Balcão do Consumidor da FD/UPF e pela UPFTV, que gravaram 87 depoimentos de autores do Anteproje- to do Código de Defesa do Consumidor, de representantes de instituições como Senacon, Procons, Defensoria Pública, Poder Judiciário, Ministério Público, entidades civis e agências reguladoras, além de manifestações de jornalistas e de representantes do mercado. “Movimento consumerista brasileiro: 25 anos do Código de Defesa do Consumidor” está disponível no Portal do Ministério da Justiça (justica.gov.br/seus-direitos/consumidor), no site do Balcão do Consumidor (balcaodoconsumidor.upf.br) e no YouTube.

Abril e Maio / 2016

A unidade acadêmica se apresenta com foco na excelência da educação jurídica e tem assumido o compro- misso e a responsabilidade de for- mar pessoas capazes de transformar o mundo. Com nove grupos institucionaliza- dos de pesquisa, a Faculdade tem, hoje, 24 projetos registrados em an- damento. Na extensão, os projetos desenvolvidos possibilitam a pres- tação de serviços à comunidade. Dentre esses, têm destaque o Balcão do Consumidor, o Serviço de Assis- tência Judiciária (Sajur), o Núcleo de Mediação e Justiça Restaurativa

Resgatando a história O atual direto e alguns ex-diretores da Faculdade de Direito falam sobre o período em que estiveram à frente da gestão da Unidade Acadêmica, re- memorando fatos marcantes e resgatando, assim, um pouco da história dessa valiosa instituição de ensino jurídico.

Rogerio da Silva Atual diretor (2014-2018)

“A Faculdade de Direito é uma das pioneiras no

ensino jurídico no interior do estado. No Brasil, é muito conhecida, pois seus egressos se destacam nas mais diversas carreiras jurídicas. Isso se conquistou ao longo dessas seis décadas em função da qualidade do ensino, do corpo docente e da dedicação dos alunos.

É uma trajetória vitoriosa e que contribuiu, inclusive,

para a origem da Universidade de Passo Fundo. Tudo isso se confirma com o selo OAB Recomenda que con- quistamos em 2016, justamente no ano que comemo- ramos 60 anos. Além da tradição, ficou evidenciada

a qualidade da Faculdade, que figura entre as 139

melhores do país e entre as oito do Rio Grande do Sul, sendo a única da região Norte gaúcha. Isso é fruto da dedicação dos professores, dos alunos, dos funcio- nários, da Reitoria e dos mais variados projetos que temos, como o Balcão do Consumidor, o Projur Mulher,

o Mediajur, o Jec e o Sajur. Além da parte acadêmica, a

Faculdade tem essa característica de estar inserida na comunidade, qualificando os alunos e prestando um trabalho de acesso à Justiça. Temos nosso mestrado próprio, vários cursos de especialização e cursos rápi- dos de extensão. A Faculdade de Direito completa 60 anos com a tradição reconhecida e revigorada”.

Foto: Divulgação

a tradição reconhecida e revigorada”. Foto: Divulgação Nelson Júlio Martini Ribas Ex-diretor (2010-2014) “Nos

Nelson Júlio Martini Ribas Ex-diretor (2010-2014)

“Nos seus 60 anos de existência, foram muitas as conquistas e as distinções recebidas pela Faculdade de Direito da UPF. Recentemente, podemos referir: o selo de qualidade da Ordem dos Advogados do Brasil, que foi renovado em 2016; a obtenção da nota quatro, nota de excelência, no Enade de 2013, o exame nacional do ensino superior e, da mesma forma, a reiterada obtenção da nota 4 nas avaliações periódicas do MEC em todos os seus campi; a obtenção de quatro estrelas no guia da Editora Abril, também nota de excelência; o excelente desempenho dos seus alunos e egressos nas provas de habilitação para o exercício da advocacia junto à OAB, alcançando índices de aprovação bem su- periores à média nacional e reiteradamente obtendo o primeiro lugar na região e ficando entre as dez pri- meiras instituições privadas no estado do Rio Grande do Sul. É de se destacar, ainda, a aprovação pelo MEC do curso de pós-graduação em nível de mestrado, uma antiga aspiração que se concretizou. Podemos afirmar com orgulho que a Faculdade de Direito, a qual tive a honra de dirigir no quadriênio 2010-2014, está entre as melhores do estado do Rio Grande do Sul e, quiçá, do país, graças ao empenho de seus alunos e ao seu qualificado quadro de professores”.

Foto: Divulgação

seu qualificado quadro de professores”. Foto: Divulgação José Carlos Carles de Souza Ex-diretor (2006-2010) "O

José Carlos Carles de Souza Ex-diretor (2006-2010)

"O curso de Direito da Universidade de Passo Fundo,

pioneiro no ensino jurídico na região e propulsor da cria- ção da própria Universidade, contribuiu com a formação de milhares de egressos que elevam, por meio de traba- lho competente e qualificado, o nome da Instituição nas mais diversas instâncias em que atuam. Sem abandonar

a sua essência e sempre comprometidos com a sua

riquíssima história, calcada na preservação dos ideais

de seus criadores, o curso de Direito se reinventa a cada momento, permanentemente conectado com a evolu- ção da ciência jurídica, para oferecer adequada forma- ção aos seus acadêmicos. Os recentes acontecimentos

- o reconhecimento da Ordem dos Advogados do Brasil

com a indicação do Selo OAB Recomenda (2007 e 2016)

e a implantação do programa de Mestrado em Direito

(2013), dentre tantas conquistas relevantes - comprovam

e evidenciam o acerto de seu posicionamento proativo,

bem como traduzem a certeza de que a Faculdade de Direito está preparada para os novos tempos. Manifes- tamos o nosso orgulho em participar na condição de protagonista de parte dessa história, tanto como aluno quanto como gestor. Parabéns a todos os professores, funcionários e acadêmicos que há 60 anos constroem o sucesso dessa importante escola de Direito".

Foto: Gelsoli Casagrande

e acadêmicos que há 60 anos constroem o sucesso dessa importante escola de Direito". Foto: Gelsoli

Abril e Maio / 2016

(Mediajur), o Posto do Juizado Espe- cial Cível (JEC) e o Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência (Pro- jur Mulher). No curso de Direito do Campus I, em Passo Fundo, já são mais de 5,6 mil profissionais formados, e, nos de- mais campi (Carazinho, Casca, Lagoa Vermelha, Palmeira das Missões, Sa- randi e Soledade), esse número já su- pera a marca de 1,7 mil graduados. O corpo docente conta com aproxima- damente 90 professores, dos quais 77% têm titulação de mestres e/ou doutores e vasta experiência na ad- vocacia e em carreiras jurídicas.

Universo UPF

A FD também oferece cursos de especialização em Direito com qua- dro docente qualificado e estrutura física diferenciada, fazendo com que os alunos tenham alto índice de colocação no mercado de trabalho. Vários egressos têm êxito em carrei- ras públicas e, também, destacada atuação em instituições privadas. O quadro docente dessas especializa- ções conta sempre com professores mestres, doutores e pós-doutores, profissionais com marcante atuação acadêmico-profissional no país e no exterior.

atuação acadêmico-profissional no país e no exterior. 7 Diretores da Faculdade de Direito e seus respectivos

7

Diretores da Faculdade de Direito e seus respectivos mandatos

- Reissoly José dos Santos – 1956-1960 / 1960-1964

- Murilo Coutinho Annes – 1964-1964

- Celso da Cunha Fiori – 1964 -1968

- Juarez Teixeira Diehl – 1968-1971

- José Catharino Ferreira – 1971-1974 / 1982-1986

- Jorge Buaes Sobrinho – 1974-1978/ 1978-1982

- Juarez Teixeira Diehl – 1986-1990/ 1990-1994

- Luiz Juarez Nogueira de Azevedo – 1994-1998/ 1998-2002

- Mário José Martins da Silva Mateiro – 2002-2006

- José Carlos Carles de Souza – 2006-2010

- Nelson Júlio Martini Ribas – 2010-2014

- Rogerio da Silva – 2014-2018

Mário José Martins da Silva Mateiro Ex-diretor (2002-2006)

Seis décadas da Faculdade de Direito da Universidade de Passo Fundo. Em metade desse tempo, trinta anos, tive o privilégio de participar da vida dessa Faculdade. Fui aluno da graduação de 1977 a 1982, professor de 1987 a 2012 e diretor de 2002 a 2006. A importância dessa Faculdade de Direito não se mede somente pelas seis décadas de existência, mas principalmente pelo legado de seus mais de sete mil alunos graduados que integraram e integram a sociedade brasileira em todos os seus níveis. A Faculdade de Direito da UPF registra, entre os seus egressos, nomes dos mais notáveis da vida gaúcha e da brasileira. A importância de uma facul- dade de Direito mede-se ainda pelo nome dos seus professores e essa Faculdade pode orgulhar-se dos ilustres nomes que compuseram e compõem seu corpo docente, muitos dos quais formados nessa Instituição. Espero que essa base sólida permita a continuidade do seu sucesso pelas muitas décadas que virão.

Foto: Divulgação

sucesso pelas muitas décadas que virão. Foto: Divulgação Luiz Juarez Nogueira de Azevedo Ex-diretor (1994/1998 –

Luiz Juarez Nogueira de Azevedo Ex-diretor (1994/1998 – 1998/2002)

“Em 1994, fui eleito diretor da Faculdade e, em 1998, reeleito. Nesses períodos, foram instalados os cursos de Direito nos campi da Universidade, tendo, assim, que ser ampliado o corpo docente, que, de uma média de quarenta professores, passou a ser composto por aproximadamente cem profissionais. Nesse período, passou, também, a ser exigido com mais rigor o aper- feiçoamento e a capacitação do corpo docente, que deveria comportar uma elevada percentagem de mes- tres e doutores. Para tanto, foram firmados convênios com a PUC-RS e com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), o que possibilitou que mais de cinquenta pro-

fessores obtivessem, a partir de seus estudos, títulos de mestrado. Iniciamos o projeto de mestrado próprio para a Faculdade. Atualizamos a biblioteca, fazendo adquirir centenas de títulos e obras jurídicas novas,

e estabelecemos nova estrutura administrativa para

a Unidade, com a criação do cargo de coordenador

dos cursos e implantação das diversas coordenações. Orgulho-me de afirmar que, a partir de meu diretorado, começou efetivamente a operar-se a modernização e a qualificação da Faculdade”.

Foto: Gelsoli Casagrande

e a qualificação da Faculdade”. Foto: Gelsoli Casagrande Jorge Buaes Sobrinho Ex-diretor (1974-1978 / 1978-1982)

Jorge Buaes Sobrinho Ex-diretor (1974-1978 / 1978-1982)

“É com grande satisfação que vejo a Faculdade de Direito completar 60 anos de existência, período em que se tornou uma das mais importantes insti- tuições de ensino jurídico do sul do país. Orgulha- -me saber que, de seus bancos, egressos assumiram importantes funções nas variadas esferas do Poder Judiciário, bem como em tantas outras áreas de expressão jurídica, política, administrativa e social no país. Um dos momentos mais memoráveis que vivi na Universidade foi estar à frente da direção da Faculdade de Direito e, de modo especial, assumir o desafio, já no início da minha primeira gestão como diretor, de fazer a migração do curso – que, na época, funcionava no centro da cidade – para o Campus I, onde se encontra atualmente, face às dificuldades de acesso ao novo local. É com alegria que me associo à comemoração dessa exitosa trajetória da Faculdade de Direito da UPF”.

Foto: Gelsoli Casagrande

que me associo à comemoração dessa exitosa trajetória da Faculdade de Direito da UPF”. Foto: Gelsoli

8

8 especial Universo UPF Abril e Maio / 2016 INOVAÇÃO E TECNOLOGIA a serviço do desenvolvimento

especial

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA a serviço do desenvolvimento regional
INOVAÇÃO E
TECNOLOGIA
a serviço do desenvolvimento regional

UPF Parque foi inaugurado em 2013 e proporciona espaço para o desenvolvimento de tecnologias, produtos e processos

UPF Parque se prepara para inaugurar o terceiro módulo com grandes conquistas

O Rio Grande do Sul conta atualmente com 12 par- ques científicos e tecnológicos instalados em dife- rentes regiões. Entre eles, está o Parque Científi- co e Tecnológico UPF Planalto Médio, conhecido

como UPF Parque, localizado no Campus I da Instituição. O primeiro módulo do UPF Parque foi inaugurado em 2013, e o terceiro está prestes a ser inaugurado. Com dez empresas in- cubadas e residentes, proporciona o espaço para o desenvol- vimento de novas tecnologias, novos produtos e processos, e estimula e proporciona infraestrutura para o desenvolvimento

de pesquisas nas áreas de tecnologia de informação e softwa- re, alimentos, metal-mecânica, biotecnologia, energia, saúde

e agricultura de precisão. O UPF Parque é fruto de uma iniciativa da Vice-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, numa política clara e determinada de contribuir com o desenvolvimento responsável da região de

influência, buscando a aproximação da Instituição com a so- ciedade, suas necessidades e demandas. O Parque tem o apoio direto do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, da Se- cretaria de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico

e da Prefeitura de Passo Fundo. O vice-reitor Leonardo José Gil

Barcellos destaca que o UPF Parque é o primeiro parque cien- tífico tecnológico em operação fora da região Metropolitana de Porto Alegre. “Ele encontra em Passo Fundo uma cidade reco- nhecida como capital regional, devido à sua centralidade e à sua matriz econômica, e proporciona ao município uma opor- tunidade de aprimorar seus sistemas produtivos, agregando novos valores e novos processos”, reforça.

Empresas inovadoras consolidam o UPF Parque As residentes do UPF Parque são da área de tecnologia da informação. A empresa Compasso, uma empresa brasileira fundada em 1995, atua no mercado de IT Professional Services, provendo consultoria e serviços para empresas de médio e grande porte, líderes em diferentes setores da economia. A Compasso é Oracle Platinum Partner e conta com um amplo time de Oracle Certified Professionals em Oracle Middleware, Tecnologias de Desenvolvimento e Integração e Oracle E-Business Suite. A modalidade residente também abrange o Polo de Exporta- ção de Software do Planalto Médio, PoloSul.org, o qual é uma associação da sociedade civil, de caráter técnico científico, com personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucra- tivos, que conta com a atuação de mais de quarenta empresas associadas. Compasso e PoloSul.Org estão alocados no UPF Parque na modalidade de locatários. Parte do valor do aluguel é desti- nada a um fundo da UPF que custeia pesquisas realizadas na graduação e na pós-graduação. Para permanecerem como residentes, as empresas devem realizar projetos de pesquisas com a participação de alunos da UPF e/ou disponibilizar opor- tunidades de estágios. Além das empresas residentes, o UPF Parque concentra oito empresas incubadas nas diferentes áreas de prioridade. A Splora atua na humanização da tecnologia e busca expan- dir os negócios de seus clientes, levando para a mesma di- reção seus parceiros e os profissionais que acreditam nessa

Abril e Maio / 2016

ideia, mantendo projetos que ampliam e qualificam a relação com o mercado. A empresa Telig atua no segmento de monitoramento e segurança e no desen- volvimento de placas e circuitos.

Além da produção de alimentos Na área de alimentos, a empresa Su- cos.com, que fabrica sucos 100% natu- rais, busca na incubação do UPF Parque melhorar técnicas, e utiliza o bagaço da laranja e uva para fabricação de ou- tros produtos. Na microcervejaria Truco Bier, que produz cervejas artesanais, o processo de fabricação inclui ingredien- tes funcionais como microalgas. A em- presa atua na modalidade de incubação externa.

Agricultura de precisão Duas empresas incubadas no UPF Par- que atuam na área de desenvolvimento de tecnologias voltadas à agricultura de precisão. A Inel é uma empresa gaúcha fundada em 2014 e está inserida em um mercado altamente tecnológico, que é o gerenciamento de máquinas agrícolas com base na integração hardware-sof- tware. Já a Ensoag atua no ramo de mo- nitoramento de lavouras e desenvolve soluções para indústria agropecuária.

Inovações tecnológicas A empresa Ventrus atua na fabricação

Universo UPF

de um protótipo para geração de ener- gia eólica em residências e empresas, de baixa escala, com dimensões que podem ser adaptadas de acordo com a necessidade e atendendo a especifica- ções técnicas e normativas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O sistema proposto oferece diversas van- tagens, entre elas, a ocupação de espa- ços muito menores em relação às torres tradicionais e a geração de energia, in- dependente da direção do vento. A empresa do ramo de engenharia mecânica Optim também está incubada no UPF Parque com o objetivo de desen- volver soluções na área da agroindústria e já está com processo de patenteamen- to de produto em andamento.

Central de Equipamentos Multiusuários O UPF Parque conta ainda com a Cen- tral de Equipamentos Multiusuários (Cemulti), que se caracteriza como uma agregadora e multiplicadora de ativi- dades de pesquisa, ensino, extensão e inovação tecnológica do UPF Parque e da Universidade. A Cemulti tem área de aproximadamente 900 metros quadra- dos e inclui dez laboratórios com equi- pamentos de última geração que são disponibilizados a um grande número de usuários das mais variadas áreas de pesquisa e a empresas alocadas no

mais variadas áreas de pesquisa e a empresas alocadas no Como ingressar? 9 É possível se

Como ingressar?

9

É possível se candidatar à IUP durante todo o ano. No site www.upf.br/upfparque, há um formulário para pré- inscrição, além do edital com todos os detalhes do processo. O empreendedor deve levar sua proposta ao UPF Parque, com o formulário preenchido, e agendar entrevista com a gestão da Incubadora.

Critérios de seleção

• Capacidade empreendedora e nível técnico dos proponentes.

• Grau de inovação e conteúdo tecnológico.

• Contextualização de mercado.

• Sustentabilidade do negócio.

• Nível de impacto positivo no desenvolvimento local.

• Potencial de interatividade com a UPF.

• Relação com as áreas de atuação do UPF Parque.

Parque e na Incubadora. A lista de equi- pamentos e formas de utilização dos la- boratórios pode ser encontrada no site www.upf.br/upfparque. A Cemulti concentra o projeto de pesquisa Nutra-Ali, que é uma parceria entre os cursos de Engenharia de Ali- mentos, Farmácia e Nutrição para o de- senvolvimento e a avaliação de alimen- tos funcionais e nutracêuticos. O projeto foi constituído com recursos captados junto à Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, por meio do programa PGTEC, no valor aproximado de R$ 2 milhões, contando com contrapartida da UPF. Outros dois laboratórios estão em fase de implementação, um deles para a pesquisa de biofilmes bacterianos, vinculado à Faculdade de Agronomia e

biofilmes bacterianos, vinculado à Faculdade de Agronomia e Esq. para dir.: Alimentos funcionais e nutracêuticos são
biofilmes bacterianos, vinculado à Faculdade de Agronomia e Esq. para dir.: Alimentos funcionais e nutracêuticos são
biofilmes bacterianos, vinculado à Faculdade de Agronomia e Esq. para dir.: Alimentos funcionais e nutracêuticos são
biofilmes bacterianos, vinculado à Faculdade de Agronomia e Esq. para dir.: Alimentos funcionais e nutracêuticos são

Esq. para dir.:

Alimentos funcionais e nutracêuticos são o foco do projeto Nutra-Ali, desenvolvido na Cemulti

PoloSul.org, associação de empresas da área de TI, é residente do UPF Parque

UPF Parque promove atividades de qualificação aos empresários da região

Áreas de tecnologia de informação e software, alimentos, metal–mecânica, biotecnologia, energia, saúde e agricultura de precisão são contempladas pelo UPF Parque

10

10 Universo UPF Abril e Maio / 2016 Esq. para dir.: Gerenciamento de máquinas agrícolas com

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

10 Universo UPF Abril e Maio / 2016 Esq. para dir.: Gerenciamento de máquinas agrícolas com
10 Universo UPF Abril e Maio / 2016 Esq. para dir.: Gerenciamento de máquinas agrícolas com
10 Universo UPF Abril e Maio / 2016 Esq. para dir.: Gerenciamento de máquinas agrícolas com
10 Universo UPF Abril e Maio / 2016 Esq. para dir.: Gerenciamento de máquinas agrícolas com

Esq. para dir.:

Gerenciamento

de máquinas

agrícolas com

base na integração hardware-software

é o foco da Inel,

uma das empresas incubadas

A Ensoag desen-

volveu o aplicativo Smart Campo, que pode ajudar os agricultores a tomar decisões baseadas em informações meteorológicas e climáticas

Módulos I e II estão em funciona- mento e abrigam empresas residen- tes e incubadas

Medicina Veterinária (FAMV). O quarto laboratório, denominado Neuroinov, fruto de uma parceria entre a FAMV e o curso de Farmácia da UPF, será utiliza- do para o desenvolvimento de estudos

sobre bioexperimentação em modelo zebrafish na realização de ensaios para inovações neurofarmacológicas. Outras duas salas de laboratórios es-

tão aguardando a chegada de equipa- mentos cuja aquisição é proveniente de captação da UPF e da Prefeitura de Pas- so Fundo, como espectofotômetros de última geração e microscópio eletrônico de varredura, que atende a demandas de todas as áreas do conhecimento.

Módulos O início de um empreendimento é uma fase decisiva para as empresas, principalmente as micro e pequenas. A Incubadora UPF Parque (IUP) propor- ciona um ambiente favorável à inova-

ção nos negócios de base tecnológica ou de manufaturas leves. A intenção é transformar ideias inovadoras em negó- cios possíveis e viáveis para o mercado. Hoje, o Parque oferece três modali- dades de incubação: a pré-incubação, voltada a projetos de acadêmicos da UPF, com duração de seis meses; e a incubação, que pode ter duas modali- dades, a presencial e a não presencial, direcionada às empresas, com duração de 24 meses. Na presencial, a empresa fica instalada em uma das salas da In- cubadora, usufruindo dos serviços e es- paços oferecidos. As participantes pela modalidade não presencial ficam ins- taladas fora da IUP, mas usufruem de todos os serviços da mesma forma. Essa possibilidade é oferecida em função dos resíduos e dos processos de fabricação. Ambas as modalidades recebem supor- te em assessorias e de infraestrutura até que completem o seu tempo de gradu-

ação ou amadurecimento empresarial. Dessa maneira, as ideias tornam-se um potencial negócio de mercado. As empresas incubadas contam com assessoria contábil, administrativa, ju- rídica, plano de marketing e desconto no uso dos laboratórios de prestação de serviços da UPF. Além disso, têm custo de aluguel mais baixo do que o de mer- cado (no caso da incubação presencial) e participam de trocas de ideias com as áreas de ensino e pesquisa da Universi- dade. Elas devem trazer alguma inova- ção nos processos ou produtos a serem desenvolvidos durante a incubação. Após esse período, as empresas gradu- am-se e podem permanecer no UPF Par- que, na condição de residentes.

Portas abertas para novas incubadas A oportunidade é destinada a empre- sas de pequeno porte ou condição de

É possível se

candidatar à IUP durante todo o ano

O

Módulo III já está concluído e abrangerá as áreas metalomecânica

 

O

Módulo II é onde estão

 

O

Módulo I do UPF Parque contempla

e

de computação aplicada. Ele deverá ser entregue ainda no primeiro

instaladas a Incubadora e

a

área de tecnologia da informação

 

semestre deste ano. O espaço contará com a fábrica escola, atividade de extensão da Faculdade de Engenharia e Arquitetura (Fear), que envolve alunos de graduação, com o objetivo de aproximar os alunos de contextos relacionados a necessidades reais da indústria. Também iniciam as atividades a Fábrica de Software, um programa acadêmico do Instituto de Ciência Exatas e Geociências (Iceg) que tem por finalidade a criação

e

a

Central de Equipamen-

 

e

abriga as empresas residentes

tos Multiusuários. Nele, encontram-se diversas empresas incubadas em diferentes áreas de atua- ção do UPF Parque. A área construída é de mais de 1,6 mil metros quadrados.

Compasso e PoloSul.org. O primeiro módulo construído foi inaugurado em novembro de 2013 e conta com um total de 651,15 metros quadrados de área. Além das empresas, recebe os setores administrativos do Parque.

a avaliação de softwares. Ambas as atividades terão professores das unidades e de alunos dos programas de mestrado.

     

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 11 Esq. para dir.: As empresas incu- badas contam
Abril e Maio / 2016 Universo UPF 11 Esq. para dir.: As empresas incu- badas contam
Abril e Maio / 2016 Universo UPF 11 Esq. para dir.: As empresas incu- badas contam
Abril e Maio / 2016 Universo UPF 11 Esq. para dir.: As empresas incu- badas contam

11

Esq. para dir.:

As empresas incu- badas contam com assessoria contá- bil, administrativa, jurídica, plano de marketing e desconto no uso dos laboratórios de prestação de serviços da UPF

Truco Bier produz cervejas artesanais utilizando ingre- dientes funcionais, como microalgas

Módulo III está concluído, será inaugurado no primeiro semestre de 2016 e abrangerá as áreas metal-mecânica e de computação aplicada

microempreendedor individual (MEI)

que estão no início de suas atividades.

A residência interna é direcionada aos

empreendimentos fundamentados no desenvolvimento de novos produtos, tecnologias, processos ou serviços, ba- seados em aplicações para agricultura de precisão, alimentos, saúde, comércio (nacional e internacional), energia, TI/ software, metal-mecânica e biotecno- logia. Já a residência externa abrange qualquer setor da economia.

Pesquisa e inovação como prioridades Os investimentos da UPF visando à ampliação e ao desenvolvimento de pes- quisas e o estímulo à inovação apresen- tam resultados promissores. Até março de 2016, 12 patentes foram requeridas

pela Instituição, com inovações nas áre-

as de saúde, energia, materiais, alimen-

tos e engenharia, dentre outras.

O UPF Parque tem papel de destaque

nesse processo, uma vez que impulsio- na a inovação a partir das pesquisas realizadas em parceria entre empresas

e Universidade. A UPFTec, agência de

inovação tecnológica da Universidade,

se consolida como um importante meio

para possibilitar que essas tecnologias sejam transferidas para indústrias ou

instituições interessadas em utilizá-las. Os registros de patentes resguardam os direitos dos inventores e, também, os da Universidade, que investiu para que es- ses resultados fossem possíveis.

Entre em contato

www.upf.br/upfparque (54) 3316- 8158 upfparque@upf.br incubadora@upf.br

Política institucional de propriedade intelectual e transferência de tecnologia O registro da propriedade intelectual, ao mesmo tempo em que protege uma invenção, é mais uma forma de dar vi- sibilidade ao que se produz na pesqui- sa da Universidade. A fim de estimular e orientar esse processo, a Instituição

publicou, em 2015, uma resolução que estabelece as diretrizes da Política ins- titucional de propriedade intelectual e transferência de tecnologia da UPF. O documento se refere a patentes de invenção, modelos de utilidade, marcas ou desenhos industriais, cultivares e programas de computador. Essas cria- ções têm de ser desenvolvidas por pro-

fessores, pesquisadores, melhoristas,

estagiários, alunos, bolsistas e presta- dores de serviço, mediante a utilização de recursos, dados, informações, equi- pamentos e demais componentes da in- fraestrutura da Universidade. A resolução esclarece as condições e os trâmites institucionais, tanto para o encaminhamento de tecnologias com vistas à proteção quanto para a trans- ferência dessas organizações parceiras.

A proteção das invenções, entre outros

aspectos, garante aos titulares, no caso

a FUPF/UPF, e aos inventores, a exclu- sividade da exploração comercial da criação.

 

A IUP oferece:

 

espaço físico individual para a instalação de escritórios e labora- tórios;

espaço físico para uso compartilhado, como sala de reunião, área para demonstração de produtos, processos e serviços;

recursos humanos e serviços especializados no auxílio às empre-

sas incubadas em suas atividades, quais sejam, gestão empresarial, gestão da inovação tecnológica, marketing, assistência jurídica, captação de recursos por meio de editais públicos, propriedade intelectual, dentre outros;

capacitação/formação/treinamento de empresários-empreende- dores nos principais aspectos gerenciais;

• acesso a laboratórios e à Biblioteca Central da UPF;

• vigilância e infraestrutura geral.

 

12

12 universidade Universo UPF Fotos: Leonardo Andreoli Abril e Maio / 2016 Grupo que desenvolve o

universidade

Universo UPF

Fotos: Leonardo Andreoli

Abril e Maio / 2016

Grupo que desenvolve o detector de molhamento

Competição

A Competição Intel de Sistemas Embarcados 2015 era voltada a alunos de graduação e de pós-graduação, com o objetivo de propiciar a oportunidade de desenvolver Sistemas Inteligentes e inovadores, contribuindo para a evolução desse segmento da Computação no Brasil. A final da competição foi realizada em Foz do Iguaçu (PR), dentro do V Brazilian Symposium on Computing Systems Engineering.

Tecnologia para proteger a lavoura
Tecnologia para
proteger a lavoura

PPG em Computação Aplicada desenvolve ferramentas que auxiliam os produtores rurais a tomar decisões mais acertadas. Detector de molhamento foliar é uma delas

A tomada de decisão de um produtor rural sobre qual- quer manejo de proteção da lavoura é crucial para

garantir o rendimento de uma safra. Na proteção contra a ocorrência de doenças ou contra a incidência de pragas, a atenção a todos os sinais e indicadores é a melhor opção. Nesse contexto, considerando que o mo- lhamento foliar é um dos fatores que pode ser determinante para o apare- cimento de doenças fúngicas, estar atento a esse sinal é uma boa forma de se antecipar ao surgimento de danos. Pensando nesse problema, mes- trandos do Programa de Pós-Gra- duação em Computação Aplicada (PPGCA) desenvolveram um sistema de detecção para monitoramento dessa variável. O projeto foi um dos finalistas da Competição Intel de Sistemas Embarcados 2015 e foi pen- sado para ser uma alternativa efi- ciente, mais acessível e com maior vida útil, em relação aos produtos já existentes no mercado. Os professores Dr. José Maurício Cunha Fernandes e Dr. Willingthon

Pavan coordenaram a pesquisa, que teve início com a chegada de cinco

placas Galileo que a Universidade

recebeu da empresa Intel. O trabalho de pesquisa e desenvolvimento foi realizado pelos mestrandos Maurício Karrei, Renato Weiller Dallagasperina e Thiago Benvegnú.

Como funciona Os pesquisadores criaram uma rede

Sistema está em fase de testes para possibilitar maior autono- mia de energia e acurácia na geração de resultados no ambiente do campo

e acurácia na geração de resultados no ambiente do campo de sensores coletores de dados meteo-

de sensores coletores de dados meteo-

rológicos capazes de mensurar a tem- peratura, a umidade relativa do ar e a

precipitação. Os dados coletados são

transmitidos via conexão wi fi para a placa Galileo, que armazena e proces-

sa os dados recebidos.

De acordo com os valores recebidos,

o sistema aciona uma câmera que

capta a imagem das plantas e verifica se existe molhamento ou não. Além disso, todos os resultados coletados são transmitidos para um computa- dor em nuvem, para que possam ser realizados estudos mais detalhados acerca das informações coletadas. O sistema também permite que se monitore a área a qualquer momento.

A detecção da presença de água utiliza

técnicas de processamento digital de imagens, método que se aproxima da

visão humana. Além de gerar estima- tivas de período de molhamento foliar, estima a quantidade de água presente, dado que possibilita que se determine

o risco de ocorrência de doenças. Para que o recurso possa ser utili- zado nos mais variados locais, a rede de sensores é alimentada por energia solar. De acordo com o professor Pa- van, os materiais utilizados permitem que se vislumbre a possibilidade de que o projeto efetivamente se trans- forme em um produto. Entre esses materiais, estão a placa Galileo, que

é um tipo de minicomputador, uma

webcam e sensores de umidade rela- tiva do ar, de temperatura e de preci- pitação. As características permitem

o desenvolvimento de um sistema de

alta durabilidade e resistência a am- bientes agressivos. Para tanto, o siste- ma está em fase de testes para possi- bilitar maior autonomia de energia e acurácia na geração de resultados no ambiente do campo.

Abril e Maio / 2016 Universo UPF universidade Por uma UniverCidade Educadora Programa em construção
Abril e Maio / 2016
Universo UPF
universidade
Por uma UniverCidade Educadora
Programa
em
construção
na
UPF

visa realizar ações educativas sobre mobilidade urbana

N o ano de 2011, a UPF, por meio da Vice-Reitoria de Extensão e Assuntos Comu- nitários, constituiu o Fórum

de Mobilidade Urbana e Educação, es- paço de debate e ação sobre questões relativas à mobilidade urbana de Passo Fundo. Nele, profissionais, entidades e cidadãos se encontram e discutem a construção de subsídios para a formu- lação de políticas públicas e a promo- ção do direito humano à cidade, além do desenvolvimento de um conceito de cidade democrática, acessível, educa- dora e sustentável. A partir desse con- texto, esse grupo começou a pensar no Programa UniverCidade Educadora:

Circulando Cidadania. Ação conjunta para a promoção e a articulação de ações educativas com a comunidade relacionadas à mobilidade urbana, o Programa, ainda em constru- ção, é fruto da articulação do trabalho feito na UPF, juntamente com a Frente Parlamentar Mista da Câmara de Vere- adores de Passo Fundo e com o Grupo de Gestão Integrada (GGI) da Prefeitura de Passo Fundo. Entidades parceiras, como Coleurb e Agenda 21, entre outras, também integram o grupo.

Diversas atividades Com previsão de início de execução para maio, o Programa visa qualificar recursos humanos para atuarem como instrutores de trânsito nos Centros de

Formação de Condutores. Também tem o propósito de desenvolver ações sobre mobilidade urbana junto às escolas municipais de educação integral e de produzir programetes audiovisuais nos quais a temática seja a circulação na ci- dade em seus diferentes modais. Conforme o coordenador da Divisão de Extensão da UPF e do Programa, Me. Marcio Tascheto, a iniciativa tem como propósito principal a educação. “O UniverCidade Educadora supre uma das dificuldades no âmbito das políticas públicas, que é a dimensão da formação do cidadão, da apropria- ção e do controle social das grandes questões que envolvem a circulação na cidade, do processo de aprendi- zagem contínuo que ela é capaz de fomentar em seus espaços e dinâmi- cas”, comenta.

Passo Fundo como cidade educadora

Nesse sentido, o Programa potencia- liza o Plano de Mobilidade Urbana de Passo Fundo, instrumento de trans- formação da prática urbana, capaz de destacar a ampliação da mobilidade da população como princípio fundamen- tal associado à melhoria da qualidade de vida e à sustentabilidade da cida- de, não descuidando da circulação de mercadorias de forma adequada e es- tratégica para o desenvolvimento eco- nômico. “Nós temos conquistas na área da mobilidade urbana, e o Plano é uma delas, embora ainda não tenha sido aprovado. As ações pedagógicas obje- tivam colocar em operação o planeja- mento existente e tudo aquilo que pode impactar na melhoria da qualidade de vida da população no uso do transpor- te, reconhecido recentemente como di- reito social”, menciona Tascheto.

A proposta do UniverCidade Educadora demonstra ainda o trabalho de responsabilidade social da UPF. “É uma via de mão dupla, que, por um lado, se vincula com os problemas da população, e, por outro, po- tencializa a universidade quanto à sua natureza, que é o processo de ensino e aprendizagem. O Programa vai permitir pensar um ‘currículo de mobilidade urbana da cidade’, articulando um conjunto de ações pedagógicas e constituindo um sistema formativo integrado de forma associativa e sinérgica entre poder público, iniciativa privada e sociedade civil”, pensa. Tornar Passo Fundo uma cidade educadora, melhorando a qualidade de vida de seus habitantes, é uma das expectativas que se tem com a execução do Programa. “Essa é uma das ações que pode transformar nosso município em uma cidade educadora. É fundamental que toda e qualquer política pública contenha uma dimensão pedagógica. É preciso ter claro que não adianta implementar uma mudança na sociedade se não houver um processo educativo acompanhando, e isso só é possível ampliando o espaço democrático”, relata o professor. Dentre as ações que visam à efetiva promoção do município à condição de cidade edu- cadora, está prevista a participação do grupo no XIV Congresso Internacional de Cidades Educadoras, a ser realizado em junho, em Rosário, na Argentina. Saiba mais sobre o evento em congresoaice2016.gob.ar.

13

Fotos: Gelsoli Casagrande

Nas reuniões

do Fórum,

são debatidos

assuntos sobre

mobilidade

urbana

13 Fotos: Gelsoli Casagrande Nas reuniões do Fórum, são debatidos assuntos sobre mobilidade urbana

14

14 Universo UPF universidade Abril e Maio / 2016 Parceiro UPF : acolhida e integração marcam

Universo UPF

universidade

Abril e Maio / 2016

Parceiro UPF: acolhida e integração marcam experiências de intercambistas

Projeto propõe que acadêmicos auxiliem estudantes estrangeiros na adaptação à nova rotina. Atividade promove integração e acolhimento, além do intercâmbio cultural

U m intercâmbio permite mais do que

conhecimento, agrega experiências

ao currículo e proporciona novas

amizades, mas a viagem rumo a

um local muitas vezes desconhecido gera cer- ta apreensão. “A experiência de intercâmbio foi muito positiva para o meu crescimento in- telectual e representou a saída da minha zona de conforto. Consegui, assim, ser independente em um país completamente diferente do meu, conhecendo novas culturas, novas formas de agir e de pensar”, conta Elena Veiga Rilo, inter- cambista de Letras, da Universidade de Santia- go de Compostela.

Quero ser parceiro

Quem quer ser parceiro deve preencher o for- mulário de inscrição, que pode ser acessado no site www.upf.br/aaii, no link Formulários, e enviá-lo por e-mail para aai@upf.br. O candidato não fará a esco- lha do intercambista. O visitante será designado de acordo com a unidade de vínculo do candidato e o conhecimento da língua estrangeira.

Para acolher estudantes estrangeiros como Elena, que todos os semestres escolhem Passo Fundo como destino, a Universidade de Passo Fundo desenvolve o Programa Parceiro UPF. A iniciativa proposta pela Assessoria para Assun- tos Internacionais e Interinstitucionais (AAII) oportuniza a integração dos alunos estrangeiros ao meio universitário e à comunidade local. Em 2015, quando esteve na UPF, Elena contou com o apoio do Parceiro UPF Lucas Cyrino, também do curso de Letras. “A ajuda do Lucas foi funda- mental para que eu pudesse entrar em contato de uma maneira direta com os outros intercam- bistas, fazendo com que a minha chegada a um novo continente fosse mais confortável. Além disso, conviver com o Lucas fez com que fosse mais fácil conhecer a cidade e os locais de meu interesse”, comenta Elena. A experiência também foi positiva para o Parceiro UPF. Lucas foi aluno intercambista em 2014/2, no México, e nos dois semestres de 2015 foi parceiro: no primeiro, recebeu as mexicanas Alejandra Barraza e Fernanda Lemus, que ha- via conhecido no México quando estudavam na mesma universidade; e, no segundo, recebeu Alejandra Cornejo, Marisol Lozano e Fernando Márquez, também do México, além de Elena e David Tejedor, ambos da Espanha. “Tive com todos eles experiências incríveis, especialmen- te com a Elena, que era intercambista no meu

curso. Além da prática constante de uma língua estrangeira aqui em Passo Fundo, com falantes nativos da língua espanhola, a parceria propos- ta pelo programa permite conhecer e interagir bem de perto com a cultura e com os costumes de outros países, além de proporcionar amiza- des que não conhecem fronteiras”, destaca o estudante de Letras. A parceria entre Elena e Lucas foi além da adaptação: “A ajuda do Lucas permitiu que ambos pudéssemos construir um projeto co- mum que se materializou na realização de um curso de literatura espanhola e hispano-ame- ricana. Um curso que nos fez crescer como profissionais, mas também como pessoas”, define a intercambista espanhola sobre a rea- lização do curso “Literatura a ambos lados del

atlántico: de Jorge Manrique a las civilizacio- nes Maya, Azteca e Inca”, que propôs estudar

a literatura pré-hispânica na América-Latina e

a literatura medieval espanhola, concomitan- tes historicamente.

Parceria, amizade e acolhimento “Minha estada aqui no Brasil foi bem legal. Quando chegamos, estávamos precisando de apoio e foi nesse momento que conheci a Lilia- ne, minha parceira UPF. Ela foi muito boa co- nosco desde o começo e ajudou em muitas coi- sas, como procurar os lugares onde tínhamos aula ou mesmo fazer a carteirinha de estudan- te”, relata a intercambista do curso de Agrono- mia, Ana Laura Chara, da Universidad Nacional del Litoral, na Argentina. A experiência com o projeto também foi po- sitiva para a intercambista Ileana Muñoz de La Torre, da Universidad Autônoma de Aguasca- lientes no México, que cursou Design de Moda

na UPF. “Foi importante para obter crescimento acadêmico: escutar, aprender e analisar a pers- pectiva com que é tratada a moda aqui na UPF

e no Brasil. As oficinas que realizamos ao longo

do semestre, auxiliadas pela Parceira UPF, para troca de experiência com os alunos daqui, supe-

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Participantes do curso sobre literatura espanhola e hispano-americana, resultado da parceria entre os acadêmicos

raram minhas expectativas”, define a intercam- bista, que salienta que a experiência propiciou enriquecimento mútuo.

Integração Conforme a coordenadora da AAII, professora Maria Elisabete Mariano dos Santos, a iniciativa já envolveu 41 acadêmicos e vem sendo reali- zada desde 2013. “É um projeto de acolhimento que está facilitando imensamente a vida dos intercambistas, os quais já são contatados an- tes da vinda para o país, obtendo informações sobre a vida em Passo Fundo e sobre questões acadêmicas”, explica, enfatizando que “o pro- jeto objetiva viabilizar a integração dos alunos estrangeiros com o meio universitário e com a comunidade local, além de auxiliar com ques- tões de moradia dos alunos na cidade de Passo Fundo”, esclarece. Para ela, o ganho também se dá por parte dos parceiros, uma vez que há uma intensa troca cultural e a prática de idiomas é intensificada. “O Parceiro UPF terá contato com outras cultu- ras, com outros idiomas, ao passo que fará no- vas amizades e conhecerá um pouco sobre o en- sino e as universidades estrangeiras”, destaca. Conforme a professora, podem candidatar-se ao programa alunos de graduação regularmente matriculados na UPF e que tenham o desejo de colaborar na acolhida ao intercambista de for- ma voluntária e que, preferencialmente, falem uma língua estrangeira, inglês ou espanhol.

Tarefas do Parceiro UPF

- Participar de reuniões da AAII, objetivando a boa acolhida e a integração do intercambista.

- Recepcionar o intercambista na sua chegada, orientando-o sobre como se localizar na cidade de Passo Fundo e auxiliando na busca por um local para morar.

- Auxiliá-lo na utilização dos meios de transporte urbano, assim como nas atividades de rotina que possam envolver supermercados, bancos, correios, restaurantes, entre outros.

- Conduzi-lo à sua Unidade Acadêmica, situando-o também em relação aos diferentes espaços da UPF (biblio- teca, centro de convivência, laboratórios, etc).

- Acompanhá-lo à Polícia Federal, já nos primeiros dias da sua chegada, para legalizar a sua estada.

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 15 internacionalização Cursostêmacreditação internacional Sistema Arcu-Sul, que

15

internacionalização

Cursostêmacreditaçãointernacional

Sistema Arcu-Sul, que inclui cinco cursos de graduação da UPF, é resultado de um acordo entre os Ministérios de Educação da Argentina, Bolívia Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai

A internacionalização dos

cursos de graduação e pós-

-graduação tem reunido

esforços na busca pelo apri-

moramento do ensino e pelo oferecimen- to de uma formação acadêmica sólida e reconhecida como referência. Entre os resultados, está a acreditação de cinco graduações no Sistema de Acreditação Regional de Cursos de Graduação (Arcu- -Sul), que, entre os países integrantes do acordo, oferece garantia pública do ní- vel acadêmico e científico dos cursos de:

Agronomia, Arquitetura, Engenharia Civil, Engenharia de Alimentos e Enge- nharia Mecânica. O Sistema é resultado de um acordo entre Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Para a vice-reitora de Graduação, pro- fessora Rosani Sgari, os investimentos na capacitação e na formação docente, em infraestrutura, em atualização do acervo bibliográfico e na ampliação de parcerias com outras instituições têm produzido reflexos na formação dos discentes e no reconhecimento da UPF em nível nacional e internacional. “Tra- balhamos para que a nossa Instituição seja cada vez mais uma referência e, para isso, não medimos esforços. Os

uma referência e, para isso, não medimos esforços. Os índices crescentes refletem esse com- promisso. Ter

índices crescentes refletem esse com- promisso. Ter cinco cursos acreditados pelo Sistema Arcu-Sul demonstra que a dedicação de todos os envolvidos nos processos que permeiam a Universida- de tem resultados inovadores e trans- formadores”, destaca.

Investimento constante Para o coordenador da Engenha- ria de Alimentos Dr. Jeferson Piccin, a acreditação se deve ao constante apri- moramento nos espaços físicos e na qualidade de ensino e pesquisa. “Es- tar inserido em uma matriz produtora de alimentos, como a região de Passo Fundo, qualifica o curso e os egressos para atuarem diretamente na transfor- mação de matérias-primas agropecuá- rias em alimentos”, avalia. O curso está alinhado às pesquisas desenvolvidas no curso de mestrado do Programa de Pós- -Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos (PPGCTA) e no Centro de Pes- quisa em Alimentação (Cepa) da UPF.

Tradição

O coordenador da Engenharia Mecâ- nica Me. Luiz Fernando Prestes destaca

a tradição e a excelência na formação

de profissionais ao longo de mais de quarenta anos. “Nosso curso sempre melhorou seus índices de desempenho:

titulação e experiência de professores, aprimoramento do currículo e da meto- dologia de ensino, melhoramento e ade- quação permanente dos laboratórios, estreita colaboração com as empresas, culminando com a criação do mestra- do profissional, voltado para as neces- sidades geradas pelo desenvolvimento tecnológico da indústria regional”, ar- gumenta.

Único em universidade não pública O curso de Agronomia da UPF é o úni- co entre os 12 acreditados pelo Sistema no Brasil que não é de instituição pú- blica. De acordo com o coordenador Dr.

Geraldo Chavarria, o corpo docente está empenhado em ampliar a internaciona- lização e a acreditação é resultado de uma série de avaliações que certificam

a excelência acadêmica. Essas avalia-

ções buscam caracterizar a qualidade da

Foto: Arquivo Pessoal

buscam caracterizar a qualidade da Foto: Arquivo Pessoal formação dos docentes, a infraestrutura disponível para

formação dos docentes, a infraestrutura disponível para aulas teóricas e práticas

a capacidade de geração de pesquisa científica na Instituição.

e

Conhecimento global

A cada semestre, o curso de Arquitetu-

ra e Urbanismo envia e recebe uma mé- dia de cinco acadêmicos intercambistas por meio do programa Marca, disponí- vel para instituições acreditadas pelo Arcu-Sul. De acordo com o coordenador substituto Me. Carlos Leonardo Sgari Szilagyi, a acreditação é mais um ates- tado da qualidade acadêmica e de infra- estrutura. “Nenhum arquiteto consegue planejar com qualidade se não tiver co- nhecimento de mundo e essa é uma das formas de ampliar esse conhecimento”, enfatiza.

Acadêmica do curso de Arquitetura e Urbanismo, Bianca Acunha, realizou intercâmbio na Argentina por meio do Programa Marca

Oportunidade de intercâmbio

Os estudantes de cursos acreditados podem realizar intercâmbio acadêmico pelo Programa de Mobilidade Acadêmica (Marca), do Governo Federal, desenvolvido em parceria com universidades conveniadas de países pertencentes ou associados ao Mercosul. Por meio da Assessoria para Assuntos Internacionais e Interinstitu- cionais (AAII), a UPF, pelo Programa Marca, já enviou 31 alunos para intercâmbio e já recebeu 32 estudantes estrangeiros nos cursos de Engenharia Civil, Arquitetura e Agronomia.

Primeiro

O curso de Engenharia Civil da UPF foi

o primeiro da área a receber a acredita- ção no Brasil. Conforme a coordenadora

Dra. Vera Maria Cartana Fernandes, a preocupação com a qualidade da for- mação e com a estrutura dos laborató- rios e a proximidade com o Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

e Ambiental (PPGEng) são importantes

diferenciais. “Nossos acadêmicos têm a possibilidade de vivenciar como é o en- sino de engenharia nos países do Merco- sul, por meio da realização de intercâm- bio. Essa é uma bagagem enorme para o currículo do futuro profissional”, avalia.

16

16 Universo UPF institucional Direito da UPF é recomendado pela OAB Abril e Maio / 2016

Universo UPF

institucional

Direito da UPF

é recomendado pela OAB

Abril e Maio / 2016

Fotos: Divulgação UPF

UPF é a única instituição no norte gaúcho a receber o selo OAB Recomenda

A Faculdade de Direito da Uni- versidade de Passo Fundo (FD/UPF) tem vários motivos para comemorar em 2016:

está completando 60 anos de existên- cia, formou 200 turmas nesse período e está incluída no seleto grupo de cursos que recebeu o selo OAB Recomenda. A distinção foi entregue no dia 13 de ja- neiro, no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em Brasília. A Instituição foi representada, no ato, pelo reitor José Carlos Carles de Souza e pelo diretor da FD Ms. Rogerio da Silva, que receberam o selo das mãos do presi- dente da OAB Nacional Marcus Vinicius Furtado Coêlho e do presidente da OAB- -RS Ricardo Breier. A qualidade acadêmica e o constante aprimoramento pessoal e de estrutura são alguns dos aspectos responsáveis pelo status conquistado pelo curso. A UPF é a única instituição do norte do estado a receber a distinção e uma das oito a receber o selo em todo o Rio Gran- de do Sul. Destas, apenas três não são públicas. No país, apenas 10% dos mais de 1,3 mil cursos de Direito foram con- templados com o selo, o que reforça a qualidade da graduação na UPF. De acordo com o reitor, a determina- ção e o comprometimento do corpo do- cente no aprimoramento dos graduan- dos possibilitaram mais essa conquista da Faculdade de Direito. “O curso é um dos mais tradicionais ofertados pela Universidade de Passo Fundo e esse re- conhecimento é uma grande conquista. O Direito foi o propulsor da história do

grande conquista. O Direito foi o propulsor da história do Reitor da UPF José Carlos Carles

Reitor da UPF José Carlos Carles de Souza e o diretor da FD Rogerio da Silva receberam o selo em cerimônia realizada em Brasília

ensino jurídico na região, mas não se restringe a um ambiente regional, eis que milhares de egressos levam o nome da UPF Brasil afora”, referiu o reitor, ao mencionar que o desempenho dos aca- dêmicos e egressos no Exame de Ordem Unificado e no Enade estão entre os fato- res que posicionam o curso da UPF entre os melhores no país. O diretor da unidade acadêmica, Ro- gerio da Silva, credita o reconhecimento ao resultado do trabalho coletivo rea- lizado pela Reitoria e por professores, funcionários, alunos e egressos. “Sem- pre nos preocupamos em oferecer ensi- no jurídico de qualidade. Essa conquista evidencia o resultado desse trabalho e

nos coloca no grupo de elite dos melho- res cursos do país. Esse reconhecimento aumenta a nossa responsabilidade para que continuemos a inovar e aprimorar o nosso curso”, destacou. Para a coordenadora do curso, pro- fessora Me. Maira Tonial, receber o selo da OAB como curso recomendado é um orgulho para a FD, que completa 60 anos em 2016. “Fazer parte desse seleto grupo de faculdades que apresentam bons índices de aprovações nos exa- mes da Ordem evidencia o comprome- timento de nossos professores e alunos com a qualidade do ensino jurídico no país. É de se ressaltar que a responsa- bilidade social da UPF, vinculada à co- munidade de Passo Fundo e da região, permite afirmar, como no caso do selo da OAB, que esse compromisso vem sendo cumprido”, avaliou a professora.

Selo OAB Recomenda

O Selo de Qualidade tem uma edição a cada três anos e concede a distinção aos cursos que mais se destacaram em cada Unidade da Federação. Em 1999, surgiu o "OAB Recomenda", programa com o objetivo principal de dar notoriedade às instituições de ensino em Direito com regularidade de desempenho, sem jamais funcionar como um ranking ou um ainda um mecanismo de desaconselha- mento de cursos. São utilizados os critérios objetivos de índices de aprovação no Exame de Ordem Unificado e de aprovação no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes).

no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). Reconhecimento Segundo o presidente nacional da Or- dem,

Reconhecimento Segundo o presidente nacional da Or- dem, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o selo OAB Recomenda é uma forma de estimular a qualidade do ensino jurídico em nosso país. “A qualidade do ensino jurídico é peça fundamental e indispen- sável para a formação de profissionais capacitados para uma atuação crítica, competente e compromissada com a realização da Justiça e do Estado Demo- crático de Direito. As instituições de en- sino jurídico têm o papel fundamental de preparar os estudantes para sua vida profissional, para as mais diversas car- reiras jurídicas e também para a advo- cacia”, afirmou em seu discurso duran- te a solenidade de entrega, que contou ainda com a participação do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e do pre- sidente do STF, Ricardo Lewandowski.

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

institucional

Abril e Maio / 2016 Universo UPF institucional Licenciaturas f o r t a l e

Licenciaturas fortalecidas

fortalecidas

Referência regional na formação de professores, UPF aprimora seus cursos de licenciatura

E ntre as graduações mais tradi-

cionais da UPF estão os cursos

de licenciatura, ofertados des-

de as origens da Instituição.

A Universidade alia essa tradição à ex-

celência acadêmica, oferecendo cursos sempre atualizados e em sintonia com as leis que regram a atividade. Nesse contexto, a Vice-Reitoria de Graduação (VRGRAD) promove, desde o segundo semestre de 2015, um aprofundamento de estudos a fim de fundamentar uma reforma nas licenciaturas. Esse processo se concretiza por meio de articulação entre a VRGRAD e o Fó- rum das Licenciaturas, que vêm atu- ando na elaboração de um documento que norteie as reformulações curricu- lares dos cursos nessa modalidade da UPF. A intenção é atender à Resolução

nº 2 do Conselho Nacional de Educa- ção, de 1º de julho de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível supe- rior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduan- dos e cursos de segunda licenciatura)

e para a formação continuada, com a

finalidade de construir uma proposta comum para a formação de professo- res. Propõe-se, também, a construir um instrumento que oriente os estudos que subsidiarão os colegiados na ela- boração da proposta dos projetos pe- dagógicos dos cursos de licenciatura.

Integram o Fórum os coordenadores dos 12 cursos de licenciatura da UPF e representantes da VRGRAD e da Divi- são de Graduação. Também participam das reuniões membros dos Núcleos Do- centes Estruturantes (NDEs) dos cursos envolvidos, funcionários da Divisão de Graduação, representantes das divisões de Extensão e de Pesquisa, diretores das unidades que têm cursos de licenciatu- ra, coordenação institucional e pedagó- gica do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), Setor de Apoio Pedagógico (SAP) e UPF Virtual, além de professores com conhecimento pedagógico para capacitar a formação. Nesse sentido, a partir da realização de conferências e de grupos de estudo, professores, coordenadores de curso e diretores de Unidades Acadêmicas têm buscado compreender não só o espírito das Diretrizes, mas também sua relação

Objetivos da reforma:

• Construir uma proposta comum para a

formação de professores na UPF.

• Promover um processo qualitativo de

formação para os integrantes do Fórum.

• Fortalecer as licenciaturas.

• Contribuir na construção de projetos

pedagógicos mais desafiadores, que preparem os futuros professores, de forma mais qualificada, para o exercício profissional na Educação Básica.

com outros documentos institucionais, como o PPI, e com a Base Nacional Co- mum Curricular. Além disso, o Fórum das Licenciaturas coordenou importan- tes debates sobre o modelo de profes- sor que se deseja formar e sobre o perfil dos alunos que procuram os cursos de licenciatura, além de uma ampla dis- cussão sobre a estrutura curricular, que passou por uma profunda avaliação das disciplinas que constituem o Nú- cleo Comum de Formação. A coordenadora do Fórum, professo- ra Me. Maria de Fátima Baptista Beten- court, afirma que a reforma tem como princípios o respeito à legislação, o trabalho coletivo, a busca pela qua- lidade dos cursos e o aprimoramento em diferentes temáticas relacionadas às licenciaturas. O professor Dr. Edison Casagranda, que atua junto ao Fórum, lembra que as atuais Diretrizes Curri- culares Nacionais ampliam a carga ho- rária mínima dos cursos de licenciatura de 2.800h/a para 3.200h/a. “Trata-se de uma mudança substancial, que busca o

aprimoramento dos processos de forma- ção, garantindo ao egresso uma forma-

ção profissional sólida”, analisa. Para

Casagranda, é necessário avançar nas

reflexões sobre a formação de profes-

sores a partir da realidade da educação básica, na superação de abordagens tra- dicionais e na articulação entre ensino, pesquisa e extensão.

17

Respeito à legislação, trabalho coletivo, busca pela qualidade e aprimoramento em diferentes temáticas relacionadas às licenciaturas são os principais objetivos da iniciativa

18 Alunos têm formação diferenciada na graduação Universo UPF Abril e Maio / 2016 curso

18

Alunos têm

formação

diferenciada

na graduação

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

curso de graduação

ADMINISTRAÇÃO: empreender com

inovação, estratégia e sustentabilidade

Fotos: Gelsoli Casagrande
Fotos: Gelsoli Casagrande

Curso na UPF já formou milhares de administradores, que hoje atuam em empresas públicas e privadas de todo o país

O atual cenário econômico do Brasil mostra a necessidade de se contar com profissio- nais altamente capacitados,

qualificados e diferenciados, que sai- bam realizar com eficiência a gestão de negócios de empresas e organizações. Nesse sentido, o curso de Bacharelado em Administração da UPF se destaca por formar profissionais empreendedo- res, com visão estratégica e sustentável. Uma das primeiras graduações da Instituição, o curso é vinculado à Fa- culdade de Ciências Econômicas, Admi- nistrativas e Contábeis (Feac), e, além de ser ofertado no Campus I, também tem turmas na estrutura multicampi, em Carazinho, Casca, Lagoa Vermelha, Sarandi e Soledade. Conforme o coorde- nador, professor Me. Ricardo Bonsem- biante, milhares de profissionais foram formados pela UPF. “Semestralmente, em torno de 200 alunos concluem a gra- duação, número que é considerado ex- pressivo”, comemora.

Diferenciais aproximam estudan- tes da prática profissional O curso tem duração de oito semes- tres. No Campus I, as aulas são ministra- das pela manhã e à noite, e, nos demais campi, à noite. Dentre os seus diferen- ciais, destaca-se a qualificação docente constante, que oportuniza aos profes- sores a continuidade de seus estudos, por meio de doutorados, mestrados, especializações ou cursos de formação. A iniciativa visa a que o docente esteja capacitado a disseminar o seu conheci- mento aos alunos. Além disso, o proje- to pedagógico da graduação, que alia ensino, pesquisa e extensão, tem des- pertado o interesse dos estudantes. “Re- cebo mensagens, quase que diárias, de acadêmicos interessados em se engajar nos projetos de extensão e de pesquisa do curso, da Feac e da UPF. A procura

nos satisfaz e muito nos alegra, pois de- monstra que estamos proporcionando uma formação diferenciada, capaz de

ratificar e solidificar o conceito de Uni- versidade”, relata Bonsembiante. Outra característica importante é o fato de o curso ser concebido em três eixos fundamentais: visão estratégica, empreendedorismo e sustentabilida- de, que estão aliados à formação ge- ral exigida para o administrador e às especificidades regionais. De acordo com o coordenador, na atualidade, os profissionais da área devem ter uma visão inovadora e buscar aquilo que

o mercado define como oportunidade,

sem esquecer que, para as empresas prosperarem, é preciso ter visão es- tratégica e definir ações sustentáveis de curto, médio e longo prazo, não só em termos sociais, levando em conta, cada vez mais, os aspectos ambientais. E, para poder desenvolver essas habi- lidades, os alunos têm a possibilidade de atuar em espaços e projetos como o

Centro de Pesquisa e Extensão (Cepe- ac) e a Empresa Junior, instalados no Campus I, mas com cobertura em todos os campi onde o curso é ofertado. Esses projetos potencializam as experiências

e possibilitam o exercício da prática

por meio de consultorias e assessorias

a empresas. Para 2016, estão sendo planejadas

novas parcerias com empresários, com

a Agência de Inovação e Tecnologia

UPFTec e com o Parque Científico e Tecnológico UPF Planalto Médio (UPF Parque). Com isso, os alunos terão a chance de colocar em prática o conhe- cimento adquirido.

Me. Ricardo Bonsembiante é o coordenador do curso de Administração

Possibilidades no mercado de trabalho

Com um amplo campo de atuação, os egressos do curso de Administração podem em- preender em negócios próprios, em empresas do setor público e privado e em organizações não governamentais. Gerenciar recursos financeiros, materiais, humanos e mercadológicos das instituições dos diversos segmentos, inclusive as dedicadas ao comércio pela inter- net, e ser capaz de reconhecer e solucionar problemas e tomar decisões, são algumas das atividades inerentes à atuação desse profissional. “O administrador deve compreender que ele é um agente transformador das organizações. Sua formação e conhecimento permi- tem contribuir para o bom desenvolvimento dos locais onde atua e para que haja uma economia forte e sustentável”, comenta Bonsembiante, reiterando que o ato de administrar é fundamental em qualquer ambiente. Continuar na academia, por meio dos cursos de pós-graduação, também é uma interes- sante opção de carreira. Além das várias especializações, a UPF oferece o curso de Mestrado em Administração, que tem como área de concentração “Gestão estratégica das organiza- ções”, e contempla estudos com ênfase na geração de conhecimento sobre as organizações e sua relação com o desenvolvimento da sociedade. Mais detalhes sobre o Mestrado podem ser obtidos no site www.upf.br/ppgadm.

relação com o desenvolvimento da sociedade. Mais detalhes sobre o Mestrado podem ser obtidos no site

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 19 Fotos: Gelsoli Casagrande curso de graduação Engenharia de

19

Fotos: Gelsoli Casagrande

curso de graduação

Engenharia de Computação:

foco no desenvolvimento regional de setores prioritários

O curso mais novo da UPF propor- ciona ao estudante contato com um mercado de trabalho em expansão

O setor brasileiro de Tecno- logia da Informação (TI) cresce, em média, 15% ao ano, e gera mais demanda

por profissionais qualificados. Ao mes- mo tempo, a alta procura por talentos

motiva a valorização de salários, com taxas de aumento de até 20%. Atenta

a esse cenário promissor, a Universi-

dade de Passo Fundo (UPF) oferece à comunidade o curso de Engenharia de Computação, que forma profissionais habilitados a realizar a integração de

softwares com equipamentos e compo- nentes eletrônicos. Novo na Instituição, o curso foi cria- do a partir da parceria entre o Instituto de Ciências Exatas e Geociências (Iceg) e a Faculdade de Engenharia e Arquite- tura (Fear). Foi ofertado pela primeira vez no Vestibular de Verão 2015, tendo a duração

de dez semestres, com aulas

no turno da tarde, de segunda

a sexta-feira, e uma vez por

semana, pela manhã. O corpo docente, formado por profes- sores mestres e doutores das

duas unidades acadêmicas, visa atender a particularida- des dos setores prioritários de desenvolvimento regional, como TI, metal mecânico, saúde, agricultura, energia e biotecnologia. De acordo com o coordenador, profes- sor Dr. Rafael Rieder, a graduação é con- siderada ampla e, devido à sua formação básica nas áreas de ciências humanas, exatas e das ciências da computação e engenharias, e em razão de sua forma- ção específica em engenharia da compu- tação, oferece várias possibilidades.

para os alunos de Engenharia de Com- putação – quanto os da Fear oferecem estrutura de excelência para as aulas.

“Utilizando os laboratórios, o estudante tem contato com a prática desde o pri- meiro semestre”, pontua Rieder, que também destaca que há projetos em desenvolvimento para a construção de novos espaços para a graduação. O trabalho cooperativo das unidades acadêmicas é um dos diferenciais do curso, que não é novo apenas na região de Passo Fundo, mas em toda a região Norte

do estado. “A Engenharia de Computação da UPF disponi- biliza ao mercado de trabalho uma nova formação. Hoje, empresas que necessitam desse profissional são, em sua grande maioria, de fora da região. Tudo isso repre- senta um nicho interessante

e bom para o empreendedorismo local

e regional”, comenta o professor Rieder. Ainda, para o coordenador, a gradu- ação, além de atender às demandas re- gionais, contribui para que a UPF atinja outros objetivos, com destaque para

a consolidação do Parque Científico e Tecnológico UPF Planalto Médio (UPF Parque).

Mais informações

sobre o curso de Engenharia de

Computação po- dem ser obtidas no site ww.upf.br ou pelo telefone (54) 3316-8354.

Mercado de trabalho em expan- são: crise econômica não atingiu tanto a área Após formado, o engenheiro de com- putação estará apto a contribuir, cientí- fica e tecnologicamente, com a solução de problemas que necessitem o desen- volvimento de sistemas de computação, trazendo equilíbrio e integração entre

Curso é novo na região Norte do RS A graduação integra o rol de cursos do Iceg, e tanto os laboratórios desta unidade – dentre eles o Laboratório Central de Informática, o Laboratório de Física e o Laboratório de Inovação, este último estruturado especialmente

hardware e software. Indústrias de equi- pamentos eletrônicos computacionais; indústrias do setor agrícola; indústrias de software e empresas que necessitam instalação, operação e manutenção de redes de computadores ou sistemas de automação comercial ou industrial, são algumas das áreas de atuação do egres- so, que também pode se tornar um pro- fissional liberal. Conforme Rieder, o vasto campo de trabalho sofreu pouco com a crise eco- nômica que o país enfrenta atualmente. “A área de tecnologia sofreu menos com relação às outras áreas e é um meio que sempre demanda profissionais. O mer- cado está aquecido não só local, mas nacional e internacionalmente”, relata.

Atividades práticas fazem parte da vida acadêmica do aluno desde o 1º semestre

fazem parte da vida acadêmica do aluno desde o 1º semestre Outra opção do engenheiro é

Outra opção do engenheiro é dar se-

quência aos seus estudos com os cursos de pós-graduação da UPF. O Mestrado Profissional em Computação Aplicada, vinculado ao Programa de Pós-Gradua- ção em Computação Aplicada (PPGCA),

é uma alternativa, pois o curso propõe-

-se a contribuir com o fortalecimento e

a inovação tecnológica de importantes

segmentos socioeconômicos da região.

Curso é

coordenado

pelo professor

Dr. Rafael

Rieder

20

20 Universo UPF universidade Abril e Maio / 2016 UPF amplia oferta com novos doutorados e

Universo UPF

universidade

Abril e Maio / 2016

UPF amplia oferta com novos

doutorados e mestrado

doutorados

mestrado

Capes autoriza doutorados em Odontologia e em Engenharia Civil e Ambiental e mestrado em Ciências Ambientais

A Universidade de Passo Fun- do (UPF) encerrou o ano de 2015 com a ampliação no nú- mero de cursos de mestrado

e doutorado. A Coordenação de Aperfei-

çoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou a aprovação do douto- rado em Odontologia, do doutorado em Engenharia Civil e Ambiental e do mes- trado em Ciências Ambientais da Insti- tuição. Com a aprovação, a UPF passa a

ter seis doutorados e 15 mestrados. Para o reitor da UPF, José Carlos Carles de Souza, os novos cursos demonstram os esforços que a Universidade empe- nha em investir tanto em infraestrutura quanto na qualificação do corpo docen- te. “Os dois novos doutorados e o novo mestrado ratificam o posicionamento da Universidade de aprimorar e ampliar o ensino, a pesquisa, a extensão e a ino- vação tecnológica, fazendo retornar à comunidade a confiança que vimos rece- bendo nesses mais de 47 anos de trajetó- ria”, salienta o professor José Carlos. O vice-reitor de Pesquisa e Pós-Gradu- ação Leonardo José Gil Barcellos avalia que os novos programas vêm ao encon- tro do objetivo de fortalecer o stricto sensu da Universidade, contemplando todas as áreas do conhecimento. “A aprovação dos dois novos doutorados

e do mestrado é estratégica para a Ins-

tituição. É isso que faz uma Universida- de. Esse trabalho é fruto da política de

expansão e consolidação da ciência na UPF implantada desde 2010, quando a Instituição tinha sete programas de pós- -graduação, com um doutorado, e, em 2015, passamos para 15 programas e seis doutorados”, afirma.

Doutorado em Odontologia A Faculdade de Odontologia (FO) am- plia seu programa de pós-graduação stricto sensu com a aprovação do dou- torado, com área de concentração em Clínica odontológica e três linhas de pesquisa: Biomateriais, Clínica odonto- lógica baseada em evidências e Odonto- logia preventiva. O programa propõe es- tudos sobre a distribuição das doenças

“O doutorado em Odontologia vem para con- solidar a qualidade e a tradição da FO/UPF,
“O doutorado em Odontologia vem para con-
solidar a qualidade e a tradição da FO/UPF, que já
completa 55 anos, e do mestrado em Odontologia,
que teve início em 2010. Passo Fundo é um
polo regional de desenvolvimento socio-
econômico, destacando-se como cidade
prestadora de serviço nas áreas da saúde e
educação. A aprovação do doutorado em
Odontologia, o primeiro vinculado a uma
instituição da região, é de extrema impor-
tância para a capacitação e a qualificação
dos profissionais que atuam no meio acadêmico, nos serviços de
saúde pública e nos consultórios particulares”.

Coordenadora do doutorado em Odontologia, Dra. Márcia Borba

“O novo programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da UPF é uma proposta interdisciplinar e
“O novo programa de Pós-Graduação em
Ciências Ambientais da UPF é uma proposta
interdisciplinar e inovadora, com linhas de
pesquisa articuladas para tentar responder
questões regionais referentes à conserva-
ção da biodiversidade e desenvolvimento
sustentável. Para contribuir com essas
demandas, faz-se necessária a pro-
dução de conhecimento científico
sobre os recursos naturais, a produção
de tecnologias sustentáveis, bem como a for-
mação de recursos humanos capazes de atuar na elaboração de es-
tratégias de uso e manejo de recursos naturais e no aprimoramento
dos sistemas produtivos”.

Coordenadora do mestrado em Ciências Ambientais, Dra. Noeli Zanella

“A implantação do doutorado, além de permitir a ampliação da missão do PPGEng naquilo que
“A implantação do doutorado, além de permitir
a ampliação da missão do PPGEng naquilo que diz
respeito à formação de recursos humanos em
alto nível, é de extrema importância para o
amadurecimento de um Programa cada
vez mais inserido na comunidade em
que atua. O doutorado, por ser um curso
de longa duração, estabelecerá, a curto
prazo, as condições necessárias à con-
solidação dos grupos de pesquisa e à
qualificação da produção científica do
Programa, tirando vantagem da sinergia
obtida a partir da interação entre docentes pesquisadores, doutoran-
dos, mestrandos e alunos de graduação”.

Coordenador do doutorado em Engenharia Civil e Ambiental, Dr. Pedro Prietto

bucais na população humana e dos fato- res que influenciam essa distribuição. O desenvolvimento de novas tecnologias estará especialmente voltado para a área dos biomateriais, utilizando conhe- cimentos e metodologias originários das ciências da saúde, das ciências biológi- cas e das engenharias, aplicando-as na clínica odontológica. O doutorado está sendo coordenado pela professora Dra. Marcia Borba.

Doutorado em Engenharia Civil e Ambiental A Faculdade de Engenharia e Arquite- tura (Fear) também consolida o ensino do stricto sensu com a recomendação da Capes ao curso de doutorado. Com áreas de concentração em Infraestrutura e em Meio ambiente, o Programa de Pós-Gra- duação em Engenharia Civil e Ambiental (PPGEng) terá duas linhas de pesquisa:

uma na área de gestão e planejamento, denominada Planejamento territorial e gestão da infraestrutura, e outra na área de ciência e tecnologia, denominada Infraestrutura sustentável. O programa põe em evidência e fomenta o debate so- bre as problemáticas da infraestrutura e do meio ambiente, envolvendo a agen- da urbana em âmbito local, regional, nacional e internacional. O doutorado está sob a coordenação do professor Dr. Pedro Domingos Marques Prietto.

Mestrado em Ciências Ambientais O curso de mestrado em Ciências Am- bientais, ligado ao Instituto de Ciências Biológicas (ICB), tem área de concen- tração em Meio ambiente e desenvol- vimento sustentável e duas linhas de pesquisa: Sociedade e conservação dos recursos naturais e Tecnologia ambien- tal e sustentabilidade. O programa for- ma profissionais com base interdiscipli- nar em Ciências Ambientais, para atuar frente aos problemas ambientais advin- dos das relações entre sociedade, natu- reza e desenvolvimento sustentável, es- tabelecendo um diálogo e parcerias com a sociedade. O mestrado é coordenado pela professora Dra. Noeli Zanella.

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 21 comunidade AGRO ECOLOGIA: as gerações futuras agradecem essa

21

comunidade

AGROECOLOGIA: as gerações futuras agradecem essa escolha

Produções orgânica e agroecológica são as demandas atuais no NEA-UPF, que atua em prol da saúde, de uma agricultura sustentável e em busca de um ambiente saudável dentro e fora da Universidade

Feiras ecológicas vêm sendo realizadas no campus universitário como um incentivo ao consumo saudável de alimentos

C riado com a finalidade de ge-

rar um espaço físico e virtual

para o diálogo da comunidade

acadêmica e desta com a so-

ciedade, o Núcleo de Estudos em Agroe- cologia (NEA), vinculado à Vice-Reitoria

de Extensão e Assuntos Comunitários da Universidade de Passo Fundo (VREAC/ UPF), atua com temas atuais de conta- minação ambiental na produção de ali- mentos, da insegurança alimentar e das respostas e alternativas econômicas que

a agroecologia apresenta. A iniciativa vem sendo desenvolvida pela UPF desde março de 2014 e tem como espaço o laboratório do Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Pro- dutos Naturais (Nipron), na Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária (FAMV), e uma área experimental no viveiro de mudas da UPF, onde está alo- cado o horto agroecológico de plantas medicinais. Coordenado pela professora Dra. Cláudia Petry, o NEA tem em anda- mento experimentos de iniciação cien- tífica e da pós-graduação com extratos de plantas, com propagação de plantas

(ornamentais nativas, floríferas comes- tíveis e alimentícias não convencionais)

e com técnicas de biocontrole.

Conforme a coordenadora, dentre as ações já realizadas, estão cursos de extensão presenciais de agroecologia

e de plantas medicinais, aromáticas e

condimentares. “Realizamos 36 pales- tras na região ao longo desses dois anos de existência do NEA. Além disso, são

realizadas atividades de extensão da equipe de bolsistas com os agricultores agroecológicos e com os consumidores, nas edições semanais da feira ecológica, que acontecem aos sábados pela manhã na Praça da Mãe”, comenta Cláudia, enfatizando que ações como essas au- xiliam diretamente na conscientização do consumidor, na sua apropriação de informações para agregar conhecimen- tos em produção orgânica de alimentos que contribuem para a sua segurança e autonomia alimentar. “Isso repercute na qualidade de vida dos consumidores e ao mesmo tempo gera renda na agricul- tura familiar agroecológica”, destaca.

Responsabilidade social

A representação comunitária do NEA

o torna uma iniciativa de responsabi-

lidade social da UPF, uma vez que, ao levar conhecimento à comunidade, contribui para a qualidade de vida da sociedade, trazendo da comunidade novas demandas para o ensino e a pes- quisa. “Por meio desse contato com a população, se observou que há uma de- manda de ensino voltado aos processos que relacionam várias disciplinas. Há uma compreensão crescente do proces- so de bioacumulação e o consumidor está se conscientizando da importân- cia da rastreabilidade dos alimentos consumidos, da existência de circuitos

curtos (venda direta na feira ou na pro- priedade rural) e do localismo (produ- tos locais e de estação são sempre mais nutritivos)”, considera.

O contato com a comunidade é direto

e envolve diversas áreas, com participa- ção ativa de acadêmicos e professores de cursos distintos. “A preocupação é comum: somos todos consumidores e bioacumuladores do que se encontra nos alimentos atualmente consumidos.

E a sociedade está entendendo isso e

exigindo um novo enfoque nas atuações da Universidade quanto à segurança alimentar e à produção sustentável de alimentos sadios”, explica a professora.

Feiras ecológicas

O NEA tem sido parceiro da Feira Eco-

lógica – realizada na Praça da Mãe, no centro de Passo Fundo – e, nas palestras

que realiza, divulga a importância des-

e, nas palestras que realiza, divulga a importância des- Professora Dra. Cláudia Petry, coor- denadora do

Professora

Dra. Cláudia

Petry, coor-

denadora do

NEA

Foto: Gelsoli Casagrande
Foto: Gelsoli Casagrande

sa ação e do respeito que o agricultor familiar agroecológico tem com o con- sumidor ao produzir alimentos saudá- veis e nutritivos. Promovendo o acesso da comunidade acadêmica a produtos saudáveis, o NEA foi um dos grandes incentivadores para que a Feira Ecoló-

gica também fosse realizada dentro da Universidade. “Toda a instituição de ensino tem que garantir o acesso aos ali- mentos saudáveis e seguros e a UPF está fazendo sua parte quando abriga em sua infraestrutura essa maravilhosa feira re- gional”, avalia a coordenadora do NEA. A proposta da Feira Ecológica UPF surgiu com caráter de estratégia de mo- bilização da comunidade acadêmica e foi pensada a partir da Comissão de Ali- mentação do Fórum de Estudantes UPF, com o apoio do Diretório Central de Estu- dantes (DCE). A partir dos encontros do

Fórum de Estudantes UPF, promovidos pela Reitoria em conjunto com os alu- nos, foi constituída a comissão que tem ampliado o debate acerca da temática da alimentação na Universidade, propondo fomentar uma nova política de alimenta- ção baseada na segurança alimentar. A intenção é que as feiras ecológicas, que são realizadas há 17 anos no centro de Passo Fundo, se tornem uma prática permanente também no campus univer- sitário. “Precisamos recuperar o sentido de comer frutas, legumes e verduras da estação, produzidos no seu tempo e em locais específicos. É o melhor presente para a nossa saúde e a melhor herança para as gerações futuras”, assegura a professora.

O NEA

Os Núcleos

de Estudos em

Agroecologia

(NEA) têm apoio

governamen-

tal e são uma instância dentro das universida- des que atuam no fomento do es- tudo e das ações de extensão em agroecologia. Na UPF, o núcleo se consolidou por meio de um

projeto feito junto aos agentes de extensão rural

e de assistência

técnica do Centro de Tecnologias Alternativas Po-

pulares (Cetap),

da Cooperativa

Mista e de Traba- lho alternativo (Coonalter) e do Núcleo Planalto da Rede Ecovida.

O projeto foi

aprovado e rece- beu verbas pela chamada 81-2013 do CNPq, com

22

22 Universo UPF Abril e Maio / 2016 reconhecimento Foco e dedicação marcam trajetória de egresso

Universo UPF

Abril e Maio / 2016

reconhecimento

Foco e dedicação marcam trajetória de egresso da UPF

Marcos Alberto Wagner de Oliveira, egresso do curso de Ciências Econômicas, é o mais jovem dentre os auditores empossados no Tribunal de Contas da União, em Brasília

empossados no Tribunal de Contas da União, em Brasília O desafios sempre impulsio- naram o jovem

O desafios sempre impulsio-

naram o jovem Marcos Al- berto Wagner de Oliveira a

s

ir

além, e as conquistas que

já alcançou são marcadas pela força de vontade e pela coragem de buscar sem- pre mais. Aos 22 anos, antes mesmo de concluir o curso de Ciências Econômicas da Universidade de Passo Fundo (UPF), Marcos já contabilizava aprovações em diferentes concursos, e, recentemente, foi o mais jovem dentre os 78 servidores empossados no Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília.

Natural de Palmeira das Missões, o jovem começou a trabalhar aos 16 anos em um jornal local, atividade na qual

permaneceu atuando até seus 19 anos. Foi nesse jornal que teve seu primeiro contato com o universo dos concursos, quando viu publicado um edital do Banrisul. Com 17 anos, entrou na facul- dade, no curso de Ciências Econômicas. “Tinha interesse pela crise que estava acontecendo e também gostava da Bol- sa de Valores, de finanças e economia em geral. Tive uma leve vontade de cursar Direito, mas acabei optando pela Economia. Com o tempo, desenvolvi um enorme apreço por empreendedoris- mo”, comenta o jovem auditor. O curso de Economia foi iniciado em Palmeira das Missões e, nesse período, Marcos conquistou a primeira aprova- ção em concurso, o que lhe possibili- tou assumir o cargo de escriturário no Banco do Brasil, no município de Bos- soroca/RS, onde atuou por um ano. Aos 20 anos, por conta de uma nova apro- vação, passou a atuar no Ministério Público Federal em Passo Fundo, como técnico administrativo, quando ingres- sou na UPF para dar andamento ao seu curso superior. Marcos, que teve seu primeiro contato com a Universidade durante o Interação UPF, ainda no ensino médio, vol- taria à Instituição para consolidar sua formação. “Quando vim para Passo Fundo para assumir cargo no Ministério Público Federal, no mesmo dia da nomeação entrei em contato com a UPF e conversei com o coordenador do curso de Ciên- cias Econômicas, dando início aos trâmites para minha transferência”, conta o egresso. Segundo ele, a UPF foi receptiva e auxiliou de forma signi- ficativa, tanto na transição para Passo Fundo quanto na etapa de conclusão do curso. “Tive aulas excelentes, com ótimos professores, que abriram novos horizontes para minha jornada”, desta-

ca o jovem. O egresso de Ciências Econômicas da UPF concluiu o curso em 2015 e agora atua como auditor federal de controle externo, área Auditoria Go- vernamental, no Tribunal de Contas

da União. Para ele, essa é apenas mais uma etapa e a intenção é buscar novas conquistas. “A posse no TCU

é apenas o começo. O trabalho e os

desafios começam agora. Também tenho interesse por empreendedoris- mo, o que considero mais difícil do que qualquer concurso público em nosso país”, define.

Egresso de destaque Para o coordenador do curso de Ciências Econômicas da UPF, professor Dr. Julcemar Bruno Zilli, a aprovação do egresso como auditor do Tribunal de Contas da União demonstra o nível de excelência nos ensinamentos que o curso tem repassado para os alunos, seja na forma do ensino, seja na forma da pesquisa e da extensão. “Esse reconhecimento nos enche de orgulho, mas, também, demonstra que, cada vez mais, precisamos aprimorar nossos conhecimentos de modo a manter e a elevar nosso grau de conhecimento, para que possamos disponibilizar ao mercado de trabalho os melhores profissionais na área de Ciências Econômicas”, justifica ele. O professor lembra que Marcos sempre foi um aluno dedicado em to- das as atividades, sempre teve muita responsabilidade e eficiência na ela- boração e na entrega dos trabalhos. Além disso, destaca que o acadêmico conseguia absorver os conhecimen- tos repassados de forma diferenciada, colocando-se sempre em destaque nas notas. “Nas nossas conversas, podíamos perceber a obstinação, a dedicação e o foco que o Marcos tinha na busca de seus objetivos”, declara

o coordenador do curso.

Abril e Maio / 2016

Universo UPF

Abril e Maio / 2016 Universo UPF 23 fiquepordentro Representação institucional Fortalecendo seu caráter comunitário,

23

fiquepordentro

Representação institucional

Fortalecendo seu caráter comunitário, UPF representa Passo Fundo e região em ações que visam ao crescimento local e regional

Crédito: Natália Fávero

Crédito: Divulgação

e regional Crédito: Natália Fávero Crédito: Divulgação O reitor, advogado e ex-conselheiro da Seccional do Rio
e regional Crédito: Natália Fávero Crédito: Divulgação O reitor, advogado e ex-conselheiro da Seccional do Rio

O reitor, advogado

e ex-conselheiro da Seccional do Rio

Grande do Sul, José Carlos Carles de Souza, prestigiou a posse solene da nova diretoria da OAB Nacional, em Brasília. Na foto,

o reitor com o

presidente Claudio

Lamachia e esposa

O reitor da UPF,

José Carlos

Carles de Souza, em visita ao novo Arcebispo

da

Arquidiocese

de

Passo Fundo,

Dom Rodolfo

Weber

Crédito: Laissa França Barbieri

Fundo, Dom Rodolfo Weber Crédito: Laissa França Barbieri Reitor da UPF José Carlos Carles de Souza,

Reitor da UPF José Carlos Carles de Souza, vice-reitora de Extensão e Assuntos Comunitários Bernadete Maria Dalmolin, diretor do Campus Casca Nélio Cerbaro, reitor da UCS Evaldo Kuiava, prefeito de Casca Alan Martins das Chagas, primeira dama e soberanas da Expo Casca durante o painel que debateu o desenvolvimento regional

durante o painel que debateu o desenvolvimento regional Aula Magna com Terezinha Rios marca início do

Aula Magna com Terezinha Rios marca início do ano acadêmico na UPF

com Terezinha Rios marca início do ano acadêmico na UPF A Aula Magna que marca o
com Terezinha Rios marca início do ano acadêmico na UPF A Aula Magna que marca o

A Aula Magna que marca o início do ano acadêmico na

Universidade de Passo Fundo (UPF) contou, neste ano,

com a presença da professora da USP, Dra. Terezinha

Rios. Promovida pela Vice-Reitoria de Graduação, a já tradi- cional programação teve como tema “A docência universitária como profissão: formação e ética”. Centenas de professores lotaram o Centro de Eventos no Campus I para refletir sobre a temática proposta e sobre o modo como a educação configura as sociedades e a própria humanidade. Para a vice-reitora de Graduação Rosani Sgari, pensar sobre a formação e a ética relacionadas à profissão de professor é fundamental para que se consolide a formação continuada dos docentes da Instituição. “A Aula Magna faz parte do Programa de Formação Docente e marca o início do ano letivo com uma atividade permeada pela ciência e pelo conhecimento, mas também pela integração e pelas relações afetivas, porque nós somos super-humanos e o melhor jeito de começar um trabalho é iniciar pelas pessoas e pelas relações, fortalecendo a formação de nossos professores”, destacou a vice-reitora. A professora enfatizou ainda que, além da Aula Magna, o Pro- grama de Formação Docente promove diversas atividades ao longo do ano. Todas elas implicam um benefício duplo, eis que têm impacto na qualificação dos professores e na formação dos acadêmicos.

 
 

Instituição recepciona milhares de alunos em noite de integração

Todos os anos, a Universidade de Passo Fundo (UPF) recebe seus novos alunos com diversas atividades especiais na Recepção Acalourada.

No início deste ano letivo

não foi diferente. No dia 24

de fevereiro, pela manhã

e

à noite, milhares de

acadêmicos deram início

à

caminhada universitária,

sendo recebidos pela Reitoria, por diretores de Unidade e coordenadores de curso. O ginásio da Faculdade de Educação

Física e Fisioterapia

(Feff) ficou lotado e todos

acompanharam uma

palestra proferida pelo jornalista Marcos Piangers, sobre o tema “Inovação, uma espiada no futuro”. A programação também foi marcada por música e descontração, em uma ação cultural que foi realizada em frente ao Centro de Convivência. Nesse espaço, os convidados prestigiaram uma apresentação acústica de Chico Frandoloso e Jei Silvano, e uma performance da banda Los Marias. Além disso, com o propósito de promover a integração dos alunos, a Recepção Acalourada propôs um espaço de descontração, onde os calouros puderam realizar um piquenique.

Lançamentos da UPF Editora
Lançamentos da UPF Editora
puderam realizar um piquenique. Lançamentos da UPF Editora Anatomia do sistema locomotor e atlas fotográfico 2ª

Anatomia do sistema locomotor e atlas fotográfico 2ª Edição Autores: Gustavo Graeff Kura e Marcos Roberto Spassim

Autores: Gustavo Graeff Kura e Marcos Roberto Spassim Atlas de histopatologia Org. Rubens Rodriguez A cidade

Atlas de

histopatologia

Org. Rubens

Rodriguez

Spassim Atlas de histopatologia Org. Rubens Rodriguez A cidade comentada: expressões urbanas e glossário em

A cidade comentada:

expressões urbanas e glossário em urbanismo Autoras: Adriana Gelpi, Rosa Maria Locatelli Kalil

Todos com

e-book disponível

para download

gratuito

www.upf.br/editora

Autoras: Adriana Gelpi, Rosa Maria Locatelli Kalil Todos com e-book disponível para download gratuito www.upf.br/editora

24

24 Universo UPF Impulsionamos a inovação , buscamos Abril e Maio / 2016 o desenvolvimento .

Universo UPF

Impulsionamos

a inovação , buscamos

Abril e Maio / 2016

o desenvolvimento .

Acreditamos que conhecimento e empreendedorismo devem andar juntos, percorrendo novos rumos. Por isso, apoiamos
Acreditamos que conhecimento
e empreendedorismo devem andar
juntos, percorrendo novos rumos.
Por isso, apoiamos iniciativas empreendedoras e projetos
visionários, aprimorando a competitividade do sistema
produtivo local e regional e promovendo o intercâmbio
de ideais e o desenvolvimento econômico e social.

UPF Campus I BR 285 - Passo Fundo - RS (54) 3316 7000 informacoes@upf.br www.upf.br

econômico e social. UPF Campus I BR 285 - Passo Fundo - RS (54) 3316 7000
econômico e social. UPF Campus I BR 285 - Passo Fundo - RS (54) 3316 7000