Você está na página 1de 5

A PÁGINA DO PROJECTO IURIS DESPEDE-SE DOS SEUS MEMBROS

A partir do dia 20 de Julho a página da comunidade Projecto Iuris deixará de estar online, porém o Projecto
Iuris mantém-se activo no Facebook - www.facebook.com/people/Projecto-Iuris/100000321049936

Quanto ao Projecto Acesso ao Direito (PAD) foi criada uma nova página acessível em:
www.projectoacessoaodireito.webs.com

Os membros que queiram participar e colaborar nas iniciativas, na tomada de acções e/ou opiniões, serão
transferidos para esta página até ao próximo dia 19 de Julho. Basta enviar um e-mail para
projectoacessoaodireito@gmail.com ou inscreverem-se logo que essa função esteja disponível.

Connosco nesta página, só ficarão os que são na prática, pensantes e actuantes, ou seja, os colegas que
estejam disponíveis para participar activamente na procura de soluções construtivas e dignificantes da nossa
condição de Advogados, com vista a solucionar os problemas que especialmente afectam a nossa classe no
exercício da profissão enquanto defensores/patronos oficiosos, com vista ao desenvolvimento profissional das
suas funções de forma digna e ordeiramente.

O PAD não defende formas de luta que envolvam manifestações de rua, greves ou outra forma análoga de
protestos.

Os demais colegas, que não se revejam no espírito do grupo, sempre poderão manter-se informados acerca
das iniciativas do PAD na página do Projecto Acesso ao Direito no Facebook:
http://www.facebook.com/group.php?gid=409882796674&ref=mf

"O dever é o que esperamos do comportamento dos outros."


Oscar Wilde

Produção: Elsa Pedroso, Inês Soares de Castro, Isabel Alves Roçadas, Mafalda de Oliveira, Sandra Horta e Silva
http://www.projectoacessoaodireito.webs.com
O IGFIJ ATACA DE NOVO!!!

Quem não recebeu em finais de Junho um novo mail do IGFIJ ?

Destinou-se o mesmo a esclarecer (ou será melhor dizer, a


ameaçar) quais as consequência da não devolução das quantias
relativas a despesas pedidas no SINOA no âmbito dos processos
oficiosos.

Uma dessas consequências, de acordo com o IGFIJ, é a


eventual exclusão do Sistema de Acesso ao Direito e aos
Tribunais, mediante participação daquele instituto à OA.

Esmiuçando … Entende o IGFIJ que mesmo as despesas de


montante inferior a 100,00 € têm de ser devolvidas, a menos que
se junte o despacho judicial de deferimento das mesmas (o tal
despacho virtual, que só existe na imaginação desses senhores).

Na prática, o IGFIJ somente dispensou a apresentação do


despacho judicial até ao dia 30 de Junho. Nada mais. Ou se apresentou o despacho judicial até 30 de Junho,
ou então as despesas, independentemente do montante, teriam de ser devolvidas nesse mesmo prazo.

E quem não fez nem uma coisa nem outra? O IGFIJ irá passar à terceira fase (a primeira foi a das auditorias,
onde se apercebeu que quase ninguém tinha despacho e a segunda as interpelações por mail).

E nesta terceira fase o que se passará?

- Aos Colegas que não apresentaram despacho, nem


devolveram despesas superiores a 100,00 €, o IGFIJ remeterá
a informação ao CG e por sua vez este aos CDs para que
abram o procedimento previsto no nº 2 do artº
7º do Regulamento nº 330-A/2008 de 24 de Junho, com vista à exclusão do SinOA.

- Aos Colegas que não apresentaram despacho, nem devolveram despesas inferiores a 100,00 €, irão
averiguar quais os Colegas já auditados que não tinham os despachos nos respectivos processos e adoptar
igual procedimento.

Pergunta-se:

1 - Que farão os Conselhos Distritais aos Colegas que não devolveram as quantias e não têm despacho?
Abrirão em simultâneo, o procedimento do regulamento invocado, bem como, o competente
procedimento disciplinar?

2 - E como decidirão os Conselhos Distritais? Ordenar a devolução das despesas?

Produção: Elsa Pedroso, Inês Soares de Castro, Isabel Alves Roçadas, Mafalda de Oliveira, Sandra Horta e Silva
http://www.projectoacessoaodireito.webs.com
MEDIDAS PREVENTIVAS SUGERIDAS PELO PAD
CONTRA A PREPOTÊNCIA DO IGFIJ
Confrontados com a impossibilidade de dar cumprimento no futuro às solicitações
do IGFIJ, estando na prática os Advogados impedidos de com segurança jurídica,
requerer o pagamento das despesas, o PAD já tem no terreno um conjunto de
medidas preventivas que visam a reposição da legalidade em matéria de
pagamento das despesas no âmbito do apoio judiciário.

I) QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA


Ainda antes de terminar o prazo que o IGFIJ concedeu para a devolução das despesas, o PAD decidiu
apresentar uma queixa junto do Provedor de Justiça.
As queixas deverão ser feitas individualmente por correio, fax ou electronicamente.
Quando feitas electronicamente poderão ser juntos documentos e na exposição dos factos
fazer-se uma remissão para esses documentos anexos, somente havendo necessidade
do preenchimento dos dados pessoais. A queixa é apresentada no site
http://www.provedor-jus.pt/queixa.htm.
Os Colegas que queiram aderir podem obter a minuta de queixa que se encontra neste
link http://www.scribd.com/doc/33024946/Queixa, bem como, uma súmula de despachos
judiciais donde se infere da incompetência dos Tribunais para apreciação do pedido de
despesas, que se encontra em http://www.scribd.com/doc/32841156/DESPESAS-DESPACHO-OU-SINOA.

II) QUEIXA NA INSPECÇÃO GERAL DOS SERVIÇOS DA JUSTIÇA


Queixa semelhante à que foi feita junto do Provedor de Justiça poderá ser apresentada junto da IGSJ que é
presidida pelo Juiz Desembargador A. Pedro de Lima Gonçalves.
A minuta da queixa poderá ser solicitada para projectoacessoaodireito@gmail.com e deverá ser apresentada
online nesta direcção http://www.mj.gov.pt/Formulario

III) ACÇÃO JUDICIAL CONTRA O ESTADO


O PAD está a reunir os colegas que pretendem intentar acção administrativa contra o Estado
com vista a declarar a ilegalidade dos procedimentos adoptados pelo IGFIJ em matéria de
pedido de devolução das despesas requeridas no SINOA.
Os colegas que tenham interesse em participar nesta acção deverão manifestá-lo à Dr.ª Mafalda
Oliveira para o mail mafaldaoliveira-15461l@adv.oa.pt.

IV) EXPOSIÇÃO AOS GRUPOS PARLAMENTARES


Está em fase de elaboração uma exposição com o objectivo de sensibilizar os grupos
parlamentares para esta questão e que oportunamente será dada a conhecer aos
Colegas.

“O mais importante da vida não é a situação em que estamos, mas a direcção para a qual nos
movemos."
Oliver Wendell Holmes

Produção: Elsa Pedroso, Inês Soares de Castro, Isabel Alves Roçadas, Mafalda de Oliveira, Sandra Horta e Silva
http://www.projectoacessoaodireito.webs.com
NOTÍCIAS BREVES

Acesso ao Direito - Pagamento de Honorários e Despesas

Em reunião realizada em 29 de Junho de 2010, entre o Senhor Bastonário e o Senhor Ministro da Justiça,
com o propósito de debater, entre outras, questões relacionadas com o sistema do acesso ao direito, foi
assumido o compromisso de o IGFIJ, IP proceder ao pagamento de todos os honorários e despesas vencidas
até 30 de Abril de 2010, na próxima Terça-Feira, 6 de Julho de 2010.
Mais foi assumido o compromisso de o IGFIJ, IP proceder à integral liquidação dos honorários e despesas
vencidas em 31 de Maio e 30 de Junho, com carácter de urgência e ainda no decurso do mês de Julho.
Lisboa, 30 de Junho de 2010
Elina Fraga

Parlamento Europeu aprova cooperação em matéria de divórcio internacional

No último Conselho JAI (Justiça e Assuntos Internos) Portugal aderiu à cooperação reforçada,
cuja autorização foi aprovada pelo Parlamento Europeu entre 14 Estados-membros, em
matéria de divórcio internacional, o que vem permitr que, no futuro, cônjuges de nacionalidade
diferente possam optar pela legislação que queiram aplicar ao seu divórcio.

Advogados. Profissionais búlgaros e romenos reconhecidos em Portugal

De acordo com a segunda alteração introduzida pela Lei n.º 12/2010, de 25.6, ao Estatuto da
Ordem dos Advogados, (aprovado pela Lei n.º 15/2005, de 26 de Janeiro) são reconhecidas em
Portugal, na qualidade de advogados, e como tal autorizadas a exercer a respectiva profissão as
pessoas que, nos respectivos países membros da União Europeia, estejam autorizadas a exercer
as actividades profissionais com determinados títulos profissionais.

Funcionários Judiciais e advogados indignados com aumento dos custos na Justiça

O ministro da Justiça admitiu, esta quarta-feira, a subida de determinadas taxas de Justiça


no âmbito do Programa de Estabilidade e Crescimento para o sector.
Na opinião do presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais, para aumentar as
receitas, seria preferível proceder à informatização dos tribunais.
Por seu lado, o bastonário da Ordem dos Advogados defendeu que «a Justiça deve ser
gratuita para os cidadãos», tal como acontece em Espanha e como é a Saúde e a
Educação em Portugal.

Produção: Elsa Pedroso, Inês Soares de Castro, Isabel Alves Roçadas, Mafalda de Oliveira, Sandra Horta e Silva
http://www.projectoacessoaodireito.webs.com
Legislação de Junho de 2010 Segurança Social
Decreto-Lei n.º 70/2010, de 16.6 - Estabelece as
Defesa do Consumidor - Desbloqueamento de regras para a determinação da condição de recursos a
Equipamentos ter em conta na atribuição e manutenção das
Decreto-Lei n.º 56/2010, de 1.6 - Estabelece prestações do subsistema de protecção familiar e do
limites à cobrança de quantias pela prestação do subsistema de solidariedade, bem como para a
serviço de desbloqueamento dos aparelhos que atribuição de outros apoios sociais públicos, e procede
permitem o acesso a serviços de comunicações às alterações na atribuição do rendimento social de
electrónicas, garantindo os direitos dos utilizadores e inserção, tomando medidas para aumentar a
promovendo uma maior concorrência neste sector. possibilidade de inserção dos seus beneficiários,
procedendo à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º
Empresas - Apoio à Internacionalização 164/99, de 13 de Maio, à segunda alteração à Lei n.º
Decreto-Lei n.º 57/2010, de 1.6 - Cria o Fundo 13/2003, de 21 de Maio, à quinta alteração ao
de Apoio à Internacionalização e Exportação, que Decreto-Lei n.º 176/2003, de 2 de Agosto, à segunda
visa apoiar operações de desenvolvimento das alteração ao Decreto-Lei n.º 283/2003, de 8 de
pequenas e médias empresas portuguesas em Novembro, e à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º
mercados internacionais. 91/2009, de 9 de Abril.

IRS - Deduções à Colecta - Lista de Situação de Desemprego - Reforço da


Equipamentos de Eficiência Energética Empregabilidade e Combate à Fraude
Ambiental Decreto-Lei n.º 72/2010, de 18.6 - Estabelece
Portaria n.º 303/2010, de 8.6 - Regulamenta as medidas para reforçar a empregabilidade dos
deduções à colecta para efeitos de IRS nos encargos beneficiários de prestações de desemprego e o
com equipamentos de eficiência energética combate à fraude, procedendo à terceira alteração ao
ambiental e revoga a Portaria n.º 725/91, de 29 de Decreto-Lei n.º 220/2006, de 3 de Novembro, e à
Julho. quarta alteração ao Decreto-Lei n.º 124/84, de 18 de
Abril.
Apoios Sociais - Crianças e Jovens
Decreto-Lei n.º 63/2010, de 9.6 - Prevê a Orçamento do Estado para 2010
atribuição de um montante de apoio económico de Decreto-Lei n.º 72-A/2010, de 18.6 – (Supl.) –
base no âmbito das medidas de promoção e de Estabelece as normas de execução do Orçamento do
protecção destinadas a crianças e a jovens que são Estado para 2010.
acolhidos por pais, familiares e por pessoas que com
eles tenham estabelecido uma relação de Estatuto da Ordem dos Advogados
afectividade recíproca, alterando o artigo 13.º do Lei n.º 12/2010, de 25.6 - Segunda alteração ao
Decreto-Lei n.º 12/2008, de 17 de Janeiro. Estatuto da Ordem dos Advogados, aprovado pela Lei
n.º 15/2005, de 26 de Janeiro, transpondo para a
Imposto sobre o Rendimento das Pessoas ordem jurídica interna a Directiva n.º 2006/100/CE,
Singulares do Conselho, de 20 de Novembro, reconhecendo os
Lei n.º 11/2010, de 15.6 - Introduz uma nova títulos profissionais búlgaros e romenos e permitindo
taxa de IRS (no valor de 45 %) para sujeitos o exercício da profissão de advogado em Portugal.
passivos ou agregados familiares que obtenham
rendimentos anuais superiores a (euro) 150 000. Registos - Taxas
Portaria n.º 426/2010, de 29.6 - Procede ao
Regime de Cobrança de Taxas de Portagem ajustamento dos valores devidos pela emissão de
Decreto-Lei n.º 67-A/2010, de 14.6 – (Supl.) – certidão online de registo de veículos, pelas
Procede à identificação dos lanços e dos sublanços informações dadas por escrito e fotocópias não
de auto-estrada isentos e dos que ficam sujeitos ao certificadas de registo predial e pela emissão de
regime de cobrança de taxas de portagem aos certidão permanente de registo predial e procede à
utilizadores e fixa a data a partir da qual se inicia a cessação do período transitório no âmbito do registo
cobrança das referidas taxas. predial.

Produção: Elsa Pedroso, Inês Soares de Castro, Isabel Alves Roçadas, Mafalda de Oliveira, Sandra Horta e Silva
http://www.projectoacessoaodireito.webs.com