Você está na página 1de 3

NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2006 – DICONF – SEPOF

Belém, 04 de outubro de 2006.

Assunto: Informações gerais sobre inventário, avaliação, reavaliação, depreciação e registros contábeis relativos aos bens móveis e imóveis do Governo do Estado do Pará.

1. Esta nota técnica tem como finalidade, orientar e informar os órgãos quanto ao perfeito cumprimento das recomendações expedidas pelo Tribunal de Contas do Estado do Pará na Resolução nº 17.182 de 06/06/2006, que trata da aprovação do projeto de parecer prévio das contas de 2005, bem como, dos dispositivos previstos na Lei nº 4.320/64 nos artigos 94,95,96 e 106.

2. O Inventário é a realização de levantamento e identificação de bens visando comprovação da sua existência física, para controle e preservação do patrimônio público, bem como para comprovar o saldo constante do balanço geral do exercício.

3. O Inventário físico irá permitir, dentre outros: a atualização dos registros e controles administrativo e contábil; o levantamento da situação dos equipamentos e materiais permanentes em uso e das suas necessidades de manutenção e reparos; e a constatação de que o bem móvel não é necessário naquela unidade.

4. O tipo de Inventário mais utilizado é o anual, é elaborado em 31 de dezembro de cada ano, e que se destina a comprovar a espécie, a quantidade e o valor dos bens patrimoniais do acervo de cada órgão. Além da verificação da existência física dos bens, o inventário anual objetiva: a) Manter atualizados os registros e controles administrativo e contábil; b) Confirmar a responsabilidade dos agentes responsáveis pelos bens patrimoniais sob sua guarda; c) Permitir a conferência da listagem do cadastro geral dos bens móveis; e d) Instruir as tomadas de contas anuais.

5. No Inventário analítico, para a perfeita caracterização do bem, deverá ser discriminado: descrição; número de registro, valor (preço de aquisição, custo de produção, preço de avaliação); estado (bom, ocioso ou inservível); e outros elementos julgados necessários, tais como localização.

6. O trabalho de inventariar deverá observar o seguinte: a) Confrontar os dados constantes do termo de responsabilidade com o número de tombamento do bem, confirmando a descrição e a efetiva localização do bem; b) Anotar os bens que não constam de termo; c) Anotar eventuais alterações ocorridas com o estado de conservação do bem; e d) Registrar a inexistência de bens constantes de termo.

7. A avaliação dos bens é feita com base no custo de aquisição ou custo de produção, quando não conhecidos, será tomado como referência o valor de outro bem, semelhante ou sucedâneo, no mesmo estado de conservação e a preço de mercado, aplicando-se-lhes os princípios que regem as reavaliações dos bens móveis (art. 106 da Lei nº 4.320/64).

8. A reavaliação significa a adoção do valor de mercado para os bens, abandonando-se para estes o custo original (art. 106 da Lei nº 4.320/64).

9. A depreciação é a diminuição do valor dos bens em decorrência de desgastes ou perda de utilidade pelo uso, ação da natureza ou obsolescência.

10. A título de exemplo, após a realização do Inventário, com a adoção da avaliação, reavaliação e depreciação, o órgão terá condições de gerar a seguinte informação para registro contábil.

Valor de mercado do bem, conforme laudo de avaliação:

 

R$

1.000.000,00

( - ) Valor contábil (ou residual do bem)

- custo

R$

500.000,00

- depreciação acumulada

(R$

300.000,00)

R$

200.000,00

= Valor da reavaliação (R$ 1.000.000,00 – R$ 200.000,00)

R$

800.000,00

11. O inventário é de responsabilidade do setor de patrimônio e deve ser realizado por uma comissão de funcionários graduados da entidade, devendo ser composta de, no mínimo, três membros conhecedores de bens móveis patrimoniais.

12. Deverão ser tombados pela comissão, durante o levantamento dos bens, os eventualmente encontrados sem nenhuma referência de registros, controles, procedências, preços, datas de aquisições e números.Não poderá deixar de figurar em inventário nenhum bem móvel patrimonial e, quando relacionado, deverá ser especificado adequadamente.

13. Concluído o trabalho, a comissão encaminhará o processo para as devidas providências ao órgão administrativo competente.

1

14. A Lei 4.320 estabelece que o inventário dos bens móveis e imóveis deverá ser analítico, ou seja, descrevendo-se os elementos do bem, física e financeiramente, para após fazer-se à conferência com a escrituração contábil.

15. A entidade poderá contratar, se julgar necessário, empresa especializada para proceder ao inventário físico-financeiro de todos os bens móveis e imóveis, bem como, proceder às avaliações, reavaliações e depreciações.

16. A empresa especializada, ao encerrar os serviços para o qual foi contratada, deverá apresentar laudo fundamentado, com a indicação dos critérios de avaliação e dos elementos de comparação adotados e instruídos com os documentos relativos a avaliação.

17. Os procedimentos contábeis seguem em anexo a esta Instrução Normativa.

Diretoria de Gestão Contábil e Fiscal DICONF - SEPOF

ANEXO A NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2006

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PARA REGISTROS RELATIVOS AOS BENS MÓVEIS.

1. Aquisição de Equipamentos e Material Permanente. EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE

V A L O R

510187

2006NE00380

3449052XX

XXXXXXXXX

R$

520214

2006NE00380

344905299

XXXXXXXXX

R$

2. Para registro de transferência de Bens móveis entre órgãos da Administração Pública Estadual.

EVENTO

540624

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

14212XX00

FONTE

V A L O R R$

3. Para registro de Receita de Alienação de Bens Móveis realizados pelas administrações direta e indireta - utilizar em conjunto com o evento 540453. EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R

540453

14212XX00

R$

3

1.

Para registro de Alienação de Bens Móveis realizados pelos Órgãos da Administração Direta.

 

EVENTO

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

FONTE

V A L O R

550505 0013024430007

1111299YY

R$

800842

422190000

R$

3

2.

Para registro de alienação de bens Móveis realizados pelos órgãos da administração Indireta.

EVENTO

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

FONTE

V A L O R

550505 0011436297799

1111299YY

R$

800862

422190000

XXXXXXXXX

R$

4. Registro de Depreciação do Ativo Imobilizado. EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE

540015

V A L O R R$

5. Para registro de baixa de Bens Móveis de uso permanente independente da execução Orçamentária por extravio ,acidentes,sinistros e roubos. EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R

540400

14212XX00

R$

6. Destina-se a entrada de Bens Móveis no imobilizado por Doações recebidas fora do Estado.

EVENTO

540442

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

14212XX00

2

FONTE

V A L O R R$

7. Registro da Baixa de Bens Móveis do Ativo Imobilizado por Doações concedida a entidades não pertencentes a Administração Pública Estadual.

EVENTO INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

FONTE

V A L O R

540452

14212XX00

R$

8. Destinado a reavaliação o de Bens Móveis da Administração Pública Estadual. EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE

V A L O R

540470

14212XX00

R$

9. Destinado a contabilizar a desvalorização de Bens Móveis.

 

EVENTO

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

FONTE

V A L O R

540481

14212XX00

R$

10. e Incorporações de Bens Móveis de uso permanente independente da Execução

Registro

Orçamentária.

 

EVENTO

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

FONTE

V A L O R

540551

14212XX00

R$

11. Destinado a contabilizar a Baixa de Bens Móveis, considerados pela UG como inservíveis e ociosos.

EVENTO

540597

INSCRICAO DO EVENTO

CLASSIFICACAO

14212XX00

3

FONTE

V A L O R R$