Você está na página 1de 5

DECRETO Nº 3.

947 DE 24 DE MARÇO DE 2000

Regulamenta as isenções de tarifa no serviço de transporte intermunicipal de


passageiros, concedidos, permitidos e autorizados.
O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso das atribuições que lhe são
conferidas pelo art. 135, inciso V, da Constituição Estadual, e tendo em vista a
necessidade de fixar procedimentos relacionados à concessão do benefício da isenção
de tarifa no serviço de transporte intermunicipal de passageiro, concedidos, permitidos
e autorizados,
RESOLVE:
Art. 1º - Regulamentar as isenções de tarifa no serviço de transporte
intermunicipal de passageiros, concedidos, permitidos e autorizados, prevista nos
dispositivos legais em vigor no âmbito estadual.
Parágrafo Único. O impacto das isenções será considerado para efeito da
identificação do índice de ocupação dos veículos, sendo computado nas planilhas de
custo objeto de análise por ocasião dos processos de revisão ou reajuste de tarifas.
Art. 2º - Obrigam-se os beneficiários da isenção tarifárias, por ocasião do
recebimento do bilhete de passagem, a apresentar documento hábil, a seguir
especificado.
I – portadores de deficiência física com reconhecida dificuldade de locomoção,
assim entendido aqueles que necessitam de auxílio de terceiros ou de equipamento
próprio para locomoção: documento a ser expedido de acordo com procedimento
definido pela Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos –
ARCON;
II – menores de 06 (seis) anos, inclusive: Certidão de Nascimento ou Registro
Geral;
III – maiores de 65 (sessenta e cinco) anos: Certidão de Nascimento ou Registro
Geral ou Carteira de Trabalho e Previdência Social;
IV – policiais civis, militares e carteiros, quando em serviço: autorização escrita
para realizar a viagem, em papel timbrado, subscrita pela autoridade policial
competente ou pela direção ou agência da Empresa Brasileira de Correios e
Telégrafos, conforme o caso, a ser entregue ao representante local da empresa
transportadora com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas ao horário
regular de embarque, para emissão do respectivo bilhete.
Art. 3º - Para efeito de concessão do benefício da isenção tarifária, obrigam-se
as empresas de transporte intermunicipal de passageiros a destinar 15% (quinze por
cento) do número total de assentos dos veículos, por viagem.
Parágrafo Único. Na hipótese de as vagas destinadas aos passageiros isentos
não se encontrarem preenchidas até 30 (trinta) minutos antes do horário estabelecido
para a partida dos veículos, as mesmas poderão ser destinadas a passageiros
pagantes.
Art. 4º - Aos beneficiários da isenção objeto deste Decreto fica assegurado o
direito à reserva antecipada dos lugares nos veículos, cuja validade dar-se-á por
encerrada com a ausência do passageiro até 30 (trinta) minutos antes do horário
estabelecido para a partida do veículo.
Art. 5º - A fiscalização do disposto neste Decreto obedecerá ao previsto na Lei
Complementar nº 15, de 24 de janeiro de 1994, e na Lei nº 6.099, de 30 de dezembro
de 1997.
Art. 6º - A Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos –
ARCON estabelecerá os procedimentos complementares necessários ao cumprimento
das normas deste Decreto.
Art. 7º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 8º - Revogam-se as disposições em contrário, especialmente o Decreto nº
2.911, de 25 de julho de 1998.
PALÁCIO DO GOVERNO, 24 de março de 2000.
ALMIR GABRIEL
Governador do Estado
Transc. do D.O.E, nº 29.179 de 27 de março de 2000

PORTARIA Nº 024 /2003-GAB. CMDO, DE 19 MAR 03.


O Comandante Geral da Polícia Militar do Pará, usando das atribuições que lhe
são conferidas por Lei e;
Considerando o Ofício n° 030 – ARCON/GAB, que solicita a este Comando Geral
providências no sentido de padronizar as autorizações emitidas pela PMPA para
isenção tarifária, no que concerne ao transporte intermunicipal de passageiros da linha
Belém - Mosqueiro – Belém;
Considerando que o Decreto n° 3947, de 24 de março de 2000, regula todos os
procedimentos relativos a essas isenções, expressamente determinando que somente
terão direito a elas, os policiais militares que estiverem de efetivo serviço;
Considerando ainda que cada Unidade da PMPA tem emitido autorizações de
embarque nos diversos trechos do Estado, não havendo uniformização deste
documento, o que dificulta o trabalho de controle da Agência Estadual responsável;
RESOLVE:
Art. 1° - Determinar que todas as autorizações emanadas pelas diversas
unidades desta PMPA adotem o especificado no anexo desta Portaria, sendo esse o
modelo único a ser seguido em toda a Corporação, devendo ter formato A5, paisagem,
(21,0 cm de largura x 14,8 cm de altura), contendo brasão da PMPA, nome da
empresa a quem se dirige o documento, base legal da solicitação (Dec. 3947, de 24
MAR 2000), trecho a ser percorrido, dia e hora da viagem e assinatura da autoridade
solicitante;
Art. 2° - Definir como autoridade responsável pela assinatura no documento o
Comandante da Unidade ou o Subcomandante, no caso de impedimento daquele;
Art. 3° - Determinar que todas as autorizações sejam numeradas e digitadas em
computador ou datilografadas, de acordo com as possibilidades de cada unidade, não
se admitindo preenchimento manuscrito;

Art. 4° - Determinar ainda que toda assinatura seja acompanhada do carimbo ou


outra forma de identificação da autoridade correspondente;
Art. 5° - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.
REGISTRE-SE, PUBLIQUE-SE E CUMPRA-SE.
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
POLÍCIA MILITAR
GRANDE COMANDO A QUE
PERTENCE A UNIDADE POLICIAL MILITAR
(OPM)

A EMPRESA DE TRANSPORTES (NOME DA EMPRESA)


ASSUNTO: ISENÇÃO TARIFÁRICA
RFR: DECRETO Nº 3.947, DE 24 MARÇO DE 2000

MODELO

Autorizo o SD PM RG 555555 ROSALVO DA SILVA a realizar viagem no trecho


entre Belém e Mosqueiro, no dia _____/_______/_______, às ______ horas, a serviço
desta Corporação.

Belém-PA, ______, de _________ de __________

JOSÉ DOS ANZOIS PEREIRA – TEN CEL PM


Comandante do 1º BPM
Bg 066/03
LEI COMPLEMENTAR Nº 15/94 DE 24 DE JANEIRO DE 1994
Regulamenta o Parágrafo 5° do Artigo 295 da Constituição do Estado do Pará e dá outras
providências.
A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º - Fica assegurado aos maiores de sessenta e cinco (65) anos de idade a isenção tarifária
nos transportes coletivos de qualquer natureza (rodoviários, metroviários , aquaviários e outros),
urbanos, metropolitanos, rurais e intermunicipais, no âmbito do Estado do Pará.
§ 1º - O exercício do direito dispensa a exibição de qualquer novo cartão ou carteira e será
assegurado mediante a simples apresentação de documento hábil que comprove a idade e
identifique o portador.
§ 2º - Nos veículos em que se adote a prática de reserva numerada de lugares, a aquisição de
respectivo bilhetes asseguratório aquela reserva, poderá ser dada antecipadamente, no prazo
usual, mediante a mera apresentação do documento referido no parágrafo anterior,
independentemente de qualquer pagamento, facultada ao adquirente, a escolha de lugar ainda
não reservado a outrém.
§ 3º - A franquia a que se refere este artigo ocorrerá em qualquer dia da semana, seja dia útil,
sábado, domingo ou feriado, e em qualquer tempo, vedadas as restrições de qualquer natureza.
Art. 2º - Os concessionários de transporte coletivo do Estado, ficam obrigados a afixar, em lugar
legível e destacado, no interior do veículo, o inteiro teor do estatuído no artigo anterior.
Art. 3º - Ficam estabelecidas, cumulativamente, as seguintes sanções aos infratores da
presente Lei:
I - Ao condutor do veículo:
a) multa no valor de dez (10) passagens pela recusa do acolhimento de passageiro, e pela não
parada do veículo ao sinal do passageiro, em qualquer parada obrigatória do coletivo;
b) multa no valor do dobro da afixada na alínea anterior, na reincidência;
c) V E T A D O
II - Ao funcionário vendedor de bilhete em viagem sujeita a reserva de lugar:
a) multa no valor de cinco (5) passagens, pela recusa no fornecimento gratuito do bilhete de
reserva e/ou pela negativa da escolha do respectivo lugar;
b) multa no valor do dobro da afixada na alínea anterior, na reincidência;
c) V E T A D O
III - Ao proprietário do veículo:
a) multa no valor de cem (100) passagens, por infrações cometidas, por si, seu funcionário ou
preposto, as infrações descritas nas alíneas "a" dos incisos I e II deste artigo;
b) multa no valor do dobro da afixada na alínea anterior, na reincidência;
c) multa no valor de quinhentos (500) passagens, pelo descumprimento ao estatuído no artigo
2º desta Lei;
d) V E T A D O
e) cassação da concessão do serviço, se configurada a habitualidade.
§ 1º - Considera-se habitualidade, para os efeitos desta Lei, a quinta (5ª) infração contra o
mesmo preceito.
§ 2º - A comprovação da infração far-se-á pela fiscalização do serviço de trânsito, polícias
rodoviárias e portuárias, ou por denúncia do prejudicado, confirmada por duas testemunhas, e
essa fiscalização ou ao Serviço da Defesa do Consumidor (PROCON).
§ 3º - Compete cumulativamente aos serviços Municipais de Trânsito, às Polícias Rodoviárias e
Portuária e ao Serviço de Defesa do Consumidor (PROCON), a fiscalização do cumprimento
desta Lei, a aplicação das sanções administrativas, e o requerimento à Secretaria de Estado de
Segurança Pública para a efetivação das detenções, quando for o caso.
Art. 4º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.
PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ, em 24 de janeiro de 1994
JADER FONTENELLE BARBALHO
Governador do Estado
GILENO MULLER CHAVES
Secretário de Estado de Administração
WILSON MODESTO FIGUEIREDO
Secretário de Estado de Justiça
ROBERTO DA COSTA FERREIRA
Secretário de Estado da Fazenda