Você está na página 1de 126

PDL Apresenta: Rene Berjavel - A Noite dos Tempos (PtBr) (PDL)

A NOITE DOS TEMPOS


O enredo deste romance de René Barjavel é tão absurdo e fascinante quanto à próp
ria realidade de nossa imprevisível época.
Os membros de uma expedição polar fazem um levantamento do relevo subglacial, nu
ma região onde o gelo tem mais de mil metros de espessura e as camadas mais prof
undas datam de 900 mil anos. De repente, um inacreditável fenômeno acontece: os
aparelhos registram sinais provenientes do interior do gelo. Não restam dúvidas:
existe um emissor sob a camada.
A descoberta estoura nas manchetes de todo o mundo: "O Mistério do Pólo"; "Um Co
ração Bate Sob o Campo de Gelo"; "A UNESCO Vai Derreter o Pólo Sul".
Sábios e técnicos acorrem, de todas as partes do mundo, em busca da solução do m
istério. A galeria aberta no gelo os conduz a um abrigo onde dormem congelados,
há 900 mil anos, um homem e uma mulher.
Assim começa a narrativa de um amor apaixonado, que nem mesmo a morte pôde destr
uir. Quando os sábios conseguem fazer Eléa voltar à vida, sua primeira palavra,
não olvidada apesar dos séculos, será o nome de seu amado.
Um romance excepcional, cujo enredo se passa simultaneamente nos dias de hoje e
há quase um milhão de anos, e que deu a seu autor o cobiçado Prêmio dos Livreiro
s (da França) de 1969.
A Noite dos Tempos está sendo filmado por André Cayatte.

A NOITE DOS TEMPOS


Do original francês La Nuit des Temps
Copyright 1968 by Presses de La Cité
Copyright 1971 da edição em português Editora Artenova S.A. Terceira edição bras
ileira em abril de 1975
Traduzido por Marisa Murray
Revisão: Salvador Pittaro
Capa de Salvio Negreiros/Studio Artenova
Reservados todos os direitos desta tradução. Proibida a reprodução, mesmo sem ex
pressa autorização da Editora Artenova S.A.
editora artenova s.a
Composto e impresso no Brasil Printed in Brazil
René Barjavel
A NOITE DOS TEMPOS
Traduzido por MARISA MURRAY

editora artenova S.A.


End. telegráfico ARTNOVA São Cristóvão rio RJ
Dep. jornalístico dep. gráfico dep. editorial Studio de arts

A André Cayatte,
pai desta aventura inspirador deste livro,
com a minha amizade.
R.B.

Minha bem amada, minha abandonada, eu te deixei lá no fim do mundo, voltei para
meu quarto de homem da cidade com seus móveis familiares sobre os quais tantas v
ezes pousei minhas mãos que os amavam, com os seus livros que me alimentaram, co
m sua velha cama de cerejeira onde dormi minha infância e onde, esta noite, proc
urei em vão encontrar o sono. E todo este cenário que me viu crescer, desenvolve
r, tornar-me eu, hoje me parece estranho, impossível Este mundo que não é o teu
tornou-se um mundo falso, no qual meu lugar jamais existiu.
E no entanto é meu pais, eu o conheci...
Vai ser preciso reconhecê-lo, aprender novamente a nele respirar, a nele fazer o
meu trabalho de homem no meio dos homens. Serei capaz disso?
Cheguei ontem à noite pelo jato australiano. No aeroporto de Paris-Norte, um ban
do de jornalistas me esperava, com seus microfones, suas câmaras, suas inúmeras
perguntas. Que poderia eu responder?
Todos eles te conheciam, todos eles haviam visto sobre suas telas a cor dos teus
olhos, a incrível distância do teu olhar, as formas perturbadoras do teu rosto
e do teu corpo. Mesmo aqueles que te viram apenas uma vez não puderam te esquece
r. Eu os sentia, por trás dos reflexos de sua curiosidade profissional, secretam
ente mudos, agitados, magoados. Mas talvez fosse a minha própria dor que eu proj
etava sobre o rosto deles, minha própria ferida que sangrava quando eles pronunc
iavam o teu nome...
Voltei para meu quarto. Não o reconheci. A noite passou e não dormi. Através da
parede de vidro, o céu, que era negro, tornava-se pálido. As trinta torres da De
fesa se tingiam de cor-de-rosa. A Torre Eiffel e a Torre Montparnasse enfiavam s
eus pés na bruma. O Sacré-Coeur parecia uma maquete de gesso pousada no algodão,
sobre esta bruma envenenada por suas fadigas de ontem, milhões de homens acorda
m já extenuados de hoje. Do lado de Courbevoie, uma chaminé alta joga uma fumaça
negra que tenta reter a noite. Sobre o Sena, um rebocador solta seu grito de mo
nstro melancólico.
Estremeço. Nunca mais, nunca mais sentirei calor no meu sangue nem na minha carn
e...
O Dr. Simon, as mãos nos bolsos, a testa apoiada na parede de vidro de seu quart
o, olha Paris, sobre a qual o dia se levanta. É um homem de 32 anos, grande, mag
ro, moreno. Veste um suéter grosso de gola roulé, cor de pão queimado, um pouco
deformado, gasto nos cotovelos, e calça de veludo negro. Sobre o tapete, seus pé
s estão descalços. Seu rosto é coberto por anéis de barba castanha, curta, barba
de alguém que a deixou crescer por necessidade. Por causa dos óculos que usou d
urante o verão polar, o côncavo dos olhos parece claro e frágil, vulnerável como
a pele cicatrizada de um ferimento. Sua testa é larga, meio escondida pela nasc
ente dos cabelos curtos, um pouco tombada em cima dos olhos e cortada por uma pr
ofunda ruga. Suas pálpebras estão inchadas, o branco de seus olhos é estriado de
vermelho. Não pode dormir, não pode mais chorar, não pode esquecer, é impossíve
l...

A aventura começou com uma missão de simples rotina, das mais banais. Havia anos
que o trabalho sobre o continente antártico não era mais feito pelos corajosos,
mas sim por sábios organizados. Havia todo o material necessário para lutar con
tra os inconvenientes do clima e da distância, para conhecer o que procuravam sa
ber, para assegurar aos pesquisadores um conforto equivalente ao de um hotel de
luxo. Todo o pessoal da equipe possuía os conhecimentos indispensáveis à missão.
Quando o vento soprava forte demais, fechavam-se e deixavam-no soprar; quando s
e acalmava, todos saíam e cada um fazia o que tinha a fazer. Sobre o recortado m
apa daquele continente, na Base Paul-Emile Victor, a missão francesa permanente
debruçava-se sobre a fatia que lhe coubera, dividia-a em pequenos quadrados e tr
apézios e os explorava sistematicamente um após outro. Sabia que não havia mais
nada a ser encontrado a não ser gelo, neve e vento, vento, gelo e neve. E, abaix
o, rochas e terra, como em toda parte. Não havia nisso nada de excitante, mas me
smo assim aquilo os apaixonava, porque eles estavam longe do óxido de carbono e
dos engarrafamentos, porque cada um dava a si próprio uma pequena ilusão de ser
um pouco de herói explorador, enfrentando grandes perigos, e principalmente porq
ue estavam no meio de amigos.
A missão acabara de fazer a exploração do trapézio 381, a documentação estava en
cerrada, uma cópia tinha sido enviada à sede em Paris. Restava-nos passar à tare
fa seguinte. Burocraticamente, do 381, deveríamos ter saltado para o 382, mas ne
m sempre as coisas aconteciam assim. Havia as circunstâncias, os imprevistos e a
necessidade de um mínimo de variedade.
A missão acabava de receber um novo aparelho de sondagem subglacial de concepção
revolucionária, que, segundo seu construtor, era capaz de descobrir os menores
detalhes do solo sob vários quilômetros de gelo. Louis Grey, o glaciólogo, 37 an
os, agregado de Geografia, estava ardendo de impaciência para pô-lo à prova, com
parar o seu trabalho com o das sondas clássicas. Foi então decidido que um grupo
iria fazer um levantamento do solo subglacial no quadrado 612, que se situava a
algumas centenas de quilômetros do Pólo Sul.
Em duas viagens, o pesado helicóptero depositou os homens, seus veículos, e todo
o material sobre o local de operação.
O lugar já havia sido bastante sondado pelos métodos e engenhos habituais. Sabia
-se que profundidades de 800 a 1.000 metros de gelo terminavam em abismos de mai
s de 4.000 metros. Aos olhos de Louis Grey, o local constituía um campo de exper
iência ideal para testar o novo aparelho. Era, acreditava ele, o que havia motiv
ado sua escolha. Hoje em dia, ninguém ousa acreditar.
Com tudo o que foi revelado depois, como se poderia pensar ainda que tinha sido
só o acaso, ou uma razão qualquer, que fizera vir esses homens com todo o materi
al necessário exatamente a este ponto do continente, ao invés de a qualquer outr
o ponto desse deserto de gelo maior que a Europa e os Estados Unidos juntos?
Muitos espíritos sérios acreditam agora que Louis Grey e seus companheiros tenha
m sido "chamados". De que maneira? Isso não foi esclarecido com os acontecimento
s seguintes. E nem mesmo se tratou disso. Havia problemas bem maiores e mais urg
entes a elucidar. Mas a verdade é que Louis Grey e mais onze homens, levados em
três snodogs, se colocaram exatamente no lugar certo.
E, dois dias depois, todos estes homens sabiam que tinham vindo ao encontro de u
m acontecimento inimaginável. Dois dias...
Como falar aqui de dias e de noites? Estávamos no princípio de dezembro, quer di
zer em pleno verão austral. O sol não se punha. Girava sobre os homens e os cami
nhões, em volta do seu mundo redondo, como para vigiar de longe e por todos os l
ados. Mais ou menos às 9 horas da noite, passava atrás de uma montanha de gelo,
reaparecia às 10 do outro lado dessa montanha, lá pela meia-noite parecia a pont
o de sucumbir e desaparecer sob o horizonte que começava a engoli-lo. Então se d
efendia, crescendo, deformando-se, tornando-se vermelho. Ganhava a batalha e rec
omeçava lentamente a percorrer suas distâncias e sua ronda de sentinela, ilumina
ndo ao redor da missão um imenso disco branco e azul de frio e solidão. Por outr
o lado, muito além desses limites longínquos sobre os quais montava guarda, atrá
s dele havia a Terra, as cidades e as multidões, os campos com suas vacas, as er
vas, as árvores e os passarinhos.
O Dr. Simon estava nostálgico. Acabava uma permanência de três anos, quase inint
errupta, nas diferentes bases francesas da Antártida, e estava mais do que cansa
do. Após esse estágio, deveria ter tomado o avião para Sidney. Ficou, porém, a p
edido do seu amigo Louis Grey, para acompanhar sua missão, pois o Dr. Jaillon, s
eu substituto, estava ocupado na base atacada por uma epidemia de rubéola.
Essa rubéola era inverossímil. Quase nunca se vêem moléstias na Antártida, dir-s
e-ia até que os micróbios têm medo do frio. Os médicos só têm que cuidar de acid
entes e, às vezes, de frieiras dos recém-chegados, que não deixam de cometer imp
rudências. Por outro lado, a rubéola quase que desapareceu da face da Terra depo
is que inventaram a vacina bucal que todos os recém-nascidos tomam nas suas prim
eiras mamadeiras. Apesar dessas evidências, havia rubéola na Base Victor. Um hom
em em cada quatro ardia de febre em sua cama, a pele transformada num tecido de
bolinhas.
Louis Grey juntou um grupo ainda ileso, em meio do qual estava o Dr. Simon, e em
barcou-o a toda pressa para o ponto 612, desejando ardentemente que o vírus não
os seguisse.
Se não tivesse sido a rubéola...
* Snodogs: caminhão-tanque montado em esteiras e colchões de ar.
Se naquele dia, ao invés de subir no helicóptero, eu tivesse embarcado no avião
para Sidney, se do alto da sua decolagem vertical, antes que ele se lançasse rug
indo em direção às terras quentes, eu tivesse dito adeus para sempre à base, ao
gelo, ao monstruoso continente frio, que teria acontecido?
Quem teria estado perto de ti, minha bem-amada, no momento terrível? Quem teria
visto em meu lugar? Quem teria sabido?
Alguém teria gritado, berrado o nome? Eu, eu não disse nada. Nada...
E tudo se consumou...
Desde então, repito a mim mesmo que era tarde demais, que se eu tivesse gritado
isso não teria mudado nada, e eu teria simplesmente ficado arrasado sob o peso d
e um desespero inexpiável. Durante aqueles poucos segundos, não teria havido bas
tante horror no mundo para encher teu coração.
Eis o que me repito sem cessar, desde aquele dia, desde aquela hora: "Muito tard
e... muito tarde... muito tarde..."
Mas talvez seja uma mentira que eu mastigo e torno a mastigar, e da qual tenha d
e me alimentar para viver...
Sentado numa esteira do snodog, o Dr. Simon sonhava com um croissant molhado num
café cremoso. Molhado, sumarento, para ser comido aos pequenos pedaços, mastiga
ndo devagar, à maneira dos bons parisienses. Era um prazer que lhe trazia as mel
hores lembranças, aquele de entrar no bistrot, aproximar-se do balcão, aspirando
o cheiro do café expresso, os pés sobre a serragem, lado a lado com os rabugent
os da manhã, compartilhando do seu primeiro prazer do dia, talvez o maior, o de
se encontrar neste lugar de primeiro encontro com os outros homens, sentindo o c
alor e as correntes de ar.
Não podia mais com todo este gelo e este vento, um vento que não cessava jamais
de fustigá-lo, de fustigar todos os homens da Antártida, metidos naquele deserto
glacial. Empurrava-os sem cessar, a eles e a suas barracas, antenas e caminhões
, para que se fossem, abandonassem o continente, e os deixassem, ele e a neve mo
rtal, consumar a sós, eternamente na solidão, suas monstruosas bodas ultragelada
s...
Era preciso ser verdadeiramente obstinado para suportar aquela vida. Simon tinha
chegado ao auge de sua obstinação. Antes de sentar-se, havia colocado uma cober
ta dobrada em quatro sobre a esteira do snodog, a fim de que suas nádegas ficass
em melhor protegidas.
Estava com o rosto voltado para o sol e esfregava as faces, escondidas pela barb
a, tentando convencer-se de que o sol o esquentava, se bem que lhe fornecesse ma
is ou menos tantas calorias quanto uma lanterna a óleo a três quilômetros de dis
tância. O vento tentava virar o seu nariz em direção a sua orelha esquerda. Viro
u a cabeça para receber o vento do outro lado. Pensava na brisa do mar à noite e
m Collioure, tão quente, mas que achavam fresca porque fazia muito calor durante
o dia. Pensava no indescritível prazer de se despir, de mergulhar na água sem s
e transformar em gelo, de se deitar sobre as areias quentes... Quentes! Isso lhe
pareceu tão inverossímil que ele riu.
Você agora ri sozinho? disse Brivaux. Estamos bem... Você estará com rubéola?
Brivaux estava por trás dele, a sonda a tiracolo, pendurada numa larga correia d
e pele de lobo que passava por trás do seu pescoço.
Estava pensando nos lugares do mundo onde faz calor disse Simon.
Não é rubéola, é meningite... Fique sentado assim, e você vai gelar até a alma..
. Olhe, venha ver um pouco isto aqui... Apontou-lhe o mostrador da sonda, com su
a folha registradora já em parte enrolada. Era um modelo comum como qual ele aca
bava de prospectar o setor que lhe tinha sido designado.
Simon levantou-se e olhou. Não entendia muito da parte técnica. O mecanismo do c
orpo humano lhe era mais familiar do que o de um simples isqueiro a gás. Mas tiv
era tempo, depois de três anos, de se familiarizar com os desenhos que traçava,
sobre o papel magnético, a grafite das sondas portáteis. Pareciam, em geral, com
o corte de um terreno vago, ou de um montão de ruínas, ou de não importa o quê,
que não se parecesse com coisa alguma. Ora, o que lhe mostrava Brivaux parecia
com qualquer coisa...
Com quê?
Com nada de conhecido, nada de familiar, mas...
Seu espírito, habituado a fazer a síntese dos sintomas para apresentar um diagnó
stico, compreendeu de repente o que havia de incomum nesse relevo do solo glacia
l. A linha reta não existe na natureza bruta. A linha curva regular também não.
O solo brutalizado, áspero, misturado no decorrer das idades geológicas, pelas f
ormidáveis forças da Terra, é sempre totalmente irregular. Ora, o que a sonda de
Brivaux havia inscrito sobre o papel era uma sucessão de curvas e de retas. Int
errompidas e quebradas, mas perfeitamente regulares. Que o solo pudesse apresent
ar um tal perfil, era totalmente improvável e mesmo impossível. Simon tirou a co
nclusão mais evidente:
Há qualquer coisa errada nesse negócio...
E você, você tem qualquer coisa errada aí dentro? Brivaux bateu com o dedo enluv
ado na sua cabeça.
Este aparelho funciona com perfeição. Gostaria de funcionar tão bem quanto ele a
té o meu último dia. Mas lá embaixo há qualquer coisa que não está bem...
Bateu na superfície do gelo com o salto da sua bota forrada.
Um perfil assim, não é possível continuou Simon.
Eu sei, isto não parece ser verdade.
E os outros? O que encontraram?
Não sei de nada, vou dar um toque de cometa para chamá-los... Subiu no laboratór
io do caminhão, e, três segundos depois, soava a sirena chamando os membros da m
issão de volta ao acampamento.
Aliás, eles já estavam prestes a voltar. Primeiro as duas equipes a pé, com suas
sondas clássicas. Depois o snodog, que tinha na frente o transmissor-receptor d
a nova sonda, uma armadura metálica entre suas duas lagartas. Um cabo vermelho o
ligava ao posto de comando e ao registrador, no interior do veículo. Estava tam
bém, no veículo, o mecânico Eloi, Louis Grey, impaciente para ver funcionar o no
vo instrumento, e um engenheiro da fábrica que tinha vindo para mostrar o seu fu
ncionamento.
Era um rapaz alto e magro, mais para louro, e de maneiras delicadas. Dava a impr
essão, por sua elegância natural, de ter feito cortar seus trajes polares numa c
asa de alta costura. Os veteranos não podiam deixar de sorrir ao olhá-lo. Eloi o
havia chamado de "Cornexquis" o que lhe assentava com perfeição.
Desceu do caminhão em silêncio, escutando com um ar reservado as apreciações de
Grey sobre seu "utensílio". Segundo a opinião do glaciólogo, a nova sonda falhar
a completamente. Ele nunca havia visto, nem mesmo no aparelho mais antigo, ser t
raçado um perfil igual àquele.
Mas o mistério não acaba aí... disse Brivaux, que esperava junto ao caminhão - l
aboratório.
Foi você quem chamou?
Fui eu, velhinho...
O que é que está acontecendo?
Entre e verá... E eles viram...

Eles viram os quatro levantamentos, os quatro perfis, todos estranhos e semelhan


tes entre si. O da nova sonda estava inscrito num filme de 3mm. Grey o havia seg
uido sobre a tela de controle. Os outros membros da missão o viram sobre a tela
do laboratório.
O que as outras três sondas tinham deixado supor, o novo aparelho mostrava com e
vidência. Fazia desfilar sobre a tela, com uma nitidez que não deixava lugar a n
enhuma dúvida, perfis de escadas derrubadas, muros quebrados, cúpulas arrebentad
as, rampas helicoidais torcidas, todos os detalhes de uma arquitetura que uma mã
o gigantesca parecia ter deslocado e destruído.
Ruínas!... disse Brivaux.
Não é possível... disse Grey, com uma voz que ousava apenas se fazer ouvir.
E por quê? indagou Brivaux, tranqüilamente. Brivaux era filho de um pequeno camp
onês da Alta-Savóia, o último de sua cidadezinha a continuar a criar vacas ao in
vés de seguir os parisienses acumulados a dez por metro quadrado de neve ou de g
rama seca. O velho Brivaux havia cercado seu pedaço de montanha de moirões e de
arame-farpado "É proibida a entrada" e nessa prisão vivia em liberdade.
O filho tinha-lhe herdado os olhos azuis-claro, os cabelos negros e a barba aver
melhada, além do humor sempre igual e o senso de equilíbrio. Ele via as ruínas,
como todos os que ali estavam e sabiam interpretar um perfil. A diferença é que
os outros não acreditavam, mas ele acreditava porque os via. Se tivesse visto se
u próprio pai lá no gelo, teria ficado espantado durante um segundo, depois teri
a dito "olha aí meu pai..."
Mas os membros da missão não podiam deixar de se render à evidência. Os quatro l
evantamentos se assemelhavam e se confirmavam uns aos outros. O desenhista Berna
rd foi encarregado de fazer a síntese. Uma hora mais tarde, apresentava seu prim
eiro esboço. Não parecia com nada que se conhecesse: era uma arquitetura gigante
sca, destruída por alguma força titânica, descomunal.
A que profundidade estão estas coisas? perguntou Elói.
Entre novecentos e mil metros! disse Grey com ar furioso, como se fosse responsá
vel pela enormidade do acontecimento.
Isso significa que elas estão lá há quanto tempo?
Não se pode saber... Nunca perfuramos tão profundamente.
Mas os americanos já o fizeram disse calmamente Brivaux.
Sim... os russos também... acrescentou Simon, para depois perguntar: Eles teriam
podido datar suas amostras?
Pode-se sempre... isso não quer dizer que seja exato.
Exato ou não, eles dataram de quando?
Grey levantou os ombros diante do absurdo que ia dizer.
Aproximadamente novecentos mil anos, há alguns séculos... Houve exclamações e de
pois um silêncio estupefato.
Os homens reunidos no caminhão olhavam sucessivamente o esboço de Bernard e as ú
ltimas linhas do perfil, imóveis sobre a tela. Acabavam de tomar consciência, de
repente, da imensidão da sua própria ignorância.
Não pode ser disse Elói... Foram homens que fabricaram isso. Há novecentos mil a
nos, não havia homens, só havia macacos.
Quem lhe disse isso, meu caro? disse Brivaux.
O nosso conhecimento da história dos homens e da evolução da vida sobre a Terra
observou Simon não é maior do que um cocô de pulga na Praça da Concórdia...
E então? disse Elói.
Sr. Lancieux, peço desculpas ao seu aparelho disse Grey. Lancieux. Cornexquis. N
inguém mais tinha vontade de chamá-lo assim, nem mesmo mentalmente. Não havia ma
is lugar na cabeça desses homens para as brincadeiras de colegiais que os ajudav
am normalmente a suportar o frio e a lentidão do tempo. Lancieux mesmo não parec
ia mais com o seu apelido. Seus olhos estavam cansados, suas faces encovadas, tr
agava seu cigarro apagado e retorcido, e escutava Grey, sacudindo a cabeça com a
r ausente.
É uma mecânica sensacional dizia o glaciólogo. Mas há uma outra coisa... Ninguém
prestou atenção. Mostre-lhes... E diga-lhes o que você pensa...
Lancieux apertou o botão de rebobinagem, depois o botão vermelho, e a tela se il
uminou, mostrando novamente o lento desfile do perfil das ruínas.
É ali que se deve observar disse Grey.
Seu dedo mostrava, no alto da tela, embaixo do traçado tormentoso do subsolo, um
a linha retilínea apenas visível, finamente ondulada, de uma regularidade perfei
ta.
Efetivamente, ninguém havia prestado atenção, pensando talvez que fosse uma linh
a de referência, um reparo, ou outro sinal qualquer, mas nada de significativo.
Diga-lhes... repetiu Grey. Diga-lhes o que você me disse! No ponto em que estamo
s...
Preferiria disse Lancieux com voz um pouco aflita fazer primeiro uma contraprova
. Nenhuma das outras sondas registrou...
Grey cortou-lhe a palavra:
Elas não são bastante sensíveis!
Talvez disse Lancieux com sua voz suave. Mas não é certo... Talvez seja porque e
las não estejam na freqüência exata...
Lançou-se, juntamente com Brivaux, numa discussão, à qual se juntaram logo os ou
tros técnicos do grupo, cada um sugerindo quais as modificações que, em sua opin
ião, convinha fazer nas sondas.
O Dr. Simon encheu seu cachimbo e saiu.

Não sou um técnico. Não me debruço sobre meus doentes: faço isso o menos possíve
l. Antes procuro compreendê-los. Para agir assim é preciso poder. Mas eu sou um
privilegiado... Meu pai, que era médico em Puteaux, via desfilar mais de cinqüen
ta clientes por dia no seu gabinete. Como saber o que eles são, o que eles têm?
Cinco minutos de exame, a pinça para perfurar, o cartão, a máquina de diagnóstic
o, a receita impressa, o selo de imposto, está pronto, pode se vestir, o seguint
e. Ele detestava sua profissão tal como ele e seus colegas eram obrigados a exer
cer. Quando se apresentou para mim a ocasião de vir para cá, ele me empurrou pel
os ombros com todas as suas forças: "Vai! Vai! Você terá um punhado de homens pa
ra tratar. Uma cidade! Você poderá conhecê-los..."
Ele morreu no ano passado, esgotado. Seu coração lhe falhou. Não tive nem tempo
para ir lá. Ele nunca pensou em perfurar seu cartão pessoal e colocá-lo na fenda
do seu médico eletrônico. Mas pensou em me ensinar umas tantas coisas que havia
aprendido com seu pai, médico em Auvergne. Por exemplo, a tatear o pulso, olhar
uma língua e o branco dos olhos. É prodigioso o que o pulso pode revelar sobre
o interior de um homem. Não somente sobre o estado momentâneo de sua saúde, mas
sobre suas tendências habituais, seu temperamento, e mesmo seu caráter, se ele é
superficial ou profundo, agressivo ou suscetível, sedoso ou áspero. Há o pulso
do saudável e o do doente, há também o pulso da caça e o do caçador.
Tenho também, como todos os médicos, um diagnosticador e pequenos cartões. Que m
édico não os tem? Só os uso para confortar aqueles que têm mais confiança na máq
uina do que no homem. Aqui, felizmente, eles não são muito numerosos. Aqui, o ho
mem conta.

Quando Brivaux deixou a fazenda de seu pai, para fazer em Grenoble os estudos qu
e o apaixonavam, havia calmamente dado uma olhada no programa e transposto todos
os obstáculos. Tendo saído em primeiro lugar da escola eletrônica com um ano ad
iantado, pôde transformar seu diploma de engenheiro numa ponte de ouro para qual
quer grande indústria do mundo. Mas escolheu a Base Victor. "Porque explicava el
e ao Dr. Simon, seu amigo tratar de eletrônica aqui, é divertido... Estamos a do
is dedos do pólo magnético, em pleno vaivém das partículas ionizadas, em pleno s
opro do vento solar, e mais uma quantidade enorme de coisas que não se conhecem.
Isso faz uma salada interessante. Pode-se fazer "misérias"...
Ele abria os braços horizontalmente e agitava os dedos, como se convidasse as co
rrentes misteriosas da Criação a penetrar no seu corpo e a percorrê-lo. Simon so
rria, imaginando-o um Netuno da eletrônica, em pé sobre o pólo, os cabelos plant
ados nas trevas do céu, sua barba vermelha mergulhada nas chamas da Terra, seus
braços estendidos no vento perpétuo dos elétrons, distribuindo à Natureza os flu
xos e refluxos vivos do planeta-mãe. Mas era nessas "misérias" que ele manifesta
va uma espécie de gênio. Seus grossos dedos cabeludos eram incrivelmente hábeis,
e sua ciência, associada a um instinto infalível, lhe dizia exatamente o que de
via fazer. Ele sentia essas correntes assim como os bichos sentem a água. E seus
dedos hábeis começavam a agir. Três pontas de fio, um circuito, três metais gra
nulados semicondutores, que ele virava, juntava, colava, ligava. Uma fumacinha,
um cheiro de resina - e pronto, um quadrante começava a viver, um arabesco palpi
tava na espessura da tela.
O problema que Lancieux lhe formulou não era um problema para ele. Em menos de u
ma hora havia trocado as três sondas clássicas e as equipes se repartiam. O que
iam procurar era tão espantoso que todos estavam convenci- dos de que iam voltar
, sem haver conseguido nada. Afora Lancieux, que conhecia bem seu aparelho, os d
emais pensavam que a pequena linha ondulada era efeito de um capricho da nova so
nda. Um "fantasma", como dizem os técnicos de televisão.
O sol se escondia por trás de uma montanha de gelo quando eles voltaram. Tudo es
tava azul, o céu, as nuvens, o gelo, os rostos e o vapor que saía de suas narina
s. O casaco vermelho de Bernard estava cor de abóbora. Eles não tinham voltado s
em nada conseguir. A linha ondulada estava gravada em suas fitas registradoras,
sob a forma de uma linha reta. Menos detalhada, ela havia perdido sua pequena on
dulação, mas ela estava lá. Bem que haviam encontrado o que tinham ido procurar.
Comparando seus levantamentos e o de Lancieux, Grey pôde localizar um ponto cert
o do solo subglacial. Projetou o perfil sobre a tela do snodog. Aquilo parecia r
epresentar um pedaço gigantesco de escada, virado e quebrado.
Meus filhos disse Grey com uma voz controlada lá... lá tem... Na mão esquerda, s
egurava uma folha de papel que tremia. Calou-se, pigarreou. Sua voz não consegui
a mais sair. Batia na tela com seu papel que se amassava.
Engoliu a saliva, explodiu:
Meu Deus, isso é loucura! Mas existe! As quatro sondas não podem ter enlouquecid
o exatamente da mesma maneira! Não há somente ruínas, no meio dessa camada, lá,
nesse lugar aí, justamente aí, há um emissor de ultra-sons que funciona!
Seria a pequena linha misteriosa o registro de um sinal enviado por um emissor q
ue funcionava, segundo toda lógica, há mais de novecentos mil anos? Tal suposiçã
o ultrapassava a história e a pré-história, derrubava todos os credos científico
s, não estava no alcance daquilo que aqueles homens sabiam. O único que aceitava
o acontecimento com calma era Brivaux, o único nascido e educado no campo. Os o
utros, nas cidades, tinham crescido no meio do provisório, do efêmero, do que se
constrói, se queima, se desmorona e se transforma. Ele, na vizinhança das rocha
s alpinas, tinha aprendido a ver a grandeza e a perscrutar a eternidade das cois
as.
Vão pensar que estamos loucos disse Grey.
Chamou a base pelo rádio e pediu o helicóptero com urgência para ir buscar o gru
po. Mas havia esquecido da rubéola. O último piloto disponível acabara de cair d
e cama. Tem o André que está melhorzinho disse o rádio da base dentro de três ou
quatro dias poderemos mandá-lo. Mas por que é que vocês querem voltar? O que fo
i que aconteceu? Pegou fogo nas geleiras?
Grey cortou. Enfim, essa brincadeira boba adiantara de certo modo.
Dez minutos mais tarde, o chefe da base, Pontailler, chamava outra vez, muito pr
eocupado. Queria saber qual a razão da missão querer voltar. Grey tranqüilizou-o
, porém recusou-se a dizer o que quer que fosse.
Não bastará que eu lhe diga, é preciso que lhe mostre disse senão você vai pensa
r que ficamos todos malucos. Mande-nos buscar logo que for possível.
E desligou.
Quando o helicóptero chegou ao ponto 612, cinco dias mais tarde, Pontailler esta
va nele e foi o primeiro a saltar em terra.
Os homens de Grey haviam passado aqueles cinco dias numa excitação e numa alegri
a crescentes. Acabado o estupor devido ao choque inicial, eles haviam aceito as
ruínas, aceito o emissor, e os haviam adotado. O próprio mistério e sua inveross
imilhança os exaltavam assim como crianças que entram numa floresta onde as fada
s existem de verdade. Haviam acumulado os levantamentos E os registros. Bernard,
baseado nas coordenadas fornecidas pelos aparelhos, trabalhava numa espécie de
plano piloto, cheio de lapsos e de partes em branco, mas que já tomava o aspecto
de uma paisagem fantástica, mineral, deserta, desconhecida, porém humana.
Brivaux havia trazido um magnetofone e o havia acoplado ao registrador da sonda
nova. Obteve uma fita magnética e convidou seus amigos para escutá-la. Eles não
ouviram ruído nenhum, nada de nada.
Esse seu "troço" deve estar meio esburacado! resmungou Elói...
Brivaux sorriu.
Está tudo em silêncio disse ele. Vocês não podem ouvir os ultra-sons.
Mas eles estão lá, isso eu garanto. Para ouvi-los, seria preciso um redutor de f
reqüência. Eu não tenho. Na base também não há. Seria preciso ir a Paris.
Seria preciso ir a Paris. Esta foi também a conclusão de Pontailler que a princí
pio havia recusado para depois aceitar a evidência da descoberta. Não se podia n
em mesmo falar sobre isso pelo rádio, com todos os ouvidos do mundo atentos noit
e e dia ao menor segredo. Era preciso levar todos os documentos à sede em Paris.
O chefe das Expedições Polares decidiria o que e a quem comunicar. Enquanto esp
eravam, todos deviam ficar calados. Como dizia Elói, "isso poderia ser algo de d
iferente".

Peguei o avião para Sidney, com duas semanas de atraso, e o desejo de voltar o m
ais depressa possível. Não estava mais atormentado por aquele desejo de café cre
me. Nem um pouco. Havia lá, embaixo do gelo, qualquer coisa de bem mais excitant
e que o odor dos cafés parisienses.
O avião ganhou velocidade na pista, subiu no ar como uma bolinha de plástico sob
re um repuxo, virou um pouco no mesmo lugar à procura da sua direção; depois, co
m um ruído ensurdecedor, atirou-se rumo ao norte e para cima, a 50 graus de incl
inação. Apesar das cadeiras reclinadas e acolchoadas como amas-de-leite, é engra
çada a sensação que dá ao subir, com tal inclinação e muita velocidade. O avião
levava somente viajantes experimentados e não corria o risco de quebrar as janel
as por conta do bang. Então os pilotos pouco ligavam para o resto...
Ele me levava com minhas valises e minha pasta, que continha, além da escova de
dentes e o pijama, os microfilmes dos levantamentos e do plano piloto de Bernard
, a fita magnética, as cartas de Grey e de Pontailler autenticando tudo isso.
Eu levava também, sem saber, o vírus da rubéola, que iria dar a volta ao mundo s
ob o nome de rubéola australiana. Os laboratórios farmacêuticos fabricaram a tod
a pressa uma nova vacina e ganharam muito dinheiro.
Só cheguei a Paris dois dias depois da minha partida. Ignorava que tinha se torn
ado muito difícil atravessar os oceanos. No nosso isolamento de gelo, havíamos e
squecido os ódios estúpidos do mundo, que haviam crescido mais e se ramificado d
urante esses três anos. A estupidez generalizada evocava para mim a idéia de cãe
s enormes acorrentados uns diante dos outros, cada um forçando a sua corrente, n
ão pensando senão em rompê-la para ir abocanhar o cão que estava à sua frente. S
em razão. Simplesmente porque é um outro cão. Ou talvez porque esteja com medo..
.
Li os jornais australianos. Havia pequenos incêndios espalhados pelo mundo intei
ro. Eles haviam crescido depois da minha partida para a Antártida. E haviam-se m
ultiplicado. Em todas as fronteiras, à medida que se tiram as barreiras alfandeg
árias, barreiras policiais as substituem. Desembarcado no aeroporto de Sidney, n
ão fui autorizado nem a sair nem a partir novamente. Faltava não sei qual visto
militar no meu passaporte. Foram-me necessárias 36 horas de discussão furiosa pa
ra finalmente poder pegar o jato com destino a Paris. Eu tremia com a idéia de q
ue eles pudessem meter o nariz nos meus microfilmes. Que teriam imaginado? Porém
ninguém me pediu para abrir a pasta. Poderia muito bem estar transportando os p
lanos das bases atômicas. Mas isso não os interessava. Precisavam do visto, nada
mais. Era a estupidez. Era o mundo organizado.
Logo que Simon lhe entregou o conteúdo de sua pasta, Rochefoux, chefe das Expedi
ções Polares Francesas, tomou-o na mão com sua energia habitual. Ele tinha quase
80 anos, o que não impedia de passar todos os anos algumas semanas na proximida
de de um ou de outro pólo. Seu rosto era cor de tijolo, seus cabelos curtos de u
m branco brilhante, seus olhos azul-celeste, seu sorriso otimista, tornavam-no i
dealmente fotogênico para a televisão, que não perdia uma oportunidade de entrev
istá-lo, de preferência em primeiro plano.
Naquele dia, ele as havia convocado todas, as do mundo inteiro e toda a imprensa
, no fim da reunião da Comissão da UNESCO. Ele havia decidido que o segredo já h
avia sido guardado durante, bastante tempo, e tinha a intenção de sacudir a UNES
CO, como um fox-terrier sacode um rato, a fim de poder obter toda a ajuda necess
ária, imediatamente.
Num grande escritório do 7º andar, os operadores do Centro Nacional de Pesquisas
Científicas acabavam de instalar seus aparelhos sob a direção de um engenheiro.
Rochefoux e Simon de pé diante da grande janela, olhavam os dois oficiais trota
r seus cavalos alazões na perspectiva retangular do pátio da Escola Militar.
A Praça Fontenoy estava cheia de jogadores de pelanque que sopravam nos dedos an
tes de jogar as pesadas bolas.
Rochefoux pigarreou e virou-se. Não gostava nem dos ociosos nem dos militares. O
engenheiro informou que tudo estava pronto. Os membros da Comissão começaram a
chegar e a tomar lugar ao longo da mesa, diante dos instrumentos. Eram dois negr
os, dois amarelos, quatro brancos e três mulatos. Mas o sangue de todos eles mis
turados, formaria um só sangue bem vermelho. No momento em que Rochefoux começou
a falar, a atenção e emoção deles foram únicas.
Duas horas mais tarde, eles sabiam tudo, haviam visto tudo, haviam feito cem per
guntas a Simon. Rochefoux concluiu, mostrando sobre a tela um ponto do mapa que
ali estava projetado:
- La no ponto 612 do continente antártico, sobre o paralelo 88, sob 980 metros d
e gelo, há os retos de qualquer coisa que foi construída por uma inteligência e
há milênios emite um sinal. Há novecentos mil anos, este sinal diz: "Estou aqui,
eu os estou chamando, venham..." Pela primeira vez, os homens vieram a ouvi-lo.
Vamos hesitar? Nós salvamos os templos do vale do Nilo. Mas a água sempre cresc
ente da barragem de Assuã nos jogava para trás. Aqui, evidentemente, não há nec
essidade, não há urgência! Mas há qualquer coisa de bem maior: há o dever de con
hecer, de saber. Chamam-nos. É preciso ir! Isto exige de nós meios consideráveis
. A França não pode fazer tudo. Ela fará a sua parte. E pede às outras nações pa
ra se juntarem a ela. O delegado americano desejava alguns detalhes. Rochefoux p
ediu-lhe que tivesse paciência, e continuou:
- Esse sinal, vocês o viram sob a forma de uma simples linha escrita sobre um qu
adrilátero. Agora, graças aos meus amigos do Centre National de Recherches Scien
tifiques, que o ouviram de todas as maneiras possíveis, vou fazê-los ouvir...
Fez sinal ao engenheiro, que colocou um novo circuito sob tensão. No começo, u
rgiu na tela do osciloscópio uma linha reta luminosa como o mi de um violão, enq
uanto que se ouvia um assobio superagudo que fez Simon caretear. O negro mais ne
gro passou a língua sobre os lábios ressequidos. O branco mais louro colocou seu
dedo indicador no ouvido e agitou-o violentamente. Os dois amarelos fecharam co
mpletamente a brecha dos seus olhos. O engenheiro do CNRS apertou lentamente um
botão. O som superagudo tornou-se agudo. Os músculos se distenderam. Os maxilare
s se relaxaram. O agudo baixou, o assobio tornou-se um trinado. Começaram a toss
ir e a limpar a garganta. Sobre a tela do osciloscópio a linha reta tinha-se tor
nado ondulada.
Lentamente, lentamente, a mão do engenheiro fazia descer o sinal, do agudo ao gr
ave, em toda a escala das freqüências. Quando chegou ao limite dos infra-sons,
foi como uma massa de feltro batendo na pele de um tambor gigantesco. E cada bat
ida fazia tremer os ossos, a carne, os móveis, os muros da UNESCO até suas raize
s. Era semelhante às batidas de um coração enorme, o coração de um animal inimag
inável, o coração da própria Terra.
No dia seguinte, lia-se nos títulos da imprensa francesa: "A maior descoberta de
todos os tempos", "Uma civilização congelada", "A UNESCO vai derreter o Pólo Su
l".
Um jornal inglês perguntava em sua manchete principal: "Quem ou quê?"
Em redor de uma mesa em forma de meia-lua estão os Vignont, família francesa: o
pai, a mãe e um casal de filhos. Na tela da tevê, penduradas na parede diante de
les vêem o jornal televisionado, enquanto jantam. Os pais dirigem uma loja da Un
ião Européia de Calçados. A filha segue um curso na Escola de Artes Decorativas.
O filho se arrasta entre o segundo e o terceiro ano do ginásio.
Na tela assiste-se à entrevista de uma etnóloga russa, transmitida diretamente p
elo satélite. Ela fala em russo, com tradução simultânea.
A senhora pediu para fazer parte da expedição encarregada de elucidar o que se c
hama o mistério do Pólo Sul. A senhora espera encontrar traços humanos sob mil m
etros de gelo?
A etnóloga sorri.
Se existe uma cidade, ela não foi construída por pingüins...
Não existem pingüins no Sul. Só existem manchots. Mas uma etnóloga não é obrigad
a a saber disso.
O Secretário Geral da UNESCO anuncia que os Estados Unidos, a URSS, a Inglaterra
, a China, o Japão, a União Africana, a Itália, a Alemanha, e outras nações fize
ram saber que dariam todo o seu apoio material à empreitada de degelo do ponto 6
12. Os preparativos vão ser apressados. Tudo estará pronto em princípio do próxi
mo verão polar.
A televisão fazia entrevistas com populares:
Você sabe onde é o Pólo Sul?
Bem... eu...
E você?
Ora... é lá em baixo...
E você?
É ao sul!
Bravos. Você gostaria de ir lá?
Eu não, bolas.
Por quê?
Bem, deve fazer muito frio.
Na mesa em forma de meia-lua, a mãe Vignont sacudiu a cabeça:
Como eles são bobos de fazer essas perguntas assim! Refletiu um segundo e depois
acrescentou:
É claro que lá não deve fazer calor... O pai Vignont replicou:
Imagine só o que isso vai custar em dinheiro! Seria muito melhor que eles constr
uíssem parqueamentos...
Na tela apareceu o plano piloto de Bernard.
Mas mesmo assim é um bocado gozado encontrar isto naquele lugar disse a mãe.
Não é novo disse a filha - é pré-colombiano...
O filho nem olhou. Enquanto comia, lia as historinhas de aventuras de Billy Kid.
Sua irmã o sacudiu.
Olha um pouco! Não é gozado? Ele sacudiu os ombros.
Besteiras disse ele.
Um engenho monstruoso afundava-se no flanco da montanha de gelo, projetando atrá
s de si uma nuvem de fragmentos transparentes que o sol atravessava e coloria co
m um arco-íris.
A montanha já estava cortada por umas trinta galerias em volta das quais haviam
instalado, no coração vivo do gelo, os entrepostos e os emissores de rádio e tel
evisão da EP1 Expedição Polar Internacional. A cidade na montanha chamava-se EPI
-1 e a que estava abrigada sob o gelo no platô 612 chamava-se EPI-2. Esta compre
endia todas as outras instalações e a pilha atômica que fornecia a força, a luz
e o calor às duas cidades protegidas e a EPI-3, a cidade da superfície composta
dos hangares, dos veículos e de todas as máquinas que atacavam gelo de todas as
maneiras que a técnica podia imaginar.
Jamais uma empreitada internacional desse tamanho fora realizada. Parecia que os
homens haviam encontrado, com alívio, a tão sonhada ocasião de esquecer ódios,
de confraternizar num esforço totalmente desinteressado.
A França era a potência que convidara, o francês tinha sido escolhido como língu
a de trabalho. Mas para tornar as relações mais fáceis, o Japão havia instalado
na EPI-2 uma máquina tradutora de ondas curtas. Ela traduzia imediatamente discu
rsos, os diálogos que lhe eram transmitidos, e emitia a tradução em dezessete lí
nguas sobre dezessete ondas diferentes. Cada sábio, cada chefe de equipe e técni
co importante, havia recebido um receptor adesivo, que não era maior que uma erv
ilha, no comprimento de onda da sua língua materna, que e mantinha permanentemen
te no ouvido, e um emissor-alfinete que levava geralmente preso à lapela ou ao o
mbro. O manipulador de bolso, da espessura de uma moeda, lhe permitia se isolar
do barulho das mil conversas quando dezessete traduções se misturavam no éter, n
uma confusão de Babel, e permitia lecionar o diálogo do qual se desejava partici
par.
A pilha atômica era americana, os helicópteros pesados eram russos, as roupas ac
olchoadas eram chinesas, as botas finlandesas, o uísque escocês e a cozinha fran
cesa. Havia máquinas e aparelhos ingleses, alemães, italianos, canadenses, carne
da Argentina e frutos de Israel. O condicionamento de temperatura e o conforto
no interior do EPI-1 e 2 eram americanos. E eram tão perfeitos que poderiam rece
ber visita de mulheres.
Um poço se afundava no gelo translúcido, partindo numa linha vertical do ponto o
nde havia sido localizado o emissor do sinal. Tinha onze metros de diâmetro. Uma
torre de ferro semelhante a um derrick o dominava, trepidante de motores, fumeg
ante de vapores, que o vento transformava em echarpes de neve. Dois elevadores l
evavam para as profundezas os homens e o matéria" que se afundavam cada dia um p
ouco, rumo ao coração do mistério.
A 917 metros, os mineiros do frio encontraram um pássaro no gelo. Era vermelho,
com o peito branco, as patas alaranjadas, uma crista da mesma cor, o bico amarel
o, largo, entreaberto, o olho ruço e preto, brilhante. Tinha as asas meio aberta
s, distorcidas, a cauda em leque, as patas bem abertas como se tentasse frear, d
ando a impressão de se debater numa rajada de vento que o pegara por trás. Estav
a eriçado como uma chama.
Recortaram ao seu redor um cubo de gelo e ele foi enviado para a superfície...
O comitê diretor da expedição decidiu deixá-lo em sua embalagem natural. Foi col
ocado num refrigerador transparente, e os sábios começaram a discutir sobre o se
u sexo e sua espécie. A tevê tornou sua imagem conhecida no mundo inteiro.
Quinze dias mais tarde, em plumas, em pelúcia, de seda, de lã, de plástico, de m
adeira e de penas, ele inundava a moda e as lojas de brinquedos. No fundo do poç
o os entalhadores de gelo tinham atingido as ruínas.
O Professor João de Aguiar, delegado do Brasil, presidente em exercício da UNESC
O, subiu à tribuna e virou-se para a assistência. Estava de casaca. Na grande sa
la de conferências, havia naquela tarde não somente sábios, diplomatas e jornali
stas, mas também o tout-Paris muito parisiense e o tout-Paris internacional.
Acima da cabeça do Professor Aguiar, a maior tela de tevê do mundo ocupava quase
toda a parede do fundo. Ela ia receber e mostrar em relevo holográfico a emissã
o vinda do fundo do poço, emitida pela antena do EPI-1 e retransmitida pelo saté
lite Trio.
A tela iluminou-se. O busto gigantesco do presidente apareceu, em cores pastéis,
um pouco enfeitadoras, em relevo perfeito.
Os dois presidentes, o pequeno em carne e osso e sua grande imagem, ergueram a m
ão direita num gesto amigável e falaram. Isto durou sete minutos. Concluiu infor
mando: "Uma sala pôde ser talhada no gelo, no meio das ruínas extraordinárias. S
alvo alguns heróicos pioneiros da ciência humana que cruzaram o poço com sua téc
nica e sua coragem, ninguém ainda no mundo as viu. E o mundo inteiro vai, dentro
de um instante, descobri-las. Quando eu apertar este botão, graças ao milagre d
as ondas, lá, do outro lado do mundo, os projetores se iluminarão e a imagem daq
uilo que talvez tenha sido a primeira civilização do mundo, á enviada a todos os
lares da civilização de hoje..."
Na sua pequena cabina, o realizador vigiava na tela de controle a imagem do pres
idente. Os dois abaixaram o dedo polegar ao mesmo tempo. Nos confins do mundo a
sala de gelo iluminou-se.
O que logo viram todos os espectadores foi um cavalo branco. Ele estava de pé, p
or trás da superfície de gelo. Magro, grande, alongado, parecia prestes a cair d
e lado, relinchando de medo, os lábios arreganhados sobre os dentes, sua crina e
sua cauda flutuavam, imóveis, há novecentos mil anos.
O tronco partido de uma árvore gigantesca estava caído e atravessado atrás dele.
Nas palmas de sua folhagem, no teto da sala, aparecia a goela aberta de um tuba
rão. Um lance de escadas enormes, ou de pequenos degraus amarelos, descendo da n
oite, se perdiam na escuridão.
Em frente, uma flor flamejante, grande como uma rosácea de catedral, espalhava t
rês quartos de suas pétalas púrpuras. À sua direita, erguia-se um trecho destruí
do de muro cor-de-rosa, de uma matéria desconhecida, que não era completamente o
paca. Aí se abria uma espécie de porta, ou de janela, através da qual se viam, i
móveis, um pequeno roedor com a cauda em pé, as patas para o ar, e um bando de o
uriços azuis. Mais abaixo, notava-se o pico de uma larga pista helicoidal feita
de um metal que parecia com o aço. Tudo envolto na bruma de um mundo gelado.
A segunda operação começou. Uma mangueira de ar foi dirigida para a parede onde
estava um pedaço de muro. Aos olhos do mundo inteiro, o primeiro fragmento do pa
ssado embalsamado ia ser libertado da sua canga.
O ar quente jorrou, afundando-se no gelo que começou a derreter. Uma mangueira d
e sucção aspirava a lama que se formava, uma outra engolia a água da fonte e tor
nava a enviá-la à superfície.
A parede de gelo começou a diminuir, recuar, até que o muro verde apareceu. E so
bre as telas, a imagem distorcida, deformada pelas gotas que escorriam das câmar
as blindadas, mostrou esse fenômeno inacreditável: o muro fundiu ao mesmo tempo
que o gelo...
Os ouriços e o roedor de patas para o ar derreteram-se e sumiram. O ar quente ha
via invadido toda a sala. Todas as paredes se fundiam. Do teto, cataratas corria
m sobre os homens de escafandros. As palmas da árvore se derreteram. A goela do
tubarão derreteu-se como um chocolate. Duas das pernas do cavalo e o seu flanco
se derreteram. O interior do seu corpo apareceu, vermelho e fresco. A flor verme
lha transformou-se em água sangrenta. O ar morno atingiu o alto da pista helicoi
dal de aço, e o aço se fundiu.
Os jornais exploraram com sensacionalismo o assunto. As suas manchetes diziam: "
A maior decepção do século". "A cidade embalsamada não era senão um fantasma". "
Milhões engolidos por uma miragem".
Uma entrevista televisionada de Rochefoux colocou as coisas no lugar. Ele explic
ou que a enorme pressão sofrida durante milênios havia dissociado os corpos mais
resistentes até suas moléculas. Mas o gelo mantinha na sua forma primitiva a po
eira impalpável na qual eles se tinham transformado. Ao fundirem- se, a poeira o
s libertava e eram arrastados pela água.
Vamos adotar uma nova técnica acrescentou Rochefoux. Recortaremos o gelo com os
objetos que ele contém. Não renunciamos a descobrir o segredo dessa civilização
que nos vem da noite dos tempos. O transmissor de ultra-sons continua a emitir s
eu sinal. Nós continuamos a descer em sua direção...
A 978 metros abaixo da superfície do gelo, o poço atingiu o solo do continente.
Mas o sinal emitido vinha do subsolo.

Depois de ter se enfiado no gelo, o poço afundou-se mais dentro da terra, e depo
is dentro da rocha. Em seguida, esta apareceu muito dura, vitrificada, como se t
ivesse sido cozida e comprimida, e que depois se enrijecesse cada vez mais. Sua
consistência deixou os geólogos desconcertados. Ela apresentava uma dureza, uma
compacidade desconhecida em qualquer outro ponto do globo. Era uma espécie de gr
anito, mas as moléculas que o compunham pareciam ter sido ordenadas e arrumadas
para ocupar um mínimo de lugar possível e oferecer um máximo de coesão. Depois d
e ter quebrado uma quantidade de ferramentas mecânicas, chegamos finalmente ao f
im da rocha, e a 107 metros abaixo do gelo, encontramos areia. Esta areia era um
absurdo geológico. Não poderia ser encontrada aí. Rochefoux, sempre otimista, d
izia que ela deveria ter sido trazida para aquele lugar. Isto era uma prova de q
ue estávamos no bom caminho.
O sinal continuava chamando, cada vez mais para o fundo. Era preciso continuar d
escendo.
Continuamos.
Após atingirmos a areia, fomos obrigados a fechar o poço antes mesmo de tê-lo ca
vado, enfiando um invólucro metálico na areia, tão seco e móvel quanto a de uma
ampulheta e que escorria como água.
A dezesseis metros abaixo da rocha, um mineiro seguro pelas cordas começou a faz
er gestos frenéticos e a gritar qualquer coisa que sua máscara contra poeira tor
nava incompreensível. O que ele queria dizer é que sentia qualquer coisa dura so
b seus pés.
O aspirador, enfiado na areia, subitamente começou a fazer barulho e a vibrar at
é que seu tubo achatou-se. Higgins, o engenheiro, que do alto da plataforma supe
rvisionava os trabalhos, desligou o motor. Juntou-se aos mineiros, e começou a e
scavar com precaução, primeiro com a pá, depois com a mão, depois com uma vassou
ra.
Quando Rochefoux desceu, acompanhado de Simon, de Brivaux, da atraente antropólo
ga Leonova, chefe da delegação russa, e do químico Hoover, chefe da delegação am
ericana, encontraram no fundo do poço, já limpa de toda a areia fina, uma superf
ície metálica, ligeiramente convexa, unida, de cor amarela.
Hoover pediu que parassem os motores, mesmo o da ventilação, e que todos se abst
ivessem de falar ou de mexer.
Houve então um silêncio extraordinário, protegido dos barulhos da Terra por cem
metros de rocha e um quilômetro de gelo. Hoover ajoelhou-se e o seu joelho esque
rdo estalou. Com o dedo indicador dobrado, ele bateu na superfície do metal. Ouv
iu-se somente um barulho frágil: aquele da carne frágil de um homem de encontro
a um obstáculo maciço.
Houver tirou um martelo de cobre da sua maleta e bateu no metal, primeiro suavem
ente, depois com grandes golpes. Não houve nenhuma ressonância.
Hoover resmungou e inclinou-se para examinar a superfície. Não tinha marca nenhu
ma dos golpes. Tentou ver se tirava uma amostra. Mas sua tesoura de tungstênio e
scorregou sobre a superfície e não conseguiu prendê-la.
Então jogou diferentes ácidos que logo examinava com espectroscópio portátil. Le
vantou-se. Estava perplexo.
Não compreendo o que o torna tão duro. Ele é praticamente puro.
Ele, por que ele? Que metal é este? Leonova perguntou irritada.
Hoover era um gigante avermelhado, barrigudo e bonachão, com movimentos lentos.
Leonova era miúda e morena, nervosa. Era a mulher mais bonita da expedição. Hoov
er olhou-a sorridente.
O quê! Você não reconheceu? Você, uma mulher?... É ouro!...
Brivaux tinha feito seu aparelho registrador funcionar. O papel se desenrolava.
A delgada linha registradora aparecia sem um colchete, sem uma interrupção.
O sinal vinha do interior do ouro.
Parecia que o poço tinha atingido uma grande esfera, não exatamente no seu cimo,
mas um pouco do lado. Uma grande parte da superfície fora limpa, mas pelos lado
s tudo parecia afundado em areia.
Limparam o ponto mais alto da esfera e o transpuseram. Logo depois fizeram a pri
meira descoberta reveladora. No metal aparecia uma série de círculos concêntrico
s, o maior tendo mais ou menos três metros de diâmetro. Esses círculos eram comp
ostos de uma fileira de dentes agudos e baixos inclinados como para funcionar no
sentido de uma rotação.
Isto parece a extremidade de uma escavadora disse Hoover. Para fazer um buraco!
Para sair de lá de dentro!...
Você acredita que seja oco e que exista alguém lá dentro? disse Leonova.
Hoover fez uma careta.
Talvez...
Ele acrescentou:
Antes de pensar em sair, foi preciso que eles entrassem. Em algum lugar deve exi
stir uma porta!...
Duas semanas depois do primeiro contato com o objeto de ouro, os diversos instru
mentos de sondagem haviam fornecido bastantes conhecimentos para que pudessem ti
rar conclusões provisórias:
O objeto parecia ser uma esfera pousada sobre um pedestal, o todo colocado num b
olso cheio de areia e afundado numa rocha artificialmente endurecida A areia ser
viria sem dúvida para isolar o objeto dos abalos sísmicos e de todos os moviment
os terrestres. A esfera e seu pedestal pareciam estar solidários e formar um só
bloco. A esfera tinha 27 metros e 42 de diâmetro e era oca. A espessura de sua p
arede era de 2m92.
Resolveu-se começar por tirar toda a areia e a esvaziar o bolso rochoso para sol
tar o objeto de ouro, pelo menos até a metade.
A letra A marca a porção do bolso rochoso desembaraçada de areia. A letra B indi
ca a porção ainda cheia de areia. Na letra C inicia-se a extremidade do poço. O
E designa a esfera e o P o pedestal. Continuávamos a chamar assim a este último,
embora ficasse depois evidente que ele não servia de maneira nenhuma de suporte
para a esfera. A sondagem havia revelado que ele era oco como esta última.
Um desenho mostra a realidade, os números são inexpressivos. Para materializar
o que representavam os 27 metros de diâmetro da esfera, é preciso se dizer que é
a altura de um prédio de dez andares. E, tomando em consideração a espessura da
sua parede, restava ainda lugar, no interior, para um prédio de oito andares.
O número 1 marca o lugar da cabeça da máquina de perfurar.
O número 2 marca o lugar da porta. Pelo menos supunha-se que se tratasse de uma
porta. Era um círculo de um diâmetro um pouco superior ao da mão de um homem, de
senhado na parede pelo que parecia ter sido uma solda.
Do momento em que descobrimos a porta, uma ponte provisória foi colocada na arei
a para receber sábios e técnicos que desciam numa espécie de caixa improvisada e
que podia ser dirigida.
Brivaux fez com que seu pequeno aparelho de quadrantes passeasse ao longo de tod
a a circunferência.
Está soldada por todos os lados disse ele em toda a sua espessura.
Dê-nos a espessura do centro pediu Leonova.
Colocou seu aparelho no centro do círculo e leu o número sobre o quadrante:2m92.
Era a largura geral da parede da esfera.
Uma vez a marmita cheia, soldaram a tampa disse Hoover. Isto dá mais a idéia de
um túmulo do que de um abrigo.
E a perfuratriz? disse Leonova. É para fazer sair o quê? O gato?
Vai ver que naquele tempo nem existia gato, minha bonequinha disse Hoover.
Com a sua cordial má educação americana, que tinha sido agravada pelos inúmeros
anos vividos em Paris, no Quartier Latin e em Montparnasse, ele quis passar seu
dedo indicador sob o queixo dela.
Seu dedo tinha o tamanho e a cor de um salsichão, com manchas de sardas coberto
de pêlos ruivos.
Furiosa, Leonova deu um tapa na mão que subia em direção ao seu rosto
Ela morde! disse Hoover sorrindo. Ora, boneca, vamos subir. Passe primeiro...
A caixa podia levar duas pessoas, mas Hoover contava por três. Ele ergueu Leonov
a como uma pluma e colocou-a sobre um banquinho de ferro. Gritou
Puxem!
A caixa começou a subir. Ouviu-se um barulho e gritos. Alguma coisa atingiu Hoov
er na altura das canelas, ele caiu para trás e sua cabeça bateu contra um obstác
ulo duro. Ouviu um estalo no interior do seu crânio e desmaiou. Acordou num leit
o da enfermaria. Simon, inclinado sobre ele, olhava-o com um sorriso otimista. H
oover bateu duas ou três vezes as pálpebras para sair daquela espécie de inconsc
iência e perguntou bruscamente:
E a moça?
Simon sacudiu a cabeça com uma careta tranquilizadora.
O que foi que aconteceu? perguntou Hoover.
Um desmoronamento. Toda a parede acima do corredor caiu.
Há feridos?
Dois mortos...
Simon havia pronunciado estas palavras em voz baixa, como se tivesse vergonha de
fazê-lo. Os dois primeiros mortos da expedição... Um mineiro do agrupamento e u
m marceneiro francês. Companheiros do dever, que trabalhavam no cofre. Houve tam
bém quatro feridos, entre os quais um eletricista japonês em estado grave.
O corredor está designado no desenho pela letra D.
Na parede de rocha desenhava-se uma abertura que deve ter sido retangular e que
cumulava uma mistura caótica de pedaços de rocha, de uma espécie de cimento e de
formas metálicas retorcidas e devolvidas à sua origem mineral Entre essa abertu
ra e a porta da esfera, haviam encontrado na areia a mesma espécie de destroços,
que eles haviam cuidadosamente embrulhado e enviado à superfície, para exame e
análise.
O corredor tinha sido chamado assim porque os sábios pensavam que ele fosse o fi
m de uma passagem, mas suas proporções faziam crer mais num esboço de uma sala b
astante ampla. Fosse como fosse, era sem dúvida a partir de lá que os homens do
passado se se tratassem de homens, mas o que mais poderia ser? tinham atravessad
o e endurecido a rocha, trazido a areia e construído a esfera. Era o cordão umbi
lical a partir de que esta se desenvolvia na sua placenta rochosa. Era claro que
o corredor vinha de alguma parte e podia para lá nos conduzir. Íamos abrir pass
agem através dele, mas antes tínhamos de explorar a esfera, conforme havia decid
ido a assembléia de sábios.
E eu, o que é que tenho?
Hoover quis apalpar seu crânio, mas os dedos não chegavam até lá: sua cabeça est
ava envolta numa espessa atadura.
Está quebrada? perguntou Hoover.
Não. O couro cabeludo se abriu, houve uma contusão no osso, e um pequeno pedaço
de granito enfiou-se no occipital. Já o extraí, não estava muito fundo. Está tud
o bem agora.
Brrruu... fez Hoover.
Relaxou-se e afundou-se com prazer no travesseiro.
No dia seguinte, ele já assistia à reunião de informação, na Sala das Conferênci
as. Quando subiu ao pódio para tomar lugar à mesa do comitê diretor do EPI perce
beu primeiro uma onda de risos. Havia saído do leito para vir, e havia simplesme
nte enfiado seu robe de chambre cor de framboesa amassada com pequenas meias-lua
s azuis e verdes. Seu ventre volumoso erguia a faixa da cintura e uma das pontas
caía até suas botas de pele de urso branco, que usava para andar dentro de casa
. Sua atadura redonda em forma de turbante acabava de lhe dar um ar extravagante
, que provocava risos à primeira vista, Rochefoux, que presidia a sessão, levant
ou-se e abraçou-o. Uma onda de aplausos cobriu a onda de risos. Todo mundo gosta
va de Hoover, e todos sabiam que ele tinha sido vítima de um acidente.
A sala estava cheia. Havia lá, além dos sábios e dos técnicos vindos de todas as
fronteiras, uma dúzia de jornalistas representando as maiores agências do mundo
, que dispunham, na tribuna da imprensa, de receptores individuais de tradução.
Sobre uma grande tela, atrás do pódio, apareceu uma vista geral do bolso rochoso
iluminado pelos projetores.
Uns trinta homens ali trabalhavam ativamente, vestidos de vermelho ou laranja,
capacetes na cabeça e máscara pendurada no pescoço, pronta para ser utilizada im
ediatamente. A metade superior da esfera, emergindo da areia e do solo, brilhava
suavemente, enorme e tranquila, ameaçadora também por causa do seu volume, do s
eu mistério, e pelo desconhecido que encerrava.
Com uma voz cantante, um pouco monótona, Leonova fez o resumo dos trabalhos, e a
tradutora começou a cochichar em todos os ouvidos, em dezessete línguas diferen
tes. Leonova calou-se, ficou um instante sonhadora, e recomeçou:
Não sei o que lhes sugere a vista dessa esfera, mas a mim ela faz pensar num grã
o. Na primavera, o grão devia germinar. A perfuratriz telescópica, é a haste que
deveria se desenvolver e abrir caminho até a luz, e o pedestal oco estava lá pa
ra receber os entulhos... Mas o verão não veio e o inverno dura desde novecentos
mil anos... No entanto, eu não quero, eu não posso acreditar que o grão esteja
morto!...
Fez uma pausa, observou a platéia e disse em voz alta:
Existe o sinal!
Um jornalista levantou-se e perguntou no mesmo tom veemente:
Então o que é que voces estão esperando para abrir a porta? Leonova, espantada,
olhou e respondeu num tom que havia se tornado glacial:
Nós não a abriremos.
Um murmúrio de surpresa percorreu a assistência. Rochefoux levantou-se sorrindo
e colocou os pontos nos ii.
Nós não abriremos a porta disse ele pois é possível que a ela esteja ligado algu
m dispositivo de segurança ou de destruição. Iremos abrir aqui.
Com uma vara de bambu ele tocou na imagem, apontando um lugar situado no alto da
esfera.
Mas há uma dificuldade. Nossas perfuratrizes quebraram os dentes sobre este meta
l. Ele também não se funde com maçarico oxídrico. Ou melhor, ele se funde mas to
rna a se fechar em seguida. Como se alguém abrisse a carne com um escalpelo, e q
ue a carne cicatrizasse imediatamente depois da lâmina, passar. É um fenômeno cu
jo mecanismo nós não compreendemos, mas que se passa na escala molecular. Devemo
s, para poder abrir caminho nesse metal atacá-lo ao nível das moléculas, dissoci
á-las. Esperamos um novo maçarico que usa ao mesmo tempo o laser e o plasma. Log
o que nós o tivermos recebido, começaremos a operação A: Abertura...
O poço de gelo e rocha conduzia a um poço de ouro. Um buraco de dois metros de d
iâmetro afunda-se na crosta da esfera. No fundo do buraco, dentro de uma luz dou
rada, um cavaleiro de branco ataca um metal com uma lança de luz. Vestido de ami
anto, com uma máscara de vidro e de aço, é o engenheiro inglês Lister munido do
seu plaser. Uma voz explica que a palavra plaser foi formada pela conjunção das
duas palavras plasma e laser, e que este maravilhoso e gigantesco maçarico foi c
onstruído graças à colaboração das indústrias inglesa e japonesa.
Sobre a tela de tevê a imagem recua descobrindo a parte de cima do poço de ouro.
Sobre a plataforma que o cerca, técnicos de laranja e de vermelho seguram os ca
bos, dirigem câmaras ou projetores. O calor que sobe do buraco faz com que seus
rostos transpirem abundantemente.
A tela da tevê é dobrável e está pendurada sobre um guarda-sol à beira de uma pi
scina em Miami. Um homem gordo e congestionado, vestido de um calção muito curto
, estirado sobre uma rede que se balança ao sopro de um ventilador, suspira e pa
ssa sobre o peito um guardanapo esponjoso. Ele acha que é desumano mostrar um ta
l espetáculo a alguém que já esteja sentindo tanta dor.
O comentador recorda as dificuldades a que tiveram de se sujeitar os sábios do E
PI. Em particular, as dificuldades climatéricas. Em seguida, a câmara focaliza a
superfície do local das pesquisas.
Sobre a tela, uma tempestade terrível assola o EP1-3. Fantasmas de veículos que
transportam dum edifício ao outro suas silhuetas amarelas, a coberta batida pela
neve que o vento leva horizontalmente, a duzentos e quarenta quilômetros a hora
. O termômetro marca 52° abaixo de zero.
O homem gordo congestionado torna-se lívido, embrulha-se na toalha batendo do os
dentes.
Numa casa japonesa a tela substituiu, sobre a parede de papel, a gravura tradici
onal. A dona da casa, ajoelhada, serve o chá. O comentador fala calmamente te. D
iz ele que o fundo do poço não tem mais que alguns centímetros de espessura e qu
e um buraco vai ser feito para permitir a introdução de uma câmara de tevê em se
u interior. Dentro de alguns instantes os espectadores do mundo inteiro vão pene
trar na esfera junto com a câmara e conhecer finalmente o seu mistério.

Leonova, dentro de uma roupa de amianto, juntou-se a Lister no fundo do poço. Ho


over, muito grandalhão, teve que ficar em cima com os técnicos. Deitou-se de bar
riga na beira do buraco e gritou recomendações a Leonova que não o entendeu.
Ela está ajoelhada ao lado de Lister. Uma espécie de escudo blindado colocado di
ante das suas coxas os protege. A língua de fogo penetra no ouro que derrete e s
e transforma em ondas de luz.
De repente, ouve-se um grito superagudo. A chama, as faíscas, a fumaça são viole
ntamente aspiradas para baixo. O pesado escudo cai no chão de ouro, Leonova osci
la, Hoover grita e xinga, Lister agarra-se ao plaser. Um técnico já cortou a cor
rente. O berro transforma-se num assobio que passa do agudo ao grave e pára. Leo
nova põe-se de pé, tira sua máscara e fala no seu microfone. Anuncia calmamente
que a esfera está furada. Contrariamente ao que todos poderiam crer, fazia mais
frio no interior do que no exterior, o que provocou esta violenta sucção de ar.
Agora, o equilíbrio está estabelecido. Iam então arredondar o buraco e descer a
câmara.

Simon está em cima da esfera ao lado de Hoover e de Lanson, engenheiro inglês de


tevê que dirige a descida do cabo mais grosso. A extremidade do cabo estava atr
avessada por duas lentes superpostas: a de um projetor em miniatura e a de uma m
ini câmara.
No fundo do poço Leonova agarrou o cabo com suas duas mãos enluvadas e o introdu
ziu no buraco negro. Depois de deixá-lo penetrar mais ou menos um metro, ela erg
ueu os braços. Lanson parou a progressão do cabo. Está tudo preparado disse ele
a Hoover.
Esperem-me disse Leonova.
Ela subiu para a plataforma, para olhar junto com todos os homens presentesa tel
a do receptor de controle colocada na borda do poço.
Comece! disse Hoover. Lanson virou-se para um técnico:
Luz!
Sobre o assoalho de ouro o olho do projetor se ilumina, o da câmara olha. A imag
em sobe ao longo do cabo, atravessa a tempestade, jorra do alto da antena do EP1
-1 em direção ao satélite Trio imóvel no grande vazio negro do espaço, ricochete
ia nos outros satélites e cai em forma de chuva em todas as telas do mundo.
A imagem aparece sobre a tela de controle. Não há nada. Nada além de um lento to
rvelinho acinzentado que a luz do mini projetos tenta em vão perfurar. Isto pare
ce com um inútil esforço de uma lanterna de carroça dentro de uma forte neblina
londrina.
Poeira! disse Hoover. Poeira horrível!...
A poeira provocada pela corrente de ar causara esses turbilhões...
Mas como a danada dessa poeira pôde entrar na esfera tão hermeticamente fechada?
perguntou Lanson, com ar de espanto.
Um transmissor lhe responde. É Rochefoux que fala da Sala de Conferências.
Faça saltar rapidamente o fundo da caixa disse ele. E vá ver.
O fundo do poço estava aberto. Sobre a plataforma, a equipe estava pronta, para
descer. Ela se compunha de Higgins, Hoover, Leonova, Lanson e suas câmeras sem f
ilme, o africano Shanga, o chinês Lao, o japonês Hoi-To, o alemão Henckel e Simo
n.
Era muita gente, perigosamente gente demais. Mas era necessário dar uma satisfaç
ão à suscetibilidade das delegações.
Rochefoux que se sentia muito cansado, havia cedido seu lugar a Simon. A presenç
a de um médico aliás poderia ser útil.
Simon, sendo o mais jovem, solicitou e obteve licença para descer em primeiro lu
gar. Estava vestido com um macacão aquecido, cor de limão, com botas de feltro c
inza e um chapéu de astracã. Um termômetro de exploração havia revelado que a te
mperatura no interior era de 37 graus positivos.
Ele levava uma lâmpada frontal, uma máscara de oxigênio pendurada no pescoço e à
cintura um revolver que tinha tentado recusar, mas que Rochefoux o havia obriga
do a aceitar: não se sabia o que se ia encontrar ao descer.
Uma escada metálica que serviria de antena estava fixada na borda do poço e pend
urada no desconhecido. Simon colocou seu capacete e começou a descer. Viram-no d
esaparecer na claridade dourada, e depois na escuridão.
O que é que você está vendo? gritou Hoover. Houve um silêncio, depois o transmis
sor disse:
Pisei firme! Aqui tem um assoalho...
Mas, por favor, o que é que você está vendo? perguntou Hoover
Nada... não há nada para ver...
Vou descer! disse Hoover.
Agarrou-se à escada metálica. Seu macacão era cor-de-rosa. Ele usava um boné de
lã grossa verde, de tricô, encimado por um pompom colorido.
Você vai quebrar tudo! disse Leonova.
Não peso nada disse ele. Sou como um grande floco... Ajustou sua máscara e sumiu
. Lanson, sorrindo, dirigiu a câmara na sua direção.
Eu estava de pé sobre o assoalho de ouro, na peça redonda e vazia. Uma poeira li
geira espalhava seus véus ao longo do muro de ouro circular, atravessado por mil
hões de alvéolos que pareciam jeitos para conter alguma coisa e que não continha
m nada.
Os outros desciam, olhavam e se calavam. A poeira quase invisível velara o feixe
das lâmpadas frontais, e enfeitava com uma auréola nossas silhuetas mascaradas.
Depois vieram os dois eletricistas com seus projetores de bateria. A grande clar
idade transformou a peça no que ela era: simplesmente uma peça vazia. Diante de
mim, uma parte do muro era lisa, sem alvéolo. Tinha a forma trapezoidal, um pouc
o mais larga em cima do que em baixo, com um ligeiro estrangulamento na metade.
Pensei que isso podia ser uma porta e dirigi-me para ela.
Foi assim que dei meus primeiros passos na lua direção.
Não havia nenhuma maneira visível de abrir aquela porta, se é que era porta. Nem
maçaneta nem fechadura. Simon ergueu sua mão direita enluvada, colocou-a de enc
ontro à porta, perto da beirada, à direita, e empurrou. A borda direita da porta
separou-se do muro e entreabriu-se. Simon tirou a mão. Sem barulho e sem clique
, a porta voltou exatamente ao seu lugar.
E então, o que estamos esperando? disse Hoover. Vamos... Como ele estava à esque
rda de Simon, instantaneamente ergueu sua mão esquerda e pousou-a sobre a borda
esquerda da porta. E a porta abriu-se à esquerda.
Sem se demorar a admirar essa porta ambivalente, Hoover empurrou-a mais profunda
mente. Ela permaneceu aberta. Simon com um gesto chamou um eletricista que levou
seu projetor e o fixou na abertura.
Era como um corredor longo de vários metros de comprimento. O solo era de ouro,
e os muros de uma matéria de cor verde que parecia porosa. Uma porta azul da mes
ma matéria fechava o fundo do corredor. Duas outras estavam à direita e uma à es
querda.Simon entrou seguido de Hoover, de Higgins e dos outros atrás dele. Quand
o chegou à primeira porta, parou, ergueu a mão e empurrou.
Sua mão enluvada afastou a porta e passou para o outro lado...
Hoover pigarreou de surpresa e fez um movimento para se aproximar. Seu corpo eno
rme roçou em Higgins que para conservar o equilíbrio, apoiou-se contra a parede.
Higgins passou através da parede. Gritou, e a tradutora reproduziu o mesmo grito
em todos os microfones de ouvido. Houve um baque surdo alguns metros mais abaix
o e a voz de Higgins calou-se.
O choque havia abalado as paredes. Viram-nas tremer, se dobrar, se abater e desm
oronar suavemente em camadas de poeira, descobrindo um abismo de escuridão mostr
ado pelos projetores, onde outras paredes caíam sem barulho, revelando todo um m
undo à beira de desaparecer. Móveis, máquinas, animais imóveis, silhuetas vestid
as, espelhos, formas desconhecidas que se deformavam, escorregando sobre o assoa
lho que balançava e trepidava.
Do fundo da esfera, onde se encontravam todas essas coisas, subiam rolos cinzas
e espessos de cúmulos de poeira. Os sábios e os técnicos tiveram tempo de perceb
er Higgins lá em baixo com os braços em cruz, o peito atravessado por uma estaca
de ouro. Depois a nuvem o envolveu e continuou a subir.
Máscaras! gritou Hoover.
Apenas tinham colocado suas máscaras, a nuvem os atingiu, envolveu-os e encheu t
oda a esfera. Ficaram parados no lugar, não ousando se mexer. Não viam mais nada
. Estavam numa passarela sem balaustrada, acima de oito andares de vazio, envol
vidos por uma neblina impenetrável.
Ajoelhem-se! Devagar! disse Hoover. Fiquem de quatro!...
Foi assim que voltaram lentamente, tateando as bordas da passarela, a sala redon
da, e depois para o exterior da esfera. Emergiram um a um, trazendo com eles far
rapos e êcharpes de poeira. O poço de ouro fumegava.
Dois escafandristas presos por cordas desceram para procurar o corpo de Higgins
. Um pastor celebrou um serviço fúnebre numa igreja debaixo do gelo. Uma cruz de
luz abria-se para o céu, recortada na abóbada translúcida.
Depois o corpo de Higgins fez a longa e silenciosa viagem de volta à Cidade do C
abo, sua terra natal.
A imprensa deleitou-se: "A esfera maldita ataca de novo", "O túmulo do Pólo Sul
matará mais sábios do que o de Tutankhamon?" No restaurante do EPI-2, os jornais
acabavam de chegar pelo último avião, e passavam de mão em mão. Leonova olhava
com desprezo um hebdomadário inglês cujo título era o seguinte: "Que fantasma as
sassino toma conta da esfera de ouro?"
A imprensa capitalista delira comentou.
Hoover, sentado diante dela, espalhava um quarto de litro de creme sobre o seu p
rato de milho.
Sabemos bem que os marxistas não acreditam no sobrenatural respondeu ele mas esp
ere até que o fantasma venha lhe fazer cócegas na sola dos pés, de noite...
Engoliu sem mastigar mais uma colherada de milho, e prosseguiu:
Houve alguma coisa que empurrou Higgins através da parede, não?
Foi sua barriga que o empurrou!... Você não tem vergonha de transportar tamanho
horror diante de si? Ela não é somente inútil, mas também perigosa!
Ele bateu carinhosamente na sua pança.
Toda a minha inteligência está aqui. Quando eu emagreço me torno triste e tão bo
bo quanto qualquer outra pessoa... Estou desolado por Higgins... Não gostaria de
morrer como ele, sem ver a continuação...
Haviam introduzido no interior da esfera um enorme tubo de ar que a aspirava há
uma semana.
O ar lançado para a superfície era recebido dentro de sacos e a poeira recolhida
era enviada para os laboratórios que, no mundo inteiro, trabalhavam para a expe
dição.
Quando os sacos não recolheram mais nada, a primeira equipe penetrou novamente n
a esfera. Havia projetores assentados em todas as direções, na atmosfera interio
r que havia se tornado transparente. Sua luminosidade refletida, quebrada, difun
dida em todas as partes pelo mesmo metal, inundava com reflexo de ouro uma arqui
tetura abstrata e fantástica.
No desmoronamento do muro fechado, tudo que era composto da mesma liga da pared
e externa havia subsistido. Assoalhos sem muro, escadas sem rampas, rampas que n
ão levavam a lugar nenhum, porta se abrindo sobre o vazio, peças fechadas suspen
sas, ligadas umas às outras, sustentadas, escoradas por vigas abertas ou arcos b
astante frágeis, compunham um esqueleto de ouro leve, incrivelmente belo.
Quase no centro da esfera, uma coluna a atravessava verticalmente de lado a lado
. Era ela, ou continha a perfuratriz. Aos seus pés, apoiada contra ela, ou talve
z ligada a ela, erguia-se uma construção de mais ou menos nove metros de altura,
hermeticamente fechada, em forma de ovo, com a ponta para cima.
Encontramos o grão, eis aqui o gérmen murmurou Leonova.
Uma escada, cujos degraus de ouro pareciam se manter no ar sozinhos, partia do l
ugar da porta na parede da esfera, atravessava o ar como um sonho de arquiteto e
terminava no ovo, a três quartos da sua altura. Logicamente nesse lugar deveria
se encontrar a abertura.
De assoalho em passarela e em escada, por caminhos aéreos, os exploradores desce
ram em direção ao ovo. E aí encontraram a porta no lugar onde esperavam encontrá
-la. Era de forma ovóide, mais larga para baixo. Estava bem fechada e não aprese
ntava nenhum dispositivo de abertura. Embora não fosse soldada, resistiu a todas
as pressões. Simon, como um moleque, tirou um canivete do bolso e tentou introd
uzir a lâmina na abertura quase invisível. A lâmina escorregou sem penetrar. A f
echadura era de um hermetismo total. Hoover pegou seu martelo de cobre e bateu.
Assim como na parede da esfera, o som era oco.
Fizeram descer Brivaux com seu registrador. A linha de ultra-sons inscreveu-se s
obre o papel.
O sinal vinha do interior do ovo.
Na Sala de Conferências, sábios e jornalistas seguiam sobre as telas o trabalho
das equipes no interior da esfera. Os carpinteiros do dever instalavam passarela
s escoravam escadas.Hoover e Lanson, assistidos por eletricistas, se ocupavam co
m a porta do ovo. Leonova e Simon acabavam de atingir com uma escada uma sala de
ouro suspensa no vácuo.
A atmosfera estava clara. Ninguém mais usava máscara. Com mil precauções Leonova
empurrou a porta metálica da sala redonda, que se abriu lentamente Leonova entr
ou e afastou-se para deixar passar Simon. Ambos se viraram para o interior da sa
la e olharam.
A sala não estava iluminada senão pelos reflexos que deixava entrar a porta entr
eaberta. Nessa penumbra de ouro encontravam-se seis seres humanos. Dois estavam
de pé e os olhavam entrar. O da direita num gesto móvel os convidava a sentar so
bre uma espécie de banco horizontal cujo suporte não se percebia. O da esquerda
abriu os braços como se fosse dar um abraço cordial.
Todos dois estavam vestidos de uma pesada e larga capa vermelha que caía até o s
olo e escondia-lhes os pés.
Um pequeno boné vermelho lhes cobria a cabeça. Cabelos lisos, castanho num e lou
ro no outro, caíam até a altura dos seus ombros.
Atrás deles, dois homens quase nus sentados face a face sobre um móvel branco en
trelaçavam os dedos da. mão esquerda e erguiam a direita com o dedo indicador es
ticado. Talvez fosse um jogo.
Leonova pegou seu aparelho fotográfico e apertou a claridade dupla do raio laser
. Toda a cena foi violentamente iluminada durante um milésimo de segundo.
Simon teve tempo de vislumbrar mais dois personagens, mas a imagem apagou-se, na
sua retina. E a cena apagou-se ao mesmo tempo. Como se o choque da claridade ti
vesse sido muito violento para eles, as roupas, depois as substâncias dos person
agens se desprenderam e resvalaram transformando-se em poeira, descobrindo uma s
érie de motores e de bolsos metálicos. Depois esses esqueletos por sua vez se de
smancharam lentamente. Em poucos segundos não restou do grupo, na poeira que sub
ia, senão alguns arabescos de fios de ouro, sustentando, aqui e ali, uma plaquet
a, um círculo, uma espiral suspensos...
Leonova e Simon se apressaram a sair e a fechar a porta da peça sobre a nuvem de
poeira que a enchia. Estavam frustrados como quando a gente acorda no meio de u
m sonho e sabe que nunca mais o verá.
De pé sobre a porta do ovo, Hoover dava informações sobre os trabalhos da sua eq
uipe. Na sala de Conferências, os jornalistas olhavam para a grande tela e tomav
am notas.
Conseguimos perfurar disse Hoover. Eis aqui o buraco... Seu polegar gordo pousou
sobre a porta, perto de um orifício negro no qual se ajustava perfeitamente.
Não houve nenhum movimento de ar, nem numa direção nem na outra. O equilíbrio das
pressões externa e interna não pode ser obra de um acaso. Nalgum lugar deve exi
stir um dispositivo que conhece a pressão externa e age sobre a pressão interna.
Onde está ele? Como funciona? Vocês gostariam de saber? Eu também...
Rochefoux falou no microfone da mesa do conselho.
Qual é a espessura da porta?
Cento e noventa e dois milímetros de camadas alternadas de metal e de uma outra
matéria que parece ser um isolante térmico. Há pelo menos umas cinqüenta camadas
, um verdadeiro folheado! Vamos medir a temperatura interior.
Um técnico introduziu no orifício um longo tubo metálico, que terminava, no lado
exterior, por um quadrante. Hoover deu uma olhada neste último, bruscamente ass
umiu um ar interessado e não despregou mais seus olhos.
Pois bem, crianças! Está descendo!... está descendo!... Ainda... mais... estamos
a menos 80 graus, 100... menos 120...
Deixou de enumerar os números e pôs-se a assobiar espantado. A máquina tradutora
assobiou dentro de dezessete ouvidos...
Menos 180 graus centígrados! disse a imagem de Hoover em primeiro plano. É quase
a temperatura do ar líquido!
Louis Deville, representante da Europress, que fumava um charuto longo e fino, d
isse com seu belo sotaque meridional:
Puxa! é um frigorífico! Vamos encontrar aí petit-pois congelado! Hoover continua
va:
Estamos tentando introduzir um gancho de aço no buraco e puxar para cima, a fim
de abrir a porta. Mas com o frio que faz lá dentro, o gancho vai se quebrar como
um fósforo. É preciso encontrar uma outra maneira...
Esta outra maneira foram três ventosas pneumáticas, grandes como um prato, aplic
adas sobre a porta, ligadas a um macaco-trator fixado a uma armação de ferro arm
ada em torno do ovo. Uma bomba sugava o ar das ventosas até quase o vácuo, com u
ma pressão capaz de levantar uma locomotiva.
Hoover começou a fazer girar o volante do macaco.
Na Sala de Conferência, um jornalista inglês perguntou a Rochefoux:
O senhor não tem medo de que aí dentro haja um dispositivo de destruição?
Não havia nada atrás da porta da esfera. Nós só soubemos disto depois que estáva
mos lá dentro. Portanto não há razão para que haja um aqui.
O comitê estava todo reunido diante da tela, de onde se podia ver, bem melhor do
que no próprio local, o que se passava lá embaixo. A sala estava cheia e agitad
a. Mesmo aqueles que tinham outras coisas para fazer fora dali, vinham olhar rap
idamente como iam correndo os trabalhos e depois partiam para suas obrigações.
Sozinha, Leonova, muito impaciente para ficar olhando de longe, havia acompanhad
o Hoover e seus técnicos. Simon estava perto deles, com duas enfermeiras, pronto
a intervir em caso de acidente.
Sobre a tela, a imagem de Hoover virou a cabeça em direção dos seus colegas do c
omitê.
Já dei vinte voltas ao volante disse ele. Isso representa 10 milímetros de traçã
o. A porta não mexeu nada. Se eu prossigo, ela vai se deformar os se arrebentar.
Continuo?
As ventosas não correm o risco de cair? perguntou Ionescu, físico romeno.
Era mais fácil elas arrancarem o Pólo Sul.
É necessário que essa porta seja aberta de uma maneira ou de outra - disse Roche
foux.
Virou-se para os membros do Conselho.
O que é que vocês pensam? Votamos?
É preciso continuar disse Shanga, levantando a mão. Todas as mãos se levantaram,
Rochefoux falou à imagem.
Continue, Joe disse ele.
O.K. disse Hoover.
Com suas duas mãos retomou o volante do macaco.
Na cabina de tevê, Lanson ligou a antena emissora. Atrás de um compartimento de
vidro à prova de som, um jornalista alemão comentava. Na tribuna da imprensa, Lo
uis Deville levantou-se:
Posso fazer uma pergunta ao Sr. Hoover? solicitou.
Aproxime-se disse Rochefoux.
Deville subiu ao pódio e inclinou-se para o microfone direto.
Sr. Hoover, o senhor me ouve?Hoover assentiu com um gesto de cabeça.
Bem prosseguiu Deville o senhor fez um buraco no gelo, encontrou um grão. Fez um
buraco no grão, encontrou um ovo. Hoje o que é que o senhor pensa que vai encont
rar?
Hoover virou-se e apresentou um sorriso encantador no seu rosto gordo.
Nuts! disse, empregando gíria americana.
A máquina tradutora, depois de um milésimo de segundo de hesitação traduziu nos
microfones franceses como:
Nozes.
Não se deve pedir demais a um cérebro eletrônico... Para exprimir corretamente a
idéia o cérebro do homem traduziria o termo por "bolas".
Deville voltou para seu lugar esfregando as mãos. Ele tinha uma boa notícia para
esta tarde, mesmo se...
Atenção! disse Hoover creio que chegamos... Bruscamente houve no emissor um baru
lho semelhante ao de algumas toneladas de veludo sendo rasgadas. Na parte de bai
xo da porta apareceu uma fresta escura.
Ela abre por baixo! disse Hoover. Descolem a número 1 e a número 2. Rápido!
As duas ventosas superiores cheias de ar caíram no fim das suas correntes Só fic
aram as da parte de baixo. Hoover virava o volante a toda pressa. Houve um arpej
o lancinante como se todas as cordas de um piano se arrebentassem uma após as ou
tras. Depois a porta não resistiu mais.
Ao cabo de alguns minutos as suas bordas cederam. Leonova e Simon vestiram macac
ões de astronautas, os únicos capazes de proteger contra o frio que reinava no o
vo. Tinham sido trazidos a jato da Estação Rockefeller, a base americana de part
ida para a Lua. Esperavam os dos russos e dos europeus. Mas no momento só havia
esses dois. Hoover teve que renunciar a se meter dentro de um deles. Pela primei
ra vez, depois de ter passado dos cem quilos, lamentava o seu volume. Colocou lu
vas de amianto, introduziu sua mão pela fresta, por baixo do último degrau da es
cada, e puxou a porta, que se ergueu como uma tampa.

Entrei. E te vi.
E fui logo tomado pela vontade louca, mortal, de afastar, de destruir todos aque
les que lá, atrás de mim, na esfera, sobre o gelo, diante de suas telas no mundo
inteiro, esperavam saber e ver. E que iam te ver, como eu te via.
Entretanto, eu queria também que eles te vissem. Queria que o mundo inteiro soub
esse como eras maravilhosa e incrivelmente bela.
Mostrar-te ao universo no tempo de um relâmpago, depois de encerrar-me contigo,
sozinho, e olhar-te durante a eternidade.

Uma luz azulada vinha do interior do ovo. Simon entrou primeiro e, por causa des
ta claridade, não acendeu sua lanterna. A escada prosseguia no interior e pareci
a acabar no azul. Seus últimos degraus se recortavam em silhuetas negras, e para
vam mais ou menos na metade da altura do ovo. Mais abaixo, um grande anel metáli
co horizontal estava suspenso no vazio. Era aquilo que emitia a breve claridade,
ou melhor, essa luminescência suficiente para iluminar à sua volta uma quantida
de de aparelhos cujas formas eram estranhas, desconhecidas. Hastes e fios se lig
avam entre si e todos estavam de uma certa maneira virados para o anel, como se
para receber alguma coisa.
O grande anel azul estava suspenso no ar sustentado por nada, em contato com coi
sa alguma. Todo o resto estava rigorosamente em ordem. Ele girava, mas era tão l
iso o seu movimento, tão perfeitamente realizado em torno de si mesmo, que Simon
o adivinhou mais que o viu, e não pôde ter certeza se girava muito lentamente o
u a uma velocidade considerável.
Do exterior, Lanson que tinha descido da Sala de Conferências para supervisionar
as câmaras, acendeu um projetor. Seus mil watts sorveram a luminescência azul,
fizeram desaparecer a mecânica fantasmagórica, revelaram em seu lugar uma laje t
ransparente que, agora, refletia a claridade viva e não deixava mais distinguir
o que havia embaixo dela.
Simon continuava em pé na escada, cinco degraus abaixo do solo transparente te,
e Leonova dois degraus abaixo dele. Juntos pararam de olhar o chão a seus pés, e
rgueram a cabeça e viram o que havia diante deles.
O pico do ovo se constituía de uma sala em cúpula. Sobre o solo, diante da escad
a, duas bases de ouro de forma alongada. Sobre cada uma dessas bases repousava u
m bloco de matéria transparente, semelhante ao gelo, extremamente clara. Em cada
um desses blocos se encontrava deitado um ser humano, com os pés em direção à p
orta.
Uma mulher à esquerda. A direita, um homem. Não havia nenhuma dúvida pois eles e
stavam nus. O sexo do homem estava ereto, como um avião ao decolar. Sua mão esqu
erda fechada repousava sobre o peito. A mão direita estava erguida obliquamente
e o dedo indicador em riste. As pernas da mulher estavam juntas. Suas mãos abert
as descansavam uma sobre a outra, logo abaixo do busto. Seus seios eram a própri
a imagem da perfeição. As curvas de suas ancas eram como as de uma duna que o ve
nto tivesse levado um século para moldar com suas carícias. Suas coxas eram redo
ndas e longas, um desenho perfeito. O ninho discreto do sexo era coberto de pêlo
s dourados curtos e crespos. Dos ombros aos pés, semelhantes a flores, seu corpo
era uma harmonia em que cada nota, milagrosamente justa, se encontrava em compl
eto acordo com o conjunto.
Não se via o seu rosto. O do homem estava coberto, até o queixo, por um capacete
de ouro, com traços estilizados, de uma beleza grave.
A matéria transparente que os envolvia, tanto a um como a outro, era tão fria qu
e o ar, ao seu contato, tornava-se líquido e escorria, franjando os dois blocos
de uma renda que dançava, se despegava, caía e se evaporava antes de tocar no ch
ão.
Estendidos nesses cofres de claridade movediça, estavam pela sua própria nudez r
evestidos de um esplendor de inocência. Suas peles lisas como uma pedra polida t
inham uma cor clara, indefinida.
Embora fosse menos perfeito que o da mulher, o corpo do homem dava a mesma impre
ssão de uma extraordinária juventude nunca dantes vista. Não era a mocidade de u
m homem e de uma mulher, mas a da espécie. Estes dois seres eram novos, conserva
dos intactos desde a infância humana.
Simon, lentamente, estendeu a mão para a frente. Entre todos os homens que naque
le momento olhavam nas suas telas a imagem dessa mulher, que viam esses meigos o
mbros perfeitos, esses braços redondos encerrando numa cesta os frutos ligeiros
dos seios, e a curva dessas ancas onde corria a beleza total da criação, quantos
não desejaram impedir sua mão de se estender para pousar ali?
E entre as mulheres que olhavam este homem, quantas não foram queimadas pelo des
ejo irrealizável de se deitar sobre ele, de nele se plantar e de nele morrer?
Houve no mundo inteiro um instante de estupor e de silêncio. Mesmo os velhos e a
s crianças se calaram. Depois as imagens do ponto 612 se apagaram, e a vida norm
al recomeçou um pouco mais irritada, um pouco mais amarga. A humanidade, através
de um pouco mais de barulho, esforçava-se para esquecer o que vinha de compreen
der olhando aqueles dois que jaziam no Pólo: a que ponto ela era antiga, cansada
, mesmo nos seus mais belos adolescentes.
Leonova fechou os olhos e sacudiu a cabeça dentro do seu capacete. Quando ergueu
as pálpebras, não olhava mais na direção do homem. Desceu, empurrou Simon com s
eu joelho. Tirou da sua sacola um pequeno instrumento, deu alguns passos, e colo
cou-o em contato com o bloco que continha a mulher. Ela olhou
O quadrante e disse numa voz neutra ao seu microfone:
Temperatura na superfície do bloco: menos 272 graus centígrados.
Houve entre os sábios reunidos na Sala de Conferências murmúrios de espanto. Era
quase o zero absoluto.
Louis Deville, esquecendo o microfone, levantou-se para gritar sua pergunta:
Pode perguntar ao Dr. Simon, enquanto os olha, falando como médico, se acredita
que eles estejam vivos?
Não fiquem na proximidade dos blocos disse a voz traduzida de Hoover nos aparelh
os de escuta de Simon e de Leonova. Recuem! Mais!
As roupas que vocês usam não foram feitas para um frio igual a este!...
Recuaram para a parte debaixo da escada. Simon recebeu a pergunta de Deville. Es
ta pergunta, ele fazia a si mesmo, há alguns momentos, com angústia.
Primeiro ele não tinha tido dúvida nenhuma: esta mulher estava viva, não podia e
star senão viva... Mas era um desejo, não uma convicção. E agora procurava razõe
s objetivas para acreditar ou duvidar. Informou no seu microfone, falando princi
palmente para si mesmo.
Estavam vivos quando o frio os atingiu. O estado do homem comprova isto.
Estendeu seu braço forrado em direção ao sexo oblíquo do homem.
Um fenômeno que já havia sido constatado em certos enforcados. Prova uma congest
ão brutal de fluxo sangüíneo, em direção à parte inferior do corpo. Daí vem a le
nda da Mandrágora, aquela raiz mágica, de forma humana, que nascia sob os patíbu
los na terra que tinha sido inundada pelo esperma dos
enforcados. Pode ser que uma congestão análoga tenha se produzido no processo de
um resfriamento rápido. Ela não pode ser produzida senão num corpo
ainda com vida. Mas é possível que num instante mais tarde a morte tenha se dado
. E mesmo se esses dois seres estavam num estado de vida que tinha sido parado,
mas de vida possível depois da sua congelação, como podemos a saber em que estad
o eles estarão hoje, novecentos mil anos depois da sua congelação?
O emissor da Sala de Conferências, que transmitia diretamente a voz de S
imon, traiu nessas últimas palavras a angústia do jovem médico, e calou-se.
O físico japonês, Hoi-To, sentado à mesa do Conselho, fez notar o seguinte:
É preciso saber a que temperatura eles se encontram. Nossa civilização nunca con
seguiu obter o zero absoluto. Mas parece que essas pessoas dispunham de uma técn
ica superior. Eles chegaram lá... Esse zero absoluto é a imobilidade total das m
oléculas. Quer dizer que nenhuma outra modificação química e possível. Nenhuma t
ransformação mesmo infinitesimal... Ora, a morte é uma transformação. Se no cent
ro desses blocos reina o frio absoluto* este homem e esta mulher se encontram ex
atamente no mesmo estado que estavam no momento em que aí foram mergulhados. E p
oderiam ficar assim durante a eternidade.
Há uma maneira bem simples de saber se estão mortos ou vivos - disse a voz de Si
mon no emissor. E como médico, creio que é nosso dever: é preciso tentar reanimá
-los...

A emoção no mundo foi considerável. Os jornais gritavam em letras enormes colori


das: "Acordem-nos!" Ou então: "Deixem-nos dormir!"
Segundo a opinião de uns, havia o dever imperioso de tentar chamá-los à vida. Ou
tros opinavam que não se tinha absolutamente o direito de perturbar a paz daquel
es que lá repousavam a um tempo inacreditável.
A pedido do delegado do Panamá, a Assembléia das Nações Unidas foi convocada par
a deliberar.

Novos macacões espaciais tinham chegado ao 612 mas nenhum era do tamanho de Hoov
er. Ele teve que mandar fazer um sob medida. Esperando sua chegada, ele assistia
, impotente e furioso, do alto da escada de ouro, aos trabalhos de seus colegas,
que se locomoviam no ovo com imperícia, as pernas abertas e os braços duros. A
umidade da esfera penetrava no ovo e se condensava logo numa neblina composta de
flocos imperceptíveis. Uma geada tinha se formado sobre toda a superfície inter
na do muro e uma coberta de neve pulverizada, imóvel como a poeira, cobria o chã
o.
Apesar dos seus macacões, os homens que desciam no ovo podiam ficar aí durante u
m tempo muito curto, o que tornava difícil a continuação das pesquisas. Tinham p
odido analisar a matéria transparente que envolvia os que 1á jaziam. Era hélio s
ólido, isto é, um corpo que os físicos nunca tinham conseguido obter, e sobre o
qual pensavam até mesmo que, teoricamente, ele não podia existir.
* Isto é, 273,15 graus centígrados abaixo de zero.
O nevoeiro gelado que enchia o ovo tirava era parte o homem e a mulher nus da vi
sta das equipes que trabalhavam a seus lados. Eles pareciam se esconder atrás de
ssa tumba, tomar de novo suas distâncias, se afastar no fundo dos tempos, longe
dos homens que tinham querido encontrá-los. Mas o mundo não os esquecia.
Os paleontólogos esbravejavam. O que haviam encontrado no Pólo não podia ser ver
dade. Ou então os laboratórios que haviam feito as medidas das datas tinham se e
nganado.
Tinham examinado a lama fundida das ruínas, os restos de ouro e a poeira da esfe
ra. Através de todos os métodos conhecidos tinham determinado a sua antigüidade.
Mais de cem laboratórios de todos os continentes tinham feito cada um mais de c
em medidas, chegando a mais de dez mil resultados concordantes que confirmavam o
s 900 mil anos aproximativos de antigüidade da descoberta subglacial.
Esta unanimidade não incluía a convicção dos paleontólogos, pois estes gritavam
que era uma fraude, um erro, uma distorção da verdade. Para eles, não havia dúvi
da: menos de 900 mil anos, era mais ou menos o começo do pleistoceno. Nesta époc
a, tudo o que podia existir de espécie de homens, era a australopiteca, ou seja,
uma espécie de primata minável junto do qual um chimpanzé teria feito a figura
de um ilustre civilizado.
Estas instalações e esses indivíduos que haviam sido encontrados sob o gelo, ou
bem eram falsas, ou bem mais recentes, ou então vinham de outro lugar. Aquilo nã
o podia ser verdade. Era impossível!
Respostas dos transeuntes interrogados à saída do metrô, em Saint-Germain-en-Lay
e:
O repórter da tevê O senhor acha que é verdade ou não o que foi encontrado?
Um senhor bem vestido O que é que não é verdade?
O repórter da tevê Aquele negócio lá, embaixo do gelo, lá, no Pólo...
O senhor Oh! sabe, eu... só vendo!...
O repórter da tevê E a senhora, madame?
Uma velhinha maravilhada Eles são lindos! Eles são tão lindos! É claro que são v
erdadeiros!
Um senhor magro, moreno, sentindo frio, irritado, apossou-se do microfon
e Eu,
acho o seguinte: Por que os sábios querem sempre que os nossos ancestrais sejam
medonhos? Cro-Magnon e seus companheiros, gênero orangotango? Os bisões que vimo
s nas grutas de Altamira e de Lascaux eram mais lindos que a vaca normanda, não
é mesmo? E por que nós também não? Na ONU, a Assembléia desinteressou-se subitam
ente dos dois seres cuja sorte havia motivado sua convocação. O delegado do Paqu
istão acabara de subir à tribuna e fizera uma declaração sensacional.
Os técnicos do seu país tinham calculado qual deveria ser a quantidade de ouro c
onstituída pela esfera, seu pedestal e suas instalações internas. Tinham chegado
a uma cifra fantástica. Havia, lá embaixo do gelo, perto de duzentas mil tonela
das de ouro! Significava uma soma de ouro maior do que a contida em todas as res
ervas nacionais, em todos os bancos particulares e em todos os haveres individua
is e clandestinos! Mais que todo o ouro do mundo!
Por que haviam escondido esta verdade da opinião? Que preparavam as grandes potê
ncias? Será que tinham feito um acordo para dividir entre si esta riqueza fabulo
sa como já dividiam todas as outras? Esse volume de ouro era o fim da miséria pa
ra a metade da humanidade que sofria ainda de fome e que tinha necessidade de tu
do. As nações pobres, as nações esfomeadas exigiam que esse ouro fosse tirado, d
ividido, repartido entre elas proporcionalmente ao número da sua população.
Os negros, os amarelos, os verdes, os cinzentos e alguns brancos juntaram-se e a
plaudiram freneticamente o paquistanês. As nações pobres formavam na ONU uma gra
nde maioria que a habilidade e direito de veto das grandes potências controlava
com uma dificuldade sempre crescente.
O delegado dos Estados Unidos pediu e obteve a palavra.
Era um homem alto e magro que com um ar cansado carregava a hereditariedade de u
ma das famílias mais distintas e antigas de Massachusetts.
Numa voz sem paixões, um pouco velada, declarou que compreendia a emoção do seu
colega, que os técnicos dos Estados Unidos tinham chegado às mesmas conclusões q
ue aqueles do Paquistão, e que ele se apressava justamente a fazer uma declaraçã
o a esse respeito.
Mas, acrescentou, outros técnicos examinando as amostras do ouro do Pólo, tinham
chegado a uma outra conclusão: este ouro não era um ouro natural, era um metal
sintético, fabricado por um processo do qual eles não podiam fazer a menor idéia
. Os físicos atômicos, esclareceram, fabricam um ouro artificial, através da tra
nsmutação dos átomos. Mas somente em pequena quantidade e a um preço que o torna
va proibitivo.
O verdadeiro tesouro escondido sob o gelo, não era que tal ou qual quantidade de
ouro fosse considerável mas sim os conhecimentos encerrados no cérebro daquele
homem ou daquela mulher, ou talvez dos dois. Quer dizer, não somente o segredo d
a fabricação do ouro, do zero absoluto, do moto perpétuo, mas sem dúvida uma qua
ntidade de outras coisas ainda bem mais importantes.
O que encontramos no ponto 612 prosseguiu o orador na verdade permite supor que
uma civilização muito adiantada, sentindo-se ameaçada por um cataclismo que amea
çava destruí-la inteiramente, colocou num abrigo, com luxo de precauções que tal
vez tenham esgotado todas as suas riquezas, um homem e uma mulher suscetíveis de
fazer renascer a vida depois da passagem do flagelo. Não é lógico pensar que es
te casal tenha sido escolhido unicamente por suas qualidades físicas. Um ou outr
o, ou os dois, devem possuir bastante ciência para fazer renascer uma civilizaçã
o equivalente àquela da qual eles faziam parte. É esta ciência que o mundo de ho
je deve sonhar em dividir, antes de qualquer outra coisa. É por isso que é preci
so que se reanimem aqueles que a possuem e dar-lhes um lugar entre nós.
Se eles ainda estiverem vivos disse o delegado chinês.
O delegado americano fez um gesto ligeiro com a mão esquerda e esboçou um sorris
o que revelava certo desprezo:
É claro...
Olhou toda a Assembléia com ar ausente e aborrecido e prosseguiu:
A Universidade de Columbia está perfeitamente equipada em matéria de sábios e ap
arelhos para realizar essa reanimação. Os Estados Unidos se propõem então, com o
vosso acordo, ir buscar no ponto 612 o homem e a mulher dentro dos seus blocos
de gelo, transportá-los com todas as precauções necessárias e no menor tempo pos
sível, até os laboratórios de Columbia. Lá então, serão despertados do longo son
o e acolhidos em nome de toda a humanidade.
O delegado russo levantou-se sorridente e disse que não duvidava da boa vontade
americana, nem da competência dos seus sábios. Mas a URSS possuía igualmente, em
Akademgorodok, os técnicos, os teóricos e aparelhagem necessários. Ela podia, t
ambém, encarregar-se da operação de reanimação. Mas não se tratava nesse momento
capital do futuro da humanidade de fazer a grande pesquisa científica e de disp
utar um jogo que pertencia a todos os povos do mundo. A URSS propunha então divi
dir o casal, ela se encarregaria de um dos dois indivíduos e os Estados Unidos s
e ocupariam do outro.
O delegado paquistanês explodiu. O complô das grandes potências estourava à luz
do dia! Desde o primeiro momento elas tinham decidido atribuir a si mesmas o tes
ouro do 612, fosse um tesouro monetário, ou um tesouro científico. E, dividindo
entre elas o segredo do passado, dividiam a supremacia do futuro, como já possuí
am a do presente. As nações que adquirissem o monopólio dos conhecimentos submer
sos sob o ponto 612, possuiriam um domínio total e absoluto do mundo. Nenhum out
ro país poderia jamais esperar se subtrair à sua hegemonia. As nações pobres dev
eriam se opor com todas as suas forças à realização desse abominável ensejo, nem
que para isso os dois seres vindos do passado tivessem que ficar para sempre de
ntro da sua carapaça de hélio!
O delegado francês que tinha ido telefonar a seu Governo, pediu, por sua vez, a
palavra. Fez pacificamente notar que o ponto 612 encontrava-se no interior de um
a fatia do continente antártico atribuído à França, isto é, em território francê
s. E, daí, tudo o que pudesse vir a ser descoberto era propriedade francesa...
Formou-se uma enorme confusão. Delegados de grandes e pequenas nações encontrava
m-se desta vez de acordo para protestar, ironizar, ou simplesmente fazer uma car
a divertida segundo o seu grau de civilização.
O delegado francês sorriu e fez um gesto pacificador. Quando a calma voltou, dec
larou que a França, diante do interesse universal da descoberta, renunciava aos
seus direitos nacionais, e mesmo aos direitos de "inventor", e depunha tudo o qu
e tinha sido encontrado e tudo o que ainda poderia ser encontrado no ponto 612 s
obre o altar das Nações Unidas.
Agora eram aplausos polidos que o seu gesto se esforçava para fazer cessar. Mas.
.. mas sem comungar dos temores do Paquistão, a França pensava que era necessári
o tudo fazer para impedi-los de se tornarem justificados, por menores que fossem
. Não havia senão a Columbia e a Akademgorodok que tinham equipes de reanimação.
Podiam se encontrar especialistas eminentes na Iugoslávia, na Holanda, nas Índi
as, sem falar da Universidade Árabe e da equipe muito competente do Dr. Lebeau,
do Hospital de Vaugirard, em Paris.
A França não afastava as equipes russas e americanas. Pedia somente que a escolh
a fosse feita pela Assembléia inteira e sancionada por um voto...
O delegado americano riu-se logo dessa proposta. Para deixar às candidaturas com
petentes o tempo de se manifestar, pediu que transferissem o debate para o dia s
eguinte, o que foi decidido. Os regateios e as negociatas secretas iam começar i
mediatamente.
Por uma vez, a tevê funcionou em sentido contrário. O satélite Trio, de alto do
éter, enviou para a antena do EPI-1 as imagens da ONU. Na sala de Conferências,
os sábios que não tinham se ocupado de suas missões mais urgentes tinham seguido
os debates em companhia dos jornalistas. Quando tudo terminou, Hoover, com um g
esto do seu polegar, apagou a grande tela e olhou seus colegas fazendo uma caret
a.
Creio disse ele que nós também teremos que deliberar. Pediu aos jornalistas que
tivessem a fineza de se retirar, e lançou pelos aparelhos emissores um apelo ger
al a todos os sábios, técnicos, operários e trabalhadores da Expedição para uma
reunião imediata.
No dia seguinte, no momento em que se abria a reunião da Assembléia da ONU, um c
omunicado proveniente do ponto 612 foi entregue ao presidente. O seu texto difun
dido para o mundo inteiro através de todos os meios de informação era o seguinte
:
Os membros da Expedição Polar Internacional decidiram por unanimidade o que se s
egue:
1.º Negam a toda nação, seja ela rica ou pobre, o direito de reivindicar para us
o lucrativo, o menor fragmento de ouro da esfera e de seus acessórios.
2.º Sugerem, se isso pode ser útil à Humanidade, que uma moeda internacional sej
a criada e afiançada por este ouro, à condição que ele fique onde está, consider
ando que ele não será nem mais útil nem mais "congelado" sob um quilômetro de ge
lo do que nos cofres dos bancos nacionais.
3.º Não reconhecem a competência da ONU, organismo político, no que concerne à d
ecisão, de ordem médica e científica, de tomar a si a responsabilidade do casal
em hibernação.
4.º Não confiarão esse casal a nenhuma nação em particular.
5.º Colocarão à disposição da humanidade inteira o conjunto de informações cient
íficas ou de qualquer outra ordem que possam ser recolhidos pela Expedição.
6.º Convidam Forster, de Columbia, Moissov, de Akademgoro- dok, Zabrec, de Belgr
ado, Van Houcke, de Haia, Haman, de Beirute, e Lebeau, de Paris, a se reunir com
eles, no ponto 612, com urgência, trazendo todo o material necessário para proc
eder à reanimação.
O manifesto foi como uma ducha fria nas discussões da ONU. Os vidros do palácio
tremeram até o último andar. O delegado do Paquistão estigmatizou, em nome das c
rianças que morreriam de fome, o orgulho dos sábios que queriam colocar-se acima
da humanidade e com isso se distanciavam daquele problema, Falou de "ditadura d
e cérebros", declarou que tudo era inadmissível e pediu sanções.
Depois de um debate apaixonado, a Assembléia votou o envio imediato de uma força
militar representativa ao ponto 612 para tomar posse, em nome das nações, de tu
do o que ali se encontrava.
Duas horas mais tarde, a antena do EPI-1 pedia e obtinha um corredor internacion
al. Todos os postos particulares e nacionais interromperam suas emissões para da
rem lugar às imagens vindas do Pólo. Foi o rosto de Hoover que apareceu. O rosto
de um homem gordo, sempre pronto a sorrir, fosse qual fosse a emoção que ele te
ntasse exprimir. Mas a gravidade do seu olhar era ta1 que fez esquecer suas face
s rosadas e gordas e seus cabelos vermelhos mal penteados. Hoover iniciou:
Estamos chocados. Chocados porém decididos.
Virou-se para a direita e para a esquerda e fez um sinal. A câmara recuou para p
ermitir aos que se aproximavam de surgirem na imagem. Era Leonova, Rochefoux, Sh
anga, Lao Tchang. Vieram se colocar ao lado de Hoover, dando-lhe a caução de sua
s presenças. Atrás deles a luz dos projetores revelava os rostos dos sábios de t
odas as nacionalidades que há meses se batiam contra o gelo para lhe arrancar se
u segredo. Hoover recomeçou:
- Vocês vêem, estamos todos aqui. E todos decididos. Jamais permitiremos as manc
omunações privadas, nacionais ou internacionais, não deixaremos que ponham a mão
sobre bens do qual depende talvez a felicidade dos homens de hoje e de amanhã.
De todos os homens, e não somente de alguns e de tais ou quais categorias.
Passou a mão na testa, deu um pigarro e continuou:
Não temos confiança na ONU. Não temos confiança em sua representação militar. Se
soldados desembarcarem no 612, deixaremos cair a pilha atômica dentro do poço e
o faremos explodir!...
Ficou imóvel durante um instante, silencioso, para dar tempo aos ouvintes de dig
erirem a enormidade da decisão tomada. Depois a sua imagem apagou-se e surgiu a
de Leonova.
O seu queixo tremia. Ela abriu a boca e não conseguiu falar. A mão gorda de Hoov
er apoiou-se sobre o seu ombro. Leonova fechou os olhos, respirou fundo, e encon
trou um pouco de calma.
Nós queremos trabalhar aqui para todos os homens disse ela. Ê fácil nos impedir.
Não dispomos de um parafuso ou de uma migalha de pão que não seja enviado por u
ma ou outra nação. Basta nos cortar a remessa de víveres. Ou simplesmente usarem
de má vontade. Nosso sucesso, até o momento, foi o resultado de um esforço conc
entrado e desinteressado das nações. É preciso que esse esforço continue com a m
esma intensidade. Vocês podem obter, vocês que nos escutam. Não é aos governos,
nem aos políticos que eu me dirijo. É aos homens, às mulheres, aos povos, a todo
s os povos. Escrevam aos vossos governos, aos chefes de Estado, aos ministros, a
os sovietes. Escrevam imediatamente, escrevam todos! Vocês ainda podem salvar tu
do!
Ela transpirava. A câmara mostrou-a mais de perto. Via-se o suor banhar o seu ro
sto. Uma mão entrou na imagem, alcançando-lhe um lenço de papel cor de ouro. Ela
o pegou e apalpou sobre a testa e sobre os lados do nariz. Prosseguiu:
Se temos que renunciar, não abandonaremos, seja aquém for, as possibilidades de
conhecimentos, que, mal empregados, poderiam acarretar para o mundo uma infelici
dade irreparável. Se nos obrigam a partir, não deixaremos nada atrás de nós.
Virou-se e passou o lenço nos olhos. Ela chorava.
Em quase todos os lugares onde a televisão era um monopólio do Estado a transmis
são do apelo dos sábios tinha sido cortada antes do fim. Mas durante doze horas,
a antena de EPI-1 continuava a bombardear o satélite Trio com as imagens de Hoo
ver e de Leonova. E Trio, objeto científico perfeitamente desligado de opinião,
as transmitiu durante doze horas a seus gêmeos e seus primos que circulavam no g
lobo todo. Quase dois terços dentre eles emitiam com grande potência para serem
captados diretamente em receptores particulares. Cada vez que as imagens recomeç
avam, a máquina traduzia as palavras em uma língua diferente. E no fim apareciam
os dois seres do passado, na sua beleza e na sua imobilidade total, tal como as
telas os haviam mostrado a primeira vez.
A emissão se superpunha aos programas previstos, embaralhava tudo, e acabava por
passar por trechos diferentes e por ser compreendida por aqueles que queriam co
mpreender.
Durante o meio dia que se seguiu, todos os serviços de rádio foram brutalmente c
ontrolados. Nas menores cidades de Auvergne ou Béloutchistan, as caixas de corre
io transbordavam. Desde os primeiros centros de reagrupamento das malas postais,
as salas de recepção estavam cheias até o teto. No escalão acima, era a submers
ão total. Os poderes públicos e as companhias privadas negaram-se a transportar
este correio mais longe. Não era necessário lê-lo Sua abundância era sem signifi
cado. Pela primeira vez, os povos manifestavam, acima de suas línguas, suas fron
teiras, suas diferenças e suas divisões, uma vontade comum. Nenhum governo podia
ir contra sentimento de tamanha amplidão. Novas instruções foram dadas aos dele
gados da ONU.
Uma moção foi votada em meio ao entusiasmo e à unanimidade, anulando o envio da
tropa, e exprimindo a confiança das nações nos sábios do EPI para conduzir ao be
m... etc, para o maior bem... etc, a fraternidade dos povos... etc, do presente
e do passado, ponto final.
Os reanimadores aos quais o comunicado dos sábios havia feito um apelo tinham ch
egado com suas equipes e seu material.
Sob a orientação de Lebeau, os técnicos e operários construíram uma sala de rean
imação no interior da esfera, acima do ovo.
Um problema grave apresentou-se aos responsáveis: por quem começar? Pe1o homem o
u pela mulher?
O primeiro a ser reanimado, forçosamente teria que correr riscos. O segundo, ao
contrário, se beneficiaria da experiência. Era preciso começar pelo menos precio
so. Mas qual era ele?
Para o árabe, não havia dúvida. O único que contava era o homem. Para o american
o, era em torno da mulher que deveriam tomar a mais respeitosa das precauções, e
até mesmo arriscar por ela a vida do homem. O holandês não tinha opinião; o iug
oslavo e o francês, embora evitassem opinar, a tendência deles era para o lado m
asculino.
Meus caros colegas disse Lebeau no curso de uma das reuniões vocês sabem tão bem
quanto eu, que os cérebros masculinos são superiores em volume e peso aos céreb
ros femininos. Se é o cérebro que nos interessa, parece-me então que é o homem q
ue nós devemos reservar para a segunda intervenção.
Mas pessoalmente acrescentou ele sorrindo depois de ter visto a mulher, teria fa
cilmente uma tendência maior em pensar que uma tal beleza tem mais importância q
ue o saber, por maior que ele seja...
Não há razão disse Moissov para que tratemos um antes do outro. Os direitos são
iguais. Proponho que formemos duas equipes e que operemos ao mesmo tempo sobre o
s dois.
Era generoso, porém impossível. Não havia bastante espaço, nem bastante material
. E os conhecimentos dos dez sábios não seriam demais, juntando-os todos, para f
azer a luz nos momentos difíceis. Quanto ao raciocínio de Lebeau, ele era válido
para os cérebros de hoje. Mais quem podia afirmar que na época de onde tinham v
indo estes dois seres a diferença de peso e de volume existia? E se existia, que
m sabe, naquele momento, ela não seria ao contrário a favor dos cérebros feminin
os? As máscaras de ouro que escondiam as duas cabeças não permitiam mesmo fazer
uma comparação aproximativa do seu volume, e, por dedução, dos seus conteúdos...
O holandês Van Houcke era especialista notável em hibernação de focas. Mantinha
uma congelada há doze anos. Aquecia-a, despertava-a todo ano, na entrada da prim
avera. Fazia com que ela se regalasse com alguns arenques, e depois que ela os h
avia digerido, ele a recongelava.
Mas, afora essa especialidade, era um homem muito esperto. Confiou aos jornalist
as as dúvidas dos seus colegas, e pediu-lhes conselho.
Pelo Trio, os jornalistas encantados expuseram a situação à opinião mundial e fi
zeram uma pergunta: "Por quem se deve começar? Pelo homem ou pela mulher?".
Hoover havia finalmente recebido o seu macacão. Vestiu-o e desceu no ovo. Desapa
receu no nevoeiro. Quando voltou, pediu ao conselho para se reunir com os reanim
adores.
É preciso se decidir disse ele. Os blocos de hélio estão diminuindo. O mecanismo
que transmitia o frio continua a funcionar, mas nossa intrusão no ovo tirou-lhe
uma parte de sua eficiência. Se vocês permitirem, vou dar a minha opinião. Aca
bo de ver de perto o homem e a mulher... Meu Deus, como ela é bela!... Mas não é
esta a questão. Ela pareceu-me estar em melhor estado do que ele. Ele apresenta
no peito e em diversos lugares do corpo, pequenas alterações de cor na pele, qu
e talvez sejam sinais de lesões epidérmicas superficiais. Ou talvez não sejam na
da, eu não sei. Mas creio digo francamente que creio, é uma impressão, não uma c
onvicção que ela é mais forte que ele, mais capaz de suportar os vossos pequenos
erros, se é que vocês o farão. Vocês são médicos, olhem-nos de novo, examinem o
homem pensando no que eu acabo de dizer, e decidam. Na minha opinião, é pela mu
lher que se deve começar.
Eles nem desceram no ovo. Era preciso começar por qualquer um. Basearam-se na op
inião de Hoover.
Assim, enquanto que a opinião se apaixonava, que a metade masculina e a metade f
eminina da humanidade investiam uma contra a outra, que as disputas estouravam e
m todas as famílias, entre todos os casais, entre os colegiais e estudantes que
se entregavam às discussões ferozes, os seis reanimadores decidiram começar pela
mulher.
Como poderiam saber que cometeriam um erro trágico se tivessem escolhido começar
pelo homem?
A mangueira de ar foi dirigida para o bloco da esquerda, e começou a lançar ar n
a temperatura da superfície, que era de menos 32 graus. O bloco de hélio desmanc
hou-se em alguns instantes. Passou diretamente do estado sólido ao estado gasoso
e desapareceu, deixando a mulher intacta dentro do seu caixão. Os quatro homens
de macacão que a olhavam estremeceram. Parecia-lhes que agora, toda nua dentro
deste caixão de metal, envolvida pelo turbilhão de bruma gelada, ela deveria sen
tir frio mortal. Todavia, ela estava sensivelmente mais aquecida.
Simon estava entre os quatro. Lebeau lhe havia pedido, em virtude dos seus conhe
cimentos de problemas polares, e de tudo o que ele já sabia da esfera, de ovo e
do casal, para que se juntasse à equipe de reanimação.
Ele deu a volta no caixão. Segurava sem jeito, numa das suas luvas de astronauta
, um grande par de pinças cortantes. A um sinal de Lebeau inclinou-se, e cortou
o canudo metálico que ligava a máscara de ouro à parte de trás do caixão. Lebeau
, com uma delicadeza infinita, tentou erguer a máscara, mas não o conseguiu. Par
ecia estar soldada na cabeça da mulher, embora fosse visivelmente separada por u
m espaço de pelo menos um centímetro.
Lebeau endireitou-se, fez um sinal de renúncia, e dirigiu-se para a escada de ou
ro. Os outros o seguiram.
Eles não podiam ficar lá muito tempo. O frio entrava por dentro de suas vestes p
rotetoras. E não podiam levar a mulher pois, na temperatura em que ela ainda est
ava, arriscavam-se a quebrá-la como a um vidro.
A mangueira de ar, teleguiada da sala de reanimação, continuava passeando lentam
ente ao redor dela, banhando-a com uma corrente de ar com uma temperatura aproxi
mada de 20 graus.
Algumas horas mais tarde os quatro desceram novamente. Sincronizando seus movime
ntos, escorregaram suas mãos enluvadas por baixo da mulher congelada e a separar
am do caixão. Lebeau tinha medo de que ela ficasse colada ao metal pelo gelo. Ma
s isso não aconteceu e as oito mãos a ergueram, rija como uma estátua, e a carre
garam acima dos ombros. Depois os quatro homens começaram a andar lentamente, co
m um medo enorme de dar um passo em falso. A neve pulverulenta batia-lhe nas per
nas e afastava-se diante deles como a água. Grotescos dentro dos seus macacões c
om capuz, meio apagados pela
bruma eles tinham um ar de personagem de pesadelo, levando para outro mundo a mu
lher que o atormentava em sonhos. Subiram a escadaria de ouro e saíram pelo bura
co luminoso da porta. A mangueira de ar foi retirada e o bloco transparente onde
o homem permaneceu, que havia diminuído bastante no decorrer da operação, parou
de se reduzir.
Os quatro entraram na sala de operação e depositaram a mulher sobre a mesa de re
animação. Daquele momento em diante nada mais podia parar o desenvolvimento fata
l dos acontecimentos.
Na superfície, a entrada do poço tinha sido cercada por uma construção de enorme
s blocos de gelo que o seu próprio peso ligava uns aos outros. Pesada porta sobr
e trilhos fechava o acesso. No interior se encontravam as instalações de foles,
o relais da tevê, do telefone, da máquina tradutora, da corrente de força e luz,
os motores dos elevadores, dos monta-cargas e suas estações de saída, baterias,
e acumuladores de socorro a eletrólise seca.
Diante das portas dos elevadores, Rochefoux enfrentava uma multidão de jornalist
as. Ele havia fechado as portas e colocado as chaves no bolso. Os jornalistas pr
otestavam violentamente, em todas as línguas. Queriam ver a mulher, assistir ao
seu despertar. Rochefoux, sorrindo, declarou-lhes que isto não era possível. A p
arte o pessoal da equipe médica, ninguém, nem ele mesmo, seria admitido na sala
de operações.
Conseguiu acalmá-los prometendo-lhes que veriam tudo pela televisão interna, na
grande tela da Sala das Conferências.
Simon e os seis reanimadores, vestidos de blusas verde-claras com chapéus e masc
aras de cirurgião, botas de algodão branco, luvas de látex rosa, rodeavam a mesa
de reanimação. Uma coberta aquecedora envolvia a mulher até a altura o queixo.
A máscara de ouro continuava cobrindo o seu rosto. Pelas frestas a coberta saíam
fios multicores que se ligavam a aparelhos de medida, correias, eletrodos, vent
osa, apalpadores aplicados em diferentes lugares do seu corpo gelado.
Nove técnicos, vestidos de blusas amarelas, mascarados como os cirurgiões, não t
iravam os olhos dos quadrantes dos aparelhos. Quatro enfermeiras e três enfermei
ros de azul ficavam próximos de cada médico, prontos a obedecer imediatamente.
Lebeau, reconhecível por causa de suas enormes sobrancelhas grisalhas, inclinou-
se em direção à mesa, e, mais uma vez, tentou arrancar a máscara. A proteção se
mexeu, mas parecia esta presa por uma espécie de haste central.
Temperatura? perguntou Lebeau. Um homem amarelo respondeu:
Fole. Cinco positivos. Uma mulher azul estendeu a extremidade de um tubo macio,
que Lebeau introduziu entre a máscara e o queixo.
Pressão cem gramas, temperatura quinze.
Um homem amarelo virou dois pequenos volantes e repetiu os números.
Mande ordenou Lebeau.
Um assobio fraquinho fez-se ouvir. O ar a quinze graus correu entre a máscara e
o rosto da moça. Lebeau endireitou-se e olhou para os seus colegas. Seu olhar es
tava sério, no limite da ansiedade. Uma mulher de azul, com uma compressa de gaz
e, enxugou-lhe as têmporas onde o suor escorria.
Experimente falou Forster.
Alguns minutos disse Lebeau. Atenção à parte de cima... De cima! Foram minutos i
ntermináveis. Os vinte e três homens e mulheres presentes na sala esperavam, em
pé. Eles ouviam seus corações martelando dentro do peito e sentiam o peso dos se
us corpos enrijecer os músculos de suas pernas como uma pedra. A câmara n° 1 vir
ada para a máscara de ouro enviava a imagem gigantesca sobre a grande tela. Um s
ilêncio total reinava na Sala de Conferências, mais uma vez cheia até o limite.
O difusor fazia ouvir as respirações agitadas por trás das máscaras de algodão,
e o longo sopro de ar sob a máscara de ouro.
Quanto tempo? perguntou Lebeau.
Três minutos e dezessete segundos disse um homem amarelo.
Vou experimentar disse Lebeau.
Inclinou-se de novo para a mulher, introduziu a ponta dos seus dedos sob a másca
ra e apoiou suavemente a ponta do queixo, que cedeu com lentidão. A boca da mulh
er que não se podia ver, deveria estar aberta. Lebeau pegou a máscara com as dua
s mãos e, mais uma vez, muito lentamente, tentou erguê-la. Não houve mais resist
ência...
Lebeau suspirou e sob as grossas sobrancelhas seus olhos sorriram. Com o mesmo m
ovimento, sem pressa, ele continuou a levantar a máscara.
Era exatamente o que pensávamos: máscara de ar ou de oxigênio. Ela estava com um
a ponteira na boca...
Ergueu totalmente a máscara e tirou-a. Efetivamente, no lugar da boca encontrava
-se uma saliência orlada de uma borda, de matéria translúcida que parecia elásti
ca.
Vejam! disse a seus colegas, mostrando-lhes o interior da máscara. Mas ninguém o
lhou. Todos admiravam o rosto da mulher.

Primeiro vi a tua boca entreaberta. À tua boca entreaberta, o recorte quase tran
sparente dos dentes delicados que apareciam em cima e embaixo, ultrapassando ape
nas a borda dos teus lábios pálidos. Comecei a tremer. Via demais dessas bocas e
ntreabertas no hospital, as bocas dos corpos que a seiva da vida acabara de aban
donar, deixando de um só golpe todas as células, e que, bruscamente, não são mai
s do que carne vazia, exposta à gravidade.
Porém Moissov colocou sua mão em concha sob teu queixo, carinhosamente fechou tu
a boca, esperou um segundo, e retirou a mão. E tua boca ficou fechada...
Sua boca fechada nacarada pelo frio e pelo sangue retirado era como o debrum de
uma concha frágil. Suas pálpebras eram duas longas folhas sobre as quais os cíli
os e as sobrancelhas desenhavam o contorno sombreado de dourado. Seu nariz era p
equeno, bem feito, suas narinas ligeiramente acesas e bem desenhadas. Seus cabel
os de um castanho quente, como batidos por uma luz de ouro, rodeavam sua cabeça
com pequenas ondas de raios de sol e escondiam parte da testa e das faces. Das o
relhas apareciam somente o lóbulo da esquerda, como uma pétala engastada num bri
nco.
Houve um grande suspiro, por parte do homem, ao microfone o qual a máquina tradu
tora não soube reproduzir. Haman inclinou-se, afastou os cabelos da mulher e com
eçou a instalar os eletrodos do encefalógrafo.
Na cave do Hotel Internacional de Londres à prova de bomba A, mas não da bomba H
; de desmoronamentos, mas não de um golpe direto bastante sólido para dar segura
nça a uma clientela rica que exigia esta segurança ao lado do conforto suficient
emente e visivelmente blindada para inspirar confiança, mas não para assegurar p
roteção ninguém, nada poderia proteger nada nem ninguém -, a cave do Internacion
al de Londres, por sua arquitetura, sua calefação e sua betonagem, reunia as con
dições ideais para se transformar num shaker.
Era assim que se chamavam as salas, cada vez maiores, onde se reuniam rapazes e
moças de todas as classes, para aí se entregar em comum a danças frenéticas. Pre
ssionados por seus instintos dirigidos para uma nova concepção de vida, os joven
s se encerravam ali, sacudidos por pulsações sonoras e perdiam os últimos vestíg
ios de preconceitos e de convenções que ainda lhes acossavam. A cave do Internac
ional de Londres era o mais vasto shaker da Europa. E também um dos mais quentes
.
Seis mil rapazes e moças. Uma só orquestra, porém doze alto-falantes iônicos sem
membrana que faziam vibrar o ar da cave como o interior de um sax-tenor. E mais
Yuni, o brasa de Londres, dezesseis anos, cabelos raspados, óculos de fundo de
garrafa, um olho vesgo, o outro esbugalhado, yuni que convencera a administraçã
o do hotel a lhe alugar a cave. Nenhuma nota musical chegava aos ouvidos dos hós
pedes que ocupavam os andares. Às vezes, alguns desciam para "balançar o esquele
to" e subiam maravilhados e apavorados pelo espetáculo dessa juventude em estado
primitivo e efervescente.
Yuni, diante de um teclado, na cadeira de alumínio presa ao muro acima da orques
tra, uma orelha escondida por um enorme aparelho de escuta em feitio de couve-fl
or, escutava todas as orquestras e, quando encontrava uma música quente, ligava-
a nos alto-falantes mais próximos. De olhos fechados, ele escutava. Num ouvido o
barulho enorme da cave, no outro, três medidas, duas medidas, vinte medidas col
hidas no inatingível. Em intervalos, sem abrir o olho, soltava um grito agudo e
longo, que ressoava acima do barulho do fundo. De repente arregalou os olhos, co
rtou o som e gritou:
Ouçam! Ouçam!
A orquestra calou-se. Seis mil corpos suados ficaram repentinamente no silêncio
e na imobilidade. Enquanto que por trás do estupor a consciência começava a rena
scer neles, Yuni continuava:
Notícia sobre a moça congelada!
Assobios, xingamentos. Bolas! Se dane! Vá lá você esquentá-la! Que é que eu tenh
o com isso! Yuni gritou:
Cambada de ratos! Escutem!
Ligou para a BBC. Nos doze alto-falantes soou a voz do speaker de serviço. Ela e
ncheu o ar da cave com uma vibração forte e bem marcada:
Difundimos pela segunda vez o documento que nos chegou do ponto 612. Isto consti
tui certamente a mais importante notícia do dia...
Pigarros. Silêncio. O céu penetrou na cave com o ruído indizível da multidão que
caminha pela noite cósmica: o barulho das estrelas. Depois a voz de Hoover. Com
o se estivesse ofegante. Talvez estivesse com asma. Ou o coração envolvido por u
ma grande emoção.
Aqui é EPI. Ponto 612. Hoover falando. Estou feliz... muito feliz... de vos ler
o comunicado seguinte chegado da sala de operações: "O processo de reanimação pr
ossegue normalmente. Hoje, 17 de novembro, às 14h52m, hora local, o coração da j
ovem mulher recomeçou a bater..."
A cave explodiu num grito. Yuni, visivelmente contrariado, berrou mais forte:
Calem a boca! Vocês são uns burros! Vocês não têm alma! Escutem! Obedeceram. Obe
deciam tanto à voz como à música. Contanto que esta fosse mais forte. Feito silê
ncio, ouviu-se de novo a voz de Hoover:
As primeiras batidas do coração dessa mulher foram registradas. O órgão não bati
a há mais de novecentos mil anos. Escutem... Desta vez, verdadeiramente, todos s
e calaram. Yuni fechou os olhos, o rosto iluminado. Ouvia a mesma coisa nos seus
dois ouvidos. Escutava:
Silêncio.
Uma batida surda: bum... Uma só.
Silêncio... silêncio... silêncio... Bum...
Silêncio... silêncio... Bum... Silêncio... Bum... bum... Silêncio...
Bum... bum... bum... bum, bum, bum...
O bateria da orquestra respondeu, suavemente, em contraponto, com o pé na caixa.
Depois acrescentou a ponta dos dedos. Yuni superpôs a orquestra e as ondas. O c
ontrabaixo uniu-se à bateria e ao coração. O clarinete gritou uma longa nota, de
pois terminou numa improvisação alegre. Os seis violões elétricos e os dois viol
ões de aço desandaram a tocar. O baterista batia por sua vez em todas as peles..
. Yuni gritou como um minarete:
Ela está acordada! Bum! Bum! Bum! Os seis mil cantavam:
Ela está acordada!... Ela está acordada!...
Seis mil cantavam, dançavam, no ritmo do coração que acabava de renascer. Assim
nasceu o wake, a dança do despertar... Aqueles que queriam dançar, dancem. Aquel
es que podem acordar, acordem.
Não, ela não estava acordada. Suas longas pálpebras ainda estavam abaixadas sobr
e o sono interminável. Mas seu coração batia com uma potência tranqüila, seus pu
lmões respiravam calmamente, sua temperatura subia pouco a pouco em direção à vi
da.
Atenção: disse Lebeau, inclinado sobre o encefalograma. Pulsações irregulares...
Ela sonha!
Ela sonhava! Um sonho que a havia acompanhado, enroscado, gelado dentro de algum
a parte da sua cabeça, e agora aquecido vinha a florescer. Florescer em que espa
ntosas imagens? Azuis ou negras? Sonho ou pesadelo? As pulsações do coração subi
ram bruscamente de 30 para 45, a pressão sangüínea atingiu o limite, a respiraçã
o acelerou-se e tornou-se regular, a temperatura subiu para 36 graus.
Atenção! exclamou Lebeau. Pulsações do pré-despertar. Ela vai acordar! Ela acord
a! Tirem o oxigênio!
Simon ergueu o inalador e estendeu-o para a enfermeira. As pálpebras da moça tre
meram. Uma pequena sombra de dúvida apareceu na parte de baixo das suas pálpebra
s.
Nós vamos lhe meter medo! disse Simon.
Arrancou a máscara de cirurgião que lhe cobria a parte inferior do rosto. Todos
os médicos o imitaram.
Lentamente, as pálpebras se ergueram, os olhos apareceram, incrivelmente grandes
. O branco era muito claro, muito puro. A íris larga, um pouco eclipsada pela pá
lpebra superior, era de um azul de céu em noite de verão, semeado de lantejoulas
de ouro.
Seus olhos estavam fixos no teto, que certamente não viam. Depois piscaram vezes
seguidas, suas sobrancelhas se ergueram, seus olhos mexeram, olharam e viram. V
iram primeiro Simon, depois Moissov, Lebeau, os enfermeiros, todo mundo. Uma exp
ressão de espanto invadiu seu rosto de mulher. Tentou falar, abriu a boca, mas n
ão chegou a ter o comando dos músculos da língua nem da garganta. Emitiu uma esp
écie de estertor. Fez um esforço enorme para erguer um pouco a cabeça e olhar tu
do. Ela não compreendia onde estava, tinha medo, e ninguém podia fazer nada para
dar-lhe confiança. Moissov sorriu-lhe. Simon tremia de emoção. Lebeau começou a
falar muito carinhosamente. Recitou dois versos de Racine, as palavras mais har
moniosas que alguma língua já pôde reunir:
Ariane, minha irmã, de que amor ferida...
Era a canção do verbo perfeito e acariciante. Mas a mulher não escutava. Via-se
que o horror a dominava. Mais uma vez ela tentou falar, sem conseguir. Seu queix
o começou a tremer. Ela fechou os olhos e deixou a cabeça cair para trás.
Oxigênio! ordenou Lebeau. E o coração?
Normal! Cinqüenta e dois... disse um homem amarelo.
Desmaiou... observou Van Houcke. Nós lhe metemos um medo enorme... O que ela esp
erava encontrar?
Bem, é como se você fizesse sua filha dormir e ela acordasse no meio de um bando
de feiticeiros... disse Forster.
Os médicos decidiram aproveitar do seu desmaio para carregá-la para a superfície
, onde uma sala mais confortável a esperava na enfermaria. Ela foi introduzida n
uma espécie de caixa plástica transparente, com a parede dupla isolante, aliment
ada por uma bomba de ar. Quatro homens carregaram-na ate o elevador. Todos os fo
tógrafos da imprensa deixaram a sala do Conselho para se precipitar ao seu encon
tro. Os jornalistas estavam já nas cabinas de rádio, a telefonar para o mundo in
teiro sobre aquilo que eles haviam visto e que não haviam visto. A grande tela m
ostrava os homens amarelos retirando suas máscaras do rosto e se desembaraçando
dos seus aparelhos. Lanson apagou a imagem da sala de trabalho e substituiu-a pe
la que enviava a câmara de controle do interior do ovo.
Leonova levantou-se bruscamente:
Olhe! disse ela apontando seu dedo em direção à tela. Sr. Lanson, focalize sobre
o pedestal da esquerda.
A imagem do pedestal com o caixão vazio apareceu, cresceu e fez-se ver atrás de
um ligeiro véu de bruma. Repararam então que faltava um dos seus lados. Toda uma
parede vertical havia se afundado no solo, aparecendo uma espécie de estante co
m prateleiras metálicas sobre as quais estavam colocados objetos de formas desco
nhecidas.
Quando a mulher deixou a sala de operação, os objetos achados na prateleira a su
bstituíam sobre a mesa de reanimação. Voltavam a sua temperatura normal. Constit
uíam, de certa maneira, a "bagagem" da viajante adormecida.
Agora não eram mais os médicos que rodeavam a mesa, eram os sábios, s mais susce
tíveis, por sua especialidade, de compreender o uso, e o funcionamento desses ob
jetos.
Leonova pegou com toda a precaução alguma coisa que parecia ser uma roupa dobrad
a e a desdobrou. Era algo que não era papel nem fazenda, de cor alaranjada, com
desenhos amarelos e vermelhos. O frio absoluto o havia guardado num estado de co
nservação perfeita. Era leve, fino e parecia sólido, avia vários, de cores, form
as e dimensões diferentes. Sem nenhuma manga, em abertura de espécie alguma, nem
botões, nem fechos, nem nada, nenhuma maneira de os colocar ou de fixá-los.
Foram pesados, medidos, numerados, fotografados, e tiraram-lhes amostras microsc
ópicas para análises. Depois passaram ao objeto seguinte.
Era um cubo com os cantos arredondados, com 22 centímetros de aresta. Comportava
, grudado numa de suas faces, um tubo oco e disposto em posição diagonal. O todo
era compacto, feito de uma matéria sólida e leve, de um cinza muito claro. O fí
sico Hoi-To segurou-o na mão, olhou-o longamente e olhou os outros objetos.
Havia uma caixa sem tampa que continha varinhas octogonais de cores diferentes.
Pegou uma e introduziu-a no tubo oco colado ao cubo. Logo, uma luz nasceu dentro
do objeto e iluminou-o suavemente.
E o objeto suspirou... Hoi-To teve um pequeno sorriso. Suas mãos delicadas botar
am o cubo de volta sobre a mesa branca.
Agora o objeto falava. Uma voz feminina falava em voz baixa, numa língua desconh
ecida. Nasceu uma música, semelhante ao sopro de um vento ligeiro numa floresta
povoada de pássaros e de harpas eólias. E sobre a face superior do cubo, como pr
ojetada do interior, uma imagem surgiu: o rosto da moça A imagem do pedestal com
o caixão vazio apareceu, cresceu e fez-se ver r trás de um ligeiro véu de bruma
. Repararam então que faltava um dos seus lados. Toda uma parede vertical havia
se afundado no solo, aparecendo uma espécie de estante com prateleiras metálicas
sobre as quais estavam colocados objetos de formas desconhecidas
que falava. Parecia com aquele que tinham encontrado dentro do ovo. Mas não era
ela. Sorriu e apagou-se, substituída por uma flor estranha, que por sua vez derr
eteu-se numa cor movediça. A voz da mulher continuava. Não era uma canção, não e
ra uma poesia, era ao mesmo tempo um e outro, era coisa simples e natural como o
barulho de um riacho ou de chuva. E todas as faces do cubo se iluminavam simult
aneamente, mostrando uma mão, uma flor, um sexo, um pássaro, um seio, um rosto,
um objeto que mudava de forma e de cor, uma forma sem objeto, uma cor sem forma.
Todos olhavam e escutavam, interessados. Era o desconhecido, o inesperado, e os
tocava profundamente, como se esse conjunto de imagens e de sons tivesse sido co
mposto especialmente para cada um, segundo suas aspirações mais secretas e profu
ndas, ultrapassando todas as convenções e barreiras.
Hoover sacudiu a cabeça, pigarreou e tossiu.
Que transistor mais gozado disse ele. Desligue esse troço. Hoi-To retirou a vari
nha do tubo. O tubo apagou-se e silenciou.
No quarto da enfermaria, aquecido a 30 graus, a mulher, nua, jazia estendida sob
re um leito estreito.
Elétrodos, placas, pulseiras fixadas nos seus pulsos, nas suas têmporas, em seus
pés, nos seus braços, ligavam-na por meio de espirais e de ziguezagues aos fios
dos aparelhos de observação.
Duas enfermeiras massageavam os músculos de suas coxas. Um massagista friccionav
a os músculos dos seus maxilares. Uma outra enfermeira passava sobre o seu pesco
ço um aparelho de infravermelho. Van Houcke apalpava-lhe suavemente a parede do
ventre. Os médicos, as enfermeiras, os técnicos, transpiravam na atmosfera super
aquecida, irritados com esse desmaio que se prolongava. Trocavam olhares, espera
vam, davam sua opinião em voz baixa. Simon olhava a mulher, olhava aqueles que a
cercavam, que a tocavam. Apertou os punhos e os maxilares.
Seus músculos respondem disse Van Houcke. Diríamos que ela está consciente...
Moissov veio para a cabeceira do leito, inclinou-se sobre a moça, ergueu uma pál
pebra, depois a outra...
Ela está consciente! disse ele. Ela fecha os olhos voluntariamente... não está m
ais nem desmaiada nem adormecida...
Por que então ela fecha os olhos? perguntou Forster. Simon explodiu:
Porque ela está com medo! Se queremos parar de lhe meter medo, é preciso parar d
e tratá-la como um animal de laboratório!
Fez um gesto brusco em direção às cinco pessoas reunidas ao redor do leito.
Saiam daí! Deixem-na tranqüila! Van Houcke protestou. Lebeau interveio:
Ele talvez tenha razão... Estudou psicoterapia durante dois anos com Pèrier... T
alvez esteja mais capacitado que nós; vamos! Tirem tudo isso daí...
Moissov no mesmo momento retirou os Elétrodos do encefalograma. As enfermeiras d
esembaraçaram o corpo estendido de todos os outros fios que partiam dele como de
uma teia de aranha. Simon pegou um lençol que estava enrolado nos pés da cama e
ergueu-o delicadamente até os ombros da moça, deixando os seus braços de fora.
Ela usava no dedo maior um grande anel de ouro que tinha a forma de uma pirâmide
truncada. Simon pegou a outra mão entre as suas, a mão esquerda, a mão nua, e a
segurou como se segura um passarinho perdido ao qual se queira infundir confian
ça.
Lebeau, sem barulho, fez sair as enfermeiras e os técnicos. Trouxe uma cadeira p
ara perto de Simon, recuou até a parede e fez sinal aos outros médicos para que
o imitassem.
Van Houcke sacudiu os ombros e saiu.
Simon sentou-se, deixou sobre o leito suas mãos que seguravam sempre a da mulher
, e começou a falar. Muito carinhosamente, quase cochichando. Muito docemente, m
uito ardentemente, muito calmamente, como a uma criança doente que necessita de
carinho durante os pesadelos da febre.
Nós somos amigos... disse ele. Você não compreende o que eu lhe digo, mas você
ompreende que eu lhe falo como um amigo... somos amigos... Você pode abrir os ol
hos... você pode olhar nossos rostos... nós queremos o seu bem... tudo vai bem..
. Você vai ver... você pode acordar... nós somos seus amigos... queremos fazê-la
feliz... nós a amamos...
Ela abriu os olhos e olhou-o.

Lá embaixo tinham examinado, pesado, medido, fotografado diversos objetos cujo u


so não havia sido compreendido. Era agora a vez de uma espécie de luva de três d
edos. O polegar, o indicador e um buraco maior para o dedo grande, anular e o mí
nimo juntos. Hoover ergueu o objeto.
Luva para a mão esquerda disse ele, apresentando à objetiva da câmara registrado
ra.
Procurou com os olhos a luva da mão direita. Não a via.
Retificação acrescentou em tom brincalhão. Luva para um mane-ia!...
Colocou sua mão esquerda no interior da luva, e quis dobrar os dedos. O indicado
r permaneceu duro, tirou o polegar, os três outros dedos solidários dobraram-se
em direção à palma. Houve um choque abafado, luminoso e sonoro, e um berro. O ro
meno Ionescu, que trabalhava diante de Hoover, voava no ar os braços abertos, as
pernas retorcidas, como projetado por uma força enorme e foi estatelar-se contr
a os aparelhos, despedaçando-os.
Hoover, estupefato, ergueu sua mão para olhá-la. Com um estrondo enorme a parte
superior da parede que estava diante dele e a metade do teto ficaram pulverizado
s.
Ele teve então o reflexo certo. Pouco antes de fazer saltar o resto do teto e su
a própria cabeça: desdobrou os dedos...
O ar deixou de ficar vermelho.
Bem... vejam só! disse Hoover. Segurava com o braço esticado, como se fosse um o
bjeto estranho e horrível, sua mão enluvada.
Ela tremia.
A weapon!... exclamou. A máquina traduziu em dezessete línguas;
Uma arma!...
Ela havia fechado os olhos, porém não mais para se esconder, mas sim por cansaço
. Parecia dominada por uma fadiga infinita:
Será preciso alimentá-la disse Lebeau. Mas como é que vamos saber o que eles com
iam?
Vocês todos já a viram bastante para saber que ela é mamífera! acrescentou Simo
n, furioso. Dêem-lhe leite.
De súbito Simon estacou. Todos prestaram atenção. Ela falava.
Seus lábios se moviam. Falava com uma voz muito fraca. Parava. Recomeçava. Adivi
nhavam que estivesse repetindo sempre a mesma frase. Abriu seus olhos azuis e pa
recia que o céu havia entrado no quarto. Olhou para Simon e repetiu a frase. Dia
nte da evidência de que não tinha a menor possibilidade de se fazer compreender,
ela fechou os olhos e calou-se.
Uma enfermeira trouxe uma tigela de leite quente. Simon pegou-a, e encostou cuid
adosamente seu calor nas costas da mão que repousava sobre o lençol. Ela olhou.
A enfermeira ergueu-lhe o busto e sustentou-a. Ela quis segurar a tigela, porém
os músculos delicados das suas mãos ainda não haviam readquirido as forças. Simo
n levantou a tigela para ela. Quando o odor lhe chegou às narinas, ela sobressal
tou-se, fez uma careta de nojo e recuou. Olhou à sua volta e repetiu a mesma fra
se antiga. Tentava visivelmente indicar alguma coisa...
É água! Ela quer água! disse Simon, percebendo, subitamente a evidência.
Era exatamente o que ela queria. Tomou um copo e mais a metade de um segundo.
Depois que se deitou novamente, Simon colocou a mão sobre o seu próprio peito e
disse carinhosamente o seu nome:
Simon...
Repetiu duas vezes a palavra e o gesto. Ela compreendeu. Olhando Simon, ergueu s
ua mão esquerda, colocou-a na sua própria testa e disse:
Eléa...
Sem parar de olhá-lo, ela recomeçou seu gesto e disse novamente:
Eléa...
Os homens que haviam ido buscar o corpo de Ionescu para o transportar tiveram a
impressão de pegar um invólucro de borracha cheio de areia e cascalho. Ele tinha
só um pouco de sangue nas narinas e nos cantos da boca, porém todos os seus oss
os estavam quebrados e o interior do seu corpo reduzido a farinha.
Já haviam se passado vários dias desde o acidente, mas Hoover ainda se surpreend
ia examinando furtivamente sua mão esquerda e a baixar os três dedos na direção
da palma, o indicador e o polegar esticados. Se ele se encontrava nas proximidad
es de uma garrafa de scotch, ou mesmo de qualquer brandy, apressava-se em buscar
nelas o conforto do qual tinha grande necessidade. Era preciso uma gigantesca f
orça de caráter para suportar a fatalidade que o havia tornado duas vezes, em al
gumas semanas, num assassino. Ele não tinha, bem entendido, até então morto ning
uém, não havia nem mesmo matado nada, nem um coelho na caça, nem um peixe na pes
ca, absolutamente nada.
A arma e os objetos ainda não examinados tinham sido recolocados, pruden- tement
e, na estante onde haviam sido encontrados. Os operários reconstruíam a sala de
reanimação e os técnicos consertavam o que podiam. Mas vários aparelhos estavam
inteiramente destruídos. Fizera-se necessário esperar que fossem substituídos pa
ra iniciarem as operações sobre o segundo ocupante do ovo.
Eléa esse era provavelmente o seu nome recusava todos os alimentos. Tentaram int
roduzir por intermédio de uma sonda, um pouco de caldo no seu estômago. Ela se d
ebateu tão violentamente que tiveram que amarrá-la. Mas não chegaram a conseguir
que ela abrisse os maxilares. Foi necessário fazer a sonda penetrar por uma nar
ina. Apenas o caldo penetrou no seu estômago, ela o vomitou.
Simon a princípio havia protestado contra estas violências. Depois se conformara
. O resultado convenceu-o de que ele tinha razão e de que este não era um método
certo. Enquanto os seus colegas chegavam à conclusão de que o sistema digestivo
da mulher do passado não era feito para digerir os alimentos do presente, e ana
lisavam o caldo rejeitado na esperança de neles encontrar ensinamentos sobre o s
eu suco gástrico, Simon repetia para si próprio a única pergunta que, na sua opi
nião, tinha valor:
Como, como comunicar?
Comunicar, escutá-la, compreendê-la, saber de que tinha ela necessidade. Como, c
omo fazê-lo?
Presa dentro de uma camisola, os braços e as coxas mantidos por correias, ela nã
o reagia mais. Imóvel, as pálpebras novamente fechadas sobre o imenso céu dos se
us olhos, ela parecia estar no auge do medo e da resignação. Uma agulha fina enf
iada na veia do seu braço direito injetava-lhe o soro alimentador contido numa a
mpola suspensa na cabeceira do leito. Simon olhava com raiva esse apetrecho bárb
aro, atroz, que era, no entanto, o único meio de prolongar momento em que ela ir
ia morrer de fome. Ele não suportava mais aquilo. Era necessário...
Saiu bruscamente do quarto, atravessou a enfermaria e penetrou num corredor de o
nze metros de largura e de trezentos metros de comprimento, que servia coluna ve
rtebral ao EPI-2.
Tinham-lhe dado o nome de Avenida Amundsen, em homenagem ao primeiro homem que t
inha estado no Pólo Sul. Primeiro, pelo menos ao que se supunha. Ruas pequenas e
portas de edifício se abriam à esquerda e à direita Algumas pequenas plataforma
s elétricas baixas, com pneus grossos amarelos serviam para transportar o materi
al, segundo a necessidade. Simon saltou nutria delas abandonada perto da porta d
a enfermaria, e se apoiou sobre a manivela, O veículo arrancou ronronando como u
m gato. Alcançando a superfície, Simon saltou sobre o gelo áspero e começou a co
rrer. A máquina tradutora estava quase na extremidade da avenida. A pilha atômic
a vinha a seguir, depois de uma curva de cento e vinte graus.
Entrou no complexo da tradutora, abriu seis portas antes de encontrar a certa, r
espondendo com um gesto irritado as perguntas feitas, parou finalmente numa peça
estreita cujo muro no fundo, um muro mais alto, era forrado de borracha, plásti
co e coberto de lã. Havia outro muro de vidro e um terceiro, de metal. Diante de
ste corriam um consolo de quadrantes, de mosaicos, botões, manivelas, visores, m
icrofones, botões para ligar instrumentos, cordões. Diante do consolo, uma cadei
ra com rodas e, sobre a cadeira, Lukos, o filólogo turco.
Era uma inteligência de gênio num corpo de estivador. Dava, mesmo sentado, a imp
ressão de uma força prodigiosa. A cadeira desaparecia sob a massa de músculos da
s suas nádegas. Ele parecia capaz de carregar nas costas um cavalo ou um boi, ou
quem sabe os dois ao mesmo tempo.
Fora ele que concebera o cérebro da máquina tradutora. Os americanos não tinham
acreditado, os europeus não tinham podido, os russos tinham desconfiado, e afina
l, os japoneses o tinham ajudado e fornecido todos os meios.
O exemplar do EPI-2 era o décimo segundo posto em serviço nos últimos três anos,
e o mais aperfeiçoado. Traduzia dezessete línguas, mas Lukos conhecia, ele próp
rio, dez vezes ou talvez vinte vezes mais. Possuía o gênio do poliglotismo assim
como Mozart tinha o gênio da música. Diante de uma língua nova, bastava-lhe um
documento, uma referência permitindo-lhe uma comparação, e algumas horas, para e
le, por deduções e analogias, começar a compreender sua estrutura e logo conside
rar o vocabulário como familiar. E no entanto ele emudecia diante do idioma de "
Eléa".
Dispunha de dois elementos de trabalho que lá estavam, colocados diante dele: o
cubo cantante, e um outro objeto que não era maior que um livro de bolso. Sobre
um dos lados do prato desenrolava-se uma fita luminosa coberta de linhas regular
es: cada linha era composta de uma série de sinais que pareciam constituir uma e
scrita. Imagens, visíveis em três dimensões, representando pessoas em ação, acab
avam de fazer este objeto análogo a um livro ilustrado.
E então? perguntou Simon.
Lukos sacudiu os ombros. Há dois dias que ele desenhava sobre a tela do registra
dor da tradutora grupos de sinais que pareciam não ter nenhuma relação uns com o
s outros. Esta linha estranha parecia ser composta de palavras completamente dif
erentes e que não se repetiam jamais.
Há qualquer coisa que me escapa resmungou ele. E a ela também. Bateu com sua mão
pesada no metal do consolo, depois escorregou uma varinha de madeira para dentr
o do cubo musical. Desta vez foi uma voz de homem que começou a falar, e o rosto
que apareceu era o de um homem imberbe, com dois olhos grandes azuis bem claros
, cabelos negros, caindo até os ombros.
A solução talvez esteja aí disse Lukos. A máquina gravou todas as varetas. São q
uarenta e sete. Cada uma comporta milhares de sons. A escrita tem mais de dez mi
l palavras diferentes. Se é que são palavras!... Quando eu acabar de fazê-la eng
olir tudo, será preciso que ela os compare um a um, e por grupos, a cada som e c
ada grupo de sons, até que encontre uma idéia geral, uma regra, um caminho, algu
ma coisa para ser seguida. Ajudarei, é claro, examinando suas hipóteses e propon
do-lhe outras. As imagens ajudarão a nós dois...
Dentro de quanto tempo você espera alcançar resultado perguntou Simon com ansied
ade.
Dentro de alguns dias... algumas semanas, isto depende.
Estará morta! gritou Simon. Ou então louca! É preciso conseguir depressa! Hoje!
Amanhã, dentro de algumas horas! Sacuda sua máquina! Mobili-ze toda a base! Há b
astantes técnicos aqui!
Lukos olhou como Menuhin teria olhado alguém que lhe pedisse para "sacudir" seu
Stradivarius para lhe fazer tocar "mais depressa" um prestíssimo de Paganini.
Minha máquina faz o que ela sabe fazer disse ele. Não é de técnicos que ela prec
isa. Isto ela tem o suficiente. O que ela precisa é de cérebros...
Cérebros? Mas não há um lugar no mundo onde você possa encontrar melhores do que
os que estão aqui! Vou pedir uma reunião imediata do Conselho. Você exporá o pro
blema...
São cérebros pequenos, senhor doutor, são cérebros pequenos de homens. Seria-lhes
necessário séculos de discussão antes de ficarem de acordo sobre a direção de u
ma vírgula... Quando digo cérebro, é no dela que eu penso. Mais uma vez acaricio
u a beira do consolo acrescentou:
No dela e no dos seus semelhantes.
Um novo SOS partiu da antena do EPI-1. Pedia a colaboração imediata.
As respostas chegaram rapidamente de todos os cantos. Todos os computadores disp
oníveis foram colocados a serviço de Lukos e de sua equipe. Mas aqueles que esta
vam disponíveis não eram evidentemente nem os maiores nem os melhores. Destes ob
tiveram promessas: quando tivessem um instante livre, entre dois programas, não
se poderia exigir mais do que isso. Fariam o impossível,diziam.
Simon fez entrar três câmaras no quarto de Eléa. Uma focalizava a agulha enfiada
no braço a fim de dar-lhe o soro, último recurso para salvar a mulher. A outra
sobre o rosto, filmando as faces que tinham se tornado encovadas. A terceira era
dirigida ao corpo desnudo, e tragicamente emagrecido.
Fez essas imagens serem enviadas pela antena do EPI-3, através do satélite Trio,
para todo o mundo. E falou:
Ela vai morrer. Vai morrer porque nós não a compreendemos. Morre de fome, e nós
a deixamos morrer porque não a compreendemos quando ela nos diz com o que poderí
amos nutri-la. Vai morrer porque aqueles que poderiam nos ajudar a entendê-la nã
o querem nos transferir um minuto do tempo dos seus- preciosos computadores, ocu
pados a comparar o preço do custo líquido de um cano de cabeça octogonal com o d
e um de cabeça hexagonal ou a calcular a melhor divisão dos pontos de venda de l
enços de papel, segundo o sexo, a idade e a cor dos habitantes! Olhem-na, olhem-
na bem, vocês não a verão mais, ela vai morrer... Nós, os homens de hoje, mobili
zamos uma potência enorme, e as maiores inteligências do nosso tempo, para ir bu
scá-la no seu sono no fundo do gelo, para depois matá-la. Vergonha, vergonha par
a nós.
Calou-se um instante, e repetiu suavemente, com uma voz arrastada:
Vergonha para nós...
John Gartner, diretor-presidente da Mecânica e Eletrônica Intercontinental, viu
a emissão a bordo do seu jato particular. Estava indo de Detroit para Bruxelas.
Dava suas instruções aos colaboradores que o acompanhavam e aos que recebiam, ao
longe, sua mensagem codificada. A trinta mil metros acima dos Açores, tomava se
u café da manhã: acabava de sorver com um canudinho a gema de um ovo preparado n
um envelope esterilizado transparente. Agora tomava seu suco de laranja com uísq
ue.
This boy is right* disse. Vergonha para nós se não fizermos alguma coisa.
Deu ordem de pôr imediatamente à disposição de EPI-1 todos os grandes calculador
es do seu truste, que possuía sete na América, nove na Europa, três na Ásia, e u
m na África.
Seus colaboradores desesperados expuseram-lhe as perturbações horríveis que isto
iria causar em todos os domínios da atividade de sua firma. Depois ele iria pre
cisar de meses para se reorganizar novamente. E haveria o desgaste que ninguém p
oderia consertar.
Não tem importância disse ele. Vergonha para nós se não fizermos nada.
John Gartner agia naquela hora, acima de tudo, como ser humano mas também fazia
valer seu tato de grande homem de negócios. Deu instruções para que sua decisão
fosse levada ao conhecimento do mundo inteiro, por todos os meios, o mais depres
sa possível.
No domínio dos negócios a popularidade e as vendas da Mecânica e Eletrônica Inte
rcontinental aumentaram de dezessete por cento.
Por outro lado, a decisão do presidente da M.E.I. despertou uma reação em cadeia
. Todos os grandes trustes mundiais, os centros de pesquisas, as universidades,
os Ministérios, o próprio Pentágono, e o Centro Russo de Balística fizeram Lukos
saber, nas horas que se seguiram, que seus cérebros eletrônicos estavam à sua d
isposição. A única coisa que pediam, se fosse possível, era que ele se apressass
e em requisitá-los.
* Este rapaz tem razão. (Em inglês no original.) (N. do T.)
Era uma recomendação irrisória. Todos no 612 sabiam que se lutava contra a morte
. Eléa enfraquecia de hora em hora. Aceitara experimentar outros alimentos mas s
eu estômago não os retinha. E ela repetia sempre a mesma seqüência de sons que p
arecia compor duas palavras, talvez três. Compreender estas palavras, era para i
sso que trabalhava a totalidade da mais apurada técnica de todas as nações.
Lá nos confins da Terra, Lukos tentou e conseguiu a mais fantástica associação.
Baseado em suas indicações, todos os grandes calculadores foram ligados uns aos
outros, por fio, sem fio, ondas-imagens e ondas-sons, com relais em todos os sat
élites estacionários. Durante algumas horas, os grandes cérebros a serviço de fi
rmas concorrentes, estados-maiores inimigos, ideologias opostas, de raças que se
detestavam, uniram-se numa só imensa inteligência que circundava a Terra inteir
a e o céu em volta dela com a rede de suas comunicações nervosas. Trabalhavam co
m toda a sua capacidade inimaginável com o único e desinteressado objetivo de co
mpreender três palavras...
Para entender essas três palavras, era necessário compreender a língua completam
ente desconhecida. Extenuados, sujos, os olhos vermelhos de sono, os técnicos no
s emissores e receptores de EPI-1 lutavam contra o tempo e contra o impossível.
Sem cessar, injetavam nos circuitos da máquina novas fornadas de cálculos e de p
roblemas, tudo aquilo que a tradutora já havia examinado, além das novas hipótes
es de Lukos. O cérebro genial do poliglota turco parecia ter-se dilatado, à prop
orção do seu imenso homólogo eletrônico. Comunicava-se com ele numa velocidade i
ncrível, freada somente pelos embaraços dos emissores e dos relais contra os qua
is tomava-se de cólera furiosa. Parecia-lhe que poderia passar sem eles, e enten
der-se diretamente com a mulher. Essas duas inteligências extraordinárias, a que
vivia e a que parecia viver, faziam mais do que comunicar, estavam niveladas e
muito acima dos demais. Elas se compreendiam.
Simon ia da enfermaria para a tradutora, da tradutora para a enfermaria, impacie
nte, aborrecendo os técnicos extenuados que o mandavam passear, e a Lukos, que n
ão lhe respondia mais.
Enfim, houve um momento em que, bruscamente, tudo se tornou claro. Entre milhare
s de combinações, o cérebro encontrou uma lógica e tirou conclusões com a rapide
z da luz, combinou-as, experimentou-as e, em menos de dezessete segundos, entreg
ou à tradutora todos os segredos da língua desconhecida. Depois disso, o cérebro
entrou em pane. Os relais enfraqueceram, as ligações caíram, a rede nervosa que
envolvia o mundo rompeu-se e se reabsorveu. Do Grande Cérebro não restou nada a
não ser seus gânglios independentes que voltaram a ser o que eram antes, social
istas ou capitalistas, comerciantes ou militares, ou ao serviço de interesses e
de desconfianças.
Entre as quatro paredes de alumínio da grande sala da máquina tradutora reinava
o mais absoluto silêncio. Os dois técnicos de serviço dos armários registrares o
lhavam Lukos que pousava sobre a platina receptora a pequena bobina onde estavam
registradas as três palavras de Eléa. Um microfone as havia recolhido tal como
ela as pronunciava, cada vez
com menos força, cada vez com menos freqüência...
Houve um pequeno clique seco quando foi colocada no lugar. Simon, as duas mãos a
poiadas nas costas da cadeira de Lukos, impacientou-se mais uma vez.
E então?...
Lukos abaixou o comutador de partida. A bobina pareceu fazer um quarto de volta,
mas ela já estava vazia e o impressor fazia ruído. Lukos estendeu a mão e arran
cou a folha sobre a qual a máquina tradutora acabara de imprimir, num microssegu
ndo, a tradução do mistério.
Ele dava um olhar rápido no texto quando Simon arrancou-o de sua mão e leu a tra
dução francesa. Consternado, balançou a cabeça e olhou para Lukos, que tinha tid
o tempo de ler em albanês, inglês, alemão e árabe...
Retomou a folha e leu a continuação. Era a mesma coisa. O mesmo absurdo em dezes
sete línguas. Isto não fazia mais sentido em espanhol do que russo ou chinês. Em
francês dava o seguinte:
DE COMER MÁQUINA.
Simon não tinha mais força para falar em voz alta.
Estes cérebros... sua voz era quase um murmúrio. Estes grandes cérebros... de me
rda...
A cabeça baixa, os ombros caídos, arrastou os pés em direção à parede mais próxi
ma, ajoelhou-se, estendeu-se, virou as costas para a luz e dormiu, com o nariz e
nfiado na parede de alumínio.
Dormiu nove minutos. Acordou bruscamente e levantou-se gritando:
Lukos!
Lukos estava lá, introduzindo na máquina tradutora novos testes, para ler e de d
ecifrar as traduções dadas pelo impressor.
Eram pedaços de uma história num estilo surpreendente, que se desenrolava num mu
ndo tão estranho que parecia fantástico.
Lukos disse Simon -, será que você fez isso tudo por nada?
Não respondeu Lukos -, olhe... Estendeu-lhe as folhas impressas.
É um texto, isso não são garatujas! O cérebro não é idiota, ele compreen- deu be
m a língua e a tradutora e assimilou muito bem! Vela, ela traduziu... fielmente.
.. exatamente...: de comer máquina.
De comer máquina...
Isto quer dizer alguma coisa!... ela traduziu palavras que significam alguma coi
sa!... Não compreendemos porque nós é que somos idiotas!
Pode ser... pode ser... disse Simon. Escute...
De repente, na esperança que renascia, começou a tratá-lo como a um irmão...
Você pode incluir esta língua dentro de um dos seus comprimentos de onda? Não te
nho nenhum livre...
Libere um! Suprima uma língua!
Qual?
Qualquer uma! O coreano, o tcheco, o sudanês ou o francês!
Eles ficarão furiosos!
Azar, azar, AZAR para as suas raivas! Você acha que é o momento da gente se preo
cupar por criar uma raiva nacional?
Ionescu!
O quê?
Ionescu... Ele morreu... era o único que falava o romeno. Suprima o romeno e eu
pego a sua onda.
Lukos levantou-se, sua cadeira de aço pareceu gemer de alegria.
Alô!
O gigante turco gritava no interfone, à meia parede:
Alô, Haka! Você está dormindo, bom Deus!
Berrou e começou a insultar em turco. Uma voz sonolenta respondeu. Lukos deu-lhe
instruções em inglês e depois virou-se para Simon:
Estará pronto dentro de dois minutos... Simon atirou-se em direção à porta.
Espere! disse Lukos.
Abriu um armário, pegou uma caixinha com um emissor e um auscultador de orelha,
com as cores romenas e deu-o a Simon.
Leve para ela...
Simon apanhou os dois instrumentos minúsculos.
Preste atenção disse ele para que a sua maquininha não comece a berrar dentro do
s tímpanos dela.
Eu prometo - retrucou Lukos. Supervisionarei... um sussurro... nada mais que um
sussurro...
Pegou nas suas mãos duras como tijolos as mãos daquele que tinha se tornado seu
amigo durante essas últimas horas comuns de esforços monstruosos e apertou-as ca
rinhosamente.
Eu prometo... Pode ir.
Alguns minutos mais tarde, Simon entrava no quarto de Eléa, depois de ter alerta
do Lebeau que fora por sua vez chamar Hoover e Leonova.
A enfermeira que estava sentada à cabeceira de Eléa, lia um romance da coleção s
entimental. Levantou-se vendo a porta abrir e fez sinal a Simon para entrar em s
ilêncio. Tomou um ar profissional preocupado para olhar o rosto de Eléa. Na real
idade ela pouco se importava, estava ainda pensando no seu livro, a confissão de
sesperada de uma mulher abandonada pela terceira vez; sofria junto com a heroína
da novela e maldizia os homens, inclusive aquele que acabava de entrar.
Simon inclinou-se para Eléa cujo rosto abatido pela desnutrição havia se tornado
muito pálido. Suas narinas estavam quase translúcidas. Seus olhos fechados. A r
espiração apenas erguia o peito. Chamou docemente pelo seu nome.
Eléa... Eléa...
Suas pálpebras tremeram ligeiramente. Ela estava consciente. Ela o ouvia.
Leonova entrou seguida de Lebeau e de Hoover que tinha uma pilha de fotografias
ampliadas. Mostrou-as de longe a Simon. Este fez um gesto de aquiescência com a
cabeça, e pareceu dar novamente toda a sua atenção a Eléa. Colocou um microemiss
or sobre o lençol azul, bem perto do cabelo, descobrindo a orelha esquerda semel
hante a uma flor pálida, e introduziu delicadamente o aparelho de escutar dentro
da sombra rosa do conduto auditivo.
Ela esboçou um reflexo para sacudir a cabeça e rejeitar o que lhe parecia ser o
prenúncio de uma nova tortura. Mas desistiu, esgotada.
Simon logo falou, para acalmá-la. Disse muito baixo, em francês:
Você me compreende... Agora você me compreende!...
E no ouvido de Eléa soou uma voz masculina que cochichava no seu ouvido:
Agora você me compreende... você me compreende... e eu posso compreendê-la...
Aqueles que a olhavam viram sua respiração parar, depois recomeçar. Leonova, che
ia de compaixão, aproximou-se do leito, pegou a mão de Eléa e começou a falar-lh
e em russo com todo o calor do seu coração.
Simon ergueu a cabeça, olhou-a com olhos ferozes, e fez um sinal para que ela se
afastasse. Leonova obedeceu, um pouco espantada. Simon estendeu a mão para as f
otografias. Hoover alcançou-as.
Percorreu o ouvido esquerdo de Eléa num tom suave de compaixão recitado a toda v
elocidade por uma voz feminina que ela compreendia. No seu ouvido direito uma to
rrente pedregosa que ela não compreendia; depois, o silêncio. E em seguida a voz
masculina recomeçou:
Você pode abrir os olhos?... Você pode abrir os olhos?... Tente... Ele calou-se.
Eles a olharam. Suas pálpebras tremiam.
Tente... mais uma vez... somos seus amigos... coragem... E os olhos se abriram.
Não conseguiram se acostumar. Não era possível se acostumar. Nunca haviam visto
olhos tão grandes, de um azul tão profundo. Tinham empalidecido um pouco, não er
a mais aquele azul do fundo da noite, mas sim um azul de depois do crepúsculo, d
o lado onde a noite vem, depois da tempestade, quando o grande vento lava o céu
com suas vagas. E os peixes de ouro aí ficaram presos.
Olhe!... olhe!... dizia a voz. Onde está a máquina de comer? Diante de seus olho
s, duas mãos seguravam uma imagem, substituíam-na por uma outra, uma outra... Er
am imagens reproduzidas dos objetos que lhe eram familiares.
Máquina de comer?... onde está a máquina de comer? Comer? viver? Por quê? Para q
uê?
Olhe!... olhe!... onde está a máquina de comer?... onde está a máquina de comer?
Dormir... esquecer... morrer.
Não! Não feche os olhos! Olhe!... olhe mais uma vez... são os objetos que encont
ramos com você... um deles deve ser a máquina de comer... Olhe!... Vou mostrá-lo
s mais uma vez... se você vir a máquina de comer, feche os olhos e depois abra-o
s...
Na sexta fotografia ela fechou os olhos e os reabriu.
Rápido! disse Simon.
Estendeu a fotografia a Hoover que se precipitou para fora do quarto com a veloc
idade de um raio.
Era um dos objetos que ainda não tinham sido examinados e havia sido guardado na
s prateleiras ao lado da arma.
É bom explicar rapidamente o que tornou tão difícil decifrar e compreender a lín
gua de Eléa. É que na realidade não era uma língua e sim duas: a língua feminina
e a língua masculina, totalmente diferentes uma da outra tanto na sua sintaxe q
uanto no vocabulário. Bem entendido, os homens e as mulheres compreendiam uma e
outra, mas os homens falavam a língua masculina que possuía gêneros próprios e a
s mulheres falavam a língua feminina que tinha, por sua vez, feminino e masculin
o distintos. E na escrita, às vezes a língua masculina e às vezes a língua femin
ina eram empregadas segundo a hora, a estação ou o lugar onde se passava a ação,
segundo também a cor, a agitação, a temperatura, a calma, a montanha ou o mar.
Outras vezes as duas línguas se misturavam no seu emprego.
É difícil dar um exemplo da diferença entre a língua masculina e a língua femini
na, visto que dois terços equivalentes não podiam ser traduzidos a não ser pela
mesma palavra. O homem diria: "Que será sem espinhos", a mulher diria: "pétalas
do sol poente" e um e outro compreenderiam que se tratava de uma rosa. É um exem
plo aproximativo: no tempo de Eléa os homens ainda não haviam inventado a rosa.
"De comer máquina". Eram três palavras, mas, segundo a lógica da língua de Eléa,
era também uma só palavra, o que em gramática portuguesa seria chamada de um "s
ubstantivo" e que servia para designar "o-que-é-o-produto-da-máquina-de-comer".
A máquina de comer era a-máquina-que-produz-o-que-se-come.
A máquina estava pousada sobre o leito, diante de Eléa, que haviam ajudado a sen
tar e que se sustentava apoiada em travesseiros. Haviam lhe dado "roupas" encont
radas nas prateleiras, mas ela não tinha tido força para vesti-las. Uma enfermei
ra tinha querido vestir-lhe um suéter, mas ela teve um gesto de recuo e no seu r
osto surgiu uma tal expressão de repulsa que não haviam insistido. Tinham-na dei
xado nua. Seu busto emagrecido, seus pequenos seios apontados para o céu, eram d
e uma beleza quase espiritual, sobrenatural. Para que ela não tivesse frio, Simo
n havia aumentado a temperatura do quarto. Hoover transpirava como um bloco de g
elo sobre uma grelha. Já havia molhado sua camisa, mas as camisas dos outros tam
bém estavam prontas para ser torcidas. Uma enfermeira distribuiu guardanapos bra
ncos para enxugar os rostos. As câmaras estavam lá. Uma delas mostrou em primeir
o plano a máquina de comer.
Era uma espécie de meia-esfera verde, salpicada de um grande número de botões co
loridos, dispostos em espiral, indo do cimo até a base, e que reproduziam, em vá
rias centenas de nuançes diferentes, todas as cores do espectro. No alto encontr
ava-se um botão branco. A base repousava sobre um pedestal em forma de cilindro
pequeno. O conjunto tinha o volume e o peso de uma metade de melancia. Eléa tent
ou erguer sua mão esquerda. Não conseguiu. Uma enfermeira quis ajudá-la. Simon a
fastou-a e tomou a mão de Eléa na sua.
Grande primeiro plano da mão de Simon segurando a mão de Eléa e conduzindo-a em
direção da máquina-de-comer.
Primeiro plano do rosto de Eléa. Seus olhos. Lanson não podia se desviar. Tinha
sempre uma ou outra de suas câmaras obedecendo a seu impulso semi inconsciente,
voltando a se fixar sobre a insondável noite desses olhos de outros tempos. Ele
não os enviava para a antena. Guardava-os numa tela de controle. Só para ele.
A mão de Eléa pousou no cimo da esfera. Simon a guiava como a um pássaro. Ela ti
nha vontade, mas não tinha força. Ele sentia onde ela queria ir, e o que queria
fazer. Ela o guiava, ele a conduzia. O longo dedo indicador pousou sobre o botão
branco, depois tocou os botões de cor, daqui, dali, de cima, de baixo, do meio.
..
Hoover anotava as cores num envelope úmido tirado do seu bolso. Mas não tinha ne
m um nome para diferenciar os três tons de amarelo que ela tocou um após o outro
. Desistiu.
Ela voltou para o botão branco. Descansou aí, quis apoiar-se, não conseguiu. Sim
on ajudou-a. Mal o botão afundou-se, houve um ligeiro barulho, e pela abertura u
m pequeno prato de ouro retangular caiu. Continha cinco esférulas de matéria tra
nslúcida, vagamente rosada, um minúsculo garfo de ouro, com dois dentes.
Simon pegou o garfo e espetou uma das pequenas esferas. Esta ofereceu ligeira re
sistência, depois se deixou traspassar como uma cereja. Ele levou-a para os lábi
os de Eléa...
Ela abriu a boca com esforço. Foi sacrifício fechá-la sobre o alimento. Não fez
nenhum movimento de mastigação. Adivinhou-se que a esfera devia estar se fundind
o na sua boca. Depois a laringe subiu e desceu, visível na garganta emagrecida.
Simon enxugou o rosto, alcançou-lhe a segunda esférula...
Alguns minutos mais tarde, ela utilizou sem ajuda a máquina-de-comer. Tocou leve
mente alguns botões diferentes, obteve esferas azuis, absorveu-as rapidamente, r
epousou alguns minutos, depois acionou novamente a máquina.
Recuperava as forças com uma rapidez incrível. Parecia que ela pedia à máquina m
ais do que alimento: o que era necessário para tirá-la imediatamente do estado d
e fraqueza no qual se encontrava. Tocava em botões diferentes, obtendo de cada v
ez um número diferente de esferas de cores variadas. Ela as absorvia, bebia água
, respirava profundamente, descansava alguns minutos e recomeçava.
Todos os que estavam no quarto, e aqueles que seguiam a cena sobre a tela da Sal
a de Conferências, viam literalmente a vida refluir, seu busto desabrochar seu r
osto se encher, seus olhos retomarem a antiga cor profunda.
Máquina-de-comer: era uma máquina para dar comida. Talvez fosse também uma máqui
na para curar.
Os sábios de todas as categorias ferviam de impaciência. As duas amostras da civ
ilização antiga, que eles tinham visto se manifestar a arma e a máquina-de-comer
excitavam loucamente sua imaginação. Ardiam de impaciência para interrogar Eléa
e abrir esta máquina, que, pelo menos ela, não era perigosa.
Quanto aos jornalistas, depois da morte de Ionescu que lhes havia fornecido sens
ação para todas as ondas e todos os jornais, eles viam com encantamento, a máqui
na de comer e seus efeitos sobre Eléa, como uma nova fonte de informação não men
os extraordinária, porém desta vez mais otimista. Sempre o inesperado, o branco
depois do negro; esta expedição era decididamente um bom negócio jornalístico.
Eléa, enfim, afastou a máquina, e olhou todos aqueles que a cercavam. Fez um esf
orço para falar. Este foi apenas audível. Recomeçou e cada um ouviu na sua própr
ia língua:
Vocês me compreendem?
Sim, oui, yes, da...
Eles balançavam a cabeça sim, sim eles compreendiam.
Quem são vocês?
Amigos disse Simon.
Mas Leonova não se agüentou. Ela pensava numa distribuição geral de máquinas-de-
comer aos povos pobres, às crianças esfomeadas. Perguntou vivamente:
Como funciona isto? O que que você põe lá dentro?
Eléa pareceu não compreender, ou então considerar essas perguntas como um barulh
o feito por crianças. Seguiu seu próprio raciocínio. Perguntou:
Nós devíamos ser dois no abrigo. Eu estava sozinha?
Não disse Simon -, vocês eram dois. Você e um homem.
Onde está ele? Está morto?
Não, ainda não foi reanimado. Começamos por você.
Eléa calou-se um instante. Parecia que a notícia em vez de alegrá-la despertava-
lhe certa tristeza.
Ela respirou profundamente e disse:
Ele é Coban. Eu sou Eléa. Perguntou de novo:
Vocês... quem são vocês?
E Simon não encontrou outra coisa para responder:
Somos amigos...
De onde vocês vêm?
Do mundo inteiro... Isto pareceu surpreendê-la.
Do mundo inteiro? Não compreendo. Vocês são de Gondawa?
Não.
De Enisorai?
Não.
De onde vocês vêm?
Eu venho da França, ela da Rússia, ele da América, ele da França, ele
da Holanda e...
Não compreendo... Agora será que existe a paz?
Hum fez Hoover.
Não! disse Leonova os imperialistas...
Cale a boca! ordenou Simon.
Somos obrigados disse Hoover a nos defender contra.
Saiam! Saiam! Deixem-nos sozinhos, nós os médicos!... Hoover desculpou-se:
Somos uns estúpidos!... desculpe... mas eu fico... Simon virou-se para Eléa:
O que eles disseram não quer dizer nada. Sim, agora reina a paz... estamos em pa
z, você está em paz. Você não tem nada a temer...
Eléa deu um profundo suspiro de alívio. Mas foi com certa apreensão visível que
formulou a pergunta seguinte:
Vocês têm notícias... notícias dos Grandes Abrigos? Eles agüentaram? Simon respo
ndeu:
Não sabemos. Não temos notícias.
Eléa o olhou com atenção para ter certeza de que ele não mentia. Simon compreend
eu que não poderia jamais lhe dizer outra coisa senão a verdade.
Ela começou uma sílaba, depois parou. Queria fazer uma pergunta mas não ousava,
porque tinha medo da resposta.
Olhou para todos, depois para Simon sozinho e perguntou, muito docemente:
Paikan?
Houve um curto silêncio, depois um clique nas orelhas e a voz neutra da tradutor
a aquela que não era nem voz de homem nem voz de mulher falou em dezessete língu
as nos dezessete canais:
A palavra Paikan não figura no vocabulário que me foi injetado e não corresponde
a nenhuma possibilidade lógica de neologismo. Tomo a liberdade de supor que se
trate de um nome.
Eléa ouviu também, na sua língua.
Mas é claro que é um nome disse ela. Onde está ele? Vocês têm notícias dele?
Simon olhou-a gravemente.
Não temos notícias dele... Quanto tempo pensa que dormiu? Ela olhou-o com inquie
tação.
Alguns dias respondeu ela.
Mais... disse Simon.
De novo, o olhar de Eléa examinou a decoração ao redor e os personagens que a ce
rcavam. Encontrou o expatriamento do seu primeiro acordar, tudo insólito, como u
m pesadelo. Mas ela não podia aceitar a explicação inverossímil. Devia haver uma
outra. Tentou apegar-se ao impossível.
Dormi quanto tempo?... Semanas?... Meses?...
A voz neutra da tradutora interveio novamente:
Traduzo aqui aproximadamente. A não ser o dia e o ano, as medidas de tempo que m
e foram injetadas são totalmente diferentes das nossas. São igualmente diferente
s para os homens e para as mulheres. Diferentes para o cálculo e para a vida nor
mal, diferentes segundo as estações, e diferentes segundo a vida e o sono.
Mais... disse Simon muito mais... Você dormiu durante...
Atenção, Simon! gritou Lebeau.
Simon parou e refletiu alguns segundos, preocupado, olhando Eléa. Depois virou-s
e para Lebeau:
Você pensa?
Tenho medo... disse Lebeau. Eléa, ansiosa, repetiu sua pergunta:
Dormi durante quanto tempo? Você compreende a minha pergunta?... Desejo saber qu
anto tempo dormi... desejo saber...
Nós compreendemos respondeu Simon. Ela calou-se.
Você dormiu...
Lebeau interrompeu novamente:
Não estou de acordo!
Colocou a mão sobre o seu microfone para que as palavras não chegassem até a tra
dutora e sua tradução aos ouvidos de Eléa.
Você vai lhe dar um choque terrível. É melhor dizer-lhe pouco a pouco... Simon e
stava sério. Franzia as sobrancelhas com ar de teimosia.
Não sou contra o choque disse ele também fechando o seu microfone com a palma da
mão. Em psicoterapia preferimos o choque e nunca a mentira que envenena. E crei
o que ela agora está bastante forte...
Desejo saber... recomeçou Eléa.
Simon virou-se para ela. Disse-lhe abruptamente:
Você dormiu durante novecentos mil anos.
Ela o olhou com estupefação. Simon não lhe deu tempo para refletir.
Isto pode lhe parecer extraordinário. A nós também. Mas no entanto é a verdade.
A enfermeira lerá para você o relatório da nossa expedição, que a encontrou no f
undo de um continente gelado, e o dos laboratórios que medi- ram, através de div
ersos métodos, o tempo em que você aí passou...
Ele falava num tom diferente, escolar, militar, e a voz da tradutora calcava-se
na sua, calma, indiferente no fundo do ouvido esquerdo de Eléa.
Esta quantidade de tempo não tem medida comum com a duração da vida de um homem,
e mesmo de uma civilização. Não resta nada do mundo em que você viveu. Nem mesm
o sua lembrança. É como se você tivesse sido transportada a outro extremo do Uni
verso. Você deve aceitar essa idéia, aceitar os fatos, aceitar o mundo onde você
acordou, e onde tem somente amigos.
Mas ela não o ouvia mais. Ela tinha se afastado. Separado da voz no seu ouvido,
desse rosto que lhe falava, desses rostos que a olhavam, desse mundo que a acolh
ia. Tudo isto se afastava, se apagava, desaparecia. Restava apenas a abominável
certeza mas ela sabia que ele não tinha mentido a certeza do abismo através do q
ual ela tinha sido projetada, longe de TUDO o que era a sua própria vida. Longe
de...
PAIKAN!...
Berrando seu nome, ela endireitou-se na cama, nua, selvagem, soberba e tensa com
o uma fera acossada.
As enfermeiras e Simon tentaram retê-la. Ela lhes escapou, saltou do leito grita
ndo:
PAIKAN!...
Correu em direção à porta, passando no meio dos médicos: Zabre tentou segurá-la,
recebeu uma cotovelada no estômago e a deixou partir enquanto ele cuspia sangue
. Hoover foi empurrado contra a parede; Forster recebeu, no seu braço esticado e
m direção a ela, um golpe tão duro que pensou que tivesse um osso quebrado. Ela
abriu a porta e saiu.
Os jornalistas que seguiam a cena sobre a tela da Sala de Conferências, correram
para a Avenida Amundsen. Viram a porta da enfermaria se abrir bruscamente e Elé
a correr como uma louca, como um antílope que vai ser agarrado por um leão, em d
ireção a eles. Fizeram uma barreira. Ela chegou sem vê-los. Gritava uma palavra
que eles não compreendiam. As lâmpadas duplas dos flashes de laser espocaram em
toda a linha dos fotógrafos. Ela passou através, derrubando três homens com seus
aparelhos. Corria em direção à saída. Chegou aí antes que alguém a segurasse, n
o momento em que a porta de correr se abria para deixar entrar um carregamento d
e alimentos, conduzido por um chofer de macacão forrado da cabeça aos pés.
Do lado de fora, havia uma tempestade branca, um nevoeiro denso. Louca de angúst
ia, cega, nua, atirou-se nas navalhas do vento. O vento enfiou-se na sua carne,
ergueu-a e levou-a nos seus braços para a morte. Ela se debateu, retomou pé, bat
eu no vento com seus punhos e com sua cabeça, arrancou-o do seu peito gritando m
ais forte que a tempestade. O vento e a neve entraram-lhe na boca e apagaram-lhe
o grito que nascia na sua garganta.
Ela caiu.
Os homens a recolheram um segundo depois e a transportaram.
Eu bem que havia dito disse Lebeau a Simon, com uma severidade que temperava à s
atisfação de ter tido razão.
Simon, triste, olhava ás enfermeiras agindo, friccionando Eléa inconsciente.
Paikan... murmurou.
Ela deve estar apaixonada disse Leonova. Hoover caçoou:
De um homem que ela deixou a novecentos mil anos!...
Que ela deixou ontem... disse Simon. O sono não tem duração... e durante a curta
noite, a eternidade interpôs-se entre eles!
Infeliz... murmurou Leonova.
Eu não podia saber disse Simon baixinho.
Meu filho acrescentou Lebeau -, em medicina, aquilo que não sabemos devemos supo
r...
Compreendi tudo.
Olhando para os teus lábios, notei que eles estremeceram de amor à passagem daqu
ele nome.
Então eu quis te separar dele, o mais breve possível, brutalmente. Quis que soub
esses que ele estava acabado, que nada restava dele, nem mesmo um grão de poeira
, mil vezes levado pelos mares e pelos ventos, nada mais dele e nem do teu passa
do. Nada de nada... Que as tuas lembranças eram tiradas do vazio. Que atrás de t
i havia somente escuridão; que a luz, a esperança e a vida estavam no nosso pres
ente, conosco. Destruí todo o teu passado de um só golpe. Eu te fiz mal.
Mas tu, pronunciando aquele nome, tu foste a primeira a destruir. Destruías o me
u coração.
Os médicos esperavam que ela fosse atacada por uma pneumonia ou alguma outra con
seqüência da ação do frio. Mas Eléa não teve nada. Nem tosse, nem febre, nem a m
enor vermelhidão sobre a pele.
Quando voltou a ficar, consciente, viram que havia assimilado o choque e superad
o todas as suas emoções. Não havia mais sobre o seu rosto aquela expressão petri
ficada de uma indiferença total, semelhante a de um condenado à prisão perpétua,
no momento em que entra na cela da qual sabe que não sairá jamais. Ela sabia qu
e lhe haviam dito a verdade. Portanto quis ter provas. Pediu para ouvir o relató
rio da Expedição e quando a enfermeira começou a lê-lo, fez um gesto com a mão p
ara afastá-la, dizendo:
Simon...
Simon não estava no quarto.
Depois da sua intervenção brutal, que tinha terminado de maneira tão desastrosa,
os reanimadores julgaram-no perigoso e o proibiram de se ocupar de Eléa.
Simon... Simon... repetia ela.
Procurava com o olhar por todos os cantos da peça. Desde que abrira os olhos, el
a o havia sempre visto ao seu lado, estava acostumada com seu rosto, com sua voz
, com o cuidado dos seus gestos. E era ele quem lhe havia dito a verdade. Neste
mundo desconhecido, no fim desta viagem apavorante, ele era um elemento já famil
iar, um apoio contra o medo que a assaltava.
Simon...
Creio que é melhor mandar buscá-lo disse Moissov.
Simon veio e começou a ler. Depois chegou no momento da descoberta o casal em hi
bernação, ela ergueu a mão para que ele se calasse, e disse:
Eu sou Eléa, ele é Coban. É o maior sábio de Gondawa. Ele sabe tudo. Gondawa é o
nosso país.
Calou-se um instante. Depois acrescentou com uma voz muito baixa, que a tradutor
a mal pôde ouvir:
Gostaria de morrer em Gondawa.
Durante o desmaio de Eléa, Hoover, sem o menor escrúpulo, havia manipulado a máq
uina de comer. Ele também estava, bem como todos aqueles que a viram funcionar s
obre a tela, ansioso para saber a partir de quais matérias-primas ela fabricava
as diferentes espécies de alimentos que, em pouco tempo, haviam dada a Eléa forç
as para lutar contra uma dúzia de homens, a fim de se precipitar na tempestade.
Sobre a superfície lisa da esfera e do cilindro, havia somente uma saída possíve
l, um só ponto de comando e de manipulação: o botão branco do centro.
Sob os olhos horrorizados de Leonova, Hoover o havia pressionado, virado para a
esquerda, para a direita, puxado para cima e outra vez para a esquerda.
O que ele esperava aconteceu: a calota da semi-esfera ergueu-se como uma campânu
la de queijo, descobrindo o interior da máquina.
Esta, colocada sobre uma pequena mesa sanitária, revelou seu mistério aos olhos
de todos, e, todavia, tornou-se ainda mais misteriosa. Pois todo o interior da m
eia-esfera era ocupado por um mecanismo incompreensível que não se parecia com n
enhuma outra montagem mecânica ou eletrônica. Dava mais a impressão de uma maque
te de metal do sistema nervoso. E em parte alguma havia lugar para a menor matér
ia-prima, fosse ela em pedaços, em grão, em poeira ou líquido.
Hoover ergueu a máquina, sacudiu-a, olhou-a sob todos os ângulos, fez a luz bate
r em cheio naquele emaranhado de ouro e de aço. Em seguida, passou-a a Leonova e
Rochefoux que a olharam por sua vez de todas as maneiras possíveis que se olha
um objeto aberto, tal um despertador sem sua caixa. Não havia em parte alguma, q
ualquer vestígio de lugar que comportasse sais minerais, açúcar, pimenta, carne
e peixe. Visivelmente, logicamente, absurdamente, esta máquina fabricava aliment
os a partir do nada...
Hoover, tendo recolocado a calota hemisférica no lugar, fez os mesmos gestos que
havia visto Eléa fazer e obteve o mesmo resultado: uma pequena gaveta se abriu
e ofereceu esférulas verde-claras. Hoover hesitou um instante, depois pegou o ga
rfo de ouro, picou uma esfera e colocou-a na boca. Esperava uma surpresa extraor
dinária. Ficou desapontado: não tinha gosto definido e não era particularmente a
gradável. Fazia pensar em leite coalhado no qual teriam mergulhado uma limalha d
e ferro. Ofereceu a Leonova, que recusou.
Seria melhor disse ela você mandar examiná-las.
Era o bom senso científico que falava por sua boca. Envoltas numa folha de plást
ico, as esférulas foram enviadas para o laboratório de análise.
Veio o primeiro resultado, que não revelou nada de extraordinário. Havia proteín
as, corpos gordurosos, glicose, uma quantidade de sais minerais, vitaminas e oli
go-elementos misturados nas moléculas semelhantes às do amido.
Depois houve uma retificação. Uma análise mais profunda havia descoberto algumas
moléculas quase do tamanho das existentes nas células. Depois uma segunda retif
icação: essas moléculas se reproduziam!
Portanto, a partir do nada, a máquina de comer fabricava não somente a matéria n
utritiva, mas também a matéria análoga à da matéria viva.
Tudo aquilo era incrível!
Logo que Eléa aceitou esclarecer suas dúvidas, os cientistas se acotovelaram em
torno dela e a crivaram de perguntas:
Como funciona a máquina de comer?
Vocês viram.
Mas, no interior?
No interior ela fabrica o alimento.
Fabrica com quê?
Com o Todo.
O Todo? O que é o Todo?
Vocês bem sabem... é isto que vocês fabricam também...
O Todo... o Todo... não há outro nome para o Todo?
Eléa pronunciou três nomes e se ouviu em seguida a voz impessoal da máquina trad
utora:
"As palavras que acabam de ser pronunciadas no canal onze não figuram no vocabul
ário que me foi programado. No entanto, por analogia, creio poder propor a tradu
ção aproximativa seguinte: energia universal. Ou talvez: essência universal. Ou
ainda: vida universal. Mas estas duas últimas idéias me parecem um pouco abstrat
as. A primeira é sem dúvida a mais próxima do sentido original. Seria necessário
, para ser justo, nela incluir as duas outras".
Energia!... A máquina fabricava a matéria a partir da energia! Não era impossíve
l admitir isso, no estado atual dos conhecimentos científicos e da técnica. Mas
seria necessário mobilizar uma quantidade fabulosa de eletricidade para obter um
a partícula invisível, intocável e que despareceria logo que surgisse.
Entretanto, aquela estranha máquina, que tinha a aparência de um brinquedo de cr
iança, tirava do nada, com a maior simplicidade, o alimento que lhe fosse pedido
.
Lebeau teve que acalmar a impaciência dos sábios, cujas perguntas se multiplicav
am no cérebro da tradutora.
Você conhece o mecanismo do seu funcionamento?
Não. Coban sabe.
Você conhece ao menos o princípio?
Seu funcionamento é baseado na equação universal de Zoran...
Com os olhos ela procurava alguma coisa que pudesse ajudá-la a explicar melhor o
que queria dizer. Viu Hoover que tomava notas nas margens de um jornal. Estende
u-lhe a mão. Hoover alcançou-lhe o jornal e a caneta. Leonova, adiantando-se, su
bstituiu o jornal por um bloco de papel virgem.
Com a mão esquerda, Eléa tentou escrever, desenhar, traçar alguma coisa. Não con
seguiu. Irritou-se. Jogou a caneta e pediu à enfermeira:
Dê-me o seu... seu...
Imitava o gesto que ela havia visto fazer várias vezes, o de passar um batom nos
lábios. Espantada, a enfermeira o estendeu.
Então com um só traço leve, Eléa desenhou sobre o papel um elemento em espiral,
que cortava uma reta vertical e que continha dois traços curtos. Estendeu o pape
l a Hoover.
Isto é a equação de Zoran, que se lê de duas maneiras. É lida em linguagem corre
nte e em termos de matemática universal.
Você pode lê-la? perguntou Leonova.
Em linguagem corrente significa: "O que não existe existe".
E da outra maneira?
Eu não sei. Coban sabe.
Conforme o compromisso assumido, os sábios do EPI comunicaram a todas as nações
do mundo o que haviam conseguido e ainda tudo aquilo que esperavam saber. A líng
ua gonda já eslava sendo estudada em numerosas universidades, e a humanidade int
eira sabia que estava às vésperas de uma transformação extraordinária. O homem a
dormecido e que ia ser acordado explicaria a equação de Zoran que permitiria ret
irar do seio da energia universal os meios para vestir aqueles que estavam nus e
alimentar os que tinham fome. Não haveria mais conflitos por causa de matérias-
primas, nem mais guerra do petróleo, nem mais batalhas pelas regiões férteis. O
Todo ia resolver tudo graças à equação de Zoran. O sábio Coban ia acordar e indi
car o que era necessário fazer para que a miséria, a fome e a tristeza dos homen
s desaparecessem para sempre.
Os trabalhos de reanimação foram marcados para o dia seguinte. A sala de operaçã
o tinha sido reconstruída, os últimos aparelhos acabaram de chegar, substituindo
os que haviam sido destruídos. A equipe de técnicos apressava-se a pô-los no lu
gar e a testá-los.
A tempestade tinha acalmado. O vento soprava ainda, mas sem a fúria anterior. Na
quela latitude ele sopra sempre, e quando não ultrapassa 150 quilômetros a hora,
é uma brisa carinhosa. No céu sem nuvens, cor azul-ardósia, o sol vermelho arra
stava-se no horizonte. Estrelas enormes, afiadas pelo vento, furavam a cúpula ce
leste.
Dois homens que tinham trabalhado até tarde na esfera, saíram do elevador. Eram
Brivaux e seu assistente. Estavam exaustos, desejavam ir descansar e dormir. Tin
ham sido os últimos a subir. Não havia mais ninguém lá embaixo.
Brivaux fechou a porta do elevador a chave. Saíram do edifício de muros de neve
e blasfemando enfiaram-se no vento.
No prédio vazio e negro, uma mancha redonda de luz acendeu-se. Por trás da pilha
de caixas de onde haviam retirado os últimos aparelhos recém-chegados, um homem
agachado endireitou-se, batendo os dentes. Na sua mão a lanterna elétrica tremi
a. Ele estava lá há mais de uma hora, esperando a subida dos últimos técnicos, e
, apesar do seu macacão polar, estava mordido pelo frio até os ossos.
Dirigiu-se até o elevador, tirou do bolso um pequeno molho de chaves achatadas e
começou a experimentá-las uma a uma. Não conseguiu nada, tremia demais. Descalç
ou as luvas, soprou seus dedos entorpecidos, bateu no corpo com os braços e deu
alguns pulos sobre o mesmo lugar. O sangue começou a circular. Retomou o molho d
e chaves. Encontrou finalmente a chave certa. Entrou no elevador e apertou o bot
ão de descida.
Na enfermaria, Simon olhava Eléa dormir. Não a deixava mais. No momento em que e
le se afastava, ela o reclamava. À indiferença glacial em que ela se havia insta
lado, se juntava, quando ele não estava presente, uma ansiedade física da qual e
la exigia ser imediatamente libertada.
Ele estava lá, ela podia dormir. A enfermeira de plantão dormia também, numa cam
a flexível. De uma lâmpada azul, acima da porta, vinha uma claridade muito suave
. Nessa quase noite apenas luminosa, Simon olhava Eléa dormir. Seus braços repou
savam estendidos sobre a coberta. Ela tinha acabado por aceitar vestir um pijama
de flanela, meio grande porém confortável. Sua respiração era calma e lenta, se
u rosto sério. Simon inclinou-se, aproximou seus lábios a longa mão de longos de
dos, quase a tocou.
Depois foi para o leito vazio, estendeu-se, puxou sobre si uma coberta, suspirou
de felicidade, e adormeceu.
O homem havia entrado na sala de reanimação. Foi direto para um pequeno armário
metálico, e o abriu. Sobre uma prateleira encontravam-se os papéis. Folheou-os,
arrancando de passagem algumas páginas que fotografou com um aparelho que trazia
preso ao ombro e colocou-os de volta no lugar. Depois dirigiu-se para o aparelh
o receptor de tevê que montava guarda no local. Sua tela mostrava permanentement
e o interior do ovo. A nova câmara, sensível aos infravermelho, iluminava a brum
a. Ele viu muito claramente o homem no seu bloco de hélio quase intacto e o pede
stal que havia sustentado Eléa. O lado do pedestal continuava aberto, e sobre as
prateleiras repousavam ainda alguns objetos que Eléa não havia reclamado.
O homem acionou os botões de telecomando da câmara. Conseguiu que o pedestal abe
rto ficasse bem dentro do quarto. Acionou o zoom e finalmente reconheceu, em pri
meiro plano, o que ele procurava: a arma.
Sorriu de satisfação e resolveu descer ao interior do ovo. Sabia que lá reinava
um frio perigoso. Não tinha podido procurar um macacão de astronauta, por isso t
eria que fazer tudo muito rapidamente. Saiu da sala de operação. À sua volta, o
interior da esfera, fracamente iluminado, parecia o esqueleto de um gigante páss
aro surrealista, meio afogado na noite do inconsciente. A fim de afastar a ameaç
a do silêncio total, o homem voluntariamente tossiu. O barulho da sua tosse ench
eu a esfera como um relâmpago, rasgou-se nas bordas das traves e dos arcos, choc
ou-se no casulo, e voltou para ele em milhares de fragmentos de ruídos agudos, a
gressivos.
Afundou bruscamente seu capacete até as orelhas, envolveu o pescoço numa grossa
êcharpes e calçou suas luvas forradas enquanto descia a escada de ouro. Um dispo
sitivo elétrico permitia-lhe ver a porta do ovo, que se levantou como uma concha
quando ele apertou o botão. Escorregou para o interior. A porta se fechou atrás
dele.
Ficou surpreendido pela bruma que a câmara infravermelha não lhe havia mostrado.
Ela era tingida de um azul irreal pela luz que subia do motor imóvel através do
solo transparente e da coberta de neve fofa e azulada. De lanterna na mão, prec
edido por um círculo de luz branca e opaca, desceu com precaução a escada. Senti
u, à medida que descia, o frio atroz a lhe morder as canelas, a barriga das pern
as, o joelho, as coxas, o ventre, o peito, a garganta, o crânio...
Era preciso andar depressa, depressa. Seu pé direito atingiu o solo coberto de n
eve. Firmando-se com os pés, deu um passo à esquerda, e inspirou pela primeira v
ez. Seus pulmões gelaram em bloco, transformados em pedra. Quis gritar, abriu a
boca. Sua língua gelou, seus dentes caíram. O interior dos seus olhos se dilatou
e tornou-se sólido, empurrando as íris para fora. Ainda teve tempo, antes de mo
rrer, de sentir o frio esmagar-lhe os testículos, e seu cérebro gelar. A lantern
a apagou-se. Tudo tornou-se silêncio, ele caiu para frente, na neve azul. Ao toc
ar o solo, seu nariz se quebrou. A poeira da neve, erguida durante um instante n
uma nuvem ligeira e luminosa, recaiu e o cobriu.
De manhã, o operador de câmara que se aproximou do receptor da sala operatória,
espantou-se de encontrar sobre a tela, em vez do plano geral do ovo, a arma em p
rimeiro plano.
Por aqui andou algum cara metendo a mão no meu pudim! disse ele. - Vai ver que s
ão esses eletricistas! Vou dar uns bons trancos quando eles descerem, esses idio
tas!
Sempre resmungando, manipulou os comandos para trazer de volta o plano geral. Fo
i assim que ele viu entrar, por baixo da tela, uma mão enluvada que saía da neve
, os dedos separados.
Quando os homens de capacetes, vestidos com seus macacões espaciais, tiraram o c
adáver para fora do seu caixão de neve fina, apesar de todas as precauções seu b
raço direito partiu-se em pedaços, como uma folha seca.
Estou desolado disse Rochefoux aos jornalistas e fotógrafos reunidos na Sala de
Conferências de ter que lhes participar a morte trágica de Juan Fernandez, fotóg
rafo do La Nación, de Buenos Aires. Ele se meteu clandestinamente dentro do ovo,
sem dúvida para tirar fotografias de Coban, e o frio o matou antes que tivesse
tempo de dar três passos. Fez uma pausa e prosseguiu: Nunca seria demais lhes re
comendar prudência. Não lhes escondemos nada. Nosso maior desejo é que vocês sai
bam tudo e que propaguem por todo o mundo. Peço-lhes que não tomem mais tais ini
ciativas que não são somente perigosas para vocês, mas que arriscam a compromete
r gravemente o êxito das operações delicadas cujo sucesso pode transformar intei
ramente a sorte da humanidade.
Mas um telegrama do La Nación, transmitido pelo Trio, fez saber que esse jornal
ignorava tudo sobre Juan Fernandez, e que este nunca fizera parte do seu pessoal
. Então se lembraram do testemunho do operador que havia visto em primeiro plano
a imagem da arma. Remexeram no quarto de Fernandez. Lá encontraram três aparelh
os fotográficos, um americano, um tcheco, um japonês, além de um emissor de rádi
o alemão e um revólver italiano.
Os responsáveis do EPI e os reanimadores se reuniram, longe da curiosidade dos j
ornalistas. Estavam consternados.
É um desses cretinos dos serviços secretos disse Moissov. De qual serviço secret
o? Eu não sei, nem vocês, nunca saberemos. Eles têm em comum a estupidez e a ine
ficiência. Mostram uma engenhosidade prodigiosa para conseguir resultados que nã
o são maiores que um cocô de mosca. A única coisa que eles conseguem é a catástr
ofe. É preciso nos proteger contra esses ratos.
Eles são uma merda! acrescentou Hoover, em francês.
Não é a mesma palavra em russo disse Moissov porém é a mesma matéria. Infelizmen
te vou ser obrigado a utilizar palavras menos expressivas e mais vagas, de que n
ão gosto porque são pretensiosas. Mas é preciso falar com as palavras que se têm
.
Continue, continue aparteou Hoover não faça tanto rodeio. Este Pequeno macabeu n
os deixou na merda de qualquer maneira.
Sou médico retrucou Moissov. Você, você é... é o quê?
Engenheiro químico e eletrônico... Mas o que é que você tem com isto? Aqui tem d
e tudo.
Sim disse Moissov e no entanto nós somos todos iguais... Temos qualquer coisa em
comum que é mais forte que as nossas diferenças: a necessidade e saber. A litera
tura chama isso de amor pela ciência. Eu chamo de curiosidade.
Quando ela é servida pela inteligência, é a maior qualidade do homem. Pertencemo
s a todas as disciplinas científicas, a todas as nações e a todas as ideologias.
Você pode não gostar de um russo comunista. Eu não aprecio que vocês sejam pequ
enos capitalistas, imperialistas estúpidos, enfiados no visgo de um passado soci
al em vias de apodrecer. Abrandou o tom de voz para prosseguir:
Mas sei e vocês todos sabem que isto já está superado pela nossa curiosidade. Vo
cês e eu queremos saber. Queremos conhecer o Universo em todos os seus segredos,
os maiores e os menores. E já sabemos ao menos alguma coisa: que o homem é mara
vilhoso, mas que os homens são dignos de piedade; que cada um do nosso lado, no
nosso campo de conhecimento e no nosso nacionalismo miserável, trabalha em favor
do homem. O que há para conhecer aqui é fantástico. E o que nós podemos tirar d
e proveito para todos os homens é inimaginável. Mas se deixarmos intervir nossas
nações, com sua cretinice secular, seus generais, seus ministros e seus espiões
, tudo está perdido!
Vê-se bem replicou Hoover que você seguiu os cursos noturnos do marxismo... Você
tem sempre um discurso na ponta da língua. Mas é claro, você tem razão. Você é
meu irmão. Você é minha irmãzinha acrescentou, dando um tapa nas nádegas de Leon
ova.
Você é um porco gordo e sujo disse ela.
Permitam à Europa falou Rochefoux sorrindo fazer ouvir sua voz. Nós temos o ouro
, aquele que nós cortamos ao perfurar a casca da esfera. Pesa cerca de 20 tonela
das. Com isso podemos comprar armas e mercenários.
Shanga, o africano, levantou-se rapidamente.
Sou contra os mercenários! bradou.
Eu também disse o alemão Henckel. Não pelas mesmas razões. Acho simplesmente que
eles serão espiões canalhas. Devemos organizar nós mesmos nossa polícia e nossa
defesa. Quero dizer, a defesa do que está dentro da esfera. A arma e, principal
mente, Coban. Enquanto ele estiver no frio, não corre risco nenhum. Mas as opera
ções de reanimação vão começar. A tentação de raptá-lo será grande, antes que po
ssamos comunicar seus conhecimentos a todos. Não há uma nação que não tentará o
impossível para assegurar a exclusividade do que ele tem dentro da cabeça. Os Es
tados Unidos, por exemplo...
Claro, claro disse Hoover.
A URSS... Leonova explodiu:
A URSS! Sempre a URSS! Por que a URSS? A China também: A Alemanha! A Inglaterra!
A França!
Isto!... disse Rochefoux sorrindo. Até mesmo a Suíça...
Metralhadoras, revólveres, minas adiantou Lukos posso encontrar ali.
Eu também disse Henckel.
Partiram naquele mesmo dia para a Europa. Shanga e Garret, o assistente de Hoove
r, uniram-se a eles. Estava entendido que eles não se separariam nunca. Assim a
lealdade de cada um, da qual ninguém duvidava, seria garantida pela presença dos
outros.
Com os revólveres e fuzis de caça que já se encontravam na base, organizaram um
rodízio de vigilância de dia e noite perto do elevador e do quarto de Eléa.
Dois homens, técnicos ou sábios, se revezavam. Um ocidental e um oriental. Essas
medidas foram tomadas por unanimidade, sem discussão. Diante da enormidade do q
ue estava em jogo, ninguém tinha confiança em ninguém, nem mesmo em si próprio.
Dois projetores iluminam o ovo, envolto na bruma.
A mangueira de ar está dirigida para o bloco de Coban, que se encolhe, se deform
a, se reabsorve, desaparece como um halo que se apaga. Na sala de trabalho, os r
eanimadores passam, um por um, pela esterilização. Enfiam-lhes luvas e blusas as
sépticas, e amarram-lhes as botas de algodão.
Simon não está com eles, está perto de Eléa, na Sala de Conferências, sentado so
zinho com ela sobre o pódio. Diante dele, sobre a mesa, o revólver que lhe confi
aram. Seu olhar vigia sem cessar a assistência. Está pronto a defender Eléa cont
ra seja o que for. Diante dela estão espalhados os diversos objetos da prateleir
a que ela havia pedido. Está calma, imóvel. As ondas dos seus cabelos castanhos
com reflexos dourados são como um mar calmo. Ela vestiu as estranhas roupas enco
ntradas na prateleira. Na altura dos quadris colocou quatro retângulos avermelha
dos de uma matéria sedosa que parecia uma fazenda fina, fluida e pesada. Caíam-l
he até os joelhos e, quando ela andava, se dobravam e se desdobravam, cobrindo e
descobrindo a pele, como asas, como o movimento das ondas ao sol. Enrolou à alt
ura do busto uma faixa longa da mesma cor, que modelava seu corpo e seus ombros,
deixando adivinhar sob a fazenda seus seios livres como pássaros.
Tudo isso preso por um nó, por uma argola ou trespassado ora por cima ora por ba
ixo, por um milagre. Era à primeira vista muito complicado, mas tão natural que
poderia se pensar que ela havia nascido assim. Diante dela, sentia-se a horrível
impressão de se estar vestido com sacos de farinha.
Ela aceitara responder a todas as perguntas. Então organizaram a primeira reuniã
o de trabalho destinada a informar aos homens de hoje sobre a sua civilização.
O rosto de Eléa estava gelado, seus olhos pareciam portas abertas sobre a noite.
Ela estava silenciosa e seu silêncio dominava toda a assistência. Hoover fez um
barulho enorme com a garganta.
Hum... que tal começarmos?... O melhor seria começar pelo início... você nos diz
er primeiro quem é, qual sua idade, profissão, situação de família etc Em poucas
palavras...
Mil metros mais abaixo, o homem nu perdeu sua carapaça transparente atingiu uma
temperatura que permitia a sua locomoção. Dentro da bruma brilhante, quatro home
ns vestidos de vermelho, embotados, com capacetes esféricos de plástico, se apro
ximaram lentamente do corpo inerte e se colocam ao lado de seu caixão. Na porta
do ovo dois homens vigiavam de metralhadora na mão. Os quatro homens se abaixara
m, escorregaram por baixo do homem nu suas mãos enluvadas de pele, de couro e de
amianto, aguardaram um instante.
Diante da tela do posto da sala de trabalhos, Forster, atento, olha a imagem. Tu
do preparado, ele ordena:
Tenham cuidado! Atenção! Um, dois, três, já!
Em quatro idiomas diferentes a ordem chega ao mesmo tempo aos quatro capacetes e
sféricos. Os homens se erguem lentamente.
Uma claridade azul fulgurante, mil vezes mais forte que a dos projetores, estour
a sob seus pés, queima-lhes os olhos, enche o ovo como uma explosão, jorra pela
porta aberta, invade a esfera, sobe pelo poço como um gêiser...
Depois se apaga.
Não houve nenhum barulho. Não era senão claridade. Sobre o solo do ovo, a neve n
ão está mais azul. O motor que desde a noite dos tempos fabricava o frio para ma
nter intactos os dois seres vivos que lhe tinham sido confiados, no mesmo segund
o em que lhe tiraram sua última razão de ser, parou e destruiu-se.
Eu sou Eléa disse a mulher. Meu número é 3-19-07-91. Eis aqui minha chave,...
Mostrou a mão direita com os dedos dobrados, o médio separado e curvado para faz
er sobressair o engaste do seu anel, em forma de pirâmide truncada. Pareceu hesi
tar, depois perguntou:
Vocês não têm chave?
Claro que sim! respondeu Simon. Mas creio que não é a mesma coisa...
Tirou o chaveiro do seu bolso, agitou-o, colocando-o depois diante de Eléa. Ela
o olhou sem tocar, com uma espécie de inquietação misturada à incompreensão. Em
seguida fez um gesto que pareceu de pouco caso e continuou:
Nasci no Abrigo da Quinta Profundidade, dois anos depois da Terceira Guerra.
O quê? perguntou Leonova.
Que guerra?
Entre que países?
Onde era o seu país?
Quem era o inimigo?
As perguntas espocavam de todos os cantos da sala. Simon levantou-se, furioso. E
léa colocou suas mãos sobre os ouvidos, fez uma cara de dor, e arrancou o aparel
ho de escuta.
Perfeito! Muito bem! Vocês conseguiram! gritou Simon. Estendeu sua mão aberta pa
ra Eléa. Ela aí colocou o auscultador. Ele fez sinal a Leonova:
Venha chamou.
Leonova subiu ao pódio. Pegou um grande globo terrestre colocado sobre o chão e
pousou-o sobre a mesa.
Vocês bem sabem que Eléa não pode manipular o isolador disse
Simon aos sábios. Ela recebe todas as vossas perguntas de uma vez! Vocês o sabem
! Já tínhamos previsto! Se vocês não podem respeitar um pouco a disciplina, sere
i obrigado, falando como o médico responsável, a proibir essas sessões! Peço-lhe
s deixar Madame Leonova falar por todos vocês e fazer as primeiras perguntas. De
pois um outro tomará seu lugar e fará suas perguntas e assim por diante. De acor
do?
Tem razão, rapaz disse Hoover. Vá lá que seja, que a linda bonequinha fale por n
ós...
Simon virou-se para Eléa e, de mão estendida, ofereceu-lhe o auscultador. Eléa f
icou imóvel um instante, depois pegou o aparelho e colocou-o no ouvido.
O homem está estendido sobre a mesa operatória. Ainda está nu. Os médicos e os t
écnicos se agitam ao seu redor, fixam-lhe os eletrodos, as pulseiras, as braçade
iras, as correias de colocar nas pernas, todos os contatos que o ligam aos apare
lhos. Travesseiros são colocados sob o seu braço direito, ainda pesado como ferr
o, meio erguido e no qual o dedo médio ostenta um anel semelhante ao de Eléa.
Van Houcke, com precauções de babá, envolveu em pequenos pedaços de algodão o pr
ecioso sexo ereto. Apesar desses cuidados, ele quebrou uma mecha de pêlos. Pragu
ejou em holandês.
Não tem importância disse Zabrec. Isto, isto crescerá outra vez... enquanto que
o resto...
Olhe! disse de repente Moissov, apontando um lugar da parede abdominal.
Olhe aí... O peito...
E aí!
O bíceps esquerdo!...
Merda! gritou Lebeau.
Eléa olha o globo e o faz girar com perplexidade. Dir-se-ia que ela não o reconh
ecia. Sem dúvida as convenções geográficas do seu tempo não eram as mesmas que a
s nossas. Os oceanos azuis, por exemplo, talvez ela não compreen da o que repres
entam, se, nos mapas da sua época, eles figurassem em vermelho ou em branco... T
alvez o norte fosse em baixo, ou à esquerda, ou à direita...
Eléa hesita, pensa, estica o braço, faz girar o globo, e sobre o seu rosto adivi
nha-se que ela, enfim, reconhece e que também vê a diferença...
Pegou o globo pelo pé e o inclinou.
Assim diz ela. Ele era assim...
Apesar da promessa, os sábios não puderam conter exclamações abafadas. Lanson di
rigiu a boca da câmara para o globo e sua imagem apareceu na grande tela. O glob
o inclinado por Eléa tinha seu norte em cima e seu sul embaixo, mas deslocados q
uase 40 graus.
Olofsen, o geógrafo dinamarquês, exultou. Ele havia sempre sustentado a teoria m
uito controvertida de uma inclinação do globo terrestre. Havia trazido mil prova
s, que eram refutadas uma a uma. Agora detalhes estavam aí, ele tinha razão! Não
havia mais necessidade de provas discutíveis: havia uma testemunha!
Um dedo de Eléa pousou sobre o continente antártico e sua voz disse:
Gondawa!...
Sobre o globo que Leonova segurava na posição que Eléa havia lhe dado Gondawa oc
upava um lugar a meio caminho do Pólo e do Equador, em plena zona temperada quen
te, quase tropical!
Eis o que explica essa flora exuberante, esses pássaros de fogo encontrados no g
elo. Um cataclismo brutal fez virar a Terra sobre um eixo equatorial, misturando
os climas em algumas horas, talvez minutos, queimando o que era frio, gelando o
que era quente, e submergindo os continentes com massas enormes de águas oceâni
cas arrancadas à sua inércia.
Enisorai... Enisorai... disse Eléa.
Procurou no globo alguma coisa que não encontrou.
Enisorai... Enisorai...
Fez girar o globo entre as mãos de Leonova. A grande imagem do globo girou sobre
a tela.
Enisorai, o inimigo!...
Seus olhos procuraram em vão alguma referência no globo.
Enisorai... Enisorai... Ah!...
A imagem parou. As duas Américas ocuparam a tela. Mas a inclinação do globo colo
cou-as numa posição estranha: o norte virado para baixo e o sul para cima:
Ali! disse Eléa. Ali falta...
Sua mão apareceu na imagem segurando uma vareta que Simon lhe tinha dado. A pont
a de grafite pousou na extremidade do Canadá, atravessou a Terra Nova, riscando
um largo traço vermelho que avançava até o meio do Atlântico, indo encontrar-se,
num desenho acidentado, com a ponta mais avançada do Brasil. Depois Eléa cobriu
com riscos vermelhos todo o espaço percorrido, preenchendo o imenso golfo que s
epara as duas Américas e as transformando num só continente maciço cujo centro o
cupava metade do Atlântico Norte. Deixou cair a vareta, pousou sua mão sobre a G
rande América que acabava de criar, e disse:
Enisorai...
Leonova pousou o globo. Uma onda de excitação vibrou novamente na sala. Como tal
fenda poderia ter sido aberta no Continente? Teria sido o mesmo cataclismo que
provocara o desaparecimento de Enisorai central e deslocara o eixo da Terra?
A todas essas perguntas Eléa respondeu:
Eu não sei... Coban sabe... Coban tinha medo... Foi por isso que ele fez constru
ir o abrigo onde vocês nos encontraram...
Coban tinha medo do quê?
Não sei... Coban sabe... Mas posso lhes mostrar...
Estendeu a mão para os objetos colocados diante dela. Escolheu um círculo de our
o, tomou-o com as duas mãos e o colocou na cabeça. Duas pequenas placas ficaram
aplicadas às suas têmporas. Uma outra cobriu a fronte logo acima dos olhos. Em s
eguida apanhou um outro círculo.
Simon... disse.
O médico virou-se em sua direção. Ela colocou o segundo círculo na cabeça dele e
, com um gesto do polegar, abaixou a placa frontal, que se transformou numa másc
ara sobre os olhos do jovem médico.
Calma balbuciou.
Apoiou seus cotovelos sobre a mesa e pôs a cabeça entre as mãos. A placa frontal
ficou levantada. Ela fechou lentamente as pálpebras.
Todos os olhares, todas as câmaras focalizaram Eléa e Simon, sentados lado a lad
o, ela com os cotovelos na mesa, ele sentado na sua cadeira, os ombros apoiados
no encosto, os olhos cobertos pela máscara de ouro.
O silêncio era tão grande que se ouviria cair um floco de neve.
De repente Simon teve um sobressalto. Viram-no colocando as mãos abertas diante
de si, como se quisesse se assegurar da realidade de alguma coisa. Levantou-se l
entamente e murmurou qualquer coisa que a tradutora repetiu num sussurro:
Eu vejo!... Eu ouço... Gritou bem alto:
EU VEJO! É o apocalipse! Uma planície imensa, queimada... viva... vitrificada!..
. Exércitos caem do céu... as armas cospem a morte e destroem tudo!... Ainda cae
m mais! Como mil nuvens de gafanhotos! Eles cobrem o solo... se afundam!... A pl
anície se abre!... se abre em duas!... de um pedaço a outro do horizonte... O so
l sobe e cai!... Os exércitos estão desaparecidos!
Alguma coisa sai da terra... algo gigantesco! Uma máquina... uma máquina monstru
osa, uma planície de vidro e de aço... ela se separa da terra, se levanta, voa,
se desdobra... dilata-se... enche o céu todo!... Ah!... um rosto... um rosto enc
obre o céu... ele está perto... de mim!... inclina-se sobre mim... ele me olha!
É um rosto de homem... seus olhos estão cheios de desespero...
Paikan! geme Eléa.
A cabeça de Simon escorrega de suas mãos, seu corpo cai sobre a mesa. A visão de
saparece do cérebro do médico.
Coban sabe. Ele sabe o melhor e o pior. Ele sabe qual é essa máquina monstruosa
dê guerra que enchia o céu. Ele sabe como tirar do nada tudo aquilo que falta ao
s homens. Coban sabe. Mas poderá ele dizer aquilo que sabe?
Os médicos encontraram lesões sobre quase toda a superfície do seu torso, dos se
us braços e, em menos quantidade, sobre suas costas. Pensaram que se tratava de
erupções de pele causadas pelo frio. Mas quando retiraram sua máscara, descobrir
am uma cabeça na qual todos os cabelos, cílios e sobrancelhas estavam queimados
até a raiz. Não eram simples erupções, mas sim visíveis sinais de queimadura. Ou
ambas as coisas, talvez.
Perguntaram se Eléa sabia como ele havia se queimado. Ela não sabia. Quando Coba
n adormeceu, estava a seu lado, saudável e intacto...
Os médicos o envolveram dos pés à cabeça com ataduras com preparado antinecrose,
a fim de impedir que a pele ficasse destruída quando retomasse sua temperatura
normal e de ajudar a reconstituição dos tecidos.
Coban sabe. Ele por enquanto não é senão uma múmia fria envolvida em faixas amar
elas. Dois tubos transparentes, enfiados nas suas narinas, saem das ataduras. Fi
os de todas as cores surgem das espirais amarelas em todas as alturas do seu cor
po e o ligam aos instrumentos. Lentamente, lentamente, os médicos continuam a aq
uecê-los.
A guarda do elevador foi dobrada através de um dispositivo tipo armadilha posto
à entrada da esfera. Lukos aí colocou duas minas eletrônicas que havia trazido d
a sua missão, e que havia aperfeiçoado. Ninguém poderia se aproximar sem as faze
r ir pelos ares. Para entrar na esfera, era preciso, chegando embaixo do poço, s
e apresentar aos homens que montavam guarda na saída do elevador. Os guardas se
comunicavam com o interior onde três médicos e várias enfermeiras e técnicos vel
avam permanentemente em torno de Coban. Um deles baixava o interruptor. Uma luz
vermelha deixava de piscar e então as minas se tornavam inertes como chumbo. Pod
ia-se descer à esfera.
Coban sabe... Vocês acham que esse homem representa perigo para a humanidade ou,
ao contrário, ele vai trazer a possibilidade de fazer da Terra um novo Éden?
Para mim, o Éden, ora... nós nunca fomos lá!... e nem sabemos se era assim tão f
ormidável!...
E o senhor?
Bem, sabe, é meio difícil de dizer...
E a senhora?
Bem, eu acho que é apaixonante! Este homem e esta mulher que vêm de tão longe e
que se amam!
A senhora acredita que eles se amam?
Claro, sem dúvida!... Ela diz o tempo todo o nome dele!... Balkan!... Balkan!...
Acho que a senhora está fazendo uma pequena confusão, mas em todo o caso a senhor
a tem razão, é apaixonante tudo isto!... E o senhor; o senhor também acha que é
assim apaixonante?
Não posso dizer nada, visto que sou estrangeiro...
O Sr. e Senhora Vignon, seu filho e sua filha comem batatas com açúcar, na mesa
em feitio de lua diante da tela. É uma receita da cozinha nutritiva.
É uma bobagem fazer perguntas como essas comenta a mãe.
Esse sujeito diz a filha eu o mandaria de volta para o frigorífico. A gente vive
muito bem sem ele...
Oh! Hum! hum... replica a mãe. Não se pode fazer isso.
Sua voz está um pouco rouca. Ela pensa num certo detalhe. E em seu marido que já
não é mais tão... Recordações lhe rasgam o ventre. Uma grande tristeza enche se
us olhos de lágrimas. Assoa o nariz.
Acho que estou mais uma vez resfriada...
Por este lado, a filha está em paz. Ela tem amigos na Arte e Decorações que são"
talvez menos agraciados do que este tipo, mas sob um certo detalhe eles lhe eqü
ivalem. Enfim, talvez não seja bem assim... Mas eles, ao menos não estão gelados
!...
Não podem colocá-lo de novo no gelo diz o pai depois de todo o dinheiro que já g
astaram. Isto representa um investimento...
Por mim ele pode se danar! resmunga o filho.
Não diz mais nada. Pensa em Eléa toda nua. Sonha com ela de noite, e, quando não
está dormindo, é pior ainda.
Eléa, com indiferença, havia deixado que os sábios examinassem os dois círculos
de ouro. Brivaux tentou encontrar dentro deles um circuito, conexão, alguma cois
a. Nada. Os dois círculos com as duas placas temporais fixas e a placa frontal m
óvel eram feitos de um metal sólido, sem qualquer mecanismo interno ou externo.
É preciso não se enganar disse Brivaux. Trata-se de eletrônica molecular. Esse n
egócio é tão complicado quanto um emissor e receptor de tevê reunidos e tão simp
les quanto uma agulha de tricô! Está tudo nas moléculas! É formidável! A meu ver
, isto funciona assim: quando você o põe ao redor da cabeça, ele recebe as ondas
do seu cérebro, transforma-as em ondas eletromagnéticas e as emite. Quando se p
õe o outro círculo na cabeça, a placa é puxada para baixo e funciona em sentido
contrário. Recebe então as ondas eletromagnéticas que são enviadas, transformand
o-as em ondas, que transmite a outro cérebro.
Compreendeu? A meu ver, acho que poderíamos ligar isso à tevê...
O quê?
Não é feitiçaria... captar as ondas no momento em que elas estão eletromagnética
s, amplificá-las e injetá-las no receptor de tevê. Isto certamente dará alguma c
oisa. Talvez uma confusão... talvez uma surpresa... vamos experimentar. Ou é pos
sível ou não... De qualquer maneira não é difícil tentar.
Brivaux e sua equipe trabalharam apenas a metade de um dia. Depois Goncelin, seu
assistente, colocou na cabeça o capacete emissor. E constataram, entre surpreso
s e confusos, imagens sem continuação nem ligação, às vezes sem formas precisas.
Uma construção mental tão instável quanto a areia nas mãos de uma criança.
Não tente "pensar" disse Eléa. Pensar é muito difícil. Os pensamentos se fazem e
se desfazem. Quem os faz, quem os desfaz? Não é quem os Pensa... É preciso se l
embrar. Memória, somente memória. O cérebro registra tudo, mesmo se os sentidos
não prestam atenção. É preciso se lembrar. Recordar uma imagem precisa no instan
te preciso. E depois deixar fazer, o resto vem sozinho...
Vamos ver! Ponha isso sobre a sua cabecinha! disse Brivaux a Odile, a secretária
do escritório técnico que taquigrafava as peripécias dos ensaios.
Feche os olhos e lembre-se do seu primeiro beijo.
Oh! Senhor Brivaux!
Não se faça de boba!
Ela tinha 45 anos e parecia um inspetor de trânsito às vésperas de se aposentar.
Havia sido escolhida entre outras porque já havia feito grandes marchas, tinha
vocação de líder e não temia o mau tempo.
E então, chegou lá?
Sim, Monsieur Brivaux!
Vamos! Feche os olhos! Lembre-se!
Houve na tela-testemunha uma explosão vermelha. Depois mais nada.
Curto-circuito! disse Goncelin.
Emoção demais disse Eléa. É preciso recordar a imagem, mas se esquecer... Tente
mais uma vez.
Tentaram. E conseguiram.
Para a segunda sessão de trabalho, além de Leonova e de Hoover, Brivaux e seu as
sistente Goncelin haviam tomado lugar ao lado de Eléa e de Simon.
Brivaux estava sentado perto de Eléa. Ele manipulava uma montagem complicada pou
co maior que um cubo de gelo e que estava encimada por um buquê de antenas da al
tura de um dedo mínimo e tão complexo como as antenas de um inseto.
A montagem estava ligada a uma mesa de controle colocada à frente de Goncelin. U
m cabo partia dessa mesa para a cabina de Lanson.
A terceira guerra durou uma hora disse Eléa. Depois Enisorai teve medo. E nós ta
mbém, é claro. Paramos. Havia oitocentos milhões de mortos. Principalmente de En
isorai. A população de Gondawa era menos numerosa, mas bem protegida nos abrigos
. Na superfície do nosso continente não restava mais nada e os sobreviventes não
podiam subir, por causa das irradiações mortais.
Irradiações? Que armas eles haviam utilizado?
As bombas terrestres.
Você conhece o funcionamento delas?
Não. Coban conhece.
E conhece o princípio?
Elas eram fabricadas com um metal tirado da terra e que queimava, destruía e env
enenava muito tempo depois da explosão.
Ouviu-se a voz impessoal da máquina tradutora: "traduzo exatamente as palavras g
ondas, e isso dá bem "bomba terrestre". No entanto, ao mesmo tempo, substituirei
este termo pelo seu equivalente: "bomba atômica".
Nasci continuou Eléa na 5ª Profundidade. Subi à Superfície pela primeira vez qua
ndo tinha sete anos, no dia seguinte da minha Designação. Eu não podia subir enq
uanto não tivesse recebido minha chave. Hoover:
Mas enfim que diabo de chave é essa? Para que serve?
Voz impessoal da tradutora: "Não posso traduzir "diabo de chave". A palavra "dia
bo" neste sentido articular não tem equivalente no vocabulário que me foi progra
mado."
Esta máquina é uma verdadeira sarna! disse Hoover.
A mão direita de Eléa descansava sobre a mesa, os dedos alongados. Lanson focali
zou a câmara dois sobre a mão e aumentou ainda mais a imagem. A pequena pirâmide
apareceu sobre a grande tela, ocupando-a. Ela era de ouro, e, nesta escala, pod
ia-se ver que sua superfície era estriada e entalhada de sulcos minúsculos e de
cavidades de formas irregulares, estranhas.
A chave serve para tudo prosseguiu Eléa. Ela é estabelecida no nascimento de cad
a um. Todas as chaves têm a mesma forma, mas elas são tão diferentes quanto os i
ndivíduos. A disposição interna de seus...
A voz impessoal da tradutora interrompeu:
"A última palavra pronunciada não figura no vocabulário que me foi programado. M
as aí encontro a mesma consoante que..."
Deixe-nos em paz! gritou Hoover. Diga aquilo que sabe e, quanto ao resto, não ab
orreça mais...
Calou-se, antes de deixar escapar o palavrão que lhe subia aos lábios, e termino
u mais calmamente:
Não nos faça transpirar!
Sou uma tradutora replicou a máquina -, não sou um aquecedor. Toda a sala riu-se
a bandeiras despregadas. Hoover sorriu e virou-se para Lukos.
Dou-lhe os parabéns, sua filha tem espírito, mas ela é um pouco enjoada,
não?
Ela é meticulosa, é seu dever...
Eléa escutava, sem procurar compreender essas brincadeiras dos selvagens que jog
avam com as palavras como crianças com as pedrinhas das praias subterrâneas. Que
rissem, que chorassem, que se irritassem, tudo isso para ela era indiferente. T
ambém lhe era indiferente continuar quando lhe pediram. Explicou que a chave lev
ava, inscrita na sua substância, toda a bagagem hereditária do indivíduo e suas
características físicas e mentais. Era enviada ao computador central que a class
ificava e a modificava cada seis meses, depois de um novo exame da criança. Aos
sete anos, o indivíduo já se tinha definido. A chave também. Então se dava a Des
ignação.
A designação, o que é isto? perguntou Leonova. O computador central possui todas
as chaves de todos os seres vivos de Gondawa, e também dos seus antepassados. A
quelas que nós levamos são apenas cópias. Cada dia, o computador compara, entre
elas, as chaves de sete anos. Conhece tudo de todos. Sabe quem eu sou e também o
que serei. Encontra entre os rapazes aqueles que são e que serão, o que me conv
ém, aquele que me falta, aquele do qual precisarei, aquele que eu desejo. E entr
e esses rapazes encontra aquele para o qual eu sou e serei o que lhe falta, o qu
e ele precisa o que ele necessitará e o que ele desejará. Então, ele nos designa
um ao outro. Fez uma ligeira pausa e continuou:
O rapaz e eu, eu e o rapaz, nós somos como um seixo que tenha sido partido ao me
io e que tenha sido lançado entre todos os seixos partidos do mundo. O computado
r encontra as duas metades e as une.
É razoável disse Leonova.
Pequeno comentário da formiguinha acrescentou Hoover.
Deixem-na continuar... interferiu Lukos.
Eléa, indiferente, recomeçou a falar, sem olhar para ninguém.
São educados juntos. Ora na família de um, ora na família do outro. Juntos têm o
mesmo gosto, os mesmos hábitos. Aprendem juntos a ter as mesmas alegrias. Conhe
cem juntos como é o mundo, como é a menina, como é o menino. Quando vem o moment
o em que os sexos florescem, há união pelo sexo e o seixo reunido torna a soldar
-se numa só matéria.
Soberbo! disse Hoover. E isto sempre tem sucesso? Seu computador não se engana j
amais?
O computador não pode errar. Às vezes um rapaz ou uma moça mudam, ou se desenvol
vem de uma maneira imprevista. Então os dois pedaços de seixo não são mais a met
ade. E um se afasta do outro.
Eles se separam?
Sim.
E aqueles que ficam juntos são muito felizes?
Nem todo o mundo é capaz de ser feliz. Há casais que, simplesmente, não são infe
lizes. Há aqueles que são felizes e os que são muito felizes. E há alguns que a
Designação obteve um sucesso absoluto, e cuja união parece ter começado no iníci
o da vida do mundo. Para estes, a palavra felicidade não é suficiente. Eles são.
..
A voz impessoal da tradutora declarou em todas as línguas que ela conhecia:
Não há palavra na sua língua para traduzir a palavra que foi pronunciada.
E você perguntou Hoover -, você não era infeliz, feliz, muito feliz, ou bem... b
olas... isso inexprimível?
A voz de Eléa estancou, tornou-se dura como metal.
Eu não era disse ela. Nós éramos...
Os detectores imersos ao largo da costa do Alasca, anunciaram ao Estado-Maior am
ericano que 23 submarinos atômicos da frota polar russa haviam ultrapassado o es
treito de Behring, dirigindo-se para o sul. Não houve reação americana.
As redes de observações fizeram saber ao Estado-Maior russo que a sétima esquadr
a americana de satélites estratégicos modificara sua órbita de espera e inclinar
a-se para o sul.
Não houve reação russa.
O porta-aviões submarino europeu Netuno-I, em cruzeiro nas costas da África ocid
ental, mergulhou e tomou a direção do sul.
As ondas chinesas começaram a gritar, revelando à opinião mundial esses moviment
os que todo o mundo ignorava ainda e denunciando a aliança dos imperialistas que
vagavam de comum acordo em direção ao continente antártico para aí destruir a m
aior esperança da Humanidade.
Aliança, não era a palavra exata. Acordo teria sido mais justo. Os governos dos
países ricos tinham concordado, fora das Nações Unidas, em proteger os seus sábi
os e os seus maravilhosos e ameaçados tesouros, contra um ataque possível do mai
s poderoso dos países pobres, cuja população acabara de ultrapassar o bilhão. Pr
otegeriam-nos mesmo de um país menos poderoso, menos armado e menos decidido. Me
smo a Suíça, havia dito Rochefoux. Não, claro, não a Suíça. Era a nação mais ric
a: a paz a enriquecia, a guerra a enriquecia, ameaça de guerra ou de paz a torna
va rica. Talvez, isso sim, contra algum tirano negro, árabe ou oriental, reinand
o pela força sobre a miséria, que intentasse contra a EPI um golpe de força dese
sperado para apoderar-se de Coban ou para matá-lo.
O acordo secreto tinha chegado até os estados-maiores. Um plano comum havia sido
redigido. As esquadras da Marinha, submarinos e porta-aviões se dirigiam para o
círculo polar austral para construir um conjunto, ao largo do ponto 612, um blo
co defensivo e, se necessário, ofensivo.
Os generais e almirantes pensavam com desprezo nesses sábios ridículos e suas pe
quenas metralhadoras. Cada chefe de esquadra tinha como instrução não deixar, po
r preço algum, este Coban passar-se para o seu vizinho. Para isto, o melhor não
era estarem lá todos juntos e se vigiarem?
Havia outras instruções mais secretas, que não vinham nem dos governos
nem dos estados-maiores.
A energia universal, energia que há em toda a parte, que não custa nada e que fa
brica tudo, era a ruína dos trustes do petróleo, do urânio, de todas as matérias
-primas. Era o fim dos empresários!
Essas instruções mais secretas não foram os chefes de esquadra que as haviam rec
ebido, e sim alguns homens anônimos, misturados entre as tripulações.
Diziam, elas também, que não era possível deixar Coban ir para o vizinho. Acresc
entavam que ele não devia ir a lugar algum.
Você é um bruto! disse Simon a Hoover. Abstenha-se de fazer perguntas pessoais.
Uma pergunta sobre sua felicidade, não pensava...
Sim! Você pensava! retrucou Leonova. Mas você gosta de fazer sofrer!
Quer fazer o favor de se calar? pediu Simon. Virou-se para Eléa e perguntou-lhe
se ela desejava continuar.
Sim disse Eléa, com sua indiferença costumeira. Vou-lhes mostrar minha Designaçã
o. Essa cerimônia tem lugar uma vez por ano, na árvore-e-o-Espelho. Há uma Árvor
e-e-o-Espelho em cada profundidade. Fui designada para a Quinta Profundidade, on
de eu tinha nascido... Pegou o círculo de ouro colocado diante dela, levou-o aci
ma de sua cabeça, colocou-o.
Lanson cortou as câmaras, desligou o cabo do pódio e ligou o canal-som sobre a t
radutora.
Eléa, a cabeça entre as mãos, fechou os olhos.
Uma onda violenta invadiu a grande tela, afastada e substituída por uma chama la
ranja. Uma imagem confusa e ilegível tentou aparecer. As ondas a rasgaram. A tel
a tornou-se de cor vermelha e começou a palpitar como um coração desesperado. El
éa não conseguia dominar suas emoções. Viram-na esticar o busto sem abrir os olh
os, inspirar profundamente e retomar a posição. Bruscamente, apareceu na tela um
casal de crianças.
Eram vistos de costas e de frente para um imenso espelho que refletia uma árvore
. Entre o espelho e a árvore, sob esta última, havia uma multidão. E em frente a
o espelho, distantes alguns metros uns dos outros, havia uns vinte casais de cri
anças. Todos de pé o dorso nu, com coroas e pulseiras de flores azuis, vestidos
com uma roupa azul curta e calçados de sandálias. Sobre cada um de seus tenros d
edos e nos lóbulos de suas orelhas estava colada uma leve, delicada e dourada pl
uma de pássaro.
A menina no primeiro plano, a mais bela de todas, era Eléa, reconhecível mas dif
erente. Diferente não por causa da idade e sim da paz e da alegria que iluminava
seu rosto. O menino que estava a seu lado olhava-a, e ela lhe retribuía o olhar
. Ele era louro como o trigo maduro ao sol. Seus cabelos lisos caíam-lhe retos e
m volta do rosto até os ombros finos onde os músculos já começavam a mostrar seu
garbo. Seus olhos amendoados fixavam o espelho de onde os olhos azuis de Eléa l
he sorriam.
Eléa, adulta, fala, e a máquina traduz:
Quando a Designação é perfeita, no momento em que as duas crianças designadas se
vêem pela primeira vez, se reconhecem...
Eléa na infância trocara olhares com o menino. Eram felizes e belos. Eles se rec
onheciam como se tivessem andado sempre à procura um do outro, sem pressa e tran
qüilos com a certeza de que iam-se encontrar. Chegado o momento do encontro, est
avam juntos e se olhavam, se descobriam, felizes e maravilhados.
Atrás de cada casal de crianças estavam as duas famílias. Outras crianças com su
as famílias esperavam atrás deles. A árvore tinha um tronco castanho cujos prime
iros galhos quase tocavam no chão e os mais altos escondiam O teto, se é que hav
ia algum. Suas folhas espessas, de um verde vivo estriadas de vermelho, poderiam
esconder um homem da cabeça aos pés. Um grande número de adultos e de crianças
descansavam deitados ou sentados sobre os tralhos, ou sobre suas folhas que se a
rrastavam sobre o solo. Crianças saltavam de um galho para outro, como pássaros.
Os adultos usavam roupas de cores diversas, alguns inteiramente vestidos, outro
s mulheres ou homens somente dos quadris aos joelhos. Outros levavam apenas uma
faixa leve ao redor das cadeiras. Havia mulheres inteiramente nuas, mas os homen
s, todos, estavam vestidos. Nem todos os rostos eram belos, mas todos os corpos
eram harmoniosos e sadios. De modo geral tinham, com ligeira diferença, a mesma
cor de pele. Havia um pouco mais de variedade nos cabelos, que iam do ouro puro
ao ruivo e ao castanho-dourado. Alguns casais adultos se davam a mão.
No fundo do espelho apareceu um homem vestido com uma roupa vermelha que lhe caí
a até os pés. Aproximou-se do casal de crianças, parecia se entregar a uma cerim
ônia leve. Depois mandou-as de volta, de mãos dadas. Duas outras crianças vieram
substituí-las.
Outros homens de vermelho apareceram à beira do espelho, se dirigiram para os ou
tros casais de crianças que esperavam, e que partiram alguns instantes mais tard
e, de mãos dadas.
Um homem de vermelho chegou à beira do espelho e aproximou-se de Eléa. Ela o olh
ou no espelho. Ele lhe sorriu, colocou-se por detrás dela, consultou uma espécie
de disco que estava na sua mão direita e pousou sua mão esquerda sobre o ombro
de Eléa.
Sua mãe lhe deu o nome de Eléa disse ele. Hoje, você foi Designada. Seu número é
3-19-07-91. Repita.
3-19-07-91 disse Eléa menina.
Você vai receber sua chave. Estenda sua mão.
Ela estendeu a mão esquerda, aberta, a palma para cima. A extremidade dos seus d
edos veio tocar sobre o espelho a extremidade de sua imagem.
Diga quem é você. Diga seu nome e seu número.
Sou Eléa. 3-19-07-91.
A imagem da mão no espelho palpitou e se abriu, descobrindo uma claridade logo a
pagada e fechou-se de novo, de onde caiu um objeto na palma da mão que estava es
tendida. Era um anel. Um anel para um dedo de criança, encimado por uma pirâmide
truncada, cujo volume não excedia um terço do que usava Eléa adulta.
O homem de vermelho pegou-o e colocou-o no dedo médio da mão direita.
Não o tire nunca. Ele crescerá com você. Cresça com ele.
Depois veio se colocar atrás do menino. Eléa olhava o homem e o menino-rapaz com
olhos imensos, cada um contendo a metade da aurora. Seu rosto grave estava ilum
inado de confiança e de entusiasmo. Ele era semelhante a uma planta nova cheia d
e mocidade e de vida, que acaba de brotar no solo curo e estende para a claridad
e a confiança perfeita e tenra da sua primeira folha, com a certeza de que breve
, folha após folha, ela atingirá o sol...
O homem consultou seu disco, pousou sua mão esquerda sobre o ombro esquerdo do m
enino e disse:
Sua mãe lhe deu o nome de Paikan...
Uma explosão vermelha rasgou a imagem, invadiu a tela, cobriu o rosto de Eléa me
nina, apagou o céu dos seus olhos, sua esperança, e sua alegria. A tela extingui
u-se. No pódio, Eléa acabara de arrancar de sua cabeça o círculo de ouro.
Continuamos não sabendo para o que serve o diabo dessa chave resmungou Hoover.
Tentei te chamar para o nosso mundo. Embora tenhas aceitado colaborar conosco, t
alvez por isso mesmo, eu te via um pouco mais cada dia recuar no passado, para u
m abismo. Não havia passarela para atravessar o despenhadeiro. Não havia nada at
rás de ti, senão a morte.
Fiz trazerem do Cabo, para ti, cerejas e pêssegos.
Fiz trazer um carneiro do qual o nosso chefe tirou, para te oferecer, algumas co
steletas acompanhadas de folhas de alface romana, tenras como uma polpa de fruto
. Olhaste as costeletas com horror. E me disse:
É um pedaço cortado de um bicho?
Nunca tinha pensado nisso. Até aquele dia, para mim, uma costeleta não era senão
uma costeleta. Respondi meio sem jeito:
Sim.
Olhaste a carne, a salada, as frutas e me disseste:
Você come bicho!... você come mato!... você come árvore!... Tentei sorrir. Respo
ndi:
Nós somos bárbaros...
Mandei buscar rosas. Você pensou que isto também nós comêssemos...
A chave continha a explicação de tudo, dissera Eléa.
Foi esta a conclusão a que os sábios e os jornalistas chegaram, reunidos na Sala
de Conferências, no decorrer das reuniões seguintes. Eléa havia se tornado um p
ouco mais dona de suas emoções, e pôde contar e mostrar a sua vida e a de Paikan
, a vida de um casal de crianças que se tornou um casal de adultos, e tomou seu
lugar na sociedade.
Depois da guerra de uma hora, o povo de Gondawa tinha ficado enterrado. Os abrig
os haviam demonstrado sua eficiência. Apesar do Tratado de Lampa, ninguém ousava
jamais acreditar que a guerra não recomeçaria. A sabedoria aconselhava a ficar
no abrigo e nele viver. A superfície estava devastada. Era necessário reconstrui
r tudo. A sabedoria aconselhava a reconstruir o abrigo.
O subsolo foi ampliado em profundidade e extensão. Sua arrumação englobava caver
nas naturais, os lagos e os rios subterrâneos. A utilização da energia universal
permitia-lhes dispor de uma potência sem limites, e que poderia tomar todas as
formas. Era utilizada para recriar sobre o solo uma vegetação mais rica e mais b
ela que a que havia sido destruída embaixo. Numa claridade semelhante à luz do d
ia, as cidades subterrâneas transformaram-se em jardins, bosques, florestas. Nov
as espécies foram criadas, crescendo numa rapidez, na qual era visível o desenvo
lvimento de uma planta ou de uma árvore. Máquinas flexíveis e silenciosas se des
locavam para baixo e em todas as direções, fazendo desaparecer a terra diante de
las, bem como a rocha. Elas se arrastavam pelo chão, pelas abóbadas e pelas pare
des, deixando atrás de si tudo polido e mais duro do que o aço.
A superfície não era senão uma tampa, da qual tiravam partido. Cada parcela que
tinha permanecido intacta, foi preservada, limpa, arrumada para ser um lugar de
descanso. Lá, era um pedaço de floresta que haviam repovoado com animais; mais l
onge, um curso d'água de rios preservados, um vale, uma praia sobre o oceano. Aí
construíram edifícios para jogos e para quem quisesse arriscar a vida exterior
que a nova geração considerava como uma aventura.
Embaixo, a vida se organizava e se desenvolvia, dentro da alegria e da razão. As
usinas silenciosas continuavam fabricando tudo de que o homem tinha necessidade
. A chave era a base do sistema de distribuição.
Cada ser vivo de Gondawa recebia anualmente uma parte igual de crédito, calculad
a segundo a produção total das usinas silenciosas. Esse crédito estava escrito a
seu favor numa conta gerada pelo computador central. Era mais do que o suficien
te para lhes permitir viver e aproveitar tudo o que a sociedade podia oferecer-l
hes. Cada vez que um gonda desejava qualquer coisa de novo roupas, uma viagem, o
bjetos pagava com sua chave. Dobrava o dedo maior, enfiava sua chave no lugar já
previsto para este resultado, e sua conta, no computador central, era logo dimi
nuída do valor da mercadoria ou serviço pedido.
Alguns cidadãos, de uma qualidade excepcional, como Coban, diretor de uma univer
sidade, recebia um crédito suplementar. Mas este não lhes servia praticamente pa
ra nada. Um número muito pequeno de gondas chegava a gastar seu crédito anual. P
ara evitar a acumulação das possibilidades de pagamento entre as mesmas mãos, o
que restava dos créditos era automaticamente anulado no fim de cada ano. Não hav
ia pobres nem ricos, havia somente cidadãos que podiam obter todos os bens que d
esejassem. O sistema da chave permitia distribuir a riqueza nacional, respeitand
o ao mesmo tempo a igualdade de direitos dos gondas e a desigualdade de suas nat
urezas, cada um gastando seu crédito segundo seu gosto e suas necessidades.
Uma vez construídas e começando a funcionar, as usinas trabalhavam sem mão-de-ob
ra e com seu próprio cérebro, Mas não dispensavam completamente os homens, pois,
se asseguravam a produção, restava sempre alguma coisa em que era necessário a
mão e a inteligência para realizar. Cada gonda tinha que dar ao trabalho a metad
e de um dia durante os cinco dias, e este tempo poderia ser repartido em pedaços
. Ele podia, se desejasse, trabalhar mais. Podia, se quisesse, trabalhar menos o
u nada. O trabalho não era remunerado. Aquele que escolhesse trabalhar menos, vi
a seu crédito diminuir. Ao que escolhesse não trabalhar nada, restava com o que
subsistir e se oferecer um mínimo de supérfluo.
As usinas eram colocadas no fundo das cidades, na sua parte mais profunda. Ficav
am reunidas, juntas, ligadas entre si. Cada usina era parte de um conjunto que s
e ramificava sem cessar em novas usinas germinantes e que reabsorviam aquelas qu
e não davam mais um serviço satisfatório.
Os objetos que as usinas fabricavam não eram produtos de conjunto e sim de sínte
se. A matéria-prima era a mesma em todo o lugar. Energia universal. A fabricação
de um objeto no interior de uma máquina imóvel, parecia o desenvolvimento, nas
entranhas de uma mulher, do organismo incrivelmente complexo de uma criança a pa
rtir desse quase nada, que é um óvulo fecundado. Mas, nas máquinas, não havia o
quase, havia somente o nada. E a partir desse nada subia para a cidade subterrân
ea numa onda múltipla, distinta e ininterrupta, tudo o que era preciso às necess
idades e às alegrias da vida. O que não existe existe, concluía-se.
A chave tinha uma outra utilidade, também importante: impedia a fecundação. Para
conceber uma criança, o homem e a mulher deveriam tirar os anéis. Se um dos doi
s o conservasse, a fecundação era impossível. A criança não podia nascer senão q
uando desejada pelos dois.
A partir do grande dia da Designação, quando ele o recebia, um gonda não podia m
ais tirar seu anel. E, no correr dos dias este lhe fornecia tudo o de que ele ti
nha necessidade, tudo o que ele desejava. Era a chave da sua vida, e quando a vi
da terminava, o anel continuava no seu dedo no momento em que ele entrava na máq
uina imóvel que devolvia os mortos à energia universal. O que não existe, existe
.
Também o instante em que os dois esposos tiravam o seu anel, antes de se juntare
m para fazer uma criança, era banhado de uma emoção excepcional. Eles se sentiam
mais que nus, como se tivessem tirado ao mesmo tempo que o anel a própria pele.
Dos pés à cabeça, eles se tocavam ao vivo e a fundo. Entravam numa comunhão tot
al. Ele penetrava nela e os dois se fundiam. Para os dois corpos o espaço tornav
a-se o mesmo. A criança era concebida numa única alegria.
A chave era suficiente para manter a população de Gondawa num nível constante. E
nisorai não tinha a chave e não a queria. Enisorai pululava. Enisorai conhecia a
equação de Zoran e sabia utilizar a energia universal, mas servia-se dela para
a proliferação e não para o equilíbrio. Gondawa se organizava, Enisorai e multip
licava. Gondawa era um lago, Enisorai era um rio. Gondawa era a sabedoria, Eniso
rai a força. Essa força não podia se desenvolver e se exercer senão fora dela me
sma. Eram os engenhos de Enisorai que se tinham colocado em primeiro lugar na Lu
a. Gondawa logo a havia seguido, para não se deixar dominar. Segundo os cálculos
de balística a face leste da Lua convinha perfeitamente à partida dos engenhos
de exploração em direção ao sistema solar. Enisorai aí construiu uma base, Gonda
wa também. A terceira guerra acendeu-se neste lugar, de um incidente entre as gu
arniçoes das duas bases. Enisorai queria ser a única sobre a Lua.
O medo pôs fim à guerra. O Tratado de Lampa dividiu a Lua em três zonas, uma gon
da, uma enisor e uma internacional. Esta ficava a leste. As duas nações tinham f
eito um acordo para construírem juntas uma base de partida.
Os outros povos não tinham direito à partilha da Lua. Os outros povos viviam à m
argem, mas tiravam proveitos. Recebiam de Enisorai ou de Gondawa promessas de pr
odução de suas máquinas imóveis que supriam as suas necessidades. Os mais hábeis
recebiam dos dois lados. Tinham recebido também, dos dois lados, muitas bombas
durante a terceira guerra. Menos de Gondawa, muito mais de Enisorai.
Enisorai tinha uma população muito numerosa para poder ser abrigada. Porém sua f
ecundidade numa geração tinha substituído os mortos.
Pelo Tratado de Lampa, Enisorai e Gondawa tinham prometido não utilizar mais as
"bombas terrestres"; as que restaram foram jogadas no espaço, colocadas em órbit
a ao redor do Sol. As duas grandes nações tinham também tomado um outro compromi
sso, de não fabricar armas que ultrapassassem em força destrutiva aquelas que ac
abavam de ser proscritas.
Mas uma formidável força de expansão desenvolvia-se em Enisorai. Enisorai começo
u a fabricar armas individuais utilizando a energia universal. Cada uma dessas a
rmas tinha força de choque limitado. Mas nada poderia resistir à sua multidão. E
cada dia aumentava o número dos exércitos. O rio impetuoso da vida em expansão
enchia de novo seu leito, prestes a transbordar.
Então o Conselho Diretor de Gondawa decidiu sacrificar a vila central, Gonda-1.
Ela foi evacuada e reabsorvida, e, no seu lugar subterrâneo, as máquinas começar
am a trabalhar. E o Conselho Diretor de Gondawa fez saber ao Conselho do Governo
de Enisorai que, se uma nova guerra estourasse, seria A ÚLTIMA.
Assim, reunião após reunião, através das lembranças diretas de Eléa projetadas s
obre a tela, e pelas múltiplas perguntas que lhe faziam, os sábios da EPI aprend
eram a conhecer este mundo desaparecido, que havia resolvido certos problemas qu
e tanto preocupavam o nosso. Mas aquele mundo também parecia arrastado de maneir
a inelutável para disputas que nada de razoável justificava.
Viu-se logo que não era possível deixar aparecer nas telas da tevê publicamente
as lembranças diretas de Eléa. Era necessário fazer uma escolha, entre as imagen
s projetadas, pois ela evocava sem o menor constrangimento os momentos mais ínti
mos de sua vida com Paikan. De um lado, ela associava à beleza
de Paikan, à sua e à união dos dois o orgulho e a alegria, jamais a vergonha; de
outro lado ela parecia recordar cada vez mais suas lembranças para si mesma.
Sem se preocupar com a assistência que procurava perscrutar todos os detalhes. A
liás, os homens de hoje eram tão diferentes dela, tão atrasados, e bizarros na m
aneira de pensar e no comportamento, que lhe pareciam tão distantes, ausentes, q
uanto animais ou objetos.
Eléa evocava os momentos mais importantes de sua existência, os mais felizes, os
mais dramáticos, para revivê-los uma segunda vez. Entregava-se interminavelment
e à sua memória, como a uma droga de ressurreição, e só às vezes as ondas escarl
ates da emoção conseguiam tirá-la desse estado. Os sábios descobriram pouco a po
uco, em torno dela e de Paikan, o mundo fabuloso de Gondawa.
No seu cavalo branco de crinas compridas, delgada como um galgo, Eléa galopava r
umo à Floresta Poupada. Adiante de Paikan, corria rindo para ter a felicidade de
se deixar alcançar!
Paikan havia escolhido um cavalo azul porque seus olhos tinham a cor dos olhos d
e Eléa. Ele galopava logo atrás dela, alcançava-a pouco a pouco, fazia durar a a
legria. Seu cavalo estendia as narinas azuis para a longa cauda branca que flutu
ava ao vento. A extremidade dos longos pêlos penetrou nas narinas delicadas. O c
avalo azul sacudiu sua cabeça, ganhou um pouco mais de terreno, alcançou o outro
com a boca, mordendo-lhe a crina.
O cavalo branco saltou, relinchou, escoiceou. Eléa o segurava firme e o apertava
com suas coxas robustas. Ela ria, saltava, dançava junto com ele...
Paikan acariciou o cavalo azul e o fez largar sua presa. Entraram a passo curto
na Floresta, o branco e o azul, lado a lado, acalmados, maliciosos, se olhando c
om o canto do olho. Seus cavaleiros se seguravam pela mão. As árvores imensas, e
scapadas da terceira guerra, erguiam em enormes colunas seus troncos couraçados
de escamas castanhas. Ao sair do solo, elas pareciam hesitar, ensaiando uma lige
ira curva preguiçosa, mas que era apenas um impulso para se lançar vertiginosame
nte num salto vertical e absurdo em direção à luz que suas próprias folhas repel
iam. Muito alto, suas palmas entrelaçadas faziam um teto que o vento agitava sem
cessar, com um barulho longínquo de multidão em marcha, abrindo frestas por ond
e o sol se filtrava. As plantas rasteiras cobriam o solo num tapete áspero. As c
orças esfregavam as patinhas para descobrir as folhas mais tenras que depois erg
uiam com a ponta dos lábios e arrancavam num movimento brusco de pescoço. O ar q
uente cheirava a resina e a cogumelo.
Eléa e Paikan chegaram à beira do lago. Deixaram-se escorregar de seus cavalos,
que voltaram para a floresta a galope, se perseguindo como escolares. Havia pouc
a gente na praia. Uma tartaruga enorme, exausta, de casco com os bordos gastos,
arrastava sua massa pesada na areia, carregando um menino nu às costas.
Ao longe, na outra margem que a guerra havia destruído, se abria o grande orifíc
io da Boca. Aí via-se elevar ou descer uma quantidade de bolhas de toda as cores
. Eram os engenhos de mudança a curta ou longa distância que saíam de Gonda pela
s chaminés de partida, ou que para aí voltavam. Alguns passavam a uma altitude b
aixa em cima do lago, dando a impressão de fazer um barulho de seda acariciada.
Eléa e Paikan dirigiram-se para os elevadores que atravessavam a areia, extremid
ade da praia.
Atenção! disse uma voz enorme.
Ela parecia vir ao mesmo tempo da floresta, do lago e do céu.
Atenção, escutem! Todos os seres vivos de Gondawa receberão a partir de amanhã,
pelo correio, a arma G e o Grão Negro. Haverá sessões para o ensino do uso da ar
ma G em todos os centros de recreação da Superfície e das Profundezas. Os faltos
os verão sua conta debitada de um cêntimo por dia a partir do décimo primeiro di
a da convocação. Escutem bem, está terminado.
Estão loucos disse Eléa. A arma G era para matar; o Grão, para morrer.
Nem Eléa nem Paikan tinham vontade de matar nem de morrer. Depois de terem feito
os mesmos estudos haviam escolhido a mesma carreira. A de Engenheiro do Tempo,
a fim de viveram na superfície. Moravam numa Torre do Tempo acima de Gonda-7.
Para chegarem a casa, teriam que tomar um veículo. Preferiam voltar pela cidade,
escolheram um elevador para dois cujo cone verde brilhava suavemente acima da a
reia. Cada um enfiou sua chave na placa de comando e o elevador abriu-se como um
fruto maduro. Entraram no seu interior cor-de-rosa. O cone desapareceu no solo
e fechou-se em cima deles. Saíram na Primeira Profundidade de Gonda-7. Serviram-
se novamente de suas chaves para abrir as portas transparentes de acesso à décim
a segunda avenida. Era uma estrada principal. Suas múltiplas pistas de relva flo
rida se deslocavam numa velocidade crescente do exterior para o centro. Árvores
baixas serviam de cadeira e ofereciam o apoio de seus galhos aos viajantes que p
referiam permanecer de pé. Pássaros amarelos semelhantes a gaivotas voavam veloz
mente, lutando com a pista central, grasnando de prazer.
Eléa e Paikan saíram na Avenida da Encruzilhada do Lago e tomaram a alameda que
levava ao elevador de sua Torre. Um riacho partia da encruzilhada e corria ao lo
ngo do caminho. Pequenos mamíferos ruivos, de ventre branco, menores do que um g
ato doméstico, brincavam na relva ou se escondiam atrás dos tufos para pegar os
peixes. Tinham uma cauda curta e chata e um bolso ventral de onde saía às vezes
uma pequenina cabeça com olhos meigos e maliciosos, que roía uma espinha. Fazend
o um ruído sibilante, vieram brincar entre os pés de Paikan e de Eléa. Ágeis e e
spertos, se desvencilhavam quando o bico de uma sandália estava a ponto de pisar
-lhe uma pata ou a cauda.
Gonda-7 subterrânea tinha sido feita sobre as ruínas de Gonda-7 da superfície. D
a antiga cidade não restava mais do que as gigantescas ruínas, acima das quais a
Torre do Tempo se erguia como uma flor no meio de destroços.
No cimo da sua longa haste se espalhavam as pétalas do terraço circular, com árv
ores, gramados, piscina e um cais de atracação, abrigado do vento, que neste loc
al, soprava do oeste.
Rodeado pelo terraço, o apartamento abria-se sobre ele por todos os lados. Meias
repartições curvas, mais ou menos altas, interrompidas, o dividiam em peças red
ondas, ovóides, irregulares, íntimas e no entanto não separadas. Acima do aparta
mento, a cúpula observadora coroava a Torre com uma calota transparente, ligeira
mente esfumaçada de azul. O elevador chegava na peça do centro, perto da fonte b
aixa.
Ao entrar, Eléa abriu com um gesto todos os vidros. O apartamento formou um só t
erraço, e a brisa ligeira da tarde o visitou. Algas multicores se balançavam nas
correntes móveis da piscina. Eléa jogou sua roupa e escorregou para dentro d água
. Um cardume de peixes-agulha, negros e vermelhos, vieram-lhe beliscar a pele, d
epois, assustados, despareceram num arrepio.
Na cúpula, Paikan assegurou-se com um olhar de que tudo estava bem. Aí não havia
aparelhagem complicada, a cúpula em si mesma era um instrumento, obedecendo aos
gestos e aos contatos das mãos de Paikan, trabalhando quando ele lhe ordenava.
Tudo ia bem, o céu estava azul, a cúpula ronronava docemente. Paikan despiu-se e
juntou-se a Eléa na piscina. Vendo-o chegar ela riu-se mergulhou. Ele a encontr
ou atrás dos véus irisados de um peixe-cortina preguiçoso que os olhava com um o
lho redondo, coral.
Paikan ergueu os braços e deixou-se escorregar por trás dela. Ela se apoiou de e
ncontro a ele, sentada, flutuando, leve. Ele apertou-a contra seu ventre, enlaço
u-a com os braços e seu desejo erguido a penetrou. Reapareceram na superfície co
mo um só corpo. Ele estava atrás dela, e ela enroscada e apoiada nele, que a pre
ssionava com o braço contra seu peito. Colocando-a de lado com ele, com o braço
esquerdo começou a nadar. Cada tração o empurrava mais dentro dela, enquanto lev
ava os dois para a margem de areia. Eléa estava passiva como um destroço quente,
numa inércia amorosa. Chegaram à borda e se colocaram meio fora dágua. Ele a ma
ntinha cercada, encerrada, assediada: havia entrado como o conquistador desejado
diante do qual são abertas todas as portas. E ele percorreu lentamente, docemen
te, longamente todos os seus segredos.
Sobre o rosto e ouvido, ela sentia a água morna e a areia subir e descer, descer
e subir. A água vinha acariciar o canto de sua boca entreaberta. Os peixes-agul
ha arrepiavam a parte submersa de sua coxa.
No céu onde a noite começava, algumas estrelas se acenderam. Paikan quase não se
mexia. Ele era nela um tronco de árvore liso, duro, palpitante e macio, um tron
co de carne bem-amado, sempre lá, tornado mais forte, mais rijo, mais quente, su
bitamente queimando, imenso, abrasado, vermelho, queimando no seu ventre inteiro
, toda carne e os ossos incendiando até o céu. Ela apertou com as suas mãos as m
ãos fechadas ao redor dos seus seios e gemeu longamente na noite que chegava.
Uma paz imensa substituiu a claridade. Ela ficou ao redor de Paikan. Ele continu
ava sempre dentro dela, duro e sereno. Ela repousou em cima dele como um pássaro
que adormece. Muito lentamente, muito docemente, ele começou a lhe preparar uma
nova alegria.
Eles dormiam sobre a grama do seu quarto, tão fina e tão macia quanto pelo do ve
ntre de um gato. Uma coberta branca, apenas colocada sobre eles, sem peso, morna
, adaptava sua forma e sua temperatura às necessidades de sua quietude. Eléa aco
rdou um instante, procurou a mão aberta de Paikan e nela colocou seu punho fecha
do. A mão de Paikan fechou-se sobre ele. Eléa suspirou de felicidade e tornou a
adormecer.
O uivo prolongado de uma sirena fez com que eles se levantassem, espantados.
O que é? Não é possível! exclamou Eléa.
Paikan enfiou sua chave na placa de imagem. Diante deles, a parede iluminou-se e
se abriu. O rosto familiar do locutor, de cabelos vermelhos, apareceu no vídeo:
Alarma geral. Um satélite não identificado dirige-se para Gondawa sem responder
às perguntas de identificação. Vai penetrar no espaço territorial. Se ele contin
uar não respondendo, nosso dispositivo de defesa vai entrar em ação. Todos os qu
e se encontram fora devem regressar imediatamente à cidade. Apaguem todas as luz
es. Nossas emissões da superfície vão ser suspensas. Escutem, está terminado.
A imagem na parede achatou-se, veio colar-se à superfície e desapareceu.
É preciso descer? perguntou Eléa.
Não. Venha por aqui...
Pegou a coberta, embrulhou Eléa e levou-a para o terraço. Meteram-se entre as fo
lhas baixas de uma palmeira de seda e apoiaram-se à altura da rampa da extremida
de.
O céu estava escuro, sem lua. As numerosas estrelas brilhavam com um esplendor p
erfeito. As bolas luminosas dos engenhos voadores pareciam maiores ou menores se
gundo sua altitude. A certa altura modificaram suas rotas e pareceram ser aspira
dos por uma corrente que os levou todos na direção da Boca.
No solo, o sinal de alerta havia acordado os habitantes das casas de repouso ama
rradas na planície, ou entre as ruínas, nos limites dágua e do serviço. Seus cas
ulos translúcidos mostravam na noite a claridade de suas formas: peixe de ouro,
flor azul, ouro vermelho, funil verde, esfera, estrelas, poliedro, gota... Algun
s estavam prestes a voar e a tomar o caminho da Boca. Outros apagaram-se rapidam
ente. Uma serpente branca continuou acesa iluminando uma muralha destruída.
O que é que aqueles lá estão esperando para apagar? murmurou Eléa.
De qualquer maneira, é inútil... se é uma arma de ataque, ela terá outros meios
de encontrar seus objetivos.
Você acredita que seja uma?
Sozinha, é pouco provável...
Diante deles, de repente, um traço luminoso subiu no horizonte. Depois dois, trê
s, quatro.
Estão atirando!... disse Paikan.
Os dois olharam para o céu onde mais nada aparecia senão a indiferença das estre
las no fundo do infinito. Eléa estremeceu, abriu a coberta e apertou Paikan cont
ra ela. Houve, muito alto, bruscamente, uma nova estrela, gigantesca, que se ras
gou e se espalhou numa cortina lenta de claridade rósea, ionizada.
Olhe lá!... Eles não podiam errar!...
O que você acha que era?
Não sei, reconhecimento talvez. Ou então simplesmente um cargueiro infeliz cujos
emissores estavam em pane, em todo o caso estavam, não estão mais.
O alarma fez com que eles ficassem novamente sobressaltados. Ninguém se acostuma
va com tão horrível barulho. Ao fim do alerta, as casas de repouso voltaram a se
acender, umas depois das outras. Ao longe, um bando de engenhos elevou-se da Bo
ca como um facho de faíscas.
Na parede do quarto, a imagem renasceu e atravessou o muro. Eléa e Paikan deseja
vam ter notícias. Mas depois dessa instrução de absurdo e de horror na doçura da
noite, esta lhes pareceu tão frágil, tão preciosa, que eles não quiseram mais d
eixá-la. Paikan enfiou sua chave numa placa da rampa. A imagem desapareceu na pa
rede do quarto e saiu. Paikan a dirigiu virando a placa móvel e instalou-a na fo
lhagem da palmeira de seda. Sentou-se no gramado, as costas na rampa, Eléa apert
ada contra ele. A brisa do oeste, apenas fresca, soprava em volta da torre e vin
ha banhar seus rostos. As folhas de seda estremeciam e flutuavam no vento ligeir
o. A imagem estava luminosa e estável nas suas três dimensões e nas suas cores.
O locutor de cabelos vermelhos falava com gravidade, mas não se entendia nenhuma
das palavras que ele pronunciava. Um cubo negro nasceu do fundo da imagem, inva
diu todo o feixe receptor e apagou a imagem. O rosto nervoso de um homem, muito
jovem, apareceu no cubo. Seus olhos castanhos brilhavam de paixão, seus cabelos
lisos, quase negros, caíam-lhe até a altura das orelhas.
Um estudante! disse Eléa.*
Ele falava com veemência:
... a paz! Dê-nos a paz! Nada justifica a guerra! Nunca! Mas nunca ela será mais
atroz e mais absurda do que hoje, no momento em que os homens estão a ponto de g
anhar a batalha contra a morte! Vamos nos massacrar por causa de pratos floridos
na Lua? Por causa de rebanhos em Marte e seus pastores negros? Absurdo! Absurdo
! Há outros caminhos para as estrelas! Deixem os enisores pilharem no espaço! El
es não comerão tudo. Deixem-nos se baterem contra o infinito! Nós travamos aqui
uma batalha, bem mais importante! Por que o Conselho Diretor vos deixa na ignorâ
ncia dos trabalhos de Coban? Digo, em nome de todos aqueles que há anos trabalha
m a seu lado: ele ganhou! Está resolvido! No laboratório 17 da universidade, emb
aixo da campânula 42, uma mosca vive há 545 dias! Seu tempo normal de vida é de
40 dias! Ela vive, está jovem, está soberba. Há um ano e meio ela bebeu a primei
ra gota.
O autor faz questão de frisar que esta história foi escrita durante o verão de 6
6. A revolta dos estudantes ar já constava. Sua redação definitiva foi terminada
no dia 10 de março de 68. Depois desse dia nada mais foi acrescentado nem retir
ado. Os episódios nos quais os estudantes tomaram parte, a concepção da universi
dade independente, não foram portanto inspirados pelos acontecimentos de maio de
68, pois lhes são anteriores experimental do soro universal de Coban! Deixem Co
ban trabalhar. Seu soro está quase pronto! As máquinas vão logo poder fabricá-lo
! Vocês não envelhecerão mais! A morte será infinitamente distante! A não ser qu
e os matem! A não ser em caso de guerra! Exijam do Conselho Diretor que recuse a
guerra! Que ele declare a paz com Enisorai! Que ele deixe Coban trabalhar! Que
ele...
Com uma piscada, sua imagem reduziu-se ao tamanho de uma noz, e desapareceu. O h
omem de cabelos vermelhos foi primeiro um fantasma transparente, depois uma imag
em sólida.
Queiram desculpar esta emissão pirata...
O cubo absorveu-o num bloco, revelando novamente o menino veemente.
... lançados em órbita longínqua, mas inventaram o pior! O Conselho Diretor pode
rá nos dizer que arma monstruosa ocupa agora Gonda-1 ? Os enisores são homens co
mo nós! Que restará de nossas esperanças e de nossas vidas, se estas...
O cubo tornou-se negro, achatou-se em duas dimensões e o busto do locutor retomo
u seu lugar.
O presidente do Conselho Diretor vai falar.
O Presidente Lokan apareceu. Seu rosto magro estava sério e triste. Seus cabelos
brancos caíam até os ombros cujo lado esquerdo estava nu. Sua boca fina, seus o
lhos de um azul muito claro fizeram esforço para sorrir enquanto pronunciava as
palavras de confiança. Sim, haviam acontecido incidentes na zona internacional d
a Lua, sim, os dispositivos de defesa do continente tinham destruído um satélite
suspeito, sim, o Conselho Diretor teve que tomar medidas, mas nada disto era ve
rdadeiramente grave. Ninguém dava mais importância à paz que os homens que tinha
m por dever dirigir os destinos de Gondawa.
¬ Tudo será feito para preservá-la. Coban é meu amigo, quase meu filho. Estou a
par dos seus trabalhos. O conselho espera o resultado de suas experiências sobre
o homem para ordenar, se ele for positivo, a construção da máquina que fabricar
á o soro universal. E uma esperança imensa, mas ela não deve nos desviar de noss
a vigilância. Quanto àquilo que ocupa o lugar de Gonda-1, Enisorai sabe e eu vos
direi somente o seguinte: é uma arma tão terrífica, que só a sua existência já
é o bastante para garantir a paz.
Paikan colocou a mão sobre a placa de comando, e a imagem desapareceu. O dia nas
cia. Um pássaro que parecia com um melro, mas cuja plumagem era azul e a cauda f
risada, começou a cantar do alto da árvore de seda. De todas as árvores do terra
ço e das moitas floridas, pássaros de todas as cores lhe responderam. Para eles
não havia angústia, nem de dia nem de noite. Não havia caçadores em Gondawa. Os
prados floridos da Lua... os rebanhos de Marte e seus pastores negros.
Os sábios do EPI pediram explicações. Eléa tinha ido à Lua, numa viagem de recre
io com Paikan. Ela pôde mostrar-lhes. Eles viram os "prados floridos" e as flore
stas de árvores frágeis, fracas, de troncos finos intermináveis, se desabrochand
o em espigas ou em tufos que as faziam parecer com imensas gramíneas.
Viram Eléa e Paikan, depois de terem descido da nave que os havia levado junto c
om outros passageiros, brincar como crianças na pouca gravidade. Tomavam impulso
com alguns passos gigantes, saltavam juntos de mãos dadas, atravessavam os riac
hos com um salto, subiam ao cimo das colinas e passavam por cima das árvores, de
scansavam sobre suas espigas cobertas de grãos de pólen grandes como laranjas, q
ue sacudiam para fazê-las voar em nuvens multicores e caírem numa chuva de floco
s.
Todos os viajantes faziam a mesma coisa, e a nave parecia ter desembarcado uma c
arga de borboletas fugazes que se afastavam dela em todas as direções, pousando
aqui e ali, no campo verde, sob o céu de um azul profundo.
Apesar do pouco esforço de que necessitavam, essas brincadeiras acabam muito ráp
ido, pois o ar ratificado trazia o cansaço. Os viajantes acalmavam seus corações
sentando-se à beira dos riachos ou caminhando em direção ao horizonte que parec
ia sempre próximo, sempre fácil de atingir, e que fugia como todos os horizontes
. Mas sua proximidade e sua curvatura visível proporcionavam aos passeantes uma
sensação que as dimensões da Terra não lhes permitiam experimentar: a sensação a
o mesmo tempo excitante e apavorante de caminhar sobre uma bola perdida no infin
ito.
Os sábios não viram, em lugar nenhum, nessas imagens, traços de crateras, nem gr
andes nem pequenas...
Eléa não conhecia Marte, onde não tinham ido até então senão as naves dos explor
adores ou dos militares. Mas ela havia visto "os pastores negros" E havia reconh
ecido um, aqui mesmo, no EPI!
A primeira vez que ela havia encontrado Shanga o africano, havia manifestado sua
surpresa, e o havia designado por palavras que a tradutora havia dado a seguint
e interpretação: "o pastor vindo do nono planeta". Foi preciso um longo diálogo
para compreender primeiro o hábito gonda de contar os planetas não a partir do S
ol, mas a partir do exterior do sistema solar. Em seguida, que o dito sistema nã
o compreendia para eles nove planetas mas sim doze, ou seja, três planetas além
do maléfico e distante Plutão.
Esta novidade lançou os astrônomos do mundo inteiro num abismo de cálculos, de v
ãs observações e de discussões amargas. Que esses planetas existissem ou não, o
nono, em todo o caso, no espírito de Eléa, era Marte. Ela afirmou que ele era ha
bitado por uma raça de homens de pele negra e que os navios gonda e enisores hav
iam trazido algumas famílias. Antes disso, não existia na Terra nenhum homem de
cor negra. Shanga ficou transtornado, e com ele todos os negros do mundo, que so
uberam rapidamente da notícia. Raça infeliz, sua vida errante não tinha então co
meçado com os mercadores de escravos! Já do fundo dos tempos seus infelizes ance
strais arrancados da África tinham sido eles mesmos arrancados de sua pátria no
céu. Quando terminaria tanta infelicidade? Os negros americanos se juntaram nas
igrejas e cantaram: "Senhor fazei cessarem as minhas atribulações! Senhor, levai
-me de volta para a minha pátria celeste". Uma nova nostalgia nascia no grande c
oração coletivo da raça negra.
Depois de terem se alimentado e se banhado, Eléa e Paikan subiram pela pequena r
ampa interna para a cúpula de trabalho. Acima da prateleira horizontal em semi-c
írculo que corria ao longo da parede transparente, faixas de onda mostravam imag
ens de nuvens diversas em evolução. Uma delas inquietou Paikan. Depois de consul
tar Eléa, chamou a Central do Tempo. Uma imagem nova iluminou-se acima da mesa.
Era o rosto do seu chefe de serviço, Mikan. Ele parecia cansado. Seus longos cab
elos grisalhos estavam sem brilho, despenteados, e seus olhos vermelhos. Saudou-
o.
¬ Você estava em casa esta noite?
¬ Sim.
¬ Você viu aquilo? Lembrou-me coisas muito tristes! É verdade que vocês não tinh
am nascido, nem um nem outro. Mas não se pode deixar que eles ajam assim, esses
sem-vergonhas! Por que você me chamou? Alguma novidade?
¬ Uma turbulência. Olhe!...
Paikan abriu três dedos e fez um gesto. Uma imagem desapareceu, enviada à Centra
l do Tempo.
Estou vendo... disse Mikan. Não gosto disto... Se a deixarmos
agir, ela vai misturar todo o nosso dispositivo. Quais as possibilidades que voc
ê
tem nesse setor?
Posso derivá-la ou apagá-la.
Então faça, apague,apague, não gosto nada disso...
A imagem de Mikan desapareceu. A Torre do Tempo de Gonda-7 e todas as outras sem
elhantes mantinham acima do continente uma rede de condições meteorológicas cont
roladas, cujo fim era reconstituir o clima transformado pela guerra, a fim de pe
rmitir que renascesse a vegetação.
Um sistema automático assegurava a manutenção das condições previstas. Era muito
raro que Paikan ou Eléa tivessem que intervir. Na ausência de um deles, outra t
orre teria feito o necessário para destruir no ovo este pequeno ciclone perturba
dor.
Uma casa de repouso em forma de cone azul-pálido chegou até a altura da cúpula e
foi pousar perto da auto-estrada quebrada, cujas doze pistas arrancadas se espa
lhavam como um buquê virado em direção ao céu. Não haviam consertado as auto-est
radas. As usinas não fabricavam mais veículos de rodas ou de esteiras. Os transp
ortes enterrados, pistas, avenidas ou elevadores, eram todos coletivos, e os da
superfície todos aéreos... Podiam sobrevoar o solo a alguns centímetros ou em al
titudes consideráveis, a qualquer velocidade e pousar em qualquer lugar.
Os casais da geração de pós-guerra que utilizavam as casas de repouso não aprove
itavam nada de suas possibilidades. Não ousavam se aventurar mais longe do que a
s Bocas, que os pequenos marsupiais longe do bolso materno. Era por essa razão q
ue se viam tantas concentrações de casas móveis na beira ou mesmo no meio das ru
ínas das cidades antigas, que geralmente cobriam as cidades subterrâneas. Os gon
das mais idosos, que ainda se lembravam da vida exterior, percorriam o continent
e em todos os sentidos, à procura de fragmentos de superfície ainda vivos, e vol
tavam a se enterrar com a visão horrível dos espaços vitrificados, e o pungente
pesar de um mundo desaparecido.
Eléa olhou se o correio havia chegado. A caixa transparente continha duas armas
G com seu cinto e duas esferas minúsculas que deviam conter, cada uma, um Grão N
egro. Havia ainda três plaquetas-correio, das quais duas de cor vermelha, a cor
das comunicações oficiais.
Eléa abriu a caixa com sua chave, pegou com repugnância as armas e os grãos, e c
olocou-os sobre uma mesa.
Você vem ouvir o correio? perguntou a Paikan.
Este deixou a Cúpula continuar sozinha o trabalho e aproximou-se.
Pegou as placas vermelhas, franzindo as sobrancelhas. Uma trazia o seu nome e o
selo do Ministério da Defesa, a outra o nome de Eléa e o selo da universidade.
O que é isso? perguntou ele.
Mas Eléa já havia introduzido na fenda de leitura a plaqueta verde sobre a qual
havia reconhecido o retrato de sua mãe. O rosto dela se materializou acima da te
la-leitura. Era um rosto um pouco mais idoso que o de Eléa, e parecia-se muito c
om ela, com uma qualquer coisa de mais frívolo.
Escute, Eléa disse ela espero que estejas bem; eu estou. Parto para Gonda-41, nã
o tenho notícias do seu irmão. Ele foi mobilizado em plena noite para levar um c
omboio de tropas para a Lua e não deu mais sinal de vida há oito dias. É claro,
tudo isto são histórias militares. Eles não podem deslocar uma formiga sem fazer
um mistério de mamute. Mas Anéa, está sozinha com seu bebê, e muito inquieta. E
les bem poderiam ter esperado um pouco antes de tirar suas chaves! Há somente de
z anos que foram designados. Trate de não fazer como eles, vocês tem bastante te
mpo, agora não é de maneira alguma o momento de fazer filhos! Enfim, é assim, nã
o há nada a fazer, vou até lá. Mandarei notícias. Cuide um pouco do seu pai, ele
não pode me acompanhar, está mobilizado em seu trabalho. Creio que o conselho e
os militares estão todos loucos! Enfim, não se pode fazer nada, vá visitá-lo e
preste atenção no que ele come, quando ele está sozinho aperta a máquina-de-come
r de qualquer maneira, não presta atenção a nada, é uma criança. Escute, Eléa, e
stá terminado.
Forkan mobilizado. Seu pai também! Isto é incrível! O que é que eles estão prepa
rando?
Nervosamente, Paikan enfiou uma das plaquetas vermelhas no leitor. O emblema da
defesa apareceu acima do quadro: um ouriço redondo cujos espinhos lançavam chama
s.
Escute, Paikan disse uma voz indiferente...
Era uma ordem de mobilização no local do seu trabalho. A segunda placa vermelha
introduzida no leitor materializou acima do quadro o emblema da universidade, qu
e não era outro senão o sinal da equação de Zoran.
Escute, Eléa disse uma voz grave -, sou Coban!
Coban!
Seu rosto apareceu no lugar da Equação de Zoran. Todos os seres vivos de Gondawa
o conheciam. Era o homem mais célebre do continente. Tinha dado a seus compatri
otas o soro 3 que os tornava refratários a todas as doenças, e o soro 7, que os
permitia recuperar tão rapidamente suas forças depois de qualquer esforço que ti
vessem feito. Graças a isso o equivalente da palavra fadiga estava em vias de de
saparecer da língua gonda.
No seu rosto magro de faces encovadas, seus grandes olhos negros brilhavam com a
chama do amor universal. Este homem não pensava senão nos outros homens, e, aci
ma dos homens, na própria vida, nas suas maravilhas e nos seus horrores, contra
os quais lutava permanentemente, com toda a sua inteligência e todas as suas for
ças. Tinha os cabelos negros cortados curto, na altura das orelhas. Tinha 32 ano
s, mas parecia tão jovem quanto seus estudantes, que o veneravam e copiavam seu
corte de cabelo.
Escute, Eléa, sou Coban. Quis informá-la pessoalmente de que, a meu pedido, você
estará, em caso de mobilização total, convocada para um posto especial na unive
rsidade, junto a mim. Não a conheço e desejo conhecê-la. Peço-lhe que esteja no
laboratório 51, o mais cedo possível. Deve dar seu nome e número e ser trazida à
minha presença. Escute, Eléa, eu a espero.
Eléa e Paikan se entreolharam sem nada compreender. Havia nesta mensagem dois el
ementos contraditórios: "Estará convocada a meu pedido" e "não a conheço..." E h
avia sobretudo a ameaça de serem mobilizados e postos afastados um do outro. Des
de a sua designação eles nunca mais haviam se separado. E não podiam encarar est
a perspectiva. Isto lhes parecia inimaginável.
Irei com você ver Coban. Se ele realmente tem necessidade de você, lhe pedirei p
ara me convocar também. Na torre qualquer um pode me substituir.
Era simples, era possível se Coban quisesse. A universidade era a primeira força
do Estado. Nenhum poder administrativo ou militar imperava sobre ela. Ela possu
ía seu orçamento autônomo, sua guarda independente, seus próprios emissores e nã
o tinha que dar contas a ninguém. Quanto a Coban, embora não ocupasse nenhum pos
to político, o Conselho Diretor de Gondawa não tomava decisão grave sem consultá
-lo. E se ele tinha necessidade de Eléa, Paikan, que havia recebido exatamente a
mesma educação e a mesma instrução, poderia também ser-lhe útil.
De qualquer maneira, nada urgia, a idéia mesmo da guerra sendo uma monstruosidad
e absurda, não se deveriam deixar dominar pelo nervosismo oficial. Todos esses b
urocratas fechados nos seus palácios subterrâneos não tinham mais noção da reali
dade.
Eles deveriam subir mais vezes para ver tudo isto disse Eléa.
O sol da manhã clareava o caos das ruínas dominado a oeste pela massa enorme do
estádio quebrado e revirado. A este, a auto-estrada retorcida afundava-se na pla
nície nos reflexos de vidro sobre a qual nenhuma graminha tinha conseguido nasce
r.
Paikan passou seus braços ao redor dos ombros de Eléa e apertou-a contra ele.
Vamos até a floresta disse ele.
Enfiou sua chave na placa de comunicação, chamou o parqueamento da Profundidade-
1, e chamou um táxi. Alguns minutos mais tarde uma bolha transparente vinha para
r no lugar de encostar. Passando diante da mesa, Paikan pegou as duas armas e os
cintos.
Voltou para informar à Central do Tempo sobre a sua ausência e dizer aonde ia. N
ão podia mais se ausentar sem prevenir. Estava mobilizado.
Perceberam? Eles são todos canhotos! disse Hoover.
Falava em voz baixa para Leonova, escondendo seu microfone na mão. Leonova compr
eendia muito bem o inglês.
Era verdade. Agora que Hoover lhe havia chamado a atenção isto saltava aos seus
olhos. Estava irritada por não ter sido ela a perceber sozinha. Todos os gondas
eram canhotos. As armas encontradas no pedestal de Eléa, e no de Coban que també
m tinha sido aberto, eram em forma de luva para a mão esquerda. E a imagem da gr
ande tela, neste momento mesmo, mostrava Eléa e Paikan treinando com os outros g
ondas manejar armas semelhantes. Todos atiravam com a mão esquerda sobre alvos d
e metal de formas diversas, que surgiam bruscamente do solo e que ressoavam sob
o impacto dos golpes de energia. Era um exercício de habilidade e principalmente
de controle. Sob a pressão exercida pelos três dedos dobrados, a arma G podia c
urvar um ramo de grama ou pulverizar um rochedo, triturar um adversário ou somen
te derrubá-lo.
Um alvo oval ergueu-se subitamente dez passos diante de Paikan. Era azul, o que
significava que ele deveria atirar com um mínimo de força. Com a rapidez de um r
aio Paikan dirigiu sua mão esquerda para a arma presa à sua cintura por uma plac
a magnética, arrancou-a, ergueu o braço e atirou. O alvo suspirou como uma corda
de harpa atingida e desapareceu.
Paikan começou a rir. Tinha se reconciliado com a arma. Este exercício era uma b
rincadeira agradável.
Um alvo vermelho apareceu logo em seguida, ao mesmo tempo que um verde erguia-se
à esquerda de Eléa. Eléa atirou fazendo um quarto de volta. Paikan, surpreso, t
eve o tempo exato de atirar antes que os alvos desaparecessem. O vermelho ressoo
u como uma tempestade, o verde como um sino. De todas as partes surgiam alvos qu
e recebiam golpes violentos, piparotes ou carícias. A clareira cantava como um e
norme xilofone sob os martelos de um louco.
Um engenho da universidade sobrevoou o local, abriu um espaço e pousou suavement
e atrás dos atiradores. Era um engenho rápido. Parecia com um ferro de lança ten
do na parte de cima um casulo transparente onde estava cunhada a equação de Zora
n.
Daí saíram dois guardas universitários, de peitoral e saias verdes, a arma G do
lado esquerdo do ventre, uma granada S sobre a anca direita, a máscara nasal pen
durada como um colar. Usavam o penteado de guerra, os cabelos trançados atrás, s
eguros por um grampo magnético contra o capacete cônico de bordas largas. Foram
de um grupo a outro, interrogando os atiradores que os olhavam com espanto e inq
uietação: nunca tinham visto guardas verdes tão bem armados.
Os dois guardas procuravam alguém. Quando chegaram perto de Eléa disseram: procu
ramos Eléa 3-19-07-91. Tinham passado pela torre e, encontrando-a vazia, haviam
indagado na Central do Tempo. Coban queria ver Eléa sem demora.
Vou com ela disse Paikan.
Os guardas não tinham ordens para se opor. O engenho atravessou o lago como uma
flecha até a Boca e deixou-se cair verticalmente na chaminé verde da universidad
e. Diminuiu ao chegar no teto do parqueamento, aproximou-se do solo acima da pis
ta central, tomou uma pista especial e parou diante da porta dos laboratórios qu
e se abriu e fechou-se atrás dele.
As ruas e os edifícios da Universidade chamavam a atenção pela sua simplicidade
em contraste com a exuberância vegetal do resto da cidade. Aqui, as paredes eram
nuas, os arcos sem uma flor ou uma folha. Não havia nem um só ornamento nas por
tas trapezoidais, o menor riacho no solo da rua branca onde o engenho prosseguia
sua corrida, nem um pássaro no ar, nem um bichinho surpreendido num dobrar de e
squina, nenhuma borboleta, nenhum coelho branco. Era a severidade do conheciment
o abstrato. As pistas de transporte tinham cadeiras fabricadas e rampas metálica
s.
Eléa e Paikan ficaram espantados pela atividade anormal que reinava na rua debai
xo deles. Os guardas verdes em roupa de guerra, cabelos trançados e capacetes na
cabeça, se deslocavam em todas as pistas, sem se espantar dever passar acima de
suas cabeças esse engenho para o qual a rua, normalmente, era interditada. Sina
is de cor palpitavam acima das portas, chamadas de nomes e de números ressoavam,
laboratoristas em roupa salmão corriam pelos corredores, seus longos cabelos en
volvidos em mantilhas herméticas. Não era o quarteirão dos estudos mas sim o dos
trabalhos e pesquisas. Nenhum estudante passeava por ali seus pés descalços e s
eus cabelos curtos.
O engenho pousou sobre a ponta de uma encruzilhada em feitio de estrela. Um dos
guardas conduziu Eléa ao laboratório 51. Paikan seguiu-os.
Foram introduzidos numa peça vazia no meio da qual um homem em roupa salmão, esp
erava, de pé. A equação de Zoran, carimbada em vermelho do lado direito do seu p
eito indicava que ele era o chefe do laboratório.
Você é Eléa? perguntou ele.
Eu sou Eléa.
E você?
Eu sou Paikan.
Quem é Paikan?
Eu sou de Eléa respondeu Paikan.
Eu sou de Paikan disse Eléa. O homem pensou um instante.
Paikan não foi convocado. Coban quer ver Eléa.
Eu quero ver Coban replicou Paikan.
Vou lhe dizer que está aqui. Vai ter que esperar.
Acompanho Eléa.
Eu sou de Paikan disse Eléa.
Houve um momento de silêncio, depois o homem falou:
Vou prevenir Coban... Antes de vê-lo, Eléa deve passar pelo teste geral Eis a ca
bina...
Abriu uma porta translúcida. Eléa reconheceu a cabina padrão na qual todos os se
res de Gondawa tinham que se fechar ao menos uma vez por ano para conhecer sua e
volução fisiológica, e modificar, em caso de necessidade, sua atividade e sua al
imentação.
É preciso? perguntou ela.
É preciso.
Ela entrou na cabina e sentou-se na cadeira.
A porta fechou-se. Os instrumentos se acenderam ao redor dela, claridades de cor
es saltaram diante de seu rosto, os analisadores ronronaram, o sintetizador esta
lou. Estava terminado. Ela levantou-se e empurrou a porta. A porta continuou fec
hada. Espantada, ela empurrou com mais força, sem resultado.
Chamou, inquieta:
Paikan!
Do outro lado da porta Paikan gritou:
Eléa!
Ela tentou mais uma vez abrir. Adivinhou que havia nesta porta fechada algo de t
errível. Gritou:
Paikan! A porta!
Ele se atirou. Ela viu sua silhueta estourar contra o material translúcido. A ca
bina foi sacudida, os instrumentos quebrados caíram ao chão, mas a porta não ced
eu.
Nas costas de Eléa, a divisão da cabina se abriu.
Venha, Eléa disse a voz de Coban.
Duas mulheres estavam sentadas diante de Coban. Uma era Eléa. A outra, morena, m
uito linda, de formas mais redondas, mais opulenta. Eléa era o equilíbrio dentro
da medida perfeita. A outra era o desequilíbrio que dá o élanra a fecundidade.
Enquanto que Eléa protestava, reclamava Paikan, e exigia ir encontrá-lo, a outr
a estava calada, olhando-a com calma e simpatia.
Espere, Eléa disse Coban -, espere para saber.
Usava a severa roupa salmão dos laboratoristas. Porém a equação de Zoran, sobre
seu peito, estava impressa em branco. Andava de um lado para outro, pés descalço
s como um estudante, entre suas mesas e escrivaninhas e as paredes de alvéolos q
ue continham várias dezenas de milhares de. bobinas de leitura.
Eléa calou-se, muito positiva para teimar num esforço inútil. Escutou.
Você não sabe ainda disse Coban o que ocupa o lugar de Gondawa.
Vou lhe dizer. É a Arma Solar. Apesar dos meus protestos, o conselho está decidi
do a utilizá-la se Enisorai nos atacar. E Enisorai está decidida a nos atacar pa
ra destruir a Arma Solar antes que nós a utilizemos. Visto a complexidade e enor
midade de suas dimensões, seria necessário quase doze horas entre o momento de d
ar a partida e o momento em que a arma sairá do seu alojamento. É durante esse m
eio dia que se jogará a sorte do mundo. Pois se a arma voa e atinge, será como s
e o sol mesmo caísse sobre Enisorai. Enisorai queimará, afundará, desaparecerá..
. Mas a Terra inteira sofrerá o choque. Que restará de nós depois de alguns segu
ndos? Que restará da vida?...
Coban calou-se. Seu olhar trágico passava acima das duas mulheres. Murmurou:
Talvez nada... mais nada...
Recomeçou sua caminhada de animal prisioneiro que procura uma saída.
E se os enisores conseguirem impedir a partida da arma, eles a destruirão e nos
destruirão também. São dez vezes mais numerosos que nós, e mais agressivos. Não
poderemos resistir à sua multidão. Nossa única defesa contra eles era meter-lhes
medo. Mas nós lhes metemos MEDO DEMAIS!...
Eles vão atacar com todos os meios que possuem e se ganharem não deixarão nada d
e uma raça e uma civilização capaz de fabricar a Arma Solar. E é por esta razão
que o Grão Negro foi distribuído aos seres de Gondawa. Para que os prisioneiros
escolham, se querem morrer por suas próprias mãos, ou então nas fogueiras de Eni
sorai...
Eléa endireitou-se, combativa.
É absurdo! É horrível! É imundo! Temos que impedir esta guerra! Por que vocês nã
o fazem alguma coisa, em vez de gemer? Sabotem a arma! Vão a Enisorai! Eles lhe
escutarão! Você é Coban!
Coban parou diante dela, olhou-a gravemente, com satisfação.
Você foi bem escolhida disse ele.
Escolhida por quem? Escolhida para quê? Ele não respondeu a estas perguntas, mas
sim à precedente.
Eu faço alguma coisa. Tenho emissários em Enisorai que entraram em contato com o
s sábios do Distrito de Conhecimento. Eles compreendem os riscos da guerra. Se p
uderem assumir o governo, a paz estará salva. Mas resta pouco tempo. Tenho um en
contro com o Presidente Lokan. Vou tentar convencer o conselho a renunciar ao us
o da Arma Solar e de fazer com que Enisorai saiba disso. Mas tenho contra mim os
militares, que pensam somente na destruição do inimigo, e o Ministro Mozran, qu
e construiu a arma e que tem vontade de vê-la funcionar!
Se eu fracassar, vamos tentar uma outra coisa. É por isso que vocês foram escolh
idas, vocês duas e mais três outras mulheres de Gondawa. Eu quero SALVAR A VIDA.
A vida de quem?
A vida simplesmente, A VIDA!... Se a Arma Solar funcionar alguns segundos mais d
o que o previsto, a Terra será afetada de tal modo, que os oceanos sairão de sua
s fossas, os continentes se abrirão, a atmosfera atingirá o calor do aço fundido
e queimará tudo, até mesmo nas profundezas do solo. Não se sabe onde pararão os
desastres. Por causa do seu poder tremendo, Mozran nunca pôde experimentar a ar
ma, mesmo em escala reduzida. Não se sabe, mas pode-se prever o pior. Foi o que
eu fiz...
Escute, Coban disse uma voz. Quer saber as últimas notícias?
Sim respondeu Coban.
Eis aqui: as tropas enisores em guarnição na Lua invadiram a zona internacional.
Um comboio militar que partiu de Gonda-3 para a nossa zona lunar foi intercepta
do por forças enisores antes de sua alunissagem. Destruiu uma parte dos assaltan
tes. A batalha continua. Nossos serviços de observação longínqua têm a prova de
que Enisorai mandou buscar suas bombas nucleares que estavam em órbita ao redor
do Sol e as leva para Marte e para a Lua. Escute Coban, está terminado.
Está começando... comentou Coban.
Quero voltar para perto de Paikan disse Eléa. Você não nos dá outra esperança se
não morrer ou morrer. Quero morrer com ele.
Eu fiz uma coisa disse Coban. Fiz um abrigo que resistirá a tudo. Eu o guarneci
com todas as espécies de plantas, óvulos fecundados de todas as espécies de anim
ais e incubadores para desenvolvê-lo, medi dez mil bobinas de conhecimentos, de
máquinas silenciosas, de instrumento, de móveis, de todas as amostras da nossa c
ivilização, de tudo o que é necessário para fazer renascer uma semelhante. No ce
ntro, colocarei um homem e uma mulher. O computador escolheu cinco mulheres, por
seu equilíbrio psíquico e físico, por sua saúde e sua beleza perfeita. Elas rec
eberam o número de um a cinco por ordem de perfeição. A um morreu anteontem em u
m acidente. A número quatro está em viagem em Enisorai, não poderá voltar. A núm
ero cinco mora em Gonda-62. Mandei buscá-la também. Temo que ela não esteja aqui
a tempo. A número dois é você, Lona, a número três é você, Eléa.
Calou-se durante um segundo, deu uma espécie de sorriso fatigado, virou-se para
Lona, e continuou:
Naturalmente, não haverá senão uma mulher no abrigo. Será você,
Lona. Você viverá...
Lona ergueu-se, mas antes que tivesse tempo de falar, uma voz adiantou-se:
Escutai, Coban, fiz os testes de Lona n.° 2. Todas as qualidades pedidas present
es ao máximo, mas o metabolismo em evolução e o período hormonal em vias de pert
urbação: Lona n.° 2 está grávida de duas semanas.
Você sabia? perguntou Coban.
Não respondeu Lona. Mas esperava. Tiramos nossas chaves na terceira noite da pri
mavera.
Tenho pena por você disse Coban separando as mãos. Isto a exclui. O homem e a mu
lher colocados no abrigo serão postos em hibernação de frio absoluto. É possível
que a sua gravidez atrapalhe o sucesso da operação. Não posso assumir esse risc
o. Volte para casa. Peço que não diga nada durante um dia, sobre o que ouviu aqu
i, mesmo junto ao seu Designado. Dentro de um dia tudo já terá acontecido.
Eu me calarei disse Lona.
Eu acredito em você. O computador definiu-a da seguinte maneira: sólida, lenta,
calada, defensiva, implacável.
Fez um sinal aos dois guardas verdes que estavam diante da porta. Eles se afasta
ram para deixar sair Lona. Coban virou-se para Eléa.
Então será você disse ele.
Eléa sentiu-se transformar num bloco de pedra. Depois sua circulação restabelece
u-se com violência e seu rosto enrubesceu. Controlou-se para ficar calma e sento
u-se. Ouviu novamente a voz de Coban:
O computador definiu-a assim: equilibrada, rápida, obstinada, ofensiva,
eficaz.
Ela se sentiu novamente capaz de falar. Atacou:
Por que não deixou entrar Paikan? Não irei sem ele para o seu abrigo.
O computador escolheu as mulheres pela beleza e pela saúde, e também, bem entend
ido, pela inteligência. Escolheu os homens pela saúde e pela inteligência, mas a
ntes de tudo pelos seus conhecimentos. É preciso que o homem que saia do abrigo
dentro de alguns anos, talvez mesmo dentro de um século ou dois seja capaz de co
mpreender tudo aquilo que está impresso nas bobinas, e mesmo, se possível, saber
mais que elas. Seu papel não será apenas o de fazer filhos. O homem que for esc
olhido deve ser capaz de fazer renascer o mundo. Paikan é inteligente, mas seus
conhecimentos são limitados. Ele não saberia nem mesmo interpretar a equação de
Zoran.
Então, quem é o homem?
O computador escolheu cinco.
Quem é o número um?
Sou eu disse Coban.
Enisorai já era vocês disse Leonova a Hoover. Vocês já eram os americanos sujos,
imperialistas, tentando engolir o mundo inteiro e seus acessórios.
Minha bela replicou Hoover -, nós, os americanos de hoje, não somos senão os eur
opeus deslocados, seus priminhos de viagem... Gostaria bem que Eléa nos mostrass
e um pouco a cara dos primeiros ocupantes da América.
Não vimos senão gondas, até agora. Na próxima sessão, pediremos a Eléa para nos
mostrar os enisores.
Eléa lhes mostrou os enisores. Ela tinha ido com Paikan numa viagem até Diedohu,
a capital de Enisorai Central, para a Festa da Nuvem. Fez aparecer para eles as
imagens de sua memória.
Eles chegaram com Eléa, num transporte de longa distância. No horizonte uma cade
ia de montanhas gigantescas escalava o céu. Quando chegaram mais perto viram que
a montanha e a vila formavam um só bloco. Construída em enormes blocos de pedra
, a cidade agarrava-se à montanha, cobria-a, superava-a apoiava-se nela para pro
jetar para cima sua lança terminal: o monólito do templo, cujo cimo se perdia nu
ma nuvem eterna.
Viram os enisores trabalhar e se divertir. As necessidades da população eram tão
consideráveis e seu crescimento tão rápido, que, mesmo nesse dia da Festa da Nu
vem, não podiam parar de construir. Sem cessar, incansavelmente, como formigas,
os construtores aumentavam a cidade, abriam ruas, escadas e praças nos flancos a
inda virgens da montanha, construíam rampas, casas e palácios. Não utilizavam ou
tras ferramentas senão suas mãos. Traziam no peito, um colar de ouro, a efígie d
a serpente-chama, símbolo enisor da energia universal. Este não era somente um s
ímbolo, mas principalmente um transformador. Dava a quem o usasse o poder de con
trolar simplesmente nas suas mãos todas as forças naturais.
Sobre a grande tela, os sábios do EPI viram os construtores enisores levantarem
sem esforço blocos rochosos que deviam pesar toneladas, colocar uns sobre os out
ros, ajustá-los uns aos outros, modelá-los, modificá-los com o gume da mão e ali
sá-los com a palma. Entre as mãos dos construtores a matéria, como um betume, to
rnava-se imponderável, maleável, dócil. Do momento em que eles paravam de tocá-l
a a pedra reencontrava sua dureza, sua consistência de pedra.
Os estrangeiros convidados para assistir à Festa da Nuvem, não estavam autorizad
os a pousar. Os seus engenhos ficavam numa estação aérea perto de Diedohu. Suas
filas curvas arrumadas compunham no céu as bancadas multicores de um estranho ci
rco pousado sobre o vazio.
Diante deles erguia-se o templo, cuja torre, feita de um só bloco de pedra, mais
alta que o mais alto arranha-céu da América contemporânea, enfiava sua ponta na
nuvem. Uma escadaria monumental, talhada na sua massa, contornava em espiral o
templo. Sobre essa escadaria, depois de horas, uma multidão subia em direção ao
cimo do edifício. Subia lentamente, todos vergados sob o próprio peso, enquanto
em todos os outros lugares, nas ruas e nas escadarias da cidade, os enisores se
deslocavam com uma leveza e uma rapidez que traíam seu domínio da gravidade. A m
ultidão na escadaria compunha, pelo colorido de suas roupas, a efígie da serpent
e-chama. A cabeça da serpente ondulava sobre a escadaria, à esquerda, à direita,
e continuava a subir. Seu corpo seguia enroscando-se nos degraus ao redor da to
rre. Devia se compor de várias centenas de milhares de pessoas, talvez acima do
milhão. Através das vigias abertas dos engenhos entrava a música que ritmava os
movimentos da serpente. Era uma espécie de lento arfar que parecia emanar da mon
tanha e da cidade, e que a multidão, a da torre a das escadarias e das ruas, a q
ue subia, a que olhava, a que trabalhava, acompanhava com um ruído gutural de su
as bocas semi-abertas. Quando a cabeça da serpente atingiu a nuvem, o sol desapa
recia atrás da montanha: a cabeça da serpente entrou na nuvem com o crepúsculo.
A noite caiu em poucos minutos. Projetores, instalados em toda a cidade, ilumina
ram a torre e a multidão que a envolvia. O ritmo da música e do canto se acelera
ram. E a torre começou a se mover.
Viram a torre enfiar-se na nuvem, ou a nuvem abaixar-se sobre a torre, se retira
r, recomeçar, cada vez mais depressa, como se fosse uma enorme cópula da Terra c
om o Céu.
O arfar e a música se aceleravam, aumentavam de força, atingiam os engenhos esta
cionados no céu, como ondas, e deslocavam o seu alinhamento.
No solo, todos os trabalhadores abandonavam seus trabalhos. Nos palácios, nas ca
sas, nas ruas, nas praças, os homens se aproximavam das mulheres e as mulheres d
os homens, ao acaso, simplesmente porque estavam próximos, sem saber se eram bon
itos ou feios, velhos ou jovens e o que ele era e o que ela era, se abraçavam e
se apertavam, deitavam-se ali mesmo, no lugar queencontravam, entravam todos jun
tos no ritmo único que sacudia a montanha e a cidade. A torre entrou toda na nuv
em, até as suas bases. A montanha estalou, a cidade levantou-se liberta de seu p
eso, prestes a se enfiar no céu até o infinito. A nuvem brilhou, explodiu em ton
eladas de cataclismos, depois extinguiu e retirou-se. A cidade pesou de novo sob
re a montanha. A torre estava nua. Não havia mais ninguém na grande escadaria de
pedra. Todos os casais deitados se desuniram e se separaram. Homens e mulheres
se levantaram, estonteados e se afastaram. Outros dormiram ali mesmo. Durante al
guns instantes de uma brevidade sufocante, haviam todos participado do mesmo pra
zer cósmico. Cada uma delas tinha sido toda a Terra, cada um deles tinha sido to
do o Céu. Era assim uma vez por ano, em todas as cidades de Enisorai. Durante o
resto dos dias e das noites, os homens enisores não se aproximavam das mulheres.
Os sábios de EPI interrogaram Eléa. O que tinha acontecido com a multidão da esc
adaria?
A torre a tinha dado à nuvem disse Eléa. A nuvem a tinha dado a energia universa
l. Todos aqueles que a compunham eram voluntários. Tinham sido escolhidos desde
a sua infância, ou porque apresentassem deficiência de espírito ou de corpo, mes
mo ínfima, seja, ao contrário, porque eram mais inteligentes, mais fortes, mais
belos que a média dos enisores. Educados em função desse sacrifício haviam apren
dido a desejá-lo com todo o corpo e alma. Tinham O direito de se abster, mas um
número muito pequeno usava esse direito. Assim, a raça enisor se mantinha dentro
de uma qualidade de nível constante. Mas este sacrifício, por outro lado, não e
ra suficiente para compensar a natalidade que provocava. Durante a Festa da Nuve
m, eram concebidos vinte vezes mais enisores do que pereciam sobre todas as torr
es do continente.
Mas disse Hoover todas estas mulheres vão ter filhos no mesmo dia!
Não retrucou Eléa. O tempo de gravidez, em Enisorai, variava de duas a três esta
ções, segundo o desejo da mãe e segundo sua idade. Conforme vocês viram, não hav
ia Designação, e portanto não havia casais, nem famílias. Os homens e mulheres v
iviam misturados, em estado de igualdade absoluta de direitos e de deveres, nos
palácios comuns ou nas casas individuais, como desejassem. As crianças eram educ
adas pelo Estado. Não conheciam sua mãe e, bem entendido, menos ainda seu pai.
Embora o engenho de Eléa ficasse bem acima da multidão, pela janela próxima os s
ábios puderam ver muito detalhadamente um grande número de rostos de enisores. T
odos tinham os cabelos negros e lisos, os olhos amendoados, as maçãs salientes,
o nariz arqueado em cima e achatado em baixo. Incontestavelmente eram os ancestr
ais comuns dos maias, dos astecas, e de outros índios da América; talvez também
dos japoneses, dos chineses e de todas as raças mongólicas.
Eis aí, seus imperialistas disse Hoover a Leonova. Sorriu, depois acrescentou:
Espero que nos queiram menos mal, agora, por ter de certa maneira maltratado os
seus descendentes...
Não é a vida que você quer salvar disse Eléa -, mas a sua vida. E você fez procu
rar, pelo computador, as cinco mais belas mulheres do continente, para escolher
aquela que o acompanhará!
Olhe - replicou Coban com uma seriedade triste -, quem eu escolheria para salvar
comigo, se tivesse esse direito...
Ele ativou um feixe de ondas. Acima da mesa surgiu a imagem de uma menina que se
parecia extraordinariamente com Coban. De joelhos sobre um gramado perto de um
lago da 9ª Profundidade, acariciava uma corça de olhos pintados. Seus longos cab
elos negros de menina caíam-lhe até os ombros nus. Seus braços graciosos se enro
scavam em torno do pescoço do bicho que lhe mordiscava a orelha.
É Doa, minha filha disse Coban. Tem 12 anos e vive só. Todas as meninas da sua i
dade há muito tempo já têm um companheiro. Mas ela é só... Porque é, como eu, um
a não designada... O computador não pôde encontrar uma companheira que pudesse m
e suportar sem me irritar pela lentidão do seu espírito. Uma certa vivacidade da
s faculdades mentais condena à solidão. Vivi alguns períodos com viúvas, separad
as, e não designadas também. A mãe de Doa era uma. Sua inteligência era grande m
as seu gênio atroz. O computador não quis sobrecarregar homem nenhum. Por causa
da sua inteligência, e da sua beleza, eu lhe pedi para conceber um filho meu. El
a aceitou, na condição de ficar a meu lado para educá-lo. Pensei que fosse possí
vel. Tiramos nossas chaves. Alguns dias mais tarde tivemos que nos separar. Ela
era bastante inteligente para compreender que não podia encontrar a felicidade p
erto de ninguém, nem mesmo junto de seu filho. Quando este nasceu, ela o mandou
para mim. Era Doa...
Doa, por sua vez, recebeu do computador uma resposta negativa. Seu caráter era m
eigo, mas sua inteligência superior à minha. E ela não encontrará seu igual em p
arte alguma. Se ela viver...
A voz de Coban calou-se emocionada. Apagou a imagem.
Não acredita que ame Doa tanto quanto você ama Paikan? Não acredita se eu obedec
esse aos meus motivos egoístas, seria ela quem eu fecharia comigo no abrigo? Ou
que ficaria perto dela, deixando com prazer meu lugar ao número 2? Mas conheço o
número 2, sei o que valem seus conhecimentos e o que valem os meus. O computado
r teve razão ao me designar. Não se trata de amor, nem de sentimentos, nem mesmo
de nós mesmos. Estamos diante de um dever que nos supera. Temos, você e eu, que
preservar a vida universal e refazer o mundo.
Escute bem, Coban disse Eléa -, estou pouco me incomodando com o mundo, estou po
uco me incomodando com a vida, a dos homens e a do universo. Sem Paikan, não há
universo, não há vida. Dê-me Paikan no abrigo, e eu o bendirei até o fim da eter
nidade!
Não posso respondeu Coban.
Dê-me Paikan! Fique com sua filha! Não a deixe morrer sozinha abando nada por vo
cê!
Não posso repetiu Coban em voz baixa.
Seu rosto exprimia ao mesmo tempo uma resolução e uma tristeza infinita. Este ho
mem estava no fim das forças de um combate que o deixava arrasado. Mas sua decis
ão estava tomada de uma vez por todas. Não tinha podido construir um abrigo maio
r. O governo, todo absorvido por Gonda-1. o monstro colossal que aí estava, havi
a se desinteressado do projeto de Coban, tinha-o deixado agir mas se negara a aj
udá-lo. A universidade sozinha havia feito todo o abrigo. Esta fabricação, esta
concepção havia mobilizado toda a sua força energética, todos os recursos de sua
s máquinas, dos seus laboratórios, dos seus créditos. Era fruto único de uma pla
nta enorme... Não conteria senão dois grãos. Um terceiro o condenaria a morrer.
Mesmo pequeno, mesmo Doa. Não podia receber senão um homem e uma mulher.
Então, escolha outra mulher! gritou Eléa. Existem milhões!
Não disse Coban -, não há milhões, só existe cinco, e não existe senão você... O
computador escolheu-a porque você é excepcional. Não, não há outra mulher, e ne
nhum outro homem. É você e eu! Não falemos mais, Peço-lhe por favor, está decidi
do.
Você e eu? perguntou Eléa. Você e eu! respondeu Coban.
Eu o detesto disse Eléa.
Eu também não a amo retrucou Coban. Isto não importa.
Escute, Coban disse uma voz -, o Presidente Lokan quer lhe falar vê-lo.
Eu o escuto e o vejo disse Coban.
A imagem de Lokan surgiu num canto da peça. Coban deslocou-a para que ela ficass
e à sua frente, do outro lado da mesa. Lokan parecia arrasado pela angústia.
Escute, Coban disse ele. Onde estão os seus contatos com os homens do Distrito d
e Conhecimento de Enisorai?
Espero uma notícia a qualquer momento.
Não podemos esperá-los mais! Não é possível. Os enisores bombardeiam nossas guar
niçoes de Marte e da Lua com bombas nucleares. Os nossos estão a caminho, vamos
responder. Mas, por mais atroz que seja, isto é nada. exército de invasão enisor
está em vias de sair de suas montanhas e de instalar nas bases de partida. Dent
ro de algumas horas ele vai cair sobre Gondawa Ao primeiro vôo assinalado pelos
nossos satélites, tenho que ligar e deixar partir a Arma Solar! Mas sou como voc
ê, Coban, tenho medo desse horror! Ainda é tempo de salvar a paz! O governo enis
or sabe que o envio do seu exército significará a morte do seu povo. Mas, ou ele
não está ligando, ou ele espera destruir a arma antes que ela parta! Kutiyu est
á louco! Só os homens do distrito podem tentar convencê-lo ou derrubá-lo! Não te
mos nem a metade de um instante a perder, Coban! Suplico-lhe, tente encontrá-los
!
Mas não posso encontrá-los diretamente! Vou chamar Partao em Lamoss. A imagem do
presidente se apagou. Coban enfiou sua chave numa placa
Escute falou -, quero ver e falar com Partao em Lamoss.
Partao em Lamoss repetiu uma voz. Chamarei. Coban explicou a Eléa:
Lamoss é o único país que ficará neutro neste conflito. Por uma vez, não terá te
mpo para aproveitar... Partao é o chefe da Universidade Lamo. Ele é o meu contat
o com os homens do distrito.
Partao apareceu e disse a Coban que havia contatado Soutako no distrito.
Ele não pode fazer nada, está desamparado. Vai chamar diretamente. Uma imagem de
scorada iluminou-se ao lado da de Partao. Era Soutako, com roupa e toga de profe
ssor. Tinha um ar transtornado, falava fazendo gestos, batia no peito e designav
a com um dedo esticado alguma coisa ou alguém ao longe. Não se entendia uma pala
vra do que ele dizia. Imagens de cores mutáveis cortaram a sua imagem em pedaços
, tremiam, juntavam-se, afastavam-se. Ele desapareceu.
Não posso lhes dizer mais nada disse Partao. Talvez boa sorte?...
Desta vez sussurrou Coban não haverá sorte para ninguém Chamou Lokan para pô-lo
ao corrente. Lokan pediu-lhe para encontrá-lo no conselho que ia se reunir.
Eu vou afirmou Coban.
Virou-se para Eléa que havia assistido à cena sem dizer uma palavra, sem fazer u
m gesto.
Eis aí ele disse com uma voz glacial. Agora você sabe qual é a situação. Não há
lugar para sentimentos. Esta noite entraremos no abrigo. Meus assistentes vão pr
epará-la. Você vai, entre outros cuidados, receber única dose existente do soro
universal. Ela foi sintetizada, molécula por molécula no meu laboratório pessoal
, há seis meses. A dose precedente, fui eu quem a experimentou. Estou pronto. Se
por milagre nada acontecer, você e eu ganhamos pois seremos as primeiras pessoa
s a gozar da juventude eterna. Neste caso, eu lhe prometo que a dose seguinte se
rá para Paikan. O soro nos permitirá sem dificuldades através do frio absoluto.
Vou confiá-la a meus homens. Eléa levantou-se e correu para a porta. Com sua mão
esquerda fechada tingiu com um golpe terrível um guarda na têmpora. O homem cai
u. O outro agarrou o punho de Eléa e a derrubou de costas.
Deixem-na! gritou Coban. Proíbo-lhes de tocá-la! Faça o que fizer!
O guarda deixou-a. Ela correu novamente para a porta, mas esta não se abriu.
Eléa disse Coban -, se você aceitar o tratamento sem se debater, sem tentar fugi
r, autorizarei a que você veja Paikan antes de entrar no abrigo. Ele foi levado
de volta à torre e está informado do que vai lhe acontecer. Espera notícias suas
. Eu lhe prometi que ele a veria novamente. Se você resistir, se você protestar,
se você lutar a ponto de comprometer os preparativos, eu a farei adormecer, e v
ocê não o verá jamais.
Ela o olhou um instante em silêncio, respirou profundamente para retomar o contr
ole dos seus nervos.
Pode fazer virem seus homens disse ela. Não farei nada. Coban apoiou-se sobre um
a placa. Uma parte da parede escorregou, deixando ver um laboratório ocupado por
guardas e laboratoristas, entre os quais Eléa reconheceu o chefe de laboratório
que os havia recebido.
O homem designou-lhe uma cadeira diante dele.
Venha.
Eléa entrou no laboratório. Antes de deixar o escritório de Coban, virou-se para
ele.
Eu o detesto disse ela.
Quando sairmos do abrigo sobre a Terra morta disse Coban não haverá mais nem ódi
o nem amor. Existirá somente o nosso trabalho que acabara de receber do Japão. T
ratava-se principalmente de projetores de luz coerente com a do meio ambiente co
m os quais ele esperava iluminar a sala do motor, através da laje transparente,
e fotografá-la. Ao parar, o motor do fio havia se apagado e a sala embaixo da la
je tinha se tornado um bloco escuro. A temperatura tinha subido rapidamente, a n
eve e a geada tinham-se fundido, a água tinha sido aspirada, a parede e o solo s
ecados com ar quente. Enquanto que seus assistentes suspendiam os projetores em
tripés, Hoi-To, maquinalmente, olhava a seu redor. A superfície da parede parece
u-lhe curiosa, não era polida, não era baça, era meio ondeada. Passou sobre a su
perfície a ponta de seus dedos longos e sensíveis e depois as unhas. Elas arranh
aram.
Assestou um projetor sobre a parede, com luz rasante, olhou por alto, introduziu
uma espécie de microscópio com teleobjetiva e pequenas lentes. Breve não teve m
ais dúvida: a superfície da parede estava gravada de inúmeras estrias. E cada um
a dessas estrias era uma linha de escrita gonda. As bobinas de leituras das sala
s dos alvéolos tinham sido decompostas pelo tempo, mas o muro do ovo, inteiramen
te impresso em sinais microscópicos, representava o equivalente de uma considerá
vel biblioteca.
Hoi-To tirou logo algumas fotografias, ampliou-as ao máximo, em diferentes ponto
s da parede, afastadas umas das outras. Uma hora mais tarde, ele as projetava so
bre uma grande tela. Lukos, muito excitado, identificou fragmentos de discursos
históricos e tratados científicos, uma página de dicionário, um poema, um diálog
o que talvez fosse uma peça de teatro ou uma discussão filosófica.
O muro do ovo parecia ser uma verdadeira enciclopédia de conhecimentos de Gondaw
a.
Um dos clichês projetados comportava numerosos signos isolados, nos quais Lukos
reconheceu símbolos matemáticos, que cercavam o símbolo da equação de Zoran.

Eléa acordou estendida sobre um tapete de peles. Repousava sob uma coberta morna
e macia pousada sobre nada. Flutuava num estado de descanso total.
Havia sido examinada da cabeça aos pés, pesada quase que célula por célula,alime
ntada, massageada, impregnada, equilibrada, balanceada até não ser mais que um c
orpo no peso exatamente requerido e de uma passividade perfeita. Depois Coban, t
endo voltado, explicou-lhe o mecanismo da abertura e do fechamento do abrigo, ao
mesmo tempo que administrava ele mesmo, em fumaças para respirar, em óleo sobre
a língua, em neblina nos olhos, em longas modulações de infra-sons sobre as têm
poras, os diversos elementos do soro universal. Ela havia sentido uma energia no
va, luminosa, invadir todo o seu corpo, limpar todos os recantos de cansaço, enc
her até sua pele de um entusiasmo semelhante ao das florestas na primavera. Ela
se sentia tornar dura como uma árvore, forte como um touro, equilibrada como um
lago. A força, o equilíbrio e a paz haviam-na irresistivelmente conduzido ao son
o.
Adormecera na poltrona do laboratório, acabava de abrir os olhos sobre este tape
te, numa peça redonda e nua. A única porta encontrava-se diante dela. Diante da
porta um guarda verde, sentado sobre um cubo, olhava-a. Segurava na ponta dos de
dos um objeto de vidro feito de tubos minúsculos entrelaçados em volteios compli
cados. Os tubos frágeis estavam cheios de um líquido verde.
Já que a senhora não dorme mais - disse o guarda - vou preveni-la: se tentar sai
r à força, abro os dedos, isto cai e quebra, e a senhora dormirá como uma pedra.
Eléa não respondeu. Olhou-o. Mobilizava todos os recursos do seu espírito com um
só fim: sair e encontrar Paikan.
O guarda era grande de ombros largos, cintura grossa. Seus cabelos trançados tin
ham a cor do bronze novo. Estava com a cabeça descoberta e sem arma. Seu pescoço
grosso era quase tão largo quanto seu rosto maciço. Constituía um sério obstácu
lo diante da porta única. Na ponta do seu braço musculoso, da sua mão rude, segu
rava esse objeto infinitamente frágil, obstáculo ainda mais forte.
Escute, Eléa disse uma voz. Paikan pede para lhe falar e vê-la. Nós permitiremos
.
A imagem de Paikan apareceu entre ela e o guarda. Eléa saltou e ficou de pé.
Eléa!
Paikan!
Ele estava de pé na cúpula de trabalho. Ela via perto dele um fragmento da mesa
e a imagem de uma nuvem.
Eléa! Onde está você? Onde? Por que você vai me abandonar?
Eu recusei! Eu sou sua! Eu não sou deles! Coban obrigou-me! Eles me prenderam!
Vou buscá-la! Quebrarei tudo! Matarei todos! Sacudiu sua mão esquerda enfiada na
arma.
Você não pode! Você não sabe onde é que estou!... Eu também não sei! Espere, eu
voltarei! De qualquer maneira!...
Acredito em você, estou esperando disse Paikan. A imagem desapareceu.
O guarda, sempre sentado, olhava Eléa. Em pleno centro da peça redonda, ela o ol
hava e avaliava. Deu um passo na sua direção. Ele pegou a máscara que estava pen
durada como um colar e ajustou-a sobre o nariz.
Atenção! disse com uma voz nasal.
Sacudiu ligeiramente, com todo o cuidado, os entrelaçamentos frágeis dos tubos d
e vidro.
Eu o conheço disse ela. Ele a olhou surpreso.
Você e seus semelhantes. Vocês são simples, vocês são corajosos. Fazem tudo o qu
e lhes dizem e não lhes explicam nada.
Ela fez escorregar a extremidade da faixa azul do busto, e começou a desenrolá-l
a.
Coban não lhe disse que você ia morrer.
O guarda deu um sorriso pequeno. Ele era guarda. Estava nas profundezas, não acr
editava na sua própria morte.
Vai haver uma guerra e não haverá sobreviventes. Você sabe que eu digo a verdade
: você vai morrer. Vocês todos vão morrer, exceto eu e Coban.
O guarda soube que ela não mentia. Ela não era daquelas que se rebaixavam a ment
ir fossem quais fossem as circunstâncias. Mas ela devia estar enganada, há sempr
e sobreviventes. Os outros morrem, eu não, pensou.
Agora sua cintura estava nua e ela começou a soltar a faixa em diagonal do lado
do ombro.
Todo o mundo vai morrer em Gondawa. Coban sabe disso. Ele construiu um abrigo qu
e nada pode destruir, para nele se encerrar. Encarregou o computador de escolher
a mulher que ele encerraria com ele. Esta mulher sou eu. Você sabe por que o co
mputador me escolheu entre milhões? Porque sou a mais bela. Você não viu senão m
eu rosto, olhe.
Ela desnudou seu seio direito. O guarda olhou aquela carne maravilhosa, flor e f
ruto, e ouviu o barulho do sangue latejar nos seus ouvidos.
Você me deseja? perguntou Eléa.
Ela continuava lentamente a descobrir seu busto. O seio esquerdo ainda estava me
io encoberto pela fazenda.
Eu sei qual o gênero de mulher que o computador escolheu para você. Ela pesa trê
s vezes o meu peso. Uma mulher como eu, você nunca viu...
A faixa inteira caiu ao solo, liberando o seio esquerdo. Eléa deixou seus braços
caírem ao longo do corpo, as palmas da mão meio viradas para a frente, os braço
s um pouco afastados, oferecendo seu busto nu, o esplendor vindo dos seios bem p
roporcionados, cheios, macios, gloriosos.
Antes de morrer, você me deseja?
Ela ergueu a mão esquerda, e, com um único gesto, fez cair a roupa que estava pr
esa nas cadeiras.
O guarda levantou-se, pousou sobre o cubo o perigoso, frágil, ameaçador objeto d
e vidro, arrancou sua máscara e sua túnica. Conjunto perfeito de músculos equili
brados e fortes, seu torso nu era magnífico.
Você é de Paikan disse ele.
Eu lhe prometi: de qualquer maneira.
Eu lhe abrirei a porta e a levarei para fora.
Ele tirou a roupa. Estavam de pé, nus, um diante do outro. Ela recuou lentamente
e, quando sentiu o tapete sob seus pés, agachou-se e deitou-se. Ele se aproximo
u, poderoso e pesado, precedido por seu desejo soberbo. Deitou-se sobre ela e el
a se abriu.
Ela o sentiu encostar, cruzou suas pernas sobre seus rins e esmagou-o contra ela
. Ele a penetrou como uma lâmina. Ela teve um espasmo de horror.
Eu sou de Paikan gritou.
E enfiou seus dois polegares ao mesmo tempo nas carótidas dele.
Ele sufocava e se torcia. Mas ela era forte como dez homens e o segurava com seu
s pés apertados, seus joelhos, seus cotovelos, seus dedos enfiados nos seus cabe
los trançados. E seus polegares inexoráveis, duro como aço pela vontade de matar
, privavam seu cérebro da menor gota de sangue.
Foi uma luta selvagem: enlaçados, ligados um ao outro e um no outro, rolavam sob
re o solo em todas as direções. As mãos do homem agarravam-se às mãos de Eléa e
puxavam, tentando arrancar a morte que se enfiava no seu pescoço. A parte de bai
xo do seu ventre ainda queria viver, viver ainda um pouco, viver o bastante para
ir até o fim do seu prazer. Seus braços e seu torso lutavam para sobreviver, e
seus rins e suas coxas lutavam, se apressavam para ganhar a morte em rapidez, pa
ra gozar, gozar antes de morrer.
Uma convulsão terrível o sacudiu. Ele enfiou-se até o fundo da morte enroscada e
m volta dele e nela esvaziou, num gozo fulgurante, interminavelmente, toda a sua
vida. A luta parou. Eléa esperou que o homem se tornasse passivo e pesado como
um bicho morto. Então retirou seus polegares enfiados na sua carne mole. Suas un
has estavam cheias de sangue. Ela abriu suas pernas crispadas e escorregou para
fora do peso do homem. Arquejava de nojo. Teria querido se virar do avesso como
uma luva e se lavar toda por dentro dela mesma até os cabelos. Pegou a túnica do
guarda, enxugou com ela seu rosto, o peito e o ventre, jogou-a longe molhada, e
vestiu-se rapidamente.
Aplicou a máscara sobre o nariz, pegou a frágil construção de vidro e, com preca
ução, empurrou a porta, que se abriu.
ava sobre o laboratório onde Eléa havia recebido os preparativos. O chefe do lab
oratório e dois laboratoristas estavam inclinados sobre uma mesa. Um guarda arma
do estava em pé diante de uma porta. Viu Eléa primeiro. Disse:
Ei!
Ergueu a mão para colocar sua máscara.
Eléa jogou o objeto de vidro a seus pés. Ele se quebrou sem barulho. Instantanea
mente a peça ficou cheia de uma bruma verde. O guarda e os três homens de roupa
salmão caíram sobre eles mesmos.
Eléa dirigiu-se para a porta, e pegou as armas do guarda.
Não sou um adolescente romântico. Não sou um bruto governado pelo estômago e pel
o sexo. Sou razoavelmente sensato, sentimental e sensual, capaz de controlar min
has emoções e meus instintos. Pude rapidamente suportar a visão de tua vida mais
intima, pude suportar ver esse bruto se deitar em cima de ti e penetrar na mara
vilha do teu corpo. O que me transtornou foi o que li sobre o teu rosto.
Poderias não ter morto este homem. Ele havia dito que te levaria para fora. Talv
ez mentisse, mas não foi para assegurar a tua fuga que tu o mataste, foi porque
ele estava no teu ventre e não podías suportá-lo. Tu o mataste. por amor a Paika
n. Amor. Esta palavra que a tradutora utiliza porque não encontra o equivalente,
não existe na tua língua. Depois que te vi viver junto de Paikan, compreendi qu
e era uma palavra insuficiente. Nós dizemos "eu amo", dizemos da mulher, mas ta
mbém da fruta que comemos, da gravata que escolhemos, e a mulher o diz falando s
obre o seu batom. Ela diz do seu amante: "ele é meu". Tu dizes o contrário: "eu
sou de Paikan". E Paikan diz "eu sou de Eléa". Tu és dele, és uma parte dele mes
mo. Chegarei eu jamais a te desprender? Tento te interessar no nosso mundo, te f
iz ouvir Mozart e Bach, mostrei-te fotografias de Paris, de Nova Iorque, de Bras
ília, te falei da história dos homens, pelo menos da que nós conhecemos e que é
o nosso passado, tão curto ao lado da durabilidade imensa do teu sono. Em vão, t
u escutas, olhas, mas nada te interessa. Estás por trás do muro. Não estás em co
ntato com o nosso tempo. Teu passado te seguiu no consciente e no subconsciente
da tua memória. Não pensas senão em nele mergulhar de novo, e encontrá-lo, e rev
ivê-lo. O presente para ti é ele.
Um engenho rápido da universidade estava pousado sobre o braço de atraca- mento
da torre. Os guardas que dele haviam saído vasculharam o apartamento e a cúpula.
No terraço, perto da árvore de seda, Coban falava a Paikan. Acabava de lhe expl
icar por que tinha necessidade de Eléa e lhe comunicava sua evasão.
Ela destruiu tudo o que a impedia de passar. Homens, portas e paredes! Pude segu
ir sua pista como a de um projétil até a rua, onde ela tornou-se um transeunte l
ivre.
Os guardas interromperam Coban para lhe dizer que Eléa não estava no apartamento
nem na cúpula. Ele ordenou-lhes que procurassem no terraço.
Eu tinha minhas dúvidas de que ela já tivesse chegado disse ele a Paikan. Ela sa
bia que eu viria diretamente aqui. Mas sei que ela só tem um desejo: o de encont
rá-lo. Virá, ou então fará com que você vá aonde ela estiver, para que se encont
rem. Então nós a prenderemos. É inevitável. Mas vamos perder muito tempo. Se ela
o chamar, faça-lhe compreender, diga-lhe para voltar à universidade.
Não disse Paikan.
Coban olhou-o com seriedade e tristeza.
Você não é um gênio, Paikan, mas você é inteligente. Você é de Eléa?
Eu sou de Eléa!
Se ela entrar no abrigo, ela viverá. Se ela não entrar ela morrerá. Ela é inteli
gente e resoluta. O computador a escolheu bem, ela acaba de prová-lo. Pode ser q
ue apesar da nossa vigilância ela consiga encontrá-lo. Então, é você quem tem de
convencê-la a voltar para nós. Comigo, ela viverá; com você ela morrerá. No abr
igo é a vida. Fora do abrigo, é a morte, dentro de alguns dias, talvez dentro de
algumas horas. O que é que você prefere? Que ela viva sem você, ou que ela morr
a com você?
Abalado, torturado, furioso, Paikan gritou:
Por que não escolhem uma outra mulher?
Não é mais possível. Eléa recebeu a única dose disponível de soro universal. Sem
esse soro, nenhum organismo humano poderá atravessar o frio absoluto sem sofrer
graves conseqüências e talvez até morrer.
Os guardas vieram dizer a Coban que Eléa não estava no terraço.
Ela está nalgum lugar nas proximidades, espera que partamos. A torre ficará sob
vigilância. Vocês não poderão se encontrar sem que nós o saibamos. Mas se por um
milagre vocês conseguirem fazê-lo, lembre-se de que você tem a escolha entre su
a vida e sua morte...
Coban e os guardas voltaram para o engenho que se elevou alguns centímetros acim
a do braço de atracação, girou sobre o mesmo lugar e afastou-se na velocidade má
xima.
Paikan aproximou-se da rampa e olhou para cima. O engenho com a marca da equação
de Zoran descrevia círculos lentos em volta da vertical da torre.
Paikan ligou a tela de proximidade e dirigiu-a para as casas de repouso colocada
s no solo todas ao redor da torre. Em todas via rostos de guardas que olhavam at
ravés de suas próprias telas.
Entrou no apartamento, abriu o elevador. Um guarda estava de pé na cabina. Fecho
u a porta, enraivecido, e subiu para a cúpula. Plantou-se no meio da cúpula tran
sparente, olhou o céu puro onde o engenho da universidade continuava a girar len
tamente, ergueu os braços em cruz, dedos afastados, e começou a fazer gestos est
ranhos.
Diante dele, uma pequena nuvem branca cheinha nasceu no azul do céu. Espalhadas
pelo céu perto da torre, nasceram pequenas nuvens brancas encantadoras, que tran
sformavam o azul num grande prado florido. Rapidamente elas se desenvolveram e s
e juntaram, formando uma massa que se tornava mais espessa e negra, e pôs-se a g
irar em torno dela mesma com seus trovões represados que ribombavam. O vento cur
vou as árvores do terraço, atingiu o solo, gritou ao rasgar-se sobre as ruínas,
e sacudiu as casas de repouso.
O rosto do chefe de serviço apareceu em cima da mesa. Parecia perturbado.
Escute, Paikan! O que é que está acontecendo aí? O que é este furacão? O que é q
ue você está fazendo? Você está louco?
Não fiz nada respondeu Paikan. A cúpula está bloqueada! Mande-me o engenho da of
icina! Rápido! Isto não é senão um furacão, e vai se tornar um ciclone! Mande rá
pido.
O chefe de serviço cuspiu palavras desagradáveis e desapareceu.
A nuvem giratória tinha ficado verde, com bruscas iluminações internas púrpuras
ou rosadas. Um barulho terrível, contínuo, caía sobre a Terra, o barulho de mil
trovões retidos. Um feixe de raios arrombou sua superfície e atingiu o engenho d
a universidade, que desapareceu numa chama.
Na confusão que se seguiu e atingiu a torre, Paikan desceu correndo para o apart
amento e para o terraço e mergulhou na piscina.
Eléa estava lá, no fundo, enfiada na areia, o rosto recoberto pela máscara e dis
simulado sob as algas. Ela viu chegar Paikan que lhe fazia sinal. Saiu então do
esconderijo e subiu com ele para a superfície. Trombas d'água caíam da nuvem, ca
rregadas pelo vento que sacudia loucamente as casas de repouso agarradas às suas
âncoras. Uma rajada enroscou-se na torre e tentou arrancá-la. A torre gemeu e r
esistiu. O vento carregou a árvore de seda que subiu, descabelada, para a nuvem,
e desapareceu numa boca negra.
Paikan havia levado Eléa para a cúpula. A parte de baixo da nuvem acabava de ati
ngi-la e rasgava-se sobre ela, mistura de vento que uivava, de bruma opaca, de c
huva de granizo, iluminado pela sucessão dos relâmpagos. Ao atingirem uma saída
da cúpula, ajustaram suas armas na cintura. Paikan abriu a porta de uma nave. Do
is mecânicos saltaram na torre, acompanhados dos uivos e do canhoneio do furacão
.
O que é que está acontecendo? perguntou um deles, espantado.
Em vez de responder, Paikan mergulhou sua mão na arma e atirou na estrutura da c
úpula que ressoou, gemeu e desmoronou. Ele pegou Eléa, empurrou-a em direção ao
veículo, entrou atrás dela e decolou rápido, enquanto ela, com esforço, consegui
a fechar o vidro cônico. A nave desapareceu na espessura da nuvem.
Era um engenho pesado, lento, de pouco manejo, mas que não temia nenhuma forma d
e furacão. Paikan quebrou o emissor que assinalava sem cessara posição do aparel
ho, virou na nuvem que crepitava ao redor deles, e foi para o centro que se desl
ocava para oeste, seguindo o impulso que ele lhe tinha dado. Com a cúpula destru
ída, seria necessária a intervenção das outras torres para modificar o curso do
furacão e neutralizá-lo. Isto dava bastante tempo para executar o início do plan
o que Paikan expunha a Eléa.
A única solução para eles era abandonar Gondawa e ir para Lamoss, a nação neutra
. Para isso, era necessário invadir a pista, pousar, e pegar um engenho de longa
distância. Somente poderiam encontrar um no parqueamento da vila subterrânea.
Os engenhos da universidade não ousariam se arriscar numa tal tempestade, com me
do de ver seu campo de não gravidade perturbado, e cair como pedra. Mas deviam m
ontar uma boa guarda no local. Teriam portanto de ir ao local de um elevador, fi
car camuflados pela nuvem e protegidos pela ronda da tempestade.
Paikan fez a nave descer até o limite inferior da nuvem. O sol, varrido pelas to
rrentes de chuva, brilhava a baixa altura, sobre a claridade dos relâmpagos. Era
a grande planície vitrificada. Os últimos elevadores de Gonda-7 não deveriam es
tar longe. Eléa viu surgir um na bruma. Paikan pousou brutalmente. Apenas no chã
o, saíram correndo e ambos apontaram para ele suas armas, ao mesmo tempo. O vent
o zunindo levantava nuvens de poeira.
Era um elevador rápido, que ia diretamente à 5ª Profundidade. Isto não tinha gra
nde importância. Cada profundidade possuía seus parqueamentos. Foram para a cabi
na de serviços expressos. Quando o elevador se abriu para deixá-los passar, esta
vam secos, lavados, penteados, escovados. Haviam utilizado para isso suas chaves
.
Na avenida de transportes a multidão parecia ao mesmo tempo nervosa e espantada.
Imagens surgiam por todos os lados para dar as últimas noticias. Era preciso en
fiar a chave na placa de som para ouvir as palavras. Apoiados num galho de uma á
rvore, sobre a pista de alta velocidade, viram e ouviram o Presidente Lokan faze
r declarações tranqüilizadoras. Não, não era a guerra. Ainda não. O conselho far
ia todo o possível para evitá-la. Mas cada habitante de Gondawa não deveria se a
fastar do seu posto de mobilização. A nação poderia precisar de todos de um mome
nto para o outro.
A maior parte dos homens e mulheres usava o cinturão com a arma, e, sem dúvida,
dissimulado em alguma parte do seu corpo, o Grão Negro.
Os pássaros não conheciam as notícias: cantavam, pipilando de prazer, batendo em
rapidez a pista central. Eléa sorriu e ergueu o braço esquerdo na vertical, aci
ma de sua cabeça, o punho fechado, o indicador horizontal. Um pássaro amarelo fr
eou em pleno vôo e pousou sobre o seu dedo estendido. Eléa baixou-o à altura do
seu rosto e encostou-o contra sua face. Era morno macio. Sentia seu coração bate
r tão rápido que mais parecia uma vibração. Ela lhe cantou algumas palavras de a
mizade. Ele respondeu com um assobio agudo, saltou do dedo de Eléa para sua cabe
ça, deu-lhe algumas bicadas nos cabelos, bateu as asas e se deixou conduzir por
um bando que passava. Eléa pousou sua mão na de Paikan.
Desceram da Avenida no parqueamento. Era uma floresta em feitio de leque. Os gal
hos das árvores se reuniam acima das filas de engenhos estacionados ali As pista
s convergiam para a rampa da chaminé de partida. Da chaminé de chegada, que se a
bria no centro da floresta, surgiam engenhos de todos os tamanhos que seguiam na
s pistas de volta, para se abrigar sob as folhas como bichos na hora do repouso
depois de uma corrida.
Paikan escolheu um veículo rápido de dois lugares, de longa distância, sentou-se
numa das cadeiras. Eléa a seu lado.
Enfiou sua chave na placa de comando, esperando para indicar sua designação e qu
e se acendesse um sinal azul na placa que começou a piscar. O sinal não se ilumi
nou.
O que é que está acontecendo?
Retirou sua chave da placa e enfiou-a novamente. O sinal não respondeu.
Experimente a sua...
Eléa por sua vez enfiou sua chave no metal elástico, sem mais sucesso.
Há um enguiço qualquer disse Paikan. Um outro, rápido!... No momento em que ele
se preparava para sair, o emissor do engenho começou a falar. A voz fez com que
eles parassem petrificados. Era a de Coban.
Eléa, Paikan, sabemos onde vocês estão. Não se movam. Vou mandar buscá-los. Você
s não poderão ir a lugar nenhum,fiz anular suas contas no computador central. Vo
cês não obterão mais nada com suas chaves. Elas não poderão mais lhes ajudar. Só
vos assinalar. O que estão esperando ainda? Não se mexam, vou mandar buscá-los.
..
Eles não tiveram necessidade de se combinarem. Saltaram fora do aparelho e afast
aram-se rapidamente. De mãos dadas, atravessaram uma pista diante do nariz de um
aparelho que freou rápido, e afundaram-se sob as árvores. Milhares de passarinh
os cantavam nas folhagens verdes ou vermelhas, ao redor dos galhos luminosos. Os
pios apenas audíveis dos motores mais lentos compunham um barulho de fundo tran
qüilizante que incitava a não fazer nada, a esperar, a se confundir com a alegri
a dos pássaros e das folhas. Na claridade verde-dourada, chegaram ao fim de uma
longa fila de engenhos de longa distância. O último acabara de pousar e tomar se
u lugar. Um viajante descia. Paikan ergueu sua arma e atirou com potência fraca.
O homem foi projetado ao solo, espantado. Paikan correu em sua direção, segurou
-o sobre os braços, arrastou-o para baixo de um ramo e ajoelhou-se a seu lado. T
eve um trabalho enorme para lhe arrancar sua chave. O homem era gordo, seu anel
ficara afundado na carne. Teve que cuspir nos dedos para conseguir fazê-lo escor
regar. Quando finalmente o anel cedeu, ele estava pronto a cortar o dedo, a garg
anta, não importa o que para carregar Eléa para longe de Coban e da guerra.
Subiram para o aparelho ainda quente e Paikan enfiou a chave na placa de comando
. Em vez do sinal azul, foi um sinal amarelo que começou a palpitar. A porta do
aparelho fechou-se batendo e o emissor de bordo começou a gritar: "Chave roubada
! chave roubada!" Do exterior do aparelho um aviso guinchava.
Paikan atirou na porta. Correram para fora e afastaram-se para o abrigo das árvo
res. Atrás deles o sinal de alarme continuava a lançar seu grito de apelo: "Chav
e roubada! chave roubada!"
Os viajantes que se dirigiam para os outros engenhos ou que saíam prestavam pouc
a atenção ao incidente. Preocupações mais graves faziam com que eles se apressas
sem. Acima da entrada das Treze Ruas, uma enorme imagem mostrava a batalha da Lu
a. Os dois campos a bombardeavam com suas armas nucleares, arrepiando-a com cogu
melos, abrindo gigantescas crateras, fissurando seus continentes, vaporizando se
us mares, dispersando sua atmosfera no vazio. Os passantes paravam, olhavam um i
nstante, e saíam mais depressa. Cada família tinha um amigo ou um parente nas gu
arnições da Lua ou de Marte.
No momento em que Eléa e Paikan entravam na décima primeira rua, a chaminé de ch
egada do parqueamento abriu passagem para uma frota de aparelhos da universidade
que se dirigiram para todas as pistas e todas as entradas.
A décima primeira rua estava cheia de uma multidão febricitante. Grupos se aglom
eravam diante das imagens oficiais que transmitiam as notícias da Lua ou a últim
a declaração do presidente. De tempos em tempos, alguém que ainda não havia ouvi
do suas declarações enfiava sua chave na placa de som e Lokan pronunciava mais u
ma vez. as mesmas palavras tranqüilizadoras: "Ainda não é a guerra..."
O que mais que eles querem? gritou um rapaz magro, de torso nu, cabelos curtos.
Se vocês aceitam, já é a guerra! Digam que não com os estudantes! Não para a gue
rra! Não! Não! Não!
Seu protesto não ergueu eco nenhum. As pessoas que estavam mais próximas dele se
afastaram e se dispersaram isoladas ou de mãos dadas. Tinham consciência de que
gritar não ou sim ou qualquer outra palavra, no momento não adiantava mais, fos
se para o que fosse.
Eléa e Paikan se apressaram em direção à porta do elevador comum, esperando se m
isturar no meio da multidão a fim de chegar à superfície. Uma vez lá fora, eles
combinariam. Agora, não tinham tempo para pensar. Os guardas verdes surgiram no
fim da rua. Eles fizeram uma fila tripla em toda a largura da rua e avançavam ve
rificando a identidade de cada um. A multidão se inquietava e se irritava.
O que é que estão procurando?
Um espião!
Um enisor!
Tem um enisor na 5ª Profundidade!
Todo um destacamento de enisores! Sabotadores!
Atenção! Escutem e vejam!
A imagem de Coban acabava de surgir no meio da rua. Ela se repetia em cada 50 me
tros, dominando a multidão e as árvores, repetindo os mesmos gestos e pronuncian
do as mesmas palavras.
Escutem e vejam. Sou Coban. Procuro Eléa 3-19-07-91. Eis aqui seu rosto.
Um retrato de Eléa tomado algumas horas antes no laboratório surgiu no lugar de
Coban. Eléa virou-se para Paikan e escondeu seu rosto no seu peito.
Não tenha medo de nada! disse ele docemente.
Acariciou o seu rosto, escorregou uma mão sobre seu braço, desfez a extremidade
da faixa que passava pelo busto, desnudou-lhe um ombro e, com a parte da faixa a
ssim livre, envolveu-lhe o pescoço, o queixo, a testa e os cabelos. Era um traje
que os homens e as mulheres às vezes adotavam, que não faria com que ela fosse
notada e que lhe dava poucas possibilidades de ser reconhecida.
Procuro esta mulher para salvá-la. Se vocês souberem onde ela está, avisem, mas
não a toquem... Escute, Eléa! Sei que você está me ouvindo. Assinale-se com sua
chave, enfiando-a em qualquer placa. Assinale e não se mexa. Escutem e vejam, pr
ocuro esta mulher, Eléa 3-19-0791...
Um homem, um sem-chave, a reconheceu. Reconheceu seus olhos: não havia azul tão
azul nos olhos de outra mulher, nem em Gonda-7, talvez nem em todo o continente.
O homem estava apoiado no muro, entre dois troncos tortos, sobre os galhos de o
nde pendem máquinas distribuidoras de água, de alimentos e de mil objetos necess
ários ou supérfluos que se podem obter com suas chaves. Ele não podia obter nada
. Era um pária, um sem-chave, não tinha mais conta, só podia viver de mendicânci
a. Estendia a mão, e as pessoas que vinham se servir na floresta das máquinas mu
lticores, lhe davam um pouco de alimento que ele comia ou guardava num saco pend
urado na cintura. Para esconder a vergonhosa nudez do seu dedo sem anel, trazia
em volta da falange do dedo médio uma fita preta.
Ele viu Eléa esconder o rosto no peito de Paikan, e este dissimular-lhe o rosto.
Mas quando ela ergueu a cabeça para olhar Paikan, viu seus olhos e reconheceu o
s olhos azuis da, imagem.
Os guardas verdes se aproximavam lenta e inexoravelmente. Cada pessoa interrogad
a enfiava sua chave numa placa fixada no punho do guarda. A de qualquer pessoa p
rocurada aí ficaria enfiada e fixa, tornando-a prisioneira. Eléa e Paikan se afa
staram. O sem-chave os seguiu.
Eles nunca haviam tomado o elevador comum, freqüentado principalmente pelas pess
oas menos-bem-designadas, aqueles que não andavam de mãos dadas e tinham necessi
dade da companhia dos outros. Sabiam agora que não o tomaram nunca: as portas de
correr não deixavam passar senão uma pessoa de cada vez, após introduzir a chav
e na placa...
Não tomariam nem esse elevador ou nenhum outro, nem as avenidas de transporte, n
em alimento, nem bebida. Nada. Não poderiam obter mais nada. Uma imagem gigantes
ca de Eléa encheu bruscamente toda a largura da rua.
A universidade procura esta mulher, Eléa 3-19-07-91. Procura-a para salvá-la. Se
você encontrá-la, não a segure, não a toque. Siga-a e assinale-a. Nós a procura
mos para salvá-la. Escute, Eléa, sei que você está me ouvindo... Assinale sua pr
esença com sua chave!
Estão me olhando! estão me olhando!
Não disse Paikan não podem reconhecê-la.
Vocês a reconhecerão dizia o aviso pelos seus olhos, seja qual for o disfarce. O
lhem nos olhos desta mulher. Nós a procuramos para salvá-la.
Abaixe as pálpebras! Olhe para o chão!...
Uma fila tripla de guardas verdes surgiu na encruzilhada da décima primeira rua
e da transversal e avançou ao encontro das outras. Não havia mais escapatória. P
aikan olhou ao seu redor, desesperado.
Olhem bem os olhos desta mulher...
Cada um dos olhos da imagem era grande como uma árvore, e o azul da íris era uma
porta aberta no céu da noite. Neles, as lantejoulas de ouro brilhavam como fogo
s. A imagem girava lentamente para que cada um pudesse vê-la de frente e de perf
il. Arrasada por esta presença dividida dela mesma, Eléa baixava a cabeça, curva
va os ombros, crispava sua mão na mão de Paikan que a dirigia para a porta da av
enida, na esperança de aí conseguir se insinuar para a saída. A imagem intocável
barrava-lhes a rua. Chegaram bem perto dela. Eléa parou e ergueu a cabeça. Do a
lto do seu rosto gigantesco, seus olhos imensos olharam-na nos olhos.
Vem... disse Paikan carinhosamente.
Ele a puxou para si, ela recomeçou a andar. Um nevoeiro de mil cores tremeluzent
es envolveu-a: tinham entrado dentro da imagem. Caíram dentro das portas da aven
ida. Os batentes da saída se abriram bruscamente sobre a pressão de uma multidão
de estudantes que corriam. Rapazes e moças, todos tinham o torso nu, extremamen
te magros. As moças tinham pintado sobre cada seio um grande X vermelho, para ne
gar sua feminilidade. Não havia mais nem moças nem rapazes, somente revoltados.
Desde o início de sua campanha, que eles jejuavam um dia em cada dois, sendo que
no segundo não comiam senão a ração energética. Tinham se tornado duros e ágeis
como flechas.
Corriam gritando a palavra "Pao" que significava "não" nas duas línguas gondas.
Paikan e Eléa misturaram-se entre eles, contra a onda, para atingir os batentes
antes que se fechassem.
Pao!... Pao!... Pao!... Pao!...
Os estudantes lhes davam encontr]oes e os empurravam, eles tornavam a andar para
a frente, Paikan afastando a multidão como um aríete. Os estudantes passavam po
r eles, empurravam à esquerda e à direita, pareciam não os ver, alucinados pela
fome e pelo grito repetido.
Pao!... Pao!... Pao!... Pao!...
Finalmente chegaram à porta. Porém um grupo a encheu e transbordou, fazendo-os r
ecuar diante deles. Era uma companhia de guardas brancos da polícia do Conselho,
de braços colados, cotovelo com cotovelo, a mão esquerda ar Fria, eficiente, se
m emoção, a polícia branca não aparecia a não ser para agir. Seus membros eram e
scolhidos pelo computador antes da idade de Designação. Não recebiam chave, não
tinham nem mesmo conta de crédito. Eram educados e treinados num campo especial,
abaixo da 9ª Profundidade, abaixo mesmo do complexo das máquinas imóveis. Não s
e mostravam jamais na superfície. Raramente acima das máquinas. Seu universo era
o do Grande Lago Selvagem, cujas águas se perdiam nas trevas de uma caverna ine
xplorável. Sobre suas margens minerais, eles treinavam sem cessar em batalhas im
piedosas uns contra os outros. Lutavam, dormiam, comiam, lutavam, dormiam, comia
m. A alimentação que recebiam transformava em atividades de combate sua energia
sexual não empregada. Quando o conselho tinha necessidade deles, injetava-lhes u
ma quantidade mais ou menos grande onde a necessidade se fazia sentir, como um o
rganismo mobiliza seus fagócitos contra o furúnculo e tudo entrava rapidamente e
m ordem. Estavam cobertos, da cabeça aos pés, inclusive por um colante de matéri
a branca semelhante ao couro, que deixava livres somente o nariz e os olhos. Nin
guém nunca soube qual era o comprimento dos seus cabelos. Carregavam duas armas
G, igualmente de cor branca, uma para a mão esquerda, a outra sobre o ventre, do
lado direito. Eram os únicos a poder atirar com as duas mãos. O conselho os hav
ia soltado na cidade para liquidar a revolta dos estudantes.
Pao!... Pao!... Pao!... Pao!...
O grupo dos guardas brancos continuavam a sair compacto pelas portas da avenida
e avançava em direção aos estudantes cujas roupas multicores esvoaçavam na rua,
escalavam as árvores. A multidão, pressentindo chegar o choque, escondia-se em t
odas as saídas possíveis. Bloqueada pelos guardas verdes nas duas extremidades d
a rua, ela refluía para a entrada dos elevadores da avenida. Uma nova imagem do
presidente surgiu na abóbada horizontal, longa como a rua, acima da multidão, e
falou.
Uma imagem falante sem chave era tão excepcional que todo o mundo parou para ouv
ir, até mesmo os guardas.
Escutem e olhem!... Eu vos informo que o conselho decidiu enviar o Conselheiro d
a Amizade Internacional a Lamoss, e pedimos ao governo enisor para também enviar
seu ministro equivalente. Nossa finalidade é de tentar acantonar a guerra nos t
erritórios exteriores e impedir que ela se estenda à Terra. A paz ainda pode ser
salva!... Todos os seres vivos das categorias de 1 a 26 devem se apresentar ime
diatamente nos seus lugares de mobilização.
A imagem apareceu de corpo inteiro e recomeçou o seu discurso.
Escutem e olhem!... Quero informar-lhes...
Pao!... Pao!... Pao!... Pao!...
Os estudantes haviam formado uma pirâmide. No cimo, uma moça com os seios pintad
os, ardente de fé, gritava, os braços em cruz:
Pao! Pao! Não escutem! Não ide aos vossos lugares de mobilização! Recusem a guer
ra seja como for! Dizei NÃO! Obriguem o conselho a declarar a paz. Sigam-nos!...
Um guarda branco atirou. A moça atingida desapareceu na face da imagem de Eléa.
Procuramos esta mulher...
Os guardas continuaram atirando.
Pao!... Pao!... Pao!... Pao!
A pirâmide desapareceu em pedaços compostos de rapazes e moças mortos. Paikan qu
is pegar sua arma, mas ela não estava mais na sua cintura. Ele a havia perdido,
sem dúvida, no momento em que acreditava tê-la colocado no lugar ao saltar do ap
arelho. A massa compacta branca dos guardas ia atingi-los, a multidão fugia, os
estudantes gritavam seu brado de revolta. Paikan deitou Eléa no chão e atirou-se
por cima dela. Um guarda branco tropeçou nele ao correr. Paikan pegou no vôo a
ponta de um pé e virou-o com um golpe seco. O tornozelo estalou. O guarda caiu s
em gritar. Paikan esmagou com seu joelho suas vértebras cervicais e puxou a cabe
ça para trás com as duas mãos. As vértebras estalaram. Paikan ergueu a mão esque
rda armada inerte e dobrou bem os dedos enfiados na arma. Um grupo de guardas vo
ou e chocou-se contra a parede e a parede pulverizada desapareceu numa nuvem. Po
r trás da brecha aberta, a pista da avenida apareceu. A multidão meteu-se por el
a, gritando. Paikan e Eléa no meio deles. Paikan carregava a arma do morto. Os g
uardas brancos, indiferentes, prosseguiam com calma sua tarefa de exterminação.
Abandonaram a avenida no ponto circular do parqueamento. O parqueamento era a ún
ica esperança, a única saída. Paikan havia pensado numa outra maneira de arranja
r um aparelho. Mas era preciso chegar até ele...
No centro do ponto circular erguiam-se os 12 troncos de uma árvore vermelha. Uni
dos pela base, eles se erguiam em corola, segurando-se por seus galhos comuns co
mo crianças que fazem uma roda. Muito alto, suas folhas vermelhas escondiam a ab
óbada e se uniam sobre a multidão das patas e das asas dos pássaros ali escondid
os. Em volta do seu pé corria um riacho de onde pequenas tartarugas luminosas er
guiam suas cabeças chatas quase transparentes para procurar vermes e larvas. Ofe
gante de sede, Eléa ajoelhou-se à beira do riacho. Pegou a água na concha de sua
s mãos e nela mergulhou a boca. Cuspiu-a com horror.
Ela vem do lago da Primeira Profundidade disse Paikan. Você bem sabe...
Ela o sabia, mas estava com sede. Essa maravilhosa água clara era amarga, salgad
a, pútrida e morna. Era imbebível, mesmo na hora da morte. Paikan ergueu docemen
te Eléa e apertou-a contra ele. Ele estava com sede e com fome; estava mais esgo
tado do que ela, pois não tinha para se manter o soro universal. Dos galhos acim
a deles pendiam mil máquinas que lhe propunham, em mil cores mutantes, bebidas,
alimentos, jogos, prazeres, tudo o que era de necessidade. Sabia que ele não tin
ha nem o recurso de quebrar uma ou outra, pois no interior não havia nada. Cada
uma fabricava o que tinha de fabricar a partir do nada. Com a chave.
Vem disse carinhosamente Paikan.
De mãos dadas, eles se aproximaram da entrada do parqueamento, que estava barrad
a por três filas de guardas verdes. Em cada rua que terminava no ponto circular,
uma fila tripla avançava, empurrando diante dela multidões irritadas, e cada ve
z mais densas. Paikan afundou sua mão na arma, tirou-a da cintura, virou-se para
a entrada o parqueamento e ergueu o braço.
Não! disse Eléa. Eles têm granadas.
Cada guarda tinha na cintura uma granada S, transparente, frágil, cheia de um lí
quido verde. Era suficiente uma só para que toda a multidão ficasse adormecida i
mediatamente. Eléa trazia em feitio de colar a máscara que já lhe havia servido
na universidade e nas profundezas da piscina, mas Paikan não tinha.
Posso ficar dois minutos sem respirar disse Paikan. Ponha a máscara, no momento
em que eu atirar, corra.
Um retrato de Eléa iluminou-se bruscamente no meio da árvore vermelha a voz de C
oban elevou-se:
Vocês não poderão deixar a cidade. Todas as saídas estão guardadas, Eléa onde vo
cê estiver você me ouve. Assinale sua presença com a chave. Paikan, pense nela e
não em você. Comigo é a vida, com você é a morte!
Atire! gritou Eléa.
Ele respirou fundo e atirou a meia potência.
Os guardas caíram. Granadas se quebraram. Uma brisa verde encheu de um só golpe
o ponto circular até em cima. A multidão dobrou o joelho, foi escorregando, fico
u deitada. De cima das folhas das doze árvores, dezenas de milhares de pássaros
caíram como flocos de todas as cores velados pela bruma, Paikan já estava puxand
o Eléa, correndo para o parqueamento. Corria, saltava corpos estendidos, e subst
ituía pouco a pouco o ar que lhe enchia os pulmões. Tropeçou contra um joelho er
guido. Deu um ai e respirou sem querer. Adormeceu como uma pedra e, ainda no imp
ulso da corrida, caiu de cabeça sobre uma barriga deitada. Eléa o virou, segurou
-o por baixo dos braços e começou a puxar.
Não conseguirá nunca sozinha! disse uma voz anasalada.
Perto dela estava o sem-chave, seu rosto escondido por uma máscara de odeio ant
igo, remendada e presa de qualquer maneira. Abaixou-se e segurou os pés de Paika
n.
Por aqui falou ele.
Conduziu Eléa e seu fardo em direção ao muro, num canto entre dois troncos retor
cidos. Pousou Paikan e olhou ao redor. Não havia nenhum ser vivo diante da porta
. Tirou do seu saco um pedaço de ferro, enfiou-o no buraco do muro, virou e empu
rrou. O pedaço de muro entre os dois troncos abriu-se como uma porta.
Depressa! depressa!...
Um aparelho da universidade estava descendo à entrada do parqueamento. Eles ergu
eram Paikan e entraram dentro daquele buraco negro
O despertar era tão brusco quanto a queda no sono. Logo que ficou longe da influ
ência da bruma verde, Paikan abriu os olhos e viu o rosto de Eléa. Ela estava aj
oelhada ao seu lado, segurava sua mão direita entre suas duas mãos, e o olhava a
ngustiada. Vendo-o despertar, suspirou de alegria, deu-lhe um sorriso, abandonou
suas mãos e afastou-se para que ele pudesse olhar ao redor.
Ele olhou e só viu cinzento. Paredes cinzas, chão cinza, abóbada cinza. E diante
dele a escadaria cinza. Bastante larga para deixar passar uma multidão, subia,
deserta, vazia, nua, interminavelmente, dentro do cinza e do silêncio e nele des
aparecia.
A esquerda, uma outra escadaria tão larga e vazia descia virando no cinza que a
absorvia. Alguns lances mais estreitos de corredores em rampa cruzavam as parede
s em todas as direções, para baixo e para cima. Uma camada de poeira cinzenta co
bria, uniformemente, as paredes, o solo e os arcos.
A escadaria! disse Paikan. Tinha me esquecido.
Todos a esqueceram acrescentou o sem-chave.
Paikan levantou-se e olhou o homem. Ele também era cinzento. Suas roupas e seus
cabelos eram cinzentos, sua pele de um rosa acinzentado.
Foi você que me trouxe aqui?
Sim, com ela... É ela que estão procurando, não é? Ele falava a meia voz, sem ti
mbre, sem entonação.
Sim, sou eu disse Eléa.
Eles não pensarão logo na escadaria. Ninguém a utiliza há muito tempo. As portas
foram condenadas e camufladas. E eles terão trabalho para encontrá-las.
Três homens cinzentos surgiram silenciosos num corredor inclinado. Vendo o grupo
, pararam alguns instantes, se aproximaram, olharam Eléa e Paikan, e partiram no
vamente sem dizer uma palavra pelos degraus principais para cima. Era um pouco d
e cinza se movendo no cinza imóvel. Tornavam-se cada vez menos visíveis, cada ve
z menores em direção ao alto, cinza sobre cinza, indiscerníveis. De repente foi
possível adivinhá-los porque um deles em vez de continuar em frente, deu um pass
o para o lado. Um ponto cinza que mexia sobre cinza depois mais nada que o cinza
que não se mexia. Seus pés sobre os degraus haviam esmagado a poeira sem desloc
á-la. Ela se reagrupava lentamente atrás deles, apagando o vestígio dos seus pas
sos, de sua passagem, de sua vida. A poeira não era pulverulenta e sim como um f
eltro, compacta, soli- dária. Uma espécie de tapete arejado, frágil e estável, e
ra o forro deste lado do avesso do mundo.
Se você quiser subir até a superfície disse o homem com sua voz que era apenas s
uficientemente forte para que o ouvissem tem trinta mil degraus. Será necessário
um dia ou dois.
Paikan respondeu abafando instintivamente sua voz. O silêncio era como um mata-b
orrâo no qual tinham medo de ouvir as palavras se enfiarem e desaparecerem.
O que nós queremos é chegar ao parqueamento.
O da Quinta Profundidade está cheio de guardas. Seria necessário subir ou descer
uma profundidade. Descer será mais fácil.
O sem-chave mergulhou a mão no bolso, tirou algumas esférulas de alimento e lhes
deu. Enquanto as deixava desmanchar na boca, ele enxugou com as costas da mão a
poeira de uma espécie de cilindro que corria à altura de um homem ao longo da p
arede, e aí enfiou duas vezes uma lâmina. Um duplo jato de água começou a correr
.
Eléa, a boca aberta, jogou-se sobre a fina coluna transparente. Engasgou-se, tos
siu, espirrou, riu de felicidade. Paikan bebia com suas mãos em concha. Tinham a
penas acabado de matar a sede quando o jato duplo secou: o conduto de água havia
reparado seu defeito.
Vocês beberão novamente mais longe disse o homem. Apressemo-nos, são trezentos d
egraus para descer a fim de atingir a Sexta Profundidade.
Tomou uma escada à direita. Os dois o seguiram. Ele quase corria sobre os degrau
s, com uma segurança nascida na longa freqüência da escada e da sua roupa de poe
ira. Atravessou um estreito patamar, pegou uma escada perpendicular, depois uma
outra, outra, outra. Depois à esquerda, à direita, bifurcava, ziguezagueava, sem
hesitação, descendo de andar em andar, sempre mais baixo. De mãos dadas, Eléa e
Paikan desciam atrás dele, enfiando-se pela espessura cinza. Às vezes encontrav
am, cruzavam ou ultrapassavam outros sem-chave silenciosos, que caminhavam sem p
ressa, sozinhos ou em grupos pequenos. O complexo da escadaria era seu universo.
Esse corpo abandonado, esvaziado, esse esqueleto oco, vivia da presença furtiva
deles. Haviam feito aberturas clandestinas e reaberto portas desconhecidas no s
ubsolo: aqueles homens viviam no mundo do barulho e da cor, o tempo necessário p
ara encontrar o indispensável pela mendicidade ou pelo roubo. Depois voltavam a
penetrar no interior cinzento do qual eles haviam pouco a pouco assimilado a cor
. A poeira do chão engolia o barulho dos passos, a dos muros o barulho das palav
ras. O silêncio que os cercava penetrava neles e os fazia calar.
Atordoados, correndo, saltando degraus, Eléa e Paikan seguiam seu guia que se af
undava cada vez mais. O homem lhes explicava tudo, em algumas palavras, pedaços
de frases, apenas falados, quase segredados. Falava da fome quando as pessoas-da
-cor não queriam dar. Então ficavam reduzidos a comer os pássaros-redondos. Most
rou um diante deles que se escondeu. Era gordo como uma mão fechada, cinzento e
não tinha asas. Para atravessar um patamar corria a toda pressa sobre suas perna
s magras. Chegado ao alto dos degraus, atirou-se, escondeu a cabeça e as patas s
ob as plumas, e rolou, caindo como uma bola até embaixo.
Viram muitos outros que bicavam o chão e arrancavam com a ponta do bico alguns v
ermes cinzentos que habitavam a galeria dentro da camada de poeira e se alimenta
vam dela.
Eléa conservava suas forças e seu fôlego, mas Paikan teve que parar. Descansaram
alguns instantes, sentados embaixo de um lance de degraus. Num canto do patamar
, brilhava uma pequena chama. Três silenciosos agachados assavam pássaros-redond
os, que seguravam pelas patas acima de um fogo de poeira. O cheiro horrível da c
arne assada chegou até eles e Paikan ficou de coração apertado.
Continuemos disse ele.
No momento em que se levantava, o barulho de dois golpes ressoou numa das parede
s. Os três silenciosos fugiram levando suas presas meio cruas. Um fragmento do m
uro voou em pedaços.
Rápido! disse o sem-chave. Eles a encontraram! É uma antiga porta!...
Empurrou-os na sua frente, para cima. Voltaram a subir o lance de degraus quatro
a quatro. No patamar, um pedaço do muro desmanchou-se, e os guardas verdes entr
aram.
Os três fugitivos corriam a toda velocidade por um corredor em rampa, enxotando
um bando de pássaros-redondos que rolavam e que para aumentar sua velocidade bot
avam as patas para fora e se atiravam de novo, cada vez mais rápido, sem um pio
de medo, redondos, rolantes, silenciosos e cinzentos.
Do fundo do corredor, diante deles, ergueu-se a voz de Coban. Estava abafada, de
sencarnada pelos feltros da poeira, parecia próxima e vir, extenuada, do fim do
mundo.
Escute, Eléa, sabemos onde você está. Você vai se perder. Não se mexa. Iremos en
contrá-la. Não se mexa. O tempo urge...
A marcha surda dos guardas vinha da frente deles, por trás deles, acima deles.
O sem-chave parou.
Eles estão em todos os lados falou. Paikan enfiou a mão na sua arma.
Espere! disse o homem.
Ajoelhou-se, fez um buraco com as mãos no tapete de poeira, colou seu ouvido ao
solo e escutou. Ergue-se com um salto.
Sim, atire aí!
Veio refugiar-se atrás de Paikan e mostrou o solo desnudo. Paikan atirou, o solo
tremeu. Nuvens de poeira voaram pelo corredor.
Mais forte!
Paikan atirou de novo. O solo se abriu gemendo.
Saltem!
O sem-chave deu o exemplo e saltou no abismo de onde se ouvia um barulho de rio.
Eles saltaram atrás, caíram na água amarga e morna. Uma corrente forte os levou
. Eléa voltou à superfície e procurou Paikan. A água era ligeiramente fosforesce
nte, mais brilhante nos redemoinhos e nos turbilhões. Viu o rosto de Paikan que
saía da água. Seus cabelos brilhavam com uma luz verde. Ele lhe sorriu e estende
u-lhe a mão. O teto em rampa afundava-se na corrente, que corria como por um sif
ão. No centro do turbilhão apareceu uma bola brilhante: a cabeça do sem-chave. E
le ergueu a mão, fez sinal de que mergulhava, e desapareceu. Eléa e Paikan começ
aram a rodar sobre si mesmos e foram aspirados pela profundidade. Mão na mão, pe
rnas largadas, sem peso, afundavam-se na enorme espessura de um músculo de água
palpitante e morno. Caíam a uma velocidade fantástica, giravam estendidos em vol
ta de suas mãos unidas, faziam viradas que os jogavam contra as paredes forradas
por milhares de pequenas raízes, emergiam no cimo de uma curva, respiravam, asp
irados, carregados, sempre mais para baixo. A água tinha gosto de podridão e de
sais químicos. Era o grande lago corrente, oriundo do lago da Primeira Profundid
ade. À saída do lago, ele atravessava uma máquina imóvel, que lhe acrescentava o
s alimentos reclamados pelas plantas. Descia em seguida de andar em andar, nas p
aredes e nos solos e banhava as raízes de todas as vegetações enterradas.
A queda vertical terminou por uma curva larga e uma subida que os atirou no meio
de um gêiser de bolhas fosforescentes. Encontraram ar na superfície de um lago
que corria lentamente para um pórtico sombrio. Uma quantidade de colunas retorci
das, umas largas como dez homens, outras finas como um punho de mulher, desciam
do teto e se enfiavam na água onde se ramificavam e desabrochavam. Era um polvo
brilhante de raízes.
Sobre uma delas, tortuosa, estava o sem-chave. Gritou-lhes:
Subam! Rápido!
Eléa ergueu-se até a altura de um tronco quase horizontal e puxou Paikan sobre q
uem o cansaço pesava. A água brilhava e corria sobre as longas serpentes vegetai
s com um barulho de carícia. Do pórtico sombrio vinha de tempos em tempos o baru
lho surdo de redemoinhos mais fortes. Uma claridade pálida subia da água, corria
pelas raízes, fria, viscosa, verde. De todas as partes do lago pontas redondas
luminosas, de um rosa vivo corriam em direção ao redemoinho deixado pelos três f
ugitivos. Formou-se pouco depois abaixo deles umaebulição frenética de claridade
rósea. De tempos em tempos, algumas dessas gotas vivas saltavam para fora da ág
ua, como faíscas, tentando colar-se às pernas nuas que pendiam para fora do seu
alcance. Eram peixes minúsculos, quase cortados em dois por sua boca aberta.
Os peixes-amargos disse o sem-chave. Se eles lhe mordem, comem tudo, até os osso
s.
Eléa estremeceu.
Mas normalmente, o que é que eles comem?
Raízes mortas, e todos os restos que a corrente traz. São limpadores, quando não
há mais nada, se comem entre si.
Virou-se para Paikan, bateu no teto que se encostava na sua cabeça, e disse:
Parqueamento!...
As raízes que mergulhavam no lago eram as da floresta do parqueamento da Sexta P
rofundidade.
Paikan ergueu sua arma, e atirou entre duas raízes. Uma parte do teto caiu. Pela
brecha, uma árvore gigante desceu lentamente. Seus galhos seguravam um aparelho
no qual se agitavam duas silhuetas claras. Ele caiu no lago, e a árvore inclina
da afundou-se e o manteve embaixo da água. Era um barco de intervenção da políci
a do conselho, ocupado por dois guardas brancos. Num relâmpago cor-de-rosa os mi
lhões de peixes lenticulares caíram sobre eles e os atacaram pela parte descober
ta de seu rosto, entraram pelos olhos para dentro das suas cabeças e, pelo nariz
, para o peito e para o ventre. O aparelho encheu-se de água vermelha.
Seguidos pelo sem-chave, Eléa e Paikan subiram pelas raízes e galhos, e tomaram
pé no solo do parqueamento. Os estudantes aí lutavam uma batalha sem esperança c
om os guardas brancos. Tinham encontrado, num engenho cargueiro bloqueado pela g
uerra, barras e bolas de ouro que deviam servir para edificar sobre a Lua máquin
as e móveis. Bombardeavam os policiais e corriam escondendo-se atrás das árvores
e dos aparelhos. Eram armas irrisórias. Às vezes uma delas atingia o alvo e que
brava um crânio num lampejo de ouro. Mas a maior parte não atingia o alvo.
As filas de policiais avançavam entre as árvores como serpentes brancas e atirav
am. Colhiam os estudantes em plena corrida e os jogavam, deslocados, contra os t
roncos ou nas folhagens. Os galhos estalavam e caíam. Aparelhos ficavam despedaç
ados. Todos os pássaros do parqueamento haviam abandonado a floresta e voavam so
bre a abóbada em círculo aloucado, acompanhado de pios de pavor. Apresentaram a
imagem do conselheiro militar, de cabelos negros trançados, que anunciava a recu
sa do governo enisor em enviar um ministro a Lamoss. Convocava todos os seres de
Gondawa para se apresentarem ao seu posto de mobilização. A imagem sinistrado h
omem magro apagou-se, reapareceu um pouco mais longe, recomeçou seu anúncio.
Acima da entrada das doze ruas, uma imagem de Eléa girava. Um quarto para a esqu
erda, um quarto para a direita, à esquerda, à direita...
A universidade procura esta mulher, Eléa 3-19-07-91. Vocês a reconhecerão por ca
usa de seus olhos. Nós a procuramos para salvá-la. Eléa, assinale sua presença c
om sua chave...
Na extremidade de uma pista, perto da torre de vôo, uma pequena multidão havia b
loqueado um aparelho de forma oblonga, inusitado em Gondawa. Um cidadão de Lamos
s, que o ocupava, dele foi arrancado violentamente. Gritava que não era um eniso
r, que não era um espião, que não era um inimigo. Mas a multidão não compreendia
a língua lamoss. Via as roupas diferentes, cabelos curtos, o rosto claro, e gri
tava: "Espião!" "Morte!" Começaram a bater. Os estudantes voaram em socorro do h
omem. Os guardas brancos os seguiram. O lamoss estava machucado, rasgado, em f
rangalhos, completamente amassado pelos pés da multidão enraivecida. Os estudant
es furiosos berravam contra o horror e contra a bobagem. A multidão louca gritou
: "Estudantes! Espiões! Vendidos! Morte!" A multidão em fúria rasgou as roupas d
os estudantes, arrancou-lhes os cabelos, as orelhas, os seios, os sexos. Os guar
das-brancos atiraram, limparam todo o local, todo o canto, todo mundo.
O sem-chave deu um sorriso triste, fez um gesto de amizade aos seus dois companh
eiros, e afastou-se em direção das doze ruas. Eléa e Paikan apressaram-se para o
lado de uma região mais calma do parqueamento. A segunda fila de aparelhos de l
onga distância estava quase deserta, em calma. Um desses aparelhos que acabara d
e descer procurava vaga. Parou, pousou, a porta abriu, um homem apareceu. No mom
ento de descer, estancou, surpreso, para escutar os gritos de violência e o choq
ue surdo das armas. As árvores o impedi de ver, mas o tumulto chegava até ele. S
altou em terra.
O que é que está acontecendo? perguntou a Paikan.
Este, como resposta, ergueu para ele sua mão esquerda enluvada da arma branca, e
com a mão direita arrancou-lhe a arma e jogou-a longe.
Suba outra vez! Rápido!
Compreendendo cada vez menos, o homem obedeceu. Paikan o fez sentar, legou-lhe a
mão e enfiou sua placa na chapa elástica...
Espera interminável num instante de silêncio. Depois, bruscamente, o mostrador p
alpitou. Paikan deu um profundo suspiro e com sua mão direita fechou a boca do h
omem.
Destino? perguntou o emissor.
Lamoss, primeiro parque.
Houve um pequeno ronronar seguido de um estalo.
Crédito suficiente. Destino registrado. Retire sua chave... Partida... Paikan ar
rancou o homem de sua cadeira e jogou-o para fora, enquanto lhe gritava seus agr
adecimentos e suas desculpas. No mesmo momento a porta fechava-se, o aparelho de
colava, girava sobre si mesmo e ganhava a pista. Pegou a da rampa de saída.
O emissor de bordo falou:
A universidade procura Eléa 3-19-07-91. Eléa, assinale-se com sua chave...
A torre de partida comandou o engenho que decolou em direção ao alto. Saiu da bo
ca e subiu na noite exterior.
Depois que viviam na superfície, Eléa e Paikan tinham perdido o hábito da luz pe
rpetuamente acesa nas vilas enterradas. Era dia quando deixaram o parqueamento.
Pensavam encontrar dia no exterior. Mas a Terra e o Sol tinham continuado seu cu
rso, e a noite tinha chegado com sua multidão de estrelas. Eles se deitaram lado
a lado sobre o leito da nave, e, de mãos dadas, sem dizer uma palavra, se deixa
ram invadir pela doçura e pelo silêncio infinitos. Subiam na noite e na paz em d
ireção ao céu estrelado, esqueciam a Terra e seus horrores absurdos. Estavam jun
tos, estavam bem, cada instante de felicidade era uma eternidade.
Colocaram na cabeça os círculos de ouro com os quais estava munido o leito, e os
dois abaixaram a placa frontal. Tinham adquirido de tal maneira o hábito de se
comunicar assim, que cada um podia receber do outro o conteúdo da sua memória, a
o mesmo tempo que, sem ter necessidade de pensar, contava- lhe o que continha a
sua. A troca se efetuava numa velocidade instantânea. Eles colocavam o círculo,
fechavam os olhos, abaixavam a placa, e logo havia uma só memória, um só passado
. Cada um se lembrava das recordações do outro como se fossem suas. Não eram mai
s dois seres que crêem se conhecer e se enganam, mas um só ser, sem sombra de dú
vida, solidários e sólidos diante do mundo. Assim Paikan soube tudo do projeto d
o Abrigo, e de cada instante vivido por Eléa entre o momento em que se haviam se
parado e o que ela o havia reencontrado. Assim conheceu ele a maneira pela qual
ela havia recuperado sua liberdade. Sabendo-o por ela mesma, ele sofreu por ela
sem recriminação e sem ciúme. Não havia entre eles lugar para sentimento dessa o
rdem, pois cada um, conhecendo tudo do outro, o compreendia completamente.
Tiraram ao mesmo tempo seus círculos de ouro e se sorriram, numa união total, nu
ma felicidade perfeita por estarem juntos. Eram um único ser e eram dois para di
vidir e multiplicar suas alegrias. Como duas mãos do mesmo corpo que acariciam o
mesmo objeto, como dois olhos que dão ao mundo sua profundidade.
O emissário de bordo falou.
Atingimos o nível 17. Vamos começar o vôo horizontal em direção a Lamoss. Veloci
dade autorizada: 9 a 17. Que velocidade desejam?
A máxima respondeu Paikan.
Máxima, velocidade 17, registrada. Atenção à aceleração!
Apesar do aviso, o deslocamento horizontal pressionou Eléa contra o alto, e rolo
u Paikan por baixo dela. Ela começou a rir, tomou nas suas mãos os longos cabelo
s louros ainda úmidos, mordiscou-lhe o nariz, as faces, os lábios.
Não pensavam mais nas suas provas, nas ameaças, nem na guerra. Voavam para um po
rto de paz. Talvez momentânea, precária, ilusória, e onde múltiplos problemas se
colocariam em todo o caso diante deles. Mas essas precauções eram para amanhã e
não para agora. Viver antecipadamente as infelicidades é sofrê-las duas vezes.
O momento presente era momento de alegria, era preciso não envenená-lo.
Aquele momento de paz foi cortado bruscamente por um grito de alerta no emissor.
Gelados, se endireitaram. Um sinal vermelho piscava na placa de comando.
Alerta geral disse o emissor. Todos os vôos estão cancelados. Voltareis ao parqu
eamento pelo caminho mais curto. Deveis ir imediatamente aos vossos locais de mo
bilização.
O aparelho virou-se e começou uma descida vertiginosa oblíqua. No solo, através
da carlinga transparente, viam um balé louco de casas de repouso se aproximando
a uma velocidade que aumentava cada vez mais, e o funil da Boca aspirar as bolas
luminosas que giravam em cima dela esperando sua vez.
O aparelho diminuiu e veio tomar seu lugar na roda. Todos os aparelhos na superf
ície tinham recebido ordem de voltar. Casas ou engenhos, eles eram milhares a gi
rar em cima da Boca que aspirava os mais próximos em plena abertura. Sua roda co
bria todo o lago e a floresta.
Está nos levando de volta para a cidade! Para a armadilha! gritou Eléa. É precis
o saltar!
Estavam quase sobrevoando o lago em velocidade reduzida, a uma altura razoável p
ara um salto. Mas as portas ficavam bloqueadas durante o vôo. Logo, deixaram o l
ago e sobrevoaram a massa compacta das árvores. Paikan atirou na placa de comand
o. O aparelho curvou-se e começou a subir, descer, subir oscilando, perdendo cad
a vez mais altitude, como uma folha de outono que cai. Passou rasante sobre o ci
mo da floresta, subiu mais um pouco, desceu e atingiu o cimo de um tronco gigant
e coroado de folhas de palmeiras. Ficou plantado aí como uma maçã num lápis.
Estavam deitados lado a lado à beira do lago, sobre a grama que descia direção à
areia. A mão de Eléa estava na mão de Paikan. Seus grandes olhos abertos olhava
m a noite limpa. A Boca havia absorvido os últimos retardatá- rios. o céu não of
erecia nada além de suas estrelas. Não viam outra coisa senão elas, prosseguiam
no meio delas, na imensa paz indiferente dos pássaros, sua viagem de esperança i
nterrompida.
Diante deles, ao nível do lago, a lua se erguia em seu último quarto. Estava inc
hada, como se estivesse envolta em algodão, deformada, avermelhada. Fulguraçôes
vermelhas iluminavam sem cessar sua parte sombria. Ela brilhava às vezes inteira
num rápido esplendor semelhante ao do sol. Era a imagem silenciosa da destruiçã
o do mundo, proposta aos homens pelos homens. Aqui mesmo, antes do fim da noite.
..
Sem se mexerem muito, sem se olhar, enlaçaram os dedos e colaram suas palmas uma
contra outra, bem apertadas.
Atrás deles, na floresta, um cavalo relinchou suavemente como para se queixar. U
m pássaro perturbado no seu sono, pipilou e voltou a dormir. Um pouco de vento l
igeiro passou pelos seus rostos.
Poderíamos partir a cavalo... murmurou Paikan.
Ir para onde? - sussurrou Eléa. Nada mais é possível... Está acabado... Ela sorr
iu dentro da noite. Ela estava com ele. Acontecesse o que acontecesse, acontecer
ia a ele com ela, e a ela com ele.
Houve um relincho mais próximo, e o barulho abafado das patas do cavalo sobre a
erva.
Levantaram-se. O cavalo, branco de lua, veio até eles, parou e sacudiu a cabeça.
Ela enfiou sua mão nos longos pêlos e o sentiu tremer.
Está com medo disse ela.
Ele tem razão...
Ela viu a silhueta de seu braço estendido fazer a volta do horizonte. Em todas a
s direções, a noite se iluminava de breves claridades, como tempes- tades distan
tes.
A batalha... Gonda-17... Gondawa-41... Enawa... Zenawa... Eles desembarcaram por
todos os lados...
Um ribombar surdo começava a seguir os clarões. Era ininterrupto, provinha de to
do o círculo em redor, do qual eles eram o centro. Tornava o solo sensível sob s
eus pés.
O ruído acordou os bichos da floresta. Os pássaros voavam, aflitos, aflitos por
ainda encontrar a noite, tentavam voltar para seus ninhos, se chocavam nos galho
s e nas folhas. As corças saíram do bosque e vieram se juntar ao redor do casal
humano. Veio também um cavalo azul, invisível na noite, e os pequenos ursos lent
os das árvores com seus coletes claros, e os coelhos negros de orelhas curtas, c
uja cauda branca remexia-se no solo.
Antes do fim da noite disse Paikan não restará mais nada de vivo aqui, nem um bi
cho, nem um talo de grama. E aqueles que se crêem protegidos lá em baixo, têm so
mente uma prorrogação de alguns dias, talvez de algumas horas... Quero que você
vá para o abrigo... Quero que você viva!...
Viver? Sem você?...
Apoiou-se contra ele e levantou a cabeça. Ele via a noite dos seus olhos refleti
r as estrelas.
Não ficarei sozinha no abrigo. Tem Coban. Você já pensou? Ele sacudiu a cabeça c
omo para recusar esta imagem.
Quando acordarmos, deverei lhe dar filhos. Eu que ainda não tive filhos de você.
.. Eu que esperava... este homem dentro de mim, sem cessar, para me semear filho
s, você não se incomoda?
Ele apertou-a bruscamente contra si, depois reagiu, fez um esforço para ficar ca
lmo.
Estarei morto... há muito tempo... depois desta noite...
Uma voz imensa e descarnada saiu da floresta. Os pássaros fugiram, chocando-se n
o seu vôo com todos os obstáculos da noite. Todos os emissores da floresta falav
am a voz de Coban. Ela se misturava e se superpunha a ela mesma, vibrava e ecoav
a sobre a superfície das águas. O cavalo azul levantou a cabeça para o céu e sol
tou um relincho agudo.
Eléa, Eléa, escute Eléa... Sei que você está no exterior... está em perigo... o
exército invasor desce sem parar... breve ocupará toda a superfície... assinale-
se para um elevador com sua chave... nós iremos buscá-la onde você estiver... nã
o demore mais... Escute Paikan, pense nela!... Eléa, Eléa, este é o meu último a
pelo. Antes do fim da noite, o abrigo será fechado, com ou sem você.
Depois foi o silêncio.
Eu sou de Paikan disse Eléa numa voz baixa e grave. Pendurou-se no seu pescoço.
Ele passou seus braços à Volta dela, ergueu-a e deitou-a sobre a coberta macia d
e grama, entre os bichos, que se afastaram e fizeram um círculo ao redor deles.
Chegavam outros vindos da floresta, todos os cavalos brancos, cavalos azuis e os
cavalos negros, menores, que não se viam nem mesmo sob a luz da lua. E lentas t
artarugas saíam dágua para os encontrar. A claridade dos horizontes palpitava à
volta deles até as extremidades do mundo. Estavam sozinhos no meio de uma praça
viva, fortificada pelos bichos que os protegiam e os confortavam. Ele passou a m
ão por baixo da faixa que cobria o peito de Eléa e fez florescer um seio entre d
uas pregas da fazenda. Pousou sobre ele a palma arredondada da sua mão, e o acar
iciou com um gemido de felicidade, de amor, de respeito, de admiração, de ternur
a, com um reconhecimento infinito, para a vida que havia criado tanta beleza per
feita e a havia lhe dado para que ele provasse e sentisse que ela era bela.
E agora, era a última vez.
Colou sobre o seio sua boca entreaberta e sentiu a ponta macia tornar-se dura en
tre seus lábios.
Eu sou sua... murmurou Eléa.
Ele libertou o outro seio e o apertou carinhosamente, depois desfez a roupa dos
quadris. Sua mão correu ao longo das ancas, ao longo das coxas, e todas as desci
das levavam ao mesmo ponto, ao cimo da pequena floresta dourada, à nascente do v
ale fechado. Eléa resistia ao desejo de se abrir. Era a última vez. Era preciso
eternizar cada impaciência e cada entrega. Ela se entreabriu o suficiente para d
eixar mão dele escorregar, procurar, encontrar, no cimo do monte e do vale, na c
onfluência de todas as rampas, protegido, escondido, coberto, ah!... descoberto!
O centro abrasador dos seus prazeres.
Ela gemeu e por sua vez colocou suas mãos sobre Paikan.
O horizonte estremeceu. Uma claridade verde ofuscou uma manada de cavalos branco
s que dançavam no local, assustados.
Eléa não via mais nada. Paikan via Eléa, olhava-a com seus olhos, com suas mãos,
com seus lábios, enchia a mente com sua carne e com sua beleza e com o prazer q
ue a percorria, fazia-a gemer, arrancava-lhe suspiros e gritos. Ela parou de aca
riciá-lo. Suas mãos sem forças se desprenderam dele. Os olhos fechados, os braço
s pendidos, ela não pesava mais, não pensava mais. Ela era o capim e o lago e o
céu, ela era um rio e um sol de prazer. Mas não eram ainda senão ondas antes da
onda única, a grande estrada luminosa múltipla para o único cimo, o maravilhoso
caminho que ela nunca havia tão longamente percorrido, que ele desenhava e redes
enhava com suas mãos e com seus lábios sobre todos os tesouros que ela lhe dava.
Ele lastimava não ter mais mãos, mais lábios para lhe proporcionar no corpo tod
o mais prazeres ao mesmo tempo. E no seu coração ele lhe agradecia por ser tão b
ela e tão feliz.
De repente o céu todo tornou-se vermelho. O rebanho vermelho dos cavalos partiu
a galope em direção à floresta.
Eléa queimava. Ofegante, impaciente, tomou entre suas mãos a cabeça de Paikan co
m seus doces cabelos cor de trigo que ela não via, que ela não podia mais ver, a
proximou-o de si, sua boca sobre a boca dele, depois suas mãos desceram novament
e e pegaram a árvore amada, a árvore oferecida, aproximada e recusada e a conduz
iram para seu vale aberto até a alma. Quando ele entrou, ela gemeu, morreu, derr
eteu-se, espalhou-se sobre os bosques, sobre o lago, sobre a carne da terra. Mas
ele, Paikan, estava nela, ele a chamava para si, com longos apelos poderosos qu
e a transportavam aos píncaros do mundo Paikan chamavam-na, atraíam-na, congrega
vam-na, condensavam-na, apertavam-na até que o meio de seu ventre transpassado d
e chamas Paikan! explodisse num gozo prodigioso, indizível, divino, bem-amado, a
brasante, até a extremidade da menor parcela do seu corpo, que a excedia. Seus r
ostos calmos repousavam encostados um no outro. O de Eléa estava virado em direç
ão ao céu vermelho. O de Paikan banhava-se na erva fresca. Ele ainda não queria
se retirar dela. Era a última vez. Ele pesava sobre ela o necessário para tocá-l
a e senti-la ao longo de sua pele. Quando ele a deixasse, seria para sempre. Não
havia mais amanhã. Nada recomeçaria. Ele quase se deixou levar pelo desespero,
e começou a berrar contra a absurda, atroz e insuportável separação. O pensament
o da sua morte próxima o acalmou. Uma detonação pesada fez estremecer o solo. Um
a parte da floresta afundou-se de um só golpe. Paikan levantou a cabeça e olhou,
na claridade dançante, o rosto de Eléa. Estava banhada por uma grande doçura, a
grande paz que conhecem depois do amor as mulheres que receberam e deram em tod
a a sua plenitude. Ela repousava sobre a grama o seu corpo inteiramente relaxado
. Apenas respirava. Estava mais além da vigia e do sonho. Ela estava toda bem, e
ele o sabia. Sem abrir os olhos perguntou muito carinhosamente:
Você está me olhando?
Ele respondeu:
Você é bela...
Lentamente a boca e os olhos fechados se transformaram num sorriso.
O céu palpitou e se fendeu. Num urro, uma nuvem de soldados enisores seminus, pi
ntados de vermelho, montados sobre seus carros de ferro, surgiu nas alturas da n
oite incandescente, e correu obliquamente por cima do lago, em direção à Boca. D
e todas as chaminés, as armas de defesa atiraram. O exército aéreo foi destroçad
o, dispersado, desmantelado, mandado de volta para as estrelas em milhares de ca
dáveres desconjuntados que tombavam no lago e na floresta. Os animais corriam em
todas as direções, jogavam-se na água, saíam, rodavam ao redor do casal gritand
o loucamente. Uma série de explosões terríveis ergueu a floresta incendiada e at
irou-a para todos os lados. Um galho em chamas caiu sobre uma corça que deu um s
alto fantástico e mergulhou. Os cavalos em fogo galopavam e escoiceavam. Do céu
um novo exército descia gritando. Paikan quis erguer Eléa. Ela o segurou. Abriu
seus olhos. Olhou-o. Ela estava feliz.
Vamos morrer juntos disse ela.
Ele escorregou sua mão dentro da arma abandonada sobre a grama, levantou-se e en
direitou-se. Ela teve tempo de ver a arma apontada em sua direção. Gritou:
Você!
Você vai viver disse ele.
E atirou.

O que se seguiu, Eléa descobriu ao mesmo tempo que os sábios da EPI. A arma a ha
via atingido mas os seus sentidos tinham continuado a receber impressões, e sua
memória inconsciente as registraram.
Seus ouvidos haviam ouvido, seus olhos entreabertos haviam visto, seu corpo havi
a sentido Paikan arrumarem volta dela algumas roupas, tomá-la nos braços e andar
em direção ao elevador no meio daquele inferno desencadeado. Ele havia enfiado
sua chave na placa, mas o elevador não subia. Então ele gritou:
Coban! Estou chamando! Sou Paikan! Estou lhe trazendo Eléa!... Houve um silêncio
. Ele gritou de novo o nome de Coban e o nome de Eléa. O sinal verde começou a p
alpitar abaixo da porta e a voz de Coban ressoou embrulhada, cortada, às vezes a
bafada, às vezes vibrante com o som de uma lâmina de aço.
Tarde... bem tarde... inimigo... penetrou em Gonda-7... seu grupo de elevadores.
.. isolado... vou tentar... desça... estou enviando um grupo... atacar inimigo..
. ao seu encontro... assinale-se... seu anel... todas as placas... repito... env
io...
A cabina do elevador chegou e abriu-se.
O solo ergueu-se numa explosão assustadora, a parte de cima do elevador foi pulv
erizada, Eléa arrancada dos braços de Paikan, um e outro erguidos, projetados, j
ogados por terra. Os olhos de Eléa inconsciente viam o céu vermelho de onde desc
ia sem cessar a nuvem dos homens vermelhos. E seus ouvidos ouviam seus berros qu
e enchiam a noite em chamas. Seu corpo sentiu a presença de Paikan. Ele a havia
encontrado. Ele a tocava. Seus olhos viram seu rosto angustiado esconder o céu e
inclinar-se sobre ela. Viram sua testa machucada, seus cabelos louros manchados
de sangue. Mas a sua consciência estava ausente e ela não sentiu emoção nenhuma
. Seus ouvidos ouviram sua voz lhe falar para tranqüilizá-la.
Eléa... Eléa... estou aqui... vou levá-la... ao... abrigo... você viverá... Ele
a ergueu e a colocou sobre os ombros.
O busto de Eléa pendia nas costas de Paikan, e seus olhos não viram mais nada. E
sua memória não registrou mais que barulhos, sensações difusas, profundas, que
entram no corpo por toda a superfície e espessura da sua carne, e que a consciên
cia ignora.
Paikan lhe falava, e ela ouvia sua voz no meio das explosões e dos estalos da fl
oresta que queimava.
Vou levá-la... Vou descer no elevador... Pela escada... Eu sou eu... Não tenha m
edo de nada... Estou com você...
Na grande tela da sala do conselho não havia mais imagens precisas. Na mesa do p
ódio, Eléa, os olhos fechados, a cabeça entre as mãos, deixava sua memória se en
tregar ao que ela havia registrado. Os emissores estalavam com o barulho dos est
rondos, das explosões, dos gritos horríveis, dos desmoronamentos e tremores de t
erra. Sobre a tela, o circuito-imagem mostrava os impulsos recebidos pelos desab
amentos de cores gigantescas, quedas intermináveis em direção ao abismo sulfuros
o, das erupções de trevas. Era o retorno de um mundo fracassado para o caos que
precedeu todas as criações.
Depois foi uma sucessão de golpes surdos e abafados, cada vez mais próximos, cad
a vez mais fortes.
Eléa ficou pouco à vontade, perturbada. Reabriu os olhos e arrancou o círculo de
ouro.
A tela se apagou.
Os golpes surdos continuaram e, de repente, ouviu-se a voz de Lebeau:
Vocês estão ouvindo? Ê o seu coração!
Ele falava diretamente da sala de reanimação, através de todos os transmissores.
Conseguimos! Ele vive! Coban vive!
Hoover levantou-se de um salto, gritou "Bravos!" e pôs-se a aplaudir. Todo mundo
o imitou. Os velhos sábios e mesmo os mais jovens, os homens e também as poucas
mulheres entre eles, disfarçavam por meio de gestos e com grandes gritos e cons
trangimento que sentiram ao se encontrarem reunidos a se olhar uns aos outros, d
epois de terem ouvido e visto juntos sobre a tela as cenas as mais íntimas evoca
das pela memória de Eléa. Fingiam não dar importância nenhuma, serem calejados,
considerá-las dentro de um puro espírito científico, ou de diversão. Mas cada um
estava profundamente perturbado no seu espírito e na sua carne. E, encontrando-
se de repente no mundo de hoje, não ousavam olhar seu vizinho que, por sua vez,
desviava os olhos. Tinham vergonha do seu pudor e vergonha da sua vergonha. A ma
ravilhosa, a total inocência de Eléa mostrava-lhe a que ponto a civilização cris
tã tinha depois de São Paulo e não depois de Cristo pervertido ao condenar as al
egrias mais belas que Deus dera ao homem. Todos eles se sentiam, mesmo os mais j
ovens, semelhantes aos velhos lascivos, impotentes e tarados. O coração de Coban
, ao acordar, vinha poupá-los deste momento de penoso embaraço coletivo, onde a
metade dentre eles começava a enrubescer e a outra metade a censurar.
O coração de Coban batia, parava, recomeçava, irregular, ameaçado. Os eletrodos
de um estimulador fixado no seu peito por meio de ataduras intervinham automatic
amente quando a parada se prolongava, e a surpresa de um choque elétrico fazia o
coração recomeçar, num sobressalto.
Os médicos ao redor da mesa de reanimação mostravam rostos preocupados.
De repente, o que eles temiam aconteceu. A respiração de Coban tornou-se difícil
, e as ataduras se mancharam de sangue no lugar da boca.
Coagulante! Soro! Deite-o de lado. Libere a boca. Sonda bucal... Os pulmões sang
ravam.
Sem cessar nem por um instante os atenciosos cuidados, acima do corpo que eles d
esprendiam, libertavam, manipulavam, aliviavam, os reanimadores fizeram um conse
lho.
Se a hemorragia não cessava era porque as queimaduras do tecido pulmonar haviam
sido muito graves para cicatrizarem. Nesse caso, seria necessário fazer um trans
plante de pulmões.
Mas para isso havia as seguintes objeções:
Atraso para fazer virem os pulmões novos (três partes, por medida de segurança)
do Banco Internacional de Órgãos; chamada pelo rádio, embalagem, transporte de a
vião, travessia Genebra-Sidney, transbordo, travessia Sidney - EPI: total, 20 ho
ras.
Não esqueçam as chatices militares... os papéis de alfândega...
Não vão querer...
Tudo é possível. Dobre o atraso.
Quarenta horas.
Manter Coban vivo durante todo esse tempo. Necessidade de sangue para a transfus
ão. Teste do sangue de Coban, imediatamente. Grupo e subgrupo vermelhos, grupo e
subgrupos brancos.
Um enfermeiro desamarrou-lhe a mão e sangrou a esquerda.
Mesmo problema para a operação: sangue, em quantidade. Prever o dobro.
Outro problema para a operação: uma equipe cirúrgica especialista em transplante
de órgãos.
Moissov: Nós temos...
Forster: Nós podemos...
Zabrec: No meu país...
Lebeau: Impossível. Muito arriscado. Nada de mãos novas aqui. Principalmente mão
s armadas de facas. Operaremos nós mesmos, em rede de televisão com as equipes f
rancesa, americana e do Cabo. Podemos fazê-lo. Pulmões, isto não é um diabo.
Pulmão artificial para nele ramificar os circuitos sanguíneos durante a operaçõe
s.
Havia um na enfermaria.
Então por que não utilizar logo esse aparelho e deixar repousar os pulmões de Co
ban e permitir-lhes cicatrizar?
Eles não se cicatrizarão se não receberem sangue. Devem continuar a funcionar. F
icarão bons ou não, é um jogo.
Resultados dos Testes Sanguíneos: Grupos e Subgrupos Desconhecidos. O sangue tes
tado (Coban) coagula todos os outros sangues.
Surpreendente!
É um sangue fóssil! Não esqueçam que este tipo é um fóssil! Vivo, porém fóssil!
Há novecentos mil anos, o sangue evoluiu, meus filhos.
Sem sangue, nada de operação. A situação está simplificada. Ou ele fica bom ou e
le morre.
Tem a moça...
Que moça?
Eléa... seu sangue talvez servisse!
Mas nunca o bastante para uma operação! Seria necessário sangrá-la sem saber qua
nto, e isto não seria suficiente.
Talvez. Ligando tudo, e muito rápido. Com o pulmão artificial no circuito logo e
m seguida...
Mas não vamos, por isso, assassinar esta moça!
Ela suportaria... Vocês viram como ela se recupera...
É sua alimentação...
Ou o soro universal...
Ou os dois...
Eu me oponho! Vocês sabem bem que ela não poderia refabricar seu sangue suficien
temente tão depressa. Estão pedindo que a sacrifiquemos. Eu me recuso a isso!
Ela é bela, isto é verdade, mas diante do cérebro deste sujeito, ela não tem imp
ortância nenhuma.
Bela ou não, esta não é a questão: ela está viva. Nós somos médicos. Não somos v
ampiros.
Mas pode-se de qualquer maneira testar seu sangue com o de Coban. Isto não nos c
ompromete em nada. Teremos sem dúvida necessidade de que ela nos dê um pouco, ca
so ele continue a sangrar. Sem falar em operação.
De acordo. Quanto a isso, estou de acordo, completamente de acordo.
No mesmo dia, Coban ressuscitado, Coban em perigo de morte, a equação de Zoran e
xplicada, ou para sempre perdida. As multidões as mais obtusas compreenderam que
alguma coisa de fabulosamente importante para elas estava em vias de ser jogada
perto do Pólo Sul, no interior de um homem que a morte segurava pela mão.
Tentem compreender o que se passa no interior deste homem. O tecido de seus pulm
ões está queimado, em parte até destruído. Para que ele possa recomeçar a respir
ar novamente, a sobreviver e viver, é preciso que o que resta desse tecido regen
ere o que não existe mais. Ele ainda dorme. Começou a dormir a novecentos mil an
os e continua. Mas a carne do seu corpo está acordada e se defende. E se ele mes
mo estivesse acordado isto não mudaria nada. Não é ele quem comanda. Seu corpo n
ão tem necessidade dele. As células do tecido pulmonar, as maravilhosas pequenas
usinas vivas, estão prestes a fabricar a toda pressa novas usinas que se lhes a
ssemelhem para substituir aquelas que o frio ou o fogo destruiu. Ao mesmo tempo,
elas fazem seu trabalho comum, múltiplo, incrivelmente complexo no domínio da q
uímica, física, eletrônica, vitalidade. Recebem, escolhem, transformam, fabricam
, destroem, seguram, rejeitam, reservam, dosam, obedecem, ordenam, coordenam com
uma segurança e uma inteligência espantosa. Cada uma delas sabe mais que mil en
genheiros, médicos e arquitetos. São células comuns num corpo vivo. Somos constr
uídos por milhares delas, milhares de mistérios, milhares de complexos microscóp
icos obstinadamente agarrados à sua tarefa fantasticamente complicada. Quem coma
nda estas maravilhosas pequenas células? Será você, Vignont?
Oh! Senhor...
Não as de Coban, mas as suas? As do seu fígado? Será que é você que lhes ordena
para fazer o seu trabalho de fígado?
Não, senhor.
Então, quem comanda suas pequenas células? Quem lhes ordena a fazer o que elas f
azem? Quem as construiu como deveria para que elas pudessem fazê-lo? Quem coloco
u cada uma no seu lugar, no seu fígado, no seu pequeno cérebro, na retina dos se
us lindos olhos? Quem? Responda, Vignont, responda!
Eu não sei, senhor.
Você não sabe?
Não, senhor.
Nem eu, Vignont. O que é que você sabe fora disso?
Bem...
Você não sabe nada, Vignont...
Não, senhor.
Diga: "Eu não sei nada".
Eu não sei nada, senhor.
Bravo! Olhem para ele, os outros, riem, caçoam, pensam saber alguma coisa. O que
é que eles sabem, Vignont?
Não sei não senhor.
Eles não sabem nada, Vignont. O que é isto que estou desenhando no quadro, você
reconhece?
Sim, senhor.
O que é? Diga.
É a equação de Zoban, senhor.
Escute só como riem, esses idiotas só porque você se enganou numa consoante. Você
acredita que eles saibam mais do que você? Pensa que eles sabem lê-la?
Não, senhor.
E no entanto eles estão orgulhosos, caçoam, se divertem; acreditam-se inteligent
es e tomam você por um idiota. Será que você é idiota, Vignont?
Estou pouco me incomodando, senhor.
Muito bem, Vignont, mas isso não é verdade. Você está inquieto. Você se diz: "Eu
talvez seja um idiota". Eu lhe asseguro: você não é idiota! Você é feito das me
smas pequenas células que um homem cujos pulmões estão prestes a sangrar no pont
o 612, exatamente as mesmas com que era feito Zoran, o que encontrou a chave do
campo universal. Milhares de pequenas células supremamente inteligentes. Exatame
nte as mesmas que as minhas, Senhor Vignont, e as minhas são agregadas de filoso
fia. Você vê bem que não é um idiota!
Sim, senhor.
Olhe, eis aí o idiota: Jules-Jacques Ardillon, primeiro em todas as matérias des
de a sexta classe, cabeça, grande! Pensa que sabe alguma coisa, julga-se intelig
ente. Você é inteligente, Sr. Ardillon?
Bem... eu...
Sim... você pensa. Pensa que estou brincando e que na realidade acredito e sei q
ue você é inteligente. Não, Sr. Ardillon, creio e sei que você é um idiota. Será
que você sabe ler a equação de Zoran?
Não, senhor.
E se você soubesse, será que saberia o que ela significa?
Penso que sim, senhor.
Você pensa!... você pensa!... Que idéia! Você é um Ardillon-pensador! Você teria
no bolso a chave do universo, a chave do bem e do mal, a chave da vida e da mor
te. O que é que você faria, Sr. Ardillon-pensador?
Eu...
Eis aí, Sr. Ardillon, eis aí...
General, o senhor ouviu as notícias?
Sim, Sr. Presidente.
Este Co... como é mesmo?
Coban.
Coban, foi acordado.
Eles o acordaram...
Talvez consigam salvá-lo?
Talvez...
Estão loucos!
Estão loucos...
A equação desse troço, o senhor compreende alguma coisa?
Eu, sabeis, as equações...
Mesmo no C.N.R.S.*, eles não compreendem nada!
Centre National de Recherches Scientifiques. (N. do T.)
Nada!...
Mas é pior do que a bomba!
Pior...
E por outro lado, pode ser bom...
Pode...
Mas mesmo esse bom pode ser mau.
Mau, muito mau...
Pensai na China!
Estou pensando.
Colocai-vos no seu lugar!
É um pouco grande...
Fazei um esforço! O que pensaríeis?
Vós pensaríeis: "São esses sem-vergonhas dos brancos que vão meter a mão nesse n
egócio. No momento em que nós ousemos igualar, talvez ultrapassá-los, eles vão n
ovamente tomar mil anos adiante. Não pode ser. De maneira nenhuma". E eis aí o q
ue pensaríeis se fosseis a China.
Evidentemente... acreditais que eles vão sabotar?
Sabotar, raptar, atacar, massacrar, não sei de nada. Talvez não façam nada mesmo
. Como saber com os chineses?
Como saber?
Como! Como saber? É sua obrigação de saber! Vós dirigis os S.I.I Os S.I. são os
Serviços de Informação! Isso é um pouco esquecido! Vigiai a China, general! Vigi
ai a China! É de lá que virá...
A força internacional aeronaval estacionada no Norte de Terra Adélia deslocou-s
e nas três dimensões em forma de escudo, e ficou em estado de alerta permanente.
Tinha dois olhos virados para o ar e acima do ar, e ouvidos que iam até o fundo
do oceano.

Quando os olhos de Eléa viram novamente, o Presidente Lokan estava de pé no cent


ro da imagem. À esquerda, na direção do olho esquerdo, estava Coban que olhava L
okan e o escutava. E à direita, metade do rosto de Paikan inclinava-se para ela.
Lokan parecia afogado de cansaço e de pessimismo.
Eles ocuparam todas as cidades do centro dizia ele e Gonda-7 até a 2ª Profundida
de... Nada consegue detê-los. Nós matamos, matamos, suas perdas são fantásticas,
mas seu número é incrível... eles chegam em ondas e mais ondas, sem cessar... a
gora todas as suas forças convergem para Gonda-7 a fim de destruir o conselho e
a universidade, e se dirigem para a Arma Solar, na esperança de impedi-la de par
tir. Destruímos todas as avenidas que conduzem à arma, mas eles abrem covas de t
odos os lados, aos milhares, cada um cava seu pequeno túnel. Não posso acelerar
o lançamento. Honestamente, não sei dizer se conseguiremos para-los por bastante
tempo, ou se eles conseguirão chegar à arma antes que esta tenha levantado vôo.
Eu o espero! disse Coban. Se devemos ser destruídos, ao menos que os outros viva
m! Quem somos nós para condenar à morte a Terra inteira?
Você é pessimista, Coban, não será assim tão terrível...
Será pior do que tudo o que possais imaginar, e vós bem o sabeis!...
Já não sei mais, já não imagino mais, já não penso mais! Fiz tudo o que poderia
fazer sendo o responsável por Gondawa, e agora ninguém pode parar mais nada nem
saber o que fará parar ou não... Estou exausto...
É o peso da Terra morta que vos esmigalha!
É fácil, Coban! É fácil dizer as belas frases quando se está fora da ação... Pre
ste atenção, Coban, eles acabam de desembarcar um novo exército em Gonda. Vão no
s atacar com fúria, nada posso fazer por você, preciso de todas as forças de que
disponho. Você tem sua guarda...
Ela está no combate replicou Coban. Nós os rechaçaremos.
Adeus, Coban... eu...
Lokan desapareceu. Não era senão uma imagem.
Coban tornou-se o centro da visão e aproximou-se de Eléa. Fez sinal para alguém
que ela não via.
Escute, Eléa, se você me entende, não tenha medo disse ele. Vamos fazê-la beber
um licor de paz, que adormecerá não somente o seu espírito, mas cada parcela de
seu corpo, a fim de que nem uma célula estremeça quando o frio a possuir.
Estou perto de você disse Paikan.
O corpo de Eléa sentiu que eles introduziam uma espécie de sonda macia na boca,
garganta, estômago e que aí faziam correr um líquido. Sua revolta foi tão grande
que lhe devolveu a consciência. Quis sentar-se e protestar. Mas de repente não
sentiu mais necessidade disso. Sentia-se bem. Tudo estava bem, maravilhosamente
bem. Ela não tinha mais nem vontade de falar. Não era necessário. Cada um devia
compreendê-la como ela compreendia a cada um e a todos.
Você está bem? perguntou Coban. Ela nem o olhou. Sabia que ele sabia.
Você vai adormecer totalmente, muito suavemente. Não será um sono longo. Mesmo s
e você dormir durante alguns séculos, não será mais longo que uma noite.
Uma noite, uma doce noite de sono, de repouso...
Você entendeu? Nada mais que uma noite... e quando você acordar... estarei morto
há tanto tempo, que você não terá mais pena... estou com você... estou perto de
você.
Dispam-na e levem-na ordenou Coban aos seus assistentes. Paikan rugiu.
Não a toquem!
Inclinou-se para ela e tirou-lhe as faixas de roupa que ainda lhe restavam. Depo
is espalhou sobre seu corpo um pouco de água morna, lavou-a docemente, com todos
os cuidados de uma mãe pelo seu recém-nascido. Ela sentiu sobre o corpo suas mã
os amadas, estava feliz, Paikan, sou sua, dormir...
Via a sala ao seu redor, estreita, de teto baixo, com uma parede convexa de ouro
furada por uma porta redonda. Ouvia o barulho da batalha que se aproximava na e
spessura da terra. Tudo estava bem. A imagem sangrenta do chefe dos guardas apar
eceu. Tinha perdido seu capacete e metade da pele da sua cabeça.
Atravessaram a Terceira Profundidade... dirigem-se para o abrigo...
Defendam o abrigo! Reúnam todas as forças em volta dele! Abandonem todo o resto!
O guarda verde-vermelho desapareceu. A terra tremia.
Paikan, carregue-a. Venha comigo.
Vem, Eléa, vem, eu lhe carrego, você está nos meus braços. Sou eu quem te carreg
o. Você vai dormir. Estou com você.
Ela não queria dormir, ainda não, já não, tudo era tão bom ao redor dela, tudo e
ra tão bom nos braços de Paikan.
Nos seus braços, ela desceu uma escada de ouro e atravessou uma porta de ouro. A
inda alguns degraus.
Deite-se aqui, a cabeça na minha direção disse Coban -, os braços sobre o peito.
Bem... Escute, Moissan, você me ouve?
Ouço.
Envie-me a imagem de Gonda-I. Quero ficar a par dos acontecimentos até o fim.
Vou enviá-la.
A abóbada do abrigo tornou-se uma imensa planície. Do céu de fogo caíam guerreir
os vermelhos. Na sua multidão vertical o choque das armas de defesa abria lacuna
s enormes, porém dos céus surgiam outras, outras e outras. Chegados ao solo eles
eram atingidos pelos fogos cruzados das armas enterradas. Os novos cadáveres ia
m se juntar à multidão dançante dos mortos, sacudida sem cessar pelos choques da
s armas. Os que escapavam enfiavam-se imediatamente no solo, agachados sobre seu
s assentos que lhes abria caminho. O solo defendia-se, explodia, erguia-se em mo
lhos, e projetava entre os restos da sua própria carne seus agressores deslocado
s.
Eléa pensava que tudo isto estava bem. Tudo estava maravilhosamente bem... bem..
. bem...
Ela começa a dormir disse Coban. Vou-lhe colocar a máscara. Diga-lhe adeus.
Ela viu a planície se abrir de uma ponta a outra do horizonte, rejeitando para s
uas bordas as quantidades de mortos e de vivos, com os rochedos e com a terra. U
ma maravilhosa flor gigantesca de metal e de vidro saiu da terra aberta e subiu
para o céu. O exército que caía do céu foi afastado e rejeitado como poeira. A f
lor fantástica subiu e desabrochou, abriu à volta dela suas pétalas de todas as
cores, desvendando seu centro, seu coração mais transparente que a água mais cla
ra. Encheu o céu, no qual ela continuava a subir e começavaa virar docemente, de
pois mais depressa, mais depressa, cada vez mais depressa... Estava maravilhosam
ente bem, estou bem, vou dormir.
O rosto de Paikan tapou a flor e o céu. Ele a olhava. Ele era belo. Paikan. Não
havia senão ele. Sou de Paikan.
Eléa... sou seu... você vai dormir... estou com você.
Ela fechou os olhos e sentiu a máscara pousar-se sobre o seu rosto. O bocal resp
iratório pousou sobre seus lábios, afastou-os, entrou na sua boca. Ouviu ainda a
voz de Paikan...
Eu não a dou a você, Coban! Eu a trouxe mas eu não a dou! Ela não é sua! Ela nu
nca será sua!... Eléa, minha vida, seja paciente... Nada mais que uma noite... e
stou com você... para a eternidade.
Ela não ouviu mais nada. Não sentiu mais nada. Sua consciência estava submersa.
Seus sentidos se fecharam. Seu subconsciente desapareceu. Ela não era mais que u
ma bruma luminosa, dourada, leve, sem forma e sem fronteiras. Que se apagou...
Eléa havia tirado o círculo de ouro. Seu busto erguido, encostado à cadeira, o o
lhar fixo perdido no infinito, apesar do presente, silenciosa, imóvel como uma e
státua de pedra, oferecia um rosto de tal força trágico que ninguém ousava mexer
, dizer uma palavra, romper seu silêncio com um pigarro ou com um ranger de cade
ira.
Foi Simon quem se levantou, colocou-se atrás dela, pousou suas mãos sobre seus o
mbros, e disse carinhosamente:
Eléa...
Ela não se mexeu. Ele repetiu:
Eléa...
Sentiu os ombros dela tremerem sob suas mãos.
Eléa, venha...
O calor da sua voz, o calor das suas mãos atravessaram as barreiras do horror.
Descansar...
Ela levantou-se, virou-se para ele e olhou-o como se ele fosse o único ser vivo
no meio de mortos. Ele estendeu-lhe a mão. Ela olhou esta mão estendida, hesitou
um instante, depois nela colocou a sua. A mão de Paikan... uma mão... a única m
ão no mundo, o único socorro.
Simon fechou lentamente seus dedos ao redor da palma gelada pousada na sua. Depo
is começou a andar e levou Eléa.
De mãos dadas, desceram do pódio, atravessaram juntos a sala, seu silêncio e seu
s olhares. Henckel, sentado na última fila, ergueu-se e abriu-lhes a porta.
Do momento em que eles saíram, as vozes se ergueram, o zunzum encheu a sala, dis
cussões nasceram de todos os lados.
Cada um tinha reconhecido as últimas imagens da cena que havia sido transmitida
a Simon quando ele colocara o círculo receptor. E cada um adivinhava o que devia
ter se passado em seguida: Paikan saindo do abrigo, Coban bebendo o licor da pa
z, despindo-se e estendendo-se no seu caixão, colocando sobre seu rosto a máscar
a de ouro, o abrigo se fechando, o motor do frio começando a funcionar.
Durante aquele tempo, a Arma Solar, prosseguindo sua rota aérea, atingia os limi
tes de Enisorai e entrava em ação. Qual havia sido exatamente o seu efeito? Não
se podia senão conjeturar. "Como se o sol pousasse sobre Enisorai..." havia dito
Coban. Sem dúvida um raio dessa temperatura fantástica fundindo a terra e as pe
dras, liquidificando os montes e as cidades, rasgando continentes até suas raíze
s, cortando-lhes pedaços, revirando e girando como uma roda de ferro, e jogando
tudo nas águas.
E o que Coban temera havia acontecido: o choque tinha sido tão violento que havi
a repercutido sobre a massa terrestre. A Terra tinha perdido o equilíbrio da sua
rotação e tinha enlouquecido como um pião inclinado, antes de encontrar um novo
equilíbrio sobre bases diferentes. Suas mudanças de marcha tinham fendido a cro
sta, provocando em tudo sismos e erupções, projetado fora das fossas oceânicas a
s águas inertes cuja massa fantástica havia submergido e inunda- do as terras. V
iam sem dúvida nesse acontecimento a origem do mito do dilúvio que se encontra h
oje na tradição de povos de todas as partes do mundo. As águas se tinham retirad
o, mas não todas. Gondawa se encontrava colocada, pelo novo equilíbrio da Terra,
ao redor do novo Pólo Sul. O gelo havia tomado e imobilizado as águas dessa ele
vação súbita que sacudia o continente. E, sobre esse talude, os anos, os séculos
, os milênios haviam acumulado fantásticas espessuras de neve transformadas por
sua vez em gelo pelo seu próprio peso.
Isto, Coban não havia previsto. Seu abrigo devia se reabrir quando as circunstân
cias tivessem tornado a vida novamente possível na superfície. O motor do frio d
evia parar, a máscara devia dar respiração e calor aos dois que jaziam ali, a pe
rfuratriz abriria seu caminho para o ar e para o sol. Mas as circunstâncias não
tinham nunca se tornado favoráveis. O abrigo tinha se tornado um grão perdido no
fundo do frio, e que não teria jamais germinado sem o acaso e a curiosidade dos
exploradores. Hoover levantou-se.
Proponho disse ele que rendamos homenagem, numa declaração solene, à intuição, i
nteligência e obstinação dos nossos amigos das Expedições Polares Francesas que
souberam não somente interpretar os dados tão diferentes das suas sondas e tirar
as conclusões que vós sabeis, mas sacudir a indiferença e a inércia das nações
até que elas se juntassem e nos enviassem aqui!
A assembléia levantou-se e aprovou Hoover por aclamação.
É preciso também lembrou Leonova render homenagem ao gênio de Coban e ao seu pes
simismo que, conjugado, fizeram-no construir um abrigo à prova da eternidade.
O.K., minha boneca replicou Hoover. Mas ele foi muito pessimista. Foi Lokan quem
tinha razão. A arma solar não destruiu toda a vida terrestre. Visto que estamos
aqui! Houve sobreviventes vegetais, animais, e homens. Poucos sem dúvida, mas e
ra o suficiente para que tudo recomeçasse. As casas, as fábricas, os motores, a
energia engarrafada, toda a quinquilharia da qual eles viviam tinha sido destruí
da, fracassada. Os que se salvaram caíram de bunda no chão! Nus! Eram quantos? T
alvez algumas dezenas, dispersadas pelos cinco continentes. Mais nus do que verm
es porque não sabiam fazer nada! Tinham mãos das quais não sabiam mais se servir
! O que é que eu sei fazer com minhas mãos. eu, Sr. Hoover cabeça grande? A não
ser acender o meu cigarro e dar uma palmada no traseiro das moças? Nada! Zero. S
e eu tivesse que pegar um coelho correndo para poder comer, vocês vêm o quadro?
O que é que eu faria se estivesse no lugar do sobrevivente? Mataria para encher
a barriga com insetos, frutas quando fosse a ocasião, animais mortos quando eu t
ivesse a sorte de encontrá-los. E eis aí o que eles fizeram. Eis aí onde eles ca
íram! Mais baixo que os primeiros homens que haviam começado tudo para eles, mai
s baixo do que as bestas. Sua civilização desaparecida, eles se encontraram como
caramujos dos quais um menino quebrou e tirou a casca para ver como era feito p
or dentro. Ora, caramujos eles devem ter consumido muitos, e isso não anda depre
ssa. Espero que tenham encontrado muitos caramujos. Você gosta decaramujos, bone
ca? Eles partiram novamente do degrau mais baixo da escada, e refizeram toda a s
ubida, recaíram no caminho, subiram mais ainda, e re-recaídos, obstinados e cabe
çudos, e nariz para cima, recomeçavam sempre a subir, e irão até em cima, mais a
lto ainda, nas estrelas! E eis aí! Eles estão lá! Eles somos nós! Eles repovoara
m o mundo, e são tão trouxas quanto antes, e prontos a fazer explodir tudo de no
vo. Não é bonito, isto? É o homem!
Foi um grande dia de exaltação e de sol. Do lado de fora o vento no chão tinha
caído na sua velocidade mínima. Não era mais de que 120 por hora, com momentos d
e calmaria quase total, inverossímeis, de uma doçura inesperada. Desencadeava su
as fúrias muito alto no céu, limpava-o da menor mancha de nuvem, do menor grão d
e poeira e de bruma, fazia-o brilhar de um azul intenso, todo novo, alegre. E a
neve e o gelo estavam quase tão azuis quanto ele. Na Sala do Conselho, a assembl
éia fervia. Leonova havia proposto aos sábios prestarem um juramento solene de c
onsagrar sua vida a lutar contra a guerra e suas formas mais ferozes, a besteira
política e a besteira nacional.
Abrace-me, pequena irmã vermelha! aparteara Hoover e acrescen- temos a besteira
ideológica.
Ele a havia apertado de encontro ao seu ventre. Ela havia chorado. Os sábios, de
pé, braços estendidos, haviam jurado em todas as suas línguas e a tradutora hav
ia multiplicado os juramentos. Hoi-To pusera então os seus colegas ao corrente d
os trabalhos de equipe da qual ele fazia parte com Lukos, e que mostrava o relev
o fotográfico dos textos gravados no muro do abrigo. Tinha acabado o relevo de u
m texto reparado desde o primeiro dia do qual ela havia encontrado e traduzido o
título: Tratado das Leis Universais e que parecia ser a explicação da equação d
e Zoran. Diante da sua importância, Lukos tinha se encarregado ele mesmo de proj
etar os duzentos clichês fotográficos na tela analisadora da máquina tradutora.
Era uma notícia de uma importância extraordinária. Mesmo que Coban morresse, pod
ia se esperar compreender um dia o tratado e decifrar a equação.
Heath levantou-se e pediu a palavra.
Sou inglês, e feliz por sê-lo. Penso que não seria um homem completo se não foss
e inglês.
Ouviram-se risos e apupos. Heath continuou sem sorrir:
Alguns continentais pensam que consideramos todos aqueles que não nasceram na il
ha da Inglaterra como macacos apenas descidos de um coqueiro. Os que pensam assi
m exageram. Ligeiramente...
Desta vez os risos dominaram.
É por ser inglês, feliz por ter nascido na ilha da Inglaterra, que posso me perm
itir fazer-lhes a seguinte proposta. Escrevamos nós também um tratado, ou melhor
uma Declaração da Lei Universal. A lei do homem universal. Sem demagogia, sem b
lá-blá como dizem os franceses, sem palavras ambíguas, sem frases majestosas. Ex
iste a declaração da ONU. Não passa de uma solene merda. Ninguém liga. Não há um
homem em cem mil que conheça sua existência. Nossa declaração a nós deverá atin
gir ao coração de todos os homens vivos. Não terá senão um parágrafo, talvez uma
só frase. Será preciso procurar bem, para pôr o menor número de palavras possív
el. Ela dirá simplesmente qualquer coisa assim: "Eu homem, sou inglês ou patagôn
ico, e feliz de sê-lo, mas sou antes de tudo um ser vivo, não quero matar nem qu
ero que me matem. Recuso a guerra, sejam quais forem as suas razões". É tudo.
Sentou-se e encheu seu cachimbo com tabaco holandês.
Viva a Inglaterra! gritou Hoover.
Os sábios riram, se abraçavam, davam-se palmadinhas nas costas. Evoli, físico it
aliano, soluçava. Henckel, metodista alemão, propôs uma comissão encar- regada d
e redigir o texto da Declaração do Homem Universal. No momento em que as vozes c
omeçavam a propor nomes, a de Lebeau surgiu em todos os emissores.
Anunciava que os pulmões de Coban tinham parado de sangrar. O homem estava muito
fraco e ainda inconsciente, seu coração irregular, mas agora tinham esperanças
de salvá-lo. Era verdadeiramente um grande dia. Hoover pediu a Hoi-To se sabia d
entro de quanto tempo Lukos teria acabado de injetar na tradutora as fotos do Tr
atado das Leis Universais.
Dentro de algumas horas respondeu Hoi-To.
Então, dentro de algumas horas já deveremos saber, em dezessete línguas diferent
es, o que significa a equação de Zoran?
Não creio disse Hoi-To com um pequeno sorriso. Conhecemos os textos de ligação,
o raciocínio e o comentário, mas o significado dos símbolos matemáticos e físico
s nos escapará, como escapa à tradutora. Sem a ajuda de Coban, será necessário u
m certo tempo para encontrar o sentido. Mas evidentemente conseguiremos, e sem d
úvida bastante rápido, graças aos computadores.
Proponho disse Hoover anunciar pelo Trio que faremos amanhã uma comunicação ao m
undo inteiro. E prevenir às universidades e centros de pesquisas que eles terão
que gravar um longo texto científico cujas imagens nós transmitiremos em inglês
e em francês, com símbolos originais na língua gonda. Esta difusão geral de um t
ratado que leva à compreensão da equação de Zoran tornará de um só golpe impossí
vel a exclusividade do seu conhecimento. Dentro de poucos instantes ela terá se
tornado o bem comum de todos os pesquisadores do mundo inteiro. Nesse mesmo golp
e desaparecerão as ameaças de destruição e de rapto que pesam sobre Coban, e pod
eríamos convidar esta repugnante assembléia de ferragem militar flutuante e voad
ora que nos supervisiona sob o pretexto de nos proteger a se dispersar e a volta
r para seus covis.
A proposta de Hoover foi adotada por aclamação. Foi um grande dia, um dia longo
sem noite e sem nuvem, com um sol dourado que passeava seu otimismo à volta do h
orizonte. Na hora em que ele se eclipsava atrás da montanha de gelo, os sábios e
técnicos prolongaram sua euforia no bar e no restaurante de EP1-2. A provisão d
e champanha e de vodca da base, naquela tarde, foi seriamente atingida. E o scot
ch, e o bourbon, a aquavit e a shlivovitsa verteram sua ração de otimismo no cal
deirão borbulhante da alegria geral. Irmãzinha disse Hoover a Leonova -, sou um
enorme e aborrecido
celibatário, e você é um horrível cérebro marxista magricela... Não lhe direi qu
e a amo porque seria abominavelmente ridículo. Mas se você aceitar se tornar min
ha mulher, prometo-lhe que perderei minha barriga e que chegarei mesmo a ler O C
apital.
Você é horrível dizia Leonova soluçando sobre seu ombro você é horrível...
Ela tinha bebido champanha. Não estava acostumada.
Simon não tinha se reunido à alegria geral. Havia acompanhado Eléa até a enferma
ria e não a havia deixado. Entrando no quarto, ela veio direta para a máquina de
comer, tocou três botões brancos, e obteve uma esférula cor de sangue que logo
engoliu, acompanhada de um copo dágua. Depois, com sua indiferença habitual à pr
esença de outrem, tinha se despido, tinha rodado, toda nua, feito sua toalete e
se deitado, já meio adormecida, sem dúvida, sob o efeito da esférula vermelha. D
epois que havia tirado seu círculo de ouro, não pronunciara mais nenhuma palavra
. A enfermeira tinha seguido o último episódio da lembrança na Sala de Conferênc
ia. Olhou Eléa com piedade. O rosto da jovem mulher adormecida estava petrificad
o numa gravidade trágica que parecia além de todos os sofrimentos...
Coitadinha... disse a enfermeira. Talvez fosse melhor que eu lhe vestisse seu pi
jama, ela poderá sentir frio.
Não a toque, ela dorme, está em paz disse Simon a meia voz. Cubra-a bem e vigie-
a. Vou dormir um pouco, ficarei de guarda à meia-noite. Acorde-me...
Regulou o termostato para aumentar ligeiramente a temperatura do quarto e estico
u-se todo vestido sobre seu leito estreito. Mas do momento em que fechou os olho
s, as imagens começaram a desfilar sob suas pálpebras, Eléa e Paikan, Eléa nua,
o céu de fogo, a agitação dos soldados mortos, Eléa nua, Eléa sem Paikan, o solo
esmigalhado, a planície fendida, a arma no céu, Eléa, Eléa.
Levantou-se bruscamente, consciente de que não poderia dormir.
Soporífero? A máquina de comer estava ali sobre a mesinha, ao alcance de sua mão
. Aflorou os três botões brancos, a gaveta se abriu, ofertando-lhe uma esférula
vermelha.
A enfermeira o olhava agir, com ar de reprovação:
O senhor vai comer isso? Talvez seja veneno!
Ele não respondeu. Se fosse veneno, Eléa o havia tomado, e, se Eléa morresse, el
e não teria mais vontade de viver. Mas não acreditava que fosse. Pegou a esférul
a entre o polegar e o indicador e colocou-a na boca. Ela estalou sob seus dentes
como uma cereja sem caroço. Pareceu-lhe que todo o interior de sua boca, de seu
nariz, de sua garganta, estava salpicado de uma ofensiva doçura. Não era doce d
e gosto, não tinha gosto nenhum. Era como um veludo líquido, um contato, uma sen
sação de uma doçura infinita que se espalhava e penetrava no interior da sua car
ne, atravessava-lhe as faces e o pescoço para chegar até a pele e invadir o inte
rior da cabeça. Quando ele engoliu, desceu-lhe pelo corpo todo e o encheu. Volto
u a deitar-se lentamente. Não tinha a impressão de estar com sono. Parecia que p
oderia andar até o Himalaia e escalá-lo dando cambalhotas.
A enfermeira o sacudiu.
Doutor! Depressa! Levante-se depressa!
O quê? O que é que há?
Olhou o relógio luminoso. Marcava 23 horas e 37 minutos.
Bem que eu lhe disse que era veneno! Beba isto, rápido! É ipeca.
Ele afastou o copo que ela lhe estendia. Nunca tinha se sentido tão bem, eufóric
o, repousado como se tivesse dormido dez horas.
Então, se não é veneno, o que é que ela tem? Ela, Eléa.
Ela estava acordada, os olhos abertos, o olhar fixo, os maxilares fechados. Aces
sos bruscos de tremura lhe sacudiam todo o corpo. Simon desvestiu-a e tocou-lhe
nos músculos dos braços e das coxas. Estavam crispados, tensos, tetanizados. Pas
sou-lhe a mão diante dos olhos, que não piscaram. Achou dificilmente seu pulso s
ob os músculos endurecidos do punho. Sentiu-o, forte, acelerado.
O que é isto, doutor? O que é que ela tem?
Nada murmurou Simon puxando novamente as cobertas. Nada... a não ser o desespero
...
Pobre pequena... o que é que podemos fazer?
Nada repetiu Simon nada...
Tinha guardado a mão gelada de Eléa nas suas mãos. Pôs-se a acariciá-la, massage
á-la docemente, massagear o braço endurecido subindo para o ombro.
Vou ajudá-lo disse a enfermeira.
Deu a volta no leito e pegou a outra mão de Eléa. O braço desta recuou sustado.
Deixe-a pediu Simon. Deixe-me com ela. Deixe-nos. Vá dormir o seu quarto...
O senhor tem certeza?
Sim... deixe-nos...
A enfermeira juntou suas coisas e saiu lançando a Simon um longo olhar de suspei
ta. Ele não se apercebeu. Olhava Eléa, seu rosto endurecido, seus olhos fixos, n
os quais a luz brilhava sobre dois lagos de lágrimas imóveis.
Eléa... disse ele muito baixinho. Eléa, Eléa... estou com você...
Pensou bruscamente que não era sua voz que ela escutava, mas sim a voz estranha
da tradutora. A sua própria voz que chegava no outro ouvido, não era senão um ba
rulho confuso, estranho, que sua tensão esforçava-se por eliminar.
Com precaução, tirou-lhe o escutador de orelha. Seu microemissor estava preso às
suas roupas pousadas sobre uma cadeira. Tirou o seu, alfinetado num suéter, e e
nfiou no fundo do bolso. Agora, não havia mais máquina, mais voz estranha, entre
ela e ele.
Eléa... estou com você... sozinho com você... pela primeira vez... talvez a últi
ma... E você não me compreende... Então posso lhe dizer... Eléa meu amor... minh
a bem-amada... eu a amo... meu amor... meu amor... queria estar perto de você...
em cima de você... dentro de você muito docemente... dar-lhe confiança... esque
ntá-la e acalmá-la... consolá-la... eu a amo... não sou senão m bárbaro... um se
lvagem atrasado... eu como bichos... e ervas e árvores... não a terei nunca... m
as eu a amo, amo você... Eléa, meu amor... você é bela... você é bela... você é
o pássaro, a fruta, a flor, o vento do céu... nunca a terei... eu sei, eu sei...
mas eu amo você...
As palavras de Simon pousavam sobre ela, sobre seu rosto, sobre seus braços, sob
re seus seios descobertos, pousavam nela como pétalas macias, como uma nuvem de
calor. Ele sentia nas suas mãos a mão dela se amolecer, via seu rosto se distend
er, seu peito erguer-se mais calmo e profundamente. Via suas pálpebras se abaixa
rem muito lentamente sobre os olhos trágicos e finalmente s lágrimas correrem.
Eléa, Eléa, meu amor... volte do mal, volte da dor... volte, a vida está aqui, e
u amo você... você é bela... nada é tão belo quanto você... a criança nua,... a
nuvem... a cor... a corça... a onda, a folha... a rosa que se abre... o cheiro d
a pesca e de todo o mar... nada é tão belo como você... o sol de maio sobre as n
ossas margaridas... o filhote de leão... os frutos redondos... os frutos maduros
... os frutos quentes ao sol... nada é tão belo quanto você... Eléa, Eléa, eu am
or, minha bem-amada...
Sentiu a mão de Eléa apertar a sua, e viu sua outra mão se erguer, pousar-se sob
re o lençol, tocá-lo, pegá-lo e com um gesto não habitual, um gesto incrível tra
zê-lo para ela e cobrir seus seios nus.
Ele se calou.
Ela falou.
Disse, em francês:
Simon, eu o compreendo...
Houve um curto silêncio, depois ela acrescentou:
Sou de Paikan...
Dos seus olhos fechados, lágrimas continuavam a rolar.

Tu me compreendes, tu me compreendeste, talvez não todas as palavras, mas o sufi


ciente para saber quanto, quanto eu te amava. Eu te amo, o amor, amor, estas pal
avras não têm sentido na tua língua, mas as havia compreendido, sabias o que que
riam dizer, o que eu queria te dizer, e se elas não te trouxeram o esquecimento
e a paz, te deram, trouxeram, colocaram em ti bastante calor para te permitir ch
orar.
Compreendeste. Como era possível? Não tinha contado, ninguém de nós contava com
as faculdades excepcionais da tua inteligência. Nós nos acreditamos no cimo do p
rogresso humano, nós somos os mais evoluídos! Os mais afiados! Os mais capazes!
O brilhante resultado extremo da evolução. Depois de nós, haverá talvez, haverá,
sem dúvida melhores, mas antes, vejamos, não é possível! Apesar de todas as rea
lizações de Gondawa que tu nos mostraste, não podia vir ao nosso espirito que vo
cês fossem superiores. O sucesso de vocês não poderia ser senão acidental. Você
s nos eram inferiores, posto que tinham vindo antes.
Esta convicção de que o-homem-enquanto-espécie se aperfeiçoa com o tempo vem sem
dúvida de uma confusão inconsciente com o homem-enquanto-indivíduo. O homem é p
rimeiro uma criança antes de se tornar um adulto. Nós, homens de hoje, somos adu
ltos. Os que viveram antes de nós não podiam ser senão crianças.
Mas talvez fosse bom, talvez fosse tempo de se perguntar se a perfeição não está
na infância, se o adulto não é senão uma criança que já começou a apodrecer...
Vocês, as infâncias do homem, vocês novos, puros, vocês não usados, não cansados
, não rasgados, deteriorados, estufados, vocês, o que não podiam com as suas int
eligências?
Há semanas que ouves num ouvido as frases da língua desconhecida, a minha, pela
minha voz que te falava, todo o dia de manhã à noite de ti, do momento em que nã
o dormias, e mesmo quando dormias porque as palavras que eu te dizia eram uma ma
neira de estar contigo mais perto de ti meu amor, minha bem-amada.
E no outro ouvido ouvias as mesmas frases traduzidas. O sentido das palavras te
chegava sem cessar ao mesmo tempo que as palavras, e tua maravilhosa inteligênci
a, consciente, subconsciente, não sei, comparava, classificava, traduzia, compre
endia.
Tu me compreendias...
Eu também, eu também, meu amor, compreendi e sabia... Tu eras de Paikan...

Lukos tinha terminado. A tradutora tinha engolido, assimilado e traduzido em dez


essete línguas o texto do tratado de Zoran. Mas obedecendo às instruções dadas p
or Lukos por decisão do Conselho, guardou as traduções na sua memória, para impr
imi-las ou difundi-las mais tarde, quando lhe pedissem. Ela havia somente inscri
to sobre o fio magnético as imagens das traduções inglesas e francesas. Os filme
s esperavam dentro de um armário o momento da difusão mundial.
A hora se aproximava. Os jornalistas pediram para visitar a tradutora a fim de p
oder descrever aos seus leitores e auditores a maravilha que havia decifrado os
segredos da mais velha ciência humana. Na ausência de Lukos, que prosseguia no o
vo, com Hoi-To, o levantamento fotográfico dos tipos gravados, foi seu adjunto,
o engenheiro Mourad, quem os guiou nos meandros da máquina. Hoover havia insisti
do para acompanhar e Leonova acompanhava Hoover. Em alguns momentos, ele segurav
a sua mão miúda na sua manopla. Ou então era ela que pendurava seus dedos frágei
s a seus enormes dedos. E avançavam assim, sem prestar atenção, nas salas e nos
corredores da tradutora, de mãos dadas como dois amantes de Gondawa.
Eis aqui disse Mourad o dispositivo que permite inscrever as imagens sobre os fi
lmes. Sobre esta tela as linhas dos tipos aparecem em caracteres luminosos. Esta
câmara de tevê, as vê, analisa e as transforma em sinais eletromagnéticos que e
la inscreve sobre um filme. Como vocês estão vendo, é muito simples, é o velho s
istema de magnetoscópio. O que é menos simples, é a maneira como se comporta a t
radutora para fabricar os caracteres luminosos. É...
Mourad estava falando em turco e japonês, Hoover havia distribuído aos jornalist
as receptores de orelha, a fim de permitir a cada um entender as explicações na
sua própria língua. E Louis Deville entendeu em francês:
... é... merda... que é isso?
Num centésimo de segundo, ele admirou que a tradutora tivesse um conhecimento tã
o familiar da língua francesa, e se prometeu perguntar a Mourad qual era a palav
ra turca correspondente. Deveria ser sonora e pitoresca. No centésimo de segundo
seguinte, ele já não pensava mais nessas futilidades. Via Mourad falar no ouvid
o de Hoover, Hoover fazer sinal de que não compreendia, em seguida Mourad puxar
Hoover pela manga e mostrar-lhe qualquer coisa por trás da câmara registradora d
e tevê. Alguma coisa que Hoover compreendeu logo e que os jornalistas mais próxi
mos, que olhavam ao mesmo tempo que ele, não compreenderam.
Hoover virou-se para eles:
Senhores, tenho necessidade de falar, em particular, com o engenheiro Mourad. Nã
o posso fazê-lo a não ser por intermédio da tradutora. Não desejo que vocês ouça
m nossa conversa. Peço-lhes que me devolvam vossos receptores de ouvido, e que t
enham a bondade de sair.
Foi uma explosão de protestos, uma tempestade verbal que reboou pela sala. Corta
r a fonte de informação logo no momento onde ela ia talvez se tornar sensacional
? De jeito nenhum! Nunca na vida! Pensavam que eles eram O quê?
Hoover ficou rubro de fúria. Berrou:
Vocês estão me fazendo perder tempo! Cada segundo talvez tenha uma importância f
antástica! Se vocês discutirem mais, eu os farei embarcar num jato e os mando de
volta a Sidney! Dêem-me isto.
Estendeu as mãos em concha.
No estado em que estava, ele, o brincalhão, todos compreenderam que era grave.
Prometo que os porei ao corrente, logo que tudo estiver resolvido. Todos passara
m diante dele e lhe devolveram as conchas multicores ainda quentes do calor de s
uas cabeças. Leonova fechou a porta sobre o último e voltou-se vivamente para Ho
over?
O que é? O que é que está acontecendo?
Os dois homens já estavam inclinados sobre as entranhas da câmara e discutiam ra
pidamente em termos técnicos.
Adulterada! disse Hoover. A câmara foi adulterada! Está vendo este fio aqui, aqu
i! Não é o do magnetoscópio! Foi acrescentado!
Colado ao do magnestoscópio, confundia-se com ele e o fio clandestino enfiava-se
ao mesmo tempo que ele num buraco da divisão metálica. Rapidamente, Mourad perc
ebeu as quatro roscas de cabeça cruzada, e puxou em sua direção a placa de alumí
nio polido. As entranhas do magnetoscópio apareceram. Eles logo viram um objeto
insólito: uma valise de tamanho médio, de falso couro ordinário, cor de tabaco.
Um fio suplementar entrava nela e um outro saía, subia num esconso, furava o tet
o, e encontrava sem dúvida, através de um artifício astucioso, uma massa metálic
a externa que deveria servir de antena.
O que é isto? perguntou novamente Leonova, lamentando-se por ser apenas uma antr
opóloga ignorante de todas as técnicas.
Um emissor respondeu Hoover.
Estava abrindo a valise. Ela revelava um admirável agenciamento de circuitos, de
tubos e de semicondutores: não era um canal radioemissor, mas sim uma verdadeir
a estação emissora de televisão, uma obra-prima de miniaturização.
Num rápido olhar, Hoover reconheceu peças japonesas, tchecas, alemãs, americanas
, francesas, e admirava contra a vontade o extraordinário arranjo que conseguia
ter em tão pouco espaço tanta eficiência. O homem que havia construído este emis
sor era um gênio. Ele não o havia ligado no circuito eletrônico geral. Uma pilha
e um transformador lhe davam a potência necessária. Isto limitava sua duração e
seu alcance. Não poderia ser recebido além de um raio de mil quilômetros.
Hoover explicou rapidamente tudo isto a Leonova. Testou a pilha. Estava quase va
zia. O emissor já havia funcionado. Incontestavelmente havia emitido para um rec
eptador situado sobre o continente antártico, ou perto de suas costas, as imagen
s de tradução inglesa ou francesa ou talvez as duas. Era absurdo. Por que procur
ar clandestinamente traduções, quando elas iam, dentro de algumas horas, ser dif
undidas no mundo inteiro? A lógica levava uma resposta aterradora:
Se um grupo, se uma nação esperava se assegurar a exclusividade do conhecimento
a equação de Zoran, ele ou ela tinha que tornar impossível, fosse como fosse, o
conhecimento do Tratado das Leis Universais, ou qualquer outra explica- ção da
fórmula. Para isto, aqueles que haviam instalado o emissor e expedido para o des
conhecido as imagens do tratado, deveriam igualmente, no momento imediato:
Destruir os fios magnéticos sobre os quais essas imagens estavam registradas.
Destruir os filmes originais sobre os quais o texto gravado havia sido fotografad
o; Destruir o próprio texto gravado;
destruir as memórias da tradutora que guardava as dezessete traduções; MATAR COB
AN.
Nossa Senhora: exclamou Hoover. Onde estão os filmes? Mourad os conduziu rapidam
ente para a sala dos arquivos, abriu o armário de alumínio, pegou uma dessas cai
xas em forma de biscoito, que depois da invenção do cinema servem de receptáculo
para os filmes de todas as espécies, e que são atravancadoras, incômodas, ridíc
ulas e que nunca foram melhoradas. Teve, como se tem sempre, muita dificuldade p
ara abri-la, quebrou uma unha, blasfemou em turco, e blasfemou uma segunda vez q
uando conseguiu e viu conteúdo: era uma papa viscosa de onde subiam fumacinhas.
Haviam jogado ácido dentro de todas as caixas. Filmes originais e magnéticos não
eram mais do que uma pasta malcheirosa que começava a escorrer pelos buracos da
s caixas cujo metal, por sua vez, havia sido atacado e destruído.
Com mil diabos! exclamou Hoover mais uma vez, em francês. Preferia praguejar em
francês. Sua consciência de americano protestante ficava menos atormentada.
As memórias? Onde estão as memórias da puta dessa máquina?
Por um longo corredor de trinta metros, cujo muro da direita era de gelo filtrad
o acolchoado e o da esquerda constituído por uma grade metálica onde cada malha
tinha a dimensão de um décimo de milésimo de milímetro. Cada cruzamento era uma
célula de memória. Havia dez milhões de milhares. Esta realização da técnica ele
trônica, apesar da sua capacidade prodigiosa era mesmo assim apenas um grão de a
reia ao lado de um cérebro vivo. Sua superioridade sobre o vivo era a rapidez. M
as esta capacidade era o finito ao lado do infinito. Ao entrar, num primeiro olh
ar, descobriram as incongruências que haviam sido acrescentadas à obra-prima.
Quatro caixas, redondas, bastante semelhantes com as caixas dos filmes, Quatro m
inas semelhantes às que defendiam a entrada da esfera. Quatro monstruosos horror
es grudados contra a parede metálica, seguros a ela por seu campo magnético, e q
ue iam pulverizá-la, com toda a tradutora, se tentassem arrancá-la, ou talvez me
smo só pelo fato de alguém se aproximar delas.
Filho do filho do filho da puta! gritou Hoover. Você tem um revólver?
Dirigia-se a Mourad...
Não.
Leonova, dê-me o seu!
Mas...
Dê! Ora bolas! Você acha que este é o momento de discutir?
Leonova estendeu sua arma a Mourad.
Feche a porta disse Hoover. Fique na frente, não deixe entrar ninguém, e se insi
stirem, atire!
E se isto explodir? perguntou Mourad.
Bem, você explodirá junto! E também não será o único... Onde está este cretino d
o Lukos?
No ovo.
Vem, irmãzinha...
Arrastou-a na velocidade do vento que soprava do lado de fora.
A tempestade tinha se levantado no momento em que o sol estava no ponto mais alt
o do horizonte. Nuvens verdes o haviam engolido, e depois ao céu. O vento se bat
ia contra todos os obstáculos, arrancava a neve do solo para misturá-la com a qu
e ele trazia e fabricar com ela uma mistura afiada, cortante. Trazia os restos,
os lixos, as caixas abandonadas, os tonéis vazios e cheios, as antenas, os jipes
, arrasava tudo.
O guarda da porta impediu-os de sair. Aventurar-se lá fora sem proteção, era mor
rer. O vento ia cegá-los, asfixiá-los, quebrá-los, rolá-los, levá-los até o fim
do frio e do branco mortal.
Hoover arrancou o boné do homem e enfiou-o sobre a cabeça de Leonova. Tirou-lhe
os óculos, as luvas, seu capote e envolveu a moça magra, empurrou-a sobre uma pl
ataforma elétrica carregada de tonéis de cerveja, e apontou seu revólver sobre o
guarda.
Abra!
O homem, aturdido, apertou o botão de abrir. A porta correu. O vento lançou um c
lamor de neve turbilhante até o fundo do corredor. A plataforma paciente e lenta
entrou na tormenta.
Mas você gritou a voz aguda de Leonova você não está protegido!
Eu respondeu a voz grossa de Hoover no meio da tempestade tenho minha barriga!
Na frente e atrás deles tudo era branco. Tudo era branco, à esquerda, à direita,
na frente, atrás, em cima, em baixo. A plataforma afundava num oceano branco qu
e se deslocava berrando como mil carros de corrida. Hoover sentiu a neve grudar
no seu rosto, petrificar-lhes as orelhas e o nariz. O edifício do elevador estav
a a trinta metros bem em frente. Trinta vezes o tempo de se perder e de se deixa
r levar pela goela do vento. Era preciso manter a plataforma sob uma trajetória
retilínea. Ele não pensava senão nisto, esqueceu seu rosto, suas orelhas e seu n
ariz, e a pele do seu crânio que começava a gelar sob seus cabelos cobertos de n
eve. Trinta metros. O vento vinha da direita e devia desviá-los. Apoiou em direç
ão ao vento e de repente pensou que o óleo do seu revólver iria gelar e travá-lo
durante horas.
Agarre-se bem na direção! Com as duas mãos! Assim! Muito bem! Não desvie nem um
milímetro! Segure-se bem!
Pegou nas suas mãos nuas, que quase já não sentia mais, as duas mãos enluvadas d
e Leonova, fechou-as sobre a barra da direção, achou tateando seu revólver no es
tojo pendurado na sua cintura, tirou-o, conseguiu abrir o fecho da sua calça. Pa
receu que uma horda de lobos mordia-lhe o ventre. Escondeu a arma dentro de sua
calça e tentou fechá-la. O puxador do fecho escapou dos seus dedos inchados, a n
eve bloqueou os dentes, entrou pela abertura. O frio tomou conta de suas coxas,
indo para seu sexo, para a arma que ele quis colocar ao abrigo, no lugar mais qu
ente dele mesmo. Apertou-se contra Leonova, comprimiu-a contra sua barriga, como
defesa, como obstáculo, como muralha contra a tempestade. Envolveu-a com seus b
raços e pousou suas mãos sobre as dela ao redor da barra da direção. O vento ten
tava arrancá-los da sua trajetória para jogá-los não importa aonde, longe de tud
o. Longe de tudo, não eram quilômetros. Alguns metros bastavam para perdê-los fo
ra do mundo na tormenta sem limite, sem assistência, sem indício, e cujo paroxis
mo estava em toda parte. Poderiam ficar gelados a dez passos de uma porta. A do
edifício do elevador continuava sempre invisível. Estaria ela ali, bem perto, na
frente, escondida pela espessura da neve trazida? Ou teriam eles passado e a pl
ataforma estava em vias de enveredar para o deserto mortal que começava a cada p
asso.
Hoover teve de repente a certeza de que eles haviam passado da sua meta e que se
continuassem, por menos que fosse, estavam perdidos. Pesou sobre as mãos de Leo
nova e freou bruscamente, de frente para o vento.
O vento de pé enfiou-se por baixo da plataforma e ergueu-a. Os tonéis de cerveja
e a barriga de Hoover a jogaram no solo. Leonova aflita, largou a barra. Sentiu
-se carregada e gritou. Hoover agarrou-a e colou-a contra ele. A plataforma aban
donada a si mesma ficou girando, de costas para o vento. Dois barris de cerveja
jogados desapareceram rolando na tempestade branca. O vento enfiava seus ombros
sobre o veículo desamparado. Ergueu-o de novo e virou-o. Hoover rolou sobre o ge
lo sem largar Leonova. Um barril de cerveja passou a poucos centímetros do seu c
rânio. A plataforma revirada, rolada, carregada, desapareceu como uma folha. O v
ento rolou Hoover e Leonova agarrada a ele. Bateram brutalmente num obstáculo qu
e ressoou. Era uma grande superfície vermelha vertical. Era a porta do edifício
do elevador...

O elevador estava aquecido. A neve e o gelo agarrados a todas as dobras de suas


roupas se fundiam. Leonova tirou suas luvas, suas mãos estavam mornas.
Hoover soprava as suas, que continuavam imóveis, azuladas. Ele não sentia nem su
as orelhas nem o seu nariz. Dentro de alguns minutos seria necessário agir. Ele
não seria capaz.
Vire-se disse ele.
Por quê?
Vire-se, por Deus! É preciso sempre que você discuta!
Ela ficou vermelha de raiva, tentou recusar, depois obedeceu cerrando os dentes.
Ele por sua vez virou-lhe as costas, e conseguiu enfiar suas duas mãos dentro d
a calça, agarrou o revólver entre suas duas palmas, e tirou-o para fora. Ele esc
apou-lhe e caiu. Leonova assustou-se.
Não se vire!
Empurrou para dentro a fralda de sua camisa, pegou o puxador do fecho entre seus
dois indicadores. Sabia que o segurava, mas não o sentia. Puxou para cima. Ele
lhe escapou. Recomeçou duas vezes, dez vezes, ganhando cada vez alguns dentes do
seu fecho. Finalmente ficou com aspecto mais apresentável. Olhou o indicador de
descida. Estavam a menos 980. Iam chegar.
Pegue o revólver disse ele eu não posso. Ela virou-se para ele, ansiosa.
Suas mãos...?
Sim, minhas mãos! Não temos tempo!... Pegue este troço... Você sabe usá-lo?
Por quem me toma você?
Ela manejava a arma com desembaraço. Era um revólver de repetição degrosso calib
re, uma arma de assassino profissional.
Tire o trinco de segurança.
Você acredita que...?
Não acredito em nada... temo... tudo dependerá talvez de um décimo de segundo.
O elevador freou nos últimos metros e parou. A porta abriu-se.
Era Heath e Shanga que estavam de guarda nas minas. Viram com espanto sair da ca
bine Hoover encharcado, hirsuto, levando na ponta dos seus braços suas mãos como
pacotes inertes, e Leonova sacudindo um enorme revólver negro.
O que é que há? perguntou Heath.
Não há tempo!... Dê-me a sala, rápido!
Heath já havia reencontrado sua fleuma. Chamou a sala de reanimação.
O Sr. Hoover e a Srta. Leonova querem entrar...
Esperem! gritou Hoover.
Tentou segurar o aparelho, mas sua mão parecia um pacote de algodão e o instrume
nto lhe escapou. Leonova o pegou e segurou diante dos seus lábios.
Alô! Aqui Hoover. Quem me escuta?
Moissov escuta respondeu uma voz em francês.
Responda! Coban está vivo?
Sim! Está. Claro.
Não tire os olhos de cima dele! Controle todo o mundo! Que cada um vigie seu viz
inho! Vigie Coban. ALGUÉM VAI MATÁ-LO!
Mas...
Não posso confiar somente em você. Passe-me Forster.
Repetiu seu grilo de alarme a Forster, depois a Lebeau. A cada um ele repetia:
ALGUÉM VAI MATAR COBAN! Não deixem ninguém se aproximar NÃO IMPORTA QUEM!
Acrescentou:
O que está acontecendo no ovo? O que é que vocês estão vendo na tela de vigilânc
ia?
Nada disse Lebeau.
Nada? Como, nada?
A câmara está em pane.
Em pane? Uma ova! Abram as minas. Rápido!
Leonova devolveu o receptor a Heath. O pisca-pisca vermelho apagou-se. O campo d
e minas estava desativado. Mas Hoover desconfiava. Levantou o joelho e estendeu
sua bota para Shanga com a displicência causada por vinte gerações de escravatur
a.
Tire minha bota, pequeno.
Shanga teve um sobressalto e recuou. Leonova ficou furiosa.
Não é o momento de se sentir negro! gritou ela.
Pousou o revólver no chão, pegou a bota com as duas mãos e puxou. Não tentava ma
is compreender, depositava confiança total em Hoover, e sabia a que ponto cada f
ração ínfima de tempo era essencial.
Obrigado, irmãzinha. Deitem-se todos!
Deu o exemplo. Shanga, apavorado, imitou-o logo. Heath também, com ar de quem nã
o entendia nada. Leonova, de joelhos, segurava sempre a bota.
Jogue-a no buraco!
O buraco era a abertura da escada que ligava o fundo do poço ao acesso da esfera
. As minas estavam na escada, sob os degraus. Leonova jogou a bota. Não acontece
u nada.
Vamos disse Hoover. Tire a outra e tire as suas. Temos que ser silenciosos como
a neve. Heath, não deixe entrar mais ninguém, entendeu? Ninguém.
Mas o que é que...?
Daqui a pouquinho...
Os braços afastados do corpo, para que suas mãos dolorosas não tocassem em nada,
enfiou-se pela escada e Leonova atrás dele.
No ovo havia um homem deitado e um homem em pé. O homem deitado tinha uma faca d
e neve enfiada no peito, e seu sangue compunha no chão uma pequena poça em forma
de balão de história em quadrinhos. O homem em pé usava um capacete de soldador
que lhe escondia o rosto e pesava sobre seus ombros. Segurava com as duas mãos
o cano do plaser, e dirigia o lança-chamas para o muro gravado. O ouro fundia e
escorria.
Leonova segurava o revólver na mão direita. Teve medo de não o fazer bastante so
lidamente. Acrescentou sua mão esquerda e atirou. As três primeiras balas arranc
aram o plaser das mãos do homem e a quarta quebrou-lhe um pulso, quase seccionan
do a mão. O choque jogou-o por terra, a chama do plaser queimou-lhe um pé. Ele b
errou. Hoover se precipitou e, com o cotovelo, desligou a corrente.
O homem com a faca no peito era Hoi-To.
O homem com a máscara de soldador era Lukos. Hoover e Leonova o haviam reconheci
do logo que o viram. Não havia dois homens com a sua estatura em EPI. Com um chu
te, Hoover arrancou-lhe o capacete, descobrindo seu rosto suado e os olhos revir
ados. Sob a dor horrível do seu pé reduzido a cinzas, o colosso tinha desmaiado.
Simon, você que é amigo dele tente! Simon tentou.
Inclinou-se para Lukos deitado numa cama de enfermaria, e pediu-lhe que lhe diss
esse como tirar as minas coladas nas memórias da tradutora, e para quem ele havi
a feito esse trabalho insensato, e se ele estava sozinho ou se tinha cúmplices.
Lukos não respondeu.
Interrogado sem cessar por Hoover, Evoli, Henckel, Heath, Leonova, depois que ha
via recobrado a consciência, ele havia somente confirmado que as minas explodiri
am se lhes tocassem, e que explodiriam igualmente se não lhes tocassem. Mas recu
sou-se a dizer dentro de quanto tempo, e recusou-se a responder a qualquer outra
pergunta. Inclinado sobre ele, Simon olhava este rosto inteligente, ossudo, os
olhos negros que o encaravam sem medo nem vergonha, nem bazófia.
Por que, Lukos? Por que você fez isso?
Lukos o olhava e não respondia nada.
Foi por dinheiro? Você não é um fanático? E então?...
Lukos não respondia nada.
Simon evocou a batalha contra o tempo que eles haviam conduzido juntos, que Luko
s havia dirigido, para compreender as três pequenas palavras que permitiriam sal
var Eléa. Este trabalho extenuante, genial, este devotamento totalmente desinter
essado, era bem ele, Lukos, que os havia prodigalizado. Como pode ele, depois, a
ssassinar um homem e conspirar contra os homens? Como? Por que? Para quem?
Lukos olhava Simon e não respondia nada.
Estamos perdendo tempo disse Hoover. Dê-lhe uma injeção de pentotal. Ele dirá mu
ito gentilmente tudo o que sabe sem sofrer.
Simon levantou-se. No momento em que ia se afastar, Lukos, com sua mão sã, forte
como a de quatro homens, segurou-o pelo braço, inclinou-o sobre o seu leito, ar
rancou-lhe seu revólver enfiado na cintura, apoiou-o contra sua própria cabeça e
atirou. O tiro era oblíquo. A parte de cima do seu crânio se abriu e a metade d
o seu cérebro fez um feixe rosa que pousou em oval espalhado sobre o muro. Lukos
havia encontrado um meio de se calar antes do pentotal.
Os responsáveis pelo EPI, no decorrer de uma reunião dramática, decidiram, apesa
r de sua repulsa, fazer um apelo à força internacional com base ao largo da cost
a, para procurar capturar ou destruir quem ou o que pudesse ter recebido a emiss
ão clandestina. Se bem que os edifícios mais avançados fossem muito longe para p
oder recolher as imagens, era provável que fosse um elemento secreto desligado d
e uma das frotas que se tinha aproximado a uma distância suficiente para captar
a emissão.
Provavelmente. Mas não certo. Um pequeno submarino ou um anfíbio ar-mar poderia
ter se escondido entre as malhas da rede de vigilância. Mas mesmo que fosse um e
lemento da Força Internacional, só a Força mesmo poderia encontrar. Era preciso
contar com as rivalidades nacionais que iam aguçar o zelo das procuras, e da vig
ilância recíproca.
Rochefoux entabolou com o Almirante Houston, que estava de guarda, um diálogo pe
lo rádio que era difícil e grotesco pelas interrupções da tempestade magnética q
ue acompanhava a tempestade com seus escárnios. Mesmo assim Houston acabou enten
dendo e alertou toda a aviação e toda a frota. Mas a aviação nada podia fazer no
meio da tempestade branca desencadeada. Os porta-aviões estavam cobertos por um
a camada, em todas as suas superestruturas acolchoadas de uma espessura dez veze
s maior de gelo. Netuno-I tinha se abrigado mergulhando. Não havia hipótese de t
razê-lo à superfície. Angustiado, Houston compreendeu que não lhe restava outro
meio de ação senão a frota de submarinos soviéticos. Se fosse para eles que Luko
s tinha trabalhado, que ironia enviá-los à caça! E se fosse para nós, se Lukos f
osse um agente do F.B.I., e o Pentágono ignorava, não era horrível largar os tur
bulentos russos contra pessoas que defendiam o Ocidente e a Civilização?
E se fosse para os chineses? para os indianos? para os negros? para os judeus? p
ara os turcos? se fosse, se fosse...
A um militar, por maior que seja seu grau, se oferece sempre o apaziguamento da
disciplina. Houston parou de fazer perguntas a si mesmo, parou de pensar, e apli
cou o plano previsto. Acordou seu colega, o Almirante Voltov. E deixou-o ao corr
ente da situação. Voltov não hesitou um segundo. No mesmo instante, deu ordem de
alerta. Os 23 submarinos atômicos e suas 115 vedetes de patrulha rumaram para o
sul, aproximaram-se das costas até o limite da imprudência, e cobriram cada met
ro de rochedo ou de gelo imersos numa rede de ondas detetoras. Sob 1.500 quilôme
tros, nem um tremor de sardinha podia-lhes escapar.
Houve um buraco na tempestade. O vento soprava com a mesma força porém as nuvens
e a neve desapareceram no profundo céu azul. Netuno-I recebeu ordem de entrar e
m ação. Veio para a superfície, com lâminas na proa. Os dois primeiros helicópte
ros saídos do porão foram jogados ao mar antes mesmo de abrir suas hélices. O al
mirante alemão Wentz, comandante do Netuno, empregou sua última arma: dois aviõe
s foguetes acachapados no fundo de seus tubos. Levavam um rosário de bombas H em
miniatura e, sob seu nariz, os dois olhos de uma câmara estereoscópica emissora
. Eles se enfiaram no vento, como balas. Suas câmaras enviavam para os receptore
s do Netuno duas fitas contínuas de imagens em cores e em relevo.
Todo o estado-maior do Netuno estava presente na sala de observações. Houston e
Voltov tinham arriscado suas vidas para vir, para ver e para vigiar. Assim como
todos os oficiais presentes, eles não eram capazes de reconhecer o que quer que
fosse nas imagens que desfilavam na tela da esquerda ou da direita, nem de disti
nguir um albatroz de uma baleia branca. Porém os detetores eletrônicos, estes, e
ram capazes. E de repente, duas flechas brancas apareceram sobre a tela da direi
ta. Duas flechas em ângulo reto que convergiam uma para outra e designavam o mes
mo ponto, e se deslocavam com ele e com a imagem, da esquerda para a direita da
tela.
Pare gritou Wentz. Ampliação máxima.
Sobre a mesa, diante dele, uma tela horizontal iluminou-se. Ele colou seu rosto
à lupa estereoscópica. Viu um pedaço de rio afundar na sua direção, aumentar, au
mentar. Viu, numa pequena enseada dilacerada, no fundo de uma baía, a alguns met
ros abaixo da água clara e espumante, um foguete oval, muito regular e muito cal
mo para ser um peixe...
No minúsculo submarino, dois homens colados um contra o outro se banhavam num od
or úmido de suor e de urina. Não tinham previsto para eles uma bexiga receptora.
Tinham que se controlar. Não tinham podido, por causa da tempestade que os bloq
ueava há doze horas, cinco metros abaixo da água. Para sair da enseada, seria pr
eciso passar acima de um fundo de dois metros. Ir à superfície e navegar rente.
Com este vento, era uma manobra desesperada que tinha tantas chances de êxito qu
anto uma moeda lançada para o mar tinha de cair em pé. Mesmo agachado na parte m
ais profunda do riacho, o pequeno submarino não estava abrigado. Batia contra as
rochas, o fundo se chocava, rangia, gemia. O precioso receptador que havia regi
strado as confidências da tradutora ocupava um terço do volume do submersível. O
s dois homens, pés com cabeça, um no comando do engenho, outro nas manivelas do
receptor, não tinham lugar para se virar nem mesmo um pouquinho sobre eles mesmo
s. A sede secava-lhes a garganta, a transpiração grudava seus macacões, os sais
da urina lhes afetavam as carnes. O reservatório de oxigênio assobiava suavement
e. Não tinha para mais que duas horas. Decidiram sair desse impasse custasse o q
ue custasse.
Na sala de reanimação, os médicos e as enfermeiras não se aproximavam mais de Co
ban, senão dois de cada vez, cada um vigiando o outro.
No ovo, os desgastes causados pela chama do plaser eram consideráveis. O texto d
o trabalho havia quase completamente desaparecido. Quase. Restavam ainda alguns
trechos. Talvez o bastante para fornecer a um gênio matemático material para faz
er brotar a luz que iluminava a equação de Zoran. Talvez sim. Talvez não.
E não havia um extrator de minas em nenhum dos prédios da Força Internacional. U
m apelo lançado pelo Trio havia alertado os especialistas dos exércitos russo, a
mericano e europeu. Três jatos rumaram para EPI, trazendo seus melhores militare
s especialistas em minas. Vinham do outro hemisfério, na maior das velocidades.
Eles não poderiam pousar sobre a pista de EPI. Deveriam parar em Sidney e confia
r seus ocupantes a jatos menores. Mesmo a estes últimos, a tempestade opunha dif
iculdades terríveis. Talvez pudessem pousar. Talvez não. E dentro de quanto temp
o? Muito tempo. Tempo demais. O engenheiro-chefe da pilha atômica que fornecia e
nergia e luz à base chamava-se Maxwell. Tinha 31 anos e cabelos grisalhos. Não b
ebia senão água. Água americana, que chegava congelada em blocos de 25 libras: o
s Estados Unidos enviavam para o Pólo gelo esterilizado, vitaminado, adicionado
de flúor e de oligo-elementos, e de um pouquinho de euforizante.
Maxwell e os outros americanos de EPI consumiam uma grande quantidade, como bebi
da, e também para lavar os dentes. Pára a higiene externa toleravam a água da fo
nte do gelo polar. Maxwell media um metro e 91 e pesava 69 quilos. Mantinha-se m
uito ereto e olhava os outros seres humanos de alto a baixo, através do segundo
andar dos seus óculos, sem o menor desprezo pelo seu tamanho inferior. Prestavam
muita atenção a suas opiniões visto que ele falava pouco.
Veio encontrar Heath, que havia acompanhado Lukos na Europa para a compra das ar
mas, e perguntou-lhe com desinteresse fatos precisos sobre a potência explosiva
das minas coladas à tradutora. Heath nada podia afirmar, pois tinha sido Lukos q
uem havia concluído o negócio com o traficante belga. Mas Lukos havia dito que c
ada uma dessas minas continha três quilos de P.N.K.
Maxwell assobiou. Conhecia o novo explosivo americano. Mil vezes mais forte que
o T.N.T. As três bombas correspondiam a nove quilos de P.N.K. e a nove toneladas
de T.N.T. Uma bomba de nove toneladas explodindo dentro da tradutora, quais ser
iam os seus efeitos sobre a pilha atômica vizinha, apesar de sua espessa blindag
em de betume e de algumas dezenas de metros de gelo? Em princípio, por trás do e
scudo de gelo, o betume deveria agüentar o golpe, mas havia uma probabilidade de
que a onda de choque enfraquecesse a arquitetura da pilha, fizesse saltar as co
nexões, provocasse rachaduras e escape de líquido de gás radioativo, e, talvez,
estimulasse uma reação incontrolável de urânio...
É preciso evacuar EPI-2 e 3 disse Maxwell sem levantar a voz. Aliás seria até ma
is prudente evacuar a base inteira...
Alguns minutos mais tarde, as sirenas de alerta urgente que nunca haviam funcion
ado, berraram nos três EPI. E todos os postes telefônicos, todos os emissores, t
odos os receptores de ouvido em todas as línguas pronunciaram as mesmas palavras
: "Retirada urgente. Preparem-se para retirada imediata."
Dar a ordem de preparar, era evidentemente alguma coisa. Mas retirar como?
A tempestade azul continuava. O céu estava claro como uma íris. O vento soprava
a 220 km a hora. Mas não trazia a neve a não ser no nível do solo, arrastando-a
com tudo que podia pegar.
Lebeau, que deixara a sala de reanimação há apenas uma hora e havia adormecido,
foi tirado do seu leito por Henckel que o pôs a par da situação. Hirsuto, exaust
o de cansaço, telefonou para a sala. Embaixo, na outra ponta do fio, Moissov bla
sfemava em russo e repetia em francês:
Impossível! Você sabe bem! O que é que você está me pedindo? É impossível!
Sim, Lebeau bem o sabia. Retirar Coban. Impossível. Arrancá-lo, no seu estado at
ual, do bloco de reanimação, era matá-lo tão certamente como cortando-lhe a garg
anta.
Mil metros de gelo o colocavam ao abrigo de qualquer explosão, mas se as instala
ções da superfície explodissem em dez minutos ele morreria.
Moissov e Lebeau tiveram ambos a mesma idéia. A mesma palavra lhes veio aos lábi
os ao mesmo tempo: transfusão. Podiam tentá-la. O teste de sangue de Eléa tinha
dado positivo.
Vendo que o estado de Coban se estabilizava, depois melhorava lentamente, os méd
icos haviam deixado esta operação para no caso de um agravamento brutal ou de um
a necessidade urgente. Necessidade urgente, era bem o caso. Se tentassem a opera
ção imediatamente, Coban podia, dentro de alguns quartos de hora, ser transporta
do.
E se a pilha queimar antes? perguntou Moissov. As minas podem explodir a qualque
r momento, a qualquer segundo!...
Merda, que explodam! gritou Lebeau. Vou ver a moça. Ainda é preciso que ela acei
te...
Ele estava, juntamente com os outros reanimadores, alojado na enfermaria e teve
que dar apenas alguns passos para chegar ao quarto de Eléa.
A enfermeira, apavorada, estava começando a fazer suas malas. Três valises abert
as sobre duas camas, cem objetos e roupas espalhadas que ela pegava, rejeitava,
deixava cair, juntava, com suas mãos trêmulas.
Simon dizia a Eléa:
Melhor! É monstruoso prendê-la aqui. Você finalmente vai conhecer nosso mundo. O
tempo de hoje não é só um pacote de gelo. Não pretendo que seja um paraíso, mas
...
O paraíso?
O paraíso é... é muito longe, muito difícil, e de qualquer maneira não é absolut
amente certo, isto é.
Não compreendo.
Nem eu. Nem ninguém. Não pense mais. Não vou levá-la ao paraíso. Paris! Paris, é
para onde vou levá-la! Eles dirão o que quiserem, eu vou levá-la a Paris! É, é.
..
Ele não pensava no perigo. Sabia somente que levaria Eléa para longe do seu túmu
lo de gelo, para o mundo vivo. Tinha vontade de cantar. Falava de Paris com gest
os, como um dançarino.
É... você verá, é Paris... Não tem flores a não ser nas lojas atrás dos vidros,
mas tem também roupas-flores, chapéus-flores, o jardim das lojas, por todos os l
ados, em todas as ruas, flores de meias, nylon-pantalonas calcinhas-pétalas, gua
rda-chuvas de todas as cores, sapatos arco-íris, margaridas-roupas um pouco-muit
o-apaixonadamente, jamais, nada de nada, jamais-jamais o mais belo jardim do mun
do para a mulher, ela entra, escolhe, ela mesma é flor flor florida de outras fl
ores. Paris é a maravilha, é para lá que eu vou levá-la!
Não compreendo nada.
Não é preciso compreender. É preciso ver. Paris vai curar você. Paris vai curá-l
a do seu passado!
Foi neste momento que Lebeau entrou.
Você concorda perguntou ele a Eléa em dar um pouco do seu sangue a Coban? Só voc
ê poderá salvá-lo. Não é grave nem doloroso. Se você aceitar, nós poderemos tran
sportá-lo. Se você recusar, ele morrerá. É uma intervenção sem nenhuma gravidade
que não lhe fará mal algum...
Simon explodiu. De jeito nenhum! Ele se opunha! Era monstruoso! Coban que se dan
e! Nem uma gota de sangue, nem uma gota perdida, Eléa ia partir no primeiro heli
cóptero, no primeiro jato, no primeiro seja lá o que for! Ela já não deveria est
ar mais lá, ela não voltaria a descer no poço, vocês são uns monstros, vocês não
têm coração, nem tripas, vocês são uns açougueiros, voces...
Aceito disse Eléa.
Seu rosto estava sério. Ela havia refletido durante alguns segundos, mas seu cér
ebro ia mais rápido do que o cérebro lento dos tempos de hoje. Havia refletido e
havia decidido. Aceitava dar seu sangue a Coban, o homem que a havia separado d
e Paikan e a havia jogado, ao fim de uma eternidade, num mundo selvagem e frenét
ico. Ela aceitava.
Os dois homens dentro do submarino-de-bolso, pés com cabeça, a cabeça entre os p
és do outro, os pés suando, os pés cheirando, os dois homens, entre eles dois um
a rede metálica acolchoada de espuma sintética, macia, suave, elástica porém tra
nspirável, terrivelmente transpirável, os dois homens bloqueados no seu suor, na
sua urina, a pele queimada, as narinas queimadas pelo odor, os dois homens arri
scavam tudo ou nada. Se ficassem lá, o reservatório de oxigênio esgotado, não po
deriam mais partir, nem mergulhar. Estavam presos. Impensável, horrível, dizer t
udo, confessar, monstruoso. Se não falam, aplicam pentotal. Mesmo sem pentotal,
eles olham, e fazem falar, um chute nas canelas, grito, insulto, não se pode fic
ar eternamente sem falar.
Partir, é preciso partir.
Duas horas de oxigênio. Cinco minutos mortais para atravessar a passagem. Resta
uma hora e 55 de mergulho. É uma chance, pequena, estreita. O grande submarino n
os engole, ou o grande avião nos descobre. Salvos. Se eles nos falham, talvez a
tempestade pare e nos possamos continuar na superfície. Não tem outra alternativ
a. Partir...
Partir. Uma onda jogou-os contra a rocha. Caíram e bateram na rocha defronte. Vo
ltaram a cair de encontro ao fundo. O choque foi tamanho que o homem-que-tinha-a
-cabeça-virada-para-trás partiu quatro dentes incisivos. Ur- rou de dor, cuspiu
seus dentes e seu sangue. O outro não viu nada. Nas suas lunetas receptadoras vi
a o horror desencadeado. O vento arrancava a superfície do mar e a jogava, toda
branca, para o azul do céu. No momento em que ela voltava a cair, ele crispava s
uas duas mãos sobre o comando de aceleração A parte de trás do foguete de aço cu
spiu um enorme chafariz de fogo e mergulhou nas ondas propulsado velozmente com
sua própria energia.
Porém o jato não estava mais direito. O choque contra as rochas havia torcido o
motor de arranque. O jato desviava para a esquerda e rugia torcido como um saca-
rolhas. O submarino pôs-se a rodar sobre si mesmo, desgovernado, colando os dois
homens contra suas paredes, virou a cem graus e atirou-se contra uma muralha de
gelo. Nela penetrou um metro. A barreira caiu sobre ele e esmigalhou-o. O vento
e o mar levaram numa espuma vermelha os restos de carne e de metal.
As câmaras dos dois aviões-foguetes registraram e expediram a imagem de toda a c
ena.
A base formigava. Os sábios, os técnicos, os cozinheiros, os varredores, as enfe
rmeiras, as empregadas haviam arrumado rapidamente seus bens mais preciosos em v
alises e fugiam de EPI-2 e 3. Os snodogs os recolhiam nas saídas dos prédios e o
s transportavam até a entrada de EPI-1. No coração da montanha de gelo eles reto
mavam fôlego, seu coração se acalmava, sentiam-se abrigados. Acreditavam-se...
Maxwell sabia bem que não era verdade. Mesmo se a pilha não explodisse, se ficas
se somente fissurada e começasse a cuspir seus líquidos e seus gases mortais, o
vento ia trazê-los e espalhá-los na paisagem até a montanha de gelo que os parar
ia no seu curso horizontal e ficaria bloqueado. O vento, aqui, soprava mais ou m
enos forte. Mas soprava somente na mesma direção, do centro do continente para o
mar. De EPI-2 para EPI-1, inexoravelmente. Ninguém podia mais sair das galerias
da montanha. E, rapidamente, as radiações aí entrariam, pelo sistema de ventila
ção que colhia o ar por meio de 23 chaminés. Seria um prazer colher ao mesmo tem
po todas as sujeiras corrosivas cuspidas pela pilha destroçada.
Maxwell repetiu calmamente:
É muito simples! É preciso fazer uma retirada...
Como? Nenhum helicóptero podia levantar vôo. Os caminhões, a rigor, podiam se en
fiar na tempestade. Mas havia 17 e era preciso guardar três para Coban, Eléa e a
s equipes de reanimadores.
É melhor quatro. E ficarão lotados.
Melhor ainda, assim ficam quentes.
Restam 13.
Mau número.
Não sejamos burros...
Treze, ou então quatorze, com dez pessoas por veículo.
Colocaremos vinte!
Bem, vinte.
Vinte vezes quatorze, isto dá: dá quanto?
Duzentos e oitenta...
O efetivo da base, depois do fim dos maiores trabalhos, foi reduzido a 1.749 pes
soas. Isto dá quantas viagens? 1.749 dividido por 280...
Sete ou oito viagens, digamos dez.
Bom, é exeqüível. Organizaremos um comboio, os snodogs vão deixar seus passageir
os e voltam para buscar os outros...
Vão deixá-los onde?
Como, onde?
O abrigo mais próximo é a Base Scott. A seiscentos quilômetros. Se não tiverem p
roblemas, levarão duas semanas para chegar lá. E se os deixam fora de um abrigo,
gelarão em três minutos. A não ser que o vento se acalme...
Então?
Então... wait and see...
Esperar! esperar! Quando isto pode saltar...
O que é que nós sabemos?
Como, o que é que nós sabemos?...
Quem disse que essas minas iam explodir, mesmo se não tocássemos nelas? Foi Luko
s. Quem nos prova que ele disse a verdade? Que elas não explodem a não ser que s
ejam tocadas? Nós não a tocaremos! E mesmo que elas explodam, quem nos prova que
a pilha sofrerá seus efeitos? Maxwell, você pode afirmar?
Claro que não. Afirmo somente que receio. E penso que é preciso fazer a retirada
.
Mas ela talvez nem se mexa! Você não pode fazer alguma coisa? Protegê-la melhor?
Tirar o urânio? Esvaziar o circuito? Fazer alguma coisa, seja o que for?
Maxwell olhou Rochefoux, que lhe fazia esta pergunta, como se perguntasse se ele
podia, levantando o nariz, sem sair de sua cadeira, cuspir na Lua.
Bom... você não pode, já imaginava isto. Uma pilha é uma pilha... Pois bem, espe
raremos... A calmaria... os desarmadores de minas... eles certamente vão chegar.
Mas a calmaria...
Onde estão eles, esses diabos de especialistas em minas?
O mais próximo está a três horas. Mas pousará como?
Que diz a meteorologia?
A meteorologia somos nós que fornecemos os detalhes para as suas previsões. Se n
ós lhe anunciamos que o vento enfraquece, ela nos dirá que há uma melhora...

Deitada paralela ao longo do corpo do homem embrulhado, Eléa esperava, calma, os


olhos fechados. Seu braço esquerdo estava nu e o braço do homem tinha sido desc
oberto alguns centímetros para o lugar da transfusão. Esses poucos centímetros d
e pele estavam cheios de placas vermelhas das queimaduras em vias de cicatrizarã
o. Estavam todos lá, os seis reanimadores, seus assistentes, enfermeiras, técnic
os, e Simon. Ninguém tinha tido durante um instante a idéia de ir se abrigar na
montanha de gelo. Se as minas e a pilha explodissem o que aconteceria na entrada
do poço? Haveria chance de sair? Nem pensavam nisso. Tinham vindo de todos os h
orizontes da Terra para dar vida a este homem e a esta mulher, tinham conseguido
com a mulher, tentavam com o homem a operação da última chance dentro dos limit
es de um tempo desconhecido. Dispunham talvez de algumas horas, talvez de alguns
minutos, não sabiam, era preciso não perder nem um segundo, era preciso não com
prometer nada se apressando. Estavam todos ligados a Coban pelas cordas do tempo
, para o sucesso ou para o fracasso, ou talvez para a morte.
Atenção, Eléa disse Forster -, relaxe-se. Vou espetar seu braço, mas não doerá.
Passou sobre o lugar do braço um algodão embebido em éter e enfiou a agulha pont
uda na veia inchada pela borracha que a manietava. Eléa não tinha estremecido. F
orster tirou a borracha. Moissov começou a transfusão. O sangue de Eléa, vermelh
o, quase dourado, apareceu no tubo de plástico. Simon teve um arrepio e sentiu s
ua pele se eriçar. Suas pernas ficaram fracas, seus ouvidos latejaram, e tudo o
que ele via tornou-se branco. Fez um esforço enorme para ficar de pé, para não d
esmaiar. As cores voltaram ao fundo dos seus olhos, seu coração falhou e voltou
a encontrar seu ritmo.
O emissor estalou e anunciou em francês:
Aqui Rochefoux. Uma boa notícia. O vento diminuiu. Velocidade da ultima rajada:
208 km a hora. Onde estão vocês?
Estamos começando disse Lebeau. Coban vai receber as primeiras gotas de sangue d
entro de alguns segundos.
Enquanto respondia, libertava as têmporas do homem-múmia, limpava comdelicadeza
a pele queimada e colocava-lhe na cabeça o círculo de ouro e estendia o outro a
Simon. As queimaduras profundas do couro cabeludo e da nuca tornavam difícil a a
plicação dos eletrodos do encefalograma. Os círculos de ouro, com um médico na r
ecepção, podiam substituí-los com vantagem.
No momento em que o cérebro recomece a funcionar, você o saberá disse Lebeau. O
subconsciente acordará antes do consciente, sobre sua forma mais elementar, mais
imóvel, que é a memória. O sonho do pré-despertar virá depois. Logo que você ti
ver uma imagem, avise.
Simon sentou-se na cadeira de ferro. Antes de baixar a placa frontal diante de s
uas pálpebras, olhou Eléa.
Ela havia aberto os olhos e o olhava e havia no seu olhar como uma mensagem, um
calor, uma comunicação que ele jamais tinha visto. Com... não era piedade, mas c
ompaixão. Sim, era isto. A piedade pode ser indiferente ou mesmo acompanhar a ra
iva. A compaixão reclama uma espécie de amor. Ela parecia querer reconfortá-lo.
Dizer-lhe que não era grave e que ele se curaria Por que um tal olhar num tal m
omento?
Então? perguntou Lebeau, aborrecido.
A última imagem que ele recebeu foi a da mão de Eléa, bela como uma flor, aberta
como um pássaro, que se abria e pousava sobre a máquina-de-comer colocada ao se
u alcance a fim de que pudesse usá-la para o sustento para suas forças.
E depois não houve nada mais do que aquele negro interior da visão fechada, que
não é a escuridão, mas uma claridade adormecida.
Então? repetiu Lebeau.
Nada respondeu Simon.
O vento está a 190 disse o difusor. Se ele amainar um pouco mais, vamos começar
a retirada. Onde estão vocês?
Ficaríamos muito gratos se não fôssemos mais interrompidos disse Moissov.
Nada disse Simon.
Coração?
Trinta e um.
Temperatura?
Trinta e quatro e sete.
Nada repetiu Simon.

Um primeiro helicóptero partiu, carregado de mulheres. O vento não ultrapassava


mais de 150 km a hora e às vezes caía para 120. Ao mesmo tempo um helicóptero pa
rtiu da Base Scott para vir buscar os passageiros na metade do caminho. Os dois
aparelhos tinham encontro marcado sobre uma geleira que corria num vale bastante
abrigado, perpendicular ao vento. Porém a Base Scott só podia servir de local d
e espera. Não tinha sido feita para abrigar uma multidão. Todas as unidades da F
orça Internacional capazes de se aproximar das costas sem muito perigo dirigiam-
se para o continente. Os porta-aviões americanos e o Netuno lançaram seus aviões
verticais que foram direto para EPI. Três submarinos cargueiros porta-helicópte
ros, russos, subiram à superfície ao largo da Base Scott. Um quarto, quando subi
a, foi cortado em dois pela proa submersa de um iceberg. Seu motor atômico envol
to em cimento desceu lentamente para o fundo tranqüilo das grandes profundidades
. Alguns afogados subiram entre os poucos destroços, foram envolvidos pelas onda
s e voltaram a descer.
Coração, 41.
Temperatura, 35.
Nada disse Simon.
A primeira equipe de desarmadores de minas tinha descido em Sidney e havia conti
nuado a viagem. Eram os melhores, os ingleses.
Agora gritou Simon. Imagens!
Ouviu a voz furiosa de Moissov e no outro ouvido a tradutora que lhe traduzia pa
ra não gritar. Ouvia ao mesmo tempo no interior da sua cabeça, nascido diretamen
te no seu cérebro, sem a intervenção dos nervos acústicos, um ronco surdo, tiros
, explosões e vozes apagadas, como envolvidas de brumas, algodoadas.
As imagens que via estavam embaçadas, desmanchavam-se, deformavam-se constanteme
nte, pareciam vistas através de um veio de água tinto de leite. Mas como ele já
havia visto os lugares que elas representavam, ele as reconheceu. Era o abrigo,
o coração do abrigo, o ovo.
Tentou dizer o que via em voz alta, porém moderada.
Que se dane tudo o que você vê! disse Moissov. Diga-me simplesmente: "não nítido
", "não nítido", depois "nítido", quando estiver "nítido". E depois fique calado
enquanto sonha. Quando este tiver se tornado delirante, alucinante, não será ma
is a memória passiva, será a memória loucura: o sonho. E será o momento antes do
acordar. Faça sinal. Compreendeu?
Sim.
Você diz "não nítido" depois "nítido" e depois "sonho". Isto é o bastante. Co
mpreendeu?
Compreendi disse Simon.
E alguns segundos mais tarde, disse:
Nítido...
Ele via, e ouvia nitidamente. Não compreendia pois não havia circuito para a tra
dutora intercalado entre os dois círculos de ouro, e os dois homens que ele via
falavam em gonda. Mas não tinha necessidade de compreender. Estava claro. Havia
no primeiro plano Eléa nua deitada no caixão, a máscara de ouro cobrindo seu ros
to, e Paikan que se inclinava para ela, e Coban que batia no ombro de Paikan e l
he dizia que era hora de partir. E Paikan virava-se para Coban e o empurrava, jo
gava-o longe. E inclinava-se novamente para Eléa, pousava docemente seus lábios
sobre suas mãos, sobre seus dedos, pétalas alongadas, repousadas, douradas, páli
das, flores-de-lis e de rosa-castanha e sobre a ponta dos seios descansados, apa
ziguados, doces sob seus lábios como... nenhuma maravilha no mundo das maravilha
s não é assim tão doce e macia e morna sob os lábios... depois colocava sua face
no ventre de seda, acima da relva de ouro discreta, tão proporcional, tão perfe
ita... no mundo das maravilhas nenhuma maravilha era tão discreta e justa, de me
dida e de cor, no seu lugar e de doçura, na medida da sua mão que ele aí pousou,
e sua mão o cobriu e ele se encaixou na sua palma com a candura de um carneiro,
de uma criança. Então Paikan começou a chorar e suas lágrimas corriam sobre o v
entre de ouro e de seda, e o troar surdo da guerra que esmigalhava a terra ao re
dor do abrigo entrava pela porta aberta, chegava até ele, pousava em cima dele,
e ele não o ouvia.
Coban voltou na sua direção, falou-lhe e mostrou-lhe a escada e a porta, e Paika
n não compreendia. Coban pegou-o pelo braço e ergueu-o, mostrou-lhe acima do ovo
a imagem monstruosa da Arma, que enchia o negro do espaço e abria novas camadas
de pétalas que cobria as constelações. O barulho da guerra enchia o ovo como o
ronco de um ciclone. Era um barulho que não parava, um barulho de furor contínuo
que encerrava o ovo e a esfera e que fazia um caminho em direção a eles através
da terra reduzida a poeira de fogo. Estava na hora, estava na hora, na hora, na
hora de fechar o abrigo. Coban empurrou Paikan para a escadaria de ouro. Paikan
sacudiu seu braço e se libertou. Ergueu sua mão direita à altura do peito, e co
m o polegar, fez inclinar a pirâmide do seu anel. A chave. A chave podia se abri
r. A pirâmide girava em volta de um de seus lábios. Na cabeça de Simon ele viu e
m primeiro plano, uma imensa figura do anel aberto. E na base libertada, num peq
ueno receptáculo retangular, viu o pequeno Grão Negro. Uma pílula. Negra. O Grão
Negro. O grão da morte. O primeiro plano foi varrido pelo gesto de Coban. Coban
empurrava Paikan para a escada. Sua mão segurou o cotovelo de Paikan, a pílula
saltou para fora do seu lugar, tornou-se enorme na cabeça de Simon, encheu todo
o campo de sua visão interna, voltou a cair minúscula, imperceptível, perdida, d
esaparecida.
Paikan roubado de Eléa, roubado de sua morte, Paikan no auge do desespero, explo
diu num furor incontrolável, cortou o ar com sua mão em feitio de machado e bate
u, depois bateu com a outra mão, depois com as duas mãos, depois a cabeça de Cob
an caiu.
Um ronco furioso de guerra tornou-se um urro. Paikan ergueu a cabeça. A porta do
ovo estava aberta e, lá em cima da escadaria, a da esfera também estava aberta.
Do outro lado do buraco de ouro, chamas ardiam. Lutava-se no laboratório. Era p
reciso fechar o abrigo, salvar Eléa. Coban havia explicado a Eléa todo o funcion
amento do abrigo, e toda a memória de Eléa tinha passado para a de Paikan. Ele s
abia como fechar a porta de ouro.
Voou pela escadaria, rápido, furioso, rosnando como um tigre. Quando chegou sobr
e os últimos degraus, viu um guerreiro enisor se meter pela entrada da porta. At
irou. O guerreiro vermelho o viu e atirou quase ao mesmo tempo, atrasado de uma
fração de tempo infinitesimal. Acrescentada a cada dia durante os milhares de sé
culos, ela não teria dado para acrescentar um segundo a mais ao fim de um ano. M
as foi o bastante para salvar Paikan. A arma do homem vermelho soltava uma energ
ia térmica pura. De calor total. Mas quando ele apoiou sobre o comando, seu dedo
não era mais que uma gaze mole que voava para trás com seu corpo estraçalhado.
O ar ao redor de Paikan tornou-se incandescente e apagou-se ao mesmo tempo. Os c
ílios, as sobrancelhas, os cabelos, as roupas de Paikan tinham desaparecido. Um
milésimo de segundo a mais e nada teria sobrado dele, nem mesmo um traço de suas
cinzas. A dor da sua pele ainda não tinha atingido seu cérebro e ele já batia c
om o punho no comando da porta.
Depois caiu sobre os degraus. O corredor de três metros de ouro fechou-se como u
m olho de galinha com mil pálpebras simultâneas.
Simon via e ouvia. Ouviu a imensa explosão provocada pelo fechamento da porta, q
ue fazia explodir o laboratório e todos os acessos ao abrigo sobre quilômetros,
pulverizando os agressores e defensores e os enterrando na torrente das rochas v
itrificadas.
Ouviu as vozes dos técnicos e reanimadores que, de repente, tinham se tornado in
quietos:
Coração, 40...
Temperatura 34,8.
Pressão arterial?
Oito-tres-oito-dois-sete-dois-seis-um...
Meu Deus! O que é que está acontecendo? Ele está decaindo! Está se acabando!
Era a voz de Lebeau.
Simon, continuam as imagens?
Sim.
Nítidas?
Sim...
Ele via nitidamente Paikan descer outra vez dentro do ovo, inclinar-se sobre Cob
an, sacudi-lo em vão, escutar seu coração, compreender que o coração havia parad
o e Coban estava morto.
Via Paikan olhar o corpo inerte, olhar Eléa, erguer Coban, carregá-lo, jogá-lo f
ora do ovo... Via e compreendia e sentia na sua cabeça o horrível sofrimento env
iado pela pele queimada de Paikan. Via Paikan descer os degraus, titubear até o
túmulo vazio e nele se estender. Viu a luz verde iluminar o ovo, e a porta come
çar lentamente a se abaixar enquanto que o anel suspenso aparecia sobre o solo t
ransparente. Viu Paikan, num último esforço, puxar sobre o seu rosto a máscara d
e metal.
Simon arrancou o círculo de ouro e gritou:
Eléa!
Moissov insultou-o em russo. Lebeau, inquieto, furioso, perguntou:
O que que lhe deu?
Ele não respondeu. Ele via...
Ele via a mão de Eléa, bela como uma flor, aberta como uma pássaro, pousar sobre
a máquina-de-comer...
Com o engaste de seu anel inclinado, a pirâmide de ouro deitada de lado, e a peq
uena cavidade retangular vazia. Lá, dentro daquele esconderijo, deveria se encon
trar o Grão Negro, o grão da morte. Não estava mais lá, Eléa o havia engolido, l
evando à sua boca as esférulas de alimento tiradas da máquina.
Ela havia engolido o Grão Negro para envenenar Coban, dando-lhe seu sangue enven
enado.
Mas era Paikan que ela estava prestes a matar.

Tu ainda podias ouvir. Podias saber. Não tinhas mais forças para manter tuas pál
pebras abertas, tuas têmporas se afundavam, teus dedos se tornavam brancos, tua
mão escorregava e caia da máquina-de-comer, mas ainda estavas presente e compree
ndias.
Eu teria podido gritar a verdade, gritar o nome de Paikan, terias sabido antes d
e morrer que ele estava perto de ti, que vocês morreriam juntos como sempre havi
am desejado. Mas que arrependimentos cruéis, quando vocês poderiam ter vivido! Q
ue horror de saber que no momento de acordar de um tal sonho, ele morria com o t
eu sangue que o poderia salvar...
Gritei teu nome e ia gritar: "É Paikan!", mas vi tua chave aberta, o suor das tu
as têmporas, a morte já pousada sobre ti, pousada sobre ele. A mão abominável da
infelicidade fechou-me a boca...
Se eu tivesse falado...
Se tivesse sabido que o homem perto de ti era Paikan, terias morrido num sobress
alto de desespero? Ou poderias ainda se salvar e a ele contigo? Não conhecias um
remédio, não poderias fabricar com teus toques milagrosos da máquina-de-comer u
m antídoto que teria rechaçado a morte para fora de vosso sangue comum, de vossa
s veias ligadas? Mas te restavam ainda bastantes forças? Podias tu somente olhá-
la?
Tudo isto, eu me perguntei em alguns instantes, num segundo tão breve e tão long
o quanto o longo sono do qual nós te tiramos. E depois enfim, gritei novamente.
Mas não disse o nome de Paikan. Gritei para esses homens que viam vocês dois mor
rer e que não sabiam por que e se afobavam. Gritei-lhes: "Vocês não vêem que ela
se envenenou!" E insultei-os, peguei o mais próximo, já nem sei mais quem era,
sacudi-o, bati-lhe, eles não haviam visto nada, tinham te deixado fazer aquilo,
eram imbecis, uns asnos pretensiosos, mas cretinos cegos...
E eles não me compreendiam. Respondiam-me cada um na sua língua, e eu não os com
preendia. Só Lebeau me havia compreendido e arrancava a agulha do braço de Coban
. E ele também gritava, mostrava com o dedo, dava ordens e os outros não compree
ndiam.
Ao redor de ti e Paikan, imóveis e em paz, era a loucura das vozes e dos gestos,
e o balé das blusas verdes, amarelas, azuis.
Cada um se dirigia a todos, gritava, mostrava, falava e não compreendia. Aquela
que compreendia tudo e que todos compreendiam não falava mais nos ouvidos. Babel
tinha caído novamente sobre nós. A tradutora acabara de explodir.

Moissov, vendo Lebeau arrancar a agulha do braço do homem, pensou que ele havia
enlouquecido ou que queria matá-lo. Segurou-lhe o pulso e bateu-lhe. Lebeau def
endeu-se gritando: "Veneno, veneno!"
Simon, mostrando a chave aberta, a boca de Eléa, dizia: "Veneno! Veneno!"
Forster compreendeu, gritou em inglês para Moissov, arrancando-lhe das mãos o ma
ltratado Lebeau. Zabrec cessou a transfusão. O sangue de Eléa parou de correr so
b os curativos de Paikan. Depois de alguns minutos de confusão total, a verdade
atravessou a barreira das línguas e de novo todas as atenções convergiram para o
mesmo fim: salvar Eléa, salvar aquele que todos, com exceção de Simon, ainda ac
reditavam ser Coban.
Mas eles já estavam muito longe na sua viagem, já quase no horizonte.
Simon pegou a mão nua de Eléa e colocou-a na mão do homem enfaixado. Os outros o
lhavam com espanto, porém ninguém dizia mais nada. A química analisava o sangue
envenenado.
De mãos dadas, Eléa e Paikan deram seus últimos passos. Os dois corações pararam
ao mesmo tempo.
Quando teve certeza de que Eléa não podia mais ouvi-lo, Simon mostrou com o dedo
o homem deitado e disse:
Paikan.
Foi nesse momento que as luzes se apagaram. O difusor tinha começado a falar em
francês. Ele havia dito: "A tra..." Calou-se. A tela de tevê que continuava a vi
giar o ovo fechou seu olho cinzento e todos os aparelhos que ronronavam, estalav
am, estremeciam, crepitavam, se calaram. A mil metros sob o gelo, a escuridão to
tal e o silêncio invadiram a sala. Os vivos, de pé, ficaram pregados nos lugares
. Para os dois seres deitados no meio deles, o silêncio e a escuridão não existi
am mais. Mas para os vivos, as trevas que os envolviam de repente na tumba profu
nda eram a espessura compreensível da morte. Cada um ouvia o barulho de seu próp
rio coração e da respiração dos outros, exclamações contidas, palavras cochichad
as, e acima de tudo a voz de Simon, que tinha se calado, mas que todos continuav
am a ouvir:
Paikan... Eléa e Paikan...
Sua história trágica tinha se prolongado até esse minuto, onde a fatalidade furi
osa os havia atingido pela segunda vez. A noite os havia reunido no fundo do túm
ulo de gelo e envolvia os vivos e os mortos, ligava-os num bloco de infelicidade
inevitável cujo peso ia afundá-los juntos até o fundo dos séculos e da terra.
A luz voltou, pálida, amarela palpitante, apagou-se de novo e reacendeu um pouco
mais viva. Eles se olharam, se reconheceram, respiraram, mas sabiam que não era
m mais os mesmos. Voltavam de uma viagem que quase não havia durado, mas todos,
agora, eram irmãos de Orfeu.
A tradutora explodiu! Toda EPI-2 está nos ares, o muro do hangar está aberto com
o uma avenida!
Era a voz de Brivaux que estava de guarda no alto do elevador.
A eletricidade pifou, a pilha deve ter sofrido um golpe. Eu os liguei no circuit
o do poço. Vocês fariam bem de subir o mais depressa possível! Mas não contem co
m o elevador, não tem bastante força, é preciso gastar os sapatos na escada. Ond
e é que vocês estão com os dois espécimes? Já podem ser transportados?
Os dois espécimes morreram respondeu Lebeau com a calma de um homem que acaba de
perder numa catástrofe sua mulher, seus filhos, sua fortuna e sua fé.
Merda! Depois de tanto trabalho! Bem, agora pensem em vocês! E se apressem antes
que a pilha comece a dançar a bourree*
Forster traduzia em inglês para aqueles que não tinham compreendido em francês.
Os que não compreenderam nem uma nem outra, compreenderam os gestos. E aqueles q
ue não compreenderam nada já tinham compreendido que precisavam sair do buraco.
Forster desligou definitivamente as minas de entrada. Já alguns técnicos subiam
em direção à abertura da esfera. Havia três enfermeiras, entre elas a assistente
de Lebeau que tinha cinquenta e três anos. As outras duas, mais jovens, chegari
am sem dúvida lá em cima.
Os médicos não se conformavam com a idéia de deixar Eléa e Paikan.
Moissov fez sinal dando a entender que poderiam amarrá-los nas costas, acrescent
ou algumas palavras num inglês horrível que Forster interpretou como querendo di
zer: "Cada um por sua vez."
Mil metros de escada. Dois mortos.
A pilha está fissurada! gritou o emissor. Está rachada, cospe e fuma por todo ca
nto! Nos retiramos numa confusão total! Apressem-se!
Desta vez, era a voz de Rochefoux.
Saindo do poço, dirijam-se para o sul, virem as costas ao lugar de EPI-2. O vent
o leva as radiações na outra direção. Helicópteros vão recolhê-los. Deixo uma eq
uipe aqui para esperá-los, mas se isso explodir antes e vocês saírem não se esqu
eçam: diretamente para o sul! Vou tratar dos outros. Andem depressa...
Van Houcke falou em holandês e ninguém o compreendeu. Então, repetiu em francês
que na sua opinião deveriam deixá-los lá. Estavam mortos, não se podia fazer mai
s nada por eles, nem deles. E encaminhou-se para a porta.
O mínimo que podemos fazer disse Simon é recolocá-los onde os encontramos...
Também acho disse Lebeau.
Explicou-se em inglês com Forster e Moissov, que concordaram.
Pegaram primeiro Paikan sobre seus ombros, e fizeram-no descer novamente o camin
ho por onde o haviam içado para as suas esperanças, e o colocaram no seu caixão.
Depois foi a vez de Eléa. Os quatro a carregaram, Lebeau, Forster, Moissov e Sim
on. Colocaram-na no outro caixão, perto do homem com o qual ela havia dormido du
rante novecentos mil anos sem o saber, e com quem ela havia, sem o saber, mergul
hado num novo sono que não teria fim.
No momento em que todo o seu peso descansou no caixão, um brilhante raio azul br
otou do solo transparente, invadiu o ovo e a esfera e atingiu os homens e as mul
heres agarrados às escadas. O anel suspenso recomeçou seu curso imóvel, o motor
recomeçou sua tarefa um instante interrompida: envolver com um frio mortal o far
do que lhe haviam confiado, e guardá-lo através do tempo interminável.
Rapidamente, pois o frio já os oprimia, Simon desamarrou em parte a cabeça de Pa
ikan, cortou e tirou as ataduras a fim de que seu rosto ficasse nu ao lado do ro
sto nu de Eléa.
* Dança rústica francesa. (N. do T.)
O rosto livre apareceu, muito belo. Quase não se percebiam mais suas queimaduras
. O soro universal trazido pelo sangue de Eléa tinha curado sua carne antes que
o veneno lhe tirasse a vida. Eles estavam incrivelmente belos e em paz. Uma névo
a gelada invadia o abrigo. Da sala de reanimação, chegaram pedaços da voz anasal
ada do difusor:
Alô!... Alô!... ainda alguém?... Apressem-se!...
Eles não podiam demorar mais. Simon saiu por último, subiu os degraus de costas,
apagou o projetor. Teve primeiro a impressão de uma escuridão profunda, depois
seus olhos se acostumaram à luz azul que banhava novamente o interior do ovo com
sua claridade noturna. Uma estreita faixa transparente começava a envolver os d
ois rostos nus, que brilhavam como duas estrelas. Simon saiu e fechou a porta.

Um verdadeiro carrossel tinha se estabelecido entre os porta-aviões, os submarin


os, as bases mais próximas e as costas de EPI. Sem cessar, os helicópteros pousa
vam, se enchiam e partiam outra vez. Um funil retalhado, sujo de todas espécies
de restos, brilhando de reflexos de gelo, marcava o lugar do EPI-2. Rolos de fum
aça subiam no vento enraivecido que os colhia no nível do chão e levava para o n
orte.
Pouco a pouco, todo o pessoal foi evacuado, e a equipe do poço saiu por sua vez
e foi toda recolhida. A enfermeira qüinquagenária foi das primeiras a chegar lá
em cima. Ela era magra e escalava os degraus como uma cabra.
Hoover e Leonova embarcaram com os reanimadores, no último vôo do último helicóp
tero. Hoover, de pé diante de uma escotilha apertava contra ele Leonova que trem
ia de desespero. Olhava com horror a base devastada e resmungava baixinho:
Que confusão, meu Deus, que confusão!...
Os sete membros da Comissão encarregados de redigir a Declaração do Homem Univer
sal encontravam-se embarcados sobre sete navios diferentes, e não tiveram mais o
casião de se encontrar. Não tinha mais ninguém em terra. No céu aviões prudentes
, em vôo muito alto, rodavam ao longe, conservando EPI-2 dentro do campo de suas
câmaras. O vento soprava novamente numa tempestade furiosa, mais forte a cada s
egundo. Varria os escombros da base, carregava os pedaços de qualquer coisa, mul
ticores, para os horizontes brancos, a distâncias desconhecidas.
A pilha explodiu.
As câmaras viram o cogumelo gigantesco carregado pelo vento, torcido, rasgado, e
stripado até o vermelho do seu sangue de inferno, carregado aos pedaços na direç
ão do oceano e das terras longínquas. A Nova Zelândia, a Austrália, todas as ilh
as do Pacífico se encontravam ameaçadas. E em primeiro lugar os prédios da Força
Internacional. Os aviões voltaram para bordo, os submarinos mergulharam, os nav
ios de superfície deram toda velocidade contra o vento.
A bordo do Netuno, Simon contou aos sábios e aos jornalistas que aí se encontrav
am, o que ele havia visto durante a transfusão, e como Paikan havia tomado o lug
ar de Coban.
Todas as mulheres do mundo choraram diante das telas. A família Vignont comia à
sua mesa de meia-lua olhando o cogumelo descabelado em serpentes como medusas qu
e marcava o fim da generosa aventura. A Sra. Vignont havia aberto uma grande lat
a de ravióli com molho de tomate, tinha-a aquecido em banho-maria e servido dent
ro da própria lata, porque assim se mantinha mais quente, dizia ela, mas na real
idade era porque assim andava mais depressa e não sujava prato.
Depois da explosão, apareceu a cabeça de um homem que assumiu um ar melancólico
para pronunciar palavras de condolências, e passou a outras notícias. Infelizmen
te, elas não eram boas. No front da Mandchúria esperavam... Na Malásia, uma nova
ofensiva... Em Berlim, a fome devida ao bloqueio... No Pacífico, as duas frotas
... No Kuwait, o incêndio dos poços... No Cabo os bombardeios da aviação negra..
. Na América do Sul... no Oriente Médio... Todos os governos faziam o impossível
para evitar o pior. Enviados especiais cruzavam os mediadores em todas as altit
udes, em todas as direções. Esperava-se, esperava-se muito. A mocidade se agitav
a um pouco em todos os lados. Não se sabia o que ela queria. Ela também não, é c
laro. Os estudantes, os jovens trabalhadores, os jovens camponeses, e os bandos
cada vez mais numerosos de jovens que não eram nada e não queriam ser nada se re
uniam, se misturavam, invadiam as ruas das capitais, paravam o trânsito, atacava
m a polícia, gritando: "Não! Não! Não! Não! Em todas as línguas isso se exprime
por uma pequena palavra explosiva, fácil de gritar. Todos eles a gritavam, sabia
m disso, sabiam que não queriam. Não se sabe exatamente quais foram o? que começ
aram a gritar o "não!" dos estudantes gondas: "Pao! Pao! Pao! Pao!" mas em pouca
s horas toda a mocidade do mundo gritava, diante de todos os policiais.
Pao! Pao! Pao! Pao!...
Em Pequim, em Tóquio, em Washington, em Moscou, em Praga, em Roma, na Argélia, n
o Cairo:
Pao! Pao! Pao! Pao!...
Esses moços, eu, eu os poria todos dando duro... disse o pai.
O governo se esforça... falou o rosto na tela.
O filho se levantou, pegou seu prato e atirou-o na imagem, gritando:
Velho burro! Vocês são todos uns velhos burros! Vocês os deixaram morrer com sua
s burrices!
O molho escorria sobre o vídeo inquebrável. O rosto triste falava por trás do mo
lho de tomate.
O pai e a mãe, surpresos, olhavam seu filho transfigurado. A filha não olhava pa
ra nada, não ouvia nada, estava toda ao redor do seu ventre que não parava de se
lembrar da noite precedente passada num hotel da Rua Monge.
com um espanhol magro. Todas essas palavras, essas palavras, será que adiantam a
lguma coisa?
Seu irmão gritava:
Voltaremos lá. Nós os salvaremos! Encontraremos o contraveneno. Eu, eu sou um id
iota, mas há os que saberão! Nós os tiraremos da morte! Não queremos saber da mo
rte! Não queremos a guerra! Não queremos as burrices de vocês!
Pão! Pão! Pão! Pão! gritava a rua cada vez mais alto.
E os apitos da polícia, os estouros abafados das bombas de gás lacrimogêneo.
Eu, eu sou um idiota, mas não sou burro!
As manifestações... continuava o rosto na tela.
Jogou em cima dele toda a lata de ravióli e saiu. Bateu a porta, gritando:
Pão! Pão!
Ouviram-no na escada, depois ele se confundiu com os outros.
Como este menino é bobo! gritou o pai.
Como é bonito! disse a mãe.
Rene Barjavel

Filho de um padeiro, René Barjavel foi o primeiro de sua família a não exercer u
ma profissão manual. Nascido em Nyons (Drome), França, em 1911, quando começou a
escrever, com menos de 20 anos, levantava-se às 4 da manhã para trabalhar em se
us textos, antes de ir para o escritório. Fazia então diálogos para filmes, adap
tações e crítica de cinema e teatro.
Casou-se em 1936 e nos três anos que se sucederam chegam os seus dois filhos e a
guerra.
Desmobilizado, em 1942, no ano seguinte lança seu primeiro romance: Ravage. Depo
is publica, sempre com sucesso: Tarendol (1949), Journal d'un homme simple (1950
), Jour de feu (1957), Le voyageur imprudent (1958), Le diable Vemporte (1959),
Colombe de la lune (1962) e outros.
Seu último livro, Les chetnins de Kathmandou, foi transformado em filme por Andr
é Cayatte, com diálogos do próprio Barjavel, que é também autor de um livro de e
nsaios sobre a Sétima Arte: Cinema total.