Você está na página 1de 47
Revista Ciência em Extensão Rev. Ciênc. Ext. Volume 3, suplemento, 2007 Pró-Reitoria de Extensão Universitária

Revista Ciência em Extensão

Rev. Ciênc. Ext. Volume 3, suplemento, 2007

em Extensão Rev. Ciênc. Ext. Volume 3, suplemento, 2007 Pró-Reitoria de Extensão Universitária - PROEX

Pró-Reitoria de Extensão Universitária - PROEX

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP

São Paulo, SP, Brasil

ISSN 1679-4605

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Revista Ciência em Extensão

ISSN 1679-4605

Editor-chefe: Eduardo Galhardo

Correspondência REVISTA CIÊNCIA EM EXTENSÃO Pró-Reitoria de Extensão Universitária – PROEX Universidade Estadual Paulista – UNESP

Rua Quirino de Andrade, 215 - 10º andar 01049-010 - São Paulo - SP Fone: (11) 5627-0264/0267

URL: www.unesp.br/proex/revista

e-mail: revexten@reitoria.unesp.br

Ficha Catalográfica Coordenadoria Geral de Bibliotecas – UNESP

Revista ciência em extensão / UNESP - Pró-Reitoria de Extensão Universitária. -- Vol. 3, suplemento (Jun./Dez. 2007). -- São Paulo : UNESP, 2007 -

Semestral Texto em português e inglês Vol. 1, no. 1, publicado também on line A partir do Vol. 1, no. 2; publicado somente on line em:

http://www.unesp.br/proex/revista

ISSN 1679-4605

1. Ciências humanas – Periódicos. 2. Ciências exatas – Periódicos. 3. Ciências biológicas – Periódicos. I. UNESP - Pró-Reitoria de Extensão Universitária.

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

UNESP

Reitor Prof. Dr. Marcos Macari

Vice-Reitor Prof. Dr. Herman Jacobus Cornelis Voorwald

Pró-Reitor de Administração Prof. Dr. Julio Cezar Durigan

Pró-Reitora de Extensão Universitária Profª. Drª. Maria Amélia Máximo de Araújo

Pró-Reitora de Graduação Profª Drª Sheila Zambello de Pinho

Pró-Reitora de Pós-Graduação Profª Drª Marilza Vieira Cunha Rudge

Pró-Reitor de Pesquisa Prof. Dr. José Arana Varela

Chefia de Gabinete Prof. Dr. Kléber Tomás Resende

Secretária Geral Profaª Drª Maria Dalva Silva Pagotto

Chefe da Assessoria de Comunicação e Imprensa Maurício Tuffani

Chefe da Assessoria de Informática Alberto Antonio de Sousa

Chefe da Assessoria Jurídica Dr. Edson Cesar dos Santos Cabral

Chefe interino da Assessoria de Planejamento e Orçamento Prof. Dr. Herman Jacobus Cornelis Voorwald

Chefe da Assessoria de Relações Externas Profª Drª Elisabeth Criscuolo Urbinati

Coordenadora da Coordenadoria Geral de Bibliotecas Margaret Alves Antunes

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

EXPEDIENTE

Conselho Editorial

Celso Socorro Oliveira (UNESP, FC, Bauru, SP, Brasil), Francisco José Carvalho Mazzeu (UNESP, FCL, Araraquara, SP, Brasil), Izildinha Maestá (UNESP, FMB, Botucatu, SP, Brasil), Loriza Lacerda de Almeida (UNESP, FAAC, Bauru, SP, Brasil), Lydia Bechara (MEC, Brasília, DF, Brasil), Lucia Guerra (UFPB, PRAC, João Pessoa, PB, Brasil), Maria José Queiroz de Freitas Alves (UNESP, IB, Botucatu, SP, Brasil), Mauro Mello Leonel Junior (UNESP, FFC, Marília, SP, Brasil), Newton Luiz Dias Filho (UNESP, FE, Ilha Solteira, SP, Brasil), Rebeca Di Nicolo (UNESP, FO, São José dos Campos, SP, Brasil), Sérgio Diniz Garcia (UNESP, FO, Araçatuba, SP, Brasil).

Editor chefe

Eduardo Galhardo (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil)

Corpo Técnico

Secretaria: Cristina Malcov (UNESP, Reitoria, São Paulo, SP, Brasil) Tradução para o espanhol: Éster Myriam Rojas Osório (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil) e Rosio Fernández Baça Salcedo (UNESP, FAAC, Bauru, SP, Brasil). Revisão de inglês: Alvaro Luiz Hattnher (UNESP, IBILCE, São José do Rio Preto, SP, Brasil), Maria do Rosário Gomes Lima da Silva (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil), Ramira Maria Siqueira da Silva Pires (UNESP, FCL, Araraquara, SP, Brasil) e Regiane Aparecida Santos Zacarias (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil). Revisão de português: Carlos Eduardo Mendes de Moraes (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil). Normalização bibliográfica: Maith Martins de Oliveira (UNESP, Bauru, SP, Brasil), Marluci Betini (UNESP, Botucatu, SP, Brasil), Silvana Aparecida Fagundes (UNESP, CGB-Reitoria, São Paulo, SP, Brasil), Terezinha Cristina Baldo Vernaschi (UNESP, CGB-Marília, Marília, SP, Brasil). Assessoria de Informática: Ângela de Jesus Amaral (UNESP, Reitoria, São Paulo, SP, Brasil). Jornalista Responsável: Dalva Aleixo Dias (UNESP, FAAC, Bauru, SP, Brasil)

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Corpo Editorial

Aloisio Costa Sampaio (UNESP, FC, Bauru, SP, Brasil); Alvaro Santos Simões Júnior (UNESP, FCL, Assis, SP, Brasil); Angela Cristina Cilense Zuanon (UNESP, FO, Araraquara, SP, Brasil); Antonio Lázaro Sant’Ana (UNESP, FE, Ilha Solteira, SP, Brasil); Aparecido Antonio Camacho (UNESP, FCAV, Jaboticabal, SP, Brasil); Célio Percinoto (UNESP, FO, Araraquara, SP, Brasil); Dionei Ramos (UNESP, FCT, Presidente Prudente, SP, Brasil); José Walter Cânoas (UNESP, FHDSS, Franca, SP, Brasil);Luciana Maria Lunardi Campos (UNESP, FHDSS, Franca, SP, Brasil); Luciano Guimarães (UNESP, FAAC, Bauru, SP, Brasil); Luis Antonio de A. Oliveira (UNESP, IQ, Araçatuba, SP, Brasil); Maria Augusta H. W. Ribeiro (UNESP, IB, Rio Claro, SP, Brasil); Maria Helena T. Costa de Barros (UNESP, FFC, Marília, SP, Brasil); Maria Jacira Silva Simões (UNESP, FCF, Araçatuba, SP, Brasil); Obede Borges de Faria (UNESP, FE, Bauru, SP, Brasil); Osmar de Carvalho Bueno (UNESP, FCA, Botucatu, SP, Brasil); Paulo Cesar de Almeida Raboni (UNESP, FCT, Presidente Prudente, SP, Brasil); Pompeu Fiqueiredo de Carvalho (UNESP, IGCE, Rio Claro, SP, Brasil); Tânia M. Vilela Salgado Lacaz (UNESP, FE, Guaratinguetá, SP, Brasil);Wellington Monteiro Machado (UNESP, FM, Botucatu, SP, Brasil).

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

 

SUMÁRIO

1. EDITORIAL

7

2. 4º Congresso de Extensão Universitária debate a violência

9

3. MÚSICA, TEATRO E DANÇA EXALTAM A PAZ

12

4. RESUMOS DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição Oral

17

Grande Área: Humanas

17

CENTRO JURÍDICO SOCIAL DA UNESP: AÇÃO INTERDISCIPLINAR E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

17

Grande Área: Exatas TECNOLOGIAS AGROECOLÓGICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR EM

18

COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS E SEU ENTORNO, NOS

MUNICÍPIOS DE APIAÍ, IPORANGA E ITAOCA, SP Grande Área: Biológicas A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROJETO QUALIDADE DE VIDA: DOIS ANOS APRENDENDO COM A INTERVENÇÃO

Grande Área: Biológicas A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROJETO QUALIDADE DE VIDA: DOIS ANOS APRENDENDO COM
Grande Área: Biológicas A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROJETO QUALIDADE DE VIDA: DOIS ANOS APRENDENDO COM

18

19

19

5. RESUMO S DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição de Painéis

20

Área Temática: Ciências Agrárias e Veterinárias

20

EXTENSÃO AGROECOLÓGICA PARA UM RURAL SUSTENTÁVEL

20

PROGRAMA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE CONTROLE DE PARASITOSES

EM ESCOLAS MUNICIPAIS DE ENSINO INFANTIL DE ARAÇATUBA, SP

21

Área Temática: Comunicação

22

ADAPTAÇÃO DE HISTORIAS POR MEIO DA COMUNICAÇÃO SUPLEMENTAR

22

A UNESP NAS ONDAS DO RÁDIO E O COMPROMISSO COM OS OUVINTES

E ALTERNATIVA PARA ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL

POR UMA SOCIEDADE DE PAZ

23

Área Temática: Cultura

24

AMIGOS DA LEITURA: ATUAÇÃO NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MARÍLIA POSSEIROS E PIONEIROS NAS FRONTEIRAS DO CAFÉ: A OCUPAÇÃO DA

24

TERRA NA FORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE OURINHOS

25

Área Temática: Direitos Humanos

26

ADOLESCÊNCIA EM QUESTÃO: UM TRABALHO DE PSICOLOGIA REALIZADO EM UM PROJETO SOCIAL

26

ALUNOS E PROJETOS DE EXTENSÃO: UMA INTEGRAÇÃO UNIVERSITÁRIA

NA COMUNIDADE

27

Área Temática: Educação

28

TRABALHANDO COM CIÊNCIAS: O USO DE OFICINAS PEDAGÓGICAS E FEIRA DE CIÊNCIAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

 

28

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

29

Área Temática: Espaços Construídos

30

CONTAÇÃO DE ESTÓRIAS - O RESGATE DO RE-CONVIVER: UMA EXPERIÊNCIA DA UNATI DE ILHA SOLTERIA

30

USINA DE SONHOS COM REALIDADE

31

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Meio Ambiente

32

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE: UM DIÁLOGO COM A COMUNIDADE

32

“ESPAÇO LIVRE” - REDE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (REA)

33

Área Temática: Política e Economia

34

DATALUTA – BANCO DE DADOS DA LUTA PELA TERRA

34

MAPEAMENTOS DA EXCLUSÃO SOCIAL PAR A O DIRECIONAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA AS DIVERSAS FORMAS DE VIOLÊNCIA EM PRESIDENTE PRUDENTE / SP

35

Área Temática: Saúde

36

RESGATANDO A CIDADANIA: “AÇÃO CONJUNTA DE UNIVERSITÁRIOS DA UNESP E COMUNIDADE NA BUSCA DA QUALIDADE EM SAÚDE, BIOPSICOSSOCIAL, MENTAL, ESPIRITUAL E ECOLÓGICA, E DO RESGATE DA CIDADANIA” A PRÁTICA DO ATLETISMO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA FCT/UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE FACILITANDO O ENSINO DE FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE VÁRIAS FERRAMENTAS DIDÁTICAS Área Temática: Tecnologia PARALISIA CEREBRAL E AS NOVAS TECNOLOGIAS: TRABALHANDO COM

36

37

38

39

POTENCIALIDADES

39

HIDROPONIA COMO ALTERNATIVA DE PRODUÇÃO DE ALIMENTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL NO SERTÃO ALAGOANO

40

Ár ea Temática: Trabalho

41

LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE: 6 ANOS DE DEDICAÇÃO À EXTENSÃO, AGREGANDO VALOR À PESQUISA E AO

ENSINO

41

PROGRAMA PARA ENFRENTAR O MERCADO DE TRABALHO (POMT)

42

6. NORMAS PROVISÓRIAS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS

43

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

1. EDITORIAL

A publicação do Suplemento da Revista Eletrônica Ciência em Extensão visa a divulgar amplamente o sucesso do 4º Congresso de Extensão Universitária, realizado em Águas de Lindóia, no período de 16 a 18 de outubro. O texto produzido pela Assessoria de Comunicação e Imprensa aborda os principais aspectos relacionados ao evento que recebeu 572 inscrições de trabalhos, superando todas as

expectativas da comissão organizadora. O referido sucesso foi resultado dos esforços

de toda a comunidade no desenvolvimento das atividades de Extensão Universitária,

que associadas ao Ensino e à Pesquisa alicerçam as atividades da Universidade Pública conforme estabelecido na Constituição Brasileira.

Incluímos o texto elaborado pelo Prof. Dr. Reynuncio Napoleão de Lima que magistralmente ilustra o conjunto das atividades e inserções culturais distribuídas nos três dias de realização do 4º Congresso de Extensão Universitária.

Foram apresentados 341 trabalhos distribuídos nas 11

áreas temáticas

(Ciências Agrárias e Veterinárias, Comunicação, Cultura, Direitos Humanos, Educação, Meio Ambiente, Saúde, Tecnologia, Trabalho, Espaços Construídos e, Política e

Economia)

sob

a

forma

de

painéis

e

9

trabalhos

foram

selecionados

para

apresentação

oral.

Destacamos

para

a

publicação

os

resumos

dos

trabalhos

premiados e que ilustram a amplitude das atividades extensionistas da UNESP.

Não podemos encerrar este editorial sem abordar os novos rumos da Revista Ciência em Extensão. Enviamos um comunicado para toda a equipe editorial

da revista em Novembro no qual agradecemos a atuação na Revista e reafirmamos o

convite para permanecerem na equipe. Dos atuais membros do Conselho Editorial, dos Professores que compõem o Corpo Editorial, dos Pareceristas Ad Hoc, dos Revisores de Inglês, Espanhol, Português, e dos membros do Corpo Técnico, aproximadamente uma dezena confirmou o interesse de prosseguir com os trabalhos.

Atualmente iniciamos a recomposição da equipe, ou seja, do Conselho Editorial, do Corpo Editorial e Corpo Técnico. O projeto de reformulação da Revista Ciência em Extensão da UNESP visa a estender as metas estabelecidas de valorização das atividades de Extensão na nossa Universidade. Para tanto adotamos

a plataforma Open Journal Systems (OJS), sistema que permite a completa

automatização e gerência do processo de publicação de periódicos científicos

eletrônicos. Como pode

ser visualizado no endereço

http://www.ibict.br/secao.php?cat=SEER“ O Sistema Eletrônico de Editoração de

Revistas (SEER) foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Knowledge

(http://pkp.sfu.ca/ojs/)

da Universidade British Columbia

Project

(Open

Journal

Systems)

Com o lançamento do SEER, o IBICT iniciou um novo ciclo, no âmbito da filosofia do Open Access, para a edição de publicações eletrônicas. O esforço, em última instância, visa ao repasse do software à comunidade de editores de publicações eletrônicas, subsidiando a melhoria do padrão editorial de publicações nacionais.”

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Dentre as diversas características desse sistema, destacamos: (1) gerenciamento remoto, ou seja, o usuário pode instalar e gerenciar o sistema de qualquer parte do planeta, através da Internet; (2) configuração de opções de trabalho, o sistema disponibiliza flexibilidade para administração de editores, manuseio de seções e dedicação aos processos de revisão; (3) submissão on-line, através da Internet é possível submeter artigos e gerenciar; (4) módulo de cadastro de usuários, o cadastramento de usuários (autores e leitores) é realizado livremente, sem qualquer necessidade de intervenção do administrador do sistema; (5) indexação do conteúdo, o sistema gera índices para os textos inclusos nas revistas a fim de facilitar os mecanismos de buscas; (6) notificações por e-mail, todos os usuários das revistas podem ser notificados por e-mail de qualquer ocorrência realizada nas mesmas; (7) ajuda on-line, o sistema possui diversas opções que fornecem auxílio para usuários do OJS.

Outro aspecto a ser mencionado refere-se à importância na adoção desse

tipo

(www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/826/945) e futuras ações visando a

qualificação crescente da Revista Ciência em Extensão da UNESP .

de

sistema

para

facilitar

o

processo

de

avaliação

Contamos com todos os Coordenadores de Projetos de Extensão e Docentes na submissão de seus trabalhos que dão sustentação a essa importante atividade fim da Universidade Pública, a Extensão Universitária, não dissociada das atividades de Ensino e Pesquisa. Cabe ressaltar que, em breve, serão divulgadas as novas normas de publicação tendo em vista a adoção deste inovador Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas.

Eduardo Galhardo

Editor Chefe

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

2. 4º Congresso de Extensão Universitária debate a violência

Daniel Patire – Assessoria de Comunicação e Imprensa

De 16 a 18 de outubro, a Pró-Reitoria de Extensão Universitária (PROEX) realizou o 4º Congresso de Extensão Universitária da UNESP, que teve por tema a “Violência:

Educação, Desigualdade e Direitos Humanos”. Com a participação de especialistas da Universidade e de instituições ligadas à segurança pública e aos Direitos Humanos, as diferentes formas de violência na sociedade brasileira e o papel da universidade pública para a reversão do quadro atual foram debatidos em mesas redondas.

reversão do quadro atual foram debatidos em mesas redondas. O encontro reuniu aproximadamente 700 participantes, entre

O encontro reuniu aproximadamente 700 participantes, entre convidados, docentes, servidores técnicos administrativos e alunos desta e de outras universidades. Na conferência de abertura, os presentes assistiram a delegada Luciane Cristina de Souza, do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, falar da necessidade de interação dos setores sociais para a prática de uma Cultura de Paz.

dos setores sociais para a prática de uma Cultura de Paz. Em quatro mesas-redondas, pesquisadores da

Em quatro mesas-redondas, pesquisadores da UNESP, membros das secretarias estaduais e integrantes de instituições de Segurança Pública apresentaram diferentes visões sobre a violência e as atitudes tomadas pelo poder público e pela universidade para combatê -la. Os caminhos e ações

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

apontados nas quatro mesas-redondas do evento serão compilados em um documento a ser encaminhado para entidades governamentais e da sociedade civil. Esse relatório poderá auxiliar na formulação de políticas públicas e também orientar projetos das Instituições de Ensino Superior com impacto social, segundo a pró-reitora.

Na primeira mesa, o coronel da Polícia Militar Raugeston Benedito Bizarria Dias e o professor José Fernando Siqueira da Silva, da Faculdade de História, Direito e Serviço Social (FHDSS), câmpus de Franca, debateram a formação dos agentes de segurança pública e a necessidade de aproximação desses agentes com a sociedade. Os Direitos Humanos e o acesso à Justiça foram discutidos pelo filósofo Clodoaldo Cardoso, professor da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Social (FAAC), câmpus de Bauru, e pelo secretário adjunto de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo Izaias José de Santana.

Cidadania do Estado de São Paulo Izaias José de Santana. As professoras Margarita Rosa Gaviria Mejia,

As professoras Margarita Rosa Gaviria Mejia, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e Sueli Andruccioli Felix, da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), câmpus de Marília, apresentaram exemplos de ações e políticas públicas adotadas nas cidades de Bogotá e Marília para o combate a violência. Enquanto, Marisa Feffermann, do Instituto de Saúde da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, e Augusto Caccia Bava, da Faculdade de Ciências e Letras (FCL), câmpus de Araraquara, falaram sobre políticas públicas voltadas para a promoção da qualidade de vida da população.

Minicursos

Com sete minicursos, o evento proporcionou aos participantes a possibilidade de entrar em contato com temas que tratavam desde educação até fontes de energia. A antropóloga da educação Sueli Aparecida Itman

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Monteiro, da FCL, de Araraquara trabalhou o tema “Violência, grupos de adolescentes e instituição escolar”. A evolução dos projetos de Extensão Universitária foi tratada pelo professor Edison José Correa, da Universidade Federal de Minas Gerais, no minicurso “A Relevância da Contribuição da Extensão nas Políticas Públicas”.

Outros cursos ofereceram ferramentas pedagógicas diversas para seus participantes, como o do professor Marcos Américo, da FAAC – Campus de Bauru, que falou da Alfabetização Audiovisual. A professora Márcia Reami Pechula, do Instituto de Biociências (IB), câmpus de Rio Claro, tratou dos “Apontamentos sobre o uso de veículos de divulgação científica em sala de aula”. Enquanto, que o professor Samuel de Souza Neto, do mesmo câmpus, fez uma apresentação com o tema “A fraternidade como prática pedagógica:

perspectivas de uma Educação pela paz”.

A questão do meio ambiente foi tratada no minicurso do professor Dionízio Paschoareli Júnior, da Faculdade de Engenharia (FE), de Ilha Solteira, que tratou de fontes renováveis de energia. Por sua vez, a psicóloga Nilma Renildes da Silva, da Faculdade de Ciências (FC), câmpus de Bauru, discutiu a violência contra a criança.

Apresentação dos trabalhos

Entre as apresentações, nove trabalhos de extensão foram expostos de forma oral, divididos nas três grandes áreas do conhecimento – Biológicas, Exatas e Humanas. Ao todo, foram apresentados 350 projetos, enquanto 341 foram expostos em painéis e separados em 11 áreas temáticas, tendo sido selecionados num universo de 572 inscritos. Para fazer a seleção, a Comissão Científica do evento utilizou critérios como o impacto na comunidade, articulação ao ensino e à pesquisa e apresentação formal.

ao ensino e à pesquisa e apresentação formal. Rev. Ciênc. Ext. v.3, Suplemento – 4º Congresso

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Em cada uma das áreas, um projeto foi premiado com o valor de R$ 1.000,00 (hum mil reais), oferecidos pelo Banco Santander. Nos projetos em painéis, os trabalhos classificados em segundo lugar receberam o KIT PROEX, composto por mochila, camiseta, livros.

Para

conhecer

PROEX, composto por mochila, camiseta, livros. Para conhecer os trabalhos premiados, acesse a página:

os trabalhos premiados, acesse a página:

http://www.unesp.br/proex/congressos/4congresso/4congresso.php

Atividades Culturais Os presentes no 4º Congresso de Extensão Universitária participaram e assistiram, além das atividades acadêmicas, a eventos culturais. Na cerimônia de abertura, o grupo de samba Demônios da Garoa tocou canções de seu repertório e outros sucessos populares. O show teve o apoio da VUNESP (Fundação para o

Vestibular da UNESP).

o apoio da VUNESP (Fundação para o Vestibular da UNESP). 3. MÚSICA, TEATRO E DANÇA EXALTAM

3. MÚSICA, TEATRO E DANÇA EXALTAM A PAZ

Reynuncio Napoleão de Lima

O Programa de Atividades Culturais da PROEX dedicou especial atenção ao 4° Congresso de Extensão Universitária da UNESP para configurar um amplo painel do tema oportuno que a Universidade discute: a violência que se alastra no país e no mundo. O procurou lançar uma luz nova, ainda que tênue, sobre esse terror obscuro e irracional que nos inquieta continuamente.

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Palestras, mesas redondas e eventos artísticos articularam-se para provocar novas consciências e reativar mentes cansadas, adormecidas ou acovardadas, apontando com o dedo as fraturas já reiteradamente expostas: a desigualdade social, o desrespeito aos direitos humanos, a fome, a miséria, o desemprego, o analfabetismo, o individualismo dos privilegiados, o enriquecimento à custa do trabalho dos outros, a ne urose do lucro, a dominação econômica, política e cultural.

Desta feita, neste 4° Congresso, a inquietação dos participantes mostra-se objetiva e corajosa em busca de soluções que primeiro desvendem as contradições básicas, sóciopolíticas e econômicas de nosso país periférico

no jogo feroz e enganoso da globalização. Tolices são ditas (e logo ignoradas) no jogo democrático. Aos jovens congressistas é dada a possibilidade de visualizar esse ambiente sombrio de mentiras, subornos, corrupção, drogas, execuções, atentados e prepotência; e de perceber a necessidade imperiosa de se “tomar armas contra esse mar de aborrecimentos”, abandonar a apatia e se engajar nos confrontos que nos levarão a uma cultura de paz, de respeito à alteridade, às diferenças. “There is still time, brother!” Nessa perspectiva, a Coordenação do Programa de Atividades Culturais - PAC programou a

do Programa de Atividades Culturais - PAC programou a inserção de eventos artísticos que, de

inserção

de

eventos

artísticos

que,

de

súbito,

acontecem

no

meio

de

coffee breaks e intervalos,

entre

palestras

comunicações

de

um

compromisso

com

a

superação

e

reveladoras

ético

das

mazelas do país. É assim que um modesto conjunto de músicos invade o salão de almoço, tocando A banda, de Chico Buarque, evocando momentos de devaneio, lirismo e arte que se alternam com os de dor, solidão e violência, em busca daquele delicado equilíbrio possam persistir na construção efetiva da paz social. E o jovem da clarineta convida a todos para cantar com seu grupo

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

sucessos populares dos idos de 1960 que denunciaram mentiras seculares de dominação. Avisaram que “o dia da igualdade está chegando,” seu “doutor” e “a dor do nosso tempo é o caminho para o amanhã que em teus olhos se anuncia,

apesar de tanta sombra, apesar de tanto medo”. No fim de tarde, vozes muito jovens somam- se a outras, mais roucas e cansadas, louvando a mesma esperança de justiça que vitalizou aqueles outros moços sonhadores, agora grisalhos e emocionados. Na noite de abertura, o tom solene das falas é sucedido por sons de teclados, violões, tambores e vozes diabolicamente afinadas. Exemplos históricos da MPB fazem vibrar os corpos, primeiro timidamente, alguns cantarolam baixinho sem sair do lugar; duas funcionárias, talentos de samba no pé, extrovertem- se em gingas graciosas. Este coordenador, desajeitado, mas não “travado”, incita-as e aos alunos a evoluírem no espaço entre platéia e palco. Neste, o brilho e a animação dos abençoados Demônios da Garoa. Vivos e mortos são homenageados: Chico e Noel, Pixinguinha e

animação dos abençoados Demônios da Garoa. Vivos e mortos são homenageados: Chico e Noel, Pixinguinha e
animação dos abençoados Demônios da Garoa. Vivos e mortos são homenageados: Chico e Noel, Pixinguinha e
animação dos abençoados Demônios da Garoa. Vivos e mortos são homenageados: Chico e Noel, Pixinguinha e

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Caetano, Adoniram e Gil, Tom e Martinho, Cartola e Paulinho, Vinícius e

Nelson Cavaquinho, Gonzagão e Gonzaguinha etc, etc, etc

vida teria que ser bem melhor; e será. Mas isso não impede que eu repita: é bonita, é bonita e é bonita Uma euforia contagiante sacoleja moços e menos moços por mais de 80 minutos de puro entusiasmo. Indescritível, demoníaco! Garoa da boa Paulista Dia seguinte, coffee break vespertino. Três jovens atrizes invadem o ambiente, vociferando versos satânicos do gênio Baudelaire, expressão maior da crise existencial do século XIX, das violências

“Eu sei que a

existencial do século XIX, das violências “Eu sei que a do progresso acelerado/celerado, avanço tecnológico, novas

do

progresso

acelerado/celerado, avanço tecnológico, novas máquinas da industrialização e dos transportes, metrópoles entupidas de gente e lixo, derrocada de hipocrisias e valores apodrecidos, desconcertante confusão espiritual, intelectual e filosófica, mundo caótico em transformação, barulhento, enlouquecido, das “fés perdidas”. Satanismo e arte reagem à violência dos tempos. Dia seguinte, antes do almoço, um violonista, uma flautista e um pandeirista brindam os congressistas com chorinhos imortais que são retomados à tarde: um suave encontro de vozes hesitantes e instrumentos bem tocados. São bolsistas da PROEX que dão testemunhos de sua dedicação aos estudos e à comunidade ali presente. Um mestre de violão dá uma “palhinha” com categoria de duas décadas de profissão

“palhinha” com categoria de duas décadas de profissão Rev. Ciênc. Ext. v.3, Suplemento – 4º Congresso

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Eis que na manhã de quarta -feira, o coffee break é interrompido por um rapazinho estranho que desveste seu roupão e mostra-se de calção de banho, sobre um cubo de raia de uma piscina imaginária. É um nadador que narra passagens de sua vida e braceja,

braceja

Relembra

que narra passagens de sua vida e braceja, braceja Relembra seus esforços, afogamentos, humilhações para tornar-se

seus

esforços, afogamentos, humilhações para tornar-se um vitorioso por pressão de um pai que o espanca. Em cena, a violência doméstica em nome do sucesso esportivo. À tarde, o espaço do lanche é agitado por personagens emblemáticos que circulam entre mesas, corredores e convivas. Encena-se “O espelho”, tentativa de se compreender o mistério da própria identidade, da alteridade, da dialética violenta que rege a competição entre bípedes, ditos humanos. A aspiração por uma convivência sem agressões se expressa em imagens simbólicas, poéticas, patéticas, grotescas do cotidiano. Por fim, na manhã de quinta -feira, uma moça, um rio claro de orientações delicadas, sugere passos de danças coletivas e circulares a congressistas de todas as idades. Eles evoluem graciosos, habilidosos, trôpegos, desengonçados, patéticos e ridículos. E, por isso mesmo, belos e generosos, pelo espetáculo que oferecem para deleite dos glutões do coffee break. Encerram-se assim as inserções culturais do Congresso que reforçam, com os pés no chão e a visão clara e realista, a resistência aos abusos e a esperança de paz que desde já constroem o futuro.

e a visão clara e realista, a resistência aos abusos e a esperança de paz que

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

ISSN 1679-4605 Revista Ciência em Extensão 4. RESUMOS DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição Oral Grande Área:

4. RESUMOS DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição Oral Grande Área: Humanas

CENTRO JURÍDICO SOCIAL DA UNESP: AÇÃO INTERDISCIPLINAR E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1

Apresentadora: Nayara Hakime Dutra Oliveira

Nayara Hakime Dutra Oliveira * Rosenete Gonçalves Rosa* Tatiana Machiavelli Carmo Souza*

Introdução: O Centro Jurídico Social é uma Unidade Auxiliar do campus de Franca, que se constitui em um espaço de extensão universitária, e num campo de estágio profissional dos cursos de Direito e Serviço Social.

Objetivos: O Serviço Social tem o papel de contribuir para a identificação dos fatores sociais, culturais e econômicos de uma dada realidade, integrando a equipe para uma intervenção conjunta. Através do atendimento à população que não possui recursos financeiros para arcar com as despesas de um processo judicial, busca atender as manifestações da questão social.

Métodos: A ação desenvolvida pauta-se num trabalho integrado, oferecendo aos estagiários a oportunidade de sistematizarem os conhecimentos técnico-científicos apreendidos na graduação mediante sua intervenção direta no campo de estágio. A busca da reflexão-ação- reflexão tem a finalidade de contribuir para que a população usuária tenha conhecimento de seus direitos e deveres, sensibilizando-os enquanto sujeitos do seu processo político, econômico, social e jurídico. Este contexto permite aos estagiários tanto uma capacitação para as diferentes ações interventivas, quanto uma experiência com a interdisciplinaridade. O momento da supervisão direta através de encontros sistemáticos entre supervisor/estagiário, proporciona a discussão dos procedimentos técnicos interventivos e sua inserção no campo de estágio. Quanto à supervisão grupal, são discutidos temas de interesse comum relacionados ao cotidiano da prática profissional. As reuniões mensais com todos os estagiários de Serviço Social, torna possível um grupo de estudos que objetiva atender às necessidades apresentadas pelos estagiários, quanto às questões teóricas e metodológicas da ação interventiva e o seu rebatimento na prática. As reuniões interdisciplinares constituem espaços de encontro e reflexão conjuntos sobre as questões relativas ao campo de estágio, são realizados estudos grupais de interesse dos estagiários, assim como colocadas questões práticas do cotidiano dos mesmos e a inserção-interação deles no estágio. O desafio da atuação do Serviço Social nesta área específica está na busca da efetivação do projeto ético- político profissional, assim como na consolidação de uma ação propositiva e executiva diante das problemáticas que são apresentadas no cotidiano da ação profissional.

Resultados: Formação Profissional de Estagiários de Direito e Serviço Social e atendimento sociojurídico à comunidade desde o ano de sua criação - 1990.

1 Endereço eletrônico para contato: nayarahakime@hotmail.com * Faculdade de História, Direito e Serviço Social, UNESP, Franca

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Grande Área: Exatas

TECNOLOGIAS AGROECOLÓGICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR EM COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS E SEU ENTORNO, NOS MUNICÍPIOS DE APIAÍ, IPORANGA E ITAOCA, SP 2

Apresentadora: Monique Medeiros

Lin C. Ming * Monique Medeiros Marina G. Fischer * Patricia J. Nunes * Alan C. da Silva * Piero F.C. de Oliveira Lucas P. e Lima * Ceres L. Soutto Fernando Soriana * Rodrigo T. Lourenço

*

*

*

*

Introdução: No Estado de São Paulo a região sul representa um dos poucos remanescentes

de floresta pluvial Atlântica, onde se encontram populações antigas e de diferentes origens

étnicas, colocadas em diferentes momentos históricos. Esta região conhecida como vale do Ribeira possui enorme diversidade cultural, biológica e social.

Objetivos: Na busca de uma solução para o uso sustentável dos recursos naturais e

preservação da cultura étnica e social buscou-se realizar um trabalho que produzisse o máximo

de conhecimento científico e técnico para os membros das comunidades envolvidas, baseado

em metodologias participativas na valorização do conhecimento tradicional, princípios de agroecologia e manejo sustentável dos recursos naturais a partir das demandas locais, contribuindo para o fortalecimento da agricultura familiar e organização de suas comunidades.

Métodos: Foi adotada uma metodologia que permitisse responder aos desafios da extensão rural convencional e que envolvesse a participação de todo o público alvo do projeto. Essas metodologias permitem que comunidade tome para si os caminhos do desenvolvimento, fortalecendo a capacidade de auto-gestão.

Resultados: Com este projeto está se obtendo um diagnóstico amplo da agricultura familiar da região,produção e difusão de conhecimento técnico adequado às demandas locais, desenvolvimento experimental de unidades demonstrativas dessas principais demandas, estímulos para produção sustentável de alimentos mais saudáveis através de modelos agroecológicos, fortalecimento das relações entre as comunidades e órgãos governamentais e não-governamentais, na busca de soluções mais eficientes para os problemas dos agricultores

se

desenvolvendo em três etapas: Preliminar, com diagnósticos e reuniões de planejamento, na busca de se identificar as demandas das comunidades, Atividades participativas de campo, com visitas e assistência técnica às propriedades onde foram realizados os diagnósticos, Avaliação com reuniões e consolidação das ações comunitárias, para ajustar o projeto para um posterior trabalho e grupo entre agricultores, técnicos e gestores da região, no sentido de fortalecer elos indispensáveis para o desenvolvimento da agricultura e conservação dos recursos naturais da região.

e valorização

dos

recursos

naturais

e

conhecimento

tradicional.

O

projeto

está

2 Endereço eletrônico para contato: mgfischer@fca.unesp.br * Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Botucatu

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Grande Área: Biológicas

A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROJETO QUALIDADE DE VIDA: DOIS ANOS APRENDENDO COM A INTERVENÇÃO 3

Apresentador: Rafael Martins Andrade

Rafael Martins Andrade * Luana Urbano Pagan * Natália Paulo Vieira Henrique Luiz Monteiro Sandra Lia do Amaral *

*

*

Introdução: Nos últimos anos, devido à industrialização e ao sedentarismo, os fatores de risco das doenças arteriais coronarianas vêm aumentando. Dentre eles podemos citar obesidade, hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia. A Hipertensão Arterial é uma doença multifatorial e assintomática, sendo caracterizada pela manutenção de níveis elevados de pressão arterial, o que contribui para aumentar a morbidade e mortalidade cardiovascular. Funcionários da área

da saúde, submetidos a ritmos intensos de trabalho, geralmente apresentam altas taxas de

fatores de risco para doenças cardiovasculares. O exercício, por sua vez, tem sido considerado uma das principais formas de tratamento não-farmacológico dessa patologia. Com esse intuito, o “Projeto Qualidade de Vida (PQV)” surgiu como uma parceria entre a Divisão Regional de Saúde de Bauru (DIR-X) e o Depto. de Educação Física da Unesp/Bauru. O projeto foi implantado para avaliar os fatores de risco desta população e proporcionar uma mudança de estilo de vida por meio de exercícios regulares.

Objetivos: Investigar os efeitos benéficos do exercício físico orientado no controle dos níveis pressóricos dos participantes do PQV.

Métodos: Indivíduos de ambos os sexos (30 a 70 anos), foram submetidos a diversos

procedimentos que incluíam: anamnese, avaliação da condição sócio-econômica, escolaridade

e risco coronariano, avaliações antropométricas, hemodinâmicas e funcionais (teste

ergométrico), que foram realizados no Laboratório de Avaliação e Prescrição de Exercício (LAPE). Após os testes foram realizadas prescrições individualizadas, de acordo com a condição física. As aulas ocorreram nas dependências do Departamento de Educação Física, Unesp/Bauru, com 3 sessões semanais de 90 minutos cada.

Resultados: Dentre os resultados mais significativos do PQV, destaca-se o de uma aluna de 49 anos, hipertensa há 8 anos, que faz uso de uma combinação de 3 fármacos antihipertensivos. Após 2 meses de freqüência ao programa de exercícios, a aluna apresentou uma queda de 30 mmHg na pressão arterial sistólica de repouso (de 140 para 110 mmHg, 21%) e de 14 mmHg na pressão arterial diastólica (de 96 para 82 mmHg, 15%). Mediante estas reduções pressóricas houve indicativo de redução de dosagem de seu medicamento em 50% pelo cardiologista. Estes resultados demonstram a grande eficiência do exercício físico como coadjuvante ao tratamento farmacológico da hipertensão. Importante ressaltar que a integração médico e educador físico pode resultar em importante parceria para o controle e tratamento da hipertensão arterial.

3 Endereço eletrônico para contato: rafamandrade@hotmail.com * Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

ISSN 1679-4605 Revista Ciência em Extensão 5. RESUMOS DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição de Painéis Área

5. RESUMOS DOS TRABALHOS PREMIADOS – Exposição de Painéis

Área Temática: Ciências Agrárias e Veterinárias - 1º lugar

EXTENSÃO AGROECOLÓGICA PARA UM RURAL SUSTENTÁVEL 4

Apresentadora: Maristela Simões do Carmo

*

Maristela Simões do Carmo Mauro Sérgio Vianello Pinto Valeria Comitre ** Andréa Eloísa Bueno Pimentel *

*

Introdução: O desenvolvimento da agricultura brasileira não garantiu a exclusão da fome e da miséria da maioria da população rural. Ao contrário, acentuou a pobreza, a desnutrição, a degradação da base dos recursos naturais e a perda da qualidade de vida no meio rural. É premente, pois, a necessidade da inserção da racionalidade ecológica na produção agropecuária, e da reforma agrária, para minimizar o quadro de crise sócio-ambiental que se abate no rural contemporâneo brasileiro.

Objetivos: Procurar as formas de inserção da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA/UNESP) com o Programa de Residência Agrária (PNATER) do Ministério do Desenvolvimento Agrário, etapa Estágio de Vivência, para estabelecer a interligação entre a política de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) e os fundamentos da agroecologia, enquanto suporte teórico para as agriculturas familiares de base ecológica e os processos participativos, que conduzam à construção de um novo modelo de desenvolvimento para o rural brasileiro.

Métodos: O estágio foi realizado de agosto a outubro de 2006, com treze estudantes- estagiários (recém formados) que foram capacitados com cursos e oficinas, interagiram com agricultores na vivência propriamente dita (assentamentos Pirituba, Zumbi dos Palmares e Santo Antônio, 623 famílias), participaram de congressos e seminários, e elaboraram o Relatório Final do Estágio, consolidando a proposta do Plano de Trabalho a ser executado na etapa de Especialização e Extensão Agroecológica.

Resultados: O principal resultado consistiu na capacitação propriamente dita dos estudantes- estagiários, integrando a FCA com o PNATER. Além disso, os ganhos dessa capacitação superaram as expectativas iniciais de preparar o estudante para atuar como extensionista agroecológico ao mostrar-lhe as várias facetas da realidade dos assentamentos rurais e do desenvolvimento rural como um todo, e permitir um aprofundamento do relacionamento com a comunidade local. No entanto, percebeu-se que, se o Programa abre uma grande expectativa para os estudantes e assentados, também precisa ser fortalecido institucionalmente, no MDA, INCRA, Instituições de Ensino Superior (IES), Movimentos Sociais e outros Órgãos da Administração Direta do Estado, para promover sua consolidação enquanto política pública, incentivando sua ampliação e difusão para outras regiões e IES ainda não participantes.

4 Endereço eletrônico para contato: stella@fca.unesp.br
*

Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Botucatu ** Gabinete do Coordenador, APTA, Campinas

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Ciências Agrárias e Veterinárias - 2º lugar

PROGRAMA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE CONTROLE DE PARASITOSES EM ESCOLAS MUNICIPAIS DE ENSINO INFANTIL DE ARAÇATUBA, SP 5

Apresentadora: Talita Mariana Morata Raposo

*

Talita Mariana Morata Raposo Jaqueline Del Vale da Silva Silvia Helena Venturoli Perri * Caris Maroni Nunes * Carlos Noriyuki Kaneto * Katia Denise Saraiva Brescian *

*

Introdução: Na infância a criança possui maior facilidade de aprendizado e assimilação de informações. Particularmente nesta fase da vida, torna-se importante transmitir conhecimento a respeito da prevenção de enfermidades parasitárias sob o ponto de vista de saúde pública. Em relação as professoras, como educadoras, têm a responsabilidade de consolidar noções sobre o controle de parasitoses, particularmente as de potencial zoonótico.

Objetivos: Conscientizar crianças e professores quanto os meios de profilaxia e controle de parasitoses.

Métodos: Palestras de curta duração têm sido ministradas a alunos e professores de Escolas Municipais de Ensino Infantil (EMEI',s) de Araçatuba. O conteúdo condizente à leishmaniose foi exposto na forma de cartazes ilustrativos, contendo uma estória, já o assunto verminoses foi apresentado na forma de teatro de fantoches. Os temas abordados referem-se às principais enfermidades parasitárias de caráter zoonótico, como Toxoplasmose, Toxocaríase (Larva Migrans Visceral), Ancilostomatíase (Larva Migrans Cutânea) e a Leishmaniose, atingindo como público alvo alunos entre três e seis anos e seus respectivos professores.

Resultados: Até o momento foram visitadas 17 das 30 instituições existentes na cidade, beneficiando 500 alunos e 25 professores, os quais têm mostrado bastante interesse durante as apresentações. Este projeto, em continuidade, foi iniciado em fevereiro de 2003 e será concluído em dezembro de 2007.

5 Endereço eletrônico para contato: talita_raposo@yahoo.com.br * Faculdade de Odontologia, UNESP, Araçatuba

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Comunicação - 1º lugar

ADAPTAÇÃO DE HISTORIAS POR MEIO DA COMUNICAÇÃO SUPLEMENTAR E ALTERNATIVA PARA ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL 6

Apresentadora: Adriana Ponsoni

Adriana Ponsoni * Fabiana Sayuri Shameshima ** Débora Deliberato

***

Introdução: A literatura tem demonstrado que o conto e reconto de histórias proporcionam o desenvolvimento da narrativa, aumento do repertório lexical e estruturação sintática. O recurso de comunicação Suplementar e Alternativa tem sido utilizado com crianças deficientes que apresentam severos distúrbios da comunicação como facilitador dos processos de aquisição e desenvolvimento da linguagem, como por exemplo, durante as atividades de histórias.

Objetivos: Utilizar o recurso de Comunicação Suplementar e Alternativa como facilitador para aquisição e ampliação de vocabulário e da estruturação frasal de crianças com paralisia cerebral.

Métodos: Participaram deste estudo duas crianças com paralisia cerebral e comprometimento da linguagem oral, sendo uma do gênero feminino com 8 anos e um do gênero masculino com 11 anos, que recebem atendimento na área de fonoaudiologia do Setor de Comunicação Alternativa de uma Unidade Auxiliar. Foram adaptadas duas histórias com figuras do programa Boardmaker-Picture Communication Symbols (PCS). As responsáveis pelos atendimentos realizaram a contagem das histórias com o livro e as figuras do PCS e em seguida a história era recontada pelas crianças com o apoio do recurso de comunicação suplementar e alternativa. Para recontar as histórias, as crianças colavam as figuras em uma placa de eucatéx e as terapeutas auxiliavam tanto no reconhecimento das figuras como na organização da estrutura sintática. Essas atividades foram filmadas e posteriormente analisadas.

Resultados: Foi possível observar por meio da análise das filmagens que durante o reconto da primeira história as crianças necessitaram a todo o momento da intervenção das terapeutas para auxiliar na organização das frases, o que não foi observado na segunda história, em que ocorreu menos intervenção das terapeutas. Também foi observado o aumento do repertório lexical, visto que o conteúdo de algumas figuras foi utilizado em outros contextos que não faziam parte da atividade. Na estratégia do reconto, as crianças utilizaram além das figuras do programa utilizado outras formas de expressão como gestos representativos, expressões faciais, risos, fala e emissão de sons ininteligíveis. O recurso de comunicação suplementar e alternativa foi um recurso importante no processo de interação dos alunos deficientes, favorecendo tanto a linguagem expressiva quanto a linguagem receptiva, permitindo aos alunos deficientes não-falantes demonstrarem seus potencias e suas habilidades.

6 Endereços eletrônicos para contato: driponsoni@hotmail.com; delibera@marilia.unesp.br
*

**

Programa de Aprimoramento Profissional, UNESP, Marília Programa de Pós-Graduação em Educação, UNESP, Marília Departamento de Educação Especial, UNESP, Marília

***

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Comunicação - 2º lugar

A UNESP NAS ONDAS DO RÁDIO E O COMPROMISSO COM OS OUVINTES POR UMA SOCIEDADE DE PAZ 7

Apresentadora: Natália Regiane Dourado Leme

*

Natália Regiane Dourado Leme

Introdução: No projeto de extensão universitária, a unesp nas ondas do rádio, cada uma das seis áreas do departamento: alemão, espanhol, francês, inglês, italiano e japonês, apresentam programas radiofônicos com duração de trinta minutos através de rádios da cidade e região.

Objetivos: Os programas produzidos são de caráter informativos da atualidade, sem deixar de lado o entretenimento e a valorização das culturas, línguas e literaturas.

Métodos: Semanalmente são produzidos programas temáticos quer formam um conjunto significativo, onde tudo é transmitido de maneira consistente e atraente, proporcionando ao ouvinte uma ampla idéia do que cada língua oferece.

Resultados: Com esse projeto, abre-se à comunidade um leque de informações sociais e culturais, fazendo-os ter uma visão crítica maior sobre o mundo.

7 Endereço eletrônico para contato: nrdlunesp@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Assis

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Cultura - 1º lugar

AMIGOS DA LEITURA: ATUAÇÃO NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MARÍLIA 8

Apresentador: Rodrigo Barbosa de Paulo

Rodrigo Barbosa de Paulo * Elisabete Novaes de Souza * Valquíria de Cássia Tavares *

Introdução: O projeto Amigos da Leitura é desenvolvido desde 1999 como uma atividade do grupo de pesquisa Novas Tecnologias da Informação – FFC/UNESP. Inicialmente planejado para ser desenvolvido junto a um time de futebol de adolescentes no Bairro Jardim Bandeirantes, em seguida foi transferido para uma escola estadual no mesmo bairro. No ano de 2002 inicia as atividades no Hospital Materno Infantil, e hoje todo o desenvolvimento do projeto está voltado para o incentivo à leitura no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Marília.

Objetivos: O projeto objetiva apresentar os trabalhos de alunos da graduação em Biblioteconomia com crianças de 3 a 12 anos internadas nas alas da Pediatra, Oncologia e Unidade de Terapia de Queimados no desenvolvimento do ato de ler, como forma de estabelecer o contato do livro com as crianças hospitalizadas.

Métodos: As atividades são planejadas mensalmente em reuniões entre coordenadores e voluntários para definição de autores específicos e das atividades voltadas ao incentivo à leitura, de acordo com as diferentes faixas etárias e diferentes habilidades cognitivas com o intuito de resgatar a criatividade e aproximar a criança da leitura e do hábito de utilizar os livros de modo prazeroso. Os livros usados no desenvolvimento das atividades são selecionados entre os disponíveis na Brinquedoteca do hospital, a Biblioteca da Faculdade de Filosofia e Ciências e a Biblioteca Municipal de Marília. Para o mês de Agosto foram escolhidos as obras “A Girafa sem sono”, “Clact, Clact, Clact” e “A borboleta e a tartaruga” de Liliana e Michele Iacocca e como aporte à literatura e ao planejamento foi incluído “Chapeuzinho Amarelo” de Chico Buarque. E além dos livros são utilizados materiais que auxiliam no desenvolvimento das atividades de leitura como dobraduras, lápis de cor e giz de cera.

Resultados: Como resultados percebeu-se um bom envolvimento das crianças com o livro, com o ato da leitura e com o desenvolvimento das atividades complementares a partir do texto lido como recontar a história, dobradura, desenhar e pintar. Como considerações finais aponta- se o ato de ler como uma atividade que proporciona aos envolvidos a possibilidade de um distanciamento do local em que estão, um momento lúdico, que tem gerado em alguns momentos, mudanças de atitudes comportamentais das crianças hospitalizadas que participam das atividades, que de alguma forma tem auxiliado o trabalho dos enfermeiros, notando-se também a boa receptividade dos profissionais que atuam no auxílio aos pacientes e também dos acompanhantes onde proporciona envolvimento e serenidade dos mesmos.

8 Endereço eletrônico para contato: rodrigodepaulo@marilia.unesp.br * Falculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Cultura - 2º lugar

POSSEIROS E PIONEIROS NAS FRONTEIRAS DO CAFÉ: A OCUPAÇÃO DA TERRA NA FORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE OURINHOS 9

Apresentadora: Débora Fernandes de Araújo

Débora Fernandes de Araújo * Fabiana Lopes da Cunha Maria Inez Machado Borges Pinto

**

*

Introdução: O projeto busca, através de um diálogo entre a História e a Geografia, compreender a ocupação espacial e o processo histórico de formação do município de Ourinhos a partir da análise de como se deu a ocupação da região do Vale do Paranapanema (especificamente a região do Oeste Paulista) através das frentes de Expansão (1850-1900) e Pioneira (1900-1940).

Objetivos: Em virtude da relevância da preservação histórico-cultural e do resgate da memória coletiva, este projeto tem como objetivo a produção de conhecimento sobre o processo de formação histórica do município, contribuindo para a expansão das atividades do Museu Histórico e Pedagógico de Ourinhos como um centro de memória e pesquisa e de preservação do patrimônio histórico, objetivo este de um projeto mais ambicioso e de cunho coletivo - Nos trilhos da Memória e a Memória nos Trilhos: A expansão e revitalização do Museu Histórico de Ourinhos - aprovado recentemente através do edital FAPESP/VITAE (Processo nº 2006/57425-

0).

Métodos: A compreensão deste processo se dará através da análise de bibliografia relacionada ao tema, de documentação cartorial e de relatórios geológicos (como os resultantes da primeira expedição de reconhecimento da região em 1886) e também de outros documentos relacionados ao café e à ferrovia.Em conjunto, estão sendo realizadas às atividades relacionadas ao projeto de revitalização do museu que contribuem para a efetivação da parceria entre a Universidade, poder publico e a sociedade.

Resultados: Os resultados finais obtidos através desta pesquisa estão contribuindo também para a organização e ampliação do acervo do museu municipal, referente à temática da importância do Café e da ferrovia e da atuação dos posseiros e dos pioneiros para a formação do município, propiciando comunidade acesso direto ao conhecimento produzido sobre a história da cidade.

9 Endereço eletrônico para contato: deborafernandes11@yahoo.com.br
*

**

Campus Experimental, UNESP, Ourinhos FFLCH, USP, São Paulo

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Direitos Humanos – 1º lugar

ADOLESCÊNCIA EM QUESTÃO: UM TRABALHO DE PSICOLOGIA REALIZADO EM UM PROJETO SOCIAL 10

Apresentadora: Fernanda Joly Milanez

Fernanda Joly Milanez * Dathie de Mello Franco * Marisa Silva * Paulo Adilson da Silva * Heloisa Maria Heradão Rogone *

Introdução: Trata-se de um projeto de extensão universitária realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social e o Departamento de Psicologia Clínica da UNESP de Assis oferecido a adolescentes considerados em situação de risco pessoal e social. O projeto denomina-se Adolescer e é fundamentado nas diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente, no qual são desenvolvidas atividades esportivas, de lazer e cultura em período complementar ao horário escolar. Dentre essas atividades é fornecido um atendimento psicológico a esses adolescentes aos moldes de uma clínica ampliada, que visa promover aos mesmos um bem-estar bio-psico-social, incluindo elementos subjetivos, instigando-os a terem uma participação ativa em seu espaço territorial.

Objetivos: Exercer uma prática de atendimento grupal com adolescentes buscando novas formas de atuação clínica em sintonia com a demanda, além de proporcionar aos atendidos um espaço para a expressão e posterior resignificação de sentimentos e subjetividades suscitados pelas vivências cotidianas, através da estimulação da criatividade bem como da expressão individual e grupal. Foi oferecido um espaço de escuta para os mesmos, por meio do qual buscava-se intensificar a convivência grupal e instigar debates e reflexões sobre temas referentes à adolescência.

Métodos: O trabalho foi realizado por estagiários que coordenavam um grupo de, em média, 10 adolescentes cujas idades variavam entre 12 e 17 anos. Cada encontro tinha duração média de 1:30 hora. Para a efetivação das ações, as atividades foram realizadas por meio de oficinas que objetivavam primeiramente promover uma melhor integração grupal através de jogos, seguida da discussão de temas como identidade, violência, educação (relações escolares), sexualidade, cidadania, preconceitos, profissões e família. Utilizamos outros recursos como: filmes, músicas, passeios, sucatas, entre outros. Estes estagiários alunos da Graduação em Psicologia participavam, semanalmente, de supervisão teórico/prática com a docente da UNESP responsável pela coordenação do projeto.

Resultados: Os estagiários puderam observar uma melhora significativa na convivência entre os membros do grupo e o vinculo estabelecido entre ambos teve grande importância na realização do trabalho, visto que proporcionou uma melhor condução das atividades e um espaço aberto para a escuta da demanda dos mesmos. Os debates propostos os instigaram a refletir e construir suas próprias idéias acerca das questões que permeiam o mundo em que vivemos, e como se posicionam frente a elas. Salientamos que é relevante uma continuidade das atividades já que é um dos poucos espaços proporcionados aos adolescentes em que podem colocar o que pensam, questionar valores e conhecer outros pontos de vista.

10 Endereço eletrônico para contato: fndy2k4@yahoo.com.br * Faculdade de Ciencias e Letras, UNESP, Assis

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Direitos Humanos – 2 lugar

ALUNOS E PROJETOS DE EXTENSÃO: UMA INTEGRAÇÃO UNIVERSITÁRIA NA COMUNIDADE 11

Apresentadora: Kelle Cristina Paschoalon

Kelle Cristina Paschoalon * Viviane Granzotto Heloisa Maria Heradão Rogone

*

*

Introdução: A atuação do psicólogo visa atender as amplas necessidades da sociedade. Este profissional busca contribuir efetivamente para a melhoria das condições de saúde e qualidade

de vida da população. Preocupado com a promoção do bem-estar do ser humano, o psicólogo

pode atuar em trabalhos que envolvam diferentes campos sociais. Um exemplo dessa prática refere-se ao Projeto de Extensão: “A universidade nos programas sociais do município”, desenvolvido pelo Departamento de Psicologia Clínica da Unesp-Assis. Esta atividade conta com a participação de alunos -estagiários, do Curso de Graduação de Psicologia, em um trabalho de oficinas inseridas no projeto municipal sócio-educativo denominado ABC “Aprender, Brincar e Crescer”. É realizado com crianças entre sete e doze anos que não possuem condições necessárias de se desenvolverem plenamente, e que vivem em precárias situações sócio-econômicas, de relações familiares e afetivas. As oficinas coordenadas pelos alunos

integram-se às demais atividades do referido programa da Secretaria Municipal de Assistência Social de Assis, sendo elaboradas e desenvolvidas de acordo com as diferentes faixas etárias. A partir de um referencial teórico psicanalítico busca-se, de forma geral, oferecer a constituição

de

sujeitos cidadãos. As oficinas partem de um foco educacional e da perspectiva de produção

de

conhecimento e têm como objetivo possibilitar que as crianças entrem em contato com sua

subjetividade e possam expressá-la, elaborando sentimentos e adquirindo noção de coletivo.

Objetivos: Propiciar atividades que despertem nessas crianças algo novo para a recuperação de sua identidade, valorização e auto-estima, com o intuito de auxiliá-las no desenvolvimento físico e cognitivo. Proporcionar aos estudantes de psicologia um contato com a realidade social por meio de ações junto às crianças a fim de compreender suas peculiaridades e subjetividades.

Métodos: A realização dos grupos-oficinas ocorre semanalmente, no CSU (Centro Social Urbano), em horários complementares ao período escolar, com duração de uma hora. São formados grupos de aproximadamente doze crianças, coordenados por uma dupla de alunos- estagiários, os quais participam semanalmente de supervisões teóricas e práticas. As oficinas abrangem atividades lúdicas variadas, como desenhos, pinturas, recortes e colagens, modelagens, sucatas, origamis, dinâmicas, jogos e brincadeiras.

Resultados: O projeto conta com a participação de doze estudantes e cento e vinte crianças.

O trabalho desenvolvido mostra que as crianças estão interagindo mais entre si e com os

alunos-estagiários durante as oficinas. Para os alunos este trabalho possibilita uma maior integração entre a teoria e a prática.

11 Endereço eletrônico para contato: hrogone@assis.unesp.br * Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Assis

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Educação - 1º lugar

TRABALHANDO COM CIÊNCIAS: O USO DE OFICINAS PEDAGÓGICAS E FEIRA DE CIÊNCIAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO- APRENDIZAGEM 12

Apresentadora: Lígia Carolina Lavezzo

Lígia Carolina Lavezzo * Juliana Alcarde Rudine * Flávia Amoroso Matos * Carolina Buso Dornfeld * Kátia Luciene Maltoni *

Introdução: A preparação dos alunos de Licenciatura em Ciências Biológicas de Ilha Solteira conta com o auxilio das Disciplinas de Práticas Pedagógicas que levam os graduandos a produzirem materiais didáticos e os inserem na realidade da atuação profissional.

Objetivos: Desta forma, o objetivo do projeto foi trazer alunos do Ensino Fundamental e Médio, da rede pública estadual e particular, para o convívio da UNESP, suplementando o conhecimento dos mesmos, sobre o conteúdo de Ciências Naturais, por meio de Oficinas Pedagógicas e Feira de Ciências realizadas ao longo do ano de 2006.

Métodos: Foram ministradas quatro oficinas com diferentes temáticas e aplicados questionários de avaliação da qualidade da oficina e do aprendizado dos alunos: I) Montagem de Gibi: oferecida para 5ª séries do Ensino Fundamental e repetidas dez vezes, com o tema Cadeia Alimentar e Interações entre seres vivos, II) Rochas Ornamentais: atendendo 5ª e 6ª séries do Ensino Fundamental e repetidas nove vezes. Nessa atividade foram demonstrados diferentes tipos de rocha obtidas em uma coleção da UNESP, III) Ovo: realizadas em 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental, apresentando conceitos físicos (empuxo e densidade) e biológicos (conteúdo nutricional) e IV) Extração de DNA de espécie vegetal (cebola): repetidas onze vezes e trabalhadas no Ensino Fundamental e Médio. Participaram 4 escolas: Escola Estadual Arno Hausser, Colégio Euclides da Cunha, NEP Objetivo, Escola Estadual LEA, totalizando 755 alunos. Ao fim das atividades, realizou-se uma Feira de Ciências, nos dias 29 e 30/11/2006, que representava um espaço para produção coletiva do conhecimento e um lugar para se repensar a relação entre educação e sociedade. Exposições e atividades desenvolvidas: Museu de Invertebrados, Museu de Vertebrados, Jogos, Música e Oficina do Gibi. Trabalhos apresentados pelas escolas participantes: Arno Hausser: pirâmide alimentar, Anglo: livro de pano, pirâmide alimentar e jogos, NEP: experiências de química e circulação sanguínea e Euclides da Cunha: maquetes e livros.

Resultados: Analisando os questionários referentes às atividades desenvolvidas, pode-se concluir que a duração das oficinas foi classificada como Adequada, assim como os recursos didáticos utilizados, sendo que os alunos-professores tiveram um desempenho classificado como Ótimo. Por fim, considera-se que projeto trouxe novos conceitos para 98% deles, contribuindo, assim, para uma melhoria na educação.

12 Endereço eletrônico para contato: ligialavezzo@hotmail.com * Faculdade de Engenharia, UNESP, Ilha Solteira

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Educação - 2º lugar

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA 13

Apresentadora: Regiane Ferreira Sant´Ana

Regiane Ferreira Sant´Ana * Evelize Aparecida dos Santos * Aparecida Francisco da Silva * Hélia Matiko Yano Kodama *

Introdução: O projeto, Jogos no Ensino da Matemática, do programa Ciência na UNESP, organiza mostras de jogos em escolas da região, atendendo em media 10000 alunos por ano, nos diferentes eventos.

Objetivos: estimular o uso desta importante ferramenta para o ensino de Matemática em todos os níveis de ensino.

Métodos: No final, ou início do período letivo, é enviado correspondência às escolas, disponibilizando as mostras. Os diretores, coordenadores ou professores interessados entram em contato por telefone ou mensagem eletronica para o agendamento. As escolas organizam a sequência de atendimento dos alunos e a coordenação disponibiliza a estrutura necessária como material de divulgação, os monitores e jogos a serem aplicados.

Resultados: Muitos são os professores que, mesmo tendo participado de cursos de formação continuada, não se sentiam animados para utilizar os jogos. Entretanto ao observar o comportamento de seus alunos durante a mostra, ficam mais confiantes e procuram introduzir, mesmo que seja aos poucos, os jogos como alternativa para a melhoria da qualidade de ensino de matemática. Ainda, pudemos observar um resultado inesperado deste processo: além de divulgar o uso de jogos no ensino da matemática, na perspectiva da resolução de problemas, o contato com os monitores tem encorajado os alunos oriundos de escolas publicas a prestarem o vestibular da UNESP.

13 Endereço eletrônico para contato: regiane@webmail.ibilce.unesp.br * Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP, São José do Rio Preto

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Espaços Construídos - 1º lugar

CONTAÇÃO DE ESTÓRIAS - O RESGATE DO RE-CONVIVER: UMA EXPERIÊNCIA DA UNATI DE ILHA SOLTERIA 14

Apresentador: David Souza Cruz

David Souza Cruz * Maria Aparecida da Costa Paz * Renata Trasse de Oliveira Barbosa * Vivian Julie Gazeta * Cleusa Trasse de Oliveria Barbosa *

Introdução: Uma das maiores inquietudes das pessoas idosas é o sentimento da perda de sua capacidade de pertencimento ao tempo contemporâneo, traduzido pela grande dificuldade de compatibilidade entre os valores, aspirações, desejos e expectativas que foram construídos em sua estória de vida com a realidade atual. Tais sentimentos, tem impacto direto da vida do idoso, prejudicando sua identidade pessoal e familiar, ocasionando baixa na auto-estima e favorecendo o isolamento. Com a intenção de minimizar esses fatores o Núcleo UNATI de Ilha Solteira oferece desde 2006 um curso gratuito titulado: Contação de estórias-O resgate do re- conviver- com a intenção primal de valorizar a vivência dos alunos cursantes.

Objetivos: Ajudar o idoso a estimular suas capacidades físicas, mentais, cognitivas e sociais a partir de um processo terapêutico, Trabalhar a auto-estima através da valorização da vivência do idoso, Oportunizar integração entre os participantes, auxiliar a reconstrução da identidade nessa nova fase de vida, Divulgar na comunidade as experiências de vida ali relatadas para a valorização da pessoa em seu contexto sócio-cultural através de aulas da história brasileira.

Métodos: Exposição de filmes e debates, explanações livres e dirigidas, dinâmicas de grupos, aulas práticas através de viagens culturais.

Resultados: O grupo tem obtido grande êxito na quebra do isolamento dos aposentados participantes e evidenciado o valor presente na estória de vida, tanto nos aspectos pessoais, sociais, políticos e econômicos de nossa comunidade.As estórias relatadas e trabalhadas pelos alunos resultaram em um livrinho confeccionado pela UNATI que teve seu lançamento no I Congresso de Preparação para a Aposentadoria da Unesp, ocasião de importância significativa aos alunos que puderam apresentar a toda a comunidade não só o seu trabalho mas o valor subjetivo de sua existência. Os alunos do curso de contação de estórias apresentaram nos doze meses de trabalho aumento de seu significado de auto-realização.

14 Endereço eletrônico para contato: cida@adm.feis.unesp.br * Faculdade de Engenharia, UNESP, Ilha Solteira

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Espaços Construídos - 2º lugar

USINA DE SONHOS COM REALIDADE 15

Apresentador: Rener Busso de Martini

Rener Busso de Martini * Heidi Miriam Bertolucci Coelho * Marcos Antônio Barbieri Gonçalves Michele Andréia Marino * Denise Sayuri Abe * Eric Vinicius de Souza * Daniel Pontes Pereira Vajani Rafael Gorni Felício * Daiane Camila * Amilton José da Silva Júnior *

*

*

Introdução: Inserido no maior bairro de Assis, este projeto visa integrar as Comunidades Acadêmica e Assisense através de um grupo já existente chamado “Associação de Líderes Comunitários da Vila Prudenciana de Assis”. Este grupo é formado por aproximadamente oitenta “líderes” que têm o compromisso de representar a população estimada em 800 pessoas no referido bairro. Criado a partir da iniciativa de um Padre (Pe. Vicente), tem por objetivo dar formação inicialmente aos líderes, instrumentalizando-os no acompanhamento de grupos. Nota-se que no imaginário popular da cidade circula a idéia de que esse bairro é palco de alto índice de violência (física e psíquica), daí o convite para a inserção das contribuições da universidade.

Objetivos: Mais que integrar a população com a universidade, o projeto busca desfazer uma pré-concepção enclausurante de subjetividades marcada pela desigualdade social e cultural. Outra proposta do projeto é ampliar os conhecimentos em diversas áreas e, conseqüentemente criar possibilidades ao cidadão para que possa habitar novos lugares – sociais, econômicos, culturais e subjetivos. Essas possibilidades nada mais são do que oferecer condições de apropriação dos direitos humanos por esta população.

Métodos: Para levantar informações sobre as necessidades da população atendida, problematizá-las e propor alternativas, o projeto conta com a participação de alunos dos diversos cursos do campus de Assis intentando, assim, que o conhecimento possa ser transversalizado. Neste sentido, os alunos buscam se inserir nas atividades desenvolvidas pelos líderes de modo a proporcionar momentos de escuta das demandas da comunidade. Delineadas essas demandas, são oferecidos palestras, cursos e oficinas que têm por objetivo a construção de subsídios teóricos e práticos juntamente com a comunidade, evitando assim que os agenciamentos se dêem de maneira vertical.

Resultados: Os alunos dos diversos cursos podem antecipar sua prática profissional através deste projeto, posto que levam seus conhecimentos de modo a contribuir cultural, social, educacional e politicamente, desenvolvendo sua função de agentes sociais. No que se refere à comunidade, o Projeto oferece espaços de expressão da demanda e, aos agentes, uma possibilidade de reflexão.

15 Endereço eletrônico para contato: renerbusso@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Assis

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Meio Ambiente - 1º lugar

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE: UM DIÁLOGO COM A COMUNIDADE 16

Apresentadora: Débora Feliciana dos Reis

Débora Feliciana dos Reis * Ântônio Cezar Leal * Eliana Maria Guimarães Alves * Michele Balbin * Katia Fernanda Pereira * Eder Pereira dos Santos * Rubens Matos *

Introdução: O Centro de Ciências faz parte do Circuito Cultural e Cientifico da FCT/Unesp, o qual recebe visitas de escolas públicas e particulares dos ensinos infantil, fundamental e médio, grupos da terceira idade, projetos educativos e a comunidade em geral. O Projeto Educação Ambiental e Águas vêm sendo realizadas desde 1996, com o apoio da PROEX e do Departamento de Geografia, junto ao Centro de Ciências da FCT-UNESP, com a participação de alunos da graduação do curso de Geografia.

Objetivos: Objetiva-se desenvolver atividades educativas que estimulem a valorização da água no cotidiano da população e a discussão dos resíduos sólidos na atualidade, contribuindo, assim, para a sensibilização da comunidade e uma mudança de atitudes e valores em relação ao meio ambiente.

Métodos: Com o apoio dos estagiários os visitantes entram em contato com os materiais expostos, vão interagindo e explorando os temas (águas e resíduos sólidos). O espaço do projeto no Centro de Ciências acomoda uma exposição permanente com maquetes de bacias hidrográficas, cooperativa de material reciclável, aterro sanitário e rede de abastecimento de

água, lixão, voçorocas e mata ciliar, estante com o histórico dos materiais recicláveis, vídeos, teatro de fantoche, artesanatos e brinquedos feitos com materiais recicláveis, painéis informativos e jogos interativos. As atividades são realizadas considerando-se a idade e o

número

participante.

sejam compreensíveis e adequadas ao público

de

alunos,

para

garantir

que

Resultados: Os resultados desse projeto são evidenciados pelo estabelecimento de uma maior aproximação das escolas com a universidade, propiciando experiências educativas para alunos e professores dos ensinos infantil, fundamental e médio e a possibilidade de capacitação profissional aos alunos da graduação. No primeiro semestre de 2007, foram atendidas 1.842 alunos/professores de escolas de presidente Prudente e de municípios da região e de estados vizinhos. Resumo: No Projeto Educação Ambiental e Águas, do Centro de Ciências da FCT/Unesp, são desenvolvidas atividades voltadas à divulgação científica, com o apoio da PROEX e participação de alunos do curso de Geografia. Objetiva -se desenvolver atividades educativas que estimulem a valorização da água no cotidiano da população e a discussão dos resíduos sólidos. O espaço acomoda uma exposição composta de diversos materiais didáticos que trazem informações sobre os temas. Com o apoio dos estagiários os visitantes entram em contato com todo o material. Os resultados desse projeto de educação ambiental são evidenciados pelo estabelecimento de uma maior aproximação das escolas com a universidade.

16 Endereço eletrônico para contato: geodebora@hotmail.com / lia.guima@gmail.com * Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Meio Ambiente - 2º lugar

“ESPAÇO LIVRE” - REDE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (REA) 17

Apresentador: Fernando Salles Rosa

Fernando Salles Rosa * Maria Lúcia Pereira Antunes *

Introdução: A reflexão crítica diante dos padrões de consumo e da geração de resíduos está intimamente ligada à qualidade de vida da população, diferindo em aspectos econômicos, educacionais, motivacionais e socioambientais. Independente do contraste social, essa problemática requer o conhecimento de suas causas e efeitos, para nortear ações efetivas de toda a sociedade.mFundamentado na educação ambiental, o projeto “Espaço Livre” – Rede de Educação Ambiental, da Unesp Sorocaba, está comprometido em orientar as suas atividades e estratégias. O intuito é estimular a valorização desse entendimento, promovendo a mudança de visões sobre quando o “lixo” é “lixo” e quando precisar é diferente de querer.

Objetivos: Este projeto visa propiciar mudanças de comportamento através da sensibilização, apresentando soluções práticas voltadas para o consumo consciente e a reutilização criativa de materiais recicláveis, como uma alternativa eficaz, barata e rentável, sendo a comunicação essencial nesse processo.

Métodos: Atuando em escolas, empresas e demais ambientes sociais, será criado em atividades e oficinas, um “Espaço Livre de Convivência” composto de murais temáticos, bancos

e outros utensílios, para proporcionar de forma organizada a integração entre pessoas, setores

e informações de interesse, funcionando como o principal veículo livre de articulação de ações. As estratégias irão favorecer a democratização da informação ambiental como ferramenta transformadora, ou seja, a REA pretende transmitir o conhecimento em diversas questões socioambientais.

Resultados: Os integrantes da REA, sob orientação do bolsita proex, realizaram o levantamento bibliográfico e definiram os temas a serem trabalhados: cidadania e meio ambiente, recursos naturais, geração de resíduos, comunicação e implantação da coleta seletiva. Foi desenvolvido um manual orientador, que apresenta a metodologia aplicada contemplando: apresentação do tema, quebra-gelo, contextualização, dinâmica, construção, avaliação e continuidade. Assim, o intuito é fortalecer o poder de iniciativa para implantar, planejar, articular, organizar, construir e estabelecer a dinâmica do seu Espaço Livre. O projeto será aplicado junto: à capacitação em educação ambiental para professores da rede municipal dos oito municípios que compreendem a APA de Itupararanga, financiada pela CBA, ao programa institucional do MEC, Com Vida, com alunos de sexta série, e na instituição de ensino privado Senac Sorocaba, com jovens de 16 a 18 anos de idade. Aspira-se com a realização do projeto, avaliar o reconhecimento da necessidade da comunicação no processo de formação da consciência ambiental, com relação a abertura, o incentivo e o potencial de formação de agentes multiplicadores nas diversas instituições e públicos.

17 Endereço eletrônico para contato: fesrosa@yahoo.com.br * Campus Experimental, UNESP, Sorocaba

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Política e Economia - 1º lugar

DATALUTA – BANCO DE DADOS DA LUTA PELA TERRA 18

Apresentador: Estevan Leopoldo de Freitas Coca

Estevan Leopoldo de Freitas Coca * Janaina Francisca de Souza Campos * Bernardo Mançano Fernandes Anna Luisa de Araújo * Nívea Massaretto Herivelto Fernandes Rocha * José Sobreiro Filho *

*

*

Introdução: Neste resumo, apresentamos o estágio de desenvolvimento do projeto DATALUTA – Banco de Dados da Luta pela Terra. Este projeto de pesquisa e extensão, desenvolvido no Núcleo de Estudos Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária – NERA - foi criado no ano de 1999 para sistematização de dados referentes às versões ocupações de terra e assentamentos rurais. Nos anos de 2003 e 2004 foram incorporadas as versões estrutura fundiária e movimentos socioterritoriais. Esses dados são divulgados nos relatórios anuais do DATALUTA. Em 2005 o DATALUTA estabeleceu convênios com o Laboratório de Geografia Agrária – LAGEA – da Universidade Federal de Uberlândia e com o grupo de pesquisas GEOLUTAS do Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná para a criação da REDE DATALUTA.

Objetivos: Nosso objetivo é reunir e sistematizar dados de diferentes fontes referentes a reforma agrária e a luta pela terra no Brasil, contribuindo com pesquisas sobre a questão agrária e fornecendo informações para a elaboração de projetos de políticas públicas.

Métodos: No DATALUTA trabalhamos com quatro versões em escalas: nacional, macrorregional, estadual e municipal. Organizamos dados de ocupações de terra e famílias, assentamentos rurais, famílias assentadas e área, estrutura fundiária e movimentos socioterritoriais. Os dados de ocupações de terra, famílias assentadas e movimentos socioterritoriais são organizados a partir das seguintes fontes: Comissão Pastoral da Terra – CPT, Ouvidoria Agrária Nacional – OAN, DATALUTA – NERA e DATALUTA - LAGEA e DATALUTA - GEOLUTAS. Para os dados de assentamentos rurais e famílias assentadas utilizamos como fontes o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA e a Associação Nacional de Órgãos Estaduais de Terra – ANOTER. Os dados da estrutura fundiária são do Sistema Nacional de Cadastro Rural – SNCR. Os dados das respectivas fontes são digitados no Programa DATALUTA onde são armazenados para elaboração de diferentes tipos de relatórios: por municípios, microrregiões, estaduais, macrorregiões e nacional, por períodos de governo, por ano ou meses, temáticos nas versões ocupações e famílias, assentamentos, famílias e áreas, estrutura fundiária e movimentos socioterritoriais.

Resultados: Atualmente o DATALUTA é a mais ampla referência de dados da questão agrária brasileira, porque reúne dados de diversas fontes. Os dados pesquisados são digitados em programas apropriados para elaboração de mapas, gráficos e tabelas nas diversas versões. Os resultados são divulgados anualmente através do Relatório DATALUTA.

18 Endereço eletrônico para contato: estevanleopoldo@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Política e Economia - 2º lugar

MAPEAMENTOS DA EXCLUSÃO SOCIAL PARA O DIRECIONAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA AS DIVERSAS FORMAS DE VIOLÊNCIA EM PRESIDENTE PRUDENTE / SP 19

Apresentador: Fernando Henrique Vidal França

Fernando Henrique Vidal França *

Introdução: A relação entre exclusão social e geração da violência na suas diversas formas comprova-se pelos freqüentes resultados de pesquisas, tendo papel extremamente importante neste contexto alto índice de desemprego, baixo nível de instrução escolar, condições precárias de saúde e segurança, entre outros. O mapa da exclusão social de Presidente Prudente é um instrumento de mensuração das disparidades e dos graves problemas sociais e ambientais, e também serve como avaliador e controlador das intervenções públicas, gerando propostas e ações alternativas para produção de soluções eficazes.

Objetivos: 1) Levantar informações das variáveis a serem analisadas apontando causas e contribuições dos problemas evidenciados, 2) Conhecer as desigualdades das condições de vida, estimular a participação popular qualificada e o desenvolvimento de uma consciência para análises sobre discrepâncias, questões sociais e ambientais, 3) Mensurar a gestão pública, evidenciando a importância do governo eqüitativo, estimulando a descentralização e a intersetorialidade, mobilizando novas responsabilidades sociais e parcerias para projetos de atendimento das necessidades, 4) Promover a inclusão social com ações crescentes de manutenção dos direitos humanos e garantia de autonomia, desenvolvimento humano, qualidade de vida e equidade, com atenção especial para as diferenças de cada região da cidade, propondo ações coletivas e de criação de novas relações sociais construindo referências para padrões de cidadania.

Métodos: 1) Diagnóstico e verificação in situ através da criação de acervo de imagens digitais e aplicação de questionários sócio-econômicos, 2) Escolha das variáveis e dimensionamento territorial em números relativos e absolutos, estabelecimento de escala de posições (pior a melhor & -1 a +1) e índices, definição de padrão de exclusão/inclusão social e do sistema de medição, 3) Elaboração de mapas temáticos, com softwares específicos, para relacionar os dados, criando condições para análises quali e quantitativa da realidade social, 3) Tratamento das informações, relacionando regiões consideradas excluídas com a variável violência e suas várias formas (sexual, doméstica, social, urbana), 4) Planejamento de ações estratégicas específicas para o direcionamento de políticas públicas contra a violência através da assistência social familiar e de apoio psico-pedagógico.

Resultados: São produzidos manuais de ações direcionadas aos problemas sociais ligados às diversas formas de violência, exemplificando os mesmos e as soluções e alternativas para cada caso, além da divulgação dos resultados do projeto de forma intensiva à população através de cartazes, panfletos, faixas e em programas de emissoras de rádio e televisão e nos jornais de maior circulação regional.

19 Endereço eletrônico para contato: fernandoprofquim@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Saúde - 1º lugar

RESGATANDO A CIDADANIA: “AÇÃO CONJUNTA DE UNIVERSITÁRIOS DA UNESP E COMUNIDADE NA BUSCA DA QUALIDADE EM SAÚDE, BIOPSICOSSOCIAL, MENTAL, ESPIRITUAL E ECOLÓGICA, E DO RESGATE DA CIDADANIA” 20

Apresentadora: Solange Ramires Daher

Solange R. Daher * Ana Flávia Locatelli * Luís Gustavo Langoni Raquel S. Curval * Andréa U. Martins * Patricia M. Donato * Hélio Langoni * Magali Ribeiro

*

*

Introdução: O papel da Universidade, em contribuir diretamente para que a sociedade tenha perspectivas melhores de vida e saúde, é de fundamental importância. Nos propusemos a atuar com o Jd Sta Elisa, bairro bastante carente em Botucatu-SP.

Objetivos: Interação multiprofissional Universitários–Comunidade para: 1) estudantes vivenciarem a realidade, e o desenvolvimento dos mecanismos do processo saúde-doença- qualidade de vida, 2) promover educação escolar, social, cultural, ambiental, lazer/esportes e de saúde, com visão integral, biopsicossocial, mental, espiritual e ecológica, 3) incentivar cidadania para todos, 4) formar futuros profissionais mais voltados às necessidades da população, 5) dar oportunidade de treinamento, capacitação, transformação, qualidade de vida, inclusão social e no mercado de trabalho, 6) fortalecer a auto-estima e a reestruturação da organização familiar.

Métodos: Há quatro anos, ações no bairro aos sábados, conteúdos em função das demandas, planejamento e preparo, com práticas pedagógicas especiais por faixa etária, utilizando os conhecimentos buscados, a “visão de mundo” e habilidades inatas, alunos-comunidade.

Resultados: realizamos até hoje 76 oficinas sócio-educativas, com temas variados: higiene, prevenção de verminoses, zoonoses, prevenção e tratamento de hipertensão, diabetes, e conseqüentemente doenças cardiovasculares, educação ambiental, alimentar, curiosidades, atualidades, atividades de desenvolvimento de habilidades e inteligências múltiplas etc. Outras atividades em parcerias: Projeto jovem cidadão (cursos de artesanato em pintura em tecidos, pequeno marcineiro e culinária para crianças), informática, bordado, costura, confeitaria, panificação, pintura em madeira, pintura de parede, alfabetização de adultos, reforço escolar para crianças, escotismo, atividades de geração de renda: padaria, confeitaria, costura e horta. Realizamos cadastro anual da Comunidade e trabalhos de pesquisa em saúde integral. Os participantes, bilateralmente, mostram habilidades, criatividade, e, aprendizado crescente. Conclusão: universitários compreendem o processo saúde-doença-qualidade de vida. As atividades sócio-educativas, de formação e geração de renda contribuem com a educação, a auto-estima nas pessoas da comunidade, e abrem caminhos para uma vida melhor, e mais saúde.

20 Endereço eletrônico para contato: daher@fmb.unesp.br * Botucatu, UNESP, Botucatu

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Saúde - 1º lugar

A PRÁTICA DO ATLETISMO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA FCT/UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE 21

Apresentador: Eduardo Armando Bausas Junior

Eduardo Bausas * João Paulo Casteleti * Daniel Silva * Isaque Augusto * Fernanda Silva Ana Rita Silva * Alan Rosell * Diego Araújo Paulo Brancatti *

*

*

Introdução: Incluir as pessoas com deficiência, seja em quaisquer atividades na sociedade é algo que ainda hoje, mesmo após a Declaração de Salamanca (1994), pouco se tem feito para que os procedimentos-padrões das Nações Unidas para a equalização das oportunidades para as pessoas com deficiência tenham êxito. Sendo assim, proporcionar a pessoa com deficiência

a oportunidade de praticar esportes dentro do contexto do atletismo foi a idéia inicial do projeto AMA (Atividade Motora Adaptada) desenvolvido em 2005 dentro das dependências da FCT/UNESP – Campus de Presidente Prudente, e conta com o apoio institucional da PROEX.

Objetivos: Inserir as pessoas com deficiência dentro da prática do atletismo, possibilitando a participação dos mesmos em torneios e circuitos, tanto em nível regional, quanto em nível nacional. Divulgar o esporte adaptado, afirmando os direitos que essas populações em especial possuem, permitindo também a socialização entre as pessoas com deficiência e demais atletas.

Métodos: O grupo de participantes é composto por 7 atletas, sendo 4 com amputações, 2 com paralisia cerebral e 1 deficiente visual. Os encontros para treinamento ocorrem duas vezes por semana – sendo que uma parte do grupo treina pela manhã, e outro pela parte da tarde. Durante o período de duas horas trabalham-se todos os princípios de treinamentos destinados à prática do atletismo, tais como força, velocidade e resistência, específicos para cada modalidade como, por exemplo, o lançamento de disco e dardo, o arremesso de peso, e as corridas de 100, 200 e 400 metros rasos. É durante o treinamento que a participação discente torna-se fundamental, pois através dos conhecimentos obtidos pelos respectivos cursos, a teoria torna-se prática. Sob orientação do professor coordenador do projeto, o aluno pode desenvolver seus conhecimentos tanto direcionados para o treinamento esportivo, como para recuperação e práticas fisioterápicas.

Resultados: Desde o início do projeto foi possível observar sensíveis mudanças nas atividades realizadas pelas pessoas com deficiência. É fato que o esporte adaptado promove a busca por novos horizontes dentro do ambiente de competição, mas fora dele, a prática esportiva tem proporcionado nesses indivíduos um aumento da auto-estima, de sua independência e autonomia. Resultados significativos já podem ser observados em competições regionais e nacionais, principalmente nas etapas realizadas no circuito paraolímpico loterias Caixa que acontecem desde 2005. Nossos atletas estão classificados entre os melhores do país, demonstrando que o trabalho que vem sendo realizado merece todo

o crédito dos atletas, dos discentes e docentes, ou seja, do grupo todo. Apoio: Prudenaço, Transportes Andorinha e Pastorinho.

21 Endereço eletrônico para contato: edubausasef@gmail.com * Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Saúde - 2º lugar

FACILITANDO O ENSINO DE FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE VÁRIAS FERRAMENTAS DIDÁTICAS 22

Apresentador: Felipe Augusto Kazan de Oliveira

Felipe Augusto Kazan de Oliveira * Juliana Troll ** Helvia Arandas Monteiro ** Bárbara Nardini Querido * Carolina Tabajara Garcia Bueno * Silke Anna Theresa Weber * Silvia Mitiko Nishida **

Introdução: A audição é uma das formas de percepção mais relevantes no processo da comunicação humana e o seu ensino exige uma abordagem criativa e multidisciplinar.

Objetivos: Para despertar o interesse e a motivação dos alunos do Ensino Básico e facilitar o processo de ensino-aprendizagem propusemos um material didático utilizando várias materiais que revelassem formas invisíveis a olho nú e que estimulassem a curiosidade através da experimentação sensorial.

Métodos: Para efeito de mobilização da atenção dos estudantes, organizamos uma biblioteca digital de sons que representam a nossa vida cotidiana e performances teatrais representando três formas de deficiência auditiva (surdez na infância, no adulto e idoso) foram filmadas digitalmente, cujo roteiro (conteúdo) foi supervisionado por um especialista em otorrinolaringologia. Articulado ao conjunto, produziu-se, artesanalmente, peças que ilustram a anatomia e o funcionamento da orelha (tanto a transmissão como a transdução sonoras) que podem ser examinadas visualmente e através da manipulação pelos próprios alunos. Finalmente, produzimos um painel auto-explicativo que foi disponibilizado pela Internet (www.ibb.unesp.br/nadi/museu_escola) para se baixado e multiplicado.

Resultados: Além do material didático foram produzidos Textos de Apoio cujo conteudo foi disponibilizado no referido site. Além do trabalho de extensão a atividade envolvendo os alunos participantes resultaram em monografias de conclusão de licenciandos em Ciências Biológicas.O material é apresentando em várias exposições didáticas promovidas pelo Instituto de Biociências para a rede de Ensino Básico da região e tem obtido aprovação e despertando a curiosidade para a temática.

22 Endereço eletrônico para contato: mamute43@fmb.unesp.br * Faculdade de Medicina, UNESP, Botucatu ** Instituto de Biociências, UNESP, Botucatu

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Tecnologia - 1º lugar

PARALISIA CEREBRAL E AS NOVAS TECNOLOGIAS: TRABALHANDO COM POTENCIALIDADES 23

Apresentadora: Simone Moro da Silva Rocha

Simone Moro da Silva Rocha *

Introdução: Em meio aos avanços decorrentes da digitalização do mundo moderno, a sociedade vê-se cada vez mais envolvida com a grande variedade de informações promovidas por esses recursos.

Objetivos: Numa proposta de inclusão digital, a pesquisa visa esclarecer como as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) podem contribuir enquanto ferramentas potencializadoras para o desenvolvimento crítico, a socialização e conseqüente inclusão digital de indivíduos com Paralisia Cerebral.

Métodos: O projeto promovido como parte da pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Educação Corporativa (NEC) da Faculdade de Ciências e Tecnologia – UNESP, campus de Presidente Prudente, fundamenta-se na execução de um trabalho voltado para pessoas com deficiência, partindo do interesse individual dos alunos para que assim possam ser programadas atividades individuais adaptadas às suas expectativas. Para tanto, são realizados acompanhamentos com cerca de duas horas semanais, cujo principal recurso é o computador. Com este meio, provemos de algumas outras ferramentas, tais como sites de relacionamentos, programas específicos para criação de textos, jogos interativos e ainda softwares variados. Além do mais, o computador é um instrumento adaptável, visto que o diagnóstico em questão, Paralisia Cerebral, acarreta algumas dificuldades motoras, pois se trata de uma lesão cerebral que, ao contrário do que se pensa, não afeta necessariamente o desenvolvimento cognitivo dos sujeitos (cerca de apenas 40% possuem também alguma dificuldade intelectual), ou seja, torna-se um meio viável para a formação educativa e social de pessoas com algum tipo de limitação física (seja nos membros, na fala, entre outros).

Resultados: Na atual fase de desenvolvimento do projeto, algumas dificuldades têm sido diagnosticadas no decorrer dos acompanhamentos. Uma delas (e de grande relevância) é a maneira como o comprometimento da fala pode interferir na promoção de outras habilidades, tal como de leitura e escrita. No entanto, graduais avanços têm sido notórios no que diz respeito à socialização e inclusão digital dos alunos em questão. Isto tem sido percebido principalmente no relacionamento entre os assistidos e até mesmo na execução das atividades propostas. Dessa maneira, percebemos o modo como o computador pode ser um meio viável e contribuir, beneficamente, para que estes alunos sejam sujeitos atuantes na sociedade e independentes no cumprimento de suas atividades diárias.

23 Endereço eletrônico para contato: simone_moro@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Tecnologia - 2º lugar

HIDROPONIA COMO ALTERNATIVA DE PRODUÇÃO DE ALIMENTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL NO SERTÃO ALAGOANO 24

Apresentador: Rafael Monteiro Chagas Teodózio

Rafael Monteiro Chagas Teodózio * José Paulo Vieira da Costa * Izabel Vieira de Souza **

Introdução: A hidroponia corresponde ao cultivo de plantas sem a utilização de solo. O substrato é a água contendo os nutrientes de que a planta necessita. No sertão o clima é quente, seco e há escassez de água. Com a hidroponia, o agricultor poderá produzir durante o ano todo sem preocupação com a falta de chuva.

Objetivos: O objetivo principal foi a instalação de uma estação experimental de hidroponia no alto sertão alagoano, para o desenvolvimento de estudos da técnica na região e para futuras produções de hortaliças, gerando assim, renda, durante todo ano para os pequenos agricultores do semin-árido de Alagoas.

Métodos: Foram realizadas visitas à comunidade envolvida para proferimento de palestras e ministração de cursos sobre hidroponia e como cultivar sem o uso do solo.

Resultados: A estação experimental foi montada no final de abril de 2006 e iniciada a primeira produção, sendo a primeira colheita efetuada em junho de 2006 com vendas na própria comunidade rural e em supermercados da cidade. Inicialmente uma família ficou como responsável pela horta hidropônica, mas pretende-se dar incentivo para que, a médio e longo prazo outras famílias possam cultivar essa técnica.

24 Endereço eletrônico para contato: rafa_chagas@yahoo.com.br * CECA, Universidade Federal de Alagoas, DELZA GITAÍ ** DCAA, UESC, ÚNICO

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Trabalho - 1º lugar

LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE: 6 ANOS DE DEDICAÇÃO À EXTENSÃO, AGREGANDO VALOR À PESQUISA E AO ENSINO 25

Apresentadora: Larissa Valle Guilhen Longo

Joyce Aparecida Martins * Larissa Valle Guilhen Longo * Greiciane Gaburro Paneto Gabriella Augusto Pereira * Adriana Freschi * Maria Angélica de Camargo Aline Carolina Omai de Mello * Jeane Cristina Costa * Vera Lucy de Santi Alvarenga * Regina Maria Barretto Cicarelli

*

*

*

Introdução: O laboratório iniciou suas atividades em 2001, oferecendo, diretamente para clientes particulares ou através da Justiça, exames de filiação pela análise do DNA. A partir de 2002, este passou a realizar análises de identificação humana em vestígios biológicos para finalidade forense e, em 2003, começou a desenvolver pesquisas na área de identificação humana. Em 2006, foi estabelecida uma parceria com o IMESC (Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo) via Secretaria da Saúde de Araraquara, ficando o laboratório responsável por coletar material biológico para exame de DNA em mais de 17 municípios.

Objetivos: Oferecer à comunidade testes laboratoriais de qualidade que possam ser utilizados para fornecer evidências objetivas, imparciais e definitivas quanto à identidade humana e, através das pesquisas, obter dados genético-populacionais da população brasileira, ainda insuficientes.

Métodos: Nos casos de investigação de paternidade, foram analisados amostras sanguíneas de casos trio (mãe, filho e suposto pai), duo (filho e suposto pai) e reconstruções (suposto pai ausente), nos casos forenses, foram estudados vestígios biológicos (tais como, ossos, dentes e diferentes tecidos) e amostras-referência (sangue de supostos familiares da vítima). Para a genotipagem dos DNAs, extraídos por diferentes técnicas, foi utilizada a reação em cadeia de polimerase e corrida eletroforética em seqüenciador automático. Foram produzidos perfis genéticos que, quando comparados, permitiram afirmar a existência ou não de vínculo biológico entre as amostras, calculando-se a probabilidade estatística de tal evidência. No campo da pesquisa, têm sido estudados marcadores genéticos autossômicos, dos cromossomos sexuais (X/Y) e DNA mitocondrial na população brasileira.

Resultados: Até o início do decorrente ano, 500 famílias (IMESC) foram atendidas e 08 perícias forenses e 127 (113 trios, 9 duo e 5 reconstruções) investigações de paternidade foram realizadas, sendo que todo o trabalho é realizado com a colaboração do grupo discente, sob a coordenação das Professoras R.M.B. Cicarelli e V.L.S. Alvarenga. Todas as análises forenses consistiram de exames particulares, as de paternidade, 66% foram particulares e 34% judiciais. Os resultados obtidos se subdividiram em inclusão (63%), exclusão (35,5%) e inconclusivo (1,5%), sendo este último relacionado às perícias criminais. Foram orientados 4 iniciações científicas (1 em andamento), 2 mestrados (1 em andamento) e 1 doutorado (em andamento). Quatro trabalhos já foram publicados, gerando informações importantes sobre: 15 STRs autossômicos e 12 Y-STR na população de Araraquara e São Paulo, respectivamente, presença de heteroplasmia na análise do DNA mitocondrial e Controle de Qualidade Latino Americano.

25 Endereço eletrônico para contato: joyce_apa@hotmail.com * Faculdade de Ciências Farmacêuticas, UNESP, Araraquara

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

Área Temática: Trabalho - 2º lugar

PROGRAMA PARA ENFRENTAR O MERCADO DE TRABALHO (POMT) 26

Apresentadora: Beatriz Reginatto Lotti

Beatriz Reginatto Lotti * Luiz Carlos Canêo * Ynaiê Iyale Bhering Soares * Júlia Pacognella Marin * Heloisa Cristina de Oliveira Sant os

*

Introdução: A realidade de trabalho, hoje, aponta profundas transformações que o mercado vem sofrendo, como o desenvolvimento tecnológico acelerado e a crescente globalização da economia. Isso implica uma nova organização da sociedade, que passa a valorizar a

flexibilidade, rapidez nas respostas e mudança nos padrões de qualificação dos trabalhadores.

O cenário atual evidencia uma guerra econômica por espaços mercadológicos, onde a principal

arma é a competitividade. Decorre um processo crescente de fechamento de postos de trabalho e dispensa de funcionários, especialmente aqueles com menos qualificação profissional. Observa-se o chamado desemprego estrutural, aonde a inserção no mundo de trabalho ultrapassa a capacidade de escolha pessoal. Isso tem contribuído para a desumanização das relações sociais e para que milhares de trabalhadores, ao ficarem sem emprego, sejam excluídos do sistema produtivo. Parte deste contingente sobrevive de benefícios públicos, outros buscam na economia informal alguma renda para garantir a subsistência, enquanto outros se situam numa condição de pobreza, assim, a conquista de um emprego poderá se tornar um objeto idealizado por muitos e, nem sempre conquistado por todos. Participar de um processo de reflexão e análise sobre tais questões favorece o desenvolvimento de novas atitudes e o planejamento de ações que podem maximizar a possibilidade de recolocação.

Objetivos: o Programa para Enfrentar o Mercado de Trabalho (POMT) pretende contribuir com aqueles que necessitam de orientação para reinserção no mercado de trabalho.

Métodos: o programa está estruturado nos módulos: Frente a frente com a falta de trabalho:

Sentimentos & Cognições, As transformações no mercado de trabalho, Frente a frente comigo mesmo: conhecendo as minhas habilidades profissionais, Planejamento e recolocação profissional. Entrevistou-se 22 pessoas que procuraram espontaneamente o programa, após anúncio no jornal. Com base nas questões avaliadas, conheceu-se o perfil dos que mostravam

interesse em participar do programa. Realizaram-se dez encontros, com duração de três horas,

e utilizou-se como exercícios de dinâmica de grupo, simulação de entrevistas, apresentação

teórica sobre concepções de emprego/desemprego e a situação atual do mercado de trabalho

e debates sobre os temas apresentados.

Resultados: teve-se que todos os participantes avaliaram o programa satisfatoriamente, ressaltando que as expectativas foram superadas, sentindo-se preparados para enfrentar o mercado. Eles puderam se conhecer, autoavaliaram-se, refletiram sobre questões sócio- históricas, procuraram conhecer seus interesses e habilidades, elaborando conscientemente um projeto de vida a ser seguido, com objetivos definidos e mais confiança em si mesmos.

26 Endereço eletrônico para contato: bia_planeta@yahoo.com.br * Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

6. NORMAS PROVISÓRIAS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS

Devido à implantação do sistema de gerenciamento eletrônico, estamos reformulando as normas visando a adequação ao OJS (ver explicações contidas no editorial deste Suplemento). Portanto as normas a seguir serão modificadas em breve:

1. Os artigos deverão ser enviados por correio eletrônico, disquete ou CD-Rom,

devidamente identificados com o título do artigo e nome do(s) autor(es). Encaminhar três cópias impressas, contendo suas ilustrações e referências

bibliográficas, para endereço de correspondência da revista.

2. Os textos deverão ser digitados em Word (arquivos do tipo .doc), letra Arial,

tamanho 12, alinhamento justificado, com margens de 3,0 cm à direita, à esquerda, inferior e superior, em papel formato A4, com espaçamento simples e numeração consecutiva das páginas, disposta no lado superior direito. O trabalho deverá conter no máximo 15 páginas, incluindo ilustrações, tabelas, referências e anexos.

3. Encaminhar separadamente:

3.1. Tabelas: Em arquivos Word (.doc) . Os gráficos deverão ser enviados em

Excel, juntamente com uma cópia impressa, (arquivos do tipo .xls), com

identificação de seqüência e autor.

3.2. Figuras e fotografias: Enviadas em arquivo do tipo “.jpg”, “.bmp”, “.gif”, e

com cópia em papel com sua identificação no verso e uma seta indicando o topo da figura. As fotografias, os desenhos e os gráficos deverão ser enviados em duplicata, de preferência em “glossypaper”, não montados. As legendas deverão fazer parte do texto, com espaço anterior e posterior para sua visualização.

4. O artigo deverá ser estruturado dentro dos seguintes itens e ordem:

4.1.

Página de rosto, contendo:

a)

O título do trabalho em português e em inglês; fonte Arial, tamanho 14, com espaçamento simples;

b)

Nomes completos dos autores seguidos do nome da instituição onde o trabalho foi desenvolvido ou às quais os autores são vinculados;

c)

Informações sobre fontes de financiamento, indicando se foi auxílio financeiro, ou na forma de bolsa, ou ambos;

d)

Indicar o nome, endereço, telefone, fax e correio eletrônico do autor para o qual a correspondência deverá ser enviada.

e)

Quando o trabalho envolver seres humanos ou animais de experimentação é necessário o parecer de Comissão de Ética ou outra comissão equivalente.

4.2.

Página com resumo e “abstract”, contendo:

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

a ) Resumos em português e em inglês (com 400 palavras no máximo cada um), que contenham informações referentes a introdução, metodologia, resultados, discussões e conclusões;

b) palavras-chaves em português e em inglês (limitadas a seis).

4.3.

Estrutura

do

texto

contendo

introdução,

objetivos,

metodologia,

resultados, discussão, conclusões e bibliografia.

5. As tabelas deverão ser numeradas em algarismos arábicos e encabeçadas

pelo título, de acordo com as normas de apresentação tabular da Norma

ABNT/NBR-6023:2000 (ou o mais recente), da Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT.

6.

numeradas consecutivamente com algarismos arábicos, citadas como figuras, de acordo com as normas da ABNT.

Ilustrações

(fotografias,

gráficos,

desenhos,

mapas

etc),

devem

ser

7. Em caso de figuras e tabelas importadas de outros programas, enviar também o arquivo de origem.

8. Referências ou Bibliografia de Apoio: de acordo com as normas da ABNT e o

arranjo deve ser em ordem alfabética por sobrenome do autor. (vide modelos anexo).

9. Serão permitidas, mediante autorização, reproduções totais ou parciais do

trabalho, indicando fonte e autoria.

10. As Unidades e Medidas devem obedecer ao sistema internacional e a

nomenclatura

internacionais de cada área, com os nomes científicos sempre em itálico.

científica,

e

deve

ser

citada

em

acordo

com

os

códigos

11. Em caso de agradecimentos, deverão vir após as conclusões (fonte Arial,

tamanho 12).

12. Citações no texto: devem ser feitas por sobrenome do autor, seguidas de

data. No caso de dois autores, ambos devem ser citados, separados por ; (ponto e vírgula). Para mais de dois autores, a citação deve ser acompanhada pelo sobrenome do primeiro autor, seguidos de expressão et al., de acordo

com

ocorrer

referências do mesmo autor, citá-las em seqüência, por ordem cronológica dos trabalhos. Trabalhos do mesmo autor no mesmo período devem ser identificados por letra minúscula do alfabeto.

http://www.unipinhal.edu.br/biblioteca/elaboracao.php

a

ABNT/NBR

10520

(http://biblioteca.inpa.gov.br/normas.htm

).

Quando

e

NORMAS

DE

APRESENTAÇÃO

DE

RESENHAS

PARA

LIVROS

E

REVISTAS

1. Página de rosto contendo:

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

a) Título do livro ou revista;

b) Nome(s) do(s) autor(es) do texto por extenso;

c) Vinculação do(s) autor(es), indicando Instituição/Departamento e Seção;

d) Entidade da qual é bolsista e menção de fontes de financiamento;

e) E-mail, telefone e endereço do(s) autor(es) correspondentes.

2. Informar no texto, se é o caso de resenha de livro ou apenas relato de

determinado livro ou revista. O(s) autor(es) do texto deve(m) fornecer seu e- mail, telefone e endereço para contato.

3. Deve conter o título (do livro ou revista), a editora, autor(es), número de

páginas, imagem da capa de livro ou revista, e endereço para a obtenção de

maiores informações sobre o livro e/ou revista.

4. Escrito em português ou inglês, processador Word for Windows (arquivos do

tipo

.doc), letra Arial, tamanho 12, alinhamento justificado, com margens de 3,0

cm

à direita, esquerda, inferior e superior, em papel formato A4, com

espaçamento simples, com no máximo duas páginas e numeração consecutiva,

disposta no lado superior direito.

NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE RELATOS DE EXPERIÊNCIAS EXTENSIONISTAS E ARTIGOS DE OPINIÃO

Os textos deverão ser encaminhados para o endereço da revista, redigidos em português ou inglês, em Word (arquivos do tipo .doc), letra Arial, tamanho 12, alinhamento justificado, com margens de 3,0 cm à direita, à esquerda, inferior e superior, em papel formato A4, com espaçamento simples, com no máximo cinco páginas e numeração consecutiva, disposta do lado superior direito.

Deverá conter ainda resumo e abstract (com 400 palavras, no máximo, para cada situação), bem como palavras-chave e key words.

NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE RESUMOS DE CONGRESSOS DE EXTENSÃO, RESUMOS DE MONOGRAFIAS E TESES

1. Resumos em português e em inglês (com 400 palavras no máximo cada um), que contenham informações referentes a introdução, metodologia, resultados, discussões e conclusões;

2. Palavras-chaves em português e em inglês (limitadas a seis);

3. Deverá conter ainda:

a) Título do trabalho;

b) Autor(es);

c) Orientador(es), se for monografia ou tese;

d) Correio eletrônico do autor;

e) Id entificação do programa ou departamento, onde o trabalho/tese foi desenvolvido ou apresentado;

f) Data e local de defesa da tese ou trabalho.

ISSN 1679-4605

Revista Ciência em Extensão

ANEXO:

NORMAS PARA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT - 2002

Artigo de revista

VEGA, K.J.; PINA, I.; KREVSKY, B. Heart transplantation is associated with a increased risk for pancreatobiliary disease. Ann. Intern. Med., Philadelphia, v.124, n.11, p.980-983, jun. 1996. Livro inteiro

COLSON, J.H.; ARMOUR, W.J. Sports injuries and their treatment. 2.ed. London: S. Paul, 1986. 300p.

Capítulo de livro

WEÍNSTEIN, L.; SWARTZ, M.N. Pathologic properties of invading microorganisms. In: SIDEMAN, W.A.; SODEMAN, W.A. (Eds). Pathologic physiology: mechanisms of disease. Philadelphia: Saunders, 1974. p.457-472.

Capítulo de livro (mesmo autor para livro e capítulo)

SANTOS, F.R.dos. A colonização da terra do Tucujús. In:

Amapá, 1 grau. 2.ed. Macapá: Valcan, 1994. Cap.3

Evento como um todo

História do

REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA, 20., 1997, Poços de Caldas. Química: academia, indústria, sociedade: livro de resumos. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química, 1997.

Trabalho publicado em evento

BENGTSSON, S.; SOLLEIM, B.G. Enforcement of data protection, privacy and security in medical informatics. In: WORLD CONGRESS ON MEDICAL

INFORMATICS, 7., 1992, Geneva. Proceedings 1992. p.1561-1565.

Amsterdam: North Holland,

Tese ou dissertação

SILVA, R.J. Efeito dos venenos de serpentes Crotalus durissus terrificus (LAURENTI, 1768) e Brothrops jararaca (WIED, 1824) na evolução do tumor ascítico de Ehrlich, 1995. 132p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

Publicação eletrônica

WAGNER, C.D.; PERSSON, P.B. Chaos in cardiovascular system: an update. Cardiovasc. Res., Amsterdam, v.40, p.257-264, 1998. Disponível em:

<http://www.probe.br/science.html.> Acesso em: 20 jun. 1999