Você está na página 1de 35

Salete Regina Vicentini

Salete Regina Vicentini Sustentabilidade Ambiental

Sustentabilidade

Ambiental

APRESENTAÇÃO

É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de Sustentabilidade Am- biental, parte integrante de um conjunto de materiais de pesquisa voltado ao aprendizado dinâmico

e autônomo que a educação a distância exige. O principal objetivo desta apostila é propiciar aos(às) alunos(as) uma apresentação do conteúdo básico da disciplina.

A Unisa Digital oferece outras formas de solidificar seu aprendizado, por meio de recursos multidis-

ciplinares, como chats, fóruns, aulas web, material de apoio e e-mail.

Para enriquecer o seu aprendizado, você ainda pode contar com a Biblioteca Virtual: www.unisa.br,

a Biblioteca Central da Unisa, juntamente às bibliotecas setoriais, que fornecem acervo digital e impresso, bem como acesso a redes de informação e documentação.

Nesse contexto, os recursos disponíveis e necessários para apoiá-lo(a) no seu estudo são o suple- mento que a Unisa Digital oferece, tornando seu aprendizado eficiente e prazeroso, concorrendo para uma formação completa, na qual o conteúdo aprendido influencia sua vida profissional e pessoal.

A Unisa Digital é assim para você: Universidade a qualquer hora e em qualquer lugar!

Unisa Digital

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO

5

INTRODUÇÃO

7

1

HISTÓRICO AMBIENTAL

9

1.1 Resumo do Capítulo

11

1.2 Atividades Propostas

12

2

SUSTENTABILIDADE

13

2.1 Resumo do Capítulo

16

2.2 Atividades Propostas

17

3

A GESTÃO AMBIENTAL E A ISO 14001 INSERIDAS NA SUSTENTABILIDADE

19

3.1 O que é a ISO 14001

19

3.2 Por que Buscar o Certificado

19

3.3 Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

20

3.4 Resumo do Capítulo

21

3.5 Atividades Propostas

22

4

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, A POLUIÇÃO E AS CONSEQUÊNCIAS ATUAIS

23

4.1 O Impacto Ambiental Causado pelas Indústrias

24

4.2 O

Consumismo

25

4.3 O Problema das Habitações

25

4.4 Poluição das Águas

26

4.5 Resíduos (Lixo), o Ar e o Solo

28

4.6 Resumo do Capítulo

29

4.7 Atividades Propostas

30

5

AGENDA 21

31

 

5.1 Estrutura do Documento

32

5.2 Os Atores da Agenda 21

32

5.3 Resumo do Capítulo

33

5.4 Atividades Propostas

34

6

CONSIDERAÇÕES FINAIS

35

RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS

37

REFERÊNCIAS

39

Caro(a) aluno(a),

APRESENTAÇÃO

O objetivo geral do curso é formar Engenheiros com capacidade para o planejamento, execução, monitoramento e avaliação de sistemas de prevenção e controle da poluição ambiental e promoção da qualidade ambiental, através da aplicação de princípios tecnológicos, além de formar profissionais ge- neralistas, com base científica e conhecimentos amplos e abrangentes, em todas as áreas da produção, considerando os aspectos humanos, sociais, econômicos, materiais, energéticos, tecnológicos e ambien- tais, para atender às demandas de empresas industriais e de serviços.

Esta apostila e a disciplina Sustentabilidade Ambiental, como um todo, buscam proporcionar uma visão geral do contexto de sustentabilidade, visualizar e conceituar a interdisciplinaridade no processo de sustentabilidade. Dentro dessa perspectiva, o conteúdo está dividido em: histórico, sustentabilidade, gestão ambiental e poluições. Posteriormente, faremos uma conclusão, bem como apresentaremos as respostas comentadas das atividades.

Finalizando, busca-se, também, proporcionar conhecimentos para a melhoria da qualidade de vida.

Será um prazer acompanhá-lo(la) ao longo desse trajeto.

Profa. Salete Regina Vicentini

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

5
5

Caro(a) aluno(a),

INTRODUÇÃO

Os desafios da ciência e da tecnologia contemporânea exigem, cada dia mais, um diálogo constan- te e profundo com os campos do saber. A hiperespecialização, que tanto mistério desvendou ao longo do século que termina, precisará, no século que se inicia, ser compensada por esforços de integrar os conhecimentos conquistados (PHILIPPI JR., 2000).

O nosso mundo complexo apresenta muitos problemas, que estão interligados de alguma forma, e

tanto a ciência quanto a sociedade reclamam uma compreensão, intervenção e possíveis soluções inte- gradas. Sendo assim, a prática da interdisciplinaridade torna-se indispensável para o mundo.

O desenvolvimento da sociedade no seu meio ambiente e as suas interações são processos natural-

mente interdisciplinares. O homem, todavia, na sua simplicidade de raciocínio, transformou esse comple- xo conjunto de interações em elementos disciplinares, para melhor entender e buscar resolver cenários. Enquanto a complexidade dessa sociedade envolvia pequenas interações espaciais e interdisciplinares, essa tendência foi útil e criou um bom avanço científico-tecnológico (PHILIPPI JR., 2000). O próprio de- senvolvimento humano, no entanto, gerou novas pressões e interações ambientais que exigem da ciên- cia uma indispensável postura interdisciplinar.

A necessidade de se estabelecer novos métodos para o conhecimento das questões ambientais,

sociais e econômicas do planeta faz com que sejam fixadas as bases que deverão provocar mudanças e transformações na sociedade como um todo. Na verdade, estando a natureza profundamente marcada por ações humanas, muitas delas de caráter predatório, é imperioso encontrar meio de diminuir ou mini- mizar os impactos negativos, interferindo especialmente em muitos processos industriais que ainda des- prezam as tristes consequências de suas linhas de produção para o meio ambiente (PHILIPPI JR., 2000)

Na medida em que o homem desenvolve suas formas materiais de vida, gerando tecnologia nova, indústrias e desenvolvimento econômico, passa a exigir novas formas organizativas. Essas novas formas estão intimamente ligadas ao direito, principalmente quando essa organização é fundamentalmente so- cial. Nesse caso, a questão jurídica, que trata do sistema de controle dessas forças que formam o conteú- do histórico e social de uma comunidade, deve ser considerada (ALVES, 2002). Hoje, afirma-se que, graças à modernidade, à Revolução Científica e ao processo de globalização impulsionado pela revolução cibernética e informática, o homem entra em uma nova etapa civilizató- ria: a era do conhecimento. Isso é verdade, porque nunca antes ele havia construído e transformado

o mundo com tanta intensidade sobre a base do conhecimento. Ao mesmo tempo que o ser humano

superexplora recursos e desgasta ecossistemas para convertê-los em valor de troca, “tecnologiza” a vida

e coisifica o mundo. A ciência e a tecnologia converteram-se nas maiores forças produtivas e destrutivas da humanidade (LEFF, 2000). Assim, a ciência e a tecnologia, caminhando como parceiras na direção do sustentável, descobrem

a complexidade do meio ambiente e se dão conta de que precisam estar cada vez mais equipadas; para

tanto, as bases tecnológicas e científicas deverão ser alteradas; só assim estarão em condições de en- frentar e resolver transtornos ambientais complexos, tais como as diversas formas de poluição, nos quais

deve ser necessariamente incluído o impacto provocado pela fome e pela miséria (PHILIPPI JR., 2000).

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

7
7

1 HISTÓRICO AMBIENTAL

Caro(a) aluno(a),

O capítulo começa com um breve histórico da questão ambiental, componente muitas ve- zes esquecido e de extrema importância para o entendimento das questões e problemáticas am- bientais atuais.

Analisando a história de forma linear, po- demos dizer que, desde a Pré-história, o homem já utilizava os recursos naturais, porém de forma moderada. Com o início da utilização de ferra- mentas, pôde utilizar o ambiente natural, de for- ma a modificá-lo, como, por exemplo, no corte de árvores, feitio de cercas, entre outros. Na Antigui- dade, desenvolveram-se importantes projetos de saneamento, até hoje utilizados. Os mais conheci- dos foram os de saneamento em Roma e Grécia. Nessa época, ao mesmo tempo que alguns povos faziam as devidas relações com o ambiente natu- ral e humano, outros nem sequer entendiam es- sas relações, já havendo aqui uma pequena par- cela de degradação, uma vez que alguns povos abandonavam os locais de uso dos recursos natu- rais e não os recuperavam, procurando outros lo- cais para a exploração. Um exemplo foi os Maias.

Na Idade Média, houve vários problemas, inclusive de saúde pública, devido ao crescimen- to da população; banheiros públicos passaram a não ser suficientes para todos, assim como o sa- neamento básico, disseminando várias doenças e havendo um aumento da mortalidade na popu- lação.

No início do século XIX, ocorreu uma Revo- lução Energética e não uma Revolução Industrial, pois era necessária muita energia para que se produzisse cada vez mais; o consumo aumentou exacerbadamente e a degradação ambiental tor- nou-se um fator necessário para que as empresas

atingissem seus objetivos. O aumento da popula- ção fez com que a demanda da produção atingis- se um patamar altíssimo, a fim de suprir a sua ne- cessidade. A mídia foi e é um fator de degradação quando vai contra a realidade dos graves fatores ambientais. O marketing, por si, faz seu papel divulgan- do uma “qualidade de vida” enganosa, pois cria campanhas que mostram a necessidade de con- sumir determinados produtos para trazer a “feli- cidade”; entretanto, nem todos podem consumir, aliás, a maior parcela da população brasileira não pode chegar à tão sonhada “felicidade” segundo o mundo do marketing, potencializando a cultura de massa e se esquecendo, portanto, de formas mais sustentáveis de viver. Mesmo assim, o consumo é desenfreado; além disso, quem pode consome muito. A partir disso, o ser humano distanciou-se da natureza e passou a não mais encará-la como o equilíbrio do planeta Terra e sim como recurso infinito para a sua sobrevivência, mas ignorou o fato de que es- ses recursos não são infinitos. Hoje, passamos por uma grande ironia em relação à natureza: gastam-se milhões para re- cuperar o que poderia não ter sido degradado, alimentando, assim, as crescentes demandas das sociedades de consumo. Até onde sabemos, o ser humano é uma es- pécie entre milhares, que tem consciência e pode intervir de forma positiva ou negativa; nesse caso, contando com a ética, gerada através de valores que podem ser descobertos ou estão enraizados nas culturas de todos os povos. Além disso, todos os organismos estão inter-relacionados e depen- dem uns dos outros, conceito que pode ser larga- mente entendido em Ecologia, Economia, estu- dando a casa e fazendo seu manejo, optando por este, de forma sustentável.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

9
9

Salete Regina Vicentini

SaibaSaiba maimaiss

Conceitos importantes:

Ecologia: do grego oikos = casa/logos = estudo. É “o estudo do ambiente da casa, incluindo todos os organismos contidos nela e todos os processos funcionais que a tornam habitável”;

Ecossistema: é a unidade básica da Ecologia;

Economia: significa, do grego também, manejo da casa;

Biodiversidade: é um conceito recentemente introduzido dentro da Ecologia, com a crescen- te preocupação ambiental atingida nos últimos anos. Significa diversidade, ou seja, o número de espécies diferentes, sejam elas animais, plantas e/ ou microrganismos, que compõem um determi- nado ecossistema ou mesmo o próprio planeta;

Espécie: dois ou mais organismos são considera- dos da mesma espécie quando podem se repro- duzir, originando descendentes férteis;

População: é formada por organismos da mesma espécie ocupando uma dada área;

Comunidade: é um conjunto de todas as popu- lações, sejam elas de microrganismos, animais ou vegetais, existentes em uma determinada área.

animais ou vegetais, existentes em uma determinada área. A partir da década de 1960, movimentos ambientalistas
animais ou vegetais, existentes em uma determinada área. A partir da década de 1960, movimentos ambientalistas

A partir da década de 1960, movimentos

ambientalistas começaram a pressionar a socie-

dade para a sensibilização e posterior conscienti- zação de todos. Eventos importantes começaram

a ocorrer, envolvendo o mundo todo nas ques-

tões ambientais de maneira geral, na política, na sociedade, na educação, na saúde, na economia,

no ambiente natural e urbano, no planejamento, na gestão ambiental.

O início da luta por um mundo ambiental-

mente mais equilibrado, em escala planetária,

deu-se na década de 1970, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou em Estocolmo

a primeira grande Conferência sobre o Meio Am-

biente, na qual seu principal objetivo foi alertar o mundo para o fato de que os processos tecnoló- gicos e socioeconômicos associados ao “desen- volvimento” estavam comprometendo a qualida- de de vida da Terra (FELDMANN, 2011).

Em 1992, com a Rio 92, Conferência das Na- ções Unidas, foram reafirmadas várias recomen- dações sobre assuntos diversos, bem como foi criada a Agenda 21, que hoje entra nos municí- pios, cidades e países como ferramenta das prio-

ridades locais, agindo localmente para contribuir globalmente. Quanto ao Desenvolvimento Sus- tentável, foram reafirmados, também, seu concei- to e dimensão.

Já em 2001, reunião sobre Mudanças Climá- ticas foi realizada em Bonn, Alemanha. O Proto- colo de Kyoto chegou mais perto da ratificação, mesmo sem o apoio dos Estados Unidos e com modificações no texto original. Hoje, o protocolo está confuso. Foi ratificado em parte, mas países estão saindo do acordo para que não haja preju- ízos. Reuniões (Conferências das Partes – COPS) são realizadas todos os anos. Neste ano, alguns itens avançaram, mas está longe um novo acordo, como o que foi feito em 1997 para que os países mais desenvolvidos diminuíssem 5% da poluição atmosférica medida em 1992 até 2012, que não é mais válido.

Em 2002, na Rio +10, em Joanesburgo, Áfri- ca do Sul, de 26 de agosto a 4 de setembro, 190

países participaram das negociações oficiais para

o desenvolvimento de novos acordos baseados

na Agenda 21 (Rio 92). Entre os trechos mais de- batidos, encontravam-se mecanismos para a re- dução da pobreza, preservação da biodiversidade

e aumento do uso de fontes de energia limpas e renováveis. Vamos aguardar novas informações para este ano, na Rio +20.

Nos dias de hoje, a globalização contribui com a perda da cultura; as pessoas são estressa- das e estatísticas do Instituto Brasileiro de Geo- grafia e Estatística (IBGE) de 2002 mostram que, em São Paulo e Rio de Janeiro, há um maior índice de homicídios e a qualidade de vida cai cada vez mais.

SaibaSaiba maimaiss Em 1952, uma névoa instalou-se em Londres, cau- sada pela queima de carvão,
SaibaSaiba maimaiss
Em 1952, uma névoa instalou-se em Londres, cau-
sada pela queima de carvão, matando milhares de
pessoas. Durante 5 dias, a cidade praticamente não
funcionou, até que ventos dispersaram a névoa. A
partir desse evento, houve o início de pensamentos
acerca da despoluição nas cidades.
10
10

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI, 1999), em 2015, a proporção das pessoas vi- vendo na pobreza extrema deve cair pela metade e todas as crianças de países em desenvolvimen- to estarão na escola; em 2025, haverá guerra para adquirir água e, em 2040, o ar será mais seco, os invernos, rigorosos e os verões, mais quentes e haverá aumento do nível do mar.

AtAtençãençãoo A história é importante como fator norteador dos acontecimentos atuais. Sempre relacione o passado
AtAtençãençãoo
A história é importante como fator norteador
dos acontecimentos atuais. Sempre relacione o
passado com o presente. O histórico de locais
também é significativo para o levantamento de
áreas, fazendo com que conclusões de projetos
fiquem mais perto da realidade passada, no caso
de recuperação de algumas áreas.
1.1 Resumo do Capítulo
1.1 Resumo do Capítulo

Caro(a) aluno(a),

Neste capítulo, estudamos o histórico ambiental, que, por si só, refere-se à sustentabilidade. Assim sendo, podemos concluir que a biodiversidade refere-se ao recurso global, composto pela variedade e variabilidade de todas as formas de vida, de ocorrências naturais ou domesticadas.

A biodiversidade pode ser abordada em três níveis:

ƒƒdiversidade genética;

ƒƒdiversidade de espécies: a mais facilmente observável e, normalmente, usada para avaliar o estado geral da biodiversidade;

ƒƒdiversidade de ecossistemas: observação das condições gerais e da diversidade global (NE- GRÃO, 2002).

Sendo assim, ao longo da história da Terra, houve flutuações na sua biodiversidade. Antes do Homo sapiens, no Cambriano (aproximadamente 600 milhões de anos atrás), surgiram os primeiros seres vivos multicelulares com estruturas diferenciadas. No período seguinte, houve várias extinções e, assim, surgi- ram novas espécies, alterando constantemente a biota. Assim, o papel do homem sobre a biodiversidade pode ser dividido em 4 fases:

1. fase do caçador – coletor: há cerca de 500 milhões de anos, com o uso do fogo pelo Homo erectus. Ferramentas rudimentares, nômade; podendo, nessa época, já atribuir um “certo” im- pacto humano;

2. fase de modificações na biodiversidade: há 10 mil anos. Havia uma agricultura de subsistên- cia e pastoreio (início de manipulação genética = domesticação). O impacto, nessa fase, foi 5 vezes maior que o inicial;

3. urbanização: há, aproximadamente, 5.500 anos e ainda não se completou. Envolve a explora- ção de recursos renováveis, em que o impacto já é cerca de 500 vezes maior que o inicial;

4. tecnologia moderna: ainda está em andamento e ocorre diferentemente no planeta como um todo. O impacto é 200 mil vezes maior que o inicial (NEGRÃO, 2002).

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

11
11

Salete Regina Vicentini

MultimídiaMultimídia Veja o vídeo A história das coisas, em http:// www.youtube.com/watch?v=3c88_Z0FF4k. Você vai
MultimídiaMultimídia
Veja o vídeo A história das coisas, em http://
www.youtube.com/watch?v=3c88_Z0FF4k.
Você vai reparar que o vídeo possui um contex-
to histórico e nos traz uma base sobre a susten-
tabilidade do planeta.

Vamos analisar, agora, seu aprendizado.

1.2 Atividades Propostas
1.2 Atividades Propostas

1. Relacione a mídia sugerida anteriormente com a história ambiental e a sustentabilidade.

2. Relacione o capítulo com a sua qualidade de vida. Pense no que você estaria, hoje, fazendo com seu dinheiro e tempo. Relacione em tópicos e compare: como você vivia antes? Como vive hoje? O que pode e tem que melhorar para que sua vida fique mais sustentável?

12
12

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

2 SUSTENTABILIDADE

Caro(a) aluno(a),

Afinal, o que é a Sustentabilidade? Está vol- tada à interdisciplinaridade, que significa: traba- lho em equipe, contendo profissionais de várias áreas, para um determinado estudo de caso, seja ele a execução de planejamentos, projetos, ope- ração ou manutenção de setores de interesse am- biental, tendo visões diferentes em cima de um mesmo tópico (problema-solução). Muitos entendem a sustentabilidade como algo apenas relacionado a locais naturais, ao “meio ambiente”, porém isso é um equívoco, pois a sustentabilidade ressalta-nos o todo na socie- dade, ou seja, contextos sociais, econômicos e ambientais. Além disso, “meio ambiente” não

significa apenas locais naturais e sim todo e qual- quer meio ambiente, seja ele escolar, urbano etc. Dentro desses contextos, desmembramos a cul- tura, política, turismo, educação e saúde. Por isso, a Sustentabilidade está voltada à interdisciplina- ridade, pois trabalhamos tudo isso de forma a in- terligar os acontecimentos nos itens comentados anteriormente. Para representá-la, costumamos falar sobre o tripé da sustentabilidade. Para tanto, segue modelo representativo.

AtAtençãençãoo Não pense que Sustentabilidade está ligada ape- nas ao Ambiente Natural! Lembre-se sempre do
AtAtençãençãoo
Não pense que Sustentabilidade está ligada ape-
nas ao Ambiente Natural! Lembre-se sempre do
tripé da Sustentabilidade e sua dimensão!

Figura 1 – Representação do modelo de Tripé da Sustentabilidade (Triple Bottle Line – TBL).

do modelo de Tripé da Sustentabilidade ( Triple Bottle Line – TBL). Unisa | Educação a

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

13
13

Salete Regina Vicentini

Não esqueçamos a questão da ética. No mundo corporativo, podemos observar “missão, visão e valores” das organizações como sua base, sendo que, entre seus valores, está inserida a éti- ca. Ética é ação, é a maneira de colocarmos em prática os nossos valores morais, e o que parece simples é bem complexo, pois a ética exerce-se

no espaço entre o que “é” e o que “deveria ser” e

aí entra a questão de quem somos pelos nossos

Você pode estar perguntando: o que isso

tem a ver com a sustentabilidade? Pois bem, só conseguiremos a verdadeira sustentabilidade a partir da ética, ou seja, o discurso feito terá que ser igual às atitudes.

atos

 

SaibaSaiba maimaiss

Conceitos importantes:

 

Sustentabilidade: é um conceito sistêmico relacionado à continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana; equilíbrio entre as entradas e as saídas, ou seja, entre o desenvolvimento social,

 

crescimento econômico e a utilização dos recursos naturais, ecologicamente correta, economicamente viável, socialmente justa e culturalmente aceita;

o

Desenvolvimento sustentável: “[

]

aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilida-

 

de de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades.”;

Consumo sustentável: o comportamento humano garantirá o crescimento contínuo da economia da empresa, por meio do uso inteligente/consciente dos recursos naturais utilizados;

Políticas públicas: referem-se tanto àquelas que são propostas diretamente por membros do Poder Legislativo quan-

 

to

as que são encaminhadas ao Poder Legislativo pelo Executivo. Visam sempre ao bem comum da sociedade, com

a

devida ponderação dos interesses de diferentes grupos sociais. Podem, ainda, ser elaboradas com a participação

da comunidade, seja através de Organizações Não Governamentais (ONGs), seja por meio de determinados comitês ou conselhos. É um conjunto de diretrizes estabelecido pela sociedade, por meio de sua representação política, em forma de lei, visando à melhoria das condições de vida dessa sociedade;

Ambiente: não é o meio que circunda as espécies e as populações biológicas; é uma categoria sociológica (e não biológica), relativa a uma racionalidade social, configurada por comportamentos, valores e saberes, bem como por novos potenciais produtivos. Nesse sentido, o ambiente do sistema econômico está constituído pelas condições ecológicas de produtividade e regeneração dos recursos naturais, bem como pelas leis termodinâmicas de degrada- ção de matéria e energia no processo produtivo. O ambiente estabelece potenciais e limites às formas e ritmos de ex- ploração dos recursos, condicionando os processos de valorização, cumulação e reprodução do capital (LEFF, 2000);

Conservação: está ligada ao conceito de sustentabilidade, ou seja, pode utilizar determinada área, contanto que, para ela, sejam devolvidas as mesmas características ou características próximas;

Preservação: espaços a serem preservados devem ficar exatamente como estão ou são;

Educação ambiental: entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletivi- dade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltados para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade (Lei nº 9.795 – PNEA, 1999).

vida e sua sustentabilidade (Lei nº 9.795 – PNEA, 1999). Agora, vamos entender como o desen-

Agora, vamos entender como o desen- volvimento sustentável está ligado à sustenta- bilidade. Eles são a mesma coisa? O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo Binswan- ger (1997), é uma alternativa ao conceito de crescimento econômico, o qual está associado a crescimento material, quantitativo da economia. Isso não quer dizer que, como um resultado de um desenvolvimento sustentável, o crescimento econômico deva ser totalmente abandonado, ad- mitindo-se, antes, que a natureza é a base neces- sária e indispensável da economia moderna, bem como das vidas das gerações presentes e futuras. Desenvolvimento sustentável significa qualificar

o crescimento e reconciliar o desenvolvimento

econômico com a necessidade de se preservar o meio ambiente, e que esse conceito não seja ape- nas mais um a ser listado em nossas mentes e sim executado.

É evidente, contudo, que a sustentabilidade perfeita não pode ser efetivada, tendo em vista que os estragos feitos ao meio ambiente, bem como a perda de capital natural, são já conside- ráveis. Mas o conceito de sustentabilidade pode servir para frear uma destruição mais acelerada dos recursos naturais.

Hoje, conversa-se com um empresário ou com pessoas que, de certa forma, são informados

14
14

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

e

há certa confusão do ponto de vista conceitu-

al

sobre a questão ambiental, do que é Ecologia,

Meio Ambiente, Conservação, Preservação, entre outros. Aqui entra a necessidade de capacitações contínuas, mostrando o quanto é importante uti- lizar a Educação Ambiental em projetos dentro das empresas, utilizando suas ferramentas para alcançar a mudança de valores dessas pessoas, envolvendo toda a comunidade empresarial, de seu entorno e os consumidores, pois há uma falha nesses processos. A mudança de valores mostra- -se essencial para atingir a Sustentabilidade do Sistema como um todo.

De maneira geral, a sustentabilidade en-

globa fatores ambientais, políticos econômicos

e a continuidade deles, de forma a sempre exis-

tirem recursos naturais para as gerações futuras. Nas empresas, a sustentabilidade ambiental deve aparecer para encarar o papel dela na sociedade e exercer a responsabilidade socioambiental, atra- vés do tão falado desenvolvimento sustentável.

Segundo o Dicionário Michaelis, desenvol- ver significa tirar invólucro, descobrir o que es- tava encoberto; envolver significa meter-se num invólucro, comprometer-se. Dessa forma, poderí- amos dizer que desenvolver uma pessoa ou co- munidade significa retirá-la do seu invólucro ou contexto ambiental; descomprometê-la com o seu ambiente.

O “envolvimento sustentável”, dito nova- mente por Viana (2000), tem dois componentes básicos. Primeiro, as ações voltadas para a trans- formação da realidade devem fortalecer o en- volvimento das relações das sociedades com os ecossistemas locais. O“envolvimento sustentável” deve buscar reverter o distanciamento do homem em relação à natureza. Ao envolver as socieda- des com os ecossistemas locais, são fortalecidos os vínculos econômicos, sociais, espirituais, cul- turais e ecológicos. Cria-se uma lógica diferente daquela que hoje predomina e tem produzido o aumento da miséria e da degradação ambiental.

O envolvimento sustentável deve criar condições

favoráveis para um manejo mais cuidadoso, feito por indivíduos que vivem, convivem, apreciam e conhecem as sutilezas dos ecossistemas naturais.

Envolver, aliás, é a antítese de desenvolver! Mas hoje esse termo está enraizado e o importante é entender suas diferentes facetas e como iremos trabalhar isso na prática empresarial, social, eco- nômica e ambiental. É preciso que se desenvol- vam novos pensamentos, tecnologias, na econo- mia ambiental e ecológica, para evitar que elas se tornem parte do problema da insustentabilidade. Isso posto, não é nada fácil e aí entramos de forma a mostrar a importância para cada um.

Deve ficar claro que, para que as empresas promovam a sustentabilidade, é necessário o en- volvimento não só empresarial, e sim social, do entorno, buscando o que podemos chamar“equi- líbrio” ou mais próximo dele.

 

SaibaSaiba maimaiss

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), economia verde é aquela que resulta na melhoria do bem-estar humano e da igualdade social, ao mesmo tempo que reduz sig- nificativamente os riscos ambientais e as carências ecológicas. Na economia verde, o crescimento da renda e do nível de emprego deve ser impulsiona- do por investimentos públicos e privados, desde que reduza a emissão de carbono e poluição, me-

lhore a eficiência energética e de recursos e evite a perda da biodiversidade e dos serviços ecossistêmi- cos (FELDMANN, 2011).

O

PNUMA afirma que o investimento de apenas

2% do Produto Interno Bruto (PIB) global por ano

(US$ 1,3 trilhão) em dez setores-chave (agricultura, edificações, energia, pesca, silvicultura, indústria, tu- rismo, transporte, água e gestão de resíduos) pode dar início a uma economia de baixo carbono e efi- ciência de recursos. A Rio +20, reunião para avaliar

os

20 anos após a Rio 92, será realizada este ano no

Rio de Janeiro e terá como um dos eixos principais a

Economia verde, no contexto do Desenvolvimento Sustentável e Erradicação da pobreza e da Gover- nança Internacional para o Desenvolvimento Sus- tentável (FELDMANN, 2011).

para o Desenvolvimento Sus- tentável (FELDMANN, 2011). Segundo Odum (2002), a escalada do pro- gresso técnico

Segundo Odum (2002), a escalada do pro- gresso técnico humano pode ser medida pelo seu poder de controlar e transformar a natureza. Quanto mais rápido o desenvolvimento tecnoló- gico, maior o ritmo de alterações provocadas no meio ambiente. Cada nova fonte de energia do- minada pelo homem produz determinado tipo

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

15
15

Salete Regina Vicentini

de desequilíbrio ecológico e de poluição. A inven- ção da máquina a vapor, por exemplo, aumenta a

procura pelo carvão e acelera o ritmo de desma- tamento.

2.1 Resumo do Capítulo
2.1 Resumo do Capítulo

Caro(a) aluno(a),

Neste capítulo, você viu sobre o contexto, dimensão e importância da sustentabilidade. O que você deve incorporar é que o grande problema é o aumento da população. Quanto maior a população, maior o consumo, provocando problemas sociais, econômicos e ambientais. A Sustentabilidade aparece como solução para a melhoria de qualidade de vida, assim como tecnologias mais sustentáveis, mudan- ça de valor e pensamentos individuais e coletivos. É importante ressaltar que, para que haja mudanças de valores, é necessário utilizar formas de capacitação, entre as quais, a Educação Ambiental, pela Lei nº 9.795/99, traz-nos ideias, direitos e deveres relacionados a isso.

Figura 2 – Resumo representativo da Sustentabilidade como solução para os problemas atuais.

da Sustentabilidade como solução para os problemas atuais. Ainda podemos resumir: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ƒƒ

Ainda podemos resumir:

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ƒƒSegundo a ONU, é aquele que atende às necessidades do presente, sem comprometer as pos- sibilidades das gerações futuras;

ƒƒProver sustento, segurança e vida adequada para todos;

ƒƒRespeitar os limites e regras do meio biofísico;

ƒƒPapel fundamental dos governos para políticas públicas de Desenvolvimento Sustentável;

ƒƒMelhoria da qualidade vida;

ƒƒA Gestão Ambiental (gerenciar tudo que está ao redor) não pode se separar do desenvolvimen- to sustentável.

16
16

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

DIMENSÕES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ƒƒSociocultural: consumo, história, cultura, cidadania;

ƒƒAmbiental: esgotamento dos recursos naturais não renováveis (minérios: carvão, ferro, petró- leo), degradação dos sistemas naturais (biodiversidade);

ƒƒEconômica: atender ao interesse de diferentes grupos (governo, população), redução da po- breza, equidade.

MultimídiaMultimídia Para exemplificar o capítulo, vamos assistir à campanha do Santander sobre sustentabilida- de,
MultimídiaMultimídia
Para exemplificar o capítulo, vamos assistir à
campanha do Santander sobre sustentabilida-
de, levando em conta o tripé da sustentabilida-
de. Devemos refletir que nem todas as corpora-
ções fazem isso, bem como as que fazem não
fazem 100%. É também o início de tudo isso,
uma mudança, devendo levar em conta o pro-
cesso econômico da empresa.
• Capítulo 1: http://www.youtube.com/watch?
v=VKCvFaQbx9c&feature=pyv;
• Capítulo 2: http://www.youtube.com/
watch?v=GZ8js2FX0mU;
• Capítulo 3: http://www.youtube.com/watch?
v=8Jug39kaj7g&feature=BFa&list=PL1D6817
40F609695B&lf=results_main.

Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem.

2.2 Atividades Propostas
2.2 Atividades Propostas

1. Onde a Sustentabilidade será utilizada na Engenharia/Tecnologia?

2. Na abordagem das implicações da tecnologia atual para a saúde do homem e do meio am- biente (Degradação Ambiental), até que ponto vale a construção de uma usina hidrelétrica em determinado local?

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

17
17

3 A GESTÃO AMBIENTAL E A ISO 14001 INSERIDAS NA SUSTENTABILIDADE

3.1

O que é a ISO 14001

INSERIDAS NA SUSTENTABILIDADE 3.1 O que é a ISO 14001 Segundo definição da Confederação Nacio- nal

Segundo definição da Confederação Nacio- nal da Indústria, uma norma ambiental interna- cional é a tentativa de homogeneizar conceitos, ordenar atividades e criar padrões e procedimen- tos que sejam reconhecidos por aqueles que es- tejam envolvidos com alguma atividade produto- ra que gere impactos ambientais. O movimento em direção à normatização e gerenciamento ambiental surgiu no início dos anos 1990, através do trabalho de instituições normatizadoras de di- versos países europeus. Por ocasião da Eco-92, foi apresentada a proposta de criação de um grupo especial para estudar a elaboração de normas de

gestão ambiental, com o intuito de serem inter- nacionalmente reconhecidas. As primeiras nor- mas foram publicadas em meados de 1996, in- cluindo o documento de especificação ISO 14001, que representa um modelo de Sistema de Gestão Ambiental (SGA) através do qual as empresas po- dem buscar a certificação. O empresariado bra- sileiro deve ficar atento ao cenário que se forma em torno da publicação da série ISO 14000 e aos reflexos que o processo de certificação ISO 14001 pode trazer para a competitividade internacional de nossos produtos.

3.2 Por que Buscar o Certificado
3.2 Por que Buscar o Certificado

Apesar de a certificação ISO 14001 desper- tar maior interesse nas empresas exportadoras, já que existe a tendência do nascimento de um pro- tecionismo ambiental no mercado internacional, diversos são os motivos que podem levar uma organização brasileira, seja ela multinacional ou não, a buscar sua obtenção. Entre esses motivos, cabe destacar:

ƒƒa tentativa de diminuir pressões legais; ƒƒa busca por uma melhor administração de custos ambientais; ƒƒmelhoria da imagem institucional pe- rante o público consumidor; ƒƒproporcionar um diferencial competiti- vo em seu nicho de mercado.

Os dois primeiros motivos expostos estão intimamente relacionados. A legislação brasileira impõe às empresas um alto custo em seus negó- cios. Supostamente, os órgãos ambientais, em seus diferentes níveis, através dos esforços em fazer cumprir a legislação aplicável aos diferentes tipos de organizações, passam a criar e exigir de- terminadas responsabilidades empresariais. Para cumprir suas obrigações, as empresas deparam- -se com custos sob a forma de despesas de in- vestigação e remediação em áreas degradadas, tratamento e disposição de efluentes e resíduos, multas, além de paralisações em suas atividades. Além desses, podemos considerar custos ambien- tais os desperdícios de matéria-prima, energia e insumos, comuns na indústria nacional.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

19
19

Salete Regina Vicentini

Salete Regina Vicentini At At ençã ençã o o A Gestão Ambiental possui sempre um depar-

AtAtençãençãoo

A Gestão Ambiental possui sempre um depar- tamento específico dentro das empresas, o que não quer dizer que será separado do restante de- las. Todos os setores devem estar interligados no contexto da sustentabilidade; entretanto, quan- do falamos em Sistema de Gestão, seja ele qual for, prezando a qualidade, é necessário um diá- logo entre as partes. A Gestão Ambiental, por si só, relaciona-se com a parte econômica e social, além, é claro, dos ambientes que correspondem a ela.

Certamente, a implementação de um SGA, segundo o modelo proposto pela NBR ISO 14001, impulsiona as empresas a observarem essas ques- tões, sob uma ótica gerencial, de forma mais sus- tentável. Os procedimentos exigidos para a cer- tificação, principalmente em relação a requisitos legais e controles operacionais, farão com que as empresas passem a considerar suas relações com o meio ambiente como qualquer outro aspecto de seus negócios.

Pode-se dizer, também, que as outras duas razões citadas têm bastante em comum. É natural que uma empresa, após a obtenção de um certi- ficado internacional de qualidade ambiental, pas- se a fazer uso de sua conquista como marketing institucional, principalmente se fizer parte de um segmento industrial tradicionalmente poluidor. O

marketing ecológico passou a ser obrigação das empresas que pretendem continuar – ou se tor- nar – modernas e competitivas, e, apesar de não garantir um padrão de excelência em termos de desempenho ambiental, a certificação ISO 14001 representa esforços concretos e um compromisso assumido na busca por uma minimização de im- pactos ambientais e pela sustentabilidade.

SaibaSaiba maimaiss

Conceitos importantes:

Aspectos: elementos das atividades, produtos ou serviços de uma organização que podem intera- gir com o Meio Ambiente;

Impacto: qualquer modificação do meio ambien- te, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos aspectos ambientais da organiza- ção;

Melhoria contínua: processo recorrente de se avançar com o SGA, com o propósito de atingir o aprimoramento do desempenho ambiental ge- ral, coerente com a política ambiental da organi- zação;

SGA: é a parte do sistema global que inclui a es- trutura organizacional, atividades de planejamen- to, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, imple- mentar, atingir, analisar criticamente e manter a política ambiental;

Gestão Ambiental (GA): é um modelo administra- tivo usado por uma única área para tratar as ques- tões ambientais, sem haver a inter-relação com o resto das áreas da organização;

Implementação: dar execução a um plano, proje- to e/ou programa, colocar em prática.

a um plano, proje- to e/ou programa, colocar em prática. 3.3 Gestão Ambiental e a Sustentabilidade
a um plano, proje- to e/ou programa, colocar em prática. 3.3 Gestão Ambiental e a Sustentabilidade
3.3 Gestão Ambiental e a Sustentabilidade
3.3 Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

A noção de sustentabilidade pressupõe a realização de desenvolvimento sem destruição; logo, traduzi-la supõe perseguir-se um grau de desenvolvimento caracterizado pelo redirecio- namento do atual padrão de produção e consu- mo. Isso significa reduzir os impactos ambientais resultantes desse processo e, por conseguinte, melhorar os níveis de qualidade ambiental das cidades.

Essa perspectiva tem sido preconizada a partir dos dispositivos constitucionais da Carta

Magna de 1988 e dos instrumentos e documen- tos produzidos na década seguinte, os quais de- finem o estado da arte sobre sustentabilidade e qualidade do meio ambiente. Entre as evidências mais recentes, além dos inúmeros esforços teó- ricos, destacam-se o documento produzido para orientar a implementação da Agenda 21 brasi- leira (MMA; PNUD, 1999) e o Estatuto da Cidade (2001). Em todas essas construções, a ideia da sustentabilidade ambiental está apoiada na de- fesa de uma qualidade ambiental que se traduz

20
20

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

pelo equacionamento dos problemas socioeco- nômicos (“sociedade ambientalmente mais jus- ta”) e ecológicos (“intervenções ecologicamente sustentáveis”).

A produção e o consumo de bens e de

serviços devem respeitar e visar uma so-

ciedade mais justa (sustentabilidade so- cial); a conservação e utilização racional

e adequada dos recursos naturais, reno-

váveis e não renováveis, incorporados às atividades produtivas (sustentabilidade ambiental); e a gestão e aplicação mais eficientes dos recursos para suprir as ne- cessidades da sociedade e não permitir a

submissão absoluta às regras de mercado (sustentabilidade econômica). (OLIVEIRA, 2001, p. 12).

SaibaSaiba maimaiss É certo que os SGAs são extremamente importantes para a sustentabilidade do planeta.
SaibaSaiba maimaiss
É certo que os SGAs são extremamente importantes
para a sustentabilidade do planeta. A concentração
pré-industrial de CO 2 na atmosfera era de 280 partes
por milhão (ppm). A menor projeção para o fim do
século XXI é superior a 520 ppm. Já é certo que o
aquecimento global médio ultrapasse 1 ºC por volta
de 2050 e talvez chegue a 6 ºC até o fim do século
(FELDMANN, 2011).
3.4 Resumo do Capítulo
3.4 Resumo do Capítulo

Caro(a) aluno(a), A sustentabilidade insere-se nesse contexto, uma vez que há vários benefícios na implantação de um SGA para a prevenção de possíveis impactos gerados pelos aspectos da empresa. Segue, na Figura 3, um esquema demonstrativo, levando em conta a melhoria contínua. Perceba que todas as flechas estão ligadas ao SGA e, em consequência, temos a melhoria contínua, que, por sua vez, promove a sustentabilidade do sistema.

Figura 3 – Esquema demonstrativo das ligações entre Sustentabilidade e SGA.

– Esquema demonstrativo das ligações entre Sustentabilidade e SGA. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

21
21

Salete Regina Vicentini

MultimídiaMultimídia Para maior entendimento do capítulo, leia o texto do link : http://www.fecilcam.br/anais_ive-
MultimídiaMultimídia
Para maior entendimento do capítulo, leia o
texto do link : http://www.fecilcam.br/anais_ive-
epa/arquivos/9/9-14.pdf.

Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem.

3.5 Atividades Propostas
3.5 Atividades Propostas

Leia o texto proposto e responda:

1. Tendo em vista que os recursos naturais finitos estão se esgotando, tem-se a necessidade de um novo modelo de produção, que produza mais e polua menos; com isso, a Engenharia tem, entre suas áreas, a Engenharia da Sustentabilidade, que visa a uma produção sustentável, nos contextos ambiental, social, ecológico, econômico e político. Relacione essa frase com a Ges- tão Ambiental.

2. Relacione Gestão Ambiental com a Sustentabilidade.

22
22

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

4 A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, A POLUIÇÃO E AS CONSEQUÊNCIAS ATUAIS

Caro(a) aluno(a),

Neste capítulo, iremos abordar as causas

e as consequências do início do processo de in-

dustrialização no mundo, o que, por si só e com o aumento da população, ocasionou fortes mudan- ças ambientais, econômicas, políticas, culturais e sociais.

O grande impulso das indústrias, em função

de diversos fatores, não mais permitiu ao homem

satisfazer-se com formas grosseiras e modestas de aproveitamento das energias disponíveis, como moinhos de vento, rodas-d’água e força animal.

A Revolução Industrial, iniciada no século XVIII,

foi, na verdade, uma revolução nos processos de

utilização da energia, que se tornava necessária em quantidades cada vez maiores, para permitir

a produção de bens de consumo na proporção

exigida por populações em rápido crescimento (BRANCO, 2002).

A urbanização (criação de cidades) é, sem

dúvida, a intervenção humana que maior impac-

to causa no meio natural. O aumento da popula-

ção interfere no planejamento urbano dos locais, inclusive na questão das ocupações indevidas, o que não justifica o governo não tomar atitudes para evitar esse fator. Nos ecossistemas que não sofreram alteração pelo homem, existe uma per- feita troca de energia entre todos os seus compo- nentes, sejam eles vivos ou não. Já nas cidades, há uma total alteração desse equilíbrio, que se inicia pela remoção da cobertura vegetal, alterando a dinâmica das populações de organismos, bem como a ciclagem da água e dos nutrientes no solo. Tal processo de degradação quase sempre

culmina com a total impermeabilização da super- fície, através da pavimentação.

À medida que a população aumenta (hoje, temos cerca de 7 bilhões de habitantes), as inter- -relações entre o meio físico e os aspectos bioló- gicos, psicológicos e sociais tornam-se cada vez mais complexas. Isso porque a cidade não é um ecossistema urbano, pois qualquer ecossiste- ma deve, antes de tudo, ser autossuficiente. Um exemplo a ser dado é um aquário, que pode ser interpretado como um ecossistema, desde que possua plantas que, recebendo energia na forma de luz, sintetizem compostos orgânicos, os quais alimentarão pequenos animais, que, por sua vez, servirão de alimento aos peixes, cujos excremen- tos serão decompostos no próprio ambiente, for- necendo elementos essenciais à vida das plantas. Enfim, um ecossistema deve conter organismos produtores, consumidores e decompositores, de modo a garantir uma contínua reciclagem de substâncias químicas. No meio natural, os seres sustentam-se e aí estão a grande dificuldade e os desafios do “mundo” urbano, juntamente a fato- res, como a globalização, que despejam informa- ções diversas, sendo a cultura tradicional perdida.

Sobretudo, não há reciclagem, não há o re- torno de componentes químicos, uma vez que os resíduos da cidade são soterrados em aterro sa- nitário de lixo ou simplesmente lançados ao solo, aos rios, na forma de esgoto, e à atmosfera, na forma de gases, fumaça e poeiras. Observa-se, as- sim, um fluxo contínuo de materiais que provêm de áreas externas à cidade e são aí processados e consumidos, gerando subprodutos que se acu- mulam no meio ambiente e não retornam às áre- as de produção.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

23
23

Salete Regina Vicentini

AtAtençãençãoo Deve ficar claro que não existem “ecossistemas urbanos” e sim apenas ecossistemas naturais, uma
AtAtençãençãoo
Deve ficar claro que não existem “ecossistemas
urbanos” e sim apenas ecossistemas naturais,
uma vez que o ambiente urbano é totalmente
dependente de fatores externos para se susten-
tar.

O enorme e rápido crescimento das popu-

lações humanas, em todo o mundo, leva a uma necessidade de mudanças nos modos de produ- ção e consumo. Ainda que a população humana decidisse satisfazer-se apenas com o que já exis- te, renunciando à utilização de novos modelos de veículos, aparelhos de televisão ou computado- res, a produção dessas comodidades não cessaria, pois a imensa maioria ainda não as possui, além da questão dos alimentos, que ocupam mais em mais áreas naturais para suprir as necessidades populacionais.

Na chamada sociedade do consumo, o des- perdício é imensurável. Há mudanças já ocorren-

do em relação à Política Nacional de Resíduos Só- lidos, lei aprovada em agosto de 2010. Há metas e acordos já feitos no Brasil e, agora, resta-nos aguardar o início dos resultados.

Nesse contexto, os problemas do ambiente urbano, que geralmente são devidos à superpo- pulação, estão diretamente relacionados com a habitação, a poluição atmosférica e da água, a co- leta, tratamento e disposição final de resíduos só- lidos, o congestionamento do trânsito, os proble- mas habitacionais, o desmatamento de grandes áreas para a formação de novos pastos, campos de cultivo, represas para o abastecimento de água potável ou para a geração de energia elétrica. Há também o esgotamento de petróleo e outros minerais, como ferro, alumínio, chumbo etc.; e a necessidade de construção de novas indústrias e de utilização de novos processos de geração de energia, como a nuclear (NEGRÃO, 2002).

4.1 O Impacto Ambiental Causado pelas Indústrias
4.1 O Impacto Ambiental Causado pelas Indústrias

O consumo excessivo de energia e materiais,

a produção de poluentes e as próprias alterações decorrentes da construção de grandes indús- trias constituem formas importantes de impacto ambiental. Os impactos provocados por uma in- dústria extravasam muito o espaço físico que ela ocupa. Há, ainda, o problema do transporte de matérias-primas, da fonte para a indústria, e de produtos industriais para os centros de consumo. Os maiores e mais graves problemas de poluição marinha acontecem justamente no transporte de petróleo bruto e seus produtos refinados, através do oceano, por gigantes navios, que já atingem mais de 500 mil toneladas cada um.

Além disso, as indústrias são grandes con- sumidoras de energia. Por exemplo, a quantida- de de energia consumida na produção de cada lingote de alumínio é tão grande que se diz que esse metal poderia ser chamado “energia em bar-

ras”. Para suprir essa necessidade, recorre-se a três opções básicas: a construção de enormes barra- gens, causando a inundação de áreas cobertas de vegetação, como as represas que estão sendo construídas na Amazônia; a instalação de usinas termoelétricas movidas a petróleo, carvão ou ma- deira, com todo o problema de gases e matéria particulada expelidos por suas chaminés; e a im- plantação de usinas nucleares, com os graves pro- blemas de disposição final.

Enfim, todos esses impactos são significati- vos e devem-se somar aos impactos gerados pela própria presença física da indústria em funciona- mento.

24
24

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

4.2 O Consumismo
4.2 O Consumismo

No vídeo A história das coisas, pode-se ter certeza de como estamos influenciados pela mí- dia, mas a sociedade atual não pode passar sem as indústrias. Talvez fosse possível conter o ritmo descontrolado de seu crescimento, se o homem moderno conseguisse abandonar o consumismo que o caracteriza. Isso não é possível e, por isso, falamos em consumo sustentável, ou seja, utiliza- ção de bens que realmente precisamos, para não gerar mais resíduos do que já geramos. Além dis- so, é necessário termos uma consciência individu- al antes de tudo, destinando de forma correta o que geramos.

É comum ouvirmos sobre a “Política dos 3 Rs”. Pois bem, na verdade, o 1º “R” refere-se à re- dução de consumo; posteriormente, temos a reu- tilização e, por último, a reciclagem, ou seja, pro- jetos que visam apenas à reciclagem são válidos, porém estão longe do ideal.

O consumismo é um processo condená- vel, pois se compra mais que o necessário, o que acompanha a cultura de massa. Através desses temas complexos de propaganda, que envol- vem sutilezas psicológicas e recursos para tanto, indústrias e produtos em geral convencem a po- pulação a adquirir sempre os novos modelos de todos os produtos, garantindo a venda contínua.

O consumismo não gera apenas os impac- tos ambientais de correntes da sociedade cres- cente de energia e do próprio processo industrial, mas é causa de outro grave problema: o esgota- mento dos recursos naturais não renováveis, isto é, aqueles que, uma vez consumidos, não podem ser novamente repostos, como, por exemplo, o petróleo e os minérios em geral (BRANCO, 2002).

4.3 O Problema das Habitações
4.3 O Problema das Habitações

A boa qualidade da habitação é um dos itens considerados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para avaliar a qualidade de vida das populações humanas. Os principais aspectos para uma moradia seriam:

ƒƒestrutura da habitação (proteção contra calor e frio extremos, ruído e poeira);

ƒƒgrau de abastecimento de água quanti- tativa e qualitativamente adequado;

ƒƒdisposição e posterior manejo adequa- do de resíduos sólidos, líquidos e excre- tas;

ƒƒqualidade da área em que se localiza a habitação;

ƒƒexcesso de habitantes (risco de doenças e acidentes domésticos);

ƒƒpoluição no ambiente doméstico de- corrente da queima de combustível para o preparo de alimentos ou aque- cimento;

ƒƒpresença de vetores e/ou hospedeiros intermediários de agentes etiológicos;

ƒƒa habitação como ambiente de traba- lho (aspectos de saúde ocupacional).

Podemos perceber que grande parte das habitações populares de São Paulo e outras cida- des do Brasil não contempla vários dos requisitos anteriores (NEGRÃO, 2002). O grande desafio é novamente citado: com o aumento da população, como faremos para aplicar a sustentabilidade, se a maior parte não vive em condições básicas?

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

25
25

Salete Regina Vicentini

4.4 Poluição das Águas

Salete Regina Vicentini 4.4 Poluição das Águas A água é o mais abundante componente da matéria

A água é o mais abundante componente da matéria viva e precisa ser necessariamente reci- clada para a garantia de vida no planeta. Essa reci- clagem depende de fluxos naturais da Terra, que constantemente são prejudicados pela poluição causada pelo homem. A superfície terrestre é re-

coberta por cerca de 72% de água. De toda a água que recobre a Terra, cerca de 97% pertencem aos ecossistemas marinhos e o restante pertence às águas continentais. Segue, na figura 4, gráficos representativos da quantidade total de água que realmente está disponível para a população.

Figura 4 – Demonstrativo do volume de água disponível na Terra.

28% 72%
28%
72%

Água na superfície da Terra28% 72% Terra

Terra28% 72% Água na superfície da Terra

Representação do volume de água total na Terra

3%

3% 97% Oceanos Água doce

97%

Oceanos3% 97% Água doce

Água doce3% 97% Oceanos

Representação do volume de água dividido entre os oceanos e a água doce

38%

1%

8% 1%
8%
1%

52%

Riosdividido entre os oceanos e a água doce 38% 1% 8% 1% 52% Água acessível nas

Água acessível nas plantasentre os oceanos e a água doce 38% 1% 8% 1% 52% Rios Lagos Água nos

Lagosdoce 38% 1% 8% 1% 52% Rios Água acessível nas plantas Água nos solos Vapor de

38% 1% 8% 1% 52% Rios Água acessível nas plantas Lagos Água nos solos Vapor de

Água nos solos

Vapor de água na atmosfera52% Rios Água acessível nas plantas Lagos Água nos solos Representação do volume total de água

Representação do volume total de água acessível ao homem

1% 20% 79%
1%
20%
79%

Calotas Polares1% 20% 79% Águas Subterrâneas Água acessível

Águas Subterrâneas1% 20% 79% Calotas Polares Água acessível

Água acessível1% 20% 79% Calotas Polares Águas Subterrâneas

Representação do volume de água total de água doce

Percebe-se que a situação, mediante a ques- tão da quantidade de água, é crítica, havendo um engano em relação a quem diz que o Brasil possui água suficiente. Isso não é real. A poluição é um

fator definitivo para observar que, se não houver outras alternativas, teremos sérios problemas em breve.

SaibaSaiba maimaiss Conceitos importantes: • Poluição: degradação da qualidade ambiental resultante de atividades
SaibaSaiba maimaiss
Conceitos importantes:
• Poluição: degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que, direta ou indiretamente, prejudiquem a
saúde, a segurança e o bem-estar da população, criem condições adversas às atividades sociais e econômicas, afe-
tem desfavoravelmente a biota, afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente e lancem materiais ou
energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos. É a colocação de energia e matéria no lugar errado;
• Contaminação: agentes patogênicos que fazem mal à saúde, como, por exemplo, metais pesados;
• Eutrofização: é um processo pelo qual há um despejo de adubos sintéticos (que são à base de nitrogênio, fósforo
e potássio), havendo uma fertilização das águas e, consequentemente, um crescimento desordenado de algas mi-
croscópicas, tornando a água muito espessa e verde, impedindo a entrada de luz e, também, a oxigenação do local
eutrofizado, ocasionando graves problemas na qualidade para o abastecimento, inclusive mau cheiro. O tratamento
convencional de esgotos não resolve esse tipo de problema.
26
26

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

Quando, entretanto, coloca-se certa quanti- dade de matéria ou energia que o ambiente não é capaz de assimilar, esse ambiente fica sobrecar- regado; seu equilíbrio desfaz-se e se alteram com- pletamente sua composição e estrutura. Dizemos, assim, que esse ambiente foi poluído.

Quando se joga matéria orgânica em um rio, de modo que as bactérias decompositoras consi- gam consumir aquela quantidade, não há proble- ma algum, porém, quando ocorre o oposto, elas se proliferam de tal maneira a acontecer o que foi explicado no exemplo do aquário. É claro que isso tudo está ligado ao crescimento desordenado da população, novamente havendo como consequ- ência uma maior quantidade de esgoto. A maior parte da descarga de esgotos ainda é clandestina, proporcionando uma poluição ou contaminação significativa nos corpos d’água.

SaibaSaiba maimaiss O conceito de pegada hídrica, criado pelo holandês Arjen Hoekstra, é uma ferramenta
SaibaSaiba maimaiss
O conceito de pegada hídrica, criado pelo holandês
Arjen Hoekstra, é uma ferramenta de gestão em re-
cursos hídricos, que define o uso direto ou indireto
da água ao longo da cadeia produtiva, permitindo
que as iniciativas públicas e privadas e a população
em geral entendam o quanto de água é necessário
para a fabricação de um produto.

A Política Nacional de Recursos Hídricos

(Lei nº 9.433/97) prevê, juntamente à Resolução CONAMA nº 430/11, padrões para o lançamento de efluentes em corpos de água, classificando-os,

porém nem sempre há fiscalização suficiente e adequada para o cumprimento dessa lei.

O consumo de oxigênio que certa quanti-

dade de esgotos produz quando diluída na água, em consequência da respiração das bactérias que provocam sua degradação, é denominado De- manda Bioquímica de Oxigênio ou, simplesmen- te, DBO. É a causa mais frequente de mortandade dos rios e se deve ao lançamento de matéria e energia no lugar errado e a não presença de qual- quer substância tóxica ou organismo patogênico. Assim como os esgotos das casas, também os resí- duos orgânicos de certas indústrias representam altas cargas de DBO, como os despejos de usinas

de açúcar e álcool, matadouros, frigoríficos e mui- tos outros. Quanto maior a poluição, maior a DBO.

O problema da contaminação é de mais

difícil solução que o da poluição por compostos orgânicos. Muitos dos tóxicos que chegam aos rios e ao meio ambiente em geral não são bio- degradáveis nem degradáveis, isto é, não sofrem alterações bioquímicas, tampouco químicas, por oxidação e outras reações que podem ocorrer na natureza, permanecendo sempre tóxicos. Alguns chegam a ter sua toxicidade aumentada, como é o caso do mercúrio, que, lançado ao meio em forma elementar ou salina, de baixa toxicidade, pode ser metabolizado por bactérias que vivem no lodo do fundo de rios ou oceanos, transfor- mando-se em metilmercúrio, altamente tóxico (BRANCO, 2002).

Em algumas cidades da Austrália e da Euro- pa, há mais de 80 anos, faz-se o tratamento de es- gotos apenas espalhando-os criteriosamente, por infiltração do solo, no qual são plantados cereais, pomares ou pastagens. O solo assimila natural- mente a matéria orgânica dos esgotos e a trans- forma em húmus, bastando para isso que ela seja disposta de maneira compatível com a permeabi- lidade e composição do solo.

Outra prática muito antiga é a da constru- ção de lagoas destinadas a receber esgotos. Estes, graças à propriedade fertilizante que possuem, provocam a proliferação de algas microscópicas, que, por fotossíntese, geram o oxigênio necessá- rio à respiração das bactérias decompositoras.

Essas são formas de soluções sustentáveis. Podemos também falar sobre a Produção Mais Limpa, que cria tecnologias e soluções para a eco- nomia de água e energia nas indústrias.

A Organização das Nações Unidas para o

Desenvolvimento Industrial afirma que a Produ- ção Mais Limpa é a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de au- mentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não geração, minimi- zação ou reciclagem de resíduos gerados, com benefícios ambientais e econômicos para os pro- cessos produtivos.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

27
27

Salete Regina Vicentini

O traço específico da ecoeficiência em rela- ção à Produção Mais Limpa é buscar ir mais além do aproveitamento sustentável dos recursos e da redução da contaminação, destacando a criação

de valor agregado tanto para os negócios quanto para a sociedade em geral, mantendo os padrões de competitividade (DIAS, 2007).

4.5 Resíduos (Lixo), o Ar e o Solo
4.5 Resíduos (Lixo), o Ar e o Solo

Como já foi mencionado, o ser humano consome cada vez mais de forma inadequada,

resultando na problemática do modo como es- ses resíduos são dispostos no solo, água, e, con- sequentemente, irão para a atmosfera, através do metano e gás carbônico. Na sua maioria, esse lixo

é constituído de matérias orgânicas biodegradá-

veis, originadas de restos de alimentos. O proble-

ma ambiental que ele provoca é diferente daque- le causado por esgotos, uma vez que o chorume, produto líquido da degradação do lixo orgânico, libera o gás metano (CH 4 ), que, em termos de po- tencialidade, é muito mais nocivo do que o Gás Carbônico no Ciclo do Carbono, ocasionando o aquecimento global e elevando as temperaturas na Terra.

Outro problema de resíduos em locais ina- dequados é a questão da saúde pública, o fato de constituir ambiente favorável ao desenvolvimen-

to de insetos (moscas, baratas) e ratos. A famosa peste bubônica, que, na Idade Média, causou a morte de grande parte das populações da Europa

e da Ásia, deveu-se principalmente ao hábito que

se tinha na época de lançar o lixo às ruas. O triste

é olharmos a realidade hoje e vermos que não se

evoluiu muito nesse sentido desde aquela época,

o que força pensarmos que uma maneira Susten-

tável é a promoção e prevenção de saúde e capa- citações à população, o que envolve novamente a Educação Ambiental.

Outro inconveniente do lixo urbano é os de- pósitos de lixo a céu aberto; esse líquido infiltra-se no solo, podendo atingir o lençol freático, conta- minando poços e rios. Além disso, há naturalmen- te o problema do mau cheiro, que se desprende sempre que o lixo decompõe-se por fermentação anaeróbia. Esperamos que, aqui no Brasil, com a nova lei, esse cenário mude em breve.

Além disso tudo, há ainda o problema do transporte. Não sendo líquido, não pode esco- ar das casas e indústrias através de tubulações que o levem às estações de tratamento e, daí, às plantações. O sistema de coleta e transporte por caminhões acarreta, entre outros, uma série de problemas de trânsito nas grandes cidades, lem- brando que, muitas vezes, esses impactos podem ser irreversíveis!

Em São Paulo, as estações medidoras da po- luição do ar operadas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) monitoram os níveis de Material Particulado (MP), dióxido de enxofre (SO 2 ), óxido de nitrogênio (NOx), hidro- carbonetos (HC), ozônio (O 3 ) e monóxido de car- bono (CO). A análise de todos os dados mostra, em quase toda a cidade, o padrão primário anual, isto é, a concentração de poluente, que, quando ultrapassada, pode prejudicar a saúde da popu- lação. Em lugares arborizados, o teor de poeiras inaláveis é bastante reduzido.

Uma possível solução é o aproveitamen- to do lixo. Pode-se tirar do lixo e do esgoto uma energia que será aproveitada por indústrias, por exemplo. Em relação aos esgotos, isso ocorre atra- vés de biodigestores (CETESB), havendo a produ- ção de metano, que é transformado em energia; assim também ocorre com o lixo, quando dispos- to em aterros energéticos, cobertos com argila, mediante uma técnica especial.

Outra maneira de aproveitar o lixo é a Agro- ecologia. A prática da agricultura orgânica consis- te em utilizar restos orgânicos (cascas de frutas, folhas secas, restos de alimentos etc.) para intro- duzir a compostagem, que é o material orgânico decomposto após alguns meses. A compostagem é utilizada para substituir o adubo químico, ten-

28
28

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

do, assim, uma adubagem natural do solo, evitan- do a sua contaminação com produtos químicos e

não tendo nenhum gasto econômico para a ferti- lização do solo (APRIGLIANO et al., 2002).

4.6 Resumo do Capítulo
4.6 Resumo do Capítulo

Caro(a) aluno(a),

Agora, vamos analisar o capítulo e resumi-lo em uma tabela, comparando ambiente natural e ur-

bano.

Tabela 1 – Meio ambiente natural e urbano.

e ur- bano. Tabela 1 – Meio ambiente natural e urbano. Fonte: Adaptada de Negrão (2002).

Fonte: Adaptada de Negrão (2002).

Analisando a tabela, podemos perceber que impactos no meio ambiente Natural são reversíveis, dependendo do grau de degradação, ou seja, havendo muito impacto, o ambiente não volta mais ao que era, muitas vezes nem próximo. Entretanto, se alguns impactos forem positivos, de forma susten- tável a retomar o mesmo ecossistema, o ambiente voltará e se recuperará. Já em ambientes urbanos, os modos de produção e consumo, como foi dito, são selvagens, proporcionando um desequilíbrio, em geral irreversível. O aumento da população, aqui, aparece mais uma vez, havendo déficit habitacional e desemprego. Cidades são possíveis de serem construídas de forma sustentável! Entretanto, isso gera um investimento alto em planejamento, mas é totalmente viável.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

29
29

Salete Regina Vicentini

MultimídiaMultimídia Veja o vídeo no link a seguir, com exemplos de ou- tras cidades no
MultimídiaMultimídia
Veja o vídeo no link a seguir, com exemplos de ou-
tras cidades no mundo:
http://www.youtube.com/watch?v=5sTDik3rUug.

Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem.

4.7 Atividades Propostas
4.7 Atividades Propostas

1. Faça a ligação entre a sustentabilidade e a poluição do ar, água e solo. Cite uma solução para cada item.

2. Qual a importância do tratamento dos resíduos nas empresas?

30
30

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Caro(a) aluno(a),

5 AGENDA 21

Neste capítulo, iremos entender o que é a Agenda 21.

A Agenda 21 foi o principal documento

aprovado na Eco-92, em junho de 1992, no Rio de Janeiro, com o propósito de fixar metas com a humanidade, em que se reuniram 178 países. A Conferência Mundial do Desenvolvimento Sus- tentável, a Rio +10, ocorreu em agosto de 2002, na África do Sul, e fez um balanço sobre os dez anos da Agenda 21.

A Agenda 21 é um documento imenso,

com mais de 800 páginas. Nelas, estão contidos os princípios e metas que devem ser perseguidos para a conquista do desenvolvimento sustenta- do, que é o desenvolvimento com justiça social e respeito aos recursos naturais, em benefício das atuais e das futuras gerações. Daí a Agenda 21 ser um compromisso ético com o futuro da humani- dade e do planeta.

AtAtençãençãoo Uma das questões discutidas na pauta da Agen- da 21 foi: mais do que
AtAtençãençãoo
Uma das questões discutidas na pauta da Agen-
da 21 foi: mais do que pensar e falar, é preciso ter
compromisso e sugerir ações. Aqui fica claro que
a Agenda 21, do ponto de vista da sustentabili-
dade, requer participação. Cada um deve fazer a
sua parte.

As principais características da Agenda 21

são:

ƒƒpreparar o mundo para os desafios do próximo século; ƒƒestabelecer o compromisso, no mais alto nível político, sobre o desenvolvi- mento e cooperação ambiental;

ƒƒpreconizar a cooperação internacional para o êxito das estratégias, planos, po- líticas, processos e esforços nacionais;

ƒƒestimular a participação pública de or- ganizações internacionais, regionais e sub-regionais e o envolvimento de or- ganizações civis.

A formulação da Agenda 21 veio também para que, sendo executada, traga uma melhor qualidade de vida. Para Forattini (1992), os ele- mentos que podem ser classificados como de- terminantes dessa qualidade de vida e que estão, consequentemente, ligados entre si são:

1. orgânicos (biológicos): saúde, estado funcional, doença, incapacidade;

2. psicológicos: bem-estar, autoestima, estado emocional e afetividade, apren- dizado, conhecimento, habilidade;

3. sociais: relacionamentos em geral, vida familiar, vida sexual, privacidade;

4. comportamentais: atividade, mobilida- de, vida profissional, hábitos, repouso, lazer;

5. materiais: economia privada, autossus- tentação, bens e renda;

6. estruturais: significado da própria vida, posição social.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

31
31

Salete Regina Vicentini

5.1 Estrutura do Documento
5.1 Estrutura do Documento

A Agenda 21 está estruturada em 40 capí-

tulos, por sua vez agrupados em quatro seções, precedidas de um Preâmbulo, que constitui o Ca- pítulo 1 do documento. O Preâmbulo dá as linhas gerais do documento e a Seção I trata das Dimen- sões Econômicas e Sociais do desenvolvimento sustentado.

A Seção I é a prova, então, de que a Agen-

da 21 não trata apenas de questões ambientais, como geralmente se pensa. O segundo capítulo destaca como o comércio internacional pode aju- dar no desenvolvimento sustentado e o terceiro lida com as alternativas de combate à pobreza, que, hoje é sabido, é uma das principais causas da degradação ambiental no planeta. O quarto capí- tulo trata da mudança dos padrões de consumo, atualmente muito diferentes em escala interna- cional e no interior de cada país, de modo especial

nos países em desenvolvimento. “Dinâmica de- mográfica e sustentabilidade” é o título do quinto capítulo, o que ressalta a preocupação muito hu- mana que inspirou a formulação da Agenda 21.

O Capítulo 6 trata da “Proteção e promoção das

condições da saúde humana” e o Capítulo 7 lida

com a “Promoção do desenvolvimento sustentá- vel dos assentamentos humanos”, em que se des-

taca a inquietação com as péssimas condições de moradia de grande parte da população mundial.

O Capítulo 7 mostra, portanto, basicamente a gra-

ve situação das grandes áreas urbanas. É só a par-

tir do oitavo capítulo, que trata da “Integração en-

tre meio ambiente e desenvolvimento na tomada de decisões” pelas várias instâncias de governo, que a questão ambiental, como habitualmente é conhecida, aparece de modo mais saliente na Agenda 21.

5.2 Os Atores da Agenda 21
5.2 Os Atores da Agenda 21

O “Fortalecimento do papel dos grupos principais”é o título da Seção III da Agenda 21. Ela trata da forma como os diferentes setores sociais podem e devem contribuir para a conquista do desenvolvimento sustentado. O Capítulo 23 con- tém um Preâmbulo geral e o Capítulo 24 trata da situação das mulheres e do seu papel para a con- solidação do desenvolvimento sustentado.

O Capítulo 25 lida, por sua vez, com “A in-

fância e juventude no desenvolvimento sustentá- vel”. É um tema muito importante para a realidade brasileira, pois lida com a cidadania das crianças e adolescentes. O Capítulo 26 também trata de outro assunto importante para a realidade brasi- leira: o dos povos indígenas. O Capítulo 27 trata do papel das ONGs, novos agentes políticos que evoluíram no cenário internacional nos últimos anos. No Capítulo 28, são discutidas as Iniciativas das autoridades locais em apoio à Agenda 21. O

Capítulo 29 aborda o papel dos Sindicatos e o Ca-

pítulo 30, da indústria e comércio, para a consoli- dação do desenvolvimento sustentado. A contri- buição dos cientistas é discutida no Capítulo 31.

O Capítulo 32 é dedicado ao “Fortalecimento do

papel dos agricultores”.

No Brasil, já temos a Agenda 21 nacional, criada pela Comissão Internacional para o Desen- volvimento Sustentável (CIDES), porém há muito que fazer para se fixar metas em estados e cida- des brasileiras.

Os documentos temáticos da Agenda 21 brasileira são:

ƒƒCidades sustentáveis;

ƒƒAgricultura sustentável;

ƒƒRedução das desigualdades sociais;

ƒƒInfraestrutura e integração regionais;

32
32

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

Sustentabilidade Ambiental

ƒƒGestão de recursos naturais;

ƒƒCiência e tecnologia para o desenvolvi- mento sustentável.

Em relação à construção local da Agenda 21 no Brasil, temos como exemplos: Búzios-RJ (orga- nizada por uma ONG), São Luiz-MA (organizada pela Câmara Municipal), Santos-SP, Florianópolis- -SC (organizada por 130 entidades), São Paulo-SP (organizada pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente).

Já em relação à situação internacional, te- mos os seguintes exemplos: Grã-Bretanha, que visa à cidadania; Índia, que prioriza a pobreza; Colômbia, que prioriza a democratização; Nova Zelândia, o planejamento das cidades; África do Sul, a reconstrução e desenvolvimento do país; e Canadá, que visa ao futuro e à participação públi- ca (SÃO PAULO, 2003).

Saiba Saiba mai mai s s A Agenda 21 tem como principal objetivo tornar melhor

SaibaSaiba maimaiss

Saiba Saiba mai mai s s A Agenda 21 tem como principal objetivo tornar melhor a
A Agenda 21 tem como principal objetivo tornar melhor a vida de todos os povos

A Agenda 21 tem como principal objetivo tornar melhor a vida de todos os povos da Terra, isto é, me- lhorar a qualidade de vida para todos, melhorando seu ambiente de vida, suas cidades e comunidades. Na medida em que a sociedade brasileira, conhe- cendo o conteúdo da Agenda 21 e os compromis- sos assumidos internacionalmente, os quais fazem parte desse documento, passar a exigir seu cum- primento por meio de um efetivo controle social, será possível obter um desenvolvimento humano sustentável, que, por sua vez, é visto pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) como um processo de ampliações de opções das pessoas, oferecendo mais oportunidades em edu- cação, saúde, emprego e renda, incluindo desde um ambiente físico em boas condições até liberda- de econômica e política (PELICIONI, 2005).

renda, incluindo desde um ambiente físico em boas condições até liberda- de econômica e política (PELICIONI,
renda, incluindo desde um ambiente físico em boas condições até liberda- de econômica e política (PELICIONI,
renda, incluindo desde um ambiente físico em boas condições até liberda- de econômica e política (PELICIONI,
até liberda- de econômica e política (PELICIONI, 2005). 5.3 Resumo do Capítulo Caro(a) aluno(a), A Agenda
5.3 Resumo do Capítulo
5.3 Resumo do Capítulo

Caro(a) aluno(a),

A Agenda 21 foi o principal documento aprovado na Eco-92, em junho de 1992, no Rio de Janeiro, em que estão contidos os princípios e metas que devem ser perseguidos para a conquista do desenvol- vimento sustentado, que é o desenvolvimento com justiça social e respeito aos recursos naturais, em benefício das atuais e das futuras gerações. No Brasil, já temos a Agenda 21 nacional, criada pela CIDES, e todos os documentos temáticos referem-se à sustentabilidade, ficando claro a importância da Agenda 21, seja local ou global.

Na situação atual, temos que concluir que há certo desinteresse das esferas governamentais, de- sinformação e ausência de planejamento participativo para que a Agenda 21 seja efetivada, havendo um longo caminho para que o Brasil cumpra seu compromisso internacional.

MultimídiaMultimídia Assista ao vídeo disponível no link a seguir, que explica, de forma muito clara,
MultimídiaMultimídia
Assista ao vídeo disponível no link a seguir,
que explica, de forma muito clara, a impor-
tância
da
Agenda 21
e
a
sua
ligação com a
Sustentabilidade: http://www.youtube.com/
watch?v=lJsjguTGrC8.

Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

33
33

Salete Regina Vicentini

5.4 Atividades Propostas
5.4 Atividades Propostas

1. O que é a Agenda 21? Quando foi criada?

2. No Brasil, quais são os documentos temáticos criados pela CIDES?

34
34

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Caro(a) aluno(a),

Vale a reflexão sobre a sociedade em que vivemos, na qual os grandes congestionamentos geram empregos, ou seja, uma renda familiar, a partir de cidadãos que vendem balas, chocolates, entre outros produtos. A população chegou ao ponto de depender do caos para sobreviver

Precisamos repensar os padrões de consumo em todos os sentidos, para que, assim, diminuam as poluições atmosféricas, hídricas e, consequentemente, o problema do lixo. Não devemos ser simplistas, de modo a pensar que, para cada poluição citada neste texto, tenha um tratamento. Não é só isso! Preci- samos de novos pensamentos, mudanças de valores e uma nova maneira de enxergar o mundo.

A Sustentabilidade exerce um papel importante na sociedade, para proporcionar mais cidadania e uma melhor qualidade de vida para todos nós. Para tanto, é necessário que as mudanças iniciem-se de forma individual, para, posteriormente, acontecer de forma coletiva, sendo a participação em políticas públicas fundamental.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

35
35

RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS

CAPíTULO 1

1. A história das coisas remete-nos à realidade da história e à necessidade de padrões de consu- mo mais sustentáveis. A reflexão fica por conta do que cada um fará após ver esse vídeo. Quais ações você faz individual e coletivamente para tornar o local em que vive mais sustentável?

2. Aqui, o(a) aluno(a) poderá pensar e refletir livremente, mas o ideal é realmente fazer uma lista de como gostaria de empregar seu tempo e dinheiro e, assim, fazer a comparação com o que faz, como é sua vida nos dias de hoje. Assim, terá certeza do que deve mudar para tornar sua vida melhor.

CAPíTULO 2

1. Através do entendimento de qual é o papel do homem na natureza, nos diversos ecossiste- mas! Saber sobre Ecossistemas, Biomas e seus recursos naturais é extremamente importante para a atuação de engenheiros em empresas. Relatórios de sustentabilidade cada vez mais são reportados pelas empresas para que o público veja suas ações e, para tanto, é necessário que o colaborador saiba como atuar e seu papel. Toda empresa, por si só, gera um impacto, fazendo com que análises apuradas do entorno sejam feitas.

2. Alternativas e propostas para a melhoria e minimização de impactos ambientais, assim como trazer bem-estar ao homem, através de conceitos de Desenvolvimento Sustentável, são im- portantes; entretanto, o ideal é que sejam atreladas à tecnologia, para a melhoria da qualida- de de vida da população com o mínimo de choque ambiental.

CAPíTULO 3

1. Com o crescimento das indústrias e a grande utilização dos recursos finitos, ouve-se uma pre- ocupação com o esgotamento desses recursos, necessitando de normas que falem e regula- mentem a gestão ambiental por um organismo certificador, para que a empresa possa usá-las como forma de agregar valor ao seu produto. Com isso, surgiu o SGA, que é um conjunto de responsabilidades organizacionais, procedimentos, processos e meios que se adota para a im- plantação de uma política ambiental em determinada empresa ou unidade produtiva. Sendo assim, o Engenheiro poderá atuar de forma a exercer o papel de gestor em uma área ambien- tal, dentro da empresa, ou mesmo criando tecnologias para a redução do consumo em geral, bem como dos processos produtivos.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

37
37

Salete Regina Vicentini

2.

A GA é o principal instrumento para obter um desenvolvimento industrial sustentável. O pro-

cesso de GA nas empresas está profundamente vinculado a normas, que são elaboradas pelas instituições públicas, sobre o meio ambiente. Essas normas fixam os limites aceitáveis, como o da emissão de substâncias, poluentes, além de definirem em que condições serão despojados os resíduos, proibindo a utilização de substâncias tóxicas e definindo a quantidade de água a ser utilizada, o volume de esgoto que pode ser lançado, entre outras normas exigidas. Ao es- tabelecer uma estrutura de GA, a organização como um todo é envolvida, através da definição das funções, responsabilidades e autoridades, causando, por consequência, o aumento da motivação nos colaboradores. Ela é aplicável em empresas de qualquer tamanho e setor, pois qualquer empresa pode reduzir seu consumo de energia, de água e, até mesmo, incentivar a utilização de produtos recicláveis, entre outras ações de GA. Nela, está contida a melhoria da qualidade ambiental de serviços, produtos e ambientes de trabalho de qualquer organização, pública ou privada.

CAPíTULO 4

1. Qualquer tipo de degradação que cause poluição provoca males, que podem ser reversíveis ou não, tanto em ambientes naturais quanto urbanos. A Sustentabilidade, como o próprio nome diz, vem para sustentar alguns problemas e transformá-los em soluções. Se for feita de forma correta, há retornos financeiros, inclusive para as empresas.

2. Podemos analisar de duas formas: para a empresa e para a sociedade. Para a empresa, evitará custos e poderá, dependendo do reaproveitamento, inclusive economizar em matéria-prima. Por outro, lado a sociedade agradece, pois se evitam problemas de saúde pública e todos os tipos de poluição (ar, solo e água).

CAPíTULO 5

1.

A

Agenda 21 foi o principal documento aprovado na Eco-92, em junho de 1992, no Rio de

Janeiro, com o propósito de fixar metas com a humanidade, em que se reuniram 178 países.

A

Conferência Mundial do Desenvolvimento Sustentável, a Rio +10, ocorreu em agosto de

2002, na África do Sul, e fez um balanço sobre os dez anos da Agenda 21. A Agenda 21 é um documento imenso, com mais de 800 páginas. Nelas, estão contidos os princípios e metas que devem ser perseguidos para a conquista do desenvolvimento sustentado, que é o desen- volvimento com justiça social e respeito aos recursos naturais, em benefício das atuais e das futuras gerações.

2.

No Brasil, já temos a Agenda 21 nacional, criada pela CIDES, porém há muito que fazer para se fixar metas em estados e cidades brasileiras. Os documentos temáticos da Agenda 21 bra- sileira são:

ƒƒCidades sustentáveis;

ƒƒAgricultura sustentável;

ƒƒRedução das desigualdades sociais;

ƒƒInfraestrutura e integração regionais;

ƒƒGestão de recursos naturais;

ƒƒCiência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável.

38
38

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

REFERÊNCIAS

ALVES, A. C. Meio ambiente e a questão metropolitana. In: PHILIPPI JR., A. et al. Meio ambiente direito e cidadania. São Paulo: Signus, 2002. p. 11-24.

APRIGLIANO, S. R. V. et al. Capacitação em agroecologia e educação ambiental na Comunidade da Barra do Ribeira, São Paulo, Juréia, Brasil. Curso de Especialização em Educação Ambiental FSP-USP. São Paulo: USP, 2002.

BINSWANGER, H. C. Fazendo a sustentabilidade funcionar. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1997. p. 41-55.

BRANCO, S. M. O meio ambiente em debate. São Paulo: Moderna, 2002.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2002.

Legislação ambiental. São Paulo: IMESP, 2000.

DIAS, R. Gestão ambiental. São Paulo: Atlas, 2007.

DIEGUES, A. C. Diversidade biológica e culturas tradicionais litorâneas: o caso das comunidades caiçaras. In: CONFERÊNCIA DA UNIÃO INTERNACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DOS RECURSOS

NATURAIS, 4., 1988, São José. Anais

São José, Costa Rica: IOUSP/F. Ford/UICN, 1988.

FELDMANN, F. Sustentabilidade planetária, onde eu entro nisso? São Paulo: Terra Virgem, 2011.

GIENCINI, E. R.; PELICIONI, A. F.; BENÍCIO, T. D. Projeto de gestão e educação ambiental no Vale do Ribeira (SP). In: DIEGUES, A. C.; VIANA, V. M. Comunidades tradicionais e manejo de recursos naturais da Mata Atlântica. São Paulo: Fundação Ford, 2000. p. 245-248.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Educação ambiental. 2012. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br>. Acesso em: 10 jan. 2012.

LAYRARGUES, P. P. Sistemas de gerenciamento ambiental, tecnologia limpa e consumidor verde: a delicada relação empresa-meio ambiente no ecocapitalismo. ERA – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 80-88, abr./jun. 2000.

LEFF, H. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. In: PHILIPPI JR. et al. Interdisciplinaridade em ciências ambientais. São Paulo: Signus, 2000. p. 19-51.

LIEBMANN, H. Terra um planeta inabitável? São Paulo: Melhoramentos; Universidade de São Paulo,

1976.

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br

39
39

Salete Regina Vicentini

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA); PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Parceria 21. Formulação e implementação de políticas públicas compatíveis com os princípios de desenvolvimento sustentável definidos na Agenda 21 – Cidades Sustentáveis da Agenda 21. Rio de Janeiro: IBAM/ISER, 1999.

NEGRÃO, M. J. L. Introdução às ciências ambientais. Curso de Pós-Graduação lato sensu. Especialização em Educação Ambiental [CEEA]. São Paulo: [s.n.], 2002.

NORGAARD, R. Valoração ambiental na busca de um futuro sustentável. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. Recife: Fundação Joaquim Nabuco,

1997. p. 41-55.

NOVAES, W.; RIBAS, O.; NOVAES, P. C. Agenda 21 brasileira: bases para discussão. Brasília: MMA/PNUD,

2000.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

ODUM, H. T. et al. Sistemas ambientais e políticas públicas. 2001. Disponível em <http://www. unicamp.br/fea/ortega/eco/index.htm>. Acesso em: 10 jan. 2012.

OLIVEIRA, I. C. E. Estatuto da cidade: para compreender

Rio de Janeiro: IBAM/DUMA, 2001.

PELICIONI, M. C. F.; MORAES, J. C. Agenda 21, comunidade saudável e população indígena. In: PHILIPPI JR., A.; PELICIONI, M. C. F. Educação ambiental e sustentabilidade. São Paulo: Manole, 2005.

PHILIPPI JR., A. Interdisciplinaridade como atributo da C & T. In: PHILIPPI JR., A. et al. Interdisciplinaridade em ciências ambientais. São Paulo: Signus, 2000.

PHILIPPI JR., A.; PELICIONI, M. C. F. Alguns pressupostos da educação ambiental. In: PHILIPPI JR., A.; PELICIONI, M. C. F. Educação ambiental desenvolvimento de cursos e projetos. São Paulo: Signus,

2000. p. 3-5.

SÃO PAULO (Cidade). Agenda 21 local municipal. 2003. Disponível em: <http://www.prodam.sp.gov.br/ svma/>. Acesso em: 10 jan. 2012.

SOBRAL, H. R. O meio ambiente e a cidade de São Paulo. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1996.

VIANA, V. M. Envolvimento sustentável e conservação das florestas brasileiras. In: DIEGUES, A. C.; VIANA, V. M. Comunidades tradicionais e manejo de recursos naturais da Mata Atlântica. São Paulo:

Fundação Ford, 2000.

VICENTINI, S. R. Educação ambiental nas empresas: a sua importância nos programas e projetos ambientais para efetivos resultados. In: TRINDADE, D. F. (Org.). O meio ambiente e a sociedade contemporânea. São Paulo: Suprema Cultura, 2011.

40
40

Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br