Você está na página 1de 23
História e ensino das artes no Brasil Disciplina: Arte Professora Virgínia Lopes de Lemos
História e ensino das artes no Brasil Disciplina: Arte Professora Virgínia Lopes de Lemos

História e ensino das artes no Brasil

Disciplina: Arte Professora Virgínia Lopes de Lemos

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA ARTE  Compreensão do que ocorre no plano da expressão
A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA ARTE
 Compreensão do que ocorre no
plano da expressão e do
significado.
 Inserção social de maneira mais
ampla.

A LDB nº 9.394/96 estabeleceu em seu artigo

26, parágrafo 2º que:

§ 2º. "O ensino da arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos".

Panorama do ensino da arte no Brasil
Panorama do ensino da arte
no Brasil
DA COLÔNIA AO IMPÉRIO Educação jesuítica: Teatro, música. Barroco. Ensino em oficinas de artesãos. 1771:
DA COLÔNIA AO IMPÉRIO
Educação jesuítica:
Teatro, música.
Barroco.
Ensino em oficinas de artesãos.
1771: Geometria (São Paulo).
1799: Geometria (Pernambuco).
O ENSINO DA ARTE NO SÉCULO XIX Reinado e Império: Prioridade ao ensino superior. Escolas
O ENSINO DA ARTE NO SÉCULO XIX
Reinado e Império:
Prioridade ao ensino
superior.
Escolas militares,
medicas e Academia
Imperial de Belas Artes.
Teoria e prática
Afastamento entre
massa e arte.

Fachada da Academia Imperial de Belas-Artes, 1891

Arte aplicada à indústria. Araújo Porto Alegre e a Reforma da Academia: Artesão e artista
Arte aplicada à indústria.
Araújo Porto Alegre e a Reforma da
Academia:
Artesão e artista (Artes Mecânicas
e Belas Artes).
Velhos métodos e linguagem
sofisticada.
Araújo Porto-alegre, por
Ferdinand Krumholz, 1848
Jean-Baptiste Debret. Segundo casamento de D. Pedro I, 1829
Jean-Baptiste Debret. Segundo casamento de D. Pedro I, 1829
Ponte Santa Ifigênia (1827)
Ponte Santa Ifigênia (1827)
August Müller Retrato da baronesa de Vassouras, s/d.
August Müller
Retrato da baronesa de Vassouras, s/d.

Agostinho José da Mota Flores, 1873

Agostinho José da Mota Flores, 1873
Supervalorização do Desenho: “O desenho é um complemento da escrita: da caligrafia e da ortografia.
Supervalorização do Desenho:
“O desenho é um complemento da escrita: da caligrafia e da
ortografia. É o meio de comunicar a ideia de uma figura do mesmo
modo que a escriita é o modo de comunicar um pensamento”
(ANDRÉ REBOUÇAS. Generalização do ensino do desenho. O Novo Mundo, 1878).
RUI BARBOSA Educação com preparação para o trabalho. Modelo norte-americano de educação. Walter Smith. “O
RUI BARBOSA
Educação com preparação para o trabalho.
Modelo norte-americano de educação.
Walter Smith.
“O desenho geométrico é a única base
verdadeira do desenho artístico ou
industrial”. (Walter Smith)
“O desenho geométrico é a única base verdadeira do desenho artístico ou industrial”. (Walter Smith) Rui

Rui Barbosa

BENJAMIM CONTANT Benjamim Constant Objetivos da Lei Benjamim Constant: Promover a cientifização do ensino; Tornar
BENJAMIM CONTANT
Benjamim Constant
Objetivos da Lei Benjamim Constant:
Promover a cientifização do ensino;
Tornar o ensino prático;
Tornar o ensino ativo, através do método intuitivo.
Propostas:
Extinção da Academia de Belas-Artes.
Ensino da Arte em todas as escolas e
em todos os níveis de educação.
O ENSINO DA ARTE A PARTIR DOS ANOS 1950 Década de 1950: Desenho: desenho geométrico,
O ENSINO DA ARTE A PARTIR DOS
ANOS 1950
Década de 1950:
Desenho:
desenho geométrico, desenho pedagógico e desenho
natural.
Trabalhos manuais
Música
Canto Orfeônico
Teatro e dança
Anos 60 e 70: Aproximação das manifestações artísticas que ocorrem fora do espaço escolar com
Anos 60 e 70:
Aproximação das manifestações artísticas que
ocorrem fora do espaço escolar com a que se ensina
dentro dele.
1961:
LDB 4024/61: Programa de Artes Aplicadas.
1971:
LDB 5692/71
Obrigatoriedade da arte (Educação Artística).
Atividade educativa.
Tecnicismo.
1973: Curso de Licenciatura em Educação Artística. Polivalência. Anos 1980: Movimento Arte-Educação: AESP (São
1973:
Curso de Licenciatura em Educação Artística.
Polivalência.
Anos 1980:
Movimento Arte-Educação:
AESP (São Paulo)
ANARTE (Nordeste)
APAEP (Paraná)
FAEB (Nacional)
1988: Arte na Escola
Novo olhar para a história da arte.
Anos 1990: LDB 9.394/96: Ensino de Arte no ensino fundamental e médio. Proposta Triangular: Movimentos
Anos 1990:
LDB 9.394/96:
Ensino de Arte no ensino fundamental e médio.
Proposta Triangular:
Movimentos artísticos.
Contextualizar
Olhar crítico.
Fazer artístico
Apreciar
Proposta Triangular: Movimentos artísticos. Contextualizar Olhar crítico. Fazer artístico Apreciar Ana Mae Barbosa

Ana Mae Barbosa

1997:Parâmetros Curriculares Nacionais. Arte como produto social e histórico. Conhecimento artístico como reflexão.

1997: Parâmetros Curriculares Nacionais. Arte como produto social e histórico. Conhecimento artístico como reflexão.

Parâmetros Curriculares Nacionais.

Arte como produto social e histórico.1997: Parâmetros Curriculares Nacionais. Conhecimento artístico como reflexão. Diversidade cultural. Contextualização

Conhecimento artístico como reflexão.Nacionais. Arte como produto social e histórico. Diversidade cultural. Contextualização histórica. Vênus

Diversidade cultural.social e histórico. Conhecimento artístico como reflexão. Contextualização histórica. Vênus de Willendorf Estudo

Contextualização histórica.artístico como reflexão. Diversidade cultural. Vênus de Willendorf Estudo da arte: Teoria do belo e do

Vênus de Willendorf

Contextualização histórica. Vênus de Willendorf Estudo da arte: Teoria do belo e do conceito de arte.

Estudo da arte:Contextualização histórica. Vênus de Willendorf Teoria do belo e do conceito de arte. Educação dirigida

Teoria do belo e do conceitohistórica. Vênus de Willendorf Estudo da arte: de arte. Educação dirigida para a auto-reflexão crítica.

de arte.

Educação dirigida para a auto-reflexão crítica.de Willendorf Estudo da arte: Teoria do belo e do conceito de arte. Educação Artística como

do conceito de arte. Educação dirigida para a auto-reflexão crítica. Educação Artística como Educação Estética.

Educação Artística como

Educação Estética.

Leitura da obra de arte: Olhar: descrever. Construir: técnica. Sentir: interpretação. Conhecer: contextualizar.

Leitura da obra de arte:

Olhar: descrever.Leitura da obra de arte: Construir: técnica. Sentir: interpretação. Conhecer: contextualizar. Julgar: criticar.

Construir: técnica.Leitura da obra de arte: Olhar: descrever. Sentir: interpretação. Conhecer: contextualizar. Julgar: criticar.

Sentir: interpretação.Leitura da obra de arte: Olhar: descrever. Construir: técnica. Conhecer: contextualizar. Julgar: criticar.

Conhecer: contextualizar. contextualizar.

Julgar: criticar.Leitura da obra de arte: Olhar: descrever. Construir: técnica. Sentir: interpretação. Conhecer: contextualizar.

AVALIAÇÃO LEITURA DE OBRA DE ARTE
AVALIAÇÃO
LEITURA DE OBRA DE ARTE
Jean-Baptiste Debret. Caçador de escravos , 1820-1830.

Jean-Baptiste Debret. Caçador de escravos, 1820-1830.

Café , 1935

Café , 1935