Você está na página 1de 2

Dicotomias Saussureanas I

Significante X Significado
Essa, talvez, seja a dicotomia de maior complexidade de entendimento.
Bem, primeiro vamos entender o que é dicotomia:
Dicotomia são duas partes iguais, onde uma não existe sem a outra.
É como o homem e a mulher: os dois são metades iguais na formação do bebê e
um não existe sem o outro [porque são necessárias ambas as “forças” para o
nascimento].
Por definição, significante é a materialização de algo pela oralidade e/ou escrita,
ou seja, uma “imagem acústica”. Já significado é o conceito em si, ou seja, a imagem
que você tem em sua cabeça ao ouvir uma palavra.
“Ah, sim. Ajudou muito, Jowjow.” Você dirá, pois é muito provável que, assim
do jeito que está, não dê para entender bulhufas.
Calma, nobre leitor. Estamos só começando.
Essa foi apenas uma introdução. Vou explicar mais detalhadamente mais a frente.
Mesa! Cadeira! Árvore! Bicicleta!
Aposto que, quando leu essas palavras, imagens surgiram em sua mente.
Pois muito bem!
O que você acabou de ler é o SIGNIFICANTE da palavra, ou seja, eu materializei
o objeto na palavra “mesa”, por exemplo.
Já a imagem que você formou dentro da sua cabeça, é o CONCEITO de mundo
que você tem daquilo.
Por exemplo: muito provavelmente você pensou em uma placa sustentada por
quatro pernas e que dá pra pôr coisas em cima. Por quê? Porque é assim que a maioria
das mesas são.
Agora, se você pensou numa mesa redonda, ou retangular; de madeira, mármore,
ou plástico, isso varia das noções do mundo que ela absorveu.
Isso também entra na questão do “referente”, que falaremos depois.
Significado não é aquilo que você encontra nos dicionários! Aquilo é uma
denotação abrangente do conceito de algo.
Tente esse:
Mimi!
“Que é isso, Jowjow? Vai passar grego agora?”
Oh, não, nobre leitor. Isso é japonês.
Lembra do que eu disse que as dicotomias são partes iguais? Pois então. O
significante, ao unir a um significado, formamos um SIGNO.
É só lembrar dos “Megazords”, do “Power Ranger”. A junção das partes forma o
todo.
Um signo é tudo aquilo que você consiga ver, interpretar e entender o que viu.
Logo, mesa, bicicleta, árvore e cadeira são signos para você, porque você possui o
significante E o significado em sua cabeça.
Quando falta um ou outro, perdemos o signo.
Foi o que aconteceu com o “mimi”. Eu te dei o significante, mas faltou o
significado. Agora, esse problema dá pra ser resolvido com outro significante, como se
eu te falar que “mimi” quer dizer “orelha”.
Pronto! Orelha, pra você, é um signo. Então, você já tem um conceito que já o
transferiu automaticamente para o “mimi”. Logo, esta palavra, agora, virou um SIGNO
pra você.
Outro exemplo de perda de signo é quando queremos falar alguma coisa, mas não
temos a palavra (tudo bem, pode ser falta de vocabulário), ou seja, temos o significado,
mas não o significante, o que quer dizer que não podemos formar a “imagem acústica”
para materializar o que queremos.
Então vamos de novo:
“Por definição, significante é a materialização de algo pela oralidade e/ou escrita,
ou seja, uma “imagem acústica”. Já significado é o conceito em si, ou seja, a imagem
que você tem em sua cabeça ao ouvir uma palavra.”
Espero que suas dúvidas tenham sido pulverizadas. Amém!