Você está na página 1de 14

Núcleo Gerador: Gestão e Economia (GE)

DR1 – Orçamentos e Impostos (OI)

Colectânea de textos seleccionados a partir de pesquisas efectuadas no motor de pesquisa "Google" e que se pretende ajudem a descodificar o tema Orçamentos e Impostos (OI) do Núcleo Gerador: Gestão e Economia (GE) do Referencial de Competências-Chave de Nível Secundário, relativo ao Processo RVCC.

Seis Passos para Elaborar um Orçamento

«O seu orçamento deve ser feito com honestidade, exactidão e perseverança. Faça estimativas realistas. Indique com precisão todas as despesas e receitas. Seja paciente para consigo. Para organizar as suas finanças sem qualquer problema, vai ter que monitorizá-las e controlá-las durante um longo período de tempo.

1. Utilize o nosso formulário de orçamento ou a nossa calculadora de orçamento. É importante que o seu orçamento se baseie no seu rendimento líquido (i.e. deduzido de todas as contribuições para a segurança social e impostos).

2. Faça uma lista das suas despesas mensais regulares: renda, prestação do crédito habitação, seguros, custos de electricidade, água, etc. Se um pagamento só for devido uma ou duas vezes por ano, determine quanto custa por mês.

3. Adicione à lista os seus custos diários, e.g. alimentação, roupa, transporte, entretenimento, etc.

4. Pense nas despesas extra que tem, tais como férias, presentes, reparações ou compras de grande valor. Apesar destas despesas apenas surgirem esporadicamente, é prudente atribuir-lhes um determinado valor todos os meses.

5. Calcule o seu rendimento e as suas despesas. Se o montante que gasta excede o montante que ganha, poderá ajudar receber conselhos de orçamento.

6. Analise o seu orçamento todos os meses e ajuste-o se o seu rendimento ou as suas despesas se alterarem.»

Continua em: www.moneybasics.pt

Famílias endividadas à custa dos créditos

Viver às prestações Bancos e instituições financeiras facilitam a vida. Difícil é depois conseguir pagar quando os juros não param de aumentar São vários tipos de créditos consoante as necessidades de cada um. Da compra de habitação ao

planeamento da reforma, dos estudos dos filhos ao casamento

leque é diversificado, assim como as

taxas de juro. O “Matosinhos Hoje” fez uma pesquisa num dos maiores bancos portugueses para saber os tipos de

crédito que são oferecidos. ( )

o

Recomendações da DECO

A DECO aconselha as famílias portuguesas a prevenirem eventuais situações de sobreendividamento:

1) Antes de recorrer ao crédito, deve fazer várias simulações e ver qual é a TAEG (Taxa Anual Efectiva Global) mais baixa. Comparar e avaliar todas as condições. 2) No crédito por telefone, o consumidor tem que ter em conta que o “facilitismo” paga-se. As taxas de juro para estes créditos rondam normalmente os 30%. 3) Elaborar um orçamento familiar. Discriminar rendimentos e despesas. Saber onde é gasto o dinheiro e distinguir o supérfluo do essencial. O orçamento permite saber se tem ou não capacidade para ter aquele encargo. 4) O somatório das prestações dos créditos nunca deve ser superior a 40% do orçamento familiar mensal. 5) Poupar não é só pôr algum dinheiro de lado. Passa por escolher as melhores opções. É o primeiro meio para não cair em situações de endividamento. É aconselhável poupar entre cinco a seis rendimentos mensais. 6) Contactar os credores e tentar renegociar os créditos. 7) Ler sempre muito bem os contratos. Não assinar nada que não perceba. Procurar ajuda.

8)

Ter em atenção os seguros de protecção ao crédito para cobrir situações de doença ou desemprego.

Continuar a ler em: www.matosinhoshoje.com/

Ministério da Economia e da Inovação Gabinete do Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor

Dia Mundial da Poupança – 31 de Outubro 2007

Quando falamos em poupança ocorre-nos imediatamente o investimento seguro, reprodutivo, o retirar ao consumo imediato para ter uma base sólida mais tarde. Mas podemos ter igualmente outra leitura: com comportamentos responsáveis, podemos investir em melhores resultados no nosso consumo e na solidariedade para com os outros. O consumidor tem, com efeito, à sua mercê uma série de atitudes que lhe permite poupar e economizar (em litígios de consumo, em perdas de tempo e dinheiro, em dissabores com o uso do crédito ou dos seguros, nas operações de consumo, por exemplo).

Gerir o orçamento sem derrapar

É comummente reconhecido que as dívidas desequilibram o orçamento dos consumidores, com consequências graves para a vida familiar. Este desequilíbrio é mais grave quando ocorrem situações como o desemprego, a doença, um acidente ou um divórcio. Cada vez mais consumidores recorrem a estruturas de defesa do consumidor em consequência do endividamento excessivo e/ou sobreendividamento. A melhor forma de evitar dívidas e gastos excessivos é planear o orçamento doméstico. Face aos riscos, cada vez maiores, do sobreendividamento das famílias e à necessidade de promover uma utilização prudente do crédito, a Direcção Geral do Consumidor e o ISEG criaram o Gabinete de Orientação ao Endividamento dos Consumidores (GOEC), cujos objectivos são os seguintes:

Assegurar às famílias que a ele recorram, um apoio técnico, profissional e documentado na gestão do orçamento familiar;

Aconselhar e acompanhar as famílias no recurso ao crédito enquanto instrumento de gestão do orçamento familiar;

Aconselhar e acompanhar a recuperação de situações familiares depré-insolvência;

Formar os profissionais que no âmbito dos Centros, Serviços ou Gabinetes de Apoio ao Consumidor acompanham esta realidade.

A Direcção Geral do Consumidor lembra: É necessário que os consumidores desenvolvam hábitos de gestão do dinheiro e de poupança, que hierarquizem as suas necessidades para não perderem a cabeça.

Continua em: Governo da República Portuguesa www.portugal.gov.pt

Consumo e Poupança

Cada indivíduo ou família decide, em cada momento, como dividir o seu rendimento disponível entre consumo e poupança. Designamos por consumo a despesa em bens e serviços com vista à satisfação de necessidades e desejos. Estas podem ser necessidades básicas, como alimentação, vestuário e habitação; ou desejos associados ao consumo de bens de luxo, como férias num país exótico. A poupança é a diferença entre o rendimento disponível e a despesa em bens de consumo, sendo igual à variação da riqueza do indivíduo ou família. A decisão entre consumo e poupança é, em última análise, uma decisão entre consumo no presente e consumo no futuro.

Em consequência do crescimento económico, o rendimento disponível e o consumo das famílias portuguesas tem crescido ao longo dos anos. Comparando o consumo actual com o que se observava em 1960, verificamos que a quantidade de bens materiais à disposição das pessoas é hoje mais do que cinco vezes maior.

Continua em: http://www.fep.up.pt/ Preparado em 12-06-2008 – cont@cto página: 6/14

Continua em: http://www.fep.up.pt/

A seguir uma tabela com dados estatísticos para comentar:

A seguir uma tabela com dados estatísticos para comentar: Continua em:

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES

CAPÍTULO I INCIDÊNCIA SECÇÃO I - INCIDÊNCIA REAL Artigo 1.º Base do imposto 1 - O imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) incide sobre o valor anual dos rendimentos das categorias seguintes, mesmo quando provenientes de actos ilícitos, depois de efectuadas as correspondentes deduções e abatimentos:

Categoria A - Rendimentos do trabalho dependente; Categoria B - Rendimentos empresariais e profissionais; Categoria E - Rendimentos de capitais; Categoria F - Rendimentos prediais; Categoria G - Incrementos patrimoniais; Categoria H - Pensões.

Categorias de rendimento

Categoria A – Trabalho dependente Remunerações de todo o tipo: salários, gratificações, comissões, subsídios, prémios. Enfim, todos os ganhos conseguidos no ano a que se refere a declaração. Categoria B – Actividades empresariais e profissionais O mesmo que a anterior, mas sobre os rendimentos provenientes de actividades comerciais. É aqui que se declara o rendimento obtido através de “recibos verdes” e de actos isolados. Categoria E – Rendimentos de capitais Lucros de participações em sociedades e juros recebidos. É também aqui que se declaram os dividendos. Categoria F – Rendimentos de imóveis Rendas de imóveis. Categoria G – Incrementos patrimoniais Todas as mais-valias obtidas com imóveis ou móveis (activos). É aqui que se declara o lucro obtido com uma transacção de acções e outros activos financeiros e prémios em jogos e concursos. Categoria H – Pensões O nome diz tudo. Sejam pagas pela Segurança Social, seguradoras ou fundos de pensões, é aqui que se declara a reforma.

O que é o IRS e como se calcula

A sigla IRS significa Imposto sobre o Rendimento das pessoas Singulares. É um imposto directo, pessoal e progressivo, ou seja, quanto mais elevados forem os rendimentos do sujeito passivo, maior é a taxa de imposto incidente.

Fórmula de cálculo

(1) Rendimento bruto de cada categoria (2) - Deduções específicas (3) = (1) – (2) = Rendimento Líquido Global (4) - Abatimentos (5) = (3) – (4) =Rendimento Colectável (6) = (5) x Taxa de IRS (Aqui aplica-se o coeficiente conjugal) (7) = (5) – (6) = Colecta (8) - Deduções à colecta (9) = (7) – (8) = IRS a pagar ou a receber

3 dicas para poupar nos impostos

Com pequenas mudanças no seu dia-a-dia, pode poupar todos os dias na factura dos impostos. Deduza o máximo Guarde os comprovativos referentes a todas as despesas que permitem deduções à colecta. Só os encargos com educação, lares de terceira idade, juros suportados com o crédito à habitação, despesas de aquisição de equipamentos de energias renováveis e seguros de vida e de saúde permitem deduzir mais de 2.519,8 euros (casal). Depois há ainda as despesas de saúde, cuja dedução permitida é 30 por cento, sem limite. Não fume Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística relativos às receitas fiscais do tabaco, 76,5 por cento do preço dos cigarros é imposto. Assim, quem fuma habitualmente um maço de cigarros por dia, a 3 euros cada, e abandonar o vício, além de ganhar mais alguns anos de vida, gastará menos 1.095 euros, dos quais 838 são impostos. Utilize os transportes públicos Cada vez que abastece o seu carro com dez euros de gasolina sem chumbo de 95 octanas, mais de seis euros são impostos. Por isso, faça as contas: se gastar 150 euros de gasolina por mês no circuito casa- trabalho-casa, está a pagar 94,2 euros por mês aos impostos. Com um carro a gasóleo, a viagem fica mais barata cerca de 20 por cento. Mas os transportes públicos ficam muito mais baratos.

Escolha o PPR em função dos anos que lhe faltam para a reforma LEIA MAIS

O

O

que significa e que direitos lhe dá LEIA MAIS

A

 

Saiba que tipo de investidor é LEIA MAIS

Para escolher fundos vencedores só precisa de saber sete coisas, entre custos e fontes de informação que tem de conhecer LEIA MAIS

O prospecto simplificado de um fundo dá-lhe todas as informações sobre o produto e é fundamental que o

leia e saiba descodificar LEIA MAIS

Segurança Social: "PPR Públicos" já podem ser subscritos

Por Catarina Osório - ljcc05028@letras.up.pt Publicado: 03.03.2008

Novo instrumento de aplicação de poupança permite a qualquer contribuinte aumentar a pensão de reforma.

O novo regime público de capitalização, previsto pela Lei de bases da Segurança Social é de adesão voluntária e individual e destina-se a assegurar um complemento da pensão de reforma.

As contribuições de cada aderente são depositadas numa conta, convertendo-se em certificados de reforma que vão integrar um fundo autónomo gerido pelo IGFCSS (Instituto de Gestão do Fundo de Capitalização da Segurança Social).

Os certificados de reforma permitem aos aderentes chegar à idade da reforma e receber o capital investido e respectivo rendimento capitalizado de três formas: através de resgate (levantar o dinheiro de uma assentada), sob a forma de renda mensal vitalícia juntamente com a reforma da Segurança Social ou através de transmissão para o certificado de um cônjuge ou filho. Continuar a ler em: http://jpn.icicom.up.pt/

Instruções de preenchimento da Declaração Modelo 3 e respectivos anexos em: http://www.e-financas.gov.pt/ Preparado

Instruções de preenchimento da Declaração Modelo 3 e respectivos anexos em: http://www.e-financas.gov.pt/