Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

Unidade Orgânica

Faculdade Ciências e Tecnologias

 

Curso

Licenciatura em Engenharia

 

Ano

Química e Biológica

 

Disciplina/Unidade

Engª Biológica I

 

Semestre

 

Curricular

   

Carga Horária Total

75

T

45

TP

 

P

30

Docente

Eng.º António Jandir Pina Gomes

 
  • 1. Objectivos da Unidade Curricular/Disciplina

A unidade curricular Engenharia Biológica I, é lecionada no 3º ano da licenciatura em Engenharia Química e Biológica no departamento de ciência e tecnologias da Universidade de Cabo Verde.

Os alunos devem adquirir uma formação integrada quer na área de Engenharia Enzimática, quer na área dos Bio-reactores, adquirindo competências de operação, seleção e projeto quer de reatores enzimáticos, quer de fermentadores.

Durante o semestre os discentes serão incentivados a recorrerem a bibliografia na língua inglesa, bem como aprimorar o espírito de trabalho de grupo e ganhar uma maior desenvoltura na apresentação de trabalhos que serão efetuados no decurso do semestre.

  • 2. Metodologias de ensino-aprendizagem

A unidade curricular Engenharia Biológica I engloba dois componentes, a componente teórica e a teórico – pratica, de modo a consolidar os conteúdos lecionados os discentes realizarão trabalhos individuais e de grupo.

Nas aulas teóricas serão apresentados os fundamentos teóricos que servem de base ao funcionamento da unidade curricular. No final de cada capítulo serão resolvidos exercícios práticos com o intuito de consolidar o tema. As apresentações dos trabalhos serão efetuadas nas aulas teóricas.

As aulas teóricas/práticas serão dedicadas essencialmente à resolução de problemas que refletem o conteúdo da matéria exposta nas aulas teóricas. Porém, nestas aulas teóricas - práticas serão tratadas algumas matérias teóricas novas caso a situação assim o exigir

3. Regime de Avaliação

O sistema de avaliação da unidade curricular baseia-se na avaliação contínua ao longo do semestre. Esta avaliação contínua baseia-se na realização de dois testes, trabalhos de

2/5

grupo,

trabalhos

individuais,

apresentação

de

trabalhos

e

avaliação (participação nas aulas e assiduidade).

outros

elementos

de

Os alunos podem optar pela avaliação por exame final, que engloba toda matéria lecionada durante o semestre na unidade curricular.

Os elementos da avaliação contínua têm o seguinte peso:

1º Teste 40% (A realizar no dia 12/05/2017)

2º Teste 40% (A realizar no dia 26/06/2017)

Trabalhos de grupo e respetiva apresentação 15%

Outros elementos de avaliação 5%

  • 4. Conteúdos da Unidade Curricular/Unidades de Aprendizagem

    • 1. Natureza, classificação e aplicação dos enzimas

Natureza dos enzimas. Anatomia de um enzima. Especificidade dos enzimas. Classes dos enzimas. Características e modo de funcionamento dos enzimas. Química das proteínas (revisões). Tipos de mecanismos de catálise enzimática.

  • 2. Cinética enzimática

Modelo de Michaelis – Menten. Significado das constantes cinéticas. Teoria do “steady – state” ou modelo de “Briggs – Haldane”. Atividade e estabilidade enzimáticas. O modelo de desativação de 1ª ordem. Os diferentes tipos de inibição. Efeito do pH e da temperatura na cinética enzimática.

  • 3. Métodos de imobilização de enzimas e de células não viáveis

Tipos de suporte e técnicas de imobilização: adsorção, ligação iónica, ligação covalente, reticulação, microencapsulação e oclusão. Imobilização de enzimas com coenzimas dissociáveis. Cinética de enzimas imobilizadas.

  • 4. Efeitos da imobilização na atividade e estabilidade enzimáticas

Efeitos conformacionais, de partição e de transferência de massa. Limitações difusionais externas e internas. Fatores de eficiência interna e externa. Estudo por modelação computacional de sistemas de difusão reação.

  • 5. Biocatálise em meios não convencionais

Enzimas em meio anidro. Sistemas mono e bifásicos. Escolha do solvente. Enzimas em fluidos supercríticos.

3/5

6.

Reatores enzimáticos

Reatores ideais e reatores reais. Tipos de reatores contínuos e descontínuos. Dimensionamento de reatores.

7.

Cinética microbiana

Condições para efetuar fermentações. Estudo do comportamento da biomassa, substrato e produto de uma fermentação. Taxa especifica de crescimento, tempo de duplicação. Rendimentos, quocientes metabólicos, período de latência. Produção e crescimento microbiano. Equação de Monod. Cinética de substratos múltiplos. Transferência de oxigénio nos reatores biológicos.

8.

Geometria e modos de operação de reatores biológicos

Tipos de reatores biológicos. Modos de operação dos reatores biológicos. Associação de biorreactores. Critérios para seleção de reatores biológicos.

9.

Mistura

Importância, mecanismo e tempo de mistura. A mistura em reatores com agitação mecânica. A potência de agitação. Estudo dos efeitos de arejamento e sólidos suspensos na mistura. Mistura em colunas de bolhas e nos reatores air – lift. Distribuição dos tempos de residência. Modelos de fluxo não ideal.

10. Scale - up

A variação da escala

  • 5. Bibliografia Básica

J.M.S. Cabral, M.R. Aires-Barros e M. Gama “Engenharia Enzimática” LIDEL-edições técnicas, Lda, 2003;

M.M. Fonseca, J.A. Teixeira (eds), Reactores Biológicos, 1ª ed., Lidel. Lisboa, 2007

  • 6. Cronograma das Actividades de Ensino-Aprendizagem

Descrever a calendarização das aulas, a indicação dos conteúdos, a bibliografía de suporte e o período de avaliação.

Aula Nº

Data

Nº de

Conteúdo de Aprendizagem

Bibliogr

Avaliação

 

Horas

afia

1 a 4

16/03/2017

 

Natureza, classificação e aplicação

   

a

4

dos enzimas

17/03/2017

4/5

 

5

   

Teoria do estado de transição

Abordagem à derivação da lei cinética

   

a 8

20/03/2017

Tipos de mecanismos de catálise

a

4

enzimática.

22/03/2017

Introdução ao estudo da cinética

enzimática

9 a 14

27/03/2017

 

Modelo de Michaelis-Menten Significado das Constantes cinéticas

Bowden

   

a

6

Determinação das constantes cinéticas

31/03/2017

pelos métodos de Lineweaver-Burk,

Eadie-Hofstee e Eisenthal e Cornish-

a 18

  • 15 03/04/2017

4

Inibição da atividade enzimática

   

a

Inibição não-competitiva, inibição

06/04/2017

mista, inibição competitiva e inibição

anti - competitiva

a 24

  • 19 10/04/2017

6

Efeito do pH e da temperatura na

Apresentação do trabalho do grupo 1

   

a

atividade catalítica

14/04/2017

Resolução de problemas sobre

cinética enzimática

a 28

  • 25 17/04/2017

4

Métodos de imobilização de enzimas e

   

a

de células não viáveis

20/04/2017

Cinética de reações multi – substrato

Apresentação do trabalho do grupo 2

a 34

  • 29 24/04/2017

6

Cinética de enzimas imobilizadas

Apresentação do trabalho do grupo 3

   

a

Imobilização de enzimas – efeitos

28/04/2017

difusionais

Resolução de problemas sobre efeitos difusionais

  • 35 04/05/2017

a 36

2

Resolução de problemas sobre efeitos

 

difusionais

a 42

  • 37 08/05/2017

6

Biocatálise em meios não-

Apresentação do trabalho do grupo 4

   

a

convencionais

12/05/2017

Reatores enzimáticos

1º teste

a 46

  • 43 15/05/2017

4

Cinética microbiana

   

a

18/05/2017

a 52

  • 47 22/05/2017

6

Cinética microbiana

   

a

Resolução de problemas sobre

26/05/2017

Cinética microbiana

a 56

  • 53 29/05/2017

4

Geometria e modos de operação

   

a

02/06/2017

a 62

  • 57 05/06/2017

6

Geometria e modos de operação

   

a

Resolução de problemas

09/06/2017

5/5

63 12/06/2017 4 Mistura em reatores biológicos a 66 a 15/06/2017 67 a 72 19/06/2017 6
63
12/06/2017
4
Mistura em reatores biológicos
a 66
a
15/06/2017
67
a 72
19/06/2017
6
a
Mistura em reatores biológicos
Resolução de problemas
23/06/2017
73
a 75
26/06/2017
3
a
Variação da escala
Teste
29/06/2017

Horário de atendimento aos estudantes 4ª feira da 9:30 – 11:30