Você está na página 1de 19
DIVIRTA-SE COM A Suimica ANO 1—N9 1 % & UUU Se vocé quer comple- tar 8 sua colecdo de DIVIRTA-SE COMA ELETRONICA, pega 08 NGMeros atrasados, polo reembolso pos tal, a BARTOLO FIT TIPALDI ~ EDITOR 3 ~ Rud Santa Virginia, Tatuapé CEP 03084 Sfo Paulo — SP, RESERVE DESDE JA, NO SEU JOR- NALEIRO, O PROXIMO NUMERO DE DIVIRTA-SE COM &£ FLETRONICA projetos faceis, jogos, utilidades, pas- satempos, curiosidades, dicas, infor- magoes... NA LINGUAGEM QUE VOCE oe ENTENDE! +<—+—-+— > EXPEDIENTE EDITOR E DIRETOR Bartolo Fittipaldi DIRETORES TECNICOS E REDATORES Guilherme Antonio Lopes liza Harumi Tadano COLABORADORES Marco Aurelio S, Fittipaldi Ademir Rossi Ricardo Luiz Sterclele REVISAO DE TEXTOS Eliane Sanches Fittipaldi CAPA E ARTES Zambrini e Luiz Capo composi¢Ao Osmar Freitas Vianna FOTOLITOS Fototraco & Procor ReproducSes Ltda. ASSINATURAS Francisco Sanches (011) 217-2257 REEMBOLSO POSTAL Pedro Fittipaldi (011) 206-4351 DEPARTAMENTO COMERCIAL Claudio P. Medeiros PUBLICIDADE Publi-Fitti - Fone: (011) 217-2257 Kaprom - Fone: (011) 223-2037 IMPRESSAO Centrais Impr. Brasileiras Ltda. DISTRIBUICAO NACIONAL Abril S/A — Cultural DISTRIBUIGAO EM PORTUGAL (Lisboa/Porto/ Faro/Funchal) Electroliber Ltda. DIVIRTA-SE com A auimica® Publicagdo Mensal INPI N° 034,528-SP Copyright by BARTOLO FITTIPALDI — EDITOR Rua Santa Virginia, 403 — Tatuapé CEP 03084 — So Paulo — SP TODOs OS DIREITOS RESERVADOS E proibida a reprodugao do total ou de artes ou fotos deste volume, bem como a industrializa- go ou comercializagéo das formulas nele contidos, Todas as formulas foram montadas em laboratério, satisfatério, porém DIVIRTA- niio se responsabiliza pelo mau funcionamento ou nlio funcionamento de qualquer delas, bem como nio se obriga a qualquer tipo de assisténcia técnica nas elaborages realizadas pelo: foi observado por DIVIRTA-SE COM no sentido de no infringir patentes ou apresentando desempe: SE COM A QUIMICA cuidedo poss! A QuiMica\ NESTE NOMERO CONVERSA COM O LEI- DEFINICAO DA QUIMICA . CLASSIFICAGAOQ PERIO- DICA DOS ELEMENTOS .. REFRESCA CUCA.. PAUSA, SEM DUVIDA CORREIO CIENTIFICO ... PESQUISA CIENTIFICA ... MONTAGEM DE UM LABO- RATORIO .....-+-00+++% NORMAS DE SEGURANCA pag. 3 4 .14 16 17 18 19 25 NOGOES DE PRIMEIROS SOCORROS............ MAGIA QUIMICA ....... res, Todo o direitos de terceiros no entanto, se erros ou lapsos ocor- rerem nessa sentido, obrigamo-nos 2 publicar, tio cedo quanto possivel, a necessiria retificagio ou correcio. Conversa com o leitor De inventor e de louco, todos nés temos um pouco! Pois é, gente, quem nao gostaria de ser um Mago Merlin, com suas misteriosas pogdes mégicas e férmulas ininteligiveis a transformar uma matéria, nas formas mais bizarras e surpreendentes, Qual seré 0 segredo para nos tornarmos “grandes feiticeiros’’? Esta revista promete desvendar todos esses mistérios, resumindo-os numa nica palavra: QUIMICA, A natureza nos oferece suas riquezas, aperfeicoadas apos milhares de séculos, resultando na matéria que encontramos atualmente. O Ho- mem, como eterno insatisfeito que 6, ndo se conformou de receber a matéria como a Natureza the doou. Resolveu entéo transtormé-la Ao transformé-la sentiu 0 seu dom de cria¢éo, pois um material da natureza transformado se constitui num novo material. Vocé também quer possuir esse dom de moditicar? Para isso vamos inicié-lo nas nogdes basicas dessa maravilhosa ciéncia, E importante percebermos a necessidade crescente de formarmos o maior nimero possivel de individuos que tenham a consciéncia de suas potencialidades nas atividades cient/ficas. Agindo assim, esta- remos contribuindo na construgio do novo homem e conseqtiente- mente do novo mundo que nos aguarda, Nao entusiasma a idéia de saber que pode ter em suas m3os @ possi- bilidade de transformar 0 mundo? Fago outra pergunta agora: os trabalhos mais profundos, auténticos e que causam grandes modifi- cagGes seré que so féceis de serem conseguidos? Ou na maioria das vezes néa sao resultado de termos conseguido transpor grandes barreiras? Em alguns momentos vocé poderd se sentir incapaz de vencer alguma dificuldade quimica, mas néo culpe essa ciéncia e sim a vocé mesmo, porque dificuldades existem para tornarem mais belas as nossas pequenas grandes vitérias, O EDITOR DEFINICAO DA QUIMICA A quimica é a ciéncia dos materiais existentes. Envolve estudo de sua composigao, propriedades e transformagées. Quantitativa — Andlise em INORGANICA Qualitativa — Anilise em termos de qualidade, TEORICA: Analitica Quimica PRATICA: Aplicada & ORGANICA termos de quantidade. — Medicina — Inddstria em geral — Farmécia (produtos far- macéuticos) — Biolog — Zoologia — Atomistica — etc. eee Podemos dividir a Quimica em dois tipos: Inorganica e Organica. A Qui- mica Organica pode se dizer que é a ciéncia de todas as substancias que possuem o elemento Carbono (C) em sua composi¢%o, principalmente. A Quimica Inorganica, como o nome diz 6 a Ciéncia do que no é organico. Vocé j4 notou que os brasileiros con- seguem se entender? Os ingleses tam- bém conseguem se entender entre eles. O mesmo com os franceses e até os esquimés. Qual o segredo? E que eles falam a mesma Ifngua. Para nds enten- dermos o que um quer dizer ao outro, em termos de Quimica, o que preci- samos? Acertou! De falar a mesma linguagem: a da Quimica. Para isso os cientistas que nasceram antes da gente jé fizeram uma classificagio em sim- bolos, para que qualquer pessoa, seja francesa, inglesa, esquimé ou brasi- leira, pudesse se entender, sem neces- sitar ser poliglota. A essa classificacdo deram o nome de Classificaco Perié- dica dos Elementos. Vamos aprender 0 bé-a-bé da Qu (mica? 3 CLASSIFICAGAO PERIODICA DOS ELEMENTOS As explicagdes quanto a identificacio dos elementos que compunham a ma- téria comecaram a ser descobertas du- rante o século XIX. Organizar um sistema que facilitasse a enumera¢ao desses elementos surgiu da simples necessidade de classificar qual- quer coisa que exista em grande quan- tidade. Com base em suas pesquisas, os cien- tistas daquela época chegaram final- mente a uma Classificaclio Periddica dos Elementos idealizada em 1862 por A. E. B. de Chancourtois. Antes de explicarmos o que vem a ser essa Classificagao Periédica dos Ele- mentos, se faz necessdrio explicar vé- rios conceitos que se bem entendidos, facilitar’o muito o entendimento pos- terior de assuntos mais complicados. Lembre-se que para chegar ao topo de uma escada, vocé tem que ultrapassar © primeiro degrau. Com os conceitos basicos é a mesma filosofia: so a base, © que véo mais tarde sustentar concei- tos mais pesados. Um ediffcio para se manter em pé necessita ter uma base sdlida, nao? ATOMO Todos os materiais existentes na natu- reza vamos dividir em dois, redividir em quatro, oito, dezesseis..., dividir- mos 0 maximo que pudermos. Quando tivermos dividido em particulas extre- mamente pequenas, vamos dar-lhe uma denominagio? Nao precisa, pois o cien- tista John Dalton, no século 19 j4 cha- 4 mava essa particula de ATOMO. Enun- ciou também a Teoria Atémica de Dalton: Todos os materiais se constituem de particulas extremamente pequenas, as quais denominamos de étomos. Na natureza existem 103 tipos de dto- mos quimicamente diferentes, que po- demos também chaméa-los de elemen- ‘tos quimicos. Se juntarmos alguns desses ftomos, que por algum motivo gostam de estar Perto, podemos formar uma infinidade de conjuntos. A esses conjuntos deno- minaremos de MOLECULAS. Essas moléculas parecem bem mais expressi- vas se as chamamos de substancias qui- micas. Bem, voltando ao étomo (lembram-se? aquelas particulas pequenininhas), no século passado acreditavam que ele era come uma bolinha maciga. Va ilusdo! Entraram tanto na intimidade do ato- mo que descobriram que ele 6 forma- do por particulas menores ainda. Co- mo nessa vida a gente gosta de saber quem se chama Jodo ou José, essas sub-particulas foram batizadas tam- bém! Com vocés, os protons e os elétrons! (E eu?) Oh, desculpem, farei uma nova apresentacdo: Com vocés, os Protons, elétrons e néutrons! Quando alguém nasce, logo Ihe déo nome e exigem que cataloguem seu peso, sexo, etc. Vamos fazer a mesma coisa com os nossos novos amiguinhos, PESO Os prétons e os néutrons tém aproxi- madamente pesos iguais. Os elétrons séo bem mais leves. Pesam cerca de 1840 vezes menos que os pré- tons, ou os néutrons. CARGA ELETRICA (em vez do sexo) Os prétons séo positivos, eletricamente falando. Os elétrons séo negativos. E os néutrons? Bem, eles nao tém car- ga elétrica... (sic!) No dtomo, os prétons e os concentram num nicleo central cha- mado de n&cleo mesmo. Os elétrons, mais agitadinhos ficam rodeando o nd- cleo central que nem abelhas rodeando uma fruta doce. O ndcleo (prétons + néutrons) é meio pesadinho em relacfo aos elétrons, por issd, 0 n@mero de massa do atomo é constitufdo do nimero de prétons so- mado ao nGmero de néutrons, apenas. Figura 2 Voltando as abelhas que rodeavam aquela fruta doce, algumas gostam de ficar perto da fruta, outras preferem ficar um pouco mais longe. Os elétrons agem assim também. Vocés jé praticaram tiro a0 alvo? O alvo possui varias camadas com pontos diferentes, de acordo com a distancia em relagdo ao centro. Os elétrons tam- bém foram separados em camadas, de acordo com a sua distancia em relaco ao nicleo. Essas camadas foram cha- madas de camadas eletronicas e o con- junto dessas camadas, de eletrosfera. Lembram-se do sexo, digo, da carga elétrica dos protons, elétrons e néu- trons? Os prétons eram positivos, os elétrons negativos e os néutrons eram nulos. Como o nimero total de pré- tons (no nicleo) é igual ao nimero total de elétrons (na eletrosfera) num 4tomo normal, que conclusdo chega- mos? Somando positivo com negativo temos (dou-Ihe uma, dou-the duas...), acertou, temos que o dtomo em estado normal é eletricamente neutro. Esse nGmero de prétons, ou elétrons tam- bém foi batizado: namero atémico. reembolso postal, Laboratorio Completo CETEKIT-CK3 “CONFECCAO DE CIRCUITO IMPRESSO " RUA GUAIANAZES 416, 1 ANDAR CENTRO. S PAULO Us O GETEKIT CK Pele! Cepoi2os TEL. 221-1728 ABERTO ATE 18 0° INCLUSIVE SABADO Cansaram da sessfio de batizados? Mais tarde tem mais, por enquanto ja é o suficiente para continuarmos a expli- car a Classificag3o Periédica dos Ele- mentos. Como vocés podem observar na Tabela acima, os elementos quimicos possuem simbolos. Por exemplo, o H é 0 Hidro- g8nio; o Li, o Litio; o Na, o Sédio, etc. © n&mero que vocés véem acima do simbolo é o n&mero atémico e o ni- mero que vocés véem abaixo do sim- bolo é a massa atémica, Na Quimica é importante sabermos a distribuigo dos elétrons nas varias camadas eletrdnicas. Segue abaixo, uma tabela fornecendo essa distribui- gio. As letras K, L, M, N,O, Pe Q sio de- nominages de cada camada em ordem de distancia do ndcleo, ou seja, acama- da K é a mais préxima do nicleo, en- quanto que a camada Q 6 a mais dis- tante. ! | : | CLASSIFICAGAD PERIODICA DOS ELEMENTOS Tabela Periddica distribuigdo dos elétrons distribuigao dos elétrons elemento aatrnes , em cada camada re nels pert em cada camada KLM NOPQ NOP Q criptonio Kr 18 rubidio Rb estréncio Sr itrio a i zireénio Za nidbio Nb molibdénio Mo tecnécio Te ruténio Ru rédio Rh palddio Pd prata Ag cédmio Cd fndio In estanho Sn antiménio Sn teldrio Te iodo | xendnio Xe césio Cs bario Ba La Ce praseodimio Pr neodinio Nd promécio Pm samario Sm eurdpio Eu gadolinio térbio dispésio héimio érbio tilio itérbio hidrogénio hélio litio berilio boro carbono nitrogénio oxigénio fiGor nednio sddio magnésio aluminio silicio fésforo enxofre cloro argonio Ppotassio calcio escandio titdnio vanédio cromo manganés ferro cobalto niquel cobre zinco galio germanio arsénio selénio bromo e=N S253 NNN— SesSSSGRERSSSEVRLS OCHODMIYMAH AWN NYUNNNNNNYNNNNNNNNNNNNNRNNYNVNVNVVNONENN Z* WDD DDODMDDDDDNDDDDHDOMDNDMDHMOHHHDHNMDONOOM OAD - WOW DOMDODDMDMDDDONDDODNATAWN NRNRNRNNNNNVNNNNNN = NRNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNN = SASBISRLSRLBSS w NNNNONONNNN SB ee senna BRBRSSBSBNSHRORNSSSISTEBS2Secmrv]|Hawns DWODDDDDDMDDMDDMDDMDMDMDDNDNDMDDDMOIYNADAUTAWH = NAME WNHANNNNANNND = elemento quimico lutécio hafnio tantélio tungsténio rénio ésmio iridio actinio tério protactinio uranio neptiinio pluténio americio cirio berquélio califérnio einsténio férmio mendelévio nobélio lawréncio nimero simbolo atémico Lu Hf Ta w Re Os Ir Pt Au Hg Tl Pb Bi Po At Rn Fr Ra Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf Es Fm Md No Lw distribuigao dos elétrons em cada camada K 2 2 2 Z 2 2 2 2 2 2 2 2 ie 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 DODD DDMDDMDDMDDDODDNDDDDMDNDMDNDMDHMMDMDMDOHMO BRBBRBRRBRBBRBRRRRRRBRBRRRBRBRBRBB = OCODDDDMDBMOMDOHOOHODOMDMHIMT EWN BNNNNNNN DV eo NRNNRVOUNNRNNNNNHNNNNN =| A Classificagio Periédica comumente usada é a que organiza os elementos na ordem crescente dos seus ndimeros at6- micos. Como podemos observar na ta- bela dada anteriormente, cada elemen- to difere do anterior pela adigdo de um yer. elétron. Na sua fam/lia vocé pode notar certas 172 semelhancas entre os seus componen- tes. Da mesma forma, certos elementos foram agrupados numa mesma familia de elementos em cada coluna. Vocé jé viu uma famflia sem nome? Pois 6, tem os Silva, os Pereira, os alca- linos, os alcalino-terrosos... A primeira coluna na Tabela Periédica, com exce- ee Como ja foi explicado anteriormente, nas colunas verticais nés temos os ele- mentos que formam uma familia. Nas colunas horizontais que chamamos de perfodo, os elementos foram coloca- dos como uma fila de alunos de escola infantil: os de menor tamanho até os mais altos. No perfodo (coluna hori- zontal) da esquerda para a direita te- mos os elementos de menor eletrone- gatividade até os de maior eletronegati- vidade. Vocé j4 ouviu falar de senso de comu- nidade? E quando as pessoas compar- tilham, dio ou recebem um do outro, para beneficio de todos. Com os ele- mentos quimicos é a mesma coisa. Al- guns possuem elétrons que podem ser doados a quem necessita. A eletrone- gatividade 6 0 grau de atragio de elé- trons que alguns elementos possuem a mais que outros. O fldor (F) possui eletronegatividade maior que o nitro- génio (N). gio do hidrogénio (H) é a familia dos een Nas familias Silva e Pereira podemos observar irmaos com nariz semelhante, Sédio (Na), Potassio (K), Rubidio (Rb), Césio (Cs) e Francio (Fr). A se- gunda coluna é a familia dos metais alcalinos-terrosos, que sio o Berilio queixo parecido, etc. Nas familias qui micas, seus elementos possuem pro- priedades quimicas semelhantes, bem \como propriedades fisicas também. . Normalmente nés temos preferéncia de estar perto de uma pessoa e nfo tanto de outra, Se tivermos um sédio (Na) perto do fldor e do nitrogénio, ele vai dar preferéncia de estar mais préximo do fldor, porque o seu grau de atragéo é maior que a do nitrogé- nio. O sddio tem um elétron a mais do que necessita para adquirir confi- guragéo eletrénica estavel. Como o fluor necessita de um elétron para adquirir também configuragao eletrd- nica estavel, 0 sédio como bom sama- ritano, doa o seu elétron para o fldor @ ambos prosseguem satisfeitos e feli- zes da vida. Na nossa sociedade as pessoas bus- cam uma estabilidade econdmica. Da mesma forma os elementos quimicos também buscam uma estabilidade ele- trénica e por isso uns doam, outros recebem elétrons, ou mesmo compar- tilham para beneficio de ambos. Bem que certas pessoas podiam seguir o 1 exemplo dos elementos quimicos que possuem esse alto senso de comunhio. Num perfodo, todos os seus elemen- tos apresentam igual nGmero de cama- das eletrénicas (lembram-se? Nés a de- nominamos de K, L, M, N, 0, Pe Q, de acordo com a distancia do ndcleo), Para facilitar (ou complicar mais) va- mos dividir cada camada em algumas sub-camadas, ou sub-niveis (0 nome é mais bonito). As denominagdes de ca- da sub-nivel segue abaixo: CAMADA SUB-NIVEIS K 1s L 2s 2p M 3s 3p 3d N 4s 4p 4d 4f oO 5s 5p Sd 5f P 6s 6p 6d a 7s As pessoas moram em casas de varios tamanhos e situadas na rua tal, n9 que tal. Algumas casas sio maiores que as outras (casas, casinhas, mansdes). No sub-nivel s s6 cabem até 2 elétrons; no sub-nivel p s6 até 6 elétrons; no sub- nivel d até 10 elétrons e no sub-nivel f até 14 elétrons. A numeracdo, 1, 2, 3, 4, 5 e 6 6 para localizar a camada. Por exemplo, um elétron que reside no 3p, vocé j4 consegue saber que ele é da camada M e mora num sub-nivel que tem capacidade para abrigar até 6 elé- trons. Interessante, no? Observe a sua Tabela de Classificagio Periédica dos Elementos. Vocé pode notar que a cada coluna vertical (fa- milia) foi dada uma classificagéo: 1A, 12 2A, 3A, 4A, 5A, 6A, 7A, 1B, 2B, ete. Para facilitar sua memorizac3o, todas as familias de classificago A possuem também o nGmero de elétrons conti- dos na Gitima camada (mais distante do nicleo). Essa ultima camada é de- nominada de camada de valéncia (ca- mada mais externa). Na classificagéo B temos que o 1B e 2B também pos- suem a numeracdo 1 e 2 igual a quan- tidade de elétrons na Gltima camada (camada de valéncia). Os 3B, 48, 5B, 6B, 7B e 8B possuem 1 ou 2 elétrons na camada de valéncia. A classificag3o 0 & a dos Gases No- bres. Eles séo os elementos encontra- dos na natureza que néo precisam doar, receber ou compartilhar elé- trons, pois j4 possuem configuragao. eletrdnica estdvel (eu disse que eles nao precisam, isso nfo significa que eles no possam fazer). | O termo camada de valéncia é impor- tante para mais tarde podermos faci- litar © nosso entendimento, introdu- zindo gradualmente vocabulérios qui micos. Lembram-se que eu thes disse que exis- tem 103 elementos na Natureza? A capacidade do ser humano é t&o ili- mitada que na URSS e Estados Unidos foi fabricado o elemento de némero atémico 104 denominado de Kurcha- tévio (Ku). Também temos classifi- cado o elemento 105 denominado de Hahnio (Ha). Suponho que ja temos uma base razoé- vel para podermos comecar entre nés uma linguagem diferente: a linguagem quimica. Se eu consegui ndo ser cansa- tiva e agucei o interesse e curiosidade de vocé, entSo olhe-se no espelho e ob- @ serem removidas, o sentido da pré- pria existéncia se perderia. Nés, seres humanos, ndo podemos ne- gar a Heranga do Conhecimento que cientistas, através dos séculos nos lega- ram. Sabendo de tudo que foi desco- berto até hoje, teremos condigSes de comegarmos a contribuir para aumen- tar o esclarecimento de todos, quando nos tornarmos os Novos Pesquisadores que a Humanidade tanto necesita. serve atentamente o perfil de um Ini- ciado na Ciéncia Quimica da Vida (po- de ser até nome de clube). Se, ao con- trério, vocé achou tudo macante e cha- to, 6 um péssimo- comeco. Nessas con- digSes talvez vocé nfo queira prosse- guir com a nossa amizade, nesse caso, talvez nfo o tenhamos como um disci- pulo nosso, porém no se esquera que 0 caminho natural do homem é 0 Co- nhecimento e se no houvessem pedras Mini Furadeira para Circuito impresso P pusuir metalico cromado, com cere Gecrrorado: com Pi leve, pral Wei eecuratcet ts fe re “a4 dedica ao 5 con- eotc... Pedidos via reembolso postal. PUBLIKIT R. Major Angelo Zanchi, 303 CEP 03633 - So Paulo - SP. de . onset eo