Você está na página 1de 16

-----------------------------------------------------------------------------------------

PEELING APÓS PUERPÉRIO

MARIA EUGENIA NAVAS PARDO

Este trabalho é apresentado como pré- requisito para a conclusão do Curso de Pós Graduação de Medicina Estética

Orientador: Dr: Romualdo Gama

CURITIBA

2010

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

RESUMO

Este trabalho é um artigo de revisão de literatura que teve como objetivo identificar no

referencial

bibliográfico

existente

as

formas

de

peeling

após

puerpério

devidos

alterações cutâneas existentes nesse período e os cuidados ao fazer as aplicações , já que

a

pele é um órgão complexo no qual interações celulares e moleculares reguladas de

modo preciso governam muitas das agressões provindas do

meio ambiente. É

constituída por vários tipos de células interdependentes responsáveis pela manutenção

da sua estrutura normal. Com o período puerperal, ocorre à modificação do material

genético por meio de enzimas, alterações protéicas e a proliferação celular decrescem.

Palavras-chave: Peeling, puerpério e pele

INTRODUÇÃO

Conceitua-se puerpério como o período em que as modificações locais e

sistêmicas no organismo feminino, provocadas pela gravidez e parto, retornam à

situação do estado pré - gestacional.

Esse período se inicia uma hora após a saída da placenta e tem seu término

imprevisto, ocorrendo apenas com o retorno dos ciclos menstruais à normalidade.

As

alterações

cutâneas

e

de

anexos

durante

o

puerpério

comumente

se

apresentam desde o início deste período e são em grande parte moduladas por fatores

imunológicos, metabólicos e hormonais. É importante saber distinguir as alterações

normais da pele durante o puerpério de suas dermatoses para se evitar tratamentos

desnecessários e que podem ser prejudiciais.

A alteração fisiológica mais encontrada neste período, são as manchas faciais sendo

mais

comum

em

mulheres

de

pele

mais

escura.

Caracteristicamente,

a

hiperpigmentação aumenta de intensidade ao longo da gravidez e decresce no pós-

parto, à exceção das áreas que normalmente já são hiperpigmentadas, as quais não

voltam a apresentar a tonalidade pré-gravídica. A explicação deste processo segundo

alguns autores pode ser atribuída ao aumento dos níveis de hormônios estimuladores

de melanócitos, células que produzem a melanina – pigmento da pele, estradiol e

progesterona. Clinicamente é evidenciada por alguns sinais.

Escurecimento de áreas que já são normalmente pigmentadas, hiperpigmentação

branda generalizada, escurecimento da linha Alba: formação de uma faixa linear

acastanhada ao longo da linha média do abdome e o melasma também conhecido

como “máscara gravídica”.

Caracteriza-se por áreas escurecidas na face, pescoço e antebraços, sendo preferenciais

as

regiões

malares,

nariz

e

queixo.

Predisposição

genética

desempenha

papel

importante para a sua manifestação, bem como exposição solar. Se há melasma

anterior à gravidez, este tende a piorar a partir do segundo trimestre. Apresenta alta

incidência durante a gestação.

O peeling é um tratamento estético feito por dermatologistas por meio de ácidos

e outros cremes manipulados. Durante o processo de peeling ocorre a destruição da

camada superficial, média ou profunda da pele, sofrendo escamação dessas camadas

eliminando células mortas e dando lugar a uma pele nova, mais saudável e bonita e com

menos rugas, manchas, acne e outras imperfeições.

Em princípio, ele retira uma camada, que depois é regenerada e recebe um

aspecto novo através de células que permanecem em determinados pontos da pele e com

capacidade de reprodução.

A descamação superficial da camada mais externa ativa um mecanismo biológico

que estimula a renovação e o crescimento celular, através de alterações profundas na

arquitetura celular, tais como:

Aumento da espessura da epiderme

Diminuição da quantidade de melanina depositada

Aumento na produção de fibras colágenas e na irrigação sangüínea

Aumento na permeabilidade cutânea, favorecendo a penetração de princípios

ativos coadjuvantes no tratamento pós peeling.

METODOLOGIA

A metodologia utilizada basea-se em pesquisas bibliográficas do tipo qualitativo descritiva, a qual tem por objetivo apresentar a utiliza cão de peeling após puerpério. Para Andrade (1999), todos os conceitos de pesquisa, de uma ou de outra maneira, apontam seu caráter racional predominante.

DESENVOLVIMENTO

Segundo Pimentel (2008) o peeling é uma das técnicas de clareamento da pele, que utiliza, dentre outras possibilidades, o acido tricloroacético. É um procedimentos de medicina estética capazes de promover a renovação celular, de forma progressiva, estimulando a regeneração natural dos tecidos. O peeling pode ser a laser ou químico, incluindo os peelings de fenol, que são os mais eficazes para o rejuvenescimento facial mais efetivo. São técnicas de bioplastia capazes de estimular a produção de colágeno e elastina, grandes responsáveis pela regeneração celular.

Diferentes tipos de peelings estão sendo utilizados atualmente na pratica médica Alguns desses peelings foram criados para penetrar profundamente na pele e causar efeitos profundos na remodelagem do colágeno. Estes peelings químicos profundos produzem uma extensa necrose de tecido e, em geral, necessitam de longos períodos de cicatrização. O mais conhecido agente químico que promove um peeling profundo È o fenol, introduzido nos Estados Unidos por um dermatologista, embora tenha sido popularizado somente nos anos 70, graças aos trabalhos realizados por Baker e outros autores.

Nas ultimas duas décadas outro agente de peeling, é o acido tricloroacético (TCA), tornou-se muito popular. Este novo agente químico, em altas concentrações, pode produzir peelings químicos também de média e grande profundidade sem os sérios riscos a que os pacientes estão submetidos quando utilizam o peeling de fenol (nefrotoxidade, hepatotoxidade), risco de parada cardíaca e outros, embora nos dias atuais diversas formulações de fenol light estejam em uso, com um baixo nível destes efeitos colaterais indesejáveis.

Os peelings podem ser classificados segundo:

O agente indutor da descamação, que são

Mecânicos - variam desde receitas caseiras como cristais de açúcar com fubá, lixas, cremes abrasivos com micro esferas de material plástico aos aparelhos de micro dermoabrasão por fluxo de cristais ou as lixas de ponta de diamante.

Físicos - Laser, gelo seco.

Químicos - uso de substância(s) química(s) isoladas ou combinada no intuito de se obter o agente mais adequado a cada caso para graus variados de esfoliação.

A profundidade do peeling:

Superficial: da camada córnea até a derme papilar

Médio: da derme papilar até a derme reticular superior

Profundo: com ação na derme reticular média e profunda

As complicações dos peelings aumentam de acordo com a profundidade, portanto quanto mais profundo maior o risco das complicações; um peeling superficial é incapaz de causar hipo ou hiperpigmentação ou ainda cicatrizes, já os peelings profundos estas complicações podem ser observadas.

Os tipos de agentes nos peeling químicos são os menos indicados após o puérperio e tem que ser evitados nesse periodo. Vamos a mencionar algus deles:

FENOL: São inegavelmente os mais eficazes. É um peeling de exclusividade médica.

Possui um grande poder de esfoliação, pois penetra profundamente até a nível da derme reticular, sendo assim indicado para rugas profundas, peri-orais e para tratar as queratoses mais severas. A sua principal desvantagem é a sua cardiotoxidade, nefrotoxidade e depressora do Sistema Nervoso Central; havendo a necessidade de ser realizado em ambiente hospitalar devido a obrigatoriedade de sedação por ser muito dolorida para o paciente. Pode-se utilizar oclusão parcial ou total da face para aumentar à ação do produto consequentemente a profundidade.Deve-se suspender o uso da tretinoína e ácido glicólico antes da aplicação por potencializar a penetração da droga. Existe uma fórmula mais recente, com menor poder de toxidade, denominada de Exoderm, com a característica principal de não se aprofundar além da camada de Grenz, desta maneira diminui-se a absorção do produto pelos vasos dérmicos, diminuindo assim sua toxidade.

RESORCINA: É um agente cáustico do grupo dos fenóis, mas com propriedades diferentes, dando maior segurança em sua utilização, pode ser utilizado como esfoliante na forma de pasta em concentrações que variam de 10 a 70%, ou associados à outras substâncias como na solução de Jessner. A pasta pode ser aplicada sobre a pele através de uma espátula de madeira ou com os dedos enluvados, deixando em contato com a pele por até 20 minutos de acordo com o estado da pele. Depois de seca a máscara é retirada com a espátula e o que restar com gaze embebida em água. O peeling com Solução de Jessner é superficial, podendo ter sua profundidade de ação um pouco mais profunda quanto maior as passagens repetidas da solução. As vantagens são quanto a sua estabilidade e baixo custo; já as desvantagens é a possibilidade de reação alérgica e intoxicação que aumentam com as passagens múltiplas. É indicada para tratamento da acne, discromias e peles rugosas, hiperpigmentação pós-inflamatória, pode ser utilizada em peles mais escuras, com tendência à hiperpigmentação.

ÁCIDO TRICLOROACÉTICO (TCA): Os peelings com este tipo de ácido são excelentes para o tratamento da pele actinicamente danificada. Apresentam menor risco de complicações quando comparados aos peelings mais profundos como o de Fenol por criarem feridas que só atingem a derme superior. Por outro lado, devido a sua natureza mais superficial, não tem a mesma eficácia dos peelings de Fenol para melhorar

cicatrizes e rugas profundas. O TCA tornou-se o ácido preferido para os peelings químico de profundidade superficial e média, apesar que pode ser utilizado nos peelings profundos, mas existe um consenso de que nesta última situação, é , geralmente, um procedimento mais arriscado do que o peeling profundo de fenol. Parece que o TCA em concentrações de 50% ou superiores tem a possibilidade de criar mais cicatrizes do que outros agentes de peelings, usados de procedimentos de profundidade semelhante, por este motivo o TCA deve ser reservado à peelings de profundidade superficial e média.O TCA diferente de outros agentes de peeling, não apresenta toxidade sistêmica conhecida, nem relatos de reação alérgica. Não apresenta melanotoxidade associada ao fenol, o custo é baixo e possui boa estabilidade. As concentrações usuais variam de 10 a 75% em solução aquosa e pode ser aplicada com gaze ou cotonete evitando-se o pincel, quando a lesão tratada adquire cor branca (Frost) significa a precipitação das proteínas. Neutraliza-se com solução alcalina. As sessões podem ser reiteradas a cada 30-40 dias. O peeling de TCA pode ser feito isoladamente ou associado com outros agentes como o ácido glicólico e solução de Jessner. Estes agentes realizam um trabalho superficial, mas quando associados ao TCA a 30-35% transformam-no em um peeling profundo, evitando o uso do TCA a 50% que oferece grandes riscos de provocar cicatrizes.

EASY-PEEL: É o mais novo dos peelings, constituído por uma solução de TCA de concentração inferior a 15% e um creme terapêutico que se aplica depois da esfoliação. Não se pode utilizar nem antes e nem depois do peeling álcool e acetona para a higiene, pois se corre o risco da esterificação de Fisher, ao permitir uma penetração mais importante do produto esfoliante. Esta esterificação de Fisher consiste em um álcool somado à um ácido orgânico dá um éster - o grupo -OH da água vem do ácido. É uma reação reversível. A solução esfoliante pode ser aplicada inclusive sobre a pele não higienizada e até sobre a maquilagem. Ao finalizar a aplicação da solução deixa secar e aplica o creme terapêutico, que não é retirado. A freqüência de peeling é semanal consecutivo por um total de 4 semanas.

ÁCIDO RETINÓICO: Também denominado de Vitamina A ácida, seu uso é justificado por promover a compactação da camada córnea, espessamento epidérmico e aumentar a síntese do colágeno. Estimula os queratinócitos por melhorar a distribuição

dos melanócitos e por produzir uma normalização epidérmica; elimina os queratinócitos atípicos e impede a formação de queratoses, sendo indicado para o tratamento do foto envelhecimento, portanto atua em patologias onde há hiperqueratinização e é também associado a agentes despigmentantes nos tratamentos de hipertrofias. Muito utilizado no tratamento da acne por ter ação comedolítica e esfoliante. É largamente utilizado no pré peeling químico e a laser, como preventivo da hiperpigmentação pós-inflamatória, garante uma uniformidade na aplicação do agente do peeling e promove uma reepitelização mais rápida. O ácido retinóico pode ser utilizado no rosto, mãos, colo, pescoço, dorso e braços. O ácido retinóico está disponível em várias concentrações 0,01% a 0,1% em cremes ou gel para uso pelo próprio paciente e em concentrações mais elevadas (1 a 5%) para uso em consultório, sob supervisão médica, neste último caso as aplicações poderão serem feitas a cada 1 ou 2 semanas e em número variável de acordo com a resposta de cada paciente, a descamação inicia-se em torno do 2º e 3º dia pós-peeling.

ÁCIDO SALICÍLICO: É um beta-hidroxiácido, utilizado como agente queratolítico na concentração de 3 a 5% . Topicamente na tratamento da acne pode ser utilizado em concentrações que variam de 2 a 10%, em peeling utilizado na forma de ungüento com concentração de 50%, com ou sem oclusão, para os casos de queratose actínica e seborréicas, lentiginoses no dorso da mão e do antebraço; na face é utilizado em solução alcoólica à 35% por cerca de 5 minutos, seguida de neutralização com água, neste caso indicado para clareamento da pele, atenuação de rugas e tratamento de comedões.

Os PEELING FISICOS são mais seguros e mais indicados após o puérperio, sempre avaliando cada paciente e cada caso individualmente; mencionamos os métodos a continuação:

MICRODERMOABRASÃO COM CRISTAIS: É uma técnica de esfoliamento não cirúrgico que consiste na projeção sobre a pele de microcristais de hidróxido de alumínio quimicamente inertes, Utiliza-se equipamente que permite a regulação dos níveis de esfoliamento sob pressão assistida.

Passo a passo do peeling de cristal

- Para começar o tratamento, a pele deve estar bem limpa. É aplicado um gel de

limpeza

facial

para

retirar

todas

as

impurezas

e

maquiagem

da

pele;

-

Para

tirar

a

oleosidade,

é

passada

uma

loção

adstringente

com

algodão;

-

Com os olhos protegidos inicia-se a aplicação do peeling com movimentos de vai e

vem sobre o rosto. O grau de pressão que é aplicado o aparelho contra a pele, pode ser

superficial,

médio

ou

profundo,

dependendo

do

tratamento

que

foi

indicado;

- Com

o

próprio

aparelho

são

retirados

os

cristais

que

ficaram

na

pele;

- Passa-se uma loção tônica para retirar o que sobrou do produto e para finalizar, o

protetor solar que é aconselhável a todos os tipos de pele.

solar que é aconselháve l a todos os tipos de pele. MICRODERMOABRASÃO DIAMOND TIP (PEELING DE

MICRODERMOABRASÃO DIAMOND TIP (PEELING DE DIAMANTE) Método de “lixamento” da pele que utiliza ponteiras diamantadas conectadas à sucção, que elimina a camada superficial da pele. Técnica realizada sem uso de anestésico e de recuperação rápida. Indicado no tratamento de pequenas rugas e seqüelas de acne.

Assim como o peeling existe as mascaras faciales, que normalmente apostam no efeito tensor imediato, disfarçando temporariamente as linhas de expressão. Mas também há fórmulas que combatem a ação dos radicais livres e aquelas com difusores

óticos, que rebatem a incidência da luz, camuflando os sinais do tempo. Cada mascara tem sua ação especifica como:

Ação Nutritiva: deve conter Vitaminas e Minerais em sua formulação. Ação Hidratante: precisa ser formulada com Potássio ou cristais de oliva; Ação Limpadora: formulada com Argilas e ácidos específicos, como lático e glicólico; Ação Anti-idade: deve conter peptídeos, proteínas e aminoácidos; Ação Clareadora: precisa oferecer Vitamina C, ácidos específicos como o mandélico, extrato de folha de uva; Ação Firmadora: os melhores ativos são as argilas e os peptídeos.

Passo a passo do peeling de diamante

- É aplicado um gel de limpeza facial para tirar todas as impurezas e maquiagem da

pele;

- Para tirar a oleosidade, é passada uma loção adstringente com algodão;

- Escolhe-se qual ponteira será usada (depende do grau de profundidade que vai ser

aplicado na pele);

- Passa-se a ponteira por todo o rosto, provocando uma esfoliação e sucção de células

mortas;

- Passa-se uma loção tônica para retirar o que sobrou do produto e para finalizar, o

protetor solar que é aconselhável a todos os tipos de pele.

MASCARAS

Existem variados tipos de mascaras também indicadas ápos a puérperio, detalladas a continuação:

Mascaras de argila

A argila é usada como tratamento de beleza, no entanto, para além de deixar a pele mais limpa e bonita, a argila pode ser usada para o tratamento de inflamações, edemas e inchaço. Pode ser usada em banhos e máscaras. Os banhos são indicados para aliviar a tensão, fadiga muscular, insônia e má circulação. As máscaras são muito usadas em tratamentos para eliminar toxinas, limpar e tonificar a pele. A argila é um produto natural

.

são muito usadas em tratamentos para eliminar toxinas, limpar e tonificar a pele. A argila é

Mascara de chocolate

Utilizado desde os tempos de Cleópatra (ela usava Máscara de Chocolate para manter a beleza e sentir-se mais sensual). O chocolate gera sensação de relaxamento e bem estar físico e psicológico, pois aumenta a produção de serotonina. O chocolate é rico em nutrientes como: retinol, vitaminas A, B1, B2, B3 e Acido ascórbico.

Os princípios ativos do cacau e da Máscara de Acácia vão agir e:

-Clareiam a pele,

- Proporciona textura lisa e macia,

- Reconstitui a superfície da pele,

- Desintoxica a pele,

- Serve como antioxidante das células

- Tem ação tensora

- Tonifica peles estressadas e sem vida

- Repõe energia térmica após o sol

- Suaviza e umedece peles maduras e cansadas

- Tem ação revitalizaste e nutritiva

- Suaviza as linhas de expressões.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Objetivou-se, com a presente revisão, abordar o tratamento das principais alterações fisiológicas, dermatoses próprias do período pós puerperal e dermatoses influenciadas pela gravidez assim como os principais métodos usados de peeling e mascaras, com seus prováveis efeitos adversos, demonstrando que o tratamento deve considerar os riscos e benefícios para a puérpera sempre respaldada por conhecimento científico específico e a necessidade do procedimiento durante este periodo.

Contudo, sugere-se estudos científicos mais aprofundados, estudo de grupos populacionais, para corroborar os dados apresentados neste trabalho e poder avaliar cada caso e eficácia do uso de peeling após puerpério ; sem querer dizer que nesta fase da mulher não seja uma fase onde a vaidade deve ficar de lado.

BIBLIOGRAFIA

ANDRADE,M.M de. Introdução a Metodologia do Trabalho Cientifico. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 1999.

BAUMANN, Leslie. Dermatologia Cosmética: princípios e práticas. Rio de Janeiro:

Revinter, 2004.

Jornal da Sociedade Brasileira de Dermatologia - novembro-dezembro de 2007.

Kede, M.P.V.; Sabatovich, O. Dermatologia Estética. São Paulo, Ateneu, 2004.

LIMA JRA. Teoria e pratica do acido glicólico. Monografia apresentada no curso de pós graduação da Universidade John Kennedy. Buenos Aires, 1996. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto,

aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Ministério da Saúde do Brasil;

2001.

Peyrefitte, G.; Cosmetologia, Biologia Geral e Biologia da Pele.

1998.

São Paulo, Andrei,

RIBEIRO, Cláudio de Jesus. Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. São Paulo:

Pharmabooks, 2006.

Sampaio, S.A. P.; Rivitti, E.A. Dermatologia. São Paulo, Artes Médicas, 2001.

Souza, V.M. Ativos Dermatológicos. V1, São Paulo, Tecnopress, 2004.

----------------Ativos Dermatológicos. V2, São Paulo, Tecnopress, 2004.

----------------Ativos Dermatológicos. V3, São Paulo, Tecnopress, 2004.

Pimentel, Arthur dos Santos; Peeling, Máscara e Acne – LPM Editora – 2008.